Agrupamento de Escolas de Anadia
Escola Básica nº 2 de Anadia
Concurso “LER & APRENDER” 2015
Texto Narrativo / 3 º CEB
Nom...
2
Índice:
- Capítulo 0: O começo
- Capítulo 1: Um reencontro gelado
- Capítulo 2: Sorrisos de Primavera
- Capítulo 3: Féri...
3
O amor é um sentimento que se sente por duas pessoas. Que se protegem a uma à outra, que se amam e que…
… ficam sempre j...
4
Capítulo 0: O começo
Inverno, 5 de Janeiro de 2006
As árvores já estavam na sua altura. Todas nuas sem nenhuma folha e a...
5
Ela levantou a cabeça, os seus olhos brilhavam com as lágrimas como se fossem diamantes. O
rapaz quase ia desmaiar pela ...
6
Capítulo 1: Um reencontro gelado
Inverno, 5 de Janeiro de 2015
Triing! Triing! Tocava o despertador, indicando 8:00 AM. ...
7
A árvore estava toda despida e com a neve por cima dela parecia que a árvore estava triste e
sozinha. A rapariga não par...
8
- Pois, já vi. Hoje, eu preferia ficar em casa na minha caminha. Está tanto frio! – comentou a
Rafaela abraçando-se.
- C...
9
- Quem seria aquela rapariga? Ela parecia que te conhecia, Pedro. – disse ele – Conhece-la?
O Pedro ficou calado por um ...
10
Depois de a aula acabar, todos foram lanchar. Joana e as amigas foram para fora, sentando-se
num banco e comendo os seu...
11
- Olha, olha. Parece que o nosso Pedro tem um fraquinho. – disse o de cabelos vermelhos,
pondo o braço à volta do ombro...
12
- Eh? Onde é que ele foi? – perguntou ela.
Ela correu pelo parque todo e não o viu em lado nenhum até que ela se lembro...
13
Duas crianças corriam da saída do parque para a loja. O rapaz de cabelos castanhos estava a
agarrar na mão de uma peque...
14
Ao ouvir aquelas palavras, por dentro, a Joana começou a sentir raiva.
- Ah! Eu não sou uma idiota. Idiota! – gritou el...
15
- A sério? Mas o que se passa com vocês as duas? – perguntou a Rafaela levantando-se.
As duas ficaram caladas na mesma....
16
- E…eu só fui contra ele e ele ajudou-me a levantar. – disse a Joana, olhando para os seus pés.
- Hum. E por acaso, ele...
17
- Parecia que estavas na Lua. – disse a Mariana, sorrindo.
- Hum?! O que é isso? – perguntou a Rafaela, tirando o saco ...
18
- Então ele veio mesmo aqui naquela vez!? – pensou a Joana, ignorando o olhar dele.
- Então és mesmo tu… Gonçalo? – per...
19
- Mas eu não sou aquele que tu procuras.
Depois daquilo tudo, a Joana tinha voltado para casa e foi logo para o quarto....
20
A Mariana não entendia o que a Rafaela estava a dizer até que olhou para onde a amiga
estava a olhar para ver o Pedro a...
21
- Não sei do que estás a falar. – respondeu ele, o seu olhar vazio nunca mudando.
- Não nos tentes enganar. Nós sabemos...
22
- Muito bem. Não te esqueças do que tens de fazer, ouviste? – disse a Mariana, apontando o
seu dedo para o Pedro.
- Ai,...
23
- Eh? Joana? Está tudo bem? – perguntou o João, não notando no Pedro até que olhou para
onde a Joana estava a olhar – O...
24
- Bem, a hora do lanche acabou. As aulas vão começar. – exclamou o Filipe.
- Ai! A mim não me apetece ir para a aula, e...
25
- Tem calma, Rafaela. Falaremos com ele de novo depois da aula. – disse a Mariana, calando-
se depois ao ver o professo...
26
- O que querem agora? – perguntou o Pedro, suspirando e pondo as mãos nos bolsos das
calças.
- Queremos saber o que aco...
27
- Talvez deva ir. – pensou ela, não notando nos olhares das amigas.
Quando a aula acabou, todos os alunos estavam indo ...
28
- D-desculpa. – gaguejou ela – D-do que querias falar c-comigo?
- Do que aconteceu naquele dia. O que eu disse… - respo...
29
- Isso não responde a nada! – exclamou ela, levantando-se – Tu não sabes o quanto eu sofri
quando soube que tu tinhas i...
30
- Oi! Oi! Para com isso! – gritou ele, continuando a fugir dela e recebendo mais bolas de neve.
- Ahahahaha. – riu-se e...
31
Capítulo 2: Sorrisos de Primavera
Primavera, 20 de Março de 2015
O dia estava lindo. As árvores estavam cheias de flore...
32
- Bom dia. – murmurou ele.
Ao ouvir isso, a Joana sorriu só que eles não sabiam que os seus amigos estavam a olhar para...
33
- Cuidado, eu!? Tu é que foste contra mim! – gritou a Rafaela, chateada e olhando para o
rapaz, notando que ele tinha o...
34
- Eles convidaram-nos para lancharmos juntos. Mas tu tinhas de fugir, não era? – respondeu a
Mariana
- Então do que est...
35
A Rafaela só engoliu em seco e começou a caminhar devagar.
O Filipe estava de costas a dormir até que ouviu alguém a ap...
36
- Senta-te aqui Joana. – disse o João, sorrindo.
- É q-que.. e-eu… - gaguejou ela, olhando depois para o Pedro que nem ...
37
- Hm. Ok. – murmurou o Pedro, com os olhos fechados.
- E então e tu, Rafaela? – perguntou a Mariana.
- Eu não vou se el...
38
- Boa! Então está decidido! – exclamou o Tiago contente – Amanhã, temos de estar aqui todos
no portão da escola que a m...
39
- Presente.
- Tiago?
- ….
- Tiago? Alguém viu o Tiago?
Os alunos olhavam uns para os outros sussurrando e a Mariana e a...
40
O rapaz só riu-se e de repente sons de armas foram-se ouvindo nas ruas vazias.
Primavera, 21 de Março de 2015
Na casa d...
41
de cabedal. O seu cabelo preto estava tão bem penteado que todas as raparigas desejariam ter
aquele cabelo.
- O Pedro t...
42
- Boa ideia. – disse o Tiago sorrindo para ela. A Mariana sorria de volta para ele.
A Rafaela notou na troca de sorriso...
43
Depois de algumas horas, eles tinham chegado ao seu destino. Quando eles saíram do carro,
em frente deles situava uma m...
44
Entretanto com as raparigas e a Ana, elas entraram num quarto que já estava preparado para
elas. As camas tinham cobert...
45
A Rafaela estava de barriga para cima, ressonando ainda mais alto até que uma almofada voou
contra a sua cara que fê-la...
46
Depois disso, ela saiu da mesa e subiu as escadas.
- Afinal, o que é isso do “World of Fun”? – perguntou a Rafaela, com...
47
- Hehehe. Venham meninas. A verdadeira diversão está a prestes a começar. – disse a Ana, já
fora do carro com os rapaze...
48
O João, ao notar no olhar do Pedro, teve a ideia em fazer algo para o chatear ainda mais.
- Não te preocupes, Joana. Eu...
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a

249 visualizações

Publicada em

CLA

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
249
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
53
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2015 09-28 - gn mens honrosa - amor separado e recuperado - raquel neves seiça 19 - 8 a

  1. 1. Agrupamento de Escolas de Anadia Escola Básica nº 2 de Anadia Concurso “LER & APRENDER” 2015 Texto Narrativo / 3 º CEB Nome da Aluna: nº 19, Raquel Neves Seiça Processo nº 21189 Nº CC-149546653 ZZ6 Ano: 8º Turma: A Amor separado e recuperado
  2. 2. 2 Índice: - Capítulo 0: O começo - Capítulo 1: Um reencontro gelado - Capítulo 2: Sorrisos de Primavera - Capítulo 3: Férias de amor - Capítulo 4: A verdade - Capítulo 5: Um novo começo
  3. 3. 3 O amor é um sentimento que se sente por duas pessoas. Que se protegem a uma à outra, que se amam e que… … ficam sempre juntas. Esta história fala de uma rapariga chamada Joana Pereira, que ainda tem guardado no coração o seu primeiro amor e as recordações que passou com ele por cinco anos! Até que um dia esse amor desapareceu e Joana ficou sozinha e essas recordações ficaram bem lá no fundo do seu coração. Ela tentando esquecê-las. Será que a Joana conseguirá esquecer o seu primeiro amor e as recordações que passou com ele? Ou será que esse amor voltará, fazendo-a lembrar-se dos bons momentos que passou com esse amor? E porque é que será que esse amor desapareceu? O que terá acontecido? Há boas recordações, mas poderá haver também más recordações.
  4. 4. 4 Capítulo 0: O começo Inverno, 5 de Janeiro de 2006 As árvores já estavam na sua altura. Todas nuas sem nenhuma folha e a neve em cima dos seus ramos. A neve caia por toda a cidade e no parque crianças faziam bonecos de neve e lutas de bolas de neve enquanto uma rapariga de cabelos castanhos curtos e olhos da mesma cor, com um vestido cor-de-rosa clarinho e botas da mesma cor, juntamente com um cachecol de cor-de-rosa choque e um gorro da mesma cor, estava a fazer um boneco de neve sozinha, mas ela mantinha um sorriso na cara. De repente, ela sentiu um empurrão e caiu em cima do boneco. Lágrimas começaram a escorrer-lhe da cara por causa do frio. Ela virou-se para trás, vendo três rufias a rirem-se dela. - Hahahahaha!!! Olha para ela! Que bebé! – gritou um. - Vais chamar pela mamã, é? – disse um, continuando a rir. - Olha para a cara dela! Está toda cheia de ranho! Hahaha! – riu-se o outro. A rapariga não aguentou mais. Ela começou a chorar mais alto com as mãos na cara até que ouviu passos a correr. Continuando a chorar, ela tirou as mãos da cara e viu um rapaz de cabelos castanhos, usando uma camisa preta e umas calças cinzentas. O rapaz olhou para os rapazes irem embora e depois para a rapariga que ainda estava a olhar para ele. Ela nunca na vida tinha visto um rapaz tão bonito. - Não tens de te preocupar mais. Eles já se foram. Eles não te magoaram, pois não? – perguntou o rapaz aproximando-se da rapariga. A rapariga só abanou com a cabeça que não, olhando para baixo. - Ainda bem. – disse o rapaz, olhando para o lado. Um silêncio caiu sobre eles. A única coisa que se ouvia eram os pequenos choros da rapariga. - Bem… eu tenho de ir. – disse o rapaz virando-se, já preparado para ir embora, até que ele sentiu alguém abraçá-lo por detrás. O rapaz olhou pelo ombro e viu a rapariga com a cara escondida nas suas costas. A cara dele começou a ficar muito vermelha. Nunca na sua vida, uma rapariga lhe tinha feito isso. - Muito… obrigada. – murmurou ela. Ela, ao dizer isso, separou-se do abraço e ele virou-se, olhando para ela. - Muito obrigada… Nunca ninguém… me tinha protegido assim. – murmurou ela, olhando para o chão.
  5. 5. 5 Ela levantou a cabeça, os seus olhos brilhavam com as lágrimas como se fossem diamantes. O rapaz quase ia desmaiar pela imagem fofa que estava em sua frente. Mas ele conseguiu conter e só passou a mão por detrás da cabeça. - Não foi nada. Eu só não gosto de rapazes que se metem com raparigas. E tu parecias estar mesmo triste. E então só fiz o que um homem devia fazer. – respondeu ele – Eu sou o Gonçalo. Tenho 6 anos e tu? - Eu chamo-me Joana! E tenho 5 anos! – disse ela com um grande sorriso na cara. Os dois ficaram sentados a rirem-se, ali no parque, encostados a um grande e velho tronco de uma árvore, onde ainda havia algumas folhas, mas a neve quase cobria todas, como já se conhecessem há muito tempo. “Esse foi o melhor momento da minha vida, mas os bons momentos nunca duram para sempre.”
  6. 6. 6 Capítulo 1: Um reencontro gelado Inverno, 5 de Janeiro de 2015 Triing! Triing! Tocava o despertador, indicando 8:00 AM. O despertador tocava num quarto que quase não se via nada por causa das cortinas fechadas. Mas conseguia-se ver o monte de peluches que havia na cama e a forma de uma pessoa a dormir lá. O despertador ainda tocava até que um braço saiu debaixo dos cobertores e desligou-o. - Hmm. – ouviu-se um som vindo debaixo dos cobertores até que... – Ahhh!! Os cobertores voaram para cima e de lá levantou-se uma rapariga com cabelos curtos castanhos e olhos da mesma cor. Ela abriu as cortinas deixando o sol entrar, fazendo o quarto ficar mais iluminado. As paredes eram cor-de-rosa e os cobertores que estavam caídos no chão também eram da mesma cor. Havia uma mesa onde estavam muitos livros e cadernos. Ela pegou na sua roupa e correu até à casa de banho para se vestir. Depois de se vestir, ela preparou a sua mochila e foi lá para baixo. - Mãe! Porque é que não me acordaste!? Agora vou chegar tarde ao primeiro dia de aulas! – gritou ela correndo para a cozinha e vendo a sua mãe a tomar um café tranquila. - Eu tentei, mas tu não querias acordar. – disse a mãe levantando-se e indo para o lava-loiças e a rapariga sentou-se na mesa começando a comer – Tens em cima da mesa uma torrada e um sumo de laranja. Eu já tenho de ir. - Eh? E enchtão eu? Comcho vou para a eschola? – perguntou a rapariga com a boca cheia. - Primeiro, não se fala com a boca cheia. Segundo, vais a pé. Já tens idade para ir sozinha. – disse a mãe – Eu vou buscar-te à escola. Tem cuidado. Ela deu-lhe beijinhos e saiu de casa deixando a rapariga sentada na cadeira da mesa de jantar, fazendo beicinho. Depois de ela comer tudo, ela saiu de casa e foi a caminho da escola. - É melhor ir por um atalho. Talvez assim chegue a horas. – pensou a rapariga entrando no parque que era o caminho mais perto para a escola. No parque havia crianças a correrem por um lado e pelo outro, fazendo bonecos de neve e a neve caía em cima dos ramos das árvores todas despidas. A rapariga estava sorrindo ao ver a bela paisagem em sua frente até que ela parou em frente de uma árvore muito maior do que as outras. A rapariga olhava com uma tristeza perfurada nos seus olhos.
