Plano de-decisoes-clinicas-doenca-renal

267 visualizações

Publicada em

vet renal

Publicada em: Saúde
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
267
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plano de-decisoes-clinicas-doenca-renal

  1. 1. PLANO DE DECISÕES CLÍNICAS A DOENÇA RENAL CRÔNICA EM GATOS: DO DIAGNÓSTICO AO TRATAMENTO ©ROYALCANINSAS2013.AllRightsReserved.-Outubro|2013| Por mais de 40 anos, a Royal Canin está comprometida com a saúde animal e tem o compromisso de oferecer alimentos precisos às reais necessidades dos gatos e cães.
  2. 2. INTRODUÇÃO A doença renal crônica (DRC) é causada pela perda progressiva e irreversível da função renal, podendo ser de origem genética, congênita ou adquirida. No entanto, no momento do diagnóstico, a causa já não é frequentemente reconhecível. As manifestações clínicas mais frequentes são: perda de peso, inapetência, desidratação, poliúria e polidipsia, e ocorrem apenas quando já se tem perda funcional significativa de ambososrins(cercade¾). A DRC pode causar graves consequências em vários sistemas do organismo: digestivo, urinário, oftálmico, endócrino, cardiovascular, muscular. O risco e a gravidade destas alterações aumentam com a evolução da doença. A Sociedade Européia de Nefrologia e Urologia Veterinária (ESVNU) adotou o programa proposto pelo IRIS (International Renal Interest Society) para estadiamento da DRC. Ele baseia-se na concentração da creatinina plasmática (confirmadas por pelo menos duas análises sanguíneas do paciente hidratado e em jejum), e seu subestadiamento é realizado pela mensuração da razão proteína: creatinina urinária (RPCU) e da pressão arterial sistêmica para classificação da proteinúria e hipertensão, uma vez que constituem fatoresderiscoparaarápidaprogressãodadoença. SISTEMA DE ESTADIAMENTO IRIS* BASEADO NA CREATININA PLASMÁTICA EM GATOS ESTÁGIO CREATININA PLASMÁTICA (Μmg/dL)** COMENTÁRIOS Não azotêmico, porém com algum marcador de anomalia renal presente, (inadequada capacidade de concentração urinária, palpação renal anormal e/ou resultados anormais de imagem renal, proteinúria e/ou biópsia).I II < 1,6 1,6-2,8 III Azotemia moderada, manifestações clínicas podem estar presentes.2,9-5,0 IV Azotemia moderada a grave, muitas manifestações clínicas geralmente presentes.˃ 5,0 SUBESTÁGIO Razão Proteína: Creatinina urinária*** (RPCU) COMENTÁRIOS Azotemia discreta, manifestações clínicas geralmente brandas ou ausentes. Não-proteinúrico. I II < 0,2 0,2 – 0,4 III Proteinúrico. >0,4 Proteinúrico limítrofe (repetir análise). SUBESTÁGIO PRESSÃO ARTERIAL (mmHg)**** COMENTÁRIOS Risco ausente ou mínimo de danos aos orgãos susceptíveis. I II III Risco moderado de danos. IV Alto risco de danos. Baixo risco de danos. *IRIS: International Renal Interest Society (http://www.iris-kidney.com). **As determinações da concentração plasmática de creatinina devem ser confirmadas por pelo menos duas análises sanguíneas em gato hidratado e em jejum. ***A mensuração da RPCU deve ser feita preferencialmente 3 vezes durante um intervalo de 2 semanas, visando excluir proteinúria de origens pré ou pós-renal. ****A pressão arterial deve ser determinada por