<br />CURSO DE LICENCIATURA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS <br />           Dourados - MS<br />  Junho 2011<br />    PERCORRENDO ...
Ciências biológicas trabalho de invertebrados ii
Ciências biológicas trabalho de invertebrados ii
Ciências biológicas trabalho de invertebrados ii
Ciências biológicas trabalho de invertebrados ii
Ciências biológicas trabalho de invertebrados ii
Ciências biológicas trabalho de invertebrados ii
Ciências biológicas trabalho de invertebrados ii
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ciências biológicas trabalho de invertebrados ii

1.359 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.359
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ciências biológicas trabalho de invertebrados ii

  1. 1. <br />CURSO DE LICENCIATURA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS <br /> Dourados - MS<br /> Junho 2011<br /> PERCORRENDO A CHAVE DE IDENTIFICAÇÃO DE INSETOS, <br />E ESPLICANDO AS PRINCIPAIS CARACTERISTICAS DAS ORDENS.<br />Djalma Pereira Moraes RGM: 21064<br /> <br /> Trabalho realizado como exigência na disciplina de Invertebrados II, para a graduação em Ciências Biológicas da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS.<br /> <br /> <br /> Dourados - MS<br /> Junho 2011<br />37738052349500Borboleta.<br />Chave de identificação: 1; 2’; 8’; 13’; 13(8’).<br />Ordem: Lepidóptera<br />Características: <br />Borboletas são animais pertencentes à Ordem Lepidoptera, divididas em cinco famílias: Hesperiidae, Papilionidae, Pieridae, Nymphalidae e Lycaenidae.<br />De corpo mole, com diversas estruturas sensoriais, e cobertas por escamas pigmentadas, estas criaturas aladas possuem peças bucais adaptadas para sugar o néctar de flores, auxiliando, neste ato, à polinização de tais estruturas reprodutivas. Flores vistosas, e com odor forte e adocicado, são as mais atrativas para elas.<br />As borboletas são diurnas; e passam por estágios bem definidos, até se tornarem adultas, quando são capazes de se reproduzir e completar seu ciclo de vida. São eles: ovo, larva, pupa, imago e adulto. Durante o período larval, também são chamadas de lagartas; e as pupas, de crisálidas.<br />Na maioria desses estágios, as borboletas podem apresentar colorações que, ecologicamente falando, se tornam muito importantes: coloração de aviso (ou aposematismo): cores fortes, geralmente em tons vermelhos, amarelos, laranjas e/ou pretos, anunciando a um futuro predador que possivelmente possuem veneno ou sabor ruim; cores miméticas: o indivíduo se apresenta semelhante a outro animal, potencialmente perigoso ou impalatável; e coloração críptica: coloração semelhante ao ambiente, permitindo sua camuflagem. As lagartas também podem apresentar pelos que causam irritação no corpo do predador, ao encostá-las, e também estruturas que eliminam odores tóxicos.<br />Em razão de tais peculiaridades, suas interações nas teias alimentares, e também por serem muito sensíveis a alterações ambientais, as borboletas são animais de grande interesse científico. Em muitos casos, sua presença ou ausência, em locais específicos, pode indicar a qualidade ambiental, sendo tal parâmetro um argumento viável para estabelecer estratégias de conservação naquela área.<br />435419520066000<br />Besouro.<br />Chave de identificação: 1; 2(1); 3’; 4’; 6’; 7(6’).<br />Ordem: coleóptera.<br />Características:<br />A principal característica dos coleópteros são as asas anteriores duras (élitros), que não servem para o vôo e funcionam como um estojo que cobre e proteje o par de asas posteriores. Daí o nome coleóptero, do grego koleos, "estojo", e pteron "asa". Em alguns casos, as asas são muito diminutas ou de todo ausentes. Outra característica distintiva é o aparelho bucal de tipo mastigador, ou seja, a boca apresenta mandíbulas bem desenvolvidas. Os demais traços físicos são extremamente variados: forma, tamanho e número de segmentos das antenas; tipos de olhos (por vezes ausentes); forma e estrutura das pernas (adaptadas a funções específicas como nadar, cavar e saltar) etc.<br />Quanto à forma de reprodução, a maioria das espécies é ovípara. Os ovos são postos em troncos em decomposição, excrementos e diversos outros tipos de ambientes. O ciclo vital dos coleópteros inclui um processo de metamorfose completa (holometabolismo): do ovo surge a larva, que, após algumas ecdises (mudas), se transforma em pupa; esta, após determinado período, dá origem ao inseto adulto. As larvas, geralmente ativas, têm pés e se locomovem.<br />Também os hábitos dos coleópteros são muito variados: há espécies aquáticas (das quais a maior parte é de água doce), semi-aquáticas e terrestres, de hábitos diurnos ou noturnos. Certas espécies se alimentam de matéria vegetal, como plantas ou madeira de árvores doentes ou mortas. Existem espécies predadoras -- que caçam insetos ou outros animais --, e há aquelas que se nutrem de carne em decomposição ou de excrementos. Alguns coleópteros vivem em associação com outros animais, como formigas ou térmites, ou são parasitas, como os meloídeos.<br />4469130-127000Mosca. <br />Chave de identificação: 1; 2’; 8(2’); 9’; 10’; 11’.<br />Ordem: díptera.