21ºrenascimento cultural

342 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
342
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

21ºrenascimento cultural

  1. 1. RENASCIMENTORENASCIMENTO
  2. 2. RENASCIMENTO CULURALRENASCIMENTO CULURAL OO homem vitruvianohomem vitruvianodede Leonardo da VinciLeonardo da Vincisintetiza o ideáriosintetiza o ideáriorenascentistarenascentistahumanista e clássicohumanista e clássico
  3. 3. RENASCIMENTORENASCIMENTOCULTURALCULTURALO RENASCIMENTO TEVE INÍCIO NO NORTEO RENASCIMENTO TEVE INÍCIO NO NORTEDA ITÁLIA DO INÍCIO DO SÉC. XIV ATÉDA ITÁLIA DO INÍCIO DO SÉC. XIV ATÉMEADOS DO SEC. XVI.MEADOS DO SEC. XVI.FOI UM MOVIMENTO INTELECTUALFOI UM MOVIMENTO INTELECTUALDECORRENTE DAS TRANSFORMAÇÕESDECORRENTE DAS TRANSFORMAÇÕESOCORRIDAS DURANTE A BAIXA IDADEOCORRIDAS DURANTE A BAIXA IDADEMÉDIA.MÉDIA.O CONTATO COM ORIENTE, OO CONTATO COM ORIENTE, OCRESCIMENTO DO COMÉRCIO, OBRAS DACRESCIMENTO DO COMÉRCIO, OBRAS DAANTIGA GRÉCIA E ROMA FORAMANTIGA GRÉCIA E ROMA FORAMELEMENTOS QUE CONTRIBUIRAM PARA OELEMENTOS QUE CONTRIBUIRAM PARA ODESFECHODESFECHO
  4. 4. TRANSIÇÃOTRANSIÇÃONa idade média a produção intelectual eNa idade média a produção intelectual eartística estava ligada à igreja.artística estava ligada à igreja.Na idade moderna, a arte e o saberNa idade moderna, a arte e o sabervoltaram-se para o mundo concreto, paravoltaram-se para o mundo concreto, paraa humanidade e a sua capacidade dea humanidade e a sua capacidade detransformar o mundo.transformar o mundo.
  5. 5. POR QUÊ NA ITÁLIA?POR QUÊ NA ITÁLIA?Devido a Itália ser o berço da civilizaçãoDevido a Itália ser o berço da civilizaçãoromana, das cidades serem litorâneas ,deromana, das cidades serem litorâneas ,deabrigar os sábios bizantinos queabrigar os sábios bizantinos quepreservaram a cultura grega, e dopreservaram a cultura grega, e doinvestimento dos mecenas, a Itália foi ainvestimento dos mecenas, a Itália foi amais propícia para iniciar este movimentomais propícia para iniciar este movimentointelectualintelectual
  6. 6. CARACTERÍSTICASCARACTERÍSTICASDO RENASCIMENTODO RENASCIMENTOOPUNHA-SE AOOPUNHA-SE AOMISTICISMOMISTICISMOCOLETIVISMOCOLETIVISMOTEOCENTRISMOTEOCENTRISMOGEOCENTRISMOGEOCENTRISMOVALORIZANDO OVALORIZANDO OHUMANISMOHUMANISMOHEDONISMOHEDONISMOINDIVIDUALISMOINDIVIDUALISMONEOPLATONISMONEOPLATONISMOANTROPOCENTRISANTROPOCENTRISMOMOHELIOCENTRISMOHELIOCENTRISMO
  7. 7. VALORESVALORESantropocentrismoantropocentrismo(o homem no centro):(o homem no centro):valorização do homemvalorização do homemcomo ser racional. Paracomo ser racional. Paraos renascentistas oos renascentistas ohomem era visto como ahomem era visto como amais bela e perfeita obramais bela e perfeita obrada natureza. Temda natureza. Temcapacidade criadora ecapacidade criadora epode explicar ospode explicar osfenômenos à sua volta.fenômenos à sua volta.otimismootimismoos renascentistasos renascentistasacreditavam noacreditavam noprogresso e naprogresso e nacapacidade do homem decapacidade do homem deresolver problemas. Porresolver problemas. Poressa razão apreciavam aessa razão apreciavam abeleza do mundo ebeleza do mundo etentavam captá-la emtentavam captá-la emsuas obras de arte.suas obras de arte.
