15 as bodas do cordeiro e o conflito final

1.747 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

15 as bodas do cordeiro e o conflito final

  1. 1. AS BODAS DO CORDEIRO E O CONFLITO FINAL I. TEXTO BÁSICO. Apocalipse 19:5-21. II. UM ESPETÁCULO DE LOUVOR. Apoc. 19:5-7. A. Convocação de todos os servos de Deus para adorá-lo. Apoc. 19:6. B. Uma grande multidão rende louvor a Deus. Apoc. 19:6, 7. 1. O Senhor Deus onipotente reina. Apoc. 19:6. Comp. Apoc. 11:15, 17; D.T.N. p. 33; 108; PJ., p. 421; PR. 721. “Um dos mensageiros de vingança declara... ‘Justo és Tu, ó Senhor...porque julgaste estas coisas.’ Apoc. 16:5. Ao ser derramada a última taça daira de Deus, voltam eles e depositam as taças vazias aos pés do Senhor. “E a cena seguinte é registrada: ‘E, depois destas coisas ... ouvi comoque a voz de uma grande multidão, e como que a voz de muitas águas, ecomo que a voz de grandes trovões, que dizia: Aleluia! Pois já o Senhor,Deus todo-poderoso, reina.’ Apoc. 19:1-6. Eles cantam o cântico de Moisése o cântico do Cordeiro. ... “Quando findar o conflito terreno, e os santos forem recolhidos para olar, nosso primeiro tema será o cântico de Moisés, o servo de Deus. Osegundo tema será o cântico do Cordeiro, o hino de graça e redenção.” –TM., pp. 432, 433. “Nas chamas purificadoras os ímpios são finalmente destruídos, raiz eramos – Satanás a raiz, seus seguidores os ramos. ... “Está para sempre terminada a obra de ruína de Satanás. ... E umaaclamação de louvor e triunfo sobe de todo o Universo fiel. ‘A voz de umagrande multidão’, ‘como a voz de muitas águas, e a voz de fortes trovões’, éouvida, dizendo: ‘Aleluia! pois o Senhor Deus onipotente reina.’ Apoc. 19:6.”– GC., 673. 2. Vindas as bodas do Cordeiro. Apoc. 19:7.
  2. 2. As Bodas do Cordeiro e o Conflito Final 2 III. BODAS DO CORDEIRO. Apoc. 19:8. A. Jesus o Cordeiro de Deus. João 1:36. B. A igreja, a noiva. Isa. 54:5, 6; II Cor. 11:2. 1. Trajados de linho fino Apoc. 19:8; Isa 61:10; PJ. pp. 310, 311. C. A união vindoura entre Cristo e Seu povo. “Tanto no Antigo como no Novo Testamento, as relações conjugais sãoempregadas para representar a terna e sagrada união que existe entreCristo e Seu povo. Ao espírito de Jesus, a alegria das bodas apontava aoregozijo daquele dia em que levará Sua esposa para o lar do Pai, e osremidos juntamente com o Redentor se assentarão para a ceia das bodas doCordeiro.” – DTN., 151. "Na pureza imaculada e na perfeição incontaminada de seu povo,Cristo o contempla como sendo a recompensa de todos os Seussofrimentos, Sua humilhação e Seu amor, e o suplemento de Sua glória –Cristo, o grande centro de que irradia toda glória". – TM., pp. 18,19. “Cristo honrou a relação matrimonial tornando-a também símbolo daunião entre Ele e os remidos. Ele próprio é o esposo; a esposa é a igreja, daqual diz: ‘Tu és toda formosa, amiga Minha, e em ti não há mancha.’ Cant.4:7.” – CBV., 356. D. Bem-aventurados os que são chamados às bodas do Cordeiro. Apoc. 19:9 O convite deve ser estendido a todos "A sagrada e solene mensagem de advertência do Senhor deve serproclamada nos campos mais difíceis e nas cidades mais pecadoras...Deve-se fazer a todos o último convite para a ceia das bodas do Cordeiro.” –Conselhos Sobre Saúde, 218. Uma obra das mais fervorosas,, “Haja muito mais lutar com Deus pela salvação de almas. Trabalhaidesinteressadamente, determinadamente com um espírito incansável.Compeli almas para virem às bodas do Cordeiro". – 6 T., p. 66.
