SlideShare uma empresa Scribd logo

Diz Jornal - Edição 201

Diz Jornal edição 201 - Leia e fique informado sobre política, cultura, games e internet. Um jornal de opinião livre, isento de qualquer manipulação governamental. Aqui tem informação Rogerinho.

1 de 8
Baixar para ler offline
Niterói
22/06 a 06/07/18
www.dizjornal.com
Zona Sul, eânica e Centro de NiteróiOc
2ª Quinzena
Nº 201
de Junho
Ano 10
de 2018
BárbaraNogueira*Foto:JulioCerino
Edição Online Para Um Milhão e Oitocentos Mil Leitores
Circula por 15 dias 16 Mil Exemplares Impressos
Diz: A Verdade Escrita
Diretor Responsável: Edgard Fonseca
Página 03
das Eleições
As Incertezas
e Dúvidas
2018.
Niterói
22/06 a 06/07/18
www.dizjornal.com
2
Informes
Expediente
Edgard Fonseca Comunicação Ltda.
R Otavio Carneiro 143/704 - Niterói/RJ.
Diretor/Editor: Edgard Fonseca
Registro Profíssional MT 29931/RJ
Distribuição, circulação e logística:
Ernesto Guadelupe
Diagramação: Eri Alencar
Impressão: Tribuna | Tiragem 16.000 exemplares
Redação do Diz
R. Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói,
RJ - Tel: 3628-0552 |9613-8634
CEP 24.020-270
dizjornal@hotmail.com
www.dizjornal.com
Os artigos assinados são de integral e absoluta
responsabilidade dos autores.
Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores
Distribuidora Guadalupe
25 Anos de bons serviços
Jornais Alternativos - Revistas - Folhetos - Encartes
Demonstração de Placas Sinalizadoras
Entrega de Encomendas e Entregas Seletivas
Niterói - Rio de Janeiro - São Gonçalo - Itaboraí - Teresópolis - Petrópolis - Maricá - Macaé
guadajornalista1@gmail.com
21 - 98111-0289
96474-3808 | 96467-3995
97407-97707
DG
No dia 15 de junho, passado, completaram 60 anos de casados, o advogado Luiz
Gonzaga Moreira Desmarais e Therezinha Restum Desmarais (foto). Desta união
vieram filhos e netos, dentro da harmonia que os conduziu por seis décadas.
60 Anos de Casados Posse de Rivo Gianini
Tomou posse no Ce-
náculo Fluminense de
História e Letras (presidi-
da pela professora, dou-
tora Matilde Carone Slaibi
Conti), o novo acadêmico
Rivo Gianini de Araujo. O
professor Gianini, como é
mais conhecido, foi mestre
na Faculdade de Educação
da Universidade Federal
Fluminense; é bacharel e
licenciado em Geografia
pela UFF, bacharel em Di-
reito pela Cândido Men-
des, mestre em Educação e
Administração de Sistemas
Educacionais, pela UFF. No magistério foi professor Adjunto da UFF e do programa de
Pós-Graduação em Educação e professor do Centro de Tecnologia e Humanidades da
Universidade Católica de Petrópolis.
Gianini, além da atuação como professor, foi secretário Municipal de Educação de Niterói,
Ouvidor Geral, Consultor Especial em Ciência e Tecnologia e secretário de Governo da
prefeitura de Niterói. Foi também presidente do Conselho Estadual de Educação, subse-
cretário de Educação e subsecretário de Planejamento do Sistema Escolar do Estado do
Rio de Janeiro; ainda, diretor da Associação Nacional de Política e Administração, e pre-
sidente da Associação Brasileira de Alianças Francesas e presidente do Comitê da Aliança
Francesa de Niterói.
É autor do livro: Artes Industriais para o Ensino Fundamental (1977); e co- autor de di-
versos livros publicados, incluindo o Dicionário dos Educadores Brasileiros (UFRJ-2002).
Foi saudado pela professora, doutora Marcia Pessanha, presidente da Academia Niteroien-
se de Letras. Rivo Gianini de Araujo ocupará a cadeira 23, patronímica de Alberto de
Seixas Martins Torres.
Aldo Pessanha
Rivo Gianini e Marcia Pessanha
Niterói
22/06 a 06/07/18
www.dizjornal.com
3
Documento
As Incertezas e Dúvidas nas Eleições 2018
Espaço político é para ser ocupado. Se nada fazemos
para ocupar um lugar, alguém o fará, e certamente de
forma bem pior que um dos nossos escolhidos faria.
Essa teoria que “nada presta”, que todos os políticos
são iguais, e que perderam as esperanças, é uma con-
fissão de rendição. E quem se rende, se submete aos
ditames de quem venceu; e não adianta reclamar.
Aproximam-se as eleições de 2018, onde deverão ser
eleitos os deputados Estaduais e Federais, senadores e
o presidente da República. Temos a clara necessidade
de mudanças e reformas no país, e apesar disso, existe
uma expressiva parte da população que se mostra reativa
e desorganizada, achando que estão “protestando” con-
tra a situação atual; mas, em verdade estão criando um
ambiente propício aos políticos profissionais que terão
o benefício do voto nulo ou anulado, que só provoca
inércia e diminuição da resistência a eles. O campo de
ação fica menor e é mais fácil para quem dispõem de
instrumentos e bem montadas estruturas eleitoreiras.
É certo que os repetidos escândalos políticos de corrup-
ção, ausência da ética e da prática republicana, provo-
caram um imenso desencanto e descaso, e muita gente
desiste de lutar. Daí prolifera iniciativas equivocadas que
pregam (ainda que aleatoriamente) a desordem e a de-
sistência, que não contribuem e ainda atrapalham.
Baseado no conceito de que “quem cala consente”,
quando anulamos ou votamos em branco, simbolica-
mente estamos “passando uma procuração” para aque-
les que vão se eleger por falta de confronto com outros
candidatos que poderiam nos representar.
Chico D’Ângelo Paulo Bagueira
Paulo Eduardo Gomes Sergio Zveiter
As Razões do Mal
Em primeiro lugar precisamos entender que
estes sentimentos de desconfiança e de desa-
grado geral que temos, são legítimos e justifi-
cáveis. Entretanto, a nossa história enquanto
povo, aceitando resignadamente e sem reação
adequada aos delitos, nos levou a este “fundo
de poço”. Somos todos responsáveis conjun-
tamente, na medida em que aceitamos políti-
cos e governos sem combatê-los frontalmente
pelo uso dessas práticas. Repetimos votações
equivocadas e permitimos a perpetuação des-
te quadro.
O que vivemos atualmente é apenas a soma
de todos os erros e da nossa anuência aos fa-
tos, ainda que por desinformação, conformis-
mo e até mesmo por nos misturarmos a este
caldo de cultura oportunista e corrupta, nos
beneficiando direta ou indiretamente dessas
práticas. Somos, todos, vítimas da nossa falta
de compreensão dos mecanismos, pela incor-
porada cultura do beneficiamento oportuno e
pela inércia que se perpetua quando votamos
em branco, anulamos o voto, perpetramos a
abstenção, ou votamos por interesses pesso-
ais; e ainda pior, quando vendemos o voto.
É claro que somos mais vítimas do que culpa-
dos, mas quando abandonamos a luta contra
os maus políticos estamos concordando si-
lenciosos, e eles vão fazer exatamente o que
quiserem, resultando no caos que nos encon-
tramos.
A raiz de tudo está na nossa falta de edu-
cação (proposital e conveniente), desinforma-
ção e desinteresse, que resulta na paralisação
permissiva. É um absoluto engano achar que
as pessoas nos fazem mal porque querem e
nos tornamos presas fáceis. A verdade é que
nós sempre permitimos que nos fizessem mal.
Mas, só fazem porque permitimos que fizes-
sem. A nossa permissão é a nossa parcela de
culpa nesses casos.
Estranhos Comportamentos
Há no Brasil, e especialmente no Estado do
Rio de Janeiro, um estranho silêncio obse-
quioso. É como se estivéssemos esperando
o desfecho de uma grave situação. Há uma
espécie de “parada de observação” onde
muitos olhos esperam o desabamento de
uma grande edificação. Fazemos esta analo-
gia por considerarmos que existe um imenso
temor de que algo, mais grave ainda, vá nos
acontecer. É preciso salientar que esta ma-
nobra manipuladora e intencional de reduzir
o tempo de campanha eleitoral, só beneficia
aos maus políticos articulados, ou pelo me-
nos, a quem tem mandato; com equipes de
gabinete, verbas de representação e muitos
“cabos eleitorais”. Com os legais 45 dias de
campanha é inteiramente impossível para um
candidato sem estrutura conseguir eleger-se.
A outra questão é o temor dos políticos de
serem julgados pelo eleitor e pela Justiça por
abuso de poder econômico. Daí existe uma
farsa em curso nas redes sociais onde alguns
candidatos pedem doações aos eleitores, pela
proibição das empresas de fazerem doações,
e festejam parcas quantias como se fosse vi-
tória. É uma piada vermos políticos comemo-
rando o recebimento de cinco mil reais. Esta
quantia não paga os custos de alimentação
e transporte das equipes no dia da eleição.
Esta limitação financeira vai conduzir (irrecu-
savelmente), os políticos para o famoso caixa
dois. E como as empresas também estão com
medo de fazer doações, os valores existentes
no mercado é o dinheiro ilegal, vindo do tráfi-
co de drogas, armas e das milícias. Este é um
fator de agravamento da situação atual, onde
certamente haverá avanço de poder das milí-
cias, elegendo “seus representantes”. O que
se constitui num retrocesso e põe em risco,
ainda mais, a estabilidade das instituições e
da sociedade. Estamos caminhando para uma
situação similar a da Colômbia, onde o narco-
tráfico e as organizações paramilitares cresce-
ram e passaram a mandar em circunstâncias
parecidas.
As Incertezas
Como tudo parece incerto, poucos políticos
estão fazendo movimentos de pré-campanha,
que é legítima e permitida. Para tomarmos
como referência a cidade de Niterói, obser-
vamos tímidas “pré-campanhas”. Apenas o
