SlideShare uma empresa Scribd logo
DIEGO SOUZA / IGOR ANTONIO /
     LEANDRO ALBERTO




  TEMA: FUNDAMENTOS DO S.O




  UNIVERCIDADE ESTÁCIO DE SÁ
        RIO DE JANEIRO
             2012
DIEGO SOUZA / IGOR ANTONIO / LEANDRO
               ALBERTO




           TEMA: TUTORIAL




                       Trabalho apresentado à disciplina
                       Fundamentos de Sistemas Operacionais,
                       professor Mario Cavalcante.




    UNIVERCIDADE ESTÁCIO DE SÁ
           RIO DE JANEIRO
                2012
Sumário




Criando um domínio no Windows 2003..........................................................................................4

Instalando e configurando FTP no Windows 2003.......................................................................12

Configurando servidor Web no Linux............................................................................................21

Configurando um Servidor DNS. No Linux..................................................................................24
Active Directory - Criação de seu primeiro domínio
Windows 2003
Depois de ter instalado o seu servidor Windows Server 2003 (não é possível
instalar o AD junto com a instalação do Windows), vamos instalar o AD, ou seja,
promovê-lo a Domain Controller.. Antes de começarmos, vamos analisar alguns
requerimentos mínimos; para poder instalar o Active Directory precisamos:
- Um servidor Windows Server 2003, Standard Edition, Enterprise Edition ou
Datacenter Edition. Não podemos instalar o AD em um servidor Windows Server
2003, Web Edition.
- No mínimo 250MB de espaço livre. 200 MB são para a base de dados do Active
Directory e 50 MB para os arquivos de log.
- Um volume formatado com NTFS para a pasta SYSVOL.
- Possuir um servidor DNS instalado e configurado. (Não é um requerimento
obrigatório, já que a instalação do AD pode instalar e configurar um servidor DNS
em nosso computador).
Requerimentos mínimos atendidos, podemos começar a nossa instalação.
Para começarmos, vamos em: Start ' Run.
Em "Run", digitamos "dcpromo".




Com esse comando, iremos inicializar o Wizard de instalação do AD.
Na primeira tela do Wizard, clique em Next.
Na tela do aviso de compatibilidade, clique novamente em "Next".




Em "Domain Controller type", selecione a opção "Domain Controller for a new
Domain" (Lembre-se que estamos criando um novo domain controller para um
novo domínio) e clique em Next.
Em "Create a New Domain", selecione a primeira opção "Domain in a new
Forest". Com essa opção, estamos informando que além de desejarmos criar um
domínio novo, estamos criando uma nova floresta Windows Server 2003.




Em "New Domain Name" colocamos um nome para o domínio que estamos
criando. Podemos escolher qualquer nome, porém se tivermos um domínio
registrado na internet, é muito interessante que esse nome seja igual ao da
internet. No nosso caso, vamos colocar "empresa1.com.br", e clicarmos em Next.
Depois em "NetBIOS Domain Name" especificamos o nome NetBIOS do nosso
domínio. Esse é nome usado por clientes anteriores ao Windows 2000 para
acessar o domínio. Por padrão ele vem preenchido com a primeira parte do nome
DNS do nosso domínio. Vale a pena deixa o nome padrão.




Em "Database and Log Folders" especificamos onde ficarão a base de dados do
Active Directory e os arquivos de log. É recomendado deixar as pastas em
partições diferentes para obter uma melhor performance, porém não há problemas
em colocá-los na mesma partição, como é o seu padrão.
Em "Shared system Volume" , vamos escolher uma localização para a
pasta SYSVOL. A pasta SYSVOL é uma pasta muito importante para a replicação
do AD e distribuição de políticas de segurança - Group Policies (Ainda vamos falar
muito dela!). Devemos colocar a pasta SYSVOL em um volume formatado com
NTFS e escolher muito bem o seu local, pois não poderemos modificá-lo depois!




Depois, se não tivermos um Servidor DNS configurado em nossa rede (não precisa
ser necessáriamente no servidor em que estamos instalando o AD), irá aparecer o
item "DNS Registration Diagnostics".
Se desejarmos que o wizard instale e configure o DNS em nosso servidor,
devemso clicar na opção "Install and configure the DNS server on this
computer, and set this computer to use this DNS server as its preferred DNS
server."
Ou então poderemos escolher instalar o DNS manualmente após a instalação do
AD marcando a opção: "I will correct the problem later by configuring DNS
manually".
Escolhida opção, clique em Next.




Em "Permissions" selecione o tipo de permissões que você deseja configurar. Se
tivermos ainda servidores anteriores ao Windows 2000, devemos selecionar a
primeira opção"Permissionas compatible with pre-Windows 2000 server
operating system".
Se só tivermos servidores Windows 2000 ou 2003, devemos selecionar a opção
"Permissionas compatible only with Windows 2000 or Windows .NET server
operating systems". Depois de selecionada a opção, clique em Next.
Em "Directory Services Restore Mode Administrator Password" devemos informar
uma senha para a restauração de um backup do AD. Se esquecermos essa senha,
não será possível restaurar um backup do AD no futuro.




Em "Summary", devemos conferir as opções que selecionamos e então clicar em
"Next" para começar a instalação do Active Directory.




Surgirá a seguinte tela, informando que a instalação e configuração de todas as
opções que tinhamos selecionado estão em andamento.
Finalizado o wizard, é só reinicializar o servidor e já temos o nosso domínio criado,
configurado e em pleno funcionamento!
Pessoal, por hoje é só, na próxima semana iremos ver mais conceitos do Active
Directory e começar a configurá-lo!
Qualquer dúvida ou sugestão, mandem um e-mail para lbanffy@yahoo.com.br.
Um beijo a todos!
Instalando e configurando o FTP no Windows Server
2003
Neste tutorial você aprenderá a instalar e configurar o FTP - com isolamento de usuários - do
Windows Server 2003.

Instalando e configurando o FTP no Windows Server 2003

Esta matéria está dividida em três tutoriais, que se complementam:

1. Instalando e configurando o Windows Server 2003 e IIS 6.0

2. Instalando e configurando o FTP no Windows Server 2003 (este tutorial)

3. Instalando e configurando o Terminal Server no Windows Server 2003

Ao lê-los, você será capaz de:

1. Instalar e configurar o Windows Server 2003

2. Instalar e configurar um site usando o IIS 6.0

3. Instalar e configurar o FTP com isolamento de usuários (um usuário não pode acessar a
pasta de outro)

4. Instalar e configurar o Terminal Server, permitindo acesso remoto aos Administradores ou
usuários pré-determinados

No final do tutorial sobre Terminal Server há três dicas de segurança que devem ser
implementadas para aumentar a segurança do seu servidor.

Instalando e configurando o FTP do Windows Server 2003

O FTP (File Transfer Protocol) permite que você configure o seu servidor para enviar e receber
arquivos, anonimamente ou não. O IIS 6 tem uma novidade: o isolamento de usuários, que é
muito útil quando você tem vários usuários acessando um ou mais sites: com o isolamento
deles, eles não terão acesso às pastas dos demais usuários, tendo seu acesso restrito apenas a
uma pasta pré-definida (e suas sub-pastas).

Para instalar o FTP, clique no botão Iniciar > Painel de Controle> Adicionar/Remover
programas> Adicionar/Remover componentes do Windows > clique em Servidor de aplicativo
> botão Detalhes > duplo-clique em Serviços de informações da Internet (IIS) > Serviço FTP (File
Transfer Protocol). Clique em OK, OK e Avançar e a instalação do FTP será realizada:
Ao instalar o FTP, você notará que uma nova opção Sites FTP foi adicionado no Gerenciador
dos Serviços de Informações de Internet (IIS):
Elimine o Site FTP padrão da mesma forma que fizemos com o IIS: dê um duplo-clique em Sites
FTP > clique com o botão da direita do mouse em Site FTP padrão > Excluir. Confirme a
exclusão. Agora vamos criar o FTP do site EMPRESA1: clique com o botão direito do mouse em
Sites FTP > Novo > site FTP. Em Descrição digite o nome genérico do site (EMPRESA1 no nosso
caso) e clique em Avançar.



Na próxima tela você deve colocar o IP do servidor no primeiro campo. Se você quiser indicar o
IP correto, feche a janela atual para cancelar a criação do site FTP atual e clique no botão
Iniciar > Painel de Controle > Conexões de Rede > Clique na conexão existente (normalmente é
"Conexão Local") > Propriedades > Avançado > dê um duplo-clique em Protocolo TCP/IP.
Coloque ali as informações desejadas (IP, Gateway e DNS) e clique em OK. Agora volte à janela
do Gerenciador do IIS e siga os passos do parágrafo acima: a diferença é que agora o IP que
você forneceu na sua conexão de rede está disponível para ser configurado no IIS.



No campo Porta TCP, deixe como está (21) e se você desejar, digite o cabeçalho de host do site
no campo correto. Clique em Avançar.
Agora você tem três opções para escolher:

Não isolar usuários: os usuários podem acessar as pastas de outros usuários.

Isolar usuários: os usuários não podem acessar as pastas de outros usuários, tendo acesso
apenas à sua pasta e sub-pastas dentro desta.

Isolar usuários utilizando o Active Directory: os usuários não podem acessar as pastas de
outros usuários, tendo sua configuração definida pelo Active Directory.