mensurações múltiplas, e ser acompanhada a cada 2 semanas se PA sistólica > 180, ou a cada 2 meses se PA sistólica <180. PARÂMETROS BIOQUÍMICOSa PRINCIPAIS PARÂMETROS BIOLÓGICOS PARA GATOS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOSa Parâmetros ParâmetrosValores Valores Albumina 2,1 – 3,3 g/dL Reserva alcalina (HCO3) 18 a 24 mmol/L Cálcio 6,2 – 10,2 mg/dL Cloreto Creatinina Globulinas Ferro Paratormônio (PTH) Fósforo Potássio Sódio Proteínas totais Uréia Hemoglobina Hematócrito Hemácias VCM HCM Reticulócitos Plaquetas PARÂMETROS NORMAIS PARA URINA* Cor Aspecto Densidade urinária Volume Osmolalidade pH Proteínas Amarelo-Ouro Límpido 1,035 – 1,060 ± 15 - 30 mL/kg/dia 50 - 3200 mOsm/kg 5,5 - 7,5 Traços Estágio da DRC (IRIS) 2,5 – 4,5 mg/dL 2,5 – 5,0 mg/dL 2,5 – 6,0 mg/dL I e II III IV 115 – 130 mEq/L 0,5 – 1,6 mg/dL 2,6 – 5,1 g/dL 42 – 165 µg/dL 0,3 -4,5 pmol/L 4,0 a 5,0 mg/dL 3,5 – 5,1 mEq/L 145 – 157 mEq/L 5,4 – 7,8 g/dL 30 – 60 mg/dL 8,0-15,0 g/dL 24 – 45% 3 5,0 - 10,0 milhões/mm 39-55 fL 13 – 17 pg 0,0 – 0,6 % 3 C. absoluta < 60 x 10 /µL 3 300 a 600 mil/mm RECOMENDAÇÕES DE FOSFATEMIA SEGUNDO ESTÁGIOS DO IRIS* * A fosfatemia deve ser monitorada a cada 2 meses. * Em paciente hidratado. Níveis recomendados para P sérico< 150 150-159 160-179 ˃ 180 sistólica a Referência laboratoriais Labsan Laboratório Clínico Veterinário, Curitiba, Brasil.
  3. 3. PLANO DE DECISÕES CLÍNICAS PARA GATOS COM DOENÇA RENAL CRÔNICA Manifestações clínicas inespecíficas da DRC em gatos Poliúria, polidpsia, anorexia, perda de peso, diarréia, vômito, desidratação, estomatite, hifema, hemorragia retiniana (hipertensão arterial sistêmica) Creatina Sérica < 1,6 mg/dL Creatina Sérica > 1,6 mg/dL Densidade urinária, RPCU*, pressão sanguínea, ultrassom, palpação renal, entre outros exames. Avaliação normal Densidade urinária < 1,030 RPCU < 2,0 Palpação e imagem renal Outros exames indicativos de doença renal anormais DRC EXCLUÍDA Creatinina 1,6 - 2,8 mg/dL Creatinina 2,9 - 5,0 mg/dL Creatinina > 5,0 mg/dL DRC ESTÁGIO II DRC ESTÁGIO III DRC ESTÁGIO IV Monitorar e tratar especificamente possíveis complicações da DRC: SAIBA MAIS 1- 2- 3- 4- 5- *RPCU : razão proteína : creatinina urinária. ** Não há evidências científicas da eficácia da restrição de Na no controle da hipertensão em gatos. Excluir possíveis causas extra-renais para hipercreatinemina. Se a densidade urinária for > 1,030, checar: - Desidratação - Falência cardíaca - Choque hipovolêmico - Obstrução urinária Hiperfosfatemia: pode-se utilizar quelantes intestinais de fosfatos (hiróxido de alumínio, carbonato de cálcio, carbonato de lantânio) noscasosrefratáriosàdietahipofosfórica. Proteinúria: pode-se utilizar inibidores da ECA se a dieta moderada emproteínasnãoforsuficiente. Hipertensão: pode-se utilizar dieta hipossódica** e tratamento médico: inibidores da ECA, bloqueadores de canais de cálcio (ex: amlodipina). Hipocalemia: pode-se utilizar sais de potássio (gluconato de potássio) com monitoramento e cuidado com o uso concomitante cominibidoresdaECA(possibilidadedehipercalemia). Desidratação:FluidoterapiaIV–RingerLactato. Anemia: pode-se utilizar andrógenos, eritropoetina e transfusão