SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 74
Baixar para ler offline
5a
SÉRIE	6o
ANO
ENSINO FUNDAMENTAL – ANOS FINAIS
Volume 2
HISTÓRIA
Ciências Humanas
CADERNO DO ALUNO
Validade:2014–2017
MATERIAL DE APOIO AO
CURRÍCULO DO ESTADO DE SÃO PAULO
CADERNO DO ALUNO
HISTÓRIA
ENSINO FUNDAMENTAL – ANOS FINAIS
5a
SÉRIE/6o
ANO
VOLUME 2
Nova edição
2014-2017
governo do estado de são paulo
secretaria da educação
São Paulo
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 1 10/04/14 15:27
Governo do Estado de São Paulo
Governador
Geraldo Alckmin
Vice-Governador
Guilherme Afif Domingos
Secretário da Educação
Herman Voorwald
Secretária-Adjunta
Cleide Bauab Eid Bochixio
Chefe de Gabinete
Fernando Padula Novaes
Subsecretária de Articulação Regional
Rosania Morales Morroni
Coordenadora da Escola de Formação e
Aperfeiçoamento dos Professores – EFAP
Silvia Andrade da Cunha Galletta
Coordenadora de Gestão da
Educação Básica
Maria Elizabete da Costa
Coordenadora de Gestão de
Recursos Humanos
Cleide Bauab Eid Bochixio
Coordenadora de Informação,
Monitoramento e Avaliação
Educacional
Ione Cristina Ribeiro de Assunção
Coordenadora de Infraestrutura e
Serviços Escolares
Dione Whitehurst Di Pietro
Coordenadora de Orçamento e
Finanças
Claudia Chiaroni Afuso
Presidente da Fundação para o
Desenvolvimento da Educação – FDE
Barjas Negri
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 2 10/04/14 15:27
Caro(a) aluno(a),
Você está recebendo um Caderno com propostas de atividades nas quais você vai encontrar de-
safios e seguramente vai vencê-los com os conhecimentos e as habilidades que está desenvolvendo ao
longo deste ano. Você vai conhecer a cultura da Grécia e Roma Clássicas e entender a importância
das migrações bárbaras e do cristianismo para compreender a sociedade europeia durante a Idade
Média. Além desses conteúdos referentes ao continente europeu, você vai aprender sobre o Islã e sua
presença na Península Ibérica e o Império Bizantino.
Para aprender bem, você deve participar de todas as atividades propostas pelos(as) Professores
(as) nas aulas, fazer suas tarefas de casa e pesquisar nos livros e na sala de leitura sempre que for
orientado para esse tipo de trabalho. Se você errar, não desista, porque para aprender é preciso tentar
e o erro faz parte do processo de aprendizagem de todos nós.
Valorize cada conquista que fizer. Saiba que tudo o que você realmente aprendeu, além de aju-
dá-lo a avançar em seus estudos, vai acompanhá-lo pela vida afora.
Bom estudo!
Equipe Curricular de História
Área de Ciências Humanas
Coordenadoria de Gestão da Educação Básica - CGEB
Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 3 10/04/14 15:27
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 4 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
5
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1
	 PÓLIS E COLÔNIAS:
	 O ESPAÇO DA FORMAÇÃO DA CULTURA GREGA CLÁSSICA
		 Leia atentamente o texto a seguir.
A pólis grega
As cidades gregas desenvolveram-se a partir do séculoVIII a.C. A palavra pólis, que significa
“cidade”,indicavaumEstadoindependente,cominstituiçõesprópriaseautônomas.Nogeral,a
pólis caracterizava-se por três instituições: Magistratura, Senado e Assembleia. Em cada cida-
de, os detalhes variavam muito, mas esses três aspectos eram comuns. Os magistrados toma-
vam conta da administração da cidade, em seus aspectos civis e militares. O Senado reunia os
anciãos ou um grupo restrito de pessoas que serviam para aconselhar os magistrados e arbitrar
as decisões da Assembleia. Os cidadãos, reunidos em praça pública, formavam a Assembleia.
Constituíam-se em cidadãos os homens cujas famílias habitavam a cidade, mas era muito
difícil conseguir a cidadania em uma pólis. Os estrangeiros eram chamados de metecos. Os
escravos não tinham cidadania e estavam submetidos aos cidadãos. Duas cidades gregas des-
tacaram-se por sua importância e diferenças: Atenas e Esparta. Atenas conheceu, entre os
séculos VI e V a.C., a democracia, pois o poder principal estava na Eclésia, a assembleia do
povo. Todos podiam votar, desde que fossem cidadãos. O Senado era escolhido por sorteio.
Atenas tinha um porto, o Pireu, que permitiu o desenvolvimento de frotas e do comércio
marítimo. A literatura, o teatro e a filosofia floresceram. Esparta era bem diferente. Os cidadãos,
chamados esparciatas, eram treinados para ser soldados, separados ainda crianças das suas
famílias. O regime era oligárquico, com reis, e havia uma população submetida, os hilotas.
Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola.
Para começo de conversa
		 Que explicações você daria para os nomes de lugares que terminam em “polis”, como Paraisó-
polis, Higie­nópolis e Teresópolis? Registre a seguir as suas hipóteses.
Leitura e análise de texto
!
?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 5 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
6
1.		 Explique o significado de pólis, termo que aparece já no título do texto.
2.		 Apresente três instituições comuns às cidades gregas.
3.		 Complete o quadro com informações apresentadas no texto sobre as cidades gregas de Atenas e
Esparta.
Atenas
Esparta
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 6 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
7
Pólis e colônias: o espaço de formação da cultura grega clássica
“No início, a palavra pólis denominava apenas a acrópole situada no alto da colina:
o palácio do rei, o local de reunião da comunidade e o santuário da divindade principal.
Porém, havia ainda uma parte baixa, por onde passavam as estradas. O rei, senhor daqueles
domínios, podia cobrar impostos dos estrangeiros que as utilizavam. Mais tarde, com o
crescimento da população e o desenvolvimento da agricultura e do comércio, a parte baixa
foi crescendo, e pólis, termo que traduzimos por cidade-Estado, passou a ser toda a região
sob a autoridade de um chefe.
Nesse período, o poder dos reis entrou em declínio, aperfeiçoando-se a prática da
consulta às assembleias, ou conselhos, compostos por representantes escolhidos entre as
pessoas mais velhas das famílias mais importantes. Essas assembleias, que já existiam com
a função de auxiliar os reis, passaram a ter poder de decisão. A monarquia foi submetida
pela aristocracia, que quer dizer ‘governo dos melhores’. Evidentemente, esses ‘melhores’
eram os poucos que controlavam a maior e melhor parte das terras, faziam as leis e deci-
diam sobre a moeda. Essas famílias consideravam-se herdeiras dos guerreiros do período
anterior, formando uma aristocracia de sangue, ou seja, hereditária, fazendo que o poder
permanecesse nas mesmas mãos.
Paralelamente ao desenvolvimento das pólis, os gregos foram fundando outras cida­
des‑Estado, estendendo seu território original do Mar Negro às bordas atlânticas da Europa.
Era o que eles chamavam de apoikia, e que os historiadores traduziram por colônias, em-
bora essas cidades fossem comunidades, política e economicamente, independentes. Essas
colônias tinham com a metrópole, que significa ‘cidade-mãe’, vínculos principalmente sen-
timentais e religiosos, uma vez que, para a mentalidade grega, o primordial para a cons-
trução de uma cidade era a proteção dos deuses, o que incluía a escolha de um deus e dos
sinais de sua presença, como o fogo sagrado e os instrumentos, através dos quais era feita a
comunicação com os oráculos, que deviam ser originários de um centro mais antigo.”
VAN ACKER, Teresa. Grécia: a vida cotidiana na cidade-Estado. 8. ed. São Paulo: Atual, 2003. p. 8-9.
1.		 Identifique as palavras cujo sentido você desconhece e busque-o no dicionário ou no livro di-
dático.
Leitura e análise de texto
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 7 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
8
2.		 Identifique a ideia principal do texto, anotando-a no espaço a seguir.
3.		 Quais são as principais informações apresentadas no texto sobre a pólis e sobre as colônias
gregas?
4.		 Identifique qual é o objetivo principal do texto. Para que ele foi escrito?
5.		 Você acha que a autora conseguiu desenvolver suas ideias de modo satisfatório? Por quê?
6.		 O texto ajudou você a compreender melhor a história da Grécia? Escreva um pequeno texto
justificando sua opinião.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 8 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
9
LIÇÃO DE CASA
1.		 Leia atentamente o texto a seguir e grife as ideias centrais.
O espaço das cidades gregas
As cidades gregas (pólis) compunham-se de duas partes, uma rural (khora) e outra urba-
na, separadas por uma muralha destinada à proteção contra ataques de outras cidades. No
interior das muralhas, havia também outras duas partes: a parte alta da cidade (acrópole) e a
parte baixa (asty), onde ficava o mercado e uma praça (ágora), geralmente às margens de um
rio ou ribeirão, localizava-se o mercado, para o qual convergiam não apenas os habitantes
que viviam dentro da muralha, mas também artesãos e camponeses que pretendiam vender
e comprar produtos. Na acrópole estavam os templos e os tesouros da cidade, no lugar mais
próximo do céu e mais protegido dos ataques.
No campo, os agricultores cultivavam trigo e outros cereais, oliveiras e vinhas, pois os
moradores da cidade alimentavam-se predominantemente de pão, azeitonas, azeite e vinho.
Todos os cidadãos varões adultos eram soldados e deviam participar das guerras, que eram
eventos sazonais, ou seja, ocorriam em determinadas épocas do ano. Todo verão, havia lutas
ou guerras, principalmente entre as cidades vizinhas, em disputa por terras fronteiriças.
As cidades gregas enviavam também cidadãos para fundarem colônias ao sul da Península
Itálica, na Sicília, e nas regiões conhecidas atualmente como França e Espanha. Por cau-
sa dessas expedições, cidades gregas surgiram em todo o Mar Mediterrâneo. Na época de
Alexandre, o Grande, na segunda metade do século IV a.C., embora as cidades não fossem
mais independentes, ainda prosperavam, e muitas novas cidades gregas surgiam. Muitas
delas adotaram uma invenção grega, o quadriculado, de modo que a parte baixa das cidades
passou a contar com ruas paralelas e perpendiculares, modelo que seria retomado no Renas-
cimento (século XV) e expandido para todo o mundo.
Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 9 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
10
2.		 Com base nas informações do texto, complete os espaços com os nomes que correspondem
aos dados a seguir, sobre a Grécia Antiga.
a)	 Local onde ficava o mercado: 								
b)	 Tinha como objetivo proteger a cidade: 						
c)	 Local onde ficavam os templos: 							
d)	 Época do ano em que havia guerras entre as cidades: 					
e)	 Principais alimentos dos gregos: 							
3.		 Escreva um título para o terceiro parágrafo do texto.
Pesquise em seu livro didático ou sites especializados e realize a atividade a seguir.
Em relação a Atenas e Esparta, organize um quadro comparativo com as respectivas localizações
e as diferenças quanto à educação entre essas duas importantes cidades-Estado gregas.
Atenas Esparta
PESQUISA INDIVIDUAL
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 10 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
11
VOCÊ APRENDEU?
1.		 Apresente uma breve definição para as cidades-Estado gregas.
2.		 A religião grega caracterizava-se pelo politeísmo. Entre as alternativas abaixo, assinale o signifi-
cado de politeísmo na religião grega.
a)	 Crença em um só deus.
b)	 Crença em vários deuses que se assemelhavam aos seres humanos e, como eles, tinham
vir­tudes e defeitos.
c)	 Crença somente nos deuses ligados à natureza.
d)	 Crença no antropomorfismo, ou seja, em deuses com formas humanas.
e)	 Crença em seres imortais.
3.		 As cidades-Estado gregas possuíam diversos traços em comum, porque pertenciam a uma mes-
ma comunidade cultural. Assinale a alternativa que apresenta a característica que não era co-
mum às várias cidades-Estado ( pólis) gregas.
a)	Politeísmo.
b)	Língua.
c)	Costumes.
d)	 Organização política.
e)	 Valores culturais.
4.		 Cada cidade grega tinha um templo em que eram cultuados seus heróis e seu deus protetor; esses
entes eram tidos pelos habitantes como senhores de seu destino. Os templos eram construídos na
parte mais alta da pólis, conhecida com o nome de:
a)	ágora.
b)	pórtico.
c)	areópago.
d)	odéon.
e)	acrópole.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 11 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
12
Livro
•	 VAN ACKER, Teresa. Grécia: a vida cotidiana na cidade-Estado. 8. ed. São Paulo:
Atual, 2003. (História em Documentos). Aborda os tempos lendários de Homero, a
formação da pólis e o apogeu da era clássica.pólis e o apogeu da era clássica.pólis
Museus
•	 Centro Cultural do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo. Rua da Cantareira, 1351
(Estação Tiradentes do Metrô). São Paulo – SP. Disponível em: http://novosite.
liceuescola.com.br/index.php?q=centrocultural. Acesso em: 2 abr. 2013. Apresenta
uma coleção de estátuas de gesso de obras clássicas e possibilita um contato com o
tema tratado.
•	 Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. Av. Prof. Almeida Prado, 1466 – Cidade
Universitária – São Paulo – SP. Disponível em: http://www.mae.usp.br. Acesso em:
1 abr. 2014. O MAE-USP possui, em um de seus setores, um acervo arqueológico
das culturas que se desenvolveram próximas ao Mar Mediterrâneo e de culturas do
Oriente Médio.
PARA SABER MAIS
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
13
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2
OS JOGOS OLÍMPICOS DA GRÉCIA ANTIGA E
Do mundo moderno
Leitura e análise de texto
Os Jogos Olímpicos da Grécia Antiga eram realizados ao ar livre, a cada quatro anos,
em honra a Zeus, misturando esportes e práticas religiosas. As primeiras Olimpíadas
realiza­ram-se em 776 a.C., com apenas uma modalidade, a corrida de 200 metros, chama-
da de stádion, que deu origem à palavra “estádio”, local que, atualmente, abriga diferentes
modalidades esportivas, como futebol, basquete e vôlei. Durante a realização dos Jogos
Olímpicos na Grécia, as guerras eram suspensas e, segundo registros, somente em 416 a.C.
Esparta rompeu a trégua, sendo por isso suspensa dos Jogos seguintes.
Aos poucos, outros esportes foram somados à corrida e, em 471 a.C., os atletas dis-
putaram o pentatlo, modalidade composta por cinco esportes: corrida a pé, ar­remesso de
disco, salto em distância, lançamento de dardo e luta. Os vencedores recebiam uma coroa
de folhas de oliveira, colhidas nos jardins de Zeus.
Os Jogos Olímpicos da Era Moderna foram idealizados pelo barão Pierre de Coubertin,
para celebrar a paz entre as nações. Em 1894, foi criado o Comitê Olímpico Internacional
(COI) e, em abril de 1896, tiveram início, em Atenas, os primeiros Jogos Olímpicos da
Era Moderna. Assim como na Grécia Antiga, estes também passaram a ser realizados a cada
quatro anos. Os jogos não se realizaram durante a Primeira Grande Guerra, nem durante
a Segunda Guerra Mundial. Em 2004 as Olimpíadas voltaram a se realizar na Grécia, em
Atenas e em 2008 coube a Pequim sediar a competição, com 38 modalidades esportivas.
Em 2012 as Olimpíadas aconteceram em Londres; e as próximas, de 2016, serão no Rio de
Janeiro, que já se prepara para receber as provas, delegações, atletas e espectadores.
A bandeira olímpica atual é branca e tem cinco anéis coloridos entrelaçados; também
foi uma idealização do barão de Coubertin, em 1913. Os anéis coloridos representam os
continentes: azul, Europa; amarelo, Ásia; preto, África; verde, Oceania; vermelho, Améri-
ca. A combinação dessas cinco cores permite compor grande parte das bandeiras do mun-
do. O lema olímpico é a frase: “Citius, altius, fortius” (“Mais rápido, mais alto, mais forte”).
Na Grécia Antiga, os atletas faziam uma oração no templo de Zeus para que as compe­
tições fossem justas. Atualmente, em seu juramento, os atletas prometem honra, boa von-
tade e esportividade. Em razão de questões nacionalistas, a partir de 1920 a expressão
“honrar o nosso país” foi trocada por “honrar a nossa equipe”.
Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola.
1.		 Apresente três características dos Jogos Olímpicos da Grécia Antiga.
!
?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 13 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
14
2.		 Apresente três características dos Jogos Olímpicos da Era Moderna.
3.		 Pesquise e elabore uma biografia sobre o barão de Coubertin, idealizador das Olimpíadas da Era
Moderna. Privilegie as informações que estejam relacionadas ao tema.
Pierre de Frédy, o barão de Coubertin
©IOCOlympicMuseum/GettyImages
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 14 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
15
LIÇÃO DE CASA
Pesquise sobre as origens das mascotes olímpicas e faça um pequeno registro no espaço a seguir.
Depois, desenhe ou cole imagens que representem as mascotes pesquisadas para enriquecer sua
lição de casa.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 15 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
16
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 16 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
17
VOCÊ APRENDEU?
1.		 Os Jogos Olímpicos têm sua origem ligada aos festivais religiosos realizados em honra a Zeus. À
época de sua realização, havia celebração em homenagem aos mortos das cidades e procissões.
Para distrair os participantes, os organizadores passaram a promover competições esportivas. Pes-
quise em diferentes materiais como eram organizados os festivais religiosos na Grécia Antiga.
2.		 Os jogos mais famosos da Grécia Antiga eram os da cidade de Olímpia, razão pela qual ficaram
conhecidos como Olímpicos, mas havia competições em outras cidades-Estado, como Corinto,
Delfos e Argos. Pesquise os nomes que recebiam os jogos realizados nessas cidades e faça um
registro escrito sobre eles.
1.		 O disco lançado pelos atletas gregos pesava cerca de 2,5 quilos e podia ser feito de pedra, ferro ou
bronze. O vencedor era aquele que conseguisse lançar o disco o mais longe possível. Quanto ao dar-
do, possuía a altura de um homem e era feito de madeira. No salto em distância, recorria-se a dois
halteres que impulsionavam o atleta na subida e que eram depois atirados, quando ele descia. Havia
também a luta livre, que era encerrada na primeira queda, e a corrida, que tinha um percurso de 192
metros. O conjunto dessas provas era conhecido na Grécia Antiga com o nome de:
a)	triatlo.
b)	quadrigas.
PESQUISA INDIVIDUAL
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 17 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
18
c)	pugilato.
d)	pentatlo.
e)	pancrácio.
2.		 No ano em que se celebrariam os Jogos, a pólis chamada Élide enviava arautos por toda a Gré-
cia. Entre as funções desses arautos não se incluía:
a)	 anunciar a data em que se desenrolariam os Jogos.
b)	 convidar os atletas a participar dos Jogos.
c)	 convidar os espectadores a participar dos Jogos.
d)	 anunciar, também, a trégua sagrada, que proibia a guerra durante o período dos Jogos, para
que a população pudesse viajar em segurança.
e)	 divulgar as listas com o resultado sobre os atletas vencedores.
3.		 Assinale a alternativa que corresponde ao nome do deus grego que recebia homenagens durante
os Jogos Olímpicos realizados na Grécia Antiga.
a)	Apolo.
b)	Zeus.
c)	Ares.
d)	Hefesto.
e)	Hermes.
Livros
•	 HOFFMANN, Ginette; WENGER, Patrícia. No tempo dos primeiros Jogos Olímpicos.
1. ed. São Paulo: Scipione, 1995. (Crianças na História). O leitor é convidado a acom-
panhar o cotidiano de uma criança no tempo dos primeiros Jogos Olímpicos.
•	 KLEIN, Cristina. Olimpíadas: fatos interessantes sobre os Jogos Olímpicos. 1. ed. Blu-
menau: Todolivro Edições, 2007. (Conhecendo). Livro que trata da história dos Jogos
Olímpicos desde suas origens, abordando mudanças e permanências.
Revista
•	 Ciência hoje das crianças: a história das Olimpíadas. Rio de Janeiro: Instituto Ciência
Hoje, n. 148, jul. 2004. Esse número da revista traz informações sobre a história dos
Jogos Olímpicos.
PARA SABER MAIS
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 18 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
19
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
20
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3
AS ELEIÇÕES NO MUNDO ROMANO
		 Pesquise as informações solicitadas a seguir para a próxima aula.
1.		 De tempos em tempos, a sociedade brasileira vivencia campanhas eleitorais com o objetivo de
eleger candidatos para nos representar na vida política brasileira. Você sabe qual é a periodici-
dade dessas eleições no Brasil?
a)	 Eleições federais: 									
b)	 Eleições estaduais: 									
c)	 Eleições municipais: 									
2.		 Para quais cargos são votados os candidatos nas diferentes esferas do poder público e qual é a
função principal de cada um?
a)	 Poder federal: 										
b)	 Poder estadual: 									
PESQUISA INDIVIDUAL
!
?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 20 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
21
Leitura e análise de texto
Tudo vale em busca do voto
“Para obter apoio popular, o candidato deve saber o nome dos próprios eleitores, elogiar seus
méritos, bajular, mostrar-se generoso, fazer alarde e dar a esperança de um emprego público [...].
A generosidade é uma questão complexa. Talvez seus recursos não permitam que atinja
todos os eleitores, mas para isso contribuem os amigos, que podem ajudar a agradar o povo
miúdo. Nesse sentido, convém oferecer recepções e contar com o apoio de amigos para
isso, tanto visando ao eleitorado em geral como a grupos específicos de eleitores [...].
No que se refere à sua imagem, faça saber que você é bom de bico, que os cobrado-
res de impostos e a classe média lhe são favoráveis, que os nobres valorizam você, que a
juventude está a seu lado. Sendo advogado, que seus clientes o apoiam, que a gente do
campo e do interior faça o mesmo e venham até Roma para participar da sua campanha.
Procure que os eleitores digam e mesmo pensem que você os conhece bem, que sabe o
nome de cada pessoa, que você está sempre em busca do voto, que você é mão-aberta e
boa-praça, que sua casa está sempre repleta de correligionários, que todos são seus aliados,
que suas promessas, feitas a todos, são sempre cumpridas.
Sua campanha, sempre que possível, deve lembrar-se das suspeitas quanto ao caráter
dos adversários, de acordo com a particularidade de cada um deles, no que se refere a cri-
mes, vícios, corrupção [...].
Não se esqueça de que esta é Roma, uma cidade repleta de gente de toda parte, com
tanta falsidade, pilantragens e falcatruas de toda espécie. Você deve, portanto, ficar atento,
sempre, à arrogância, aos ataques, à inveja, ao desdém, ao ódio e às chateações. É preciso
muito bom senso e habilidade, creio eu, para uma pessoa conseguir evitar conflitos, rumo-
res e armadilhas e muito jogo de cintura para dar conta de tanta diversidade de personali-
dades, opiniões e interesses.”
CICERO, Marcus Tullius. Commentariolum petitionis consulatus. Tradução: Pedro Paulo Abreu Funari.
Disponível em: http://www.intratext.com/X/LAT0147.HTM. Acesso em: 14 nov. 2013.
c)	 Poder municipal: 									
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 21 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
22
1.		 Identifique as palavras cujo sentido você desconhece e busque-o no dicionário ou no livro di-
dático.
2.		 Anote as ideias principais do texto.
3.		 Quais são os três pontos centrais do texto sobre as eleições na política romana?
4.		 Segundo o texto, como deveria comportar-se o candidato? Que estratégias de campanha ele
deveria utilizar?
5.		 Qual era a intenção de Cícero ao escrever o texto sobre as eleições romanas?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 22 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
23
6.		 O texto apresenta algumas sugestões para que os candidatos consigam votos nas eleições. Você
concorda com essas sugestões? Justifique sua resposta.
7.		 Em sua opinião, como deveriam ser as campanhas políticas e o comportamento dos políticos?
LIÇÃO DE CASA
Faça uma pesquisa sobre a organização da sociedade romana, destacando, em especial, as ca-
racterísticas sociais de patrícios, plebeus e escravos. Considerando a observação detalhada das
imagens, o que inclui vestimentas e ações dos personagens retratados, identifique a que grupo
social pertencem. Em seguida, justifique sua escolha.
©Album/akg-images/Electa/Latinstock
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 23 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
24
©IvyCloseImages/Alamy/GlowImages
©AlexRamsay/Alamy/GlowImages
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 24 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
25
1.		 No texto “Tudo vale em busca do voto”. Cicero descreve algumas técnicas de propaganda elei-
toral utilizadas na Roma Antiga. Escreva três técnicas de propaganda eleitoral empregadas nas
campanhas das eleições atuais.
2.		 Em Roma, diversos painéis eram pintados nas paredes e cartazes eram espalhados por toda a
cidade, por candidatos em campanha ou em agradecimento ao eleitor pelos votos recebidos.
Apresente as vantagens e as desvantagens da utilização de cartazes nas campanhas eleitorais
