O falso profeta no apocalipse

1.313 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.313
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O falso profeta no apocalipse

  1. 1. O Falso Profeta no ApocalipsePor George McCready PriceA descrição bíblica do falso profeta, a besta de dois chifres, seria bastante surpreendente sesignificasse aplicar-se há muito no passado; mas como se aplica aos nossos tempos modernos,a descrição dada em Apocalipse 13:11-17 evidentemente significa algo para alarmar-nos. Estacriatura é retratada pela Inspiração como mais perigosa que qualquer poder precedente, maisperigosa porque mais sagazmente decepcionante. Ele é pintado como o mais consumadoimpostor e enganador de toda a história humana. A besta leopardo é descrita como blasfema ecruel; mas o falso profeta é mencionado como astuto e esperto, com a habilidade de produzirempolgantes maravilhas que parecem ser milagres reais com o propósito de induzir qualquerpessoa a cultuar a besta leopardo. A predição é a que ele atualmente consegue neste trabalhonefasto e consegue que todos menos uns poucos façam uma imagem viva e resfolegante dabesta leopardo, e induz a todos os moradores da terra a adorar a primeira besta e sua imagem.Assim a ferida mortal está completamente curada. É por isto que esta besta leopardo nova échamada de falso profeta.Tudo isto é uma atividade religiosa; somente num sentido muito secundário pode serconsiderado político. Um profeta de qualquer tipo, verdadeiro ou falso, é um oficial religioso,não civil. Por ser tão eficiente em sua carreira toda ao enganar e seduzir, esta criatura é narealidade uma das piores e mais perigosas em toda a profecia.A quem é que ele está enganando? A última geração dos homens: os melhores educados, osmais inteligentes e sofisticados de toda a raça. De que é a última geração é comprovado pelofato de que este falso profeta é descrito como sendo finalmente "lançados vivos" (com seucompanheiro, a besta leopardo) no primeiro lago de fogo por ocasião do segundo advento deCristo (Apoc. 19:20).Vários sinais de identificação nos ajudam a decidir que esta besta de dois chifres, o falsoprofeta, deve simbolizar o protestantismo democrático do mundo Ocidental, mais tipicamentereconhecido nos Estados Unidos da América.1º - O Tempo - Esta besta de dois chifres é descrita como se levantando depois da primeiracarreira da besta leopardo ter terminado em 1798, isto é, começando no tempo quando aprimeira besta recebeu sua ferida mortal. Como já explicamos antes, a perseguição parou maisou menos vinte e cinco anos antes desta data. No sentido mais amplo, é a perda do poder deperseguir por "heresia" que constitui a pancada mortal ou ferida mortal.2º - O Lugar - O relatório diz que esta nova besta não surgiu do mar, como o fizeram ossímbolos precedentes, mas "emergiu da terra", (Apoc. 13:11). Todos os estudantes dasprofecias sabem que a origem do mar significa que os poderes mundiais precedentes selevantavam entre as partes densamente populosas do Velho Mundo pela guerra ou conquista.Em contraste, nós sabemos que a República Americana surgiu numa parte do mundopreviamente desocupada por qualquer nação importante, e tornou-se um poder por métodosessencialmente diferentes dos de qualquer nação precedente. O único lugar onde um taldesenvolvimento seria possível seria no Mundo Novo.