  8. 8. VALORESVALORESracionalismo:racionalismo:tentativa de descobrir pelatentativa de descobrir pelaobservação e pelaobservação e pelaexperiência as leis queexperiência as leis quegovernam o mundo. Agovernam o mundo. Arazão humana é a baserazão humana é a basedo conhecimento. Isto sedo conhecimento. Isto secontrapunha aocontrapunha aoconhecimento baseadoconhecimento baseadona autoridade, nana autoridade, natradição e na inspiraçãotradição e na inspiraçãode origem divina quede origem divina quemarcou a culturamarcou a culturamedieval.medieval.humanismo:humanismo:o humanista era oo humanista era oindivíduo que traduzia eindivíduo que traduzia eestudava os textosestudava os textosantigos, principalmenteantigos, principalmentegregos e romanos. Foigregos e romanos. Foidessa inspiração clássicadessa inspiração clássicaque nasceu a valorizaçãoque nasceu a valorizaçãodo ser humano. Uma dasdo ser humano. Uma dascaracterísticas dessescaracterísticas desseshumanistas era a nãohumanistas era a nãoespecialização. Seusespecialização. Seusconhecimentos eramconhecimentos eramabrangentesabrangentes
  9. 9. VALORESVALOREShedonismo:hedonismo:valorização dosvalorização dosprazeres sensoriais.prazeres sensoriais.Esta visão se opunhaEsta visão se opunhaà idéia medieval deà idéia medieval deassociar o pecadoassociar o pecadoaos bens e prazeresaos bens e prazeresmateriais.materiais.individualismo:individualismo:a afirmação do artistaa afirmação do artistacomo criadorcomo criadorindividual da obra deindividual da obra dearte se deu noarte se deu noRenascimento. ORenascimento. Oartista renascentistaartista renascentistaassinava suas obras,assinava suas obras,tomando­se famoso.tomando­se famoso.
  10. 10. CURIOSIDADECURIOSIDADE GastronomiaGastronomiaServir refeições criativas e bonitas passou a serServir refeições criativas e bonitas passou a seruma obrigação. Foi quando começaram auma obrigação. Foi quando começaram aaparecer livros de culinária. A carne de caça eraaparecer livros de culinária. A carne de caça eracoberta com molhos finos e as sopas, quecoberta com molhos finos e as sopas, quepodiam ser de cebola, de favas, peixe oupodiam ser de cebola, de favas, peixe oumostarda, viraram moda. Em fins do século XVI,mostarda, viraram moda. Em fins do século XVI,cozinheiros e massageiros italianos espalharam-cozinheiros e massageiros italianos espalharam-se pelo mundo, divulgando essa arte.se pelo mundo, divulgando essa arte.
