13° feudalismo

1.429 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.429
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
51
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

13° feudalismo

  1. 1. IDADE MÉDIAIDADE MÉDIA
  2. 2. Lenda da Papisa JoanaLenda da Papisa Joana A lenda teve origem no final doA lenda teve origem no final do século IXséculo IX, se, sefez passar por homem para escapar à proibiçãofez passar por homem para escapar à proibiçãode estudar imposta às mulheres. Extremamentede estudar imposta às mulheres. Extremamenteculta, possuía formação emculta, possuía formação em filosofiafilosofia ee teologiateologia. Ao chegar a Roma, apresentou-se como. Ao chegar a Roma, apresentou-se comomonge e surpreendeu os doutores da Igrejamonge e surpreendeu os doutores da Igrejacom sua sabedoria. Teria chegado ao papadocom sua sabedoria. Teria chegado ao papadoapós a morte doapós a morte do Papa Leão IVPapa Leão IV, com o nome de, com o nome deJoão VII. A mesma lenda conta que Joana seJoão VII. A mesma lenda conta que Joana setornou amante de um oficial datornou amante de um oficial da Guarda SuíçaGuarda Suíça eeficou grávida.ficou grávida.
  3. 3. FEUDALISMOFEUDALISMO
  4. 4. ELEMENTOSELEMENTOS ROMANOSROMANOS As bases romanas doAs bases romanas dofeudalismo europeu: asfeudalismo europeu: asvilas romanas, ovilas romanas, ocolonato e ocolonato e oCristianismoCristianismo GERMÂNICOSGERMÂNICOS - Economia Natural- Economia Natural Instabilidade socialInstabilidade social Inexistência de Estado,Inexistência de Estado, Comitatus.Comitatus.
  5. 5. RELACÕES DE SUSERANIA ERELACÕES DE SUSERANIA EVASSALAGEMVASSALAGEM As relações entre o suserano e o vassalo,As relações entre o suserano e o vassalo,baseadas na honra, lealdade e liberdadebaseadas na honra, lealdade e liberdadetiveram suas origens notiveram suas origens no comitatuscomitatus germânico.germânico.OO comitatuscomitatus era um grupo formado pelosera um grupo formado pelosguerreiros e seu chefe. Possuía obrigaçõesguerreiros e seu chefe. Possuía obrigaçõesmútuas de serviço e lealdade. Os guerreirosmútuas de serviço e lealdade. Os guerreirosjuravam defender seu chefe e este sejuravam defender seu chefe e este secomprometia a equipá-los com cavalos ecomprometia a equipá-los com cavalos earmasarmas
  6. 6. DIREITODIREITOCONSUETUDINÁRIOCONSUETUDINÁRIO Também o direito no feudalismo teveTambém o direito no feudalismo teveinfluência germânica. Baseava-se nosinfluência germânica. Baseava-se noscostumes e não na lei escrita. Era consideradocostumes e não na lei escrita. Era consideradouma propriedade do indivíduo, inerente a eleuma propriedade do indivíduo, inerente a eleem qualquer local que estivesse. Tal forma doem qualquer local que estivesse. Tal forma doDireito, considerado produto dos costumes eDireito, considerado produto dos costumes enão da autoridade, é conhecido por direitonão da autoridade, é conhecido por direitoconsuetudinário.consuetudinário.
  7. 7. CAVALARIA SEC.XICAVALARIA SEC.XI IDEAIS DE HONRA EIDEAIS DE HONRA EHEROISMOHEROISMO EXPEDIÇÕES DEEXPEDIÇÕES DEGUERRA, TORNEIOSGUERRA, TORNEIOSE GUARDA DOE GUARDA DOSENHORSENHOR DIREITO DEDIREITO DEADQUIRIR UMADQUIRIR UMTITULO DETITULO DENOBREZANOBREZA
  8. 8. LAÇOS FEUDAISLAÇOS FEUDAIS Os laços de suserania e vassalagemOs laços de suserania e vassalagemvinculavam toda a nobreza feudal. Porvinculavam toda a nobreza feudal. Porexemplo, um barão doava um feudo a umexemplo, um barão doava um feudo a ummarquês. Este, ao receber o feudo, prestava-marquês. Este, ao receber o feudo, prestava-lhe homenagem. O barão tornava-se suseranolhe homenagem. O barão tornava-se suseranodo marquês e este, vassalo do barão. O barão,do marquês e este, vassalo do barão. O barão,entretanto, havia recebido feudos de um conde,entretanto, havia recebido feudos de um conde,prestando-lhe o juramento de vassalagem.prestando-lhe o juramento de vassalagem.Assim, o barão suserano do marquês, era, oAssim, o barão suserano do marquês, era, omesmo tempo, vassalo do conde.mesmo tempo, vassalo do conde.
  9. 9. CERIMÔNIACERIMÔNIA
  10. 10. SOCIEDADE FEUDALSOCIEDADE FEUDAL Sociedade estamental.Sociedade estamental. Divisão social: senhores feudais (nobreza eDivisão social: senhores feudais (nobreza eclero) eclero) e dependentes (servos e vilões)dependentes (servos e vilões) A sociedade feudal era estamental, isto é, nãoA sociedade feudal era estamental, isto é, nãohavia mobilidade social.havia mobilidade social.
