Dlp em ação 2012 aula 1

1.954 visualizações

Publicada em

aula 1 - Mazé Nóbrega

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.954
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.052
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dlp em ação 2012 aula 1

  1. 1. Língua Portuguesa:a pesquisa e o trabalho em sala de aula dlp em ação diálogos sobre ensino e pesquisa - 2012
  2. 2. Ensinar e aprender Língua Portuguesahoje: pesquisa e transposição didática 1º encontro – 06/03/2012 Maria José Nóbrega
  3. 3. Conceitos que orientam asrecentes propostas curricularesem Língua Portuguesa Sequências Gênero (ou tipos) Discurso Texto textuais É toda O discurso se Em cada Enquanto atividade manifesta por esfera de materialidade comunicativa meio de textos atividade linguística, os produtora de orais ou social, os gêneros se efeitos de escritos textos se manifestam sentidos entre materializam sob diferentes interlocutores de acordo com formas de gêneros de textualização: discurso as sequências específicos ou os tipos textuais
  4. 4. São Paulo, terça-feira, 10 de janeiro de 2012.http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/index-20120110.shtml Acesso em 15/01/2012.
  5. 5. São Paulo, terça-feira, 12 de janeiro de 2012.http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/index-20120112.shtml Acesso em 15/01/2012.
  6. 6. Organização da proposta curricular de Língua Portuguesa da SME-SP OTEXTO COMO UNIDADE BÁSICA MODALIDADE PRÁTICAS DE LINGUAGEM DE ENSINO Textos pertencentes a gêneros textuais de diferentes Leitura ORAL esferas discursivas (doméstica, escolar, jornalística, literária, Produção escrita vida pública e profissional etc.) Textos pertencentes a gêneros textuais de diferentes Escuta ESCRITA esferas discursivas (doméstica, escolar, jornalística, literária, Produção oral vida pública e profissional etc.)Análise e reflexão sobre a língua e a linguagem:Construção composicional dos gêneros;Regularidades linguísticas recorrentes nas sequências textuais;Mecanismos de coesão textual;Compreensão dos fenômenos de variação linguística;Padrões de escrita;Descrição gramatical.
  7. 7. São Paulo, sexta-feira, 02 de março de 2012Censurando o dicionárioHÉLIO SCHWARTSMANSÃO PAULO ─ Ou botaram alguma coisa na águado bebedor do MPF (Ministério Público Federal)de Belo Horizonte ou o parquet não sabe paraque serve um dicionário. É despropositada a ação civil pública que oMPF ajuizou pedindo a retirada de circulação dodicionário "Houaiss", porque a obra contém"expressões pejorativas e preconceituosas" contraos ciganos.
  8. 8. São Paulo, sexta-feira, 02 de março de 2012 Entre as múltiplas definições para apalavra, constam "aquele quetrapaceia, velhaco, burlador" e"agiota, sovina". Evidentemente, o "Houaiss"marca esses usos como pejorativos. Não cabe ao lexicógrafo dar lições demoral ou depurar o idioma das injustiçassociais que ele carrega, mas tão somenteregistrar as acepções presentes e passadasdos vocábulos. Se deixa de fazê-lo, a obratorna-se inútil.
  9. 9. São Paulo, sexta-feira, 02 de março de 2012 Por isonomia, o MPF deveria também mandarrecolher todos os dicionários que trazem, porexemplo, o termo "beócio". Para essa palavra, o"Aurélio" registra: "curto de inteligência;ignorante, boçal". Se olharmos para aetimologia, descobriremos que estamos diante de umimemorial preconceito dos atenienses, para os quaisos habitantes da Beócia não passavam decamponeses estúpidos. Na mesma linha vão "capadócio" (natural daCapadócia, mas tambémignorante, trapaceiro, canalha), "filisteu" (antigohabitante da Palestina e pessoainculta, vulgar), "vândalo" (membro de uma tribogermânica e destruidor), além de"lapônio", "ladino", "safardana", "maltês".
  10. 10. São Paulo, sexta-feira, 02 de março de 2012 Também carregam alguma dose deintolerância termos como "judiar" (agir comojudeu e maltratar), "cretino" (quem padece dehipotireoidismo), "escravo" (que vem de eslavo). No fundo, línguas são verdadeiros catálogosde preconceitos, às vezes nem originais, masherdados de outros povos. Com o passar dotempo, já nem os reconhecemos como tal, mas aspalavras em que resultaram enriquecem e dãocaráter histórico ao idioma. Privar a língua dessadinâmica é torná-la uma língua morta. http://pt.wikipedia.org/wiki/Parquet Acesso em04/03/2012.
  11. 11. Poema de Arnaldo Antunespublicado em “Nomes” http://www.arnaldoantunes.com.br/s ec_livros_imagens.php?id=130 Acesso em 12/01/2012.

×