A Marca da LealdadePor George McCready PriceDesde o começo o Criador planejou ter um memorial de seu método de Criação. Vi...
animais, com incontáveis indicações de terem elas crescido por processos naturais, criouDeus árvores com anéis em sua made...
Os modernos cientistas altamente declaram que Deus estaria enganando-nos se Elecriasse árvores maduras com anéis, rosas qu...
aumentado grandemente e o comando sobre a natureza não seria uma bênção semmistura. Conhecimento significa poder e o poder...
deplorava a separação que se desenvolvia sobre a evolução e declarou a Nichol que elesupunha que os adventistas estivessem...
mostra como esta mudança será favorável ao último rejuvenescimento da IgrejaCatólica e sua reassunção de autoridade sobre ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A marca da lealdade

528 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
528
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A marca da lealdade

  1. 1. A Marca da LealdadePor George McCready PriceDesde o começo o Criador planejou ter um memorial de seu método de Criação. Visavao bem e permanente felicidade da humanidade para eles lembrarem sua criação. Seupoder, sua sabedoria. Ele teria terminado a feitura da terra e suas plantas e animais emum dia, ou mesmo instantaneamente. Mas Ele assim não fez. Ele poderia ter prolongadoseu ato criativo por dez dias, ou trinta. Mas Ele não fez assim. Ele deliberadamenteplanejou fazê-lo em estágios, distribuídos em seis dias, com um dia especial no fimcomo um memorial oficial do que Ele fizera e como Ele o fizera. Então Ele pôs umabênção perpétua sobre cada sétimo dia sucessivo como um santo dia de descanso, emmemória do descanso Criador, ou cessação da ociosidade divina da obra da criação. Osimples ato da criação é importante mas Deus pensou que o método também eraimportante e devia ser lembrado.Durante os séculos esse memorial divino cumpriu seu desígnio para todos os que orelembraram para conservarem santo. Mas nos dias do profeta Daniel Deus predisse queem tempos então no futuro um poder se levantaria que procuraria mudar esse memorialdivino (Daniel 7:25). A tradução Smith-Goadspeed reza "Ele planejava mudar assessões sagradas e a lei". James Montgomery, em seu comentário, diz que os "tempos"ou "sessões como usado aqui são as festas calendários da igreja. Obviamente se refereao sábado do Decálogo.Esta era uma profecia do que devia ocorrer: Em tempo devido a Igreja Católicaprocurou fazer precisamente isto, de mudar o sábado para o domingo. Ela se jacta de terfeito essa mudança e aponta a mudança como prova de seu poder e autoridade nestesassuntos. Por mais de mil anos esta tentativa de vandalismo religioso de alto padrãoparece ter sido bem sucedido, o mundo geral adotou a mudança. Hoje mesmo pessoasnão cristãs e nações observam como sagrado o dia apontado pelo Bispo de Roma.Mas o Criador previu tudo isto e proveu uma solução. Ele previu também que no tempodo fim uma filosofia estranha sem Deus captaria a atenção da humanidade, ensinandoque as coisas da natureza têm em si mesmas o potencial de seu própriodesenvolvimento, desta maneira abolindo a idéia de qualquer começo definido ouCriação de qualquer coisa e substituindo por ela a doutrina de mudança contínua egradual. O Senhor advertiu que a raça perversa contenderia que "todas as coisaspermanecem como desde o princípio" (2 Pedro 3:4), e que o mesmo continuaráindefinidamente no futuro – "O dia de amanhã será como este, e ainda maior e maisfamoso" (Isaías 56:12). E assim em sua sabedoria divina Ele planejou usar essa situaçãocomo última prova a ser trazida diante da raça humana – a final escolha de vida e mortepara toda a humanidade justamente antes da segunda Vinda de Cristo.Ligada a este triunfo da filosofia evolucionista, o Criador também previu outra formasutil de negar qualquer criação genuína no começo deste mundo, pois está sendodeclarado que Deus estaria enganando a humanidade por criar plantas maduras e
