MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS Bruno Mori Diogo Dantas Tiago Ueda Vinícius RiosProf. Mateus Cozer – NPA810
Agenda e-Business e-Commerce e-Procurement e-Marketplace Produtividade   e Internet Economia    Digital Shopbots S...
e-Business Negociaçãofeita pela internet que não envolve necessariamente uma transação comercial. E-CommerceRealização d...
e-BusinessPrestação de serviços na web: Ensino   a distância Suporte   a clientes Serviços   de entretenimento Sites  ...
e-BusinessVantagens:                       Desvantagens:  •    Agilidade da informação     •    Necessidade de domínio das...
e-CommerceCompartilhamento de informações de negócios estruturados ou não, por qualquer meio eletrônico com fornecedores, ...
e-CommercePrincipais modelos de negócios digitais   Propaganda   Venda de bens   Controle de assinatura   Pagamento ún...
e-Commerce   Propaganda
e-Commerce Venda de bensVenda de material realizada pelos varejistas da web.
e-Commerce Controle de assinaturaNesse modelo de negócio oobjetivo é obter um grandenúmero de visitantes.                ...
e-Commerce  Moeda virtualOs usuários precisam dealguma moeda virtual paraprogredir em um jogo ou pararealizar as ações de...
e-Commerce  Lead generationCriação ou geração de interesse do consumidorpotencial.                                       ...
e-Commerce   Produtos de informaçãoUma maneira de aproveitaras informações ou dados quepossuímos, a fim de ganhardinheiro...
e-Commerce  Acesso a dadosEmpresas que ganham dinheirofornecendo informações.                                Ecossistema...
e-Commerce
e-Commerce
e-Procurement CONCEITO:    Utilizando a internet, pode-se realizar uma compra desde     materiais para escritório até ma...
e-ProcurementFonte: http://www.mslsoftware.com/eprocurement.html
e-Procurement ALGUNS       TIPOS DE E-PROCUREMENT:     Web Based ERP (Enterprise Resource Planning) –      Criação, apro...
e-Procurement VANTAGENS    Sistema prático e de fácil acompanhamento de um status     de pedido;    Reduz custos;    O...
e-Marketplace CONCEITO:    É um Mercado Virtual onde há uma interação entre     vendedores, compradores e parceiros;   ...
e-MarketplaceFonte: http://www.itradevan.com/ecommerce.jsp
e-MarketplacePONTO DE VENDA                 PRODUTO                 PREÇO               PROMOÇÃO
Produtividade e Internet    VERDADE?Fonte: http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-BR&biw=1280&bih=929&q=produtividade...
Produtividade e InternetFonte: http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-BR&biw=1280&bih=929&q=produtividade%20x%20intern...
Produtividade e InternetFonte: http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-BR&biw=1280&bih=929&q=produtividade%20x%20intern...
Produtividade e Internet Biografia:                             Erik Brynjolfsson:                              • Profess...
Produtividade e Internet SETE            PILARES DA PRODUTIVIDADE       “Sete práticas caracterizam empresas altamente   ...
Produtividade e InternetA inovação em TI por si só não é suficiente – milhares de projetos deTI falham no cumprimento de s...
Produtividade e Internet 7      Pilares            Movimento   do analógico para o digital;            Acesso as inform...
Economia DigitalLivro: Internet e Economia Digital  Livro destaca:   Aspectos da Internet e as tecnologias digitais  que a...
Economia Digital  Biografia:  Eric Brousseau:   • Professor de Economia da Universidade de Paris   (2000)   • Membro do I...
Economia Digital A Universalização                      da Rede:      • Origem:           Originária na comunidade cientí...
Economia Digital Concorrência                  e Complementaridade:       Quando a Internet foi “inventada” os organismos...
Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional       “A internet é um mercado quase perfeito, porque a in...
Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Síntese           do Estudo Quando: 15 meses (fev 1998 a...
Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Resultados                Os preços praticados na interne...
Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Resultados       Quanto a variação de preços, observou-s...
Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Resultados Dispersão de preços na internet é maior que n...
Shopbots    Biografia:•   Romero Rodrigues Filho (São Paulo, 1 de outubro de 1977) é um empresário    brasileiro, formado ...
Shopbots MÉTODO DE COMPARAÇÃO DE PREÇO             1º                                          2º                        ...