sanguínea,conformenecessidade. Acidose metabólica: pode-se utilizar bicarbonato de sódio para atingirareservaalcalinaentre18–24mmol/L. Vômito: pode-se utilizar antieméticos, inibidores de secreção gástrica. Hiporexia: recomenda-se o uso de alimentos palatáveis (ex: Renal FelineSpecial,RenalFelinewet). Anorexia: recomenda-se o uso de alimentação por via enteral (sondas)imediatamente. Lefebvre, S. Literature Review – Epidemiology of Feline Chronic Kidney Disease. BARK – BanfieldAppliedResearsh&KnowledgeTeam,EUA,2012. Elliot, J; Elliot, D. A. Dietary Therapy for Feline Chronic Kidney Disease. In: Encyclopedia of Feline Clinical Nutrition Royal Canin. Ithaca, 2009. p. 251 – 283. Disponível em: http://www.royalcanin.com. IRISGuidelines.Disponívelem:http://www.iris-kidney.com/guidelines/en/index.shtml. Renal Disease in the Cat. Veterinary FOCUS, v. 18, n. 2, 2008. Disponível em: http://www.ivis.org/journals/vetfocus/18_2/en/toc.asp. Elliot, D. A. Nutritional Management of Chronic Renal Disease in Dogs and Cats. Veterinary ClinicsSmallAnimalPractice,v.36,2006.p.1377–1384. Dosagem de Creatinina Paciente SEM alterações do envelhecimento Paciente COM alterações do envelhecimento DRC ESTÁGIO I TRATAMENTO MÉDICO E SUPORTE NUTRICIONAL PARA DRC.
  4. 4. PROGRAMA NUTRICIONAL Este material foi desenvolvido pela Royal Canin, com o apoio do Dr. Fabrice HEBERT, qualificado pela Escola de Veterinária de Alfort (França), especialista em oftamologia veterinária (CES degree), atuante em medicina Interna (uronefrologia, oncologia, gastroenterologia, neurologia, oftamologia e endocrinologia) e neurocirurgia, consultor independente e co- fundador da Veterinarius (http://www.veterinarius.fr), empresa especializada em educação continuada. Colaboração: Dra.AlineBaumannGizzi,LabsanLaboratórioClínicoVeterinárioCuritiba,Brasil./AdaptadoporRoyalCanindoBrasil. Recomendamos a leitura de IRIS Guidelines em http://www.iris-kidney.com RENAL RENAL SPECIAL Estabelecendo um NOVO padrão para a PERFORMANCE DE PALATABILIDADE Baixo Fósforo - Um baixo consumo de fósforo é essencial para ajudar a função renal dos gatos que apresentam doença renal Palatabilidade reforçada - Favorece o consumo espontâneo de gatos inapetentes com doença renal Fósforo reduzido EPA/DHA Maior palatabilidade Segurança digestiva Complexo antioxidante Alimento coadjuvante indicado para gatos, com o objetivo de auxiliar em casos de injúria renal aguda (crise urêmica) ou doença renal crônica em que o animal apresenta-se inapetente. RENAL FELINE é um alimento coadjuvante indicado para gatos com doença renal crônica, no manejo da recorrência de cálculos de Oxalato de Cálcio em gatos com alteração da função renal e na redução do risco de formação de cálculos que necessitem de alcalinização urinária: cistina e urato. Um baixo consumo de fósforo é essencial para ajudar a função renal dos gatos que apresentam doença renal crônica Complexo antioxidante sinérgico patenteado auxilia a neutralização de radicais livres Fórmula que auxilia no equilíbrio do sistema digestivo RENAL FELINE WET é um alimento coadjuvante úmido para gatos destinado a auxiliar a função renal em caso de doença renal crônica.

×