Os Flertes da NoivaPor Otoniel Tavares de Carvalho (RA, jan. de 1990)Ela era bonita, muito bonita. Estava feliz e radiante...
O noivo, Jesus Cristo, foi fiel à Sua noiva por todo o tempo. Nunca lhe ofereceumotivos para ciúmes ou dúvidas quanto ao S...
com o Seu próprio sangue. Eu sei que, depois da Minha partida, entre vós penetrarãolobos vorazes que não pouparão o rebanh...
indecentes, a freqüentar lugares duvidosos, a viver uma vida de luxúria e infidelidade.Satanás embriagou a noiva com um fo...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Os flertes da noiva

1.337 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.337
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
86
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os flertes da noiva

  1. 1. Os Flertes da NoivaPor Otoniel Tavares de Carvalho (RA, jan. de 1990)Ela era bonita, muito bonita. Estava feliz e radiante, pois acabara de dar um passodecisivo em sua vida: ficara noiva. Seu rosto expressava toda a felicidade que lheenchia o ser. Seu coração jubilava, por haver alcançado um objetivo importante. Aoseu lado, estava o noivo. Simpático, comunicativo, falava aos amigos do amor ecarinho que tinha pela noiva.Tempos depois, aquela bonita jovem foi encontrada entre lágrimas e decepções. Onoivado acabara. Sonhos de um belo futuro se desvaneceram. O noivo descobrira quesua simpática e atraente noiva gostava de aventuras perigosas, distraindo-se emflertes apaixonados com outro rapaz. Assim acabou-se um noivado que todosimaginavam promissor e que levaria a um feliz enlace matrimonial.A noiva do CordeiroA literatura bíblica e o linguajar cristão apresentam a Igreja de Deus como sendo a"noiva" do Cordeiro. Isto revela que Jesus e Sua Igreja mantêm um relacionamentoíntimo e pessoal. Ao vir ao mundo, Jesus chamou Sua Igreja para que estivesse sempreao Seu lado, acompanhando-O nas atividades diárias. Sua união com a Igreja era clarae visível.João Batista, fiel amigo de Jesus, pôde testemunhar de sua fidelidade ao noivo. Isto érelatado pelo evangelista João. Alguns amigos e discípulos de João Batista viram queJesus estava atraindo o interesse das multidões e fazendo muitos discípulos.Enciumados, correram até à presença de seu mestre para informá-lo do fato.Disseram-lhe: "Mestre, aquele que estava contigo além do Jordão, do qual tens dadotestemunho, está batizando, e todos lhe saem ao encontro." João 3:26.Ansiosos, aguardando uma resposta dura e enciumada de seu rabi, os discípulos deJoão Batista ouvem este belo testemunho de companheirismo e fé: "O homem nãopode receber coisa alguma se do Céu não lhe for dada. Vós mesmos sois testemunhasde que vos disse: Eu não sou o Cristo, mas fui enviado como seu precursor. O que tema noiva é o noivo; o amigo do noivo que está presente e o ouve, muito se regozija porcausa da voz do noivo. Pois esta alegria já se cumpriu em mim." João 3:27-29.João Batista estivera até ali acompanhando a "noiva", porém sabia que não era onoivo. Era amigo fiel. Companheiro. Precursor. Mas não era o noivo. Não tinha direitosobre a noiva. Não podia flertar com a noiva, tentando seduzi-la. Não devia forçar aatenção e o interesse da noiva para com sua pessoa.