deputado Federal Chico D’Ângelo (PDT),
fez oficialmente o lançamento da sua “pré-
-campanha” no clube Canto do Rio, (e rece-
beu o apoio do deputado Estadual Waldeck
Carneiro); e o vereador Paulo Eduardo Go-
mes (PSOL) que é pré-candidato a deputado
Federal, fez uma plenária com correligioná-
rios onde anunciou a sua candidatura. Feli-
pe Peixoto (PSD) faz alguns encontros com
cabos eleitorais e comunicou pelo Whatsapp
a sua “largada” para candidatar-se a deputado
Estadual.
O deputado Comte Bittencourt (PPS) tem
recebido apoio para reuniões familiares, ofe-
recidas por amigos, onde ele pode falar de re-
alizações do mandato, e visita diretórios mu-
nicipais do seu partido no interior do Estado,
pois é presidente estadual do Partido. O de-
putado Flavio Serafini (PSOL), está silencioso,
não é visto e nem circula, além das perdas
familiares (falecimento do irmão). O vereador
Bruno Lessa (PSDB) visita diretórios do seu
partido em municípios do interior, confiando
na obtenção de apoios, e prepara-se para os
45 dias da disputa objetivando uma cadeira
na ALERJ. A vereadora Talíria Petrone, é pré-
-candidata a deputado Federal, e embora seja
de Niterói, foca sua eleição no eleitorado do
Rio de Janeiro, numa proposta de substituição
no vazio da luta e espaço que era da vereado-
ra assassinada, Marielle Franco.
Outras candidaturas, como a do vereador
Leonardo Giordano (PCdoB), candidato a
governador, a do vereador Paulo Bagueira
(SDD) a deputado Estadual, vereador Sandro
Araújo (PPS) a deputado Federal e do Vere-
ador Carlos Jordy (PSL), a Federal, afirmam
suas candidaturas, mas dentro das suas bases.
Não se vê movimento intenso de pré-cam-
panha. O deputado Federal Sergio Zveiter
(DEM), que tem sua base eleitoral em Niterói,
e será possivelmente candidato ao senado,
ainda não fez o lançamento da sua candida-
tura, o que resulta em dúvidas no eleitorado.
Outros tantos, não serão citados aqui diante
da incerteza e falta de informação explícita. A
eleição e as convenções estão próximas, mas
declaradamente, alguns não se posicionam
efetivamente. Certamente estão aguardando
os últimos minutos das convenções partidá-
rias para se declararem candidatos.
O quadro de incertezas e marasmo eleitoral
vai tropeçar nos 45 dias da campanha. Uma
corrida de cem metros, onde muitos não con-
seguirão explicar seus objetivos e o insucesso
de alguns é previsível. Muita gente conheci-
da vai perder feio nessa eleição. Existem re-
sistências no eleitorado e é preciso quebrar
esta inércia, ou a derrota será em larga esca-
la. Perdem os políticos sem fôlego, e perdem
os eleitores. Uma cadeira na ALERJ vai ser
muito disputada; como talvez nunca foi. Vai
ser uma eleição muito difícil e de resultados
inesperados. Além deste modelo eleitoral que
cria muitas dificuldades na soma proporcional
dos votos. Quanto maior o Partido, mais di-
fícil vai ficar. Uma deprimente constatação e
uma perspectiva sombria para representação
da cidade. Certamente teremos menos repre-
sentantes do município (em todas as cadeiras)
no próximo mandato.
Uma Catástrofe a Jato
O deputado licenciado e presidente da ALERJ
Jorge Picianni (MDB), após a sua prisão e re-
condução para cumprir pena em prisão do-
miciliar em função de problemas de saúde,
reavaliou a situação e a prisão ainda em vi-
gor do seu filho. Ciente das dificuldades está
conversando com os procuradores para fazer
uma delação premiada. Este fato novo, que
possivelmente vai atenuar as acusações con-
tra seu filho, vai derrubar meio mundo: tanto
político, quanto jurídico e social. Em vinte
anos de poder absoluto Picianni construiu um
castelo de dados e ramificações que poderão,
se saírem as informações antes do pleito elei-
toral, mudar o panorama da eleição. Se ele
falar tudo que sabe, a ALERJ jamais será a
mesma. Tem muita gente graúda (em todos
os seguimentos) coçando a cabeça, e outros
tantos em estado total de diarréia continuada.
Niterói
22/06 a 06/07/18
www.dizjornal.com
4
Cultura
Paulo Roberto Cecchetti cecchettipaulo@gmail.com
annaperet@gmail.com
DIZ pra mim... (que eu conto)
Anna Carolina Peret
Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores
Ufanista
E
u adoro uma linda história de amor.
Adoro mesmo! Quem me conhece,
pensa até que eu sou uma pessoa
mais fria e distante. Porém, na verdade,
eu sou uma manteiga derretida, patética e
sentimental. Sou das antigas, sonhadora e
piegas. Dessa forma, como vocês podem
imaginar, eu adoro uma boa comédia ro-
mântica. Nada mais natural que uma cinéfi-
la emotiva adorar se debulhar em lágrimas
por algum filme meloso! E o Brasil, que du-
rante anos dominou apenas a arte de gravar
produções de época ou thrillers de violên-
cia, está se aventurando, cada vez mais
(e com grande desenvoltura, diga-se de
passagem), neste gênero tão fofo! E eu es-
tou muito orgulhosa do meu país por isso.
Estamos crescendo e amadurecendo, cada
vez mais, nossa indústria cinematográfica.
Faz tempo que nossos filmes perderam a
cara de amadores... Não somos mais ro-
tuláveis. Não dá mais para simplesmente
“torcer o nariz” quando escutamos que tal
longa é “nacional”. Muito pelo contrário.
Quando descubro que tem produção bra-
sileira no cinema, sinto atração e não re-
púdio. Pode ser um momento ufanista, eu
admito! Todavia, não há nada mais lindo do
que amar a sua própria pátria pelo que ela
é; pelo que ela produz e pelas pessoas que
a representam.
Por tudo que foi dito, desejo destacar nes-
te texto o longa “Talvez Uma História De
Amor”. E digo logo: quem curtiu “Brilho
Eterno De Uma Mente Sem Lembranças”,
filme norte-americano de 2004, protago-
nizado pelo excelente casal Kate Winslet e
Jim Carrey, vai sentir nítidas referências na
telona. Isso porque, a produção nacional
narra a história de um homem que, aparen-
temente, perdeu a memória de uma forma
bastante inusitada, uma vez que a única
coisa que ele esqueceu foi do seu relacio-
namento. Em um determinado dia, ele che-
ga em casa e encontra um recado na sua
caixa postal. Era sua namorada terminando
o romance. O problema é
que ele não se lembrava
dela! Todas as pessoas ao
redor conhecem ambos e
sabem que os dois esta-
vam se relacionando. Ele,
entretanto, é o único que
“não sabia” e passa a vi-
ver esse dilema!
O drama, que tem nítidos
tons de comédia, torna-
-se singular por conta do
elenco afiado, encabe-
çado pelo talentoso Ma-
teus Solano. Auxiliando-o na empreitada
de conquistar a plateia com doçura, estão
nomes de peso como Thaila Ayala, Elisa
Lucinda, Juliana Didone e Totia Meirelles.
Vale a pena ressaltar que dois atores se des-
tacam por acrescentar (e muito!) no aspec-
to cômico da história: Bianca Comparato
e Marco Luque. É comédia de bom gosto,
feita por quem sabe fazer. Esta dupla arrasa
e “quebra a seriedade” percebida em al-
guns momentos mais delicados do roteiro.
Uma questão interessante na direção acer-
tada de Rodrigo Bernardo (detalhe que este
é seu longa de estreia) é a sua não tentativa
de fazer sorrir ou chorar. Nada é forçado.
O que reina é a leveza. Obviamente, que a
segurança cênica de Mateus Solano auxilia
o diretor nesta empreitada. É por ser des-
pretensioso que o filme conquista! Quero
ainda destacar o trabalho minucioso e fan-
tástico do diretor ao escolher a trilha sono-
ra. Ele a utiliza como um recurso narrativo.
As canções não estão presentes apenas
como uma forma de dar dinamismo. Muito
pelo contrário. As “aventuras” do protago-
nista são abrilhantadas com músicas que
embalam os mais diversos momentos. Pra
se ter uma ideia, ao assistir ao filme, é pos-
sível ouvir Charlie Brown Jr. e Frank Sinatra.
Um contraste? Sim, mas que não se dá de
forma gratuita. Há contexto e timing. Um
artificio cinematográfico aplicado de forma
fantástica e acertada!
Como é possível perceber, eu estou apaixo-
nada por “Talvez Uma História De Amor”.
Morro de orgulho em saber que meu pais
está cada vez mais afinado na Sétima Arte.
Sinto-me igualmente feliz, pois, vejo gran-
de amadurecimento dos nossos atores que
deixaram de ser estrelas restritas à esfera
das novelas. Não temos mais apenas uma
listinha de artistas que fazem cinema. Não!
Hoje, nossos atores estão cada vez mais
completos e podem variar suas mídias sem
medo. E eu continuo aqui, babando como
sempre!
- Até 22 de julho, com entrada franca, o público poderá
apreciar a exposição "Quem semeia vento, colhe lindas tar-
des de amor", de Leuna Guimarães dos Santos, na Galeria
de Arte UFF (Rua Miguel de Frias, nº 9 - Icaraí). Visitação
de 2ª a 6ª feira, das 10 às 21 horas; sábados e domingos,
das 13 às 21 horas.
- A Aliança Francesa de Niterói/AFN (Rua Lopes Trovão, nº
52 - 2º andar - Icaraí), apresenta a 7ª edição do Prix Photo
Web. A exposição de fotografias, cujo tema foi “Família(s)”,
fica aberta ao público até 11 de agosto, com visitação de
2ª a 6ª, das 9 às 20:30horas, e aos sábados, das 9 às 12h.
Também na AFN acontece a exibição da animação 'Adama',
de Simon Rouby, dia 29 de junho, às 19horas.
- A Sala José Cândido de Carvalho (Rua Presidente Pe-
dreira, nº 98 - Ingá) apresenta, até 9 de julho, o projeto
'Olho Vivo - Fotografia', que completa 15 anos, com uma
formação voltada à educação. Visitação gratuita de 2ª a 6ª