Shopbots CLIQUE$                         O que é um clique? O clique contabilizado acontece quando o consumidor (internau...
Shopbots CLIQUE$           Quais as vantagens de ser o 1º no Ranking?  É um espaço nobre onde o usuário verifica as espec...
Shopbots BALANÇO E-COMERCE BRASILEIROHouve um crescimento no faturamento de 26% no ano de 2011 em relação a    2010 e um ...
Shopbots PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS DO ANO   Em 2011 o Tíquete médio foi 6,5% menor do que 2010. (Queda     justificada pe...
Shopbots     CATEGORIAS MAIS VENDIDAS E EVOLUÇÃO 2012    Produtos de maior valor agregado continuara em alta (eletrodomés...
Social dataBiografia:Andreas WeigendEx-cientista chefe da Amazon. Atualmente leciona naUniversidade de Stanford sobre dado...
Social dataDesde a sua criação, a Amazon é uma empresa que se baseianos dados dos usuários, coletando e registrando decisõ...
ReferênciasDÚVIDAS
Referências   BRYNJOLFSSON, E.; SMITH, M. Frictionless Commerce? A Comparison of    Internet and Conventional Retailers. ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS

1.096 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.096
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS

  1. 1. MODELOS DE NEGÓCIOS DIGITAIS Bruno Mori Diogo Dantas Tiago Ueda Vinícius RiosProf. Mateus Cozer – NPA810
  2. 2. Agenda e-Business e-Commerce e-Procurement e-Marketplace Produtividade e Internet Economia Digital Shopbots Social Data
  3. 3. e-Business Negociaçãofeita pela internet que não envolve necessariamente uma transação comercial. E-CommerceRealização de vendas pela internet, sejam elasrealizadas entre duas empresas (B2B), ou entre umaempresa e um cliente (B2C).
  4. 4. e-BusinessPrestação de serviços na web: Ensino a distância Suporte a clientes Serviços de entretenimento Sites de busca Relação cliente x fornecedor
  5. 5. e-BusinessVantagens: Desvantagens: • Agilidade da informação • Necessidade de domínio das em tempo real; novas tecnologias e ferramentas; • Transparência, todas as • Ambientes heterogêneos; etapas envolvidas estão disponível; • Incompatibilidade de tecnologias; • Comodidade;
  6. 6. e-CommerceCompartilhamento de informações de negócios estruturados ou não, por qualquer meio eletrônico com fornecedores, clientes eoutros parceiros para conduzir e executar transações comerciais, sem levar em conta os setores de atividade, dimensão das empresas interessadas ou o valor da transação.
  7. 7. e-CommercePrincipais modelos de negócios digitais Propaganda Venda de bens Controle de assinatura Pagamento único Moeda virtual Bens virtuais Lead generation Produtos de informação White labels Acesso a dados Ecossistema
  8. 8. e-Commerce Propaganda
  9. 9. e-Commerce Venda de bensVenda de material realizada pelos varejistas da web.
  10. 10. e-Commerce Controle de assinaturaNesse modelo de negócio oobjetivo é obter um grandenúmero de visitantes.  Pagamento único Um pagamento único faz você proprietário e proporciona à você um tempo de vida do serviço.
  11. 11. e-Commerce Moeda virtualOs usuários precisam dealguma moeda virtual paraprogredir em um jogo ou pararealizar as ações desejadas.  Bens virtuais São objetos comprados virtualmente como presentes ou roupas para avatares em jogos.
  12. 12. e-Commerce Lead generationCriação ou geração de interesse do consumidorpotencial. O Facebook fatura em torno US$ 300 milhões por ano somente com propagandas.
  13. 13. e-Commerce Produtos de informaçãoUma maneira de aproveitaras informações ou dados quepossuímos, a fim de ganhardinheiro.. White labelsCriar um produto que outraempresa pode colocar suamarca..
  14. 14. e-Commerce Acesso a dadosEmpresas que ganham dinheirofornecendo informações.  Ecossistema Exemplo: Uma plataforma, neste caso chamada de lojas de aplicativos, permite os usuários comprar e baixar aplicações que foram desenvolvidas por desenvolvedores de terceiros.
