SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho. [Mahatma Gandhi]
Edição n.º 57|6
ESCUTA
XVIII ACAREG - REGIÃO DE AVEIRO
TORREIRA | MURTOSA
07 | agosto | 2014director Manuel Santos
coordenador José Carlos
III
- Imaginário muito interessante realçando os valores da família
- Desafios diários motivadores e aliciantes para a descoberta de novos
amigos
- Destaque para a visita à Asfita onde a interação entre as crianças e os
idosos foi um momento muito importante e positivo
- A ligação com a comunidade envolvente, quer na Torreira quer na
Murtosa, foi muito positiva dando destaque ao envolvimento dos
artesãos que se disponibilizaram e a todas as pessoas que deram a sua
colaboração nos jogos.
- Em termos de avaliação prévia, na opinião dos dirigentes, foi um
acampamento muito positivo de que gostaram muito.
As actividades mais fixes foram os moliceiros, a visita à Asfita, o jogo na
praia, os jogos sem fronteiras mas principalmente os desafios que lhes
eram propostos diariamente por Maria. Estas conseguiram criar entre
eles laços de amizade tão espontâneos e verdadeiros que em todas as
famílias deixou de haver 2 ou 3 alcateias e passou a haver uma única
alcateia.
COMO FOI O ACAREG
OPINIÃO DOS LOBITOS
IV
Os barcos estão prontos, estamos quase de regresso a casa e
os nossos exploradores partilham esta nossa epopeia por
mares nunca dantes navegados.
“As atividades foram giras e gostei de conhecer novos
escuteiros e jogar com eles.”
“Tirando a chuva correu bem, gostei da visita dos pais, das
montagens de campo, dos novos amigos.”
“Foi uma boa experiencia dormir ao relento e conhecer mais
escuteiros.”
“Os jogos da praia foram divertidos, foi fixe a dormida ao
relento com todos juntos.”
“Os jogos da cidade, a escalada foram bons.”
“A música que passou no campo, o raide/jogo de cidade foi
muito fixe, e as atividades com outros escuteiros.”
“Conheci amigos novos, estou a gostar do acampamento pelos
raides, jogos.”
“Foi divertido, interessante, aprendemos nós, azimutes,
participei em atividades nunca antes feitas, os jogos da praia.”
“Está a ser muito animado, divertido, mas também cansativo e
desgastante.”
“Fiz novas amizades, foi muito divertida, diferente, estar com
outros agrupamentos, o convívio foi muito bom.”
“A construção e a divisão dos campos, os jogos e conviver com
os outros agrupamentos.”
“Foi altamente, não tenho palavras, foi complicado, mas
divertido, a montagem de campo, os jogos. Experiências
inesquecíveis, que não se vão repetir. Não me vou esquecer do
meu aniversário, ser acordada com tachos e parabéns.”
“Foi divertido, queríamos que acontece-se mais vezes, o mais
marcante foi o dia da cidade, dos dias de campo e praia, e dos
bons momentos passados com outros exploradores.”
“Foi bonito e bom, aprendemos coisas novas como nós,
construções a fazer uma anilha, as aventuras no milho…”
“Aprendemos a fazer várias coisas, a conviver com outros
exploradores, a ajudar os outros, a ter paciência. Não me vou
esquecer do jogo da cidade e do raide.”
“A rádio em campo foi uma boa ideia.”
“Os exploradores são simpáticos, podia durar mais tempo, não
me vou esquecer dos amigos que fiz.”
Esperamos por novas aventuras e um reencontro o mais breve
possível, foi uma ótima jornada, agora é hora de regressar.
Boa navegação, dos navegadores da Nau ORIEVA
REENCONTRO O MAIS
BREVE POSSÍVEL
Neste ACAREG os exploradores/moços descobriram que
independentemente da rota que percorrerem podem encontrar
a MaRia Mar no campo, na cidade ou na praia, porque ela está
no coração de cada escuteiro.
V
Para a Chefia do Campo da IIIª Secção, a avaliação geral do XVIII
ACAREG da Região de Aveiro, que se aproxima rapidamente do seu
final, é claramente positiva e excedeu por completo as expectativas.
Organizar uma semana de actividades para perto de 500 pioneiros
não foi tarefa fácil. Planear, para cada dia, um conjunto de
momentos, jogos, raid e outros, e fazer isso para quatro subcampos,
tendo em conta que não estávamos sozinhos, tornou-se um desafio
que queríamos vencer, e vencê-lo significava tornar este
Acampamento um momento único na vida dos nossos Pioneiros.
Hoje, consideramos que foi uma prova superada.
A chuva dos primeiros dias foi como uma bênção para os restantes
dias. O nosso patrono, S. Pedro, quis mostrar a sua presença no
meio de nós, criando oportunidades de convívio entre várias
equipas, em campos mais bem abrigados.
Claro que nada se consegue sem esforço. Uma tenda mal montada,
as filas da casa de banho, o frango que não chegou para todos, as
bolhas nos pés que o raid provocou… Obstáculos que tornaram os
azuis deste campo mais unidos na sua equipa, capazes de se
ajudarem entre si e mais alerta para vencer as suas dificuldades. A
equipa Fernando Pessoa de Estarreja considera que “este ACAREG
foi definitivamente marcado por um misto de emoções que nos
levaram aos extremos. (…) A montagem do campo, depois um raid
que conjugou o empenho e o desalento, permitiu fortificar o espírito
da equipa”.
Tivemos que guiar a nossa MaRia Mar na descoberta das suas
origens, mais propriamente, na sua cultura, e a Equipa Camões de
Oliveirinha considera que “a paisagem e as pessoas são
maravilhosas” Mas “para passar por alguns pontos interessantes
temos que ter muita força, pois o caminho é difícil, mas vale a pena”.
Da equipa Mozart de Esgueira soubemos que estes “sete dias
tornaram-se muito mais enriquecedores quando nos apercebemos
da quantidade de coisas que aprendemos. Desde workshops e jogos
sobre arte tradicional da Torreira até a caminhadas pelos arredores,
houve tempo para tudo! Mais um acampamento com tudo e todos,
inesquecível.”
No final deste texto, a Chefia do Campo da IIIª agradece a todos os
que se uniram para que os nossos Pioneiros levassem para casa a
mochila cheia de boas recordações, amizades, conhecimento e
valores, e com vontade de cá voltar a esta bonita terra da Torreira-
Murtosa. Estas últimas palavras são escritas na Península da Torreira,
o Campo dos Pioneiros, ouvindo uma imensa alegria no Fogo de
Conselho que a Secção preparou para a noite de ontem. Como é
possível, depois de dias tão intensos, os nossos jovens manterem
tanta e boa energia? É essa a essência do Pioneiro.
ASSIM FOI O ACAREG
PARA A III
VI
Um ACAREG, pela sua natureza, tem
forçosamente que ser um actividade
marcante para Caminheiros e
Companheiros. A preparação e a espera
elevam as nossas expectativas e é
