UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA




                 ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                 Diagrama Temperatura-
                   ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                         Mudança de Fase
 ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                               Diag. Pressão-
                            ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                               Diag. Pressão-
                            ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA




                 ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                    Trabalho de expansão
 ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                  Trabalho de expansão
CENTRO DE CIÊNCIAS ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                               Avaliando
 CENTRO DE CIÊNCI...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                         Absorção de calor...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                                Calor Espe...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                       Mecanismos de
     ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
      CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
      NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA          ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
       CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
       NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA




   ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                          Coletor Solar Plano
    CENTRO D...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                Coletor Solar Plano
       CENTRO DE CIÊNC...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                         Coletor Solar Pla...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                        Validação Numérica...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                              Validação Nu...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                 Tanque Cilíndrico Vertical
       CENTRO ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                      Tanque Cilíndrico Ve...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                 Estudo de Caso I -> ctes tempo
       CEN...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                               Estudo de Caso I
       CEN...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                                Coletor conectado ao
     ...
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
                                                Distr. temporal e espacial da
       CENTR...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Termodinâmica Aula 2

5.790 visualizações

Publicada em

Propriedades de uma Sustância Pura
Primeira Lei da Termodinâmica

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.790
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
400
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Termodinâmica Aula 2

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Sumário • Definições Termodinâmicas (continuação) • Propriedades de uma Sustância Pura – Diagramas – Mudança de Fase • Primeira Lei da Termodinâmica • Energia Mecânica (Trabalho) • Energia Térmica (Calor) – Mecanismos de Transferência de Calor • Exemplo d Aplicação l de li ã – Simulação 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 1
  2. 2. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Definições Termodinâmicas ç • Processo: termo que designa a(s) transformação(ões) (variações de estado) que ocorrem entre dois estados de um sistema. Fica definido pelos estados inicial e final, pelo caminho e, pelos fenômenos ocorridos na fronteira. Um sistema diz-se estar num estado estacionário se o valor das suas propriedades permanecer inalterado no tempo tempo. • Ciclo: processo termodinâmico cujos estados inicial e final são idênticos. 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 2
  3. 3. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Definições Termodinâmicas ç A variação de qualquer propriedade, num ciclo, é nula. A variação de uma propriedade fica determinada pelos estados inicial e final de um processo. • Fase: Refere-se ao estado de agregação da matéria que constitui o sistema. Uma dada porção de matéria existe em uma só fase fase. Possui composição química e estrutura física homogênea. Em certas condições, pode haver coexistência de fases. 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 3
