Apresentação sistemática 1 finalizada

519 visualizações

Publicada em

A característica distintiva deste grupo é a presença do patagium, uma membrana dérmica que se estende das pontas dos dedos das quatro patas, aos ombros, tornozelos e ponta da cauda;

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
519
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação sistemática 1 finalizada

  1. 1. Universidade Do Estado de Minas Gerais Dermoptera Rodentia Logomorpha Graduandos: Adriana Ribeiro Luiz Carlos, Maria Joana Mauriza Santos Regiane Soares
  2. 2. Ordem Dermoptera
  3. 3. Características Gerais Dermoptera é uma ordem de mamíferos pertencentes a família Cynocephalidae; O colugo é um mamífero de médio porte, que se assemelha superficialmente aos lémures e mede entre 35 e 45 cm de comprimento; Possuem patas longas, cauda curta e uma cabeça pequena, de orelhas arredondadas; Os olhos são relativamente grandes e dispostos na frente da cara, o que lhes permite uma visão binocular;
  4. 4. Os colugos são animais noturnos e arbóreos, que habitam a floresta tropical do Sudeste Asiático; Pouco se sabe a respeito dos seus hábitos de reprodução e comportamento. Estes animais são herbívoros e alimentam-se de frutos, folhas e seiva. A característica distintiva deste grupo é a presença do patagium, uma membrana dérmica que se estende das pontas dos dedos das quatro patas, aos ombros, tornozelos e ponta da cauda;
  5. 5. O patagium permite ao colugo deslizar entre árvores, por vezes ao longo de distâncias de mais de 70 metros Apesar da eficiência de deslizamento entre árvores, os colugos não podem voar independentemente, nem podem ser classificados como animais voadores; Assim o nome lémur voador, que é por vezes dado à espécie, é duplamente errado, uma vez que o colugo não voa nem pertence à infra-ordem Lemuriformes; Nas árvores, os colugos não são trepadores ágeis, uma vez que não têm polegares oponíveis, braços fortes nem cauda preensil
  6. 6. Para se deslocar dentro da mesma árvore, os colugos saltitam de ramo em ramo, contando com as garras para se agarrar aos galhos. Existem duas espécies de colugo: Cynocephalus volans - colugo-das-Filipinas Galeopterus varigatus - colugo-da-Malásia Ambas estão ameaçadas de extinção por causa da destruição de habitat e caça desregrada devida à sua carne e pelagem Os colugos e a ordem Dermoptera são proximamente relacionados com as ordens Scadentia e Primata
  7. 7. Lêmures
  8. 8. Características Gerais Esta família compreende os gêneros Lemur, Hapalemur, Lepilemur, Cheirogaleus, Phaner e Microcebus e um total de 14 espécies e 24 subespécies Corpo de tamanho médio ou pequeno (de 12 a 44 cm). Focinho alongado, proeminente
  9. 9. Dentição constituída por 36 dentes (32 em Lepilemur) assim dispostos: oito incisivos, quatro caninos, doze pré-molares e doze molares. Membros posteriores mais longos que os anteriores. Orelhas cobertas de pêlos, a cauda longa e pilosa e, no segundo dedo, uma garra que utilizam, juntamente com os incisivos inferiores, para se pentear. Todas as espécies vivem na ilha de Madagascar.
  10. 10. Os antigos romanos chamavam os lemures de "Almas dos mortos“ O lemure-mangusto caminha em posição quadrúpede.
  11. 11. Os lêmures não possuem cauda preênsil. A maioria deles é quadrúpede e, normalmente, corre ou salta por entre os galhos - alguns desses animais mostram uma exímia habilidade para saltar, utilizando a cauda para equilibrar o movimento e as pernas fortes para dar o impulso. Outras espécies, quando descem ao solo, conseguem andar sobre os dois pés e levantam os longos braços para manter o equilíbrio
  12. 12. Maquié um dos Lemurideos mais conhecidos. Sua cauda, anelada de branco e preto, permite identificá-lo. Acostuma-se facilmente ao cativeiro e pode viver mais de 20 anos.
  13. 13. Como em outras espécies de primatas, s mães carregam seus filhotes nas costas.
  14. 14. Os lêmures se movem no solo aos pulos.
