SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
Investimento estrangeiro em Portugal - Entre o mito e a propaganda 
3ª parte 
Resumo 
A entrada de novo investimento direto estrangeiro (IDE) é acompanhada por uma 
elevada saída sendo relativamente reduzido o aumento efetivo, como também é pouco 
relevante o impacto no aumento da capacidade produtiva, no emprego e nas 
exportações uma vez que parte substancial se acumula no sector financeiro. 
Portugal deixou de ter atrativos como destino do investimento estrangeiro mas, apenas 
como plataforma para terceiros terem uma entrada fácil no grande espaço da UE e 
como centro de lavagem de dinheiros bastante encardidos. Para os capitalistas 
europeus, nomeadamente, tornou-se mais atrativo esperar que trabalhadores 
portugueses surjam nos seus países. 
A saída de capitais como rendimento do investimento neste período corresponde a a 
127% do PIB de 2013 e as taxas de rendabilidade situam-se, no último ano em torno 
dos 4%, após nítidas quebras nos últimos anos. 
Sumário 
1 - Os fluxos de investimento direto estrangeiro (IDE) em 1996/2013 
2 – O IDE consolidado 
3 – Os rendimentos obtidos pelos investidores estrangeiros 
4 - Taxas de rendabilidade 
++++++++++ / ++++++++++ 
Este é um terceiro texto sobre o IDE (investimento direto estrangeiro) em Portugal. Nos 
artigos anteriores observámos a sua posição no contexto da UE e o perfil sectorial do 
IDE em Portugal1; e ainda as origens desse IDE, o investimento e o desinvestimento e 
ainda a sua importância nas contas externas em tempos recentes2. 
Sublinha-se que, doravante, este tipo de abordagem será dificilmente concretizável 
devido às alterações que, nesta área, se verificaram nas organizações internacionais 
que produzem dados estatísticos (Eurostat, FMI, OCDE, BCE); e, como é óbvio, o Banco 
de Portugal reflete essas alterações. À partida, essas alterações no que se refere à 
disponibilidade pública vêm tornar mais opaco o conhecimento quantificado da 
realidade. A realidade dos números ficará confinada aos serventuários do capital 
financeiro, o qual assim demonstra a pouca consideração que tem pelas pessoas e a 
1 http://grazia-tanta.blogspot.pt/2013/10/investimento-estrangeiro-em-portugal.html 
2 http://grazia-tanta.blogspot.pt/2014/01/investimento-estrangeiro-em-portugal.html 
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
valia que dá à democracia, mesmo sob a forma truncada e grotesca de “democracia 
representativa”. 
1 - Os fluxos de investimento direto estrangeiro (IDE) em 1996/2013 
Observa-se no gráfico seguinte que o volume das saídas de fundos relativos ao IDE, em 
relação ao das entradas é elevado, variando entre 73% em 2000 e 95% dez anos 
depois. Trata-se de um indicador de mobilidade dos capitais; isto é, por cada novo 
investimento estrangeiro de €1000 M, em 2013, devidamente colocado na lapela dos 
mandarins de turno, há € 950000 que são desinvestidos e rumam a outras paragens. 
Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal 
Comparativamente à evolução do PIB, as entradas/saídas de IDE mantêm-se 
relativamente estáveis na primeira década do século, depois de um forte crescimento 
nos finais dos anos noventa. Nos últimos anos, observa-se um elevado crescimento das 
duas variáveis mas, com uma quebra acentuada em 2013. O aumento líquido do IDE 
observa-se em todo o período, com maiores volumes em 2000 e 2001, nas vésperas da 
adopção do euro com 2002 a revelar o impacto da crise das dot.com. 
Mais relevante é registar-se que a esse aumento do IDE líquido em Portugal não 
corresponde um acréscimo da capacidade produtiva do país (FBCF) a qual se vem 
reduzindo desde o princípio do século. De facto, o IDE em Portugal tem-se vindo a 
concentrar na área financeira3, desmistificando-se assim o caráter do investimento 
estrangeiro como incentivador da capacidade produtiva, do emprego e das 
exportações, estas últimas tomadas como a salvação da grei nos discursos da idiotia 
governamental; e como se evidenciou no recente caso de corrupção dos “vistos gold”. 
Sabendo-se que o PIB tem tido uma fraca evolução neste século, o valor líquido do 
IDE, para além de não se refletir em investimento também não se evidencia como 
compensação para as quebras do consumo público e privado ou do investimento por 
parte de capitalistas nativos. 
3 http://grazia-tanta.blogspot.pt/2013/10/investimento-estrangeiro-em-portugal.html 
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal 
A comparação das entradas ou saídas dos capitais classificados como IDE, com os 
fluxos da balança de transações correntes a débito (saídas) ou a crédito (entradas de 
fundos) revela uma dinâmica muito maior das entradas ou saídas dos capitais 
classificados como IDE até 2003, posicionando-se, a partir daí num patamar mais baixo, 
medido em termos de percentagem dos valores da balança corrente; e apesar do 
dinamismo dos montantes da balança de transações só se ter perdido a partir de 2009. 
Após o início do empobrecimento programado ainda em curso, a evolução do IDE – 
que se não inclui na balança corrente - em pouco contribui como compensação para o 
tradicional deficit naquela balança. De facto, não dominando no IDE, em tempos 
recentes, as aplicações na produção de bens transacionáveis com o exterior, o seu 
contributo para o aumento das exportações é escasso. 
Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal 
2 – O IDE consolidado 
O gráfico que se segue, evidencia a evolução do IDE consolidado, acumulado; isto é, a 
posição do conjunto dos investidores estrangeiros em Portugal e ainda, como vem 
evoluindo nos seus componentes básicos. Desde 1996 e no capítulo do investimento 
mais vocacionado para uma maior permanência (no capital, incluindo os lucros 
reinvestidos) cresce seis vezes – cinco vezes até 2007 -enquanto o PIB em 2013 é 
apenas 77% superior ao calculado, dezassete anos atrás. Perante um capitalismo nativo 
débil, endividado e pouco munido em termos de tecnologia e gestão, Portugal 
interessa ao capital externo pelas potencialidades de muitos trabalhadores, 
competentes e pouco reivindicativos ou pela relevância de uma população 
consumidora superior a dez milhões de pessoas. 
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
A quebra de ritmo de crescimento a partir de 2007 revela a concorrência dos países da 
periferia Leste, recentemente incorporados na UE (2004 e 2007), mais próximos da 
Alemanha, com melhores qualificações e menores salários que os portugueses; e revela 
também a estagnação da economia europeia e algum desinteresse pela periferia Sul 
por parte dos capitalistas do Centro da UE. Note-se, que as privatizações decretadas 
pela troika foram aproveitadas em grande parte por capitais chineses, angolanos e até 
brasileiros, pendor grotescamente confirmado pelo trabalho de fancaria protagonizado 
por Portas com os seus vistos gold. Portugal deixou de ter atrativos como destino do 
investimento estrangeiro mas, apenas como plataforma para terceiros terem uma 
entrada fácil no grande espaço da UE e como centro de lavagem de dinheiros bastante 
encardidos. Para os capitalistas europeus, nomeadamente, tornou-se mais atrativo 
esperar que trabalhadores portugueses surjam nos seus países em situação de 
desespero, dispostos a aceitar trabalho por preços “competitivos”; Passos, ao incitar à 
emigração, mostrou-se brilhante no seu repelente papel de manageiro. 
Se o “outro investimento” tem uma evolução pouco distanciada dos investimentos em 
capital, diretamente ou através de lucros reinvestidos, o mesmo não acontece com o 
investimento de carteira que cai abruptamente a partir de 2009, parecendo estabilizar 
no último ano de que se possuem dados. 
3 – Os rendimentos obtidos pelos investidores estrangeiros 
Interessa-nos agora os fluxos dos rendimentos do IDE gerados em Portugal, 
contabilizados como saídos para o exterior - em termos físicos ou meramente 
contabilizando um acréscimo de direitos por parte de entidades externas - e observar a 
sua composição. Esses fluxos inserem-se numa balança de rendimentos que 
contempla, para além de capitais (97% a 99% do total) os rendimentos do trabalho, 
que cobrem a reduzida fatia restante. Englobam-se nos rendimentos do capital aqueles 
que resultam da posse de ações, outras participações ou da concessão de 
empréstimos; e de obrigações ou outros títulos de dívida, sem ligação com qualquer 
investimento direto, sem outro objetivo que não o rendimento desses títulos ou o jogo 
especulativo com os mesmos. 
Comecemos por considerar a balança de rendimentos do investimento e os seus 
componentes, na parte correspondente à saída de capitais (débito), para o período 
1996/2013. A saída de capitais por este efeito neste período corresponde a pouco 
menos do que a dívida pública atual ou, mais precisamente a 127% do PIB de 2013. 