feira, das 9 às 17h.
- A Sala de Cultura Leila Diniz (Rua Professor Heitor Car-
rilho, nº 81 - Centro) comemora seus 7 anos de existência
com uma exposição coletiva de todos os trabalhos apre-
sentados nesse período de funcionamento. Visitação de 06
a 27 de julho, de 2ª a 6ª feira, das 10 às 17h. Imperdível!
- A Academia Niteroiense de Letras/ANL recebeu homena-
gem do representante do Ministério da Cultura, Matheus
Quintal, pelos 75 anos da sua fundação.
Aldo Pessanha
Niterói
22/06 a 06/07/18
www.dizjornal.com
5
Edgard Fonsecaedgardfonseca22@hotmail.com
Uma Tragédia Anunciada
A
pesar dos avisos, o compadrio
de Ministros da Suprema Corte
com algumas lideranças políti-
cas (nem sempre confiáveis) desenham
um “grande acordo nacional” em prol
da impunidade. Haja vista a absolvição
da senadora e presidente nacional do
PT Gleisi Hoffman, que nem era para
ser julgada pelo Supremo Tribunal, pois
o crime foi cometido em 2010, quando
ela ainda não tinha qualquer mandato.
Ela e seu marido (?) Paulo Bernardo, que foi ministro petista, são acusados muitos delitos.
Entretanto, diante da absurda dependência de três ministros, anula-se o trabalho exaustivo
de centenas de policiais federais, que investigam e colhem provas irrefutáveis e dezenas de
procuradores que vasculham provas e dão legalidade a toda investigação. Os réus ainda
vão responder a outras três acusações, com inquéritos em andamento. Talvez não consi-
gam novos “acordos” e proteção, e a justiça seja feita. Esta impunidade em gestação pre-
tendida é o que vislumbram fazer no caso do presidiário (com regalias) Lula da Silva, que
restou provada a sua culpa, foi julgado por um juiz de primeira instância, com sentença
revalidada e aumentada por um colegiado de juízes na 2ª Instância; remetido ao Superior
Tribunal Federal, que concorda com todo o feito, para chegar ao Supremo Tribunal, onde
apenas três “juízes ministros” podem simplesmente reformar a sentença, dita “Sem Pro-
vas”, e invalidar todo trabalho de tanta gente. São capazes de livrar o condenado da pena,
ameaçando toda ordem jurídica brasileira. Será uma humilhação e uma afronta para tantos,
policiais federais, juízes, promotores, desembargadores e ministros do Superior Tribunal
Federal. Independente de cuspir no rosto de toda população honesta deste país.
Se assim for, para ser “justo”, que se mande soltar todos os criminosos do Brasil! Afinal
o país acabou!
Pobre Não Entra
F
ico me perguntando como o pobre do Rio de Janeiro pode pedir ligação de água,
esgoto e energia.
E não me venham com conversa de “taxa social” ou “ligação popular”, pois inde-
pendente da localização estão cobrando muito caro. Uma ligação de água e esgoto, sem
qualquer dificuldade, no bairro de Itaipu custa R$1.900,00. E a ligação de energia é ainda
mais complicada, pois existe a condicionante de montar o “padrão”, com um poste de
ferro, e com o serviço feito por empresa terceirizada, indicada pela Enel. Esta primeira fase
custa quase mil reais. Depois ainda paga-se pela instalação do relógio, mais R$700,00.
Eles alegam que não é obrigatório fazer a “montagem” com a empresa que eles indicam.
Mas, que haverá uma inspeção e a Enel “é muito exigente”. Ou seja, se não fizer dessa for-
ma vai haver dificuldades na aprovação para a instalação do medidor. E, mais, se no futuro
houver um problema de sobre carga e queimar algum aparelho, a culpa vai ser sempre do
eletricista que não é “autorizado” pela companhia. Daí é mais seguro fazer com quem eles
indicam. Agora, que sugere venda casada (que é ilegal), sugere sim!
Injustificável e Cruel
F
ico perplexo ao deparar-me com as notícias
dos Estados Unidos, onde um presidente des-
pótico manda confinar crianças, separadas dos
pais, por serem imigrantes ilegais. Ficam durante o
dia em compartimentos, que mais parecem jaulas.
Esta prática cruel é para punir duramente os ilegais,
humilhando-os, mais ainda, e sem piedade colocam
estas crianças durante o dia em abrigos coletivos
longe das suas famílias. À noite, elas são encaminha-
das para casa de famílias que acolhem temporaria-
mente estas crianças por humanidade e solidarieda-
de. Os pais dessas crianças ficam presos, apartadas de seus filhos.
Não quero discutir políticas internas de outros países, e entendo até que punam os ilegais
com deportação, e que sejam deportados todos os familiares juntos. Mas, usar as crianças
como meio de barganha e pressão é simplesmente imoral. Somente um tirano sem escrú-
pulos faz uma barbaridade dessas.
N
em só de trabalho e atenção com a classe dos advogados vive Claudio Vianna.
Uma parada de lazer, mas com espírito de torcedor brasileiro e pai dedicado, vi-
brando junto com seu filho Vítor. Família que torce unida permanece unida.
Torcedores do Brasil
Acadêmico Rivo Gianini
T
omou posse na cadeira 23 do Cenáculo Fluminense de História e Letras o pro-
fessor Rivo Gianini de Araujo. Após a posse seguiu-se um refinado coquetel. Na
foto, a filha Marcela e a esposa Maria Eugênia.
Lewandowski e Toffoli
Aldo Pessanha
Marcela, Maria Eugênia e Rivo Gianini
Vitor e Claudio Vianna
Niterói
22/06 a 06/07/18
www.dizjornal.com
6
Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com
Fernando de Farias Mello
Fernando Mello, Advogado
www.fariasmelloberanger.com.br
e-mail: fmelloadv@gmail.com
Cristiano Ronaldo X Neymar
N
ão adianta ficar cheio de mimimi.
Temos que fazer sempre um com-
parativo quando o assunto é Copa
do Mundo. Mas, gostaria de fazer um com-
parativo social entre jogadores de futebol.
Não posso deixar de comentar que o Cris-
tiano Ronaldo, muito conhecido como
CR7, chegou com tudo nesta Copa. E ele
é muito mais que um jogador excelente. O
CR7 é um ser humano íntegro e faz coisas
que surpreendem os tupiniquins.
Poucos sabem que a alma deste sujeito é
boníssima, um cara de coração muito bom
e que usa o seu (excesso) de dinheiro para
praticar muita caridade, fazendo questão de
comparecer na execução em muitas o de-
las. Isso tudo sem a presença da imprensa e
sem mais registros fotográficos.
Um homem verdadeiramente de família,
Cristiano Ronaldo vai muito além de um fi-
lho famoso. É aquele filho que faz questão
de estar em família sempre que pode.
Outra qualidade é ter muitos filhos e dar a
atenção a todos, e consegue estar sempre
presente, mesmo diante das suas inúmeras
dificuldades por conta da agenda tumultua-
da de compromissos.
CR7 também mantém todos os seus impos-
tos em dia, é um cidadão português que
traz orgulho para os seus compatriotas.
Sim, CR7 também é um homem vaidoso ao
extremo, se olhando nos telões dos estádios
sempre que pode, verificando o penteado
impecável. É o seu “defeito” mais conhe-
cido.
O que vejo em vídeos que recebo é sem-
pre um Cristiano dando atenção especial às
crianças e muito mais às crianças deficientes
ou simplesmente emocionadas de encontrar
seu ídolo.
Cristiano Ronaldo é um senhor atleta. Trei-
na muito mais que seus companheiros e,
portanto possuiu um vigor físico que dese-
quilibra nas partidas. Vê-se com facilidade
que ele corre mais que a maioria dos za-
gueiros. Por isso, o seu sucesso em campo.
Vamos ao nosso Neymar. O que dizer dele?
Pessoalmente, considero
um dos melhores jogado-
res de futebol do mundo,
mas está muito atrás do
CR7.
O Neymar ainda não atin-
giu a maturidade. Sim, ele
é bem mais novo que a
maioria dos atletas nota 10
do mundo, como Messi,
por exemplo.
Mas o nosso Neymar tem
um perfil de garoto que
quer mais sucesso, mas
não sabe como encontrar.
Está super-desorientado
e nesse quesito culpo a
educação “mais ou menos”
proveniente do seu pai.
Acabei de ler que Neymar
levou para a Rússia dois ca-
beleireiros para cuidar do
seu rebelde cabelo cheio
de curvas, cores, gel… Sei
lá. Coisa típica de jogado-
res brasileiros, esses caras
cheios de coisas diferentes.
Reparem que já são mino-
ria e tratados como genta-
lha pela imprensa mundial.
O pior para eles é que a
mulherada não gosta des-
ses cabelos exagerados.
Nem na moda estão esses
jogadores canarinhos.
Neymar é um jogado habilidoso, gosto de
vê-lo jogar bola, com aquela facilidade na-
tural. Um craque dentro dos campos quan-
do não cai fingindo ter recebido uma fal-
ta… É um exagerado que um dia vai assistir
a atuação do CR7 com carinho e verificar
que é esse o caminho.
Neymar deve muitos milhões de reais em
impostos. É algo típico do caráter raso de
nós brasileiros. Por outro lado, os impostos
são escrachantes, mas não justifica a falta
de pagamento.
Posso não ter sido justo nas minhas avalia-
ções. Mas é o que vejo, leio e assisto na TV.
Não será somente a quantidade de gols e
Ferraris que vai convencer brasileiros que o
jogador é bom, ou melhor, do mundo. Mas
a sua atuação fora do campo conta muito.
Preciso ressaltar que Neymar não aparece
em escândalos, mas está sempre em festa,
em baladas e etc. É porque é um jovem?
Pode ser mesmo. Fazer caridade? Hum…
Neymar quando faz chama o Fantástico.
Cristiano Ronaldo, com suas atitudes exem-
plares fora do campo já ganhou a Copa
para mim. Ganhou a Copa do ser humano
solidário. Isso basta para montar um caráter
irrepreensível.
Já Neymar… “Pode isso Arnaldo?”
Que ganhemos a Copa e voltemos logo
para a realidade nacional.