necessário dar lugar à descoberta mútua
para que alcance a harmonia e o
entendimento.
A vivência deste imaginário, a descoberta
da Maria Mar, o contacto com novas
realidades e a percepção de que a vida
nos confronta com problemas e
dificuldades, alargam-nos os horizontes e
tornam claro que a vida deve ser vivida
como um projeto, com muita entrega,
abnegação e determinação. Para trilhar
este caminho, é fundamental trabalhar em
grupo e ser comunidade.
Para nós, Dirigentes, o ACAREG
relembrou-nos o desafio que é trabalhar
na IVª, na procura constante do que os
possa interessar e estimular, da melhor
forma de lhes passar a mensagem de que
este mundo precisa de verdadeiros
Hormens novos, formados segundo os
ideais do Escustismo.
Fazer parte deste ACAREG é reconhecer
que, por muito difíceis que sejam as
circunstâncias, é possível e é urgente
sonhar. Enquanto sentirmos que
conseguimos fazer germinar a avançar
estes sonhos, como Dirigentes, estaremos
sempre Alerta para servir e fazer um
mundo melhor.
Foi um sonho, um lindo sonho, mas
verdadeiro desafio, agora, Caminheiros e
Companheiros, é tornar este sonho
realidade.
UMA PROCURA
CONSTANTE
1º Que mensagem te transmitiu o imaginário da IVª?
O imaginário da IVª deste Acareg transmitiu-me uma mensagem de
estimulação para o alargamento dos nossos horizontes, a abertura a
novas experiências e oportunidades, que podem passar por Portugal
ou pelo estrangeiro, num curto ou longo período de tempo.
A história da MaRia Mar permitiu aos caminheiros dar um salto do que
conhecemos, para o que se passa à nossa volta, o desconhecido, e
perceber que em qualquer parte do mundo podemos fazer a
diferença.
2º O que levas de melhor na tua mochila?
Desta atividade levo uma mochila mais pesada, pois vai carregada de
novos amigos, um leque de experiências, um conjunto de
aprendizagens e troca de conhecimento, que me permitem seguir o
meu caminho mais rica, com uma maior capacidade para “deixar o
mundo um pouco melhor do que o encontrei. ”
Ana Abrantes- 141 Águeda, Clã 21 MLK
IIV
Há gestos feitos de recato e simplicidade. Muita gente poderá pensar que o trabalho de
acompanhamento dos assistentes [da assistência] tem que ser feito de protagonismos ou de uma outra
qualquer intervenção de destaque. A dimensão espiritual no movimento escutista, preconizado pelo
fundador, é o sustento de todas as outras e os assistentes não vivem no movimento para que a sua
presença seja notada, mas para que a sua falta seja sentida. Quem tem confiança em Jesus Cristo [e
mesmo quem a procura ter] sabe que a sua proposta de felicidade na vivência dos valores do evangelho
se vai tornando acontecimento e história, na nossa história pessoal, e que ela trás ancorada sempre
posições algo desconcertantes e inesperadas - basta reler as “Bem-aventuranças”. Concórdia e
desencontro, satisfação e tristeza, conquista e fracasso, motivação e frustração, êxito e desilusão e muitas
outras situações fazem parte do processo da obtenção desse milagre que é a felicidade. E há muitos que
vivem a vida como se os milagres não existissem. Nós vivemos como se tudo fosse um milagre.
A Equipa da Assistência Regional [eu e o diácono Élio Simões] quer agradecer a história pessoal de cada
um dos participantes no ACAREG e a forma como enriqueceu o conjunto. Nela queremos também
destacar a generosidade dos assistentes. O ACAREG teve assim, o Padre Abílio como Assistente do
Acampamento, o Padre João Manuel como Assistente do Campo dos Lobitos, o Padre Pedro José como
Assistente do Campo dos Pioneiros, eu como Assistente do Campo dos Exploradores, o Padre Francisco
como Assistente do Campo dos Caminheiros; o Padre Leonel, os diáconos Élio e Francisco e o seminarista
Jorge deram um apoio ao campo dos Caminheiros; os seminaristas José Leitão, João Santos e Gustavo
apoiaram o campo dos Lobitos; o Padre Ângelo, também deu uma “forcinha” junto da IVª. Eu o diácono
Élio estivemos [e acumulamos] como assistentes do programa em campo. Só resta esperar agora a vinda
do XIX ACAREG, e que venha em boa hora.
Pe. Manuel Augusto Oliveira, Assistente Regional de Aveiro
A ASSISTÊNCIA DO ACAREG
com o apoio:
Câmara Municipal da Murtosa
COLUNA
COR DE ROSAquase
Amo-te muito, foi amor à primeira vista és linda, fofa e
perfeita. És a namorada perfeita que alguém quer ter. Rita
amo-te muito! D.C. – Ílhavo
Querido Fred, acordo todos os dias a pensar em ti. À noite
adivinha o que eu faço? … penso em ti <3. Não é por nada
mas acho que estou a ficar doida por ti. Queres saber quem
sou? Então vai ao campo que tu mais gostas, que eu vou
estar à tua espera. Beijo grande da tua… tu sabes bem.
Laura amo-te muito, sonho contigo todas as noites, és a
rapariga mais perfeita do mundo. Amo-te <3. João Marcelo
– 850 Calvão
Olá admirador gostaria de saber quem és tu? Vem ter
comigo ao meu continente antes da hora de almoço. Ass.:
Deusa da Somália
Daniela P. Resende adoramos quando falas com essa voz de
macho. Ass.: Tropa MR
Mancana, adoro-te … se fosse bom casar no ACAREG, casava
e com gosto. Ass.: Mr. V.
João Marcelo, explorador do 850 de Calvão
Inês Maria de Fátima, pioneira do 822 de Vagos
João Cabral, companheiro do 818 da Costa Nova
dia 06
Marília Araújo, exploradora do 1116 da Branca
O David do agrupamento 1345 de
São Lourenço do Bairro esteve a
colaborar com o gabinete de
comunicação durante os últimos
dias do ACAREG. A sua ajuda foi
preciosa tanto no processo de
acabamento do nosso jornal de
campo, bem como na produção de
crachás que fizeram o furor de
todos os escuteiros que visitaram a
tenda do DMF. A sua persistência,
espírito de entreajuda, colaboração
e amizade fizeram do David um
verdadeiro amigo de todos aqueles
que com ele conviveram.
O nosso agradecimento ao grande
David pelo seu exemplo.
OBRIGADO
DAVID
O ESCUTA errou
Na edição anterior erramos na designação da
área a que pertence o agrupamento 1084 da Trofa.
Este agrupamento pertence à área Nascente.
As nossas desculpas aos visados.
mural da redação do ESCUTA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jornal A Cidade Edição Digital Completa. Edição n. 1092 que circula no dia 06...
Jornal A Cidade Edição Digital Completa. Edição n. 1092 que circula no dia 06...Jornal A Cidade Edição Digital Completa. Edição n. 1092 que circula no dia 06...
Jornal A Cidade Edição Digital Completa. Edição n. 1092 que circula no dia 06...JornalACidade
 
