Gestão Aplicada 3 - Aula 02

446 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
446
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão Aplicada 3 - Aula 02

  1. 1. Gestão Aplicada III Prof. Allan Clemente
  2. 2. NA AULA ANTERIOR... NA AULA PASSADA VOCÊ APRENDEU: 1. DEFINIR PRODUÇÃO. 2. QUAIS AS DUAS FORMAS PRODUÇÃO. 3. IDENTIFICAR OS PRINCIPAIS “INPUTS E OUTPUTS” DE UMA EMPRESA. 4. SABER O QUE SÃO E QUAIS AS QUATRO PRINCIPAIS FORMAS DE INFLUENCIA O SISTEMA PRODUTIVO 5. O QUE SÃO MACRO E MICROOPERAÇÕES E QUAL O CONCEITO DE CONSUMIDOR INTERNO E EXTERNO? 6. COMPREENDER A IMPORTÂNCIA E A FORMA COMO A INFORMAÇÃO INFLUENCIA A EMPRESA. 7. DIFERENCIAR O QUE É TANGIBILIDADE E INTANGIBILIDADE 8. QUATRO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO.
  3. 3. NESSA AULA...  CAPÍTULO 2 - ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL.  TÉCNICAS DE RESOLUÇÃO DE ESTUDOS DE CASOS.  ESTUDO DE CASO DO CAPÍTULO 1 E DO CAPÍTULO 2.
  4. 4. CAPITULO 2 ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL
  5. 5. 2.1 INTRODUÇÃO  A PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO SÃO UMA FUNÇÃO DE APOIO DE STAFF DE COORDENAÇÃO DE DIVERSAS ATIVIDADES DA ÁREA INDUSTRIAL E SE CONSTITUI NA BASE EM QUE SE APOIA A MAIORIA DOS CONTROLES INDUSTRIAIS. STAFF: Equipe de apoio. Assessoria que não atua na operação normal da empresa, o que é feito pelo pessoal de linha.
  6. 6. 2.1 INTRODUÇÃO  QUAL A FUNÇÃO DO PCP?  O PCP É UMA FUNÇÃO ADMINISTRATIVA RELACIONADA COM O PLANEJAMENTO, DIREÇÃO E CONTROLE DO SUPRIMENTO DE MATERIAIS, PEÇAS E COMPONENTES E DAS ATIVIDADES DO PROCESSO DE PRODUÇÃO EM UMA EMPRESA.
  7. 7. 2.1 INTRODUÇÃO  A ADMINISTRAÇÃO PODE SER DEFINIDA COMO: “A ARTE E A CIÊNCIA RELACIONADAS COM O PLANEJAMENTO, DIREÇÃO E CONTROLE DO TRABALHO DE SERES HUMANOS, COM VISTAS A UM FIM ESPECÍFICO, DE ACORDO COM POLÍTICAS ACEITAS”.
  8. 8. 2.1 INTRODUÇÃO  PORTANTO, PARA SE INTENDER BEM A FUNÇÃO DO PCP, DEVE-SE COMPREENDER OS TRÊS CONCEITOS CHAVES DA ADMINISTRAÇÃO.  PLANEJAMENTO  DIREÇÃO  CONTROLE
  9. 9. 2.1 INTRODUÇÃO  O Planejamento é o processo de decidir sobre o que fazer no futuro.
  10. 10. 2.1 INTRODUÇÃO  A DIREÇÃO COMPREENDE A OPERAÇÃO DE EMISSÃO DE ORDENS, DAR INSTRUÇÕES ÀQUELES QUE DEVEM TRABALHAR DE ACORDO COM O PLANO A SER IMPLEMENTADO E, POR FIM, COORDENAR O TRABALHO DAS DIFERENTES PESSOAS ENVOLVIDAS E MOTIVAR SUA ATUAÇÃO;
  11. 11. 2.1 INTRODUÇÃO  o controle pode ser descrito como a orientação de eventos para que sigam planos
  12. 12. 2.1 INTRODUÇÃO  Existem diversos modelos de organização, dos quais destacam-se seus três tipos principais: Linear, Funcional e Mista.
  13. 13. 2.2 Organização Linear  UMA EMPRESA INDUSTRIAL QUE SOMENTE EXERCE FUNÇÕES QUE TÊM RELAÇÕES DIRETAS COM OS OBJETIVOS BÁSICOS DA EMPRESA É CARACTERIZADA COMO UMA ORGANIZAÇÃO LINEAR
  14. 14. 2.2 Organização Linear MAIS O QUE SÃO OPERAÇÕES BÁSICAS DE UMA EMPRESA? “TRANSFORMAR MATERIAIS EM PRODUTOS ACABADOS (PRODUÇÃO); CONSEGUIR RECURSOS PARA FINANCIAR SUA PRODUÇÃO (FINANÇAS); E, COLOCAR SEUS PRODUTOS À DISPOSIÇÃO DE SEUS CONSUMIDORES (VENDAS)ESSAS TRÊS FUNÇÕES (PRODUÇÃO, VENDAS E FINANÇAS), PELAS RAZÕES DESCRITAS, CONSTITUEM-SE NAS FUNÇÕES PRIMÁRIAS OU BÁSICAS.”