  11. 11. FEUDOFEUDO Feudo: unidade de produção do feudalismo.Feudo: unidade de produção do feudalismo.O manso servil e o manso senhorialO manso servil e o manso senhorial Cada um dos feudos era composto por umCada um dos feudos era composto por umcastelo onde moravam o senhor feudal, suacastelo onde moravam o senhor feudal, suafamília e empregados; a vila ou aldeia, ondefamília e empregados; a vila ou aldeia, ondemoravam os servos; a igreja; uma casamoravam os servos; a igreja; uma casaparoquial; celeiros; fornos; açudes; pastagensparoquial; celeiros; fornos; açudes; pastagenscomuns e mercado, onde nos fins de semanacomuns e mercado, onde nos fins de semanatrocavam o que era produzido.trocavam o que era produzido.
  12. 12. Regime de PropriedadeRegime de Propriedade* Posse coletiva* Posse coletiva * Reserva senhorial* Reserva senhorial * Manso servil* Manso servilRegime de trabalhoRegime de trabalho CorvéiaCorvéia CapitaçãoCapitação Foro(censo)Foro(censo) TalhaTalha Banalidades,Banalidades, Mão-mortaMão-morta Hospitalidade,Hospitalidade,Tostão de PedroTostão de Pedro formicagem,formicagem, Taxa de justiçaTaxa de justiça
  13. 13. IDEOLOGIA FEUDALIDEOLOGIA FEUDALteocêntrica: divulgada pela Igreja.teocêntrica: divulgada pela Igreja.Nas artes, letras e ciência, apenas temasNas artes, letras e ciência, apenas temasreligiososreligiosos A moral religiosa condenava o comércio, oA moral religiosa condenava o comércio, olucro e a usura (empréstimo com cobrança delucro e a usura (empréstimo com cobrança dejuros). As artes, as letras, as ciências e ajuros). As artes, as letras, as ciências e afilosofia eram determinadas pela visãofilosofia eram determinadas pela visãoreligiosa divulgada pela Igreja.religiosa divulgada pela Igreja.
  14. 14.  Nas artes, predominavam temas de inspiraçãoNas artes, predominavam temas de inspiraçãoreligiosa.religiosa. Nas letras, os sábios e eruditos só escreviam eNas letras, os sábios e eruditos só escreviam efalavam no idioma oficial da Igreja, o latim.falavam no idioma oficial da Igreja, o latim. A ciência reproduzia em suas explicaçõesA ciência reproduzia em suas explicaçõessobre a natureza interpretações feitas sobre ossobre a natureza interpretações feitas sobre osescritos bíblicos.escritos bíblicos. Na filosofia, a últimas palavra cabia aosNa filosofia, a últimas palavra cabia aosdoutores da Igreja.doutores da Igreja.
  15. 15. IGREJA MEDIEVALIGREJA MEDIEVAL Os sacerdotes da Igreja dividiam-se em duasOs sacerdotes da Igreja dividiam-se em duasgrandes categorias:grandes categorias: clero secular (aqueles que viviam no mundoclero secular (aqueles que viviam no mundofora dos mosteiros), hierarquizado em padres,fora dos mosteiros), hierarquizado em padres,bispos, arcebispos etc.,bispos, arcebispos etc., clero regular (aqueles que viviam nosclero regular (aqueles que viviam nosmosteiros), que obedecia às regras de suamosteiros), que obedecia às regras de suaordem religiosa: veneditinos, franciscanos,ordem religiosa: veneditinos, franciscanos,dominicanos, carmelitas e agostinianos.dominicanos, carmelitas e agostinianos.
  16. 16. O Poder Temporal da IgrejaO Poder Temporal da Igreja Além da autoridade religiosa, o papa contavaAlém da autoridade religiosa, o papa contavatambém com o poder temporal da Igreja, istoé,também com o poder temporal da Igreja, istoé,o poder advindo da riqueza que acumularao poder advindo da riqueza que acumularacom as grandes doações de terras feitas peloscom as grandes doações de terras feitas pelosfiéis em troca da possível recompensa do céufiéis em troca da possível recompensa do céu O poder temporal da Igreja levou o papa aO poder temporal da Igreja levou o papa aenvolver-se em diversos conflitos políticosenvolver-se em diversos conflitos políticoscom monarquias medievais.com monarquias medievais.
  17. 17. A Questão das Investiduras e oA Questão das Investiduras e oMovimento ReformistaMovimento Reformista A Questão das Investiduras refere-se aoA Questão das Investiduras refere-se aoproblema de a quem caberia o direito deproblema de a quem caberia o direito denomear sacerdotes para os cargos eclesiásticos,nomear sacerdotes para os cargos eclesiásticos,ao papa ou ao imperador.ao papa ou ao imperador. As raízes desse conflito remontam a meadosAs raízes desse conflito remontam a meadosdo século X, quando o imperador Oto I, dodo século X, quando o imperador Oto I, doSacro Império Romano Germânico, iniciou umSacro Império Romano Germânico, iniciou umprocesso de intervenção política nos assuntosprocesso de intervenção política nos assuntosda Igreja a fim de fortalecer seus poderes.da Igreja a fim de fortalecer seus poderes.