  4. 4. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Definições Termodinâmicas ç • Substância pura: Composição química uniforme e i C i ã í i if invariável. iá l • Equilíbrio: Um sistema diz-se em equilíbrio se, depois de isolada do exterior, o valor das suas propriedades não se alterar com o tempo. Pressão e temperaturas uniformes em todo o sistema Os processos ocorrem entre estados de equilíbrio. ⎧ Equilíbrio Mecânico E ilíb i M â i ⎪ ⎪ Equilíbrio Térmico Equilíbrio Termodinâmico ⎨ ⎪ Equilíbrio de Fase ⎪ ⎩ Equilíbrio Químico 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 4
  5. 5. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Definições Termodinâmicas ç • Processo de quasi-equílibrio: Começa a um infinitésimo do estado de equilíbrio e todos os estados intermédios podem ser considerados de equilíbrio. Processos reais tem sempre situações de não equilíbrio. • V t Vantagens d processos de quasi-equilíbrio: dos d i ilíb i • Podem desenvolver-se modelos termodinâmicos simples e obter respostas q qualitativas sobre os sistemas reais. • Permitem estabelecer relações entre as propriedades dos sistemas sistemas. 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 5
  6. 6. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Termodinâmica Capítulo 3 Propriedades de uma Sustância Pura
  7. 7. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Diagrama Temperatura- Temperatura- CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Volume para a Água p g Vapor Superaquecido Líquido q Sub-resfriado Linha ou comprimido Vapor Saturado Linha Líquido Saturado 11/08/2009 17:19
  8. 8. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Mudança de Fase CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA de Líquido p q para Vapor p Temperatura ç de Saturação P = 0,1 MPa P = 0 1 MPa 0,1 P = 0,1 MPa 1kg 1kg f g 99,6 °C T=? 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 8
  9. 9. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Diag. Pressão- Diag. Pressão-Temperatura CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Substância que se Expande q p na Solidificação Ex: Água 11/08/2009 17:19 9
  10. 10. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Diag. Pressão- Diag. Pressão-Temperatura CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Substância que se Contrai q na Solidificação 11/08/2009 17:19 10
  11. 11. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Termodinâmica Cap. 2 Energia e a Primeira Lei da Termodinâmica T di â i
  12. 12. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Primeira Lei • Axiomas A estrutura da termodinâmica assenta em duas leis fundamentais. Essas leis não se podem demonstrar, são axiomas. A sua validade é estabelecida com base no fato de a experiência não a contradizer, nem contradizer as conseqüências que dela se podem deduzir. 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 12
  13. 13. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Primeira Lei • Sistemas Fechados A 1ª lei da termodinâmica é relativa ao p princípio de conservação de energia aplicado p ç g p a sistemas fechados onde operam mudanças de estado devido à transferência de trabalho e de calor através da fronteira. • Permite calcular os fluxos de calor e de trabalho quando são especificadas diferentes variações de propriedades. 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 13
  14. 14. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Transferência de Energia g • Transferência de energia: A característica mais fundamental associada à energia é a sua conservação, o que implica g ç , q p que a energia de um corpo só possa variar recebendo energia ou concedendo energia a outros corpos. Trabalho e calor são termos usados para designar modos ou formas de transferência de energia. energia 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 14
  15. 15. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Calor e Trabalho Só o trabalho e o calor podem mudar o estado. O trabalho t t b lh atravessa a f t i d sistema; t fronteira do i t transfere-se. f “Trabalho é algo que surge nas fronteiras quando o sistema muda o seu estado devido ao movimento de parte da fronteira por ação de uma força.” “Não se pode afirmar que o sistema tem um dado Não trabalho, ou seja, não é uma propriedade do sistema”. 2→ → W = ∫ F⋅ ds 1 W > 0 → t b lh realizado p l sist m trabalho li d pelo sistema W < 0 → trabalho realizado sobre sistema 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 15
  16. 16. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Exemplos de Trabalho p 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 16
  17. 17. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Potência & • Potência – W taxa de transferência de energia na forma de trabalho. t2 r r 2 & W = ∫ Wdt = ∫ F ⋅ Vdt, 12 t1 1 • Unidade: J/s = W (watt) Qual a diferença entre Energia e Potência? 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 17
  18. 18. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Exemplo p Coef. de Arrasto v = 8,94 m / s Cd = 0,88 Dados: A = 0,362 m2 ρ = 1,2 kg / m3 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 18