Recomendados

Com social numero 02
Com social numero 02Com social numero 02
Com social numero 02Carlos Amaro
 
Relatório Anual 2019 da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da ALERJ
Relatório Anual 2019 da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da ALERJRelatório Anual 2019 da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da ALERJ
Relatório Anual 2019 da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da ALERJAscomRenata
 
O Dia Digital - INOCENTE NA CADEIA
O Dia Digital - INOCENTE NA CADEIAO Dia Digital - INOCENTE NA CADEIA
O Dia Digital - INOCENTE NA CADEIAODiaMais
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

JORNAL DO MUNICIPIO - JULHO 2014
JORNAL DO MUNICIPIO - JULHO 2014JORNAL DO MUNICIPIO - JULHO 2014
JORNAL DO MUNICIPIO - JULHO 2014Pery Salgado
 
Luciana Santos na tribuna
Luciana Santos na tribuna Luciana Santos na tribuna
Luciana Santos na tribuna Jamildo Melo
 
Carta de Lula a congressos estaduais do PT
Carta de Lula a congressos estaduais do PTCarta de Lula a congressos estaduais do PT
Carta de Lula a congressos estaduais do PTJornal do Commercio
 
Como Pernambuco aparece no Atlas da Violência 2017
Como Pernambuco aparece no Atlas da Violência 2017Como Pernambuco aparece no Atlas da Violência 2017
Como Pernambuco aparece no Atlas da Violência 2017Portal NE10
 
CARTA DO POVO BRASILEIRO -GRITO DAS RUAS
CARTA DO POVO BRASILEIRO -GRITO DAS RUASCARTA DO POVO BRASILEIRO -GRITO DAS RUAS
CARTA DO POVO BRASILEIRO -GRITO DAS RUASMarcos Hermano Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Jornal digital 17-02-17
Jornal digital 17-02-17Jornal digital 17-02-17
Jornal digital 17-02-17
 
Diz Jornal - Edição 190
Diz Jornal - Edição 190Diz Jornal - Edição 190
Diz Jornal - Edição 190
 
Diz Jornal - Edição 255
Diz Jornal - Edição 255Diz Jornal - Edição 255
Diz Jornal - Edição 255
 
Jornal digital 03 09-18
Jornal digital 03 09-18Jornal digital 03 09-18
Jornal digital 03 09-18
 
Trablho para pdf novo
Trablho para pdf novoTrablho para pdf novo
Trablho para pdf novo
 
Em defesa-do-pt-grafica
Em defesa-do-pt-graficaEm defesa-do-pt-grafica
Em defesa-do-pt-grafica
 
JORNAL DO MUNICIPIO - JULHO 2014
JORNAL DO MUNICIPIO - JULHO 2014JORNAL DO MUNICIPIO - JULHO 2014
JORNAL DO MUNICIPIO - JULHO 2014
 
Jornal digital 28 11-2018
Jornal digital 28 11-2018Jornal digital 28 11-2018
Jornal digital 28 11-2018
 
Luciana Santos na tribuna
Luciana Santos na tribuna Luciana Santos na tribuna
Luciana Santos na tribuna
 
Jornal digital 17 10-17
Jornal digital 17 10-17Jornal digital 17 10-17
Jornal digital 17 10-17
 
Jornal digital 5045_qui_17112016
Jornal digital 5045_qui_17112016Jornal digital 5045_qui_17112016
Jornal digital 5045_qui_17112016
 
Jornal digital 5057 seg_05122016
Jornal digital 5057 seg_05122016Jornal digital 5057 seg_05122016
Jornal digital 5057 seg_05122016
 
Jornal digital 4935_qui_09062016
Jornal digital 4935_qui_09062016Jornal digital 4935_qui_09062016
Jornal digital 4935_qui_09062016
 
Jornal digital 15-03-17
Jornal digital 15-03-17Jornal digital 15-03-17
Jornal digital 15-03-17
 
Atlas da Violência 2018
Atlas da Violência 2018Atlas da Violência 2018
Atlas da Violência 2018
 
Carta de Lula a congressos estaduais do PT
Carta de Lula a congressos estaduais do PTCarta de Lula a congressos estaduais do PT
Carta de Lula a congressos estaduais do PT
 
Atlas da violencia_2017
Atlas da violencia_2017Atlas da violencia_2017
Atlas da violencia_2017
 
Como Pernambuco aparece no Atlas da Violência 2017
Como Pernambuco aparece no Atlas da Violência 2017Como Pernambuco aparece no Atlas da Violência 2017
Como Pernambuco aparece no Atlas da Violência 2017
 
Jornal digital 25 07-18
Jornal digital 25 07-18Jornal digital 25 07-18
Jornal digital 25 07-18
 
CARTA DO POVO BRASILEIRO -GRITO DAS RUAS
CARTA DO POVO BRASILEIRO -GRITO DAS RUASCARTA DO POVO BRASILEIRO -GRITO DAS RUAS
CARTA DO POVO BRASILEIRO -GRITO DAS RUAS
 

Semelhante a Diz Jornal - Edição 201

Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02
Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02
Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02Lauro Andrade Oliveira
 
A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza Pereira
A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza PereiraA propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza Pereira
A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza PereiraMonitor Científico FaBCI
 
Jornal O Coreto maio 2016 - ed.11
Jornal O Coreto   maio 2016 - ed.11Jornal O Coreto   maio 2016 - ed.11
Jornal O Coreto maio 2016 - ed.11Jobenemar Carvalho
 
Plebiscito Jornal
Plebiscito JornalPlebiscito Jornal
Plebiscito JornalJulio Turra
 
MUDAR O PT PARA CONTINUAR MUDANDO O BRASIL
MUDAR O PT PARA CONTINUAR MUDANDO O BRASILMUDAR O PT PARA CONTINUAR MUDANDO O BRASIL
MUDAR O PT PARA CONTINUAR MUDANDO O BRASILRui Falcão
 
Jornal Inconfidência - Edição 198
Jornal Inconfidência - Edição 198Jornal Inconfidência - Edição 198
Jornal Inconfidência - Edição 198Lucio Borges
 
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o Leão
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o LeãoIRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o Leão
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o LeãoOscar Lopes da Silva
 

Semelhante a Diz Jornal - Edição 201 (20)

Diz Jornal - Edição 250
Diz Jornal - Edição 250Diz Jornal - Edição 250
Diz Jornal - Edição 250
 
Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02
Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02
Jornal Com Social edição de Setembro 2013 n. 02
 
Diz Jornal - Edição 232
Diz Jornal - Edição 232Diz Jornal - Edição 232
Diz Jornal - Edição 232
 
Diz Jornal - Edição 211
Diz Jornal - Edição 211Diz Jornal - Edição 211
Diz Jornal - Edição 211
 
Diz114
Diz114Diz114
Diz114
 
Diz Jornal - Edição 200
Diz Jornal - Edição 200Diz Jornal - Edição 200
Diz Jornal - Edição 200
 
Diz Jornal 248
Diz Jornal 248Diz Jornal 248
Diz Jornal 248
 
A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza Pereira
A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza PereiraA propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza Pereira
A propaganda eleitoral no Brasil - Cristiano Neves de Souza Pereira
 
Diz Jornal - Edição 228
Diz Jornal - Edição 228Diz Jornal - Edição 228
Diz Jornal - Edição 228
 
Diz Jornal - Edição 209
Diz Jornal - Edição 209Diz Jornal - Edição 209
Diz Jornal - Edição 209
 
Jornal O Coreto maio 2016 - ed.11
Jornal O Coreto   maio 2016 - ed.11Jornal O Coreto   maio 2016 - ed.11
Jornal O Coreto maio 2016 - ed.11
 
Plebiscito Jornal
Plebiscito JornalPlebiscito Jornal
Plebiscito Jornal
 
Diz Jornal Edição 175
Diz Jornal Edição 175Diz Jornal Edição 175
Diz Jornal Edição 175
 
MUDAR O PT PARA CONTINUAR MUDANDO O BRASIL
MUDAR O PT PARA CONTINUAR MUDANDO O BRASILMUDAR O PT PARA CONTINUAR MUDANDO O BRASIL
MUDAR O PT PARA CONTINUAR MUDANDO O BRASIL
 
Diz Jornal - Edição 195
Diz Jornal - Edição 195Diz Jornal - Edição 195
Diz Jornal - Edição 195
 
Jornal Inconfidência - Edição 198
Jornal Inconfidência - Edição 198Jornal Inconfidência - Edição 198
Jornal Inconfidência - Edição 198
 
Caderno de pauta 004
Caderno de pauta 004Caderno de pauta 004
Caderno de pauta 004
 
Diz Jornal - Edição 253
Diz Jornal - Edição 253Diz Jornal - Edição 253
Diz Jornal - Edição 253
 
Diz Jornal 181
Diz Jornal 181Diz Jornal 181
Diz Jornal 181
 
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o Leão
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o LeãoIRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o Leão
IRPF 2024: Se prepare e não se assuste com o Leão
 