Escolha a segunda opção (Isolar usuários) e clique em Avançar. No campo Caminho: você deve
informar qual é a pasta que conterá os arquivos do seu site. Clique em Avançar. A seguir você
pode definir o acesso à pasta de FTP (Leitura e/ou Gravação) e clique em Avançar.

Um detalhe importante é que uma vez escolhida a opção de isolamento ou não de usuário,
não há como mudá-la posteriormente: você deverá apagar o site FTP e criar outro.

A configuração do site FTP é similar à configuração do IIS: dê um duplo-clique em Sites FTP >
clique com o botão da direita do mouse no site criado (EMPRESA1 no nosso caso) >
Propriedades.

Nas aba Site FTP temos as opções abaixo:

Descrição: contém o nome genérico do site FTP

Endereço IP: indica o IP do site

Porta TCP: é a porta utilizada para acessar o FTP do site: 21

Conexão de site FTP: define o número máximo de conexões e o tempo-limite de conexão para
definir como inativa

Ativar logs: permite criar arquivos de log de acesso ao servidor (algo importante para
auditoria)

Sessões atuais: mostra todas as conexões ativas ao site FTP
Ao clicar no botão Propriedades você define os parâmetros de criação de arquivos de log:



Clique em Diariamente (para que se crie um arquivo de log por dia), clique em Usar hora local
para nomeação e sobreposição de arquivo para que a data/hora do log seja o mesmo do
servidor (ao usar a hora do W3C, que é a mesma de Greenwich). Em Diretório do arquivo de
log, digite a pasta aonde serão salvos os arquivos de log. Não é necessário fazer mais
modificações: clique em OK.

O ideal é que você mantenha os arquivos de log em uma partição própria pois eles costumam
fragmentar muito a partição aonde estão localizados. Além disso você deve configurar a pasta
de log para compactar os arquivos e sub-pastas ali existentes para que os arquivos de log
ocupem menos espaço no disco (essa dica pode dobrar o espaço livre destinado aos logs pois o
arquivo de log é um arquivo texto que é altamente compactável).

Na aba Contas de segurança você define se conexões anônimas são permitidas ou não. Se você
não permitir o acesso anônimo, isso significa que apenas usuários pré-definidos terão acesso
ao site FTP - e isso pode representar um problema de segurança pois as senhas utilizadas são
transmitidas sem criptografia e podem ser obtidas se houver um sniffer (analisador de
protocolo) monitorando a transmissão de dados:
Na aba Mensagens você tem as opções:




Faixa: permite que se defina uma frase que aparecerá antes da conexão ser completada

Boas-vindas: permite que se defina uma frase que aparecerá assim que a conexão foi
completada

Saída: permite que se defina uma frase que aparecerá assim que a conexão foi finalizada
Nº máximo de conexões: indica o número máximo de conexões permitido no site FTP

A aba Pasta base contém informações sobre a localização da pasta do site FTP, as permissões
dela (Leitura e/ou Gravação), a possibilidade de criar logs de visitantes e o estilo de listagem de
pasta (UNIX ou MS-DOS)

A aba Segurança de diretório permite definir o acesso ou bloqueio de um computador (ou um
grupo deles) de acordo com o IP.

Isolamento de usuários

A configuração do isolamento de usuários (em que cada usuário só tem acesso à sua própria
pasta) tem um único pré-requisito: a criação de uma pasta e sub-pasta dentro do Caminho:
definido na configuração da pasta FTP. A pasta deve se chamar LocalUser e dentro dela devem
haver as pastas com o nome de cada usuário, que serão utilizadas como pasta-base para cada
usuário.

Exemplo: você tem dois usuários (Homer Simpson e Yoda) que devem acessar suas respectivas
pastas em um site cujo caminho local seja a pasta C:LAB2012. Para que cada um deles tenha
acesso somente à sua própria pasta, você deve criar duas sub-pastas dentro de C:LAB2012: a
pasta Homer Simpson e a pasta Yoda. Desta maneira a estrutura das pastas ficará desta
maneira:

C: LAB2012LocalUserHomer Simpson: pasta do usuário Homer Simpson

C: LAB2012LocalUserYoda: pasta do usuário Yoda

Criadas desta maneira, os usuários Homer Simpson e Yoda terão acesso SOMENTE às suas
próprias pastas: se o usuário Homer Simpson quiser acessar outra pasta que não seja
C:LAB2012Homer Simpson, ele não conseguirá.

Para os usuários Homer Simpson e Yoda (bem como qualquer outros usuários) poderem
acessar as suas pastas, você deve criar estes usuários e definir senhas para eles que serão
usadas no login. Para fazer isso, clique no botão Iniciar > Painel de Controle> Ferramentas
Administrativas > Gerenciamento do Computador > duplo-clique em Usuários e Grupos locais >
clique com o botão da direita do mouse em Usuários > Novo usuário.



Digite os dados do usuário, sendo que as únicas informações requeridas são o nome e senha
dos mesmos. Ao criar os usuários, cada um deles terá acesso exclusivo à sua própria pasta,
bastando para isso criar a pasta C:LAB2012LocalUser(nome do usuário). Simples, né ? :) ...



Dica importante: você deve utilizar o sistema de Segurança da partição NTFS para poder definir
as permissões nas pastas de cada usuário. Exemplo: como fazer que o usuário Homer Simpson
tenha acesso à sua própria pasta mas proibi-lo de salvar arquivos ali ? Muito simples: configure
a pasta C:LAB2012LocalUserHomer Simpson para que seja somente leitura para o usuário
Homer Simpson ! (lembre-se que se você desativar a opção de Gravação na pasta principal de
FTP da aba Pasta base, isso impedirá que todos os usuários salvem arquivos nas suas
respectivas pastas)




Na prática:



1. Clique com o botão da direita do mouse na pasta desejada (C:LAB2012LocalUserHomer
Simpson no nosso caso) e clique em Propriedades

2. Clique na aba Segurança e no botão Adicionar

3. Clique no botão Avançado e depois no botão Localizar agora

4. Dê um duplo-clique no usuário desejado (Homer Simpson no nosso caso) e clique em OK:
você voltará na janela principal da aba Segurança

5. Clique no nome do usuário e na opção Gravar/Negar

6. Clique em OK.



Pronto ! Desta maneira o usuário Homer Simpson terá acesso à pasta FTP dele mas não poderá
salvar arquivo ali. Para você definir mais opções para este usuário, clique no botão Avançado e
depois no botão Editar: você terá uma lista de tarefas que poderá permitir ou negar para este
usuário. Isso inclui a criação de pastas, a eliminação de arquivos e muitas outras opções.



Dica: é uma boa idéia você compactar a pasta principal do site FTP (C:LAB2012LocalUserno
nosso caso) para que você economize espaço em disco. Para ativar a compactação, clique no
botão Iniciar > Meu computador > duplo-clique na partição aonde a pasta principal do site FTP
se encontra > clique com o botão da direita do mouse na pasta LocalUser > Propriedades >
Avançados > clique em Compactar o conteúdo para economizar espaço em disco > clique em
OK > clique em Aplicar as alterações a esta pasta, sub-pastas e arquivos e clique em OK.
Quanto menor o número de arquivos ali, mais rápida essa tarefa será finalizada. Depois da
compactação, a pasta ficará com a cor azul, indicando que os dados ali estão compactados.




Conexões anônimas

Muito cuidado ao habilitar a opção de Permitir conexões anônimas na aba Contas de
segurança pois se a opção de Gravação na pasta principal de FTP da aba Pasta base estiver
habilitada, isso permitirá que qualquer internauta salve arquivos no seu servidor.
Configurando um servidor Web no CentOS
.
Como instalar o Apache no CentOS?
A instalação do Apache no CentOS é algo relativamente simples. Para isso basta abrirem o terminal e
inserir o seguinte comando:
yum install httpd

Depois de instalado, o serviço pode ser iniciado através do comando:
/etc/init.d/httpd start

Para verificar se o serviço está a correr correctamente, abram o browser na própria máquina e insiram o
endereço http://localhost




Por omissão, no CentOS a diretoria por omissão para colocar sites é em /var/www/html. Relativamente à
configuração do Apache (será abordado em próximos artigos), o ficheiro principal de configuração
encontra-se em /etc/httpd/conf/httpd.conf
Caso pretendam que o serviço inicie automaticamente após reiniciarem a máquina no runlevel 3 ou 5
(Saber mais sobre RunLevels aqui) devem executar o comando:
chkconfig --levels 235 httpd on



Para este tutorial vamos considerar as seguintes informações/configurações:
    •   Distribuição Linux: CentOS 6.2
    •   IP do servidor: 192.168.1.10
    •   Nome do site1 – wiki.pplware.com
    •   Nome do site2 – forum.pplware.com
    •   Nome do site3 – pplware.com
Para quem está habituado a trabalhar com servidores Web, sabe que configurar este tipo de serviços é
algo que não é muito difícil. No CentOS, a maioria das configurações do Apache é realizada no
ficheiro/etc/httpd/conf/httpd.conf.


