Viagem ao MundoViagem ao MundoViagem ao MundoViagem ao MundoViagem ao Mundo
do Empreendedorismodo Empreendedorismodo Empre...
2
3
Rita de Cássia da Costa Malheiros
Luiz Alberto Ferla
Cristiano J.C. de Almeida Cunha
Viagem ao MundoViagem ao MundoViage...
4
REDAÇÃO
Rita de Cássia da Costa Malheiros
DESIGN HIPERTEXTUAL - REVISÃO - ILUSTRAÇÃO E
PROJETO GRÁFICO
REVISARE
IMPRESSÃ...
5
APRESENTAPRESENTAPRESENTAPRESENTAPRESENTAÇÃOAÇÃOAÇÃOAÇÃOAÇÃO
A publicação Viagem ao Mundo do Empreendedorismo é mais do ...
6
para o empresário e líder do comércio e serviços, tornando-o muito mais consciente da importância
de planejar suas ativi...
7
ROROROROROTEIROTEIROTEIROTEIROTEIRO
Prefácio ..............................................................................
8
Desenvolvendo Relações Duradouras: A Qualidade na
Relação entre a Empresa e os Clientes....................................
9
ESCALA VI: ASPECTOS LEGAIS, REGISTRO DE EMPRESAS
E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS
Orientação de Viagem...............................
10
Indicadores de Desempenho ................................................................................................
11
PREFÁCIOPREFÁCIOPREFÁCIOPREFÁCIOPREFÁCIO
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo originou-se da revisão e ampliação do
cont...
MAPMAPMAPMAPMAPA DA DA DA DA DA VIAA VIAA VIAA VIAA VIAGEMGEMGEMGEMGEM
Olá, Caro leitor! Desejamos que seu tour neste livr...
ESCALA IESCALA IESCALA IESCALA IESCALA I
Viagem às cidades deViagem às cidades deViagem às cidades deViagem às cidades deV...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
16
Seja bem-vindo a Empreendenópolis! Antes de iniciarmos nosso tour,
gostaria de lhe ...
Escala I - O Empreendedor
17
O Empreendedorismo é definido como um comportamento e não como
um traço de personalidade. Seg...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
18
O que sustenta a atividade empreendedora em um país é a existência de
um conjunto d...
Escala I - O Empreendedor
19
O Empreendedorismo é composto por diferentes fatores, presentes em
diferentes doses em cada e...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
20
Você tem perfil empreendedor?
Grau com que cada
afirmação expressa
uma característi...
Escala I - O Empreendedor
21
Agora que você já preencheu os campos e somou o número de
ocorrências, saberá se tem ou não c...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
22
Independentemente do resultado do seu perfil, nas escalas que faremos
você irá adqu...
Escala I - O Empreendedor
23
Observe que os estudos realizados por Ibrahim e Goodwin identificam
três importantes fatores ...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
24
Para ser bem-sucedido é preciso iniciativa, busca de oportunidades,
perseverança, c...
Escala I - O Empreendedor
25
Não pense você que as virtudes de apoio dizem respeito somente aos
empreendedores. Elas també...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
26
Isso mesmo, essas pessoas têm capacidade de privilegiar os valores, não
os sentimen...
Escala I - O Empreendedor
27
Muito boa a reflexão do Tom. Pois o sucesso é incerto, mas possível,
basta lutar. Aceite a lu...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
28
funcionários, não sonega impostos, não degrada o meio ambiente. Esses são
exemplos ...
Escala I - O Empreendedor
29
como inteligência, competência ou talentos especiais.
Uma outra característica com que a maio...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
30
Isso mesmo, o Tom está no caminho certo! No planejamento para o
sucesso você não po...
Escala I - O Empreendedor
31
Capacidade de Decisão/Concentração
O empreendedor não se perde no emaranhado de oportunidades...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
32
Ela é parte de um processo que começa com a identificação de um
problema e termina ...
Escala I - O Empreendedor
33
Nos negócios, o empreendedor usa a criatividade como uma de suas
principais armas. Cria novos...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
34
No primeiro caso podemos combinar
velhos conceitos, idéias ou planos em
novas confi...
Escala I - O Empreendedor
35
Os empreendedores bem-sucedidos são os que pensam e se movem por
iniciativa própria. Basicame...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
36
de maneira vital não somente o apaixonado, como também os que entram em
contato com...
Escala I - O Empreendedor
37
Fonte:
Exportar &
Gerência,
março 1999.
Antes de seguir para a terceira cidade, sugiro que vo...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
38
A globalização dos mercados (Mercado Comum Europeu, Nafta,
Mercosul...) está mudand...
Escala I - O Empreendedor
39
A reflexão de Tom foi pertinente! Atualmente, os três setores tradicionais
da economia –– agr...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
40
da burocracia e possibilidade de estabelecer parcerias. Isso tem implicado,
geralme...
Escala I - O Empreendedor
41
Assim, caro leitor, você pode constatar que a segmentação única é
provavelmente a melhor estr...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
42
A principal razão para o fracasso da maioria dos pequenos
empreendimentos é a falta...
Escala I - O Empreendedor
43
DesinformaçãoDesinformaçãoDesinformaçãoDesinformaçãoDesinformação
A desinformação e a falta d...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
44
Os problemas organizacionais são os inputs colocados num mecanismo
ou processo de s...
Escala I - O Empreendedor
45
Para realizar esse processo de transformação, as empresas são constituídas
de várias funções ...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
46
Tipos de EmpresasTipos de EmpresasTipos de EmpresasTipos de EmpresasTipos de Empres...
Escala I - O Empreendedor
47
Bem, após termos discutido nesta etapa de nossa viagem sobre as
principais características do...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
48
Diário de BordoDiário de BordoDiário de BordoDiário de BordoDiário de Bordo
Para fe...
Escala I - O Empreendedor
49
•• Qual a importância do empreendedorismo no momento atual da
sociedade brasileira?
•• Cite e...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
50
Futuros RFuturos RFuturos RFuturos RFuturos Roteirosoteirosoteirosoteirosoteiros
CH...
Escala I - O Empreendedor
51
MEYER, Michael. O complexo de Alexandre. Rio de Janeiro: Record, 1992.
SLACK, Nigel et al. Ad...
Como Identificar NovasComo Identificar NovasComo Identificar NovasComo Identificar NovasComo Identificar Novas
Oportunidad...
Orientação de ViagemOrientação de ViagemOrientação de ViagemOrientação de ViagemOrientação de Viagem
Como combinamos anter...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
56
Em relação ao risco
O empreendedor deve saber também, que negócio sem risco não exi...
Escala II - Como Identificar Novas Oportunidades de Negócios
57
Como Encontrar sua Idéia?Como Encontrar sua Idéia?Como Enc...
Viagem ao Mundo do Empreendedorismo
58
Uma alternativa interessante, nesses momentos,
é anotar todos esses pensamentos, po...
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Viagem ao mundo do empreendedorismo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Viagem ao mundo do empreendedorismo

368 visualizações

Publicada em

empreededorismo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
368
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Viagem ao mundo do empreendedorismo

  1. 1. Viagem ao MundoViagem ao MundoViagem ao MundoViagem ao MundoViagem ao Mundo do Empreendedorismodo Empreendedorismodo Empreendedorismodo Empreendedorismodo Empreendedorismo
  2. 2. 2
  3. 3. 3 Rita de Cássia da Costa Malheiros Luiz Alberto Ferla Cristiano J.C. de Almeida Cunha Viagem ao MundoViagem ao MundoViagem ao MundoViagem ao MundoViagem ao Mundo do Empreendedorismodo Empreendedorismodo Empreendedorismodo Empreendedorismodo Empreendedorismo FLORIANÓPOLIS - BRASIL - 2005
  4. 4. 4 REDAÇÃO Rita de Cássia da Costa Malheiros DESIGN HIPERTEXTUAL - REVISÃO - ILUSTRAÇÃO E PROJETO GRÁFICO REVISARE IMPRESSÃO GRÁFICA Coan Indústria Gráfica LTDA Catalogação: Leila Patrícia Ramos - CRB 14/848 Viagem ao Mundo do Empreendedorismo / Rita de Cássia da Costa Malheiros / Luiz Alberto Ferla / Cristiano J. C. de Almeida Cunha, organizadores. Florianópolis : IEA –– Instituto de Estudos Avançados. 2ªedição, 2005. Bibliografia: 1. Empreendedorismo 2. Negócios 3. Organização Comercial 4. Administração de Empresas. I. Malheiros, Rita de Cássia da Costa. II Ferla, Luiz Alberto. III Cunha, Cristiano J. C. de Almeida. CDU - 658.11 Índices para catálogo sistemático: 1. Empreendedorismo: 658.11 2. Negócios: 658.11 3. Organização Comercial: 658.11 4. Administração de Empresas: 658.11 ISBN 85-86563-04-8 Impressão revista, ampliada e atualizada do livro ““Iniciando seu Próprio Negócio”” 2ª edição - 2005 - 2.000 exemplares Todos os direitos de publicação total ou parcial reservados ao IEA –– Instituto de Estudos Avançados. IEA –– Instituto de Estudos Avançados Caixa Postal 5250 –– Cidade Universitária 88040-970 –– Florianópolis –– SC –– Brasil Fone/fax: (48) 3025 8181 E-mail: iea@iea.org.br http://www.iea.org.br
  5. 5. 5 APRESENTAPRESENTAPRESENTAPRESENTAPRESENTAÇÃOAÇÃOAÇÃOAÇÃOAÇÃO A publicação Viagem ao Mundo do Empreendedorismo é mais do que apenas uma versão revisada e ampliada do livro Iniciando seu Próprio Negócio, lançado em 1997 pelo Instituto de Estudos Avançados –– IEA, em parceria com o Instituto Friedrich Naumann. Além de atualizar os cinco capítulos já existentes, esta nova versão, que já está em sua segunda edição, traz mais quatro capítulos, acrescentando novos tópicos à abordagem inicial da obra. O livro, além de ter um de seus focos principais na disseminação do espírito empreendedor, também fala sobre os aspectos práticos do planejamento e gestão dos pequenos negócios. Temas como a análise do mercado, a elaboração de um plano operacional e aspectos tributários, financeiros e de registro de empresas passaram a ser abordados com mais detalhamento em Viagem ao Mundo do Empreendedorismo. Este livro destaca a importância do indivíduo como fator determinante no sucesso ou fracasso de um empreendimento. Além disso, aponta como as técnicas criativas nos possibilitam identificar idéias e torná-las oportunidades de negócios, aproveitando melhor os recursos financeiros. Todos esses assuntos são abordados de forma didática, mas nunca superficial. O resultado é um livro que engloba todos os aspectos referentes à criação e manutenção de um empreendimento, desde a identificação de uma oportunidade de negócio até os indicadores de desempenho da empresa. Com muita satisfação, o Instituto Friedrich Naumann colabora com o IEA na realização deste novo trabalho, por reconhecer a relevância do tema e por acreditar que esta obra pode impulsionar o sucesso de novos negócios, contribuindo para o desenvolvimento da nossa sociedade. A Confederação Nacional dos Jovens Empresários, da mesma forma, fica honrada em poder proporcionar aos seus jovens associados o contato com uma publicação que poderá ser de grande valia para o bom desenvolvimento dos negócios de suas empresas e para a disseminação do espírito empreendedor, colaborando na geração de emprego e renda em nosso país. A Confederação Latino-Americana do Comércio e Serviços, entidade representativa do varejo latino-americano, que congrega milhões de micro, pequenas e médias empresas em toda América Latina, também se sente honrada em apoiar uma publicação que instiga uma nova postura
  6. 6. 6 para o empresário e líder do comércio e serviços, tornando-o muito mais consciente da importância de planejar suas atividades empresariais. Luiz Alberto Ferla Instituto de Estudos Avançados –– IEA Beate Bunse Instituto Friedrich Naumann –– FNSt/Brasil Doreni Caramori Júnior Confederação Nacional dos Jovens Empresários –– CONAJE Gerson Gabrielli Confederação Latino-Americana do Comércio e Serviços –– CLAM
  7. 7. 7 ROROROROROTEIROTEIROTEIROTEIROTEIRO Prefácio ............................................................................................................................................... 11 Mapa da Viagem ................................................................................................................................ 13 ESCALA I: O EMPREENDEDOR Orientação de Viagem............................................................................................................. 16 Quem é o Empreendedor ...................................................................................................... 19 Características do Empreendedor ......................................................................................... 22 As Mudanças e os Novos Empreendedores ....................................................................... 37 O que são as Empresas........................................................................................................... 44 Diário de Bordo ....................................................................................................................... 48 Atividades de Viagem.............................................................................................................. 49 Futuros Roteiros ...................................................................................................................... 50 Comandantes de Bordo .......................................................................................................... 50 ESCALA II: COMO IDENTIFICAR NOVAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Orientação de Viagem............................................................................................................. 55 Como Encontrar sua Idéia ..................................................................................................... 57 Como Transformar sua Idéia em Oportunidade ............................................................... 68 Fontes de Idéias para a Criação de novos Negócios ......................................................... 72 Tendências Mundiais Geram Oportunidades de Negócios.............................................. 76 Diário de Bordo ....................................................................................................................... 98 Atividades de Viagem.............................................................................................................. 99 Futuros Roteiros ...................................................................................................................... 100 Comandantes de Bordo .......................................................................................................... 100 ESCALA III: A EMPRESA ORIENTADA PARA O CLIENTE Orientação de Viagem............................................................................................................. 103 As Relações com os Clientes ................................................................................................. 104 Como Acontece o Processo de Decisão de Compra ........................................................ 105 O que Influencia as Decisões de Compra ........................................................................... 110 De que Modo os Clientes Definem Qualidade .................................................................. 112 Serviços –– Como Avaliar sua Qualidade .............................................................................. 114 A Importância da Qualidade do Atendimento ................................................................... 117 Enxergando o Negócio com os Olhos dos Clientes ......................................................... 118
