SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise
de negócios – BABOK VERSÃO: 3.0
Diogo Rocha F. de Menezes1, Paulo César Melo2
1
Faculdade Sul Americana (FASAM)
BR – 153, s/n. Km 502, Jardim da Luz – Goiânia – GO – Brasil
Abstract. In recent times many professionals who understand the burden of
acting as business analysts feel the absence of a developed direction on how to
work to deliver excellent results for their companies. Often knowledge of
business analysis is gained from experience, with failures until you figure out
a way to work. Given this scenary, this article describes the body of knowledge
BABOK - Business Analysis Body of Knowledge guide that can be used as a
guide for professionals who practice Business Analysis.
Resumo. Nos tempos correntes muitos profissionais que compreendem o
encargo de atuar como analistas de negócios sentem ausência de uma direção
desenvolvida sobre como trabalhar para oferecer excelentes resultados para
suas companhias. Frequentemente o conhecimento da análise de negócios se
adquire na experiência, com falhas até descobrir uma maneira que funcione.
Diante desse cenário, este artigo descreve o corpo de conhecimentos guia
BABOK - Business Analysis Body of Knowledge que pode ser usado como
guia para os profissionais que praticam a Análise de Negócios.
1. Introdução
Com os crescentes investimentos em tecnologia pelas empresas, com aquisições de
computadores e equipamentos (hardware), programas (software) e contratações de
serviços, muitas das vezes não existem técnicas e práticas para entender melhor os
problemas e as oportunidades do negócio e conseguir delinear resultados mais claros
dos investimentos realizados, com isso o papel da Análise de Negócios visa diminuir
drasticamente o desperdício de recursos.
Nesse contexto, essa pesquisa visa definir o papel do Analista de Negócios como
peça chave para que não haja decepções entre as expectativas e os resultados no fim do
projeto, provendo assim a empresa com um profissional capaz de entender as
necessidades do negócio/dores e traduzi-las para os demais departamentos,
principalmente para o da tecnologia da Informação (TI).
Diante das condições apresentadas, com o objetivo de apoiar a comunidade de
análise de negócios o International Institute of Business Analysis IIBA produziu a
documentação Business Analysis Body of Knowledg – BABOK 3.0 no qual será
apresentada nesse trabalho [IIBA, 2016].
2. Origem do Guia BABOK
O IIBA (Instituto Internacional de Análise de Negócios) foi fundado em Toronto,
Canadá, em outubro de 2003, para apoiar a comunidade de análise de negócios, sendo
alguns dos pontos desenvolvidos:
• Definir o Corpo de conhecimento para análise de negócios (BABOK);
• Reconhecer e certificar publicamente profissionais qualificados através de um
programa de certificação reconhecido internacionalmente.
2.1. Objetivo do Guia BABOK
Tem como principal função definir a profissão de análise e fornece um conjunto de
práticas comumente aceitas.
As seis áreas de conhecimento do Guia do BABOK (Análise ne Negócios e
Planejamento Monitoramento, Elicitação e Colaboração, Gerenciamento do Ciclo de
Vida de Requisitos, Análise de Estratégia, Análise de Requisitos e Definição de Design
(RADD) e Avaliação da Solução).
3. Conceitos chave de análise de negócios
BACCM (Business Analysis Core Concept Model) – Modelo de conceito de núcleo
de análise de negócios. Os seis principais conceitos são: Mudança, Necessidade,
Solução, Stakeholder, Valor e Contexto.
O BACCM pode ser usado para: Descrever a profissão e domínio de análise de
negócios; comunicar sobre análise de negócios com uma terminologia comum.
Figura 1. Processo BACCM
Fonte: Guia BABOK 3.0
3.1. Changes - Mudança
É uma transformação controlada que acontece no ambiente corporativo, é quando a
empresa precisa mudar “por que” o mercado está em constante transformação
O Analista de negócios sempre deve entender o “por que” da necessidade ter
surgido, não entender a real necessidade, problema/dor, oportunidade comprometerá a
qualidade do serviço e resultado do trabalho.
Nesse contexto da necessidade, não identificar a mesma faz com que a solução
não resolva o que realmente está sendo solicitado.
3.2. Solutions - Soluções
É tudo aquilo que é feito para atender uma ‘necessidade’ de negócio.
3.3. Contexts - Contextos
É tudo aquilo no qual a mudança ocorre, são os valores organizacionais.
Exemplo: Em um projeto de implantação de um ERP, é importante entender os
valores das pessoas, pois possibilitará entender os obstáculos da solução que está para
ser implantada.
3.4. Value - Valor
É necessário entender o que na ‘necessidade’ é valor, o que de fato fará a diferença.
Deve ser identificado o momento exato que a demanda faz sentido e conhecer os
elementos, sendo alguns deles:
Necessidades/Dores: É além do que colocar os requisitos por escrito e entregar
a equipe de TI. Deve entender a “Dor” do cliente, identificar o por que ele te chamou,
qual foi sua real motivação.
Exemplo: Empresas disruptivas (IPOD APLLE x Toca Fitas), (UBER x Taxi),
(NETFLIX x Locadoras de Filmes), (AIRBNB x Hotéis).
3.5. Needs - Necessidades
Identificar o problema e a necessidade. Pode ser que não fazer nada, pode ser uma
solução, pois a organização não tem recursos para vislumbrar uma solução.
3. Planejamento e monitoramento de análise de negócios
É dividido da seguinte forma:
• Planejar a abordagem de análise de negócios: descreve o planejamento de
negócios desde o trabalho de análise a criação ou seleção de uma
metodologia até o planejamento de atividades individuais, tarefas e
resultados finais.
• Planejar o engajamento das partes interessadas: define a compreensão das
partes interessadas que são relevantes para a mudança.
• Planejar a Governança da Análise de negócios: define os componentes da
análise de negócios que são usadas para apoiar a função de governança da
organização.
• Planejar o gerenciamento de informações de análise de negócios: define
como as informações necessárias para análise são capturadas, armazenado e
integrado com outras informações para uso a longo prazo.
• Identificar as melhorias no desempenho da análise de negócios: descreve
como gerenciar e monitorar como o trabalho de análise de negócios é
executado para assegurar que os compromissos sejam cumpridos e a
aprendizagem continua e oportunidades de melhoria são realizadas.
Figura 2. Processo Planejamento e Monitoramento da análise de negócios
Fonte. [NEVES, M. 2018]
