Absg 12-q2-p-l09-t

1.683 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.683
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
860
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Absg 12-q2-p-l09-t

  1. 1. AUXILIAR DO MODERADOR Pense Nisto: Que certeza cheia de esperança nos dá o alimentar dos cinco LIÇÃO 9 27 de maio a 2 de junho de 2012mil, no que concerne a tarefa de distribuir o Pão da Vida a pessoas famintas dasalvação? 3.º PASSO – PRATICAR! Encaminhados para Só para o Moderador: Aproveite a atividade que se segue para realçar asaptidões práticas em que os alunos poderão desenvolver conhecimento e depoispartilhá-lo com outros. Vão ser precisas duas folhas de papel de cores diferentes o Ministérioou um quadro de giz. Peça aos alunos que meditem na citação que se segue eque completem, depois, o exercício dado abaixo. SÁBADO À TARDE “Unicamente os métodos de Cristo trarão verdadeiro êxito no aproximar-sedo povo. O Salvador misturava-Se com os homens como uma pessoa que lhes LEITURA PARA O ESTUDO DA SEMANA: Êxodo 18:13-26; Mateus 7:17 e 18;desejava o bem. Manifestava simpatia por eles, ministrava-lhes às necessidades Atos 6:1-8; João 4:36; Atos 15:36-40.e granjeava-lhes a confiança. Ordenava então: ‘Segue-Me.’” – Ellen G. White, ACiência do Bom Viver, p. 143. Distribua as duas folhas de papel; numa delas, peça aos alunos que escrevam VERSO ÁUREO: “E como pregarão, se não forem enviados? Como estáas coisas que conseguem fazer bem quando mostram simpatia, atendem às ne- escrito: Quão formosos são os pés dos que anunciam a paz, dos quecessidades e captam a confiança das pessoas. Na outra folha, peça aos alunos anunciam coisas boas!” Romanos 10:15.que anotem as aptidões que desejam aprender. (Opção: Poderá usar um quadrode giz para anotar o que forem dizendo para as duas listas, se a classe tiver con- PENSAMENTO-CHAVE: Não basta as pessoas terem formação para a obra defiança para falar em voz alta dos seus pontos fortes e das suas necessidades.) evangelismo e de testemunho; é necessário que trabalhem ativamente pelas Peça a alguns membros da classe que exemplifiquem algumas das aptidões pessoas.que já possuem. Por exemplo, alguém que é bom a lembrar-se de nomes de-monstra como faz para se lembrar do nome de um novo conhecimento e relata o MUITOS MEMBROS DE IGREJA LAMENTAM O FACTO de, embora estandomodo como essa capacidade ajuda as pessoas a sentir-se valorizadas. preparados para frequentar seminários de formação em testemunho e evangelis- Anote as aptidões que os membros da classe gostariam de desenvolver e mo, não serem encorajados a envolver-se quando regressam às respetivas igrejasorganize um plano que promova a formação nessas áreas. locais. Consequentemente, muitas igrejas que não são muito ativas em atividades 4.º PASSO – APLICAR! de testemunho e de evangelismo não têm noção das pessoas bem preparadas que têm no seu meio. Ocasionalmente, algumas dessas pessoas oferecem vo- Só para o Moderador: Sugira as seguintes ideias para serem postas em luntariamente os seus serviços, mas muitas outras chegam à conclusão de queprática durante a semana. ou não são necessárias ou não são desejadas. A melhor maneira de suprimir o envolvimento dos membros em qualquer atividade de igreja é negar-lhes o envol- 1. companhe de perto uma pessoa que tenha alguma aptidão para o testemu- A vimento em áreas em que estão preparados para agir. É responsabilidade de cada nho, o evangelismo, a hospitalidade ou qualquer outra que gostasse pessoal- igreja local descobrir onde e como cada membro pode contribuir para as estraté- mente de desenvolver. Mantenha um diário das técnicas que vai observando. gias da igreja em testemunho e em evangelismo. Há de facto lugar para todos os Dedique algum tempo a falar dessas técnicas com a tal pessoa e inclua-as que estão dispostos. O segredo é encontrar esse lugar. num projeto em que ela possa supervisionar o seu desenvolvimento. Vamos analisar durante esta semana o conceito de intencionalmente pôr obrei- ros evangélicos a trabalhar e as maneiras pelas quais o envolvimento do maior nú- 2. rranje um mentor que esteja disposto a conversar ou a encontrar-se con- A mero de membros contribui para a harmonia geral da igreja e para o crescimento sigo durante algum tempo cada semana e que lhe dê estímulo para desen- espiritual e numérico da mesma. volver uma aptidão que esse mentor tenha e que, pessoalmente, gostasse de desenvolver. Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Isaías 12 e 13; Mateus 11; DTN, cap. 1.116 117