atuais, anotando dois exemplos de cada situação.
3.		 O Senado romano era constituído por membros das classes privilegiadas, conhecidos pelo nome de:
a)	plebeus.
b)	camponeses.
c)	patrícios.
d)	nobres.
e)	servos.
4.		 Segundo o historiador grego Políbio, Roma conseguira conquistar o Mar Mediterrâneo porque
possuía um conjunto de leis em que estavam registrados os direitos e deveres dos cidadãos
romanos. Esse conjunto de leis é conhecido pelo nome de:
a)	normas.
b)	constituição.
c)	regras.
d)	listas.
e)	assembleias.
VOCÊ APRENDEU?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 25 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
26
Livro
•	 FUNARI, Pedro Paulo Abreu. Roma: vida pública e vida privada. 11. ed. São Paulo:
Atual, 2006. (História Geral em Documentos). A obra aborda, a partir de documen-
tos, a organização social e outros importantes temas sobre Roma.
Site
•	 Gladiadores romanos. Disponível em: http://gladiadoresromanos.blogspot.com/
2008/10/gladiadores-romanos.html. Acesso em: 14 nov. 2013. Site com imagens eSite com imagens eSite
textos sobre o Império Romano.
PARA SABER MAIS
5. Cássio Dio (150 d.C. a 235 d.C.) foi um importante cônsul romano, que nos deixou documen-
tos sobre o poder exercido pela autoridade máxima do Senado romano, com destaque para Júlio
César e Marco Antônio, que ocuparam o cargo de:
a) magistrado.
b) cônsul.
c) edil.
d) imperador.
e) prefeito.
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
27
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4
AS SETE MARAVILHAS DO MUNDO ANTIGO
Leia atentamente a descrição das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, tema desta Situação de
Aprendizagem, em que serão elaborados cartões-postais. Não se esqueça de grifar as ideias cen-
trais de cada descrição.
As Sete Maravilhas do Mundo Antigo
Atribui-se ao estudioso Filo de Bizâncio, em 225 a.C., a autoria da lista das Sete Mara-
vilhas do Mundo Antigo. Naquela época, o mundo conhecido estava restrito à Europa, ao
Norte da África e ao Oriente Médio, que correspondiam às fronteiras do Império Romano.
Os seguintes locais ou monumentos foram os escolhidos:
1.	 Colosso de Rodes – Estátua de bronze erguida no século III a.C. na ilha de Rodes,
na Grécia Antiga. Retratava o deus Hélio, protetor do local, e foi encomendada pelos ha-
bitantes da ilha para comemorar a vitória sobre o rei macedônio Demétrius Poliorcetes.
A estátua demorou 12 anos para ser erguida e possuía 33 metros de altura, exigindo muita
habilidade de seus construtores. Sobre uma base de mármore, foi colocada uma armação
de ferro para dar sustentação à cobertura de bronze. Encomendado ao escultor Cares de
Lindos, o colosso, palavra que originalmente significava “estátua”, passou a ser sinônimo
de obra grandiosa e monumental.
2.	 Estátua de Zeus – Erguida em Olímpia, na Grécia, no século V a.C., demo-
rou oito anos para ser construída pelo escultor grego Fídias. A estátua, com 12 me-
tros de altura, retratava Zeus sentado em um trono de cedro, decorado com ouro,
marfim, ébano e pedras preciosas. Nas sandálias de Zeus estava escrito: “O ateniense
Fídias, filho de Cármides, me fez”.
3.	 Farol de Alexandria – Localizado em Alexandria, no Egito, às margens do Mar
Mediterrâneo, seu brilho intenso podia ser visto a 50 quilômetros de distância em razão de
sua altura, de cerca de 135 metros. O farol era uma verdadeira cidade, possuía reservatórios
de água na área subterrânea, rampas e uma estrebaria, que abrigava os animais que carrega-
vam a madeira necessária para alimentar a chama do farol, mantendo as tochas acesas.
4.	 Jardins Suspensos da Babilônia – Localizados nas ruínas da cidade da Babilônia,
região do atual Iraque, foram construídos durante o reinado de Nabucodonosor II, no sé-
culo VII a.C., para presentear a rainha Amytis, criada entre as montanhas do atual Irã, pois
ela achava a paisagem da Mesopotâmia muito seca. Não há vestígios dos Jardins Suspensos
!
?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 27 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
28
da Babilônia, mas acredita-se que eles possuíam cinco andares, com terraços de 7 metros.
Carvalhos, cedros, oliveiras, tamareiras, pereiras, figueiras e parreiras eram irrigadas por
uma rede de canais e fontes de água.
5.	 Mausoléu de Halicarnasso – Localizado em Bodrum, na antiga Halicarnasso, na
costa sudoeste da atual Turquia. Media 36 metros de comprimento por 32 metros de largu-
ra e 45 metros de altura, construído em uma área de 1216 metros quadrados. Foi erguido
a pedido de Mausolo, da província de Cária, parte do Império Persa. A obra, composta de
36 colunas, mostrava o governante Mausolo puxando uma carruagem com quatro cavalos e
cenas de batalhas.
6.	 Pirâmides de Gizé – São três as pirâmides de Gizé, no Egito: Quéops, Quéfren e
Miquerinos. São a única maravilha do mundo antigo que existe ainda hoje. A maior das
pirâmides, Quéops, foi construída com 2,3 milhões de blocos de pedras, tem 146 metros
de altura e acredita-se que cerca de 100 mil homens trabalharam em sua construção, ao
longo de vinte verões, por volta de 2500 a.C.
7.	 Templo de Ártemis – Localizado em Éfeso, na costa da atual Turquia, era cercado
por 127 colunas de mármore decoradas com cenas da mitologia grega. Demorou cerca de
200 anos para ficar pronto e atraiu milhares de peregrinos para louvar Ártemis, deusa grega
da Lua e dos animais selvagens.
Elaborado especialmente para o São Paulo faz escola.
Preparando cartões-postais
Os cartões-postais foram inventados na Áustria, no século XIX. Inicialmente, eram apenas car-
tões em branco com selos: bastava escrever uma mensagem e enviá-los pelo correio, sem envelope.
Com o tempo, passaram a ter imagem em um dos lados, em geral fotos ou ilustrações. Selecione
uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo e, em seguida, imagine que você tenha feito uma via-
gem a um desses locais. Elabore, então, um cartão-postal para enviar notícias a um colega.
•	 Escolha papel-cartão ou cartolina para fazer o cartão-postal.
•	 Escreva as informações sobre a Maravilha escolhida no cartão-postal: nome, localização, mate-
rial utilizado, breve comentário e curiosidades.
•	 Não se esqueça de deixar um espaço para a mensagem a ser enviada, para os dados do destina-
tário (a pessoa que vai receber o cartão-postal) e para colar o selo.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 28 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
29
Observe o modelo a seguir:
LIÇÃO DE CASA
		 A seguir você encontrará imagens das Sete Maravilhas do Mundo Moderno, anunciadas em 7
de julho de 2007, no Estádio da Luz, em Lisboa: a estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janei-
ro, Brasil; a Grande Muralha, na China; o Taj Mahal, na Índia; a cidade de Petra, na Jordânia; o
Coliseu, em Roma, na Itália; as ruínas incas de Machu Picchu, no Peru; e a antiga cidade maia
de Chichén Itzá, no México. Pesquise informações sobre cada uma das novas Sete Maravilhas e
anote-as junto às imagens.
©PauloManzi
DestinatárioPirâmides do Egito
selo
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 29 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
30
		a) 						
Cristo Redentor, Brasil.
©JoSon/TheImageBank/GettyImages
		 b) 		
Grande Muralha, China.
©Dreamerchina/iStockphoto/Thinkstock/GettyImages
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 30 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
31
Taj Mahal, Índia.
©Turtix/iStockphoto/Thinkstock/GettyImages©Photos.com/Jupiterimages/Thinkstock/GettyImages
Monastério, Petra, Jordânia.
		 c) 				
		 d) 				
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 31 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
32
©JuneHawk/iStockphoto/Thinkstock/GettyImages
Coliseu, Roma, Itália.
		 f) 					
Ruínas de Machu Picchu, Peru.
©Photos.com/Jupiterimages/Thinkstock/GettyImages
		 e) 			
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 32 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
33
Pirâmide de Kukulkán, Chichén Itzá, México.
1.		 O Templo de Ártemis, erguido em Éfeso, era um impressionante exemplar da arquitetura grega
e homenageava a deusa. Na mitologia grega, Ártemis simbolizava:
a)	 a deusa do amor e da beleza.
b)	 a deusa da Lua e dos animais selvagens.
c)	 a deusa da sabedoria.
d)	 a deusa da fertilidade da terra.
e)	 a deusa do fogo e do lar.
2.		 A pirâmide de Quéops, em Gizé, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, resiste até hoje,
provando que “todos temem o tempo, mas o tempo teme as pirâmides”. Essa construção foi
erguida pela antiga civilização:
a)	mesopotâmica.
b)	persa.
VOCÊ APRENDEU?
©YongHan/iStockphoto/Thinkstock/GettyImages
		 g) 			
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 33 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
34
c)	egípcia.
d)	fenícia.
e)	grega.
3.		 A estátua de Zeus possuía tamanha perfeição que – acreditava-se – seus olhos feitos de vidro
eram capazes de hipnotizar quem os fitasse. Em qual pólis grega ela foi erguida?
a)	Esparta.
b)	Corinto.
c)	Tebas.
d)	Delfos.
e)	Olímpia.
4.		 Explique, com suas palavras, o porquê do nome “Sete Maravilhas do Mundo Antigo”.
Livro
•	 Maravilhas do mundo. São Paulo: Klick, 2001. Obra de referência sobre as mais espeta-
culares construções já feitas pelo ser humano em todos os tempos e dos mais incríveis
lugares.
PARA SABER MAIS
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 34 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
35
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 5
JOGO DE PERCURSO: O FIM DO IMPÉRIO ROMANO
– AS MIGRAÇÕES BÁRBARAS E O CRISTIANISMO
1.		 Quando utilizamos a palavra “bárbaro”, podemos estar nos referindo a mais de um significado.
Qual significado você já conhece para esse termo? Escreva-o a seguir e, depois, procure em um
dicionário outros significados para o termo “bárbaro”, para conhecer as diferentes possibilida-
des de utilização dessa palavra. Não se esqueça de anotar os novos significados. Registre, tam-
bém, os dados do dicionário que você utilizou: nome, editora, local e data de publicação.
2.		 Um dos significados da palavra “bárbaro” está relacionado aos povos que migraram para o
Império Romano. Pesquise em seu livro didático, em livros de apoio ou em um atlas históri-
co e anote no espaço a seguir os povos de origem germânica que ultrapassaram as fronteiras
do Império Romano.
!
?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 35 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
36
Organizando um jogo de percurso
Participar de um jogo de percurso é sempre divertido. Esta atividade também vai ajudar você
e seus colegas a conhecer diferentes culturas e povos. O grande desafio desta atividade será a pes-
quisa sobre um povo germânico e a elaboração de cartas para um jogo de percurso. A pesquisa é
um momento importante para obter dados sobre os mais diferentes temas. As etapas da pesquisa
são fundamentais para que você e seus colegas, ao final, com a orientação de seu professor, possam
produzir cartas e textos para o jogo de percurso.
1.		 Verifique com seu professor quais são os critérios para a divisão dos grupos e a escolha do povo
germânico que cada equipe vai pesquisar. Depois das definições, inicie a pesquisa com base nos
aspectos indicados no seguinte roteiro:
•	 nome do povo germânico a ser pesquisado;
•	 região de onde era originário;
•	 aspectos culturais;
•	 atividades econômicas;
•	 alimentação típica;
•	 atividades artesanais;
•	 religião e crenças;
•	 lendas;
•	 curiosidades.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 36 10/04/14 15:27
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
37
Atenção!
Algumas casas estão destacadas com a mensagem “Tire uma carta”. Quando o jogador
parar em uma delas, o colega que está à sua direita vai retirar uma carta do monte e ler em
voz alta apenas a pergunta. Ele vai aguardar que o jogador responda. Depois, conferirá sua
resposta. Ele vai indicar quantas casas o jogador deve avançar ou retroceder, caso tenha
acertado ou errado a resposta.
2.		 Anote em seu caderno os aspectos pesquisados para facilitar a organização do jogo de percurso.
Com base na pesquisa, você e seus colegas poderão confeccionar as cartas com perguntas e res-
postas (veja um modelo a seguir), para utilizá-las no jogo. Elabore também um resumo com as
principais características do povo estudado.
Os germanos
estavam organizados
em Estados?
Resposta: Não! Estavam
organizados em tribos de
diversas origens e muitas
delas eram nômades.
Acertou?
Jogue mais uma vez!
Não acertou?
Volte uma casa.
Observe o tabuleiro apresentado nas próximas páginas e aproveite para jogar com seus colegas.
Não se esqueça de que será necessário utilizar um dado e marcadores para identificar os jogado-
res, como pinos, botões ou círculos de cartolina coloridos.
As regras são:
•	 podem participar até cinco jogadores;
•	 o jogo inicia-se na SAÍDA;
•	 cada participante deve, em sua vez, jogar o dado e avançar o número de casas cor­res­pondentes
ao número indicado no dado.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 37 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
38
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 38 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
39
©PauloManzi
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 39 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
40
LIÇÃO DE CASA
Leitura e análise de texto
A crise do Império Romano e as migrações germânicas
O Império Romano enfrentava a ofensiva de povos germânicos, vindos do norte da
Europa, desde o século II a.C., mas sofreu sua primeira derrota somente no ano 9 d.C. Os
germanos estavam pressionados por povos ao leste e, por isso, investiam rumo ao sul e ao
oeste, em direção à Gália e ao norte da Itália. No século II d.C., esses conflitos continua­
ram, com imperadores como Marco Aurélio combatendo diretamente os germanos. O
século III d.C. foi caracterizado, a partir de 235, por guerras civis entre generais candidatos
a imperador, em um período de instabilidade que durou cerca de quatro décadas. Isso per-
mitiu que os germanos intensificassem seus ataques e se estabelecessem no interior do Im-
pério como colonos. Passaram, também, a ser usados como soldados no exército romano.
Primeiro com Diocleciano e, em seguida, com Constantino, o século IV d.C. foi
marcado por uma grande reorganização do Império Romano e pela institucionalização
do cristianismo como religião oficial por Teodósio, em 391. O Império passou a ter maior
estabilidade, com uma reforma que criou novas divisões administrativas, as dioceses, cujo
território era bem menor que o das províncias.
O exército passou a ser, em grande parte, composto de forças mercenárias, com pre-
domínio de tropas germânicas. Isso tudo, no entanto, em nada diminuiu o avanço dos
povos germânicos que continuavam fora do império e que o pressionavam. A população
romana urbana diminuía, os latifúndios se expandiam, as cidades, menores, passaram a
ser amuralhadas.
O início do século V d.C. conheceu o colapso do antigo Império Romano do Ociden-
te. A cidade de Roma foi saqueada pelos germânicos em 410 d.C. Eles também tomaram as
províncias ocidentais e nelas se estabeleceram. O império deixava de existir e, em seu lugar,
surgiam reinos germânicos. Nestes, os povos germânicos exerciam o poder, com dinastias
que dominavam uma população local romanizada. Esses germanos foram se cristianizando
e, por isso, a Igreja Católica representou a continuidade entre o antigo Império Romano e
os novos reinos dos francos, visigodos, anglos e outros povos germânicos.
Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola.
Leia atentamente o texto a seguir e grife as ideias centrais.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 40 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
41
Linha do tempo
Com base na leitura do texto, organize uma linha do tempo intitulada “A crise do Império
Romano e as migrações germânicas”.
Dica!
A linha do tempo é uma forma de gráfico que retrata uma sucessão de acontecimentos
relacionados entre si e que ocorreram ao longo de um determinado período. Assim, com
as informações dos séculos apresentadas no texto, organize a ordem dos acontecimentos da
crise do Império Romano e das migrações germânicas.
Século I d.C.
Século II d.C.
Século III d.C.
Século IV d.C.
Século V d.C.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 41 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
42
1.		 Os povos germânicos viviam nas fronteiras do Império Romano desde o século III e IV d.C.
Desde essa época, portanto, já cruzavam esses limites. Que atividades esses povos desempenha-
vam no Império Romano?
2.		 Diversos povos de origem germânica ocuparam as fronteiras do Império Romano. Dos povos
citados a seguir, assinale aquele que não pertence a esse grupo de origem indo-europeia, conhe-
cido como germânico:
a)	Visigodos.
b)	Vândalos.
c)	Francos.
d)	Sérvios.
e)	Borgonheses.
3.		 A partir do século III, o Império Romano passou a sofrer inúmeras crises, que podem ser expli-
cadas por diversos fatores. Assinale o fator que não pode explicar as razões que desenca­dearam
a crise do Império Romano:
a)	 A falta de mão de obra.
b)	 O aumento dos preços dos alimentos.
c)	A pax romana.
d)	 O aumento dos impostos.
e)	 As pressões nas fronteiras do império.
VOCÊ APRENDEU?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 42 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
43
4. As migrações de povos germanos para o Império Romano estão relacionadas a alguns processos
históricos, entre os quais não podemos citar:
a) Abandono das cidades e ruralização.Abandono das cidades e ruralização.A
b) Crise do Império Romano.
c) Crescimento das cidades, urbanização.
d) Formação de reinos de povos germânicos dentro das antigas fronteiras do Império Romano.
e) Romanização e cristianização dos novos reinos.Romanização e cristianização dos novos reinos.R
Livro
•	 RAMOS, Luciano. Os reinos bárbaros. São Paulo: Ática, 1995. (O Cotidiano da História).
Obra de ficção que aborda os reinos bárbaros e apresenta, ao final, um suplemento
histórico, com ilustrações, uma síntese com os principais povos germânicos, uma cro-
nologia do século I ao ano de 493 e várias indicações de leitura sobre o tema.
PARA SABER MAIS
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
44
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 6
A IDADE MÉDIA E OS MOSTEIROS MEDIEVAIS
		 Pesquise o significado da palavra “mosteiro” e registre-o no espaço a seguir. Anote também os
dados da fonte de pesquisa.
Infográfico
Em diversas revistas, autores das reportagens, jornalistas ou especialistas utilizam infográ-
ficos para facilitar a visualização e a compreensão dos dados apresentados, enriquecer o tema
abordado e oferecer uma noção mais rápida e clara dos sujeitos, do tempo e do espaço relacio-
nados ao tema.
1.		 Procure em um dicionário o significado da palavra “infográfico” e registre no espaço a seguir.
Não esqueça de anotar o nome, autor, ano e local de edição do dicionário.
!
?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 44 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
45
2.	 Observe atentamente os detalhes das imagens. A primeira apresenta a visão geral e a planta
da Abadia de Cluny, enquanto a segunda apresenta a planta do mosteiro em que a abadia
está localizada. Pesquise em seu livro didático, dicionários, enciclopédias e sites especializados
informações sobre o mosteiro de Cluny e sobre partes de sua estrutura, como os muros, o pátio
interno, o celeiro, o refeitório, os estábulos, a hospedaria, as latrinas, a biblioteca e o cemitério.
Em seguida, anote, nos espaços, a importância e o papel de cada uma dessas áreas.
Planta da Abadia de Cluny – Borgonha, França.
©BibliothèqueNationale,Paris,France/Giraudon/TheBridgemanArtLibrary/Keystone
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 45 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
46
Planta do mosteiro de
Cluny – Borgonha,
França.
©MuseuOchier,Cluny
10
1
2
3
4
5
6
9 8 7
1.	 Abadia de Cluny: 								
2.	 Cemitério dos Monges: 							
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 46 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
47
3.	 Capela de Notre-Dame: 							
4.	Biblioteca: 									
5.	Refeitório: 									
6.	Celeiro: 									
7.	Estábulo: 									
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 47 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
48
LIÇÃO DE CASA
Leitura e análise de texto
Os mosteiros medievais
Com o fim do Império Romano, no século V d.C., e o surgimento de reinos germâ-
nicos, a Igreja passou ao centro da vida social. Único vínculo universal, a Igreja Católica
(palavra que significa, justamente, “universal”) constituía o grande elemento de transmissão
cultural. O analfabetismo generalizou-se e mesmo os senhores feudais e as cortes reais
8.	 Porta principal: 								
9.	Hospedaria: 									
10.	 Latrinas: 									
Leia atentamente o texto a seguir e grife as ideias centrais.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 48 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
49
não dominavam a língua escrita, o latim. Eles falavam idiomas que não eram escritos e que
serviam apenas para a comunicação oral. O clero dividia-se em duas categorias: seculares e
regulares. O clero secular vivia no meio do povo e era, predominantemente, pouco instru-
ído. O clero regular vivia isolado, morava em mosteiros e se dedicava à oração e ao estudo.
Havia diversas ordens religiosas, como a dos beneditinos e a dos cistercienses, que se-
guiam uma estrutura hierárquica rígida. Cada membro da comunidade religiosa exercia
uma determinada função. No topo, estava o abade, mas havia também os priores (chefes)
e os deões (decanos, que comandavam outros dez monges, daí o seu nome, derivado do
número dez). Os monges atuavam, no mosteiro ou na abadia, como tutores, bibliotecários
e arquivistas, doutores e encarregados do celeiro, entre outras funções.
A vida cotidiana em um mosteiro consistia de muita oração, leituras e trabalhos ma­
nuais. O dia era dividido em oito atividades sacras, com uma missa no início e outra no
fim da jornada. Muitas horas eram dedicadas à oração, leitura da Bíblia, cópia de obras,
meditação. A maior parte do tempo era usada para as atividades necessárias à manutenção
do mosteiro: cultivo dos campos, preparação das refeições, limpeza, lavagem de roupa e dos
aposentos. O mosteiro abrigava não só os monges e seus serviçais, mas também viajantes,
além de ter campos cultiváveis. Funcionava como biblioteca e hospital. Além do edifício da
Igreja, havia celeiros, claustros, refeitório, cozinha, banheiros, biblioteca e o lugar de cópia
de livros (scriptorium).
Durante séculos, os mosteiros foram fundamentais para a preservação e a cópia de manus-
critos da Antiguidade. Os monges aprendiam latim e permitiram que uma imensa riqueza cul-
tural não se perdesse e fosse, quase mil anos depois do fim do Império Romano, relida e utilizada
no Renascimento.
Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola.
1.		 Escreva no espaço a seguir dez palavras-chave do texto.
Dica!
As palavras-chave são aquelas em torno das quais o texto se organiza. São elas, portanto,
que lhe dão sustentação e o tornam compreensível. Uma leitura eficaz é aquela em que o leitor
consegue identificá-las e apreender a totalidade – ou o sentido – do texto.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 49 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
50
Pesquise em seu livro didático ou sites especializados e realize as atividades a seguir.
1.		 A Igreja contava com muitas comunidades católicas, caracterizadas pela vida em grupo, entre as
quais destacamos a Ordem de São Bento. Escreva duas características dessa ordem religiosa.
2.		 Segundo uma das regras dos beneditinos, apresentadas por São Bento de Núrsia, pregador da
vida monástica, “a ociosidade é inimiga da alma”. Discuta com seus colegas e redija um pequeno
texto, explicando como podemos associar a regra de São Bento, “ora e trabalha”, a essa frase.
2.		 Releia o penúltimo parágrafo e escreva cinco atividades realizadas nos mosteiros medievais.
PESQUISA INDIVIDUAL
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 50 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
51
VOCÊ APRENDEU?
1.		 Assinale, entre as alternativas a seguir, o idioma oficial da Igreja Católica durante a Idade Média:
a)	Grego.
b)	Alemão.
c)	Latim.
d)	Português.
e)	Inglês.
2.		 Nos mosteiros, a principal atividade dos monges era:
a)	preservar a cultura por meio da língua latina.
b)	 cultivar os campos.
c)	 fazer a guerra contra os infiéis.
d)	orar.
e)	 comercializar produtos do Oriente.
3.		 Os mosteiros medievais exerciam muitas funções, com diversas instalações. Seus senhores, em
geral, eram abades ou abadessas. Assinale, entre as alternativas a seguir, o espaço que não per-
tencia a um mosteiro:
a)	Asilo.
b)	Hospedagem.
c)	 Lojas de comércio.
d)	Orfanato.
e)	Biblioteca.
Livro
•	 DI GIUSEPPE, Regina Célia Tocci; SOUZA, Emerson de. São Bento: uma vida de
muitos valores. 1. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2008. Livro dirigido ao público infanto-
juvenil, que apresenta a história de São Bento.