  15. 15. Demarcação de Território Os lêmures e outros prossímios se comunicam por meios bem variados, alguns deles até curiosos. Os gritos podem ter diferentes finalidades - servem para se comunicar entre si, alertando sobre a aproximação de predadores, seja pelo solo, seja pelo alto das árvores, e até para marcar território. A demarcação de território é tão importante para esses animais que algumas espécies dispõem de uma glândula com esporão nos punhos que é acionada toda vez que elas desejam marcar brotos de árvores. Essa atitude mostra a outros representantes que aquele território já tem dono.
  16. 16. Os prossímios são típicos habitantes de florestas. Distribuem-se em diversas regiões dos continentes africano e asiático Seus hábitos alimentares e sua forma de interação com o ambiente são fundamentais para o equilíbrio do ecossistema, contribuindo para a manutenção da vida vegetal e animal. Porém, o desmatamento em muitas regiões da África e da Ásia tem colocado esses animais em sério risco de extinção.
  17. 17. Maquis Dentre as cinco espécies do gênero Lemur, comumente conhecidas sob o nome de maquis, uma das mais conhecidas é o mococo (Lemur catta). Cabeça parecida com a das raposas, com o focinho pontudo e os olhos grandes. Incisivos superiores são reduzidos, enquanto que os inferiores, aguçados, se implantam quase que horizontalmente.
  18. 18. Lemure mococo O lemure mococo macho é totalmente negro, a fême é um pouco mais clara. Esta espécie distingue-se por várias características anatômicas e pelo seu comportamento. Mede cerca de 40 cm de comprimento e mais De hábitos diurnos, o mococo prefere os terrenos rochosos e é menos arborícola que seus parentes. Vive em bandos numerosos, onde há predominância de machos. Alimenta-se de frutos de certos cactos, cuja casca retira, destramente, com o auxílio dos longos caninos. Em seu habitat natural não bebe água, contentando-se com a que tem dentro das frutas.
  19. 19. Esquilos Voadores Trata-se de um esquilo relativamente pequeno, medindo cerca de 14 centímetros e de café Seus olhos são grandes e escuros e a sua cauda tem forma de pena que o ajuda na altura de voar Os esquilos são semi-carnívoros. Alimentam-se de insectos e larvas, mas a base da sua dieta está na fruta e nas nozes.
  20. 20. Como são animais noturnos, é recomendável colocares a sua comida quando for de noite. O cálcico é muito importante para eles devido aos seus ossos serem muito leves, para poderem voar. Isto é importante pois ele é ativo mais à noite, pelo que não ficam tão expostos à luz solar, fator importante para que o corpo gere as substâncias necessárias para absorver melhor o cálcio.
  21. 21. Ordem Rodentia
  22. 22. Características Gerais A ordem Rodentia representa cerca de 40 % de todas as espécies de mamíferos viventes, constituindo a maior ordem em número de espécies com aproximadamente 34 famílias, 400 gêneros e 2.050 espécies. No Brasil existem cerca de 58 gêneros e 165 espécies e este número tende a aumentar com os novos e/ou continuados estudos sobre a nossa fauna, os quais vêm ocasionando na contínua descoberta de novas espécies. Os Rodentia dividem-se em duas subordens: (1) Sciurognathi, que abrange os esquilos, ratazanas, camundongos, e a maioria dos roedores conhecidos, e (2) Hystricognathi, que inclui as cutias, ratos-de-espinho, ouriços, preás, pacas e capivaras, entre outros
  23. 23. Os roedores constituem a mais numerosa ordem de mamíferos com placenta contendo mais de 2000 espécies, o que corresponde a cerca de 40% das espécies da classe dos mamíferos. A maior parte são de pequenas proporções, o camundongo-pigmeu Africano tem 6 cm de comprimento e pesa 7 g. Por outro lado, o maior deles, a capivara, pode pesar até 45 kg. Acredita-se que o extinto Phoberomys pattersoni teria pesado 700 kg.
