Colheita de dados   Entrevista                Prof. Luís Pedro
Tipos de perguntasPerguntas abertas:Fazem o doente expressar sentimentos , opiniões e ideias;Ajudam o técnico de reabili...
Tipos de perguntasPERGUNTAS FECHADASProvocam respostas do tipo sim ou não ou respostas com uma ou duaspalavras.Limitam o...
Directrizes a seguir nas perguntas fechadas1 – Faça uma pergunta directa de cada vez;Evite bombardear o doente com listas ...
Técnicas especiais de comunicaçãoAs técnicas de sucesso numa situação podem ser eficazes noutrasineficazes.Silencio.Estim...
Técnicas especiais de comunicação(cont)  Facilitação.Técnica de comunicação em que as respostas encorajam odoente a falar...
Técnicas especiais de comunicação(cont)       Reflexão:Consiste em repetir parte do que o doente acabou de dizer.A refle...
Técnicas especiais de comunicação(cont)   Esclarecimento :Emprega-se para tirar duvidas quando a informaçãoé confusa, vag...
Técnicas especiais de comunicação(cont)  ResumoIndica a reafirmação das informações dadas pelo doente.Assegura que os da...
Teor da história de saúde   1-DADOS BIOGRÁFICOS:Obter informações biográficas do doente(nome, morada,data de nascimento, ...
Teor da história de saúde(cont)   2-Queixa principal.Identificar o motivo pelo qual o doente procura atendimentomedico na...
Teor da história de saúde(cont) 3- História ClínicaPerguntar ao doente sobre problemas clínicos anteriores (HTA, diabetes....
Teor da história de saúde(cont)4 -Historia FamiliarQuestionar o doente sobre a saúde da sua família é uma boa maneira de ...
Teor da história de saúde(cont)6-AVD’sDieta e eliminação;Questione o doente sobre o seu apetite, dietas especiais, alerg...
Situações especificas1-Doente caladoO técnico não tem de se sentir obrigado a manter um fluxo de conversa.O silencio pode ...
Situações Especificas(cont)3-Doente ansiosoA ansiedade é uma emoção frequente durante períodos de doença ou tratamentos.EX...
Situações especificas(cont)5-Doente Confuso  Suspeita de transtorno neurológico, realize a entrevista com um  familiar.6 -...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Colheita de dados

534 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
534
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Colheita de dados