Como ter vários sites no Apache usando virtual hosts?
Existem várias configurações que permitem ter vários sites disponíveis num único servidor Web. A forma
mais simples é criando Virtual hosts e essa configuração pode ser facilmente realizada no ficheiro de
configuração do apache. Para terem vários sites no Apache usando Virtual hosts por nome
(também poderíamos ter Virtual Hosts por IP) devem seguir os seguintes passos:
Passo 1 – Para o presente exemplo vamos então abrir o ficheiro /etc/httpd/conf/httpd.conf e criar 3
virtual hosts:
…
NameVirtualHost *:80
<VirtualHost *:80>
DocumentRoot /var/www/html/wiki
ServerName wiki.pplware.com
ErrorLog logs/wiki.pplware.com-error_log
CustomLog logs/wiki.pplware.com-access_log common
</VirtualHost>

<VirtualHost *:80>
DocumentRoot /var/www/html/forum
ServerName forum.pplware.com
ErrorLog logs/forum.pplware.com-error_log
CustomLog logs/forum.pplware.com-access_log common
</VirtualHost>

<VirtualHost *:80>
DocumentRoot /var/www/html/site
ServerName pplware.com
ErrorLog logs/pplware.com-error_log
CustomLog logs/pplware.com-access_log common
</VirtualHost>

…
Exemplo de configuração no ficheiro httpd.conf




Explicação das directivas:
    •   DocumentRoot – indicação da pasta onde está localizado o site
    •   ServerName – Nome associado ao site
As duas linhas finais de cada virtual hosts referem-se aos logs (acesso e erro) para cada site.
Passo 2 (opcional) – Com já referi em artigos anteriores, o serviço de DNS é para mim o “coração” de
uma rede. Em traços gerais, este é responsável por traduzir nomes em IP’s e vice-versa, isto é, quando
escrevemoswww.pplware.com, há uma consulta ao DNS para saber qual o IP correspondente. Quem não
tiver um servidor de DNS disponível para efectuar configurações, pode facilmente colocar a informação no
ficheiro /etc/hosts para testar num ambiente local (No futuro ensinaremos a configurar um servidor de
DNS)
127.0.0.1            wiki.pplware.com
127.0.0.1            forum.pplware.com
127.0.0.1            pplware.com
Exemplo de configuração no ficheiro hosts




Depois de terem realizado as configurações anteriores devem reiniciar o serviço httpd através do
comando:
/etc/init.d/httpd restart
É hora de testar se tudo funciona! Para isso, abram um browser no servidor e introduzam os seguintes
endereços:
  •    http://wiki.pplware.com
  •    http://forum.pplware.com
  • http://pplware.com
Nota importante: A informação contida no ficheiro hosts leva prioridade sobre a informação do servidor
de DNS definido. Assim, caso não necessitem mais das configurações, retirem as mesmas do ficheiro
hosts. Se pretenderem aceder remotamente ao servidor Web, basta configurar os endereços referidos no
ficheiros hosts da máquina remota (se for Windows, vejam aqui como fazer)




Esperamos que este artigo seja de utilidade e esperamos brevemente trazer novas dicas. Se alguém tiver
sugestões, não se esqueça de as deixar nos comentários.
Configurando servidor de DNS no CentOS

O Domain Name System – Sistema de Nomes de Domínio – é de fundamental
importância em uma rede.

O DNS é um sistema hierárquico em árvore invertida. Tem como origem o ponto
(“.”), e a partir daí, os domínios e, abaixo destes, os subdomínios. O nome
completo de um host – FQDN = Full Qualified Domain Name – é composto de
duas partes: a primeira parte identifica o host dentro do domínio e a segunda parte
identifica o domínio.

1 - Pacotes necessários:
Execute os comando abaixo para realizar a instalação dos pacotes.

yum install bind bind-libs bind-utils caching-nameserver -y

Após a instalação dos pacotes acima, podemos visulizar alguns arquivos padrões:

# ls -l /var/named
-rw-r--r-- 1 named named 195 Fev 15 2004 localhost.zone
-rw-r--r-- 1 named named 2518 Fev 15 2004 named.ca
-rw-r--r-- 1 named named 436 Jun 14 2007 named.local

named.ca

Neste arquivo vem por padrão todos os rootserver da internet, ou seja, os
servidores deDNS mundiais . Sua função e interligar todos os servidores do mundo
ou seja se o seu servidor de DNS não sabe onde fica localizado determinado IP
ele faz uma consulta a um rootserver que vai lhe dizer a resposta.

named.local

Neste arquivo vem por padrão a zona local da maquina na entrada do DNS ou seja
o localhost.

localhost.zone

O arquivo de zona reversa ou seja resolver IP pra nome

2 - Um dos primeiros arquivos que iremos alterar será o arquivo host.conf:

Esse arquivo define a ordem de consulta da máquina, que no caso mudaremos
paraDNS depois hosts;

# vim /etc/host.conf
order bind,hosts
multi on

3 - O próximo arquivo que iremos alterar é o hosts

# vim /etc/hosts

127.0.0.0.1 localhost.localdomain localhost
10.1.1.1 servername.domain.com.br servername

O arquivo hosts especifica o nome da máquina e domínio. Neste arquivo devemos
obrigatoriamente ter pelo menos o localhost e nosso próprio IP.

4 - O próximo arquivo a alterarmos é o resolv.conf

# vim /etc/resolv.conf

search domain.com.br
nameserver 10.1.1.1
nameserver 201.21.192.105

No arquivo resolv.conf você irá configurar qual será o domínio e IP do servidor
de DNSque irá utilizar para navegar na internet, ou seja, estamos configurando um
servidor deDNS logo utilizaremos nosso próprio servidor e outro externo.

Vamos agora ao que interessa:

5 - Criando uma Zona de DNS

Vamos editar o arquivo named.conf, nele são cadastradas as zonas, nele também
efetuamos várias configurações opcionais, tipo se você tiver um dns secundário,
permitir replicação, recursos de view interna e view externa, e muitas outras
opções. Vou mostrar abaixo um exemplo de como inserir uma zona master e uma
zona reversa de um domínio:

# vim /etc/named.conf

# Nome da zona master
zone "domain.com.br" IN {
type master;
check-names ignore;
file "domain.com.br";
};

# Nome da zona Reversa
zone "2.168.192.in-addr.arpa" IN {
type master;
check-names ignore;
file "192.168.2.1";
};

Nos parametros file de cada zona indica o nome do arquivo onde serão
cadastrados os hosts e outras opções.

6 - Agora vamos criar os arquivos conforme seus nomes indicados nas
zonas acima.

# touch /var/named/dominio.com.br
# touch /var/named/192.168.2.1

# chown named.named /var/named/dominio.com.br
# chown named.named /var/named/192.168.2.1



7 - Agora vamos ao conteúdo dos arquivos de zonas

Vamos editar o arquivo de zona master do domínio dominio.com.br:

# vim /var/named/dominio.com.br

Segue abaixo o conteúdo do arquivo dominio.com.br que pode ser usado como
template para criação de outros arquivos:


$TTL 86400 ; 1 dia
@ IN SOA servidor.dominio.com.br. root.servidor.dominio.com.br. (
2008092181 ; serial
10800 ; refresh (3 horas)
900 ; retry (15 minutos)
604800 ; expire (1 semana)
86400 ; minimum (1 dia)
)
NS servidor.dominio.com.br.
IN 1H MX 5 mailserver
mailserver IN 1H A 192.168.2.10
webmail IN 1H A 192.168.2.11
fileserver IN 1H A 192.168.2.12

Esse é o conteúdo da zona master do domínio dominio.com.br, salve o arquivo e
saia.
Vamos agora editar o conteudo do arquivo de zona reversa do domínio:

# vim /var/named/192.168.2.1

$TTL 86400 ; 1 dia
@ IN SOA servidor.dominio.com.br. root.servidor.dominio.com.br. (
2008092181 ; serial
10800 ; refresh (3 hotas)
900 ; retry (15 minutos)
604800 ; expire (1 senama)
86400 ; minimum (1 dia)
)
NS servidor.dominio.com.br.
10 PTR mailserver.dominio.com.br.
11 PTR webmail.dominio.com.br.
12 PTR fileserver.dominio.com.br.

Esse é o conteúdo da zona master do domínio 192.168.2.1, salve o arquivo e saia.


Segue abaixo algumas informações sobre os parâmetros do arquivo:


- SOA (start of authority) - ele informa quem é responsável pelo conteúdo.

- serial: um número que identifica a versão de atualização das informações.

- refresh: é o período do ciclo de atualização. A cada ciclo , os servidores
secundários comparam seu número serial com o do servidor primário, e se forem
diferentes, ele executa uma transferência de zona.

- retry: define o tempo que o servidor secundário irá esperar para nova tentativa
se o primário não responder.

- expiry: tempo máximo que um servidor secundário continua respondendo por
uma zona quando não consegue comunicação com o primário.
- minimum: tempo mínimo de vida que a zona tem.




8 - Bom, depois de termos editado os arquivos e lido o cada parâmetro
significa, vamos agora inicializar o serviço e colocar para rodar no boot da
máquina.