Jornal no Compasso de Magé 4ª edição - setembro 2013
Jornal no Compasso de Magé 4ª edição - setembro 2013Jornal no Compasso de Magé 4ª edição - setembro 2013
Jornal no Compasso de Magé 4ª edição - setembro 2013Fernando Holmes
 
Receitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E SaborReceitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E SaborCulinaria Fabula
 
Proposta mar eventos & receptivo
Proposta mar eventos & receptivoProposta mar eventos & receptivo
Proposta mar eventos & receptivoMárcio Ribeiro
 
O Educador-Setembro
O Educador-SetembroO Educador-Setembro
O Educador-SetembroCavanis-2000
 

Mais procurados (15)

Venha para o circuito do ouro
Venha para o circuito do ouroVenha para o circuito do ouro
Venha para o circuito do ouro
 
Programa Amigos da Natureza 2017
Programa Amigos da Natureza 2017Programa Amigos da Natureza 2017
Programa Amigos da Natureza 2017
 
Programa Amigos da Natureza 2020
Programa Amigos da Natureza 2020Programa Amigos da Natureza 2020
Programa Amigos da Natureza 2020
 
Jornal A Cidade Edição Digital Completa. Edição n. 1092 que circula no dia 06...
Jornal A Cidade Edição Digital Completa. Edição n. 1092 que circula no dia 06...Jornal A Cidade Edição Digital Completa. Edição n. 1092 que circula no dia 06...
Jornal A Cidade Edição Digital Completa. Edição n. 1092 que circula no dia 06...
 
Reporter capixaba 59
Reporter capixaba 59Reporter capixaba 59
Reporter capixaba 59
 
Jornal no Compasso de Magé 4ª edição - setembro 2013
Jornal no Compasso de Magé 4ª edição - setembro 2013Jornal no Compasso de Magé 4ª edição - setembro 2013
Jornal no Compasso de Magé 4ª edição - setembro 2013
 
As bodas dos Bibi
As bodas dos BibiAs bodas dos Bibi
As bodas dos Bibi
 
Receitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E SaborReceitas Com Tempero E Sabor
Receitas Com Tempero E Sabor
 
Programa Amigos da Natureza 2021
Programa Amigos da Natureza 2021Programa Amigos da Natureza 2021
Programa Amigos da Natureza 2021
 
Proposta mar eventos & receptivo
Proposta mar eventos & receptivoProposta mar eventos & receptivo
Proposta mar eventos & receptivo
 
O Educador-Setembro
O Educador-SetembroO Educador-Setembro
O Educador-Setembro
 
Programa Amigos da Natureza 2016
Programa Amigos da Natureza 2016Programa Amigos da Natureza 2016
Programa Amigos da Natureza 2016
 
Programa Amigos da Natureza 2015
Programa Amigos da Natureza 2015Programa Amigos da Natureza 2015
Programa Amigos da Natureza 2015
 