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
Será também curioso apresentar a evolução dos rendimentos do capital beneficiando 
entidades externas por cada elemento da população com emprego, tomando esta pelo 
valor médio do período – cerca de 4.7 milhões de pessoas – e ainda quanto isso 
significa em tempo de trabalho. 
A distribuição do total dos rendimentos do investimento saídos de Portugal apresenta, 
no gráfico abaixo, duas fases de crescimento – uma, anterior a 2001 e outra em 
2004/08 – e duas de quebra, uma em 2002/03 em virtude do início do abrandamento 
da economia e da crise global associada ao fim da bolha dot.com e a posterior a 2008, 
como resultado da crise financeira europeia e do afundamento da economia 
portuguesa. 
As remunerações do investimento em carteira compreendem as que se prendem com 
juros de empréstimos em que os mutuantes não têm participação no mutuário, bem 
como lucros de ações ou participações que envolvam objetivos de mera aplicação de 
capital, sem intenções de intervenção na gestão e ainda, os rendimentos associados a 
derivados financeiros. Todos, em geral, com propósitos de curto prazo, evidenciam os 
efeitos da conjuntura retomando, a partir de 2009, uma evolução regular. No capítulo 
dos rendimentos do outro investimento, uma categoria compósita e residual, a sua 
evolução é paralela à do total dos rendimentos mas, com uma quebra mais acentuada 
que aqueles em 2009/10. 
Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal 
As remunerações do investimento em carteira compreendem as que se prendem com 
juros de empréstimos em que os mutuantes não têm participação no mutuário, bem 
como lucros de ações ou participações que envolvam objetivos de mera aplicação de 
capital, sem intenções de intervenção na gestão e ainda, os rendimentos associados a 
derivados financeiros. Todos, em geral, com propósitos de curto prazo, evidenciam os 
efeitos da conjuntura retomando, a partir de 2009, uma evolução regular. No capítulo 
dos rendimentos do outro investimento, uma categoria compósita e residual, a sua 
evolução é paralela à do total dos rendimentos mas, com uma quebra mais acentuada 
que aqueles em 2009/10. 
O crescimento das remunerações do IDE saídas de Portugal apresenta três momentos 
de quebras, que se vão acentuando em profundidade e duração, em 2002, 2007/08 e a 
partir de 2011, seguindo-se nos dois primeiros casos, períodos de elevado crescimento. 
Os negócios em Portugal, para o capital estrangeiro, serão mais aliciantes na compra 
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
de participações e ativos, mormente em contexto de privatizações impostas pela troika, 
do que pela sua rendabilidade imediata; embora a sua rendabilidade global não seja 
despicienda. As dificuldades das empresas portuguesas, historicamente muito 
endividadas, as restrições de acesso a novos créditos e a regressão do poder de 
compra da população, tornam-nas presas fáceis e baratas para a aquisição por 
capitalistas estrangeiros; que as inserirão nos seus negócios globais e com distribuição 
de rendimentos adiada. 
A evolução recente dos vários tipos de rendimentos do investimento, saídos de 
Portugal precisa ser complementada com uma aferição do peso de cada um desses 
componentes no total. 
Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal 
Como atrás se disse e é verificável no gráfico acima, a representatividade dos 
rendimentos do IDE reduz-se nos últimos anos, evidenciando a sua menor 
rendabilidade como adiante se observará (4. Taxas de rendabilidade), correspondendo 
à evolução económica em Portugal que se revelou débil numa primeira fase, caindo no 
desastre periférico a partir de 2009. O crescimento do peso dos outros tipos de 
investimento reflete a preponderância para operações de curto prazo, de rendabilidade 
assegurada ou mesmo especulativas, sem qualquer impacto na estrutura produtiva ou 
na sua modernização. 
Restringindo agora a abordagem ao IDE, observe-se a evolução dos vários tipos de 
origens dos rendimentos ali contabilizados, no período considerado. 
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
Rendimentos do IDE em Portugal - Evolução (1996=100) 
5000 
4500 
4000 
3500 
3000 
2500 
2000 
1500 
1000 
500 
0 
-500 
1996 
1997 
1998 
1999 
2000 
2001 
2002 
2003 
2004 
2005 
2006 
2007 
2008 
2009 
2010 
2011 
2012 
2013 
Rendimentos do IDE - total Dividendos e lucros distribuidos 
Lucros reinvestidos Rendimentos de empréstimos 
Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal 
Em relação ao total dos rendimentos constituídos em torno do IDE, é particularmente 
claro que aumentou substancialmente o nível dos rendimentos de empréstimos, 
sobretudo a partir de 2006, depois de um ponto elevado em 2000/02, tempo de 
implantação do euro. Será que as empresas estrangeiras instaladas em Portugal 
encontram condições de financiamento mais favoráveis fora do país, beneficiando da 
ligação às suas casas-mãe, aproveitando-se de excedentes formados naquelas, numa 
lógica de aproveitamento de sinergias de grupo? Em anos mais recentes, esse 
financiamento externo estará também relacionado com as dificuldades dos bancos 
portugueses que necessitaram do artifício da subscrição de dívida pública para se 
financiarem ou que recorreram à linha de crédito incluída no empréstimo da troika. 
O crescimento referido para a saída de rendimentos dos empréstimos contrasta com o 
dinamismo muito menor dos lucros distribuídos, em queda depois de 2010, por razões 
que se prendem com as quebras da atividade e de poder de compra, de todos bem 
conhecidas. Pior que isso é a evolução dos lucros reinvestidos, que estagna a partir de 
2005/06 indicando a falta de perspetivas de crescimento por parte das empresas, a 
ausência de investimento e a insuficiente confiança numa evolução interessante do 
“mercado” português. 
4 - Taxas de rendabilidade 
Nem em todas as rubricas em que se repartem os rendimentos do investimento 
externo em Portugal se pode fazer uma correspondência com o valor consolidado do 
mesmo para se calcular uma taxa implícita de rendabilidade. Por exemplo, no caso do 
IDE, os lucros distribuídos, tal como os reinvestidos nas empresas, têm uma relação 
direta com o valor investido. Isso não acontece com os juros dos empréstimos 
concedidos pelas casas-mãe às suas antenas em Portugal que, em princípio se devem 
relacionar com capitais cedidos por empréstimo e como reforço do valor investido e 
incorporado no capital. Não se conhecendo o montante acumulado de empréstimos 
tomaram-se os juros pagos correspondentes, como equiparados a lucros; isso 
corresponderá a algum empolamento da rendabilidade do IDE considerada no gráfico 
abaixo. Contudo, refira-se que os rendimentos saídos como juros de empréstimos de 
sócios/acionistas têm um significado irregular, no período considerado, mas limitado; 
correspondem a 6.5% dos rendimentos do IDE relativos a ações e participações, em 
2013. 
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
O IDE propriamente dito revela no período em análise as contingências próprias da 
conjuntura pois o investimento direto, sendo mais estável, tem menos mobilidade para 
se esquivar às flutuações típicas dos ciclos mais curtos do capitalismo. As taxas de 
rendabilidade implícitas do IDE revelam relativa estabilidade até 2001, caindo no ano 
seguinte – adopção do euro e crise das dot.com - para iniciarem um ciclo de 
crescimento que atinge um cômputo superior a 7% em 2006; o início da crise 
financeira global reduziu ligeiramente a taxa em 2007/08 mas subiu vertiginosamente 
nos dois anos seguintes atingindo um máximo da ordem dos 10% em 2010, quando as 
dificuldades dos bancos afetam as contas públicas e os níveis de emprego. A partir daí, 
as contrações do poder de compra e dos níveis de investimento mostram os seus 
impactos sobre os níveis de rendabilidade dos capitais estrangeiros em Portugal. 
Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal 
Nos investimentos de carteira, os seus dois componentes apresentam taxas de 
rendabilidade diferenciadas até ao início do século, quase se confundindo desde então. 
As diferenças de rendabilidade face ao IDE acentuam-se a partir de 2003 e só voltam a 
aproximar-se quase dez anos depois. Quanto ao outro investimento, ele apresenta 
taxas de rendabilidade próximas dos investimentos em carteira mas, caindo 
substancialmente a partir de 2009, para valores em torno de 1.5% 
Este e outros textos em: 
http://grazia-tanta.blogspot.com/ 
http://pt.scribd.com/profiles/documents/index/2821310 
http://www.slideshare.net/durgarrai/documents 
GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da EuropaAlemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da EuropaAEP | INTERNACIONAL
 