  11. 11. OS MECENASOS MECENAS O grande acúmulo de riquezas obtidas no comércio comO grande acúmulo de riquezas obtidas no comércio como Oriente, formou uma poderosa classe de ricoso Oriente, formou uma poderosa classe de ricosmercadores, banqueiros e poderosos senhores. Essemercadores, banqueiros e poderosos senhores. Essegrupo representava um mercado para as obras de arte,grupo representava um mercado para as obras de arte,estimulando a produção intelectual. Muitos pensadores,estimulando a produção intelectual. Muitos pensadores,pintores, escultores e arquitetos se tomaram protegidospintores, escultores e arquitetos se tomaram protegidosdessa poderosa classe. À essa prática de protegerdessa poderosa classe. À essa prática de protegerartistas e pensadores deu-se o nome deartistas e pensadores deu-se o nome de mecenato.mecenato.Entre os principais mecenas podermos destacar osEntre os principais mecenas podermos destacar ospapas Alexandre II, Júlio II e Leão X. Também ricospapas Alexandre II, Júlio II e Leão X. Também ricosmercadores e políticos foram importantes mecenas,mercadores e políticos foram importantes mecenas,como, por exemplo, a família Médicicomo, por exemplo, a família Médici
  12. 12. RENASCIMENTO NA ITÁLIARENASCIMENTO NA ITÁLIAPERÍODO TRECENTO: SÉC.XIVPERÍODO TRECENTO: SÉC.XIV rompimentorompimentocom o imobilismo e a hierarquia da pinturacom o imobilismo e a hierarquia da pinturamedieval - valorização do individualismo e dosmedieval - valorização do individualismo e dosdetalhes humanosdetalhes humanosPERÍODO QUATROCENTO: SÉC.XVPERÍODO QUATROCENTO: SÉC.XVinspiração greco-romana (paganismo e línguasinspiração greco-romana (paganismo e línguasclássicas), racionalismo, experimentalismo.clássicas), racionalismo, experimentalismo.PERÍODO CINQUECENTO: Séc.XVIPERÍODO CINQUECENTO: Séc.XVImovimento universalmovimento universal europeueuropeu, tendo, no, tendo, noentanto, iniciado sua decadência. Ocorrem asentanto, iniciado sua decadência. Ocorrem asprimeiras manifestaçõesprimeiras manifestações maneiristasmaneiristas
  13. 13. PERÍODO TRECENTOPERÍODO TRECENTO Dante Alighieri ( a Divina Comédia)Dante Alighieri ( a Divina Comédia)escreveu em toscano contrariando a tradicionalescreveu em toscano contrariando a tradicionallíngua latim.língua latim. Francisco Petrarca ( As rimas, Cancioneiro,Francisco Petrarca ( As rimas, Cancioneiro,Odes a Laura) desprezo pela culturaOdes a Laura) desprezo pela culturamedieval,visão antropocêntrica.medieval,visão antropocêntrica. Giovanni Boccaccio(O Decameron)Giovanni Boccaccio(O Decameron)conto sobre o cotidiano, moral corrompida daconto sobre o cotidiano, moral corrompida daigreja.igreja. Giotto( cenas da vida de Cristo e São Francisco)Giotto( cenas da vida de Cristo e São Francisco)representou o modo realista das figurasrepresentou o modo realista das figurassagradas.sagradas.
  14. 14. GIOTTOGIOTTO
  15. 15. PERÍODO QUATROCENTOPERÍODO QUATROCENTO Filippo Brunelleschi( cúpula da catedral deFilippo Brunelleschi( cúpula da catedral deSanta Maria Del Fiore)Santa Maria Del Fiore) Donatello( escultor)Donatello( escultor) Gianozzo Maneti (Da dignidade e excelência doGianozzo Maneti (Da dignidade e excelência dohomem)homem) Maquiavel ( o Príncipe, A Mandrágora)Maquiavel ( o Príncipe, A Mandrágora) Masaccio ( pintura a óleo)Masaccio ( pintura a óleo) Sandro Botticelli( Alegoria da primavera e OSandro Botticelli( Alegoria da primavera e ONascimento de Vênus)Nascimento de Vênus) Leonardo da Vince ( Ultima ceia,Virgem dosLeonardo da Vince ( Ultima ceia,Virgem dosRochedos e Mona lisa)Rochedos e Mona lisa)
  16. 16. NASCIMENTO DA VÊNUSNASCIMENTO DA VÊNUS BotticelliBotticelli - a beleza- a belezaestava associada aoestava associada aoideal cristão.ideal cristão.Por isso, as figurasPor isso, as figurashumanas de seushumanas de seusquadros são belasquadros são belasporque manifestamporque manifestama graça divina, e,a graça divina, e,ao mesmo tempo,ao mesmo tempo,melancólicas porque supõemmelancólicas porque supõemque perderam esse dom de Deus.que perderam esse dom de Deus...