  8. 8. 8 Desenvolvendo Relações Duradouras: A Qualidade na Relação entre a Empresa e os Clientes................................................................................. 119 Fundamentos Básicos da Abordagem da Qualidade Total............................................... 121 Organização Orientada aos Clientes x Organização Tradicional .................................... 124 Vamos Implantar a Qualidade Total no nosso Negócio ................................................... 125 Como os Clientes Avaliam a Qualidade ............................................................................... 128 Diário de Bordo ....................................................................................................................... 130 Atividades de Viagem.............................................................................................................. 131 Futuros Roteiros ...................................................................................................................... 131 Comandantes de Bordo .......................................................................................................... 132 ESCALA IV: RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO Orientação de Viagem............................................................................................................. 135 Porque Estudar Relações Organizacionais .......................................................................... 138 Motivação .................................................................................................................................. 146 Liderança ................................................................................................................................... 151 Equipes ...................................................................................................................................... 165 Conflito...................................................................................................................................... 167 Comunicação ............................................................................................................................ 169 Redes .......................................................................................................................................... 177 Diário de Bordo ....................................................................................................................... 179 Atividades de Viagem.............................................................................................................. 181 Comandantes de Bordo .......................................................................................................... 182 ESCALA V: PLANEJAMENTO E BUSCA DE RECURSOS PARA O NOVO NEGÓCIO Orientação de Viagem............................................................................................................. 185 A Percepção Empreendedora ................................................................................................ 186 Os Primeiros Passos no Planejamento de um Negócio.................................................... 191 Plano de Negócios: O Mapa da Estrada para o Sucesso .................................................. 196 Financiando seu Negócio: Onde Conseguir o Dinheiro de que você Precisa para Começar........................................................................................ 204 O que os Agentes Financeiros Costumam Perguntar ....................................................... 211 A Parceria como Forma de Viabilizar a Empresa .............................................................. 212 Diário de Bordo ....................................................................................................................... 218 Atividades de Viagem.............................................................................................................. 219 Futuros Roteiros ...................................................................................................................... 220 Comandantes de Bordo .......................................................................................................... 220
  9. 9. 9 ESCALA VI: ASPECTOS LEGAIS, REGISTRO DE EMPRESAS E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS Orientação de Viagem............................................................................................................. 223 Aspectos Legais e Registro de Empresas ............................................................................ 223 Passos Necessários para Registrar uma Empresa .............................................................. 226 Registros e Autorizações Diversas ........................................................................................ 232 Aspectos Tributários ............................................................................................................... 242 Diário de Bordo ....................................................................................................................... 251 Atividades de Viagem.............................................................................................................. 253 Futuros Roteiros ...................................................................................................................... 254 Comandantes de Bordo .......................................................................................................... 254 ESCALA VII: ESTUDO DE MERCADO Orientação de Viagem............................................................................................................. 259 Mercado Consumidor - Clientes ........................................................................................... 261 Elaborando um Questionário ................................................................................................ 274 Análise do Mercado Concorrente ......................................................................................... 282 Análise do Mercado Fornecedor ........................................................................................... 285 Diário de Bordo ....................................................................................................................... 287 Atividades de Viagem.............................................................................................................. 291 Comandantes de Bordo .......................................................................................................... 292 ESCALA VIII: PLANO OPERACIONAL Orientação de Viagem............................................................................................................. 295 O Pessoal................................................................................................................................... 310 Estratégias de Negócio ........................................................................................................... 312 O Projeto do Processo ........................................................................................................... 317 O Fluxograma........................................................................................................................... 320 Diferenciação dos Processos do Negócio ........................................................................... 323 Diário de Bordo ....................................................................................................................... 328 Atividades de Viagem.............................................................................................................. 333 Futuros Roteiros ...................................................................................................................... 333 Comandantes de Bordo .......................................................................................................... 334 ESCALA IX: ASPECTOS FINANCEIROS Orientação de Viagem............................................................................................................. 337 Determinação do Investimento Inicial ................................................................................ 337 Classificação dos Custos ......................................................................................................... 340 Custos de Produção ................................................................................................................ 347 A Determinação do Preço de Venda .................................................................................... 348 Os Resultados Operacionais .................................................................................................. 352
  10. 10. 10 Indicadores de Desempenho ................................................................................................. 353 Diário de Bordo ....................................................................................................................... 357 Atividades de Viagem.............................................................................................................. 363 Futuros Roteiros ...................................................................................................................... 364 Comandantes de Bordo .......................................................................................................... 364 FINALIZANDO NOSSA VIAGEM ........................................................................................... 365
  11. 11. 11 PREFÁCIOPREFÁCIOPREFÁCIOPREFÁCIOPREFÁCIO Viagem ao Mundo do Empreendedorismo originou-se da revisão e ampliação do conteúdo do livro Iniciando seu Próprio Negócio, do Instituto de Estudos Avançados - IEA. Os cinco primeiros capítulos, extraídos da primeira versão, foram atualizados mantendo- se a linha de conteúdo original da contribuição de seus colaboradores: Cristiano J. C. de Almeida Cunha e Suzana Susi Pfeifer; Cristina Borges; Carlos Henrique Orsatto; Graciella Martignago; e Rita de Cássia da Costa Malheiros, respectivamente. Além destes, foram acrescentados outros quatro capítulos desenvolvidos por Rita de Cássia da Costa Malheiros, sendo que o Capítulo 6, especificamente, contou com contribuições de Sanderlúcio Fabiano de Mira e Sidnei Manoel da Cunha. Os novos conteúdos foram cuidadosamente desenvolvidos pela Dra. Rita, que, com sua experiência e com toda a dedicação que lhe é peculiar aos projetos que orienta e desenvolve, enriqueceu esta obra. A nova versão visa contribuir ainda mais na compreensão do processo empreendedor, fator que representa uma contribuição inegável na renovação do tecido empresarial, na criação de empregos e na difusão dos avanços tecnológicos, contribuindo para o bem-estar social e econômico. Sua proposta é proporcionar ao leitor uma profunda reflexão sobre as expressivas mudanças ocorridas no ambiente empresarial, levando-o a planejar negócios para atuarem nesse contexto. Da mesma forma, procura mostrar ao leitor que a tarefa de empreender um novo negócio está longe de se tornar uma atividade capaz de ignorar as diferenças individuais, principalmente em relação às condições econômicas e sociais, assim como a vocação empresarial. O desejo dos organizadores Rita de Cássia da Costa Malheiros, Luiz Alberto Ferla e Cristiano J. C. de Almeida Cunha, é que os leitores desta 2ª versão revisada e ampliada da obra original, possam absorver os conhecimentos aqui disponíveis e que o Empreendedorismo possa ser cada vez mais difundido, contribuindo para o desenvolvimento empresarial, econômico e social.
  12. 12. MAPMAPMAPMAPMAPA DA DA DA DA DA VIAA VIAA VIAA VIAA VIAGEMGEMGEMGEMGEM Olá, Caro leitor! Desejamos que seu tour neste livro seja muito proveitoso, pois esta viagem foi planejada para que seus encontros com o conhecimento de Empreendedorismo sejam momentos culturais agradáveis. Por isso, preparamos um ótimo roteiro e convidamos a Ana e o Tom para serem nossos companheiros de viagem. Bem, nossa primeira e segunda escalas serão no país intitulado pela Organização Internacional de Empreendedorismo, como o país modelo neste ramo. Ao visitarmos as suas principais cidades, procuraremos entender melhor as ações empreendedoras e as novas oportunidades de negócios, que determinaram o título de modelo em Empreendedorismo. Na terceira escala participaremos de um congresso cuja finalidade é discutir a Empresa Orientada para o Cliente. Na quarta, visitaremos uma organização modelo, cuja experiência se destaca no investimento das relações humanas. Em seguida, na quinta escala, teremos a oportunidade de visitar a famosa Biblioteca Empreender, onde, à nossa disposição, estarão os melhores livros sobre planejamento e busca de recursos para o novo negócio. Na sexta escala da nossa viagem, vamos nos encontrar com um advogado perito em aspectos legais, registro de empresas e aspectos tributários. Partiremos, então, para as três últimas escalas nas quais estaremos finalizando nossa viagem. A sétima escala será com um grupo de consultores, e veremos como se faz o estudo de mercado. Na oitava escala, vamos discutir com outros consultores sobre plano operacional e fecharemos a viagem, em nossa nona escala, com uma consultoria sobre os aspectos financeiros na abertura de um novo negócio. E então, caro leitor, você está preparado para iniciar esta aventura? Boa Viagem!!! Para mim também! Então, vamos começar nosso tour?Oi! É um prazer estar com você! 13
  13. 13. ESCALA IESCALA IESCALA IESCALA IESCALA I Viagem às cidades deViagem às cidades deViagem às cidades deViagem às cidades deViagem às cidades de EmpreendenópolisEmpreendenópolisEmpreendenópolisEmpreendenópolisEmpreendenópolis O EmpreendedorO EmpreendedorO EmpreendedorO EmpreendedorO Empreendedor Escala I - O Empreendedor 15
  14. 14. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 16 Seja bem-vindo a Empreendenópolis! Antes de iniciarmos nosso tour, gostaria de lhe falar um pouco sobre o assunto desta nossa primeira escala. Então lhe pergunto: Você já ouviu falar sobre Empreendedorismo? Veja, é importante que você relembre seus conceitos sobre este tema, antes de iniciarmos nossa viagem para, juntos, podermos construir novos conhecimentos! Muito bem, começo dizendo que o Empreendedorismo é o principal fator de desenvolvimento econômico de um país. Por isso, em países com cultura empreendedora as perspectivas de crescimento econômico são muito maiores Uma pesquisa realizada pelo Global Entrepreneurship Monitor (GEM) analisou as complexas relações entre empreendedorismo e crescimento econômico em 21 países. E constatou que nos Estados Unidos, em 2001, havia a relação de 01 empresa para cada 12 pessoas, e na Finlândia, a relação era de 67 pessoas para cada empresa. As pesquisas demonstram que no Brasil já houve momentos melhores. O Jornal Valor Econômico (2002) publicou que o Brasil está caindo no ranking internacional do empreendedorismo, sobretudo quando a avaliação é feita a partir do motivo que leva as pessoas a abrir um negócio: a necessidade, e não a oportunidade. No ano de 2000, em que o Brasil foi avaliado juntamente com 21 países, ele foi classificado como a primeira nação em iniciativa empreendedora. No ano seguinte, já com 28 países participando da pesquisa, ficou em quinto lugar. Em 2004 aparece em sétimo lugar, entre 34 nações. Orientação de ViagemOrientação de ViagemOrientação de ViagemOrientação de ViagemOrientação de Viagem Isso mesmo! Os baixos salários, por exemplo, estimulam a busca por renda complementar, além do fato de o Estado não ser mais um grande empregador. Ah! Agora já sei! O que leva o povo brasileiro optar por empreender novos negócios são principalmente, as dificuldades sociais e econômicas.
