SlideShare uma empresa Scribd logo
Eduardo Loureiro
eduardoloureiro.com / contato@eduardoloureiro.com
Digital focado nas pessoas
Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao mercado
Eduardo Loureiro
eduardoloureiro.com / contato@eduardoloureiro.com
“Suas tags te definem”: http://del.icio.us/loureiro
Usabilidade:
“Medida pela qual um produto pode ser usado
por usuários específicos para alcançar
objetivos específicos com efetividade,
eficiência e satisfação em um contexto de uso
específico.”
ISO 9241-11
Design centrado no usuário:
“Filosofia em que se coloca o usuário no
centro do processo de desenvolvimento.”
Jeffrey Rubin
Necessidades
Perfil
Desejos
Características
Design centrado no usuário:
1. Foco nas pessoas e em suas tarefas desde o
início dos projetos
Design centrado no usuário:
2. Avaliação constante do que está
sendo feito
Design centrado no usuário:
3. Design iterativo:
design - teste - re-design
Design centrado no usuário:
Ergonomia:
“Ciência multidisciplinar responsável pelo
estudo sobre as características físicas,
psíquicas e cognitivas do homem.”
Anamaria de Moraes
Interação Humano-Computador:
“Disciplina relativa ao design, avaliação e
implementação de sistemas computacionais
interativos para uso humano e aos fenômenos
que os cercam.”
Maria Cecília Baranauskas
União de:
- Como as pessoas trabalham (ergonomia)
com:
- Como as pessoas pensam (psicologia
cognitiva)
Design de Interação:
“Disciplina que define a estrutura e o
comportamento de sistemas interativos. Busca
criar relações significativas entre as pessoas e
os produtos e serviços que elas usam, a partir
de produtos interativos.”
IxDA - Interaction Design Association
Vídeo: Objectified
Bill Moggridge:
www.designinginteractions.com www.ideo.com
Arquitetura de Informação:
“Processo de estruturação de conteúdo em
que as informações são organizadas e
rotuladas de forma que os usuários consigam
achar o que procuram.”
Information Architecture Institute
Neste monumento, as vítimas da guerra tiveram seus nomes organizados pela
ordem de falecimento, dessa forma companheiros que morreram juntos tinham
nomes próximos uns dos outros. O mesmo resultado não seria possível se os nomes
estivessem em ordem alfabética ou por categoria. Neste caso está claro que o
design de informação transformou meros dados (quantidade e nome de pessoas
mortas) em informação com impacto emocional muito grande.
Organização da informação
Estratégia de negócio
(business)
Interface:
Estratégia:
- Objetivos do negócio
- ROI: Retorno de Investimento
Design da experiência do usuário:
“Conceito de integração de todos os aspectos
relativos a interação entre usuários e as
empresas, através de seus serviços e
produtos.”
Nielsen & Norman Group
Pensar além da interface: a
experiência começa antes dela e
termina depois.
Comportamento
Design Thinking:
“Processo/método/approach, que usa
ferramentas de design para resolver qualquer
tipo de problema. Inovação centrada nas
pessoas.”
IDEO
Etnografia: observação
Prototipação
Ideação / concepção
Validação
Design Thinking:
Etnografia: observação
Prototipação
Ideação / concepção
Validação
Design Thinking:
Design centrado no
usuário
Co-criação
Design de
Interação
Iteração
Tecnologia Mercado
Pessoas
Divergir Convergir
Fazer escolhasCriar opções
Design Thinking:
Pensar fora da caixa
Entender os reais problemas
Gerar o maior número de idéias
Modelo padrão
Pesquisa x Mercado
Mitos de que fazer pesquisa é:
- caro
- toma tempo
- inútil
Técnicas rápidas e baratas:
- observação
- pesquisa exploratória online
- card sorting (presencial e online)
- questionário online
- teste em protótipo (presencial e online)
Observação
Observação
Como
Ir a campo observar usuários reais usando o
produto ou realizando a tarefa com produtos
similares ou por meios próprios.
Porque
Identificar comportamentos, costumes e
características dos usuários em seu real contexto.
Observar como eles realizam a tarefa usando
métodos próprios ou produtos concorrentes.
Identificar problemas que enfrentam e
oportunidades para novos desejos.
Observação
O que é necessário
- Máquina fotográfica e caderno de anotações.
Observação
Dicas
- Ter paciência.
- Agir de forma discreta para não fazer com que
as pessoas alterem seu comportamento devido a
observação.
- Em caso de aliar a observação com a técnica
de entrevista contextual, agir com naturalidade e
descontração para tranqüilizar o participante.
Instigar que a pessoa diga porque de fazer ou
pensar de determinado modo.
Observação
Dicas
- Não confiar na memória e registrar tudo o que
for possível, seja com foto, vídeo, audio ou
anotações.
- Não deixar de registrar possíveis insights e
conclusões se elas surgirem no meio do estudo.
Pesquisa exploratória online
Pesquisa exploratória online
Como
Entrevista por telefone ou Skype, usando um
software de webconferência.
Porque
Identificar comportamentos, costumes e
características dos usuários. Observar como eles
realizam a tarefa usando métodos próprios ou
produtos similares / concorrentes em seu próprio
contexto (seu computador).
Pesquisa exploratória online
O que é necessário
- Pensar em recompensa: vale compras de 30/40