4. Elicitação e colaboração
O propósito é entender o escopo da elicitação, definindo os resultados desejados da
atividade. Na elicitação equipamentos ou técnicas podem ser utilizadas sendo algumas
delas:
• Brainstorming: usado para identificar colaborativamente e chegar a um
consenso sobre quais fontes de informações de análise de negócios devem
ser consultadas e quais técnicas de elicitação podem ser mais eficazes.
• Data Mining: usado para identificar informações ou padrões que exigem mais
investigação.
• Análise de documentos: usada para identificar e avaliar fontes candidatas de
Materiais de suporte.
• Estimativa: usada para estimar o tempo e o esforço necessários para a
elicitação e o custo associado.
• Entrevistas: usadas para identificar preocupações sobre a elicitação planejada,
e podem ser usadas para buscar autoridade para prosseguir com opções
específicas
• Mapa mental: usado para identificar colaborativamente e chegar a um
consenso sobre quais fontes de informações de análise de negócios devem
ser consultadas e quais técnicas de elicitação podem ser mais eficazes.
• Análise e Gerenciamento de Risco: usado para identificar, avaliar e gerenciar
condições ou situações que possam perturbar a elicitação ou afetar a
qualidade e validade dos resultados da elicitação. Os planos para a elicitação
devem ser ajustados para evitar, transferir ou mitigar os riscos mais sérios.
• Lista de Partes Interessadas: usado para determinar quem deve ser
consultado durante a preparação para a elicitação, quem deve participar do
evento e os papéis apropriados para cada parte interessada.
• Pesquisa: envolve sistematicamente descobrir e estudar informações de
materiais ou fontes que não são diretamente conhecidos pelas partes
interessadas envolvido na mudança. As partes interessadas ainda podem
participar da pesquisa. A pesquisa pode incluir a análise de dados históricos
para identificar tendências ou resultados passados
• Confirme os resultados da elicitação: A finalidade de confirmar resultados
de Elicitação é verificar as informações coletadas durante uma sessão de
elicitação para precisão e consistência com outras informações. A
informação obtida é confirmada para identificar quaisquer problemas e
resolvê-los antes que os recursos estejam comprometidos com o uso da
informação. Esta revisão pode descobrir erros, omissões, conflitos e
ambiguidade.
5. Gerenciamento do Ciclo de Vida dos Requisitos
Para [Hazan and Thayer 2003] o Gerenciamento de Requisitos tem como objetivo
principal controlar a evolução dos requisitos, seja por constatação de novas
necessidades, seja por deficiências nos requisitos registrados até o momento.
O Gerenciamento do ciclo de vida dos requisitos pode ser identificado das
seguintes formas:
Requisitos de rastreamento: O propósito é garantir que os requisitos e projetos
de diferentes níveis estejam alinhados entre si e para gerenciar os efeitos da mudança
para um nível de requisitos relacionados. A rastreabilidade permite: análise de impacto
mais rápida e simples, descoberta mais confiável de inconsistências e lacunas nos
requisitos, insights mais profundos sobre o escopo e a complexidade de uma mudança e
avaliação confiável de quais requisitos foram abordados ou não.
Priorizar os requisitos: A priorização é o ato de classificar os requisitos para
determinar seus parentes importância para as partes interessadas. Quando um requisito é
priorizado, é dado maior ou menor prioridade. Prioridade pode se referir ao valor
relativo de um requisito, ou à sequência em que será implementada. Priorização é um
processo contínuo com prioridades mudando conforme o contexto muda
Avaliar/Aprovar requisitos: Os Analistas de negócios obtêm aprovação
revisando os requisitos ou alterações aos requisitos com os indivíduos responsáveis ou
grupos e solicitando que eles aprovem, indicando sua concordância com a solução
proposta. Para que se possa propor uma solução, é preciso antes elaborar a análise de
negócio [LARMAN, 2007].
6. Análise Estratégica
Analisar o estado atual: Analistas de negócios trabalham para ajudar as partes
interessadas possibilitam a mudança, explorando e articulando as necessidades de
negócios que dirigir o desejo de mudar. Sem necessidades comerciais claramente
entendidas, é impossível desenvolver uma estratégia coerente. Nessa etapa que
entendemos o status atual, aonde queremos chegar/estado desejado e o que é preciso ser
feito para colocar determinada solução em produção.
Definir estado futuro: é definido com um nível de detalhe que: permite que
estratégias concorrentes alcancem o futuro estado a ser identificado e avaliado, fornece
uma definição clara dos resultados que satisfarão o negócio necessidades; detalha o
escopo do espaço da solução permite avaliar o valor associado ao estado futuro e
permite que o consenso seja alcançado entre os principais interessados.
Avaliar os riscos: Os riscos são analisados para: possíveis consequências se o
risco ocorrer; impacto dessas consequências; probabilidade do risco e prazo em
potencial quando o risco pode ocorrer
Definir estratégia de mudança: A estratégia de mudança descreve claramente a
natureza da mudança em termos de: Justificativa de porque uma determinada estratégia
de mudança é a melhor abordagem; investimento e recursos necessários para trabalhar
em direção ao futuro estado.
7. Análise de requisitos e definição de design
Descreve as práticas para analisar a elicitação de resultados e criar representações dos
mesmos. Quando o foco especificar e modelar a atividade é entender a necessidade, os
resultados são referidos como requisitos. Quando o foco da especificação e modelagem
atividade está em uma solução, as saídas são referidas como designs.
Verifique/Valide os requisitos: A verificação de requisitos garante que os
requisitos e projetos tenham sido definido corretamente. A verificação de requisitos
constitui uma verificação pela empresa, analista e as principais partes interessadas.
8. Avaliação da Solução
Deverá ser seguindo os seguintes modelos de avaliação:
Meça o desempenho da solução: determina a maneira mais apropriada de
avaliar o desempenho de uma solução, incluindo como ela se alinha com a empresa
metas e objetivos, e realiza a avaliação.
Analisar as medidas de desempenho: examina as informações sobre o
desempenho de uma solução, a fim de compreender o valor que ela proporciona a
empresa e às partes interessadas, e determina se está cumprindo necessidades atuais de
negócios.