Mais de dizjornal jornal

Mais de dizjornal jornal (20)

Diz Jornal - Edição 266
Diz Jornal - Edição 266Diz Jornal - Edição 266
Diz Jornal - Edição 266
 
Diz Jornal - Edição 265
Diz Jornal - Edição 265Diz Jornal - Edição 265
Diz Jornal - Edição 265
 
Diz Jornal - Edição 264
Diz Jornal - Edição 264Diz Jornal - Edição 264
Diz Jornal - Edição 264
 
Diz Jornal - Edição 263
Diz Jornal - Edição 263Diz Jornal - Edição 263
Diz Jornal - Edição 263
 
Diz Jornal 262
Diz Jornal 262Diz Jornal 262
Diz Jornal 262
 
Diz Jornal - Edição 261
Diz Jornal - Edição 261Diz Jornal - Edição 261
Diz Jornal - Edição 261
 
Diz Jornal Edição 260
Diz Jornal Edição 260Diz Jornal Edição 260
Diz Jornal Edição 260
 
Diz Jornal 259
Diz Jornal 259Diz Jornal 259
Diz Jornal 259
 
Diz Jornal - Edição 258
Diz Jornal - Edição 258Diz Jornal - Edição 258
Diz Jornal - Edição 258
 
Diz Jornal - Edição 256
Diz Jornal - Edição 256Diz Jornal - Edição 256
Diz Jornal - Edição 256
 
Diz Jornal 254
Diz Jornal 254Diz Jornal 254
Diz Jornal 254
 
Diz Jornal - Edição 252
Diz Jornal - Edição 252Diz Jornal - Edição 252
Diz Jornal - Edição 252
 
Diz jornal - Edição 251
Diz jornal - Edição 251Diz jornal - Edição 251
Diz jornal - Edição 251
 
Diz Jornal - Edição 249
Diz Jornal - Edição 249Diz Jornal - Edição 249
Diz Jornal - Edição 249
 
Diz Jornal - Edição 247
Diz Jornal - Edição 247Diz Jornal - Edição 247
Diz Jornal - Edição 247
 
Diz Jornal - Edição 246
Diz Jornal - Edição 246Diz Jornal - Edição 246
Diz Jornal - Edição 246
 
Diz Jornal Edição 245
Diz Jornal Edição 245Diz Jornal Edição 245
Diz Jornal Edição 245
 
Diz Jornal - Edição 244
Diz Jornal - Edição 244Diz Jornal - Edição 244
Diz Jornal - Edição 244
 
Diz Jornal - 243
Diz Jornal - 243Diz Jornal - 243
Diz Jornal - 243
 
Diz Jornal - Edição 242
Diz Jornal - Edição 242Diz Jornal - Edição 242
Diz Jornal - Edição 242
 