  2. 2. DOMINGO, 27 de maio RESPONSABILIDADE PARTILHADA SEGUNDA, 28 de maio CORRER RISCOS PELO SUCESSO Há muitos dedicados dirigentes de igreja que atrofiam, ou pelo menos reduzem, Os membros das igrejas Adventistas do Sétimo Dia têm um tremendo poten-a sua eficácia por não estarem dispostos a partilhar a sua carga ministerial com cial para o ministério. Muitos são entusiastas no envolvimento em estratégias deoutros. Este não é um problema recente, gerado pelo nosso acelerado mundo mo- evangelismo nas respetivas igrejas, apesar de aqueles que ocupam a liderançaderno. Mesmo Moisés, esse grande dirigente do Antigo Testamento, precisou de serem, por vezes, reticentes em lhes permitir esse envolvimento. Por detrás des-ajuda a fim de ver o valor da liderança partilhada. Podemos aprender muito com a sa atitude mental de “isto é só para profissionais”, está o medo de os membrosexperiência dele e com os bons conselhos que recebeu do seu sogro, Jetro. da igreja poderem fazer ou dizer alguma coisa errada, levando pessoas a afas- tar-se de Cristo e da Sua Igreja. Infelizmente, esta resistência ao envolvimento Leia com atenção Êxodo 18:13-26. Que importância atribui às palavras de membros está tão enraizada que prevalece mesmo quando algumas pessoas“para que” no versículo 22? tiveram formação adequada para um determinado ministério. O Espírito Santo e as promessas que Ele traz não se limitam aos dirigentes: são para todos os que estejam dispostos a entregar-se ao Senhor em fé e submissão, para todos os Só podemos conjeturar o tempo que Moisés aguentaria a manter aquele pro- que estejam dispostos a negar o eu e a trabalhar pela salvação de outros.grama de trabalho irrealista. De igual modo, só podemos imaginar até que pontoMoisés estava ciente da disponibilidade de colaboradores capazes. O que esta Que princípios ensinados por Jesus em Mateus 7:17 e 18 devem tran-história revela, porém, é que havia muitos que eram aptos e estavam dispostos a quilizar os receios de dirigentes preocupados? Como é que se distinguemdar o seu contributo. Moisés precisava de lhes permitir o envolvimento, delegan- os bons dos maus frutos, e de que modo deve a liderança da igreja no seudo neles certas responsabilidades de liderança. todo estar envolvida neste processo? Mais, como é que se faz isso sem As atividades que os dirigentes da igreja devem, de boa vontade, estar dis- condenar os outros?postos a partilhar incluem o testemunhar e o evangelizar. Os princípios da res-ponsabilidade adequadamente organizada e partilhada, que apreendemos daexperiência de Moisés, são de valor incalculável para os nossos esforços deconquista de pessoas para o reino. Se toda a boa árvore dá bons frutos, os dirigentes da igreja deviam concen- Que importância percebe na forma como Moisés escolheu homens com trar-se em cultivar boas árvores. Como em todas as coisas que têm a ver com acaracterísticas específicas (v. 21) e lhes conferiu diversos graus de res- nossa resposta ao chamado do evangelho, devemos primeiramente ser alguémponsabilidade (v. 25)? De que modo estes princípios teriam aplicação nas para Jesus antes de podermos com sucesso fazer alguma coisa para Ele. Seestratégias evangelísticas das igrejas dos nossos dias? dermos atenção adequada à condução de pessoas a um relacionamento signifi- cativo e profundo com Jesus, o Espírito Santo garantirá que essas pessoas vão dar os frutos certos. A nossa parte é dirigir, ensinar e formar. A parte de Deus Provavelmente, foi a natureza intensamente espiritual da tarefa de falar em é abençoar a atividade dessas pessoas. Precisamos de as confiar a Deus. Senome de Deus que tornou Moisés reticente à partilha de responsabilidades. Tam- dermos atenção adequada ao desenvolvimento espiritual e às aptidões práticas,bém nós sentimos a grandiosa responsabilidade de falar às pessoas acerca de podemos confiar que as pessoas vão produzir o fruto certo do sucesso evange-e em nome de Deus. O testemunho e o evangelismo que praticamos são uma lístico. É verdade que pode haver um elemento de risco dependendo da ativida-questão séria. Estamos conscientes de haver vidas eternas em jogo. E embora de assumida e do nível de formação, mas devemos lembrar-nos de que mesmoisto nos leve, e deva levar, a ser cuidadosos quanto à forma como procedemos, os discípulos, que tiveram o maior Mestre de sempre, nem sempre conquistaramdevemos também estar dispostos a envolver toda a gente no trabalho missioná- todas as almas a quem apelaram.rio e no evangelismo. Leia de novo Êxodo 18:21 e 22. Repare que os líderes recém-nomeados Já alguma vez sentiu que os seus dons e talentos não eram aprecia-tornaram a sua ação como dirigentes permanentemente acessível. Do mesmo dos? Qual poderá ter sido a causa? Examine-se e veja se, talvez, a falhamodo, devemos estar sempre prontos para dar uma resposta a favor da espe- poderá estar em si e nalguma das suas atitudes pessoais (orgulho, porrança que há em nós. exemplo) em vez de em qualquer outra coisa.Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Isaías 14 e 15; DTN, cap. 2. Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Isaías 17-19; DTN, cap. 3.118 119