Tese capital de risco final (1)
Tese capital de risco  final  (1)Tese capital de risco  final  (1)
Tese capital de risco final (1)Manuel Fernandes
 
Évora é a melhor cidade do alentejo para viver, visitar e investir !
Évora é a melhor cidade do alentejo para viver, visitar e investir !Évora é a melhor cidade do alentejo para viver, visitar e investir !
Évora é a melhor cidade do alentejo para viver, visitar e investir !Umberto Pacheco
 
Perspectivas Para Minas Invest Na Atracao De Investimentos
Perspectivas Para Minas Invest Na Atracao De InvestimentosPerspectivas Para Minas Invest Na Atracao De Investimentos
Perspectivas Para Minas Invest Na Atracao De Investimentosminasinvest
 
Empresas Estrangeiras no Brasil
Empresas Estrangeiras no BrasilEmpresas Estrangeiras no Brasil
Empresas Estrangeiras no BrasilAdeildo Caboclo
 
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...Pedro Tomé
 
A Lusofonia em sua Dimensão Econômica - Diógenes L. Neto - MSc, MPA, MBA
A Lusofonia em sua Dimensão Econômica - Diógenes L. Neto - MSc, MPA, MBAA Lusofonia em sua Dimensão Econômica - Diógenes L. Neto - MSc, MPA, MBA
A Lusofonia em sua Dimensão Econômica - Diógenes L. Neto - MSc, MPA, MBACol Diógenes Lima Neto (MSc, MPA, MBA)
 
2563 07 santander lucra r$ 1,46 bilhão no 2º semestre, mai…
2563 07 santander lucra r$ 1,46 bilhão no 2º semestre, mai…2563 07 santander lucra r$ 1,46 bilhão no 2º semestre, mai…
2563 07 santander lucra r$ 1,46 bilhão no 2º semestre, mai…Seeb Friburgo
 