Diz Jornal - Edição 201

  • 1. Niterói 22/06 a 06/07/18 www.dizjornal.com Zona Sul, eânica e Centro de NiteróiOc 2ª Quinzena Nº 201 de Junho Ano 10 de 2018 BárbaraNogueira*Foto:JulioCerino Edição Online Para Um Milhão e Oitocentos Mil Leitores Circula por 15 dias 16 Mil Exemplares Impressos Diz: A Verdade Escrita Diretor Responsável: Edgard Fonseca Página 03 das Eleições As Incertezas e Dúvidas 2018.
  • 2. Niterói 22/06 a 06/07/18 www.dizjornal.com 2 Informes Expediente Edgard Fonseca Comunicação Ltda. R Otavio Carneiro 143/704 - Niterói/RJ. Diretor/Editor: Edgard Fonseca Registro Profíssional MT 29931/RJ Distribuição, circulação e logística: Ernesto Guadelupe Diagramação: Eri Alencar Impressão: Tribuna | Tiragem 16.000 exemplares Redação do Diz R. Cônsul Francisco Cruz, nº 3 Centro - Niterói, RJ - Tel: 3628-0552 |9613-8634 CEP 24.020-270 dizjornal@hotmail.com www.dizjornal.com Os artigos assinados são de integral e absoluta responsabilidade dos autores. Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores Distribuidora Guadalupe 25 Anos de bons serviços Jornais Alternativos - Revistas - Folhetos - Encartes Demonstração de Placas Sinalizadoras Entrega de Encomendas e Entregas Seletivas Niterói - Rio de Janeiro - São Gonçalo - Itaboraí - Teresópolis - Petrópolis - Maricá - Macaé guadajornalista1@gmail.com 21 - 98111-0289 96474-3808 | 96467-3995 97407-97707 DG No dia 15 de junho, passado, completaram 60 anos de casados, o advogado Luiz Gonzaga Moreira Desmarais e Therezinha Restum Desmarais (foto). Desta união vieram filhos e netos, dentro da harmonia que os conduziu por seis décadas. 60 Anos de Casados Posse de Rivo Gianini Tomou posse no Ce- náculo Fluminense de História e Letras (presidi- da pela professora, dou- tora Matilde Carone Slaibi Conti), o novo acadêmico Rivo Gianini de Araujo. O professor Gianini, como é mais conhecido, foi mestre na Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense; é bacharel e licenciado em Geografia pela UFF, bacharel em Di- reito pela Cândido Men- des, mestre em Educação e Administração de Sistemas Educacionais, pela UFF. No magistério foi professor Adjunto da UFF e do programa de Pós-Graduação em Educação e professor do Centro de Tecnologia e Humanidades da Universidade Católica de Petrópolis. Gianini, além da atuação como professor, foi secretário Municipal de Educação de Niterói, Ouvidor Geral, Consultor Especial em Ciência e Tecnologia e secretário de Governo da prefeitura de Niterói. Foi também presidente do Conselho Estadual de Educação, subse- cretário de Educação e subsecretário de Planejamento do Sistema Escolar do Estado do Rio de Janeiro; ainda, diretor da Associação Nacional de Política e Administração, e pre- sidente da Associação Brasileira de Alianças Francesas e presidente do Comitê da Aliança Francesa de Niterói. É autor do livro: Artes Industriais para o Ensino Fundamental (1977); e co- autor de di- versos livros publicados, incluindo o Dicionário dos Educadores Brasileiros (UFRJ-2002). Foi saudado pela professora, doutora Marcia Pessanha, presidente da Academia Niteroien- se de Letras. Rivo Gianini de Araujo ocupará a cadeira 23, patronímica de Alberto de Seixas Martins Torres. Aldo Pessanha Rivo Gianini e Marcia Pessanha
  • 3. Niterói 22/06 a 06/07/18 www.dizjornal.com 3 Documento As Incertezas e Dúvidas nas Eleições 2018 Espaço político é para ser ocupado. Se nada fazemos para ocupar um lugar, alguém o fará, e certamente de forma bem pior que um dos nossos escolhidos faria. Essa teoria que “nada presta”, que todos os políticos são iguais, e que perderam as esperanças, é uma con- fissão de rendição. E quem se rende, se submete aos ditames de quem venceu; e não adianta reclamar. Aproximam-se as eleições de 2018, onde deverão ser eleitos os deputados Estaduais e Federais, senadores e o presidente da República. Temos a clara necessidade de mudanças e reformas no país, e apesar disso, existe uma expressiva parte da população que se mostra reativa e desorganizada, achando que estão “protestando” con- tra a situação atual; mas, em verdade estão criando um ambiente propício aos políticos profissionais que terão o benefício do voto nulo ou anulado, que só provoca inércia e diminuição da resistência a eles. O campo de ação fica menor e é mais fácil para quem dispõem de instrumentos e bem montadas estruturas eleitoreiras. É certo que os repetidos escândalos políticos de corrup- ção, ausência da ética e da prática republicana, provo- caram um imenso desencanto e descaso, e muita gente desiste de lutar. Daí prolifera iniciativas equivocadas que pregam (ainda que aleatoriamente) a desordem e a de- sistência, que não contribuem e ainda atrapalham. Baseado no conceito de que “quem cala consente”, quando anulamos ou votamos em branco, simbolica- mente estamos “passando uma procuração” para aque- les que vão se eleger por falta de confronto com outros candidatos que poderiam nos representar. Chico D’Ângelo Paulo Bagueira Paulo Eduardo Gomes Sergio Zveiter As Razões do Mal Em primeiro lugar precisamos entender que estes sentimentos de desconfiança e de desa- grado geral que temos, são legítimos e justifi- cáveis. Entretanto, a nossa história enquanto povo, aceitando resignadamente e sem reação adequada aos delitos, nos levou a este “fundo de poço”. Somos todos responsáveis conjun- tamente, na medida em que aceitamos políti- cos e governos sem combatê-los frontalmente pelo uso dessas práticas. Repetimos votações equivocadas e permitimos a perpetuação des- te quadro. O que vivemos atualmente é apenas a soma de todos os erros e da nossa anuência aos fa- tos, ainda que por desinformação, conformis- mo e até mesmo por nos misturarmos a este caldo de cultura oportunista e corrupta, nos beneficiando direta ou indiretamente dessas práticas. Somos, todos, vítimas da nossa falta de compreensão dos mecanismos, pela incor- porada cultura do beneficiamento oportuno e pela inércia que se perpetua quando votamos em branco, anulamos o voto, perpetramos a abstenção, ou votamos por interesses pesso- ais; e ainda pior, quando vendemos o voto. É claro que somos mais vítimas do que culpa- dos, mas quando abandonamos a luta contra os maus políticos estamos concordando si- lenciosos, e eles vão fazer exatamente o que quiserem, resultando no caos que nos encon- tramos. A raiz de tudo está na nossa falta de edu- cação (proposital e conveniente), desinforma- ção e desinteresse, que resulta na paralisação permissiva. É um absoluto engano achar que as pessoas nos fazem mal porque querem e nos tornamos presas fáceis. A verdade é que nós sempre permitimos que nos fizessem mal. Mas, só fazem porque permitimos que fizes- sem. A nossa permissão é a nossa parcela de culpa nesses casos. Estranhos Comportamentos Há no Brasil, e especialmente no Estado do Rio de Janeiro, um estranho silêncio obse- quioso. É como se estivéssemos esperando o desfecho de uma grave situação. Há uma espécie de “parada de observação” onde muitos olhos esperam o desabamento de uma grande edificação. Fazemos esta analo- gia por considerarmos que existe um imenso temor de que algo, mais grave ainda, vá nos acontecer. É preciso salientar que esta ma- nobra manipuladora e intencional de reduzir o tempo de campanha eleitoral, só beneficia aos maus políticos articulados, ou pelo me- nos, a quem tem mandato; com equipes de gabinete, verbas de representação e muitos “cabos eleitorais”. Com os legais 45 dias de campanha é inteiramente impossível para um candidato sem estrutura conseguir eleger-se. A outra questão é o temor dos políticos de serem julgados pelo eleitor e pela Justiça por abuso de poder econômico. Daí existe uma farsa em curso nas redes sociais onde alguns candidatos pedem doações aos eleitores, pela proibição das empresas de fazerem doações, e festejam parcas quantias como se fosse vi- tória. É uma piada vermos políticos comemo- rando o recebimento de cinco mil reais. Esta quantia não paga os custos de alimentação e transporte das equipes no dia da eleição. Esta limitação financeira vai conduzir (irrecu- savelmente), os políticos para o famoso caixa dois. E como as empresas também estão com medo de fazer doações, os valores existentes no mercado é o dinheiro ilegal, vindo do tráfi- co de drogas, armas e das milícias. Este é um fator de agravamento da situação atual, onde certamente haverá avanço de poder das milí- cias, elegendo “seus representantes”. O que se constitui num retrocesso e põe em risco, ainda mais, a estabilidade das instituições e da sociedade. Estamos caminhando para uma situação similar a da Colômbia, onde o narco- tráfico e as organizações paramilitares cresce- ram e passaram a mandar em circunstâncias parecidas. As Incertezas Como tudo parece incerto, poucos políticos estão fazendo movimentos de pré-campanha, que é legítima e permitida. Para tomarmos como referência a cidade de Niterói, obser- vamos tímidas “pré-campanhas”. Apenas o deputado Federal Chico D’Ângelo (PDT), fez oficialmente o lançamento da sua “pré- -campanha” no clube Canto do Rio, (e rece- beu o apoio do deputado Estadual Waldeck Carneiro); e o vereador Paulo Eduardo Go- mes (PSOL) que é pré-candidato a deputado Federal, fez uma plenária com correligioná- rios onde anunciou a sua candidatura. Feli- pe Peixoto (PSD) faz alguns encontros com cabos eleitorais e comunicou pelo Whatsapp a sua “largada” para candidatar-se a deputado Estadual. O deputado Comte Bittencourt (PPS) tem recebido apoio para reuniões familiares, ofe- recidas por amigos, onde ele pode falar de re- alizações do mandato, e visita diretórios mu- nicipais do seu partido no interior do Estado, pois é presidente estadual do Partido. O de- putado Flavio Serafini (PSOL), está silencioso, não é visto e nem circula, além das perdas familiares (falecimento do irmão). O vereador Bruno Lessa (PSDB) visita diretórios do seu partido em municípios do interior, confiando na obtenção de apoios, e prepara-se para os 45 dias da disputa objetivando uma cadeira na ALERJ. A vereadora Talíria Petrone, é pré- -candidata a deputado Federal, e embora seja de Niterói, foca sua eleição no eleitorado do Rio de Janeiro, numa proposta de substituição no vazio da luta e espaço que era da vereado- ra assassinada, Marielle Franco. Outras candidaturas, como a do vereador Leonardo Giordano (PCdoB), candidato a governador, a do vereador Paulo Bagueira (SDD) a deputado Estadual, vereador Sandro Araújo (PPS) a deputado Federal e do Vere- ador Carlos Jordy (PSL), a Federal, afirmam suas candidaturas, mas dentro das suas bases. Não se vê movimento intenso de pré-cam- panha. O deputado Federal Sergio Zveiter (DEM), que tem sua base eleitoral em Niterói, e será possivelmente candidato ao senado, ainda não fez o lançamento da sua candida- tura, o que resulta em dúvidas no eleitorado. Outros tantos, não serão citados aqui diante da incerteza e falta de informação explícita. A eleição e as convenções estão próximas, mas declaradamente, alguns não se posicionam efetivamente. Certamente estão aguardando os últimos minutos das convenções partidá- rias para se declararem candidatos. O quadro de incertezas e marasmo eleitoral vai tropeçar nos 45 dias da campanha. Uma corrida de cem metros, onde muitos não con- seguirão explicar seus objetivos e o insucesso de alguns é previsível. Muita gente conheci- da vai perder feio nessa eleição. Existem re- sistências no eleitorado e é preciso quebrar esta inércia, ou a derrota será em larga esca- la. Perdem os políticos sem fôlego, e perdem os eleitores. Uma cadeira na ALERJ vai ser muito disputada; como talvez nunca foi. Vai ser uma eleição muito difícil e de resultados inesperados. Além deste modelo eleitoral que cria muitas dificuldades na soma proporcional dos votos. Quanto maior o Partido, mais di- fícil vai ficar. Uma deprimente constatação e uma perspectiva sombria para representação da cidade. Certamente teremos menos repre- sentantes do município (em todas as cadeiras) no próximo mandato. Uma Catástrofe a Jato O deputado licenciado e presidente da ALERJ Jorge Picianni (MDB), após a sua prisão e re- condução para cumprir pena em prisão do- miciliar em função de problemas de saúde, reavaliou a situação e a prisão ainda em vi- gor do seu filho. Ciente das dificuldades está conversando com os procuradores para fazer uma delação premiada. Este fato novo, que possivelmente vai atenuar as acusações con- tra seu filho, vai derrubar meio mundo: tanto político, quanto jurídico e social. Em vinte anos de poder absoluto Picianni construiu um castelo de dados e ramificações que poderão, se saírem as informações antes do pleito elei- toral, mudar o panorama da eleição. Se ele falar tudo que sabe, a ALERJ jamais será a mesma. Tem muita gente graúda (em todos os seguimentos) coçando a cabeça, e outros tantos em estado total de diarréia continuada.