  3. 3. TERÇA, 29 de maio ADEQUAR OS OBREIROS À SEARA QUARTA, 30 de maio CRESCIMENTO ESPIRITUAL MEDIANTE O ENVOLVIMENTO NAS ATIVIDADES Quando as pessoas mostram interesse em aprender mais acerca de Deus e daSua Igreja, devemos escolher cuidadosamente aqueles que ficarão encarregues O crescimento espiritual só surge na medida em que nos ligamos a Jesus. Nãoda tarefa do testemunho. Numa sociedade multicultural, faríamos bem em apontar se consegue pelo facto de os seres humanos realizarem simplesmente umas tare-alguém da mesma nacionalidade e língua como responsável e possivelmente al- fas específicas, mesmo que sejam tarefas de testemunho e evangelismo. Nenhumaguém mais ou menos do mesmo grupo etário. Além disso, devemos ter em conta a igreja consegue “programar” a espiritualidade nos seus membros. No entanto, é umamaturidade espiritual, o conhecimento da Bíblia, as capacidades comunicativas e grande verdade que, à medida que os crentes respondem ao chamado de Deus paraa experiência de salvação desse obreiro. Noutras palavras, devemos assumir com ser discípulos, a sua comunhão pessoal com o Senhor torna-se mais profunda e mais forte. Embora não devamos envolver-nos em testemunho e evangelismo unicamenteseriedade a adequação do obreiro àqueles com quem ele vai trabalhar. numa tentativa de crescer espiritualmente, quando essas atividades são assumidas Quando se trata de testemunho e evangelismo, não existe tal coisa como um com genuíno amor por Deus e pelos perdidos, trazem inúmeras bênçãos espirituaistamanho único que serve a todos. Há uma singularidade na caminhada da vida de a todos os envolvidos.cada pessoa, e também uma singularidade na caminhada espiritual de cada umadelas. Contudo, embora haja essa singularidade, há também semelhanças nas Leia João 7:17. O que é que este versículo nos diz sobre fazer a vontade deexperiências das pessoas, e faz todo o sentido adequar tão bem quanto possível Deus e maior crescimento espiritual?as experiências do crente à do indagador da verdade. Uma pergunta válida é: “Como é que uma pessoa que procura a verdade pode ter Leia Atos 6:1-8. Que tarefas são aí enumeradas? Quais foram os resulta- a certeza de que é genuíno aquilo que encontra?” No versículo 17, Jesus apresentados quando se adequaram atividades às aptidões? uma verdade que ajuda todos os que desejam segui-Lo. Aqueles que estão dispostos a fazer a vontade de Deus podem saber se uma doutrina é, ou não é, de Deus. Como Repare-se na progressão destes acontecimentos: os apóstolos tomaram co- é que isso acontece? Há claramente um crescimento espiritual mediante a ligação. Onhecimento de um problema urgente. Pediram aos crentes que encontrassem sete que Jesus diz é que aqueles que estão a viver de acordo com a verdade da Bíblia jáhomens para atender ao problema. Os crentes apresentaram aos apóstolos a se- aceite vão receber maior luz. Há uma forte ligação entre ouvir e fazer (veja Apoc. 1:3).leção que fizeram. Os apóstolos investiram-nos mediante a imposição das mãos. Aqueles que fazem a vontade de Deus, por pouco que seja o que conhecem da SuaE assim o número dos discípulos aumentou grandemente. vontade, serão abençoados com um relacionamento cristão mais profundo, o qual, Embora Estêvão e os outros seis nomeados devessem “servir às mesas”, a associado a um estudo da Bíblia em espírito de oração, levará a uma maior revelaçãoqualificação para essa tarefa não parece ter sido a de possuírem a aptidão para da verdade e a um emocionante crescimento espiritual.organizar e distribuir alimentos. Os crentes insistiram em procurar homens cheios Leia João 4:36. Qual é o salário espiritual recebido em consequência de sedo Espírito Santo, uma vez que a sua atividade junto das viúvas judias de língua estar envolvido na salvação de pessoas? Que comunhão espiritual é sugeridagrega iria ser um trabalho de testemunho e evangelismo. Assim, vemos que os pelo regozijo em conjunto do semeador e do ceifeiro?homens recentemente nomeados foram fundamentais para a obra de evangelis-mo na Igreja do primeiro século, na medida em que libertavam os evangelistas da Muitos comentaristas sugerem que os discípulos estavam a colher o que Joãolinha da frente e apoiavam também ativamente o trabalho destes (veja o v. 8). Mais