  2. 2. animais, com incontáveis indicações de terem elas crescido por processos naturais, criouDeus árvores com anéis em sua madeira, que pareceriam contar um crescimento quejamais teve lugar, cascas espirais de caracóis com giros indicando crescimento quejamais ocorreu, ou rosas crescidas que pareciam ter crescido de botões mas nãocresceram? Em poucas palavras, não estaria Deus enganando a Adão e a Eva em seuestudo de plantas e animais, pelas incontáveis indicações de crescimento e vagarosodesenvolvimento se Ele de fato criou o mundo maduro e bem balanceado por umacriação fiat?Esta é a forma moderna do velho, velho confundidor, se Adão foi criado com seusegundo jogo de dentes e um esqueleto completamente ossificado. Ou para pô-lo maisfrancamente e vividamente, possuía Adão umbigo? Se ele não possuía, seusdescendentes não se assemelhariam a seus pais; mas se ele possuía umbigo, ou umacicatriz no abdômen, e este jantais foi ligado por um cordão ao útero de uma mãe, nãoseria uma tal cicatriz uma eterna mentira, parecendo contar de acontecimentos quejamais tiveram lugar? Parecia impossível para um completo mundo de animais e plantascomeçarem como uma linhagem que funcionasse normalmente por uma criação fiat emsomente poucos dias, sem ter havido aparição incontável de crescimento prévio edesenvolvimento que jamais teve lugar. Muitos pássaros, insetos, e outros animais, porexemplo, requerem sementes e frutas maduras como alimento, e não podiam esperareste alimento aparecer. O primeiro homem também precisava frutas maduras e nozes etal alimento naturalmente envolveria muitos aparecimentos de idade que seria falsa seexaminada criticamente então e ali. Resumindo, em todas as partes do mundo haveriaevidências de idade aparente que seria completamente ilusória a não ser que explicadosa nossos primeiros pais. Portanto alguma coisa como sábado seria essencial paralembrar todas as subseqüentes gerações que os começos de nosso mundo foramradicalmente diferentes dos processos "naturais" que agora se processam.Em outras palavras, tudo como uma criação fiat exige também alguma coisa comosábado para impedir gerações futuras de lerem mal as leis presentes atuantes da naturezapois estes que nós denominamos processos naturais jamais podem contar-nos como omundo se originou.O mesmo princípio geral está envolvido quando nós em tempos modernos encontramosdois ou mais isótopos de chumbo em associação com urânio nas rochas. O criacionistadiria que os séculos de transformação assim indicados jamais poderão ter ocorrido, poisquando Deus fez o mundo por uma criação fiat, necessariamente Ele o fez completo, umnegócio balanceado e funcional, em que os processos mineralógicos e químicosestariam em vários estágios de perfeição, muitos deles parecendo como se tivessem sidoprecedidos por longos séculos de mudanças. E assim seu aparecimento seria irreal.A tentativa de datar objetos pelo método de carbono-14 é um tanto diferente; e se nósassumimos a uniformidade para trás ao tempo do dilúvio, este método, quandodevidamente usado pode ser razoavelmente exato até lá no passado. Mas muitos vêemque as presentes condições de bombardeamento do espaço exterior não prevaleciamantes deste tempo, por causa de condições atmosféricas radicalmente diferentes emtempos pré-diluvianos, e obviamente, nem um crente numa criação fiat admitirá que ométodo do carbono-14 é de confiança mais para trás do que a data da criação. Portantoeste método de datar o passado não tem valor para o criacionista para trás mais do queuns poucos milênios.De tudo isto evidencia-se que todo o problema da confiança da ciência natural estáenvolvido. É a natureza de toda confiança? Podemos nós confiar na evidência de nossossentidos?