Site
•	 Modelos de Escola na Idade Média. Disponível em: http://www.educ.fc.ul.pt/docen
tes/opombo/hfe/momentos/modelos/vidamosteiro.htm. Acesso em: 14 nov. 2013.
Site que apresenta textos relacionados aos mosteiros da Idade Média.
PARA SABER MAIS
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 51 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
52
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
53
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 7
AS CIVILiZAÇÕES DO ISLÃ (SOCIEDADE E CULTURA):
EXPANSÃO ISLÂMICA E PRESENÇA NA PENÍNSULA IBÉRICA
Organização de um glossário
O termo “glossário” refere-se a um conjunto de palavras, organizadas em ordem alfa-
bética, relacionadas a um determinado assunto, com informações sobre o significado de
cada uma dessas palavras.
Pesquise em dicionários, no livro didático, em enciclopédias e em sites especializados as palavras
a seguir e, ao final, você terá um glossário sobre o mundo muçulmano.
a)	Aiatolá: 										
b)	Bazar: 											
c)	Beduínos: 									
d)	Caaba: 										
!
?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 53 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
54
e)	Califa: 										
f)	Corão: 										
g)	Hégira: 										
h)	Islamismo: 										
i)	Jihad: 										
j)	Magreb: 										
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 54 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
55
k)	Medina: 										
l)	Mesquita: 										
m)	Minarete: 										
n)	Mouro: 										
o)	Muçulmano: 										
p)	Ramadã: 										
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 55 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
56
As mesquitas e os arabescos
Leitura e análise de texto
O islamismo surgiu como religião
monoteísta, em torno do profeta
Maomé, herdeira do judaísmo e do
cristianismo. Nessas duas religiões,
ha­via lugares de culto ou reunião: a
sinagoga e a igreja. Ambas são pala-
vras que significam “lugar de assem-
bleia”. A mesquita surgiu inspirada
nessas instituições e seu nome signi-
fica algo semelhante a “lugar onde as
pessoas se ajoelham para rezar”. Con-
forme os muçulmanos conquistaram
e converteram áreas cristãs, as igrejas
foram transformadas em mesquitas,
como no famoso caso da Basílica de
Santa Sofia, em Constantinopla, hoje
Istambul. Em outras partes do mun-
do, como na Índia e na China, há
templos que foram transformados
em mesquitas.
A mesquita está aberta para as
ora­ções diárias e, às sextas-feiras, é um
centro de reunião. Em geral, a mes-
quita tem um chefe da reza, o imã. O
solo costuma ser coberto por um carpete decorado, sobre o qual não se pode andar
calçado. Na tradição islâmica, a mesquita é um lugar masculino, e as mulheres, quando
aceitas, ficam separadas, em posição subalterna. Em algumas mesquitas, contudo, não
há essa separação.
A exemplo da tradição judaica, o islamismo proibiu a representação humana, embora
essa regra nem sempre tenha sido mantida. Por causa dessa proibição, desenvolveu-se o ara-
besco,umornatoproduzidopelacombinaçãodeformasgeométricassimétricasquepermite
retratar figuras, plantas e animais. Nas mesquitas, os arabescos expressam a espiritualidade
deumDeusúnico,Alá,nãoemformahumana,jáqueEletranscendeatodaformaconhecida
Arabesco – Marrakech, Marrocos.
©KFS/Imagebroker/Alamy/GlowImages
Leia atentamente o texto e grife as ideias centrais.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 56 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
57
pelos homens. A origem dessa manifestação artística e religiosa é variada. Os gregos con-
tribuíram com sua fascinação pela representação geométrica; os judeus, com a proibição
à representação humana e a ênfase na espiritualidade. Como o islamismo expandiu-se
também em terras cristãs, as mesquitas e seus arabescos representavam uma maneira de
se diferenciar dos cristãos, acusados de idolatrar imagens de Deus, de Jesus e dos santos.
Muitas mesquitas antigas da Península Ibérica foram depois transformadas em igrejas ca-
tólicas, como a Mesquita de Córdoba, que foi transformada em catedral católica no século
XV, em um processo semelhante àquele usado pelos muçulmanos, séculos antes.
Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola.
Com base na leitura do texto, preencha o quadro a seguir com as informações solicitadas.
O islamismo
Características da religião islâmica: 							
Lugar de culto: 								
Características das mesquitas: 							
Significado de arabesco: 									
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 57 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
58
Função dos arabescos nas mesquitas:						
LIÇÃO DE CASA
O Corão
O texto sagrado do islamismo é conhecido como Alcorão ou Corão, cujo significado
é “recitação”. Segundo essa crença, o anjo Gabriel o ditou ao profeta Maomé, entre 610 e
632 d.C., tendo sido compilado por escrito em 633 e difundido a partir de 653. Surgido
no contexto da difusão do judaísmo e do cristianismo, o islamismo reconhece a Bíblia
como texto sacro, mas institui uma nova narrativa, em árabe, o Corão. A Bíblia hebraica
(Torá) e os Evangelhos foram incorporados ao islamismo.
OCorãocompõe-sede114capítulos,chamadosde“suras”,commaisdeseismilversos.O
livrosagradonãotemumanarrativacronológica,masconstitui-sedeumasucessãodetemas,
organizados como se formassem uma rede. Ele foi importante, em termos culturais, para a
expansão do islamismo. Conforme a nova religião difundia-se pelo Oriente Médio, Norte
da África e Europa meridional, a língua árabe passou a ser usada em áreas distantes das
suas origens. A importância dada ao conhecimento dos versos corânicos fez que a alfabe-
tização aumentasse de forma significativa. Foi, portanto, um potente veículo cultural, sem
precedentes como meio de difusão da cultura islâmica.
Com o período moderno e a invenção da imprensa, o Corão, além de ser copiado,
passou a ser publicado. Embora tenha sido traduzido para outras línguas, a ênfase nas pa-
lavras originais, em árabe, permitiu que o livro continuasse a ser lido e decorado em seu
idio­ma original. Como os muçulmanos são incentivados a decorar o texto, isso também
contribui para a generalização das técnicas de memorização. O livro sagrado do islamismo
incentivou o florescimento da cultura árabe e, por encorajar a leitura de autores da Anti-
Leitura e análise de texto
Leia atentamente o texto e grife as ideias centrais.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 58 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
59
Pesquise em seu livro didático ou sites especializados e realize as atividades a seguir.
1.		 Os diferentes tipos de calendário buscam marcar o tempo a partir de datas históricas, religiosas
e culturais. Apresente três características do calendário muçulmano, buscando informações no
livro didático, em sites e nas enciclopédias.
guidade, contribuiu para o desenvolvimento de diversos campos da Ciência (matemática,
medicina, astronomia etc.) e da filosofia árabe. O Corão e a reflexão crítica, portanto,
nunca foram incompatíveis. Uma leitura literal e dogmática constitui, assim, apenas uma
das vertentes do islamismo.
Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola.
1.		 Escreva no espaço a seguir cinco informações sobre o Corão, com base nas ideias centrais do texto.
2.		 Escreva um título para o segundo parágrafo do texto.
PESQUISA INDIVIDUAL
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 59 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
60
2.		 As mesquitas apresentam características muito comuns, como ausência de cadeiras, altares e
imagens. Explique a importância das torres das mesquitas – os minaretes – para a religião
muçulmana.
Mesquita de Sultanhamet, com seus minaretes – Istambul, Turquia.
©MicheleFalzone/Passage/Corbis/Latinstock
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 60 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
61
Mesquita de Sultanhamet – Istambul, Turquia.
©Photolibrary/Latinstock
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 61 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
62
1.		 A religião muçulmana está baseada na crença em um único deus, assim como ocorre no ju­daís­mo
e no cristianismo. Essa característica é conhecida como:
a)	ateísmo.
b)	politeísmo.
c)	monoteísmo.
d)	dualismo.
e)	pluralismo.
2.		 Para os muçulmanos, o Ano-Novo inicia-se com a Hégira, data que marca a fuga de Maomé de
Meca, no ano de 622 d.C. do calendário cristão. Esse acontecimento tem grande importância
histórica e religiosa para a comunidade muçulmana. A cidade para a qual Maomé se dirigiu é
chamada, em árabe, de Yathrib, atual:
a)	Jerusalém.
b)	Medina.
c)	Jedda.
d)	Tabuk.
e)	Hijaz.
3.		 A história do islamismo tem início em uma península, marcada pela passagem de caravanas de
tribos nômades, que buscavam rotas comerciais e fontes de água. Segundo o Corão, Maomé foi
chamado por Deus (Alá, em árabe) para ser seu profeta na península conhecida como:
a)	Ibérica.
b)	Balcânica.
c)	Arábica.
d)	Itálica.
e)	Yucatán.
Livro
•	 ESTERL, Arnica; DUGINA, Olga. As mais belas histórias das mil e uma noites. São
Paulo: Cosac Naify, 2007. A obra aborda cinco histórias contadas por Sheerazade com
uma narrativa mais adequada ao público infantojuvenil.
PARA SABER MAIS
VOCÊ APRENDEU?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 62 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
63
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
64
SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 8
O IMPÉRIO BIZANTINO E O ORIENTE
NO IMAGINÁRIO EUROPEU
Painel ilustrado: o Império Bizantino
O painel ilustrado é uma forma de visualizar os temas pesquisados na coleta e sistematização
de informações.
Pesquise em seu livro didático, enciclopédias e sites especializados textos e imagens sobre os se-
guintes temas: Império Bizantino; o governo e o Código de Justiniano; Basílica de Santa Sofia;
cidade de Constantinopla.
Verifique com seu professor quais serão os critérios para a divisão dos grupos e o material em
que será feito o painel – papel kraft, cartolina, papel-jornal, papel-cartão.
Anote, no espaço a seguir, pequenos textos para facilitar a organização do painel e não se esqueça
de anotar as fontes pesquisadas.
a)	 Império Bizantino: 									
b)	 Cidade de Constantinopla: 								
c)	 Basílica de Santa Sofia: 								
!
?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 64 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
65
Pesquise em seu livro didático ou sites especializados e realize as atividades a seguir.
1.		 A cidade de Constantinopla era cercada por muralhas e havia diversas fortificações ao longo de
seus portos. Explique a razão da construção dessas muralhas e fortificações.
d)	 O governo e o Código de Justiniano: 							
PESQUISA INDIVIDUAL
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 65 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
66
2.		 A arte bizantina destacou-se pela presença de mosaicos coloridos. Explique o que é um mosaico.
Piso em mosaico, detalhe, Turquia.
©Steppenwolf/Alamy/GlowImages
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 66 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
67
1.		 O Império Romano do Oriente passou a ter autonomia a partir do seu mais importante impe-
rador, que governou de 527 a 565 d.C. Assinale o nome desse imperador, que conquistou vários
territórios para o Império Bizantino.
a)	Juliano.
b)	Augusto.
c)	Constantino.
d)	Teodósio.
e)	Justiniano.
2.		 A localização geográfica da capital do Império Romano do Oriente, Constantinopla, facilitou
a interligação entre as diversas áreas que compunham o Império Bizantino. A antiga capital do
Império Bizantino hoje se chama:
a)	Roma.
b)	Damasco.
c)	Antioquia.
d)	Istambul.
e)	Jerusalém.
3.		 A capital do Império Romano do Oriente foi construída em um estreito, que marca o limite
dos continentes asiático e europeu, na Turquia. Assinale o nome desse estreito.
a)	Dardanelos.
b)	Bósforo.
c)	Gibraltar.
d)	Bering.
e)	Torres.
Site
•	 História do Mundo. Disponível em: http://www.historiadomundo.com.br/r­oma­
na/imperio-bizantino. Acesso em: 14 nov. 2013. Site com textos informativos e ima-
gens muito interessantes sobre o Império Bizantino.
PARA SABER MAIS
VOCÊ APRENDEU?
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 67 10/04/14 15:28
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
68
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
69
História – 5a
série/6o
ano – Volume 2
70
CONCEPÇÃO E COORDENAÇÃO GERAL
NOVA EDIÇÃO 2014-2017
COORDENADORIA DE GESTÃO DA
EDUCAÇÃO BÁSICA – CGEB
Coordenadora
Maria Elizabete da Costa
Diretor do Departamento de Desenvolvimento
Curricular de Gestão da Educação Básica
João Freitas da Silva
Diretora do Centro de Ensino Fundamental
dos Anos Finais, Ensino Médio e Educação
Profissional – CEFAF
Valéria Tarantello de Georgel
Coordenadora Geral do Programa São Paulo
faz escola
Valéria Tarantello de Georgel
Coordenação Técnica
Roberto Canossa
Roberto Liberato
Suely Cristina de Albuquerque Bomfim
EQUIPES CURRICULARES
Área de Linguagens
Arte: Ana Cristina dos Santos Siqueira, Carlos
Eduardo Povinha, Kátia Lucila Bueno e Roseli
Ventrella.
Educação Física: Marcelo Ortega Amorim, Maria
Elisa Kobs Zacarias, Mirna Leia Violin Brandt,
Rosângela Aparecida de Paiva e Sergio Roberto
Silveira.
Língua Estrangeira Moderna (Inglês e
Espanhol): Ana Beatriz Pereira Franco, Ana Paula
de Oliveira Lopes, Marina Tsunokawa Shimabukuro
e Neide Ferreira Gaspar.
Língua Portuguesa e Literatura: Angela Maria
Baltieri Souza, Claricia Akemi Eguti, Idê Moraes dos
Santos, João Mário Santana, Kátia Regina Pessoa,
Mara Lúcia David, Marcos Rodrigues Ferreira, Roseli
Cordeiro Cardoso e Rozeli Frasca Bueno Alves.
Área de Matemática
Matemática: Carlos Tadeu da Graça Barros,
Ivan Castilho, João dos Santos, Otavio Yoshio
Yamanaka, Rosana Jorge Monteiro, Sandra Maira
Zen Zacarias e Vanderley Aparecido Cornatione.
Área de Ciências da Natureza
Biologia: Aparecida Kida Sanches, Elizabeth
Reymi Rodrigues, Juliana Pavani de Paula Bueno e
Rodrigo Ponce.
Ciências: Eleuza Vania Maria Lagos Guazzelli,
Gisele Nanini Mathias, Herbert Gomes da Silva e
Maria da Graça de Jesus Mendes.
Física: Anderson Jacomini Brandão, Carolina dos
Santos Batista, Fábio Bresighello Beig, Renata
Cristina de Andrade Oliveira e Tatiana Souza da
Luz Stroeymeyte.
Química: Ana Joaquina Simões S. de Mattos
Carvalho, Jeronimo da Silva Barbosa Filho, João
Batista Santos Junior, Natalina de Fátima Mateus e
Roseli Gomes de Araujo da Silva.
Área de Ciências Humanas
Filosofia: Emerson Costa, Tânia Gonçalves e
Teônia de Abreu Ferreira.
Geografia: Andréia Cristina Barroso Cardoso,
Débora Regina Aversan e Sérgio Luiz Damiati.
História: Cynthia Moreira Marcucci, Maria
Margarete dos Santos Benedicto e Walter Nicolas
Otheguy Fernandez.
Sociologia: Alan Vitor Corrêa, Carlos Fernando de
Almeida e Tony Shigueki Nakatani.
PROFESSORES COORDENADORES DO NÚCLEO
PEDAGÓGICO
Área de Linguagens
Educação Física: Ana Lucia Steidle, Eliana Cristine
Budiski de Lima, Fabiana Oliveira da Silva, Isabel
Cristina Albergoni, Karina Xavier, Katia Mendes
e Silva, Liliane Renata Tank Gullo, Marcia Magali
Rodrigues dos Santos, Mônica Antonia Cucatto da
Silva, Patrícia Pinto Santiago, Regina Maria Lopes,
Sandra Pereira Mendes, Sebastiana Gonçalves
Ferreira Viscardi, Silvana Alves Muniz.
Língua Estrangeira Moderna (Inglês): Célia
Regina Teixeira da Costa, Cleide Antunes Silva,
Ednéa Boso, Edney Couto de Souza, Elana
Simone Schiavo Caramano, Eliane Graciela
dos Santos Santana, Elisabeth Pacheco Lomba
Kozokoski, Fabiola Maciel Saldão, Isabel Cristina
dos Santos Dias, Juliana Munhoz dos Santos,
Kátia Vitorian Gellers, Lídia Maria Batista
Bomfim, Lindomar Alves de Oliveira, Lúcia
Aparecida Arantes, Mauro Celso de Souza,
Neusa A. Abrunhosa Tápias, Patrícia Helena
Passos, Renata Motta Chicoli Belchior, Renato
José de Souza, Sandra Regina Teixeira Batista de
Campos e Silmara Santade Masiero.
Língua Portuguesa: Andrea Righeto, Edilene
Bachega R. Viveiros, Eliane Cristina Gonçalves
Ramos, Graciana B. Ignacio Cunha, Letícia M.
de Barros L. Viviani, Luciana de Paula Diniz,
Márcia Regina Xavier Gardenal, Maria Cristina
Cunha Riondet Costa, Maria José de Miranda
Nascimento, Maria Márcia Zamprônio Pedroso,
Patrícia Fernanda Morande Roveri, Ronaldo Cesar
Alexandre Formici, Selma Rodrigues e
Sílvia Regina Peres.
Área de Matemática
Matemática: Carlos Alexandre Emídio, Clóvis
Antonio de Lima, Delizabeth Evanir Malavazzi,
Edinei Pereira de Sousa, Eduardo Granado Garcia,
Evaristo Glória, Everaldo José Machado de Lima,
Fabio Augusto Trevisan, Inês Chiarelli Dias, Ivan
Castilho, José Maria Sales Júnior, Luciana Moraes
Funada, Luciana Vanessa de Almeida Buranello,
Mário José Pagotto, Paula Pereira Guanais, Regina
Helena de Oliveira Rodrigues, Robson Rossi,
Rodrigo Soares de Sá, Rosana Jorge Monteiro,
Rosângela Teodoro Gonçalves, Roseli Soares
Jacomini, Silvia Ignês Peruquetti Bortolatto e Zilda
Meira de Aguiar Gomes.
Área de Ciências da Natureza
Biologia: Aureli Martins Sartori de Toledo, Evandro
Rodrigues Vargas Silvério, Fernanda Rezende
Pedroza, Regiani Braguim Chioderoli e Rosimara
Santana da Silva Alves.
Ciências: Davi Andrade Pacheco, Franklin Julio
de Melo, Liamara P. Rocha da Silva, Marceline
de Lima, Paulo Garcez Fernandes, Paulo Roberto
Orlandi Valdastri, Rosimeire da Cunha e Wilson
Luís Prati.
Física: Ana Claudia Cossini Martins, Ana Paula
Vieira Costa, André Henrique Ghelfi Rufino,
Cristiane Gislene Bezerra, Fabiana Hernandes
M. Garcia, Leandro dos Reis Marques, Marcio
Bortoletto Fessel, Marta Ferreira Mafra, Rafael
Plana Simões e Rui Buosi.
Química: Armenak Bolean, Cátia Lunardi, Cirila
Tacconi, Daniel B. Nascimento, Elizandra C. S.
Lopes, Gerson N. Silva, Idma A. C. Ferreira, Laura
C. A. Xavier, Marcos Antônio Gimenes, Massuko
S. Warigoda, Roza K. Morikawa, Sílvia H. M.
Fernandes, Valdir P. Berti e Willian G. Jesus.
Área de Ciências Humanas
Filosofia: Álex Roberto Genelhu Soares, Anderson
Gomes de Paiva, Anderson Luiz Pereira, Claudio
Nitsch Medeiros e José Aparecido Vidal.
Geografia: Ana Helena Veneziani Vitor, Célio
Batista da Silva, Edison Luiz Barbosa de Souza,
Edivaldo Bezerra Viana, Elizete Buranello Perez,
Márcio Luiz Verni, Milton Paulo dos Santos,
Mônica Estevan, Regina Célia Batista, Rita de
Cássia Araujo, Rosinei Aparecida Ribeiro Libório,
Sandra Raquel Scassola Dias, Selma Marli Trivellato
e Sonia Maria M. Romano.
História: Aparecida de Fátima dos Santos
Pereira, Carla Flaitt Valentini, Claudia Elisabete
Silva, Cristiane Gonçalves de Campos, Cristina
de Lima Cardoso Leme, Ellen Claudia Cardoso
Doretto, Ester Galesi Gryga, Karin Sant’Ana
Kossling, Marcia Aparecida Ferrari Salgado de
Barros, Mercia Albertina de Lima Camargo,
Priscila Lourenço, Rogerio Sicchieri, Sandra Maria
Fodra e Walter Garcia de Carvalho Vilas Boas.
Sociologia: Anselmo Luis Fernandes Gonçalves,
Celso Francisco do Ó, Lucila Conceição Pereira e
Tânia Fetchir.
Apoio:
Fundação para o Desenvolvimento da Educação
- FDE
CTP, Impressão e acabamento
Escala Empresa de Comunicação Integrada Ltda.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 71 10/04/14 15:28
A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo autoriza a reprodução do conteúdo do material de sua titularidade pelas demais secretarias de educação do país, desde que mantida a integri-
dade da obra e dos créditos, ressaltando que direitos autorais protegidos*deverão ser diretamente negociados com seus próprios titulares, sob pena de infração aos artigos da Lei no
9.610/98.
* Constituem “direitos autorais protegidos” todas e quaisquer obras de terceiros reproduzidas no material da SEE-SP que não estejam em domínio público nos termos do artigo 41 da Lei de
Direitos Autorais.
* Nos Cadernos do Programa São Paulo faz escola são indicados sites para o aprofundamento de conhecimentos, como fonte de consulta dos conteúdos apresentados e como referências bibliográficas.
Todos esses endereços eletrônicos foram checados. No entanto, como a internet é um meio dinâmico e sujeito a mudanças, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo não garante que os sites
indicados permaneçam acessíveis ou inalterados.
* Os mapas reproduzidos no material são de autoria de terceiros e mantêm as características dos originais, no que diz respeito à grafia adotada e à inclusão e composição dos elementos cartográficos
(escala, legenda e rosa dos ventos).
Ciências Humanas
Coordenador de área: Paulo Miceli.
Filosofia: Paulo Miceli, Luiza Christov, Adilton Luís
Martins e Renê José Trentin Silveira.
Geografia: Angela Corrêa da Silva, Jaime Tadeu Oliva,
Raul Borges Guimarães, Regina Araujo e Sérgio Adas.
História: Paulo Miceli, Diego López Silva,
Glaydson José da Silva, Mônica Lungov Bugelli e
Raquel dos Santos Funari.
Sociologia: Heloisa Helena Teixeira de Souza Martins,
Marcelo Santos Masset Lacombe, Melissa de Mattos
Pimenta e Stella Christina Schrijnemaekers.
Ciências da Natureza
Coordenador de área: Luis Carlos de Menezes.
Biologia: Ghisleine Trigo Silveira, Fabíola Bovo
Mendonça, Felipe Bandoni de Oliveira, Lucilene
Aparecida Esperante Limp, Maria Augusta
Querubim Rodrigues Pereira, Olga Aguilar Santana,
Paulo Roberto da Cunha, Rodrigo Venturoso
Mendes da Silveira e Solange Soares de Camargo.
Ciências: Ghisleine Trigo Silveira, Cristina Leite,
João Carlos Miguel Tomaz Micheletti Neto,
Julio Cézar Foschini Lisbôa, Lucilene Aparecida
Esperante Limp, Maíra Batistoni e Silva, Maria
Augusta Querubim Rodrigues Pereira, Paulo
Rogério Miranda Correia, Renata Alves Ribeiro,
Ricardo Rechi Aguiar, Rosana dos Santos Jordão,
Simone Jaconetti Ydi e Yassuko Hosoume.
Física: Luis Carlos de Menezes, Estevam Rouxinol,
Guilherme Brockington, Ivã Gurgel, Luís Paulo
de Carvalho Piassi, Marcelo de Carvalho Bonetti,
Maurício Pietrocola Pinto de Oliveira, Maxwell
Roger da Purificação Siqueira, Sonia Salem e
Yassuko Hosoume.
Química: Maria Eunice Ribeiro Marcondes, Denilse
Morais Zambom, Fabio Luiz de Souza, Hebe
Ribeiro da Cruz Peixoto, Isis Valença de Sousa
Santos, Luciane Hiromi Akahoshi, Maria Fernanda
Penteado Lamas e Yvone Mussa Esperidião.
Caderno do Gestor
Lino de Macedo, Maria Eliza Fini e Zuleika de
Felice Murrie.
GESTÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO
EDITORIAL 2014-2017
FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI
Presidente da Diretoria Executiva
Mauro de Mesquita Spínola
GESTÃO DE TECNOLOGIAS APLICADAS
À EDUCAÇÃO
Direção da Área
Guilherme Ary Plonski
Coordenação Executiva do Projeto
Angela Sprenger e Beatriz Scavazza
Gestão Editorial
Denise Blanes
Equipe de Produção
Editorial: Amarilis L. Maciel, Ana Paula S. Bezerra,
Angélica dos Santos Angelo, Bóris Fatigati da Silva,
Bruno Reis, Carina Carvalho, Carolina H. Mestriner,
Carolina Pedro Soares, Cíntia Leitão, Eloiza Lopes,
Érika Domingues do Nascimento, Flávia Medeiros,
Giovanna Petrólio Marcondes, Gisele Manoel,
Jean Xavier, Karinna Alessandra Carvalho Taddeo,
Leslie Sandes, Mainã Greeb Vicente, Maíra de
Freitas Bechtold, Marina Murphy, Michelangelo
Russo, Natália S. Moreira, Olivia Frade Zambone,
Paula Felix Palma, Pietro Ferrari, Priscila Risso,
Regiane Monteiro Pimentel Barboza, Renata
Regina Buset, Rodolfo Marinho, Stella Assumpção
Mendes Mesquita, Tatiana F. Souza e Tiago Jonas
de Almeida.
Direitos autorais e iconografia: Beatriz Fonseca
Micsik, Dayse de Castro Novaes Bueno, Érica
Marques, José Carlos Augusto, Juliana Prado da
Silva, Marcus Ecclissi, Maria Aparecida Acunzo
Forli, Maria Magalhães de Alencastro, Vanessa
Bianco e Vanessa Leite Rios.
Edição e Produção editorial: Jairo Souza Design
Gráfico e Occy Design (projeto gráfico).
CONCEPÇÃO DO PROGRAMA E ELABORAÇÃO DOS
CONTEÚDOS ORIGINAIS
COORDENAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO
DOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DOS
CADERNOS DOS PROFESSORES E DOS
CADERNOS DOS ALUNOS
Ghisleine Trigo Silveira
CONCEPÇÃO
Guiomar Namo de Mello, Lino de Macedo,
Luis Carlos de Menezes, Maria Inês Fini
(coordenadora) e Ruy Berger (em memória).
AUTORES
Linguagens
Coordenador de área: Alice Vieira.
Arte: Gisa Picosque, Mirian Celeste Martins,
Geraldo de Oliveira Suzigan, Jéssica Mami
Makino e Sayonara Pereira.
Educação Física: Adalberto dos Santos Souza,
Carla de Meira Leite, Jocimar Daolio, Luciana
Venâncio, Luiz Sanches Neto, Mauro Betti,
Renata Elsa Stark e Sérgio Roberto Silveira.
LEM – Inglês: Adriana Ranelli Weigel Borges,
Alzira da Silva Shimoura, Lívia de Araújo Donnini
Rodrigues, Priscila Mayumi Hayama e Sueli Salles
Fidalgo.
LEM – Espanhol: Ana Maria López Ramírez, Isabel
Gretel María Eres Fernández, Ivan Rodrigues
Martin, Margareth dos Santos e Neide T. Maia
González.
Língua Portuguesa: Alice Vieira, Débora Mallet
Pezarim de Angelo, Eliane Aparecida de Aguiar,
José Luís Marques López Landeira e João
Henrique Nogueira Mateos.
Matemática
Coordenador de área: Nílson José Machado.
Matemática: Nílson José Machado, Carlos
Eduardo de Souza Campos Granja, José Luiz
Pastore Mello, Roberto Perides Moisés, Rogério
Ferreira da Fonseca, Ruy César Pietropaolo e
Walter Spinelli.
HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 72 10/04/14 15:28
7a
SÉRIE	8o
ANO
ENSINO FUNDAMENTAL – ANOS FINAIS
Volume 2
HISTÓRIA
Ciências Humanas
CADERNO DO ALUNO
Validade:2014–2017