1528 texto do artigo-9451-1-10-20181118
1528 texto do artigo-9451-1-10-201811181528 texto do artigo-9451-1-10-20181118
1528 texto do artigo-9451-1-10-20181118Nelson Mucanze
 
Relatório dos Investimentos dos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Relatório dos Investimentos dos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014Relatório dos Investimentos dos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Relatório dos Investimentos dos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014Confederação Nacional da Indústria
 
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)A. Rui Teixeira Santos
 
Boletim de Janeiro Atractividade Na competição global pela atracção de capi...
Boletim de Janeiro  Atractividade  Na competição global pela atracção de capi...Boletim de Janeiro  Atractividade  Na competição global pela atracção de capi...
Boletim de Janeiro Atractividade Na competição global pela atracção de capi...Cláudio Carneiro
 
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...GoOn Consulting
 
05 ficha guia-empresa-em-angola-1
05 ficha guia-empresa-em-angola-105 ficha guia-empresa-em-angola-1
05 ficha guia-empresa-em-angola-1Nilton Dória
 
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014Confederação Nacional da Indústria
 

Mais procurados (18)

Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da EuropaAlemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
Alemanha: conheça em pormenor a ECONOMIA mais desenvolvida da Europa
 
Tese capital de risco final (1)
Tese capital de risco  final  (1)Tese capital de risco  final  (1)
Tese capital de risco final (1)
 
Évora é a melhor cidade do alentejo para viver, visitar e investir !
Évora é a melhor cidade do alentejo para viver, visitar e investir !Évora é a melhor cidade do alentejo para viver, visitar e investir !
Évora é a melhor cidade do alentejo para viver, visitar e investir !
 
Revista PESSOAL_pag 14 para imagem
Revista PESSOAL_pag 14 para imagemRevista PESSOAL_pag 14 para imagem
Revista PESSOAL_pag 14 para imagem
 
Perspectivas Para Minas Invest Na Atracao De Investimentos
Perspectivas Para Minas Invest Na Atracao De InvestimentosPerspectivas Para Minas Invest Na Atracao De Investimentos
Perspectivas Para Minas Invest Na Atracao De Investimentos
 
Empresas Estrangeiras no Brasil
Empresas Estrangeiras no BrasilEmpresas Estrangeiras no Brasil
Empresas Estrangeiras no Brasil
 
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
As alteração na circulação de capitais após a integração de Portugal na União...
 
A Lusofonia em sua Dimensão Econômica - Diógenes L. Neto - MSc, MPA, MBA
A Lusofonia em sua Dimensão Econômica - Diógenes L. Neto - MSc, MPA, MBAA Lusofonia em sua Dimensão Econômica - Diógenes L. Neto - MSc, MPA, MBA
A Lusofonia em sua Dimensão Econômica - Diógenes L. Neto - MSc, MPA, MBA
 
2563 07 santander lucra r$ 1,46 bilhão no 2º semestre, mai…
2563 07 santander lucra r$ 1,46 bilhão no 2º semestre, mai…2563 07 santander lucra r$ 1,46 bilhão no 2º semestre, mai…
2563 07 santander lucra r$ 1,46 bilhão no 2º semestre, mai…
 
1528 texto do artigo-9451-1-10-20181118
1528 texto do artigo-9451-1-10-201811181528 texto do artigo-9451-1-10-20181118
1528 texto do artigo-9451-1-10-20181118
 
Relatório dos Investimentos dos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Relatório dos Investimentos dos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014Relatório dos Investimentos dos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Relatório dos Investimentos dos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
 
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
A exceção portuguesa, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (2012)
 
Boletim de Janeiro Atractividade Na competição global pela atracção de capi...
Boletim de Janeiro  Atractividade  Na competição global pela atracção de capi...Boletim de Janeiro  Atractividade  Na competição global pela atracção de capi...
Boletim de Janeiro Atractividade Na competição global pela atracção de capi...
 
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...
GoOn- Evolução em Gestão de Riscos de Crédito | GoOnFair - 2016. Estratégia ...
 
Conferência BiG | Sector Vitivinícola
Conferência BiG | Sector VitivinícolaConferência BiG | Sector Vitivinícola
Conferência BiG | Sector Vitivinícola
 
05 ficha guia-empresa-em-angola-1
05 ficha guia-empresa-em-angola-105 ficha guia-empresa-em-angola-1
05 ficha guia-empresa-em-angola-1
 
Revista Caixa Empresas | jan 2015
Revista Caixa Empresas |  jan 2015Revista Caixa Empresas |  jan 2015
Revista Caixa Empresas | jan 2015
 
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
 

Destaque

Portugal Ficha País - Investimento e Exportação
Portugal Ficha País - Investimento e ExportaçãoPortugal Ficha País - Investimento e Exportação
Portugal Ficha País - Investimento e ExportaçãoExport Hub
 
Portugal detalhes - Exportação e Investimento
Portugal detalhes - Exportação e InvestimentoPortugal detalhes - Exportação e Investimento
Portugal detalhes - Exportação e InvestimentoExport Hub
 
Relações económicas com o exterior
Relações económicas com o exteriorRelações económicas com o exterior
Relações económicas com o exteriorNuno Sousa
 
Análise prospetiva da evolução sectorial em Portugal
Análise prospetiva da evolução sectorial em PortugalAnálise prospetiva da evolução sectorial em Portugal
Análise prospetiva da evolução sectorial em PortugalCláudio Carneiro
 
Trabalho de economia
Trabalho de economiaTrabalho de economia
Trabalho de economiagigacom
 
Modulo 8-a-economia-em-portugal
Modulo 8-a-economia-em-portugalModulo 8-a-economia-em-portugal
Modulo 8-a-economia-em-portugalLeonor Alves
 
Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.Susana Santos
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Raffaella Ergün
 

Destaque (9)

Portugal Ficha País - Investimento e Exportação
Portugal Ficha País - Investimento e ExportaçãoPortugal Ficha País - Investimento e Exportação
Portugal Ficha País - Investimento e Exportação
 
Portugal detalhes - Exportação e Investimento
Portugal detalhes - Exportação e InvestimentoPortugal detalhes - Exportação e Investimento
Portugal detalhes - Exportação e Investimento
 
Relações económicas com o exterior
Relações económicas com o exteriorRelações económicas com o exterior
Relações económicas com o exterior
 
Análise prospetiva da evolução sectorial em Portugal
Análise prospetiva da evolução sectorial em PortugalAnálise prospetiva da evolução sectorial em Portugal
Análise prospetiva da evolução sectorial em Portugal
 
Trabalho de economia
Trabalho de economiaTrabalho de economia
Trabalho de economia
 
Economia
EconomiaEconomia
Economia
 
Modulo 8-a-economia-em-portugal
Modulo 8-a-economia-em-portugalModulo 8-a-economia-em-portugal
Modulo 8-a-economia-em-portugal
 
Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.
 