Avalie as limitações da solução e da empresa: Investiga questões dentro do
escopo de uma solução que pode impedi-lo de atender às necessidades comerciais
atuais.
Recomendar ações para aumentar o valor da solução: identifica e define
ações que a empresa pode tomar para aumentar o valor que pode ser entregue por uma
solução.
8. Competências subjacentes e técnicas
O Analista de negócios deve ter as seguintes competências:
Pensamento analítico e resolução de problemas: analisar problemas e
oportunidades de forma eficaz, identificar quais mudanças fornecer o maior valor e
trabalhar com as partes interessadas para compreender o impacto essas mudanças.
Características comportamentais: habilidades e comportamentos que
permitem que um analista de negócios ganhe a confiança e o respeito partes
interessadas. Os analistas de negócios fazem isso agindo consistentemente de maneira
ética, completar tarefas a tempo e às expectativas, entregando eficientemente resultados
de qualidade, e demonstrando adaptabilidade às mudanças nas necessidades e
circunstâncias.
Conhecimento de negócios: O conhecimento permite que o analista de negócios
compreenda melhor conceitos que regem a estrutura, os benefícios e o valor da situação,
uma vez que se refere a uma mudança ou uma necessidade.
Habilidades de comunicação/Interação: A comunicação pode ser realizada
usando uma variedade de métodos de entrega: verbal, não-verbal, físico e escrito. Uma
comunicação eficaz envolve tanto o remetente quanto o receptor que possuem mesma
compreensão da informação que está sendo comunicada. Um glossário compartilhado
termos e metas claras são ferramentas eficazes para evitar mal-entendidos e
complicações resultante. Para [Megginson 1998] comunicação é o processo de transferir
significado de uma pessoa para outra na forma de ideias ou informação
Ferramentas e Tecnologia: usam uma variedade de aplicativos de software
para suportar a comunicação e colaboração, criar e manter artefatos de requisitos,
conceitos de modelo, acompanhar os problemas e aumentar a produtividade geral
Técnicas: Algumas técnicas podem ser utilizadas para apoiar a análise de
negócios, o guia BABOK destaca as seguintes: Mapa mental; BPMN; UML;
Prototipagem; Analise de Causa Raiz; Glossário; Histórias de Usuário.
9. Perspectivas
A Perspectiva ágil: A análise ágil de negócios garante que as informações estejam
disponíveis para a equipe ágil com o nível certo de detalhes no momento certo.
Analistas de negócios ajudam equipes ágeis respondendo estas perguntas:
• Que necessidade estamos tentando satisfazer? Essa necessidade merece ser
satisfatória? Devemos entregar algo para satisfazer essa necessidade? Qual é
a coisa certa a fazer para atender essa necessidade?
A Perspectiva BI: Resultados da análise de negócios Na disciplina de business
intelligence, a análise de negócios está focada nas principais componentes da arquitetura
da solução: a especificação de decisões de negócios a serem influenciadas ou alteradas,
a coleta de dados dos sistemas de origem, a integração de fontes divergentes em uma
empresa convergente estrutura e o fornecimento de informações direcionadas e insights
analíticos para os negócios partes interessadas. Analise Preditiva: O foco da análise de
negócios está na informação requisitos para reconhecimento de padrões através de
mineração de dados, modelagem, previsão e alertas orientados por condição
A Perspectiva TI: A natureza das atividades de análise de negócios em um
ambiente de TI depende de uma variedade dos fatores de impacto da solução:
• O que acontece com o negócio se esse sistema for desligado? • O que
acontece se o desempenho do sistema degrada? • Quais capacidades e
processos de negócios dependem do sistema de TI? • Quem contribui para
esses recursos e processos? • Quem usa esses recursos e processos?
10. Conclusão
O presente artigo faz uma abordagem sobre o papel que as empresas esperam da
atividade de análise de negócios, em um cenário atual aonde vemos cada vez mais
solicitações sendo realizadas para as áreas de TI , porém, são atendidas por um
profissional que só pensa em tecnologia, não fala a linguagem do negócio e não
consegue traduzi-la para a equipe técnica. Invariavelmente, tal descompasso entre o que
o negócio precisa e o que é entregue pela TI só é identificado quando a solução está
pronta.
Nesse sentido, faz-se de extrema importância dentro dos departamentos de TI,
uma linha de frente composta por profissionais que falem a linguagem do negócio e que
possam efetivamente executar aquilo que o CIO diz que a TI vai fazer. Conforme
apresentado pelo guia BABOK e [Thomé, 2012] os profissionais dessa linha devem ter:
• Boa comunicação oral e escrita;
• Entender e se interessar por aprender mais sobre conceitos do negócio
(relativos a administração, marketing, finanças, estratégia, produção, etc.). O
profissional deve querer resolver o problema do negócio. Sua satisfação deve
derivar do resultado do negócio e não da implementação da tecnologia.
• Saber ler e conseguir questionar documentos relativos à estratégia da empresa;
• Conhecimentos relacionados a BPM (Business Process Management ou
Gerenciamento por processos);
• Entender e saber criar documentos que descrevem processos de negócio.
• Saber identificar potenciais melhorias nos processos
• Conhecer Gerenciamento de Projetos
• Saber fazer um Business Case
• Entender e conseguir questionar os seguintes aspectos relativos a uma
iniciativa específica: objetivos, riscos, premissas, restrições
•Saber o suficiente sobre tecnologia para poder traduzir a necessidade do
negócio para a equipe técnica.
11. Referencias
IIBA. (2016). A Guide to the Business Analysis Body of Knowledge® (BABOK®
Guide) Version 3.0. Toronto: International Institute of Business Analysis. Acesso em
3 de 2 de 2019, disponível em http://IIBA.org.
Neves, M. Babok 3 - Um breve resumo. Março/2018. Disponível em
<https://anelox.com/babok-um-breve-resumo/>. Acesso em 03 Fev. 2019.
Megginson, L. C.; C.MOSLEY, D.; JR., P. H. P. Administração Conceitos e Aplicações.
[S.l.]: Harbra, 1998.
Thomé, S. (2012). TI para negócios 2. São Paulo: NETPRESS BOOKS.
Hazan, Claudia, Leite, Julio Cesar S. P. Indicadores a para Gerência de Requisitos. In:
WER 2003 - WORKSHOP EM ENGENHARIA DE REQUISITOS, 6., 2003. São
Paulo, Anais... São Paulo, Brasil.
Larman, Graig. Utilizando Padrões e UML. 3. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2007.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK VERSÃO: 3.0