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slideIsabel Aguiar
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano7 de Setembro
 
Cruzadinha sobre a Roma Antiga
Cruzadinha sobre a  Roma AntigaCruzadinha sobre a  Roma Antiga
Cruzadinha sobre a Roma AntigaMary Alvarenga
 
Primeiras Civilizações - Civilização Grega
Primeiras Civilizações - Civilização GregaPrimeiras Civilizações - Civilização Grega
Primeiras Civilizações - Civilização GregaDiego Bian Filo Moreira
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundialFatima Freitas
 
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e AbsolutismoDaniel Alves Bronstrup
 
Capitalismo Político e Econômico
Capitalismo Político e Econômico Capitalismo Político e Econômico
Capitalismo Político e Econômico Guilherme Lopes
 
Primeira Guerra Mundial - antecedentes e conflito
Primeira Guerra Mundial - antecedentes e conflitoPrimeira Guerra Mundial - antecedentes e conflito
Primeira Guerra Mundial - antecedentes e conflitoElton Zanoni
 
Era dos extremos resenha
Era dos extremos resenhaEra dos extremos resenha
Era dos extremos resenhaJailson Alves
 
Historiografia positivista
Historiografia positivistaHistoriografia positivista
Historiografia positivistaMibelly Rocha
 
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.Tissiane Gomes
 

Mais procurados (20)

Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
 
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º anoAula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
Aula sobre 1ª Guerra Mundial - 9º ano
 
Cruzadinha sobre a Roma Antiga
Cruzadinha sobre a  Roma AntigaCruzadinha sobre a  Roma Antiga
Cruzadinha sobre a Roma Antiga
 
Primeiras Civilizações - Civilização Grega
Primeiras Civilizações - Civilização GregaPrimeiras Civilizações - Civilização Grega
Primeiras Civilizações - Civilização Grega
 
Sociologia para jovens do século xxi 3ª edição
Sociologia para jovens do século xxi 3ª ediçãoSociologia para jovens do século xxi 3ª edição
Sociologia para jovens do século xxi 3ª edição
 
Egito antigo e atualidades 6º ano
Egito antigo e atualidades 6º anoEgito antigo e atualidades 6º ano
Egito antigo e atualidades 6º ano
 
Antigo Regime
Antigo RegimeAntigo Regime
Antigo Regime
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
1º ano - Expansão Marítima Européia e Absolutismo
 
Capitalismo Político e Econômico
Capitalismo Político e Econômico Capitalismo Político e Econômico
Capitalismo Político e Econômico
 
Bingo Histórico
Bingo HistóricoBingo Histórico
Bingo Histórico
 
Atividades sobre grécia
Atividades sobre gréciaAtividades sobre grécia
Atividades sobre grécia
 
Primeira Guerra Mundial - antecedentes e conflito
Primeira Guerra Mundial - antecedentes e conflitoPrimeira Guerra Mundial - antecedentes e conflito
Primeira Guerra Mundial - antecedentes e conflito
 
Era dos extremos resenha
Era dos extremos resenhaEra dos extremos resenha
Era dos extremos resenha
 
Prova revoluçao russa
Prova revoluçao russaProva revoluçao russa
Prova revoluçao russa
 
Historiografia positivista
Historiografia positivistaHistoriografia positivista
Historiografia positivista
 
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
PLANO DE AULA – REVOLTAS DA PRIMEIRA REPÚBLICA.
 

Destaque

Atividades 7 Maravilhas do Mundo Moderno
Atividades 7 Maravilhas do Mundo ModernoAtividades 7 Maravilhas do Mundo Moderno
Atividades 7 Maravilhas do Mundo ModernoDoug Caesar
 
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017Diogo Santos
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosProfMario De Mori
 
Caderno do Aluno História 7 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 7 série vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 7 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 7 série vol 1 2014-2017Diogo Santos
 
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017Diogo Santos
 
Caderno do Aluno História 8 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 8 série vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 8 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 8 série vol 1 2014-2017Diogo Santos
 
Aula 7 – navegações brasil portugues i
Aula 7 –  navegações brasil portugues iAula 7 –  navegações brasil portugues i
Aula 7 – navegações brasil portugues isenhorp
 
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017Diogo Santos
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Sociologia 3 s_em_volume_1_professor
Sociologia 3 s_em_volume_1_professorSociologia 3 s_em_volume_1_professor
Sociologia 3 s_em_volume_1_professorValdeavare
 
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)Eduardo Oliveira
 

Destaque (14)

Atividades 7 Maravilhas do Mundo Moderno
Atividades 7 Maravilhas do Mundo ModernoAtividades 7 Maravilhas do Mundo Moderno
Atividades 7 Maravilhas do Mundo Moderno
 
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 2 ano vol 1 2014-2017
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anos
 
Caderno do Aluno História 7 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 7 série vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 7 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 7 série vol 1 2014-2017
 
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 3 ano vol 1 2014-2017
 
Caderno do Aluno História 8 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 8 série vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 8 série vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 8 série vol 1 2014-2017
 
Aula 7 – navegações brasil portugues i
Aula 7 –  navegações brasil portugues iAula 7 –  navegações brasil portugues i
Aula 7 – navegações brasil portugues i
 
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
 
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperioTrabalho de historia brasil colonia e imperio
Trabalho de historia brasil colonia e imperio
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe AssunçãoAVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO -  Prof. Noe Assunção
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CONCEITO DE TRABALHO - Prof. Noe Assunção
 
Atividades Brasil Império
Atividades Brasil ImpérioAtividades Brasil Império
Atividades Brasil Império
 
Spfe prof 2014_vol1_filosofia_em_2_s
Spfe prof 2014_vol1_filosofia_em_2_sSpfe prof 2014_vol1_filosofia_em_2_s
Spfe prof 2014_vol1_filosofia_em_2_s
 
Sociologia 3 s_em_volume_1_professor
Sociologia 3 s_em_volume_1_professorSociologia 3 s_em_volume_1_professor
Sociologia 3 s_em_volume_1_professor
 
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)
Sociologia 1 s_em_volume_1_(2014)
 

Semelhante a O espaço das pólis gregas antigas

Grécia e Roma Antiga
Grécia e Roma AntigaGrécia e Roma Antiga
Grécia e Roma AntigaMario Lopes
 
apostila historia 2020.pdf
apostila historia 2020.pdfapostila historia 2020.pdf
apostila historia 2020.pdfFernando Lehnen
 
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017Diogo Santos
 
Historia4 trajetoria
Historia4 trajetoriaHistoria4 trajetoria
Historia4 trajetoriahsurdez
 
Caderno de resumos EIHC 2014
Caderno de resumos EIHC 2014Caderno de resumos EIHC 2014
Caderno de resumos EIHC 2014Geac Ufal
 
1 aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02
1  aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp021  aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02
1 aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02simonete3a
 
Filosofia para-o-enem-1ª-semana
Filosofia para-o-enem-1ª-semanaFilosofia para-o-enem-1ª-semana
Filosofia para-o-enem-1ª-semanaBruno Rezende
 
Filosofia para-o-enem-1ª-semana
Filosofia para-o-enem-1ª-semanaFilosofia para-o-enem-1ª-semana
Filosofia para-o-enem-1ª-semanaBruno Rezende
 