  7. 7. 7 A árvore estava toda despida e com a neve por cima dela parecia que a árvore estava triste e sozinha. A rapariga não parava de olhar para ela até que uma voz a chamou. - Joana!! – gritou uma rapariga lá ao fundo. Tinha olhos castanhos e cabelo preto comprido. - Ah! Mariana! – disse a Joana, espantada por ver a amiga ali. - O que estás aqui a fazer parada? Chegarás tarde à escola. – disse a Mariana aproximando-se dela. - Eu pergunto-te o mesmo. O que estás aqui a fazer? Tu nunca te atrasas para a aula. – disse a Joana. - Esqueci de ligar o despertador. – disse a Mariana, cruzando os braços – E tu? Tu ainda não respondeste à minha pergunta. - Eu só vim porque aqui era o caminho mais rápido para a escola. – disse a Joana. - A tua mãe não te deu boleia? – perguntou a Mariana, enquanto as duas caminhavam para a escola. - Não. Ela disse que eu já sou velha suficiente para ir sozinha. – disse a Joana, voltando a fazer beicinho. - Eu começo a gostar mais da tua mãe. – disse a Mariana, rindo-se. - Ei! – disse a Joana. A Mariana só se riu ainda mais e começou a fugir da amiga. A Joana só sorriu e foi atrás dela. As duas amigas corriam até que pararam no portão da escola. A escola era um grande colégio chamado “Wooden Berry”. Era um colégio para raparigas e rapazes. A escola era muito grande e lá no topo tinha um grande sino. Havia também um jardim à volta do colégio e atrás havia um campo de futebol e de ténis. - Já sentia falta da escola. – disse a Mariana, olhando para o colégio. - Pois, eu também. Mas eu aposto que ela não. – disse a Joana, vendo uma rapariga com duas tranças de castanho claro e o casaco do colégio preso à cintura. A rapariga tinha uma cara de aborrecida e os braços estavam cruzados. - Rafaela! Aqui! – gritou a Mariana, acenando com a mão no ar. A cara da rapariga mudou para uma espantada e olhou para o portão, vendo as suas duas amigas. Ela sorriu e correu até elas. - Ainda bem que chegaram. Já estava a ficar impaciente. – disse a Rafaela com as mãos nas ancas. - Desculpa. Atrasámo-nos um pouco. – disse a Mariana.
  8. 8. 8 - Pois, já vi. Hoje, eu preferia ficar em casa na minha caminha. Está tanto frio! – comentou a Rafaela abraçando-se. - Concordo contigo, amiga. – disse a Mariana. A Joana só estava ali com o cachecol que tinha trazido à volta do pescoço, tapando com ele a boca para que os seus lábios não ficassem roxos. Enquanto ela ouvia as suas amigas a conversarem, ela sentiu como se algo não estivesse bem. Os seus olhos castanhos olharem em frente para a entrada do colégio, vendo cinco rapazes, quase vestidos de preto, muito misteriosos. Mas isso não foi o que apanhou a atenção da Joana. No meio, estava um rapaz de cabelos castanhos que estava a conversar com os outros quatro rapazes. Ao ver a cara dele, a Joana não podia acreditar. A Mariana e a Rafaela já tinham acabado a conversa e estavam a olhar para ela perguntando o que se estava a passar, mas a Joana não as ouviu e os seus pés começaram a mexer-se sozinhos e começaram a ir na direção do tal rapaz. As amigas, sem perceberem o que se passava, foram atrás dela. A Joana ainda continuava a olhar para o tal rapaz até que eles começaram a entrar dentro do colégio. Os passos da Joana começaram a andar mais rápido. A Joana estava a correr até que, só para ter a certeza, ela olhou mais uma vez para a cara do rapaz e gritou. - Gonçalo!! – gritou ela. O rapaz parou mesmo ao meio fazendo o amigo de cabelos pretos olhar para ele e depois para a Joana. A Joana ficou ali à espera para que ele dissesse alguma coisa. Mas antes que ele falasse, o amigo falou por ele. - Pedro? Estás bem? – perguntou o amigo. - Sim. Estou bem. Vamos andando. – disse o tal Pedro. Depois disso, os dois entraram mas antes, o Pedro olhou pelo ombro para os olhos surpreendidos da Joana até entrar. - Joana! Estás bem? Quem era aquele rapaz? – perguntou a Mariana. - Tu conhecê-lo, Joana? – perguntou a Rafaela. Joana não respondeu a nenhuma dessas perguntas. Em vez disso, ela só olhou para baixo, os seus cabelos tapando os olhos das amigas. - Mas claro que não podia ser ele. Porque tinha pensado que seria ele? – pensou ela, lágrimas já a escorrerem-lhe da cara. Dentro do colégio, os dois rapazes estavam a andar pelos corredores até que o amigo parou e começou a falar.
  9. 9. 9 - Quem seria aquela rapariga? Ela parecia que te conhecia, Pedro. – disse ele – Conhece-la? O Pedro ficou calado por um bocado, parando também, até que aquela palavra saiu da sua boca. - Não. – disse ele, continuando a andar. Depois disso, a campainha de entrada tocou, indicando aos alunos que as aulas começaram. Joana ainda não tinha dito uma única palavra desde que entrara na sala. A Mariana e a Rafaela estavam a olhar para ela, preocupadas. Joana estava a olhar para fora da janela, enquanto os outros conversavam até que o professor chegou à sala. - Bom dia, meninos. Espero que tenham tido umas boas férias e que tenham recebido muitos presentes. – disse o professor com um sorriso – Para informar-vos, hoje teremos dois novos alunos na nossa turma. Podem entrar. A Joana não tirava o seu olhar da janela, sem ter ouvido o que o professor falou até que ouviu gritos de entusiasmo das raparigas que a fez virar-se da janela para a frente. Os seus olhos ficarem bem abertos. Ela não podia acreditar. Porquê? Porque é que ele tinha de estar na mesma turma que ela!? - Estes são o Tiago Almeida e o Pedro Montes. Eles serão os vossos novos colegas. – disse o professor. Tiago só acenava para todos com um sorriso na cara enquanto Pedro só olhava pela sala até que os seus olhos pararam mesmo onde a Joana estava. Joana notou nele, então desviou o olhar para a janela. A Mariana e a Rafaela notaram nos olhares que o Pedro estava a dar à Joana e olharam uma para a outra. - Muito bem. Tiago, tu sentas-te ao lado da Rafaela e tu, Pedro, podes sentar-te… - disse o professor olhando por lugares vazios da sala - … ao lado da Joana. Ao ouvir isto, a Joana ficou com os olhos bem abertos e olhou ligeiramente para o lado, vendo o Pedro sentar-se, sem dizendo nenhuma palavra. O professor começou a aula mas Joana não parecia que estava a prestar atenção. Ela estava sempre a olhar pelo canto do olho para o Pedro, que só estava a dormir, ouvindo música até que de repente ele abriu o olho esquerdo e olhou para a Joana, vendo que ela estava a olhar para ele. Ela reparou nisso e desviou o olhar outra vez para a janela. - De certeza que ele é o Gonçalo? Impossível! O Gonçalo era… - pensou a Joana – E ele é… Eu tenho de descobrir se ele é mesmo o Gonçalo.
  10. 10. 10 Depois de a aula acabar, todos foram lanchar. Joana e as amigas foram para fora, sentando-se num banco e comendo os seus lanches. - Então, Joana. Não vais dizer-nos nada? – perguntou a Mariana, olhando para a amiga. - Hm? Do quê? – perguntou a Joana, comendo o seu pão com queijo e fiambre. - Não nos tentes esconder, Joana. Nós vimos como olhavas para aquele rapaz novo. Pedro, eu acho. – respondeu a Rafaela, cruzando os braços. Joana cuspiu o sumo que estava a beber. - Ah! Afinal tínhamos razão. Tu conhece-lo, não é? – disse a Mariana apontando-lhe o dedo. - Mas claro que não! Ele só parecia alguém que eu conhecia. – respondeu a Joana, olhando para o chão, escondendo a tristeza dos seus olhos às amigas. - De certeza? Então, ok. Mas ele até é giro, não achas Rafaela? – perguntou a Mariana, olhando para a amiga. - Não achei nem um pouco. – disse a amiga, cruzando os braços e encostando-se ao banco. - Pois, mas claro que não. Porque afinal, tu estavas a babar-te toda naquele outro rapaz, o Tiago. – disse a Mariana, mostrando à amiga um sorriso irritante. - Eu não estava a babar-me para ele! – gritou a Rafaela quase apanhando a atenção dos outros alunos, de lá de fora e também alguns que estavam lá dentro. - Agora estão todos a olhar para nós por tua causa, Rafaela. – disse a Mariana. - Foi por tua causa! – gritou a Rafaela. As duas estavam a “lutar” enquanto a Joana olhava ainda para o chão, até que ouviu passos. Ela olhou para a frente e viu os tais cinco rapazes e dois deles eram o Tiago e o Pedro. Enquanto eles sentavam-se num banco, não muito longe delas, Joana não resistiu a pensar como os outros três rapazes eram muito bonitos. Até mais bonitos que o Pedro. Um tinha o cabelo loiro e os seus olhos eram azuis. Ele estava a usar o uniforme da escola, mas com a gravata mal feita. Outro tinha cabelos castanhos e tinha um olhar de um delinquente. Ele era um pouco parecido com o Pedro. E o outro tinha o cabelo todo pintado de vermelho e os olhos verdes. O casaco dele estava preso à cintura e a camisa dele estava um bocado aberta. Joana não parava de olhar até que sentiu uma mão no ombro, tirando-a do seu transe. - Estás bem, Joana? Estavas aí calada a olhar para nada por um bom bocado. – disse a Mariana e sem repararem o Pedro estava a olhar para elas. - Não é nada. Estou bem, não se têm de preocupar. – disse a Joana sorrindo-lhes. Enquanto elas conversavam, o Pedro continuava a olhar para elas.
  11. 11. 11 - Olha, olha. Parece que o nosso Pedro tem um fraquinho. – disse o de cabelos vermelhos, pondo o braço à volta do ombro dele. - Oh! Está calado, Carlos. – disse o Pedro tirando o braço dele do seu ombro. - Uh! Tem calma, meu. – disse o Carlos afastando-se – Estava só a brincar. Mas elas até são bonitas. - Nisso tens razão. – disse o rapaz de cabelo loiro. O rapaz de cabelos castanhos olhou para o Pedro e depois para a direção onde ele estava a olhar, vendo Joana a rir-se com as amigas. - Isto vai ser interessante. – pensou ele. Depois das aulas acabarem, todos os alunos estavam a despedir dos seus amigos e à frente do portão, Joana estava a conversar com as suas amigas. - Então vemo-nos amanhã. – despediu-se a Mariana. - Eu tenho de ir se não a minha mãe ralha comigo se eu chegar atrasada. Adeus, Joana. – disse a Rafaela, pondo depois a mochila ao ombro e indo para casa. Joana estava a acenar um adeus até que ouviu vozes por detrás dela. Ela olhou pelo ombro e viu de novo o Pedro e os seus quatro amigos. - De certeza que não queres vir? – perguntou o Tiago. - De certeza. – respondeu o Pedro, com os olhos fechados e abrindo-os depois – Vemo-nos amanhã. - Hum! – disse o Tiago indo-se embora com os outros na direção onde a Joana estava. Quando eles passaram, a Joana saiu por detrás do portão, olhando para o lado e vendo os quatro rapazes afastando-se. Ela depois olhou para o outro lado, vendo o Pedro indo-se embora. A Joana começou a ir atrás dele. Ela não sabia porque é que estava a segui-lo, mas as suas pernas pareciam que se mexiam sozinhas. - Para onde será que ele vai? – pensou Joana. Joana continuava a persegui-lo até que o seu cérebro parou de funcionar e as suas pernas ficaram congeladas. À frente dela, o Pedro estava a entrar no parque. - Será… que ele…? – pensou a Joana, voltando a mexer as pernas, mas desta vez, calmamente. Ela estava indo atrás dele, perdida na sua mente. - Será que ele é mesmo…? – pensou ela – Se calhar é só uma coincidência… mas… e se ele for...? Ela estava pensando para si até que ela notou que o Pedro já não estava em lado nenhum.
  12. 12. 12 - Eh? Onde é que ele foi? – perguntou ela. Ela correu pelo parque todo e não o viu em lado nenhum até que ela se lembrou dum último lugar, onde ela não tinha ainda procurado. Ela corria como se dependesse da sua vida até que as suas pernas abrandaram e a única coisa que se ouvia era a sua respiração e os risos das crianças que lá estavam. À sua frente, estava a árvore grande, toda despida e sozinha, mas sem nenhum sinal do Pedro. - Eu pensava que ele podia ter vindo para aqui… Mas parece que estava enganada. – pensou a Joana, com um olhar triste – Eu sou mesmo burra ao pensar que ele tinha voltado. Ao pensar isso, ela começou a caminhar para fora do parque sem notando na presença atrás de uma árvore pequena comparada com a outra. Essa presença pertencia ao Pedro. Ele saiu por detrás da árvore, olhando em direção onde a Joana tinha ido e apenas com um pequeno sorriso na cara foi para casa. E enquanto eles iam em direções opostas, a árvore estava no meio deles. Parecia que estava ainda mais triste enquanto a neve caía ainda mais. Inverno, 8 de Janeiro de 2015 Na casa da Joana, ela ainda estava deitada debaixo dos cobertores até que o despertador tocou. Ela desligou-o e levantou-se. A sua cara parecia cansada e dorminhoca e o seu cabelo estava todo despenteado. Ela foi para casa de banho para se lavar e quando voltou para o seu quarto para se vestir, olhou para o despertador para ver as horas. A única coisa que se ouviu lá em baixo foi o grito da Joana enquanto ela corria para baixo e pegou na torrada que estava em cima da mesa e bebeu o sumo de manga num só gole. - Tem calma. Daqui a pouco, até te engasgas. – disse a mãe dela, sorrindo-lhe. - Não posso! Estou atrasada para a escola! Adeus, mãe. – exclamou ela, dando um beijo na bochecha da mãe e saindo pela porta. A mãe dela só abanou a cabeça. - Que cabeça tem a minha filha. – murmurou ela, bebendo mais do seu café. Joana estava a correr com toda a sua velocidade até que parou em frente de uma loja de doces. Ela olhou para a placa de cima. “Candy Shop”. Ela, ao olhar para aquela loja, sorriu um pequeno sorriso. Pequenas memórias começaram a aparecer-lhe.