  17. 17. MONALISAMONALISA Leonardo da VinciLeonardo da Vinci ––ele dominou com sabedoriaele dominou com sabedoriaum jogo expressivo de luzum jogo expressivo de luze sombra, gerador de umae sombra, gerador de umaatmosfera que parte daatmosfera que parte darealidade mas estimularealidade mas estimulaa imaginação do observador.a imaginação do observador.Foi possuidor de um espíritoFoi possuidor de um espíritoversátil que o tornou capazversátil que o tornou capazde pesquisar e realizar trabalhosde pesquisar e realizar trabalhosem diversos campos doem diversos campos doconhecimento humano.conhecimento humano.
  18. 18. PERIODO CINQUECENTOPERIODO CINQUECENTOLudovico Ariosto ( Orlando Furioso)Ludovico Ariosto ( Orlando Furioso)Torquato Tasso ( Jerusalém Libertada)Torquato Tasso ( Jerusalém Libertada)Rafael Sanzio ( Escola de Atenas ERafael Sanzio ( Escola de Atenas EMadona Sistina)Madona Sistina)Michelangelo (Capela Sistina, Moisés,Michelangelo (Capela Sistina, Moisés,Davi e Pietá)Davi e Pietá)
  19. 19. PIETÁPIETÁ MichelângeloMichelângelo  -  -entre 1508 e 1512entre 1508 e 1512trabalhou na pinturatrabalhou na pinturado teto da Capela Sistinado teto da Capela Sistinano Vaticano. Para essano Vaticano. Para essacapela, concebeu ecapela, concebeu erealizou grande númerorealizou grande númerode cenas do Antigode cenas do AntigoTestamento. Dentre tantasTestamento. Dentre tantasque expressam aque expressam agenialidade do artista,genialidade do artista,uma particularmenteuma particularmenterepresentativa é a criação do homem. representativa é a criação do homem. 
  20. 20. ESCOLA DE ATENASESCOLA DE ATENAS RafaelRafael - suas obras- suas obrascomunicam ao observadorcomunicam ao observadorum sentimento de ordemum sentimento de ordeme segurança, pois ose segurança, pois oselementos que compõemelementos que compõemseus quadros são dispostosseus quadros são dispostosem espaços amplo, clarosem espaços amplo, clarose de acordo com umae de acordo com umasimetria equilibrada.simetria equilibrada.Foi consideradoFoi consideradogrande pintor de “Madonas”.grande pintor de “Madonas”.
  21. 21. RENASCIMENTO NA EUROPARENASCIMENTO NA EUROPA Países baixos: Erasmo de Rotterdam - Elogio da LoucuraPaíses baixos: Erasmo de Rotterdam - Elogio da LoucuraJan Van Eick – Família ArnolfiniJan Van Eick – Família ArnolfiniFrança : François Rebelais – Gargantua e PantagruelFrança : François Rebelais – Gargantua e PantagruelMichel de Montaigne – EnsaiosMichel de Montaigne – Ensaios Espanha: Miguel de Cervantes – Dom Quixote de La ManchaEspanha: Miguel de Cervantes – Dom Quixote de La ManchaEl Grego – O enterro do Conde de OrgazEl Grego – O enterro do Conde de Orgaz Portugal: Luis de Camões – Os LusíadasPortugal: Luis de Camões – Os LusíadasSá de Miranda - SonetosSá de Miranda - SonetosGil Vicente – A farsa de Inês Pereira, Triologia das Barcas,Gil Vicente – A farsa de Inês Pereira, Triologia das Barcas, Inglaterra: Thomas Morus – UtopiaInglaterra: Thomas Morus – UtopiaWilham Shakespeare – Sonho de Uma NoiteWilham Shakespeare – Sonho de Uma Noitede verão, Romeu e Julieta ,Hamlet, Rei Lear.de verão, Romeu e Julieta ,Hamlet, Rei Lear. Alemanha : Albert Durer – Henrique VIIIAlemanha : Albert Durer – Henrique VIIIHans Holbein- RetratosHans Holbein- Retratos
  22. 22. PAISES BAIXOSPAISES BAIXOS Um dos grandes pintores flamengos foiUm dos grandes pintores flamengos foiBrueghel, que viveu em Antuérpia. Ele pintou,Brueghel, que viveu em Antuérpia. Ele pintou,principalmente, cenas da vida cotidiana,principalmente, cenas da vida cotidiana,retratando o estilo de vida da classe burguesaretratando o estilo de vida da classe burguesaem ascensãoem ascensão (A Dança do Casamento,(A Dança do Casamento, dede1565).1565). Destacaram-se ainda os irmãos pintores HubertDestacaram-se ainda os irmãos pintores Huberte Jan van Eycke Jan van Eyck (A Virgem e o Chanceler Rolin).(A Virgem e o Chanceler Rolin). A crítica à intolerância do pensamento religiosoA crítica à intolerância do pensamento religiosomedieval foi feita por Erasmo de Roterdanmedieval foi feita por Erasmo de Roterdan(1466-1529) com sua obra(1466-1529) com sua obra Elogio da Loucura.Elogio da Loucura.