Monografia Claudionor Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Claudionor Pedagogia Itiúba 2012Monografia Claudionor Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Claudionor Pedagogia Itiúba 2012Biblioteca Campus VII
 
História em movimento vol. 01
História em movimento vol. 01História em movimento vol. 01
História em movimento vol. 01marcosfm32
 
Livro um município chamado alto alegre dos parecis
Livro   um município chamado alto alegre dos parecisLivro   um município chamado alto alegre dos parecis
Livro um município chamado alto alegre dos parecisSinval Gonçalves
 
Aula historia da educacao
Aula historia da educacaoAula historia da educacao
Aula historia da educacaoAlelis Gomes
 
Maria-do-Ceu-Fialho-Cidadania-e-Paideia-na-Grecia-Antiga.pdf
Maria-do-Ceu-Fialho-Cidadania-e-Paideia-na-Grecia-Antiga.pdfMaria-do-Ceu-Fialho-Cidadania-e-Paideia-na-Grecia-Antiga.pdf
Maria-do-Ceu-Fialho-Cidadania-e-Paideia-na-Grecia-Antiga.pdfGomesSantos7
 
Circulação da imprensa no oitocentos
Circulação da imprensa no oitocentosCirculação da imprensa no oitocentos
Circulação da imprensa no oitocentosCharles Moraes
 

Semelhante a O espaço das pólis gregas antigas (20)

História i módulo
História i móduloHistória i módulo
História i módulo
 
Grécia e Roma Antiga
Grécia e Roma AntigaGrécia e Roma Antiga
Grécia e Roma Antiga
 
Apostila 1
Apostila 1Apostila 1
Apostila 1
 
apostila historia 2020.pdf
apostila historia 2020.pdfapostila historia 2020.pdf
apostila historia 2020.pdf
 
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017
 
Cartilha de Causos
Cartilha de CausosCartilha de Causos
Cartilha de Causos
 
Historia4 trajetoria
Historia4 trajetoriaHistoria4 trajetoria
Historia4 trajetoria
 
O nascimentos das primeiras universidades europeias
O nascimentos das primeiras universidades europeiasO nascimentos das primeiras universidades europeias
O nascimentos das primeiras universidades europeias
 
Caderno de resumos EIHC 2014
Caderno de resumos EIHC 2014Caderno de resumos EIHC 2014
Caderno de resumos EIHC 2014
 
1 aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02
1  aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp021  aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02
1 aulahistoriadaeducacao-120314072730-phpapp02
 
Filosofia para-o-enem-1ª-semana
Filosofia para-o-enem-1ª-semanaFilosofia para-o-enem-1ª-semana
Filosofia para-o-enem-1ª-semana
 
Filosofia para-o-enem-1ª-semana
Filosofia para-o-enem-1ª-semanaFilosofia para-o-enem-1ª-semana
Filosofia para-o-enem-1ª-semana
 
Monografia Claudionor Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Claudionor Pedagogia Itiúba 2012Monografia Claudionor Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Claudionor Pedagogia Itiúba 2012
 
História em movimento vol. 01
História em movimento vol. 01História em movimento vol. 01
História em movimento vol. 01
 
Livro um município chamado alto alegre dos parecis
Livro   um município chamado alto alegre dos parecisLivro   um município chamado alto alegre dos parecis
Livro um município chamado alto alegre dos parecis
 
Aula historia da educacao
Aula historia da educacaoAula historia da educacao
Aula historia da educacao
 
A civilização grega
A civilização gregaA civilização grega
A civilização grega
 
Maria-do-Ceu-Fialho-Cidadania-e-Paideia-na-Grecia-Antiga.pdf
Maria-do-Ceu-Fialho-Cidadania-e-Paideia-na-Grecia-Antiga.pdfMaria-do-Ceu-Fialho-Cidadania-e-Paideia-na-Grecia-Antiga.pdf
Maria-do-Ceu-Fialho-Cidadania-e-Paideia-na-Grecia-Antiga.pdf
 
Livros clássicos da história do brasil
Livros clássicos da história do brasilLivros clássicos da história do brasil
Livros clássicos da história do brasil
 
Circulação da imprensa no oitocentos
Circulação da imprensa no oitocentosCirculação da imprensa no oitocentos
Circulação da imprensa no oitocentos
 

Mais de Diogo Santos

3 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_3s
3 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_3s3 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_3s
3 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_3sDiogo Santos
 
3 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_3s
3 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_3s3 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_3s
3 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_3sDiogo Santos
 
2 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_2s
2 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_2s2 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_2s
2 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_2sDiogo Santos
 
2 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_2s
2 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_2s2 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_2s
2 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_2sDiogo Santos
 
1 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_1s
1 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_1s1 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_1s
1 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_1sDiogo Santos
 
1 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_1s
1 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_1s1 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_1s
1 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_1sDiogo Santos
 
Caderno do aluno química 3 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno química 3 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 2 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do aluno química 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 2 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno química 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 2 ano vol 2 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do aluno química 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 2 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno química 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 2 ano vol 1 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do aluno química 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 1 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno química 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 1 ano vol 2 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do aluno química 1 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 1 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno química 1 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 1 ano vol 1 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno biologia 3 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 2 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno biologia 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 1 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno biologia 1 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 1 2014 2017Diogo Santos
 
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 1 2014-2017Diogo Santos
 
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 2 2014-2017Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 2 2014-2017Diogo Santos
 

Mais de Diogo Santos (20)

3 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_3s
3 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_3s3 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_3s
3 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_3s
 
3 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_3s
3 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_3s3 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_3s
3 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_3s
 
2 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_2s
2 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_2s2 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_2s
2 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_2s
 
2 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_2s
2 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_2s2 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_2s
2 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_2s
 
1 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_1s
1 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_1s1 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_1s
1 caderno do aluno 2014_2017_vol2_baixa_mat_matematica_em_1s
 
1 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_1s
1 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_1s1 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_1s
1 caderno do aluno 2014_2017_vol1_baixa_mat_matematica_em_1s
 
Caderno do aluno química 3 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno química 3 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 2 2014 2017
 
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 3 ano vol 1 2014 2017
 
Caderno do aluno química 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 2 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno química 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 2 ano vol 2 2014 2017
 
Caderno do aluno química 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 2 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno química 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 2 ano vol 1 2014 2017
 
Caderno do aluno química 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 1 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno química 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno química 1 ano vol 2 2014 2017
 
Caderno do aluno química 1 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 1 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno química 1 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno química 1 ano vol 1 2014 2017
 
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno biologia 3 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 2 2014 2017
 
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno biologia 3 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 3 ano vol 1 2014 2017
 
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017
 
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017
 
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 2 2014 2017
 
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno biologia 1 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 1 ano vol 1 2014 2017
 
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 1 2014-2017
 
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 2 2014-2017Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno Física 3 Ano vol 2 2014-2017
 