reais em livrarias ou e-commerces.
- Recrutar usuários: conhecidos com o mesmo
perfil / questionário online no site atual / convite
em redes sociais e grupos de discussão.
- Software de webconferência: webex.com custa
49 dólares por mês.
- Software de gravação de tela: EatCam (gratuito).
Pesquisa exploratória online
O que é necessário
- Preparar um roteiro de perguntas, mas não deixar
de explorar possíveis oportunidades fora dele.
- Fazer pré-teste com pessoas fora do contexto do
projeto, de preferência, usuários reais.
- Enviar para os participantes as instruções do que
será feito e como será feito.
- Ao realizar o estudo tomar nota de tudo, mesmo
com a gravação da tela ou do audio da conversa.
Pesquisa exploratória online
Dicas:
- Pelo menos 1 hora de separação entre os
agendamentos dos estudos.
- Ter em mãos usuários reservas para cada perfil da
amostra, caso haja alguma desistência.
- Transmitir tranqüilidade e segurança para o
participante. Trata-lo como uma pessoa normal,
falando a sua linguagem e evitar de padrões de
telemarketing.
Pesquisa exploratória online
Dicas:
- Se ocorrerem problemas (e eles provavelmente
ocorrerão) durante a realização da pesquisa, tentar
resolver com calma, deixando o participante a par
de tudo que está acontecendo. Dessa forma, a
chances do participante ser compreensivo e ter
paciência são muito maiores.
Card sorting presencial
Card sorting presencial
Como
Organização de cartões. Os usuários devem
agrupar e rotular uma série de cartões, que
representam informações específicas ou blocos
de informações.
Porque
Identificar os modelos mentais dos usuários e os
padrões de organização. Descobrir como as
pessoas organizam a informação e como elas
categorizam e relacionam conceitos.
Card sorting presencial
O que é necessário
- Pensar em recompensa: vale compras de 30/40
reais em livrarias ou e-commerces.
- Recrutar usuários (até 4 por seção): conhecidos
com o mesmo perfil / questionário online no site
atual / convite em redes sociais e grupos de
discussão.
- Preparar os cartões para o estudo.
- Preparar material: canetas, post-its, cola, durex.
Card sorting presencial
O que é necessário
- Preparar ambiente (parede ou mesa grande),
lanche, água etc.
- Durante o estudo, estimular aos participantes a
pensarem alto e que dizer o porque das suas
escolhas.
- Instruir aos participantes que primeiro organizem
os itens em grupos só para depois rotulá-los. As
pessoas tendem a dar nomes primeiro o que pode
viciar e determinar o resultado.
Card sorting presencial
Dicas
- Ter em mãos usuários reservas para cada perfil da
amostra, caso haja alguma desistência.
- Se o produto já existe, se preocupar em recrutar
usuários novatos além dos experientes, pois a
estrutura atual pode influenciar o modo como os
experientes organizam a informação.
- Tomar cuidado ao escolher os itens que serão
agrupados, para não tendênciar o resultado com
labels viciados.
Card sorting presencial
Dicas
- Se houver muitos itens, não realizar o estudo com
todos. Escolher pontos mais críticos, que causam
mais dúvidas na organização da informação e
realizar o estudo somente com esses itens. Itens de
mais desestimulam a realização do estudo e podem
viciar o resultado. Escolher em média de 30 a 40
itens, no máximo.
Card sorting online
Card sorting online
Como
Ferramenta online que permite a organização de
conteúdo. Os usuários devem agrupar e rotular
uma série de itens, que representam informações
específicas ou blocos de informações.
Porque
Identificar os modelos mentais dos usuários e os
padrões de organização. Descobrir como as
pessoas organizam a informação e como elas
categorizam e relacionam conceitos.
Card sorting online
O que é necessário
- Pensar em recompensa: vale compras de 30/40
reais em livrarias ou e-commerces.
- Recrutar usuários: conhecidos com o mesmo
perfil / questionário online no site atual / convite
em redes sociais e grupos de discussão.
- Escolher a ferramenta: websort.net (interface
melhor, em português e mais barato) ou
optimalworkshop.com.
Card sorting online
O que é necessário
- Preparar os itens para o estudo e configurar a
ferramenta.
- Preparar instruções que serão enviadas por e-mail
para os participantes e estarão dentro da
ferramenta.
- Fazer pré-teste com pessoas fora do contexto do
projeto, de preferência, usuários reais.
Card sorting online
Dicas
- Ter em mãos usuários reservas para cada perfil da
amostra, caso haja alguma desistência.
- Se o produto já existe, se preocupar em recrutar
usuários novatos além dos experientes, pois a
estrutura atual pode influenciar o modo como os
experientes organizam a informação.
- Tomar cuidado ao escolher os itens que serão
agrupados, para não tendênciar o resultado com
labels viciados.
Card sorting online
Dicas
- Se houver muitos itens, não realizar o estudo com
todos. Escolher pontos mais críticos, que causam
mais dúvidas na organização da informação e
realizar o estudo somente com esses itens. Itens de
mais desestimulam a realização do estudo e podem
viciar o resultado. Escolher em média de 30 a 40
itens, no máximo.
Questionário online
Questionário online
Como
Publicar no site atual ou em grupos de discussão