  15. 15. Escala I - O Empreendedor 17 O Empreendedorismo é definido como um comportamento e não como um traço de personalidade. Segundo esse ponto de vista, as pessoas podem aprender a agir como empreendedores, usando para isso ferramentas baseadas no interesse em buscar mudanças, reagir a elas e explorá-las como oportunidade de negócios. Como conseqüência, uma cultura empreendedora gera prosperidade econômica ao proporcionar altas taxas de criação de novas empresas. Por se tratar de um fenômeno social e cultural, existem famílias, cidades, regiões e países mais empreendedores que outros. A conclusão deles é pertinente. Veja que a tabela abaixo exemplifica o que eles concluíram: POSIÇÃO DO BRASIL DO RANKING INTERNACIONAL DE EMPREENDEDORISMO Ano Posição Proporção de empreendedores entre a população adulta 2000 1º 2001 5º Homens - 55% 2002 7º Mulheres - 45% 2003 6º 2004 7º 25 a 34 anos é a faixa etária que concentra o maior númerodeempreendedores no país. Embora que menor que a atividade empreendedora por oportunidade, 46% dos empreendimentos abertos no Brasil são motivados pela necessidade. 4º lugar é a posição do Brasil no ranking de atividade empreendedora por neces- sidade. E no que tange à atividade empreendedora por oportunidade, o Brasil fica em 11º lugar entre os 34 países pesquisados. Fonte: Global Entrepreneurship Monitor, 2004. Mas... Que ações devem ser tomadas para que as iniciativas empreendedoras no Brasil tenham sucesso?
  16. 16. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 18 O que sustenta a atividade empreendedora em um país é a existência de um conjunto de valores sociais e culturais que possam encorajar a criação de novas empresas. Por isso, devemos repensar alguns valores, como a valorização do emprego, a estabilidade financeira e a formação universitária, que no Brasil são instrumentos fundamentais de realização pessoal. O que quero mostrar, com isso tudo, é a importância da figura do indivíduo empreendedor, desempenhando, por meio de seus negócios, um importante papel junto à sociedade como gerador de emprego e riqueza. Ele define metas, busca informações e é obstinado. Embora muitas pessoas já tenham essas características, outras tantas precisam desenvolvê-las e melhorá-las. Gostaria de lembrá-lo que: para ser empreendedor em meio a uma economia instável é necessário ter iniciativa e estar preparado para assumir os riscos e compromissos necessários. Bem, já estamos chegando a Empreendenópolis, visitaremos primeiramente a cidade chamada ““Quem é o empreendedor?””. Nela iremos identificar o que diferencia um empreendedor de um empresário nos negócios. Depois iremos visitar a segunda cidade denominada ““As Mudanças e os Novos Empreendedores””, onde investigaremos as principais mudanças que têm ocorrido no ambiente dos negócios, exigindo uma nova forma de empreendedorismo. Na última, com o nome ““As mudanças e os novos Empreendedores””, discutiremos o conceito de empresa, possibilitando àqueles que desejam se tornar empresários uma idealização melhor de seus futuros negócios. Por isso, é muito importante incentivar uma educação empreendedora, introduzindo na cultura valores como autonomia, independência, capacidade de gerar o próprio emprego, de inovar e gerar riqueza, capacidade de assumir riscos e de crescer em ambientes instáveis, porque esses representam os valores sociais que conduzem um país ao desenvolvimento.
  17. 17. Escala I - O Empreendedor 19 O Empreendedorismo é composto por diferentes fatores, presentes em diferentes doses em cada empreendedor. Embora existam muitas variações no perfil empreendedor, com algumas características comportamentais podemos prever a vocação empreendedora de uma pessoa. Pode sim! É isso que iremos ver agora. Por meio do teste, a seguir, você poderá identificar as suas características empreendedoras mais desenvolvidas, assim como aquelas menos presentes, para se aperfeiçoar cada vez mais. Antes de discutirmos a respeito das principais características do empreendedor, faça o teste a seguir e identifique as suas características empreendedoras mais desenvolvidas, assim como aquelas menos presentes, para se aperfeiçoar cada vez mais. Quem é o EmpreendedorQuem é o EmpreendedorQuem é o EmpreendedorQuem é o EmpreendedorQuem é o Empreendedor Você sabia que: •• Existe um número muito grande de empreendedores. •• Que nem todos têm inspirações de gênio, ganham rios de dinheiro e conquistam a fama. •• E que muitos passam por diversos fracassos até aprender. •• Outros tantos dependem de sócios e colaboradores para suprir suas deficiências. Mas que todos, de uma forma ou de outra, fazem a diferença e servem de alavanca para o progresso. Hum... Eu posso saber se tenho essas características?
  18. 18. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 20 Você tem perfil empreendedor? Grau com que cada afirmação expressa uma característica sua FONTE: Baseado no teste exposto no site http://www.intermanagers.com.br Alto Médio Baixo Eu sou ambicioso e tenho a pretensão de prosperar financeiramente. Gosto de adquirir novos conhecimentos. Avalio minhas experiências positivas e negativas e aprendo com elas. Tenho iniciativa própria. Tenho coragem para assumir riscos. Consigo superar derrotas e adversidades. Sou capaz de expressar minhas idéias de maneira clara. Trabalho persistentemente até alcançar um objetivo. Possuo a capacidade de negociar. Tenho habilidade para fazer novos contatos de negócios. Consigo bons resultados mais do que a média das pessoas. Tenho a capacidade de administrar pessoas. Confio nos outros. Sei compreender os erros dos outros. Sou capaz de fazer um elogio ou delegar uma tarefa. Conto com a experiência e os conhecimentos necessários nas áreas em que pretendo atuar. Sou capaz de fazer planos em curto e longo prazos. Estou sempre em busca de novas maneiras para melhorar as situações. Costumo fazer um controle financeiro. Tenho reservas suficientes para cobrir minhas despesas pessoais e da empresa até que o empreendimento seja rentável. Minha família e amigos apóiam os meus projetos. Estou disposto a abrir mão do tempo livre, de hobbies e férias até que o negócio esteja estabelecido. Estou me tornando independente por vontade própria. Sou capaz de influenciar pessoas e liderar equipes. Consigo manter o controle em situações de estresse. Sou autocrítico. Compreendo a importância de desenvolver parcerias. NÚMERO DE OCORRÊNCIAS
  19. 19. Escala I - O Empreendedor 21 Agora que você já preencheu os campos e somou o número de ocorrências, saberá se tem ou não características de empreendedor. Para lhe ajudar na avaliação, observe em qual dos três níveis se encontra sua pontuação: AVALIAÇÃO ALTO = 3 PONTOS MÉDIO = 2 PONTOS BAIXO = 1 PONTO Observe suas características De 0 a 27 pontos As características que você tem atualmente não são indicadas para o empreendimento de negócios próprios. Mas não desista! Identifique as suas características mais deficientes, procurando desenvolvê-las. Aceite o desafio de procurar superá-las sempre que enfrentar uma situação em que essas características sejam exigidas. De 28 a 54 pontos Você tem grandes chances como empreendedor, mas precisa melhorar seu conhecimento e disposição. Cursos, leituras e visitas a feiras e eventos especializados podem ajudá-lo nesse desafio. Se tudo começa com um sonho, busque conquistar as condições ideais para realizá-lo. De 55 a 81 pontos Parabéns! Você tem as características ótimas para alguém que deseja empreender um novo negócio. Apresenta capacidade de explorar novas oportunidades, independentemente dos recursos que tem à mão. Embora isso não seja garantia de sucesso, indica que você tem espírito empreendedor. Aproveite-o e vá em busca da realização de seus sonhos. Puxa... Somei apenas 27 pontos... Não desanime, isso não representa uma verdade absoluta. É apenas um parâmetro para você fazer uma auto-análise. Veja, tenho certeza que aprenderemos, nesta viagem, que as pessoas podem aprender a agir como empreendedores. Acredito que até o final dela, você estará pensando diferente.
  20. 20. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 22 Independentemente do resultado do seu perfil, nas escalas que faremos você irá adquirir subsídios importantes para ser um empreendedor de sucesso. Agora que você já conhece suas características individuais, saiba que empreendedores são pessoas capazes de sonhar e transformar sonhos em realidade. Identificam oportunidades, agarram-nas, buscam recursos e transformam tais oportunidades em negócios. São empreendedores todas as pessoas inovadoras, assim como aquelas que sabem enxergar as mudanças e aproveitá-las, transformando-as em oportunidades de negócios. Empreendedores não fogem aos obstáculos. Imaginam caminhos novos, diferentes; mudam ou criam valores. Iniciativa, persistência, especialização, persuasão e capacidade de assumir riscos são alguns dos traços comuns entre empreendedores de sucesso. Mas também conta muito ter consciência dos próprios limites, o que pressupõe um profundo autoconhecimento. Por isso, é muito importante desenvolver um conceito de si próprio, identificando os valores pessoais, os gostos, as áreas de conhecimento de maior interesse e, sobretudo, as deficiências, para que possam ser corrigidas (compensadas, eliminadas). A melhor definição do seu perfil poderá ajudá-lo a desenvolver um negócio compatível. Características do EmpreendedorCaracterísticas do EmpreendedorCaracterísticas do EmpreendedorCaracterísticas do EmpreendedorCaracterísticas do Empreendedor A viabilidade de uma pequena empresa depende, basicamente, da figura do empreendedor, pois ele é o ponto central que determinará ou não o sucesso do empreendimento. Cabe a ele muitas vezes exercer, simultaneamente, o papel de dono da idéia e o de gerente das ações que serão colocadas em prática. Por essa razão, o empreendedor deve procurar sempre desenvolver as virtudes e as qualidades necessárias para obter sucesso no seu empreendimento. Mas afinal, o que preciso ter para ser uma empreendedora de sucesso?
  21. 21. Escala I - O Empreendedor 23 Observe que os estudos realizados por Ibrahim e Goodwin identificam três importantes fatores gerais para o sucesso de pequenas empresas, segundo a visão de donos de negócios. IBRAHIM, A., and J. GOODWIN. (1986). Perceived causes of success in small business. American Journal of Small Business, 11 (Fall), 41-50. Esses fatores mencionados são determinantes para que o empreendedor possa atingir seus objetivos e metas. Você deve trabalhar o sucesso como função de habilidades como: •• competência (saber fazer), •• motivação (querer fazer) e •• criatividade (fazer mais com menos), •• metas claras, desafiadoras, mas que podem ser realizadas. Em primeiro lugar Estão os valores associados à pessoa do empreendedor, ou seja, às virtudes que são características fundamentais de quem quer iniciar seu próprio negócio. Em segundo lugar Estão as habilidades gerenciais, que incluem estratégias de nicho, gerenciamento do fluxo de caixa, um sistema orçamentário simples, mas eficiente, experiência anterior, educação e estrutura organizacional simples. Em terceiro Estão as habilidades pessoais, que incluem um bom relacionamento com um representante de crédito, boas relações com clientes e boas relações com os empregados. Ufa! Será que tenho todas estas habilidades?
