Pré-projeto de Mestrado

93.378 visualizações

Publicada em

Pré-projeto de pesquisa apresentado ao Exame de Seleção ao Programa de
Pós-Graduação em Comunicação e Cultura – Mestrado – como requisito parcial do processo seletivo.

Eixo Temático: Comunicação Social

Linha de pesquisa: Teoria Comunicacional

O projeto visa aprofundar a concepção e história das religiões abraãmicas, suas funções filosóficas e seus desencadeamentos na sociedade.

Publicada em: Educação

Pré-projeto de Mestrado

  1. 1. Universidade de Sorocaba Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura – Mestrado Luiz Guilherme Leite AmaralA Formação das Religiões Abraãmicas pela Herança Cultural e Força da Comunicação Pré-projeto de pesquisa apresentado ao Exame de Seleção ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura – Mestrado – como requisito parcial do processo seletivo. Eixo Temático: Comunicação Social Linha de pesquisa: Teoria Comunicacional O projeto visa aprofundar a concepção e história das religiões abraãmicas, suas funções filosóficas e seus desencadeamentos na sociedade. 2011
  2. 2. RESUMOO trabalho tem a proposta de esclarecer os caminhos da construção das religiõesabraãmicas pela herança cultural e pela força da comunicação. O conhecimento daproveniência destas religiões é quase que nulamente discutido. Isto se deve ao caráterdogmático dela implicado, em especial pelos líderes, pela própria doutrina ou pelos quedefende a crença religiosa. A questão é que a história, a antropologia, a sociologia, aneurociência e a teoria da comunicação conseguem construir uma teia lógica para oentendimento do processo religioso, seja em caráter individual ou para o grupo. A partirdesta compreensão, é possível analisar o progresso das religiões abraãmicas nasociedade atual e compreender as novas frentes comunicacionais inerentes a elas, comoa tele-homilética e a Revanche do Sagrado.INTRODUÇÃOPor mais que saibamos que uma religião não se cria com apenas uma pessoa – énecessária a fé de uma multidão para que ela adquira seus principais elementos – étambém no indivíduo que reside o material principal para que elas sejam constituídas. ATeoria da Mente, de Simon Baron Cohen, aliadas às interpretações do psicanalistaAndrew Thomson nos fazem entender quais são as condições fisiológicas e psiquícasque nos fazem criar e acreditar em assuntos sobrenaturais. Este processo é longo, e só épossível desbravá-lo quando caminhamos pela Teoria da Evolução, de Charles Darwin, eanalisamos as Cognições Sociais, os enfrentamentos diários do ser humano pelaconvivência em grupo em prol da sobrevivência e perpetuação da espécie.Assim, o que nos motiva a criar deuses? Por que sentimo-nos atraídos por crenças? Epor que institucionalizamos estas crenças? Estas questões envolvem uma gama desentimentos que existem em nós, fazendo com que a religião torne-se não apenas umassunto sagrado, mas um código entre conteúdos de um mesmo círculo social e um estilode vida. Karen Armstrong, no livro A History of God, mostra-nos de maneira meticulosatodos os caminhos de Javé, desde sua derrocada no panteão cananeu até sua eleiçãocomo deus dos israelenses. A partir deste e de outros registros históricos, pode-se traçaro caminho pelo qual o pensamento religioso começa a tomar forma, passando pelasseitas e religiões de grande penetração, como o hinduísmo, até o momento em que asreligiões abraãmicas tornam-se instituições.