  15. 15. e-Commerce
  16. 16. e-Commerce
  17. 17. e-Procurement CONCEITO:  Utilizando a internet, pode-se realizar uma compra desde materiais para escritório até matéria prima para o processo;  É um método utilizado em B2B, B2C e B2G;  A compra é monitorada desde a solicitação até o momento da entrega;
  18. 18. e-ProcurementFonte: http://www.mslsoftware.com/eprocurement.html
  19. 19. e-Procurement ALGUNS TIPOS DE E-PROCUREMENT:  Web Based ERP (Enterprise Resource Planning) – Criação, aprovação de pedidos de compras e envio do pedido para o fornecedor;  e-MRO (Maintenance, Repair and Operations) – diferente do Web Based apenas em não ter produto;  e-sourcing – Seleção de novos fornecedores para uma compra específica;*Todos os tipos de e-Procurement utilizam da internet.
  20. 20. e-Procurement VANTAGENS  Sistema prático e de fácil acompanhamento de um status de pedido;  Reduz custos;  Otimiza o tempo;  Possibilita a integração com sistema de estoque, com possibilidade de gerar pedidos automaticamente.
  21. 21. e-Marketplace CONCEITO:  É um Mercado Virtual onde há uma interação entre vendedores, compradores e parceiros;  As integrações podem ser: consulta de produtos, encomendas online, troca de informações, entre outras;  Os tipos de negócios que utilizam são: B2B (ex: econstroi), B2C (ex: Dell); C2C (ex: eBay);  Para o caso de C2C, pode-se visualizar nitidamente os 4P’s do Marketing (Produto, Preço, Propaganda e Ponto de Venda);
  22. 22. e-MarketplaceFonte: http://www.itradevan.com/ecommerce.jsp
  23. 23. e-MarketplacePONTO DE VENDA PRODUTO PREÇO PROMOÇÃO
  24. 24. Produtividade e Internet  VERDADE?Fonte: http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-BR&biw=1280&bih=929&q=produtividade%20x%20internet&ie=UTF-8&sa=N&tab=Tw
  25. 25. Produtividade e InternetFonte: http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-BR&biw=1280&bih=929&q=produtividade%20x%20internet&ie=UTF-8&sa=N&tab=Tw
  26. 26. Produtividade e InternetFonte: http://www.google.com.br/search?um=1&hl=pt-BR&biw=1280&bih=929&q=produtividade%20x%20internet&ie=UTF-8&sa=N&tab=Tw
  27. 27. Produtividade e Internet Biografia: Erik Brynjolfsson: • Professor de Gestão da Universidade MIT Sloan School of Management • Diretor do Centro de Negócios Digitais do MIT • Presidente do MIT Sloan Management ReviewSua pesquisa e ensino foca na forma como as empresas podemefetivamente usar a tecnologia da informação (TI) de uma forma geral ea Internet de uma forma particular.Fonte: http://ebusiness.mit.edu/erik/index.html
  28. 28. Produtividade e Internet SETE PILARES DA PRODUTIVIDADE “Sete práticas caracterizam empresas altamente produtivas e ajudam a transformá-las em organizações digital.” Erik Brynjolfsson - 2005 A adoção em massa dos computadores resulta na melhor produtividade dos funcionários e indivíduos, mas a forma de uso ainda é decisiva para os resultados.Fonte: Brynjolfsson, Erik "Seven Pillars of Productivity" Optimize, May 05.
  29. 29. Produtividade e InternetA inovação em TI por si só não é suficiente – milhares de projetos deTI falham no cumprimento de suas promessas de produtividade. “ O sucesso depende principalmente do investimento que a empresa na própria organização além dos investimentos em novas tecnologias.”A importância de investir em capital organizacional • Relacionamento; • Marca; • Capital intelectual; • Fluxos de movimentação; • Fluxos de informações.Fonte: Brynjolfsson, Erik "Seven Pillars of Productivity" Optimize, May 05.
  30. 30. Produtividade e Internet 7 Pilares  Movimento do analógico para o digital;  Acesso as informações;  Capacitação dos funcionários;  Mérito por iniciativa;  Investimento em cultura corporativa;  Recrutamento das pessoas certas;  Investimento em capital humano.Fonte: Brynjolfsson, Erik "Seven Pillars of Productivity" Optimize, May 05.