e redes sociais o questionário online, que pode
ter perguntas abertas e fechadas.
Porque
Identificar perfis psicográficos (características e
comportamento), avaliar interface atual, levantar
insights (necessidades e desejos).
Questionário online
O que é necessário
- Estabelecer objetivos (quais as informações
importantes a serem encontradas).
- Criar as questões que comporão o questionário
com base nesses objetivos.
- Escolher a ferramenta. Existem ferramentas
gratuitas que geram resultados brutos em tabela
como o Google Docs e ferramentas pagas como o
Survey Gizmo (19 dólares por mês), que geram
resultados mais ricos com gráficos e filtros.
Questionário online
O que é necessário
- Configurar a ferramenta e alimenta-la.
- No topo do questionário, deixar claro seus
objetivos, porque está sendo feito, por quem está
sendo feito, o que será feito com seus resultados e
o tamanho do questionário com uma média do
tempo necessário para responde-lo.
Questionário online
Dicas
- Criar questões claras, que evitem dupla
interpretação e confusão.
- Iniciar o questionário com a pesquisa em si
(avaliação, satisfação ou coleta de insights) e deixar
para o final a identificação do perfil.
- Aproveitar o questionário para encontrar possíveis
participantes para futuras pesquisas.
Teste em protótipo online
Teste em protótipo online
Como
Testar um modelo conceitual (wireframe/
protótipo) com usuários reais, usando telefone ou
Skype e um software de webconferência.
Porque
Validar novas propostas de funcionalidades,
organização e apresentação dos elementos da
interface e entendimento da estrutura de
organização da informação.
Teste em protótipo online
O que é necessário
- Estabelecer objetivos do teste: o que será
avaliado, em que grau e que métricas serão usadas
para determinar a qualidade da avaliação.
- Pensar em recompensa: vale compras de 30/40
reais em livrarias ou e-commerces.
- Recrutar usuários: conhecidos com o mesmo
perfil / questionário online no site atual / convite
em redes sociais e grupos de discussão.
Teste em protótipo online
O que é necessário
- Software de webconferência: webex.com custa
49 dólares por mês.
- Software de gravação de tela: EatCam (gratuito).
- Preparar um roteiro de tarefas.
- Fazer pré-teste com pessoas fora do contexto do
projeto, de preferência, usuários reais.
Teste em protótipo online
O que é necessário
- Enviar para os participantes as instruções do que
será feito e como será feito.
- Ao realizar o teste tomar nota de tudo, mesmo
com a gravação da tela.
- Durante o teste, estimular aos participantes a
pensarem alto e que dizer o porque das suas
escolhas.
Teste em protótipo online
Dicas
- Não aplicar muitas tarefas, focar nas partes com
mais dúvidas.
- Evitar tarefas que exijam abstração grande em
relação ao protótipo como se ele fosse o produto
final, por parte dos participantes. Caso seja
necessário, contextualizar o participantes antes para
que a atenção se concentre na parte realmente
importante a ser avaliada.
Teste em protótipo online
Dicas
- Pensar em tarefas contextualizadas por um
cenário, mas sem viciar o resultado.
- Antes do teste em si, familiarizar o participante
explicando todo o processo e deixando que ele
navegue pelo protótipo livremente.
Teste em protótipo de papel
Teste em protótipo de papel
Como
Testar um modelo conceitual (wireframe/
protótipo) com usuários reais.
Porque
Validar novas propostas de funcionalidades,
organização e apresentação dos elementos da
interface e entendimento da estrutura de
organização da informação.
Teste em protótipo de papel
O que é necessário
- Estabelecer objetivos do teste: o que será
avaliado, em que grau e que métricas serão usadas
para determinar a qualidade da avaliação.
- Pensar em recompensa: vale compras de 30/40
reais em livrarias ou e-commerces.
- Recrutar usuários: conhecidos com o mesmo
perfil / questionário online no site atual / convite
em redes sociais e grupos de discussão.
Teste em protótipo de papel
O que é necessário
- Preparar um roteiro de tarefas.
- Fazer pré-teste com pessoas fora do contexto do
projeto, de preferência, usuários reais.
- Preparar material: protótipo, canetas e post-its.
- Preparar ambiente (mesa grande), lanche, água
etc.
Teste em protótipo de papel
O que é necessário
- Durante o teste, estimular aos participantes a
pensar alto e dizer o porque das suas escolhas.
Teste em protótipo de papel
Dicas
- Não aplicar muitas tarefas, focar nas partes com
mais dúvidas.
- Evitar tarefas que exijam abstração grande em
relação ao protótipo como se ele fosse o produto
final, por parte dos participantes. Caso seja
necessário, contextualizar o participantes antes para
que a atenção se concentre na parte realmente
importante a ser avaliado.
Teste em protótipo de papel
Dicas
- Pensar em tarefas contextualizadas por um
cenário, mas sem viciar o resultado.
- Antes do teste em si, familiarizar o participante
explicando todo o processo e deixando que ele use
o protótipo livremente.
Eduardo Loureiro
eduardoloureiro.com / contato@eduardoloureiro.com
Digital focado nas pessoas
Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao mercado

