Planejamento e Mídia - Mídias II

565 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
565
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Planejamento e Mídia - Mídias II

  1. 1. Transição/Revolução: <ul><li>Tecnologia: fator determinante na história da humanidade; </li></ul><ul><li>Evolução dos meios que acompanhou a evolução das tecnologias e as mudanças sociais; </li></ul><ul><li>“ A fronteira entre mídia tradicional e novas mídias está no centro do debate atual, mas logo vai desaparecer, pois nos dirigimos cada vez mais para a complementariedade entre os diferentes meios de comunicação.” </li></ul>
  2. 2. A Internet: <ul><li>Surgiu na época da Guerra Fria como um sistema norte-americano de comunicação que deveria resistir a um possível ataque nuclear; </li></ul><ul><li>União com a Publicidade ocorreu em 1993; </li></ul><ul><ul><li>A Prodigy , um serviço comercial on-line , contrariava a rejeição do público à publicidade e anunciava em um ambiente virtual fechado, só para assinantes. </li></ul></ul><ul><ul><li>A comercialização da Internet cresceu em ritmo rápido: em 1991 havia cerca de 9 mil domínios comerciais (ou sub-redes) e no final de 1994 já existiam 21.700 </li></ul></ul><ul><ul><li>A aceitação da publicidade na Internet deve-se à Revista Wired . Criada como recurso contracultural, tornou-se a mais forte expressão da cultura da Internet e seu guia em meados dos anos 90 </li></ul></ul>
  3. 3. <ul><li>Banner foi a primeira forma de Publicidade na Internet no site HotWired; </li></ul><ul><li>Hoje, 3º veículo de maior alcance no Brasil: </li></ul><ul><ul><li>70 % dos consumidores confiam em opiniões expressas online; </li></ul></ul><ul><ul><li>Quase três quartos (73%) dos brasileiros declaram buscar informações e preços na rede. E ainda, 53% deles dizem que ficam desapontados quando suas lojas preferidas não fazem vendas online. </li></ul></ul><ul><ul><li>Segundo dados do Centro Avançado de Estudos e Pesquisas da ESPM, 50% dos consumidores já foram influenciados a comprar pela internet. Isto porque: </li></ul></ul><ul><ul><li>O consumidor olha a propaganda, compara o preço e efetiva a compra ao mesmo tempo e sem sair de casa. </li></ul></ul>
  4. 4. <ul><li>Para se ter uma ideia do seu crescimento e do seu potencial, dados mostram que o rádio levou 38 ANOS para atingir 50 milhões de usuários. Já a Internet precisou de apenas 5 ANOS para alcançar tal recorde; </li></ul><ul><li>Caracteriza-se por convergir e reunir várias mídias em uma só; </li></ul><ul><li>Caracteriza-se também como uma extensão e como um complemento das mídias tradicionais; </li></ul><ul><ul><li>O poder de comunicar palavras, imagens, sons, vídeos já não se limita a quem possui gráficas, emissoras de televisão ou de rádio. Hoje sabemos que o baixo custo e grande alcance da Internet estão levando a televisão, o rádio, o jornal e a revista para a rede. </li></ul></ul>
  5. 5. <ul><li>Expressa um novo modelo de comunicação: MANY-TO-MANY </li></ul><ul><ul><li>O fluxo de informação não se dá em um único sentido e há a possibilidade de feedback através do mesmo meio e em tempo real. </li></ul></ul>