PDF Programa Amigos Da Natureza 2019
PDF Programa Amigos Da Natureza 2019PDF Programa Amigos Da Natureza 2019
PDF Programa Amigos Da Natureza 2019
 
História em quadrinhos - Sepé Tiaraju
História em quadrinhos - Sepé TiarajuHistória em quadrinhos - Sepé Tiaraju
História em quadrinhos - Sepé Tiaraju
 

Destaque

Modelo de Via sacra - Domingo da quaresma
Modelo de Via sacra - Domingo da quaresmaModelo de Via sacra - Domingo da quaresma
Modelo de Via sacra - Domingo da quaresmaDiocese de Aveiro
 
Caminhada da Quaresma e da Família 2012
Caminhada da Quaresma e da Família 2012Caminhada da Quaresma e da Família 2012
Caminhada da Quaresma e da Família 2012Diocese de Aveiro
 
Chama do Carmo_227
Chama do Carmo_227Chama do Carmo_227
Chama do Carmo_227Frei João
 
Chama do Carmo_221
Chama do Carmo_221Chama do Carmo_221
Chama do Carmo_221Frei João
 
Via Sacra Campanha da Fraternidade 2010
Via Sacra Campanha da Fraternidade 2010Via Sacra Campanha da Fraternidade 2010
Via Sacra Campanha da Fraternidade 2010Bernadetecebs .
 
Modelo de Via sacra - Jesus é condenado à morte
Modelo de Via sacra  - Jesus é condenado à morteModelo de Via sacra  - Jesus é condenado à morte
Modelo de Via sacra - Jesus é condenado à morteDiocese de Aveiro
 
Via sacra dia do deserto
Via sacra dia do desertoVia sacra dia do deserto
Via sacra dia do desertoconceicaoborges
 
Via sacra Jovem 23.03.2013
Via sacra Jovem 23.03.2013Via sacra Jovem 23.03.2013
Via sacra Jovem 23.03.2013ConectadosJC
 
Via sacra - Campanha da Fraternidade 2012 - "Que a Saúde se difunda sobre a t...
Via sacra - Campanha da Fraternidade 2012 - "Que a Saúde se difunda sobre a t...Via sacra - Campanha da Fraternidade 2012 - "Que a Saúde se difunda sobre a t...
Via sacra - Campanha da Fraternidade 2012 - "Que a Saúde se difunda sobre a t...Bernadetecebs .
 

Destaque (20)

Modelo de Via sacra - Domingo da quaresma
Modelo de Via sacra - Domingo da quaresmaModelo de Via sacra - Domingo da quaresma
Modelo de Via sacra - Domingo da quaresma
 
A via sacra
A via sacraA via sacra
A via sacra
 
Modelo 1 de via-sacra
Modelo 1 de via-sacraModelo 1 de via-sacra
Modelo 1 de via-sacra
 
Caminhada da Quaresma e da Família 2012
Caminhada da Quaresma e da Família 2012Caminhada da Quaresma e da Família 2012
Caminhada da Quaresma e da Família 2012
 
Chama do Carmo_227
Chama do Carmo_227Chama do Carmo_227
Chama do Carmo_227
 
Modelo 2 de via-sacra
Modelo 2 de via-sacraModelo 2 de via-sacra
Modelo 2 de via-sacra
 
Noites traiçoeiras
Noites traiçoeirasNoites traiçoeiras
Noites traiçoeiras
 
Chama do Carmo_221
Chama do Carmo_221Chama do Carmo_221
Chama do Carmo_221
 
Via Sacra Campanha da Fraternidade 2010
Via Sacra Campanha da Fraternidade 2010Via Sacra Campanha da Fraternidade 2010
Via Sacra Campanha da Fraternidade 2010
 
Modelo de Via sacra - Jesus é condenado à morte
Modelo de Via sacra  - Jesus é condenado à morteModelo de Via sacra  - Jesus é condenado à morte
Modelo de Via sacra - Jesus é condenado à morte
 
Via sacra dia do deserto
Via sacra dia do desertoVia sacra dia do deserto
Via sacra dia do deserto
 
Via sacra Jovem 23.03.2013
Via sacra Jovem 23.03.2013Via sacra Jovem 23.03.2013
Via sacra Jovem 23.03.2013
 
Via Sacra
Via SacraVia Sacra
Via Sacra
 
Via crucis africano
Via crucis africanoVia crucis africano
Via crucis africano
 
Via Sacra das Santas Chagas
Via Sacra das Santas ChagasVia Sacra das Santas Chagas
Via Sacra das Santas Chagas
 
Via sacra
Via sacra Via sacra
Via sacra
 
A Via Sacra
A Via SacraA Via Sacra
A Via Sacra
 
Via sacra - Campanha da Fraternidade 2012 - "Que a Saúde se difunda sobre a t...
Via sacra - Campanha da Fraternidade 2012 - "Que a Saúde se difunda sobre a t...Via sacra - Campanha da Fraternidade 2012 - "Que a Saúde se difunda sobre a t...
Via sacra - Campanha da Fraternidade 2012 - "Que a Saúde se difunda sobre a t...
 
