Crônicas

1.251 visualizações

Publicada em

Sequência de crônicas para quinto ano.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.251
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crônicas

  1. 1. O carro estava encosta- do no meio-fio, com um pneu furado. De pé ao lado do carro, olhando desconsoladamente para o pneu, uma moça muito bonita. Tão bonita que atrás parou outro carro e dele desceu uma homem dizendo: ”Pode deixar”.Eu trocarei o pneu. - Você tem macaco?- Perguntou o homem. - Não – Respondeu a moça. - Vamos usar o meu – disse o homem – Você tem estepe? - Não -disse a moça. - Vamos usar o meu – Disse o homem. E pôs-se a trabalhar, trocando o pneu, sob o olhar da moça. Terminou no mo- mento em que chegava o ôni- bus que a moça estava espe- rando. Ele ficou ali, suando, de boca aberta, vendo o ônibus se afastar. Dali a pouco chegou o dono do carro. - Puxa, você trocou o pneu do carro pra mim. Muito obrigado. - É. Eu... Eu não posso ver pneu furado. Tenho que trocar. - Coisa estranha. - É uma compulsão. Sei lá. Pneu Furado (Luís Fernando Veríssimo) NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA CARACTERÍSTICAS A crônica é um texto narrativo que: É, em geral, curto; Trata de problemas do cotidiano, assuntos co- muns, do dia a dia; Traz as pessoas co- muns como persona- gens, sem nome ou com nomes fictícios. As per- sonagens não têm apro- fundamento psicológi- co, são apresentadas em traços rápidos; É organizada em torno de um único problema; Tem como objetivo en- volver e emocionar o leitor. PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C Atividades 1 – Por que o homem trocou o pneu do carro? ( ) Porque ele queria ser simpático com a moça. ( ) Porque ele tinha compulsão de trocar pneus. ( ) Porque era seu dever ajudar o próximo. ( ) Porque ele tinha estepe e macaco. 2 – O que ele sentiu vendo a moça entrar no ônibus? ( ) Raiva ( ) Espanto ( ) Gratidão ( ) Felicidade 3 – A reação do homem quando o dono do carro agradeceu por ele ter trocado o pneu foi de: ( ) Vergonha ( ) Satisfação ( ) Violência ( ) Timidez 4 – Quem conta a história é: ( ) A moça que esperava o ônibus ( ) O dono do carro que estava com o pneu furado ( ) Um narrador que participa da história ( ) Um narrador observador que está fora da história 5 – Leia o trecho e grife a alternativa que mostra um adjetivo da personagem: “..De pé ao lado do carro, olhando desconsoladamente para o pneu, uma moça muito bonita.” ( ) Lado ( ) Pneu ( ) Bonita ( ) Muito 6 – “O carro, estava encostado no meio-fio, com um pneu furado.” Faça um X na alternativa em que as duas palavras são substantivos. ( ) carro , pneu ( ) furado, estava ( ) pneu , encostado ( ) com, pneu DATA:____/____/________
  2. 2. A crônica humorística de Luís Fernando Veríssimo faz sentido pelo seu desfecho. Transcreva abaixo o final dessa crônica, observando o argumento do autor para sua conclusão e o que torna a crônica engraçada: Pneu Furado O carro estava encostado no meio-fio, com um pneu furado. De pé ao lado do carro, olhando desconsoladamente para o pneu, uma moça muito bonita. Tão bonita que atrás parou outro carro e dele desceu uma homem dizendo: ”Pode deixar”.Eu trocarei o pneu. - Você tem macaco?- Perguntou o homem. - Não – Respondeu a moça. - Vamos usar o meu – disse o homem – Você tem estepe? - Não -disse a moça. - Vamos usar o meu – Disse o homem. E pôs-se a trabalhar, trocando o pneu, sob o olhar da moça. _____________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ Por que a crônica se torna humorística? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ O que a moça deve ter pensado? ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ Atividade de escrita NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C DATA:____/____/________
  3. 3. ________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ Atividade de escrita — Reescrita NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C DATA:____/____/________
  4. 4. Imagine essa crônica escrita sob a visão do rapaz que teve o pneu do seu carro trocado. Pense a respeito e escreva como seria essa crônica: ________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ Atividade de escrita — Autoria NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C DATA:____/____/________