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
Resumos Economia A 11º ano (2ª parte)
 

Semelhante a IDE em Portugal: Fluxos, Rendimentos e Impacto Limitado

A balança de pagamentos portuguesa numa noite de verão
A balança de pagamentos portuguesa numa noite de verãoA balança de pagamentos portuguesa numa noite de verão
A balança de pagamentos portuguesa numa noite de verãoGRAZIA TANTA
 
Orientação das políticas públicas e do investimento para os setores não tran...
Orientação das políticas públicas e do investimento para os setores não  tran...Orientação das políticas públicas e do investimento para os setores não  tran...
Orientação das políticas públicas e do investimento para os setores não tran...Cláudio Carneiro
 
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá lasAmeaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá lasFernando Alcoforado
 
Tese capital de risco final
Tese capital de risco  final Tese capital de risco  final
Tese capital de risco final Manuel Fernandes
 
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaRaffaella Ergün
 
Morte aos empresários
Morte aos empresáriosMorte aos empresários
Morte aos empresáriosJorge Possollo
 
Os apoios fiscais às empresas favorecem as oligarquias sem fomentar o investi...
Os apoios fiscais às empresas favorecem as oligarquias sem fomentar o investi...Os apoios fiscais às empresas favorecem as oligarquias sem fomentar o investi...
Os apoios fiscais às empresas favorecem as oligarquias sem fomentar o investi...GRAZIA TANTA
 
Crescimento e Desenvolvimento Econômico
Crescimento e Desenvolvimento Econômico  Crescimento e Desenvolvimento Econômico
Crescimento e Desenvolvimento Econômico Greice Araldi
 
Actual bookssaircrisb
Actual bookssaircrisbActual bookssaircrisb
Actual bookssaircrisbJack Soifer
 
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)GRAZIA TANTA
 
Portugal Profile 3 - Crescimento Sustentado e Carteira de Actividades
Portugal Profile 3 - Crescimento Sustentado e Carteira de ActividadesPortugal Profile 3 - Crescimento Sustentado e Carteira de Actividades
Portugal Profile 3 - Crescimento Sustentado e Carteira de ActividadesAntónio Alvarenga
 
Bloqueio político e económico. política de esquerda
Bloqueio político e económico. política de esquerdaBloqueio político e económico. política de esquerda
Bloqueio político e económico. política de esquerdaGRAZIA TANTA
 
Dívida pública – os principais tipos de gasto público 2ª parte
Dívida pública – os principais tipos de gasto público  2ª parte Dívida pública – os principais tipos de gasto público  2ª parte
Dívida pública – os principais tipos de gasto público 2ª parte GRAZIA TANTA
 
Tese investimento final pedro faria
Tese investimento final pedro fariaTese investimento final pedro faria
Tese investimento final pedro fariaManuel Fernandes
 
País volta a depender de especulador para equilibrar contas externas
País volta a depender de especulador para equilibrar contas externasPaís volta a depender de especulador para equilibrar contas externas
País volta a depender de especulador para equilibrar contas externasMarc Lahoud
 

Semelhante a IDE em Portugal: Fluxos, Rendimentos e Impacto Limitado (20)

A balança de pagamentos portuguesa numa noite de verão
A balança de pagamentos portuguesa numa noite de verãoA balança de pagamentos portuguesa numa noite de verão
A balança de pagamentos portuguesa numa noite de verão
 
Orientação das políticas públicas e do investimento para os setores não tran...
Orientação das políticas públicas e do investimento para os setores não  tran...Orientação das políticas públicas e do investimento para os setores não  tran...
Orientação das políticas públicas e do investimento para os setores não tran...
 
05.DPP_Insights-Timeline
05.DPP_Insights-Timeline05.DPP_Insights-Timeline
05.DPP_Insights-Timeline
 
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá lasAmeaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
Ameaças ao desenvolvimento do brasil e como superá las
 
Análise do Orçamento do Estado 2019
Análise do Orçamento do Estado 2019Análise do Orçamento do Estado 2019
Análise do Orçamento do Estado 2019
 
Conferência sobre “O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais”
Conferência sobre “O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais”Conferência sobre “O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais”
Conferência sobre “O Regime Fiscal dos Residentes Não Habituais”
 
Tese capital de risco final
Tese capital de risco  final Tese capital de risco  final
Tese capital de risco final
 
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesaSaldo da balança de pagamentos portuguesa
Saldo da balança de pagamentos portuguesa
 
Morte aos empresários
Morte aos empresáriosMorte aos empresários
Morte aos empresários
 
Os apoios fiscais às empresas favorecem as oligarquias sem fomentar o investi...
Os apoios fiscais às empresas favorecem as oligarquias sem fomentar o investi...Os apoios fiscais às empresas favorecem as oligarquias sem fomentar o investi...
Os apoios fiscais às empresas favorecem as oligarquias sem fomentar o investi...
 
Crescimento e Desenvolvimento Econômico
Crescimento e Desenvolvimento Econômico  Crescimento e Desenvolvimento Econômico
Crescimento e Desenvolvimento Econômico
 
Gop 2016 2019
Gop 2016 2019Gop 2016 2019
Gop 2016 2019
 
Actual bookssaircrisb
Actual bookssaircrisbActual bookssaircrisb
Actual bookssaircrisb
 
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
O outono do nosso descontentamento está aí (política e economia em Portugal)
 
Portugal Profile 3 - Crescimento Sustentado e Carteira de Actividades
Portugal Profile 3 - Crescimento Sustentado e Carteira de ActividadesPortugal Profile 3 - Crescimento Sustentado e Carteira de Actividades
Portugal Profile 3 - Crescimento Sustentado e Carteira de Actividades
 
Bloqueio político e económico. política de esquerda
Bloqueio político e económico. política de esquerdaBloqueio político e económico. política de esquerda
Bloqueio político e económico. política de esquerda
 
Dívida pública – os principais tipos de gasto público 2ª parte
Dívida pública – os principais tipos de gasto público  2ª parte Dívida pública – os principais tipos de gasto público  2ª parte
Dívida pública – os principais tipos de gasto público 2ª parte
 
Tese investimento final pedro faria
Tese investimento final pedro fariaTese investimento final pedro faria
Tese investimento final pedro faria
 
País volta a depender de especulador para equilibrar contas externas
País volta a depender de especulador para equilibrar contas externasPaís volta a depender de especulador para equilibrar contas externas
País volta a depender de especulador para equilibrar contas externas
 
RPBA - A competitividade fiscal portuguesa em sede de tributação internaciona...
RPBA - A competitividade fiscal portuguesa em sede de tributação internaciona...RPBA - A competitividade fiscal portuguesa em sede de tributação internaciona...
RPBA - A competitividade fiscal portuguesa em sede de tributação internaciona...
 