Último

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 

O espaço das pólis gregas antigas

  • 1. 5a SÉRIE 6o ANO ENSINO FUNDAMENTAL – ANOS FINAIS Volume 2 HISTÓRIA Ciências Humanas CADERNO DO ALUNO Validade:2014–2017
  • 2. MATERIAL DE APOIO AO CURRÍCULO DO ESTADO DE SÃO PAULO CADERNO DO ALUNO HISTÓRIA ENSINO FUNDAMENTAL – ANOS FINAIS 5a SÉRIE/6o ANO VOLUME 2 Nova edição 2014-2017 governo do estado de são paulo secretaria da educação São Paulo HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 1 10/04/14 15:27
  • 3. Governo do Estado de São Paulo Governador Geraldo Alckmin Vice-Governador Guilherme Afif Domingos Secretário da Educação Herman Voorwald Secretária-Adjunta Cleide Bauab Eid Bochixio Chefe de Gabinete Fernando Padula Novaes Subsecretária de Articulação Regional Rosania Morales Morroni Coordenadora da Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Professores – EFAP Silvia Andrade da Cunha Galletta Coordenadora de Gestão da Educação Básica Maria Elizabete da Costa Coordenadora de Gestão de Recursos Humanos Cleide Bauab Eid Bochixio Coordenadora de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional Ione Cristina Ribeiro de Assunção Coordenadora de Infraestrutura e Serviços Escolares Dione Whitehurst Di Pietro Coordenadora de Orçamento e Finanças Claudia Chiaroni Afuso Presidente da Fundação para o Desenvolvimento da Educação – FDE Barjas Negri HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 2 10/04/14 15:27
  • 4. Caro(a) aluno(a), Você está recebendo um Caderno com propostas de atividades nas quais você vai encontrar de- safios e seguramente vai vencê-los com os conhecimentos e as habilidades que está desenvolvendo ao longo deste ano. Você vai conhecer a cultura da Grécia e Roma Clássicas e entender a importância das migrações bárbaras e do cristianismo para compreender a sociedade europeia durante a Idade Média. Além desses conteúdos referentes ao continente europeu, você vai aprender sobre o Islã e sua presença na Península Ibérica e o Império Bizantino. Para aprender bem, você deve participar de todas as atividades propostas pelos(as) Professores (as) nas aulas, fazer suas tarefas de casa e pesquisar nos livros e na sala de leitura sempre que for orientado para esse tipo de trabalho. Se você errar, não desista, porque para aprender é preciso tentar e o erro faz parte do processo de aprendizagem de todos nós. Valorize cada conquista que fizer. Saiba que tudo o que você realmente aprendeu, além de aju- dá-lo a avançar em seus estudos, vai acompanhá-lo pela vida afora. Bom estudo! Equipe Curricular de História Área de Ciências Humanas Coordenadoria de Gestão da Educação Básica - CGEB Secretaria da Educação do Estado de São Paulo HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 3 10/04/14 15:27
  • 6. História – 5a série/6o ano – Volume 2 5 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 1 PÓLIS E COLÔNIAS: O ESPAÇO DA FORMAÇÃO DA CULTURA GREGA CLÁSSICA Leia atentamente o texto a seguir. A pólis grega As cidades gregas desenvolveram-se a partir do séculoVIII a.C. A palavra pólis, que significa “cidade”,indicavaumEstadoindependente,cominstituiçõesprópriaseautônomas.Nogeral,a pólis caracterizava-se por três instituições: Magistratura, Senado e Assembleia. Em cada cida- de, os detalhes variavam muito, mas esses três aspectos eram comuns. Os magistrados toma- vam conta da administração da cidade, em seus aspectos civis e militares. O Senado reunia os anciãos ou um grupo restrito de pessoas que serviam para aconselhar os magistrados e arbitrar as decisões da Assembleia. Os cidadãos, reunidos em praça pública, formavam a Assembleia. Constituíam-se em cidadãos os homens cujas famílias habitavam a cidade, mas era muito difícil conseguir a cidadania em uma pólis. Os estrangeiros eram chamados de metecos. Os escravos não tinham cidadania e estavam submetidos aos cidadãos. Duas cidades gregas des- tacaram-se por sua importância e diferenças: Atenas e Esparta. Atenas conheceu, entre os séculos VI e V a.C., a democracia, pois o poder principal estava na Eclésia, a assembleia do povo. Todos podiam votar, desde que fossem cidadãos. O Senado era escolhido por sorteio. Atenas tinha um porto, o Pireu, que permitiu o desenvolvimento de frotas e do comércio marítimo. A literatura, o teatro e a filosofia floresceram. Esparta era bem diferente. Os cidadãos, chamados esparciatas, eram treinados para ser soldados, separados ainda crianças das suas famílias. O regime era oligárquico, com reis, e havia uma população submetida, os hilotas. Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola. Para começo de conversa Que explicações você daria para os nomes de lugares que terminam em “polis”, como Paraisó- polis, Higie­nópolis e Teresópolis? Registre a seguir as suas hipóteses. Leitura e análise de texto ! ? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 5 10/04/14 15:27
  • 7. História – 5a série/6o ano – Volume 2 6 1. Explique o significado de pólis, termo que aparece já no título do texto. 2. Apresente três instituições comuns às cidades gregas. 3. Complete o quadro com informações apresentadas no texto sobre as cidades gregas de Atenas e Esparta. Atenas Esparta HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 6 10/04/14 15:27
  • 8. História – 5a série/6o ano – Volume 2 7 Pólis e colônias: o espaço de formação da cultura grega clássica “No início, a palavra pólis denominava apenas a acrópole situada no alto da colina: o palácio do rei, o local de reunião da comunidade e o santuário da divindade principal. Porém, havia ainda uma parte baixa, por onde passavam as estradas. O rei, senhor daqueles domínios, podia cobrar impostos dos estrangeiros que as utilizavam. Mais tarde, com o crescimento da população e o desenvolvimento da agricultura e do comércio, a parte baixa foi crescendo, e pólis, termo que traduzimos por cidade-Estado, passou a ser toda a região sob a autoridade de um chefe. Nesse período, o poder dos reis entrou em declínio, aperfeiçoando-se a prática da consulta às assembleias, ou conselhos, compostos por representantes escolhidos entre as pessoas mais velhas das famílias mais importantes. Essas assembleias, que já existiam com a função de auxiliar os reis, passaram a ter poder de decisão. A monarquia foi submetida pela aristocracia, que quer dizer ‘governo dos melhores’. Evidentemente, esses ‘melhores’ eram os poucos que controlavam a maior e melhor parte das terras, faziam as leis e deci- diam sobre a moeda. Essas famílias consideravam-se herdeiras dos guerreiros do período anterior, formando uma aristocracia de sangue, ou seja, hereditária, fazendo que o poder permanecesse nas mesmas mãos. Paralelamente ao desenvolvimento das pólis, os gregos foram fundando outras cida­ des‑Estado, estendendo seu território original do Mar Negro às bordas atlânticas da Europa. Era o que eles chamavam de apoikia, e que os historiadores traduziram por colônias, em- bora essas cidades fossem comunidades, política e economicamente, independentes. Essas colônias tinham com a metrópole, que significa ‘cidade-mãe’, vínculos principalmente sen- timentais e religiosos, uma vez que, para a mentalidade grega, o primordial para a cons- trução de uma cidade era a proteção dos deuses, o que incluía a escolha de um deus e dos sinais de sua presença, como o fogo sagrado e os instrumentos, através dos quais era feita a comunicação com os oráculos, que deviam ser originários de um centro mais antigo.” VAN ACKER, Teresa. Grécia: a vida cotidiana na cidade-Estado. 8. ed. São Paulo: Atual, 2003. p. 8-9. 1. Identifique as palavras cujo sentido você desconhece e busque-o no dicionário ou no livro di- dático. Leitura e análise de texto HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 7 10/04/14 15:27
  • 9. História – 5a série/6o ano – Volume 2 8 2. Identifique a ideia principal do texto, anotando-a no espaço a seguir. 3. Quais são as principais informações apresentadas no texto sobre a pólis e sobre as colônias gregas? 4. Identifique qual é o objetivo principal do texto. Para que ele foi escrito? 5. Você acha que a autora conseguiu desenvolver suas ideias de modo satisfatório? Por quê? 6. O texto ajudou você a compreender melhor a história da Grécia? Escreva um pequeno texto justificando sua opinião. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 8 10/04/14 15:27
  • 10. História – 5a série/6o ano – Volume 2 9 LIÇÃO DE CASA 1. Leia atentamente o texto a seguir e grife as ideias centrais. O espaço das cidades gregas As cidades gregas (pólis) compunham-se de duas partes, uma rural (khora) e outra urba- na, separadas por uma muralha destinada à proteção contra ataques de outras cidades. No interior das muralhas, havia também outras duas partes: a parte alta da cidade (acrópole) e a parte baixa (asty), onde ficava o mercado e uma praça (ágora), geralmente às margens de um rio ou ribeirão, localizava-se o mercado, para o qual convergiam não apenas os habitantes que viviam dentro da muralha, mas também artesãos e camponeses que pretendiam vender e comprar produtos. Na acrópole estavam os templos e os tesouros da cidade, no lugar mais próximo do céu e mais protegido dos ataques. No campo, os agricultores cultivavam trigo e outros cereais, oliveiras e vinhas, pois os moradores da cidade alimentavam-se predominantemente de pão, azeitonas, azeite e vinho. Todos os cidadãos varões adultos eram soldados e deviam participar das guerras, que eram eventos sazonais, ou seja, ocorriam em determinadas épocas do ano. Todo verão, havia lutas ou guerras, principalmente entre as cidades vizinhas, em disputa por terras fronteiriças. As cidades gregas enviavam também cidadãos para fundarem colônias ao sul da Península Itálica, na Sicília, e nas regiões conhecidas atualmente como França e Espanha. Por cau- sa dessas expedições, cidades gregas surgiram em todo o Mar Mediterrâneo. Na época de Alexandre, o Grande, na segunda metade do século IV a.C., embora as cidades não fossem mais independentes, ainda prosperavam, e muitas novas cidades gregas surgiam. Muitas delas adotaram uma invenção grega, o quadriculado, de modo que a parte baixa das cidades passou a contar com ruas paralelas e perpendiculares, modelo que seria retomado no Renas- cimento (século XV) e expandido para todo o mundo. Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 9 10/04/14 15:27
  • 11. História – 5a série/6o ano – Volume 2 10 2. Com base nas informações do texto, complete os espaços com os nomes que correspondem aos dados a seguir, sobre a Grécia Antiga. a) Local onde ficava o mercado: b) Tinha como objetivo proteger a cidade: c) Local onde ficavam os templos: d) Época do ano em que havia guerras entre as cidades: e) Principais alimentos dos gregos: 3. Escreva um título para o terceiro parágrafo do texto. Pesquise em seu livro didático ou sites especializados e realize a atividade a seguir. Em relação a Atenas e Esparta, organize um quadro comparativo com as respectivas localizações e as diferenças quanto à educação entre essas duas importantes cidades-Estado gregas. Atenas Esparta PESQUISA INDIVIDUAL HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 10 10/04/14 15:27
  • 12. História – 5a série/6o ano – Volume 2 11 VOCÊ APRENDEU? 1. Apresente uma breve definição para as cidades-Estado gregas. 2. A religião grega caracterizava-se pelo politeísmo. Entre as alternativas abaixo, assinale o signifi- cado de politeísmo na religião grega. a) Crença em um só deus. b) Crença em vários deuses que se assemelhavam aos seres humanos e, como eles, tinham vir­tudes e defeitos. c) Crença somente nos deuses ligados à natureza. d) Crença no antropomorfismo, ou seja, em deuses com formas humanas. e) Crença em seres imortais. 3. As cidades-Estado gregas possuíam diversos traços em comum, porque pertenciam a uma mes- ma comunidade cultural. Assinale a alternativa que apresenta a característica que não era co- mum às várias cidades-Estado ( pólis) gregas. a) Politeísmo. b) Língua. c) Costumes. d) Organização política. e) Valores culturais. 4. Cada cidade grega tinha um templo em que eram cultuados seus heróis e seu deus protetor; esses entes eram tidos pelos habitantes como senhores de seu destino. Os templos eram construídos na parte mais alta da pólis, conhecida com o nome de: a) ágora. b) pórtico. c) areópago. d) odéon. e) acrópole. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 11 10/04/14 15:27
  • 13. História – 5a série/6o ano – Volume 2 12 Livro • VAN ACKER, Teresa. Grécia: a vida cotidiana na cidade-Estado. 8. ed. São Paulo: Atual, 2003. (História em Documentos). Aborda os tempos lendários de Homero, a formação da pólis e o apogeu da era clássica.pólis e o apogeu da era clássica.pólis Museus • Centro Cultural do Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo. Rua da Cantareira, 1351 (Estação Tiradentes do Metrô). São Paulo – SP. Disponível em: http://novosite. liceuescola.com.br/index.php?q=centrocultural. Acesso em: 2 abr. 2013. Apresenta uma coleção de estátuas de gesso de obras clássicas e possibilita um contato com o tema tratado. • Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. Av. Prof. Almeida Prado, 1466 – Cidade Universitária – São Paulo – SP. Disponível em: http://www.mae.usp.br. Acesso em: 1 abr. 2014. O MAE-USP possui, em um de seus setores, um acervo arqueológico das culturas que se desenvolveram próximas ao Mar Mediterrâneo e de culturas do Oriente Médio. PARA SABER MAIS
  • 14. História – 5a série/6o ano – Volume 2 13 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 OS JOGOS OLÍMPICOS DA GRÉCIA ANTIGA E Do mundo moderno Leitura e análise de texto Os Jogos Olímpicos da Grécia Antiga eram realizados ao ar livre, a cada quatro anos, em honra a Zeus, misturando esportes e práticas religiosas. As primeiras Olimpíadas realiza­ram-se em 776 a.C., com apenas uma modalidade, a corrida de 200 metros, chama- da de stádion, que deu origem à palavra “estádio”, local que, atualmente, abriga diferentes modalidades esportivas, como futebol, basquete e vôlei. Durante a realização dos Jogos Olímpicos na Grécia, as guerras eram suspensas e, segundo registros, somente em 416 a.C. Esparta rompeu a trégua, sendo por isso suspensa dos Jogos seguintes. Aos poucos, outros esportes foram somados à corrida e, em 471 a.C., os atletas dis- putaram o pentatlo, modalidade composta por cinco esportes: corrida a pé, ar­remesso de disco, salto em distância, lançamento de dardo e luta. Os vencedores recebiam uma coroa de folhas de oliveira, colhidas nos jardins de Zeus. Os Jogos Olímpicos da Era Moderna foram idealizados pelo barão Pierre de Coubertin, para celebrar a paz entre as nações. Em 1894, foi criado o Comitê Olímpico Internacional (COI) e, em abril de 1896, tiveram início, em Atenas, os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna. Assim como na Grécia Antiga, estes também passaram a ser realizados a cada quatro anos. Os jogos não se realizaram durante a Primeira Grande Guerra, nem durante a Segunda Guerra Mundial. Em 2004 as Olimpíadas voltaram a se realizar na Grécia, em Atenas e em 2008 coube a Pequim sediar a competição, com 38 modalidades esportivas. Em 2012 as Olimpíadas aconteceram em Londres; e as próximas, de 2016, serão no Rio de Janeiro, que já se prepara para receber as provas, delegações, atletas e espectadores. A bandeira olímpica atual é branca e tem cinco anéis coloridos entrelaçados; também foi uma idealização do barão de Coubertin, em 1913. Os anéis coloridos representam os continentes: azul, Europa; amarelo, Ásia; preto, África; verde, Oceania; vermelho, Améri- ca. A combinação dessas cinco cores permite compor grande parte das bandeiras do mun- do. O lema olímpico é a frase: “Citius, altius, fortius” (“Mais rápido, mais alto, mais forte”). Na Grécia Antiga, os atletas faziam uma oração no templo de Zeus para que as compe­ tições fossem justas. Atualmente, em seu juramento, os atletas prometem honra, boa von- tade e esportividade. Em razão de questões nacionalistas, a partir de 1920 a expressão “honrar o nosso país” foi trocada por “honrar a nossa equipe”. Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola. 1. Apresente três características dos Jogos Olímpicos da Grécia Antiga. ! ? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 13 10/04/14 15:27
  • 15. História – 5a série/6o ano – Volume 2 14 2. Apresente três características dos Jogos Olímpicos da Era Moderna. 3. Pesquise e elabore uma biografia sobre o barão de Coubertin, idealizador das Olimpíadas da Era Moderna. Privilegie as informações que estejam relacionadas ao tema. Pierre de Frédy, o barão de Coubertin ©IOCOlympicMuseum/GettyImages HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 14 10/04/14 15:27
  • 16. História – 5a série/6o ano – Volume 2 15 LIÇÃO DE CASA Pesquise sobre as origens das mascotes olímpicas e faça um pequeno registro no espaço a seguir. Depois, desenhe ou cole imagens que representem as mascotes pesquisadas para enriquecer sua lição de casa. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 15 10/04/14 15:27
  • 17. História – 5a série/6o ano – Volume 2 16 HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 16 10/04/14 15:27
  • 18. História – 5a série/6o ano – Volume 2 17 VOCÊ APRENDEU? 1. Os Jogos Olímpicos têm sua origem ligada aos festivais religiosos realizados em honra a Zeus. À época de sua realização, havia celebração em homenagem aos mortos das cidades e procissões. Para distrair os participantes, os organizadores passaram a promover competições esportivas. Pes- quise em diferentes materiais como eram organizados os festivais religiosos na Grécia Antiga. 2. Os jogos mais famosos da Grécia Antiga eram os da cidade de Olímpia, razão pela qual ficaram conhecidos como Olímpicos, mas havia competições em outras cidades-Estado, como Corinto, Delfos e Argos. Pesquise os nomes que recebiam os jogos realizados nessas cidades e faça um registro escrito sobre eles. 1. O disco lançado pelos atletas gregos pesava cerca de 2,5 quilos e podia ser feito de pedra, ferro ou bronze. O vencedor era aquele que conseguisse lançar o disco o mais longe possível. Quanto ao dar- do, possuía a altura de um homem e era feito de madeira. No salto em distância, recorria-se a dois halteres que impulsionavam o atleta na subida e que eram depois atirados, quando ele descia. Havia também a luta livre, que era encerrada na primeira queda, e a corrida, que tinha um percurso de 192 metros. O conjunto dessas provas era conhecido na Grécia Antiga com o nome de: a) triatlo. b) quadrigas. PESQUISA INDIVIDUAL HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 17 10/04/14 15:27
  • 19. História – 5a série/6o ano – Volume 2 18 c) pugilato. d) pentatlo. e) pancrácio. 2. No ano em que se celebrariam os Jogos, a pólis chamada Élide enviava arautos por toda a Gré- cia. Entre as funções desses arautos não se incluía: a) anunciar a data em que se desenrolariam os Jogos. b) convidar os atletas a participar dos Jogos. c) convidar os espectadores a participar dos Jogos. d) anunciar, também, a trégua sagrada, que proibia a guerra durante o período dos Jogos, para que a população pudesse viajar em segurança. e) divulgar as listas com o resultado sobre os atletas vencedores. 3. Assinale a alternativa que corresponde ao nome do deus grego que recebia homenagens durante os Jogos Olímpicos realizados na Grécia Antiga. a) Apolo. b) Zeus. c) Ares. d) Hefesto. e) Hermes. Livros • HOFFMANN, Ginette; WENGER, Patrícia. No tempo dos primeiros Jogos Olímpicos. 1. ed. São Paulo: Scipione, 1995. (Crianças na História). O leitor é convidado a acom- panhar o cotidiano de uma criança no tempo dos primeiros Jogos Olímpicos. • KLEIN, Cristina. Olimpíadas: fatos interessantes sobre os Jogos Olímpicos. 1. ed. Blu- menau: Todolivro Edições, 2007. (Conhecendo). Livro que trata da história dos Jogos Olímpicos desde suas origens, abordando mudanças e permanências. Revista • Ciência hoje das crianças: a história das Olimpíadas. Rio de Janeiro: Instituto Ciência Hoje, n. 148, jul. 2004. Esse número da revista traz informações sobre a história dos Jogos Olímpicos. PARA SABER MAIS HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 18 10/04/14 15:27
  • 21. História – 5a série/6o ano – Volume 2 20 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3 AS ELEIÇÕES NO MUNDO ROMANO Pesquise as informações solicitadas a seguir para a próxima aula. 1. De tempos em tempos, a sociedade brasileira vivencia campanhas eleitorais com o objetivo de eleger candidatos para nos representar na vida política brasileira. Você sabe qual é a periodici- dade dessas eleições no Brasil? a) Eleições federais: b) Eleições estaduais: c) Eleições municipais: 2. Para quais cargos são votados os candidatos nas diferentes esferas do poder público e qual é a função principal de cada um? a) Poder federal: b) Poder estadual: PESQUISA INDIVIDUAL ! ? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 20 10/04/14 15:27
  • 22. História – 5a série/6o ano – Volume 2 21 Leitura e análise de texto Tudo vale em busca do voto “Para obter apoio popular, o candidato deve saber o nome dos próprios eleitores, elogiar seus méritos, bajular, mostrar-se generoso, fazer alarde e dar a esperança de um emprego público [...]. A generosidade é uma questão complexa. Talvez seus recursos não permitam que atinja todos os eleitores, mas para isso contribuem os amigos, que podem ajudar a agradar o povo miúdo. Nesse sentido, convém oferecer recepções e contar com o apoio de amigos para isso, tanto visando ao eleitorado em geral como a grupos específicos de eleitores [...]. No que se refere à sua imagem, faça saber que você é bom de bico, que os cobrado- res de impostos e a classe média lhe são favoráveis, que os nobres valorizam você, que a juventude está a seu lado. Sendo advogado, que seus clientes o apoiam, que a gente do campo e do interior faça o mesmo e venham até Roma para participar da sua campanha. Procure que os eleitores digam e mesmo pensem que você os conhece bem, que sabe o nome de cada pessoa, que você está sempre em busca do voto, que você é mão-aberta e boa-praça, que sua casa está sempre repleta de correligionários, que todos são seus aliados, que suas promessas, feitas a todos, são sempre cumpridas. Sua campanha, sempre que possível, deve lembrar-se das suspeitas quanto ao caráter dos adversários, de acordo com a particularidade de cada um deles, no que se refere a cri- mes, vícios, corrupção [...]. Não se esqueça de que esta é Roma, uma cidade repleta de gente de toda parte, com tanta falsidade, pilantragens e falcatruas de toda espécie. Você deve, portanto, ficar atento, sempre, à arrogância, aos ataques, à inveja, ao desdém, ao ódio e às chateações. É preciso muito bom senso e habilidade, creio eu, para uma pessoa conseguir evitar conflitos, rumo- res e armadilhas e muito jogo de cintura para dar conta de tanta diversidade de personali- dades, opiniões e interesses.” CICERO, Marcus Tullius. Commentariolum petitionis consulatus. Tradução: Pedro Paulo Abreu Funari. Disponível em: http://www.intratext.com/X/LAT0147.HTM. Acesso em: 14 nov. 2013. c) Poder municipal: HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 21 10/04/14 15:27
  • 23. História – 5a série/6o ano – Volume 2 22 1. Identifique as palavras cujo sentido você desconhece e busque-o no dicionário ou no livro di- dático. 2. Anote as ideias principais do texto. 3. Quais são os três pontos centrais do texto sobre as eleições na política romana? 4. Segundo o texto, como deveria comportar-se o candidato? Que estratégias de campanha ele deveria utilizar? 5. Qual era a intenção de Cícero ao escrever o texto sobre as eleições romanas? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 22 10/04/14 15:27
  • 24. História – 5a série/6o ano – Volume 2 23 6. O texto apresenta algumas sugestões para que os candidatos consigam votos nas eleições. Você concorda com essas sugestões? Justifique sua resposta. 7. Em sua opinião, como deveriam ser as campanhas políticas e o comportamento dos políticos? LIÇÃO DE CASA Faça uma pesquisa sobre a organização da sociedade romana, destacando, em especial, as ca- racterísticas sociais de patrícios, plebeus e escravos. Considerando a observação detalhada das imagens, o que inclui vestimentas e ações dos personagens retratados, identifique a que grupo social pertencem. Em seguida, justifique sua escolha. ©Album/akg-images/Electa/Latinstock HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 23 10/04/14 15:27
  • 25. História – 5a série/6o ano – Volume 2 24 ©IvyCloseImages/Alamy/GlowImages ©AlexRamsay/Alamy/GlowImages HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 24 10/04/14 15:27