Para inicializar execute o comando abaixo:
# service named start

Para que o serviço sempre inicialize no boot execute o seguinte comando:

# chkconfig named on

9 - Agora, por último vamos aos testes

Iremos fazer abaixo um dos testes mais simples que é executar um ping no nome

# ping -c 3 mailserver.dominio.com.br
PING mailserver.dominio.com.br (192.168.2.10) 56(84) bytes of data.
64 bytes from mailserver.dominio.com.br (192.168.2.10): icmp_seq=1 ttl=64 time=0.024 ms
64 bytes from mailserver.dominio.com.br (192.168.2.10): icmp_seq=2 ttl=64 time=0.044 ms
64 bytes from mailserver.dominio.com.br (192.168.2.10): icmp_seq=3 ttl=64 time=0.049 ms



# ping -c 3 webmail.dominio.com.br
PING webmail.dominio.com.br (192.168.2.11) 56(84) bytes of data.
64 bytes from webmail.dominio.com.br (192.168.2.11): icmp_seq=1 ttl=64 time=0.024 ms
64 bytes from webmail.dominio.com.br (192.168.2.11): icmp_seq=2 ttl=64 time=0.044 ms
64 bytes from webmail.dominio.com.br (192.168.2.11): icmp_seq=3 ttl=64 time=0.049 ms


# ping -c 3 fileserver.dominio.com.br
PING fileserver.dominio.com.br (192.168.2.12) 56(84) bytes of data.
64 bytes from fileserver.dominio.com.br (192.168.2.12): icmp_seq=1 ttl=64 time=0.024 ms
64 bytes from fileserver.dominio.com.br(192.168.2.12): icmp_seq=2 ttl=64 time=0.044 ms
64 bytes from fileserver.dominio.com.br(192.168.2.12): icmp_seq=3 ttl=64 time=0.049 ms



Para testar se o reverso do seu endereço está funcionando, isso é muito
importante para os servidores de email execute o comando abaixo:

# host mailserver.dominio.com.br
mailserver.dominio.com.br has address 192.168.2.10

# host webmail.dominio.com.br
webmail.dominio.com.br has address 192.168.2.11

# host fileserver.dominio.com.br
fileserver.dominio.com.br has address 192.168.2.12

Existem outros comandos bem mais completos que consultam outros parâmetros
dos registros de dns
* dig
* nslookup

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tcvb2 rui tavares_windows_server_2012_v1
Tcvb2 rui tavares_windows_server_2012_v1Tcvb2 rui tavares_windows_server_2012_v1
Tcvb2 rui tavares_windows_server_2012_v1ruitavares998
 
Manual de instalação do windows server 2003
Manual de instalação do windows server 2003Manual de instalação do windows server 2003
Manual de instalação do windows server 2003joaopriostexx
 
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2zkcarvalho
 
Windows 2003 guia_completo
Windows 2003 guia_completoWindows 2003 guia_completo
Windows 2003 guia_completocleanrail
 
S.o. windows server2008
S.o. windows server2008S.o. windows server2008
S.o. windows server2008teacherpereira
 
Módulo 16 Instalação do DSpace 3.x Windows Linux
Módulo 16 Instalação do DSpace 3.x Windows LinuxMódulo 16 Instalação do DSpace 3.x Windows Linux
Módulo 16 Instalação do DSpace 3.x Windows LinuxRodrigo Prado
 
Introdução ao jabber
Introdução ao jabberIntrodução ao jabber
Introdução ao jabbergrolibest
 
Instalação DSpace 4.x Windows
Instalação DSpace 4.x WindowsInstalação DSpace 4.x Windows
Instalação DSpace 4.x WindowsRodrigo De Jesus
 

Mais procurados (19)

724
724724
724
 
Tcvb2 rui tavares_windows_server_2012_v1
Tcvb2 rui tavares_windows_server_2012_v1Tcvb2 rui tavares_windows_server_2012_v1
Tcvb2 rui tavares_windows_server_2012_v1
 
Manual de instalação do windows server 2003
Manual de instalação do windows server 2003Manual de instalação do windows server 2003
Manual de instalação do windows server 2003
 
Passo a passo instalação do ad ds
Passo a passo instalação do ad dsPasso a passo instalação do ad ds
Passo a passo instalação do ad ds
 
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2
Configurando passo a-passo o wsus 3.0 sp2
 
Oracle
OracleOracle
Oracle
 
Unidade O5
Unidade O5Unidade O5
Unidade O5
 
Windows 2003 guia_completo
Windows 2003 guia_completoWindows 2003 guia_completo
Windows 2003 guia_completo
 
1107
11071107
1107
 
1106
11061106
1106
 
S.o. windows server2008
S.o. windows server2008S.o. windows server2008
S.o. windows server2008
 
Aula13semana
Aula13semanaAula13semana
Aula13semana
 
Módulo 16 Instalação do DSpace 3.x Windows Linux
Módulo 16 Instalação do DSpace 3.x Windows LinuxMódulo 16 Instalação do DSpace 3.x Windows Linux
Módulo 16 Instalação do DSpace 3.x Windows Linux
 
Instalação e configuração
Instalação e configuraçãoInstalação e configuração
Instalação e configuração
 
Introdução ao jabber
Introdução ao jabberIntrodução ao jabber
Introdução ao jabber
 
trabalho de aise
trabalho de aisetrabalho de aise
trabalho de aise
 
Instalação DSpace 4.x Windows
Instalação DSpace 4.x WindowsInstalação DSpace 4.x Windows
Instalação DSpace 4.x Windows
 
Instalação de Servidor de Arquivo
Instalação de Servidor de ArquivoInstalação de Servidor de Arquivo
Instalação de Servidor de Arquivo
 
Instalação Windows 7 Beta
Instalação Windows 7 BetaInstalação Windows 7 Beta
Instalação Windows 7 Beta
 

Semelhante a Tutorial fundamentos s.o

Projeto jorge,jefff, matheus
Projeto   jorge,jefff, matheusProjeto   jorge,jefff, matheus
Projeto jorge,jefff, matheusEadanalise
 
Implementandoservidordnsnowindows2003
Implementandoservidordnsnowindows2003Implementandoservidordnsnowindows2003
Implementandoservidordnsnowindows2003fernandomeschini
 
Redes windows e linux instalando o active directory
Redes windows e linux   instalando o active directoryRedes windows e linux   instalando o active directory
Redes windows e linux instalando o active directoryTalita Travassos
 
Manual Nuxeo DM 5.4.2 para os profissionais da infomação
Manual Nuxeo DM 5.4.2 para os profissionais da infomaçãoManual Nuxeo DM 5.4.2 para os profissionais da infomação
Manual Nuxeo DM 5.4.2 para os profissionais da infomaçãoSérgio Lampert
 
Configurando o FTP no Windows 2008 Server
Configurando o FTP no Windows 2008 ServerConfigurando o FTP no Windows 2008 Server
Configurando o FTP no Windows 2008 ServerAparicio Junior
 
Microsoft word instalar ad ds no windows server 2008 r2.doc
Microsoft word   instalar ad ds no windows server 2008 r2.docMicrosoft word   instalar ad ds no windows server 2008 r2.doc
Microsoft word instalar ad ds no windows server 2008 r2.docJoão Freire Abramowicz
 
Configurando controle de versões Team Foundation Server(TFS)
Configurando controle de versões Team Foundation Server(TFS) Configurando controle de versões Team Foundation Server(TFS)
Configurando controle de versões Team Foundation Server(TFS) maxcnunes
 
Configurando o ftp - ubuntu server
Configurando o ftp - ubuntu serverConfigurando o ftp - ubuntu server
Configurando o ftp - ubuntu serverAparicio Junior
 
Como Instalar O WordPress
Como Instalar O WordPressComo Instalar O WordPress
Como Instalar O WordPressmauricio souza
 
Solução de rede ms workgroup
Solução de rede ms   workgroupSolução de rede ms   workgroup
Solução de rede ms workgroupJoão Dias
 
Instalação do jdk 8 e netbeans no WINDOWS
Instalação do jdk 8 e netbeans no WINDOWSInstalação do jdk 8 e netbeans no WINDOWS
Instalação do jdk 8 e netbeans no WINDOWSMatheus Coutinho
 
Aprenda a instalar o windows 10 no virtual box
Aprenda a instalar o windows 10 no virtual boxAprenda a instalar o windows 10 no virtual box
Aprenda a instalar o windows 10 no virtual boxJulio Filho
 
Instalacao Le3 Bancadas Sed
Instalacao Le3 Bancadas SedInstalacao Le3 Bancadas Sed
Instalacao Le3 Bancadas Sedmaureen3008
 
Tutorial do ris serviços de instalação remota
Tutorial do ris   serviços de instalação remotaTutorial do ris   serviços de instalação remota
Tutorial do ris serviços de instalação remotafernandao777
 
Introdução ao windows server
Introdução ao windows serverIntrodução ao windows server
Introdução ao windows serverGuiTelmoRicardo
 

Semelhante a Tutorial fundamentos s.o (20)

Projeto jorge,jefff, matheus
Projeto   jorge,jefff, matheusProjeto   jorge,jefff, matheus
Projeto jorge,jefff, matheus
 
Implementandoservidordnsnowindows2003
Implementandoservidordnsnowindows2003Implementandoservidordnsnowindows2003
Implementandoservidordnsnowindows2003
 
Redes windows e linux instalando o active directory
Redes windows e linux   instalando o active directoryRedes windows e linux   instalando o active directory
Redes windows e linux instalando o active directory
 
Windows 2000 ad
Windows 2000  adWindows 2000  ad
Windows 2000 ad
 
Passo a passo instalação do ad ds
Passo a passo instalação do ad dsPasso a passo instalação do ad ds
Passo a passo instalação do ad ds
 
Manual Nuxeo DM 5.4.2 para os profissionais da infomação
Manual Nuxeo DM 5.4.2 para os profissionais da infomaçãoManual Nuxeo DM 5.4.2 para os profissionais da infomação
Manual Nuxeo DM 5.4.2 para os profissionais da infomação
 
Configurando o FTP no Windows 2008 Server
Configurando o FTP no Windows 2008 ServerConfigurando o FTP no Windows 2008 Server
Configurando o FTP no Windows 2008 Server
 
