PROJETO- DESCUBRA PARANAPIACABA
UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO
GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL –
JORNALISMO
São Paulo, 2013
Pré-projeto de trabalho de conclusão de curso, realizado pelos alunos do6ª semestre do
curso de Bachareladoem Comunicação ...
INTRODUÇÃO
O projeto inicial é de contextualizar a Vila Ferroviária de Paranapiacaba, que se
localiza no município de Sant...
1. O QUE É JORNALISMO
A atividade do jornalismo na sociedade contemporânea é, muitas vezes,
uma ferramenta capitalista que...
2. TURISMO EM PARANAPIACABA
O turismo no distrito acontece para compreender melhor a história de
Paranapiacaba, destacando...
A beleza da Vila já atraiu a atenção de fotógrafos, escritores e cineastas, que
fizeram das paisagens de Paranapiacaba cen...
3. PONTOS TURÍSTICOS
Museu Funicular do Trem
Os galpões que abrigaram o maior sistema funicular do mundo, ainda em seu lug...
Passarela Metálica
A passarela metálica foi construída em 1899
sobre o corredor ferroviário, onde se
localizavam a estação...
Igreja Bom Jesus de Paranapiacaba
Construída em 1887 para atender aos
funcionários católicos da ferrovia, era o
palco das ...
■ EVENTOS
Semana do Ferroviário
A cidade comemora, durante sete dias do mês de setembro, a Semana do Ferroviário.
Durante ...
■ ECOTURISMO
Cachoeira d´Água Fria
O percurso é de 1.200 metros em meio à Mata Atlântica. Durante o trajeto é possível
adm...
Ecoturismo & Natureza
Área de Preservação Ambiental entre as trilhas Olho D'Água e Tanque do
Gustavo - Parque Natural Muni...
Reserva Biológica do Alto da Serra de Paranapiacaba
A Reserva Biológica do Alto da Serra de Paranapiacaba, em seus 336 ha ...
4. INFRA-ESTRUTURA
Quem visita Paranapiacaba tem a oportunidade de se hospedar em pousadas
simples que se utilizamdos aloj...
Clima & Geografia
Tropical úmido com um inverno pouco rigoroso e uma neblina constante. O índice
pluviométrico da região é...
OBJETIVOS
Conhecer a Vila de Paranapiacaba;
Entender seu contexto histórico, artístico, ambiental, social, econômico e
cul...
METODOLOGIA
Esse trabalho foi realizado por meio de algumas pesquisas na internet,
reportagens e livros, filtrando-as com ...
RESULTADOS
Conhecer a Vila de Paranapiacaba foi uma experiência nova para nós, já que
éramos “turistas de primeira viagem”...
CONCLUSÃO
Considerando os fatores de relevância artística, social, cultural, ambiental e
econômica, uma pesquisa científic...