  24. 24. Phoberomys pattersoni
  25. 25. Características Gerais A ordem rodentia representa os roedores Os órgãos responsáveis pela locomoção são os ossos e os músculos Os ossos , duros e resistentes , servem de apoio para o músculo que ora se contraem ora voltam a posição .Os mamíferos da ordem rodentia marcham , correm ou saltam - Na marcha : o animal apoia toda a planta do pé no solo e tem sempre , pelo menos um , membro a tocar no solo - Na corrida : Apoiam apenas os dedos no solo , todo o corpo se eleva frequentemente do solo . - No salta : as patas posteriores do animal dão-lhe um grande impulso que funcionam como uma "mola"
  26. 26. Respiração Os "rodentios" apresentam pulmões com lobos, de aparência esponjosa Devida à presença de um sistema de ramificações delicadas dos bronquíolos em cada pulmão, terminando em câmaras fechadas de paredes finas (os pontos de trocas gasosas), chamadas de alvéolos. A presença de uma estrutura muscular, o diafragma, exclusiva dos mamíferos, divide a cavidade peritoneal da cavidade pleural, além de auxiliar as costelas na inspiração.
  27. 27. Os pulmões tem estrutura alveolar e o diafragma muscular.
  28. 28. Reprodução Os "rodentios" têm reprodução sexuada; Os machos possuem um órgão copulador que lhes permitem introduzir os espermatozóides no corpo da fêmea. São vivíparos: uma vez fecundado, o óvulo se transforma num embrião que se desenvolve dentro da mãe. O viviparismo é possível porque a mãe e o filhote estão ligados pela placenta. A placenta é um órgão que liga o sangue materno com o do filhote.
  29. 29. Alimentação Quanto a alimentação tendem a ser omnívoros (comem qualquer coisa que possa satisfazer a sua fome e necessidades nutricionais), Sendo que podemos dividi-los em grupos de preferência alimentar: Os herbívoros , aqueles que alimentam-se de matéria vegetal e subdividem-se em: Frugívoros ou frutívoros (que tem a maior parte da sua dieta composta por frutos), granívoros (de sementes) e folívoros (de folhas e outras partes das plantas, como flores), e ainda aqueles que utilizam-se mais da matéria animal, como os carnívoros (que se alimentam de pequenos vertebrados) e os insetívoros (a maior parte da dieta sendo composta por insetos).
  30. 30. Dentição Todos compartilham uma característica: uma dentição altamente especializada para roer. Os Roedores possuem um par de incisivos na arcada dentária superior e inferior seguidos por um espaço, o diastema, e por um ou mais molares e pré-molares. Nenhum roedor possui mais de quatro incisivos e nenhum roedor possui caninos. Seus incisivos não têm raiz e crescem continuamente. As superfícies anterior e laterais são cobertas de esmalte, enquanto a posterior tem a dentina exposta.
  31. 31. No ato de roer, os incisivos se atritam, desgastando a dentina, o que mantém os dentes bastante afiados. Esse sistema de "afiamento" é muito eficiente e é uma das chaves do enorme sucesso dos roedores.
  32. 32. NOME VULGAR ESPÉCIE* ONDE OCORRE NO BRASIL HÁBITOS ALIMENTAÇÃO Rato-do-mato, Rato-do- campo Bolomys lasiurus Ce, Cs e MA Terrícolas Omnívoro Ouriço, Ouriço-cacheiro, Porco-espinho Coendou sp.ou Sphiggurussp. Todos os biomas (veja abaixo da tabela) Arborícolas Frugívoro/Folívoro/ Granívoro NOME VULGAR ESPÉCIE* ONDE OCORRE NO BRASIL HÁBITOS ALIMENTAÇÃO Rato-do-mato, Rato-do- campo Bolomys lasiurus Ce, Cs e MA Terrícolas Omnívoro Ouriço, Ouriço-cacheiro, Porco-espinho Coendou sp.ou Sphiggurussp. Todos os biomas (veja abaixo da tabela) Arborícolas Frugívoro/Folívoro/ Granívoro Preá, Porquinho-da-Índia Cavia sp. Am e MA Terrícolas Folívoro/Granívoro Preá Galea sp. Am, Ca, Ce, MA e Pa Terrícolas Folívoro/Granívoro Capivara Hidrochaeris hidrochaeris Todos os biomas Semiaquáticos Folívoro pastador Paca Agouti paca Am, Ce, MA, Pa, Cs Terrícolas, mas sempre próximo de cursos d'água Folíviro/Frugívoro Cutia Dasyproctasp. Todos os biomas Terrícolas Folívoro/Frugívoro/ Carnívoro Ratão-do-banhado Myoscastor coypus Ca e MA Semiaquáticos Folívoro pastador Tuco-tuco Ctenomys sp. Ce, Cs, MA e Pa Semi-fossoriais Folívoro/Granívoro Ratos-de-espinho Clyomys sp. Ce, MA e Pa Semi-fossoriais Folívoro/insetívoro