  2. 2. 3º - Fora do Território da Besta Leopardo - Não somente em sua origem, mas em sua carreiradurante a maturidade a besta de dois chifres é descrita na profecia como diferente da primeirabesta. O território da besta leopardo incluiria não somente a Europa Ocidental, mas também oMéxico e todos os países da América do Sul. No sentido mais amplo a besta leopardo tomariaem todos os países da Igreja mais Estado onde quer que se encontrassem. A besta de doischifres deve significar algo diverso. Isto aponta o protestantismo em religião e a América comoa única nação preenchendo as condições.4º - Sua Juventude - Suas características de cordeiro indicariam que era um poder jovem e deaparência gentil quando foi primeiro visto pelo profeta.Estes quatro pontos positivamente identificam esse novo poder mundial, mas são feitos dosmais acanhados pontos de vista nacionais. Quando nós nos elevamos ao mais amplo, maisuniversal ponto de vista, outras marcas de identificação precisam ser consideradas.1º - O Profeta Falso - Este nome indica que este novo poder é primeiro religioso, nãomeramente secular. Isto deve significar Protestantismo, pois esta é a única força religiosaimportante no Novo Mundo à parte do Catolicismo. Mas deve ser uma forma apóstata edegenerada de Protestantismo, pois é um profeta falso. Prova a sua falsidade enganando opovo a fazer uma imagem viva e ativa da primeira besta. O modernismo, o evolucionismo, quetomou posse do Protestantismo tanto na Europa e na América é prova ampla da apostasia;mas este trabalho de enganar o mundo a adorar a besta leopardo é a prova externa de suaapostasia básica. O que alguém denominou a Americanização do Cristianismo é uma suficientecaracterização. Uma forte tendência de espiritismo também deve ser incluída.2º - Um Dirigente Mundial - A profecia esclarece que este profeta deve ser um líder mundialgenuíno, o poder preeminente político-religioso dos últimos dias. Sendo que as idéias são maisfortes do que o poder civil ou militar, o sonho americano sobre a liberdade e progresso, maissua visão evolucionista de filosofia e religião, intoxicou e hipnotizou o mundo civilizadointerno. A falsidade destes sonhos utópicos torna o nome de profeta falso apropriado.3º - Dois Chifres Como de Cordeiro - O autor de O Grande Conflito diz que estes apresentamcorretamente a liberdade civil e a liberdade religiosa que na prática real bem como na teoriaforam incorporadas no caráter deste país desde seu começo, porque "estes princípios são osegredo de seu (América) poder e prosperidade" (GC 441). Mas por causa destes doisprincípios celestiais, a nação que eles representam é "diferente das que são mostradas sob ossímbolos precedentes" de Daniel e do Apocalipse (GC 439).Portanto, por causa desta diferença intrínseca entre a América em sua ascensão e carreirainicial e as outras nações representadas pelos símbolos precedentes, resulta que em seusprimeiros dias a América não pode ser qualificada como uma da série das sete cabeças, poisestas sete cabeças representam nações sob o controle de Satanás em seu trabalho de procurardirigir o mundo. Somente em sua segunda fase, depois de abandonar estes dois princípiosdiretores e começar a falar "como um dragão", ela se torna como as outras, e portanto umadas da série das sete cabeças.Mas embora haja muitos sinais de apostasia por toda parte, a mudança oficial dos chifres decordeiro à voz de dragão ainda não ocorreu. Ainda está no futuro. Semelhantemente, omistério da iniqüidade já estava operando nos dias de Paulo. Muitos dos sinais de apostasiaeram visíveis no tempo do Concílio de Nicéia; muitos mais apareceram quando a Capital foimudada para Constantinopla e o dragão desta maneira deu aos bispos seu trono e grandeautoridade; mas a profecia não começa a dar a data da carreira da besta leopardo, a nº 5 dassete cabeças, até 538 A.D. Nem a besta de dais chifres começa a qualificar como uma das setecabeças até que começa a agir como os outros fazendo guerra franca contra Deus e o povo deDeus.Entrementes quase dois séculos se passavam. Sendo que a série de cabeças deve seguir uma àoutra sem interrupção, a nº 6 deve estar reinando desde 1798, o tempo do fim, o período daferida mortal. E este nº 6, como já vimos, deve ser a besta do abismo, que deu o golpe mortal