  18. 18.  Durante esse período, a Igreja foi contaminadaDurante esse período, a Igreja foi contaminadapor um clima crescente de corrupção,por um clima crescente de corrupção,afastando-se de sua missão religiosa e, comafastando-se de sua missão religiosa e, comisso, perdendo sua autoridade espiritual. Asisso, perdendo sua autoridade espiritual. Asinvestiduras (nomeações) feitas peloinvestiduras (nomeações) feitas peloimperador só visavam os interesses locais. Osimperador só visavam os interesses locais. Osbispos e os padres nomeados colocavam obispos e os padres nomeados colocavam ocompromisso assumindo com o soberanocompromisso assumindo com o soberanoacima da fidelidade ao papa.acima da fidelidade ao papa.
  19. 19. MOVIMENTO REFORMISTAMOVIMENTO REFORMISTA No século XI surgiu um movimentoNo século XI surgiu um movimentoreformista, visando recuperar a autoridadereformista, visando recuperar a autoridademoral da Igreja, liderado pela Ordem Religiosamoral da Igreja, liderado pela Ordem Religiosade Cluny. Os ideais dos monges de Clunyde Cluny. Os ideais dos monges de Clunyforam ganhando força dentro da Igreja,foram ganhando força dentro da Igreja,culminando com a eleição, em 1073, do papaculminando com a eleição, em 1073, do papaGregório VII, antigo monge daquela ordemGregório VII, antigo monge daquela ordemreformistareformista
  20. 20.  Eleito papa, Gregório VII tomou uma série deEleito papa, Gregório VII tomou uma série demedidas que julgou necessárias para recuperarmedidas que julgou necessárias para recuperara moral da Igreja. Instituiu o celibato dosa moral da Igreja. Instituiu o celibato dossacerdotes (proibição de casamento), em 1074,sacerdotes (proibição de casamento), em 1074,e proibiu que o imperador investissee proibiu que o imperador investissesacerdotes em cargos eclesiásticos, em 1075.sacerdotes em cargos eclesiásticos, em 1075.Henrique IV, imperador do Sacro Império,Henrique IV, imperador do Sacro Império,reagiu furiosamente à atitude do papa ereagiu furiosamente à atitude do papa econsiderou-o deposto. Gregório VII, emconsiderou-o deposto. Gregório VII, emresposta, excomungou Henrique IV.resposta, excomungou Henrique IV.Desenvolveu-se, então, um conflito abertoDesenvolveu-se, então, um conflito abertoentre o poder temporal do imperador e o poderentre o poder temporal do imperador e o poderespiritual do papa.espiritual do papa.
  21. 21. CONCORDATA DE WORMSCONCORDATA DE WORMS Esse conflito foi resolvido somente em 1122,Esse conflito foi resolvido somente em 1122,pela Concordata de Worms, assinada pelo papapela Concordata de Worms, assinada pelo papaCalixto III e pelo imperador Henrique V.Calixto III e pelo imperador Henrique V.Adotou-se uma solução de meio termo: caberiaAdotou-se uma solução de meio termo: caberiaao papa a investidura espiritual dos bisposao papa a investidura espiritual dos bispos(representada pelo báculo), isto é, antes de(representada pelo báculo), isto é, antes deassumir a posse da terra de um bispado, oassumir a posse da terra de um bispado, obispo deveria jurar fidelidade ao impérador.bispo deveria jurar fidelidade ao impérador.
  22. 22. PRINCIPAISPRINCIPAIS HERESIASHERESIAS Cátaros(pobreza absoluta)Cátaros(pobreza absoluta) Pedro valdo(valdenses) pregava a pobreza,Pedro valdo(valdenses) pregava a pobreza,rejeitavam a autoridade eclesiástica, veneraçãorejeitavam a autoridade eclesiástica, veneraçãodos santos, foram excomungados.dos santos, foram excomungados. Albigenses pregavam a existência de doisAlbigenses pregavam a existência de doisdeuses, do bem e do mal, pregava uma moraldeuses, do bem e do mal, pregava uma moralque proibia o casamento e procriação.que proibia o casamento e procriação.
  23. 23. Tribunais da InquisiçãoTribunais da Inquisição Havia uma série de doutrinas, crenças eHavia uma série de doutrinas, crenças esupertições, denominadas heresias, que sesupertições, denominadas heresias, que sechocavam com os dogmas da Igreja.chocavam com os dogmas da Igreja.Para combater essas heresias, o papa GregórioPara combater essas heresias, o papa GregórioIX criou, em 1231, os tribunais da Inquisição,IX criou, em 1231, os tribunais da Inquisição,cuja missão era descobrir e julgar os heréticos.cuja missão era descobrir e julgar os heréticos.
  24. 24. CRUZADASCRUZADAS Em 1095, o papa Urbano IIEm 1095, o papa Urbano IIconvocou expedições com oconvocou expedições com ointuito de retomar a Terraintuito de retomar a TerraSagrada. Os cruzados (comoSagrada. Os cruzados (comoficaram conhecidos osficaram conhecidos osexpedidores) receberam esseexpedidores) receberam essenome por carregarem umanome por carregarem umagrande cruz, principalgrande cruz, principalsímbolo do cristianismo,símbolo do cristianismo,estampada nas vestimentas.estampada nas vestimentas.Em troca da participação,Em troca da participação,ganhariam o perdão de seusganhariam o perdão de seuspecados.pecados.