BIBLIOGRAFIA
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalhodeparanapiacaba1

460 visualizações

Publicada em

Trabalho de Pré Projeto de TCC

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
460
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalhodeparanapiacaba1

  1. 1. PROJETO- DESCUBRA PARANAPIACABA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL – JORNALISMO São Paulo, 2013
  2. 2. Pré-projeto de trabalho de conclusão de curso, realizado pelos alunos do6ª semestre do curso de Bachareladoem Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo. Seguem os nomes: DIEGO CARDOSO DE ALMEIDA DIEGO OLIVEIRA CARNEIRO Professor Orientador: Rafael Tosi
  3. 3. INTRODUÇÃO O projeto inicial é de contextualizar a Vila Ferroviária de Paranapiacaba, que se localiza no município de Santo André, no Estado de São Paulo. O presente estudo trás como proposta desencadear uma reflexão dentro da ótica jornalística e de comunicação institucional sobre a Vila Ferroviária de Paranapiacaba, no que diz respeito ao seu contexto histórico, social, econômico e cultural. Desse modo, o objetivo do projeto é desenvolver um website contendo um "tour virtual" em um modelo de game interativo, para que a população que deseja conhecer a Vila tenha uma base dos principais pontos turístico da localidade. Será empregado neste modelo, recursos jornalísticos, adotando os conteúdos multimídias (como fotos, textos, e videorreportagens) como base. Para tanto, foi considerado pertinente neste primeiro momento, o desenvolvimento de uma pesquisa bibliográfica, do tipo exploratória-descritiva, baseada em consultas a bases de dados bibliográficos sobre a história da Vila e sobre sua preocupante realidade de esquecimento por parte do poder público e, de até desconhecimento da população sobre um dos poucos patrimônios históricos da região metropolitana de São Paulo. O passado é a história da Vila. Suas casas de madeira úmidas, vermelhas, seu ferro também vermelho de ferrugem e seus habitantes, com suas memórias, histórias, lembranças e saudades.O presente é o resultado do passado. As transformações sofridas e geradas pelas necessidades da vida (como as novas profissões exercidas pelos ex- ferroviários), o dia-a-dia das pessoas que vivem com a cabeça no século XXI e os pés no século XIX.O futuro é sempre incerto. E assim também é na Vila que nasceu graças à via férrea e que hoje não recebe mais os passageiros dos trens. O futuro são as crianças da vila e também aqueles que acabaram de chegar encantados pelas belezas e pela história de Paranapiacaba.
  4. 4. 1. O QUE É JORNALISMO A atividade do jornalismo na sociedade contemporânea é, muitas vezes, uma ferramenta capitalista que tem por objetivo vender seu produto: a notícia. Porém o papel do jornalista, nesse sentido, não pode ser unicamente o de apresentar os fatos, pautado pela ética e pela busca da verdade. É importante que se tenha a consciência do que seja a verdade. Cabe a esse profissional da informação ir além da simples captação da informação. Se deve, na realidade, ser um agente transformador da sociedade e, através de sua profissão, sensibilizar e criar alternativas de modificação do contexto social. Deve-se desempenhar como papel principal a propiciação às pessoas do conhecer e do saber sobre algo que possa ser relevante de um modo geral, mas desconhecido dentro de um determinado meio social. Sabemos que o jornalista e o jornalismo precisam pensar e repensar sua função junto à comunidade em que estão inseridos de maneira constante. O papel do jornalista como agente conciliador, gerador e modificador de contextos, mediante seu papel transformador, pode criar melhorias para a sociedade. A grande mídia hoje em dia não se preocupa com as variantes sagas da grande maioria da população. Poucas são as pessoas que têm acesso aos meios de comunicação, resultando em uma informação, conferida unicamente a um grupo privilegiado de pessoas. É justo, portanto, uma reflexão sobre o jornalismo, para que ele de fato cumpra com sua verdadeira intencionalidade: mostrar mecanismos que façam os indivíduos refletir e encontrar as verdadeiras razões da sua existência e suas primordiais funções para com a humanidade e para com o ambiente. Sendo assim, uma função fundamental, não somente academicamente, mas também profissionalmente. Há que se refletir qual o papel dos profissionais de jornalismo e dos grandes meios de comunicação, o que eles têm feito para a melhoria da sociedade ou da comunidade que resolvem tratar, e qual o papel que pode ser desempenhado pelos profissionais da comunicação na busca da igualdade entre as pessoas, entre a harmonia entre o homem e sua história, ou até para com o ambiente em que se vive.