Batista e Jesus tinham semeado. A própria mulher samaritana tinha claramente lan-uma vez, podemos confirmar que, seja qual for a atividade em que os membros çado algumas sementes do evangelho no meio do povo da sua cidade. Como eles seda igreja se envolvam, esta contribuirá direta ou indiretamente para, e apoiará, os devem ter regozijado em conjunto à medida que a colheita espiritual amadurecida iaesforços de testemunho e evangelismo de qualquer igreja. sendo recolhida para o reino! O sucesso mediante o trabalho em conjunto no teste- Embora os talentos naturais, os dons espirituais e a formação específica sejam munho e no evangelismo cria um vínculo entre Deus e nós e entre nós e os crentesimportantes para o ministério bem sucedido da igreja, as atitudes pessoais são, nossos companheiros. Ao atendermos ao chamado de Deus para nos envolvermostalvez, ainda mais importantes. Repare que em Atos 16:1-5 e Atos 4:36 e 37 tanto na salvação de pessoas, este vínculo, esta proximidade e crescimento espiritual,Timóteo como Barnabé assumiram a atitude de fazer o que fosse preciso para dar frutifica como resultado natural de fazer parte da equipa de Deus.apoio ao ministério do evangelho. Barnabé deu dos seus bens pessoais, e Timóteo Até que ponto a sua fé pessoal foi fortalecida mediante o seu própriosujeitou-se à circuncisão de modo a não melindrar alguns judeus. Na verdade, as testemunho, quer através do sucesso quer dos fracassos? De que modo olições que isto contém para nós são óbvias. testemunhar influencia o seu relacionamento com o Senhor?Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Isaías 20-22; Lucas 2:1-20; DTN, cap. 4. Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Isaías 23-25; Lucas 2:21-38; DTN, cap. 5.120 121
  4. 4. QUINTA, 31 de maio CRIAR HARMONIA MEDIANTE O ENVOLVIMENTO SEXTA, 1 de junho Há um fenómeno que por vezes é difícil de explicar, mas que se pode descrever ESTUDO ADICIONAL: Estabelecer um Calendário Realista para a Atividademelhor como a “influência circular”. A propósito de harmonia e envolvimento, a in- Tal como foi mencionado na secção do Estudo Adicional da sexta-feira passada,fluência circular funciona assim: conseguir que as pessoas se envolvam promove a doze meses é um bom período de tempo para se planear antecipadamente. Depen-harmonia, a qual, por sua vez, anima as pessoas a envolverem-se, e isso, pelo seu dendo do programa de testemunho e evangelismo que estejam a pensar fazer, olado, promove a harmonia. Pode perceber-se o princípio da influência circular em calendário específico variará de acordo com as diferentes estratégias e prioridadesação. Demonstra-se claramente no velho dito de que aqueles que estão a remar não referentes aos objetivos. Há, no entanto, alguns pontos em geral que devem serperdem tempo a abanar o barco. considerados. Houve algumas decisões importantes no desenvolvimento da organização da Igre- 1. onham por escrito aquilo que pretendem alcançar ao longo dos próximos doze Pja do primeiro século que poderiam ter provocado grandes conflitos, mas as preferên- meses. Especifiquem as pretensões em termos de pessoas e discipulado, nãocias pessoais dos crentes foram submetidas ao que era melhor para a tarefa que o apenas a realização de programas.Senhor lhes tinha confiado. 2. reparem um cronograma para o processo. Este pode ser tão pormenorizado P quanto desejem, mas certifiquem-se de que não é demasiado breve. Deve in- Analise o importante processo de nomeação registado em Atos 1:15-26. cluir importantes momentos de formação, datas para o início e o fim do progra-Embora hoje em dia não lancemos sortes, que pontos-chave procuravam eles ma e momentos definidos para a avaliação.neste caso, e que princípios podemos retirar deste exemplo para o trabalho do 3. o definir as principais fases do programa, certifiquem-se de que também espe- Aministério nos nossos dias? cificam quais os indivíduos ou equipas que serão responsáveis por elas. 4. onham por escrito a forma como as vossas estratégias para o programa se in- P É claro que, sempre que os seres humanos trabalham em conjunto, existe o poten- tegram no programa geral de testemunho e evangelismo da igreja. Especifiquemcial para o conflito. Estaremos certos ao imaginar que o diabo está ativo para diminuir onde e como outras estratégias da igreja vão corroborar as vossas e onde é quea eficácia dos crentes. É bom, então, que revejamos de forma breve um incidente no as vossas vão fortalecer as da igreja. Isto ajudar-vos-á a recordar que são parteministério evangelístico da Igreja do primeiro século numa altura em que o conflito de uma equipa mais vasta e que há necessidade