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Workshop Mapa de tarefas e Prototipação
Workshop Mapa de tarefas e PrototipaçãoWorkshop Mapa de tarefas e Prototipação
Workshop Mapa de tarefas e PrototipaçãoKarine Drumond
 
O Diferencial e as Tendências do Design de Interação
O Diferencial e as Tendências do Design de InteraçãoO Diferencial e as Tendências do Design de Interação
O Diferencial e as Tendências do Design de InteraçãoUTFPR
 
Workshop - Personas
Workshop - PersonasWorkshop - Personas
Workshop - PersonasVoël
 
Técnicas de Prototipação para Smartphones no Apoio à Avaliação de Interfaces ...
Técnicas de Prototipação para Smartphones no Apoio à Avaliação de Interfaces ...Técnicas de Prototipação para Smartphones no Apoio à Avaliação de Interfaces ...
Técnicas de Prototipação para Smartphones no Apoio à Avaliação de Interfaces ...Talita Pagani
 
Prototipagem de Sistemas Digitais - Introdução a VHDL
Prototipagem de Sistemas Digitais - Introdução a VHDLPrototipagem de Sistemas Digitais - Introdução a VHDL
Prototipagem de Sistemas Digitais - Introdução a VHDLBrito Filho
 
Curso Prototipagem de ideias e projetos - Material Resumido
Curso Prototipagem de ideias e projetos - Material ResumidoCurso Prototipagem de ideias e projetos - Material Resumido
Curso Prototipagem de ideias e projetos - Material ResumidoTatiane Carrelli
 
Protótipos em Papel
Protótipos em PapelProtótipos em Papel
Protótipos em Papelelliando dias
 
Importancia da Prototipagem
Importancia da PrototipagemImportancia da Prototipagem
Importancia da PrototipagemErico Fileno
 
Design de Interação parte II
Design de Interação parte IIDesign de Interação parte II
Design de Interação parte IIKarine Drumond
 
Prototipação de software
Prototipação de softwarePrototipação de software
Prototipação de softwareMarcio Costa
 
Técnica de prototipação - Aula 1
Técnica de prototipação - Aula 1Técnica de prototipação - Aula 1
Técnica de prototipação - Aula 1Guilherme Torres
 
Cardsorting - Palestra (atualizada)
Cardsorting - Palestra (atualizada) Cardsorting - Palestra (atualizada)
Cardsorting - Palestra (atualizada) Luiz Agner
 
Arquitetura de Informação (atualizado)
Arquitetura de Informação (atualizado)Arquitetura de Informação (atualizado)
Arquitetura de Informação (atualizado)Luiz Agner
 
Prototipação para Design de Interfaces
Prototipação para Design de InterfacesPrototipação para Design de Interfaces
Prototipação para Design de InterfacesRodrigo Freese Gonzatto
 
Prototipos de Baixa e Alta Fidelidade
Prototipos de Baixa e Alta FidelidadePrototipos de Baixa e Alta Fidelidade
Prototipos de Baixa e Alta FidelidadeErico Fileno
 
O que pode ser Design de Interação?
O que pode ser Design de Interação?O que pode ser Design de Interação?
O que pode ser Design de Interação?guestb90ef5
 
Prototipação de software
Prototipação de softwarePrototipação de software
Prototipação de softwareleopp
 

Destaque (20)

Workshop Mapa de tarefas e Prototipação
Workshop Mapa de tarefas e PrototipaçãoWorkshop Mapa de tarefas e Prototipação
Workshop Mapa de tarefas e Prototipação
 
Guia para Cardsorting
Guia para CardsortingGuia para Cardsorting
Guia para Cardsorting
 
Trabalho es prototipagem
Trabalho es   prototipagemTrabalho es   prototipagem
Trabalho es prototipagem
 
O Diferencial e as Tendências do Design de Interação
O Diferencial e as Tendências do Design de InteraçãoO Diferencial e as Tendências do Design de Interação
O Diferencial e as Tendências do Design de Interação
 
Workshop - Personas
Workshop - PersonasWorkshop - Personas
Workshop - Personas
 
Técnicas de Prototipação para Smartphones no Apoio à Avaliação de Interfaces ...
Técnicas de Prototipação para Smartphones no Apoio à Avaliação de Interfaces ...Técnicas de Prototipação para Smartphones no Apoio à Avaliação de Interfaces ...
Técnicas de Prototipação para Smartphones no Apoio à Avaliação de Interfaces ...
 