  3. 3. ao nº 5 e presentemente está governando a metade do mundo com suas doutrinas e ideologiainfiltrando e pervertendo todo o resto.Nos primeiros dias do mundo a Bíblia se preocupou muito na substituição de uma nação poroutra. Mas à vista do Céu o disseminar das idéias é muito mais importante do que a mudançade linhas divisórias nacionais. E desde que o trabalho de Deus e sua oposição têm ambos setornado globais em extensão, as profecias dos últimos dias ignoram as distinções nacionais elidam com a disseminação de doutrinas ou ideologias. Sendo que nos devemos treinar apensar quanto ao mundo inteiro de nossos dias como estando dividido justamente em trêsgrupos: o dragão, a besta leopardo, e o falso profeta. Esta divisão tríplice do mundo érepetidamente mencionada no Apocalipse e no Espírito de Profecia (veja O Grande Conflito, p.588). Uma tal classificação tripartite do durante o tempo do fim tem que ignorarnacionalidades e com doutrinas e idéias.Nesta base, o dragão (aqui usado como sinônimo da besta do abismo) seria maior e maisinclusive do que o comunismo Marxista, a besta leopardo incluiria mais do que a IgrejaRomana, e o falso profeta deve ser maior do que os Estados Unidos, ou mesmo maior do que oProtestantismo apostatado.Fundamentalmente, de fato, nós sabemos que todos os três são apenas agentes do diabo etodas as sete cabeças são as organizações humanas pelas quais ele operou em vários períodosda história humana. Nós estamos aqui considerando a situação bem perto do fim do tempo,depois da besta de dois chifres se tornar o falso profeta e se tornar o sétimo na série decabeças. A profecia menciona especialmente sua esperteza em enganar a altamente educada eúltima geração de homens. Sendo que seus dois chifres de cordeiro "são o segredo de seupoder e prosperidade", nós somos obrigados a pensar deste poder de enganar como dealguma maneira ligado com estes dois chifres, ou por meio deles ou apesar deles. Mas nóssomos levados a perguntar admirados como isto pode ser. De que maneira possível estesbondosos, tolerantes princípios de liberdade são usados para enganar o mundo à sua ruínaeterna?É fácil vermos porque o novo exemplo nacional da América se tornou popular através domundo. A esperança da liberdade tem um apelo universal, e a prosperidade espetacular e osucesso aqui vistos têm aceso a esperança de milhões incontáveis através dos oceanos dooriente e do ocidente. Quando a besta do abismo invocou o lema da liberdade civil e religiosapara abolir o Papado e assim infligir a ferida mortal, ele se sobrepujou, pois a Providênciadivina de tal maneira desacreditou universalmente a maldade e a intolerância que esta feridaainda está viva, e aquelas agências simbolizadas pelo anticristo ainda estão impedidas devoltar a seu poder antigo de oprimir e destruir.E quando este país mudar, com todo o mundo ainda seguindo, quando os chifres de cordeirose mudarem na voz de dragão e o sonho americano se tornar num pesadelo, a falta não estarános dois princípios de liberdade civil e religiosa. A falta estará na natureza humana caída, quequando abandonada a si mesma jamais na história inteira da raça foi capaz de enfrentar aprosperidade e a liberdade, mas sempre abusou e estragou as melhores dádivas de Deus.Nós precisamos voltar aos primeiros princípios. Sendo que todos os poderes proféticos dosúltimos dias – o dragão, a besta (ou anticristo), e o falso profeta – operam em escala global,como também faz a igreja verdadeira de Cristo com a qual estão em conflito mortal, eles sãonecessariamente grandes generalizações, isto é, cada símbolo deve representar o total detodas as influências e tendências pelas quais se mantém. Do ponto de vista de Deus isto ésempre o que estes símbolos significam. Não poderia ser de outra maneira. Nas profeciasescriturísticas Ele experimentou representar estes totais como entidades objetivas completas,como pelo estilo de objetos do jardim da infância, para a instrução de Seu povo. A maioria dasprofecias de Daniel e do Apocalipse foram mostradas ao profeta por sinais objetivos, isto é,elas foram "significadas" ao profeta como é afirmado no primeiro verso do Apocalipse. Nósque vivemos nestes últimos dias e lemos estas profecias temos que interpretar, ou decifrarestes quadros simbólicos como melhor pudermos. Usualmente nós achamos que em seu