  15. 15. 2.2 Organização Linear QUAIS AS CARACTERÍSTICAS DESSE FLUXO GRAMA? SERVIRIA PARA UM GRANDE INDUSTRIA? EXEMPLOS?
  16. 16. 2.2 Organização Linear  COMO VISTO ANTERIORMENTE, UMA PEQUENA EMPRESA INDUSTRIAL, POR NÃO SUPORTAR ESTRUTURAS ADMINISTRATIVAS DENSAS, OBSERVA-SE COSTUMEIRAMENTE UMA ORGANIZAÇÃO PURAMENTE LINEAR.
  17. 17. 2.3 Organização Funcional  Uma análise superficial no organograma anterior revela que somente se pode Administrar com uma estrutura pura de linha uma empresa de pequeno porte.  Uma vez que uma série de funções complementares ao pleno gerenciamento da empresa certamente é acumulada por uma ou mais pessoas que ocupam a estrutura em linha (empresário/gerente, chefe de produção, chefe de vendas ou o contador).
  18. 18. 2.3 Organização Funcional  PODE-SE ENTENDE O CONCEITO DE ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL COMO SENDO AQUELE QUE APROVEITAR AO MÁXIMO OS CONHECIMENTOS DOS DISTINTOS ESPECIALISTAS EM CADA TEMA, OU SEJA...
  19. 19. 2.3 Organização Funcional QUAIS AS CARACTERÍSTICAS ? QUAIS VANTAGEM E DESVANTAGEM? EXEMPLOS DE STAFF?
  20. 20. 2.3 Organização LINEAR-STAFF  A MAIORIA DAS EMPRESAS MODERNAS ASSOCIA AS VANTAGENS DA ORGANIZAÇÃO LINEAR COM AS DA FUNCIONAL TRABALHANDO COM ORGANIZAÇÃO LINEAR–STAFF. VAMOS ANALISAR...
  21. 21. 2.3 Organização LINEAR-STAFF  UMA EMPRESA QUE REQUER UMA ESTRUTURA DESTE TIPO TRATA-SE, EM TERMOS ORGANIZACIONAIS, DE UMA EMPRESA DE PORTE MÉDIO, NÃO SENDO MAIS RECOMENDÁVEL SER COMANDADA POR UM ÚNICO HOMEM, MAIS UMA EQUIPE
  22. 22. 2.3 Organização LINEAR-STAFF
  23. 23. 2.3 Organização Funcional  ESTE SISTEMA NÃO TEM DADO BONS RESULTADOS NA PRÁTICA, POIS DELEGA AO OPERÁRIO A DECISÃO DE DISCERNIR A QUEM DEVE RECORRER  JÁ NA ORGANIZAÇÃO LINEAR, O OPERÁRIO RECEBE ORDENS E INSTRUÇÕES SOMENTE DE SEU ENCARREGADO E ESTE DE SEU CHEFE DE DEPARTAMENTO.
  24. 24. 1.6 ESTUDO DE CASO Uma fábrica possuía um Departamento de Fabricação e várias Linhas de Montagem. No Departamento de Fabricação eram fabricados peças e subconjuntos que exigiam operações mecânicas. Era organizado por processo. Algumas peças eram compradas prontas. Nas Linhas de Montagem, uma para cada modelo de produto, executavam-se apenas operações manuais. Um dos subconjuntos preparados na fabricação, uma vez que as seções se localizavam distantes uma das outras e o seu transporte era complexo, chegava constantemente danificados na Linha de montagem. Qual a sua opinião sobre a criação de uma seção de fabricação exclusiva para a fabricação desse subconjuntos, onde seriam agrupadas as operações de sua fabricação? Explicar, detalhadamente, as vantagens e desvantagens dessa solução. Haveria uma solução intermediária melhor?
  25. 25. FIM CAPÍTULO 1 - VISÃO GERAL DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO
  26. 26. Como resolver um Estudo de Caso?  No estudo de caso, não existe resposta 100% correta ou 100% errada.  Deve-se, então, preocupa-se em explicar a opinião tomada.  Existem algumas ferramentas que facilitam o processo de tomada de decisão.
  27. 27. Como resolver um Estudo de Caso? Analise SWOT “Concentre-se nos PONTOS FORTE, reconheça as FRAQUEZAS, agarre as OPORTUNIDADES e proteja-se contra as AMEAÇAS.” Sun Tzu( 500 a.C.)