e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdf
e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdfe-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdf
e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdf
Boog Consultoria
 
Gestão administrativa de pessoal
Gestão administrativa de pessoalGestão administrativa de pessoal
Gestão administrativa de pessoal
Rodrigo Cristóvão
 
Trabalho gestao camila
Trabalho gestao camilaTrabalho gestao camila
Trabalho gestao camila
LuceliaRibeiro
 
ebook people Analytics - recrutamento e s
ebook people Analytics - recrutamento e sebook people Analytics - recrutamento e s
ebook people Analytics - recrutamento e s
rebecarecruiter
 

Semelhante a Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK VERSÃO: 3.0 (20)

Tecnicas de gerenciamento=_trabalho
Tecnicas de gerenciamento=_trabalhoTecnicas de gerenciamento=_trabalho
Tecnicas de gerenciamento=_trabalho
 
Tecnicas de gerenciamento
Tecnicas de gerenciamentoTecnicas de gerenciamento
Tecnicas de gerenciamento
 
e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdf
e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdfe-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdf
e-book_Pesquisa_de_Clima_(BOOG_CONSULTORIA).pdf
 
Guia Babok
Guia BabokGuia Babok
Guia Babok
 
Simulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das Filas
Simulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das FilasSimulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das Filas
Simulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das Filas
 
eBook: Otimizando o Recrutamento E Seleção
eBook: Otimizando o Recrutamento E SeleçãoeBook: Otimizando o Recrutamento E Seleção
eBook: Otimizando o Recrutamento E Seleção
 
Palestra ERP Graduação v1.0
Palestra ERP Graduação v1.0Palestra ERP Graduação v1.0
Palestra ERP Graduação v1.0
 
FERRAMENTAS DE TRABALHO.pptx
FERRAMENTAS DE TRABALHO.pptxFERRAMENTAS DE TRABALHO.pptx
FERRAMENTAS DE TRABALHO.pptx
 
1525985856 comportamento dos_colaborares
1525985856 comportamento dos_colaborares1525985856 comportamento dos_colaborares
1525985856 comportamento dos_colaborares
 
Gestão administrativa de pessoal
Gestão administrativa de pessoalGestão administrativa de pessoal
Gestão administrativa de pessoal
 
Palestra ERP MBA Unisinos v1.0
Palestra ERP MBA Unisinos v1.0Palestra ERP MBA Unisinos v1.0
Palestra ERP MBA Unisinos v1.0
 
BA Day 2011 - O que é análise de negócios?
BA Day 2011 - O que é análise de negócios?BA Day 2011 - O que é análise de negócios?
BA Day 2011 - O que é análise de negócios?
 
Os desafios do empreendedor
Os desafios do empreendedorOs desafios do empreendedor
Os desafios do empreendedor
 
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
Semana de Comércio Exterior e Logística - Aplicação de ferramentas de melhori...
 