  22. 22. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 24 Para ser bem-sucedido é preciso iniciativa, busca de oportunidades, perseverança, comprometimento, busca por qualidade, correr riscos calculados, determinação de metas significativas, busca de informações, capacidade de detalhar, monitorar e de persuadir, independência, autoconfiança e saber trabalhar em parceria. Tendo conhecido algumas das principais características do comportamento empreendedor, continuaremos nosso tour conhecendo as virtudes do empreendedor. Virtudes do EmpreendedorVirtudes do EmpreendedorVirtudes do EmpreendedorVirtudes do EmpreendedorVirtudes do Empreendedor Qual será a diferença entre iniciar uma empresa e iniciar um novo trabalho? Puxa! Mas como vou conseguir tantas virtudes? Calma! Não pense que você precisa reunir todas essas virtudes neste momento. É possível aprender, desenvolver e estimular todas essas qualidades. Para isso, você precisa conhecer quais são as principais virtudes do empreendedor. Ao iniciar uma empresa, você será aquele que tomará as decisões e suas características influirão muito nesse arriscado negócio. É preciso muita determinação e perseverança. A criatividade será necessária não só para iniciar, mas também para sustentar o negócio ao longo do tempo. É importante estar consciente de quais são suas qualidades e suas deficiências. Uma análise de suas experiências práticas, de sua capacidade e personalidade ajudará a enfrentar qualquer situação. No jogo dos negócios o que distingue os empreendedores dos meros participantes são dois tipos de virtudes: as de apoio e as superiores. As virtudes de apoio são importantes e necessárias, mas as virtudes superiores são características apenas dos verdadeiros empreendedores.
  23. 23. Escala I - O Empreendedor 25 Não pense você que as virtudes de apoio dizem respeito somente aos empreendedores. Elas também são comuns a outros grupos, como por exemplo os bons administradores. Conheça algumas: Visão Convido você para ver, com mais detalhes, cada uma delas! A visão é um trabalho mental que liga o hoje (conhecido) ao amanhã (desconhecido), criando o futuro a partir de uma montagem de fatos, esperanças, sonhos, oportunidades e perigos. A definição da visão permite que o empreendedor estabeleça seu rumo em longo prazo. Ela permite que o empreendedor se posicione, assim como o seu empreendimento, para criar e aproveitar oportunidades. Com base na visão, o empreendedor busca idéias e conceitos que possibilitem caminhar segundo uma direção preestabelecida, convencendo as pessoas a adotarem a visão e a procurarem maneiras para desenvolvê-la. A visão ajuda a indicar um rumo de ação que possibilita que o empreendedor acompanhe as mudanças no ambiente. Ter uma visão significa você saber para onde quer ir. Assim, fica muito mais fácil definir as maneiras de chegar lá. As pessoas que definem visões têm comportamento proativo: fazem as coisas antes de serem pressionadas ou forçadas pelas circunstâncias. Apesar de o conceito ““proatividade”” ser comum nos livros sobre administração, não se encontra na maioria dos dicionários. Ele significa muito mais do que tomar a iniciativa, implica definir as ações de pessoas que são responsáveis por suas próprias vidas. Ah! Agora entendi. O comportamento humano depende de decisões tomadas e não de condições externas. Visão, energia, comprometimento, liderança, obstinação e capacidade de decisão/ concentração. Virtudes de apoioVirtudes de apoioVirtudes de apoioVirtudes de apoioVirtudes de apoio
  24. 24. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 26 Isso mesmo, essas pessoas têm capacidade de privilegiar os valores, não os sentimentos, tendo iniciativa e responsabilidade suficientes para que as coisas aconteçam. Muitas pessoas levam suas vidas puramente como conseqüência das condições e condicionamentos externos, deixando que esses fatores controlem suas mentes, por decisão consciente ou por omissão. Se essa for nossa opção, nos tornamos reativos. As pessoas reativas são muito afetadas pelo ambiente e constroem sua vida emocional em torno do comportamento dos outros. Se alguma coisa muda, elas também mudam. Se perguntarmos às pessoas comuns o que elas querem, quase todas responderão algo mais ou menos assim: ““Eu gostaria de ter uma boa vida e ter tanto sucesso quanto possível””. Embora a resposta pareça interessante, se você ir mais fundo, vai encontrar uma pessoa sem energia, que jamais conseguirá alguma coisa da vida, exceto os restos da mesa dos realmente bem-sucedidos, aqueles que têm objetivos claros e se esforçam para atingi-los. Para você ter sucesso, é necessário ter energia e estar disposto a se sacrificar para atingir objetivos, caso seja necessário. Agora que você já sabe sobre a importância de uma visão proativa, iremos juntos ver a importância da energia. Contrariamente, as pessoas proativas definem seus próprios rumos, independentemente do ambiente externo. Elas têm a capacidade de privilegiar um valor, não uma ação. Enquanto os reativos são conduzidos pelos sentimentos, circunstâncias, condições e ambiente, os proativos e visionários são guiados por seus valores, cuidadosamente pensados, selecionados e interiorizados. Energia Os empreendedores são seres carregados de energia. Eles estão constantemente buscando alguma coisa para fazer. Empreendedores não gostam de perder tempo. Dificilmente você vai encontrá-los balançando-se em uma rede ou curtindo a vida, a não ser que estejam meditando sobre um novo negócio.
  25. 25. Escala I - O Empreendedor 27 Muito boa a reflexão do Tom. Pois o sucesso é incerto, mas possível, basta lutar. Aceite a luta e vença! A luta sempre deve ser vista como uma oportunidade de desenvolvimento, de exposição e de progresso. Portanto, sem medo de perder, ““vá à luta!”” Seja um empreendedor motivado para que possa alcançar o sucesso. Pois a maior recompensa é sua satisfação pessoal. Comprometimento Outra característica dos empreendedores bem-sucedidos é o comprometimento. Eles estão sempre dispostos a se sacrificar ou despender esforço pessoal, fora do comum, para concretizar um projeto. Além disso, sabem que: para conduzir um grupo de pessoas por caminhos nem sempre fáceis, é necessário tratá-las da maneira mais correta possível. Se for preciso, o empreendedor se une aos funcionários para terminar uma tarefa. O comprometimento faz com que o empreendedor se esforce em manter os clientes satisfeitos e os coloque em primeiro lugar, acima do lucro em curto prazo. O empreendedor comprometido sempre faz amigos entre funcionários e clientes. Em outra esfera está o comprometimento social. É quando o empreendedor, de alguma forma, contribui para melhorar as condições do lugar em que estabelece o seu negócio: gera empregos, paga decentemente seus Ah! Até aqui são três, as armas que devo utilizar, para superar as ameaças que encontro no caminho: energia, objetivos claros e aproveitar as oportunidades que surgem. A pessoa que age com energia, e tem objetivos, atrai oportunidades. Lembre-se de que jamais as coisas ““simplesmente acontecem””. Como é que a vida pode lhe oferecer alguma coisa se você não luta para consegui-la? De que maneira outros podem ajudá-lo a atingir determinados objetivos, se você não dedica grande parte de suas energias para isso?
  26. 26. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 28 funcionários, não sonega impostos, não degrada o meio ambiente. Esses são exemplos de alguém que está sinceramente comprometido com os fatos que estão ocorrendo à sua volta. O empreendedor se sente responsável, também, pela condição de vida das pessoas que estão em contato com ele. Comprometimento é uma questão de sinceridade. A sinceridade é um traço do caráter que aumenta a auto-satisfação, o auto-respeito e a capacidade espiritual de conviver consigo mesmo. Liderança O empreendedor possui forte capacidade de liderança. Ele é capaz de agregar pessoas em torno de si e movê-las em direção aos objetivos por ele determinados. Como líder autêntico, possui ideais e objetivos. Para realizá-los, emprega estratégias conscientes ou inconscientes, buscando influenciar ou persuadir os outros. Ao buscar apoio, associa-se às pessoas-chave criando uma rede de contatos. Essas estratégias são utilizadas, principalmente, para desenvolver e manter relações comerciais. Uma série de estudos define o empreendedor como alguém com capacidade de liderança, excedendo os demais membros de seu grupo na capacidade de articular pessoas em torno de um objetivo. Entretanto, as qualidades, características e habilidades exigidas em um líder são determinadas, em grande parte, pelas exigências da situação em que terá de agir como tal. Apesar de não haver unanimidade sobre as características de um líder, todos concordam que o líder deve ter personalidade. O líder deve saber defender seus pontos de vista e estar disposto a lutar por eles. A maioria dos líderes também tem caráter. Certa vez alguém definiu caráter como o que você faz com sua personalidade e temperamento, a partir de forças e fraquezas herdadas. A melhor maneira de enfocá-lo é dizer que caráter é aquela parte da personalidade que nos parece moralmente valiosa. É por essa soma de qualidades morais que uma pessoa é julgada, e não por fatores O indivíduo empreendedor não é daquele tipo que pensa: ““Não tenho nada a ver com esse problema””. Provavelmente está mais próximo daquele que pensa: ““Em que eu posso contribuir para melhorar essa situação?”” E então age, faz alguma coisa.
  27. 27. Escala I - O Empreendedor 29 como inteligência, competência ou talentos especiais. Uma outra característica com que a maioria dos estudos da liderança concorda é a integridade, que pode ser definida como a qualidade que faz com que as pessoas confiem em você. A falta de confiança em relações de trabalho é, com freqüência, uma conseqüência da falta de integridade pessoal. Um consultor conta que, durante um trabalho, um gerente de uma fábrica de salsichas disse-lhe que não confiava em seu chefe. Ao ser indagado sobre o porquê, respondeu: ““Bem, ele é um gerente esperto que quer atingir o ápice. Diz uma coisa na sua frente e outra nas suas costas. Na realidade não mente, mas lida com meias- verdades””. Obstinação O empreendedor é um guerreiro obstinado. Ele gosta de competir. Quando entra em uma disputa por uma causa ou um ideal, só sai como vencedor. Não conseguindo vencer da primeira vez, não desiste, volta com carga total assim que for possível. Neste caso, usa estratégias alternativas, a fim de enfrentar os desafios e superar os obstáculos. Na sua visão, obstáculos existem não para serem contemplados, mas sim ultrapassados. Quanto maior o obstáculo, maior o desafio. É a obstinação que faz com que os empreendedores assumam, como sendo de sua responsabilidade pessoal, a performance necessária para o seu negócio atingir os objetivos desejados. As pessoas que estão na corrida pelo sucesso devem ter em mente que a atualidade em que vivemos exige novas idéias, novas maneiras de fazer as coisas, novos líderes. Após uma análise do clima organizacional da empresa, concluiu-se que o chefe em pauta era um dos principais responsáveis pela baixa motivação dos funcionários. Você que deseja o sucesso precisa lembrar que: os verdadeiros líderes foram sempre homens que controlaram e colocaram em prática as forças ocultas, de oportunidades ainda não percebidas, e que converteram essas forças (ou impulsos de pensamento) em arranha-céus, cidades, fábricas, aviões, automóveis e outras formas de sonhos. No fundo dessa procura de coisas novas e melhores há duas qualidades que você tem de possuir para vencer: objetivos claros, o conhecimento daquilo que quer, e a obstinação, o desejo intenso de possuí-lo.