  3. 3. Os modernos cientistas altamente declaram que Deus estaria enganando-nos se Elecriasse árvores maduras com anéis, rosas que não desenvolveram de botões, cavalos ouvacas com ossos completamente ossificados, os seres humanos ou outros mamíferoscom cicatrizes umbilicais, declarando uma ligação anterior a uma mãe, quando tal nãofoi o caso.A resposta a tudo isto é profundamente importante para os nossos dias e geração. OCriador deu a nossos primeiros pois o sábado como a chave a todos estes problemas. Àluz do significado do sábado, nem o primeiro par nem nenhum de seus descendentesdevia compreender mal os anéis nas árvores ou qualquer outra indicação de crescimentogradual quando lidam com qualquer planta ou animal da criação original. Oconhecimento de que Deus criava um mundo completamente equilibrado de plantasmaduras e animais em seis dias impediria nossos primeiros pais e todos os seusdescendentes de crer a falsidade da evolução de longos desenvolvimentos durantelongas gerações. O método posterior necessariamente envolveria longos períodos desofrimento e morte da parte de_milhões de animais inferiores, e isto seria plenamentecontrário aos métodos de um Criador sábio e bondoso. Por criar o mundo uma empresabem balanceada, com muitas plantas e animais maduros desde o começo, Deus poderiater um mundo sem dor, sem mote, sem pecado para começar, que Ele poderiaverdadeiramente denominar "muito bom" (Gên. 1:31) enquanto que por um processo (edesenvolvimento) ou de evolução o oposto seria o caso. E o sábado foi dado para salvaro mundo de qualquer teoria errônea sobre a origem das plantas e animais, ou do própriohomem.Não somente nos dias primitivos do mundo o sábado foi uma resposta a qualquer malentendido da natureza que pudesse surgir, mas também o é igualmente hoje. Ninguémque se lembra do sábado para o considerar sagrado como é ordenado podepossivelmente ser levado ao erro pelos clamores ruidosos da moderna ciênciauniformitariana. O sábado e a evolução não podem ser sustentados pela mesma mente.Mas qual é a razão para descobertas e invenções científicas admiráveis nos anosrecentes?A primeira parte da resposta é que se fossem o resultado de desenvolvimento natural,eles teriam vindo à realidade gradualmente, não todas amontoadas no último séculomais ou menos da história humana.Não; há uma razão para estas descobertas científicas modernas. O plano de Deus paraterminar este longo trama do pecado e sofrimento de uma maneira bondosa edignificante, de maneira que justificaria diante de um universo inteligente, observador,seu método de lidar com a situação causada pela entrada do pecado, necessariamentepediria uma iluminação mundial além de tudo previamente visto. Também envolveriaviagens rápidas e rápida comunicação, de maneira que os homens em toda a partepudessem saber os acontecimentos envolvidos na crise final. "E será pregado esteevangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então virá ofim" (Mat. 24:14). Mas viagens aéreas, jornais e rádio não podem existir só. Milhares deoutras linhas entrelaçadas de conhecimento científico necessariamente estariamenvolvidas por comando inteligente e eficiente da natureza e têm que estar mais oumenos uma unidade equilibrada. Tudo isto foi previsto e planejado, como fica provadopela predição de vinte séculos atrás, "muitos correrão de uma parte para outra, e aciência se multiplicará" (Dan. 12:4). Esta profecia foi citada expressamente para aplicar-se "no tempo do fim".Mas perigos e riscos aumentados estariam envolvidos. Num mundo cheiopredominantemente por pecadores, isto é, de amotinados e rebeldes, todo conhecimento