{FAN} Formação de Analistas de Negócios
{FAN} Formação de Analistas de Negócios{FAN} Formação de Analistas de Negócios
{FAN} Formação de Analistas de Negócios
 
2º FASE - GP - Projetos.pdf
2º FASE -  GP - Projetos.pdf2º FASE -  GP - Projetos.pdf
2º FASE - GP - Projetos.pdf
 
Trabalho gestao camila
Trabalho gestao camilaTrabalho gestao camila
Trabalho gestao camila
 
ebook people Analytics - recrutamento e s
ebook people Analytics - recrutamento e sebook people Analytics - recrutamento e s
ebook people Analytics - recrutamento e s
 
Melhoria Organizacional
Melhoria OrganizacionalMelhoria Organizacional
Melhoria Organizacional
 
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientesArtigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
Artigo mba ietec_desenvolvendo estratégias para elevar a satisfação dos clientes
 

Mais de Diogo Rocha Ferreira de Menezes

Mais de Diogo Rocha Ferreira de Menezes (8)

QUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de Software
QUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de SoftwareQUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de Software
QUALIDADE DE SOFTWARE VT- Avaliação de Produto de Software
 
INTERFACE HOMEM-MÁQUINA VT- Construção de Interfaces
INTERFACE HOMEM-MÁQUINA VT- Construção de Interfaces INTERFACE HOMEM-MÁQUINA VT- Construção de Interfaces
INTERFACE HOMEM-MÁQUINA VT- Construção de Interfaces
 
Hard disk drives - Unidades de Disco Rígido
Hard disk drives - Unidades de Disco Rígido Hard disk drives - Unidades de Disco Rígido
Hard disk drives - Unidades de Disco Rígido
 
EVOLUÇÃO DA LINGUAGEM DELPHI - ARTIGO
EVOLUÇÃO DA LINGUAGEM DELPHI - ARTIGOEVOLUÇÃO DA LINGUAGEM DELPHI - ARTIGO
EVOLUÇÃO DA LINGUAGEM DELPHI - ARTIGO
 
TEORIA GERAL DE SISTEMAS - Prototipo Controle Financeiro
TEORIA GERAL DE SISTEMAS - Prototipo Controle FinanceiroTEORIA GERAL DE SISTEMAS - Prototipo Controle Financeiro
TEORIA GERAL DE SISTEMAS - Prototipo Controle Financeiro
 
GERENCIAMENTO DE PROJETOS: MS Project.
GERENCIAMENTO DE PROJETOS:  MS Project.GERENCIAMENTO DE PROJETOS:  MS Project.
GERENCIAMENTO DE PROJETOS: MS Project.
 
DESENVOLVIMENTO DE PROJETO PARA IMPLANTAÇÃO DO CMMI NIVEL DOIS DE MATURIDADE ...
DESENVOLVIMENTO DE PROJETO PARA IMPLANTAÇÃO DO CMMI NIVEL DOIS DE MATURIDADE ...DESENVOLVIMENTO DE PROJETO PARA IMPLANTAÇÃO DO CMMI NIVEL DOIS DE MATURIDADE ...
DESENVOLVIMENTO DE PROJETO PARA IMPLANTAÇÃO DO CMMI NIVEL DOIS DE MATURIDADE ...
 