  4. 4. sentido mais amplo eles transcendem as meras nações e representam as várias eras culturais eideológicas da história do mundo. Isto é especialmente verdade de todos os símbolos quelidam com o tempo do fim.Conseqüentemente não é difícil compreender porque alguns estudantes destes assuntospreferem pensar deste falso profeta como simbolizando a era democrática e científica em queo mundo está vivendo por mais de um século – em outras palavras, que ele representa o climaintelectual e cultural deste tempo do mundo em que nós agora estamos vivendo. Sem dúvidatêm tido um ambiente predominantemente protestante. Das igrejas e universidades e centrosde publicação da Alemanha, Inglaterra e da América tem radiado sobre a maioria do mundo.Mas com sua genuína luz dos céus têm também dado ao mundo um vinho fortementeintoxicante de "progresso mundial" com a plena implicação religiosa que o milênio tradicionalserá o próximo evento no programa mundial, o seguinte estágio na evolução humana. Estesempre é o ambiente para os movimentos modernos para a paz mundial.Quando indivíduos particularmente entretêm idéias erradas a respeito do futuro do mundo,geralmente não sucede grande mal. Mas quando dirigentes de grupos influentes pensam queestão em companhia de Deus e ousam remodelar o mundo para mais perto do desejo de seucoração, em vez de seu céu artificial na terra eles geralmente sucedem em fazer um inferno naterra para seus oponentes. De todas as idéias estranhas que têm confundido a humanidadedurante os séculos, nenhuma tem feito mais ruína e miséria do que compreensão falsa arespeito da vinda do Messias e o que Ele deve fazer. Que "recorde" de sangue e devastaçãoque fizeram!Estas idéias falsas causaram a crucifixão de Jesus e todos os horrores da destruição deJerusalém sob os Romanos. Num certo sentido real eles puseram o fundamento da IgrejaCatólica, com suas Cruzadas, a Inquisição, suas guerras de religião, sua São Bartolomeu, suasdragonadas, e a revolta contra estes produziu o Terror Vermelho da Revolução Francesa.Todos os sonhos utópicos iluminados do passado e do presente são formas várias de idéiastorcidas a respeito de um milênio vindouro, e a presente obsessão a respeito dodesarmamento e paz mundial parte das mesmas noções enganosas.Nos dias bem em nossa frente, quando todas as forças da terra conspirarem juntamente paraproduzir sua unidade enganadora e de compelir o povo de Deus a se conformarem com amaioria, terá a mesma teoria perversa a respeito do reino do Messias que irá impelir osperseguidores a seu ato final de guerrearem contra Deus na pessoa de Seus seguidores."Católicos, protestantes e mundanos juntamente aceitarão a forma de piedade, destituída desua eficácia, e verão nesta aliança um grandioso movimento para a conversão do mundo, e ocomeço do milênio há tanto esperado." – GC, pp. 588, 589.Mas que sorte para tão falsas esperanças e sonhos enganadores! A maior parte do mundo jáacordou à evidente realidade de que esta é uma união vã; nem podem eles demorar até que opregador desta visão será denunciado como um falso profeta. Mas sendo que esta visãosedutora tem sido em grande parte responsável pelo impedimento da cura da ferida mortal, areação deste desengano pode bem ser a causa principal que trará finalmente a recuperaçãocompleta do anticristo.O relatório da besta de dois chifres, o falso profeta, como é apresentada na última metade deApocalipse 13, lida quase inteiramente com os milagres assustadores que ele opera e ocaminho em que ele usa estas maravilhas para enganar o mundo. De minha parte eu nuncaposso ler este registro sem pensar nas maravilhas científicas de nossos dias e da maneira emque estas produções científicas são constantemente usadas para apoiar teorias a respeito daorigem do mundo e o começo da humanidade que são completamente contraditórias ao que éensinado na Bíblia. Tem sido há muito o costume entre os estudantes desta profecia de adiartodas estas maravilhas ao futuro – depois de o falso profeta começar a falar como um dragão.Mas obviamente as decepções baseadas nestes milagres precedem a voz do dragão e ajudammaterialmente a tornar esta voz eficiente. James White muitas vezes se queixava sobre algunsadventistas de seus dias que estavam mais interessados em verdades futuras do que em