de trabalhar em conjunto.foi real. 5. nalisem com seriedade se o vosso programa vai ser permanente ou se vai ser A repetido no ano seguinte na igreja. Isto ajudará a determinar que formação per- Analise Atos 15:36-40. O que é que provocou a diferença de opinião entre manente precisará de ser seguida tendo em vista o recrutamento de elementos.Paulo e Barnabé? Qual foi o resultado desse desacordo, e que lição podemos Se o vosso programa for uma atividade que se vai desenvolvendo, cada sessãoaprender com ele? de avaliação precisará também de incluir alguma previsão do futuro. Numa viagem missionária anterior, João Marcos abandonara Paulo e os outros PERGUNTAS PARA REFLEXÃO:companheiros e regressara a Jerusalém. Parece que esse incidente (veja Atos 13:13) 1 As citações que se seguem revelam que Deus tem expectativas a res-tornou Paulo hesitante em levar João Marcos na viagem que agora programava. Por peito de cada crente e que Ele tem um trabalho designado para cada um. Nooutro lado, Barnabé percebeu que seria um benefício tanto para João Marcos como seu entender, o que é que Deus espera da Sua Igreja a respeito da formaçãopara o projeto missionário levar João Marcos na equipa. Uma consequência foi que, e da organização do seu envolvimento em testemunho e conquista de pes-enquanto Paulo decidiu levar Silas consigo, Barnabé fez a viagem com João Marcos. soas? O que é que uma igreja pode fazer para ajudar os membros a compre- Não houve desentendimento quanto ao trabalho missionário que devia ser feito e, ender as expectativas de Deus? Ao pensar nas citações abaixo, pergunte aem vez de permitir que as diferenças pessoais ensombrassem a tarefa evangelística, si mesmo/a como é que elas se aplicam a si pessoalmente.acabaram por enviar duas equipas de testemunho. Embora mais tarde Paulo e João 2 “Deus espera serviço pessoal da parte de todo aquele a quem confiou oMarcos tenham proveitosamente trabalhado juntos (veja II Tim. 4:11), as diferenças conhecimento da verdade para este tempo. Nem todos podem ir como missio-entre eles naquela ocasião não foram toleradas como interferência na missão que nários para terras estrangeiras, mas todos podem ser missionários entre ostinham a desempenhar. familiares e vizinhos.” – Ellen G. White, Testemunhos para a Igreja, vol. 9, p. 30. 3 “A todos os que se tornam participantes da Sua graça, o Senhor apon- Pense em alguém com quem poderá presentemente ter algum desacor- ta uma obra a ser feita em favor dos outros. Individualmente devemos assu- do na igreja. De que dose de humildade, morte do eu e disposição em per- mir a nossa parte dizendo: ‘Eis-me aqui, envia-me a mim.’” – Ellen G. White, doar e dar a outra face necessita a fim de operar uma reconciliação? Profetas e Reis, p. 148, ed. P. SerVir.Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Isaías 26-28; Mateus 2; DTN, cap. 6. Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Isaías 29 e 30; Lucas 2:39 e 40; DTN, cap. 7.122 123
  5. 5. As Minhas Notas Pessoais AUXILIAR DO MODERADOR Texto-Chave: Romanos 10:15 Com o Estudo desta Lição o Membro da Classe Vai: Aprender: A descrever a razão porque e o modo como cada membro de igreja deve ser envolvido na divulgação do evangelho de Cristo. Sentir: Os vínculos íntimos de harmonia que se formam ao trabalhar em conjunto para salvar pessoas. Fazer: Responder “Eis-me aqui, envia-me a mim” (Isa. 6:8) ao chamado para a atividade missionária no lar, na comunidade e, talvez, no campo mundial. Esboço da Aprendizagem: I. Aprender: Partilhar a Carga A. or que razão alguns obreiros no evangelho, profissionalmente habilitados, P se mostram relutantes em tomar parte em atividades missionárias com membros leigos que têm relativamente pouca formação? O que é que se pode fazer para reforçar a confiança dos líderes nos esforços dos leigos? B. ue responsabilidade têm os dirigentes no sentido de preparar cada Q membro da igreja para o serviço missionário, e que função desempenha o Espírito Santo? II. Sentir: Desenvolver a Harmonia A. e que modo o trabalho em conjunto na salvação de pessoas promove a D harmonia e cria unidade na igreja? B. ue atitudes promovem o desenvolvimento de laços estreitos quando os Q membros da igreja trabalham juntos na causa de Cristo? III. Fazer: Eis-me aqui A. que modo vamos responder a um chamado para a atividade missionária De vindo dos líderes ou da comissão de nomeações da igreja? B. ual é o campo de trabalho que mais naturalmente se enquadra nos seus Q talentos, idade e disposição? Que campo de trabalho pode fazer com que se sinta desconfortável, mas que, mesmo assim, ainda reflete um chamado à atividade missionária que deve ser atendido? Sumário: Cada membro da igreja tem um campo de trabalho no qual, com a formação apropriada, com organização e sob a bênção do Espírito Santo, pode aplicar os seus dons espirituais e aproveitar os seus relacionamentos sociais na atividade missionária.124 125