  3. 3. As Bodas do Cordeiro e o Conflito Final 3 O Último convite ao banquete do evangelho. "Devemos dar aos homens o último convite ao banquete do evangelho,o último convite às bodas do Cordeiro. Milhares de localidades que aindanão ouviram o chamado ouvi-lo-ão agora. Muitos que não proclamaram amensagem proclamá-la-ão agora." – 6 T., p. 412. IV. O Anjo e o Testemunho de Jesus. Apoc. 19:10. Comp. I Ped. 1:10, 11; II Ped. 1:21; II Sam. 23:2; Jer. 1:9; Lucas 1:68, 70. Tradução de Knox: Por causa disto caí aos seus pés para adorá-lo. Mas ele disse, jamais tal; guarda a adoração para Deus. Eu apenas sou teu conservo, um daqueles teus irmãos que mantêm a verdade a respeito de Jesus. Esta é a verdade a respeito de Jesus a que inspira toda profecia". Tradução de Moffatt: "Pois o testemunho mantido por Jesus é a respiração de toda profecia." “Foi Cristo que falou a Seu povo por intermédio dos profetas.Escrevendo à igreja cristã, diz o apóstolo Pedro que os profetas‘profetizaram da graça que vos foi dada, indagando que tempo ou queocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles, indicava,anteriormente testificando os sofrimentos que a Cristo haviam de vir, e aglória que se lhes havia de seguir’. I Ped. 1:10 e 11. É a voz de Cristo quenos fala através do Antigo Testamento. ‘O testemunho de Jesus é o Espíritode Profecia.’ Apoc. 19:10.” – PP., 366, 367. V. A Guerra Santa – O Armagedom e a Derrota das Hostes do Mal. Apoc. 19:11-21. A. Cristo cavalgando avança com os exércitos do Céu. Apoc. 19:11-16. 1. Cavalgando num cavalo branco Apoc. 19:11; comp. Apoc. 16:2.
  4. 4. As Bodas do Cordeiro e o Conflito Final 4 “Surge logo no Oriente uma pequena nuvem negra, aproximadamenteda metade do tamanho da mão de um homem. ... Jesus, na nuvem, avançacomo poderoso vencedor. Agora, não como "Homem de dores", para sorvero amargo cálice da ignomínia e miséria, vem Ele vitorioso no Céu e na Terrapara julgar os vivos e os mortos.” – GC., pp. 640, 641. 2. Fiel e Verdadeiro. Apoc. 19:11; 3:14. 3. Julga e peleja em justiça. Apoc. 19:11. Comp. Isa. 11:4. 4. Olhos semelhantes a chamas de fogo. Apoc. 19:12; 1:14; 2:18. 5. Muitas coroas. Apoc. 19:12. Comp. Apoc. 6:2. “Vi então Jesus depor Suas vestes sacerdotais e envergar Seus maisrégios trajes. Sobre Sua cabeça havia muitas coroas, uma coroa encaixadadentro da outra.” – PE., 281. “Ao final dos mil anos, Jesus, com os anjos e todos os santos, deixa aCidade Santa ... “... Os santos usaram as suas asas e subiram ao alto do muro dacidade. Jesus estava também com eles; Sua coroa parecia brilhante egloriosa. Era uma coroa dentro de outra, num total de sete.” – PE., 53, 54. 6. Um nome que homem nenhum conhece senão ele mesmo. Apoc. 19:12; comp. Apoc. 21:17. 7- Vestido com uma veste salpicada de sangue. Apoc. 19:13; Isa. 63:1-4. 8. A Palavra de Deus. Apoc. 19:13; João 11; I João 5:7. 9. Acompanhado pelos exércitos do Céu. Apoc. 19:14; Judas 14, 15; Mat. 25:31. “Precisamos estudar o derramamento da sétima taça. Os poderes domal não abandonarão o conflito sem uma luta. A Providência, contudo, tem