  28. 28. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 30 Isso mesmo, o Tom está no caminho certo! No planejamento para o sucesso você não pode desprezar o sonho. Se você considera certo e acredita naquilo que quer fazer, vá em frente e faça-o! Em caso de fracasso, continue divulgando seu sonho e ignore o que os outros dizem. Eles não sabem que todos os fracassos trazem consigo a semente de um grande sucesso. O mundo atual é marcado por um grande número de oportunidades que os sonhadores do passado jamais tiveram. Tudo se inicia no sonho. Depois vem a esperança de que esse sonho se realize. A esperança é a matéria-prima do sucesso. Ela se concretiza em fé, a fé em determinação, e esta em ação. As realizações nascem principalmente na imaginação, nos sonhos por um mundo melhor, por uma vida melhor, por um futuro melhor. Libere seus sonhos. Ouse ter sonhos ambiciosos. Outra característica do empreendedor obstinado é a paciência. A paciência exige um tipo próprio e peculiar de coragem. É um tipo de combinação entre privação e ânimo que tem por origem a dedicação completa a um ideal ou meta. A paciência é a coragem de mudar as coisas que você pode mudar e a sabedoria para identificar a diferença entre elas. Já a flexibilidade/tolerância diz respeito à capacidade de o empreendedor moldar-se mental e fisicamente, adaptando-se a quaisquer circunstâncias ou ambientes, mantendo o autocontrole e a compostura. Entretanto, não significa sujeitar-se à vontade dos outros. É a capacidade de analisar e avaliar rapidamente uma dada situação e reagir a ela, fundamentado na razão. O senso de humor é um dos ingredientes da flexibilidade. Um bom senso de humor torna uma pessoa mais apreciada, mais atraente. O fino senso de humor baseia-se principalmente em humildade. Ah! Aquela frase popular representa bem isso: O mais importante não é vencer na primeira vez e sim continuar tentando... Thomas Edison, um dos maiores inventores de toda a humanidade, sonhou com a lâmpada que podia usar eletricidade. Começou a perseguir o sonho através da ação e, apesar de mais de dez mil fracassos, permaneceu fiel a ele até transformá-lo em realidade física. Sonhadores obstinados e práticos não desistem. Aprenda a considerar os problemas como degraus para o sucesso. Todos os problemas que solucionar o aproximarão mais e mais da meta. Todas as más situações poderiam ser piores; nenhum problema é excepcional ou novo.
  29. 29. Escala I - O Empreendedor 31 Capacidade de Decisão/Concentração O empreendedor não se perde no emaranhado de oportunidades. Ele tem um senso apurado de prioridade e concentra-se naquilo que é realmente importante. As próprias atividades diárias são avaliadas e realizadas em função de uma escala de prioridades: primeiro as mais importantes, depois as menos. Se não houver tempo suficiente, ficam as menos importantes para o outro dia. O senso de prioridade facilita o cálculo dos riscos. O empreendedor avalia as estratégias alternativas e calcula riscos deliberadamente, sempre preocupado em reduzi-los e em controlar os resultados. Busca sempre se colocar em situações que implicam riscos moderados e calculados em relação aos objetivos que pretende alcançar. Os objetivos a serem especificados cobrem várias áreas. Não é suficiente apenas decidir que você deseja ter cinco milhões de dólares ou ser dono de uma grande empresa. Outros objetivos, que pertencem a outras categorias, também devem ser definidos. Por exemplo: A tomada de decisão envolve um processo mental que você deve administrar bem, com rigor e imaginação. É isso mesmo! Não devo deixar para amanhã o que posso fazer hoje. Objetivo financeiro: ter uma certa quantidade de dinheiro em um determinado período de tempo. Objetivo educacional: obter um diploma em uma determinada área que seja de seu interesse e que possa ajudá-lo nos seus negócios. Objetivo físico: desenvolver alguma atividade física que o torne mais saudável. Objetivo Comunitário: realizar algum tipo de trabalho social. Você deve decidir o que deseja ser e onde quer chegar. A melhor maneira é definir objetivos que irão colocá-lo na direção certa. Objetivos também vão ajudá-lo a definir se você está progredindo e se já alcançou o que desejava.
  30. 30. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 32 Ela é parte de um processo que começa com a identificação de um problema e termina apenas quando uma determinada alternativa for escolhida. Este processo se desenvolve em cinco etapas. Tendo claro essas etapas, você deve avaliar a probabilidade de sucesso de cada alternativa e fazer um balanço entre os riscos e as recompensas oferecidos em cada alternativa. Então, use sua capacidade de julgamento para tomar a decisão. Esse processo consome tempo e pode ser exaustivo quando aplicado a um problema complexo. Entretanto, esse é o único processo que lhe dá a chance de pensar de forma racional sobre o seu futuro. Para facilitá-lo, você pode empregar um conjunto de técnicas para estímulo da criatividade. Para completar o processo decisório, não basta definir as melhores alternativas. É necessário priorizá-las. Como os seus recursos (tempo, dinheiro) são limitados, é necessário que você tenha de forma clara quais alternativas devem ser realizadas primeiro. ETAPA 1 Formulação da Questão Formule uma questão que descreva a situação-problema da maneira mais clara possível, sem sacrificar suas sutilezas ou complexidades. ETAPA 2 Busca de Informações Busque informações relevantes para o aprimoramento e a resposta da questão. ETAPA 3 Definição de Alternativas Crie várias respostas alternativas para a questão. ETAPA 4 As Conseqüências Avalie cada uma das alternativas que emergem da etapa 3, pensando nas suas implicações e prevendo as possíveis conseqüências. Isso o prepara para tomar a decisão na próxima etapa e possibilita a criação de planos parciais, caso a escolha se mostre parcial ou totalmente errada. ETAPA 5 A Decisão Antes de iniciar esta etapa, faça uma avaliação rápida do processo já realizado.
  31. 31. Escala I - O Empreendedor 33 Nos negócios, o empreendedor usa a criatividade como uma de suas principais armas. Cria novos produtos, novos métodos de produção, desbrava novos mercados. O empreendedor é uma personalidade criativa que está sempre buscando novas formas de satisfazer os clientes e muitas vezes criando novas necessidades. Além disso, no empreendedor, obrigatoriamente, a criatividade vem acompanhada da capacidade de execução, de inovação. Como diz o professor da Universidade de Harvard, Theodore Levitt (1986), a ““criatividade imagina as coisas novas, a inovação faz as coisas novas””. Portanto, na vida empresarial as duas são companheiras inseparáveis. A criatividade representa a oficina onde são formulados todos os planos gerados pelo homem. O nosso impulso e a nossa visão recebem a forma que é posta em movimento com a ajuda da capacidade criativa. Com a ajuda da criatividade, o homem descobriu e pôs sob controle, nos últimos cem anos, uma parte maior das forças da natureza do que durante toda a história anterior da humanidade. Analisou e pesou o Sol a uma distância de milhões de quilômetros e determinou os elementos de que é constituído. Aumentou a velocidade de locomoção a ponto de tornar possível voar a uma velocidade muito superior a do som. Este processo criativo pode tornar-se mais frutífero se o terreno for bem adubado. No mundo moderno isso significa ter o máximo de informação. Virtudes superioresVirtudes superioresVirtudes superioresVirtudes superioresVirtudes superiores É com as virtudes superiores que vemos a diferença do empreendedor em relação aos outros participantes do jogo. É por meio delas que o empreendedor consegue construir impérios e modificar o mundo. Essas virtudes são: criatividade, independência e entusiasmo/paixão. A partir de agora veremos cada uma das virtudes superiores com mais detalhes. Criatividade A criatividade pode ser utilizada de duas maneiras: combinando coisas já existentes ou gerando coisas novas.
  32. 32. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 34 No primeiro caso podemos combinar velhos conceitos, idéias ou planos em novas configurações. Isso não cria realmente nada de novo. Trabalha com o material da experiência, educação e observação com que a criatividade é alimentada. É mais usada pelo inventor, com a exceção do ““gênio””, que recorre ao segundo tipo de criatividade quando não consegue resolver um problema apenas combinando coisas já existentes. No segundo caso, são criadas coisas efetivamente novas. A criatividade só funciona quando a mente consciente trabalhaemumritmo muito rápido, como quando é estimulada pela emoção de um forte desejo. Independência O empreendedor é um ser independente. Não gosta de seguir normas e estar sob controle dos outros. A autonomia é um dos seus grandes objetivos. Na busca deste e de outros objetivos, ele se apresenta sempre autoconfiante. Mantém seu ponto de vista mesmo diante da oposição ou de resultados desanimadores. Expressa confiança na sua própria capacidade de realizar tarefas difíceis e de enfrentar grandes desafios. Meyer (1992) diz que os grandes empreendedores não se mostravam satisfeitos quando trabalhavam para os outros: ““na maioria das vezes, demitiam- se ou eram demitidos, incapazes de desempenhar um papel secundário e irritados com a burocracia das corporações, ou recusando-se a seguir normas estabelecidas”” O empreendedor é aquele que vive a sua própria vida. Assume a posse completa de sua mente e dirige-a para os objetivos que ele mesmo escolheu, sem Os grandes líderes dos negócios, indústrias, finanças, os grandes artistas, músicos, poetas e escritores tornaram-se grandes porque desenvolveram este último tipo de criatividade. Os dois tipos de criatividade tornam-se mais ágeis e eficientes com o uso. Da mesma maneira que qualquer músculo ou órgão do corpo se desenvolve mais quando exercitado, você pode também desenvolvê-las. MEYER, Michael. O complexo de Alexandre. Rio de Janeiro: Record, 1992.
  33. 33. Escala I - O Empreendedor 35 Os empreendedores bem-sucedidos são os que pensam e se movem por iniciativa própria. Basicamente, há duas formas de ação: a que iniciamos por decisão nossa e a que praticamos apenas quando somos obrigados. Nesse sentido, há pelo menos dois tipos de pessoas que nunca progridem ou chegam a ser alguma coisa na vida: o primeiro é o que não faz o que lhe mandam; o segundo é o que não faz mais do que mandam. Entusiasmo/Paixão Uma outra característica que distingue os verdadeiros empreendedores é o entusiasmo, a paixão. Não basta apenas você ser comprometido e obstinado. Os empreendedores são entusiasmados, apaixonados por aquilo que fazem. Eles dedicam suas vidas a uma idéia que, em determinado momento, se torna um ideal. E o mais importante: eles inspiram outras pessoas para que aceitem seus sonhos. Todos estão empenhados, de uma maneira ou outra, em mudar o mundo. Hill acredita que ““O entusiasmo é um estado de espírito que inspira e incita o indivíduo à ação. Nada é tão contagioso quanto o entusiasmo. Ele afeta HILL, Napoleon. A lei do triunfo. 8. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1991. A manifestação da apreciação dos valores dos outros também é um bom exemplo. O domínio da cena, autêntico, segue um curso positivo: não nega ou reduz o valor de outras pessoas. Ninguém pode subir ao sucesso em cima dos ombros alheios. permitir que influências externas o desestimulem ou desencaminhem. O empreendedor é independente; é um pensador de possibilidades. Independência tem a ver com autoconfiança. O sucesso não ocorre se você subestima seu próprio valor. A autoconfiança atrai a atenção das pessoas e permite aquilo que Napoleon Hill chama de ““domínio de cena””. O domínio de cena é criativo e tem um certo valor de entretenimento (teatral). Exige segurança, engenhosidade e bom senso de oportunidade. Não tem a ver com a bajulação e ostentação, que criam mais repulsa do que manifestações de amizade. Tem a ver com atenção especial dada às sutilezas da cortesia e da polidez que podem trazer enormes benefícios à sua imagem e à convivência com os demais.