  5. 5. Noite na casa da serra, a luz apa- gou. Entra o garoto: – Pai, vó caiu na piscina. – Tudo bem, filho. O garoto insiste: – Escutou o que eu falei, pai? – Escutei, e daí? Tudo bem. – Cê não vai lá? – Não estou com vontade de cair na piscina. – Mas ela tá lá... – Eu sei, você já me contou. Agora deixe seu pai fumar um cigarrinho descansado. – Tá escuro, pai. – Assim até é melhor. Eu gosto de fumar no escuro. Daqui a pouco a luz volta. Se não voltar, dá no mes- mo. Pede à sua mãe pra acender a vela na sala. Eu fico aqui mesmo, sossegado. – Pai... – Meu filho, vá dormir. É melhor você deitar logo. Amanhã cedinho a gente volta pro Rio, e você custa a acordar. Não quero atrasar a des- cida por sua causa. – Vó tá com uma vela. – Pois então? Tudo bem. Depois ela acende. – Já tá acesa. – Se está acesa, não tem problema. Quando ela sair da piscina, pega a vela e volta direitinho pra casa. Não vai errar o caminho, a distân- cia é pequena, você sabe muito bem que sua avó não precisa de guia. – Por quê cê não acredita no que eu digo? – Como não acredito? Acredito sim. – Cê não tá acreditando. – Você falou que a sua avó caiu na piscina, eu acreditei e disse: tudo bem. Que é que você queria que eu dissesse? – Não, pai, cê não acreditou ni mim. – Ah, você está me enchendo. Va- mos acabar com isso. Eu acreditei. Quantas vezes você quer que eu diga isso? Ou você acha que estou dizendo que acreditei mas estou mentindo? Fique sabendo que seu pai não gosta de mentir. – Não te chamei de mentiroso. – Não chamou, mas está duvidando de mim. Bem, não vamos discutir por causa de uma bobagem. Sua avó caiu na piscina, e daí? É um direito dela. Não tem nada de ex- traordinário cair na piscina. Eu só não caio porque estou meio resfria- do. – Ô, pai, cê é de morte! O garoto sai, desolado. Aquele velho não compreende mesmo na- VÓ CAIU NA PISCINA (ANDRADE, Carlos Drummond de. Vó caiu na piscina. Rio de Janeiro: Ed. Record, 1996.) NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C Atividades DATA:____/____/________ da. Daí a pouco chega a mãe: – Eduardo, você sabe que dona Marieta caiu na piscina? – Até você, Fátima? Não chega o Nelsinho vir com essa ladainha? – Eduardo, está escuro que nem breu, sua mãe tropeçou, escorregou e foi parar dentro da piscina, ou- viu? Está com a vela acesa na mão, pedindo para que tirem ela de lá, Eduardo! Não pode sair sozinha, está com a roupa encharcada, pe- sando muito, e se você não for depressa, ela vai ter uma coisa! Ela morre, Eduardo! – Como? Por que aquele diabo não me disse isto? Ele falou apenas que ela tinha caído na piscina, não ex- plicou que ela tinha tropeçado, escorregado e caído! Saiu correndo, nem esperou a vela, tropeçou, quase que ia parar tam- bém dentro d’água. – Mamãe, me desculpe! O menino não me disse nada direito. Falou que a senhora caiu na piscina. Eu pensei que a senhora estava se ba- nhando. – Está bem, Eduardo – disse dona Marieta, safando-se da água pela mão do filho, e sempre empunhan- do a vela que conseguira manter acesa. – Mas da outra vez você vai prestar mais atenção no sentido dos verbos, ouviu? Nelsinho falou di- reito, você é que teve um acesso de burrice, meu filho! 1. Leia o trecho: − Pai, vó caiu na piscina. − Tudo bem filho. a. O que Nelsinho quis dizer? b. O que Eduardo entendeu? 2. No texto, predomina o diálogo, ou seja, as personagens conversam. Observe os sinais de pontuação e responda. a. Para que serve os dois pontos? b. Para que serve o travessão? 3. Qual é o clímax da história? 4. Você concorda com a fala de dona Marieta quando ela diz que o filho teve “acesso de burrice”? Explique. 5. Copie o texto trocando a linguagem coloquial pela culta.
  6. 6. Outro dia fui a São Paulo e resolvi voltar à noite, uma noite de vento sul e chuva, tanto lá como aqui. Quando vinha para casa de táxi, encontrei um amigo e o trouxe até Copacabana; e contei a ele que lá em cima, além das nuvens, estava um luar lindo, de lua cheia; e que as nuvens feias que cobriam a cidade eram, vistas de cima, enluaradas, colchões de sonho, alvas, uma paisagem irreal. Depois que o meu amigo desceu do carro, o chofer aproveitou um sinal fechado para voltar-se para mim: – O senhor vai desculpar, eu estava aqui a ouvir sua conversa. Mas, tem mesmo luar lá em cima? Confirmei: –Sim, acima da nossa noite preta e enlamaçada e torpe havia uma outra - pura, perfeita e linda. – Mas, que coisa. . . Ele chegou a pôr a cabeça fora do carro para olhar o céu fechado de chuva. Depois continuou guiando mais lentamente. Não sei se sonhava em ser aviador ou pensava em outra coisa. – Ora, sim senhor. . . E, quando saltei e paguei a corrida, ele me disse um "boa noite" e um "muito obrigado ao senhor" tão sinceros, tão veementes, como se eu lhe tivesse feito um presente de rei. Vocabulário 1.alvas=brancas 2.torpe=feia, nojenta 3.veementes=animados A outra noite (Rubem Braga) NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C Atividades DATA:____/____/________ 1.Como era a noite vista pelo taxista e pelo amigo do narrador? ( ) calor e chuva ( ) vento e chuva ( ) luar lindo ( ) lua cheia 2. Como era a noite para o narrador? ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ 3. Considerando a maneira como é narrada, a reação do taxista (no final), pode-se inferir que ele ficou: ( ) sensibilizado com a conversa ( ) curioso por mais informações ( ) agradecido com o presente ( ) desconfiado com o pagamento 4. A outra noite a que o título se refere seria a vista somente pelo narrador ou aquela que o taxista e seu amigo enxergavam? ____________________________________________________________________________________ 5. O que faz com que diferentes personagens vejam diferente noites? ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ 6. Que fato do cotidiano a crônica que você leu explora? ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ 7. Nesse texto, o narrador é personagem? Justifique sua resposta copiando um trecho do texto. ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________
  7. 7. Escreva aqui as respostas das atividades do texto “Vó caiu na piscina”. Coloque o número da pergunta. _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ Folha de Respostas NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C DATA:____/____/________
  8. 8. Começou a história com a senhora prometendo ao filhinho que levava para ver o elefante. Pro- metido é devido, a senhora foi para o Jardim Zoológico da Quinta da Boa Vista e parou diante do ele- fante. O garotinho achou o máximo e não resta dúvida que, pelo menos dessa vez, o explorado adjetivo estava bem empregado. Mas sabem como é criança, nem com o máximo se conforma: - Mãe, eu quero ver o elefante de cima. Taí um troço difícil: ver um elefante de cima. Mas se criança é criança, mãe é mãe. A senhora levantou o filho nos braços, na esperança de que ele se contentasse. Foi quando se deu o fato principal da história. A bolsa da senhora caiu perto da grade e o elefante botou a tromba para fora da jaula, apa- nhou a bolsa e comeu. E agora? Tava tudo dentro da bolsa: chave do carro, dinheiro, carteira de identidade, maquia- gem, enfim, essas coisas que as senhoras levam na bolsa. A senhora ficou muito chateada, principal- mente porque não podia ficar ali assim... Como direi?...Ficar esperando que o elefante devolvesse por outras vias a bolsa que engoliu. Era uma senhora ponderada, do contrário, na sua raiva teria gritado: - Prendam este elefante! Pedido, de resto, inútil, porque o elefante já estava preso. Mas isso tudo ocorreu numa segunda- feira. Dias depois ela telefonou para o diretor do Jardim Zoológico, na esperança de que o elefante já tivesse completado o chamado ciclo alimentar. Não tinha. Pelo menos em relação à bolsa, não tinha. O diretor é que estava com a bronca ar- mada: - O que é que a senhora tinha na bolsa? O elefante está passando mal – disse o diretor. E a senhora começou a imaginar uma dor de barriga de elefante. É fogo...lá deviam estar diver- sos faxineiros de plantão. - Se o elefante morrer, teremos grande prejuízo – garantia o diretor – não só com a morte do animal como também com o féretro. A Senhora já imaginou quanto está custando enterro de elefante? A senhora imaginou, porque tinha contribuído para o enterramento de uma tia velha, dias antes. E a tia até que era mirradinha. Deu-se então o inverso. Já não era ela que reclamava da bolsa, era o diretor que reclamava pela temeridade da refeição improvisada. Para que ele ficasse mais calmo, a dona da bolsa falou: - Olha, na bolsa tinha um tubo de “Librium”, que é um tranquilizante. Até agora o diretor não sabe (pois ela desligou) se a senhora falou no tranquilizante para expli- car que não era preciso temer pela saúde do elefante, ou se para ele tomar quando a bolsa reaparecesse. A bolsa ou o elefante (Stanislaw Ponte Preta ) NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C DATA:____/____/________
  9. 9. NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C DATA:____/____/________
  10. 10. NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C DATA:____/____/________ Agora preste atenção: CON__IENTE
  11. 11. NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C DATA:____/____/________ Iniciando a Produção-Autoria
  12. 12. Agora escreva sua crônica! ________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________________ Atividade de escrita — Autoria NOME: _____________________________________________________________ E. M ANA CÂNDIDA EBLING DE OLIVEIRA PROFESSOR DOUGLAS M. FONTES CRÔNICAS - 5º C DATA:____/____/________

×