Prototipagem de Sistemas Digitais - Introdução a VHDL
Prototipagem de Sistemas Digitais - Introdução a VHDLPrototipagem de Sistemas Digitais - Introdução a VHDL
Prototipagem de Sistemas Digitais - Introdução a VHDL
 
Curso Prototipagem de ideias e projetos - Material Resumido
Curso Prototipagem de ideias e projetos - Material ResumidoCurso Prototipagem de ideias e projetos - Material Resumido
Curso Prototipagem de ideias e projetos - Material Resumido
 
Protótipos em Papel
Protótipos em PapelProtótipos em Papel
Protótipos em Papel
 
Importancia da Prototipagem
Importancia da PrototipagemImportancia da Prototipagem
Importancia da Prototipagem
 
Design de Interação parte II
Design de Interação parte IIDesign de Interação parte II
Design de Interação parte II
 
Prototipação de software
Prototipação de softwarePrototipação de software
Prototipação de software
 
Técnica de prototipação - Aula 1
Técnica de prototipação - Aula 1Técnica de prototipação - Aula 1
Técnica de prototipação - Aula 1
 
Cardsorting - Palestra (atualizada)
Cardsorting - Palestra (atualizada) Cardsorting - Palestra (atualizada)
Cardsorting - Palestra (atualizada)
 
Arquitetura de Informação (atualizado)
Arquitetura de Informação (atualizado)Arquitetura de Informação (atualizado)
Arquitetura de Informação (atualizado)
 
Prototipação para Design de Interfaces
Prototipação para Design de InterfacesPrototipação para Design de Interfaces
Prototipação para Design de Interfaces
 
Prototipos de Baixa e Alta Fidelidade
Prototipos de Baixa e Alta FidelidadePrototipos de Baixa e Alta Fidelidade
Prototipos de Baixa e Alta Fidelidade
 
Engenharia de software - Prototipo
Engenharia de software - PrototipoEngenharia de software - Prototipo
Engenharia de software - Prototipo
 
O que pode ser Design de Interação?
O que pode ser Design de Interação?O que pode ser Design de Interação?
O que pode ser Design de Interação?
 
Prototipação de software
Prototipação de softwarePrototipação de software
Prototipação de software
 

Semelhante a Digital focado nas pessoas: Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao mercado

Card Sorting na Arquitetura de Informação
Card Sorting na Arquitetura de InformaçãoCard Sorting na Arquitetura de Informação
Card Sorting na Arquitetura de InformaçãoLuiz Agner
 
Palestra - Card Sorting (atualizada)
Palestra - Card Sorting (atualizada)Palestra - Card Sorting (atualizada)
Palestra - Card Sorting (atualizada)Luiz Agner
 
Métodos de pesquisa e análise em Design
Métodos de pesquisa e análise em DesignMétodos de pesquisa e análise em Design
Métodos de pesquisa e análise em DesignPaulo Fanton
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service DesignErico Fileno
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service DesignErico Fileno
 
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitais
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitaisProcesso criativo: transformando ideias em produtos digitais
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitaisAislan Rafael
 
Arquitetura da Informação
Arquitetura da InformaçãoArquitetura da Informação
Arquitetura da InformaçãoMarcello Cardoso
 
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design SprintEmpreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design SprintAna Paula Batista
 
Design Sistemas Centrado Usuario
Design Sistemas Centrado UsuarioDesign Sistemas Centrado Usuario
Design Sistemas Centrado UsuarioElisabeth Dudziak
 
Projetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuárioProjetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuáriotalkitbr
 
Cap. 7 selecionando participantes
Cap. 7   selecionando participantesCap. 7   selecionando participantes
Cap. 7 selecionando participantesLuiz Agner
 
Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Lu Terceiro
 
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...Thalita Oliveira
 
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHCPerfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHCRos Galabo, PhD
 
InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012rcmello13
 

Semelhante a Digital focado nas pessoas: Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao mercado (20)

Card Sorting na Arquitetura de Informação
Card Sorting na Arquitetura de InformaçãoCard Sorting na Arquitetura de Informação
Card Sorting na Arquitetura de Informação
 
Palestra - Card Sorting (atualizada)
Palestra - Card Sorting (atualizada)Palestra - Card Sorting (atualizada)
Palestra - Card Sorting (atualizada)
 
Métodos de pesquisa e análise em Design
Métodos de pesquisa e análise em DesignMétodos de pesquisa e análise em Design
Métodos de pesquisa e análise em Design
 
Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
 
Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service Design
 
Workshop - Service Design
Workshop - Service DesignWorkshop - Service Design
Workshop - Service Design
 
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitais
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitaisProcesso criativo: transformando ideias em produtos digitais
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitais
 
Card Sorting
Card SortingCard Sorting
Card Sorting
 
Arquitetura da Informação
Arquitetura da InformaçãoArquitetura da Informação
Arquitetura da Informação
 
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design SprintEmpreendedorismo UFMG - Design Sprint
Empreendedorismo UFMG - Design Sprint
 
Design Sistemas Centrado Usuario
Design Sistemas Centrado UsuarioDesign Sistemas Centrado Usuario
Design Sistemas Centrado Usuario
 
Projetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuárioProjetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuário
 
Cap. 7 selecionando participantes
Cap. 7   selecionando participantesCap. 7   selecionando participantes
Cap. 7 selecionando participantes
 
Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5
 
5 - A pesquisa.ppt
5 - A pesquisa.ppt5 - A pesquisa.ppt
5 - A pesquisa.ppt
 
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...
 
