SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
O Centro Cirúrgico
Plano de Aula



Introdução
A Sala de Operações







Mobiliário
Iluminação
Ventilação

Vestuário do Centro Cirúrgico
“Etiqueta” do Centro Cirúrgico
Introdução




Lugar especial com vários requisitos
especiais para prática de atos cirúrgicos
Número de salas





5% do total dos leitos

Isolamento de outras áreas do hospital
Ambiente:



Calmo e silencioso
Cores
Introdução


Instalações acessórias:








Secretaria
Expurgo
Esterilização
Preparação de material
Vestiários
Lavabos
Estar médico
A Sala de Operações



Amplas
Pelo menos 36m2




Janelas





Vidro duplo
Proteção de tela

Portas




Exceções: ORL, oftalmo, cardíaca, neuro

Portas de correr, trilho, postigo de vidro

Revestimento liso, não poroso, sem relevos
A Sala de Operações
A Sala de Operações
A Sala de Operações


Mobiliário



Mínimo necessário
Peça central: mesa de operações





Base
Segmentos articulados

Mesas auxiliares






Colocação do instrumental cirúrgico
Instrumentador
50 x 90 x 85 cm
Rodízios
Cabides na borda distal
A Sala de Operações

Mesa Cirúrgica
A Sala de Operações

Mesas Auxiliares
A Sala de Operações


Mobiliário






Carrinho de anestesia + monitores
Cestos (Hampers)
Bacias + Suportes
Bisturi elétrico
Armários (embutidos)
A Sala de Operações
A Sala de Operações
A Sala de Operações


Iluminação


Eliminação
de
sombras

Luz de
várias
direções

Aspectos principais
Redução
do calor

Lâmpadas
ideais e
filtros
atérmicos

Intensidade
adequada

Conforto
para o
cirurgião

Eliminaçã
o
de
reflexos

Material
metálico
fosco

Iluminação
geral
proporciona
l

Diminuir
contrast
e
A Sala de Operações
A Sala de Operações


Iluminação


Focos


Teto









Cúpula com revestimento de espelhos refletores x
múltiplas lâmpadas conjugadas
Filtro atérmico
Vareta externa e braços articulados para mobilidade
Focalização
Preferência atual

Focos auxiliares


Bases sobre rodízios + baterias
A Sala de Operações
A Sala de Operações
A Sala de Operações
A Sala de Operações


Iluminação


Acessórios


Foco frontal




Afastadores com sistema iluminador





Adaptado à cabeça do cirurgião
Ligados a sistema de fibras ópticas
Ideais para iluminação em cavidades profundas

Foco “cobra”
A Sala de Operações
A Sala de Operações
A Sala de Operações
A Sala de Operações
A Sala de Operações
A Sala de Operações


Ventilação






Ar como via de transmissão de bactérias e fonte
de contaminação
Lister, 1867
Wells, 1936
Fonte de microrganismos: pessoas na sala
cirúrgica




Gotículas de ar expirado
Descamação de cels. da pele
Partículas transportadas nos sapatos

30000-60000 microrganismos
podem depositar-se no
campo operatório por hora
A Sala de Operações


Ventilação





Função de exaustão: remoção de odores, calor e
gases anestésicos voláteis
Controle bacteriológico
Filtragem do ar:







Retirar e impedir entrada de partículas contaminantes
Partículas > 5µ
Troca de ar a cada 10-20 x / hora
Pressão positiva no interior da sala

Fluxos laminares – alto custo
A Sala de Operações


Ventilação


Controle de Temperatura






Controle de Umidade





Temperatura: paciente x cirurgião
Hipotermia: hipoxia, calafrios, hiperpirexia
T ~ 21 - 24oC
Perda por evaporação (exposição de serosas)
Umidade ~ 45 - 55%

Faixa ideal: 70% normotérmicos
A Sala de Operações
A Sala de Operações


Vestuário





Pessoal como principal fonte
exógena de bactérias
Entrada sempre pelo vestiário
Indumentária própria






Gorro, máscara, camisa, calça e
propés

Não estéril, lavado especial com
água quente
Circulação restrita ao centro
cirúrgico
A Sala de Operações