  19. 19. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Exemplo p • A força de arrasto aerodinâmico é dado por: 1 Fd = ρ Cd A v 2 2 e como: & W =Fv calcula-se: v = 8,94 m / s W & = 1 ρ C A v 3 = 136,6 W Cd = 0,88 2 d Dados: A = 0,362 m2 ρ = 1,2 kg / m3 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 19
  20. 20. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Trabalho de expansão CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA ou de compressão p Trabalho realizado pelo sistema δW= Fdx =pAdx = pdV δW = p dV dV > 0 ⇒ δW > 0 (Expansão) dV < 0 ⇒ δW < 0 (Compressão) 2 2 W = ∫ δW = ∫ pdV, 12 1 1 onde δW não é um diferencial exato, pois d i depende d caminho. d do i h 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 20
  21. 21. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Trabalho de expansão CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA ou de compressão p Processo de quasi-equilíbrio sucessão d estados d ã de t d de equilíbrio. O valor d propriedades l das i d d intensivas é uniforme onde p é a pressão uniforme Expansão: ∫>0 ⇒ W>0 Compressão: ∫<0 ⇒ W<0 Trabalho é energia mecânica em trânsito -> não é propriedade, pois depende do caminho (integral de linha). 21
  22. 22. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Avaliando CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA o trabalho de expansão p n=0 Sistema Fechado n=1,0 1,06bar n=1,5 a) W = p2V2 − p1V1 = 17,6kJ 2 n −1 W12 = ∫ pdV V2 b) W = p V ln = 20,79 kJ 1 1 1 V1 n ⎛ V1 ⎞ n c) W = 30 kJ ⎛ 0,1 ⎞ ) p2 = p1 ⎜ ⎟ = (3bar )⎜ ⎜V ⎟ ⎟ ⎝ 2⎠ ⎝ 0,2 ⎠ 22
  23. 23. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Outros exemplos de Trabalho p & W = − ddpab i i = dZ dt δW = − ddpab dZ & W = Τω no eixo 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 23
  24. 24. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Calor • O calor constitui uma forma de transferência de energia “mais desorganizada” ou “desordenada” do que o trabalho. q 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 24
  25. 25. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Calor Conceitos: • Até meados do século XIX, acreditava-se que todos os corpos possuíam uma substância chamada calórico, desprovida de massa massa. • Achava-se que um corpo a temperatura mais alta possuía mais calórico que outro corpo a uma temperatura mais baixa. • Quando dois corpos em temperaturas diferentes eram colocados em contato, considerava-se que o corpo com mais calórico cedia parte dessa substância para o outro, até que suas temperaturas se igualassem. 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 25
  26. 26. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Calor • A teoria do calórico descrevia satisfatoriamente a mistura de substâncias diferentes em um calorímetro por calorímetro, exemplo, e foi utilizada para descrever o funcionamento das primeiras máquinas térmicas. p q • Atualmente: Calor é a energia transferida entre um sistema e sua vizinhança devido a uma diferença de temperatura entre eles. • O calor, distintamente da temperatura, não é uma propriedade intrínseca de um sistema, mas sim uma maneira pela qual pode ocorrer uma transferência de energia entre um sistema e a vizinhança vizinhança. • Ex: É errado dizer que, à medida que o tempo passa, a água em uma panela aquecida por uma chama fica com “mais calor”. 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 26
  27. 27. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Unidades de Calor • Unidades: • C l i ( l) ao aquecer 1 grama d á Caloria (cal): de água d 14 5oC de 14,5 até 15,5oC, define-se que se transferiu 1 caloria de energia para a água (antiga definição de caloria) água. • Joule: Montagem na qual corpos que caem giram paletas que agitam a água em recipiente, causando elevação da temperatura da água. • Equivalente mecânico do calor: 1cal = 4,186J (atual q ( definição de caloria) • OBS: a energia contida nos alimentos, expressa em Cal, corresponde a 103 cal (1kcal). 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 27
  28. 28. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Absorção de calor CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA por p sólidos e líquidos q • Se uma quantidade de energia “Q” é transferida para o sistema sob a forma de calor, sua temperatura aumenta por “ΔT”. Nesse caso o sistema recebe energia da g vizinhança e “Q” será positivo. • Se uma quantidade de energia “Q” é q g transferida do sistema para a vizinhança, a temperatura do sistema diminui por “ΔT”. Nesse caso o sistema perde energia para a N it d i vizinhança e “Q” será negativo. • E ambos os casos, pode-se escrever Q = Em b d C.ΔT, onde C é a capacidade calorífica do sistema ( J / K ) 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 28