  • 26. História – 5a série/6o ano – Volume 2 25 1. No texto “Tudo vale em busca do voto”. Cicero descreve algumas técnicas de propaganda elei- toral utilizadas na Roma Antiga. Escreva três técnicas de propaganda eleitoral empregadas nas campanhas das eleições atuais. 2. Em Roma, diversos painéis eram pintados nas paredes e cartazes eram espalhados por toda a cidade, por candidatos em campanha ou em agradecimento ao eleitor pelos votos recebidos. Apresente as vantagens e as desvantagens da utilização de cartazes nas campanhas eleitorais atuais, anotando dois exemplos de cada situação. 3. O Senado romano era constituído por membros das classes privilegiadas, conhecidos pelo nome de: a) plebeus. b) camponeses. c) patrícios. d) nobres. e) servos. 4. Segundo o historiador grego Políbio, Roma conseguira conquistar o Mar Mediterrâneo porque possuía um conjunto de leis em que estavam registrados os direitos e deveres dos cidadãos romanos. Esse conjunto de leis é conhecido pelo nome de: a) normas. b) constituição. c) regras. d) listas. e) assembleias. VOCÊ APRENDEU? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 25 10/04/14 15:27
  • 27. História – 5a série/6o ano – Volume 2 26 Livro • FUNARI, Pedro Paulo Abreu. Roma: vida pública e vida privada. 11. ed. São Paulo: Atual, 2006. (História Geral em Documentos). A obra aborda, a partir de documen- tos, a organização social e outros importantes temas sobre Roma. Site • Gladiadores romanos. Disponível em: http://gladiadoresromanos.blogspot.com/ 2008/10/gladiadores-romanos.html. Acesso em: 14 nov. 2013. Site com imagens eSite com imagens eSite textos sobre o Império Romano. PARA SABER MAIS 5. Cássio Dio (150 d.C. a 235 d.C.) foi um importante cônsul romano, que nos deixou documen- tos sobre o poder exercido pela autoridade máxima do Senado romano, com destaque para Júlio César e Marco Antônio, que ocuparam o cargo de: a) magistrado. b) cônsul. c) edil. d) imperador. e) prefeito.
  • 28. História – 5a série/6o ano – Volume 2 27 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 AS SETE MARAVILHAS DO MUNDO ANTIGO Leia atentamente a descrição das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, tema desta Situação de Aprendizagem, em que serão elaborados cartões-postais. Não se esqueça de grifar as ideias cen- trais de cada descrição. As Sete Maravilhas do Mundo Antigo Atribui-se ao estudioso Filo de Bizâncio, em 225 a.C., a autoria da lista das Sete Mara- vilhas do Mundo Antigo. Naquela época, o mundo conhecido estava restrito à Europa, ao Norte da África e ao Oriente Médio, que correspondiam às fronteiras do Império Romano. Os seguintes locais ou monumentos foram os escolhidos: 1. Colosso de Rodes – Estátua de bronze erguida no século III a.C. na ilha de Rodes, na Grécia Antiga. Retratava o deus Hélio, protetor do local, e foi encomendada pelos ha- bitantes da ilha para comemorar a vitória sobre o rei macedônio Demétrius Poliorcetes. A estátua demorou 12 anos para ser erguida e possuía 33 metros de altura, exigindo muita habilidade de seus construtores. Sobre uma base de mármore, foi colocada uma armação de ferro para dar sustentação à cobertura de bronze. Encomendado ao escultor Cares de Lindos, o colosso, palavra que originalmente significava “estátua”, passou a ser sinônimo de obra grandiosa e monumental. 2. Estátua de Zeus – Erguida em Olímpia, na Grécia, no século V a.C., demo- rou oito anos para ser construída pelo escultor grego Fídias. A estátua, com 12 me- tros de altura, retratava Zeus sentado em um trono de cedro, decorado com ouro, marfim, ébano e pedras preciosas. Nas sandálias de Zeus estava escrito: “O ateniense Fídias, filho de Cármides, me fez”. 3. Farol de Alexandria – Localizado em Alexandria, no Egito, às margens do Mar Mediterrâneo, seu brilho intenso podia ser visto a 50 quilômetros de distância em razão de sua altura, de cerca de 135 metros. O farol era uma verdadeira cidade, possuía reservatórios de água na área subterrânea, rampas e uma estrebaria, que abrigava os animais que carrega- vam a madeira necessária para alimentar a chama do farol, mantendo as tochas acesas. 4. Jardins Suspensos da Babilônia – Localizados nas ruínas da cidade da Babilônia, região do atual Iraque, foram construídos durante o reinado de Nabucodonosor II, no sé- culo VII a.C., para presentear a rainha Amytis, criada entre as montanhas do atual Irã, pois ela achava a paisagem da Mesopotâmia muito seca. Não há vestígios dos Jardins Suspensos ! ? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 27 10/04/14 15:27
  • 29. História – 5a série/6o ano – Volume 2 28 da Babilônia, mas acredita-se que eles possuíam cinco andares, com terraços de 7 metros. Carvalhos, cedros, oliveiras, tamareiras, pereiras, figueiras e parreiras eram irrigadas por uma rede de canais e fontes de água. 5. Mausoléu de Halicarnasso – Localizado em Bodrum, na antiga Halicarnasso, na costa sudoeste da atual Turquia. Media 36 metros de comprimento por 32 metros de largu- ra e 45 metros de altura, construído em uma área de 1216 metros quadrados. Foi erguido a pedido de Mausolo, da província de Cária, parte do Império Persa. A obra, composta de 36 colunas, mostrava o governante Mausolo puxando uma carruagem com quatro cavalos e cenas de batalhas. 6. Pirâmides de Gizé – São três as pirâmides de Gizé, no Egito: Quéops, Quéfren e Miquerinos. São a única maravilha do mundo antigo que existe ainda hoje. A maior das pirâmides, Quéops, foi construída com 2,3 milhões de blocos de pedras, tem 146 metros de altura e acredita-se que cerca de 100 mil homens trabalharam em sua construção, ao longo de vinte verões, por volta de 2500 a.C. 7. Templo de Ártemis – Localizado em Éfeso, na costa da atual Turquia, era cercado por 127 colunas de mármore decoradas com cenas da mitologia grega. Demorou cerca de 200 anos para ficar pronto e atraiu milhares de peregrinos para louvar Ártemis, deusa grega da Lua e dos animais selvagens. Elaborado especialmente para o São Paulo faz escola. Preparando cartões-postais Os cartões-postais foram inventados na Áustria, no século XIX. Inicialmente, eram apenas car- tões em branco com selos: bastava escrever uma mensagem e enviá-los pelo correio, sem envelope. Com o tempo, passaram a ter imagem em um dos lados, em geral fotos ou ilustrações. Selecione uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo e, em seguida, imagine que você tenha feito uma via- gem a um desses locais. Elabore, então, um cartão-postal para enviar notícias a um colega. • Escolha papel-cartão ou cartolina para fazer o cartão-postal. • Escreva as informações sobre a Maravilha escolhida no cartão-postal: nome, localização, mate- rial utilizado, breve comentário e curiosidades. • Não se esqueça de deixar um espaço para a mensagem a ser enviada, para os dados do destina- tário (a pessoa que vai receber o cartão-postal) e para colar o selo. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 28 10/04/14 15:27
  • 30. História – 5a série/6o ano – Volume 2 29 Observe o modelo a seguir: LIÇÃO DE CASA A seguir você encontrará imagens das Sete Maravilhas do Mundo Moderno, anunciadas em 7 de julho de 2007, no Estádio da Luz, em Lisboa: a estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janei- ro, Brasil; a Grande Muralha, na China; o Taj Mahal, na Índia; a cidade de Petra, na Jordânia; o Coliseu, em Roma, na Itália; as ruínas incas de Machu Picchu, no Peru; e a antiga cidade maia de Chichén Itzá, no México. Pesquise informações sobre cada uma das novas Sete Maravilhas e anote-as junto às imagens. ©PauloManzi DestinatárioPirâmides do Egito selo HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 29 10/04/14 15:27
  • 31. História – 5a série/6o ano – Volume 2 30 a) Cristo Redentor, Brasil. ©JoSon/TheImageBank/GettyImages b) Grande Muralha, China. ©Dreamerchina/iStockphoto/Thinkstock/GettyImages HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 30 10/04/14 15:27
  • 32. História – 5a série/6o ano – Volume 2 31 Taj Mahal, Índia. ©Turtix/iStockphoto/Thinkstock/GettyImages©Photos.com/Jupiterimages/Thinkstock/GettyImages Monastério, Petra, Jordânia. c) d) HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 31 10/04/14 15:27
  • 33. História – 5a série/6o ano – Volume 2 32 ©JuneHawk/iStockphoto/Thinkstock/GettyImages Coliseu, Roma, Itália. f) Ruínas de Machu Picchu, Peru. ©Photos.com/Jupiterimages/Thinkstock/GettyImages e) HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 32 10/04/14 15:27
  • 34. História – 5a série/6o ano – Volume 2 33 Pirâmide de Kukulkán, Chichén Itzá, México. 1. O Templo de Ártemis, erguido em Éfeso, era um impressionante exemplar da arquitetura grega e homenageava a deusa. Na mitologia grega, Ártemis simbolizava: a) a deusa do amor e da beleza. b) a deusa da Lua e dos animais selvagens. c) a deusa da sabedoria. d) a deusa da fertilidade da terra. e) a deusa do fogo e do lar. 2. A pirâmide de Quéops, em Gizé, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo, resiste até hoje, provando que “todos temem o tempo, mas o tempo teme as pirâmides”. Essa construção foi erguida pela antiga civilização: a) mesopotâmica. b) persa. VOCÊ APRENDEU? ©YongHan/iStockphoto/Thinkstock/GettyImages g) HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 33 10/04/14 15:27
  • 35. História – 5a série/6o ano – Volume 2 34 c) egípcia. d) fenícia. e) grega. 3. A estátua de Zeus possuía tamanha perfeição que – acreditava-se – seus olhos feitos de vidro eram capazes de hipnotizar quem os fitasse. Em qual pólis grega ela foi erguida? a) Esparta. b) Corinto. c) Tebas. d) Delfos. e) Olímpia. 4. Explique, com suas palavras, o porquê do nome “Sete Maravilhas do Mundo Antigo”. Livro • Maravilhas do mundo. São Paulo: Klick, 2001. Obra de referência sobre as mais espeta- culares construções já feitas pelo ser humano em todos os tempos e dos mais incríveis lugares. PARA SABER MAIS HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 34 10/04/14 15:27
  • 36. História – 5a série/6o ano – Volume 2 35 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 5 JOGO DE PERCURSO: O FIM DO IMPÉRIO ROMANO – AS MIGRAÇÕES BÁRBARAS E O CRISTIANISMO 1. Quando utilizamos a palavra “bárbaro”, podemos estar nos referindo a mais de um significado. Qual significado você já conhece para esse termo? Escreva-o a seguir e, depois, procure em um dicionário outros significados para o termo “bárbaro”, para conhecer as diferentes possibilida- des de utilização dessa palavra. Não se esqueça de anotar os novos significados. Registre, tam- bém, os dados do dicionário que você utilizou: nome, editora, local e data de publicação. 2. Um dos significados da palavra “bárbaro” está relacionado aos povos que migraram para o Império Romano. Pesquise em seu livro didático, em livros de apoio ou em um atlas históri- co e anote no espaço a seguir os povos de origem germânica que ultrapassaram as fronteiras do Império Romano. ! ? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 35 10/04/14 15:27
  • 37. História – 5a série/6o ano – Volume 2 36 Organizando um jogo de percurso Participar de um jogo de percurso é sempre divertido. Esta atividade também vai ajudar você e seus colegas a conhecer diferentes culturas e povos. O grande desafio desta atividade será a pes- quisa sobre um povo germânico e a elaboração de cartas para um jogo de percurso. A pesquisa é um momento importante para obter dados sobre os mais diferentes temas. As etapas da pesquisa são fundamentais para que você e seus colegas, ao final, com a orientação de seu professor, possam produzir cartas e textos para o jogo de percurso. 1. Verifique com seu professor quais são os critérios para a divisão dos grupos e a escolha do povo germânico que cada equipe vai pesquisar. Depois das definições, inicie a pesquisa com base nos aspectos indicados no seguinte roteiro: • nome do povo germânico a ser pesquisado; • região de onde era originário; • aspectos culturais; • atividades econômicas; • alimentação típica; • atividades artesanais; • religião e crenças; • lendas; • curiosidades. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 36 10/04/14 15:27
  • 38. História – 5a série/6o ano – Volume 2 37 Atenção! Algumas casas estão destacadas com a mensagem “Tire uma carta”. Quando o jogador parar em uma delas, o colega que está à sua direita vai retirar uma carta do monte e ler em voz alta apenas a pergunta. Ele vai aguardar que o jogador responda. Depois, conferirá sua resposta. Ele vai indicar quantas casas o jogador deve avançar ou retroceder, caso tenha acertado ou errado a resposta. 2. Anote em seu caderno os aspectos pesquisados para facilitar a organização do jogo de percurso. Com base na pesquisa, você e seus colegas poderão confeccionar as cartas com perguntas e res- postas (veja um modelo a seguir), para utilizá-las no jogo. Elabore também um resumo com as principais características do povo estudado. Os germanos estavam organizados em Estados? Resposta: Não! Estavam organizados em tribos de diversas origens e muitas delas eram nômades. Acertou? Jogue mais uma vez! Não acertou? Volte uma casa. Observe o tabuleiro apresentado nas próximas páginas e aproveite para jogar com seus colegas. Não se esqueça de que será necessário utilizar um dado e marcadores para identificar os jogado- res, como pinos, botões ou círculos de cartolina coloridos. As regras são: • podem participar até cinco jogadores; • o jogo inicia-se na SAÍDA; • cada participante deve, em sua vez, jogar o dado e avançar o número de casas cor­res­pondentes ao número indicado no dado. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 37 10/04/14 15:28
  • 39. História – 5a série/6o ano – Volume 2 38 HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 38 10/04/14 15:28
  • 40. História – 5a série/6o ano – Volume 2 39 ©PauloManzi HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 39 10/04/14 15:28
  • 41. História – 5a série/6o ano – Volume 2 40 LIÇÃO DE CASA Leitura e análise de texto A crise do Império Romano e as migrações germânicas O Império Romano enfrentava a ofensiva de povos germânicos, vindos do norte da Europa, desde o século II a.C., mas sofreu sua primeira derrota somente no ano 9 d.C. Os germanos estavam pressionados por povos ao leste e, por isso, investiam rumo ao sul e ao oeste, em direção à Gália e ao norte da Itália. No século II d.C., esses conflitos continua­ ram, com imperadores como Marco Aurélio combatendo diretamente os germanos. O século III d.C. foi caracterizado, a partir de 235, por guerras civis entre generais candidatos a imperador, em um período de instabilidade que durou cerca de quatro décadas. Isso per- mitiu que os germanos intensificassem seus ataques e se estabelecessem no interior do Im- pério como colonos. Passaram, também, a ser usados como soldados no exército romano. Primeiro com Diocleciano e, em seguida, com Constantino, o século IV d.C. foi marcado por uma grande reorganização do Império Romano e pela institucionalização do cristianismo como religião oficial por Teodósio, em 391. O Império passou a ter maior estabilidade, com uma reforma que criou novas divisões administrativas, as dioceses, cujo território era bem menor que o das províncias. O exército passou a ser, em grande parte, composto de forças mercenárias, com pre- domínio de tropas germânicas. Isso tudo, no entanto, em nada diminuiu o avanço dos povos germânicos que continuavam fora do império e que o pressionavam. A população romana urbana diminuía, os latifúndios se expandiam, as cidades, menores, passaram a ser amuralhadas. O início do século V d.C. conheceu o colapso do antigo Império Romano do Ociden- te. A cidade de Roma foi saqueada pelos germânicos em 410 d.C. Eles também tomaram as províncias ocidentais e nelas se estabeleceram. O império deixava de existir e, em seu lugar, surgiam reinos germânicos. Nestes, os povos germânicos exerciam o poder, com dinastias que dominavam uma população local romanizada. Esses germanos foram se cristianizando e, por isso, a Igreja Católica representou a continuidade entre o antigo Império Romano e os novos reinos dos francos, visigodos, anglos e outros povos germânicos. Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola. Leia atentamente o texto a seguir e grife as ideias centrais. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 40 10/04/14 15:28
  • 42. História – 5a série/6o ano – Volume 2 41 Linha do tempo Com base na leitura do texto, organize uma linha do tempo intitulada “A crise do Império Romano e as migrações germânicas”. Dica! A linha do tempo é uma forma de gráfico que retrata uma sucessão de acontecimentos relacionados entre si e que ocorreram ao longo de um determinado período. Assim, com as informações dos séculos apresentadas no texto, organize a ordem dos acontecimentos da crise do Império Romano e das migrações germânicas. Século I d.C. Século II d.C. Século III d.C. Século IV d.C. Século V d.C. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 41 10/04/14 15:28
  • 43. História – 5a série/6o ano – Volume 2 42 1. Os povos germânicos viviam nas fronteiras do Império Romano desde o século III e IV d.C. Desde essa época, portanto, já cruzavam esses limites. Que atividades esses povos desempenha- vam no Império Romano? 2. Diversos povos de origem germânica ocuparam as fronteiras do Império Romano. Dos povos citados a seguir, assinale aquele que não pertence a esse grupo de origem indo-europeia, conhe- cido como germânico: a) Visigodos. b) Vândalos. c) Francos. d) Sérvios. e) Borgonheses. 3. A partir do século III, o Império Romano passou a sofrer inúmeras crises, que podem ser expli- cadas por diversos fatores. Assinale o fator que não pode explicar as razões que desenca­dearam a crise do Império Romano: a) A falta de mão de obra. b) O aumento dos preços dos alimentos. c) A pax romana. d) O aumento dos impostos. e) As pressões nas fronteiras do império. VOCÊ APRENDEU? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 42 10/04/14 15:28
  • 44. História – 5a série/6o ano – Volume 2 43 4. As migrações de povos germanos para o Império Romano estão relacionadas a alguns processos históricos, entre os quais não podemos citar: a) Abandono das cidades e ruralização.Abandono das cidades e ruralização.A b) Crise do Império Romano. c) Crescimento das cidades, urbanização. d) Formação de reinos de povos germânicos dentro das antigas fronteiras do Império Romano. e) Romanização e cristianização dos novos reinos.Romanização e cristianização dos novos reinos.R Livro • RAMOS, Luciano. Os reinos bárbaros. São Paulo: Ática, 1995. (O Cotidiano da História). Obra de ficção que aborda os reinos bárbaros e apresenta, ao final, um suplemento histórico, com ilustrações, uma síntese com os principais povos germânicos, uma cro- nologia do século I ao ano de 493 e várias indicações de leitura sobre o tema. PARA SABER MAIS
  • 45. História – 5a série/6o ano – Volume 2 44 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 6 A IDADE MÉDIA E OS MOSTEIROS MEDIEVAIS Pesquise o significado da palavra “mosteiro” e registre-o no espaço a seguir. Anote também os dados da fonte de pesquisa. Infográfico Em diversas revistas, autores das reportagens, jornalistas ou especialistas utilizam infográ- ficos para facilitar a visualização e a compreensão dos dados apresentados, enriquecer o tema abordado e oferecer uma noção mais rápida e clara dos sujeitos, do tempo e do espaço relacio- nados ao tema. 1. Procure em um dicionário o significado da palavra “infográfico” e registre no espaço a seguir. Não esqueça de anotar o nome, autor, ano e local de edição do dicionário. ! ? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 44 10/04/14 15:28
  • 46. História – 5a série/6o ano – Volume 2 45 2. Observe atentamente os detalhes das imagens. A primeira apresenta a visão geral e a planta da Abadia de Cluny, enquanto a segunda apresenta a planta do mosteiro em que a abadia está localizada. Pesquise em seu livro didático, dicionários, enciclopédias e sites especializados informações sobre o mosteiro de Cluny e sobre partes de sua estrutura, como os muros, o pátio interno, o celeiro, o refeitório, os estábulos, a hospedaria, as latrinas, a biblioteca e o cemitério. Em seguida, anote, nos espaços, a importância e o papel de cada uma dessas áreas. Planta da Abadia de Cluny – Borgonha, França. ©BibliothèqueNationale,Paris,France/Giraudon/TheBridgemanArtLibrary/Keystone HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 45 10/04/14 15:28
  • 47. História – 5a série/6o ano – Volume 2 46 Planta do mosteiro de Cluny – Borgonha, França. ©MuseuOchier,Cluny 10 1 2 3 4 5 6 9 8 7 1. Abadia de Cluny: 2. Cemitério dos Monges: HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 46 10/04/14 15:28
  • 48. História – 5a série/6o ano – Volume 2 47 3. Capela de Notre-Dame: 4. Biblioteca: 5. Refeitório: 6. Celeiro: 7. Estábulo: HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 47 10/04/14 15:28
  • 49. História – 5a série/6o ano – Volume 2 48 LIÇÃO DE CASA Leitura e análise de texto Os mosteiros medievais Com o fim do Império Romano, no século V d.C., e o surgimento de reinos germâ- nicos, a Igreja passou ao centro da vida social. Único vínculo universal, a Igreja Católica (palavra que significa, justamente, “universal”) constituía o grande elemento de transmissão cultural. O analfabetismo generalizou-se e mesmo os senhores feudais e as cortes reais 8. Porta principal: 9. Hospedaria: 10. Latrinas: Leia atentamente o texto a seguir e grife as ideias centrais. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 48 10/04/14 15:28
  • 50. História – 5a série/6o ano – Volume 2 49 não dominavam a língua escrita, o latim. Eles falavam idiomas que não eram escritos e que serviam apenas para a comunicação oral. O clero dividia-se em duas categorias: seculares e regulares. O clero secular vivia no meio do povo e era, predominantemente, pouco instru- ído. O clero regular vivia isolado, morava em mosteiros e se dedicava à oração e ao estudo. Havia diversas ordens religiosas, como a dos beneditinos e a dos cistercienses, que se- guiam uma estrutura hierárquica rígida. Cada membro da comunidade religiosa exercia uma determinada função. No topo, estava o abade, mas havia também os priores (chefes) e os deões (decanos, que comandavam outros dez monges, daí o seu nome, derivado do número dez). Os monges atuavam, no mosteiro ou na abadia, como tutores, bibliotecários e arquivistas, doutores e encarregados do celeiro, entre outras funções. A vida cotidiana em um mosteiro consistia de muita oração, leituras e trabalhos ma­ nuais. O dia era dividido em oito atividades sacras, com uma missa no início e outra no fim da jornada. Muitas horas eram dedicadas à oração, leitura da Bíblia, cópia de obras, meditação. A maior parte do tempo era usada para as atividades necessárias à manutenção do mosteiro: cultivo dos campos, preparação das refeições, limpeza, lavagem de roupa e dos aposentos. O mosteiro abrigava não só os monges e seus serviçais, mas também viajantes, além de ter campos cultiváveis. Funcionava como biblioteca e hospital. Além do edifício da Igreja, havia celeiros, claustros, refeitório, cozinha, banheiros, biblioteca e o lugar de cópia de livros (scriptorium). Durante séculos, os mosteiros foram fundamentais para a preservação e a cópia de manus- critos da Antiguidade. Os monges aprendiam latim e permitiram que uma imensa riqueza cul- tural não se perdesse e fosse, quase mil anos depois do fim do Império Romano, relida e utilizada no Renascimento. Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola. 1. Escreva no espaço a seguir dez palavras-chave do texto. Dica! As palavras-chave são aquelas em torno das quais o texto se organiza. São elas, portanto, que lhe dão sustentação e o tornam compreensível. Uma leitura eficaz é aquela em que o leitor consegue identificá-las e apreender a totalidade – ou o sentido – do texto. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 49 10/04/14 15:28
  • 51. História – 5a série/6o ano – Volume 2 50 Pesquise em seu livro didático ou sites especializados e realize as atividades a seguir. 1. A Igreja contava com muitas comunidades católicas, caracterizadas pela vida em grupo, entre as quais destacamos a Ordem de São Bento. Escreva duas características dessa ordem religiosa. 2. Segundo uma das regras dos beneditinos, apresentadas por São Bento de Núrsia, pregador da vida monástica, “a ociosidade é inimiga da alma”. Discuta com seus colegas e redija um pequeno texto, explicando como podemos associar a regra de São Bento, “ora e trabalha”, a essa frase. 2. Releia o penúltimo parágrafo e escreva cinco atividades realizadas nos mosteiros medievais. PESQUISA INDIVIDUAL HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 50 10/04/14 15:28
  • 52. História – 5a série/6o ano – Volume 2 51 VOCÊ APRENDEU? 1. Assinale, entre as alternativas a seguir, o idioma oficial da Igreja Católica durante a Idade Média: a) Grego. b) Alemão. c) Latim. d) Português. e) Inglês. 2. Nos mosteiros, a principal atividade dos monges era: a) preservar a cultura por meio da língua latina. b) cultivar os campos. c) fazer a guerra contra os infiéis. d) orar. e) comercializar produtos do Oriente. 3. Os mosteiros medievais exerciam muitas funções, com diversas instalações. Seus senhores, em geral, eram abades ou abadessas. Assinale, entre as alternativas a seguir, o espaço que não per- tencia a um mosteiro: a) Asilo. b) Hospedagem. c) Lojas de comércio. d) Orfanato. e) Biblioteca. Livro • DI GIUSEPPE, Regina Célia Tocci; SOUZA, Emerson de. São Bento: uma vida de muitos valores. 1. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2008. Livro dirigido ao público infanto- juvenil, que apresenta a história de São Bento. Site • Modelos de Escola na Idade Média. Disponível em: http://www.educ.fc.ul.pt/docen tes/opombo/hfe/momentos/modelos/vidamosteiro.htm. Acesso em: 14 nov. 2013. Site que apresenta textos relacionados aos mosteiros da Idade Média. PARA SABER MAIS HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 51 10/04/14 15:28