  5. 5. verdades presentes. Certamente uma das mais perigosas formas de decepção é a de estarcompletamente cego às advertências proféticas de Deus que se estão cumprindo todas aonosso redor.Existe de fato, o perigo de interpretar erroneamente as profecias de antemão. Mas neste caso,a não ser que nós entendamos estas profecias de antemão, elas não nos podem fazer bem, enós podemos ser enganados por alguns dos astutos enganos do inimigo. E ainda tambémfomos avisados contra não interpretarmos algumas destas profecias de antemão."Devemos nós esperar até o cumprimento das profecias do fim antes de dizermos qualquercoisa a respeito delas? De que valor serão nossas palavras então? Devemos esperar até caíremos juízos de Deus sobre os transgressores antes de lhes dizer como podem evitá-los? Ondeestá a nossa fé na palavra de Deus? Devemos nós ver as coisas preditas ocorrerem antes decrermos no que Ele disse?" – Testimonies, vol. 9, p. 20.É alto tempo para alguns adventistas despertarem à significação dos eventos que agorasucedem.É evidente que a mudança da voz do cordeiro à voz do dragão não pode ser rápida. Emborarápidas mudanças sejam características de nosso século, parece razoável que as decepçõespraticadas por este falso profeta em preparar o caminho para a feitura da imagem da bestanão pode ser dado no futuro.Por que não deveriam considerar de ver a maioria deles já ocorrendo? E para a voz do dragãose tornar real, o povo do mundo já deve ter condicionada a sua mente para ouvi-la. O mundoprofissionalmente se tornou democrático na totalidade. Isto se reflete na profecia, pois ela dizque o povo do mundo será informado "que eles devem fazer uma imagem a besta" (Apoc.13:14). Obviamente, as decepções que preparam o caminho para esta ação fatal devem estarse desenvolvendo a nosso redor, e nós nos devíamos perguntar: Quais são elas? Estamos nóstambém sendo enganados por elas?Nestas decepções que o tornam um falso profeta, isto é, um falso professor, pois a palavraoriginal traz a idéia de ensino ou proclamação em vez de apenas uma predição.Está claro que a profecia aqui coloca a ênfase nos aspectos religiosos deste poder mundial. AAmérica Protestante pode ser o exemplo mais proeminente deste poder; mas o símbolo dofalso profeta é melhor representado como significando o Protestantismo como um podermundial, onde quer que seja encontrado ou onde quer que sua influência exista. Somentefazendo este falso profeta ser o Protestantismo moderno apostatado, antes de apenas osaspectos civis dos Estados Unidos, podemos nós dar na Austrália, na China, na Groenlândia, ouno Ceilão, qualquer sentido significativo a mensagem do terceiro anjo de Apocalipse 14. Esteanjo, como o primeiro, deve ir a cada nação, e tribo e língua e povo; e esta advertênciaespecífica é contrária ao que o falso profeta está fazendo ou irá fazer. Sendo que a advertênciaé universal, o poder contra o qual a advertência é dirigida deve ser igualmente universal.Ninguém se devia admirar pela citação em O Grande Conflito de que os dois chifres decordeiro simbolizam a liberdade civil e religiosa. Estas duas idéias, ou princípios em grandeparte diferenciam nosso século de todos os que o precederam. Nosso tempo Ocidentalmoderno como um todo, em vez dos Estados Unidos sozinhos, é o que nós vemos retratadoaqui sob o símbolo da besta de dois chifres. Estes princípios tão bondosos, mansos, liberais eaparentemente inofensivos. Durante os quase dois séculos de sua promulgação da América aoresto do mundo, eles podem salientar um relatório maravilhoso de consecuções. Oconhecimento em todas as linhas aumentou assustadoramente como a profecia de Danielpredisse (Dan. 12:4) não somente o abrir dos mistérios da natureza, mas o preparo de suasreservas para o melhoramento da sorte do homem, como Bacon costumava se exprimir, deveser creditado a estes dois princípios da liberdade, a permissão de pensar e de fazer. Aexecução da ferida mortal à superstição (ou carolice) e tirania também tem que ser postas aseu crédito. Provavelmente quase tudo o que distingue este período do tempo do fim de tudoo que ocorreu antes deve ser creditado, sob a divina Providência, ao resultado prático destesdois ideais dinâmicos, a liberdade de consciência e determinismo próprio no Governo.