Vestuário


Gorro




Cobrir os cabelos

Máscaras



Cobrir boca e nariz
Função de filtro:
prevenir escape de
gotículas expiradas
A Sala de Operações


Vestuário


Camisas







Tecido de malha densa
Manga curta: facilitar antisepsia dos braços
Por dentro das calças

Calças




Fechada nos tornozelos por
tubo de malha
Saias para mulheres
A Sala de Operações


Vestuário


Propés










Diminuir contaminação vinda
dos sapatos
Tecido, papel ou plástico
Uso restrito ao centro cirúrgico
Abolido em alguns lugares

Troca de gorro, máscara e propés a cada
operação
Cirurgias infectadas
“Etiqueta” do Centro Cirúrgico



Hierarquia na equipe
Silêncio





Falar baixo, somente o necessário
Música somente se adequada

Respeito aos pacientes




Respeito ao pudor do paciente
Respeito à psique do paciente
Nunca deixá-lo só na sala de operações
O centro cirúrgico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Apostila de clínica cirúrgica
Apostila de clínica cirúrgicaApostila de clínica cirúrgica
Apostila de clínica cirúrgica
 
Aula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgicoAula do centro cirurgico
Aula do centro cirurgico
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
 
História da Cirurgia
História da CirurgiaHistória da Cirurgia
História da Cirurgia
 
Anestesias
AnestesiasAnestesias
Anestesias
 
Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Anestesia
Anestesia Anestesia
Anestesia
 
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)Apostila   enfermagem em centro cirúrgico (1)
Apostila enfermagem em centro cirúrgico (1)
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
 
Anestesia
AnestesiaAnestesia
Anestesia
 
Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)Power point anestesia (1) (1)
Power point anestesia (1) (1)
 
Terminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgicaTerminologia cirúrgica
Terminologia cirúrgica
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
 
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdfTempos Cirúrgicos (5).pdf
Tempos Cirúrgicos (5).pdf
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
 
introdução semiologia
introdução semiologiaintrodução semiologia
introdução semiologia
 
Apostila
 Apostila Apostila
Apostila
 

Destaque

Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgicoClínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgicoconcursohub
 
ambiente cirúrgico - centro cirúrgico
ambiente cirúrgico - centro cirúrgicoambiente cirúrgico - centro cirúrgico
ambiente cirúrgico - centro cirúrgicoGuilherme Sicuto
 
Diérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e sínteseDiérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e sínteseDanilo Modesto
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaDanilo Modesto
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data showCésar Müller
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicaGuilherme Sicuto
 
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Carine Silvestrini
 
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e EquipeAula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e EquipeDébora Ramos Marcinichen
 
Instrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoInstrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoUPA Fortaleza
 
luminaria d jesus wagner da conceição fernandes
luminaria d jesus   wagner da conceição fernandesluminaria d jesus   wagner da conceição fernandes
luminaria d jesus wagner da conceição fernandesAni Inventores
 
Planilha de quantidades_e_precos_2015-01-06_19_56_50
Planilha de quantidades_e_precos_2015-01-06_19_56_50Planilha de quantidades_e_precos_2015-01-06_19_56_50
Planilha de quantidades_e_precos_2015-01-06_19_56_50Francis Zeman
 
Ano18 n1 jan_mar2013_seguranca-do-paciente-infantil-no-centro-cirurgico
Ano18 n1 jan_mar2013_seguranca-do-paciente-infantil-no-centro-cirurgicoAno18 n1 jan_mar2013_seguranca-do-paciente-infantil-no-centro-cirurgico
Ano18 n1 jan_mar2013_seguranca-do-paciente-infantil-no-centro-cirurgicoErika Oliveira Santos
 
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma b
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma bEstação – troca de curativo do dreno de tórax turma b
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma bcuidadoaoadulto
 
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enfLuiz Fernando Aquino
 

Destaque (20)

Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgicoClínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
 
ambiente cirúrgico - centro cirúrgico
ambiente cirúrgico - centro cirúrgicoambiente cirúrgico - centro cirúrgico
ambiente cirúrgico - centro cirúrgico
 
Diérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e sínteseDiérese, hemostasia e síntese
Diérese, hemostasia e síntese
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
instrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgicainstrumentação e paramentação cirúrgica
instrumentação e paramentação cirúrgica
 
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
Centrocirurgicoe 140827063934-phpapp02
 
Drenos cavitários
Drenos cavitáriosDrenos cavitários
Drenos cavitários
 
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e EquipeAula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
 
Mesa e Material Cirurgico
Mesa e Material CirurgicoMesa e Material Cirurgico
Mesa e Material Cirurgico
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
 
Instrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoInstrumental cirurgico
Instrumental cirurgico
 
luminaria d jesus wagner da conceição fernandes
luminaria d jesus   wagner da conceição fernandesluminaria d jesus   wagner da conceição fernandes
luminaria d jesus wagner da conceição fernandes
 
Planilha de quantidades_e_precos_2015-01-06_19_56_50
Planilha de quantidades_e_precos_2015-01-06_19_56_50Planilha de quantidades_e_precos_2015-01-06_19_56_50
Planilha de quantidades_e_precos_2015-01-06_19_56_50
 
Ano18 n1 jan_mar2013_seguranca-do-paciente-infantil-no-centro-cirurgico
Ano18 n1 jan_mar2013_seguranca-do-paciente-infantil-no-centro-cirurgicoAno18 n1 jan_mar2013_seguranca-do-paciente-infantil-no-centro-cirurgico
Ano18 n1 jan_mar2013_seguranca-do-paciente-infantil-no-centro-cirurgico
 
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma b
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma bEstação – troca de curativo do dreno de tórax turma b
Estação – troca de curativo do dreno de tórax turma b
 
Epi’s
Epi’sEpi’s
Epi’s
 
Enfermagem capote
Enfermagem capoteEnfermagem capote
Enfermagem capote
 
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
27 11 - apostila de-centro_cirurgico_e_recuperacao_anestesica_-_tec_de_enf
 

Semelhante a O centro cirúrgico

Planta física c.c
Planta física c.cPlanta física c.c
Planta física c.cSandra Silva
 
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdfCLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdfInara Lima
 
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdfAULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdfjosemaciel33
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Centro cirrgico-2012 (1)
Centro cirrgico-2012 (1)Centro cirrgico-2012 (1)
Centro cirrgico-2012 (1)GeaneSilva33
 

Semelhante a O centro cirúrgico (7)

Planta física c.c
Planta física c.cPlanta física c.c
Planta física c.c
 
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdfCLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
CLASSIFICAÇÃO CIRURGICA.pdf
 
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdfAULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
AULA ENFERMAGEM EM CENTRO CIRURGICO DR. JOSE.pdf
 
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdfEnfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
Enfermagem-no-centro-cirúrgico.pdf
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Centro cirrgico-2012 (1)
Centro cirrgico-2012 (1)Centro cirrgico-2012 (1)
Centro cirrgico-2012 (1)
 