  29. 29. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Calor Específico p • Cada substância requer uma determinada quantidade de energia por unidade de massa em média para variar massa, média, sua temperatura em 1oC. Tal quantidade de energia é o calor específico da substância. p Ex: • Para elevar a temperatura de 1kg de água em 1oC são necessários 4186J • Para elevar a temperatura de 1kg de cobre em 1oC são p g necessários 387J 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 29
  30. 30. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Calor Específico p • Seja “Q” a quantidade de energia transferida pelo calor para uma massa “m” de uma substância, m variando sua temperatura por “ΔT”. O calor específico “c” da substância é definido por: Q c= mΔT mΔ • com possíveis unidades em J / kg K ou cal / g oC. Então: • Q = mcΔT 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 30
  31. 31. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Capacidade Calorífica p • OBS: a capacidade calorífica e o calor específico relacionam-se relacionam se através de: • C = mc • Ex: Dois objetos diferentes de cobre terão capacidades caloríficas diferentes, mas o mesmo calor específico, já que são constituídos da mesma substância, no caso o cobre. • Em geral, o calor específico p g p pode variar conforme o intervalo de temperaturas em que se aquece ou resfria a substância, sendo portanto uma função da temperatura “c(T)”. “ (T)” 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 31
  32. 32. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Calor Específico CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Exercício • Exercício 1: O calor específico do cromo em função da temperatura é representado aproximadamente pela expressão (em cal/gK): 44000 c = 5,4 + 0,0024T − T2 • Calcule o calor necessário para aquecer 200g de cromo de 294K até 476K. 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 32
  33. 33. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Calorimetria • Calorimetria: conjunto de técnicas para determinar o calor específico das substâncias substâncias. • Ex: Elevar a temperatura da substância, colocá-la em um recipiente de material bom isolante térmico (calorímetro) contendo água de massa e temperatura conhecidas, e medir a temperatura de equilíbrio do sistema. • Princípio de Conservação da Energia para um Sistema Isolado: ∑Q trocados =0 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 1 - Prof. Douglas Bressan Riffel 33
  34. 34. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Transferência de calor • Calor: Modo de transferência de energia resultante da diferença de temperatura entre dois ç p sistemas (ou um sistema e a vizinhança). O calor, tal como o trabalho, é uma quantidade transiente que l l b lh id d i aparece na fronteira do sistema. Não existe calor no sistema antes ou depois de um estado. O calor atravessa a fronteira → a energia é transferida sob a forma de calor do sistema para a vizinhança ou vice-versa. 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 34
  35. 35. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Calor • Sentido da transferência: do corpo de maior temperatura para o de menor temperatura – devido a um gradiente. p g • Convenção de sinais: – Q > 0 calor t l transferido para o sistema f id it – Q < 0 calor transferido do sistema para a vizinhança 11/08/2009 17:19
  36. 36. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Mecanismos de CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Transferência de Energia g • Condução: Em escala atômica há uma troca d energia l ô i de i cinética entre moléculas, na qual as moléculas menos energéticas ganham energia colidindo com moléculas mais energéticas. A taxa de condução depende das propriedades da substância. Pode ocorrer em gases, líquidos ou sólidos. 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 36
  37. 37. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Condução ç • Lei de Fourier: A taxa de transferência de energia ou a p potência calorífica é dada p por: . T2 & = − kA dT Q x dx x sendo: k – condutibilidade térmica W/m °C T1 A – área da seção transversal Bons condutores: cobre, prata, alumínio cobre prata Maus condutores ou isolantes: cortiça, lã, poliestireno, etc. ksólido >k líquido >k gases em geral k k 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 37
  38. 38. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Convecção ç • Convecção: A energia é transferida pelo i t f id l movimento de um fluido. • Lei de Newton: Q = Ah (T b - T )f & h – coeficiente de convecção W/m² °C h não é uma propriedade e depende: p p p - do fluido - do tipo de escoamento - d tipo d superfície do de fí . pdT Se &não fosse pelas correntes de W convecção, ç , Q = − kA k = 0,6 seriax muito difícil ferver a água. Porque? dx m °C x 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 38
  39. 39. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Convecção ç 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 39