Microsoft word instalar ad ds no windows server 2008 r2.doc
Microsoft word   instalar ad ds no windows server 2008 r2.docMicrosoft word   instalar ad ds no windows server 2008 r2.doc
Microsoft word instalar ad ds no windows server 2008 r2.doc
 
Configurando controle de versões Team Foundation Server(TFS)
Configurando controle de versões Team Foundation Server(TFS) Configurando controle de versões Team Foundation Server(TFS)
Configurando controle de versões Team Foundation Server(TFS)
 
Configurando o ftp - ubuntu server
Configurando o ftp - ubuntu serverConfigurando o ftp - ubuntu server
Configurando o ftp - ubuntu server
 
Como Instalar O WordPress
Como Instalar O WordPressComo Instalar O WordPress
Como Instalar O WordPress
 
Solução de rede ms workgroup
Solução de rede ms   workgroupSolução de rede ms   workgroup
Solução de rede ms workgroup
 
Instalação do jdk 8 e netbeans no WINDOWS
Instalação do jdk 8 e netbeans no WINDOWSInstalação do jdk 8 e netbeans no WINDOWS
Instalação do jdk 8 e netbeans no WINDOWS
 
Revisão Windows Server
Revisão Windows ServerRevisão Windows Server
Revisão Windows Server
 
Instalação do Exchange
Instalação do ExchangeInstalação do Exchange
Instalação do Exchange
 
Aprenda a instalar o windows 10 no virtual box
Aprenda a instalar o windows 10 no virtual boxAprenda a instalar o windows 10 no virtual box
Aprenda a instalar o windows 10 no virtual box
 
Instalacao Le3 Bancadas Sed
Instalacao Le3 Bancadas SedInstalacao Le3 Bancadas Sed
Instalacao Le3 Bancadas Sed
 
Sos final
Sos finalSos final
Sos final
 
Tutorial do ris serviços de instalação remota
Tutorial do ris   serviços de instalação remotaTutorial do ris   serviços de instalação remota
Tutorial do ris serviços de instalação remota
 
Introdução ao windows server
Introdução ao windows serverIntrodução ao windows server
Introdução ao windows server
 

Mais de Diego Souza

Ransomware all locked up book
Ransomware all locked up bookRansomware all locked up book
Ransomware all locked up bookDiego Souza
 
CASE-BPMN - BMM
CASE-BPMN - BMM CASE-BPMN - BMM
CASE-BPMN - BMM Diego Souza
 
Apresentação bmm
Apresentação bmmApresentação bmm
Apresentação bmmDiego Souza
 
CASE COBIT - ISHIKAWA
CASE  COBIT - ISHIKAWACASE  COBIT - ISHIKAWA
CASE COBIT - ISHIKAWADiego Souza
 
Gerenciamento de Serviços de TI - ISO\IEC 20000
Gerenciamento de Serviços de TI - ISO\IEC 20000Gerenciamento de Serviços de TI - ISO\IEC 20000
Gerenciamento de Serviços de TI - ISO\IEC 20000Diego Souza
 
Marco Civil da Internet
Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet
Marco Civil da Internet Diego Souza
 
Como escrever relatórios e laudos de forense computacional e análise de malwares
Como escrever relatórios e laudos de forense computacional e análise de malwaresComo escrever relatórios e laudos de forense computacional e análise de malwares
Como escrever relatórios e laudos de forense computacional e análise de malwaresDiego Souza
 
Política de Segurança da Informação – Introdução ao Desenvolvimento
Política de Segurança da Informação – Introdução ao DesenvolvimentoPolítica de Segurança da Informação – Introdução ao Desenvolvimento
Política de Segurança da Informação – Introdução ao DesenvolvimentoDiego Souza
 
ENGENHARIA SOCIAL: EXPLORANDO O ELO MAIS FRACO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO
ENGENHARIA SOCIAL: EXPLORANDO O ELO MAIS FRACO DA  SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ENGENHARIA SOCIAL: EXPLORANDO O ELO MAIS FRACO DA  SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO
ENGENHARIA SOCIAL: EXPLORANDO O ELO MAIS FRACO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Diego Souza
 
Politica de segurança da informação definição importância elaboração e imple...
Politica de segurança da informação definição  importância elaboração e imple...Politica de segurança da informação definição  importância elaboração e imple...
Politica de segurança da informação definição importância elaboração e imple...Diego Souza
 
Alinhar a ti ao negócio e não o negócio à ti
Alinhar a ti ao negócio e não o negócio à tiAlinhar a ti ao negócio e não o negócio à ti
Alinhar a ti ao negócio e não o negócio à tiDiego Souza
 
Gerenciamento de Serviço de TI - ITIL
Gerenciamento de Serviço de TI - ITILGerenciamento de Serviço de TI - ITIL
Gerenciamento de Serviço de TI - ITILDiego Souza
 
Trabalho maltego (1)
Trabalho maltego (1)Trabalho maltego (1)
Trabalho maltego (1)Diego Souza
 
Tutorial de Configuranção do TRUECRYPT no Pen Drive
Tutorial de Configuranção do TRUECRYPT no Pen DriveTutorial de Configuranção do TRUECRYPT no Pen Drive
Tutorial de Configuranção do TRUECRYPT no Pen DriveDiego Souza
 
Práticas e Modelos de Segurança
Práticas e Modelos de SegurançaPráticas e Modelos de Segurança
Práticas e Modelos de SegurançaDiego Souza
 
Estado da arte do controle de acesso
Estado da arte do controle de acesso Estado da arte do controle de acesso
Estado da arte do controle de acesso Diego Souza
 

Mais de Diego Souza (20)

Ransomware all locked up book
Ransomware all locked up bookRansomware all locked up book
Ransomware all locked up book
 
CASE-BPMN - BMM
CASE-BPMN - BMM CASE-BPMN - BMM
CASE-BPMN - BMM
 
Apresentação bmm
Apresentação bmmApresentação bmm
Apresentação bmm
 
CASE COBIT - ISHIKAWA
CASE  COBIT - ISHIKAWACASE  COBIT - ISHIKAWA
CASE COBIT - ISHIKAWA
 
Exin
ExinExin
Exin
 
Gerenciamento de Serviços de TI - ISO\IEC 20000
Gerenciamento de Serviços de TI - ISO\IEC 20000Gerenciamento de Serviços de TI - ISO\IEC 20000
Gerenciamento de Serviços de TI - ISO\IEC 20000
 
Marco Civil da Internet
Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet
Marco Civil da Internet
 
Como escrever relatórios e laudos de forense computacional e análise de malwares
Como escrever relatórios e laudos de forense computacional e análise de malwaresComo escrever relatórios e laudos de forense computacional e análise de malwares
Como escrever relatórios e laudos de forense computacional e análise de malwares
 
Política de Segurança da Informação – Introdução ao Desenvolvimento
Política de Segurança da Informação – Introdução ao DesenvolvimentoPolítica de Segurança da Informação – Introdução ao Desenvolvimento
Política de Segurança da Informação – Introdução ao Desenvolvimento
 
ENGENHARIA SOCIAL: EXPLORANDO O ELO MAIS FRACO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO
ENGENHARIA SOCIAL: EXPLORANDO O ELO MAIS FRACO DA  SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ENGENHARIA SOCIAL: EXPLORANDO O ELO MAIS FRACO DA  SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO
ENGENHARIA SOCIAL: EXPLORANDO O ELO MAIS FRACO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO
 
Politica de segurança da informação definição importância elaboração e imple...
Politica de segurança da informação definição  importância elaboração e imple...Politica de segurança da informação definição  importância elaboração e imple...
Politica de segurança da informação definição importância elaboração e imple...
 
Alinhar a ti ao negócio e não o negócio à ti
Alinhar a ti ao negócio e não o negócio à tiAlinhar a ti ao negócio e não o negócio à ti
Alinhar a ti ao negócio e não o negócio à ti
 
Gerenciamento de Serviço de TI - ITIL
Gerenciamento de Serviço de TI - ITILGerenciamento de Serviço de TI - ITIL
Gerenciamento de Serviço de TI - ITIL
 
Psm i
Psm iPsm i
Psm i
 
Diego souza
Diego souzaDiego souza
Diego souza
 
Trabalho maltego (1)
Trabalho maltego (1)Trabalho maltego (1)
Trabalho maltego (1)
 
Tutorial de Configuranção do TRUECRYPT no Pen Drive
Tutorial de Configuranção do TRUECRYPT no Pen DriveTutorial de Configuranção do TRUECRYPT no Pen Drive
Tutorial de Configuranção do TRUECRYPT no Pen Drive
 
Analise de Logs
Analise de LogsAnalise de Logs
Analise de Logs
 
Práticas e Modelos de Segurança
Práticas e Modelos de SegurançaPráticas e Modelos de Segurança
Práticas e Modelos de Segurança
 
Estado da arte do controle de acesso
Estado da arte do controle de acesso Estado da arte do controle de acesso
Estado da arte do controle de acesso
 