  23. 23. OBRA FLAMENGAOBRA FLAMENGA
  24. 24. JAN VAN EYCKJAN VAN EYCK
  25. 25. ERASMO DE ROTERDANERASMO DE ROTERDAN
  26. 26. FRANÇAFRANÇA na literatura e filosofia,na literatura e filosofia, RabelaisRabelais (1490-1 553),(1490-1 553),autor deautor de GargantuaGargantua ee PantagruelPantagruel,, obra naobra naqual critica a educação e as táticas militaresqual critica a educação e as táticas militaresmedievais.medievais. MontaigneMontaigne (1533-1592), autor de(1533-1592), autor deestudos filosóficos céticos intituladosestudos filosóficos céticos intitulados Ensaios,Ensaios,nos quais o principal objeto de crítica é o clero.nos quais o principal objeto de crítica é o clero. nas ciências,nas ciências, Ambroise PareAmbroise Pare (1517-1590)(1517-1590)destacou-se com estudos de medicina. Inventoudestacou-se com estudos de medicina. Inventouuma nova técnica para sutura das veias.uma nova técnica para sutura das veias.
  27. 27. ESPANHAESPANHA Nas artes plásticas destacou-seNas artes plásticas destacou-se El GrecoEl Greco(1575-1614), o grande pintor espanhol do(1575-1614), o grande pintor espanhol doRenascimentoRenascimento (O Enterro do Conde de Orgaz(O Enterro do Conde de Orgaz eeA Visão Apocalíptica).A Visão Apocalíptica). Na literatura, a Espanha produziu um dosNa literatura, a Espanha produziu um dosmaiores clássicos da humanidade. Trata-se demaiores clássicos da humanidade. Trata-se deD.D. Quixote de La Mancha,Quixote de La Mancha, dede Miguel deMiguel deCervantesCervantes, obra na qual o personagem, obra na qual o personagemprincipal (D.Quixote) é um cavaleiro românticoprincipal (D.Quixote) é um cavaleiro românticoque imagina estar vivendo em plena Idadeque imagina estar vivendo em plena IdadeMédia. Na ciência, a Espanha contribuiu comMédia. Na ciência, a Espanha contribuiu comMiguel de ServetMiguel de Servet , que se destacou pelo seus, que se destacou pelo seusestudos da circulação do sangue.estudos da circulação do sangue.