  6. 6. Suas peculiaridades: <ul><li>Rede interativa: </li></ul><ul><ul><li>Três pontos: quem fala/quem ouve, quem posta/quem acessa, quem escreve/ quem lê. </li></ul></ul><ul><li>Ambiente dinâmico; </li></ul><ul><li>Variedade de possibilidades e combinações; </li></ul><ul><li>Ferramenta democrática com bem menos censura que as outras mídias; </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Combinação de características de comunicação interpessoal e de massa; </li></ul><ul><li>Nenhuma outra mídia transforma de maneira tão simples o consumidor do papel de agente de busca de informações para o de comprador; </li></ul><ul><li>“ Também significa que os clientes não apenas falam conosco como também conversam entre si, de maneira muito rápida e numa quantidade que você nunca sequer sonhou.” </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Grande potencial de segmentação e mensuração; </li></ul><ul><li>Flexibilidade e entrega da mensagem – capacidade de mudança permanente; </li></ul><ul><li>Investir em publicidade na Internet representa um custo infinitamente mais baixo, sem limite de tempo e espaço; </li></ul><ul><li>Possibilita uma exposição muito grande da marca; </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Uma pesquisa realizada pela Inteco Corporation em maio de 1998, com 2.500 internautas, mostrou que o público considera a publicidade on-line necessária para a diminuição dos custos de acesso e que permite o acesso gratuito à informação. </li></ul><ul><li>É considerada também menos intrusiva que a da TV ou mala direta. </li></ul>
  10. 10. Fique atento! <ul><li>Apesar de todas as vantagens e possibilidades que a Internet oferece, este é um meio perigoso, afinal: </li></ul><ul><li>“ O antigo adágio de que clientes insatisfeitos podem falar com dez dos seus amigos, virou agora &quot;milhares&quot;.” </li></ul><ul><li>Pode ser reconhecida por alguns consumidores como indesejada – ex: spams, vírus; </li></ul><ul><li>Número de usuários é ainda pequeno; </li></ul><ul><li>Publicidade na Internet exige cuidados e prudências; </li></ul><ul><li>O monitoramente das suas ações torna-se peça fundamental para a publicidade online. </li></ul>
  11. 11. Para ficar babando! <ul><li>Campanha eleitoral do Barack Obama </li></ul><ul><ul><li>Estratégia: Comunicar-se com TODOS os nichos e proporcionar um ambiente favorável para que eles viralizem a campanha, tanto em âmbito online como offline. </li></ul></ul>
  12. 12. <ul><ul><li>O site: </li></ul></ul>
  13. 13. <ul><ul><ul><li>Redes sociais: </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>• Menor Preço • Maior Alcance x Tempo • Relacionamento e Retenção • Viralização </li></ul></ul></ul>
  14. 14. <ul><li>Viralização: </li></ul><ul><ul><ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=3iojPaw8yX0 </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Camisetas, adesivos, músicas... </li></ul></ul></ul>
  15. 15. Porque foi o must? <ul><li>Todas as artes falam a mesma língua, estavam em perfeita sintonia; </li></ul><ul><li>Interatividade com os eleitores; </li></ul><ul><li>Proximidade com o público; </li></ul><ul><li>Estava onde os eleitores estavam; </li></ul><ul><li>Alcançou e se preocupou com difernetes nichos; </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Foi um marco do marketing e da publicidade na Internet; </li></ul><ul><li>Influenciou permanentemente a linha que divide online e offline e atingiu a cultura pop; </li></ul><ul><li>Reescreveu as regras de como atingir os eleitores, arrecadar dinheiro, organizar voluntários, monitorar e moldar a opinião pública, além de lidar com ataques políticos, muitos deles feitos por blogs que nem existiam há quatro anos atrás. </li></ul>
  17. 17. Marketing de guerrilha como nova mídia <ul><li>O que é isso? </li></ul><ul><ul><li>Tipo de marketing que recorre a ações fora do circuito tradicional. São ações localizadas, inesperadas e surpreendentes. </li></ul></ul><ul><ul><li> “ É um conjunto de estratégias diferenciadas e inovadoras cujo objetivo é surpreender, pelo inesperado e pelo barulho, pela emoção, pela ousadia e pela agilidade e que, por isso mesmo, conquistam e seduzem os consumidores.” </li></ul></ul>