  6. 6. O propósito de nosso tempo moderno, a Revolução Francesa, foi visivelmente inócuo e bomem seus começos e fases anteriores. Seu alvo foi o de restaurar os direitos do homem econtinha uma declaração desses direitos em forma escrita, altamente esquecida de quãolevemente qualquer declarações abstratas de princípios verdadeiros formam ou atéinfluenciam materialmente a conduta humana. Com estes direitos da liberdade civil e religiosaem declarações concretas, por que estes materialistas utópicos e ateus não foram bemsucedidos em constituir seus sonhos em realidade?Aliás, eles foram humanos, muito humanos demais. E o material às mãos com que os líderestinham que trabalhar ao construírem seu novo mundo ideal – a plebe ignorante de Paris e deoutras grandes cidades – também foram muito humanos, e por séculos tinham sido detidos nasuperstição e na ignorância. E todos igualmente – dirigentes e seguidores – ficaram tãointoxicados com sua liberdade desacostumada que eles interpretaram liberdade como licença,totalmente ignorantes desta "única e grande verdade: que a genuína liberdade reside dentrodas prescrições (limites definidos) da lei de Deus." GC, pág. 285.Estas duas liberdades lhes deram poder de fazer como queriam, mas oportunidade de fazercomo alguém quer é bom somente se os que têm este poder gostam de fazer o bem. E agentalha do Terror Vermelho não era nem boa nem prudente. Eles não somenteestabeleceram um governo sem religião, mas foram ao extremo fanático de fazer guerraaberta a todas as religiões, procurando declarar fora da lei tudo que fosse sagrado ou divino."A lei de Deus foi abertamente posta de lado pelo Conselho Nacional. E no reinado do Terrorque se seguiu, todos puderam ver a operação de causa e efeito." Ibid., pp. 285, 286.De uma maneira mais polida e camuflada uma guerra similar contra a Bíblia pode ser vista hojena apostasia anti-Gênesis, que se tem espalhado em todo o mundo nos últimos dois séculos.Em nosso mundo moderno, porém, nós estamos apenas nos estágios iniciais da revolução. Nósestamos testemunhando em toda a parte o maravilhoso resultado material destas duasliberdades. Estes resultados espetaculares têm, de fato, sido marcados e planejados peladivina Providência para o propósito de assistir na disseminação da última mensagem demisericórdia de Deus. Eles estão conseguindo este resultado de uma maneira espetacular, maseles têm sido tomados e explorados pelo pai da mentira de fazê-los parecer comodesenvolvimentos humanos. Os resultados encantadores, intoxicantes desta doutrina deprogresso mundial, como ocorreram no século dezenove passado e no novo século vinte, sãoclaramente e expressamente afirmados na profecia como enganando "os que habitam sobre aterra por causa dos sinais que lhe foi dado executar." (Apoc. 13:14). Provavelmente o que nóstemos visto pode ser pouco mais do que o começo.Ninguém precisa ser relembrado que já existe um lado de débito para a conta dos dois chifres.A liberdade e o conhecimento não são intrinsecamente regeneradores ou mesmonecessariamente bons. São apenas formas de poder pessoal. Alfredo o Grande, rei daInglaterra, disse há mil anos atrás: "O poder jamais é bom a não ser que seja bom quem otem". Sendo que a maioria da humanidade é rebelde contra seu Criador e persiste empermanecer rebeldes, um aumento de seu poder pode resultar somente num aumento de suarebelião. As plebes de Paris de 1793 deu uma curta recapitulação dos resultados naturais;outra mais extensa demonstração dos resultados da liberdade nas mãos de turbas dirigidaspor Satanás começou na Rússia depois de 1917. E os preparos para o ato final mesmo estão seformando na rápida desintegração e desmoralização do único exemplo conspícuo de governodemocrático que jamais foi capaz de durar mais de um século. A tirania dos autocratas muitasvezes se viu, e certamente é suficientemente mau. Mas nenhum terror pode igualar-se ao daanarquia histórica e frenética, a liberdade transformada em licença.A visível aproximação desta besta do abismo é mencionada em Apocalipse 17:8, onde aantecipação de precisamente tal estado de negócios é descrito como levando todo o mundo ase admirar, porque eles compreendem que a besta de intolerância e opressão "foi, não é, masestá vindo" (Moffat). E o avanço glacial deste horror de psicologia da plebe e de histeria demassa em escala nacional e internacional auxilia grandemente em fazer com que muitas