Mais de GRAZIA TANTA

Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfUcrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfGRAZIA TANTA
 
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docAs desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docGRAZIA TANTA
 
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfBalofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfGRAZIA TANTA
 
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfAs balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfGRAZIA TANTA
 
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfUnião Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfGRAZIA TANTA
 
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaAs desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaGRAZIA TANTA
 
A BideNato flight over
A BideNato flight overA BideNato flight over
A BideNato flight overGRAZIA TANTA
 
Um sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfUm sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfGRAZIA TANTA
 
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfNATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfGRAZIA TANTA
 
USA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfUSA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfGRAZIA TANTA
 
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfEUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfGRAZIA TANTA
 
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdfA NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdfGRAZIA TANTA
 
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UENato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UEGRAZIA TANTA
 
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxiGRAZIA TANTA
 
Speculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUSpeculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUGRAZIA TANTA
 
Eleições em portugal o assalto à marmita
Eleições em portugal   o assalto à marmitaEleições em portugal   o assalto à marmita
Eleições em portugal o assalto à marmitaGRAZIA TANTA
 
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueOs especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueGRAZIA TANTA
 
Human beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemHuman beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemGRAZIA TANTA
 
Seres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroSeres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroGRAZIA TANTA
 
Textos de circunstância - 10
Textos de circunstância  - 10Textos de circunstância  - 10
Textos de circunstância - 10GRAZIA TANTA
 

Mais de GRAZIA TANTA (20)

Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfUcrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
 
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docAs desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
 
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfBalofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
 
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfAs balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
 
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfUnião Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
 
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaAs desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
 
A BideNato flight over
A BideNato flight overA BideNato flight over
A BideNato flight over
 
Um sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfUm sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdf
 
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfNATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
 
USA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfUSA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdf
 
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfEUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
 
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdfA NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
A NATO na senda de Hitler – Drang nach Osten.pdf
 
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UENato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
 
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
 
Speculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUSpeculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EU
 
Eleições em portugal o assalto à marmita
Eleições em portugal   o assalto à marmitaEleições em portugal   o assalto à marmita
Eleições em portugal o assalto à marmita
 
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueOs especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
 
Human beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemHuman beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial system
 
Seres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroSeres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiro
 
Textos de circunstância - 10
Textos de circunstância  - 10Textos de circunstância  - 10
Textos de circunstância - 10
 