  6. 6. AUXILIAR DO MODERADOR AUXILIAR DO MODERADOR CICLO DA APRENDIZAGEM “efeito do mirone”, quando se trata de pôr na prática o nosso conhecimento e as nossas crenças? 1.º PASSO – MOTIVAR! Atividade: Os psicólogos explicam a “dissonância cognitiva” como sendo a tendência que os seres humanos têm de “afastar por racionalização” as emo- Conceito-Chave para Crescimento Espiritual: Não basta ser “evangelista ções ou crenças contraditórias. Por exemplo: “Sim, eu creio que Cristo nos cha- de sofá”. Só pondo a teoria em prática é que se pode experimentar a alegria ma a ser Suas testemunhas. Mas isso não é da minha responsabilidade; há inacreditável que resulta de ser um embaixador de Cristo. alguém que vai desempenhar isso melhor do que eu.” Juntamente com a classe, compile uma lista de vulgares racionalizações que fazem com que continuemos Só para o Moderador: Há, muitas vezes, um fosso enorme entre o “saber” e o a “passar ao lado” das oportunidades de testemunho. (“Não é trabalho meu”;“fazer”. Esta semana, ajude os membros da classe a descobrir maneiras práticas “não sou dotado para isso”; “Há outros bem mais qualificados do que eu”; “Parade traduzir a teoria do testemunho num compromisso pessoal de passar à ação. isso, preciso de formação adequada”.) Conserve à mão esta lista para a ativida- Atividade de Abertura: No dia 20 de setembro de 2004, uma mulher de 25 de de encerramento.anos, inconsciente e a sangrar profusamente, jazia com a cabeça na valeta numamovimentada rua do sul de Londres. As câmaras de vigilância no local captaram 2.º PASSO – ANALISAR!imagens de nada menos do que 12 carros que afrouxaram, passaram ao lado damulher e continuaram a marcha. Só para o Moderador: Ao longo das Escrituras, Deus chama o Seu povo à Em Nova Iorque, no dia 18 de abril de 2010, um homem de 32 anos foi esfa- ação. Ajude a classe a compreender que este chamado a dar testemunho não équeado depois de ir em socorro de uma mulher que tinha sido atacada por um uma “opção extra” para os seguidores de Cristo – é um mandato pessoal.assaltante munido de uma faca. Mais uma vez, as câmaras de vigilância regis-taram a cena em que, pelo menos, 25 pessoas passaram ao lado – uma delas COMENTÁRIO BÍBLICOparou para tirar uma fotografia com o telemóvel – enquanto o homem se esvaíaem sangue até morrer ali no passeio daquela rua. – A. G. Sulzberger e Mick Me- I. Afinal, de Quem É a Responsabilidade?enan, “Questions Surround a Delay in Help for a Dying Man” (Interrogações que (Recapitule com a classe Êxodo 18:13-26; Atos 6:1-8.)Rodeiam uma Demora no Auxílio a um Homem Moribundo), New York Times, de25 de Abril de 2010. Estas duas narrativas bíblicas – de Moisés e da Igreja Cristã do primeiro sé- A relutância em prestar ajuda a um estranho é aquilo a que os psicólogos culo – estão separadas por um espaço imenso de tempo e circunstâncias. Notêm chamado o “efeito do mirone”. Numa famosa experiência, feita em 1973, na entanto, ao ler as duas histórias, procurem os paralelismos das situações queUniversidade de Princeton, nos Estados Unidos, os psicólogos John Darley e elas descrevem. Vá um passo mais adiante: Quantos dos mesmos desafios con-Daniel Batson estudaram o fenómeno dentro de um contexto religioso. Pediram segue ver refletidos na nossa própria Igreja no século vinte e um?a um grupo de seminaristas do Seminário Teológico de Princeton que preparas- Pense Nisto: Por que razão se torna, por vezes, tão difícil para nós a dele-sem um sermão e que fossem depois ao edifício ali perto para o apresentarem. gação de responsabilidades? (Falta de confiança? Relutância em abrir mão deA alguns alunos foi dito que pregassem sobre a parábola do Bom Samaritano. À algum controlo pessoal? Dificuldade em acreditar que outros conseguem desem-medida que os alunos saíam do primeiro edifício, um a um, para pregar o respe- penhar a tarefa tão bem como nós? Não querer sobrecarregar outros?) Quaistivo sermão, passavam por um homem “caído num beco, de cabeça para baixo, são alguns dos possíveis resultados se os dirigentes do trabalho missionário nãoolhos fechados, a tossir e a gemer.” partilharem responsabilidades? Que estudantes seriam os mais prováveis a deter-se e a prestar auxílio? Ofator mais importante não foi o terem preparado ou não um sermão sobre o Bom Na história do Êxodo, repare no conselho dado pelo sogro de Moisés (vs.Samaritano. Foi o ter