  34. 34. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 36 de maneira vital não somente o apaixonado, como também os que entram em contato com ele””. É mais poderoso que a lógica, a razão ou a retórica. O magnetismo pessoal está ligado ao volume de sentimentos, de caráter e de emoção –– alegria, amor, entusiasmo –– que você é capaz de gerar e aplicar em suas palavras e atos, revelados, principalmente, através da voz, dos olhos e das mãos. Nas relações humanas, o semelhante atrai o semelhante: o otimista tende a conviver com otimistas, da mesma forma que sucesso atrai sucesso. Os pessimistas, contudo, alimentam preocupações e problemas sem pronunciar palavra ou praticar um ato, porque sua atitude negativa atua como um ímã perfeito. O otimismo é a crença firme de que você pode fazer com que as coisas acabem bem, se planejar e decidir por um curso de ação baseado em bom juízo. Mas atenção, dificilmente você vai encontrar um empreendedor com todas essas características. Elas representam apenas um referencial que possibilita sua auto-avaliação, a partir da qual você terá condições de definir seus pontos fortes e fracos e optar por um programa de aperfeiçoamento pessoal, visando, principalmente, a eliminar suas deficiências. Qualidades EspeciaisQualidades EspeciaisQualidades EspeciaisQualidades EspeciaisQualidades Especiais Pesquisas feitas com empreendedores bem-sucedidos identificaram, além dessas virtudes já apresentadas, qualidades especiais comuns entre empreendedores de sucesso: Nenhum empreendedor ou grande líder jamais foi um pessimista. O que poderia um líder pessimista prometer a seus seguidores, senão desespero e medo?
  35. 35. Escala I - O Empreendedor 37 Fonte: Exportar & Gerência, março 1999. Antes de seguir para a terceira cidade, sugiro que você reflita sobre as características citadas e analise qual a sua situação em relação a cada uma delas. E verifique quais são seus pontos fortes e quais pontos são passíveis de melhoria, estabelecendo suas metas, visando ao seu desenvolvimento. Afinal, as mudanças que têm acontecido no ambiente empresarial exigem que você se recicle. Agora, já podemos partir para a cidade ““As mudanças e os novos Empreendedores””. Ao chegarmos lá, iremos discutir as principais mudanças que têm ocorrido no ambiente dos negócios, exigindo uma nova forma do empreendedorismo. As Mudanças e os NovosAs Mudanças e os NovosAs Mudanças e os NovosAs Mudanças e os NovosAs Mudanças e os Novos EmpreendedoresEmpreendedoresEmpreendedoresEmpreendedoresEmpreendedores Pensar em pequenas empresas não significa pensar na idéia de ser frágil. O mercado tem provado que empresa fragilizada não tem necessariamente algo a ver com ser pequena. Ser pequeno não significa ser fraco, assim como ser grande não traduz competência. A força está, isto sim, no espírito empreendedor. Assumir riscos Esta é uma das maiores qualidades do empreendedor. Correr riscos conscientemente é ter coragem de enfrentar desafios. Os riscos fazem parte de qualquer atividade e é preciso que você aprenda a lidar com eles. Identificar Perceber, no momento certo, as oportunidades que o mer- oportunidades cado oferece é outra importante qualidade do empreendedor. Ele é uma pessoa curiosa, atenta e que está sempre em busca de novas informações. Conhecimento Quanto maior for seu conhecimento e domínio sobre um ramo de negócio, maior é sua chance de obter êxito. Esse conhecimento pode ser obtido através de sua experiência prática, de informações em publicações especializadas, em cursos especializados, ou até mesmo por meio de outras pessoas com empreendimentos semelhantes. Organização Utilizar recursos humanos, materiais, financeiros e tecnológicos de maneira racional e organizada é fundamental para o desempenho positivo do seu empreendimento.
  36. 36. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 38 A globalização dos mercados (Mercado Comum Europeu, Nafta, Mercosul...) está mudando as trajetórias das carreiras profissionais, os níveis salariais, a estrutura e o funcionamento dos negócios e a própria natureza do trabalho e suas relações, desmoronando a idéia de que as melhores oportunidades de sucesso profissional estão apenas nas grandes corporações industriais. Essas oportunidades estão se deslocando para as empresas de pequeno porte, que tenham forte espírito empreendedor. Nesse contexto, sobreviverão as empresas capazes de se adaptar rapidamente às transformações do mercado. É preciso agilidade na tomada de decisões, que precisa ser descentralizada. Ser pequeno, pode ser hoje uma grande solução. Isso ocorre inclusive no Brasil, onde também o desemprego deixou de ser conjuntural para ser estrutural. A empregabilidade deixou de ser moda para ser uma necessidade e o negócio próprio, mais do que nunca, passou a ser uma opção de vida. Nesse sentido, as pequenas empresas têm oferecido grandes contribuições à nação, na medida em que fornecem empregos, introduzem inovações e produzem bens e serviços com eficiência. Falência do EstadoFalência do EstadoFalência do EstadoFalência do EstadoFalência do Estado Assumir atividades que antes eram função pública está se transformando em um negócio interessante e lucrativo. O papel fundamental do empreendedor é estar sintonizado com essas oportunidades. Mas será que com a ALCA, as pequenas empresas conseguirão se sustentar no mercado? Para isso, não basta você ter uma boa formação acadêmica. O momento é de aprendizado permanente, de busca contínua de nível de capacitação profissional que facilite a realocação ou recolocação e/ou a montagem do próprio negócio, num mundo em que o universo do emprego tradicional está diminuindo.
  37. 37. Escala I - O Empreendedor 39 A reflexão de Tom foi pertinente! Atualmente, os três setores tradicionais da economia –– agricultura, indústria e serviços –– estão passando pelo deslocamento tecnológico, levando milhões de trabalhadores para as filas do desemprego. Hoje, o único setor emergente é o setor do conhecimento, formado basicamente por empreendedores, cientistas, técnicos, programadores de computador, profissionais, educadores e consultores. O número de desempregados tem aumentado no mundo inteiro. Mesmo as nações em desenvolvimento estão enfrentando o desemprego tecnológico, à medida que empresas multinacionais utilizam tecnologia de ponta, dispensando trabalhadores de baixa remuneração, que não podem competir com a eficiência de custos, controle de qualidade e rapidez de entrega, alcançados com a produção automatizada. Muitas empresas, neste processo de reestruturação pelo qual estão passando, estão delegando a terceiros a execução dos serviços não-essenciais da linha de produção. A terceirização é parte integrante desse processo de mudanças estruturais que vêm ocorrendo no ambiente empresarial. Ela tem trazido resultados favoráveis para as empresas como melhoria da competitividade, aumento do lucro, ampliação da flexibilidade técnica e econômica, diminuição Existe uma tendência mundial que revela que: os empregos públicos estão terminando e alternativas de trabalho em pequenas e médias empresas, por conta própria, são uma boa solução para a lacuna deixada. Mudanças EstruturaisMudanças EstruturaisMudanças EstruturaisMudanças EstruturaisMudanças Estruturais O desemprego tem atingido índices muito elevados no Brasil e no mundo. Nos próximos anos esses números devem crescer mais ainda. Muitos desses desempregados são vítimas da revolução tecnológica, que está substituindo as pessoas por máquinas em quase todos os setores e indústrias. As novas tecnologias de informática e de comunicações estão causando impacto no mercado de trabalho e na economia. Eu vejo que estamos diante de um mundo de pouco emprego e de muito trabalho. Por isso, é preciso redefinir oportunidades, encarando o emprego a partir de um novo olhar!
  38. 38. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 40 da burocracia e possibilidade de estabelecer parcerias. Isso tem implicado, geralmente, redução dos níveis hierárquicos e corte de pessoal. Essa ““capacidade”” de gerar empregos, que as pequenas empresas têm mostrado, tem levado os governos a encontrar maneiras de estimular o surgimento de novas empresas, pela ampliação das linhas de crédito e da eliminação ou diminuição de taxas e impostos. •• a estratégia não-segmentada –– quando uma empresa define o mercado total como seu mercado-alvo; •• a estratégia de multissegmentação –– que reconhece segmentos individuais que têm preferências diferentes; e •• a estratégia de segmentação única –– quando a empresa prefere se concentrar em atingir apenas um dos distintos segmentos de mercado identificados. Isso mesmo! Surgem cada vez mais novos nichos de mercado, pelas mudanças comportamentais que vêm ocorrendo em razão desses diferentes valores e hábitos que se instauram como reflexo do mundo globalizado. A atuação em segmentos de mercado (Estratégia de Segmentação) é uma estratégia interessante para as pequenas empresas. Isso significa dividir o mercado total em grupos com necessidades semelhantes, de tal forma que cada grupo tenha a possibilidade de responder de maneira favorável a uma estratégia específica de mercado. Conforme podemos ver em Longenecker existem três tipos de estratégias de segmentação de mercado:LONGENECKER, Justin G.; MOORE, Carlos W.; PETTY, J. William. Administração de pequenas empresas. São Paulo: Makron Books, 1997. Mudanças de ComportamentoMudanças de ComportamentoMudanças de ComportamentoMudanças de ComportamentoMudanças de Comportamento Grande parte dos executivos tem, também, realizado um trabalho de reestruturação, que tem como meta a eliminação das camadas de gordura da empresa e a eliminação dos negócios com desempenho insatisfatório. Porém, muitos analistas admitem que, embora as empresas de grande porte estejam dispensando muitos trabalhadores, as pequenas empresas estão aumentando a oferta de empregos. A ““aldeia global”” impõe novos estilos de vida, desde o consumo de produtos às opções de lazer e perspectivas de realização individual. Podemos pensar que essas mudanças geram novas tendências, novos valores, novos estilos de vida e, portanto, novas oportunidades de negócio.
  39. 39. Escala I - O Empreendedor 41 Assim, caro leitor, você pode constatar que a segmentação única é provavelmente a melhor estratégia para pequenos negócios, pois lhe permite se especializar e utilizar melhor os recursos limitados. Essa estratégia é também chamada de estratégia de ““nicho””. Ela é considerada uma excelente opção para que as pequenas empresas introduzam novos processos e tecnologias que reduzam o custo de produtos já estabelecidos. Elas atendem a mercados pequenos, e seus bens ou serviços crescem e se desenvolvem junto com a expansão desse mercado. O menor nicho de mercado pode ser composto de um indivíduo. No futuro, as empresas terão de se adaptar de tal forma a dar opções aos seus clientes de escolher características que gostariam de ter nos bens/serviços que adquirem, recebendo atendimento personalizado. VVVVVantagensantagensantagensantagensantagens As pequenas empresas levam vantagem sobre seus concorrentes de grande porte por estarem mais próximas do cliente e conhecerem melhor as suas necessidades, anseios e aspirações. Além disso, ser pequeno tem ainda duas qualidades que são a rapidez nas ações e a informalidade. Mas simplesmente montar um negócio não garante a concretização do sonho de sucesso. A realidade aponta que a taxa de mortalidade das pequenas e microempresas brasileiras atualmente é ainda muito elevada. Embora as compensações do empreendimento sejam tentadoras, também existem desvantagens. Começar um negócio próprio exige muito trabalho e muita energia emocional. Causas de FracassoCausas de FracassoCausas de FracassoCausas de FracassoCausas de Fracasso A possibilidade de fracasso é uma ameaça constante aos empreendedores, e ninguém pode garantir o sucesso. Ao decidir ser um empreendedor, você deve examinar tanto os aspectos positivos quanto os negativos. Se você espera colher recompensas, é preciso elevado grau de compromisso e certo grau de sacrifício de sua parte.