  28. 28. ENTERRO DO CONDEENTERRO DO CONDE
  29. 29. EL GRECOEL GRECO
  30. 30. INGLATERRAINGLATERRA NaNa Inglaterra,Inglaterra, um dos principais expoentes doum dos principais expoentes doRenascimento foiRenascimento foi Tomas MorusTomas Morus (1475-1535), autor de(1475-1535), autor deUtopia,Utopia, obra que descreve as condições de vida daobra que descreve as condições de vida dapopulação de uma ilha imaginária, onde não haviapopulação de uma ilha imaginária, onde não haviaclasses sociais, pobreza e propriedade privada.classes sociais, pobreza e propriedade privada. É também inglês o maior dramaturgo de todos osÉ também inglês o maior dramaturgo de todos ostempos,tempos, William SheakspeareWilliam Sheakspeare (1564-1616). Foi sob o(1564-1616). Foi sob oreinado de Isabel 1 que Sheakspeare produziu a maioriareinado de Isabel 1 que Sheakspeare produziu a maioriade suas obras, dentre as quais destacam-sede suas obras, dentre as quais destacam-se Hamlet,Hamlet,Ricardo III, Macbeth, OteloRicardo III, Macbeth, Otelo ee RomeuRomeu ee Julieta.Julieta. Destaca-se ainda no Renascimento inglês, o filósofoDestaca-se ainda no Renascimento inglês, o filósofoFrancis BaconFrancis Bacon (1561-1626), autor de(1561-1626), autor de Novun Organun.Novun Organun.Esse autor pode ser considerado um dos precursores doEsse autor pode ser considerado um dos precursores doIluminismoIluminismo
  31. 31. SHAKESPEARESHAKESPEARE
  32. 32. PORTUGALPORTUGALPortugal,Portugal, o grande representante doo grande representante dorenascimento literário foirenascimento literário foi LuísLuís Vaz deVaz deCamõesCamões (1525-1580), autor de(1525-1580), autor de OsOsLusíadas,Lusíadas, poema épico que narra ospoema épico que narra osgrandes feitos da navegação portuguesa.grandes feitos da navegação portuguesa.O teatro português renascentista foiO teatro português renascentista foiimortalizado porimortalizado por Gil VicenteGil Vicente ,, autor dasautor dasobrasobras Trilogia das BarcasTrilogia das Barcas e ae a Farsa deFarsa deInês Pereira.Inês Pereira.
  33. 33. CAMÕESCAMÕES
  34. 34. ALEMANHAALEMANHANaNa Alemanha, aAlemanha, a pintura renascentistapintura renascentistaconsagrou os nomes deconsagrou os nomes de Hans HolbeinHans Holbein(1497-1553) e(1497-1553) e Albert DurerAlbert Durer
  35. 35. RENASCIMENTO E A MÚSICARENASCIMENTO E A MÚSICAESTILO MUSICAL FOI CRIADO PELOSESTILO MUSICAL FOI CRIADO PELOSFRANCO-FLAMENGOS.FRANCO-FLAMENGOS.JOSQUIM DES PRÉS INTRODUZIU EMJOSQUIM DES PRÉS INTRODUZIU EMSUAS MISSAS ESTRIBILHOSSUAS MISSAS ESTRIBILHOSPOPULARES.POPULARES.POLIFONIA: DISTINÇÃO ENTRE APOLIFONIA: DISTINÇÃO ENTRE AMÚSICA RELIGIOSA E PROFANAMÚSICA RELIGIOSA E PROFANALUTERANOS CRIARAM O CANTOLUTERANOS CRIARAM O CANTOCORAL.CORAL.
  36. 36. FLAUTISTAFLAUTISTA
  37. 37. MOVIMENTO ANTI-MOVIMENTO ANTI-RENASCENTISTARENASCENTISTAOO ManeirismoManeirismo ou Anti-Renascimento foiou Anti-Renascimento foiuma fase datada como a transição douma fase datada como a transição doRenascimento para oRenascimento para o BarrocoBarrocoalém de buscar formas perfeitas, tentaalém de buscar formas perfeitas, tentarepresentar o mundo com estranhasrepresentar o mundo com estranhasformas e contrastes e de maneiraformas e contrastes e de maneirapessimista.pessimista.
  38. 38. RENASCIMENTO CIENTÍFICORENASCIMENTO CIENTÍFICOCAMPO DA ASTRONOMIACAMPO DA ASTRONOMIA NICOLAU COPÉRNICONICOLAU COPÉRNICO(1473 – 1543)(1473 – 1543)REFUTA O GEOCENTRISMOREFUTA O GEOCENTRISMOPITOLOMAICO E FORMULAPITOLOMAICO E FORMULAA TEORIA HELIOCÊNTRICAA TEORIA HELIOCÊNTRICAFOI CONDENADO AFOI CONDENADO AFOGUEIRA PELOFOGUEIRA PELOTRIBUNAL DATRIBUNAL DAINQUISIÇÃO.INQUISIÇÃO.
