Novas tecnologias versus Velhos Padrões

2.235 visualizações

Publicada em

Apresentação no Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, realizado em 2009, na cidade de Bonito. O objetivo do trabalho foi refletir sobre a metodologia de trabalho do catalogador diante das novas tecnologias.

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Parabéns! Adorei seu SlideShare! Estou terminando o Curso Web 2.0 e percebi que vc já incorporou o espírito 2.0. Um grande abraço, Vanuza Adegas Cavalcanti
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.235
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
86
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Dora Nogueira – CRB/7-3773
  • Novas tecnologias versus Velhos Padrões

    1. 1. NOVAS TECNOLOGIAS X VELHOS PADRÕES Reflexão sobre a representação descritiva da informação
    2. 2. Objetivo <ul><li>Levantar a questão das normas, padrões ou da catalogação na rotina do bibliotecário diante dos atuais recursos para representar e recuperar a informação: </li></ul><ul><li>METADADOS; </li></ul><ul><li>FERRAMENTAS DE BUSCA; </li></ul><ul><li>PROGRAMAS QUE REALIZAM BUSCA NO CONTEÚDO DO DOCUMENTO </li></ul><ul><li>ETC. </li></ul>
    3. 3. <ul><li>O que é e por que manter um padrão? </li></ul><ul><li>Por que padronizar com tantos recursos de recuperação da informação na web ? </li></ul>Conceituando...
    4. 4. Conceituando... <ul><li>[...] o tratamento da informação é definido como a função de descrever os documentos, tanto do ponto de vista físico [...] quanto do ponto de vista temático [...] </li></ul><ul><li>(DIAS, 2006, p. 67) </li></ul>
    5. 5. <ul><li>“ a padronização, na representação das informações de documentos é imprescindível e também o objeto de trabalho da catalogação descritiva como forma de garantia do intercâmbio de registros bibliográficos” </li></ul><ul><li>(CORREA, 2008) </li></ul>Conceituando...
    6. 6. <ul><li>Padrão: </li></ul><ul><li>“ aquilo que serve de base ou norma para a avaliação de qualidade ou quantidade; medida” </li></ul><ul><li>(FERREIRA, 2004) </li></ul>Conceituando...
    7. 7. <ul><li>Código de Catalogação Anglo-Americano (AACR) </li></ul><ul><li>1961 – Conferência Internacional sobre Princípios da Catalogação, Paris; </li></ul><ul><li>1967 - 1. edição: 1967; </li></ul><ul><li>1969 - no Brasil; </li></ul><ul><li>1983 e 1985 – 2. edição brasileira, em dois volumes. </li></ul>Conceituando...
    8. 8. <ul><li>Código de Catalogação Anglo-Americano (AACR) </li></ul><ul><li>2005 – Código de Catalogação Anglo-Americano, 2. ed., revisão 2002. </li></ul>Conceituando...
    9. 9. <ul><li>Código de Catalogação Anglo-Americano (AACR) </li></ul><ul><li>Contém a “descrição e a provisão de pontos de acesso para todos os tipos de materiais” </li></ul><ul><li>(CÓDIGO..., 2004, p. 1) </li></ul>Conceituando...
    10. 10. <ul><li>Descrição de Recurso e Acesso </li></ul><ul><li>(Resource Description and Access - RDA) </li></ul><ul><li>é o novo padrão para descrição do recurso e acesso concebido para o mundo digital. </li></ul><ul><li>fornece diretrizes e instruções sobre descrição de recurso e acesso cobrindo todos os tipos de conteúdos e mídias </li></ul>Conceituando...
    11. 11. <ul><li>Padrão Dublin Core </li></ul><ul><li>padrão de metadados, composto de 15 elementos, planejado para facilitar a descrição de recursos eletrônicos, e pode ser codificado em formatos como HTML e XML </li></ul>Conceituando...