  13. 13. 13 Duas crianças corriam da saída do parque para a loja. O rapaz de cabelos castanhos estava a agarrar na mão de uma pequena rapariga de cabelos castanhos que estava com os olhos fechados. Os dois estavam ambos a sorrir. Os dois pararam em frente da loja até que o rapaz disse à rapariga que ela podia abrir os olhos. Quando ela os abriu, ela ficou com uma grande expressão de alegria na cara. De repente, ela abraçou o rapaz, quase caindo com ele no chão. - Muito obrigada, Gonçalo! – exclamou a rapariga, mostrando como estava contente. - Ainda bem que gostaste, Joana. Espera aqui um pouco. – disse ele, indo para dentro da loja. Joana acenou que sim com a cabeça e viu-o a entrar na loja. Ela olhou pela janela da loja, vendo o montão de doces que havia que ela ainda não tinha provado. Ela estava a ver o Gonçalo a cumprimentar o dono da loja, como se já se conhecessem. O dono parecia que estava a dizer alguma coisa enquanto olhava para ela e o Gonçalo também olhou, reparando que para ela que ele estava a olhar até que se virou para o dono e abanou a cabeça rapidamente. O dono só sorriu e Joana só pôs a cabeça de lado, não percebendo nada do que eles estavam a falar. Mas também Joana só tinha 5 anos. Crianças desta idade ainda são muito novas para perceber. A Joana sorriu ao ver estas memórias a passarem pela sua cabeça. Ah! Como ela queria voltar a esses bons tempos. Ela estava perdida nos seus próprios pensamentos que não reparou na pessoa que vinha atrás e foi contra ela. - Ah! Desculpa… - disse ela, reparando depois em quem tinha ido contra si. A sua cara ficou congelada. Os seus olhos bem abertos e o seu queixo caído. Essa pessoa era o Pedro. Ele estava a olhar para ela com um olhar frio, mas parecia- -lhe que via um bocado de compaixão nos seus olhos. - D…desculpa. Não te tinha visto. – disse a Joana, olhando para o lado com os olhos postos no chão. - Não faz mal. – disse ele, não olhando para ela. Os dois ficaram calados, nenhum tinha dito uma palavra. Até que o Pedro começou a falar. - O que estavas a fazer aqui parada? – perguntou ele, desta vez, olhando para ela. - N…não era nada! Eu só estava a pensar. Sim, era isso. – murmurou a Joana, ainda mantendo o seu olhar no chão. - Hum! Só para que saibas, tu parecias uma idiota aí parada. – disse ele.
  14. 14. 14 Ao ouvir aquelas palavras, por dentro, a Joana começou a sentir raiva. - Ah! Eu não sou uma idiota. Idiota! – gritou ela, indo-se embora. O Pedro só olhou para ela a ir-se e depois para a loja de doces. Joana tinha chegado à escola e entrou na sala. Sentou-se no seu lugar, e olhou para a janela, com o queixo nos braços, que estavam em cima da mesa. Pela sua cara, via-se que ela estava chateada. - O que se passa, Joana? – perguntou a Mariana, aproximando-se dela. - Não é nada. – disse a Joana, continuando a olhar para a janela. - Pois, e eu sou a filha da Rainha de Inglaterra. – disse a Mariana, cruzando os braços – Vá lá, diz-me o que aconteceu. - A sério, Mariana. Não foi nada. – disse a Joana, sorrindo para ela para lhe provar que não era nada. - Hum! Está bem. – disse a Mariana, sentando-se no seu lugar. Joana não se sentiu bem ao mentir à amiga, mas ela não queria contar o que tinha acontecido entre ela e o Pedro. Ela continuou a olhar para a janela, vendo os flocos de neve a cair e um sorriso apareceu na sua cara, até que ela levou um susto quando sentiu alguém ao seu lado. Olhando para o lado, ela viu o Pedro com os olhos fechados encostado à cadeira, ouvindo música no seu iPhone. Ele abriu um olho e olhou para ela. Ela corou e virou-se para a janela. - Porque é que não paro de olhar para ele? – pensou a Joana. Enquanto isso passava, a Mariana estava a ver tudo, rindo-se e depois olhou para a Rafaela que estava com a cabeça de baixo com o Tiago ao lado dela que estava a ouvir música, mas com os olhos abertos. O que foi estranho foi que o Tiago sentiu a Mariana a olhar e olhou para ela, sorrindo e piscando-lhe o olho. A Mariana apenas ficou com a cara vermelha e desviou o olhar, tal igual à Joana. Ela estava a olhar para a mesa, mas conseguia ouvir o Tiago a rir-se que fê-la ficar mais envergonhada. Depois da aula acabar, a Joana, a Mariana e a Rafaela estavam a comer no mesmo lugar. - Vocês já ouviram aquela música nova da Beyoncé? – perguntou a Rafaela, olhando para as amigas, vendo que elas não estavam a prestar atenção nenhuma – Ei! Estão ouvir-me? - Eh? Desculpa. – disseram as duas ao mesmo tempo.
  15. 15. 15 - A sério? Mas o que se passa com vocês as duas? – perguntou a Rafaela levantando-se. As duas ficaram caladas na mesma. - Aishh!! – disse a Rafaela despenteando o cabelo de raiva. - Olha, aquelas não são as raparigas da outra vez? – perguntou o Carlos. - Pois são. Eu ouvi dizer que elas são da vossa turma. É verdade? – perguntou o de cabelos loiros ao Tiago e ao Pedro. - Sim. – respondeu o Tiago. - Uh, e alguém em mente, é? – perguntou o Carlos. - M…mas claro que não! – disse o Tiago, ficando vermelho. Os quatro rapazes começaram-se a rir. - Tem calma, Tiago. – riu-se o de cabelos castanhos – Mas não há mesmo ninguém em especial? - Não… - murmurou o Tiago, olhando pelo ombro para as três amigas a rirem-se. A Rafaela reparou nele e desviou o olhar, escondendo o vermelho da cara. Depois da hora do lanche, ainda havia algum tempo de recreio, então a Joana e as outras decidiram ir comprar um chocolate no bar. E, quando lá chegaram, um rapaz foi contra a Joana, fazendo-a cair. - Oh! Estás bem? – perguntou o rapaz, oferecendo a mão para ajudá-la a levantar-se. - Ah, sim! Muito obrigada e desculpa. Não estava a ver onde ia. – disse a Joana, aceitando a ajuda dele e levantando-se. Quando a Joana olhou para a cara do rapaz, a cara dela ficou congelada. Ele parecia mesmo igual ao Gonça… Quero dizer, ao Pedro. - Hm? Estás bem? Estás um pouco pálida. – disse o rapaz, com confusão escrita na cara. - Ah! S-sim, estou bem. – gaguejou ela, virando o olhar para o chão. - Ah, então tudo bem. Adeus! – disse ele acenando com um sorriso na cara. - Ah! Espera! Como te chamas? – gritou a Joana, já que ele estava tão longe. - Chamo-me João! – gritou ele, desaparecendo do campo de vista da Joana. - João… - repetiu ela. - Ele é muito parecido com… - pensou ela – Mas o Pe…. - Ei! Joana! – gritou a Rafaela, ao ouvido dela. - Aii!! Para que foi isso!? Quase me furavas os ouvidos! – disse Joana, com a mão na orelha. - Hum! Quem era aquele rapaz com quem estavas há pouco? – perguntou a Rafaela com um grande sorriso.
  16. 16. 16 - E…eu só fui contra ele e ele ajudou-me a levantar. – disse a Joana, olhando para os seus pés. - Hum. E por acaso, ele disse-te o nome dele? – perguntou a Mariana, juntando-se também à Rafaela. - Ele disse que se chamava João. – murmurou ela, não mudando o campo de vista. - Ahh! Mas, Joana, eu pensava que estavas interessada no Pedro. – disse a Mariana. - O quê!? Mas claro que não! – exclamou a Joana – Vamos mas é andando. As aulas estão quase a começar. E, quando ela ia, as duas amigas olharam uma para a outra e só se riram, antes de irem ter com ela. Quando elas chegaram à sala, não estava lá nem o Pedro nem o Tiago. - Eh? O Tiago não está aqui. – disse a Rafaela. - Nem o Pedro. – murmurou a Joana. - Parecem duas apaixonadas. – exclamou a Mariana, sentando-se no seu lugar e deixando as suas duas amigas em pé, com caras de chocadas. - Mas claro que não somos!! – gritaram elas as duas, levando estranhos olhares dos seus colegas. - É melhor sentarem-se, não acham, meninas? – perguntou a professora entrando e ficando atrás da Joana e da Rafaela. - D…desculpe professora! – disseram elas, ao mesmo tempo e correndo para os seus lugares. Quando sentaram-se, a Joana viu um saco por cima da sua mesa. Ela pegou nele e abriu-o, vendo montes de chocolates e bolachinhas em forma de flores. - O… o que é isto? Donde é que isto veio? – murmurou ela. - Joana, queres repetir o que acabei de dizer? – perguntou a professora. - Desculpe, professora. Não estava a ouvir. – exclamou a Joana, olhando para a professora, cheia de vergonha dentro dela. - Espero que esta seja a última vez que estejas distraída na minha aula, ouviste? – disse a professora. - Sim, professora. – respondeu a Joana. Durante a aula, a Joana, em vez de prestar atenção à aula, estava a olhar para o saco de chocolates que estava nas suas mãos. Quando a aula acabou, a Joana ainda estava sentada no lugar, sem largar o olhar do saco. - Joana? Ei. Ei! – gritou a Rafaela, no ouvido dela. - Eh? Ah! Desculpa. – disse a Joana, olhando para as amigas.
  17. 17. 17 - Parecia que estavas na Lua. – disse a Mariana, sorrindo. - Hum?! O que é isso? – perguntou a Rafaela, tirando o saco de chocolates das mãos da Joana e pondo-o no ar – Chocolates? Eh, não me digas que é de um admirador secreto. - C…claro que não é… - murmurou a Joana, conseguindo tirar o saco da Rafaela – Devem ter posto aqui por engano. - Eh, pois. Pensa o que quiseres. – disse a Rafaela. - Meninas, nós temos que ir. – exclamou a Mariana, já saindo da sala. Elas as três foram andando para a saída. Enquanto elas passavam pelos corredores, a Joana olhou para as janelas e parou. Lá fora, viu o Pedro e os seus amigos na saída do portão. Eles estavam a despedir-se e os amigos foram-se todos embora. O Pedro só ficou ali acenando e depois foi-se embora pela outra direção. - Será que foi ele que me deu isto…? – pensou a Joana, olhando para o saco de chocolates – Estes chocolates… são os que comia quando era pequena. O único que sabia que eu gostava deles era… De repente, a Joana olhou para a frente com os olhos bem abertos. - Será que ele… - pensou a Joana. - Ei! Joana! – gritou a Rafaela já lá no fundo com a Mariana – Despacha-te, senão nós vamos embora sem ti! - E-esperem por mim! – disse ela, correndo até elas. Quando saíram da escola, cada uma foi na sua direção, enquanto a Joana ficou à frente do portão da escola. - Será que devo? – pensou ela –Eu tenho de ter a certeza. Só vou lá ver mais uma vez. Depois disso, ela correu até ao parque. Quando ela entrou, ela olhava em volta à procura até que veio ter em frente com a árvore grande e sozinha. Por detrás da árvore, estava o rio. A paisagem era muito bonita. A neve a cair fazia ainda ficar mais bonita. A Joana só sorriu e aconchegou-se mais no seu cachecol até que… - O que estás aqui a fazer? – perguntou uma voz, ao seu lado. A Joana deu um pulo e olhou para o lado, vendo o Pedro com os braços por detrás da cabeça, encostado à árvore. Ele bocejou e levantou-se, os seus olhos a olharem diretamente para os dela. - E-eu só… - gaguejou ela, não sabendo o que dizer. - Tu andas a seguir-me, não andas? Ontem também me seguiste até aqui. – disse ele, olhando para ela com os seus olhos vazios.
  18. 18. 18 - Então ele veio mesmo aqui naquela vez!? – pensou a Joana, ignorando o olhar dele. - Então és mesmo tu… Gonçalo? – perguntou ela. - … - ele não disse nada. Só olhou para o chão e mordeu o lábio. - Gonçalo…? – perguntou ela, tentando chegar-se a ele, com a sua mão tentando tocar-lhe mas ele afastou a mão dela, fazendo-a ficar chocada. - Não me chames por esse nome. – murmurou ele, mas a sua voz parecia conter raiva nela. - M-mas Gonçalo… Eu… - disse a Joana, voltando a tentar a aproximar-se dele mas sendo assustada pela resposta dele. - Já te disse que não me chamasses por esse nome!! – gritou ele, olhando com ela. Desta vez com os olhos cheios de raiva. - … - a Joana não conseguia dizer mais nada. Ela estava muito assustada que as suas pernas tremiam. Nunca na vida tinham-lhe gritado. O Pedro ao reparar nisso acalmou-se e olhou para o lado. - Desculpa. – murmurou ele – Não devia ter te gritado. - N-não faz mal. – exclamou ela, com um sorriso pequeno – Afinal não é da minha conta. - Desculpa. Só… - exclamou ele – Só não voltes a chamar-me por esse nome. - M-mas porquê!? – disse a Joana, a sua voz aumentando – Porque não queres que te chame pelo teu próprio nome!? Será que já não te lembras dos bons momentos que passámos? Será que já não te lembras de mim? - Desculpa… - sussurrou ele – Mas eu não me lembro de ti. - Então, e estes chocolates…? – perguntou ela – Foste tu que me deste, não fostes? Tu eras o único que sabia que eu gostava destes chocolates! Afinal, foste tu que me disseste para os experimentar! A Joana olhou para baixo, agarrando com força no saco de chocolates. Os seus olhos serem tapados pelos seus cabelos. - Sim, fui eu. – murmurou ele, fazendo a Joana olhar para ele com felicidade nos olhos – Mas foi só porque te vi a olhar para eles esta manhã. E pensei que não tinhas dinheiro para os comprar por isso comprei-os por ti. Foi só por isso. Não porque te conheço ou algo assim. A Joana só continuou a olhar para ele. Lágrimas já a aparecerem nos seus olhos. Para escondê- las dele, ela olhou para o chão. As lágrimas já a caírem-lhe. - Eu vou andando. – disse ele, já virando-se para ir – E desculpa mais uma vez, mas eu… Enquanto ele foi-se, a Joana caiu de joelhos na relva fria, não conseguindo mais conter as lágrimas depois ao ouvir aquelas palavras.