  3. 3. Esta institucionalização auxiliou as sociedades a se moldarem, ainda que mediante otemor da punição eterna, e a principal forma de fazer isso foi por meios de comunicaçãoverbais e não verbais. Marshall MacLuhan, em A Galáxia de Guttemberg, afirma que aescrita individualiza, fazendo com que as pessoas fiquem alheias umas às outras e que oconhecimento não é difundido como deveria ser. Neste projeto, no entanto, há umadiscordância desta afirmação ao descobrir que as escrituras religiosas aliadas àhomilética são de grande valia para a difusão dos conceitos religiosos. As religiões,então, tornam-se uma faca de dois gumes: ao mesmo tempo em que guiam seusseguidores para a ordem, ela também é responsável por derramamento de sangue entrefrentes divergentes.Quando entendemos a história das religiões e como elas surgem, entendemos tambémseus propósitos e, principalmente, conseguimos colocá-las no âmbito do fantasioso. Aoanalisarmos a formação do Judaísmo, por exemplo, é fácil concluir que todos os seuspreceitos advêm de culturas mais antigas e que todas as religiões, sem exceção, sãomoldadas a partir de elementos culturais e valores mantidos por tribos e comunidades, etais valores é o que as fazem ser valiosas e respeitadas dentro do contexto mítico.OBJETIVOSO entendimento da origem das religiões abraãmicas bem como a discussão desteassunto de forma imparcial permite que a visão sobre religião seja alterada. Agora, elanão poderá ser uma verdade absoluta e irrevogável; trata-se de um movimento culturalcujas raízes residem tanto em nós mesmos como indivíduos quanto no coletivo. Equando surge esta nova maneira de encarar as religiões, discussões mais profundaspodem ser feitas, como o laicismo, educação religiosa no ensino público, a influência dasreligiões nos processos eleitorais e na pesquisa com células-tronco, entre vários outros.É importante deixar claro, no entanto, que esta pesquisa não pretende depreciar ojudaísmo, o cristianismo e o islamismo, mesmo porque trata-se de culturas riquíssimasem muitos aspectos. O que se discute aqui é a validade da religião como organismoautoritário e regulador de uma sociedade que em qualquer momento flertou com ateocracia. É perfeitamente compreensível que estas religiões contribuíram para associedades em suas formações e que prestaram serviço para a definição de ética, aindaque esta só encontre sua forma ideal no Iluminismo.
  4. 4. JUSTIFICATIVASA urgência em entender os processos religiosos para criar discussões mais profundas erelevantes é um dos pilares deste trabalho. Para que seja possível posicionar as religiõesabraãmicas em seus devidos lugares, antes precisamos entender qual é o seu cerne,como elas se engendram nas sociedades e qual é a força que elas exercem em termoscomunicacionais, inclusive.Assim, podemos modificar o entendimento atual sobre este assunto. As religiões,sobretudo as abraãmicas, que são o principal objeto deste estudo, precisam ser melhoranalisadas para que governo e sociedade utilizem-na como deve ser – um refúgio paraas aflições, e nada além disso.O Brasil hoje passa por uma série de problemas relacionados a religiões. Padrescatólicos não são julgados por seus crimes, principalmente de pedofilia, por pressão daICAR; muitos pastores e outros tipos de protestantes exercem uma influênciaextremamente negativa para a evolução da sociedade com seus dogmas; os ateus, aolado dos viciados em drogas, são o grupo mais odiado no País; as grandes igrejasmantêm esquemas de desvio de dinheiro e sonegação de impostos que causa rombosbilionários aos cofres públicos.Estas e várias outras questões podem ser discutidas e seus problemas solucionadosquando entendemos o exercício das religiões perante a sociedade. Então, não é apenasa tarefa de entender a tele-homilética, mas também saber como ela influencia milhões depessoas e qual proveito podemos tirar disso. Igualmente quando entendemos a origemdo deus Javé, não estamos somente rebaixando as religiões