  25. 25.  A Igreja não era a única interessada no êxitoA Igreja não era a única interessada no êxitodessas expedições: a nobreza feudal tinhadessas expedições: a nobreza feudal tinhainteresse na conquista de novas terras; cidadesinteresse na conquista de novas terras; cidadesmercantilistas como Veneza e Gênovamercantilistas como Veneza e Gênovadeslumbravam com a possibilidade de ampliardeslumbravam com a possibilidade de ampliarseus negócios até o Oriente e todos estavamseus negócios até o Oriente e todos estavaminteressados nas especiarias orientaisinteressados nas especiarias orientais A primeira (1096 – 1099) não tinhaA primeira (1096 – 1099) não tinhaparticipação de nenhum rei. Formada porparticipação de nenhum rei. Formada porcavaleiros da nobreza, em julho de 1099,cavaleiros da nobreza, em julho de 1099,tomaram Jerusalém.tomaram Jerusalém.
  26. 26. A segunda (1147 – 1149) fracassou em razão dasA segunda (1147 – 1149) fracassou em razão dasdiscordâncias entre seus líderes Luís VII, dadiscordâncias entre seus líderes Luís VII, daFrança, e Conrado III, do Sacro Império. EmFrança, e Conrado III, do Sacro Império. Em1189, Jerusalém foi retomada pelo sultão1189, Jerusalém foi retomada pelo sultãomuçulmano Saladino.muçulmano Saladino. A terceira cruzada (1189 – 1192), conhecidaA terceira cruzada (1189 – 1192), conhecidacomo ‘”Cruzada dos Reis”, contou com acomo ‘”Cruzada dos Reis”, contou com aparticipação do rei inglês Ricardo Coração departicipação do rei inglês Ricardo Coração deLeão, do rei francês Filipe Augusto e do reiLeão, do rei francês Filipe Augusto e do reiFrederico Barbarruiva, do Sacro Império.Frederico Barbarruiva, do Sacro Império.Nessa cruzada foi firmado um acordo de pazNessa cruzada foi firmado um acordo de pazentre Ricardo e Saladino, autorizando osentre Ricardo e Saladino, autorizando oscristãos a fazerem peregrinações a Jerusalémcristãos a fazerem peregrinações a Jerusalém
  27. 27.  A quarta cruzada (1202 – 1204) foi financiadaA quarta cruzada (1202 – 1204) foi financiadapelos venezianos, interessados nas relaçõespelos venezianos, interessados nas relaçõescomerciais.comerciais. A quinta (1217 – 1221), liderada por João deA quinta (1217 – 1221), liderada por João deBrienne, fracassou ao ficar isolada pelasBrienne, fracassou ao ficar isolada pelasenchentes do Rio Nilo, no Egito.enchentes do Rio Nilo, no Egito. A sexta (1228 – 1229) ficou marcada por terA sexta (1228 – 1229) ficou marcada por terretomado Jerusalém, Belém e Nazaré, cidadesretomado Jerusalém, Belém e Nazaré, cidadesinvadidas pelos turcos.invadidas pelos turcos.
  28. 28.  A sétima (1248 – 1250) foi comandada pelo reiA sétima (1248 – 1250) foi comandada pelo reifrancês Luís IX e pretendia, novamente, tomarfrancês Luís IX e pretendia, novamente, tomarJerusalém, mais uma vez retomada pelosJerusalém, mais uma vez retomada pelosturcos.turcos. A oitava (1270) e última cruzada foi umA oitava (1270) e última cruzada foi umfracasso total. Os cristãos não criaram raízesfracasso total. Os cristãos não criaram raízesentre a população local e sucumbiram.entre a população local e sucumbiram.
  29. 29. CONSEQUÊNCIASCONSEQUÊNCIAS As Cruzadas não conseguiram seus principaisAs Cruzadas não conseguiram seus principaisobjetivos, mas tiveram outras consequênciasobjetivos, mas tiveram outras consequênciascomo o enfraquecimento da aristocracia feudal,como o enfraquecimento da aristocracia feudal,o fortalecimento do poder real, a expansão doo fortalecimento do poder real, a expansão domercado e o enriquecimento do Oriente.mercado e o enriquecimento do Oriente. A arte bizantina inspirou a arte européia.A arte bizantina inspirou a arte européia. Expansão das relações comerciais( letras deExpansão das relações comerciais( letras decambio, ordem de pagamento e contabilidade)cambio, ordem de pagamento e contabilidade) Volta a circulação de moedasVolta a circulação de moedas Feiras( champanhe, flandres, toscana)Feiras( champanhe, flandres, toscana) Surgiram organizações como ( Médices)Surgiram organizações como ( Médices)
  30. 30. BAIXA IDADE MÉDIABAIXA IDADE MÉDIA A Baixa Idade Média é o período da históriaA Baixa Idade Média é o período da históriaMedieval que vai do século XIII ao XV.Medieval que vai do século XIII ao XV. O século XIII representou uma época deO século XIII representou uma época deavanços tecnológicos na área agrícola. Oavanços tecnológicos na área agrícola. Odesenvolvimento do arado de ferro com rodas,desenvolvimento do arado de ferro com rodas,do moinho hidráulico e a utilização dado moinho hidráulico e a utilização daatrelagem dos animais (bois e cavalos) peloatrelagem dos animais (bois e cavalos) pelopeito representaram uma evolução agrícolapeito representaram uma evolução agrícolaimportante, trazendo um aumento significativoimportante, trazendo um aumento significativona produção dos gêneros agrícolas.na produção dos gêneros agrícolas.