  19. 19. 19 - Mas eu não sou aquele que tu procuras. Depois daquilo tudo, a Joana tinha voltado para casa e foi logo para o quarto. Nem ligou para o que a mãe lhe tinha dito. Ela fechou-se no quarto e só sentou-se em cima da sua cama e ficou ali a chorar até que as suas lágrimas secassem, ao abraçando as suas pernas. Enquanto com o Pedro, ele estava a andar pelas ruas com a cabeça de baixo até que viu outros pés à sua frente, levantou a sua cabeça e só apenas sorriu. - Vamos? – perguntou uma voz masculina, a sua cara sendo tapada pela escuridão da noite. Mais três sombras atrás dele. O Pedro só seguiu-os. As suas sombras a desaparecerem na escuridão. Inverno,19 de Março de 2015 A Joana quase nunca vinha à escola. Nem nas férias de Carnaval, ela queria ir com as amigas festejar. Mas quando vinha, ela não olhava nem uma vez para o Pedro. Nem falava com a Mariana ou a Rafaela. Aquele dia, fê-la saber que devia desistir da pessoa que procurava e que essa pessoa nunca ia voltar. Agora, a Joana estava sentada no seu lugar, nem querer saber no que a professora estava a dizer. Ela estava a olhar para a janela, como sempre, vendo os miúdos que estavam a faltar às aulas a fazer bonecos de neve e lutas de bolas de neve com a neve que ainda restava. O Inverno estava a acabar e vinha a próxima estação. A Primavera. Mas nem mesmo assim a Joana sorria como nas outras vezes. Aquele dia mudou-a mesmo. Até a Rafaela e a Mariana queriam ajudá-la, fazendo-a rir mas nunca conseguiram. Enquanto ela olhava para a janela, o Pedro, que estava ao lado dela, olhou ligeiramente para ela, ela não apercebendo dele. Ele viu como ela estava triste e lá no fundo ele arrependia-se no que lhe tinha dito. Ele foi mesmo frio com ela naquele dia. Mas ele não sabia o que fazer. É que na verdade, sempre que a Joana sorria, ele estava lá sempre a vê-la, com um pequeno sorriso na cara também. Ele admite que sempre gostava vê-la com um sorriso na cara. Mas desta vez, a culpa por ela não estar a sorrir é dele e ele não sabe o que fazer. Quando era a hora do lanche, a Joana disse às amigas que hoje apetecia estar sozinha e ela saiu da sala. - Ela está mesmo mal. – exclamou a Mariana. - Algo deve ter acontecido. – disse a Rafaela – E eu já sei o quê.
  20. 20. 20 A Mariana não entendia o que a Rafaela estava a dizer até que olhou para onde a amiga estava a olhar para ver o Pedro a conversar com os amigos lá fora. - Tu pensas que foi por causa dele? – perguntou a Mariana, agora olhando para a amiga. - Sem dúvidas. – respondeu a Rafaela – E é por isso que vamos conversar com ele, para que ele resolva tudo com a Joana. - Achas mesmo que ele vai concordar? – perguntou a Mariana, saindo da sala com a Rafaela. - Ele tem, senão… - disse a Rafaela - … tem de ser à força. - Algumas vezes tenho medo de ti, Rafaela. – disse a Mariana. - Ainda bem. – disse a Rafaela, saindo da escola e indo para o jardim. À sua frente estava o Pedro a conversar com os seus amigos. A Rafaela já ia à frente até que o seu olhar foi para o Tiago. As suas pernas pararam e as suas mãos foram para o seu peito. O seu coração começou a saltar sem nenhuma razão. A Mariana estava a olhar para ela com uma cara de confusa até que abanou-a, tentando acordá-la do transe. - Rafaela! Ei! Acorda! – disse a Mariana, abanando-a pelos ombros até que viu que não resultava e lhe deu uma chapada. - Para que foi isso!? – gritou ela, apanhando a atenção dos rapazes. - Olha, são aquelas raparigas do outro dia. – disse o Carlos – São vossas amigas? Pedro? Tiago? - Não. – respondeu o Pedro. - Nós nunca conversámos. – respondeu o Tiago. - Shh! Elas vêm aí. – sussurrou o de cabelos loiros. - Olá. Podemos falar? – perguntou a Mariana ao Pedro, com a Rafaela escondendo-se atrás dela. - Olá. – acenou o Tiago para ela. O coração da Rafaela começou a bater cada vez mais e escondeu-se mais atrás da Mariana. - O que se passa com ela? – perguntou o Tiago. - Ela só não se sente bem. – respondeu a Mariana – Então? Podemos conversar? Eu prometo que não demora nada. - Vai lá, Pedro. Nós esperamos por ti. – disse o de cabelos castanhos. - Está bem. – respondeu o Pedro, indo com elas para um sítio mais sossegado – O que queriam falar? - Nós sabemos porque é que a Joana anda triste, estes dias. – respondeu a Mariana – Tu e ela estiveram a conversar, não?
  21. 21. 21 - Não sei do que estás a falar. – respondeu ele, o seu olhar vazio nunca mudando. - Não nos tentes enganar. Nós sabemos que é por tua causa que a Joana está assim. – interveio a Rafaela. - Eu não fiz nada. – respondeu ele, já partindo para ir-se embora até que a Rafaela pegou no seu braço e pôs-lho atrás das suas costas, segurando-o firme. - Não vais-te embora. – disse a Rafaela, apertando mais o braço. - Ai! Ai! Ok! Mas, larga-me o braço! – gritou ele, fazendo a Rafaela sorrir e largar o braço dele. - Muito bem, começa a explicar. Se não… - disse a Rafaela estalando os ossos dos dedos. - Eu falei com ela e posso ter sido… - murmurou o Pedro - …. Bruto. - Eh?? – gritou a Rafaela, pegando nele pela gola da camisola – Seu desgraçado… - Tem calma, Rafaela. – disse a Mariana, pousando a sua mão no ombro dela – A nossa preocupação é a Joana. - Pois… - disse a Rafaela, largando-o. - Desculpa se ela te magoou. Mas voltando ao assunto, podes ajudar-nos? – perguntou a Mariana. - E se eu não quiser? – perguntou o Pedro, até que a Rafaela ia a ele, só que a Mariana conseguiu pará-la. – Pronto, está bem. Eu ajudo. Enquanto eles planeavam o plano, os amigos do Pedro estavam no jardim, cansados de estar à espera. - A sério? Mas quanto tempo é que eles ainda vão demorar? – queixou-se o Carlos. - Tem paciência. – disse o de cabelos loiros. - Hm? – disse o Tiago, olhando em volta. - Eh? O que foi Tiago? – perguntou o de cabelos loiros. - O João desapareceu. – respondeu o Tiago. - Eh?? – disseram os dois. Entretanto, a Joana estava sentada num banco do jardim, a sua comida nem sido trincada uma vez até que uma sombra tapou-a. - Se são vocês meninas, eu já vos dis… - disse a Joana, olhando para cima mas se calando logo quando viu que não era a Mariana e a Rafaela. - Olá. Podemos conversar? – perguntou a pessoa. Noutro lugar, a Mariana, a Rafaela e o Pedro já tinham planeado o plano. - Então, está tudo planeado? – perguntou a Mariana. - Hm. – respondeu a Rafaela e o Pedro, ao mesmo tempo.
  22. 22. 22 - Muito bem. Não te esqueças do que tens de fazer, ouviste? – disse a Mariana, apontando o seu dedo para o Pedro. - Ai, sim. Mas lembrem-se que eu só estou a fazer isto só para não morrer hoje. – disse o Pedro, sentindo o olhar da Rafaela nas suas costas. A Mariana só suspirou. - Porque é que tenho a impressão que isto não vai resultar nada bem? – pensou ela. Depois de falarem, o Pedro voltou para o seu grupo que já estavam todos meio dormidos, exceto o Carlos que já estava a dormir no chão. - Ei!! – gritou ele. - Hm? Ah, Pedro! Já voltaste. – disse o Tiago, que estava quase à beira do sono. - O que se passou com ele? – perguntou o Pedro, apontando para o Carlos, ainda dormido no chão. Baba já a correr da boca dele. - Ele só adormeceu. – respondeu o Tiago, como se aquilo fosse normal. - Então, já acabaram a conversa? – perguntou o de cabelos loiros. - Sim. – respondeu o Pedro, simplesmente. - E do que falaram? – perguntou o Tiago, com os olhos de uma criança a fazer beicinho. - Nem penses que isso vai resultar em mim, Tiago. – exclamou o Pedro e o de cabelos loiros só começou a rir-se. - Não te rias de mim, Filipe! – choramingou o Tiago. - Hm? Onde está o João? – perguntou o Pedro. - Não sabemos. Ele desapareceu há pouco. – respondeu o Filipe impedindo o Tiago de o bater. - Hm. Eu tenho de ir fazer uma coisa. Vemo-nos mais tarde. – exclamou o Pedro, despedindo- se. Enquanto ele ia, o Carlos acordou e olhou em volta. - Hm? O que aconteceu? – perguntou ele. Entretanto, o Pedro estava a andar pelos corredores, olhando para o lado e pelo outro como se estivesse à procura de alguém. - Ai, onde é que ela está? – murmurou ele, continuando em frente até que ouviu risinhos. Ele ouviu passos vindo à sua frente, olhando bem para lá e vendo duas formas até que reparou quem eram. Joana e… o João? A Joana e o João estavam a rir-se até que a Joana olhou para a frente e vendo o Pedro, o seu corpo pareceu não se querer mover.
  23. 23. 23 - Eh? Joana? Está tudo bem? – perguntou o João, não notando no Pedro até que olhou para onde a Joana estava a olhar – Oh, olá Pedro. O Pedro só olhou para ele, o que parecia raiva nos olhos. - Desculpa se eu desapareci assim de repente. – disse o João. - O que estás a fazer com ela? – perguntou o Pedro. - Ah, a Joana? Eu só estava a fazer-lhe companhia, não era? – perguntou o João, sorrindo para ela. - A-ah, hm. – murmurou ela, olhando para o chão. - Vocês os dois conhecem-se? – perguntou o Pedro. - Claro. Eu fui contra ela quando tinha ido ao bar. – respondeu o João. - E-eu tenho de ir. Tchau João… - murmurou ela, passando pelos dois rapazes sem olhar para o Pedro. - E-ei! Espera! – gritou o Pedro, indo atrás dela até que uma mão pegou no braço dele, parando-o. - É melhor que a deixes sozinha por um momento. – exclamou o João, ainda agarrando no braço dele. - Tu não mandas em mim! – exclamou o Pedro, afastando a mão dele com força – Mas ouve bem! Espero bem que te afastes dela! - E se eu não quiser? – perguntou o João, com um sorriso na cara. - É melhor que te afastes dela! – gritou o Pedro – O que queres dela? - Não quero nada. Eu sou a acho… - exclamou o João - … interessante. - Não te atrevas em tocar-lhe, João! – disse o Pedro, pegando pela gola da camisola dele com força. - Hm. Mas claro que eu não vou fazer isso. – respondeu o João, soltando-se da mão do Pedro – Só acho que ela é uma rapariga interessante e que quero saber mais sobre ela. - Seu… - disse o Pedro, com um olhar de raiva e as suas mãos fechadas em punhos. - Pedro! João! – gritou alguém detrás do João. Os dois rapazes olharam para trás, vendo os seus três amigos. - Aqui estão! Estávamos à vossa procura! – gritou o Tiago, com o Filipe e o Carlos atrás dele. - Onde estavas, João? – perguntou o Filipe. - Desculpem, eu só tinha ido à casa de banho e quando saí, encontrei-me com o Pedro, não foi Pedro? – perguntou o João, olhando para ele. - … Sim. – respondeu o Pedro, olhando para o lado.
  24. 24. 24 - Bem, a hora do lanche acabou. As aulas vão começar. – exclamou o Filipe. - Ai! A mim não me apetece ir para a aula, eu talvez vá faltar. Estás comigo, Pedro? -perguntou o Carlos, pondo o braço à volta dos ombros dele. - Hm. Como queiras. – disse o Pedro, indo-se embora. - O que se passa com ele? – perguntou o Carlos pondo os braços atrás da cabeça. - Deve estar mal-humorado. – disse o João a sorrir – Tiago, porque não vais ter com ele? Vocês são bem chegados e eu preferia que ele não causasse algum estrondo. - Sim! – disse o Tiago, como se estivesse num exército a receber ordens do seu general e partiu atrás do Pedro. - Não terás nada a ver com isto, João? – perguntou o Filipe com os braços cruzados. - Ohh! Estás a insinuar que foi minha culpa? – perguntou ele com um sorriso na cara como tinha sempre mas esse sorriso parecia falso para o Filipe, tal como todos os outros. - Eu não disse nada disso. – disse o Filipe indo-se embora também. - Hm. – riu-se baixinho o João, também indo na direção oposta, deixando um Carlos confuso. - O que raios acabou de acontecer? – disse ele. Entretanto na sala de aula da turma da Joana, a Mariana e a Rafaela estavam sentadas nos seus lugares, ambas com uma cara de aborrecimento. - Onde será que eles estão? – perguntou a Rafaela – Achas que eles já terão falado? - Espero que sim. – murmurou a Mariana. E depois nesse mesmo momento, a Joana tinha entrado na sala, sem cumprimentar as amigas. As duas olharam uma para a outra até que a Mariana levantou-se e aproximou-se da Joana. - Joana? Está tudo bem? – perguntou ela. - Sim. – murmurou a Joana, não olhando para a amiga nem uma única vez. - Ah, ainda bem. Olha, eu e a Rafaela estávamos a pensar se querias vir connosco depois das aulas à nova livraria. Ouvi dizer que lá há muito bons livros. Então, queres vir? - Mariana, desculpa mas hoje não me sinto bem. Eu vou ter de rejeitar. Desculpa. – murmurou a Joana olhando para a mesa, a Mariana notando no olhar triste da amiga. - Ah, não faz mal. Talvez para a próxima. – disse a Mariana rindo-se um pouco até que voltou para o seu lugar. - Então, como correu? – sussurrou a Rafaela no ouvido da amiga. - Nada bem. – sussurrou de volta a Mariana. - Aquele palhaço deve tê-la magoado de novo! – murmurou a Rafaela, apertando as suas mãos.