  • 54. História – 5a série/6o ano – Volume 2 53 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 7 AS CIVILiZAÇÕES DO ISLÃ (SOCIEDADE E CULTURA): EXPANSÃO ISLÂMICA E PRESENÇA NA PENÍNSULA IBÉRICA Organização de um glossário O termo “glossário” refere-se a um conjunto de palavras, organizadas em ordem alfa- bética, relacionadas a um determinado assunto, com informações sobre o significado de cada uma dessas palavras. Pesquise em dicionários, no livro didático, em enciclopédias e em sites especializados as palavras a seguir e, ao final, você terá um glossário sobre o mundo muçulmano. a) Aiatolá: b) Bazar: c) Beduínos: d) Caaba: ! ? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 53 10/04/14 15:28
  • 55. História – 5a série/6o ano – Volume 2 54 e) Califa: f) Corão: g) Hégira: h) Islamismo: i) Jihad: j) Magreb: HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 54 10/04/14 15:28
  • 56. História – 5a série/6o ano – Volume 2 55 k) Medina: l) Mesquita: m) Minarete: n) Mouro: o) Muçulmano: p) Ramadã: HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 55 10/04/14 15:28
  • 57. História – 5a série/6o ano – Volume 2 56 As mesquitas e os arabescos Leitura e análise de texto O islamismo surgiu como religião monoteísta, em torno do profeta Maomé, herdeira do judaísmo e do cristianismo. Nessas duas religiões, ha­via lugares de culto ou reunião: a sinagoga e a igreja. Ambas são pala- vras que significam “lugar de assem- bleia”. A mesquita surgiu inspirada nessas instituições e seu nome signi- fica algo semelhante a “lugar onde as pessoas se ajoelham para rezar”. Con- forme os muçulmanos conquistaram e converteram áreas cristãs, as igrejas foram transformadas em mesquitas, como no famoso caso da Basílica de Santa Sofia, em Constantinopla, hoje Istambul. Em outras partes do mun- do, como na Índia e na China, há templos que foram transformados em mesquitas. A mesquita está aberta para as ora­ções diárias e, às sextas-feiras, é um centro de reunião. Em geral, a mes- quita tem um chefe da reza, o imã. O solo costuma ser coberto por um carpete decorado, sobre o qual não se pode andar calçado. Na tradição islâmica, a mesquita é um lugar masculino, e as mulheres, quando aceitas, ficam separadas, em posição subalterna. Em algumas mesquitas, contudo, não há essa separação. A exemplo da tradição judaica, o islamismo proibiu a representação humana, embora essa regra nem sempre tenha sido mantida. Por causa dessa proibição, desenvolveu-se o ara- besco,umornatoproduzidopelacombinaçãodeformasgeométricassimétricasquepermite retratar figuras, plantas e animais. Nas mesquitas, os arabescos expressam a espiritualidade deumDeusúnico,Alá,nãoemformahumana,jáqueEletranscendeatodaformaconhecida Arabesco – Marrakech, Marrocos. ©KFS/Imagebroker/Alamy/GlowImages Leia atentamente o texto e grife as ideias centrais. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 56 10/04/14 15:28
  • 58. História – 5a série/6o ano – Volume 2 57 pelos homens. A origem dessa manifestação artística e religiosa é variada. Os gregos con- tribuíram com sua fascinação pela representação geométrica; os judeus, com a proibição à representação humana e a ênfase na espiritualidade. Como o islamismo expandiu-se também em terras cristãs, as mesquitas e seus arabescos representavam uma maneira de se diferenciar dos cristãos, acusados de idolatrar imagens de Deus, de Jesus e dos santos. Muitas mesquitas antigas da Península Ibérica foram depois transformadas em igrejas ca- tólicas, como a Mesquita de Córdoba, que foi transformada em catedral católica no século XV, em um processo semelhante àquele usado pelos muçulmanos, séculos antes. Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola. Com base na leitura do texto, preencha o quadro a seguir com as informações solicitadas. O islamismo Características da religião islâmica: Lugar de culto: Características das mesquitas: Significado de arabesco: HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 57 10/04/14 15:28
  • 59. História – 5a série/6o ano – Volume 2 58 Função dos arabescos nas mesquitas: LIÇÃO DE CASA O Corão O texto sagrado do islamismo é conhecido como Alcorão ou Corão, cujo significado é “recitação”. Segundo essa crença, o anjo Gabriel o ditou ao profeta Maomé, entre 610 e 632 d.C., tendo sido compilado por escrito em 633 e difundido a partir de 653. Surgido no contexto da difusão do judaísmo e do cristianismo, o islamismo reconhece a Bíblia como texto sacro, mas institui uma nova narrativa, em árabe, o Corão. A Bíblia hebraica (Torá) e os Evangelhos foram incorporados ao islamismo. OCorãocompõe-sede114capítulos,chamadosde“suras”,commaisdeseismilversos.O livrosagradonãotemumanarrativacronológica,masconstitui-sedeumasucessãodetemas, organizados como se formassem uma rede. Ele foi importante, em termos culturais, para a expansão do islamismo. Conforme a nova religião difundia-se pelo Oriente Médio, Norte da África e Europa meridional, a língua árabe passou a ser usada em áreas distantes das suas origens. A importância dada ao conhecimento dos versos corânicos fez que a alfabe- tização aumentasse de forma significativa. Foi, portanto, um potente veículo cultural, sem precedentes como meio de difusão da cultura islâmica. Com o período moderno e a invenção da imprensa, o Corão, além de ser copiado, passou a ser publicado. Embora tenha sido traduzido para outras línguas, a ênfase nas pa- lavras originais, em árabe, permitiu que o livro continuasse a ser lido e decorado em seu idio­ma original. Como os muçulmanos são incentivados a decorar o texto, isso também contribui para a generalização das técnicas de memorização. O livro sagrado do islamismo incentivou o florescimento da cultura árabe e, por encorajar a leitura de autores da Anti- Leitura e análise de texto Leia atentamente o texto e grife as ideias centrais. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 58 10/04/14 15:28
  • 60. História – 5a série/6o ano – Volume 2 59 Pesquise em seu livro didático ou sites especializados e realize as atividades a seguir. 1. Os diferentes tipos de calendário buscam marcar o tempo a partir de datas históricas, religiosas e culturais. Apresente três características do calendário muçulmano, buscando informações no livro didático, em sites e nas enciclopédias. guidade, contribuiu para o desenvolvimento de diversos campos da Ciência (matemática, medicina, astronomia etc.) e da filosofia árabe. O Corão e a reflexão crítica, portanto, nunca foram incompatíveis. Uma leitura literal e dogmática constitui, assim, apenas uma das vertentes do islamismo. Elaborado por Raquel dos Santos Funari especialmente para o São Paulo faz escola. 1. Escreva no espaço a seguir cinco informações sobre o Corão, com base nas ideias centrais do texto. 2. Escreva um título para o segundo parágrafo do texto. PESQUISA INDIVIDUAL HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 59 10/04/14 15:28
  • 61. História – 5a série/6o ano – Volume 2 60 2. As mesquitas apresentam características muito comuns, como ausência de cadeiras, altares e imagens. Explique a importância das torres das mesquitas – os minaretes – para a religião muçulmana. Mesquita de Sultanhamet, com seus minaretes – Istambul, Turquia. ©MicheleFalzone/Passage/Corbis/Latinstock HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 60 10/04/14 15:28
  • 62. História – 5a série/6o ano – Volume 2 61 Mesquita de Sultanhamet – Istambul, Turquia. ©Photolibrary/Latinstock HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 61 10/04/14 15:28
  • 63. História – 5a série/6o ano – Volume 2 62 1. A religião muçulmana está baseada na crença em um único deus, assim como ocorre no ju­daís­mo e no cristianismo. Essa característica é conhecida como: a) ateísmo. b) politeísmo. c) monoteísmo. d) dualismo. e) pluralismo. 2. Para os muçulmanos, o Ano-Novo inicia-se com a Hégira, data que marca a fuga de Maomé de Meca, no ano de 622 d.C. do calendário cristão. Esse acontecimento tem grande importância histórica e religiosa para a comunidade muçulmana. A cidade para a qual Maomé se dirigiu é chamada, em árabe, de Yathrib, atual: a) Jerusalém. b) Medina. c) Jedda. d) Tabuk. e) Hijaz. 3. A história do islamismo tem início em uma península, marcada pela passagem de caravanas de tribos nômades, que buscavam rotas comerciais e fontes de água. Segundo o Corão, Maomé foi chamado por Deus (Alá, em árabe) para ser seu profeta na península conhecida como: a) Ibérica. b) Balcânica. c) Arábica. d) Itálica. e) Yucatán. Livro • ESTERL, Arnica; DUGINA, Olga. As mais belas histórias das mil e uma noites. São Paulo: Cosac Naify, 2007. A obra aborda cinco histórias contadas por Sheerazade com uma narrativa mais adequada ao público infantojuvenil. PARA SABER MAIS VOCÊ APRENDEU? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 62 10/04/14 15:28
  • 65. História – 5a série/6o ano – Volume 2 64 SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 8 O IMPÉRIO BIZANTINO E O ORIENTE NO IMAGINÁRIO EUROPEU Painel ilustrado: o Império Bizantino O painel ilustrado é uma forma de visualizar os temas pesquisados na coleta e sistematização de informações. Pesquise em seu livro didático, enciclopédias e sites especializados textos e imagens sobre os se- guintes temas: Império Bizantino; o governo e o Código de Justiniano; Basílica de Santa Sofia; cidade de Constantinopla. Verifique com seu professor quais serão os critérios para a divisão dos grupos e o material em que será feito o painel – papel kraft, cartolina, papel-jornal, papel-cartão. Anote, no espaço a seguir, pequenos textos para facilitar a organização do painel e não se esqueça de anotar as fontes pesquisadas. a) Império Bizantino: b) Cidade de Constantinopla: c) Basílica de Santa Sofia: ! ? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 64 10/04/14 15:28
  • 66. História – 5a série/6o ano – Volume 2 65 Pesquise em seu livro didático ou sites especializados e realize as atividades a seguir. 1. A cidade de Constantinopla era cercada por muralhas e havia diversas fortificações ao longo de seus portos. Explique a razão da construção dessas muralhas e fortificações. d) O governo e o Código de Justiniano: PESQUISA INDIVIDUAL HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 65 10/04/14 15:28
  • 67. História – 5a série/6o ano – Volume 2 66 2. A arte bizantina destacou-se pela presença de mosaicos coloridos. Explique o que é um mosaico. Piso em mosaico, detalhe, Turquia. ©Steppenwolf/Alamy/GlowImages HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 66 10/04/14 15:28
  • 68. História – 5a série/6o ano – Volume 2 67 1. O Império Romano do Oriente passou a ter autonomia a partir do seu mais importante impe- rador, que governou de 527 a 565 d.C. Assinale o nome desse imperador, que conquistou vários territórios para o Império Bizantino. a) Juliano. b) Augusto. c) Constantino. d) Teodósio. e) Justiniano. 2. A localização geográfica da capital do Império Romano do Oriente, Constantinopla, facilitou a interligação entre as diversas áreas que compunham o Império Bizantino. A antiga capital do Império Bizantino hoje se chama: a) Roma. b) Damasco. c) Antioquia. d) Istambul. e) Jerusalém. 3. A capital do Império Romano do Oriente foi construída em um estreito, que marca o limite dos continentes asiático e europeu, na Turquia. Assinale o nome desse estreito. a) Dardanelos. b) Bósforo. c) Gibraltar. d) Bering. e) Torres. Site • História do Mundo. Disponível em: http://www.historiadomundo.com.br/r­oma­ na/imperio-bizantino. Acesso em: 14 nov. 2013. Site com textos informativos e ima- gens muito interessantes sobre o Império Bizantino. PARA SABER MAIS VOCÊ APRENDEU? HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 67 10/04/14 15:28
  • 72. CONCEPÇÃO E COORDENAÇÃO GERAL NOVA EDIÇÃO 2014-2017 COORDENADORIA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA – CGEB Coordenadora Maria Elizabete da Costa Diretor do Departamento de Desenvolvimento Curricular de Gestão da Educação Básica João Freitas da Silva Diretora do Centro de Ensino Fundamental dos Anos Finais, Ensino Médio e Educação Profissional – CEFAF Valéria Tarantello de Georgel Coordenadora Geral do Programa São Paulo faz escola Valéria Tarantello de Georgel Coordenação Técnica Roberto Canossa Roberto Liberato Suely Cristina de Albuquerque Bomfim EQUIPES CURRICULARES Área de Linguagens Arte: Ana Cristina dos Santos Siqueira, Carlos Eduardo Povinha, Kátia Lucila Bueno e Roseli Ventrella. Educação Física: Marcelo Ortega Amorim, Maria Elisa Kobs Zacarias, Mirna Leia Violin Brandt, Rosângela Aparecida de Paiva e Sergio Roberto Silveira. Língua Estrangeira Moderna (Inglês e Espanhol): Ana Beatriz Pereira Franco, Ana Paula de Oliveira Lopes, Marina Tsunokawa Shimabukuro e Neide Ferreira Gaspar. Língua Portuguesa e Literatura: Angela Maria Baltieri Souza, Claricia Akemi Eguti, Idê Moraes dos Santos, João Mário Santana, Kátia Regina Pessoa, Mara Lúcia David, Marcos Rodrigues Ferreira, Roseli Cordeiro Cardoso e Rozeli Frasca Bueno Alves. Área de Matemática Matemática: Carlos Tadeu da Graça Barros, Ivan Castilho, João dos Santos, Otavio Yoshio Yamanaka, Rosana Jorge Monteiro, Sandra Maira Zen Zacarias e Vanderley Aparecido Cornatione. Área de Ciências da Natureza Biologia: Aparecida Kida Sanches, Elizabeth Reymi Rodrigues, Juliana Pavani de Paula Bueno e Rodrigo Ponce. Ciências: Eleuza Vania Maria Lagos Guazzelli, Gisele Nanini Mathias, Herbert Gomes da Silva e Maria da Graça de Jesus Mendes. Física: Anderson Jacomini Brandão, Carolina dos Santos Batista, Fábio Bresighello Beig, Renata Cristina de Andrade Oliveira e Tatiana Souza da Luz Stroeymeyte. Química: Ana Joaquina Simões S. de Mattos Carvalho, Jeronimo da Silva Barbosa Filho, João Batista Santos Junior, Natalina de Fátima Mateus e Roseli Gomes de Araujo da Silva. Área de Ciências Humanas Filosofia: Emerson Costa, Tânia Gonçalves e Teônia de Abreu Ferreira. Geografia: Andréia Cristina Barroso Cardoso, Débora Regina Aversan e Sérgio Luiz Damiati. História: Cynthia Moreira Marcucci, Maria Margarete dos Santos Benedicto e Walter Nicolas Otheguy Fernandez. Sociologia: Alan Vitor Corrêa, Carlos Fernando de Almeida e Tony Shigueki Nakatani. PROFESSORES COORDENADORES DO NÚCLEO PEDAGÓGICO Área de Linguagens Educação Física: Ana Lucia Steidle, Eliana Cristine Budiski de Lima, Fabiana Oliveira da Silva, Isabel Cristina Albergoni, Karina Xavier, Katia Mendes e Silva, Liliane Renata Tank Gullo, Marcia Magali Rodrigues dos Santos, Mônica Antonia Cucatto da Silva, Patrícia Pinto Santiago, Regina Maria Lopes, Sandra Pereira Mendes, Sebastiana Gonçalves Ferreira Viscardi, Silvana Alves Muniz. Língua Estrangeira Moderna (Inglês): Célia Regina Teixeira da Costa, Cleide Antunes Silva, Ednéa Boso, Edney Couto de Souza, Elana Simone Schiavo Caramano, Eliane Graciela dos Santos Santana, Elisabeth Pacheco Lomba Kozokoski, Fabiola Maciel Saldão, Isabel Cristina dos Santos Dias, Juliana Munhoz dos Santos, Kátia Vitorian Gellers, Lídia Maria Batista Bomfim, Lindomar Alves de Oliveira, Lúcia Aparecida Arantes, Mauro Celso de Souza, Neusa A. Abrunhosa Tápias, Patrícia Helena Passos, Renata Motta Chicoli Belchior, Renato José de Souza, Sandra Regina Teixeira Batista de Campos e Silmara Santade Masiero. Língua Portuguesa: Andrea Righeto, Edilene Bachega R. Viveiros, Eliane Cristina Gonçalves Ramos, Graciana B. Ignacio Cunha, Letícia M. de Barros L. Viviani, Luciana de Paula Diniz, Márcia Regina Xavier Gardenal, Maria Cristina Cunha Riondet Costa, Maria José de Miranda Nascimento, Maria Márcia Zamprônio Pedroso, Patrícia Fernanda Morande Roveri, Ronaldo Cesar Alexandre Formici, Selma Rodrigues e Sílvia Regina Peres. Área de Matemática Matemática: Carlos Alexandre Emídio, Clóvis Antonio de Lima, Delizabeth Evanir Malavazzi, Edinei Pereira de Sousa, Eduardo Granado Garcia, Evaristo Glória, Everaldo José Machado de Lima, Fabio Augusto Trevisan, Inês Chiarelli Dias, Ivan Castilho, José Maria Sales Júnior, Luciana Moraes Funada, Luciana Vanessa de Almeida Buranello, Mário José Pagotto, Paula Pereira Guanais, Regina Helena de Oliveira Rodrigues, Robson Rossi, Rodrigo Soares de Sá, Rosana Jorge Monteiro, Rosângela Teodoro Gonçalves, Roseli Soares Jacomini, Silvia Ignês Peruquetti Bortolatto e Zilda Meira de Aguiar Gomes. Área de Ciências da Natureza Biologia: Aureli Martins Sartori de Toledo, Evandro Rodrigues Vargas Silvério, Fernanda Rezende Pedroza, Regiani Braguim Chioderoli e Rosimara Santana da Silva Alves. Ciências: Davi Andrade Pacheco, Franklin Julio de Melo, Liamara P. Rocha da Silva, Marceline de Lima, Paulo Garcez Fernandes, Paulo Roberto Orlandi Valdastri, Rosimeire da Cunha e Wilson Luís Prati. Física: Ana Claudia Cossini Martins, Ana Paula Vieira Costa, André Henrique Ghelfi Rufino, Cristiane Gislene Bezerra, Fabiana Hernandes M. Garcia, Leandro dos Reis Marques, Marcio Bortoletto Fessel, Marta Ferreira Mafra, Rafael Plana Simões e Rui Buosi. Química: Armenak Bolean, Cátia Lunardi, Cirila Tacconi, Daniel B. Nascimento, Elizandra C. S. Lopes, Gerson N. Silva, Idma A. C. Ferreira, Laura C. A. Xavier, Marcos Antônio Gimenes, Massuko S. Warigoda, Roza K. Morikawa, Sílvia H. M. Fernandes, Valdir P. Berti e Willian G. Jesus. Área de Ciências Humanas Filosofia: Álex Roberto Genelhu Soares, Anderson Gomes de Paiva, Anderson Luiz Pereira, Claudio Nitsch Medeiros e José Aparecido Vidal. Geografia: Ana Helena Veneziani Vitor, Célio Batista da Silva, Edison Luiz Barbosa de Souza, Edivaldo Bezerra Viana, Elizete Buranello Perez, Márcio Luiz Verni, Milton Paulo dos Santos, Mônica Estevan, Regina Célia Batista, Rita de Cássia Araujo, Rosinei Aparecida Ribeiro Libório, Sandra Raquel Scassola Dias, Selma Marli Trivellato e Sonia Maria M. Romano. História: Aparecida de Fátima dos Santos Pereira, Carla Flaitt Valentini, Claudia Elisabete Silva, Cristiane Gonçalves de Campos, Cristina de Lima Cardoso Leme, Ellen Claudia Cardoso Doretto, Ester Galesi Gryga, Karin Sant’Ana Kossling, Marcia Aparecida Ferrari Salgado de Barros, Mercia Albertina de Lima Camargo, Priscila Lourenço, Rogerio Sicchieri, Sandra Maria Fodra e Walter Garcia de Carvalho Vilas Boas. Sociologia: Anselmo Luis Fernandes Gonçalves, Celso Francisco do Ó, Lucila Conceição Pereira e Tânia Fetchir. Apoio: Fundação para o Desenvolvimento da Educação - FDE CTP, Impressão e acabamento Escala Empresa de Comunicação Integrada Ltda. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 71 10/04/14 15:28
  • 73. A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo autoriza a reprodução do conteúdo do material de sua titularidade pelas demais secretarias de educação do país, desde que mantida a integri- dade da obra e dos créditos, ressaltando que direitos autorais protegidos*deverão ser diretamente negociados com seus próprios titulares, sob pena de infração aos artigos da Lei no 9.610/98. * Constituem “direitos autorais protegidos” todas e quaisquer obras de terceiros reproduzidas no material da SEE-SP que não estejam em domínio público nos termos do artigo 41 da Lei de Direitos Autorais. * Nos Cadernos do Programa São Paulo faz escola são indicados sites para o aprofundamento de conhecimentos, como fonte de consulta dos conteúdos apresentados e como referências bibliográficas. Todos esses endereços eletrônicos foram checados. No entanto, como a internet é um meio dinâmico e sujeito a mudanças, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo não garante que os sites indicados permaneçam acessíveis ou inalterados. * Os mapas reproduzidos no material são de autoria de terceiros e mantêm as características dos originais, no que diz respeito à grafia adotada e à inclusão e composição dos elementos cartográficos (escala, legenda e rosa dos ventos). Ciências Humanas Coordenador de área: Paulo Miceli. Filosofia: Paulo Miceli, Luiza Christov, Adilton Luís Martins e Renê José Trentin Silveira. Geografia: Angela Corrêa da Silva, Jaime Tadeu Oliva, Raul Borges Guimarães, Regina Araujo e Sérgio Adas. História: Paulo Miceli, Diego López Silva, Glaydson José da Silva, Mônica Lungov Bugelli e Raquel dos Santos Funari. Sociologia: Heloisa Helena Teixeira de Souza Martins, Marcelo Santos Masset Lacombe, Melissa de Mattos Pimenta e Stella Christina Schrijnemaekers. Ciências da Natureza Coordenador de área: Luis Carlos de Menezes. Biologia: Ghisleine Trigo Silveira, Fabíola Bovo Mendonça, Felipe Bandoni de Oliveira, Lucilene Aparecida Esperante Limp, Maria Augusta Querubim Rodrigues Pereira, Olga Aguilar Santana, Paulo Roberto da Cunha, Rodrigo Venturoso Mendes da Silveira e Solange Soares de Camargo. Ciências: Ghisleine Trigo Silveira, Cristina Leite, João Carlos Miguel Tomaz Micheletti Neto, Julio Cézar Foschini Lisbôa, Lucilene Aparecida Esperante Limp, Maíra Batistoni e Silva, Maria Augusta Querubim Rodrigues Pereira, Paulo Rogério Miranda Correia, Renata Alves Ribeiro, Ricardo Rechi Aguiar, Rosana dos Santos Jordão, Simone Jaconetti Ydi e Yassuko Hosoume. Física: Luis Carlos de Menezes, Estevam Rouxinol, Guilherme Brockington, Ivã Gurgel, Luís Paulo de Carvalho Piassi, Marcelo de Carvalho Bonetti, Maurício Pietrocola Pinto de Oliveira, Maxwell Roger da Purificação Siqueira, Sonia Salem e Yassuko Hosoume. Química: Maria Eunice Ribeiro Marcondes, Denilse Morais Zambom, Fabio Luiz de Souza, Hebe Ribeiro da Cruz Peixoto, Isis Valença de Sousa Santos, Luciane Hiromi Akahoshi, Maria Fernanda Penteado Lamas e Yvone Mussa Esperidião. Caderno do Gestor Lino de Macedo, Maria Eliza Fini e Zuleika de Felice Murrie. GESTÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO EDITORIAL 2014-2017 FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI Presidente da Diretoria Executiva Mauro de Mesquita Spínola GESTÃO DE TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Direção da Área Guilherme Ary Plonski Coordenação Executiva do Projeto Angela Sprenger e Beatriz Scavazza Gestão Editorial Denise Blanes Equipe de Produção Editorial: Amarilis L. Maciel, Ana Paula S. Bezerra, Angélica dos Santos Angelo, Bóris Fatigati da Silva, Bruno Reis, Carina Carvalho, Carolina H. Mestriner, Carolina Pedro Soares, Cíntia Leitão, Eloiza Lopes, Érika Domingues do Nascimento, Flávia Medeiros, Giovanna Petrólio Marcondes, Gisele Manoel, Jean Xavier, Karinna Alessandra Carvalho Taddeo, Leslie Sandes, Mainã Greeb Vicente, Maíra de Freitas Bechtold, Marina Murphy, Michelangelo Russo, Natália S. Moreira, Olivia Frade Zambone, Paula Felix Palma, Pietro Ferrari, Priscila Risso, Regiane Monteiro Pimentel Barboza, Renata Regina Buset, Rodolfo Marinho, Stella Assumpção Mendes Mesquita, Tatiana F. Souza e Tiago Jonas de Almeida. Direitos autorais e iconografia: Beatriz Fonseca Micsik, Dayse de Castro Novaes Bueno, Érica Marques, José Carlos Augusto, Juliana Prado da Silva, Marcus Ecclissi, Maria Aparecida Acunzo Forli, Maria Magalhães de Alencastro, Vanessa Bianco e Vanessa Leite Rios. Edição e Produção editorial: Jairo Souza Design Gráfico e Occy Design (projeto gráfico). CONCEPÇÃO DO PROGRAMA E ELABORAÇÃO DOS CONTEÚDOS ORIGINAIS COORDENAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DOS CADERNOS DOS PROFESSORES E DOS CADERNOS DOS ALUNOS Ghisleine Trigo Silveira CONCEPÇÃO Guiomar Namo de Mello, Lino de Macedo, Luis Carlos de Menezes, Maria Inês Fini (coordenadora) e Ruy Berger (em memória). AUTORES Linguagens Coordenador de área: Alice Vieira. Arte: Gisa Picosque, Mirian Celeste Martins, Geraldo de Oliveira Suzigan, Jéssica Mami Makino e Sayonara Pereira. Educação Física: Adalberto dos Santos Souza, Carla de Meira Leite, Jocimar Daolio, Luciana Venâncio, Luiz Sanches Neto, Mauro Betti, Renata Elsa Stark e Sérgio Roberto Silveira. LEM – Inglês: Adriana Ranelli Weigel Borges, Alzira da Silva Shimoura, Lívia de Araújo Donnini Rodrigues, Priscila Mayumi Hayama e Sueli Salles Fidalgo. LEM – Espanhol: Ana Maria López Ramírez, Isabel Gretel María Eres Fernández, Ivan Rodrigues Martin, Margareth dos Santos e Neide T. Maia González. Língua Portuguesa: Alice Vieira, Débora Mallet Pezarim de Angelo, Eliane Aparecida de Aguiar, José Luís Marques López Landeira e João Henrique Nogueira Mateos. Matemática Coordenador de área: Nílson José Machado. Matemática: Nílson José Machado, Carlos Eduardo de Souza Campos Granja, José Luiz Pastore Mello, Roberto Perides Moisés, Rogério Ferreira da Fonseca, Ruy César Pietropaolo e Walter Spinelli. HISTÓRIA_CAA_5S_V2_2014.indd 72 10/04/14 15:28
  • 74. 7a SÉRIE 8o ANO ENSINO FUNDAMENTAL – ANOS FINAIS Volume 2 HISTÓRIA Ciências Humanas CADERNO DO ALUNO Validade:2014–2017