  31. 31. CRESCIMENTOCRESCIMENTODEMOGRÁFICODEMOGRÁFICO O século XIII foi marcado também pelaO século XIII foi marcado também peladiminuição nas guerras. Vivenciou-se nestediminuição nas guerras. Vivenciou-se nesteperíodo uma situação de maior tranqüilidadeperíodo uma situação de maior tranqüilidadeem função do fim das cruzadas. Este clima deem função do fim das cruzadas. Este clima depaz em conjunto com o aumento na produçãopaz em conjunto com o aumento na produçãode alimentos significou um aumentode alimentos significou um aumentopopulacional no continente europeu. Estepopulacional no continente europeu. Estecrescimento demográfico foi interrompido emcrescimento demográfico foi interrompido emmeados do século XIV com a peste bubônica,meados do século XIV com a peste bubônica,que matou cerca de um terço da populaçãoque matou cerca de um terço da população
  32. 32. Renascimento Comercial eRenascimento Comercial eUrbanoUrbano Quando retornavam dasQuando retornavam das cruzadascruzadas, muito, muitocavaleiroscavaleiros saqueavam cidades no oriente. Osaqueavam cidades no oriente. Omaterial proveniente destes saques (jóias,material proveniente destes saques (jóias,tecidos, temperos, etc) eram comercializadostecidos, temperos, etc) eram comercializadosno caminho. Foi neste contexto que surgiramno caminho. Foi neste contexto que surgiramas rotas comerciais e as feiras medievais. Aas rotas comerciais e as feiras medievais. Asaída dos muçulmanos do mar Mediterrâneosaída dos muçulmanos do mar Mediterrâneotambém favoreceu o renascimento comercial.também favoreceu o renascimento comercial.Foi neste contexto que começou a surgir umaFoi neste contexto que começou a surgir umanova camada social: a burguesianova camada social: a burguesia
  33. 33. RENASCIMENTO URBANORENASCIMENTO URBANO Esta nova camada social necessitava deEsta nova camada social necessitava desegurança e buscou construir habitaçõessegurança e buscou construir habitaçõesprotegidas por muros. Surgia assim os burgosprotegidas por muros. Surgia assim os burgosque, com o passar do tempo, deram origem aque, com o passar do tempo, deram origem avárias cidades (várias cidades (renascimento urbanorenascimento urbano).).As cidades passaram a significar maioresAs cidades passaram a significar maioresoportunidades de trabalho. Muitos habitantesoportunidades de trabalho. Muitos habitantesda zona rural passaram a deixar o campo parada zona rural passaram a deixar o campo parabuscar melhores condições de vida nas cidadesbuscar melhores condições de vida nas cidades
  34. 34.  Com o aquecimento do comércio surgiram tambémCom o aquecimento do comércio surgiram tambémnovas atividades como, por exemplo, os cambistasnovas atividades como, por exemplo, os cambistas(trocavam moedas) e os banqueiros (guardavam(trocavam moedas) e os banqueiros (guardavamdinheiro, faziam empréstimos, etc).dinheiro, faziam empréstimos, etc). Estes novos componentes sociais (burgueses,Estes novos componentes sociais (burgueses,cambistas, banqueiros, etc) passaram a começar a secambistas, banqueiros, etc) passaram a começar a sepreocupar com a aquisição de conhecimentos. Estepreocupar com a aquisição de conhecimentos. Estefato fez surgir, nos séculos XII e XIII, váriasfato fez surgir, nos séculos XII e XIII, váriasuniversidades na Europa. Estas instituições de ensinouniversidades na Europa. Estas instituições de ensinodedicavam-se ao aos conhecimentos matemáticos,dedicavam-se ao aos conhecimentos matemáticos,teológicos, medicinais e jurídicos.teológicos, medicinais e jurídicos.