abraãmicas a meros mitos,mas estamos reunindo evidências de que o poder da herança cultural e da comunicaçãosão de grande valia como instrumentos da sociedade.METODOLOGIA• Reunião de material literário para a composição da estrutura e argumentaçãosobre os temas propostos;• História das religiões abraãmicas, com suas influências culturais;• Compreensão do fenômeno religioso para o indivíduo e o grupo;• Relacionamento entre as heranças culturais entre as religiões;• Análise da comunicação para a construção e o avanço das religiões abraãmicas;• Discussão acerca do fenômeno religioso a partir das conclusões sobre suas
  5. 5. influências e desencadeamentos na sociedade.CRONOGRAMAA partir do material que já está em posse do pesquisador, bem como o esboçorazoavelmente completo da dissertação, espera-se complementar a estrutura deraciocínio com o decorrer das aulas do Programa de Pós-Graduação em Comunicação eCultura – Mestrado da Universidade de Sorocaba.No primeiro semestre do ano de 2011, participei das aulas do Professor Doutor OsvandoMorais como ouvinte, o que já acarretou em um enriquecimento na argumentação dadissertação, seja no embasamento teórico quanto na linha de pesquisa. Sabendo queeste modelo vai continuar se repetindo com o curso, a cada aula ou conjunto de aulas adissertação será cada vez mais completa, bem como as discussões em sala tambémajudarão a formar o caráter inquisitivo por parte do pesquisador.Por conta desta dependência do conhecimento em aulas e o confronto com a bibliografiajá existente, a meta é completar a dissertação no antepenúltimo mês do curso, tendo osdois meses subsequentes destinados a revisões e discussões até a entrega e defesa.BIBLIOGRAFIA 1. DAWKINS, Richard. Deus, um delírio, Companhia das Letras, 2006. 2. RUSSEL, Bertrand. Porque não sou cristão. Brasília Editora, 1977. 3. CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 2006. 4. MCLUHAN, Marshall, La Galaxia Gutenberg, Ed. Galaxia Gutenberg, 1999; 5. EAGLETON, Terry. A idéia de cultura. São Paulo: Editora Unesp, 2005. 6. HOHLFELDT, Antonio; MARTINO, Luiz C.; FRANÇA, Vera Veiga(orgs.) Teorias da Comunicação. Petrópolis: Editora Vozes, 2002. 7. MARTINO, Luiz C.(org.). Teorias da comunicação: muitas ou poucas? São Paulo: Ateliê Editorial, 2007. 8. SODRÉ, Muniz. Reinventando a cultura: a comunicação e seus produtos. Petrópolis: Vozes, 1996. 9. SAMOVAR, Larry, Communication between Cultures, Wadsworth Cengage Learning, 2009; 10. ARMSTRONG, Karen, A History of God, Ballantine Books, 1993;
  6. 6. 11. WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.; 12. THOMSON, Andrew, Why we believe in gods, 2009; 13. A. ANTONIAZZI, As religiões no Brasil segundo o Censo 2000, in: www.pucsp.br/rever/rv2_2003/p_antoni.pdf; 14. A.M. LOPEZ, Espiritualidade e dos psicólogos, In: M.M.AMATUZZI (org.), Psicologia e Espiritualidade 15. FREIRE; V.MOREIRA, Psicopatologia e Religiosidade no lugar do outro: uma escuta levinasiana 16. PINTO, Enio B., As Ciências da Religião, a Psicologia da Religião e a Gestalt- Terapia: em busca de diálogos, pg. 6, in: http://132.248.9.1:8991/hevila/Revistadaabordagemgestaltica/2008/vol14/no1/9.pdf 17. COHEN, Shaye J.D., The Beginning of Jewishness, University of California Press, 1999 18. HARRIS, Sam, Carta a Uma Nação Cristã, Companhia das Letras, 2006; 19. SMITH, Mark S., The Early History of God, Editora Eerdmans, 2002; 20. MCLUHAN, Marshall, Os meios de comunicação como extensão do homem, Editora Pensamento-Cultrix, 1974; 21. A Bíblia Sagrada, versão revisada de João Ferreira de Almeida: Oitava Igreja Presbiteriana de Belo Horizonte, 2002 22. VEJA, Edição 1.754 - 5 de Junho de 2002.23. VEJA, Edição 2.111 - 6 de Maio de 2009

×