  7. 7. pessoas pensadoras tenham tolerância a favor de um governo forte, e autoritariamentecentralizado, como a Igreja Católica, de acordo com a observação do arguto Francez quedeclarou que ele antes queria ser devorado por um leão de que por mil ratos.Quando o capricho da plebe não reconhecer um Criador no alto e nenhum código do Sinaicomo um guia moral, mas somente o dogma de Rousseau-Darwin que o homem é um animalem desenvolvimento e se tornará bom se lhe for dada apenas oportunidade e estiver livre detoda a restrição; e quando todas as questões, tanto civis e religiosas, devem ser decididas porconselho pelo voto da maioria, sob o encantamento hipnótico de aspectos demagogos, comopode o resultado deixar de seguir como está declarado na profecia, "Ele falou como umdragão" (Apocalipse 13:11)?Nos mais amplos aspectos do caso, como já foi dito, este falso profeta simboliza aquelessonhos utópicos de um século atrás que, por darem a todos a liberdade de viver como deseja,todos os problemas da humanidade estariam resolvidos. Obviamente, esta foi uma sugestãodo pai das mentiras; mas soava como um novo evangelho ao povo do tempo de Vitória, tantona América como na Europa. A completa liberdade religiosa infligiu a ferida mortal àintolerância, e a completa democracia quando estabelecida em toda a parte traria, diziam eles,automaticamente a era longamente esperada da irmandade do homem e a federação domundo. A nova república Americana, e em sentido menor os domínios ultra-marinhos ingleses,pareciam ser provas objetivas desta visão vã de progresso mundial inerente. Mas este falsoevangelho do profeta dos dois chifres se espalhou rapidamente sobre o resto do mundo. Duasguerras mundiais, com uma terceira ameaçando, e bombas atômicas e de hidrogênio e mísseisguiados como armas, ainda não curaram este louco fanatismo.O poder fatalmente sedativo e enganador de todo o ambiente moderno em que somosobrigados a viver é vivamente citado pela mensageira do Senhor: "O poder de Satanás deagora tentar e enganar é dez vezes maior do que foi nos dias dos apóstolos". – Spiritual Gifts,vol. 2. p. 277.Isto significa que o poder enganador do falso profeta é dez vezes tão forte e eficiente como foio poder do dragão romano. E isto ajuda a explicar porque o trabalho do falso profeta tem sidoreservado como o último no programa divino. Sob este falso profeta Satanás está fazendo seumáximo; o Senhor lhe permite fazer tudo o que ele puder. Quando a carreira deste últimoenganador estiver completa, a provação humana terá terminado, pois o diabo não tem maisengano para experimentar. Ele então terá feito o seu pior.Mas este sonho utópico serviu ao propósito útil de dar à verdadeira igreja de Cristo umdescanso da perseguição. Durante esse período da ferida mortal a igreja tem umaoportunidade de levar o evangelho do breve advento do reino a todo o mundo, como o Mestrepredisse a muito. (Mateus 24:14).Falsas doutrinas sobre qualquer assunto jamais são inofensivas. Num mundo de pecado epecadores, mesmo tão inofensivas idéias como a liberdade religiosa e civil podem serpervertidos em agências do mal. No Éden o fruto da árvore do conhecimento não foi proibidoporque era venenoso para o corpo, mas porque qualquer conhecimento adquirido contra umaordem de Deus tornar-se-ia certamente venenoso para a alma. Quando Ló armou sua tendaem Sodoma, ele tinha duas ambições; ele planejou melhores oportunidades sociais eintelectuais para si e sua família. Mas a liberdade e as oportunidades culturais, como o podermencionado pelo Rei Alfredo o Grande, são apenas bons quando aqueles que o possuem sãobons. As condições que Ló achou em Sodoma eram apenas aquelas que todos desejamconseguir: "Soberba, fartura de pão e próspera tranqüilidade" (Ezequiel 16:49).Uma das últimas lições que o Criador planeja demonstrar diante do mundo e do universovislumbrante é que liberdade absoluta e visão ampla de oportunidades não são bênçãosisentas de males para seres humanos não regenerados. O homem de si mesmo não tem poderde cura do orgulho ou egoísmo ou pecado. Carlyle atribuía a origem do mundo democráticomoderno à invenção da imprensa; e até certo ponto ele tinha razão. A imprensa e todas assubseqüentes maravilhas modernas que habilitam os homens a comunicar-se uns com os
