Acessibilidade
Diogo Garcia
Thais Arcas
Comparações entre a Norma 508 e WCAG
A seção 508 é uma emenda à Rehabilitation Act (Lei de Reabilitação da
Força de Trabal...
surjam e funcionem de forma
previsível e ajudar o usuário a
evitar e corrigir erros com
textos de ajuda e sugestões.
Princ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Norma 508 e wcag

210 visualizações

Publicada em

Comparações entre a norma 508 e wcag

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
210
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Norma 508 e wcag

  1. 1. Acessibilidade Diogo Garcia Thais Arcas
  2. 2. Comparações entre a Norma 508 e WCAG A seção 508 é uma emenda à Rehabilitation Act (Lei de Reabilitação da Força de Trabalho dos EUA), essa legislação exige que tecnologia eletrônica e de informação (TI) desenvolvida ou adquirida pelo Governo Federal dos EUA seja tornada acessível a pessoas com deficiências. Quem formulou foi o Governo dos EUA no ano de 1973, mas passou a vigorar no ano de 2001, com o principal foco nos órgãos Federais. Na seção 508 a quantidade de norma a serem obedecidas eram 16, sendo voltadas para produtos como Hardware, Software ou Web sites. Já o WCAG é um conjunto de recomendações para o conteúdo web voltado para pessoas com necessidades. Foi formulado pelo Consórcio W3C em 1999 (WCAG 1.0) e em 2007 o WCAG 2.0, com principal foco em qualquer web sites. Princípios Norma 508 WCAG Principio 1: Perceptível - Oferecer equivalência textual - Apresentar multimídia sincronizada - Oferecer um texto único alternativo - Manter-se independente de cor - Rótulos de linhas e cabeçalho de coluna - Usar atributos nos cabeçalhos em tabelas complexas. - Todo conteúdo não textual, seja imagem, vídeo, áudio, captcha e etc. deve ter o acesso da informação de alguma maneira textual e que possa ser acessada através de alguma tecnologia assistida. - O site tem de disponibilizar alternativas que facilitam o acesso de vídeos, da audição e da visualização do seu conteúdo em um layout simples sem perder informação ou estrutura. Principio 2: Operável - Reduzir a cintilação - Alertar os usuários para respostas temporizadas - Especificar Applets acessível e plug-ins - Oferecer links - Títulos nos frames para identificação - A página da web deve ter todo o seu acesso através do teclado, com tempo suficiente para o usuário ler e utilizarem o conteúdo, fornecendo ajuda na navegação para facilitar a localização do conteúdo e sem criar conteúdos que causariam ataques epiléticos. Principio 3: Compreensível - Formas de design acessível - Tornar o conteúdo de texto legível e compreensível, fazer com que as páginas web
  3. 3. surjam e funcionem de forma previsível e ajudar o usuário a evitar e corrigir erros com textos de ajuda e sugestões. Princípio 4: Robusto - Scripts de acessibilidade - Maximizar a compatibilidade com atuais e futuros agentes de usuário, incluindo tecnologia assistidas, ou seja, todos os elementos de marcação têm que estar em ordem e com inicio e fim e com atributos e ids únicos para que as tecnologias assistidas possam executar a sua tarefa sem erros. Concluímos que apesar de ambos tratarem o mesmo tema, acessibilidade, a diferença deles é que a Norma 508 exige que todos os produtos de TI e eletrônicos, desenvolvidos, mantidos ou comprados pelo governo do EUA sejam acessíveis a todos e a WCAG são sugestões e padronizações de web sites que devem ser desenvolvidos, buscando torná-los acessível a um maior número possível de usuários. Referencias: http://www.acessibilidadelegal.com/23-alfabeto.php http://www.w3.org/TR/WCAG20/

×