IDE em Portugal: Fluxos, Rendimentos e Impacto Limitado

  • 1. Investimento estrangeiro em Portugal - Entre o mito e a propaganda 3ª parte Resumo A entrada de novo investimento direto estrangeiro (IDE) é acompanhada por uma elevada saída sendo relativamente reduzido o aumento efetivo, como também é pouco relevante o impacto no aumento da capacidade produtiva, no emprego e nas exportações uma vez que parte substancial se acumula no sector financeiro. Portugal deixou de ter atrativos como destino do investimento estrangeiro mas, apenas como plataforma para terceiros terem uma entrada fácil no grande espaço da UE e como centro de lavagem de dinheiros bastante encardidos. Para os capitalistas europeus, nomeadamente, tornou-se mais atrativo esperar que trabalhadores portugueses surjam nos seus países. A saída de capitais como rendimento do investimento neste período corresponde a a 127% do PIB de 2013 e as taxas de rendabilidade situam-se, no último ano em torno dos 4%, após nítidas quebras nos últimos anos. Sumário 1 - Os fluxos de investimento direto estrangeiro (IDE) em 1996/2013 2 – O IDE consolidado 3 – Os rendimentos obtidos pelos investidores estrangeiros 4 - Taxas de rendabilidade ++++++++++ / ++++++++++ Este é um terceiro texto sobre o IDE (investimento direto estrangeiro) em Portugal. Nos artigos anteriores observámos a sua posição no contexto da UE e o perfil sectorial do IDE em Portugal1; e ainda as origens desse IDE, o investimento e o desinvestimento e ainda a sua importância nas contas externas em tempos recentes2. Sublinha-se que, doravante, este tipo de abordagem será dificilmente concretizável devido às alterações que, nesta área, se verificaram nas organizações internacionais que produzem dados estatísticos (Eurostat, FMI, OCDE, BCE); e, como é óbvio, o Banco de Portugal reflete essas alterações. À partida, essas alterações no que se refere à disponibilidade pública vêm tornar mais opaco o conhecimento quantificado da realidade. A realidade dos números ficará confinada aos serventuários do capital financeiro, o qual assim demonstra a pouca consideração que tem pelas pessoas e a 1 http://grazia-tanta.blogspot.pt/2013/10/investimento-estrangeiro-em-portugal.html 2 http://grazia-tanta.blogspot.pt/2014/01/investimento-estrangeiro-em-portugal.html GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
  • 2. valia que dá à democracia, mesmo sob a forma truncada e grotesca de “democracia representativa”. 1 - Os fluxos de investimento direto estrangeiro (IDE) em 1996/2013 Observa-se no gráfico seguinte que o volume das saídas de fundos relativos ao IDE, em relação ao das entradas é elevado, variando entre 73% em 2000 e 95% dez anos depois. Trata-se de um indicador de mobilidade dos capitais; isto é, por cada novo investimento estrangeiro de €1000 M, em 2013, devidamente colocado na lapela dos mandarins de turno, há € 950000 que são desinvestidos e rumam a outras paragens. Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal Comparativamente à evolução do PIB, as entradas/saídas de IDE mantêm-se relativamente estáveis na primeira década do século, depois de um forte crescimento nos finais dos anos noventa. Nos últimos anos, observa-se um elevado crescimento das duas variáveis mas, com uma quebra acentuada em 2013. O aumento líquido do IDE observa-se em todo o período, com maiores volumes em 2000 e 2001, nas vésperas da adopção do euro com 2002 a revelar o impacto da crise das dot.com. Mais relevante é registar-se que a esse aumento do IDE líquido em Portugal não corresponde um acréscimo da capacidade produtiva do país (FBCF) a qual se vem reduzindo desde o princípio do século. De facto, o IDE em Portugal tem-se vindo a concentrar na área financeira3, desmistificando-se assim o caráter do investimento estrangeiro como incentivador da capacidade produtiva, do emprego e das exportações, estas últimas tomadas como a salvação da grei nos discursos da idiotia governamental; e como se evidenciou no recente caso de corrupção dos “vistos gold”. Sabendo-se que o PIB tem tido uma fraca evolução neste século, o valor líquido do IDE, para além de não se refletir em investimento também não se evidencia como compensação para as quebras do consumo público e privado ou do investimento por parte de capitalistas nativos. 3 http://grazia-tanta.blogspot.pt/2013/10/investimento-estrangeiro-em-portugal.html GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
  • 3. Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal A comparação das entradas ou saídas dos capitais classificados como IDE, com os fluxos da balança de transações correntes a débito (saídas) ou a crédito (entradas de fundos) revela uma dinâmica muito maior das entradas ou saídas dos capitais classificados como IDE até 2003, posicionando-se, a partir daí num patamar mais baixo, medido em termos de percentagem dos valores da balança corrente; e apesar do dinamismo dos montantes da balança de transações só se ter perdido a partir de 2009. Após o início do empobrecimento programado ainda em curso, a evolução do IDE – que se não inclui na balança corrente - em pouco contribui como compensação para o tradicional deficit naquela balança. De facto, não dominando no IDE, em tempos recentes, as aplicações na produção de bens transacionáveis com o exterior, o seu contributo para o aumento das exportações é escasso. Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal 2 – O IDE consolidado O gráfico que se segue, evidencia a evolução do IDE consolidado, acumulado; isto é, a posição do conjunto dos investidores estrangeiros em Portugal e ainda, como vem evoluindo nos seus componentes básicos. Desde 1996 e no capítulo do investimento mais vocacionado para uma maior permanência (no capital, incluindo os lucros reinvestidos) cresce seis vezes – cinco vezes até 2007 -enquanto o PIB em 2013 é apenas 77% superior ao calculado, dezassete anos atrás. Perante um capitalismo nativo débil, endividado e pouco munido em termos de tecnologia e gestão, Portugal interessa ao capital externo pelas potencialidades de muitos trabalhadores, competentes e pouco reivindicativos ou pela relevância de uma população consumidora superior a dez milhões de pessoas. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
  • 4. A quebra de ritmo de crescimento a partir de 2007 revela a concorrência dos países da periferia Leste, recentemente incorporados na UE (2004 e 2007), mais próximos da Alemanha, com melhores qualificações e menores salários que os portugueses; e revela também a estagnação da economia europeia e algum desinteresse pela periferia Sul por parte dos capitalistas do Centro da UE. Note-se, que as privatizações decretadas pela troika foram aproveitadas em grande parte por capitais chineses, angolanos e até brasileiros, pendor grotescamente confirmado pelo trabalho de fancaria protagonizado por Portas com os seus vistos gold. Portugal deixou de ter atrativos como destino do investimento estrangeiro mas, apenas como plataforma para terceiros terem uma entrada fácil no grande espaço da UE e como centro de lavagem de dinheiros bastante encardidos. Para os capitalistas europeus, nomeadamente, tornou-se mais atrativo esperar que trabalhadores portugueses surjam nos seus países em situação de desespero, dispostos a aceitar trabalho por preços “competitivos”; Passos, ao incitar à emigração, mostrou-se brilhante no seu repelente papel de manageiro. Se o “outro investimento” tem uma evolução pouco distanciada dos investimentos em capital, diretamente ou através de lucros reinvestidos, o mesmo não acontece com o investimento de carteira que cai abruptamente a partir de 2009, parecendo estabilizar no último ano de que se possuem dados. 3 – Os rendimentos obtidos pelos investidores estrangeiros Interessa-nos agora os fluxos dos rendimentos do IDE gerados em Portugal, contabilizados como saídos para o exterior - em termos físicos ou meramente contabilizando um acréscimo de direitos por parte de entidades externas - e observar a sua composição. Esses fluxos inserem-se numa balança de rendimentos que contempla, para além de capitais (97% a 99% do total) os rendimentos do trabalho, que cobrem a reduzida fatia restante. Englobam-se nos rendimentos do capital aqueles que resultam da posse de ações, outras participações ou da concessão de empréstimos; e de obrigações ou outros títulos de dívida, sem ligação com qualquer investimento direto, sem outro objetivo que não o rendimento desses títulos ou o jogo especulativo com os mesmos. Comecemos por considerar a balança de rendimentos do investimento e os seus componentes, na parte correspondente à saída de capitais (débito), para o período 1996/2013. A saída de capitais por este efeito neste período corresponde a pouco menos do que a dívida pública atual ou, mais precisamente a 127% do PIB de 2013. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