  5. 5. 2. TURISMO EM PARANAPIACABA O turismo no distrito acontece para compreender melhor a história de Paranapiacaba, destacando a importância da vegetação, do clima e da cultura ali existentes."Paranapiacaba" originou-se do termo da língua tupi, que significa "lugar de onde se vê o mar", através da junção de paraná (mar), epiak (ver) e aba (lugar). A Vila de Paranapiacaba está inserida em um vale na Serra do Mar e localizada no município de Santo André, a 48 km do centro do município (cerca de 70 km do centro da Capital). É um lugar charmoso, onde o clima e a neblina das montanhas podem remeter o turista às paisagens típicas europeias. Fundada para abrigar os funcionários da companhia inglesa São Paulo Railway de trens que construiu as primeiras ferrovias paulistas, especialmente o trecho conhecido como Estrada de Ferro Santos – Jundiaí, estrada que ligava o interior do Estado de São Paulo ao porto de Santos, essa pequena Vila se tornou um ponto turístico ainda pouco explorado e pouco conhecido pelos paulistas e pelos brasileiros. Construída a partir de 1860, a Vila tem casas feitas em madeira de pinho e estilo inglês, e ruas cuidadosamente planejadas, dando uma sensação de aconchego para quem chega ao lugar. Ligadas ao clima frio e constantemente nublado essas características dão ao vilarejo o clima que atrai turistas de todas as partes, principalmente durante o Festival de Inverno de Paranapiacaba, realizado no mês de julho. Paranapiacaba é cercado pela exuberância da Mata Atlântica restante na esplêndida Serra do Mar, onde o turista pode desfrutar de passeios relaxantes pelas trilhas, cachoeiras e piscinas naturais existentes na região. O lugar é ideal para a prática de esportes radicais. A Igreja de Bom Jesus de Paranapiacaba e os museus Funicular (do Trem) e Castelinho, onde está o carro de D. Pedro II, são alguns lugares que devem ser visitados, além do Parque Natural das Nascentes, destinado à preservação da fauna e da flora locais.
  6. 6. A beleza da Vila já atraiu a atenção de fotógrafos, escritores e cineastas, que fizeram das paisagens de Paranapiacaba cenários para suas obras. As estações e maquinários em exposição são verdadeiras aulas de história da técnica e da engenharia nas obras de arte da construção ferroviária. Um passeio inesquecível, que faz lembrar a Inglaterra, no meio da Serra do Mar. No centro ainda existe o antigo relógio que controlava o ritmo das atividades dos operários que construíram a estrada e a estação ferroviária está em pleno funcionamento. A beleza arquitetônica característica deu à Paranapiacaba o título de Patrimônio Nacional e a classificação entre os 100 monumentos mais importantes do mundo por organizações internacionais e não-governamentais que atuam na área de preservação do patrimônio histórico. Em abril de 2003 com a visita do grupo World MonumentsFund - WMF, ONG de origem norte americana que lista 100 bens anuais reconhecidos como patrimônio histórico que necessitam de trabalhos para a sua preservação, Paranapiacaba apareceu como patrimônio cultural mundial, dentro de uma lista internacional organizada pela WMF, que ao mesmo tempo denuncia a necessidade de recuperação dos patrimônios históricos mundiais e os reconhece como tal. Além disso, é possível encontrar em operação em Paranapiacaba a segunda locomotiva mais antiga do Brasil, que pertenceu à SPR e hoje integra o acervo da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF). Anualmente, no mês de julho, a vila também é palco do tradicional Festival de Inverno de Paranapiacaba, que reúne estrelas da MPB, rock, música clássica e atrações internacionais.