  4. 4. aumentado grandemente e o comando sobre a natureza não seria uma bênção semmistura. Conhecimento significa poder e o poder jamais é bom a não ser que os que opossuem sejam bons. Ao o Criador olhar lá do alto os vistas mistas de lágrimas dosséculos futuros, Ele viu como a última geração da humanidade abusaria das duasliberdades que estariam usufruindo neste tempo do fim, a liberdade de pensar e de fazer.O conhecimento vastamente maior da natureza assim permitido seria pervertido, oorgulho humano e a ambição luciferina inventaria uma teoria a respeito do progressoinevitável do mundo de começos imaturos e os homens procurariam fazer-se crer quelogo estariam bem capazes de resolver todos os problemas da vida e gozar um mundode paz sem qualquer dependência de Deus para qual quer coisa. Tendo já há muitoabandonado o memorial divino e de uma criação real e literal, eles afastariam as outrasidéias básicas do sistema de salvação de Deus e planejariam finalmente liquidar ospoucos problemas básicos que estariam determinados a permanecerem leais a seuCriador e seu memorial oficial (Apoc. 12:17).Conseqüentemente, quando a última mensagem de Deus for pregada em todo o mundocomo testemunha a todas as nações como preparo do fim da história humana (Mat.24:14) ela deve ser necessariamente adaptada às condições então existentes. Tem quefalar da hora do juízo, a corte então em andamento nos céus; e também deve chamar aesta geração de evolucionistas e pagãos estudados em universidades a "adorar Aqueleque fez o céu e a terra e o mar e as fontes das águas" (Apoc. 12:7).Nesta hora de crise Deus necessariamente faria uma prova sobre o sábado, seu memorialoficial e a marca de lealdade a Ele, em contraste diametral à marca falsificada inventadapelos rebeldes. Aqueles que estavam determinados a obedecer seu Criador certamentese lembrariam do sábado para guardá-lo e o fariam porque criam na criação fiat querealmente comemoravam. Todos os outros observariam a instituição rival, "o dia solarfantástico de todos os tempos pagãos".Como poderiam os acontecimentos básicos da última hora de crise ser apresentadoscom mais simplicidade ou mais clareza? "Se o Senhor é Deus, segui-O, se é baal segui-o" (I Reis 18:21). "Eu e a minha casa serviremos ao Senhor" (Jos. 24:15).Os adventistas crêem que este item do sábado vai se tornar mais e mais preeminente evital até às últimas horas do tempo. Eles não prevêem nenhuma instigação da apostasiaque aumenta em direção do evolucionismo e da negativa do relatório da criação doGênesis. Pelo contrário, eles estão certos de que seu movimento de reforma do sábadofoi planejado justamente para uma situação como a que agora predomina. O falecidoredator da revista oficial denominacional disse o que segue:"É quando nós vemos o sábado no ambiente da apostasia moderna que nós melhorpodemos entender o estado diferente dos adventistas no mundo religioso. Estemovimento do Advento é a única corporação religiosa com uma mensagem que enfrentafrontalmente as heresias de nosso século, a teoria da evolução, e conclama a todos osque desejam sair de Babilônia, fora da apostasia a aceitar o verdadeiro sinal da aliançaao Deus vivo, o Criador. Nós somos reconhecidos hoje como os que convidam aoshomens para se juntarem conosco não simplesmente numa disputa teórica sobre osétimo ou o primeiro dia da semana ou de guardar outro dia somente para seremdiferentes. Nós convidamos os homens a observar o sábado como um sinal de aliança aoCriador do céus e da terra, como um sinal de lealdade às grandes verdades da revelaçãotodos os quais repousam nas páginas introdutórias da Bíblia." – Francis D. Nichol,Answer to 0bjections, 1902, ed., p.709.Em outra conexão este escritor fala de uma conversa que teve com um ministro batistamais ou menos no tempo do julgamento dos Seepes no Tennessee. Este batista