Tutorial fundamentos s.o

  • 1. DIEGO SOUZA / IGOR ANTONIO / LEANDRO ALBERTO TEMA: FUNDAMENTOS DO S.O UNIVERCIDADE ESTÁCIO DE SÁ RIO DE JANEIRO 2012
  • 2. DIEGO SOUZA / IGOR ANTONIO / LEANDRO ALBERTO TEMA: TUTORIAL Trabalho apresentado à disciplina Fundamentos de Sistemas Operacionais, professor Mario Cavalcante. UNIVERCIDADE ESTÁCIO DE SÁ RIO DE JANEIRO 2012
  • 3. Sumário Criando um domínio no Windows 2003..........................................................................................4 Instalando e configurando FTP no Windows 2003.......................................................................12 Configurando servidor Web no Linux............................................................................................21 Configurando um Servidor DNS. No Linux..................................................................................24
  • 4. Active Directory - Criação de seu primeiro domínio Windows 2003 Depois de ter instalado o seu servidor Windows Server 2003 (não é possível instalar o AD junto com a instalação do Windows), vamos instalar o AD, ou seja, promovê-lo a Domain Controller.. Antes de começarmos, vamos analisar alguns requerimentos mínimos; para poder instalar o Active Directory precisamos: - Um servidor Windows Server 2003, Standard Edition, Enterprise Edition ou Datacenter Edition. Não podemos instalar o AD em um servidor Windows Server 2003, Web Edition. - No mínimo 250MB de espaço livre. 200 MB são para a base de dados do Active Directory e 50 MB para os arquivos de log. - Um volume formatado com NTFS para a pasta SYSVOL. - Possuir um servidor DNS instalado e configurado. (Não é um requerimento obrigatório, já que a instalação do AD pode instalar e configurar um servidor DNS em nosso computador). Requerimentos mínimos atendidos, podemos começar a nossa instalação. Para começarmos, vamos em: Start ' Run. Em "Run", digitamos "dcpromo". Com esse comando, iremos inicializar o Wizard de instalação do AD. Na primeira tela do Wizard, clique em Next.
  • 5. Na tela do aviso de compatibilidade, clique novamente em "Next". Em "Domain Controller type", selecione a opção "Domain Controller for a new Domain" (Lembre-se que estamos criando um novo domain controller para um novo domínio) e clique em Next.
  • 6. Em "Create a New Domain", selecione a primeira opção "Domain in a new Forest". Com essa opção, estamos informando que além de desejarmos criar um domínio novo, estamos criando uma nova floresta Windows Server 2003. Em "New Domain Name" colocamos um nome para o domínio que estamos criando. Podemos escolher qualquer nome, porém se tivermos um domínio registrado na internet, é muito interessante que esse nome seja igual ao da internet. No nosso caso, vamos colocar "empresa1.com.br", e clicarmos em Next.
  • 7. Depois em "NetBIOS Domain Name" especificamos o nome NetBIOS do nosso domínio. Esse é nome usado por clientes anteriores ao Windows 2000 para acessar o domínio. Por padrão ele vem preenchido com a primeira parte do nome DNS do nosso domínio. Vale a pena deixa o nome padrão. Em "Database and Log Folders" especificamos onde ficarão a base de dados do Active Directory e os arquivos de log. É recomendado deixar as pastas em partições diferentes para obter uma melhor performance, porém não há problemas em colocá-los na mesma partição, como é o seu padrão.
  • 8. Em "Shared system Volume" , vamos escolher uma localização para a pasta SYSVOL. A pasta SYSVOL é uma pasta muito importante para a replicação do AD e distribuição de políticas de segurança - Group Policies (Ainda vamos falar muito dela!). Devemos colocar a pasta SYSVOL em um volume formatado com NTFS e escolher muito bem o seu local, pois não poderemos modificá-lo depois! Depois, se não tivermos um Servidor DNS configurado em nossa rede (não precisa ser necessáriamente no servidor em que estamos instalando o AD), irá aparecer o item "DNS Registration Diagnostics". Se desejarmos que o wizard instale e configure o DNS em nosso servidor, devemso clicar na opção "Install and configure the DNS server on this computer, and set this computer to use this DNS server as its preferred DNS server."
  • 9. Ou então poderemos escolher instalar o DNS manualmente após a instalação do AD marcando a opção: "I will correct the problem later by configuring DNS manually". Escolhida opção, clique em Next. Em "Permissions" selecione o tipo de permissões que você deseja configurar. Se tivermos ainda servidores anteriores ao Windows 2000, devemos selecionar a primeira opção"Permissionas compatible with pre-Windows 2000 server operating system". Se só tivermos servidores Windows 2000 ou 2003, devemos selecionar a opção "Permissionas compatible only with Windows 2000 or Windows .NET server operating systems". Depois de selecionada a opção, clique em Next.
  • 10. Em "Directory Services Restore Mode Administrator Password" devemos informar uma senha para a restauração de um backup do AD. Se esquecermos essa senha, não será possível restaurar um backup do AD no futuro. Em "Summary", devemos conferir as opções que selecionamos e então clicar em "Next" para começar a instalação do Active Directory. Surgirá a seguinte tela, informando que a instalação e configuração de todas as opções que tinhamos selecionado estão em andamento.
  • 11. Finalizado o wizard, é só reinicializar o servidor e já temos o nosso domínio criado, configurado e em pleno funcionamento! Pessoal, por hoje é só, na próxima semana iremos ver mais conceitos do Active Directory e começar a configurá-lo! Qualquer dúvida ou sugestão, mandem um e-mail para lbanffy@yahoo.com.br. Um beijo a todos!
  • 12. Instalando e configurando o FTP no Windows Server 2003 Neste tutorial você aprenderá a instalar e configurar o FTP - com isolamento de usuários - do Windows Server 2003. Instalando e configurando o FTP no Windows Server 2003 Esta matéria está dividida em três tutoriais, que se complementam: 1. Instalando e configurando o Windows Server 2003 e IIS 6.0 2. Instalando e configurando o FTP no Windows Server 2003 (este tutorial) 3. Instalando e configurando o Terminal Server no Windows Server 2003 Ao lê-los, você será capaz de: 1. Instalar e configurar o Windows Server 2003 2. Instalar e configurar um site usando o IIS 6.0 3. Instalar e configurar o FTP com isolamento de usuários (um usuário não pode acessar a pasta de outro) 4. Instalar e configurar o Terminal Server, permitindo acesso remoto aos Administradores ou usuários pré-determinados No final do tutorial sobre Terminal Server há três dicas de segurança que devem ser implementadas para aumentar a segurança do seu servidor. Instalando e configurando o FTP do Windows Server 2003 O FTP (File Transfer Protocol) permite que você configure o seu servidor para enviar e receber arquivos, anonimamente ou não. O IIS 6 tem uma novidade: o isolamento de usuários, que é muito útil quando você tem vários usuários acessando um ou mais sites: com o isolamento deles, eles não terão acesso às pastas dos demais usuários, tendo seu acesso restrito apenas a uma pasta pré-definida (e suas sub-pastas). Para instalar o FTP, clique no botão Iniciar > Painel de Controle> Adicionar/Remover programas> Adicionar/Remover componentes do Windows > clique em Servidor de aplicativo > botão Detalhes > duplo-clique em Serviços de informações da Internet (IIS) > Serviço FTP (File Transfer Protocol). Clique em OK, OK e Avançar e a instalação do FTP será realizada:
  • 13. Ao instalar o FTP, você notará que uma nova opção Sites FTP foi adicionado no Gerenciador dos Serviços de Informações de Internet (IIS):
  • 14. Elimine o Site FTP padrão da mesma forma que fizemos com o IIS: dê um duplo-clique em Sites FTP > clique com o botão da direita do mouse em Site FTP padrão > Excluir. Confirme a exclusão. Agora vamos criar o FTP do site EMPRESA1: clique com o botão direito do mouse em Sites FTP > Novo > site FTP. Em Descrição digite o nome genérico do site (EMPRESA1 no nosso caso) e clique em Avançar. Na próxima tela você deve colocar o IP do servidor no primeiro campo. Se você quiser indicar o IP correto, feche a janela atual para cancelar a criação do site FTP atual e clique no botão Iniciar > Painel de Controle > Conexões de Rede > Clique na conexão existente (normalmente é "Conexão Local") > Propriedades > Avançado > dê um duplo-clique em Protocolo TCP/IP. Coloque ali as informações desejadas (IP, Gateway e DNS) e clique em OK. Agora volte à janela do Gerenciador do IIS e siga os passos do parágrafo acima: a diferença é que agora o IP que você forneceu na sua conexão de rede está disponível para ser configurado no IIS. No campo Porta TCP, deixe como está (21) e se você desejar, digite o cabeçalho de host do site no campo correto. Clique em Avançar.