  1. 1. Colheita de dados Entrevista Prof. Luís Pedro
  2. 2. Tipos de perguntasPerguntas abertas:Fazem o doente expressar sentimentos , opiniões e ideias;Ajudam o técnico de reabilitação a colher mais informação;Encorajam a relação terapêutica entre técnico e o doente(mostra que o técnico dereabilitação está interessado no que o doente diz).EX: “Porque veio ao hospital hoje à noite?”“Como explica os problemas que está tendo com a respiração?”“Como tem passado Sr.. Miguel?”“Quais são os problemas dos seus pulmões ,outros membros da família também têmesses problemas?”
  3. 3. Tipos de perguntasPERGUNTAS FECHADASProvocam respostas do tipo sim ou não ou respostas com uma ou duaspalavras.Limitam o desenvolvimento da relação entre o técnico de reabilitação e odoente,Podem ajudar a focar pontos específicos, mas não proporcionam umaoportunidade para que o doente elabore.EX: “O Sr. fica com falta de ar?;”“O Sr. é o único membro da família com problemas pulmonares?”
  4. 4. Directrizes a seguir nas perguntas fechadas1 – Faça uma pergunta directa de cada vez;Evite bombardear o doente com listas longas:EX: “O Sr. Miguel teve dor, visão dupla, lacrimejando ou vermelhão nos olhos?”Evitar perguntas duplasEX:”A Sra. Margarida faz exercícios e dieta para perder peso.?”2- Usar linguagem que o doente entenda; Usar linguagem regional ou dialectos.EX: “constipação” significa nariz entupido , para outros significa ausência de evacuar.
  5. 5. Técnicas especiais de comunicaçãoAs técnicas de sucesso numa situação podem ser eficazes noutrasineficazes.Silencio.Estimula o doente continuar a falar e ao técnico a oportunidadede avaliar a habilidade que ele tem de organizar os pensamentos,O doente terá tempo para pensar e organizar o que deseja dizersem ser interrompido.O silencio dá a chance de observar o doente sem obstruçõesregistando formas de comportamento não verbais.O silencio dá tempo para planear a abordagem seguinte.
  6. 6. Técnicas especiais de comunicação(cont) Facilitação.Técnica de comunicação em que as respostas encorajam odoente a falar mais, continuando a sua história.EX: “hummm- humm, continue, vá em frente”.Estas respostas mostram ao doente que o técnico dereabilitação está interessado.EX: Acenar com a cabeça, deslocar a cadeira para a frente, usaras mãos para gesticular.“sim, estou a ouvi-lo”“Por favor, continue”
  7. 7. Técnicas especiais de comunicação(cont) Reflexão:Consiste em repetir parte do que o doente acabou de dizer.A reflexão pode ajudar na expressão de sentimentos queestejam por detrás das respostas do doente .Confere ao doente a oportunidade de reconsiderar aresposta e acrescentar informações.EX: Estou aqui por causa da minha urina . Está difícilEstá difícil?
  8. 8. Técnicas especiais de comunicação(cont) Esclarecimento :Emprega-se para tirar duvidas quando a informaçãoé confusa, vaga ou mal compreendida.EX:”Eu não suporto isto.”Resposta: “O que é que você não aguenta?”ou“o que você quer dizer com”eu não suporto isto?””O doente tem a oportunidade de se esclarecer.
  9. 9. Técnicas especiais de comunicação(cont) ResumoIndica a reafirmação das informações dadas pelo doente.Assegura que os dados colhidos são precisos e completos.Indica que a entrevista está a terminar .Condensa os factos e apresenta uma visão geral de como interpretouo problema ou necessidade de saúde.conclusãoTérminos da entrevista dá ao doente oportunidade de organizar os pensamentos eestabelecer quaisquer interacções finais.EX: Eu acho que tenho todas as informações que preciso. Tem mais alguma coisa aacrescentar?”
  10. 10. Teor da história de saúde 1-DADOS BIOGRÁFICOS:Obter informações biográficas do doente(nome, morada,data de nascimento, idade, estado civil, religião enacionalidade.)Assistência médica, se recebeu algum tratamento paraaquele problema
  11. 11. Teor da história de saúde(cont) 2-Queixa principal.Identificar o motivo pelo qual o doente procura atendimentomedico naquele momento.Perguntar como e quando os sintomas se desenvolveram.O que levou o doente a procurar atendimento médico.Como o problema afecta a sua vida e o desempenho das suasfunções.
  12. 12. Teor da história de saúde(cont) 3- História ClínicaPerguntar ao doente sobre problemas clínicos anteriores (HTA, diabetes.Questões típicas:“Você já foi hospitalizado?”“Quais foram as doenças de infância?”“Tem todas as vacinas em dia?”“Está a fazer algum tratamento? Você já foi operado?”“Está tomando alguma medicação?”“Teve alguma alergia ambiental ou provocada por medicamentos?”
  13. 13. Teor da história de saúde(cont)4 -Historia FamiliarQuestionar o doente sobre a saúde da sua família é uma boa maneira de descobriro risco de ter certas doenças.Pode haver doenças geneticamente ligadas(cardiovascular, cancro, etc)“algum membro da família tem diabetes, HTA , etc” 5-Historia psicossocialIndagar sobre a sua profissão,Nível de escolaridade,Estratégias para lidar com os problemas,Sistemas de apoioEX: “Como lidou com os problemas de saúde anteriores?” “Mora perto de instituições de saúde?”
  14. 14. Teor da história de saúde(cont)6-AVD’sDieta e eliminação;Questione o doente sobre o seu apetite, dietas especiais, alergiasalimentares,Frequência de evacuações ;uso de laxantes.Exercício físico e sonoPergunte ao seu doente se tem um programa de exercíciosfísicos.Pergunte quantas horas dorme por noite, se acordadescansado.
  15. 15. Situações especificas1-Doente caladoO técnico não tem de se sentir obrigado a manter um fluxo de conversa.O silencio pode ter muitos significados;Devemos mostrar-se atenciosos e incentivar quando for necessário2-Doente tagarelaDar enfoque ao que parece mais importante para o doenteInterromper, se necessário, mas educadamente.
  16. 16. Situações Especificas(cont)3-Doente ansiosoA ansiedade é uma emoção frequente durante períodos de doença ou tratamentos.EX. sentar-se de modo tenso,Transpirar;Tremer,Suspirar com frequênciaEncorajar o doente a falar de outro problema qualquer.4-Doente que choraPode sinalizar emoções fortes, como tristeza, raiva, ou frustração.Deve deixar o doente chorar .Ofereça um lenço de papel….
  17. 17. Situações especificas(cont)5-Doente Confuso Suspeita de transtorno neurológico, realize a entrevista com um familiar.6 -Doentes hostis, irados Ouvir sem mostrar desaprovação; Manter uma postura serena, reservada e não ameaçadora, geralmente acalma o doente Se falhar, peça ajuda.

×