    12. 12. <ul><li>Metadados? </li></ul><ul><li>dados sobre dados </li></ul><ul><li>“ dados codificados e estruturados que descrevem a característica de recursos de informação, sejam eles produtos ou serviços” (ALVES; SOUZA, 2007, p. 22) </li></ul>Conceituando...
    13. 13. <ul><li>MARC ( Machine Readable Cataloguing ) </li></ul><ul><li>o primeiro a se apresentar claramente como um sistema de metadados (TAMMARO; SALARELLI, 2008 </li></ul>Conceituando...
    14. 14. <ul><li>MARC ( Machine Readable Cataloguing ) </li></ul><ul><li>conjunto de padrões para identificar, armazenar e comunicar informações bibliográficas em formato legível por máquina, de forma que diferentes computadores e programas possam reconhecer, processar e estabelecer pontos de acesso dos elementos que compõem a descrição bibliográfica </li></ul>Conceituando...
    15. 15. <ul><li>Projeto CALCO (Catalogação Legível por Computador) </li></ul><ul><li>desenvolvido pela professora Alice Príncipe Barbosa </li></ul><ul><li>Objetivo: intercambiar a informação catalogada entre bibliotecas, criando a catalogação cooperativa no Brasil </li></ul><ul><li>inteiramente baseado no formato MARC II da Library of Congress </li></ul>Conceituando...
    16. 16. <ul><li>Protocolo Z39.50 </li></ul><ul><li>protocolo de comunicação [1] entre computadores desenhado para permitir pesquisa e recuperação de informação - documentos com textos completos, dados bibliográficos, imagens, multimeios – em redes de computadores distribuídos </li></ul><ul><li>[1] “Elenco de regras ou padrões cuja finalidade é permitir que os computadores se interliguem e troquem informações com o menor número de erros possível” (ROSETTO, 1997) </li></ul>Conceituando...
    17. 17. <ul><li>NBR 6023, da ABNT </li></ul><ul><li>Norma para referências </li></ul><ul><li>Adotada como padrão por oferecer formas mais simples de representar a informação </li></ul>Conceituando...
    18. 18. <ul><li>“ o objetivo principal, a razão de ser das bibliotecas, consiste no atendimento às demandas do público quanto aos registros do conhecimento, ou seja, quanto ao conteúdo dos itens [1] , suportes físicos do conhecimento” (MEY, 1995, p. 1). [1] Item, aqui, é qualquer tipo de suporte tratado tecnicamente em uma biblioteca. </li></ul>Representação (Descritiva) da Informação
    19. 19. <ul><li>Catalogação: </li></ul><ul><li>► Integridade </li></ul><ul><li>► Clareza </li></ul><ul><li>► Precisão </li></ul><ul><li>► Lógica </li></ul><ul><li>► Consistência </li></ul>Representação (Descritiva) da Informação
    20. 20. <ul><li>“ as metas de trabalho não se restringem à criação de representações de objetos físicos constantes de um acervo, mas compreendem, sobretudo, o estabelecimento dos denominados metadados” </li></ul><ul><li>(ALVARENGA, 2006, p. 80). </li></ul>Representação (Descritiva) da Informação
    21. 21. <ul><li>“ o volume de informações livremente colocados na web impossibilita um tratamento da informação nos moldes tradicionais” </li></ul>Representação (Descritiva) da Informação
    22. 22. <ul><li>Mudam-se os meios, sofisticam-se os instrumentos e surgem nomes novos para designar coisas novas e velhas. Entretanto, a essência das coisas permanece </li></ul><ul><li>(ALVARENGA, 2006, p. 97). </li></ul>Representação (Descritiva) da Informação
    23. 23. <ul><li>A meta não é encontrar uma representação precisa, mas construir uma estrutura que apresente formas diferentes de representações com propósito específico de mudá-las de acordo com o problema a ser resolvido e de acordo com as habilidades cognitivas do usuário </li></ul><ul><li>(PERSCHL, 2002 apud SIQUEIRA; SANTOS, 2004) </li></ul>Representação (Descritiva) da Informação