  7. 7. 3. PONTOS TURÍSTICOS Museu Funicular do Trem Os galpões que abrigaram o maior sistema funicular do mundo, ainda em seu lugar original, compõem hoje o Museu Funicular de Paranapiacaba. As peças estão todas em exposição para mostrar como era feito o trabalho das maquinarias: a roda de inércia movida a vapor, os cabos de aço e um veículo serra-breque. Um passeio por este museu vai revelar muito da história ferroviária do lugar e também de seus primeiros moradores. Foto: Pref. Mun. de Santo André Museu do Castelinho Construído em 1897 para ser a residência do superintendente inglês durante a construção da estrada férrea, o Castelinho fica no alto de uma colina. Sua localização foi estratégica, pois de lá era possível avistar todas as ruas do distrito. Atualmente o lugar abriga o Centro de Preservação da Memória de Paranapiacaba. Foto: Pref. Mun. de Santo André
  8. 8. Passarela Metálica A passarela metálica foi construída em 1899 sobre o corredor ferroviário, onde se localizavam a estação, o pátio e todos os equipamentos, para ligar os dois núcleos da Vila. Clube União Lyra Serrano Sede das principais atividades culturais de Paranapiacaba, como o badalado Festival de Inverno. Foi uma das últimas construções inglesas na Vila de Paranapiacaba, por volta de 1936 e chama a atenção por sua beleza. O Serrano é formado por um prédio com hall, salão de jogos, sala de troféus, salão de baile e cinema, além do complexo esportivo externo com campo de futebol. Foto: Pref. Mun. de Santo André
  9. 9. Igreja Bom Jesus de Paranapiacaba Construída em 1887 para atender aos funcionários católicos da ferrovia, era o palco das missas e da tradicional Festa do Padroeiro, a festa mais antiga de Santo André e que acontece até hoje. Foto: Pref. Mun. de Santo André Feira de Artesanato do Parque Andreense Feira realizada de 9h às 18h todos os domingos para comercialização de artesanato, flores e alimentos produzidos pelos moradores locais no Pátio do Posto Rodoviário do Parque Andreense. Exposição permanente de Ferromodelismo Realizada todos os sábados, domingos e feriados, entre 10h e 17h, essa feira expõe maquetes de trens e miniaturas em movimento do pátio ferroviário de Paranapiacaba. Rua Varanda Velha, Vila Velha.
  10. 10. ■ EVENTOS Semana do Ferroviário A cidade comemora, durante sete dias do mês de setembro, a Semana do Ferroviário. Durante o evento são realizadas oficinas culturais, exposições, exibições de vídeos, passeios turísticos e debates, voltados para a história e trabalho do setor ferroviário. Todos os eventos são gratuitos. Festival de Inverno de Paranapiacaba Evento que reúne milhares de pessoas em apresentações culturais, entre elas: orquestras, grupos de jazz, MPB, blues, chorinho, rock, teatro e festival gastronômico. Tornou-se uma das marcas de Paranapiacaba, desde quando aconteceu pela primeira vez em 2001. O Festival de Inverno é realizado no mês de julho.
  11. 11. ■ ECOTURISMO Cachoeira d´Água Fria O percurso é de 1.200 metros em meio à Mata Atlântica. Durante o trajeto é possível admirar diversas espécies de plantas, flores, árvores, pássaros e muitas nascentes. A cachoeira da Água Fria leva esse nome por conta da temperatura da água que se mantém fria, mesmo nos dias mais quentes.
  12. 12. Ecoturismo & Natureza Área de Preservação Ambiental entre as trilhas Olho D'Água e Tanque do Gustavo - Parque Natural Municipal Nascente de Paranapiacaba Além da possibilidade de observar a flora e a fauna da Mata Atlântica de perto, os visitantes podem conhecer o sistema de reservatórios implantado pelos ingleses no final do século XIX. O projeto foi planejado valorizando a integração entre a natureza e a engenharia. A área que contorna a Vila de Paranapiacaba foi transformada na unidade de conservação Parque Natural. As belastrilhas do Olho D Água, o tanque do Gustavo, a Pontinha, a Água Fria e a Comunidade são lugares belíssimos que devem ser visitados com acompanhamento de monitor ambiental. São 4 milhões de metros quadrados de Mata Atlântica exuberante preservada. Cachoeira da Fumaça Possuindo uma queda d'água com aproximadamente 130 metros de altura, é um excelente ponto para a prática de rapel.