Desvios posturais
Desvios posturaisDesvios posturais
Desvios posturais
 

Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK VERSÃO: 3.0

  • 1. Um guia para definir o corpo de conhecimento para análise de negócios – BABOK VERSÃO: 3.0 Diogo Rocha F. de Menezes1, Paulo César Melo2 1 Faculdade Sul Americana (FASAM) BR – 153, s/n. Km 502, Jardim da Luz – Goiânia – GO – Brasil Abstract. In recent times many professionals who understand the burden of acting as business analysts feel the absence of a developed direction on how to work to deliver excellent results for their companies. Often knowledge of business analysis is gained from experience, with failures until you figure out a way to work. Given this scenary, this article describes the body of knowledge BABOK - Business Analysis Body of Knowledge guide that can be used as a guide for professionals who practice Business Analysis. Resumo. Nos tempos correntes muitos profissionais que compreendem o encargo de atuar como analistas de negócios sentem ausência de uma direção desenvolvida sobre como trabalhar para oferecer excelentes resultados para suas companhias. Frequentemente o conhecimento da análise de negócios se adquire na experiência, com falhas até descobrir uma maneira que funcione. Diante desse cenário, este artigo descreve o corpo de conhecimentos guia BABOK - Business Analysis Body of Knowledge que pode ser usado como guia para os profissionais que praticam a Análise de Negócios. 1. Introdução Com os crescentes investimentos em tecnologia pelas empresas, com aquisições de computadores e equipamentos (hardware), programas (software) e contratações de serviços, muitas das vezes não existem técnicas e práticas para entender melhor os problemas e as oportunidades do negócio e conseguir delinear resultados mais claros dos investimentos realizados, com isso o papel da Análise de Negócios visa diminuir drasticamente o desperdício de recursos. Nesse contexto, essa pesquisa visa definir o papel do Analista de Negócios como peça chave para que não haja decepções entre as expectativas e os resultados no fim do projeto, provendo assim a empresa com um profissional capaz de entender as necessidades do negócio/dores e traduzi-las para os demais departamentos, principalmente para o da tecnologia da Informação (TI). Diante das condições apresentadas, com o objetivo de apoiar a comunidade de análise de negócios o International Institute of Business Analysis IIBA produziu a documentação Business Analysis Body of Knowledg – BABOK 3.0 no qual será apresentada nesse trabalho [IIBA, 2016].
  • 2. 2. Origem do Guia BABOK O IIBA (Instituto Internacional de Análise de Negócios) foi fundado em Toronto, Canadá, em outubro de 2003, para apoiar a comunidade de análise de negócios, sendo alguns dos pontos desenvolvidos: • Definir o Corpo de conhecimento para análise de negócios (BABOK); • Reconhecer e certificar publicamente profissionais qualificados através de um programa de certificação reconhecido internacionalmente. 2.1. Objetivo do Guia BABOK Tem como principal função definir a profissão de análise e fornece um conjunto de práticas comumente aceitas. As seis áreas de conhecimento do Guia do BABOK (Análise ne Negócios e Planejamento Monitoramento, Elicitação e Colaboração, Gerenciamento do Ciclo de Vida de Requisitos, Análise de Estratégia, Análise de Requisitos e Definição de Design (RADD) e Avaliação da Solução). 3. Conceitos chave de análise de negócios BACCM (Business Analysis Core Concept Model) – Modelo de conceito de núcleo de análise de negócios. Os seis principais conceitos são: Mudança, Necessidade, Solução, Stakeholder, Valor e Contexto. O BACCM pode ser usado para: Descrever a profissão e domínio de análise de negócios; comunicar sobre análise de negócios com uma terminologia comum. Figura 1. Processo BACCM Fonte: Guia BABOK 3.0
  • 3. 3.1. Changes - Mudança É uma transformação controlada que acontece no ambiente corporativo, é quando a empresa precisa mudar “por que” o mercado está em constante transformação O Analista de negócios sempre deve entender o “por que” da necessidade ter surgido, não entender a real necessidade, problema/dor, oportunidade comprometerá a qualidade do serviço e resultado do trabalho. Nesse contexto da necessidade, não identificar a mesma faz com que a solução não resolva o que realmente está sendo solicitado. 3.2. Solutions - Soluções É tudo aquilo que é feito para atender uma ‘necessidade’ de negócio. 3.3. Contexts - Contextos É tudo aquilo no qual a mudança ocorre, são os valores organizacionais. Exemplo: Em um projeto de implantação de um ERP, é importante entender os valores das pessoas, pois possibilitará entender os obstáculos da solução que está para ser implantada. 3.4. Value - Valor É necessário entender o que na ‘necessidade’ é valor, o que de fato fará a diferença. Deve ser identificado o momento exato que a demanda faz sentido e conhecer os elementos, sendo alguns deles: Necessidades/Dores: É além do que colocar os requisitos por escrito e entregar a equipe de TI. Deve entender a “Dor” do cliente, identificar o por que ele te chamou, qual foi sua real motivação. Exemplo: Empresas disruptivas (IPOD APLLE x Toca Fitas), (UBER x Taxi), (NETFLIX x Locadoras de Filmes), (AIRBNB x Hotéis). 3.5. Needs - Necessidades Identificar o problema e a necessidade. Pode ser que não fazer nada, pode ser uma solução, pois a organização não tem recursos para vislumbrar uma solução. 3. Planejamento e monitoramento de análise de negócios É dividido da seguinte forma: • Planejar a abordagem de análise de negócios: descreve o planejamento de negócios desde o trabalho de análise a criação ou seleção de uma metodologia até o planejamento de atividades individuais, tarefas e resultados finais. • Planejar o engajamento das partes interessadas: define a compreensão das partes interessadas que são relevantes para a mudança.
  • 4. • Planejar a Governança da Análise de negócios: define os componentes da análise de negócios que são usadas para apoiar a função de governança da organização. • Planejar o gerenciamento de informações de análise de negócios: define como as informações necessárias para análise são capturadas, armazenado e integrado com outras informações para uso a longo prazo. • Identificar as melhorias no desempenho da análise de negócios: descreve como gerenciar e monitorar como o trabalho de análise de negócios é executado para assegurar que os compromissos sejam cumpridos e a aprendizagem continua e oportunidades de melhoria são realizadas. Figura 2. Processo Planejamento e Monitoramento da análise de negócios Fonte. [NEVES, M. 2018] 4. Elicitação e colaboração O propósito é entender o escopo da elicitação, definindo os resultados desejados da atividade. Na elicitação equipamentos ou técnicas podem ser utilizadas sendo algumas delas:
  • 5. • Brainstorming: usado para identificar colaborativamente e chegar a um consenso sobre quais fontes de informações de análise de negócios devem ser consultadas e quais técnicas de elicitação podem ser mais eficazes. • Data Mining: usado para identificar informações ou padrões que exigem mais investigação. • Análise de documentos: usada para identificar e avaliar fontes candidatas de Materiais de suporte. • Estimativa: usada para estimar o tempo e o esforço necessários para a elicitação e o custo associado. • Entrevistas: usadas para identificar preocupações sobre a elicitação planejada, e podem ser usadas para buscar autoridade para prosseguir com opções específicas • Mapa mental: usado para identificar colaborativamente e chegar a um consenso sobre quais fontes de informações de análise de negócios devem ser consultadas e quais técnicas de elicitação podem ser mais eficazes. • Análise e Gerenciamento de Risco: usado para identificar, avaliar e gerenciar condições ou situações que possam perturbar a elicitação ou afetar a qualidade e validade dos resultados da elicitação. Os planos para a elicitação devem ser ajustados para evitar, transferir ou mitigar os riscos mais sérios. • Lista de Partes Interessadas: usado para determinar quem deve ser consultado durante a preparação para a elicitação, quem deve participar do evento e os papéis apropriados para cada parte interessada. • Pesquisa: envolve sistematicamente descobrir e estudar informações de materiais ou fontes que não são diretamente conhecidos pelas partes interessadas envolvido na mudança. As partes interessadas ainda podem participar da pesquisa. A pesquisa pode incluir a análise de dados históricos para identificar tendências ou resultados passados • Confirme os resultados da elicitação: A finalidade de confirmar resultados de Elicitação é verificar as informações coletadas durante uma sessão de elicitação para precisão e consistência com outras informações. A informação obtida é confirmada para identificar quaisquer problemas e resolvê-los antes que os recursos estejam comprometidos com o uso da informação. Esta revisão pode descobrir erros, omissões, conflitos e ambiguidade. 5. Gerenciamento do Ciclo de Vida dos Requisitos Para [Hazan and Thayer 2003] o Gerenciamento de Requisitos tem como objetivo principal controlar a evolução dos requisitos, seja por constatação de novas necessidades, seja por deficiências nos requisitos registrados até o momento. O Gerenciamento do ciclo de vida dos requisitos pode ser identificado das seguintes formas:
  • 6. Requisitos de rastreamento: O propósito é garantir que os requisitos e projetos de diferentes níveis estejam alinhados entre si e para gerenciar os efeitos da mudança para um nível de requisitos relacionados. A rastreabilidade permite: análise de impacto mais rápida e simples, descoberta mais confiável de inconsistências e lacunas nos requisitos, insights mais profundos sobre o escopo e a complexidade de uma mudança e avaliação confiável de quais requisitos foram abordados ou não. Priorizar os requisitos: A priorização é o ato de classificar os requisitos para determinar seus parentes importância para as partes interessadas. Quando um requisito é priorizado, é dado maior ou menor prioridade. Prioridade pode se referir ao valor relativo de um requisito, ou à sequência em que será implementada. Priorização é um processo contínuo com prioridades mudando conforme o contexto muda Avaliar/Aprovar requisitos: Os Analistas de negócios obtêm aprovação revisando os requisitos ou alterações aos requisitos com os indivíduos responsáveis ou grupos e solicitando que eles aprovem, indicando sua concordância com a solução proposta. Para que se possa propor uma solução, é preciso antes elaborar a análise de negócio [LARMAN, 2007]. 6. Análise Estratégica Analisar o estado atual: Analistas de negócios trabalham para ajudar as partes interessadas possibilitam a mudança, explorando e articulando as necessidades de negócios que dirigir o desejo de mudar. Sem necessidades comerciais claramente entendidas, é impossível desenvolver uma estratégia coerente. Nessa etapa que entendemos o status atual, aonde queremos chegar/estado desejado e o que é preciso ser feito para colocar determinada solução em produção. Definir estado futuro: é definido com um nível de detalhe que: permite que estratégias concorrentes alcancem o futuro estado a ser identificado e avaliado, fornece uma definição clara dos resultados que satisfarão o negócio necessidades; detalha o escopo do espaço da solução permite avaliar o valor associado ao estado futuro e permite que o consenso seja alcançado entre os principais interessados. Avaliar os riscos: Os riscos são analisados para: possíveis consequências se o risco ocorrer; impacto dessas consequências; probabilidade do risco e prazo em potencial quando o risco pode ocorrer Definir estratégia de mudança: A estratégia de mudança descreve claramente a natureza da mudança em termos de: Justificativa de porque uma determinada estratégia de mudança é a melhor abordagem; investimento e recursos necessários para trabalhar em direção ao futuro estado. 7. Análise de requisitos e definição de design Descreve as práticas para analisar a elicitação de resultados e criar representações dos mesmos. Quando o foco especificar e modelar a atividade é entender a necessidade, os resultados são referidos como requisitos. Quando o foco da especificação e modelagem atividade está em uma solução, as saídas são referidas como designs.