  18. 18. Vantagens: <ul><li>Envolve o consumidor com a marca através do impacto; </li></ul><ul><li>Gera um buzz SINISTRO, quando bem feita e bem planejada; </li></ul><ul><ul><li>Ações que podem gerar muito impacto e cobertura gratuita pelas mídias. </li></ul></ul><ul><li>Menor custo e menor risco associado; </li></ul><ul><li>Funciona também como uma ferramenta de entretenimento; </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Apresentam as marcas e produtos de maneira viva, integradas com o dia-a-dia das pessoas – maior nível de lembrança; </li></ul><ul><li>“ É preciso inteligência em guerrilha, conhecer e saber utilizar os novos meios e adaptar-se às novas tendências dos mercados…” – PLANEJAMENTO É FUNDAMENTAL; </li></ul><ul><li>Não basta somente gerar sorrisos no consumidor. </li></ul>
  20. 20. Fique atento! <ul><li>Ações que estão mais sujeitas a arbitrariedades; </li></ul><ul><li>Há muito menos possibilidades de controlar quantas e que pessoas terão contacto com a ação; </li></ul><ul><li>Dependendo da sua repercussão, será percebida apenas por quem estava presente no momento da ação. </li></ul>
  21. 21. Inspirações: <ul><li>http://www.slideshare.net/marketingdeguerrilha/case-de-guerrilha-para-trident-pr-stunt? from = ss_embed </li></ul><ul><li>http://www.slideshare.net/marketingdeguerrilha/case-neutrogena-ao-ambiente? from = ss_embed </li></ul>
  22. 22. Case massa! <ul><li>Suspensão corporal na Av. Paulista para a série NatGeo </li></ul><ul><ul><ul><li>A proposta da  série Tabu de NatGeo  é quebrar o silêncio e expor em rede nacional o que é tabu para a maioria. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>O plano de guerrilha seguiu essa linha com uma ação de PR Stunt: suspendeu um adepto da modificação corporal, primeiro episódio da série, a 50 metros do chão da principal avenida do país.  E conseguiu, além da visibilidade no local, um enorme volume de mídia espontânea, incluindo a nossa segunda capa no jornal Destak. </li></ul></ul></ul>
  23. 24. http://www.youtube.com/watch?v=x5IOcqracPg
  24. 25. A Intervenção Urbana: <ul><li>Tipo de manifestação artística, geralmente realizada em áreas centrais de grandes cidades; </li></ul><ul><li>Interação com um objeto artístico previamente existente ou com um espaço público; </li></ul><ul><li>Ligações com a arte conceitual. É associada ao Acionismo vienense (Fluxus, Body Art), ao movimento Dada e aos neodadaístas.   </li></ul>
  25. 26. <ul><li>Embora a intervenção, por sua própria natureza, tenha um caráter subversivo, atualmente é tida como legítima manifestação artística, muitas vezes patrocinada pelo Poder Público; </li></ul><ul><li>Quando não autorizada, quase certamente será considerada como vandalismo; </li></ul><ul><li>A intervenção é sempre inusitada, realizada a céu aberto e por ter um caráter crítico, seja do ponto de vista ideológico, político ou social, referindo-se a aspectos da vida nos grandes centros urbanos; </li></ul><ul><li>Particulariza lugares e, por decupagem, recria paisagens; </li></ul>
  26. 27. <ul><li>Funciona, na publicidade, muitas vezes como um complemento; </li></ul><ul><li>Envolve o consumidor com a marca através da conquista e da novidade; </li></ul><ul><li>Funciona também como uma ferramenta de entretenimento; </li></ul>
  27. 28. Fique atento! <ul><li>Ações que estão mais sujeitas a arbitrariedades; </li></ul><ul><li>Há muito menos possibilidades de controlar quantas e que pessoas terão contacto com a ação; </li></ul><ul><li>Dependendo da sua repercussão, será percebida apenas por quem estava presente no momento da ação. </li></ul>

×