  40. 40. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Radiação ç • Radiação: A energia é transferida pela radiação eletromagnética . g A origem da radiação eletromagnética é a aceleração de cargas elétricas Qualquer corpo emite radiação eletromagnética, devido ao movimento térmico de suas moléculas . • A potência irradiada pelo corpo em Watts: H = σAeT 4 Constante de Stefan-Boltzmann: σ = 5.6696 × 10 −8 W/m2⋅K4 e é a emissividade 11/08/2009 17:19 Termodinâmica - Aula 2 - Prof. Douglas Bressan Riffel 40
  41. 41. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA EXEMPLOS DE SIMULAÇÕES Ç Douglas Bressan Riffel - dougbr@gmx.net
  42. 42. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Coletor Solar Plano CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA e Tanque Cilíndrico q Reservatório Vertical: • Maior Eficiência • Maior estratificação (que os horizontais) Coletor Solar Plano: • Cobertura – Mat. Isolantes Transp.; – Estrutura capilar; p ; Fonte: LAFAY J -M S 2005 - PROMEC J.-M. S., • “Baixa Temperatura” – próx. aos 110ºC p
  43. 43. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Coletor Solar Plano CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA ç Caracterização Características: • Superfície enegrecida; • Tubos coletores; • Cobertura TIM para p reduzir a convecção; Vantagens: • Simples; • B i manutenção; Baixa ã Douglas Bressan Riffel - dougbr@gmx.net
  44. 44. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Coletor Solar Plano CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Modelo proposto p p Modelo proposto: • Respostas Analíticas (permanente e transitório) • Realimentação negativa: – resposta térmica CA Onde: τc CA - capacitância térmica F´⋅ U L F F´ - fator de eficiência – transferência de calor (C A ⋅ A p ) Ap - área do coletor m - fluxo de massa τd m⋅ c p ⎛ S(s ) + T ( s ) ⎞ ⋅ ⎛ 1 − exp⎛ − τ d (s ) ⎞ ⎞ + T (s ) ⋅ exp⎛ − τ d (s ) ⎞ ⎜ ⎜ ⎟⎟ ⎜ ⎟ ⎜U a ⎟⎜ ⎜ τ c( s ) ⎟ ⎟ e ⎜ τ c( s ) ⎟ T col ( s ) ⎝ L ⎠⎝ ⎝ ⎠⎠ ⎝ ⎠ τ⋅ s + 1 Douglas Bressan Riffel - dougbr@gmx.net
  45. 45. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Validação Numérica CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Resposta à rampa p p 60 700 15 min 30 min 650 50 45 min Radiação [W/m²] atura [ºC] ] 60 min 600 40 Radiação 550 o Tempera 30 500 T R 450 20 400 0 10 20 30 40 50 60 Tempo [min.] e) R di ã solar sem fl ) Radiação l fluxo d massa de Douglas Bressan Riffel -
  46. 46. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Validação Numérica CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Resposta à rampa p p 100 1000 R = 0 99981 0,99981 15 min 30 min 80 45 min 800 Radiação [W/m²] ] atura [ºC] ] R = 0 99986 0,99986 60 min Radiação 60 600 o Tempera 40 R = 0,99973 , 400 T R R = 0,99963 20 200 0 20 40 60 80 Tempo [min.] e) R di ã solar com fl ) Radiação l fluxo d massa de Douglas Bressan Riffel -
  47. 47. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Tanque Cilíndrico Vertical CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Modelo em Volumes Finitos Douglas Bressan Riffel - dougbr@gmx.net
  48. 48. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Tanque Cilíndrico Vertical CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Convecção Natural ç P/ Convecção Natural: 1 • Normalmente: mperatur [adim.] – Média ponderada 0,8 – Inversão das temperaturas 0,6 ra • Solução atual 0,4 – Fluxo cíclico decorrente Tem da diferença de densidade 0,2 Solução Analítica Volumes Finitos 0 1 0,8 08 0,6 06 0,4 04 0,2 02 0 Altura [adim.] Douglas Bressan Riffel - dougbr@gmx.net
  49. 49. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Estudo de Caso I -> ctes tempo CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA e coef. em função do fluxo ç or rência de calo 1000mpo τ 380 c 360 nstantes de tem d τc [s] e τd [s] ] m².K] hfi 340 hfi [W/m 500 s ransfer 320 τd Coe de tr 300 Con 0 ef. 0 0,015 0,03 0,045 0,06 0 015 0 03 0 045 0 06 Fluxo de massa [kg/s] Douglas Bressan Riffel - dougbr@gmx.net
  50. 50. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Estudo de Caso I CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA Parâmetros do coletor 4,1 41 0,74 0 74 W/m².K] ] F'.UL F'. τα )e [adim.] ] 4,08 0,735 F'.τα [ F'. UL [W 4,06 , 0,73 , .( 4,04 0,725 0 0,015 0,03 0,045 0,06 Fluxo de massa [kg/s] Douglas Bressan Riffel - dougbr@gmx.net
  51. 51. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Coletor conectado ao CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA tanque sob cond. reais q 380 Tcol 370 Tt tanque 360 ação Solar [W/m²] emperatura [K] 350 1.000 r 340 800 330 600 Radia Te Radiação 320 400 310 200 300 0 6:00 10:00 14:00 18:00 Hora Douglas Bressan Riffel - dougbr@gmx.net
  52. 52. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Distr. temporal e espacial da CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA NÚCLEO DE ENGENHARIA MECÂNICA temp. no tanque p q Douglas Bressan Riffel - dougbr@gmx.net

×