  35. 35. As Rotas Comerciais e a FeirasAs Rotas Comerciais e a Feiras A expansão comercial, aA expansão comercial, apartir da reabertura do Marpartir da reabertura do MarMediterrâneo, beneficiouMediterrâneo, beneficiouprincipalmente as cidadesprincipalmente as cidadesitalianas de Gênova eitalianas de Gênova eVeneza. Os comerciantesVeneza. Os comerciantesdessas cidades passaram adessas cidades passaram amonopolizar o comércio demonopolizar o comércio deespeciarias, comprando-asespeciarias, comprando-asem portos orientais deem portos orientais deConstantinopla, AlexandriaConstantinopla, Alexandriae Trípoli, para, através doe Trípoli, para, através doMediterrâneo, revendê-lasMediterrâneo, revendê-lasno mercado europeu.no mercado europeu. Mar do Norte e ao MarMar do Norte e ao MarBáltico, também seBáltico, também seformaram regiões deformaram regiões deintenso comércio,intenso comércio,servidas em parte delasservidas em parte delascidades italianas, que ascidades italianas, que asatingiam tanto pro maratingiam tanto pro marcomo por terra. Era acomo por terra. Era aregião de Flandres,região de Flandres,produtora de tecidos,produtora de tecidos,onde se destacava aonde se destacava acidade de Brugescidade de Bruges
  36. 36. ORGANIZAÇÃO DAS OFICINASORGANIZAÇÃO DAS OFICINAS Com o rápido crescimento do comércio e do artesanato nosCom o rápido crescimento do comércio e do artesanato nosburgos, a concorrência entre mercadores e artesãos aumentouburgos, a concorrência entre mercadores e artesãos aumentoubastante. Para regulamentar e proteger as diversas atividades,bastante. Para regulamentar e proteger as diversas atividades,surgiram as corporações de ofício determinavam também assurgiram as corporações de ofício determinavam também asrelações de trabalho. Em cada ofícina havia apenas trêsrelações de trabalho. Em cada ofícina havia apenas trêscategorias de artesãos. Mestres, que comandavam a produção,categorias de artesãos. Mestres, que comandavam a produção,sendo donos de oficina, dos instrumentos de trabalho e dasendo donos de oficina, dos instrumentos de trabalho e damatéria-prima;matéria-prima;Oficiais ou companheiros, que eram trabalhadoresOficiais ou companheiros, que eram trabalhadoresespecializados a serviço dos mestres, recebendo em troca umespecializados a serviço dos mestres, recebendo em troca umsalário. Tornavam-se mestres após realizar uma obra quesalário. Tornavam-se mestres após realizar uma obra queprovasse sua capacidade e habilidade no ofício; Aprendizes,provasse sua capacidade e habilidade no ofício; Aprendizes,jovens que aprendiam o ofício trabalhando, durante anos, ejovens que aprendiam o ofício trabalhando, durante anos, erecebendo do mestre apenas casa e comida até poderem tornar-recebendo do mestre apenas casa e comida até poderem tornar-se companheiros.se companheiros.
  37. 37. ORGANIZAÇÃO DO COMERCIOORGANIZAÇÃO DO COMERCIO Os comerciantes também procuravam organizar-se emOs comerciantes também procuravam organizar-se emcorporações para manter o mercado comerciantes decorporações para manter o mercado comerciantes dediferentes cidades se associavam, formando uma liga.diferentes cidades se associavam, formando uma liga.A mais famosa foi a Liga Hanseática, que reunia 80A mais famosa foi a Liga Hanseática, que reunia 80cidades alemãs e que controlava comercialmente ocidades alemãs e que controlava comercialmente onorte da Europa. Alguns senhores passam a permitirnorte da Europa. Alguns senhores passam a permitirque os servos vendam seus produtos nas feiras e nasque os servos vendam seus produtos nas feiras e nascidades, desde que lhes paguem uma quantia emcidades, desde que lhes paguem uma quantia emdinheiro. Outros ainda começaram a se utilizar dedinheiro. Outros ainda começaram a se utilizar delavradores assalariados, pagos por jornada, chamamoslavradores assalariados, pagos por jornada, chamamosjornaleiros.jornaleiros.
  38. 38. CARTA DE FRANQUIACARTA DE FRANQUIA Alguns dos mais importantes comerciantes e mestres-Alguns dos mais importantes comerciantes e mestres-artesãos passaram a organizar-se num conselho,artesãos passaram a organizar-se num conselho,conhecido como comuna. Eram eles queconhecido como comuna. Eram eles queadministravam as cidades, cobrando taxas e impostosadministravam as cidades, cobrando taxas e impostosde seus moradores. Foram essas comunas burguesasde seus moradores. Foram essas comunas burguesasque, a partir do século XII, passaram a organizar aque, a partir do século XII, passaram a organizar aluta pela autonomia das cidades. Ela foi sendoluta pela autonomia das cidades. Ela foi sendoconquistada aos poucos, ou de forma violenta,conquistada aos poucos, ou de forma violenta,quando se armava e derrotava o senhor feudal daquando se armava e derrotava o senhor feudal daregião, ou de forma pacifica, ao comprar aregião, ou de forma pacifica, ao comprar aindependência da cidade, recebendo a carta deindependência da cidade, recebendo a carta defranquia do senhor feudalfranquia do senhor feudal