  25. 25. 25 - Tem calma, Rafaela. Falaremos com ele de novo depois da aula. – disse a Mariana, calando- se depois ao ver o professor entrar e começar a dar a aula. - Tch. – a Rafaela só continuou a aula inteira pensando numa forma de dar cabo do Pedro, a Mariana estava a tentar estar atenta à aula, mas só conseguia pensar se a Joana estava bem e a Joana só estava a olhar para a janela sem prestar nenhuma atenção à aula. As três melhores amigas pareciam desconhecidas, como se não se conhecessem. Nenhuma olhou para a outra. Talvez porque o professor podia vê-las a falar durante a aula ou porque era porque algo estava errado entre elas. E que estava mesmo. Quando a aula acabou, a Joana não almoçou na aula e saiu da sala sem despedir-se das amigas. A Mariana e a Rafaela só viram-na a ir-se embora, nenhuma dizendo uma palavra até que a Rafaela mordeu o lábio de baixo. - A culpa deve ser dele. O culpado de a Joana estar a sofrer que nem fala connosco. – murmurou ela. - Vamos falar com ele. Talvez alguma coisa aconteceu quando eles falaram. – explicou a Mariana saindo da sala com a Rafaela atrás. Quando andavam pelos corredores, elas viram o Pedro a falar com o Tiago. A Rafaela paralisou-se logo depois quando viu o Tiago. Os cabelos pretos dele e o seu grande sorriso eram as únicas coisas que faziam o coração gelado da Rafaela começar a bater muito rápido. A Mariana não notou na amiga e foi logo direta até ao Pedro, pegando-lhe pela mão e levando-o pela direção que veio. - Precisamos de falar. – exclamou ela. - E-ei! – exclamou o Pedro enquanto era arrastado. - Anda Rafaela! – gritou a Mariana, já ao fundo. - A-ah, já vou! – disse a Rafaela, olhando uma última vez para o Tiago e indo ter com a Mariana. - Isso foi estranho. – disse o Tiago passando a mão por detrás da cabeça. Enquanto com aqueles três, a Mariana levou o Pedro para o campo de futebol e quando lá chegaram, a Mariana estava à frente dele com as mãos nas ancas com um olhar muito assustador. E a Rafaela estava ali, sem nenhuma expressão, de certeza ainda a pensar no Tiago até que a Mariana lhe deu uma cotovelada no ombro que a fez sair dos seus pensamentos e voltar à Terra.
  26. 26. 26 - O que querem agora? – perguntou o Pedro, suspirando e pondo as mãos nos bolsos das calças. - Queremos saber o que aconteceu na conversa entre ti e a Joana. Ela está mais triste agora. O que lhe fizeste agora? – perguntou a Mariana. - Não fiz nada. – respondeu ele, olhando para o chão. - Não é o que parece. Agora a Joana quase nem nos fala. Vou perguntar outra vez. O que é que fizeste? O que é que aconteceu? – perguntou a Mariana aumentando um pouco a voz, metendo medo a ele e à Rafaela. - Quando ela está assim, ela mete muito medo. – pensou a Rafaela. - Não aconteceu nada. Nós não falámos ainda. – disse o Pedro. - A sério? – perguntou a Mariana. - Hm. – disse ele, acenando com a cabeça que sim. - Então, precisaremos de outro plano. E eu já sei qual. – exclamou a Mariana – Tu vais mandar- lhe uma carta a dizer para se encontrarem num sítio e se ela for, esperemos que sim, espero que lhe peças desculpa e que ela não esteja mais triste, se não… Rafaela. A Rafaela só estalou os ossos dos dedos e do pescoço, com um olhar de uma pessoa com quem ninguém se deve meter. - Ok. Entendido. – exclamou o Pedro, afastando-se um pouco da Rafaela – Mas se ela não aceitar, não é minha culpa. - Hm, ok. – disse a Mariana, indo-se embora com a Rafaela. Depois disso tudo, a Joana tinha entrado na sala, vendo depois uma carta em cima da sua mesa. Ela olhou em volta da sala, vendo se alguém tinha a ver com aquela carta e até olhou para as amigas mas elas estavam as duas a ler um livro ou ouvir música. Nenhuma delas olhando para ela. Ela sentou-se no lugar e olhou para a carta azul que estava entre as suas duas mãos até que planeou em abri-la. Ela começou a lê-la até que os seus olhos ficaram bem chocados. Ela apertou a carta bem no peito e olhou para os seus pés. - O que devo fazer agora? – pensou ela. Olá Joana, Eu queria falar contigo mas na última vez que te vi parecias ocupada. Bem, só quero que saibas que estarei no parque, ao lado da grande árvore, à tua espera. Precisamos de falar. Pedro
  27. 27. 27 - Talvez deva ir. – pensou ela, não notando nos olhares das amigas. Quando a aula acabou, todos os alunos estavam indo para casa enquanto a Joana estava sentada num dos bancos do jardim da escola a pensar na carta que tinha recebido. - Hm! Já decidi. – pensou ela. Depois de algumas horas, o Pedro estava chegando ao parque e parou mesmo em frente da grande árvore, que ficava mesmo no meio do parque mas que estava longe das outras árvores. Ele estava a olhar para baixo até que olhou para a frente. Ele estava a olhar para a árvore como se estivesse a analisá-la. Ele foi-se encostar ao tronco e olhou para cima, onde os ramos da árvore pareciam quase cair por tanta neve que tinham. Ele olhou para a frente depois, vendo as crianças correndo atrás de uma da outra atirando bolas de neve. Isso trazia-lhe lembranças do passado. - Vá, Gonçalo! Mais rápido! – gritou uma menina da cabelos curtos e castanhos, rindo-se do rapaz caído na neve, - Agora é que vais ver. – murmurou o rapaz, levantando-se e olhando para a rapariga até que ele sorriu maleficamente e a rapariga só ficou com uma cara de assustada e começou a correr. - Ahahaha! Não me apanhas! – cantarolou a rapariga. - Ai não? – disse o Gonçalo, empurrando a rapariga, caindo juntamente com ela. - Pronto, ganhaste! Agora sai de cima de mim! –exclamou a rapariga, tentando libertar-se mas não conseguiu. - Quais são as palavras mágicas? – perguntou o Gonçalo. - Por favor. – disse a rapariga fazendo beicinho. - Ai! Não consigo mesmo resistir a esse teu beicinho. – disse o Gonçalo, com um grande sorriso, levantando-se depois até que uma bola de neve foi contra a sua cara. - Ahahahaha! Apanhei-te! – gritou a rapariga, rindo-se que até lhe apareceram lágrimas aos olhos. - Agora é que vais ver. – murmurou ele, aproximando-se dela e fazendo-lhe cócegas. - Aahahaha, não… por favor… não… ahahahahaha…Gonçalo ahahahaha… - riu-se a rapariga – Gonçalo… Gonçalo… - Gonçalo. – disse uma voz por detrás dele, fazendo as memórias dele desaparecerem e ele olhar-se para trás vendo uma Joana, com as mãos nos lados, uma delas agarrando na sua mochila e na outra estava a carta azul que ele lhe deu. - Vieste. – exclamou o Pedro, com as mãos nos bolsos – E não te disse para não me chamares por esse nome?
  28. 28. 28 - D-desculpa. – gaguejou ela – D-do que querias falar c-comigo? - Do que aconteceu naquele dia. O que eu disse… - respondeu ele. - Não há nada para falar. – exclamou a Joana – Tu tinhas toda a razão. Eu é que estava imaginar coisas. Por isso não te preocupes. Depois ao dizer isso, a Joana virou-se, começando a ir-se embora até que uma mão pegou-lhe no pulso virando-a. Ela estava com uma cara de chocada e viu a cara do Pedro, a sua cabeça a olhar para baixo. - N-não… - murmurou ele –A culpa foi minha. Eu não devia ter-te falado daquela maneira. Por isso, eu queria pedir-te des… desc…des… - Desculpa? – perguntou a Joana, um pequeno sorriso a aparecer-lhe na cara. - S-sim. – gaguejou ele, desta vez. - Então, está bem. Eu desculpo-te. – disse ela sorrindo – Vemo-nos amanhã. - E-espera! – disse o Pedro, pegando-lhe na mão. Desta vez, a Joana não virou para trás porque ela não queria que ele visse o vermelho da sua cara. Mesmo assim, ele notou no vermelhinho na cara dela até que reparou que estava a segurar na mão dela, por isso separou-se logo e meteu as mãos atrás da cabeça. Agora era ele com a cara vermelha. - Desculpa… - murmurou ele. - N-não faz mal. De que mais queres falar? – perguntou a Joana, sorrindo um pouco. - De nós. – respondeu ele, sem hesitar. - Eh?? – disse a Joana, chocada. - Cresceste imenso desde a última vez que nos vemos.– disse ele, olhando para ela, com um sorriso pela primeira vez – Joana. A Joana só ficou com o queixo caído. Quando ela ouviu essas palavras, ela apercebeu que tinha razão este tempo todo. À sua frente estava o rapaz que era o seu amigo de infância que tinha fingido de quem era realmente. Mas ao ver aquele sorriso, ela via a imagem de um rapaz pequeno de cabelos castanhos com o mesmo sorriso no lugar do Pedro, ou devo dizer, Gonçalo? Os dois sentaram-se na relva molhada, encostados ao tronco da árvore. Nenhum deles dizendo uma palavra. - Porque não me disseste antes? – perguntou a Joana, interrompendo o silêncio. - Eu não sabia como dizer-te. – exclamou ele, não olhando para ela.
  29. 29. 29 - Isso não responde a nada! – exclamou ela, levantando-se – Tu não sabes o quanto eu sofri quando soube que tu tinhas ido embora. Tu foste sem me dizer nada! - Desculpa. – murmurou ele, mas a Joana conseguiu ouvir. - Eu só quero saber porque te foste embora e porque é que tu mudaste o teu nome. – disse ela – Naquele dia, eu estava mesmo aqui, nesta árvore à tua espera mas tu nunca apareceste. Eu… eu… De repente, braços circularam à volta dos ombros dela, fazendo-a abrir os seus olhos bem abertos com as lágrimas a escorrerem-lhe pela cara. - Desculpa, eu prometo que não volto a deixar-te. Mas eu não posso dizer-te nada agora. Espero que compreendes. – disse ele, olhando para ela nos olhos – A partir de agora, chama- me Pedro. - Ah… - disse ela, ainda chocada. Ela estava a olhar para ele, não sabendo o que dizer. Mas ao ver aquele sorriso que tanto sentia falta de ver, ela apenas sorriu e acenou que sim com a cabeça. Os dois separaram-se até que uma pergunta apareceu na cabeça da Joana. - Mas porque é que mudaste o teu nome para Pedro? O que aconteceu quando estavas fora? – perguntou ela. - Como te disse, não posso dizer-te agora. – disse ele, virando o olhar. - M-mas Gonçalo… - disse a Joana, mas foi interrompida logo por ele. - Não me chames por esse nome! – gritou ele, assustando-a. Ele notou no que tinha feito, por isso acalmou-se com a cabeça de baixo. - Desculpa. Eu só… não gosto que as pessoas me chamem por esse nome. – disse ele baixinho, mas a Joana conseguiu ouvi-lo. - Hm. Ok. Eu compreendo. – disse ela sorrindo – Estou feliz de voltar-te a ver, Gon… quero dizer, Pedro. Ele ao ouvir isso, só virou para o lado, escondendo o vermelho da cara até que sentiu uma coisa a bater-lhe nas costas. Olhou para trás e viu neve na sua camisa. Ele viu a Joana com uma bola de neve na mão direita, rindo-se tanto que até lhe doía a barriga. - Ahahahaha. Devias ter visto a tua cara. Hahahahaha! – riu-se ela até que uma bola de neve bateu-lhe na cara – Ei! - Hm. Isto foi por me teres desafiado. – disse ele, com as mãos nos bolsos. - Hm. Não me subestimes. – disse ela, fazendo uma bola de neve e preparando-a para tirar até que o Pedro começou a fugir e ela atrás dele.
  30. 30. 30 - Oi! Oi! Para com isso! – gritou ele, continuando a fugir dela e recebendo mais bolas de neve. - Ahahahaha. – riu-se ela. Pessoas que os vissem diziam que eram duas pequenas crianças a brincar na neve. Ao vê-los correrem, duas crianças estavam nos lugares deles a rirem-se e a tirar bolas de neve um ao outro mas logo que se piscassem os olhos, viam-se dois adolescentes a rirem-se e a brincar na neve. Tudo estava a correr bem. A grande árvore via os dois a brincarem e parecia que estava feliz, porque nessa altura, as nuvens negras do céu estavam a afastar-se, deixando o sol brilhar e a neve parando de cair. Num ramo da árvore, um rebento começou a abrir-se, mostrando uma pequena mas forte flor, indicando que estava a chegar a próxima estação. A Primavera. No Inverno, pode haver tristeza mas o amor resolve isso tudo. As recordações do Inverno já foram lembradas, agora passaremos para a estação mais bonita. A Primavera. Que tipo de recordações a Joana lembrar-se-á?