  • 5. Será também curioso apresentar a evolução dos rendimentos do capital beneficiando entidades externas por cada elemento da população com emprego, tomando esta pelo valor médio do período – cerca de 4.7 milhões de pessoas – e ainda quanto isso significa em tempo de trabalho. A distribuição do total dos rendimentos do investimento saídos de Portugal apresenta, no gráfico abaixo, duas fases de crescimento – uma, anterior a 2001 e outra em 2004/08 – e duas de quebra, uma em 2002/03 em virtude do início do abrandamento da economia e da crise global associada ao fim da bolha dot.com e a posterior a 2008, como resultado da crise financeira europeia e do afundamento da economia portuguesa. As remunerações do investimento em carteira compreendem as que se prendem com juros de empréstimos em que os mutuantes não têm participação no mutuário, bem como lucros de ações ou participações que envolvam objetivos de mera aplicação de capital, sem intenções de intervenção na gestão e ainda, os rendimentos associados a derivados financeiros. Todos, em geral, com propósitos de curto prazo, evidenciam os efeitos da conjuntura retomando, a partir de 2009, uma evolução regular. No capítulo dos rendimentos do outro investimento, uma categoria compósita e residual, a sua evolução é paralela à do total dos rendimentos mas, com uma quebra mais acentuada que aqueles em 2009/10. Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal As remunerações do investimento em carteira compreendem as que se prendem com juros de empréstimos em que os mutuantes não têm participação no mutuário, bem como lucros de ações ou participações que envolvam objetivos de mera aplicação de capital, sem intenções de intervenção na gestão e ainda, os rendimentos associados a derivados financeiros. Todos, em geral, com propósitos de curto prazo, evidenciam os efeitos da conjuntura retomando, a partir de 2009, uma evolução regular. No capítulo dos rendimentos do outro investimento, uma categoria compósita e residual, a sua evolução é paralela à do total dos rendimentos mas, com uma quebra mais acentuada que aqueles em 2009/10. O crescimento das remunerações do IDE saídas de Portugal apresenta três momentos de quebras, que se vão acentuando em profundidade e duração, em 2002, 2007/08 e a partir de 2011, seguindo-se nos dois primeiros casos, períodos de elevado crescimento. Os negócios em Portugal, para o capital estrangeiro, serão mais aliciantes na compra GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
  • 6. de participações e ativos, mormente em contexto de privatizações impostas pela troika, do que pela sua rendabilidade imediata; embora a sua rendabilidade global não seja despicienda. As dificuldades das empresas portuguesas, historicamente muito endividadas, as restrições de acesso a novos créditos e a regressão do poder de compra da população, tornam-nas presas fáceis e baratas para a aquisição por capitalistas estrangeiros; que as inserirão nos seus negócios globais e com distribuição de rendimentos adiada. A evolução recente dos vários tipos de rendimentos do investimento, saídos de Portugal precisa ser complementada com uma aferição do peso de cada um desses componentes no total. Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal Como atrás se disse e é verificável no gráfico acima, a representatividade dos rendimentos do IDE reduz-se nos últimos anos, evidenciando a sua menor rendabilidade como adiante se observará (4. Taxas de rendabilidade), correspondendo à evolução económica em Portugal que se revelou débil numa primeira fase, caindo no desastre periférico a partir de 2009. O crescimento do peso dos outros tipos de investimento reflete a preponderância para operações de curto prazo, de rendabilidade assegurada ou mesmo especulativas, sem qualquer impacto na estrutura produtiva ou na sua modernização. Restringindo agora a abordagem ao IDE, observe-se a evolução dos vários tipos de origens dos rendimentos ali contabilizados, no período considerado. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
  • 7. Rendimentos do IDE em Portugal - Evolução (1996=100) 5000 4500 4000 3500 3000 2500 2000 1500 1000 500 0 -500 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Rendimentos do IDE - total Dividendos e lucros distribuidos Lucros reinvestidos Rendimentos de empréstimos Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal Em relação ao total dos rendimentos constituídos em torno do IDE, é particularmente claro que aumentou substancialmente o nível dos rendimentos de empréstimos, sobretudo a partir de 2006, depois de um ponto elevado em 2000/02, tempo de implantação do euro. Será que as empresas estrangeiras instaladas em Portugal encontram condições de financiamento mais favoráveis fora do país, beneficiando da ligação às suas casas-mãe, aproveitando-se de excedentes formados naquelas, numa lógica de aproveitamento de sinergias de grupo? Em anos mais recentes, esse financiamento externo estará também relacionado com as dificuldades dos bancos portugueses que necessitaram do artifício da subscrição de dívida pública para se financiarem ou que recorreram à linha de crédito incluída no empréstimo da troika. O crescimento referido para a saída de rendimentos dos empréstimos contrasta com o dinamismo muito menor dos lucros distribuídos, em queda depois de 2010, por razões que se prendem com as quebras da atividade e de poder de compra, de todos bem conhecidas. Pior que isso é a evolução dos lucros reinvestidos, que estagna a partir de 2005/06 indicando a falta de perspetivas de crescimento por parte das empresas, a ausência de investimento e a insuficiente confiança numa evolução interessante do “mercado” português. 4 - Taxas de rendabilidade Nem em todas as rubricas em que se repartem os rendimentos do investimento externo em Portugal se pode fazer uma correspondência com o valor consolidado do mesmo para se calcular uma taxa implícita de rendabilidade. Por exemplo, no caso do IDE, os lucros distribuídos, tal como os reinvestidos nas empresas, têm uma relação direta com o valor investido. Isso não acontece com os juros dos empréstimos concedidos pelas casas-mãe às suas antenas em Portugal que, em princípio se devem relacionar com capitais cedidos por empréstimo e como reforço do valor investido e incorporado no capital. Não se conhecendo o montante acumulado de empréstimos tomaram-se os juros pagos correspondentes, como equiparados a lucros; isso corresponderá a algum empolamento da rendabilidade do IDE considerada no gráfico abaixo. Contudo, refira-se que os rendimentos saídos como juros de empréstimos de sócios/acionistas têm um significado irregular, no período considerado, mas limitado; correspondem a 6.5% dos rendimentos do IDE relativos a ações e participações, em 2013. GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1
  • 8. O IDE propriamente dito revela no período em análise as contingências próprias da conjuntura pois o investimento direto, sendo mais estável, tem menos mobilidade para se esquivar às flutuações típicas dos ciclos mais curtos do capitalismo. As taxas de rendabilidade implícitas do IDE revelam relativa estabilidade até 2001, caindo no ano seguinte – adopção do euro e crise das dot.com - para iniciarem um ciclo de crescimento que atinge um cômputo superior a 7% em 2006; o início da crise financeira global reduziu ligeiramente a taxa em 2007/08 mas subiu vertiginosamente nos dois anos seguintes atingindo um máximo da ordem dos 10% em 2010, quando as dificuldades dos bancos afetam as contas públicas e os níveis de emprego. A partir daí, as contrações do poder de compra e dos níveis de investimento mostram os seus impactos sobre os níveis de rendabilidade dos capitais estrangeiros em Portugal. Fonte primária já não disponível: Banco de Portugal Nos investimentos de carteira, os seus dois componentes apresentam taxas de rendabilidade diferenciadas até ao início do século, quase se confundindo desde então. As diferenças de rendabilidade face ao IDE acentuam-se a partir de 2003 e só voltam a aproximar-se quase dez anos depois. Quanto ao outro investimento, ele apresenta taxas de rendabilidade próximas dos investimentos em carteira mas, caindo substancialmente a partir de 2009, para valores em torno de 1.5% Este e outros textos em: http://grazia-tanta.blogspot.com/ http://pt.scribd.com/profiles/documents/index/2821310 http://www.slideshare.net/durgarrai/documents GRAZIA.TANTA@GMAIL.COM 9/12/2014 1