  31. 31. Economia DigitalLivro: Internet e Economia Digital Livro destaca: Aspectos da Internet e as tecnologias digitais que aparentam ser inovações, tanto em termos de práticas econômicas como em conceitos analíticos.Fonte:Internet and Digital Economics Principles, Methods and Applications
  32. 32. Economia Digital  Biografia: Eric Brousseau: • Professor de Economia da Universidade de Paris (2000) • Membro do Instituto de Universidade da França (2002) • Diretor da Escola Européia de Nova Economia Institucional ESNIE (2002)Fonte:Internet and Digital Economics Principles, Methods and Applications
  33. 33. Economia Digital A Universalização da Rede: • Origem: Originária na comunidade científica e na comunidade militar americana, tornado assim a Internet e progressivamente foram transferidas para as redes privadas. • Rede Aberta 1985 (Comunidade Científica): Por decisão da National Science Foundation (NSF) decidiu a favor do desenvolvimento de uma rede aberta a toda comunidade científica. • Rede Aberta 1995 (Comunidade Privada): Após a autorização da abertura da rede para redes privadas do governo americano, teve um grande investimento do setor privado na Internet, dando assim uma grande explosão nos serviços on-line .Fonte:Internet and Digital Economics Principles, Methods and Applications
  34. 34. Economia Digital Concorrência e Complementaridade: Quando a Internet foi “inventada” os organismos reguladores decidiram não passar por autoridades de normalização (ISO, ITU e IEC) devido a quatro razões principais: Lentidão nas elaborações de normas Compreensão dos padrões da Internet Limitação ao continente Norte Americano até 1998 Ideologia LiberalFonte:Internet and Digital Economics Principles, Methods and Applications
  35. 35. Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional “A internet é um mercado quase perfeito, porque a informação é instantânea e os compradores podem comparar ofertas dos vendedores em todo o mundo. O resultado é a concorrência feroz, a diferenciação de produtos diminuindo e desaparecendo a fidelidade à marca.” Robert Kutter Exemplo: Buscapé.Fonte: Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper
  36. 36. Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Síntese do Estudo Quando: 15 meses (fev 1998 a maio 1999). Produto: Livros e CDs – produtos fisicamente homogêneos. 41 lojas de varejo e internet e varejo tradicional. mais de 8.500 observações de preço. Analise: Níveis de preços, alterações ao longo do tempo e dispersão entrelojas.Fonte: Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper
  37. 37. Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Resultados Os preços praticados na internet são menores que os praticados no varejo tradicional: • Livros: 15,5% • CDs: 16,1% Considerando • Livros: 9% impostos, transporte e manuseio • CDs: 13%Fonte: Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper
  38. 38. Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Resultados  Quanto a variação de preços, observou-se maior rigidez no varejo tradicional.  Varejistas online realizam pequenos ajustes de preço em resposta a mudanças na oferta e demanda. Motivos Custos elevados para mudança de etiquetas no produto e prateleiras; Custo com mão-de-obra; Tempo e movimentação.Fonte: Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper
  39. 39. Economia Digital  ESTUDO DE CASOInternet x Varejo Convencional Resultados Dispersão de preços na internet é maior que no varejo convencional. Dispersão média: • Livros: 33% • CDs: 25% Motivos: Confiança na marca permite aumento de preço no e-commerce. Receio de cobranças no cartão de crédito e mercadorias que nunca iráreceber.Fonte: Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper
  40. 40. Shopbots Biografia:• Romero Rodrigues Filho (São Paulo, 1 de outubro de 1977) é um empresário brasileiro, formado em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.• É fundador e presidente do Buscapé.• Aos 21 anos, Romero criou o Buscapé com três colegas de faculdade, Ronaldo Takahashi, Rodrigo Borges e Mário Letelier.• Em 2009, o Buscapé foi vendido para a empresa sul-africana Naspers por US$ 342 milhões.• A primeira ideia do Buscapé surgiu quando Rodrigo Borges procurava por um modelo de impressora na Internet.
  41. 41. Shopbots MÉTODO DE COMPARAÇÃO DE PREÇO 1º 2º 3º Filtro por produto1º Produto 2º Preço 3º Lojas
  42. 42. Shopbots CLIQUE$ O que é um clique? O clique contabilizado acontece quando o consumidor (internauta) clica em alguma oferta de sua empresa, sendo levado para outra página, (página com endereços e telefones de sua empresa). O que é CPC (Custo-Por-Clique)? CPC é o custo que você paga por clique único. A empresa que investir o valor mais alto de CPC estará listando suas ofertas sempre na 1ª posição nas páginas de resultado.