  8. 8. outros ao redor do mundo rapidamente, levando o conhecimento ao alcance de todos, comoum cumprimento da predição de Daniel (Daniel 12:4), são o resultado da liberdade de pensar ede fazer. No planejamento da sabedoria divina eles eram essenciais para preparar o mundopara a proclamação final do evangelho justamente antes da volta do Rei dos reis e Senhor dossenhores.Mas como todas as dádivas de Deus, elas podem ser abusadas e usadas para o mal. Uma dasúltimas lições da história humana, como uma eterna exibição diante do universo inteligente éque estes dois chifres de cordeiro se tornarão armas usadas pelo falso profeta para a decepçãoe sedução do gênero humano na crise final da história humana, o Armagedom do gênerohumano contra o Todo-poderoso.Apenas um ponto mais. A última parte de Apocalipse 13 trata das decepções hábeis do falsoprofeta, pelas quais ele engana os habitantes da terra a fazer o mal contra a vontade de Deus,e assim provoca a crise final para todo o mundo. Como já dissemos, as pessoas assimenganadas são a última geração do gênero humano, obviamente a mais sofisticada e maiscientificamente educada em toda a longa linha da humanidade – uma situação surpreendente.Somente um embuste de decepção é mencionado: Ele fará fogo cair dos céus à vista doshomens, isto é, em público. Muitos pensaram disto como semelhante a operação de Elias noMonte Carmelo. Mas o texto não diz que ele prepara para isto uma prova; simplesmentedeclara que ele faz isto de maneira pública, e depois apela para este trabalho que ele fez comoprova de seu poder miraculoso. E o relatório parece incluir que este ato é apenas um de váriosou semelhantes caracteres e para propósito similar. Atos estupendos são a característica destefalso profeta.E a Bíblia fala deles não como meros enganos ou imposturas, mas como sinais e maravilhasgenuínos, ou "milagres" como diz a King James Version.Mas o que é um milagre? Provavelmente nós devíamos dizer que tudo o que Deus faz é"natural", ou de acordo com todas as suas leis básicas para o universo. Mas do nosso ponto devista humano limitado, milhares de eventos que são comuns para nós, como raios X, rádio, oumísseis guiados, pareceriam como milagres genuínos a nossos anos. Nossas mentes sãoconstituídas que quando mesmo o evento mais admirável é repetido por algumas vezes,embora, nenhum homem de ciência possa dar explanação sensível, nós somos inclinados aclassificá-los como sendo apenas da "lei natural", e não muito maravilhosos de fato. Quasetodo e evento científico moderno seria um "milagre" para nós se ele ocorresse unicamenteuma vez, ou se o víssemos pela primeira vez.Benjamin Franklin é apresentado como aquele que com seu papagaio numa tempestadeensinava o mundo como amansar os raios. Mas nenhum cientista moderno soube o que é aeletricidade, ou como a luz e outras radiações são transmitidas, ou o porquê da gravitação.Willis R. Whitney, durante anos encarregado dos trabalhos de pesquisa da General Electric,disse: "Os melhores cientistas têm que reconhecer que eles são apenas indivíduos deKindergarten (jardim de infância) brincando com mistérios nossos antepassados foram, enossos descendentes se vão".Possivelmente aqueles de vocês que têm lido as páginas precedentes atenciosamente já terãoentendido meu ponto de vista com respeito a esses milagres do falso profeta. E eu estou certoque quando estas duas bombas lançadas sobre as cidades do Japão no verão de 1945, muitosadventistas em toda a parte do mundo imediatamente pensavam neste texto de fazer fogocair dos céus à vista dos homens.E porque não? Nós estamos certamente vivendo no tempo do fim. E a Bíblia torna bem claroque o poder dominante no mundo (do ponto de vista profético) durante este período dotempo do fim é a besta de dois chifres, aliás o falso profeta. Nós olhamos ao redor de nós nomundo hoje e vemos a civilização ocidental de nosso tempo, dirigido pela América, que pareceser o cumprimento da profecia. E as execuções científicas espetaculares de nossos dias seenquadram perfeitamente no quadro, sempre que possamos afastar o encanto hipnóticoprofano que estas execuções lançavam sobre nossas mentes e acordamos frente ao fato
  9. 9. solene e terrível de que os resultados deles todos estão na direção errada, para longe de Deuse Sua verdade. De fato, se qualquer dos meus leitores persiste em pensar que as teoriasimperantes em biologia, em geologia, em física atômica são factuais (reais) ou em harmoniacom os princípios básicos da cristandade, eu não tenho mais nada a dizer.Mas se, como eu creio, o pensamento científico dominante de nosso tempo tende na direçãoerrada, nós compreendemos que estamos testemunhando outro cumprimento. Há quase trêsquartos de século Ellen G. White escreveu:"Assim a falsa ciência da atualidade que mina a fé nas Escrituras Sagradas, mostrar-se-á tãobem-sucedida no preparar o caminho para a aceitação do papado com seu formalismoaprazível, como o fez a retenção do saber ao abrir o caminho para o seu engrandecimento naIdade Média". – O Grande Conflito, p. 573. .E nós podemos ver agora ainda mais como os prodígios maravilhosos, ou "milagres"executados pelo falso profeta vão vagarosamente mas certamente enganando os habitantesda terra e levando-os a adorar a primeira besta, cuja ferida mortal está sarando.

×