  5. 5. As Bodas do Cordeiro e o Conflito Final 5uma parte a realizar na batalha do Armagedom. Quando a Terra foriluminada com a glória do anjo do Apocalipse dezoito, os elementosreligiosos, o bem e o mal, despertarão da sonolência, e os exércitos do Deusvivo tomarão o campo.” – E.G. White, Manuscrito n.º 175, 1890. “A batalha do Armagedom logo será travada. Aquele em cuja vesteestá escrito o nome Rei dos reis e Senhor dos senhores logo avançaráconduzindo os exércitos do Céu em cavalos brancos, vestidos de linho fino,puro e branco... (é citado Apocalipse 19:11-21).” – E.G.White, Manuscrito n.º172, 1899. “E ‘seguiram-nO os exércitos no Céu’. Apoc. 19:11 e 14. Com antífonasde melodia celestial, os santos anjos, em vasta e inumerável multidão,acompanham-nO em Seu avanço. O firmamento parece repleto de formasradiantes – milhares de milhares, milhões de milhões. Nenhuma penahumana pode descrever esta cena, mente alguma mortal é apta paraconceber seu esplendor. ... Aproximando-se ainda mais a nuvem viva, todosos olhos contemplam o Príncipe da vida.” – GC., 641. 10. Uma espada aguda para ferir as nações. Apoc. 19:15, 21; Heb. 4:12; Isa. 11:4; II Tess. 2:8. Comp. Apoc. 1:16; Sal. 149:2-9. 11. Para reger as nações com vara de ferro. Apoc. 19:15; 2:26, 27; 12:5; Sal. 2:7-9; Dan. 2:44; I Cor. 15:24, 25. 12. Pisando o lagar da ira de Deus. Apoc. 19:15; 14:18-20; Isa. 6:2-4. 13. Rei dos reis e Senhor dos senhores. Apoc. 19:10-16; 17:14; I Tim. 6:15. Comp. Dan. 2:47. “A batalha do Armagedom logo deverá ferir-se. Aquele em cujas vestesestá escrito o nome ‘"Rei dos reis e Senhor dos senhores’ (Apoc. 19:16)deverá, dentro em breve, comandar os exércitos do Céu.” – 3 TS., 13. “Logo apareceu a grande nuvem branca, sobre a qual Se sentava oFilho do homem. ... Um séquito de santos anjos, com coroas brilhantes,resplandecentes, sobre as cabeças, acompanhava-O, em Seu trajeto. ...Sobre Sua veste e coxa estava escrito um nome: Rei dos reis e Senhor dossenhores. ... A Terra tremia diante dEle, os céus se afastavam como um
  6. 6. As Bodas do Cordeiro e o Conflito Final 6pergaminho quando se enrola, e toda montanha e ilha se movia de seulugar.” – PE., pp. 286, 287. B. As aves e a ceia de Deus. Apco. 19:17-21. Comp. Isa. 34:1-11; Apoc. 17:16. 1. O convite às aves para o banquete da matança. Apoc. 19:17, 18; Ezeq. 39:17. Comp. Mat. 24:28. 2. A besta e os reis da Terra guerreiam contra Cristo. Apoc. 19:19; 16:14, 16; 17:13, 14; Jer. 25:26-33. “Aproximamo-nos da batalha do grande dia do Deus Todo-poderoso...Os principados e as potestades da Terra estão em amarga revolta contra oDeus do Céu. Eles estão cheios de ódio contra aqueles que O servem, elogo, muito logo, será travada a última grande batalha entre o bem e o mal.A Terra deverá ser o campo de batalha – a cena da última contenda e davitória final. Aqui onde por tanto tempo Satanás tem dirigido os homenscontra Deus, a rebelião será para sempre suprimida.” – Ellen G. White,Review and Herald, 13 de maio de 1902. “Seis mil anos esteve em andamento o grande conflito; o Filho de Deuse Seus mensageiros celestiais estavam em conflito com o poder domaligno ... Agora todos fizeram sua decisão; os ímpios uniram-secompletamente a Satanás em sua luta contra Deus. ... Agora a controvérsianão é somente com Satanás, mas também com os homens. "O Senhor temcontenda com as nações"; "os ímpios entregará à espada".” – GC., 656. 3. A besta e o falso profeta lançados no lago de fogo. Apoc. 19:20; II Tess. 2:8; 1:7, 8; Dan. 7:11. Comp. Apoc. 16:13; 13:12-14; C.S. pp. 725, 726. “Quando o dilúvio tinha atingido sua maior altura sobre a terra, tinha aaparência de um ilimitado lago de água. Quando Deus purificar finalmente aTerra, parecerá ela a um ilimitado lago de fogo.” – 3 SG., p. 87. “No tempo de Noé, declaravam os filósofos que era impossível ser omundo destruído pela água; assim, há hoje homens de ciência que seesforçam por provar que o mundo não pode ser destruído pelo fogo ... Mas oDeus da natureza, o autor e dirigente das leis da mesma natureza, podefazer uso das obras de Suas mãos para servirem ao Seu propósito. ...