  28. 28. Como resolver um Estudo de Caso? Analise SWOT
  29. 29. Como resolver um Estudo de Caso? PONTOS FORTES • AMBIENTE INTERNOS (DOMÍNIO) • DEVEM SER MAXIMIZADOS PONTOS FRACOS • AMBIENTE INTERNO (DOMÍNIO) • DEVEM SER MITIGADOS OPORTUNIDADES • AMBIENTE EXTERNO (ALHEIO) • DEVEM SER APROVEITADOS AMEAÇAS • AMBIENTE EXTERNO (ALHEIO) • DEVEM SER EVITADAS ANALISE SWOT
  30. 30. Como resolver um Estudo de Caso? EXEMPLO... RESTAURANTE
  31. 31. Como resolver um Estudo de Caso? EXEMPLO DO RESTAURANTE PONTOS FORTES OPORTUNIDADES PONTOS FRACOS AMEAÇAS REQUINTE QUALIDADE CHEF COPA DO MUNDO ASCENSÃO SOCIAL LINHA DE CREDITO CONCORRENTE AUMENTO DO DÓLAR PREÇO ALTO ATENDIMENTO
  32. 32. Como resolver um Estudo de Caso? CONCLUÍDO A ANÁLISE SWOT, DEVE-SE INICIAR O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO. DESSA FORMA, O QUE IMPORTA É O QUE SE FAZ DEPOIS DA ANÁLISE.
  33. 33. Como resolver um Estudo de Caso? NESSE CONTEXTO, COMO FICARIA O NOSSO ESTUDO DE CASO?
  34. 34. Como resolver um Estudo de Caso? FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO – FCS (CRITICAL SUCCESS FACTOR) “Uma condição mensurável que deve ser satisfeita a fim de que o processo atenda aos requerimentos dos clientes. A condição pode ser física ou comportamental.” FONTE:http: //www.pinho.com.br/dicionario/F.htm
  35. 35. Como resolver um Estudo de Caso?  Os FCS devem ser identificados por meio da aplicação dos princípios e/ou definições com base em pesquisa teórica, utilizando as diversas fontes de dados disponíveis e serem complementados com pesquisas de campo.  Esses dados, depois de analisados, se transformam em informações estratégicas e táticas, para nortear o projeto e a operacionalização do empreendimento. Bullen e Rockart (1981, apud GRUNERT e ELLEGAARD, 1992).
  36. 36. Como resolver um Estudo de Caso? DISTINGUE -SE CINCO FONTES DE FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO: 1ª FONTE • INTRÍNSECO DA INDÚSTRIA OU RAMO DE NEGÓCIO 2ª FONTE • ESTRATÉGIA E POSICIONAMENTO COMPETITIVO DO NEGÓCIO 3ª FONTE • FATORES AMBIENTAIS EXTERNOS 4ª FONTE • FATORES TEMPORAIS 5ª FONTE • POSIÇÃO ADMINISTRATIVA
  37. 37. Como resolver um Estudo de Caso? Fatores críticos à competitividade da cadeia produtiva do café [...] resultados esperados com sua utilização.
  38. 38. Como resolver um Estudo de Caso? QUAIS SERIAM OS FCS DO NOSSO ESTUDO DE CASO?
  39. 39. Como resolver um Estudo de Caso? 5 PORQUÊS  FAZEM-SE 5 PERGUNTAS (POR QUÊS).  CASO CONSIGA AS 5 RESPOSTAS O PROBLEMA ESTARÁ BEM IDENTIFICADO OU A SOLUÇÃO É BOA.  DEVE-SE FAZER O AFUNILAMENTO, PROCURANDO RELACIONAR UMA RESPOSTA COM A OUTRA, REDUZINDO O CAMPO DE POSSIBILIDADES
  40. 40. Como resolver um Estudo de Caso? PORQUE A PLANTA ESTÁ DOENTE?
  41. 41. Como resolver um Estudo de Caso? ALTO ÍNDICE DE RECALL NUMA FÁBRICA • DEFEITO DE FABRICAÇÃPOR QUÊ? • SETOR DE MONTAGEM COM PROBLEMASPOR QUÊ? • MAQUINA COM DEFEITO PRO QUÊ? • FALTA DE MANUTENÇÃOPOR QUÊ? • GERENTE DO PCP NÃO DIMENSIONOU CORRENTEMENTE O PCM PRO Quê?
  42. 42. Como resolver um Estudo de Caso? COMO SERIAM OS 5 POR QUÊS DO NOSSO ESTUDO DE CASO?
  43. 43. Como resolver um Estudo de Caso?  IDEAL PARA UMA COMPARAÇÃO QUALITATIVA OU QUANTITATIVA DE DOIS OU MAIS PONTOS DE VISTA.  AS FORÇAS INTERAGEM ENTRE SI.  DEVE-SE ESTIPULAR UM GRAU DE COMPARAÇÃO BASEANDO-SE NA EXPERIÊNCIA E OPINIÃO DO AVALIADOR OU EQUIPE.
  44. 44. Como resolver um Estudo de Caso? QUAIS SERIAM OS FCS DO NOSSO ESTUDO DE CASO?
  45. 45. Como resolver um Estudo de Caso? PLANO DE AÇÃO
  46. 46. Como resolver um Estudo de Caso? 5 FORÇAS DE PORTER MICHEL PORTER
  47. 47. Como resolver um Estudo de Caso?
  48. 48. Como resolver um Estudo de Caso?  Pode-se ainda não se fazer uso dessas ferramentas  As ferramentas mostradas são um grande auxilio para resolução de ESTUDOS DE CASOS E TOMADAS DE DECISÃO na vida profissional
  49. 49. Referências  CEPEP 2014, Capítulo 1 – VISÃO GERAL DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO

×