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHCPerfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
Perfil do usuário, Personas, Cenários, Storyboard em IHC
 
InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012
 
Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 3.0
Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 3.0Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 3.0
Desenvolvimento em tempos de UX - Versão 3.0
 

Digital focado nas pessoas: Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao mercado

  • 1. Eduardo Loureiro eduardoloureiro.com / contato@eduardoloureiro.com Digital focado nas pessoas Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao mercado
  • 2. Eduardo Loureiro eduardoloureiro.com / contato@eduardoloureiro.com “Suas tags te definem”: http://del.icio.us/loureiro
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. Usabilidade: “Medida pela qual um produto pode ser usado por usuários específicos para alcançar objetivos específicos com efetividade, eficiência e satisfação em um contexto de uso específico.” ISO 9241-11
  • 7. Design centrado no usuário: “Filosofia em que se coloca o usuário no centro do processo de desenvolvimento.” Jeffrey Rubin
  • 9. 1. Foco nas pessoas e em suas tarefas desde o início dos projetos Design centrado no usuário:
  • 10. 2. Avaliação constante do que está sendo feito Design centrado no usuário:
  • 11. 3. Design iterativo: design - teste - re-design Design centrado no usuário:
  • 12. Ergonomia: “Ciência multidisciplinar responsável pelo estudo sobre as características físicas, psíquicas e cognitivas do homem.” Anamaria de Moraes
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. Interação Humano-Computador: “Disciplina relativa ao design, avaliação e implementação de sistemas computacionais interativos para uso humano e aos fenômenos que os cercam.” Maria Cecília Baranauskas
  • 17. União de: - Como as pessoas trabalham (ergonomia) com: - Como as pessoas pensam (psicologia cognitiva)
  • 18.
  • 19. Design de Interação: “Disciplina que define a estrutura e o comportamento de sistemas interativos. Busca criar relações significativas entre as pessoas e os produtos e serviços que elas usam, a partir de produtos interativos.” IxDA - Interaction Design Association
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Arquitetura de Informação: “Processo de estruturação de conteúdo em que as informações são organizadas e rotuladas de forma que os usuários consigam achar o que procuram.” Information Architecture Institute
  • 25.
  • 26. Neste monumento, as vítimas da guerra tiveram seus nomes organizados pela ordem de falecimento, dessa forma companheiros que morreram juntos tinham nomes próximos uns dos outros. O mesmo resultado não seria possível se os nomes estivessem em ordem alfabética ou por categoria. Neste caso está claro que o design de informação transformou meros dados (quantidade e nome de pessoas mortas) em informação com impacto emocional muito grande.
  • 28. Interface: Estratégia: - Objetivos do negócio - ROI: Retorno de Investimento
  • 29.
  • 30.
  • 31. Design da experiência do usuário: “Conceito de integração de todos os aspectos relativos a interação entre usuários e as empresas, através de seus serviços e produtos.” Nielsen & Norman Group
  • 32. Pensar além da interface: a experiência começa antes dela e termina depois. Comportamento
  • 33.
  • 34. Design Thinking: “Processo/método/approach, que usa ferramentas de design para resolver qualquer tipo de problema. Inovação centrada nas pessoas.” IDEO
  • 35. Etnografia: observação Prototipação Ideação / concepção Validação Design Thinking:
  • 36. Etnografia: observação Prototipação Ideação / concepção Validação Design Thinking: Design centrado no usuário Co-criação Design de Interação Iteração
  • 38. Divergir Convergir Fazer escolhasCriar opções Design Thinking: Pensar fora da caixa Entender os reais problemas Gerar o maior número de idéias Modelo padrão
  • 39.
  • 41. Mitos de que fazer pesquisa é: - caro - toma tempo - inútil
  • 42. Técnicas rápidas e baratas: - observação - pesquisa exploratória online - card sorting (presencial e online) - questionário online - teste em protótipo (presencial e online)
  • 44. Observação Como Ir a campo observar usuários reais usando o produto ou realizando a tarefa com produtos similares ou por meios próprios. Porque Identificar comportamentos, costumes e características dos usuários em seu real contexto. Observar como eles realizam a tarefa usando métodos próprios ou produtos concorrentes. Identificar problemas que enfrentam e oportunidades para novos desejos.
  • 45. Observação O que é necessário - Máquina fotográfica e caderno de anotações.
  • 46. Observação Dicas - Ter paciência. - Agir de forma discreta para não fazer com que as pessoas alterem seu comportamento devido a observação. - Em caso de aliar a observação com a técnica de entrevista contextual, agir com naturalidade e descontração para tranqüilizar o participante. Instigar que a pessoa diga porque de fazer ou pensar de determinado modo.
  • 47. Observação Dicas - Não confiar na memória e registrar tudo o que for possível, seja com foto, vídeo, audio ou anotações. - Não deixar de registrar possíveis insights e conclusões se elas surgirem no meio do estudo.