  33. 33. Ordem Lagomorpha
  34. 34. Características Gerais Constituem uma ordem de pequenos mamíferos herbívoros, que inclui os coelhos, lebres eocotonídeos, na qual se incluem duas famílias: Leporidae (coelhos e lebres) e Ochotonidae(pikas). Embora exteriormente os lagomorfos se assemelhem a roedores, há diferenças que justificam a sua inclusão numa ordem à parte. Elas são: quatro (em vez de dois) dentes incisivos na maxila; o escroto do macho está em frente do pênis; o pênis não tem ossos como nos roedores. Tal como os roedores, os lagomorfos têm dentes que crescem continuamente, necessitando portanto de atividade constante para evitar que fiquem grandes demais. Leporidae - coelhos Ochotonidae - pikas
  35. 35. Coelho O coelho é um animal peludo de longas orelhas e rabo curto. Os coelhos não andam ou correm como maioria dos outros animais de quatro pernas. Um coelho move-se através de saltos das pernas traseiras, que são mais longas e fortes que as pernas dianteiras. O animal também utiliza as pernas dianteiras quando se move. O coelho usa as pernas dianteiras como usamos as mãos para saltar de quatro. Quando perseguido por um inimigo, o coelho pode alcançar a velocidade de 100 km/h.
  36. 36. Fazem suas tocas nos campos, onde podem esconder os filhotes sob arbustos ou entre os capins altos. A fêmea geralmente tem quatro ou cinco filhotes por vez, e pode dar à luz três a quatro vezes por ano Por milhares de anos, os homens caçaram coelhos pela carne e por sua pele. Hoje, a maioria dos coelhos usados como alimento e para aproveitamento de pele são criados pelo homem, mas os caçadores continuam a matar coelhos selvagens. Muitos povos apreciam a carne de coelho, que é vendida fresca ou congelada. As peles são usadas para fazer casacos ou como enfeite para casacos de fazenda ou chapéus
  37. 37. Lebres Lebre: A lebre é a designação vulgar de várias espécies de mamíferos da família Leporidae, pertencentes a um dos seguintes gêneros: Lepus, Caprolagus ou Pronolagus Podendo-se locomover com grande velocidade, certas espécies de lebres podem atingir até 55 km/h. As lebres europeias mudam seu comportamento na primavera: elas podem ser vistas, ao longo do dia, correndo atrás de outras de sua espécie nas pradarias Isto pode ser visto como uma disputa entre machos desta espécie a fim de alcançarem a liderança. Nessas disputas, pode-se frequentemente ver lutas, um atingindo o outro com suas patas.
  38. 38. Uma observação mais detalhada revelou que geralmente é uma lebre fêmea que acaba batendo em um macho, com o intuito de mostrar que ainda não está pronta para a reprodução ou simplesmente para mostrar a sua determinação A dieta da lebre é muito similar à do coelho. Uma das diferenças entre lebres e coelhos é o fato de que os filhotes daquelas já nascem com pequena capacidade motora e visual, enquanto que os filhotes desses nascem completamente cegos e ficam no ninho por algumas semanas até poderem sair sozinhos. Os ninhos das lebres são constituídos por depressões rasas ou são áreas aplainadas na grama, diferentemente dos coelhos, que os fazem em tocas no solo. Devido à caça, o número de lebres na natureza diminuiu aproximadamente em 30% nos últimos 10 anos.
  39. 39. Sua pele é vendida para fazer tapetes ou simplesmente para decoração e sua carne é muito apreciada. Mesmo assim, organizações não governamentais conseguiram fazer com que a caça diminuísse e que as lebres pudessem circular livremente em áreas maiores Atualmente, as lebres estão espalhadas por quase toda Europa, América e em alguns países da África e da Ásia. Na Região Sul do Brasil, é comum em ver lebres em fazendas, principalmente em áreas de mato fechado e de manhã.
  40. 40. Pikas
  41. 41. Referências Bibliográficas

×