sido dito, a cada um deles, que já estava atrasado ou não 19-23). Em que aspetos este conselho (no v. 20, ensinar/dar formação; no v. 21,para o compromisso. Dos que foram informados que tinham algum tempo dispo- tarefas a corresponder com as qualificações; no v. 22, ação de mentor) descre-nível, 63 por cento pararam para prestar ajuda ao homem. Daqueles a quem foi ve um processo eficaz para a delegação de responsabilidades no seio de umadito que estavam atrasados, apenas 10 por cento pararam para ajudar. comunidade espiritual? Pense Nisto: De acordo com um Inquérito Mundial Adventista em 2002, me-nos de 40 por cento dos membros da Igreja Adventista estavam envolvidos na Apesar das estruturas sociais muito rígidas do Império Romano no primeirodivulgação da sua fé no seio da comunidade. Estaremos nós a sucumbir ao século da era cristã, a Igreja Cristã desse período procurou refletir o ideal que126 127
  7. 7. AUXILIAR DO MODERADOR AUXILIAR DO MODERADORCristo tinha de uma “família” de crentes, unidos na fé e na missão (Gál. 3:8). O que nos deu a ideia de que o pastor deve fazer todas as pregações, dar todosCristianismo proporcionava às mulheres tanto o respeito como uma substancial os estudos bíblicos, ser o principal ganhador de pessoas na Igreja, e tomar eparticipação da vida da Igreja (Rom. 16:1 e 2; Fil. 4:2 e 3), o que não estava executar todas as decisões administrativas para a Igreja.” – George Knight, “If Iacessível quer nas culturas pagãs quer sob a lei judaica. Were the Devil” (Se Eu Fosse o Diabo), Adventist Review (Revista Adventista), 4 Pense Nisto: Há grupos na sua congregação que são sistematicamente pas- de janeiro de 2001, pp. 8-15.sados por alto quando se trata de planeamento e implementação de atividadesmissionárias? Por exemplo, os jovens, as mulheres, minorias étnicas ou culturais Perguntas para Reflexão:estão bem representados? Se não, porquê? De que modo a diversidade pode 1. té que ponto esta descrição da função do pastor reflete a realidade da sua Atrazer força aos programas missionários da igreja? congregação? II. Além do “Cristianismo Confortável” 2. numere alguns passos práticos que podem ser dados por uma congrega- E (Recapitule com a classe João 4:36; Mateus 7:17; Lucas 6:43-45.) ção a fim de combater o mito do “ganhador de pessoas profissional” – isto é, a ideia de que as pessoas não podem ser ganhas para Cristo por qualquer Quando a nossa fé já não dá “frutos” nos nossos relacionamentos e atividades outra pessoa que não seja o pastor ou evangelista.diários, é porque nos desviámos para o perigoso reino do “Cristianismo Confortá-vel”. Leia as palavras de Cristo em Mateus 5:13 e leia depois II Pedro 1:5-9, re- 3. e fosse pessoalmente o diabo, que outras estratégias utilizaria a fim de Sparando em especial no versículo 8. Quais são os sintomas espirituais de alguém manter os membros da igreja sentados nos bancos como espectadores, emque perdeu a sua “salinidade” ou que se tornou ineficiente e improdutivo na sua fé? vez de ser participantes na conquista de pessoas? Atividade: Peça à classe para, em conjunto, compilar uma lista de perso-nagens das Escrituras cuja vida foi transformada quando decidiram tornar-se Pense Nisto: O que é que ajuda os jovens a adquirir maturidade na fé e aparticipantes ativos na missão de Deus. (Como ponto de partida, talvez seja útil ganhar raízes profundas na igreja? De acordo com um estudo feito ao longo derever Hebreus 11, o “quadro de honra” do apóstolo Paulo, onde estão incluídos 10 anos junto dos jovens Adventistas do Sétimo Dia na América do Norte, os trêsgrandes homens e mulheres de fé.) principais fatores são: (1) ter uma vida de fé intrínseca (devocional); (2) partilhar a fé; e (3) envolvimento em serviço. 1. que é que acontece, espiritualmente, aos indivíduos que se recusam a O ser meros mirones no grande plano de Deus? Pense na programação para os jovens da sua congregação. A ideia de teste- 2. e que modo a vida desses homens e mulheres ilustra que a fé não é um D munho e serviço tem grande prioridade? Por que razão, no seu entender, aqueles conceito espiritual abstrato que se vive melhor em isolamento? Pelo contrá- três fatores surgiram no topo da lista, acima de “qualidade de educação religiosa rio, de que modo a vida desses heróis da fé mostra que a fé tende a lançar- na igreja e na escola (número 5 na lista)”; “crer firmemente nas doutrinas Adven- -nos para a desordenada realidade da vida? tistas (número 8)”; e até “um ambiente familiar caloroso e apoiante (número 10)”? 