  • 49. Pesquisa exploratória online Como Entrevista por telefone ou Skype, usando um software de webconferência. Porque Identificar comportamentos, costumes e características dos usuários. Observar como eles realizam a tarefa usando métodos próprios ou produtos similares / concorrentes em seu próprio contexto (seu computador).
  • 50. Pesquisa exploratória online O que é necessário - Pensar em recompensa: vale compras de 30/40 reais em livrarias ou e-commerces. - Recrutar usuários: conhecidos com o mesmo perfil / questionário online no site atual / convite em redes sociais e grupos de discussão. - Software de webconferência: webex.com custa 49 dólares por mês. - Software de gravação de tela: EatCam (gratuito).
  • 51. Pesquisa exploratória online O que é necessário - Preparar um roteiro de perguntas, mas não deixar de explorar possíveis oportunidades fora dele. - Fazer pré-teste com pessoas fora do contexto do projeto, de preferência, usuários reais. - Enviar para os participantes as instruções do que será feito e como será feito. - Ao realizar o estudo tomar nota de tudo, mesmo com a gravação da tela ou do audio da conversa.
  • 52. Pesquisa exploratória online Dicas: - Pelo menos 1 hora de separação entre os agendamentos dos estudos. - Ter em mãos usuários reservas para cada perfil da amostra, caso haja alguma desistência. - Transmitir tranqüilidade e segurança para o participante. Trata-lo como uma pessoa normal, falando a sua linguagem e evitar de padrões de telemarketing.
  • 53. Pesquisa exploratória online Dicas: - Se ocorrerem problemas (e eles provavelmente ocorrerão) durante a realização da pesquisa, tentar resolver com calma, deixando o participante a par de tudo que está acontecendo. Dessa forma, a chances do participante ser compreensivo e ter paciência são muito maiores.
  • 55. Card sorting presencial Como Organização de cartões. Os usuários devem agrupar e rotular uma série de cartões, que representam informações específicas ou blocos de informações. Porque Identificar os modelos mentais dos usuários e os padrões de organização. Descobrir como as pessoas organizam a informação e como elas categorizam e relacionam conceitos.
  • 56. Card sorting presencial O que é necessário - Pensar em recompensa: vale compras de 30/40 reais em livrarias ou e-commerces. - Recrutar usuários (até 4 por seção): conhecidos com o mesmo perfil / questionário online no site atual / convite em redes sociais e grupos de discussão. - Preparar os cartões para o estudo. - Preparar material: canetas, post-its, cola, durex.
  • 57. Card sorting presencial O que é necessário - Preparar ambiente (parede ou mesa grande), lanche, água etc. - Durante o estudo, estimular aos participantes a pensarem alto e que dizer o porque das suas escolhas. - Instruir aos participantes que primeiro organizem os itens em grupos só para depois rotulá-los. As pessoas tendem a dar nomes primeiro o que pode viciar e determinar o resultado.
  • 58. Card sorting presencial Dicas - Ter em mãos usuários reservas para cada perfil da amostra, caso haja alguma desistência. - Se o produto já existe, se preocupar em recrutar usuários novatos além dos experientes, pois a estrutura atual pode influenciar o modo como os experientes organizam a informação. - Tomar cuidado ao escolher os itens que serão agrupados, para não tendênciar o resultado com labels viciados.
  • 59. Card sorting presencial Dicas - Se houver muitos itens, não realizar o estudo com todos. Escolher pontos mais críticos, que causam mais dúvidas na organização da informação e realizar o estudo somente com esses itens. Itens de mais desestimulam a realização do estudo e podem viciar o resultado. Escolher em média de 30 a 40 itens, no máximo.
  • 61. Card sorting online Como Ferramenta online que permite a organização de conteúdo. Os usuários devem agrupar e rotular uma série de itens, que representam informações específicas ou blocos de informações. Porque Identificar os modelos mentais dos usuários e os padrões de organização. Descobrir como as pessoas organizam a informação e como elas categorizam e relacionam conceitos.
  • 62. Card sorting online O que é necessário - Pensar em recompensa: vale compras de 30/40 reais em livrarias ou e-commerces. - Recrutar usuários: conhecidos com o mesmo perfil / questionário online no site atual / convite em redes sociais e grupos de discussão. - Escolher a ferramenta: websort.net (interface melhor, em português e mais barato) ou optimalworkshop.com.
  • 63. Card sorting online O que é necessário - Preparar os itens para o estudo e configurar a ferramenta. - Preparar instruções que serão enviadas por e-mail para os participantes e estarão dentro da ferramenta. - Fazer pré-teste com pessoas fora do contexto do projeto, de preferência, usuários reais.
  • 64. Card sorting online Dicas - Ter em mãos usuários reservas para cada perfil da amostra, caso haja alguma desistência. - Se o produto já existe, se preocupar em recrutar usuários novatos além dos experientes, pois a estrutura atual pode influenciar o modo como os experientes organizam a informação. - Tomar cuidado ao escolher os itens que serão agrupados, para não tendênciar o resultado com labels viciados.
  • 65. Card sorting online Dicas - Se houver muitos itens, não realizar o estudo com todos. Escolher pontos mais críticos, que causam mais dúvidas na organização da informação e realizar o estudo somente com esses itens. Itens de mais desestimulam a realização do estudo e podem viciar o resultado. Escolher em média de 30 a 40 itens, no máximo.