  31. 31. 31 Capítulo 2: Sorrisos de Primavera Primavera, 20 de Março de 2015 O dia estava lindo. As árvores estavam cheias de flores, mostrando a sua alegria para as pessoas. As flores voavam pelo vento e iam na sua viagem ao destino. A Joana sentia isso mesmo. Ela sentia alegria quando passava pelas ruas até à escola. Quando ela chegou à escola, ela viu as árvores da escola cobertas de flores amarelas e cor-de- rosa. O jardim todo da escola estava cheio de flores e havia borboletas a andarem por aí. Os seus colegas estavam todos com um sorriso nas suas caras. A Primavera tinha chegado. Isso era o que a Joana pensava. Ao entrar na sala, à sua frente estava a Mariana e a Rafaela a olhar para ela como se estivessem a tentar ver alguma coisa diferente. - Ah, olá? – disse a Joana, não sabendo o que dizer mais. - Hm. – murmuravam elas, olhando para ela e depois uma para a outra e depois para ela. - Mas podem me dizer o que se passa com vocês? – perguntou a Joana, aumentando um pouco a voz. - Não é nada! – disseram elas ao mesmo tempo, com grandes sorrisos. - A sério? Algumas vezes não vos compreendo. – suspirou a Joana, sentando-se no seu lugar. - Mas não estás feliz hoje, Joana? – perguntou a Rafaela aproximando a sua cara da dela. - Porque perguntas? – perguntou a Joana. - Não sabes? Hoje é o último dia de aulas! – disse a Rafaela, cheia de emoção. - Ah. – disse a Joana, ignorando a amiga e olhando para a janela. - Ei! – choramingou a Rafaela. - Vá lá, Rafaela. – disse a Mariana pousando a sua mão no ombro dela – Deixa a Joana em paz. As duas amigas sentaram-se no seu lugar enquanto a Joana olhava para fora, vendo as árvores cheias de flores até que uma flor voou em frente dela que a fez sorrir. Foi quando ela ouviu a porta da sala a abrir-se e ela viu o Gon… quero dizer, o Pedro e o Tiago a entrarem. Quando eles entraram, o Pedro pareceu ter visto a Joana a olhar para ele porque ele olhou logo para ela. Isso fez com que a Joana corasse e virasse o olhar para o lado. Ela estava a olhar para a janela, pensando o que aconteceu no dia anterior até que sentiu o som de uma cadeira a ser arrastada e olhou para o lado, vendo o Pedro sentar-se. - B-bom dia! – disse a Joana.
  32. 32. 32 - Bom dia. – murmurou ele. Ao ouvir isso, a Joana sorriu só que eles não sabiam que os seus amigos estavam a olhar para eles. O Tiago estava com o queixo caído com os olhos bem abertos não querendo acreditar no que os seus ouvidos tinham ouvido e a Mariana e a Rafaela só olharam para uma para a outra, sorrindo e mostrando uma para a outra o polegar para cima. Depois da aula, era a hora do intervalo. As três amigas estavam a falar, a Mariana e a Rafaela felizes pela amiga delas estar melhor até que o Tiago e o Pedro aproximaram-se delas. - Olá! – disse o Tiago com um grande sorriso na cara, acenando e o Pedro só levantou a mão, na forma de dizer olá também. - Olá. – disseram a Mariana e a Joana. Só a Rafaela é que não disse nada. Por acaso, ela estava a esconder-se atrás da Mariana, tentando não olhar para o Tiago. - Hm? Olá, já nos conhecemos, não é? – disse o Tiago aproximando-se dela. A Rafaela pareceu perder todas as suas forças porque quando ela notou que a cara dele estava muito próxima da dela, as suas pernas pareceram que tinham-se tornado moles e caiu ao chão. - Ah! Estás bem? – perguntou o Tiago, ajudando-a a levantar-se. - S-sim. E-eu tenho de ir! Tchau! – despediu-se ela, correndo da sala. - O que se passa com ela? – perguntou o Tiago. - Não te preocupes. Ela fica bem. – respondeu a Joana. - Então, o que querem? – perguntou a Mariana, com os braços cruzados. - Queríamos saber se querem lanchar connosco e com os nossos amigos. – disse o Tiago, sorrindo. - A mim pode ser. – respondeu a Mariana. - Eu também vou. – disse a Joana. - Muito bem. Então, vemo-nos no jardim. Tchau. – despediu-se o Tiago, indo-se embora e o Pedro indo atrás dele, calado todo o tempo e com o seu olhar frio. A Joana estava a olhar para o Pedro, notando depois o sorriso da amiga. - O que foi? – perguntou ela. - Nada, nada. Temos de ir buscar a Rafaela primeiro se queremos lanchar com eles. – exclamou a Mariana. Enquanto com a Rafaela, ela estava a andar pelos corredores a tentar tirar o Tiago da cabeça até que foi contra alguém. - Ei! Vê lá se tens mais cuidado! – gritou uma voz que pertencia a um rapaz.
  33. 33. 33 - Cuidado, eu!? Tu é que foste contra mim! – gritou a Rafaela, chateada e olhando para o rapaz, notando que ele tinha o cabelo loiro. - Agora se não te importas, tenho de ir. – disse a Rafaela, mal-educada para ele, indo de ombro contra ele. - Tch. Mas quem pensa que aquela rapariga é? – disse o rapaz, despenteando o cabelo com a mão. - Filipe! – gritou uma voz ao fundo. O rapaz, o Filipe, olhou para trás e viu o Tiago correndo com o braço no ar, acenando e o Pedro, a andar calmamente atrás dele. - O que se passa? – perguntou o Filipe. - Eu e o Pedro convidámos umas colegas nossas para irem comer connosco. Queres vir? – perguntou o Pedro. - Hm. Se é para conhecer raparigas… está bem. – disse o Filipe. - Ew. Já pareces o Carlos. – disse o Tiago, enojado. - Hm. Eu não sou nada parecido com aquele pervertido. – disse o Filipe. - Vamos andando, ok? – disse o Pedro, já partindo. - Ele está com pressa. – disse o Tiago. - Se calhar ele está entusiasmado para lanchar com as raparigas. – exclamou o Filipe. - Achas? O Pedro? Ele nunca fala com nenhuma delas. Bem, por acaso há uma… - disse o Tiago, segurando no queixo. - O quê? Quem? – perguntou o Filipe, espantando por ouvir que o “rapaz frio” falou com uma rapariga. - Acho que se chamava Joana, não sei. – disse o Tiago, encolhendo os ombros. - Hm. Vamos lá, senão o João ralhará connosco. – disse o Filipe, começando a caminhar. - Pois, eu não quero que aconteça o que aconteceu na outra vez. – disse o Tiago, seguindo-o. - Não me lembres disso. – murmurou o Filipe. Entretanto, a Rafaela estava sentada num dos bancos do jardim da escola, vendo os outros alunos a jogar futebol, com os cotovelos em cima das pernas e as mãos a segurar no queixo. - Aqui estás! – disse uma voz, por detrás dela. Ela virou-se e viu a Mariana e a Joana aproximarem-se dela. - Estivemos à tua procura! Os rapazes já devem estar à nossa espera! – disse a Mariana, pegando no braço dela e puxando-a. Ao ouvir sobre os rapazes, a Rafaela ficou um pouco vermelha, lembrando-se da cara do Tiago. - Mas espera! Estão à nossa espera porquê? – perguntou a Rafaela.
  34. 34. 34 - Eles convidaram-nos para lancharmos juntos. Mas tu tinhas de fugir, não era? – respondeu a Mariana - Então do que estamos à espera? Vamos! – disse a Rafaela correndo em direção ao ponto de encontro. - Aquela idiota nem sabe onde é. Rafaela é do outro lado! – gritou a Mariana apontando na direção contrária. A Rafaela, ao ouvir isso, quase tropeçou e foi para o lado correcto. - Algumas vezes, esta rapariga surpreende-me. – disse a Mariana, suspirando. - Deixa lá. É o amor. – exclamou a Joana – É a primeira vez que a vemos assim por um rapaz. - Pois. Vamos lá. – disse a Mariana – Ela de certeza que precisará da nossa ajuda se desmaiar ao ver o Tiago. Quando elas foram para o lugar combinado, elas viram o Tiago, o Filipe e o Carlos. Eles estavam a conversar enquanto elas viram a Rafaela atrás de uma parede a vê-los, ou talvez a espiar. - Podemos saber o que pensas que estás a fazer? – perguntou a Mariana. A Rafaela quase que pareceu que deu um pulo e virou-se para as suas duas amigas e pôs um dedo em frente da boca, dizendo para que elas ficassem caladas. - Tu estás a espiá-los? – perguntou a Mariana – Estás maluca? - Eu só queria saber do que eles estavam a falar. Mas não estou a perceber o que eles estão a dizer. – respondeu a Rafaela, voltando para os rapazes. - Sabes que é feio espiar, Rafaela. – disse a Joana. - Pois, não vais ficar aqui para sempre, pois não? – perguntou a Mariana – Se quiseres ficas, mas eu e a Joana vamos ter com eles. Depois de dizer isso, a Mariana pegou na mão da Joana e levou-a com ela em direção dos rapazes. - Huh? – A Rafaela olhou para as suas amigas a irem-se e não sabia se devia ir com elas ou ficar ali. - Olha quem chegou. – disse o Carlos com um sorriso metediço. - Desculpem se atrasámo-nos. – desculpou-se a Mariana – É que tivemos alguns obstáculos no caminho. Ao dizer isso, ela olhou para a Rafaela que ainda estava escondida por detrás da parede. - O que foi? Alguém ali? – perguntou o Tiago, olhando por detrás da Mariana. - É a nossa amiga. Ela é um pouco tímida. – disse a Mariana, fazendo um gesto para que ela viesse.
  35. 35. 35 A Rafaela só engoliu em seco e começou a caminhar devagar. O Filipe estava de costas a dormir até que ouviu alguém a aproximar-se, então ele olhou para trás e os seus olhos ficaram bem abertos. - Tu!? – gritou o Filipe e a Rafaela quando olharam um para o outro, um apontando para o outro. - Conhecem-se? – perguntou a Mariana. - Infelizmente sim. Ele foi contra mim e nem pediu desculpa. – disse a Rafaela, apontando o dedo para ele como uma acusação. - Eu? Tu é que vieste contra mim! – disse o Filipe. - Não fui nada! – gritou a Rafaela. - Foste sim senhor. – disse o Filipe. As caras deles estavam tão próximas e os olhares cheios de raiva que até se podiam ver raios entre eles. - Desculpem pelo atraso. – disse uma voz. Todos se viraram exceto a Rafaela e o Filipe que ainda estavam no seu pequeno jogo. Era o João e o Pedro. A Joana reparou no Pedro e acenou-lhe. Ele notou nela e só acenou com a cabeça, continuando com o seu olhar vazio. - Já estava a ver que não vinham. – disse o Carlos. - Pois, é que tivemos de tratar de uns assuntos. – respondeu o João. Ao dizer isso, o Pedro virou o olhar para o lado, o Carlos e o Tiago olharam para o João com olhares sérios e o Filipe retirou o seu olhar da Rafaela para o João, também, com um olhar sério. As raparigas não notaram nos olhares mas notaram no silêncio por isso a Mariana decidiu intervir. - E que tal irmos lanchar agora? Não foi por isso que viemos todos? – perguntou ela. - P-pois. Vamos. Nós trocemos muita coisa. – disse o Tiago indo para a mesa. Um a um, foi para a mesa exceto o Pedro e a Joana. O Pedro continuava a olhar para baixo e a Joana, ao notando nisso, aproximou-se dele e viu que as suas mãos estavam fechadas. - G-gon… quero dizer, Pedro. T-tu estás bem? – perguntou ela. - Sim. Não é nada. – murmurou ele, passando por ela, sem nenhum trocar de olhares e foi para junto dos outros. A Joana olhou para ele com um olhar de preocupação até que a Mariana veio ter com ela e levou-a para a mesa.
  36. 36. 36 - Senta-te aqui Joana. – disse o João, sorrindo. - É q-que.. e-eu… - gaguejou ela, olhando depois para o Pedro que nem parecia importado. A Mariana, notando na preocupação da amiga, fê-la sentar-se ao lado do João. A Joana olhou para ela com um olhar de que não acreditava que ela tinha acabado de fazer aquilo e a Mariana só piscou-lhe o olho com um sorriso e foi sentar-se no único lugar que havia. Ao lado do Tiago. A Rafaela também estava sentada ao lado do Tiago, e estava muito envergonhada para falar alguma coisa com ele. Ela olhou para ele, sem ele notar e viu o seu lindo sorriso que fê-la ficar mais corada. Entretanto a Joana ainda estava preocupada com o Pedro e olhava para ele o tempo todo e via que ele estava ainda a olhar para nada, a mexer na sua comida. Ela queria falar-lhe mas de repente, ela sentiu um braço à volta dos seus ombros. Olhando para o lado, a cara sorridente do João apareceu. Ele aproximou-a mais a ele e parecia que aquele sorriso não era para ela. A Joana só inclinou a cabeça como se não estivesse a compreender e desta vez, ele voltou a sorrir mas agora era mesmo para ela. A Joana só ficou vermelha e virou o seu olhar para o chão. Todos estavam a divertir-se. O Carlos fazia piadas que fazia as raparigas rirem-se, a Mariana falava tranquilamente com o Tiago, a Rafaela disputava contra o Filipe pela última fatia de pizza e a Joana conversava com o João enquanto o Pedro olhava para eles com um olhar sério. Depois do lanche, todos estavam para ir embora até que o Tiago teve uma ideia. - Ei, malta! E que tal combinarmos alguma coisa para as férias da Páscoa? – perguntou ele. - Nós? Nós todos? – perguntou a Mariana. - Sim. Seria uma boa maneira de nos conhecermos melhor. – respondeu o Tiago, mostrando o polegar para cima. - Acho boa ideia! Não achas, Joana? – perguntou o João, ainda com o braço à volta dos ombros dela. - P-pode ser. – murmurou ela, virando o olhar para qualquer lado sem ser a cara do João. - Eu acho que vai ser fixe. – disse o Carlos – Contam comigo! - Eu também penso que é uma boa ideia. – exclamou a Mariana sorrindo para o Tiago e ele sorrindo de volta para ela. - Pedro? – perguntou o João, olhando por detrás do seu ombro para o Pedro – Concordas? O Pedro só ficou com os braços cruzados, ainda com o seu olhar frio até que olhou para a Joana que estava a olhar também para ele mas logo quando ela notou no seu olhar, ela virou-se.