  40. 40. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 42 A principal razão para o fracasso da maioria dos pequenos empreendimentos é a falta de habilidades administrativas, financeiras, mercadológicas ou tecnológicas dos empreendedores, somada a aspectos comportamentais que envolvem a gestão de um empreendimento. Falta de dedicaçãoFalta de dedicaçãoFalta de dedicaçãoFalta de dedicaçãoFalta de dedicação Para você ter êxito como empreendedor, deve dedicar seu tempo integralmente para a pequena empresa. A taxa de fracasso costuma crescer no caso de empresários que entram com o capital e deixam a gerência do negócio por conta de terceiros. Incompetência gerencialIncompetência gerencialIncompetência gerencialIncompetência gerencialIncompetência gerencial Dentro da gama de conhecimentos necessários é imprescindível o conhecimento financeiro básico, que consiste na elaboração e interpretação de fluxos de caixa. O empreendedor costuma administrar a folha de pagamento, as contas a pagar, as receitas e as despesas financeiras do mês, devendo administrar o caixa. Ele não deve perder tempo com o lucro contábil, que nada tem a ver com o caixa, ao precisar pagar as contas no final do mês. Porque na maioria dos casos de sucesso, o futuro empreendedor domina as noções básicas, necessárias para desenvolver o novo negócio. Com freqüência alguém que domina os aspectos técnicos da fabricação de um produto se associa a alguém que domina os aspectos gerenciais do desenvolvimento do negócio. Se você estabelece um novo negócio, sem o conhecimento necessário para operaracionalizar com excelência a produção de bens e serviços, está sujeito ao fracasso. Para você se tornar empreendedor, precisa ter o conhecimento necessário para gerir seus bens ou serviços. Mas que conhecimentos são necessários para que minha empresa tenha sucesso?
  41. 41. Escala I - O Empreendedor 43 DesinformaçãoDesinformaçãoDesinformaçãoDesinformaçãoDesinformação A desinformação e a falta de atualização sobre a situação econômica, e outros fatores que interferem diretamente num negócio, são algumas das deficiências marcantes que se observam nos pequenos empreendedores. Todo negócio existe em função dos clientes, fornecedores, concorrentes, empregados, sócios e investidores, não devendo ser esquecida a necessária convivência com advogados, contadores, banqueiros, consultores e agências de publicidade, os quais contribuirão com diferentes subsídios de grande importância para que você, como empreendedor, se mantenha informado e atualizado no mundo dos negócios. Desorientação para o mercado eDesorientação para o mercado eDesorientação para o mercado eDesorientação para o mercado eDesorientação para o mercado e desconhecimento de markdesconhecimento de markdesconhecimento de markdesconhecimento de markdesconhecimento de marketingetingetingetingeting É preocupante o número de negócios que são iniciados sem que o empreendedor tenha claro o conceito do negócio, ou seja, as necessidades do grupo de clientes a quem pretende atender, as dificuldades de atender a essas demandas e o quanto eles estão dispostos a pagar para satisfazê-las. Por isso é que todo empreendedor, ao intencionar abrir seu próprio negócio, deve estar apoiado em um Plano de Negócio, com o qual seja possível definir cada função da futura empresa. É preciso que você estude cada passo do negócio para tentar minimizar os problemas que certamente surgirão. Resolvendo-os com profissionalismo, será possível consolidar uma empresa de sucesso. Mas, afinal, qual a percepção de um empreendedor a respeito de uma empresa? Considerando tal necessidade, é conveniente que você tenha claro o que é uma empresa e quais as diferentes áreas funcionais que a compõem. Assim, para ter sucesso, você precisa estar constantemente corrigindo suas deficiências, além de explorar aqueles pontos que constituem seus pontos fortes, ou seja, aqueles fatores que lhe têm possibilitado sucesso, buscando ser o mais competitivo possível.
  42. 42. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 44 Os problemas organizacionais são os inputs colocados num mecanismo ou processo de solução de problemas (figura 2), que produz soluções organizacionais como outputs (Young, 1977). Figura 1: Representação dos sistemas. Bem, agora já podemos seguir para a cidade ““O Que são as Empresas””. Ao chegarmos lá, iremos discutir o conceito de empresa, possibilitando àqueles que desejam se tornar empresários uma idealização melhor de seus futuros negócios. O que são as EmpresasO que são as EmpresasO que são as EmpresasO que são as EmpresasO que são as Empresas As empresas são organizações que estão em constante interação com seus ambientes. As organizações, como classe especial de sistemas abertos, têm propriedades que lhes são peculiares, mas compartilham outras propriedades com todos os sistemas abertos. Essas propriedades incluem a importação de energia do ambiente, a transformação da energia importada em alguma forma de produto que é característica do sistema, a exportação desse produto para o ambiente e a renovação de energia para o sistema, de fontes que existem no ambiente. Os sistemas são tipicamente representados pelo seguinte fluxograma (Young, 1977): Figura 2: Processo de solução de problemas. As empresas são organizações destinadas a produzir alguma coisa, bens ou serviços, ou um misto dos dois, e fazem isso por um processo de transformação (figura 3), ou seja, pela utilização dos recursos para mudar o estado ou condição de algo para produzir outputs (bens/serviços), (Slack et al., 1997).
  43. 43. Escala I - O Empreendedor 45 Para realizar esse processo de transformação, as empresas são constituídas de várias funções que, integradas entre si e em constante interação com o ambiente onde estão inseridas, buscam atender às necessidades e expectativas dos seus clientes-alvo (figura 4). Figura 3: Modelo de transformação dos recursos organizacionais. Regulamentadores Consumidores Fatores políticos Fatores científicos Fatores tecnológicos Fatores econômicos Fornecedores Concorrentes Fatores sociais Fatores ecológicos Fatores culturais Fatores demográficos ORGANIZAÇÃO Figura 4: Administração: princípios e tendências/ Francisco José Masset Lacombe, Gilberto Luiz José Heilborn. São Paulo: Saraiva, 2003.
  44. 44. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 46 Tipos de EmpresasTipos de EmpresasTipos de EmpresasTipos de EmpresasTipos de Empresas A principal razão para o fracasso da maioria dos pequenos empreendimentos é a falta de habilidades administrativas, financeiras, mercadológicas ou tecnológicas dos empreendedores, somada a aspectos comportamentais que envolvem a gestão de um empreendimento. Empresas IndustriaisEmpresas IndustriaisEmpresas IndustriaisEmpresas IndustriaisEmpresas Industriais Produzem bens de consumo ou bens de produção por meio da transformação de matérias-primas em mercadorias ou produtos acabados. As empresas industriais que produzem bens de consumo oferecem seus produtos aos consumidores finais, enquanto as que produzem bens de produção geralmente são fornecedoras de outras empresas industriais ou comerciais. Exemplos de bens produzidos por empresas industriais: Empresas ComerciaisEmpresas ComerciaisEmpresas ComerciaisEmpresas ComerciaisEmpresas Comerciais Vendem mercadorias ou produtos acabados diretamente ao consumidor (varejo) ou àquelas que compram do produtor para vender ao varejista (atacado). Exemplos de empresas comerciais: Bens de consumo: - automóveis, motos, produtos farmacêuticos e veterinários; - papel e papelão, produtos alimentares, couros, peles e produtos similares; - mobiliário, fumo, perfumaria, bebidas e refrigerantes. Bens de produção: - material elétrico e de comunicação; - matérias-primas químicas e plásticas; - máquinas e equipamentos de produção. CHIAVENATO, Idalberto. Vamos abrir um novo negócio? São Paulo: Makron Books, 1994. Comércio varejista: - supermercados, lojas de roupas e vestuário; - restaurantes; - ferragens; - móveis e artigos de decoração; - lojas de veículos e acessórios; - joalherias e relojoarias. Comércio atacadista: - produtos alimentícios; - roupas e vestuário.
  45. 45. Escala I - O Empreendedor 47 Bem, após termos discutido nesta etapa de nossa viagem sobre as principais características do comportamento empreendedor e do que seja uma empresa, cabe-nos reforçar a idéia da figura do empreendedor na atual conjuntura econômica e social, buscando esclarecer ainda mais sua atuação dentro de um cenário de globalização dos mercados. Afinal, estão mudando as trajetórias das carreiras profissionais, a estrutura e o funcionamento dos negócios e a própria natureza do trabalho e suas relações, desmoronando a idéia de que as melhores oportunidades de sucesso profissional estão apenas nas grandes corporações industriais. Por isso, hoje vemos surgir muitos negócios novos. Mas como mencionado anteriormente, para que um novo negócio tenha sucesso, é importante estar consciente de quais são suas qualidades e suas deficiências, com forte espírito empreendedor. Uma análise de suas experiências práticas, capacidade e personalidade ajudará a enfrentar qualquer situação. Empresas de prestação de serviçosEmpresas de prestação de serviçosEmpresas de prestação de serviçosEmpresas de prestação de serviçosEmpresas de prestação de serviços Oferecem serviços especializados, como transporte, saúde, comunicação, educação, manutenção, lazer e outros. Produzem atividades profissionalizadas. Exemplos: Mas lembre-se: não basta só ter comportamento empreendedor. Você deverá estar muito bem informado a respeito das tendências de negócios, buscando desenvolver idéias criativas que possam ser transformadas em grandes oportunidades de negócios. Empresas prestadoras de serviço: •• administração de imóveis e valores imobiliários, •• alojamento e alimentação, •• bancos e financeiras, •• escolas e universidades, •• médicos, dentistas, psicólogos, advogados, •• transportes, •• agências de propaganda, •• hospitais e clínicas médicas, •• consultores, •• professores, •• mecânicos, eletricistas e encanadores.
  46. 46. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 48 Diário de BordoDiário de BordoDiário de BordoDiário de BordoDiário de Bordo Para fechar nossa primeira escala, gostaria de relembrar com você os pontos principais que discutimos aqui: Os empreendedores são pessoas que, quando desafiadas por uma oportunidade, estão dispostas a trabalhar arduamente para conseguir efetivá-la. Essas pessoas, independente de suas atividades, fazem com que as coisas aconteçam. Elas têm forte necessidade de realização e poder, possuem habilidade para influenciar pessoas, sentem necessidade de ter seu próprio negócio e aproveitam as oportunidades que surgem. Três importantes fatores gerais contribuem para o sucesso de pequenas empresas: valores associados à pessoa do empreendedor, habilidades gerenciais e habilidades pessoais.No jogo dos negócios o que distingue os empreendedores dos meros participantes são dois tipos de virtudes: as de apoio e as superiores. As virtudes de apoio são importantes e necessárias, mas as virtudes superiores são características apenas dos verdadeiros empreendedores. No entanto, não pense que você precisa reunir todas essas virtudes neste momento. É possível aprender, desenvolver e estimular todas essas qualidades. Para isso, você precisa conhecer quais são as principais virtudes do empreendedor. Nos últimos anos, as grandes empresas têm buscado trabalhar de forma mais enxuta, procurando adquirir maior flexibilidade. Nesse sentido, as pequenas empresas levam vantagem sobre seus concorrentes de grande porte, pois estão mais próximas do cliente, têm mais rapidez nas ações e informalidade. Mas, simplesmente montar um negócio não garante a concretização do sonho de sucesso. Ao decidir ser um empreendedor, você deve estar atento ao que está ocorrendo à sua volta, devendo atualizar-se sempre. Além da falta de atualização, a principal razão para o fracasso da maioria dos pequenos empreendimentos é a falta de habilidades administrativas, financeiras, mercadológicas ou tecnológicas dos empreendedores, somada a aspectos comportamentais que envolvem a gestão de um empreendimento. As empresas são organizações em constante interação com seus ambientes. As organizações, como classe especial de sistemas abertos, têm propriedades que lhes são peculiares, mas compartilham de outras propriedades em comum com todos os sistemas abertos. De acordo com seu ramo de atividade podem ser empresas industriais, comerciais ou de prestação de serviços. TÓPICOS CONSIDERAÇÕES Quem é o empreendedor? Características do empreendedor As mudanças e os novos empreendedores As empresas
  47. 47. Escala I - O Empreendedor 49 •• Qual a importância do empreendedorismo no momento atual da sociedade brasileira? •• Cite e analise duas vantagens que as pequenas empresas possuem em relação às empresas de grande porte. •• Identifique e analise as principais causas de fracasso das pequenas empresas. •• Cite dois exemplos de cada um dos tipos de empresa que existem. •• Descreva os principais fatores que contribuem para o sucesso das pequenas empresas. •• Quais as virtudes dos empreendedores que você considera serem mais difíceis de se desenvolver. Por quê? •• Cite as virtudes de apoio e analise uma delas. •• Cite as virtudes superiores e analise uma delas. •• Quais virtudes apresentadas fazem parte de suas características? •• Quais as virtudes superiores que você precisa desenvolver mais para ser um empreendedor bem-sucedido? Organize um plano de desenvolvimento. Bem, já está na hora de irmos à Capital de Empreendenópolis. No caminho, sugiro que você reflita sobre alguns aspectos importantes que foram vistos nessas três cidades em que você passou, relacionando-os com o que já sabia antes. Assim, ficará mais fácil de compreender a aplicação destes conhecimentos em sua área profissional. Atividades de ViagemAtividades de ViagemAtividades de ViagemAtividades de ViagemAtividades de Viagem A viabilidade de uma pequena empresa depende, basicamente, da figura do empreendedor, pois ele é o ponto central que determinará ou não o sucesso do empreendimento. Cabe a ele muitas vezes exercer, simultaneamente, o papel de dono da idéia e o de gerente das ações que serão colocadas em prática. Por essa razão, o empreendedor deve procurar sempre desenvolver as virtudes e as qualidades necessárias para obter sucesso no seu empreendimento.