  • 67. Questionário online Como Publicar no site atual ou em grupos de discussão e redes sociais o questionário online, que pode ter perguntas abertas e fechadas. Porque Identificar perfis psicográficos (características e comportamento), avaliar interface atual, levantar insights (necessidades e desejos).
  • 68. Questionário online O que é necessário - Estabelecer objetivos (quais as informações importantes a serem encontradas). - Criar as questões que comporão o questionário com base nesses objetivos. - Escolher a ferramenta. Existem ferramentas gratuitas que geram resultados brutos em tabela como o Google Docs e ferramentas pagas como o Survey Gizmo (19 dólares por mês), que geram resultados mais ricos com gráficos e filtros.
  • 69. Questionário online O que é necessário - Configurar a ferramenta e alimenta-la. - No topo do questionário, deixar claro seus objetivos, porque está sendo feito, por quem está sendo feito, o que será feito com seus resultados e o tamanho do questionário com uma média do tempo necessário para responde-lo.
  • 70. Questionário online Dicas - Criar questões claras, que evitem dupla interpretação e confusão. - Iniciar o questionário com a pesquisa em si (avaliação, satisfação ou coleta de insights) e deixar para o final a identificação do perfil. - Aproveitar o questionário para encontrar possíveis participantes para futuras pesquisas.
  • 72. Teste em protótipo online Como Testar um modelo conceitual (wireframe/ protótipo) com usuários reais, usando telefone ou Skype e um software de webconferência. Porque Validar novas propostas de funcionalidades, organização e apresentação dos elementos da interface e entendimento da estrutura de organização da informação.
  • 73. Teste em protótipo online O que é necessário - Estabelecer objetivos do teste: o que será avaliado, em que grau e que métricas serão usadas para determinar a qualidade da avaliação. - Pensar em recompensa: vale compras de 30/40 reais em livrarias ou e-commerces. - Recrutar usuários: conhecidos com o mesmo perfil / questionário online no site atual / convite em redes sociais e grupos de discussão.
  • 74. Teste em protótipo online O que é necessário - Software de webconferência: webex.com custa 49 dólares por mês. - Software de gravação de tela: EatCam (gratuito). - Preparar um roteiro de tarefas. - Fazer pré-teste com pessoas fora do contexto do projeto, de preferência, usuários reais.
  • 75. Teste em protótipo online O que é necessário - Enviar para os participantes as instruções do que será feito e como será feito. - Ao realizar o teste tomar nota de tudo, mesmo com a gravação da tela. - Durante o teste, estimular aos participantes a pensarem alto e que dizer o porque das suas escolhas.
  • 76. Teste em protótipo online Dicas - Não aplicar muitas tarefas, focar nas partes com mais dúvidas. - Evitar tarefas que exijam abstração grande em relação ao protótipo como se ele fosse o produto final, por parte dos participantes. Caso seja necessário, contextualizar o participantes antes para que a atenção se concentre na parte realmente importante a ser avaliada.
  • 77. Teste em protótipo online Dicas - Pensar em tarefas contextualizadas por um cenário, mas sem viciar o resultado. - Antes do teste em si, familiarizar o participante explicando todo o processo e deixando que ele navegue pelo protótipo livremente.
  • 79. Teste em protótipo de papel Como Testar um modelo conceitual (wireframe/ protótipo) com usuários reais. Porque Validar novas propostas de funcionalidades, organização e apresentação dos elementos da interface e entendimento da estrutura de organização da informação.
  • 80. Teste em protótipo de papel O que é necessário - Estabelecer objetivos do teste: o que será avaliado, em que grau e que métricas serão usadas para determinar a qualidade da avaliação. - Pensar em recompensa: vale compras de 30/40 reais em livrarias ou e-commerces. - Recrutar usuários: conhecidos com o mesmo perfil / questionário online no site atual / convite em redes sociais e grupos de discussão.
  • 81. Teste em protótipo de papel O que é necessário - Preparar um roteiro de tarefas. - Fazer pré-teste com pessoas fora do contexto do projeto, de preferência, usuários reais. - Preparar material: protótipo, canetas e post-its. - Preparar ambiente (mesa grande), lanche, água etc.
  • 82. Teste em protótipo de papel O que é necessário - Durante o teste, estimular aos participantes a pensar alto e dizer o porque das suas escolhas.
  • 83. Teste em protótipo de papel Dicas - Não aplicar muitas tarefas, focar nas partes com mais dúvidas. - Evitar tarefas que exijam abstração grande em relação ao protótipo como se ele fosse o produto final, por parte dos participantes. Caso seja necessário, contextualizar o participantes antes para que a atenção se concentre na parte realmente importante a ser avaliado.
  • 84. Teste em protótipo de papel Dicas - Pensar em tarefas contextualizadas por um cenário, mas sem viciar o resultado. - Antes do teste em si, familiarizar o participante explicando todo o processo e deixando que ele use o protótipo livremente.
  • 85. Eduardo Loureiro eduardoloureiro.com / contato@eduardoloureiro.com Digital focado nas pessoas Metodologia e técnicas de pesquisa acessíveis ao mercado