  • 15. Agora você tem três opções para escolher: Não isolar usuários: os usuários podem acessar as pastas de outros usuários. Isolar usuários: os usuários não podem acessar as pastas de outros usuários, tendo acesso apenas à sua pasta e sub-pastas dentro desta. Isolar usuários utilizando o Active Directory: os usuários não podem acessar as pastas de outros usuários, tendo sua configuração definida pelo Active Directory. Escolha a segunda opção (Isolar usuários) e clique em Avançar. No campo Caminho: você deve informar qual é a pasta que conterá os arquivos do seu site. Clique em Avançar. A seguir você pode definir o acesso à pasta de FTP (Leitura e/ou Gravação) e clique em Avançar. Um detalhe importante é que uma vez escolhida a opção de isolamento ou não de usuário, não há como mudá-la posteriormente: você deverá apagar o site FTP e criar outro. A configuração do site FTP é similar à configuração do IIS: dê um duplo-clique em Sites FTP > clique com o botão da direita do mouse no site criado (EMPRESA1 no nosso caso) > Propriedades. Nas aba Site FTP temos as opções abaixo: Descrição: contém o nome genérico do site FTP Endereço IP: indica o IP do site Porta TCP: é a porta utilizada para acessar o FTP do site: 21 Conexão de site FTP: define o número máximo de conexões e o tempo-limite de conexão para definir como inativa Ativar logs: permite criar arquivos de log de acesso ao servidor (algo importante para auditoria) Sessões atuais: mostra todas as conexões ativas ao site FTP
  • 16. Ao clicar no botão Propriedades você define os parâmetros de criação de arquivos de log: Clique em Diariamente (para que se crie um arquivo de log por dia), clique em Usar hora local para nomeação e sobreposição de arquivo para que a data/hora do log seja o mesmo do servidor (ao usar a hora do W3C, que é a mesma de Greenwich). Em Diretório do arquivo de log, digite a pasta aonde serão salvos os arquivos de log. Não é necessário fazer mais modificações: clique em OK. O ideal é que você mantenha os arquivos de log em uma partição própria pois eles costumam fragmentar muito a partição aonde estão localizados. Além disso você deve configurar a pasta de log para compactar os arquivos e sub-pastas ali existentes para que os arquivos de log ocupem menos espaço no disco (essa dica pode dobrar o espaço livre destinado aos logs pois o arquivo de log é um arquivo texto que é altamente compactável). Na aba Contas de segurança você define se conexões anônimas são permitidas ou não. Se você não permitir o acesso anônimo, isso significa que apenas usuários pré-definidos terão acesso ao site FTP - e isso pode representar um problema de segurança pois as senhas utilizadas são transmitidas sem criptografia e podem ser obtidas se houver um sniffer (analisador de protocolo) monitorando a transmissão de dados:
  • 17. Na aba Mensagens você tem as opções: Faixa: permite que se defina uma frase que aparecerá antes da conexão ser completada Boas-vindas: permite que se defina uma frase que aparecerá assim que a conexão foi completada Saída: permite que se defina uma frase que aparecerá assim que a conexão foi finalizada
  • 18. Nº máximo de conexões: indica o número máximo de conexões permitido no site FTP A aba Pasta base contém informações sobre a localização da pasta do site FTP, as permissões dela (Leitura e/ou Gravação), a possibilidade de criar logs de visitantes e o estilo de listagem de pasta (UNIX ou MS-DOS) A aba Segurança de diretório permite definir o acesso ou bloqueio de um computador (ou um grupo deles) de acordo com o IP. Isolamento de usuários A configuração do isolamento de usuários (em que cada usuário só tem acesso à sua própria pasta) tem um único pré-requisito: a criação de uma pasta e sub-pasta dentro do Caminho: definido na configuração da pasta FTP. A pasta deve se chamar LocalUser e dentro dela devem haver as pastas com o nome de cada usuário, que serão utilizadas como pasta-base para cada usuário. Exemplo: você tem dois usuários (Homer Simpson e Yoda) que devem acessar suas respectivas pastas em um site cujo caminho local seja a pasta C:LAB2012. Para que cada um deles tenha acesso somente à sua própria pasta, você deve criar duas sub-pastas dentro de C:LAB2012: a pasta Homer Simpson e a pasta Yoda. Desta maneira a estrutura das pastas ficará desta maneira: C: LAB2012LocalUserHomer Simpson: pasta do usuário Homer Simpson C: LAB2012LocalUserYoda: pasta do usuário Yoda Criadas desta maneira, os usuários Homer Simpson e Yoda terão acesso SOMENTE às suas próprias pastas: se o usuário Homer Simpson quiser acessar outra pasta que não seja C:LAB2012Homer Simpson, ele não conseguirá. Para os usuários Homer Simpson e Yoda (bem como qualquer outros usuários) poderem acessar as suas pastas, você deve criar estes usuários e definir senhas para eles que serão usadas no login. Para fazer isso, clique no botão Iniciar > Painel de Controle> Ferramentas Administrativas > Gerenciamento do Computador > duplo-clique em Usuários e Grupos locais > clique com o botão da direita do mouse em Usuários > Novo usuário. Digite os dados do usuário, sendo que as únicas informações requeridas são o nome e senha dos mesmos. Ao criar os usuários, cada um deles terá acesso exclusivo à sua própria pasta, bastando para isso criar a pasta C:LAB2012LocalUser(nome do usuário). Simples, né ? :) ... Dica importante: você deve utilizar o sistema de Segurança da partição NTFS para poder definir as permissões nas pastas de cada usuário. Exemplo: como fazer que o usuário Homer Simpson tenha acesso à sua própria pasta mas proibi-lo de salvar arquivos ali ? Muito simples: configure a pasta C:LAB2012LocalUserHomer Simpson para que seja somente leitura para o usuário Homer Simpson ! (lembre-se que se você desativar a opção de Gravação na pasta principal de
  • 19. FTP da aba Pasta base, isso impedirá que todos os usuários salvem arquivos nas suas respectivas pastas) Na prática: 1. Clique com o botão da direita do mouse na pasta desejada (C:LAB2012LocalUserHomer Simpson no nosso caso) e clique em Propriedades 2. Clique na aba Segurança e no botão Adicionar 3. Clique no botão Avançado e depois no botão Localizar agora 4. Dê um duplo-clique no usuário desejado (Homer Simpson no nosso caso) e clique em OK: você voltará na janela principal da aba Segurança 5. Clique no nome do usuário e na opção Gravar/Negar 6. Clique em OK. Pronto ! Desta maneira o usuário Homer Simpson terá acesso à pasta FTP dele mas não poderá salvar arquivo ali. Para você definir mais opções para este usuário, clique no botão Avançado e
  • 20. depois no botão Editar: você terá uma lista de tarefas que poderá permitir ou negar para este usuário. Isso inclui a criação de pastas, a eliminação de arquivos e muitas outras opções. Dica: é uma boa idéia você compactar a pasta principal do site FTP (C:LAB2012LocalUserno nosso caso) para que você economize espaço em disco. Para ativar a compactação, clique no botão Iniciar > Meu computador > duplo-clique na partição aonde a pasta principal do site FTP se encontra > clique com o botão da direita do mouse na pasta LocalUser > Propriedades > Avançados > clique em Compactar o conteúdo para economizar espaço em disco > clique em OK > clique em Aplicar as alterações a esta pasta, sub-pastas e arquivos e clique em OK. Quanto menor o número de arquivos ali, mais rápida essa tarefa será finalizada. Depois da compactação, a pasta ficará com a cor azul, indicando que os dados ali estão compactados. Conexões anônimas Muito cuidado ao habilitar a opção de Permitir conexões anônimas na aba Contas de segurança pois se a opção de Gravação na pasta principal de FTP da aba Pasta base estiver habilitada, isso permitirá que qualquer internauta salve arquivos no seu servidor.
  • 21. Configurando um servidor Web no CentOS . Como instalar o Apache no CentOS? A instalação do Apache no CentOS é algo relativamente simples. Para isso basta abrirem o terminal e inserir o seguinte comando: yum install httpd Depois de instalado, o serviço pode ser iniciado através do comando: /etc/init.d/httpd start Para verificar se o serviço está a correr correctamente, abram o browser na própria máquina e insiram o endereço http://localhost Por omissão, no CentOS a diretoria por omissão para colocar sites é em /var/www/html. Relativamente à configuração do Apache (será abordado em próximos artigos), o ficheiro principal de configuração encontra-se em /etc/httpd/conf/httpd.conf Caso pretendam que o serviço inicie automaticamente após reiniciarem a máquina no runlevel 3 ou 5 (Saber mais sobre RunLevels aqui) devem executar o comando: chkconfig --levels 235 httpd on Para este tutorial vamos considerar as seguintes informações/configurações: • Distribuição Linux: CentOS 6.2 • IP do servidor: 192.168.1.10 • Nome do site1 – wiki.pplware.com • Nome do site2 – forum.pplware.com • Nome do site3 – pplware.com
  • 22. Para quem está habituado a trabalhar com servidores Web, sabe que configurar este tipo de serviços é algo que não é muito difícil. No CentOS, a maioria das configurações do Apache é realizada no ficheiro/etc/httpd/conf/httpd.conf. Como ter vários sites no Apache usando virtual hosts? Existem várias configurações que permitem ter vários sites disponíveis num único servidor Web. A forma mais simples é criando Virtual hosts e essa configuração pode ser facilmente realizada no ficheiro de configuração do apache. Para terem vários sites no Apache usando Virtual hosts por nome (também poderíamos ter Virtual Hosts por IP) devem seguir os seguintes passos: Passo 1 – Para o presente exemplo vamos então abrir o ficheiro /etc/httpd/conf/httpd.conf e criar 3 virtual hosts: … NameVirtualHost *:80 <VirtualHost *:80> DocumentRoot /var/www/html/wiki ServerName wiki.pplware.com ErrorLog logs/wiki.pplware.com-error_log CustomLog logs/wiki.pplware.com-access_log common </VirtualHost> <VirtualHost *:80> DocumentRoot /var/www/html/forum ServerName forum.pplware.com ErrorLog logs/forum.pplware.com-error_log CustomLog logs/forum.pplware.com-access_log common </VirtualHost> <VirtualHost *:80> DocumentRoot /var/www/html/site ServerName pplware.com ErrorLog logs/pplware.com-error_log CustomLog logs/pplware.com-access_log common </VirtualHost> … Exemplo de configuração no ficheiro httpd.conf Explicação das directivas: • DocumentRoot – indicação da pasta onde está localizado o site • ServerName – Nome associado ao site As duas linhas finais de cada virtual hosts referem-se aos logs (acesso e erro) para cada site.