Via sacra 2
Via sacra 2Via sacra 2
Via sacra 2
 
Via sacra 2016
Via sacra 2016 Via sacra 2016
Via sacra 2016
 

Semelhante a ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/6

Semelhante a ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/6 (20)

ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/4
 
ESCUTANEWS #03
ESCUTANEWS #03ESCUTANEWS #03
ESCUTANEWS #03
 
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1
ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/1
 
ENSantidade edição 20
ENSantidade edição 20ENSantidade edição 20
ENSantidade edição 20
 
2014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/3
2014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/32014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/3
2014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/3
 
4a edição
4a edição4a edição
4a edição
 
Jornal de julho
Jornal de julhoJornal de julho
Jornal de julho
 
4a edição
4a edição4a edição
4a edição
 
4a edição
4a edição4a edição
4a edição
 
4a edição
4a edição4a edição
4a edição
 
Balada da União Set 2014
Balada da União Set 2014Balada da União Set 2014
Balada da União Set 2014
 
Feliz natal e feliz ano novo
Feliz natal e feliz ano novoFeliz natal e feliz ano novo
Feliz natal e feliz ano novo
 
Bime 07 junho 2011
Bime 07 junho 2011Bime 07 junho 2011
Bime 07 junho 2011
 
Beume dez 16 pdf
Beume dez 16 pdfBeume dez 16 pdf
Beume dez 16 pdf
 
Jornal sg ago 2013
Jornal sg ago 2013Jornal sg ago 2013
Jornal sg ago 2013
 
Relatório e Contas da Junta Regional de Aveiro 2014
Relatório e Contas da Junta Regional de Aveiro 2014Relatório e Contas da Junta Regional de Aveiro 2014
Relatório e Contas da Junta Regional de Aveiro 2014
 
Af newsletter 70[1]
Af newsletter 70[1]Af newsletter 70[1]
Af newsletter 70[1]
 
Jornal 18, Março 2013
Jornal 18, Março 2013Jornal 18, Março 2013
Jornal 18, Março 2013
 
Ceia de natal
Ceia de natalCeia de natal
Ceia de natal
 
Motivacao, o caminho para o sucesso
Motivacao, o caminho para o sucessoMotivacao, o caminho para o sucesso
Motivacao, o caminho para o sucesso
 

Mais de Diocese de Aveiro

Semanário digital ECCLESIA - Missão Jubilar
Semanário digital ECCLESIA - Missão Jubilar Semanário digital ECCLESIA - Missão Jubilar
Semanário digital ECCLESIA - Missão Jubilar Diocese de Aveiro
 
Conferência de imprensa de apresentação da missão jubilar
Conferência de imprensa de apresentação da missão jubilarConferência de imprensa de apresentação da missão jubilar
Conferência de imprensa de apresentação da missão jubilarDiocese de Aveiro
 
Modelo de Via sacra - Jesus é condenado à morte (2)
Modelo de Via sacra  - Jesus é condenado à morte (2)Modelo de Via sacra  - Jesus é condenado à morte (2)
Modelo de Via sacra - Jesus é condenado à morte (2)Diocese de Aveiro
 
Requisição de material para a caminhada da família
Requisição de material  para a caminhada da famíliaRequisição de material  para a caminhada da família
Requisição de material para a caminhada da famíliaDiocese de Aveiro
 
Regulamento do Concurso: QUE BOM É TER UMA FAMÍLIA!
Regulamento do Concurso: QUE BOM É TER UMA FAMÍLIA!Regulamento do Concurso: QUE BOM É TER UMA FAMÍLIA!
Regulamento do Concurso: QUE BOM É TER UMA FAMÍLIA!Diocese de Aveiro
 
Jornadas de formação permanente do Clero da Diocese de Aveiro
Jornadas de formação permanente do Clero da Diocese de AveiroJornadas de formação permanente do Clero da Diocese de Aveiro
Jornadas de formação permanente do Clero da Diocese de AveiroDiocese de Aveiro
 
Jubileu Diocese de Aveiro - Proposta de Trabalho
Jubileu Diocese de Aveiro - Proposta de TrabalhoJubileu Diocese de Aveiro - Proposta de Trabalho
Jubileu Diocese de Aveiro - Proposta de TrabalhoDiocese de Aveiro
 
Abertura ano pastoral 2011-2012
Abertura ano pastoral 2011-2012Abertura ano pastoral 2011-2012
Abertura ano pastoral 2011-2012Diocese de Aveiro
 
Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)
 Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto) Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)
Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)Diocese de Aveiro
 
Programa da peregrinação dos jovens para as JMJ Madrid 2011 - Caminho Neocate...
Programa da peregrinação dos jovens para as JMJ Madrid 2011 - Caminho Neocate...Programa da peregrinação dos jovens para as JMJ Madrid 2011 - Caminho Neocate...
Programa da peregrinação dos jovens para as JMJ Madrid 2011 - Caminho Neocate...Diocese de Aveiro
 
O ministério do leitor parte 2
O ministério do leitor parte 2O ministério do leitor parte 2
O ministério do leitor parte 2Diocese de Aveiro
 
Iconografia de Stª Joana por Monsenhor João Gaspar
Iconografia de Stª Joana por Monsenhor João GasparIconografia de Stª Joana por Monsenhor João Gaspar
Iconografia de Stª Joana por Monsenhor João GasparDiocese de Aveiro
 
Disposição e adorno das igrejas
Disposição e adorno das igrejasDisposição e adorno das igrejas
Disposição e adorno das igrejasDiocese de Aveiro
 
Disposição e adorno das igrejas
Disposição e adorno das igrejasDisposição e adorno das igrejas
Disposição e adorno das igrejasDiocese de Aveiro
 
Apresentação do plano pastoral 2010/2011 da Diocese de Aveiro
Apresentação do plano pastoral 2010/2011 da Diocese de AveiroApresentação do plano pastoral 2010/2011 da Diocese de Aveiro
Apresentação do plano pastoral 2010/2011 da Diocese de AveiroDiocese de Aveiro
 

Mais de Diocese de Aveiro (19)

Semanário digital ECCLESIA - Missão Jubilar
Semanário digital ECCLESIA - Missão Jubilar Semanário digital ECCLESIA - Missão Jubilar
Semanário digital ECCLESIA - Missão Jubilar
 