  • 4. Niterói 22/06 a 06/07/18 www.dizjornal.com 4 Cultura Paulo Roberto Cecchetti cecchettipaulo@gmail.com annaperet@gmail.com DIZ pra mim... (que eu conto) Anna Carolina Peret Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores Ufanista E u adoro uma linda história de amor. Adoro mesmo! Quem me conhece, pensa até que eu sou uma pessoa mais fria e distante. Porém, na verdade, eu sou uma manteiga derretida, patética e sentimental. Sou das antigas, sonhadora e piegas. Dessa forma, como vocês podem imaginar, eu adoro uma boa comédia ro- mântica. Nada mais natural que uma cinéfi- la emotiva adorar se debulhar em lágrimas por algum filme meloso! E o Brasil, que du- rante anos dominou apenas a arte de gravar produções de época ou thrillers de violên- cia, está se aventurando, cada vez mais (e com grande desenvoltura, diga-se de passagem), neste gênero tão fofo! E eu es- tou muito orgulhosa do meu país por isso. Estamos crescendo e amadurecendo, cada vez mais, nossa indústria cinematográfica. Faz tempo que nossos filmes perderam a cara de amadores... Não somos mais ro- tuláveis. Não dá mais para simplesmente “torcer o nariz” quando escutamos que tal longa é “nacional”. Muito pelo contrário. Quando descubro que tem produção bra- sileira no cinema, sinto atração e não re- púdio. Pode ser um momento ufanista, eu admito! Todavia, não há nada mais lindo do que amar a sua própria pátria pelo que ela é; pelo que ela produz e pelas pessoas que a representam. Por tudo que foi dito, desejo destacar nes- te texto o longa “Talvez Uma História De Amor”. E digo logo: quem curtiu “Brilho Eterno De Uma Mente Sem Lembranças”, filme norte-americano de 2004, protago- nizado pelo excelente casal Kate Winslet e Jim Carrey, vai sentir nítidas referências na telona. Isso porque, a produção nacional narra a história de um homem que, aparen- temente, perdeu a memória de uma forma bastante inusitada, uma vez que a única coisa que ele esqueceu foi do seu relacio- namento. Em um determinado dia, ele che- ga em casa e encontra um recado na sua caixa postal. Era sua namorada terminando o romance. O problema é que ele não se lembrava dela! Todas as pessoas ao redor conhecem ambos e sabem que os dois esta- vam se relacionando. Ele, entretanto, é o único que “não sabia” e passa a vi- ver esse dilema! O drama, que tem nítidos tons de comédia, torna- -se singular por conta do elenco afiado, encabe- çado pelo talentoso Ma- teus Solano. Auxiliando-o na empreitada de conquistar a plateia com doçura, estão nomes de peso como Thaila Ayala, Elisa Lucinda, Juliana Didone e Totia Meirelles. Vale a pena ressaltar que dois atores se des- tacam por acrescentar (e muito!) no aspec- to cômico da história: Bianca Comparato e Marco Luque. É comédia de bom gosto, feita por quem sabe fazer. Esta dupla arrasa e “quebra a seriedade” percebida em al- guns momentos mais delicados do roteiro. Uma questão interessante na direção acer- tada de Rodrigo Bernardo (detalhe que este é seu longa de estreia) é a sua não tentativa de fazer sorrir ou chorar. Nada é forçado. O que reina é a leveza. Obviamente, que a segurança cênica de Mateus Solano auxilia o diretor nesta empreitada. É por ser des- pretensioso que o filme conquista! Quero ainda destacar o trabalho minucioso e fan- tástico do diretor ao escolher a trilha sono- ra. Ele a utiliza como um recurso narrativo. As canções não estão presentes apenas como uma forma de dar dinamismo. Muito pelo contrário. As “aventuras” do protago- nista são abrilhantadas com músicas que embalam os mais diversos momentos. Pra se ter uma ideia, ao assistir ao filme, é pos- sível ouvir Charlie Brown Jr. e Frank Sinatra. Um contraste? Sim, mas que não se dá de forma gratuita. Há contexto e timing. Um artificio cinematográfico aplicado de forma fantástica e acertada! Como é possível perceber, eu estou apaixo- nada por “Talvez Uma História De Amor”. Morro de orgulho em saber que meu pais está cada vez mais afinado na Sétima Arte. Sinto-me igualmente feliz, pois, vejo gran- de amadurecimento dos nossos atores que deixaram de ser estrelas restritas à esfera das novelas. Não temos mais apenas uma listinha de artistas que fazem cinema. Não! Hoje, nossos atores estão cada vez mais completos e podem variar suas mídias sem medo. E eu continuo aqui, babando como sempre! - Até 22 de julho, com entrada franca, o público poderá apreciar a exposição "Quem semeia vento, colhe lindas tar- des de amor", de Leuna Guimarães dos Santos, na Galeria de Arte UFF (Rua Miguel de Frias, nº 9 - Icaraí). Visitação de 2ª a 6ª feira, das 10 às 21 horas; sábados e domingos, das 13 às 21 horas. - A Aliança Francesa de Niterói/AFN (Rua Lopes Trovão, nº 52 - 2º andar - Icaraí), apresenta a 7ª edição do Prix Photo Web. A exposição de fotografias, cujo tema foi “Família(s)”, fica aberta ao público até 11 de agosto, com visitação de 2ª a 6ª, das 9 às 20:30horas, e aos sábados, das 9 às 12h. Também na AFN acontece a exibição da animação 'Adama', de Simon Rouby, dia 29 de junho, às 19horas. - A Sala José Cândido de Carvalho (Rua Presidente Pe- dreira, nº 98 - Ingá) apresenta, até 9 de julho, o projeto 'Olho Vivo - Fotografia', que completa 15 anos, com uma formação voltada à educação. Visitação gratuita de 2ª a 6ª feira, das 9 às 17h. - A Sala de Cultura Leila Diniz (Rua Professor Heitor Car- rilho, nº 81 - Centro) comemora seus 7 anos de existência com uma exposição coletiva de todos os trabalhos apre- sentados nesse período de funcionamento. Visitação de 06 a 27 de julho, de 2ª a 6ª feira, das 10 às 17h. Imperdível! - A Academia Niteroiense de Letras/ANL recebeu homena- gem do representante do Ministério da Cultura, Matheus Quintal, pelos 75 anos da sua fundação. Aldo Pessanha
  • 5. Niterói 22/06 a 06/07/18 www.dizjornal.com 5 Edgard Fonsecaedgardfonseca22@hotmail.com Uma Tragédia Anunciada A pesar dos avisos, o compadrio de Ministros da Suprema Corte com algumas lideranças políti- cas (nem sempre confiáveis) desenham um “grande acordo nacional” em prol da impunidade. Haja vista a absolvição da senadora e presidente nacional do PT Gleisi Hoffman, que nem era para ser julgada pelo Supremo Tribunal, pois o crime foi cometido em 2010, quando ela ainda não tinha qualquer mandato. Ela e seu marido (?) Paulo Bernardo, que foi ministro petista, são acusados muitos delitos. Entretanto, diante da absurda dependência de três ministros, anula-se o trabalho exaustivo de centenas de policiais federais, que investigam e colhem provas irrefutáveis e dezenas de procuradores que vasculham provas e dão legalidade a toda investigação. Os réus ainda vão responder a outras três acusações, com inquéritos em andamento. Talvez não consi- gam novos “acordos” e proteção, e a justiça seja feita. Esta impunidade em gestação pre- tendida é o que vislumbram fazer no caso do presidiário (com regalias) Lula da Silva, que restou provada a sua culpa, foi julgado por um juiz de primeira instância, com sentença revalidada e aumentada por um colegiado de juízes na 2ª Instância; remetido ao Superior Tribunal Federal, que concorda com todo o feito, para chegar ao Supremo Tribunal, onde apenas três “juízes ministros” podem simplesmente reformar a sentença, dita “Sem Pro- vas”, e invalidar todo trabalho de tanta gente. São capazes de livrar o condenado da pena, ameaçando toda ordem jurídica brasileira. Será uma humilhação e uma afronta para tantos, policiais federais, juízes, promotores, desembargadores e ministros do Superior Tribunal Federal. Independente de cuspir no rosto de toda população honesta deste país. Se assim for, para ser “justo”, que se mande soltar todos os criminosos do Brasil! Afinal o país acabou! Pobre Não Entra F ico me perguntando como o pobre do Rio de Janeiro pode pedir ligação de água, esgoto e energia. E não me venham com conversa de “taxa social” ou “ligação popular”, pois inde- pendente da localização estão cobrando muito caro. Uma ligação de água e esgoto, sem qualquer dificuldade, no bairro de Itaipu custa R$1.900,00. E a ligação de energia é ainda mais complicada, pois existe a condicionante de montar o “padrão”, com um poste de ferro, e com o serviço feito por empresa terceirizada, indicada pela Enel. Esta primeira fase custa quase mil reais. Depois ainda paga-se pela instalação do relógio, mais R$700,00. Eles alegam que não é obrigatório fazer a “montagem” com a empresa que eles indicam. Mas, que haverá uma inspeção e a Enel “é muito exigente”. Ou seja, se não fizer dessa for- ma vai haver dificuldades na aprovação para a instalação do medidor. E, mais, se no futuro houver um problema de sobre carga e queimar algum aparelho, a culpa vai ser sempre do eletricista que não é “autorizado” pela companhia. Daí é mais seguro fazer com quem eles indicam. Agora, que sugere venda casada (que é ilegal), sugere sim! Injustificável e Cruel F ico perplexo ao deparar-me com as notícias dos Estados Unidos, onde um presidente des- pótico manda confinar crianças, separadas dos pais, por serem imigrantes ilegais. Ficam durante o dia em compartimentos, que mais parecem jaulas. Esta prática cruel é para punir duramente os ilegais, humilhando-os, mais ainda, e sem piedade colocam estas crianças durante o dia em abrigos coletivos longe das suas famílias. À noite, elas são encaminha- das para casa de famílias que acolhem temporaria- mente estas crianças por humanidade e solidarieda- de. Os pais dessas crianças ficam presos, apartadas de seus filhos. Não quero discutir políticas internas de outros países, e entendo até que punam os ilegais com deportação, e que sejam deportados todos os familiares juntos. Mas, usar as crianças como meio de barganha e pressão é simplesmente imoral. Somente um tirano sem escrú- pulos faz uma barbaridade dessas. N em só de trabalho e atenção com a classe dos advogados vive Claudio Vianna. Uma parada de lazer, mas com espírito de torcedor brasileiro e pai dedicado, vi- brando junto com seu filho Vítor. Família que torce unida permanece unida. Torcedores do Brasil Acadêmico Rivo Gianini T omou posse na cadeira 23 do Cenáculo Fluminense de História e Letras o pro- fessor Rivo Gianini de Araujo. Após a posse seguiu-se um refinado coquetel. Na foto, a filha Marcela e a esposa Maria Eugênia. Lewandowski e Toffoli Aldo Pessanha Marcela, Maria Eugênia e Rivo Gianini Vitor e Claudio Vianna