  13. 13. Reserva Biológica do Alto da Serra de Paranapiacaba A Reserva Biológica do Alto da Serra de Paranapiacaba, em seus 336 ha predomina relevo montanhoso, com o ponto mais elevado - Mirante - voltado para o vale do Rio Mogi (Hoehne, 1925); a declividade diminui em direção ao bairro de Campo Grande. Pelos seus vales e baixadas correm vários córregos que contribuem para a formação de rios maiores, como o Rio Grande. A vegetação da Reserva, composta por florestas e campos nativos entremeados por manchas esparsas de matas mais baixas, é predominantemente secundária. A Reserva foi criada em 1909 por Hermann vonIhering, como reserva particular, para preservar florestas e campos nativos; e em 1913 foi adquirida pelo governo estadual Conhecida como Parque Cajuru e Estação Biológica na época, seus limites estendiam-se entre as estações ferroviárias de Campo Grande e Alto da Serra, esta junto à Vila de Paranapiacaba (Hoehne, 1923); posteriormente, a área original foi ampliada pela doação de uma gleba junto à antiga entrada, feita pela "São Paulo Railway Company", e aquisição de uma outra pertencente ao Sr. Manuel Augusto Alfaya (Hoehne, 1937, 1940). Na década de 1970, entretanto, a Reserva perdeu quase 248.588m2 com a construção da rodovia SP-122 e, em 1982, com seus 336 ha, passou a ser chamada de Reserva Biológica do Alto da Serra de Paranapiacaba.
  14. 14. 4. INFRA-ESTRUTURA Quem visita Paranapiacaba tem a oportunidade de se hospedar em pousadas simples que se utilizamdos alojamentos dos operários da ferrovia, construídos em estilo inglês, com o charme e aconchego oferecido pelo calor das lareiras. São diversos estabelecimentos, a maioria com pernoite e café da manhã. Restaurantes, bares e cafés coloniais satisfazem os mais variados paladares. Muitos deles foram montados em típicas casas de estilo inglês e oferecem desde petiscos a pratos requintados. Destaque para as delícias das tradicionais casas de chá, lugares ideais para as tardes frias da região. Um grande problema em Paranapiacaba é a falta de infraestrutura turística, não há quaisquer tipos de acessibilidade para portadores de deficiência, são poucos os banheiros públicos, sinalização é precária, quase não há informação especializada nos museus, estacionamento para os ônibus e veículos, telefones públicos quebrados, entre outros fatores. Grande parte do trabalho de manutenção dos pontos turístico são realizados por moradores que trabalham voluntariamente, na maioria das vezes, sem qualquer apoio dos órgãos do Estado. Porém existe uma realidade de abandono no local. A Vila carece de serviços públicos básicos. Entre as reclamações, as mais constantes foram sobre Transporte e de falta de médicos no Posto de Saúde. É difícil encontrar sinal para telefonia móvel. Farmácias, mercados, posto de gasolina e outros comércios comuns à qualquer cidadezinha, não são encontrados. Mesmo um turista, vindo de uma grande metrópole, é de se impressionar com a quantidade absurda de cães abandonados que encontra em toda a Vila. Muitos deles estão doentes: com sarna e sem vacinação adequada. Os moradores reclamam muito da falta de energia em Paranapiacaba. Muitas ruas são iluminadas por uma única lâmpada, e nas ruas que não há, moradores improvisam ao usarem candeeiros de querosene. Após a privatização do Sistema Ferroviário no final da década de 1990, todo o parque ferroviário apresenta os tristes sinais do abandono e do tempo. O pátio da estação é um verdadeiro “Cemitério Ferroviário”, retratando perfeitamente a falta de políticas públicas para com o sistema ferroviário, que tanto alavancou o progresso do país.