Conferência de imprensa de apresentação da missão jubilar
Conferência de imprensa de apresentação da missão jubilarConferência de imprensa de apresentação da missão jubilar
Conferência de imprensa de apresentação da missão jubilar
 
Missao jubilar apresentacao
Missao jubilar  apresentacaoMissao jubilar  apresentacao
Missao jubilar apresentacao
 
Modelo de Via sacra - Jesus é condenado à morte (2)
Modelo de Via sacra  - Jesus é condenado à morte (2)Modelo de Via sacra  - Jesus é condenado à morte (2)
Modelo de Via sacra - Jesus é condenado à morte (2)
 
Requisição de material para a caminhada da família
Requisição de material  para a caminhada da famíliaRequisição de material  para a caminhada da família
Requisição de material para a caminhada da família
 
Modelo do Coração
Modelo do CoraçãoModelo do Coração
Modelo do Coração
 
Regulamento do Concurso: QUE BOM É TER UMA FAMÍLIA!
Regulamento do Concurso: QUE BOM É TER UMA FAMÍLIA!Regulamento do Concurso: QUE BOM É TER UMA FAMÍLIA!
Regulamento do Concurso: QUE BOM É TER UMA FAMÍLIA!
 
Jornadas de formação permanente do Clero da Diocese de Aveiro
Jornadas de formação permanente do Clero da Diocese de AveiroJornadas de formação permanente do Clero da Diocese de Aveiro
Jornadas de formação permanente do Clero da Diocese de Aveiro
 
Jubileu Diocese de Aveiro - Proposta de Trabalho
Jubileu Diocese de Aveiro - Proposta de TrabalhoJubileu Diocese de Aveiro - Proposta de Trabalho
Jubileu Diocese de Aveiro - Proposta de Trabalho
 
Abertura ano pastoral 2011-2012
Abertura ano pastoral 2011-2012Abertura ano pastoral 2011-2012
Abertura ano pastoral 2011-2012
 
Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)
 Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto) Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)
Plano Diocesano de Pastoral Litúrgica (projecto)
 
Programa da peregrinação dos jovens para as JMJ Madrid 2011 - Caminho Neocate...
Programa da peregrinação dos jovens para as JMJ Madrid 2011 - Caminho Neocate...Programa da peregrinação dos jovens para as JMJ Madrid 2011 - Caminho Neocate...
Programa da peregrinação dos jovens para as JMJ Madrid 2011 - Caminho Neocate...
 
O ministério do leitor
O ministério do leitorO ministério do leitor
O ministério do leitor
 
O domingo e a sua pastoral
O domingo e a sua pastoralO domingo e a sua pastoral
O domingo e a sua pastoral
 
O ministério do leitor parte 2
O ministério do leitor parte 2O ministério do leitor parte 2
O ministério do leitor parte 2
 
Iconografia de Stª Joana por Monsenhor João Gaspar
Iconografia de Stª Joana por Monsenhor João GasparIconografia de Stª Joana por Monsenhor João Gaspar
Iconografia de Stª Joana por Monsenhor João Gaspar
 
Disposição e adorno das igrejas
Disposição e adorno das igrejasDisposição e adorno das igrejas
Disposição e adorno das igrejas
 
Disposição e adorno das igrejas
Disposição e adorno das igrejasDisposição e adorno das igrejas
Disposição e adorno das igrejas
 
Apresentação do plano pastoral 2010/2011 da Diocese de Aveiro
Apresentação do plano pastoral 2010/2011 da Diocese de AveiroApresentação do plano pastoral 2010/2011 da Diocese de Aveiro
Apresentação do plano pastoral 2010/2011 da Diocese de Aveiro
 

Último

PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 

Último (20)

PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 

ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/6

  • 1. Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho. [Mahatma Gandhi] Edição n.º 57|6 ESCUTA XVIII ACAREG - REGIÃO DE AVEIRO TORREIRA | MURTOSA 07 | agosto | 2014director Manuel Santos coordenador José Carlos
  • 2.
  • 3. III - Imaginário muito interessante realçando os valores da família - Desafios diários motivadores e aliciantes para a descoberta de novos amigos - Destaque para a visita à Asfita onde a interação entre as crianças e os idosos foi um momento muito importante e positivo - A ligação com a comunidade envolvente, quer na Torreira quer na Murtosa, foi muito positiva dando destaque ao envolvimento dos artesãos que se disponibilizaram e a todas as pessoas que deram a sua colaboração nos jogos. - Em termos de avaliação prévia, na opinião dos dirigentes, foi um acampamento muito positivo de que gostaram muito. As actividades mais fixes foram os moliceiros, a visita à Asfita, o jogo na praia, os jogos sem fronteiras mas principalmente os desafios que lhes eram propostos diariamente por Maria. Estas conseguiram criar entre eles laços de amizade tão espontâneos e verdadeiros que em todas as famílias deixou de haver 2 ou 3 alcateias e passou a haver uma única alcateia. COMO FOI O ACAREG OPINIÃO DOS LOBITOS
  • 4. IV Os barcos estão prontos, estamos quase de regresso a casa e os nossos exploradores partilham esta nossa epopeia por mares nunca dantes navegados. “As atividades foram giras e gostei de conhecer novos escuteiros e jogar com eles.” “Tirando a chuva correu bem, gostei da visita dos pais, das montagens de campo, dos novos amigos.” “Foi uma boa experiencia dormir ao relento e conhecer mais escuteiros.” “Os jogos da praia foram divertidos, foi fixe a dormida ao relento com todos juntos.” “Os jogos da cidade, a escalada foram bons.” “A música que passou no campo, o raide/jogo de cidade foi muito fixe, e as atividades com outros escuteiros.” “Conheci amigos novos, estou a gostar do acampamento pelos raides, jogos.” “Foi divertido, interessante, aprendemos nós, azimutes, participei em atividades nunca antes feitas, os jogos da praia.” “Está a ser muito animado, divertido, mas também cansativo e desgastante.” “Fiz novas amizades, foi muito divertida, diferente, estar com outros agrupamentos, o convívio foi muito bom.” “A construção e a divisão dos campos, os jogos e conviver com os outros agrupamentos.” “Foi altamente, não tenho palavras, foi complicado, mas divertido, a montagem de campo, os jogos. Experiências inesquecíveis, que não se vão repetir. Não me vou esquecer do meu aniversário, ser acordada com tachos e parabéns.” “Foi divertido, queríamos que acontece-se mais vezes, o mais marcante foi o dia da cidade, dos dias de campo e praia, e dos bons momentos passados com outros exploradores.” “Foi bonito e bom, aprendemos coisas novas como nós, construções a fazer uma anilha, as aventuras no milho…” “Aprendemos a fazer várias coisas, a conviver com outros exploradores, a ajudar os outros, a ter paciência. Não me vou esquecer do jogo da cidade e do raide.” “A rádio em campo foi uma boa ideia.” “Os exploradores são simpáticos, podia durar mais tempo, não me vou esquecer dos amigos que fiz.” Esperamos por novas aventuras e um reencontro o mais breve possível, foi uma ótima jornada, agora é hora de regressar. Boa navegação, dos navegadores da Nau ORIEVA REENCONTRO O MAIS BREVE POSSÍVEL Neste ACAREG os exploradores/moços descobriram que independentemente da rota que percorrerem podem encontrar a MaRia Mar no campo, na cidade ou na praia, porque ela está no coração de cada escuteiro.
  • 5. V Para a Chefia do Campo da IIIª Secção, a avaliação geral do XVIII ACAREG da Região de Aveiro, que se aproxima rapidamente do seu final, é claramente positiva e excedeu por completo as expectativas. Organizar uma semana de actividades para perto de 500 pioneiros não foi tarefa fácil. Planear, para cada dia, um conjunto de momentos, jogos, raid e outros, e fazer isso para quatro subcampos, tendo em conta que não estávamos sozinhos, tornou-se um desafio que queríamos vencer, e vencê-lo significava tornar este Acampamento um momento único na vida dos nossos Pioneiros. Hoje, consideramos que foi uma prova superada. A chuva dos primeiros dias foi como uma bênção para os restantes dias. O nosso patrono, S. Pedro, quis mostrar a sua presença no meio de nós, criando oportunidades de convívio entre várias equipas, em campos mais bem abrigados. Claro que nada se consegue sem esforço. Uma tenda mal montada, as filas da casa de banho, o frango que não chegou para todos, as bolhas nos pés que o raid provocou… Obstáculos que tornaram os azuis deste campo mais unidos na sua equipa, capazes de se ajudarem entre si e mais alerta para vencer as suas dificuldades. A equipa Fernando Pessoa de Estarreja considera que “este ACAREG foi definitivamente marcado por um misto de emoções que nos levaram aos extremos. (…) A montagem do campo, depois um raid que conjugou o empenho e o desalento, permitiu fortificar o espírito da equipa”. Tivemos que guiar a nossa MaRia Mar na descoberta das suas origens, mais propriamente, na sua cultura, e a Equipa Camões de Oliveirinha considera que “a paisagem e as pessoas são maravilhosas” Mas “para passar por alguns pontos interessantes temos que ter muita força, pois o caminho é difícil, mas vale a pena”. Da equipa Mozart de Esgueira soubemos que estes “sete dias tornaram-se muito mais enriquecedores quando nos apercebemos da quantidade de coisas que aprendemos. Desde workshops e jogos sobre arte tradicional da Torreira até a caminhadas pelos arredores, houve tempo para tudo! Mais um acampamento com tudo e todos, inesquecível.” No final deste texto, a Chefia do Campo da IIIª agradece a todos os que se uniram para que os nossos Pioneiros levassem para casa a mochila cheia de boas recordações, amizades, conhecimento e valores, e com vontade de cá voltar a esta bonita terra da Torreira- Murtosa. Estas últimas palavras são escritas na Península da Torreira, o Campo dos Pioneiros, ouvindo uma imensa alegria no Fogo de Conselho que a Secção preparou para a noite de ontem. Como é possível, depois de dias tão intensos, os nossos jovens manterem tanta e boa energia? É essa a essência do Pioneiro. ASSIM FOI O ACAREG PARA A III