  48. 48. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 50 Futuros RFuturos RFuturos RFuturos RFuturos Roteirosoteirosoteirosoteirosoteiros CHIAVENATO, Idalberto. Vamos abrir um novo negócio? São Paulo: Makron Books, 1994. COLLINS, James; PORRAS, Jerry. Feitas para durar: práticas bem-sucedidas de empresas visionárias. Rio de Janeiro: Rocco, 1995. LONGENECKER, Justin G.; MOORE, Carlos W.; PETTY, J. William. Administração de pequenas empresas. São Paulo: Makron Books, 1997. MORRIS, M. J. Iniciando uma pequena empresa com sucesso. São Paulo: Makron Books; McGraw-Hill, 1991. Comandantes de BordoComandantes de BordoComandantes de BordoComandantes de BordoComandantes de Bordo AZEVÊDO, João Humberto; VINÍCIUS, Mário. Os dez mandamentos. Exportar & Gerência, Brasília, n. 6, mar. 1999. BAUCIA, Alfredo. David contra Golias: o caso do Mastersux. In: GRACIOSO, Francisco (Org.). Grandes sucessos da pequena empresa: histórias reais. Brasília: SEBRAE, 1995. BERGAMASCO, Cláudia. Esses milhões que movem o mundo. Pequenas Empresas Grandes Negócios. São Paulo, ano XII, n. 144, p. 18-26, jan. 2001. CHIAVENATO, Idalberto. Vamos abrir um novo negócio? São Paulo: Makron Books, 1994. HILL, Napoleon. A lei do triunfo. 8. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1991. IBRAHIM, A., and J. GOODWIN. (1986). Perceived causes of success in small business. American Journal of Small Business, 11 (Fall), 41-50. KOTLER, Philip. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo: Atlas, 1994. LACOMBE, Francisco; HEILBORN, Gilberto. Administração: princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2003. LEVITT, Theodore. A imaginação de marketing. São Paulo: Atlas, 1986. LONGENECKER, Justin G.; MOORE, Carlos W.; PETTY, J. William. Administração de pequenas empresas. São Paulo: Makron Books, 1997.
  49. 49. Escala I - O Empreendedor 51 MEYER, Michael. O complexo de Alexandre. Rio de Janeiro: Record, 1992. SLACK, Nigel et al. Administração da produção. São Paulo: Atlas, 1997. YOUNG, Stanley. Administração: um enfoque sistêmico. São Paulo: Pioneira, 1997.
  50. 50. Como Identificar NovasComo Identificar NovasComo Identificar NovasComo Identificar NovasComo Identificar Novas Oportunidades de NegóciosOportunidades de NegóciosOportunidades de NegóciosOportunidades de NegóciosOportunidades de Negócios DIRETDIRETDIRETDIRETDIRETO À CAPITO À CAPITO À CAPITO À CAPITO À CAPITAL DEAL DEAL DEAL DEAL DE EMPREENDENÓPOLISEMPREENDENÓPOLISEMPREENDENÓPOLISEMPREENDENÓPOLISEMPREENDENÓPOLIS ESCALA IIESCALA IIESCALA IIESCALA IIESCALA II 53
  51. 51. Orientação de ViagemOrientação de ViagemOrientação de ViagemOrientação de ViagemOrientação de Viagem Como combinamos anteriormente em nossa 2ª escala, aqui na capital, procuraremos conhecer as novas oportunidades de negócios. Assim, antes de iniciarmos nossa visita, vou lhe falar um pouco sobre como identificar novas oportunidades de negócios. Posso dizer a você que para uma pessoa com comportamento empreendedor, iniciar uma empresa é uma experiência emocionante. Pode trazer um bom retorno financeiro e uma incrível satisfação pessoal. Mas, para ter sucesso o empreendedor deverá utilizar, além de toda sua dedicação e intuição, muita criatividade. Terá que gerar uma idéia vencedora, e aplicar toda a sua capacidade empreendedora para transformá-la em um negócio. Lembre-se! Antes de se arriscar num vôo solo, é preciso desfazer algumas ilusões. Isso mesmo! Ao abrir um novo negócio, você deve observar pelo menos cinco aspectos: volume de trabalho, retorno financeiro, riscos, investimento e ter conhecimento no ramo. Vamos ver cada um deles: Em relação ao volume de trabalho Quem pensa que vai trabalhar menos sendo patrão, já começa mal. Até o negócio se estabelecer, o empresário precisa cuidar de tudo pessoalmente. É ele quem abre e fecha a empresa, confere os estoques, sai atrás dos clientes, atende a reclamações e fecha as contas no final do expediente. Em relação ao retorno financeiro Outra fantasia que é bom esquecer: o dinheiro que se põe no bolso pode não ser muita coisa, pelo menos no começo. Nos primeiros anos da empresa, o ganho costuma ser até menor do que o salário do emprego que ficou para trás. Tudo isso significa que administrar a vida pessoal fica mais complicado. Por isso, quem começa um empreendimento achando que vai trabalhar pouco e ganhar muito dinheiro, provavelmente, vai se iludir. O trabalho físico pode até dobrar, porque no começo não dá para deixar na mão do parceiro, do irmão, do filho ou do empregado. O empreendedor deve saber que uma boa idéia é uma condição necessária, mas não suficiente, para se lançar, construir e eventualmente colher os frutos de um novo empreendimento. Ela é a pessoa que vê como e quando uma idéia pode ser transformada em um negócio de sucesso. Escala II - Como Identificar Novas Oportunidades de Negócios 55
  52. 52. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 56 Em relação ao risco O empreendedor deve saber também, que negócio sem risco não existe. Mas algumas precauções podem ser tomadas para começar com um pouco mais de segurança. Segundo alguns autores, a maioria das pessoas parte para um negócio próprio apenas inspirada na experiência bem-sucedida de conhecidos. É um equívoco sério. A chance de uma pessoa dar certo como empreendedor é maior quando ela gosta do que faz e melhor ainda se ela conhece o ramo. O que mais ajuda é fazer um projeto no papel. Em relação ao investimento financeiro Em relação ao investimento financeiro, o empreendedor deve saber exatamente não apenas quanto é preciso investir para abrir a empresa, mas também calcular quanto ela vai custar no primeiro ano de funcionamento. Uma nova empresa leva, em média, um ano e meio para começar a dar retorno. Portanto, você não deve apostar todas as economias no novo empreendimento, porque provavelmente terá que viver da poupança até o negócio deslanchar. Em relação ao conhecimento do ramo de mercado Um outro erro freqüente, cometido por empreendedores novatos, é entrar num negócio sem saber exatamente onde estão pisando. Bem, vamos em frente! De acordo com o roteiro, nossa permanência aqui na capital está dividida em dois momentos: no primeiro momento discutiremos sobre algumas questões que podem fazer a diferença, como a criatividade e os aspectos ligados às oportunidades criadas por uma idéia e, no segundo, veremos as tendências no mundo dos negócios. Iniciando nosso tour pela capital de Emprendenópolis, vou convidar você, primeiramente, a descobrir como encontrar sua idéia! Para isso é preciso espionar a concorrência, pesquisar os preços dos fornecedores e ter uma noção de como está o mercado. Então...Vamos lá?
  53. 53. Escala II - Como Identificar Novas Oportunidades de Negócios 57 Como Encontrar sua Idéia?Como Encontrar sua Idéia?Como Encontrar sua Idéia?Como Encontrar sua Idéia?Como Encontrar sua Idéia? Já descobriu? Veja, o primeiro passo de um empreendedor é a busca de idéias que possam ser transformadas em negócios. Essa pergunta merece ser pensada. Podemos dizer que idéia é: Lembre-se! Todos nós, alguma vez na vida, já tivemos alguma idéia que achamos genial. Até aí nada de excepcional. A virtude está em não deixar a luz se apagar. Mas se, ao contrário, a idéia ainda não apareceu, o importante é compreender como ocorre o processo de geração de idéias e aprender a deixá-lo acontecer. Muitas vezes tem-se várias idéias que podem levar à criação de diversos empreendimentos. O desafio, então, é identificar aquelas que realmente representam oportunidades de negócios. As idéias para novos empreendimentos surgem de uma variedade de fontes, contatos e experiências anteriores. Todas as idéias –– mesmo incompletas –– são válidas quando se está no processo de escolha. O processo de criação normalmente se desenvolve a partir de bombardeios de idéias que nem sabemos de onde surgem. O importante nesses momentos é não criticar. Quando julga ou critica, a pessoa se limita. Quando observa, ela cria oportunidades. Muitas vezes, deixamos de lado essas intuições, acreditando que são somente ““bobagens””, e desse modo perdemos muitas oportunidades. •• uma representação mental de uma coisa concreta ou abstrata; •• uma elaboração intelectual, ou concepção; •• um projeto, plano; ou •• uma invenção ou criação Quando uma idéia nos acompanha por muito tempo, não custa nada examiná-la melhor, para conferir se a escolha realmente valerá a pena. As idéias podem surgir não somente de uma experiência de trabalho, mas também a partir de hobbies, encontros sociais, trabalho autônomo, viagens, feiras e exposições, leitura, Internet, entre outros. Hum... Mas afinal, o que é uma idéia?
  54. 54. Viagem ao Mundo do Empreendedorismo 58 Uma alternativa interessante, nesses momentos, é anotar todos esses pensamentos, pois mais tarde eles poderão vir a ser combinados gerando dessa maneira, idéias muito interessantes. Para responder a dúvida de Tom, podemos citar um estudo que verificou as idéias de novos produtos ou serviços para novos negócios e constatou que: Esse estudo foi conduzido pela National Federation of Independent Business Foundation e citado por Longenecker et al. (1977). Outro aspecto muito importante é que o processo de geração de idéias sempre deve acontecer acompanhado pela informação. As idéias são os óculos através dos quais filtramos a informação. Desse modo, idéias sem informação são inúteis. O melhor de tudo é a informação suplementada por idéias. Quanto mais se lê, se busca, se investiga, mais elaborada a idéia se torna. As idéias de negócios, de acordo com Longenecker et al. (1977), podem ser classificadas em: Mas de que forma as novas idéias podem ser ampliadas? O processo de registro das idéias, na realidade, nada mais é do que a construção de um ““banco”” no qual você deposita e gera idéias, num processo contínuo de multiplicação. LONGENECKER, Justin G.; MOORE, Carlos W.; PETTY, J. William. Administração de pequenas empresas. São Paulo: Makron Books, 1997. (45%) Surgiu por meio de "experiência anterior de trabalho" (16%) Surgiu por meio de "interesses pessoais e hobbies" (11%) Surgiu por meio de um "acontecimento casual" (07%) Surgiu por meio de uma "sugestão" (06%) Surgiu por meio de uma "empresa familiar" (06%) Surgiu por meio de "cursos" (05%) Surgiu por meio de "amigos/parentes" (04%) Surgiu por meio de "outros"

×