  43. 43. Shopbots CLIQUE$ Quais as vantagens de ser o 1º no Ranking? É um espaço nobre onde o usuário verifica as especificações e detalhes de sua empresa. A Logomarca de sua empresa aparece nos resultados tornando sua empresa ainda mais conhecida Como são contabilizados os cliques? Se um consumidor clicar 10 x seguidas em uma mesma oferta de sua empresa, só contabilizamos um Clique Único. Se um consumidor clicar em sua oferta e depois de uma hora clicar na mesma, serão contabilizados 2 Cliques Únicos. Se um consumidor clicar em uma oferta de sua empresa e em seguida clicar em uma outra de categoria diferente serão contabilizados 2 cliques.
  44. 44. Shopbots BALANÇO E-COMERCE BRASILEIROHouve um crescimento no faturamento de 26% no ano de 2011 em relação a 2010 e um aumento de 37% de pessoas comprando pela internet. Crescimento médio anual de faturamento nos últimos anos foi de 43,5%. Fatores externos como a crise na Europa e E.U.A afetaram a economia.
  45. 45. Shopbots PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS DO ANO Em 2011 o Tíquete médio foi 6,5% menor do que 2010. (Queda justificada pelo falo que em 2010 houve Copa do Mundo) Em 2011 , dos 9 milhões dos novos consumidores 61% vieram da classe C
  46. 46. Shopbots CATEGORIAS MAIS VENDIDAS E EVOLUÇÃO 2012 Produtos de maior valor agregado continuara em alta (eletrodomésticos, equipamentos de informática). Boas facilidades de compra para linhas brancas e eletrônicos.Já as categorias de Saúde, beleza e Medicamentos apresentaram um média maior do que o mercado, devido o amadurecimento do setor.
  47. 47. Social dataBiografia:Andreas WeigendEx-cientista chefe da Amazon. Atualmente leciona naUniversidade de Stanford sobre dados sociais, e dirigeo Laboratório de Dados de Social.Possui especialização em tecnologias sociais e móveis,e no comportamento do consumidor: estuda aspessoas e os dados que elas criam
  48. 48. Social dataDesde a sua criação, a Amazon é uma empresa que se baseianos dados dos usuários, coletando e registrando decisões decompra e promovendo recursos, como análises de produtos deusuários que ajudam as pessoas a fazer uma melhor decisãopara si.O Facebook tem um feedback constante sobre a maneiracomo ele pode projetar seus serviços para que as pessoaspermaneçam o maior tempo possível utilizando-os.Essencialmente, o Facebook pode influenciar o modo comoessas interações se desenvolvem através da escolha dedados sociais que eles escolhem para priorizar.
  49. 49. ReferênciasDÚVIDAS
  50. 50. Referências BRYNJOLFSSON, E.; SMITH, M. Frictionless Commerce? A Comparison of Internet and Conventional Retailers. Working Paper. 1999b. ORLIKOWSKI, W. The Truth is Not Out There: An Enacted View of the “Digital Economy”. On-line MIT.. Eric Brousseau et Nicolas Curien (ed.), "Internet and Digital Economics", Cambridge University Press, 2007. Pp. 1-114; 311-345. http://www.weigend.com/teaching/ http://www.ebitempresa.com.br http://veja.abril.com.br/noticia/economia/procon-suspende-por-72-horas- vendas-dos-sites-americanas-com-submarino-e-shoptime http://pcworld.uol.com.br http://www.buscapecompany.com/pt/ Brynjolfsson, Erik "Seven Pillars of Productivity" Optimize, May 05. http://www.e-commerce.org.br/artigos/e-procurement.php https://institucional.me.com.br/produtos/e-procurement/ TOMPKINS, A. E-Procurement. 1 ed. Califórnia: Tompkins Associates Monograph Series, 2001. NEIVA, Sílvia Beatriz. A escolha de softwares de E-Procuremen: uma análise multicritério, 2006 www.nepp.org.uk www.idea.gov.uk/knowledge/eprocurement

×