  39. 39. A CRISE DO SÉCULO XIVA CRISE DO SÉCULO XIV O final da Idade Média é marcado por umaO final da Idade Média é marcado por umaséria crise social, econômica e política - aséria crise social, econômica e política - adenominada tríada: a Guerra dos Cem Anos, adenominada tríada: a Guerra dos Cem Anos, aPeste Negra e a fome, responsáveis pelasPeste Negra e a fome, responsáveis pelasrevoltas camponesas.revoltas camponesas. as terras de boa qualidade ficam cada vez maisas terras de boa qualidade ficam cada vez maisraras, acarretando uma diminuição nararas, acarretando uma diminuição naprodutividade. Soma-se a isto, uma série deprodutividade. Soma-se a isto, uma série detransformações climáticas na Europa,transformações climáticas na Europa,responsáveis pela perda de colheitas e gerandoresponsáveis pela perda de colheitas e gerandouma escassez de alimentos e períodos de fomeuma escassez de alimentos e períodos de fome
  40. 40. GUERRAGUERRA DOS CEMDOS CEMANOS(1337 -1453)ANOS(1337 -1453) MONARQUIAS ENVOLVIDAS:MONARQUIAS ENVOLVIDAS:FRANÇA( Felipe de Valois)X INGLATERRA(Eduardo III)FRANÇA( Felipe de Valois)X INGLATERRA(Eduardo III)CAUSAS:POLÍTICA(Disputa pelo trono) – lei SálicaCAUSAS:POLÍTICA(Disputa pelo trono) – lei SálicaECONOMICA( controle da região de Flandres)ECONOMICA( controle da região de Flandres)1º FASE: vitórias inglesa causou várias revoltas camponesas)1º FASE: vitórias inglesa causou várias revoltas camponesas)2º FASE: 1360, França conseguiu varias vitórias( tratado de2º FASE: 1360, França conseguiu varias vitórias( tratado deTroys)inglaterra direito de sucessão de trono(1415).Troys)inglaterra direito de sucessão de trono(1415).3ª FASE: 1428, Joana D”arc, lidera os franceses garantindo a3ª FASE: 1428, Joana D”arc, lidera os franceses garantindo avitóriavitória
  41. 41. CONSEQUÊNCIAS DACONSEQUÊNCIAS DAGUERRA DOS CEM ANOSGUERRA DOS CEM ANOS NOBREZAARRUINADANOBREZAARRUINADA FORTALECIMENTO DO PODER REAL NAFORTALECIMENTO DO PODER REAL NAFRANÇA E NA INGLATERRAFRANÇA E NA INGLATERRA FORMAÇÃO DE EXÉRCITOS NACIONAISFORMAÇÃO DE EXÉRCITOS NACIONAIS PESTE NEGRAPESTE NEGRA FOMEFOME REVOLTA CAMPONESASREVOLTA CAMPONESAS
  42. 42.  PESTE NEGRAPESTE NEGRA Enfraquecida pela fome, a população européia ficaEnfraquecida pela fome, a população européia ficavulnerável às epidemias, como no caso da Pestevulnerável às epidemias, como no caso da PesteNegra, trazida do Oriente. Calcula-se que um terço daNegra, trazida do Oriente. Calcula-se que um terço dapopulação européia desapareceu.população européia desapareceu.A Peste Negra foi uma pandemia que atingiu aA Peste Negra foi uma pandemia que atingiu aEuropa, a China, o Oriente Médio e outras regiões doEuropa, a China, o Oriente Médio e outras regiões doMundo durante o século XIV (1347-1350), matandoMundo durante o século XIV (1347-1350), matandoum terço da população da Europa e proporçõesum terço da população da Europa e proporçõesprovavelmente semelhantes nas outras regiões. Osprovavelmente semelhantes nas outras regiões. Oscidadãos acusados de terem a doença eram obrigadoscidadãos acusados de terem a doença eram obrigadosa sair das cidades por 40 dias para provar que nãoa sair das cidades por 40 dias para provar que nãoestavam doentesestavam doentes..
  43. 43. Revoltas CamponesasRevoltas Camponesas Houve uma revolta que ocorreu entre 28 de Maio e 24Houve uma revolta que ocorreu entre 28 de Maio e 24de Junho, na França, enquanto acontecia a guerra dosde Junho, na França, enquanto acontecia a guerra doscem anos, o nome dessa revolta é A Jacquerie, ocem anos, o nome dessa revolta é A Jacquerie, omotivo dessa revolta foi pelo fato de depois de amotivo dessa revolta foi pelo fato de depois de aPeste Negra ter acontecido, (com as pessoas menosPeste Negra ter acontecido, (com as pessoas menosfavorecidas), Depois ocorreram outras revoltas depoisfavorecidas), Depois ocorreram outras revoltas depoisdessa, ocorreu no ano de 1381, em que seusdessa, ocorreu no ano de 1381, em que seusprincipais organizadores eram John Ball, Wat Tyler eprincipais organizadores eram John Ball, Wat Tyler eJack Straw. Essas revoltas se deram pelo fato deJack Straw. Essas revoltas se deram pelo fato demuitas pessoas que trabalhavam terem morridmuitas pessoas que trabalhavam terem morridoo
  44. 44. CULTURA MEDIEVALCULTURA MEDIEVAL EDUCAÇÃO:EDUCAÇÃO: controlada pelo clero católico,controlada pelo clero católico,que dominava as escolas dos mosteiros,que dominava as escolas dos mosteiros,escolas paroquiais e as universidades.escolas paroquiais e as universidades.O surgimento e expansão das universidadesO surgimento e expansão das universidadesestão relacionadas com o desenvolvimento dasestão relacionadas com o desenvolvimento dascidades, bem como o surgimento de uma novacidades, bem como o surgimento de uma novaclasse social: a burguesia comercial.classe social: a burguesia comercial.Os ramos de conhecimento estudados nasOs ramos de conhecimento estudados nasuniversidades medievais eram: Teologia euniversidades medievais eram: Teologia eFilosofia, Letras, Ciências, Direito e Medicina.Filosofia, Letras, Ciências, Direito e Medicina.O ensino era ministrado em latim.O ensino era ministrado em latim.