  5. 5. deplorava a separação que se desenvolvia sobre a evolução e declarou a Nichol que elesupunha que os adventistas estivessem experimentando uma divisão semelhante. "Eulhe afirmei que em vez de termos uma separação nós não tínhamos sequer o começodela. Ele parecia admirado e perguntou se eu poderia possivelmente explicá-lo. Eurespondi, como é possível para os adventistas darem qualquer crédito à teoria daevolução quando semanalmente eles separavam um dia inteiro como um memorialÀquele que criara os céus e a terra, como o livro de Gênesis descrevia? Ele olhou paramim um momento e então exclamou: Eu jamais pensara no sábado desta maneira antes." – Our Firm Foundation, vol I, p. 621.Um ponto mais precisa ser entendido nesta conexão, isto é, a maneira em que a presentesituação religio-científica tende a fortalecer a igreja de Roma. Pelo Concílio de Trento eem seus catecismos e publicações autorizadas a Igreja Católica Romana declarou odomingo (o rival do sábado) como o sinal oficial de seu poder e autoridade de declarardias santos e de mudar a obediência do gênero humano.Em toda parte homens têm se confundido e desequilibrado. Estes ansiosamente olhampor alguma coisa ou alguma instituição à qual possam apelar como uma fonte deconfiança, alguma autoridade em assuntos morais ou religiosos. É por isto que vemosuma tão constante procissão de pessoas bem conhecidas na Igreja Católica. Um escritorem um jornal protestante o explica assim:"Eu não tenho nenhuma procuração para a Igreja Católica Romana. Ser-me-iaimpossível aceitar intelectualmente seus ensinos. Mas se o catolicismo romanofinalmente vencer, será porque homens e mulheres cansados de alma estão dispostos aesquecer suas muitas lembranças arcaicas do passado, e se ajoelham diante do altar,onde para eles uma avenida pode levar à presença de seu Deus."Há muito nós adventistas fomos advertidos que justamente uma condição tal de coisascertamente viria."Uma época de grandes trevas intelectuais demonstrou-se favorável ao êxito do papado.Provar-se-á ainda que um tempo de grande luz intelectual é igualmente favorável a seutriunfo. Nos séculos antigos, quando os homens estavam sem a Palavra de Deus e semconhecimento da verdade, seus olhos estavam vendados, e milhares se enredavam, nãovendo a cilada que lhes era armada sob os pés. Nesta geração muitos há cujos olhos setornam ofuscados pelo resplendor das especulações humanas - da "falsamente chamadaciência"; não percebem a rede e nela caem tão facilmente como se estivessem de olhosvendados. É o intuito de Deus que as faculdades intelectuais do homem sejam tidas naconta de um dom proveniente de seu Criador, e empregadas no serviço da verdade e dajustiça; mas, quando são acariciados o orgulho e a ambição, e os homens exaltam assuas próprias teorias acima da Palavra de Deus, pode então a inteligência causar maiordano que a ignorância. Assim a falsa ciência da atualidade que mina a fé nas EscriturasSagradas, mostrar-se-á tão bem-sucedida no preparar o caminho para a aceitação dopapado com seu formalismo aprazível, como o fez a retenção do saber ao abrir ocaminho para o seu engrandecimento na Idade Média" – O Grande Conflito, pp. 572,573.A profunda importância da citação deste parágrafo chama a atenção cuidadosa de todo oamante da verdade. Foi escrito pela primeira vez há três quartos de um século nopassado, quando a significação da então nova filosofia da evolução não era entendidapelo mundo em geral, e foi ignorada por muitos adventistas. Durante as décadaspassadas, porém, estas especulações científicas capturaram as mentes do mundocivilizado inteiro. O clima intelectual e moral do mundo mudou-se. Este parágrafo
  6. 6. mostra como esta mudança será favorável ao último rejuvenescimento da IgrejaCatólica e sua reassunção de autoridade sobre as vidas e consciências dos homens – queé exatamente o que significa a cura da ferida mortal.Que Deus tenha piedade daqueles indivíduos que têm olhado a discussão da geologia doDilúvio e a reputação da evolução orgânica como uma simples tempestade numa panelade chá, uma distração que afasta das verdades realmente importantes para este tempo.Quando nós vemos o sábado em sua importância presente como urna prova final paratodo o mundo, então uma compreensão verdadeira das provas de uma criação literal serávista como vitalmente importante para cada um. E nós vemos também que estas falsasteorias científicas têm sido e ainda são uma causa maior no preparo para a cura da feridamortal e o culto mundial da besta e da sua imagem.

×