2011 08-13 - o consílio dos deuses no olimpo

1.561 visualizações

Publicada em

LP

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.561
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
88
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2011 08-13 - o consílio dos deuses no olimpo

  1. 1. O Consílio dos Deuses no Olimpo Língua Portuguesa Alexandra Ferreira 9º E
  2. 2. Já no meio da crise andavam,Os carros devagar circulavam,A política subdesenvolvida reinava.Velhotes desanimados sentados nos bancos,Mulheres e homens recém-licenciadosdesempregados,Salários de empregados a serem cortados.E as eleições consagradasAté tiveram de ser antecipadas!
  3. 3. Quando os deuses no Olimpo luminoso,Onde permanecia o último governo não corrupto,Se ajuntaram em consílio gloriosoSobre as cousas presentes e futuras,E decidiram a economia portuguesa.
  4. 4. De avião os humanos vieram todos acomodadosAtravessando a França,Todos convocados pelo primeiro que decobardeJá não se livra da fama,O senhor das Forças Armadas.
  5. 5. Deixam o regimento apagadoPorque das duas uma:Ou são muito brilhantesOu são tão rígidosQue apagam as almasDa População endividada.Considerados os senhores da malaTemidos e respeitados por todosIgualmente desacreditadosPelos mais sábios e honestos.O seu pensamento tem poderO poder de deixar os cofres vazios,E pais de família desempregados.
  6. 6. Estava o chefe da Troika ali sentado,No Ministério Público, num assentoMajestoso mas vazio de ouro.Com gesto alto, severo e soberanoDo rosto inspirava um ar autoritárioQue política tornara característicaCom uã caneta cheia de tinta para assinarE oficializar, na mente de muitos, a ruína.
  7. 7. No grande escritório, estavam todos sentados,Enquanto o Sir Filósofo regateava o déficeE o empréstimo do seu lugar lá no fundo,Apesar da eloquência,A vergonha encolhia o seu ego.Andava alto há demasiado tempo.E inevitavelmente acabou por cair.
  8. 8. Com o seu tom de voz masculinaOu feminina, o que vós quiserdes,Praguejava a oposição.Sabia que o seu reinado tinha de acabarRapidamente, o dele… não do clube em geral.
  9. 9. De repente, uma voz se elevou para dizer:‘’Eternos moradores da sede da bancarrota,Cada casa pior que a minhaMe degrada a alma:Como podem não ter o que eu tenho?!Do estrangeiro não tirais o pensamento,Pois a emigração é tradição.Deveis ter-vos apercebidoQue o vosso fado já não canta,Nem paga assiduamente os impostos.Pode ser que um dia a guitarra portuguesaVolte a ser tocada pelas mãosTortas e enrugadas do passado.’’
  10. 10. Com 10 milhões de habitantes, há mais de 20 anos,50% privados de tudoE os outros 50 a manterem o mesmoNa cadeira do poder.Das duas uma: ou mudam o poder ou não reclamam.Os descobrimentos, o alcançado no 25 de Abril…Tudo desapareceu.E do topo, eles viam o país a cair a piqueSem mexerem sequer uma palha.
  11. 11. Deixámos para trás o Euro 2004,A taça e os milhões gastosNos estádios pouco ou nada usados.Os gregos, os irlandeses, que já chegaram ao fundo,E já receberam o fundo,Esqueçam-nos!Agora é a vez de sermos nós a pagar.
  12. 12. Num rompante, o senhor das cenouras explodiuDespejando as suas palavras.Fez valer a sua opinião,Enquanto a oposição ganhava confiança.Bombas eram disparadas por todos os partidos,Críticas… (ai que se fosse comigo eu corava!)Insinuações jorravam como águaDepois de uma tremenda tempestade.
  13. 13. ‘’E o burro sou eu?!Eu é que durante seis anos andei a guardar papel em casa?Eu é que enterrei o país?! NÃO!’’O primeiro cansou-se de ouvir tudo aquilo:‘’Que dizeis? Eu?!Eu sou um santo,Sou o rosto das energias renováveis’’
  14. 14. O prato de loiça levantou-seE intimidou todos os talheres:‘’Respeitem-se e levantem o país!’’O silêncio desvaneceu-se,Quando a porta disse que queria ajuda para abrir.‘’Vamos à ajuda, não adiem!’’FMI – Fim Muito Inesperado,O fim das dívidas que vai deixar o pessoalPelos cantos à fome e sem papel.
  15. 15. Entretanto o senhor que presidia o consílio,O das forças armadas, decidiu pela internacionalização,Dando o consílio por terminado.
  16. 16. Ficha técnica: Autora – Alexandra Ferreira, 9º E Disciplina – Língua Portuguesa Professora – Sara Castela Produção – O Ciclista 2011

×