  • 7. Verifique/Valide os requisitos: A verificação de requisitos garante que os requisitos e projetos tenham sido definido corretamente. A verificação de requisitos constitui uma verificação pela empresa, analista e as principais partes interessadas. 8. Avaliação da Solução Deverá ser seguindo os seguintes modelos de avaliação: Meça o desempenho da solução: determina a maneira mais apropriada de avaliar o desempenho de uma solução, incluindo como ela se alinha com a empresa metas e objetivos, e realiza a avaliação. Analisar as medidas de desempenho: examina as informações sobre o desempenho de uma solução, a fim de compreender o valor que ela proporciona a empresa e às partes interessadas, e determina se está cumprindo necessidades atuais de negócios. Avalie as limitações da solução e da empresa: Investiga questões dentro do escopo de uma solução que pode impedi-lo de atender às necessidades comerciais atuais. Recomendar ações para aumentar o valor da solução: identifica e define ações que a empresa pode tomar para aumentar o valor que pode ser entregue por uma solução. 8. Competências subjacentes e técnicas O Analista de negócios deve ter as seguintes competências: Pensamento analítico e resolução de problemas: analisar problemas e oportunidades de forma eficaz, identificar quais mudanças fornecer o maior valor e trabalhar com as partes interessadas para compreender o impacto essas mudanças. Características comportamentais: habilidades e comportamentos que permitem que um analista de negócios ganhe a confiança e o respeito partes interessadas. Os analistas de negócios fazem isso agindo consistentemente de maneira ética, completar tarefas a tempo e às expectativas, entregando eficientemente resultados de qualidade, e demonstrando adaptabilidade às mudanças nas necessidades e circunstâncias. Conhecimento de negócios: O conhecimento permite que o analista de negócios compreenda melhor conceitos que regem a estrutura, os benefícios e o valor da situação, uma vez que se refere a uma mudança ou uma necessidade. Habilidades de comunicação/Interação: A comunicação pode ser realizada usando uma variedade de métodos de entrega: verbal, não-verbal, físico e escrito. Uma comunicação eficaz envolve tanto o remetente quanto o receptor que possuem mesma compreensão da informação que está sendo comunicada. Um glossário compartilhado termos e metas claras são ferramentas eficazes para evitar mal-entendidos e complicações resultante. Para [Megginson 1998] comunicação é o processo de transferir significado de uma pessoa para outra na forma de ideias ou informação
  • 8. Ferramentas e Tecnologia: usam uma variedade de aplicativos de software para suportar a comunicação e colaboração, criar e manter artefatos de requisitos, conceitos de modelo, acompanhar os problemas e aumentar a produtividade geral Técnicas: Algumas técnicas podem ser utilizadas para apoiar a análise de negócios, o guia BABOK destaca as seguintes: Mapa mental; BPMN; UML; Prototipagem; Analise de Causa Raiz; Glossário; Histórias de Usuário. 9. Perspectivas A Perspectiva ágil: A análise ágil de negócios garante que as informações estejam disponíveis para a equipe ágil com o nível certo de detalhes no momento certo. Analistas de negócios ajudam equipes ágeis respondendo estas perguntas: • Que necessidade estamos tentando satisfazer? Essa necessidade merece ser satisfatória? Devemos entregar algo para satisfazer essa necessidade? Qual é a coisa certa a fazer para atender essa necessidade? A Perspectiva BI: Resultados da análise de negócios Na disciplina de business intelligence, a análise de negócios está focada nas principais componentes da arquitetura da solução: a especificação de decisões de negócios a serem influenciadas ou alteradas, a coleta de dados dos sistemas de origem, a integração de fontes divergentes em uma empresa convergente estrutura e o fornecimento de informações direcionadas e insights analíticos para os negócios partes interessadas. Analise Preditiva: O foco da análise de negócios está na informação requisitos para reconhecimento de padrões através de mineração de dados, modelagem, previsão e alertas orientados por condição A Perspectiva TI: A natureza das atividades de análise de negócios em um ambiente de TI depende de uma variedade dos fatores de impacto da solução: • O que acontece com o negócio se esse sistema for desligado? • O que acontece se o desempenho do sistema degrada? • Quais capacidades e processos de negócios dependem do sistema de TI? • Quem contribui para esses recursos e processos? • Quem usa esses recursos e processos? 10. Conclusão O presente artigo faz uma abordagem sobre o papel que as empresas esperam da atividade de análise de negócios, em um cenário atual aonde vemos cada vez mais solicitações sendo realizadas para as áreas de TI , porém, são atendidas por um profissional que só pensa em tecnologia, não fala a linguagem do negócio e não consegue traduzi-la para a equipe técnica. Invariavelmente, tal descompasso entre o que o negócio precisa e o que é entregue pela TI só é identificado quando a solução está pronta. Nesse sentido, faz-se de extrema importância dentro dos departamentos de TI, uma linha de frente composta por profissionais que falem a linguagem do negócio e que possam efetivamente executar aquilo que o CIO diz que a TI vai fazer. Conforme apresentado pelo guia BABOK e [Thomé, 2012] os profissionais dessa linha devem ter: • Boa comunicação oral e escrita;
  • 9. • Entender e se interessar por aprender mais sobre conceitos do negócio (relativos a administração, marketing, finanças, estratégia, produção, etc.). O profissional deve querer resolver o problema do negócio. Sua satisfação deve derivar do resultado do negócio e não da implementação da tecnologia. • Saber ler e conseguir questionar documentos relativos à estratégia da empresa; • Conhecimentos relacionados a BPM (Business Process Management ou Gerenciamento por processos); • Entender e saber criar documentos que descrevem processos de negócio. • Saber identificar potenciais melhorias nos processos • Conhecer Gerenciamento de Projetos • Saber fazer um Business Case • Entender e conseguir questionar os seguintes aspectos relativos a uma iniciativa específica: objetivos, riscos, premissas, restrições •Saber o suficiente sobre tecnologia para poder traduzir a necessidade do negócio para a equipe técnica. 11. Referencias IIBA. (2016). A Guide to the Business Analysis Body of Knowledge® (BABOK® Guide) Version 3.0. Toronto: International Institute of Business Analysis. Acesso em 3 de 2 de 2019, disponível em http://IIBA.org. Neves, M. Babok 3 - Um breve resumo. Março/2018. Disponível em <https://anelox.com/babok-um-breve-resumo/>. Acesso em 03 Fev. 2019. Megginson, L. C.; C.MOSLEY, D.; JR., P. H. P. Administração Conceitos e Aplicações. [S.l.]: Harbra, 1998. Thomé, S. (2012). TI para negócios 2. São Paulo: NETPRESS BOOKS. Hazan, Claudia, Leite, Julio Cesar S. P. Indicadores a para Gerência de Requisitos. In: WER 2003 - WORKSHOP EM ENGENHARIA DE REQUISITOS, 6., 2003. São Paulo, Anais... São Paulo, Brasil. Larman, Graig. Utilizando Padrões e UML. 3. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2007.