  2. 2. O noivo, Jesus Cristo, foi fiel à Sua noiva por todo o tempo. Nunca lhe ofereceumotivos para ciúmes ou dúvidas quanto ao Seu sublime amor. Amou-a de tal maneiraque "a Si mesmo Se entregou por ela, para que a santificasse... para a apresentar a Simesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa esem defeito." Efés. 5:25-27. Não lhe ofereceu um amor irresponsável, cheio depalavreado bonito. Provou Seu amor, oferecendo-Se como penhor e garantia de umamor não fingido. Foi um amor objetivo, dinâmico e prático.Ausência do noivoDepois de selar um compromisso de casamento com Sua noiva, através do "sangue danova aliança", Jesus precisou ausentar-Se por algum tempo. "Quem casa, quer casa",diz um provérbio popular. E Jesus sabe isto. Por isso voltou à Casa Paterna, a fim deinterceder pela noiva e lhe preparar o lugar ideal, onde possam viver juntos para todoo sempre. Não se tratava de uma separação-rompimento, mas de uma separaçãotemporária, circunstancial. O amor que nutre pela noiva não permite que negue apalavra empenhada. Pois, antes de ir à Casa Paterna, prometeu: "Na casa de Meu Paihá muitas moradas. Se assim não fora, Eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar.E quando Eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para Mim mesmo, paraque onde Eu estou estejais vós também." João 14:2 e 3.Jesus ausentou-Se temporariamente de Sua noiva, mas não é um noivo omisso. Tomoutodas as providências necessárias para que Sua noiva estivesse protegida e bemacompanhada. Sua ausência seria minorada pela companhia do Consolador, o EspíritoSanto, Seu Irmão na Divindade, bem como pela presença dos Seus fiéis irmãos dehumanidade. Eles cuidariam fielmente de Sua noiva.Paulo, servo e apóstolo de Jesus Cristo, foi um zeloso companheiro do noivo. Certa vez,preocupado com o assédio que o inimigo número um fazia à noiva do Cordeiro, Paulodesabafou diante da noiva, dizendo-lhe: "Porque zelo por vós com zelo de Deus; vistoque vos tenho preparado para vos apresentar como virgem pura a um só esposo, queé Cristo. Mas receio que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia,assim também sejam corrompidas as vossas mentes, e se apartem da simplicidade epureza devidas a Cristo." II Cor. 11:2 e 3.Paulo notou os continuados flertes de Satanás com a Igreja de Jesus Cristo. Pensou natragédia que seria ver a noiva, jovem e atraente, frágil na sua beleza, aceitar asseduções do diabo. Tremeu ao pensar nisto.Flertes da noivaA preocupação de Paulo tinha razão de ser. Profeticamente, ele anteviu os constantesassédios do diabo, tentando desviar a noiva de sua fidelidade a Jesus. Assim comotivera sucesso em seu flerte com Eva, levando-a ao adultério espiritual, afastando-a deseu compromisso de fidelidade a Deus, levando ao pecado o primeiro Adão (Gên. 3:1-6), Satanás não daria tréguas à Igreja, à noiva de Jesus Cristo, o segundo Adão.Angustiado com o futuro da noiva, pois antevia ataques ferozes, Paulo orientou ospastores, dizendo-lhes: "Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o EspíritoSanto vos constituiu bispos, para pastoreardes a Igreja de Deus, a qual Ele comprou
  3. 3. com o Seu próprio sangue. Eu sei que, depois da Minha partida, entre vós penetrarãolobos vorazes que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarãohomens falando coisas pervertidas, para arrastar os discípulos atrás deles." Atos 20:28-30.Desde o dia em que Jesus Se ausentou, muitos foram os ataques de Satanás à noiva doCordeiro. Nem sempre a noiva se manteve fiel. Muitas vezes a noiva vacilou em suafidelidade, e aceitou os flertes do diabo.Ausente fisicamente, mas acompanhando em Espírito todos os passos de Sua noiva(Mateus 28:20), Jesus enviou algumas cartas à noiva, nas quais demonstrou toda Suapreocupação pela perseverança da noiva em se conservar fiel a Ele até o dia docasamento.Noivo preocupadoForam ao todo sete cartas que o noivo escreveu. Em algumas delas Ele elogia a firmezae carinho da noiva; em outras, denuncia um amor fingido, aparente, morno. Deduz quea noiva está cedendo às seduções e galanteios de Seu maior rival, Satanás. Repreende-a por sua volubilidade. Porém, como a ama deveras, não mantém por muito tempo osobrecenho cerrado (Lam. 3:31-33). Perfuma Suas cartas com promessas de perdão eamor.Em Sua primeira carta (Apoc. 2:1-7), o noivo