<br />Características: <br />Os Diptera constituem uma das maiores ordens de insetos e seus representantes abundam em indivíduos e espécies em quase todos os lugares. A maioria dos Diptera distingue-se prontamente dos outros insetos alados por terem apenas um par de asas; este corresponde ao par anterior, transformando-se o posterior em pequenas estruturas clavadas denominadas halteres ou balancins, que funcionam como órgãos de equilíbrio. Alguns insetos de outras ordens também têm apenas um par de asas (algumas efeméridas, alguns besouros e outros), mas em nenhum destes o par posterior reduz-se a halteres. É uma das maiores ordens de insetos, com cerca de 100 famílias descritas e aproximadamente 85.000 espécies conhecidas.<br />A maioria dos Diptera compõe-se de insetos relativamente pequenos e de corpo mole, alguns são muito pequenos e muitos têm grande importância econômica. Os pernilongos, borrachudos, mutucas, moscas dos estábulos e outros são hematófagos e alguns dos saprófagos, como a mosca doméstica e as varejeiras, são vetores importantes de doenças; os organismos que causam a malária, a febre amarela, a filariose, o dengue, a doença do sono, a febre tifóide, a desinteria e outras moléstias são transportados e disseminados por dípteros.<br />A cabeça geralmente é sub esférica, possuindo dois olhos compostos e três ocelos (que podem faltar). Antenas podem ser tri ou pluri segmentadas (seis a 18). As peças bucais dos dípteros formam a tromba ou probóscide; são do tipo sugador. O tórax é formado quase exclusivamente pelo mesotórax, uma vez que o pró e o metatórax são reduzidos. Dorsalmente só se nota o mesonoto. Este consta de três partes: o pré-escudo, o escudo e o escutelo, não havendo, a não ser nos tipos mais conservadores, separação nítida entre os dois primeiros. Atrás do escutelo vem o pós-escutelo ou metaescutelo. As asas têm origem no mesotórax e são providas de várias nervuras e células importantes na sua classificação.<br />32905702095500Libélula.<br />Chave de identificação: 1;2’; 8’; 13’; 14’; 15’; 25(15’); 26(25).<br />Ordem: Odonata.<br />Características:<br />Os odonatos são os insetos vulgarmente conhecidos pelos nomes: "lavadeira" ou "lavandeira", "lava bunda" e "cavalo de judeu". Na fase adulta apresentam cabeça grande, olhos e peças bucais mastigadoras bem desenvolvidas, antenas muito curtas e setiformes, quatro asas grandes e reticuladas e abdômen cilindroide, cilíndrico ou deprimido, mais ou menos alongado. São insetos anfibioticos, hemimetabolicos e predadores.<br />Cabeça em geral, muito grande, livre, bastante movel e mais ou menos escavada na região ocipital. Olhos facetados mui salientes. Protorax pequeno, livre. Mesotorax e metatorax solidamente unidos ( synthor ax) , apresentando pleuritos e esternitos bem desenvolvidos e dirigidos para diante.<br />38830258128000Pulga. <br />Chave de identificação: 1’; 30(1’); 31(30); 32(31).<br />Ordem: siphonaptera<br />Características:<br />São pequenos insetos ápteros ectoparasitos obrigatórios.parasitam principalmente mamíferos e aves, podendo atingir de 1 a 10 mm de comprimento. apresentam corpo fortemente comprimido lateralmente, o que facilita sua locomoção entre os pêlos do hospedeiro. (CORSEUIL, 2003). Fora do hospedeiro movimentam-se aos saltos, de 30 a 40cm de distância. <br />A cabeça é do tipo hipognata, curta e prolonga-se em lâmina sobre o pronoto. Olhos quando presentes, laterais, cada um transformado em um grande ocelo. Verdadeiros ocelos ausentes.Há também nela a presença de ctenídios: espinhos fortemente quitinizados, dispostos em filas, que ajudam na sistemática destes insetos( podem ocorrer também ctenídios pronotais).<br />Antenas são curtas e constam, cada uma, de três segmentos: escapo, pedicelo e clava e estas se apresentam inseridas acima e atrás do olho correspondente. em repouso a antena aloja-se numa goteira ou sulco, dirigida para baixo e para trás.<br /> Aparelho bucal picador sugador. Em ambos os sexos, as peças bucais são adaptadas para a perfuração do tegumento e sucção de sangue, constituidas por: um labro-epifaringe, um par de mandíbulas, um par de maxilas com palpos e um par de palpos labiais. As mandíbulas são as únicas peças perfuradoras, dispõem-se de cada lado do labro-epifaringe e com ele forma o canal sugador, por onde o sangue passa.<br />O tórax, com esterno reduzido devido à forte compressão do corpo. Abdome Constituido por 10 segmentos imbricados, sendo presentes espiráculos respiratórios nos urômeros 2 a 7. No 9° tergito, há uma região sensorial de aspecto característico, chamado pygidium ou placa sensorial, presente em ambos os sexos.<br />Bibliografia.<br />RUPPERT, Edward E. & Robert D. Barnes. 1996. Zoologia dos Invertebrados, 6a. Edição. Editora Roca Ltda. São Paulo.<br />Disponivel em: http://www.insecta.ufv.br/Entomologia/cien/sistematica/resumo/comuns.html acessado em: 14/ jun/2011.<br />Disponível em: http://www.uftm.edu.br/upload/ensino/AVIdiscentomologia090313203451.pdf acesso em: 12/jun/2011.<br />Disponível em: http://www.ufmt.br/famev/ento/caracter.htm#Lep acessado em: 14/jun/ 2011.<br />Disponível em: http://ferananet.blogspot.com/2010/02/importancia-ecologica-da-borboleta.html acessado em: 14/ jun/2011.<br />

×