  15. 15. Clima & Geografia Tropical úmido com um inverno pouco rigoroso e uma neblina constante. O índice pluviométrico da região é acima de 2.000 mm, atualmente Paranapiacaba detém o título de cidade que mais chove no Brasil. A Vila de Paranapiacaba é coberta por uma floresta pluvial, montana ou baixo montana, que é uma espécie de floresta tropical onde a temperatura mais baixa e da altitude local interferem nas características básicas. O Cambuci é o fruto típico da região. Além disso, a Mata Atlântica abriga animais e plantas que estão ameaçadas de extinção. Como Chegar De Carro:Saindo de São Paulo o percurso para Paranapiacaba deve ser feito seguindo pela Via Anchieta até o Km 29 (placa para Ribeirão Pires), entrar na SP 148 (estrada Velha de Santos) e continuar até o Km 33. Depois o motoristadeve pegar a Rodovia Índio Tibiriçá (SP 31) até o Km 45,5 e em seguida entrar na SP 122 até o estacionamento, a 5 km de Paranapiacaba. De lá partem ônibus que fazem o trajeto de ida e volta da vila ferroviária. De Ônibus:Os ônibus para Paranapiacaba saem do Terminal Rodoviário de Santo André (Tersa), localizado na Estação Prefeito Saladino (CPTM). De Trem:A linha 10 - turquesa - da CPTM liga a estação da Luz à Rio Grande da Serra, de onde partem veículos da Ponte Orca, de transporte público em direção à Vila. Expresso Turístico Paranapiacaba:O trajeto é realizado aos domingos, exceto nos segundos do mês. O passageiro tem a opção de embarcar às 8h30 na Estação da Luz ou às 9h00 na Estação Prefeito Celso Daniel-Santo André (Linha 10-Turquesa, da CPTM). O retorno ocorre às 16h30 em Paranapiacaba. A viagem é feita a bordo de uma composição especial, formada por dois carros de aço inoxidável fabricados no Brasil na década de 50. O percurso leva 1h30, proporcionando ao turista uma viagem no tempo. Entre os destaques estão as estações Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, tombadas recentemente pelo patrimônio histórico de São Paulo. A viagem necessita de agendamento prévio, realizável pelo site da CPTM, pelo preço de R$ 34,00. Créditos: Pref. de Santo André e EMBRATUR
  16. 16. OBJETIVOS Conhecer a Vila de Paranapiacaba; Entender seu contexto histórico, artístico, ambiental, social, econômico e cultural; Conhecer os pontos turísticos; Desenvolver um site que propicie informações adequadas do local; Reportar as ações de melhoria para a região; Observar a ferrovia, e mostrar o total abandono por parte dos governos locais; Mostrar as belezas do ecossistema da região; Descobrir o processo de revitalização dos patrimônios históricos; Demonstrar o potencial turístico ainda inexplorado da Vila; Observar as peculiaridades e o folclore local.
  17. 17. METODOLOGIA Esse trabalho foi realizado por meio de algumas pesquisas na internet, reportagens e livros, filtrando-as com a palavra-chave Paranapiacaba, Ferrovia e História de Paranapiacaba. Até o momento, fora realizado duas visitas ao local, nos meses de Junho e Julho de 2013, o que proporcionou um conhecimento real sobre o que acontece na localidade e um pouco mais sobre a sobrevivência agonizante da Vila. E por fim houve a necessidadedo trabalho de campo, dentro do empirismo jornalístico, para aprimorar o conhecimento sobre o assunto, onde foicolhido o depoimento dos monitores do passeio turístico (relatando ao longo do caminho um pouco sobre Paranapiacaba e tirando algumas dúvidas do grupo), dos comerciantes locais, dos turistas que visitam a região, das instituições oficiais que administram a Vila e de uma pequena parcela da população que vive em Paranapiacaba. As fotos que foram tiradas durante o trabalho de campo teve o critério de inclusão ilustrativa para cada ponto turístico, e o de exclusão foi pela melhor resolução desta pesquisa inicial.