  37. 37. 37 - Hm. Ok. – murmurou o Pedro, com os olhos fechados. - E então e tu, Rafaela? – perguntou a Mariana. - Eu não vou se ele for. – exclamou ela, olhando para o Filipe. - E eu também não vou se ela for. – disse o Filipe com os braços cruzados. Os dois mandaram um olhar sério um para o outro e depois viraram as costas, os dois com os braços cruzados e o queixo para cima. - Vá lá Filipe. Não sejas um desmancha-prazeres. – disse o Carlos pondo um braço à volta dos ombros dele. - Pois, meu. Não sejas assim. – disse o Tiago. - Sim, vá lá Rafaela! Por favor! – disse a Mariana e a Joana, cada uma ao lado da amiga fazendo beicinho. - Ok! Ok! Eu vou! – gritou a Rafaela, já farta dos pedidos das amigas. - E tu, Filipe? – perguntou o João. - Ok. Contam comigo. – respondeu ele. - Boa! – exclamou a Mariana, a Joana, o Tiago, o Carlos e o João ao mesmo tempo. O Pedro só ficou ali com o mesmo olhar, suspirando. - E então o que faremos para as férias da Páscoa? – perguntou a Mariana. - Eu estava a pensar em irmos à casa de férias dos meus tios que é como uma mansão e é nos bosques. – respondeu o Tiago - Oh! Eu concordo! Eu lembro quando fomos lá na última vez e só para que vos diga, os biscoitos da tua tia dele são deliciosos! – exclamou o Carlos com baba já a escorrer-lhe da cara. - Então? Que acham? – perguntou o Tiago. - Eu vou! – disse o Carlos levantando a mão. - Eu também vou. – disse o João – E tu, Joana? - Acho que sim. Acho que posso ir. – respondeu ela. - Eu também vou. – disse a Mariana, olhando para a Rafaela e vendo a amiga de costas, então pegou no braço dela e puxou-a para junto de si – E a Rafaela também. - Filipe? – perguntou o Tiago. - Ok, pode ser. – respondeu ele, suspirando – Desde que fique bem longe dela! - Pela primeira vez, concordo contigo. – murmurou a Rafaela. - E tu, Pedro? – perguntou o João, fazendo todos olharem para ele. - Hm. – ele não disse nada e só acenou que sim com a cabeça.
  38. 38. 38 - Boa! Então está decidido! – exclamou o Tiago contente – Amanhã, temos de estar aqui todos no portão da escola que a minha tia vem buscar-nos. Depois de decidirem o que iriam fazer nas férias, foram todos para as aulas. Excepto uma pessoa. - Posso saber o que estás a planear? – perguntou o Pedro. À sua frente estava o João de costas para ele. Os dois estavam sozinhos no corredor, como os outros alunos estavam todos nas aulas. - Não sei do que falas. – exclamou o João. - Tu sabes muito bem do que estou a falar. Tu estavas a atirar-te à Joana. Eu avisei-te para a deixares em paz. - Eu lembro muito bem o que disseste. – disse o João – Mas tu sabes que não podes mandar em mim, não sabes? Isso fez logo o Pedro calar-se e ficar com um olhar preocupado. - Eu sei. Mas por favor não a magoes. – murmurou ele, olhando para o chão, o cabelo tapando os seus olhos. - Mas claro que não. Ela não é nada igual às outras raparigas. Eu só quero a conhecer melhor. – disse o João – E saber o que te atraí tanto nela. Ao ouvir isso, o Pedro olhou para cima, espantado, olhando para o João que só estava a sorrir. - O que queres di… - disse o Pedro até que foi interrompido por algo, ou alguém. - João! – gritou o Carlos no fundo do corredor correndo em direção dos dois rapazes – São eles! Logo pareceu que o Pedro esqueceu o que aconteceu porque ele e o João ficaram logo sérios. - Já informaste o Tiago e o Filipe? – perguntou o João. - Sim. Eles já estão no ponto de encontro. – respondeu o Carlos, firme como se estivesse a falar com um capitão. - Ok. É melhor irmos também. – exclamou o João – Pedro? O Pedro olhou nos olhos do João, ainda pensando no que aconteceu agora mesmo, mas mesmo assim só acenou que sim com a cabeça e os três rapazes correram para fora da escola. Entretanto na sala de aula, a Joana estava a olhar para o lugar vazio ao seu lado, pensando donde essa pessoa estaria. - Mariana? – perguntou o professor. - Presente. – respondeu a Mariana levantando o braço. - Rafaela?
  39. 39. 39 - Presente. - Tiago? - …. - Tiago? Alguém viu o Tiago? Os alunos olhavam uns para os outros sussurrando e a Mariana e a Rafaela olhavam para a Joana que ainda estava a olhar para o lugar vazio. - Parece que ele não está. Pedro? - … - Sinceramente. Joana? - … A Joana não estava a prestar atenção que nem ouviu o seu nome. A Mariana notou nisso e como estava perto da amiga, deu uma cotovelada o braço da amiga chamando-lhe a atenção. A Joana virou-se rapidamente e levantou-se do seu lugar. - P-presente! – gritou ela. A sala ficou num grande silêncio até que um começou a rir e todos depois seguiram-no. A Joana ficou tão envergonhada que voltou a sentar-se no seu lugar encolhendo-se pensando em enterrar-se num buraco e nunca mais sair de lá. - Silêncio! - gritou o professor, fazendo todos calarem-se – Comecemos a aula. Enquanto o professor dava a aula, a Joana olhava para as suas mãos debaixo da mesa e depois para fora da janela, para o céu onde as nuvens dançavam ao doce do vento e o sol mostrando as suas cores. - Onde é que te meteste? – pensou ela. Em outro lugar, cinco homens estavam sentados em cadeiras bem podres, alguns a fumar, outros a treinar com a sua pistola e outros a dormir. Estava tudo tranquilo até que houve um estrondo e a porta abriu-se com muita força, fazendo-a ser destruída já que era bem velha. Os cinco homens levantaram-se todos exceto aquela que estava a dormir porque quando ouviu o estrondo, ele caiu logo da cadeira para trás. - Oh, parece que já chegaram. – disse o que parecia ser o chefe do grupo. - Desculpem pela intromissão. Mas acho que tem algo que é nosso. – disse um que parecia novo com a sua voz, mas não se conseguia ver nada porque estava muito escuro. - Hm. Foi o vosso erro por terem entrado aqui. Agora não poderemos deixar-vos sair daqui vivos. – disse o chefe apontando a arma e os outros atrás dele, fazendo o mesmo.
  40. 40. 40 O rapaz só riu-se e de repente sons de armas foram-se ouvindo nas ruas vazias. Primavera, 21 de Março de 2015 Na casa da Joana, ela estava a ver-se ao espelho, experimentando montes de vestidos. Até que ela encontrou um que chegava até debaixo dos joelhos e era cor-de-rosa bebé com um laço à volta da cintura. - Mãe, eu vou andando, ok? – gritou ela, já no ponto de sair de casa. - Ok. Diverte-te! – gritou de volta a mãe dela, que estava lá em cima. A Joana estava a correr para o ponto combinado em que se encontrariam todos até que pareceu-lhe notar alguém encostado à tal grande árvore do parque. A curiosidade conseguiu-lhe ganhar e ela foi em passos lentos para perto dessa pessoa. Quando ela estava perto o suficiente, ela pode conseguir ver melhor a pessoa. - Pedro? – exclamou ela, espantada por vê-lo ali. O rapaz estava encostado à árvore com os olhos fechados a ouvir música até que pareceu tê-la ouvido porque depois ele tirou os iPhones e olhou logo para ela. - Oh, és tu. – disse ele. - O que estás aqui a fazer? – perguntou a Joana – Esqueces-te que nós temos de ir para a escola para encontrarmos com os outros? - Eu lembro-me. Eu só queria relaxar um pouco – respondeu ele. - Porque? Não dormiste bem esta noite? – perguntou ela. Ele não disse nada. Só continuou a olhar para o chão, o seu cabelo tapando os seus olhos. - O… que foi? Estás bem? – perguntou a Joana, ficando preocupada. - Não é nada. Vamos. Os outros devem estar à nossa espera. – disse ele levantando-se e pegando na mão dela e puxando-a com ele. - E-ei!! Es-espera! – exclamou a Joana, tentando acompanhar os passos dele. - Donde é que eles estarão? – perguntou a Mariana olhando pelos lados no portão da escola. - Tem calma. De certeza que a Joana deve estar quase a chegar. Já sabes como ela é. Ela atrasa-se sempre. – disse a Rafaela, encostada à parede da escola, com os braços cruzados. Ela estava usando um top vermelho e uns calções castanhos até aos joelhos. O seu cabelo estava preso por um rabo-de-cavalo ao lado. - Pois. Mas ela nunca demorou assim tanto tempo. – explicou a Mariana. Ela estava usando uma saia nem muito curta nem muito comprida com uma camisola da Hello Kitty e um casaco
  41. 41. 41 de cabedal. O seu cabelo preto estava tão bem penteado que todas as raparigas desejariam ter aquele cabelo. - O Pedro também está atrasado. – exclamou o Tiago. A Rafaela olhou para ele e desviou logo o olhar enquanto a sua cara ficava vermelha. O Tiago estava usando umas calças de ganga pretas e uma camisola bem justa que até via-se um pouco dos seus músculos. - Hm. Pareces um palhaço com toda a tua cara vermelha. – disse uma voz em frente da Rafaela. A Rafaela estava a olhar para o chão para tentar esconder a sua cara corada até que levantou a cabeça para identificar a pessoa que falou agora com ela. Os seus olhos ficaram bem abertos enquanto olhava para os olhos azuis de um tal loiro. Ele estava bem giro. Ele estava a usar uma camisa com alguns botões desapertados e estava a segurar o casaco ao ombro e ele usava umas calças de ganga que pareciam estar rasgadas. A Rafaela até achou por um segundo que ele estava mais giro que o Tiago mas depois abanou a cabeça tirando o que disse. - O que foi? O gato mordeu-te a língua? – disse o Filipe com um sorriso irritante – Ou será que estás encantada pela minha beleza? - A-ah. Tch. Pensas tu. Eu nunca olharia para um rapaz como tu nessa maneira. – disse a Rafaela voltando ao seu olhar de bad girl, virando o olhar. - O que disseste!? – gritou o Filipe e os dois começaram à bulha. - Parem os dois. – disse o João, tornando-se sério. - Ahm. Quanto tempo é que nós teremos ainda que esperar? Estou a ficar com sono. – exclamou o Carlos bocejando. - Até eles chegarem. – disse o João. - Desculpa. Atrasámo-nos um pouco. – disse a Joana chegando a correr com o Pedro, os dois a tentar respirar de novo. Todos ficaram calados. A Joana não percebeu porque estavam todos calados até que viu a Mariana apontando para algo. Foi aí que notou o porquê do silêncio. Ela e o Pedro ainda estavam a segurar as mãos! A Joana ficou toda vermelha enquanto o Pedro virava para o lado, escondendo a sua cara vermelha de todos depois de ter largado a mão dela. Todos ainda estavam calados pelo cenário à frente deles até que o Tiago fingiu uma tosse. - Muito bem. Já estamos todos, não é? Mas só que parece que ainda temos de esperar um pouco pela minha tia. – exclamou ele. - E que tal nós fazermos um jogo enquanto esperamos? – perguntou a Mariana.
  42. 42. 42 - Boa ideia. – disse o Tiago sorrindo para ela. A Mariana sorria de volta para ele. A Rafaela notou na troca de sorrisos entre eles e começou a sentir alguma coisa estranha dentro de si. Durante uns minutos, eles tiveram a jogar até que eles ouviram uma buzina de um carro. Todos viraram-se para trás e viram a tia do Tiago com um sorriso na cara, acenando. - Já chegaste! – disse o Tiago feliz, aproximando-se da sua tia. - Hm. Desculpem se eu me atrasei. Tive de tratar de uns papéis. – explicou a tia – E quem são essas lindas meninas atrás de ti? - Ah sim, claro. Tia, esta é a Joana, a Mariana e a Rafaela. – respondeu o Tiago apresentando cada uma. - Muito prazer. – disseram as três ao mesmo tempo. - Que lindas que elas são! Por acaso, Tiago, nenhuma delas é a tua namorada? – perguntou a tia. As raparigas ouviram isso e ficaram todas chocadas como os rapazes. - Tia! – gritou o Tiago, aproximando-se dela e murmurando – Nenhuma delas é a minha namorada. - Oh desculpa pelo mal entendido. – desculpou-se a tia – Ah, esqueci-me de apresentar. Sou a tia do Tiago. Podem chamar-me por Ana. Entrem. Depois de entrarem todos, a Ana começou a ligar o carro e todos acabaram de ir para o lugar onde iam passas as férias da Páscoa. Dentro do carro, o Tiago estava sentado ao lado da sua tia, atrás estava a Rafaela entre o Filipe o e o Carlos e mais atrás estava a Mariana, ao lado o João e entre ele e o Pedro estava a Joana. - Então, são todos da mesma turma? – perguntou a Ana. - Sim, exceto o João, o Filipe e o Carlos. – respondeu o Tiago. - Hm. Estão bem aí atrás? – perguntou a Ana para a Joana e os outros. - Sim. Estamos bem. – responderam todos ao mesmo tempo. A Joana estava a olhar para as suas mãos até que decidiu em dar uma olhadela ao Pedro, lembrando-se naquela cena com as mãos dadas. Ele estava a ouvir música até que pareceu que ele notou no olhar dela porque logo depois, ele virou-se e olhou-a nos olhos. - Queres alguma coisa? – perguntou ele. - N-não. N-não é nada. – gaguejou ela, virando o olhar. O Pedro não disse mais nada e voltou para a janela. O que eles não sabiam é que a Ana estava a ver tudo.