  • 6. Niterói 22/06 a 06/07/18 www.dizjornal.com 6 Fernando Mello - fmelloadv@gmail.com Fernando de Farias Mello Fernando Mello, Advogado www.fariasmelloberanger.com.br e-mail: fmelloadv@gmail.com Cristiano Ronaldo X Neymar N ão adianta ficar cheio de mimimi. Temos que fazer sempre um com- parativo quando o assunto é Copa do Mundo. Mas, gostaria de fazer um com- parativo social entre jogadores de futebol. Não posso deixar de comentar que o Cris- tiano Ronaldo, muito conhecido como CR7, chegou com tudo nesta Copa. E ele é muito mais que um jogador excelente. O CR7 é um ser humano íntegro e faz coisas que surpreendem os tupiniquins. Poucos sabem que a alma deste sujeito é boníssima, um cara de coração muito bom e que usa o seu (excesso) de dinheiro para praticar muita caridade, fazendo questão de comparecer na execução em muitas o de- las. Isso tudo sem a presença da imprensa e sem mais registros fotográficos. Um homem verdadeiramente de família, Cristiano Ronaldo vai muito além de um fi- lho famoso. É aquele filho que faz questão de estar em família sempre que pode. Outra qualidade é ter muitos filhos e dar a atenção a todos, e consegue estar sempre presente, mesmo diante das suas inúmeras dificuldades por conta da agenda tumultua- da de compromissos. CR7 também mantém todos os seus impos- tos em dia, é um cidadão português que traz orgulho para os seus compatriotas. Sim, CR7 também é um homem vaidoso ao extremo, se olhando nos telões dos estádios sempre que pode, verificando o penteado impecável. É o seu “defeito” mais conhe- cido. O que vejo em vídeos que recebo é sem- pre um Cristiano dando atenção especial às crianças e muito mais às crianças deficientes ou simplesmente emocionadas de encontrar seu ídolo. Cristiano Ronaldo é um senhor atleta. Trei- na muito mais que seus companheiros e, portanto possuiu um vigor físico que dese- quilibra nas partidas. Vê-se com facilidade que ele corre mais que a maioria dos za- gueiros. Por isso, o seu sucesso em campo. Vamos ao nosso Neymar. O que dizer dele? Pessoalmente, considero um dos melhores jogado- res de futebol do mundo, mas está muito atrás do CR7. O Neymar ainda não atin- giu a maturidade. Sim, ele é bem mais novo que a maioria dos atletas nota 10 do mundo, como Messi, por exemplo. Mas o nosso Neymar tem um perfil de garoto que quer mais sucesso, mas não sabe como encontrar. Está super-desorientado e nesse quesito culpo a educação “mais ou menos” proveniente do seu pai. Acabei de ler que Neymar levou para a Rússia dois ca- beleireiros para cuidar do seu rebelde cabelo cheio de curvas, cores, gel… Sei lá. Coisa típica de jogado- res brasileiros, esses caras cheios de coisas diferentes. Reparem que já são mino- ria e tratados como genta- lha pela imprensa mundial. O pior para eles é que a mulherada não gosta des- ses cabelos exagerados. Nem na moda estão esses jogadores canarinhos. Neymar é um jogado habilidoso, gosto de vê-lo jogar bola, com aquela facilidade na- tural. Um craque dentro dos campos quan- do não cai fingindo ter recebido uma fal- ta… É um exagerado que um dia vai assistir a atuação do CR7 com carinho e verificar que é esse o caminho. Neymar deve muitos milhões de reais em impostos. É algo típico do caráter raso de nós brasileiros. Por outro lado, os impostos são escrachantes, mas não justifica a falta de pagamento. Posso não ter sido justo nas minhas avalia- ções. Mas é o que vejo, leio e assisto na TV. Não será somente a quantidade de gols e Ferraris que vai convencer brasileiros que o jogador é bom, ou melhor, do mundo. Mas a sua atuação fora do campo conta muito. Preciso ressaltar que Neymar não aparece em escândalos, mas está sempre em festa, em baladas e etc. É porque é um jovem? Pode ser mesmo. Fazer caridade? Hum… Neymar quando faz chama o Fantástico. Cristiano Ronaldo, com suas atitudes exem- plares fora do campo já ganhou a Copa para mim. Ganhou a Copa do ser humano solidário. Isso basta para montar um caráter irrepreensível. Já Neymar… “Pode isso Arnaldo?” Que ganhemos a Copa e voltemos logo para a realidade nacional.
  • 7. Niterói 22/06 a 06/07/18 www.dizjornal.com 7 Conexões erialencar.arte@gmail.com E! Games dizjornal@hotmail.com Novo & Velho Resident Evil O mundo dos games está em furor com a divulgação das primeiras imagens e vídeos da nova versão do “velho” game Resident Evil 2. Lança- do para plataformas modernas, o clássico renascido usa pontos altos da franquia e reinventa o clássico de terror para a nova geração. A Nova versão do clássico de terror ‘Re- sident Evil 2’ será lançada apenas em 25 de janeiro de 2019, e pela publicidade a Capcom reconstruiu a cidade de Raccoon City com a tecnologia usada em ‘Resident Evil 7’, com a perspectiva de ‘Resident Evil 4’; mas com o clima e tensão dos quebra- -cabeças e da movimentação mais lenta do jogo original. Deixa claro duas coisas: mesmo com alguns tropeços, “Resident Evil” evoluiu. E nessa história de recontar e recriar seus romances de zumbis e armas biológicas, a Capcom está fazendo um raio cair duas vezes no mesmo lugar. O roteiro de “Resident Evil 2” é pratica- mente o mesmo no “remake”. A história acontece fora da mansão do primeiro game na cidade de Raccoon City, e tem como personagens principais Leon S. Kennedy e Claire Redfield. Leon chega à cidade para seu primeiro dia de trabalho como policial local. Enquanto Claire procura por Chris, irmão desapareci- do, um dos protagonistas do primeiro “Re- sident Evil”. Com a cidade infestada de mortos-vivos, a dupla decide trabalhar junta para sobrevi- ver. Os protagonistas se movimentam len- tamente mesmo quando estão correndo e as salas e corredores continuam estreitas. Ou seja, mirar com armas pode até ser mais fácil, mas ainda é preciso escolher bem a hora de encarar os zumbis para não ficar sobrecarregado. E por falar em sobrecarga de mortos-vivos, os pobres coitados sentem literalmente na pele o avanço da tecnologia no novo game. É possível atirar nas pernas e braços dos zumbis para desmembrá-los e atrapalhar sua locomoção. Foi um investimento pe- sado em anatomia que deixou o jogo mais grotesco. Mérito da RE Engine, tecnologia gráfica de- senvolvida pela Capcom que rendeu frutos e também vai dar vida ao novo “Devil May Cry5”. Em resumo é o mesmo jogo de 1998, um dos episódios mais adorados pelos fãs, e consegue reconhecer tudo de bom que aconteceu em “Resident Evil”, depois deste segundo capítulo. E uma grande aposta em favor da nostalgia. S ão muitas questões não resolvidas nesta cidade de Niterói. A começar pela falta de fiscalização da prefeitura com os camelôs na esquina de Rua Marechal Deodoro com Avenida Marques de Paraná, bem em frente ao insuportável supermercado Guana- bara. Poderíamos dizer que é a esquina da permissão total. Não tem Guarda Municipal para combater os camelôs que vendem de tudo, e a qualquer preço! A tal secretaria de Ordenamento da prefeitura não põe ordem em nada, e sabe-se lá de onde vêm estas mer- cadorias. (Depois perguntam para onde vão as cargas roubadas dos caminhões). Além da confusão proporcionada pelo fluxo de carros da avenida, com um sinal de trân- sito que prioriza a Avenida Marque de Paraná, engarrafando tudo, aliado a desordem dos carros que se dirigem ao supermercado, ficam dezenas de camelôs e “artistas de rua”, ou carros de “lotada” parados no acostamento, a tumultuar o trânsito, que nervoso buzina o tempo todo. Parece um inferno sonoro, numa desordem sem governo. Nesses dias de Copa do Mundo, para completar, os camelôs tocam repetidamente as mal- ditas vuvuzelas, que na verdade são as trombetas do inferno. Tentam vender este instru- mento do capeta! É de enlouquecer a quem trabalha ou mora nas redondezas. Começam às sete da manhã e vão até as sete da noite. No fim do dia estamos todos estressados e surdos. E eu pergunto: cadê os fiscais da prefeitura, Cadê a Guarda Municipal, a secretaria de Ordem Pública, de Segurança? Qual a razão de tanta “liberalidade”? Fica parecendo que existe uma “combinação”! Um grande “acerto”. Já não chega este país ser esta esculhambação, e ainda temos que aturar a anuência per- missiva dos fiscais municipais, da Guarda Municipal e da tal secretaria de Ordem Púbica...? Alô Ministério Público! Isso aqui merece uma investigação! É muito tumulto, tráfico de mercadorias improcedentes e desordem urbana, além dos decibéis muito acima do permi- tido. Está tudo dominado, ou no “acerto”. Que Niterói não tem gestão adequada, todos nós sabemos, mas pacto com vendedores de mercadorias clandestinas... Aí, virou caso de polícia! Maldita Vuvuzela!
  • 8. Niterói 22/06 a 06/07/18 www.dizjornal.com Renda Fina 8 Edição na internet para Hum milhão e 800 mil leitores Internet Laio Brenner - dizjornal@hotmail.com Aniversariantes da Edição Marta Menezes Thiago Góes Margaret Castanheira Mallet Simone Mattos Octacílio Barros Graziela Vieira 75 Anos da Academia Niteroiense de Letras Num almoço com muitos participantes a Academia Niteroiense de Letras comemorou o seu 75º aniversário de fundação. Além dos acadêmicos, muitos amigos intelectuais da cidade aderiram à festa. Na oportunidade Matheus Quintal de Souza Ribeiro, representando o Ministério da Cultura, entregou à Marcia Pessanha, presidente da entidade, uma placa come- morativa alusiva aos méritos da Academia pelos serviços prestados a cultura e a preservação da língua portuguesa. Migração de Fakenews? U m estudo realizado nos EUA apon- tou que o uso do Facebook para leitura e compartilhamento de no- ticias caiu em detrimento a um crescimento exponencial do WhatsApp. Ainda, segundo a pesquisa realizada pelo Reuters Institu- te, o uso de redes sociais começou a cair nos Estados Unidos, conforme muitos jo- vens recorreram a aplicativos de mensagens como o WhatsApp para compartilhamento. O uso do Facebook, considerada maior rede social do mundo para notícias caiu nove pontos percentuais em relação a 2017 nos Estados Unidos e 20 pontos para audi- ências mais jovens, mostrou uma pesquisa do Instituto Reuters com 74 mil pessoas em 37 mercados. O levantamento re- vela a volatilidade de preferências dos con- sumidores, à medida que a indústria de no- tícias tenta lidar com o impacto da Internet e dos smartphones que transformaram tanto o modo como as pesso- as consomem notícias quanto à forma como as empresas de mídia ganham dinheiro. Facebook e Twitter ainda são usados por muitos usuários para procurar notícias, mas a discussão ocorre em aplicativos de mensagens como o WhatsApp, geralmente porque as pessoas se sentem menos vulne- ráveis ao discutir eventos em tais espaços. O WhatsApp, fundado em 2009 e compra- do pelo Facebook em 2014 por US$ 22 bilhões em dinheiro e ações, é mais popular que o Twitter em importância para notícias em muitos países, de acordo com o rela- tório. Muitos entrevistados relatam ainda encon- trar notícias no Facebook, mas preferem compartilha-las em grupos do WhatsApp para discussão com um conjunto mais pró- ximo de amigos, invés de interagir na rede social. WhatsApp e Instagram, também do Face- book, decolaram na América Latina e na Ásia, enquanto o Snapchat (que agora mor- reu) avançou na Europa e nos Estados Uni- dos, observou a pesquisa sobre diferenças regionais de compartilhamento de notícias. Phabricio Petraglia, Marcia Pessanha e Matheus Quintal de Souza RibeiroANL Grupo de Acadêmicos e amigos Aldo Pessanha