  • 23. Passo 2 (opcional) – Com já referi em artigos anteriores, o serviço de DNS é para mim o “coração” de uma rede. Em traços gerais, este é responsável por traduzir nomes em IP’s e vice-versa, isto é, quando escrevemoswww.pplware.com, há uma consulta ao DNS para saber qual o IP correspondente. Quem não tiver um servidor de DNS disponível para efectuar configurações, pode facilmente colocar a informação no ficheiro /etc/hosts para testar num ambiente local (No futuro ensinaremos a configurar um servidor de DNS) 127.0.0.1 wiki.pplware.com 127.0.0.1 forum.pplware.com 127.0.0.1 pplware.com Exemplo de configuração no ficheiro hosts Depois de terem realizado as configurações anteriores devem reiniciar o serviço httpd através do comando: /etc/init.d/httpd restart É hora de testar se tudo funciona! Para isso, abram um browser no servidor e introduzam os seguintes endereços: • http://wiki.pplware.com • http://forum.pplware.com • http://pplware.com Nota importante: A informação contida no ficheiro hosts leva prioridade sobre a informação do servidor de DNS definido. Assim, caso não necessitem mais das configurações, retirem as mesmas do ficheiro hosts. Se pretenderem aceder remotamente ao servidor Web, basta configurar os endereços referidos no ficheiros hosts da máquina remota (se for Windows, vejam aqui como fazer) Esperamos que este artigo seja de utilidade e esperamos brevemente trazer novas dicas. Se alguém tiver sugestões, não se esqueça de as deixar nos comentários.
  • 24. Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System – Sistema de Nomes de Domínio – é de fundamental importância em uma rede. O DNS é um sistema hierárquico em árvore invertida. Tem como origem o ponto (“.”), e a partir daí, os domínios e, abaixo destes, os subdomínios. O nome completo de um host – FQDN = Full Qualified Domain Name – é composto de duas partes: a primeira parte identifica o host dentro do domínio e a segunda parte identifica o domínio. 1 - Pacotes necessários: Execute os comando abaixo para realizar a instalação dos pacotes. yum install bind bind-libs bind-utils caching-nameserver -y Após a instalação dos pacotes acima, podemos visulizar alguns arquivos padrões: # ls -l /var/named -rw-r--r-- 1 named named 195 Fev 15 2004 localhost.zone -rw-r--r-- 1 named named 2518 Fev 15 2004 named.ca -rw-r--r-- 1 named named 436 Jun 14 2007 named.local named.ca Neste arquivo vem por padrão todos os rootserver da internet, ou seja, os servidores deDNS mundiais . Sua função e interligar todos os servidores do mundo ou seja se o seu servidor de DNS não sabe onde fica localizado determinado IP ele faz uma consulta a um rootserver que vai lhe dizer a resposta. named.local Neste arquivo vem por padrão a zona local da maquina na entrada do DNS ou seja o localhost. localhost.zone O arquivo de zona reversa ou seja resolver IP pra nome 2 - Um dos primeiros arquivos que iremos alterar será o arquivo host.conf: Esse arquivo define a ordem de consulta da máquina, que no caso mudaremos paraDNS depois hosts; # vim /etc/host.conf
  • 25. order bind,hosts multi on 3 - O próximo arquivo que iremos alterar é o hosts # vim /etc/hosts 127.0.0.0.1 localhost.localdomain localhost 10.1.1.1 servername.domain.com.br servername O arquivo hosts especifica o nome da máquina e domínio. Neste arquivo devemos obrigatoriamente ter pelo menos o localhost e nosso próprio IP. 4 - O próximo arquivo a alterarmos é o resolv.conf # vim /etc/resolv.conf search domain.com.br nameserver 10.1.1.1 nameserver 201.21.192.105 No arquivo resolv.conf você irá configurar qual será o domínio e IP do servidor de DNSque irá utilizar para navegar na internet, ou seja, estamos configurando um servidor deDNS logo utilizaremos nosso próprio servidor e outro externo. Vamos agora ao que interessa: 5 - Criando uma Zona de DNS Vamos editar o arquivo named.conf, nele são cadastradas as zonas, nele também efetuamos várias configurações opcionais, tipo se você tiver um dns secundário, permitir replicação, recursos de view interna e view externa, e muitas outras opções. Vou mostrar abaixo um exemplo de como inserir uma zona master e uma zona reversa de um domínio: # vim /etc/named.conf # Nome da zona master zone "domain.com.br" IN { type master; check-names ignore; file "domain.com.br"; }; # Nome da zona Reversa
  • 26. zone "2.168.192.in-addr.arpa" IN { type master; check-names ignore; file "192.168.2.1"; }; Nos parametros file de cada zona indica o nome do arquivo onde serão cadastrados os hosts e outras opções. 6 - Agora vamos criar os arquivos conforme seus nomes indicados nas zonas acima. # touch /var/named/dominio.com.br # touch /var/named/192.168.2.1 # chown named.named /var/named/dominio.com.br # chown named.named /var/named/192.168.2.1 7 - Agora vamos ao conteúdo dos arquivos de zonas Vamos editar o arquivo de zona master do domínio dominio.com.br: # vim /var/named/dominio.com.br Segue abaixo o conteúdo do arquivo dominio.com.br que pode ser usado como template para criação de outros arquivos: $TTL 86400 ; 1 dia @ IN SOA servidor.dominio.com.br. root.servidor.dominio.com.br. ( 2008092181 ; serial 10800 ; refresh (3 horas) 900 ; retry (15 minutos) 604800 ; expire (1 semana) 86400 ; minimum (1 dia) ) NS servidor.dominio.com.br. IN 1H MX 5 mailserver mailserver IN 1H A 192.168.2.10 webmail IN 1H A 192.168.2.11 fileserver IN 1H A 192.168.2.12 Esse é o conteúdo da zona master do domínio dominio.com.br, salve o arquivo e saia.
  • 27. Vamos agora editar o conteudo do arquivo de zona reversa do domínio: # vim /var/named/192.168.2.1 $TTL 86400 ; 1 dia @ IN SOA servidor.dominio.com.br. root.servidor.dominio.com.br. ( 2008092181 ; serial 10800 ; refresh (3 hotas) 900 ; retry (15 minutos) 604800 ; expire (1 senama) 86400 ; minimum (1 dia) ) NS servidor.dominio.com.br. 10 PTR mailserver.dominio.com.br. 11 PTR webmail.dominio.com.br. 12 PTR fileserver.dominio.com.br. Esse é o conteúdo da zona master do domínio 192.168.2.1, salve o arquivo e saia. Segue abaixo algumas informações sobre os parâmetros do arquivo: - SOA (start of authority) - ele informa quem é responsável pelo conteúdo. - serial: um número que identifica a versão de atualização das informações. - refresh: é o período do ciclo de atualização. A cada ciclo , os servidores secundários comparam seu número serial com o do servidor primário, e se forem diferentes, ele executa uma transferência de zona. - retry: define o tempo que o servidor secundário irá esperar para nova tentativa se o primário não responder. - expiry: tempo máximo que um servidor secundário continua respondendo por uma zona quando não consegue comunicação com o primário. - minimum: tempo mínimo de vida que a zona tem. 8 - Bom, depois de termos editado os arquivos e lido o cada parâmetro significa, vamos agora inicializar o serviço e colocar para rodar no boot da máquina. Para inicializar execute o comando abaixo:
  • 28. # service named start Para que o serviço sempre inicialize no boot execute o seguinte comando: # chkconfig named on 9 - Agora, por último vamos aos testes Iremos fazer abaixo um dos testes mais simples que é executar um ping no nome # ping -c 3 mailserver.dominio.com.br PING mailserver.dominio.com.br (192.168.2.10) 56(84) bytes of data. 64 bytes from mailserver.dominio.com.br (192.168.2.10): icmp_seq=1 ttl=64 time=0.024 ms 64 bytes from mailserver.dominio.com.br (192.168.2.10): icmp_seq=2 ttl=64 time=0.044 ms 64 bytes from mailserver.dominio.com.br (192.168.2.10): icmp_seq=3 ttl=64 time=0.049 ms # ping -c 3 webmail.dominio.com.br PING webmail.dominio.com.br (192.168.2.11) 56(84) bytes of data. 64 bytes from webmail.dominio.com.br (192.168.2.11): icmp_seq=1 ttl=64 time=0.024 ms 64 bytes from webmail.dominio.com.br (192.168.2.11): icmp_seq=2 ttl=64 time=0.044 ms 64 bytes from webmail.dominio.com.br (192.168.2.11): icmp_seq=3 ttl=64 time=0.049 ms # ping -c 3 fileserver.dominio.com.br PING fileserver.dominio.com.br (192.168.2.12) 56(84) bytes of data. 64 bytes from fileserver.dominio.com.br (192.168.2.12): icmp_seq=1 ttl=64 time=0.024 ms 64 bytes from fileserver.dominio.com.br(192.168.2.12): icmp_seq=2 ttl=64 time=0.044 ms 64 bytes from fileserver.dominio.com.br(192.168.2.12): icmp_seq=3 ttl=64 time=0.049 ms Para testar se o reverso do seu endereço está funcionando, isso é muito importante para os servidores de email execute o comando abaixo: # host mailserver.dominio.com.br mailserver.dominio.com.br has address 192.168.2.10 # host webmail.dominio.com.br webmail.dominio.com.br has address 192.168.2.11 # host fileserver.dominio.com.br fileserver.dominio.com.br has address 192.168.2.12 Existem outros comandos bem mais completos que consultam outros parâmetros dos registros de dns