  18. 18. RESULTADOS Conhecer a Vila de Paranapiacaba foi uma experiência nova para nós, já que éramos “turistas de primeira viagem” no local. Lá, o clima, a vegetação, a gastronomia e a arquitetura são bem diferentes do de São Paulo. Principalmente no que se refere ao meio ambiente, já que são ecossistemas totalmente diferentes. O turismo em Paranapiacaba tornou-se extremamente importante, pois nos dias de hoje, a população local vive basicamente desta atividade, já que a operação de passageiros da ferrovia não funciona mais. Um trecho dos trilhos que passam no local possui uma operação plenamente comercial, no que se refere ao transporte de cargas, e é atualmente administrado pela MRS Logística S/A. ter a oportunidade de vislumbrar os pontos turísticos foi primordial para saber a real importância do lugar como patrimônio histórico. Saber como eram aquelas casas, a cultura e o trabalho na ferrovia, remete qualquer turista ao século XIX. Observar a ferrovia foi uma experiência diferente. É de conhecimento geral a privilegiação do transporte terrestre frente ao ferroviário. Porém, visitando Paranapiacaba, essa realidade resulta num certo incomodo com uma parte importante da história do nosso país. Não há uma preocupação por parte dos governos em preservar a história daquelas pessoas que construíram o desenvolvimento do Brasil, através das ferrovias. No local, é possível identificar várias placas que mostram a escrita do século passado, roupas da época, as engrenagens e os mecanismos de engenharia daquele período apodrecendo diante o tempo, sem o devido cuidado. Ter contato direto as pessoas e suas respectivas histórias dói, principalmente no que se refere aos contextos histórico e socioeconômico. Lhes foram tiradas as principais condições econômicas, com o fim da operação da ferrovia e sua respectiva privatização. O turismo seria a ferramenta que poderia trazer uma eventual sustentabilidade econômica para a população nativa, porémsão pífias as iniciativas governamentais para a fomentação de um circuito turístico da região. O que há de louvável é a iniciativa de alguns moradores e organizações locais que doam tempo, trabalho, dinheiro e dedicação para a manutenção da Vila. Vale ressaltar que em todo o mundo, há somente duas vilas ferroviárias inglesas preservadas: Paranapiacaba e Thirlmere, nos arredores de Sidney – Austrália.
  19. 19. CONCLUSÃO Considerando os fatores de relevância artística, social, cultural, ambiental e econômica, uma pesquisa científica, um trabalho jornalístico, um projeto institucional ou qualquer outra iniciativa isolada não será capaz de analisar a problemática expositória de uma população e de seu ambiente. Todavia, este projeto é parte de um processo, que vai além da pesquisa empírica ou da produção jornalística, por abranger uma série de fatores que envolvem os mais diversos contextos citados em que Paranapiacaba se insere. Concluímos com esse trabalho, que com muitas pessoas poderão se beneficiar, uma vez que a ideia é trazer informações qualitativas e de linguagem multimídia, dentro de um website, sobre um distrito histórico pouco conhecido pela população de um modo geral. Eventualmente, este projeto poderá auxiliar tanto os moradores, quanto os administradores e principalmente os turistas que dispõem de poucas informações sobre Paranapiacaba. Este projeto, será mais uma iniciativa que proporcionará, talvez à longo prazo, uma melhoria na qualidade de vida de um meio social, e até mesmo, despertar a vontade política das autoridades oficiais em resgatar as ferrovias de nosso país. É no mínimo incompreensível a falta de estratégia do Brasil para com as ferrovias. Como em Paranapiacaba, trilhos e vagões que enferrujam ao jugo do tempo. Justamente trilhos e vagões que fazem falta para transportar a principal das riquezas de nosso país: as pessoas. Mas também as outras riquezas de nossa terra que trafegam por quilômetros em estradas mal conservadas. Não se pode deixar em ruínas asmarcas de um passado que trouxe muito progresso para nossa nação. Passado que realmente mais racional do que o nosso presente. Não se pode permitir nem como jornalista, nem como cidadão, que a situação chegue ao fundo do poço, para que se possa realizar os primeiros passos de um reerguimento transformador na logística, na história e no turismo de uma região esquecida, ao mesmo tempo tão próxima da cidade mais rica do país.
  20. 20. BIBLIOGRAFIA

×