  • 6. VI Um ACAREG, pela sua natureza, tem forçosamente que ser um actividade marcante para Caminheiros e Companheiros. A preparação e a espera elevam as nossas expectativas e é necessário dar lugar à descoberta mútua para que alcance a harmonia e o entendimento. A vivência deste imaginário, a descoberta da Maria Mar, o contacto com novas realidades e a percepção de que a vida nos confronta com problemas e dificuldades, alargam-nos os horizontes e tornam claro que a vida deve ser vivida como um projeto, com muita entrega, abnegação e determinação. Para trilhar este caminho, é fundamental trabalhar em grupo e ser comunidade. Para nós, Dirigentes, o ACAREG relembrou-nos o desafio que é trabalhar na IVª, na procura constante do que os possa interessar e estimular, da melhor forma de lhes passar a mensagem de que este mundo precisa de verdadeiros Hormens novos, formados segundo os ideais do Escustismo. Fazer parte deste ACAREG é reconhecer que, por muito difíceis que sejam as circunstâncias, é possível e é urgente sonhar. Enquanto sentirmos que conseguimos fazer germinar a avançar estes sonhos, como Dirigentes, estaremos sempre Alerta para servir e fazer um mundo melhor. Foi um sonho, um lindo sonho, mas verdadeiro desafio, agora, Caminheiros e Companheiros, é tornar este sonho realidade. UMA PROCURA CONSTANTE 1º Que mensagem te transmitiu o imaginário da IVª? O imaginário da IVª deste Acareg transmitiu-me uma mensagem de estimulação para o alargamento dos nossos horizontes, a abertura a novas experiências e oportunidades, que podem passar por Portugal ou pelo estrangeiro, num curto ou longo período de tempo. A história da MaRia Mar permitiu aos caminheiros dar um salto do que conhecemos, para o que se passa à nossa volta, o desconhecido, e perceber que em qualquer parte do mundo podemos fazer a diferença. 2º O que levas de melhor na tua mochila? Desta atividade levo uma mochila mais pesada, pois vai carregada de novos amigos, um leque de experiências, um conjunto de aprendizagens e troca de conhecimento, que me permitem seguir o meu caminho mais rica, com uma maior capacidade para “deixar o mundo um pouco melhor do que o encontrei. ” Ana Abrantes- 141 Águeda, Clã 21 MLK
  • 7. IIV Há gestos feitos de recato e simplicidade. Muita gente poderá pensar que o trabalho de acompanhamento dos assistentes [da assistência] tem que ser feito de protagonismos ou de uma outra qualquer intervenção de destaque. A dimensão espiritual no movimento escutista, preconizado pelo fundador, é o sustento de todas as outras e os assistentes não vivem no movimento para que a sua presença seja notada, mas para que a sua falta seja sentida. Quem tem confiança em Jesus Cristo [e mesmo quem a procura ter] sabe que a sua proposta de felicidade na vivência dos valores do evangelho se vai tornando acontecimento e história, na nossa história pessoal, e que ela trás ancorada sempre posições algo desconcertantes e inesperadas - basta reler as “Bem-aventuranças”. Concórdia e desencontro, satisfação e tristeza, conquista e fracasso, motivação e frustração, êxito e desilusão e muitas outras situações fazem parte do processo da obtenção desse milagre que é a felicidade. E há muitos que vivem a vida como se os milagres não existissem. Nós vivemos como se tudo fosse um milagre. A Equipa da Assistência Regional [eu e o diácono Élio Simões] quer agradecer a história pessoal de cada um dos participantes no ACAREG e a forma como enriqueceu o conjunto. Nela queremos também destacar a generosidade dos assistentes. O ACAREG teve assim, o Padre Abílio como Assistente do Acampamento, o Padre João Manuel como Assistente do Campo dos Lobitos, o Padre Pedro José como Assistente do Campo dos Pioneiros, eu como Assistente do Campo dos Exploradores, o Padre Francisco como Assistente do Campo dos Caminheiros; o Padre Leonel, os diáconos Élio e Francisco e o seminarista Jorge deram um apoio ao campo dos Caminheiros; os seminaristas José Leitão, João Santos e Gustavo apoiaram o campo dos Lobitos; o Padre Ângelo, também deu uma “forcinha” junto da IVª. Eu o diácono Élio estivemos [e acumulamos] como assistentes do programa em campo. Só resta esperar agora a vinda do XIX ACAREG, e que venha em boa hora. Pe. Manuel Augusto Oliveira, Assistente Regional de Aveiro A ASSISTÊNCIA DO ACAREG
  • 8. com o apoio: Câmara Municipal da Murtosa COLUNA COR DE ROSAquase Amo-te muito, foi amor à primeira vista és linda, fofa e perfeita. És a namorada perfeita que alguém quer ter. Rita amo-te muito! D.C. – Ílhavo Querido Fred, acordo todos os dias a pensar em ti. À noite adivinha o que eu faço? … penso em ti <3. Não é por nada mas acho que estou a ficar doida por ti. Queres saber quem sou? Então vai ao campo que tu mais gostas, que eu vou estar à tua espera. Beijo grande da tua… tu sabes bem. Laura amo-te muito, sonho contigo todas as noites, és a rapariga mais perfeita do mundo. Amo-te <3. João Marcelo – 850 Calvão Olá admirador gostaria de saber quem és tu? Vem ter comigo ao meu continente antes da hora de almoço. Ass.: Deusa da Somália Daniela P. Resende adoramos quando falas com essa voz de macho. Ass.: Tropa MR Mancana, adoro-te … se fosse bom casar no ACAREG, casava e com gosto. Ass.: Mr. V. João Marcelo, explorador do 850 de Calvão Inês Maria de Fátima, pioneira do 822 de Vagos João Cabral, companheiro do 818 da Costa Nova dia 06 Marília Araújo, exploradora do 1116 da Branca O David do agrupamento 1345 de São Lourenço do Bairro esteve a colaborar com o gabinete de comunicação durante os últimos dias do ACAREG. A sua ajuda foi preciosa tanto no processo de acabamento do nosso jornal de campo, bem como na produção de crachás que fizeram o furor de todos os escuteiros que visitaram a tenda do DMF. A sua persistência, espírito de entreajuda, colaboração e amizade fizeram do David um verdadeiro amigo de todos aqueles que com ele conviveram. O nosso agradecimento ao grande David pelo seu exemplo. OBRIGADO DAVID O ESCUTA errou Na edição anterior erramos na designação da área a que pertence o agrupamento 1084 da Trofa. Este agrupamento pertence à área Nascente. As nossas desculpas aos visados. mural da redação do ESCUTA