  43. 43. 43 Depois de algumas horas, eles tinham chegado ao seu destino. Quando eles saíram do carro, em frente deles situava uma mansão bem mais alta que as suas casas. À volta deles situava o bosque. As raparigas, como nunca tinham ido lá, ficaram de queixo caído enquanto a Ana olhava para elas e ria-se. - Ainda bem que consegui espantar-vos. Mas não podemos ficar aqui muito tempo. Entrem, por favor. – exclamou a Ana, dirigindo-as para a porta feita de ouro maciço. Quando entraram, lá dentro ainda era mais espantoso que lá fora. Em frente estava a sala de estar com dois sofás grandes e uma poltrona. Depois no lado direito estava a cozinha. A cozinha estava tão limpa, que os objetos até brilhavam. Logo no lado esquerdo estava a mesa de jantar. Estava tudo tão arrumado. Uma linda toalha branca estava em cima da mesa com um lindo vaso com várias rosas dentro. E para ir para cima tinha-se de subir umas escadas de caracol. As raparigas estavam a dar voltas pela casa toda enquanto os rapazes e a Ana estavam a levar as malas para dentro. - Tem quadros tão lindos! – exclamou a Mariana, encantada ao ver o monte de quadros que havia na sala. - Aqui em cima tem montes de quartos e cada um tem um chocolate em cada almofada! – exclamou a Rafaela, de lá de cima. - Até tem uma biblioteca enorme! – disse a Joana saindo de uma porta bem grande. - Hehehehe. Ainda bem que gostem porque é aqui que vão passar as férias. – disse a Ana, sorrindo. - É como se estivéssemos no céu! – disse a Rafaela com os braços no ar como se estivesse a voar. - Eu acho que estás a exagerar muito. – disse o Filipe passando por ela e sentando-se logo num dos sofás. - Desculpa se eu nunca estive numa mansão. – disse a Rafaela, irónica e cruzando os braços. - Vá lá, não sejam assim. Venham. Eu vou levar-vos para os vossos quartos. – disse a Ana subindo as escadas e os rapazes e as raparigas indo atrás dela. - Cada quarto tem 3 camas por isso vocês, meninas, vão ficar juntas e vocês, meninos, decidem com querem ficar. – disse a Ana, levando as meninas para o quarto delas. - Oh, eu queria ficar com as raparigas. – choramingou o Carlos, recebendo olhares dos amigos – O que foi?
  44. 44. 44 Entretanto com as raparigas e a Ana, elas entraram num quarto que já estava preparado para elas. As camas tinham cobertores bem fofos e as cortinas das janelas era bem bonitas e lá fora havia uma varanda onde se podia ver o bosque melhor. E havia também uma casa de banho com um cheiro a flores e havia vasos com vários tipos de flores. - Espero que gostem. – disse a Ana, sorrindo. - Muito obrigada! – exclamaram elas, abraçando-a ao mesmo tempo. A Ana ficou espantada primeiro mas depois começou a rir-se. - Pronto, pronto. Tem aqui as vossas malas para poderem instalar-se. – disse a Ana pondo as malas delas ao lado das camas – Eu estarei lá em baixo se precisarem de mim. - Muito obrigada mais uma vez. –agradeceu a Mariana. Enquanto a Mariana e a Rafaela iam arrumar as suas coisas, a Ana aproximou-se da Joana. - Gostas dele? – sussurrou ela. - Eh? Dele? – perguntou a Joana, não percebendo nada. - Do Pedro, claro. – respondeu a Ana, dando uma cotovelada amigável no ombro dela. - P-pedro? M-mas claro que n-não! E-eu e ele só s-somos amigos! – gaguejou ela, as suas bochechas já ficando vermelhas. - Ehehehe. Não te preocupes. Eu não conto a ninguém. – disse a Ana, piscando-lhe o olho e saindo do quarto. A Joana só ficou ali com a cara toda avermelhada até que a Rafaela atirou-lhe uma camisa para acordá-la do seu transe e logo depois, a Joana foi desfazer a sua mala. O tempo passou e já era de noite. As raparigas já estavam deitadas na cama. O quarto estava silencioso até que se começou a ouvir o ressonar da Rafaela. O ressonar tornava-se cada vez mais alto que a Mariana teve de usar almofada para tapar as orelhas mas com o ressonar da Rafaela, era impossível adormecer. De repente o ressonar parou e a Mariana suspirou de alívio por poder dormir e a Joana estava a olhar para a luz da Lua que pairava no céu estrelado. Ela começou a lembrar-se do que aconteceu entre ela e o Pedro e como ele parecia diferente essa manhã. Entretanto, no quarto dos rapazes, o Pedro também estava a olhar para o luar da Lua e para o céu estrelado, pensando como reagiu em frente da Joana. Voltando ao quarto das raparigas, tudo estava calmo. Só se ouvia um silêncio imenso e o luar da lua caí em cima das três raparigas. Estavam a dormir tranquilas até que o terrível voltou!
  45. 45. 45 A Rafaela estava de barriga para cima, ressonando ainda mais alto até que uma almofada voou contra a sua cara que fê-la cair da cama. Sendo a Rafaela, ela não acordou já que dormia como uma pedra. O ressonar parou e a noite silenciosa voltou. Primavera, 27 de Março de 2015 Os dias foram passando. As raparigas e os rapazes iam dando passeios à tarde para ver as ruas e à noite, tinha-se de suportar os ressonares da Rafaela, mas também aconteceu coisas, talvez piores do que o ressonar dela. A Joana esteve esses dias a tentar falar com o Pedro mas ele ignorava-a sempre e a Rafaela tem notado como a Mariana e o Tiago andavam muito juntos. A manhã tinha chegado e a luz do sol entrou pela janela, batendo na cara da Joana. Ela acordou e espreguiçou, levantando os braços para cima e bocejando ao mesmo tempo. Ela olhou para a Mariana e para a Rafaela e riu-se ao ver na forma como elas estavam. A Mariana estava com todos os cobertores caídos no chão e estava ocupando a cama toda e a Rafaela estava caída no chão, ainda a dormir. A Mariana deve tê-la mandado para o chão com a almofada. Como sempre. - Acordem meninas. Já é de manhã. – disse a Joana, levantando e fazendo a cama. - Hm. Ainda é muito cedo. – murmurou a Rafaela, ainda no chão, agarrando-se aos cobertores. - Acorda de uma vez, sua preguiçosa. Por tua causa, não consegui dormir direito. – exclamou a Mariana, atirando-lhe uma almofada. - Ei! Eu já disse que não tenho culpa! – gritou a Rafaela, olhando depois para onde estava sentada – E porque raios estou novamente deitada no chão!? - Ah… Isto vai ser um longo dia. – suspirou a Joana. Umas horas depois, todos estavam sentados à mesa a tomar o pequeno-almoço. O silêncio era muito perturbador. A Joana dava umas olhadas para o Pedro mas ele só comia os seus cereais e a Rafaela parecia que estava a vigiar o Tiago e a Mariana. A Ana deve ter notado no silêncio porque logo disse uma coisa que espantou todos. - Vamos todos ao “World of Fun”! Os rapazes estavam com uma cara de entusiasmo enquanto as raparigas tinham olhares de não estarem a perceber. - É um sítio onde vocês vão se divertir muito. – disse a Ana olhando para elas, sorrindo – Vamos sair às 15:30.
  46. 46. 46 Depois disso, ela saiu da mesa e subiu as escadas. - Afinal, o que é isso do “World of Fun”? – perguntou a Rafaela, comendo o seu pão com queijo e fiambre. - É como um parque de diversões mas mais fixe! – respondeu o Tiago, muito excitado por ir lá. - E o que há lá para fazer? – perguntou a Mariana. - Há a montanha-russa, o carrossel, a casa assombrada, o túnel do amor… - respondeu o Tiago, ficando vermelho logo que disse a última palavra. - Uuhh, parece que o nosso querido Tiago está envergonhado. – exclamou o Carlos dando-lhe uma cotovelada. Isso fez com que o Tiago corasse ainda mais. - Está calado! – gritou o Tiago. - Vá, estejam os dois calados. – disse o João – Vamos mas é preparar-nos. Entendido? Os dois rapazes olharam para o João com olhos assustados e suor que parecia que estava a escorrer-lhe das caras enquanto o João olhava para eles com um sorriso assustador. - S-sim, s-senhor! – gaguejaram eles, correndo para os seus quartos. - É impressão minha ou eles estavam assustados? – perguntou a Rafaela. - É por causa do João. Ele algumas vezes pode ser muito assustador. – sussurrou o Filipe até que ele notou no João a olhar para ele com aquele sorriso novamente – É m-melhor eu ir t- também p-preparar-me. E depois disso ele correu para cima. - Hahahaha! Medricas… - murmurou a Rafaela. Logo depois de todos se prepararem, todos se encontraram no portão da mansão. - Já cá estão todos? – perguntou a Ana. - Sim. – responderam todos. - Então vamos! – disse a Ana, sorrindo. Todos entraram no carro. Quando a Joana entrou no carro, havia um lugar ao lado dela. O Pedro era o próximo a entrar mas sentou-se à frente, ao lado do Carlos. A Joana pareceu ficar triste mas depois sentiu alguém a sentar-se ao seu lado. Ela viu o João a olhar para ela, sorrindo e mostrando-lhe um novo jogo que tinha instalado no telemóvel. Durante a viagem, o Pedro estava a ver pelo retrovisor, vendo a Joana e o João rindo-se ao jogar o jogo. A Ana que estava à frente dele notou nisso e só abanou a cabeça. Depois de algum tempo, eles tinham chegado ao “World of Fun”. As raparigas estavam a olhar com as suas caras nos vidros, espantadas pela grandiosidade daquele sítio.
  47. 47. 47 - Hehehe. Venham meninas. A verdadeira diversão está a prestes a começar. – disse a Ana, já fora do carro com os rapazes ao lado dela. Entrando, as raparigas olharam em volta pasmadas. À sua volta, havia montes de diversões. Montanhas-russas, a casa assombrada, o carrossel, algodão doce, maçã caramelizada, vendedores de cachorros-quentes, carrinhos de choque e por último, o túnel do amor. - Então, o que estão à espera? Divirtam-se! – disse a Ana, indo na direção de um café – Eu vou ir para aquele café. Encontramo-nos lá. Os rapazes e as raparigas começaram a caminhar pelo parque de diversões. As raparigas não paravam de elogiar o lugar. - Uau! Este lugar é espetacular! – exclamou a Rafaela. - Pois é! Eu nunca estive num lugar como este! – disse a Joana. - É a vossa primeira vez a vir a um parque de diversões? – perguntou o Tiago, rindo-se. - Mas claro que não. Mas nenhum deles era como este! – respondeu a Rafaela, continuando a olhar pelo lugar. - Muito bem, o que preferem fazer primeiro? – perguntou o João. - Que tal irmos primeiro à casa assombrada? – perguntou o Carlos. - À c-casa as-assombrada? – gaguejou a Joana, baixinho mas todos tinham ouvido. O Pedro olhou para ela, sabendo muito bem que ela tem muito medo de coisas assustadoras. Ele ia ter com ela para a animar até que alguém chegou primeiro. - Não te preocupes Joana. Eu estarei ao teu lado o tempo todo. – disse o João pegando-lhe na mão que fez a Joana corar e virar o olhar. O Pedro pareceu ter ficado chateado e só começou a andar. - Vamos andando. – disse ele, com as mãos nos bolsos. A Joana olhou para ele, vendo as suas costas a afastarem-se e ela começou a pensar que ele estava a ignorá-la. - Vamos, Joana? – perguntou o João. - Ah? Ah! Sim. – respondeu a Joana, indo juntamente com os outros. Logo eles chegaram à casa assombrada. Quando a Joana ouviu os gritos das pessoas que estavam lá dentro, escondeu-se logo atrás do João. O João ficou chocado quando sentiu um par de braços à abraçá-lo por detrás. Ele olhou pelo seu ombro para ver a Joana com os olhos bem fechados e a tremer muito. O Pedro notou logo naquilo e por um momento pensou que devia ser ele que devia ter sido abraçado por ela. Logo tirou isso da cabeça, mas as suas mãos continuavam fechadas.
  48. 48. 48 O João, ao notar no olhar do Pedro, teve a ideia em fazer algo para o chatear ainda mais. - Não te preocupes, Joana. Eu estarei contigo. Por isso, não chores mais, ok? – disse ele limpando as lágrimas dela com os seus dedos. A Joana corou mas logo a seguir, ela corou ainda mais que até parecia um tomate. O João estava abraçá-la. A Mariana e a Rafaela só ficaram histéricas. O Carlos e o Tiago estavam com os queixos caídos até ao chão. O Filipe só abanou a cabeça, sabendo muito bem porque é que o João fez aquilo, olhando depois para o Pedro que estava com as suas mãos já em punhos e via-se como ele estava tão irritado, ao ver as veias das mãos a aparecerem. O João só estava a sorrir com aquele sorriso maléfico dele, olhando para o Pedro pelo ombro da Joana. O Pedro só lhe deu um olhar até que ele sentiu uma mão no ombro dele e olhando pelo ombro viu a cara do Filipe que estava a dizer-lhe para ele não fazer nada que possa arrepender- se. - Tch. – disse o Pedro, indo logo depois em direção à casa assombrada. - O-obrigada João. – murmurou a Joana, largando-se do abraço – M-mas eu a-acho que c- consigo f-fazer isto sozinha. - Nunca se sabe. Mas como queiras. Se precisares de mim, só tens de dizer-me, ok? – exclamou ele, piscando-lhe o olho. - Muito bem, duas pessoas de cada vez, por favor. – disse o que parecia ser o trabalhador da casa assombrada. Já todos tinham entrado até que os únicos que ficaram foram o Pedro e a Joana. A Mariana tinha ido com o Tiago, a Rafaela com o Filipe e o João foi obrigado ir com o Carlos porque ele estava com medo. - Podem entrar. – disse o homem. Ao entrar, a porta fechou-se por detrás deles e a Joana deu um pulo. Ela começou a tremer. - E-está muito escuro. – gaguejou ela. O Pedro ia abrir a boca para dizer algo mas pensou em ficar calado e começou a caminhar para a frente. - Eh? E-espera! – disse a Joana, sentindo de repente uma presença por detrás dela. Ela virou-se para trás e viu uma mulher de cabelos compridos pretos, tapando-lhe a cara e só vendo a sua boca, sorrindo para ela com um sorriso, com sangue a sair da sua boca. - AHHHHHH!!! – gritou a Joana, correndo e indo contra as costas do Pedro.

×