  39. 39. GALILEU GALILEI(1564 -1642)GALILEU GALILEI(1564 -1642)Deu precisãoDeu precisãoa teoria de copéra teoria de copérNico desafiandoNico desafiandoA igreja.Foi perA igreja.Foi perSeguido sendoSeguido sendoCondenado e obriCondenado e obriGado a renegarGado a renegarSuas descobertasSuas descobertas
  40. 40. GALILEU FOI CONSIDERADO O PAI DAGALILEU FOI CONSIDERADO O PAI DAFÍSICA MODERNA , ESTUDOU A LEI DAFÍSICA MODERNA , ESTUDOU A LEI DAQUEDA DOS CORPOS E DAQUEDA DOS CORPOS E DAGRAVITAÇÃO UNIVERSAL, ESTUDOU AGRAVITAÇÃO UNIVERSAL, ESTUDOU AVIA LÁCTEA, DESCOBRIU OS QUATROVIA LÁCTEA, DESCOBRIU OS QUATROSATÉLITES DE JÚPTER.SATÉLITES DE JÚPTER.GIORDANO BRUNO ( 1548-1600)GIORDANO BRUNO ( 1548-1600)DEFENDIA QUE O UNIVERSO ERADEFENDIA QUE O UNIVERSO ERAINFINITO,E QUE NELE EXISTIAMINFINITO,E QUE NELE EXISTIAMINÚMEROS MUNDOS HABITADOS.INÚMEROS MUNDOS HABITADOS.FOI QUEIMADO EM ROMA COMOFOI QUEIMADO EM ROMA COMOHEREGEHEREGE
  41. 41. CAMPO DA FÍSICACAMPO DA FÍSICAJohan Kepler : (1546 – 1630)Johan Kepler : (1546 – 1630)apontou o movimento Elíptico dos astros,apontou o movimento Elíptico dos astros,que deu encaminhamento para a lei daque deu encaminhamento para a lei dagravitação de Isaac Newton( 1642-1727)gravitação de Isaac Newton( 1642-1727)• Leonardo da Vince: (1452-1519)Leonardo da Vince: (1452-1519)aprofundou o estudo da hidráulica eaprofundou o estudo da hidráulica emecânica, gravitação universal,mecânica, gravitação universal,navegação submarina, vôo de objetosnavegação submarina, vôo de objetosmais pesados que o ar.mais pesados que o ar.
  42. 42. CAMPO DA MEDICINACAMPO DA MEDICINA MIGUEL DE SERVET(1511-1553) E WilliamMIGUEL DE SERVET(1511-1553) E WilliamHARVEY (1578 – 1657) DESCOBRIRAM OHARVEY (1578 – 1657) DESCOBRIRAM OMECANISMO DA CIRCULAÇÃO SANGUINEA –MECANISMO DA CIRCULAÇÃO SANGUINEA –A CIRCULAÇÃO PULMONAR PELASA CIRCULAÇÃO PULMONAR PELASARTÉRIAS E O RETORNO DO SANGUE AOARTÉRIAS E O RETORNO DO SANGUE AOCORAÇÃO.CORAÇÃO. AMBROISE PARÉ (1509-1590) defendeu aAMBROISE PARÉ (1509-1590) defendeu aligação das artérias para deter hemorragiasligação das artérias para deter hemorragias ANDRÉ VESÁLIO(1514-1564) PAI DAANDRÉ VESÁLIO(1514-1564) PAI DAMODERNA ANATOMIA PUBLICANDO UMMODERNA ANATOMIA PUBLICANDO UMLIVRO(Sobre a estrutura do corpo humano)LIVRO(Sobre a estrutura do corpo humano)

×