    24. 24. <ul><li>Registro sem padrão? </li></ul><ul><li>Adoção dos metadados? </li></ul><ul><li>Como recuperar a informação registrada livremente? </li></ul>Representação (Descritiva) da Informação
    25. 25. <ul><li>A função dos metadados é oferecer ao usuário uma série de informações úteis para a localização de informações que possam existir [...] e, assim como a ficha catalográfica, os metadados contém informações relativas tanto à natureza bibliográfica do objeto (descrição bibliográfica) quanto a localização onde [...] é possível encontrá-lo [...] </li></ul><ul><li>(TAMMARO; SALARELLI, 2008, p. 78) </li></ul>Representação (Descritiva) da Informação
    26. 26. <ul><li>Em uma biblioteca digital, os metadados exercem a função de identificação, localização e acesso de determinado recurso e auxiliam o usuário a encontrar a informação de que precisa do modo mais simples e conveniente. </li></ul>Representação (Descritiva) da Informação
    27. 27. <ul><li>E o Google ? </li></ul><ul><li>Faz a pesquisa em metadados e, também, no conteúdo dos documentos, disponíveis na web. Como não existe um padrão, a recuperação apesar de exaustiva, nem sempre oferece a resposta precisa que o usuário está buscando. </li></ul>Representação (Descritiva) da Informação
    28. 28. <ul><li>Marc21 </li></ul><ul><li>opção de representação da informação como padrão de descrição de acesso para o processo de intercâmbio de dados bibliográficos e catalográficos </li></ul>Representação (Descritiva) da Informação
    29. 29. <ul><li>. A quantidade de suportes aumentou ! </li></ul><ul><li>Como representar e, consequentemente, recuperar a informação contida nestes itens? </li></ul>Concluindo...
    30. 30. <ul><li>As regras foram desenvolvidas para apresentação linear, quer em catálogos impressos em forma de livro ou em fichas catalográficas, que enfatizava os cabeçalhos, que cuidadosamente amarrados são colocados em uma lista ordenada </li></ul><ul><li>(COYLE; HILLMANN, 2007, tradução livre) </li></ul>Concluindo...
    31. 31. <ul><li>AACR2; ISBD; MARC; RDA; metadados, o que adotar? </li></ul><ul><li>não adotar nenhum padrão, deixando o autor entrar no programa da biblioteca e, através de metadados, ou do padrão Dublin Core, fazer o registro da sua produção? </li></ul><ul><li>Deixando por conta do autor, como fica a questão da integração e interoperabilidade? </li></ul>Concluindo...
    32. 32. <ul><li>“ a ampliação das necessidades de padronização e a recuperação eficiente das informações tornaram evidente que a catalogação tem que ser repensada do ponto de vista teórico, com vistas à aplicação das formas de padronização das informações em meio digital” </li></ul><ul><li>(CORREA, 2008) </li></ul>Concluindo...
    33. 33. <ul><li>“ o problema mais importante diz respeito a interoperabilidade dos sistemas [...]” </li></ul><ul><li>(TAMMARO; SALARELLI, 2008, p. 231) </li></ul>Concluindo...
    34. 34. <ul><li>Precisamos estar atentos também a isso na hora de tomar a decisão sobre qual metodologia tomar. É preciso que as informações estejam organizadas eficientemente para que a interação aconteça, “e a principal característica dessas interações é a consistência, a qual é alcançada através do uso de padrões” </li></ul><ul><li>(ALVES; SOUZA, 2007). </li></ul>Concluindo...
    35. 35. <ul><li>Maria Auxiliadora (Dora) de S. Nogueira </li></ul><ul><li>Bibliotecária </li></ul><ul><li>Cedoc/Senac Nacional </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul>

    ×