Jesus Cristo louva a determinação comque Sua noiva, a Igreja, resistiu às primeiras investidas do rival Satanás. Masrepreende-a carinhosamente por começar a ficar excitada pelos galanteios que o diabolhe atira. Diz Ele: "Tenho, porém, contra ti, que abandonaste o teu primeiro amor." E,então, lembra-a dos dias felizes que tiveram juntos: "Lembra-te, pois, de onde caíste,arrepende-te, e volta à prática das primeiras obras."A noiva recebe a advertência do Noivo e a compreende. Decide ficar fiel. Em Suasegunda carta, o Noivo elogia a fidelidade. (Apoc. 2:8-11). Nenhuma repreensão elarecebe. Só carinho e elogio.Porém, muitos amigos da noiva (seus membros) ficam contra ela por causa de suafidelidade. Satanás consegue atrair seus amigos, com o fim de levar a noiva àinfidelidade. A noiva vacila. Cerca-se de falsos amigos que a levam à sensualidade.Algumas amigas (falsas idéias a respeito do Noivo) tentam manchá-la, pensando comisto prejudicá-la diante do Noivo, para que ela se torne abominável.As cartas do Noivo têm abrangido um período muito longo, que mostram o interesse ea preocupação pelo bem-estar de Sua noiva. A última carta (Apoc. 3:14-22) é um mistode tristeza, reprovação de conduta e sentimentos de amor e bondade. Revela umNoivo ofendido pela conduta repreensível de Sua noiva. Mostra que a noiva nãocontinuou fiel aos votos de pureza e castidade inicialmente propostos. A noiva flertoumuito com o rival de Jesus Cristo.Em seus flertes, a noiva trocou a segurança, a pureza e o conforto dos braços segurosde seu amado Noivo, entregando-se a um romance perigoso e comprometedor comSatanás. Com o rival de Jesus, a noiva passou a enfeitar-se de jóias, a usar roupas
  4. 4. indecentes, a freqüentar lugares duvidosos, a viver uma vida de luxúria e infidelidade.Satanás embriagou a noiva com um forte vinho do erro e da mentira, tão abundantesem sua adega satânica. A noiva chegou a tal estágio de loucura e infidelidade, quedisse ao Noivo: "Estou rica e abastada e não preciso de coisa alguma". Com estadeclaração, ela queria dizer: "Meu amante me deu tudo o que eu precisava. Tenhotudo que quero. Não preciso mais da ajuda do meu Noivo."Jesus Cristo, o Noivo da Igreja, ouviu essa infame declaração dos lábios daquela queera Sua amada, e ficou muito magoado. Isto era um repúdio a todo o amor que haviadevotado a ela. Ferido em Seu amor, o Noivo desabafou: "Nem sabes que és infeliz,sim, miserável, pobre, cega e nua." "Tu estás sendo enganada. Alguém te embriagou.Alguém te deixou drogada. Meu rival fez tua cabeça e te pôs essas palavras na boca.Mas Eu posso te ajudar. Eu posso tirar-te dessa situação deprimente e vergonhosa, ecolocar-te outra vez em teu devido lugar." Então o Noivo faz um plano de ação paratirar a noiva das garras do tirano rival. Diz Ele: "Aconselho-te que de Mim compresouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fimde que não seja manifesta a vergonha de tua nudez, e colírio para ungires os teusolhos, a fim de que vejas."É um plano especial, para salvá-la da morte eterna. Mas o Noivo quer deixar bem claroSua intenção ao propor esse plano: é porque a ama muito, apesar do desprezo quesofreu. Ele diz: "Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zelosa, earrepende-te."A seguir, o Noivo se põe à disposição de Sua noiva. Diz que está à porta, desejandoentrar. Quer vir até ao encontro da noiva, a fim de realizar a festa nupcial, ocasamento, as bodas, o grande banquete do reencontro com Sua amada. Ele estásaudoso, querendo que isto ocorra logo. Mostra-lhe isto, dizendo-lhe: "Eis que venhosem demora..." Apoc. 22:12.A noiva recebe esse recado apaixonado de seu Amado, e sente que Ele tem razão. Seuconselho é "fiel e verdadeiro". Ela se afasta de seus flertes com Satanás, e volta aandar na companhia segura do Amigo do Noivo, o Consolador, chamado Espírito Santode Deus. Sente-se saudosa de seu Amado. Deseja que Ele volte logo, e materialize suamaior aspiração: o casamento. Com isto em mente, e confiando plenamente naspalavras do Noivo, ela Lhe escreve algumas poucas palavras, ajudada pelo Amigo, quetambém está ansioso pelo retorno imediato do Companheiro Jesus. A mensagem ébem curta, e diz: "O Espírito e a noiva dizem: Vem." Apoc. 22:17.Também esse é o clamor de todos os fiéis amigos do Noivo. Em uníssono eles clamam:"Vem logo, Senhor."

×