3. té que ponto a evidência sugere que a fé e a atuação motivada pela fé não A se podem nunca separar efetivamente? A Igreja Adventista do Sétimo Dia tem muito a dizer sobre teologia e crenças. Quando, porém, temos nós sido culpados de enfatizar os aspetos cognitivos e 3.º PASSO – PRATICAR! proposicionais da nossa fé com prejuízo do aspeto da prática e da experiência? De que modo podemos ser tão eficientes em viver a verdade de Deus como so- Só para o Moderador: Ajude a classe a utilizar os princípios bíblicos que mos em prová-la aos outros?analisaram acima, a fim de fazer uma apreciação da comunidade de fé a quepertencem. De que modo os Adventistas do Sétimo Dia podem ser mais intencio- 4.º PASSO – APLICAR!nais quando cuidam e preparam cada crente para o testemunho? Pense Nisto: O historiador Adventista do Sétimo Dia George Knight pregou Só para o Moderador: Independentemente de quanto saibamos acerca deum sermão na sessão da Conferência Geral em 2000, em Toronto, Canadá, no como testemunhar, só libertaremos o seu poder na nossa vida e na nossa comu-qual imaginou diferentes estratégias usadas pelo diabo nas suas tentativas de nidade se de facto o fizermos. Ajude a classe a dar o primeiro passa na passa-fazer descarrilar a missão da Igreja. Disse ele: “Se eu fosse o diabo, eu fazia dos gem da teoria para a prática.pastores e administradores o centro do trabalho da Igreja. Deve ter sido o diabo128 129
  8. 8. AUXILIAR DO MODERADORAtividades: Pense nestas duas citações: LIÇÃO 10 3 a 9 de junho de 2012 “A nossa confissão da Sua fidelidade é o meio escolhido pelo Céu para revelarCristo ao mundo ... mas o que será mais eficaz é o testemunho da nossa própriaexperiência.” – Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, PserVir, p. 285. “No mundo pós-moderno, precisamos de contar a nossa própria história pes-soal: conspurcada, rude e grumosa, não espremida numa fórmula. Precisamos Uma Resposta de Amorde relatar as histórias das nossas experiências, de modo que os pós-modernosconsigam perceber o sentido por detrás dessas histórias – a nossa fé.” – Ed SÁBADO À TARDEHindson e Ergun Caner, eds., The Popular Encyclopedia of Apologetics (A Enci-clopédia Popular de Apologética). Eugene, Oregon: Harvest House Publishing, LEITURA PARA O ESTUDO DA SEMANA: I João 4:18 e 19; Romanos 3:19 e 20;2008, p. 400. João 15:13; Romanos 5:6-8; João 6:28 e 29. Peça à classe que se divida em pares. Convide cada par a analisar a quemgostaria de falar durante a próxima semana acerca da respetiva história pessoalde salvação. Sugira que, à vez, cada um ensaie o que vai dizer do seu próprio VERSO ÁUREO: “Se me amardes, guardareis os meus mandamentos.”testemunho sobre a fidelidade e presença de Deus. Juntem-se de novo como João 14:15.classe e debatam o seguinte: O que é que soube bem ao falar do modo comoDeus tem dirigido a vossa vida? O que é que foi mais difícil? O que é que poderiatornar a experiência mais fácil? PENSAMENTO-CHAVE: Temos o dever de trabalhar para ganhar pessoas para Cristo; a pergunta que precisamos de fazer a nós mesmos é: “O que é que nos Reflexão: Leia Efésios 6:19 e 20 e, depois, leia de novo a lista de obstáculos motiva a fazer isso?”ao testemunho que a classe criou no passo 1. Convide os membros da classeque o desejarem fazer a orar sobre desafios específicos que tenham na lista, EMBORA O VERSO ÁUREO SEJA MUITAS VEZES visto como uma refe-pedindo a Deus coragem para “falar com ousadia” em Seu nome, sejam quais rência aos Dez Mandamentos, há também outros mandamentos, não sendo oforem as circunstâncias. menor deles o que diz: “Portanto, ide, ensinai todas as nações” (Mat. 28:19). A motivação que temos para o testemunho e o evangelismo deve vir princi- palmente da graça de Deus que nos foi manifestada e não de um sentimento de culpa, por mera obrigação ou por querermos pagar uma dívida. Não temos de ser psicólogos comportamentais para saber que praticamente tudo o que fa- zemos como seres humanos fazemo-lo em resposta a qualquer coisa. Isto é verdadeiro também no que diz respeito ao nosso envolvimento no testemunho e no evangelismo. Pode-se descobrir qual a motivação que temos perguntando- -nos simplesmente qual é a razão por que fazemos o que fazemos. Que razão nos leva a envolvermo-nos nas estratégias de testemunho e de evangelismo da igreja? Ou, na realidade, por que razão não nos envolvemos? Esta semana vamos explorar a motivação certa para o envolvimento na obra de Deus, e também expor os perigos de trabalhar por uma motivação errada, como seja obrigação, culpa ou vergonha. Vamos aprofundar a razão por que o evangelismo e o testemunho devem ser a nossa resposta de amor à dádiva que Deus nos fez da salvação. Leitura Bíblica e Esp. Profecia: Isaías 31-33; Lucas 2:41-51; DTN, cap. 8.130 131

×