Santo Agostinho - Confissões livro XIII por Sílvia Duarte Vaz

1.490 visualizações

Publicada em

Confissões Santo Agostinho - Livro XIII

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.490
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Santo Agostinho - Confissões livro XIII por Sílvia Duarte Vaz

  1. 1. Sílvia Duarte Vaz Confissões LIVRO XIII
  2. 2. “Invoco-te, meu Deus, minha Misericórdia” Invocação da Bondade de Deus Cultivar o BEM! 2
  3. 3. 3
  4. 4. “ Faça-se a luz, e a luz foi feita ” 4
  5. 5. “ Em ti está a fonte da vida e é na tua luz que vemos a luz ” Salmo 35:10 5
  6. 6. “ Agora, vemos como um espelho, de maneira confusa; depois, veremos face a face. Agora, conheço de modo imperfeito; depois conhecerei como sou conhecido. ” 1 Coríntios 13:12 6
  7. 7. Primeiro Criam-se as coisas? ? 7
  8. 8. “ Ora a esperança não engana, porque o amor de Deus foi derramado nos nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. ” Romanos 5:5 “ A respeito dos dons do Espírito, irmãos, não quero que ” fiqueis na ignorância. 1 Coríntios 12:1 8
  9. 9. “ ” Salmo 123:5 9
  10. 10. “ ” Salmo 113:16 10
  11. 11. “ A terra era informe e vazia, as trevas cobriam o abismo, e o espírito de Deus movia-se sobre a superfície das águas Génesis 1:2 ” 11
  12. 12. “ ” O meu peso é o meu amor, sou levado por ele para onde quer que seja levado. 12
  13. 13. “ O dom de Deus move-se acima de todo o ser mutável… ” 13
  14. 14. “ Nomeio estas três coisas: ser, conhecer e querer.” 14
  15. 15. “ Deus meu, em teu nome fomos batizados, ó Pai e Filho e Espírito Santo, em teu nome batizamos (…), porque também em nós, no seu Cristo, Deus fez o céu e a terra.” 15
  16. 16. “ Na verdade somos salvos pela esperança.” 16
  17. 17. “Meu Deus onde estás? Respiro um pouco de Ti, quando derramo a minha alma sobre mim, na voz do som de júbilo e louvor de quem celebra uma festa.” 17
  18. 18. “ E tu sabes, Senhor, tu sabes…” 18
  19. 19. “A minha alma não se pode iluminar por si mesma, e também por si mesma não se pode saciar. Junto de Ti está a fonte da Vida.” 19
  20. 20. “ E, de uma fonte oculta e doce, regas as almas que têm sede de Ti.” 20
  21. 21. “ Assim, Senhor, assim, pe ço-te, nasça, como tu fazes, como tu dás a alegria e capacidade de fazer, nasça da terra a verdade, e a justiça olhe do Céu, e façam-se luminares no firmamento.” 21
  22. 22. “Vós(…), os fracos deste mundo que deixastes todas as coisas para seguir o Senhor, ide após ele e confundi os forte…” 22
  23. 23. 23
  24. 24. “O teu Verbo, ó Deus, é a fonte da vida eterna e não passa.” 24
  25. 25. “ … a fim de podermos discernir qual é a tua vontade.” 25
  26. 26. “O homem, pois, embora já espiritual (…) deve ser cumpridor da lei e não seu juiz.” 26
  27. 27. 27
  28. 28. “1… para que eu diga a Verdade, falo do que é teu.” 28
  29. 29. “… o fruto não é o que eles dão, mas o espírito com que o oferecem.” 29
  30. 30. ? 30
  31. 31. “Com efeito, uma por uma, eram apenas boas, ao passo que todas em conjunto eram boas e muito boas.” 31
  32. 32. “ …o meu Verbo não cai dentro do tempo, uma vez que comigo coexiste numa igual eternidade.” 2 32
  33. 33. “ Os insensatos dizem isso, porque não vêem as tuas obras por meio do teu espírito nem te conhecem nelas.” 33
  34. 34. “Ninguém sabe as coisas que são de Deus, se não o Espírito de Deus” 2 34
  35. 35. 3 “ Graças te sejam dadas, Senhor” 35
  36. 36. “Louvam-te as tuas obras para que te amemos e amamos-te para que te louvem as tuas obras.” 3 36
  37. 37. “Vemos todas estas coisas e todas elas são muito boas, porque as vês em nós, tu que nos deste o Espírito com que as víssemos e nelas te amássemos.” 3 37
  38. 38. “ Senhor Deus, dá-nos a paz – tu que nos deste todas as coisas – a paz de repouso, a paz do sábado, a paz sem entardecer.” 2 38
  39. 39. “O sétimo dia é sem entardecer e não tem ocaso…” 2 39
  40. 40. 2 40
  41. 41. “…nós vemos essas coisas que tu fizeste porque existem, enquanto, porque tu as vez, elas existem” 41
  42. 42. 42
  43. 43. 43

×