  45. 45. LITERATURALITERATURA Literatura-enaltecer a figura do cavaleiro cristão eLiteratura-enaltecer a figura do cavaleiro cristão esuas qualidades: lutar pelo bem público, combater assuas qualidades: lutar pelo bem público, combater asheresias e defender os pobres, viúvas e órfãos.heresias e defender os pobres, viúvas e órfãos.Na poesia épica exalta-se os torneios, as aventuras e aNa poesia épica exalta-se os torneios, as aventuras e adefesa do cristianismo, tais como a canção dedefesa do cristianismo, tais como a canção deRolando (século XI ) e El Cid( século XII).Rolando (século XI ) e El Cid( século XII).Na poesia lírica, predomina o tema do amorNa poesia lírica, predomina o tema do amorespiritualizado e idealizado do cavaleiro pela suaespiritualizado e idealizado do cavaleiro pela suaamada.amada.No século XIII, o grande destaque da literatura foiNo século XIII, o grande destaque da literatura foiDante Alighieri, autor da Divina Comédia.Dante Alighieri, autor da Divina Comédia.
  46. 46. ARTESARTES Pintura-possuía uma função didática, pois estava associada àPintura-possuía uma função didática, pois estava associada àdivulgação de temas religiosos. Entre os principais pintoresdivulgação de temas religiosos. Entre os principais pintoresmedievais, destacam-se Cimabue e Giotto.medievais, destacam-se Cimabue e Giotto. Escultura-função decorativa e de divulgação dos valoresEscultura-função decorativa e de divulgação dos valoresreligiosos.religiosos.Arquitetura-desenvolvimento de dois estilos: o românico e oArquitetura-desenvolvimento de dois estilos: o românico e ogótico.gótico.Românico: (séculos XI/XII) -arcos em abóbadas redondos,Românico: (séculos XI/XII) -arcos em abóbadas redondos,sustentados por paredes maciças. A catedral de Notre-Dame lasustentados por paredes maciças. A catedral de Notre-Dame laGrande em Poitiers é um exemplo deste estilo.Grande em Poitiers é um exemplo deste estilo.Gótico: ( séculos XII/XVI ) - uso do arco em ponta ou ogival,Gótico: ( séculos XII/XVI ) - uso do arco em ponta ou ogival,permitindo a construção de abóbadas bastante amplas.permitindo a construção de abóbadas bastante amplas.
  47. 47. CIÊNCIAS , FILOSOFIA ECIÊNCIAS , FILOSOFIA EMÚSICAMÚSICA musica: divulgava os valores cristãos. Destaque para Gregóriomusica: divulgava os valores cristãos. Destaque para GregórioMagno ( 590/604 ) que implantou o canto gregoriano. NaMagno ( 590/604 ) que implantou o canto gregoriano. Namúsica popular, destaque para as canções trovadorescas, cujosmúsica popular, destaque para as canções trovadorescas, cujostemas eram os ideais cristãos.temas eram os ideais cristãos. A principal corrente filosófica do período foi a Escolástica,A principal corrente filosófica do período foi a Escolástica,que tinha por objetivo conciliar a razão com a fé. Seusque tinha por objetivo conciliar a razão com a fé. Seusprincipais representantes foram Alberto Magno ( 1193/1280 ) eprincipais representantes foram Alberto Magno ( 1193/1280 ) eTomás de Aquino ( 1225/ 1274). Este último reconstruiu parteTomás de Aquino ( 1225/ 1274). Este último reconstruiu partedas teorias de Aristóteles, dentro de uma visão cristã, na suadas teorias de Aristóteles, dentro de uma visão cristã, na suaobra Summa Theológica.obra Summa Theológica.No setor científico, Roger Bacon (1214/1294) defensor daNo setor científico, Roger Bacon (1214/1294) defensor daobservação e da experimentação como norma científica.observação e da experimentação como norma científica.
  48. 48. 1453 – fim da idade média1453 – fim da idade média Tomada de Constantinopla ( 1453)Tomada de Constantinopla ( 1453) Turcos Otomanos- realizaram um movimentoTurcos Otomanos- realizaram um movimentona península Balcânica e tomaramna península Balcânica e tomaramConstantinopla dificultando o comércio dosConstantinopla dificultando o comércio dositalianos entre o ocidente e oriente.italianos entre o ocidente e oriente. Isto provocou uma grande corrida dasIsto provocou uma grande corrida dasmonarquias para solucionar o problema da rotamonarquias para solucionar o problema da rotacomercial.comercial. Foram os portugueses, os pioneiros a procurarForam os portugueses, os pioneiros a procurarnovas rotas, para o oriente que resultou nanovas rotas, para o oriente que resultou naconquista da Américaconquista da América..

×