RDC_50_Climatizacao
RDC_50_ClimatizacaoRDC_50_Climatizacao
RDC_50_Climatizacao
 

O centro cirúrgico

  • 2. Plano de Aula   Introdução A Sala de Operações      Mobiliário Iluminação Ventilação Vestuário do Centro Cirúrgico “Etiqueta” do Centro Cirúrgico
  • 3. Introdução   Lugar especial com vários requisitos especiais para prática de atos cirúrgicos Número de salas    5% do total dos leitos Isolamento de outras áreas do hospital Ambiente:   Calmo e silencioso Cores
  • 5. A Sala de Operações   Amplas Pelo menos 36m2   Janelas    Vidro duplo Proteção de tela Portas   Exceções: ORL, oftalmo, cardíaca, neuro Portas de correr, trilho, postigo de vidro Revestimento liso, não poroso, sem relevos
  • 6. A Sala de Operações
  • 7. A Sala de Operações
  • 8. A Sala de Operações  Mobiliário   Mínimo necessário Peça central: mesa de operações    Base Segmentos articulados Mesas auxiliares      Colocação do instrumental cirúrgico Instrumentador 50 x 90 x 85 cm Rodízios Cabides na borda distal
  • 9. A Sala de Operações Mesa Cirúrgica
  • 10. A Sala de Operações Mesas Auxiliares
  • 11. A Sala de Operações  Mobiliário      Carrinho de anestesia + monitores Cestos (Hampers) Bacias + Suportes Bisturi elétrico Armários (embutidos)
  • 12. A Sala de Operações
  • 13. A Sala de Operações
  • 14. A Sala de Operações  Iluminação  Eliminação de sombras Luz de várias direções Aspectos principais Redução do calor Lâmpadas ideais e filtros atérmicos Intensidade adequada Conforto para o cirurgião Eliminaçã o de reflexos Material metálico fosco Iluminação geral proporciona l Diminuir contrast e
  • 15. A Sala de Operações
  • 16. A Sala de Operações  Iluminação  Focos  Teto       Cúpula com revestimento de espelhos refletores x múltiplas lâmpadas conjugadas Filtro atérmico Vareta externa e braços articulados para mobilidade Focalização Preferência atual Focos auxiliares  Bases sobre rodízios + baterias
  • 17. A Sala de Operações
  • 18. A Sala de Operações
  • 19. A Sala de Operações
  • 20. A Sala de Operações  Iluminação  Acessórios  Foco frontal   Afastadores com sistema iluminador    Adaptado à cabeça do cirurgião Ligados a sistema de fibras ópticas Ideais para iluminação em cavidades profundas Foco “cobra”
  • 21. A Sala de Operações
  • 22. A Sala de Operações
  • 23. A Sala de Operações
  • 24. A Sala de Operações
  • 25. A Sala de Operações
  • 26. A Sala de Operações  Ventilação     Ar como via de transmissão de bactérias e fonte de contaminação Lister, 1867 Wells, 1936 Fonte de microrganismos: pessoas na sala cirúrgica    Gotículas de ar expirado Descamação de cels. da pele Partículas transportadas nos sapatos 30000-60000 microrganismos podem depositar-se no campo operatório por hora
  • 27. A Sala de Operações  Ventilação    Função de exaustão: remoção de odores, calor e gases anestésicos voláteis Controle bacteriológico Filtragem do ar:      Retirar e impedir entrada de partículas contaminantes Partículas > 5µ Troca de ar a cada 10-20 x / hora Pressão positiva no interior da sala Fluxos laminares – alto custo
  • 28. A Sala de Operações  Ventilação  Controle de Temperatura     Controle de Umidade    Temperatura: paciente x cirurgião Hipotermia: hipoxia, calafrios, hiperpirexia T ~ 21 - 24oC Perda por evaporação (exposição de serosas) Umidade ~ 45 - 55% Faixa ideal: 70% normotérmicos
  • 29. A Sala de Operações
  • 30. A Sala de Operações  Vestuário    Pessoal como principal fonte exógena de bactérias Entrada sempre pelo vestiário Indumentária própria    Gorro, máscara, camisa, calça e propés Não estéril, lavado especial com água quente Circulação restrita ao centro cirúrgico
  • 31. A Sala de Operações  Vestuário  Gorro   Cobrir os cabelos Máscaras   Cobrir boca e nariz Função de filtro: prevenir escape de gotículas expiradas
  • 32. A Sala de Operações  Vestuário  Camisas     Tecido de malha densa Manga curta: facilitar antisepsia dos braços Por dentro das calças Calças   Fechada nos tornozelos por tubo de malha Saias para mulheres
  • 33. A Sala de Operações  Vestuário  Propés       Diminuir contaminação vinda dos sapatos Tecido, papel ou plástico Uso restrito ao centro cirúrgico Abolido em alguns lugares Troca de gorro, máscara e propés a cada operação Cirurgias infectadas
  • 34. “Etiqueta” do Centro Cirúrgico   Hierarquia na equipe Silêncio    Falar baixo, somente o necessário Música somente se adequada Respeito aos pacientes    Respeito ao pudor do paciente Respeito à psique do paciente Nunca deixá-lo só na sala de operações