  7. 7. As Bodas do Cordeiro e o Conflito Final 7 “ ‘E, como aconteceu nos dias de Noé’, ‘assim será no dia em que oFilho do homem Se há de manifestar.’ Luc. 17:26 e 30. ‘O dia do Senhor virácomo o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, eos elementos, ardendo se desfarão, e a Terra, e as obras que nela há, sequeimarão.’ II Ped. 3:10.” – PP., 103, 104. “... Aquele que vencera a morte, e a sepultura, saiu do túmulo com opasso do vencedor, por entre o cambalear da terra, o fuzilar dos relâmpagose o ribombar dos trovões. Quando vier novamente à Terra, comoverá ‘não sóa Terra, senão também o céu’. Heb. 12:26. ‘De todo vacilará a Terra como obêbado, e será movida e removida como a choça.’ Isa. 24:20. ‘E os céus seenrolarão como um livro’ (Isa. 34:4); ‘os elementos, ardendo, se desfarão, ea Terra, e as obras que nela há se queimarão’. II Ped. 3:10.” – DTN., 780. 4. O resto morto pela espada. Apoc. 19:21, 15. “Os habitantes da Terra tinham sofrido a ira de Deus nas sete últimaspragas. Tinham mordido as línguas de dor e amaldiçoado a Deus. Os falsospastores foram objetivos diretos da ira de Jeová. Os seus olhos consumiram-se nas órbitas, e suas línguas em suas bocas, enquanto permaneciam sobreseus pés. Após o livramento dos santos pela voz de Deus, o rancor da ímpiamultidão voltou-se de uns contra os outros. A Terra parecia inundada desangue, e corpos mortos estendiam-se de uma extremidade da Terra até aoutra.” – 1 SG., p. 211. “Quando a voz de Deus põe fim ao cativeiro de Seu povo, há umterrível despertar daqueles que tudo perderam no grande conflito da vida. ... “O mundo vê aqueles dos quais zombaram e escarneceram, e quedesejaram exterminar, passarem ilesos através das pestilências,tempestades e terremotos. Aquele que é para os transgressores de Sua leium fogo devorador, é para o Seu povo um seguro pavilhão. ... “As espadas que deveriam matar o povo de Deus, são agoraempregadas para exterminar os seus inimigos. Por toda parte há contenda emorticínio. ... “Agora sai o anjo da morte, representado na visão de Ezequiel peloshomens com as armas destruidoras... “Na desvairada contenda de suas próprias e violentas paixões, e peloderramamento terrível da ira de Deus sem mistura, sucumbem os ímpioshabitantes da Terra - sacerdotes, governadores e povo, ricos e pobres,
  8. 8. As Bodas do Cordeiro e o Conflito Final 8elevados e baixos. "E serão os mortos do Senhor, naquele dia, desde umaextremidade da Terra até à outra extremidade da Terra... “Por ocasião da vinda de Cristo os ímpios são eliminados da face detoda a Terra: consumidos pelo espírito de Sua boca, e destruídos peloresplendor de Sua glória. Cristo leva o Seu povo para a cidade de Deus, e aTerra é esvaziada de seus moradores. ‘Eis que o Senhor esvazia a Terra, ea desola, e transtorna a sua superfície, e dispersa os seus moradores.’ “ –GC., 654-657. 5. As aves do céu saciadas com a sua carne. Apoc. 19:21, 17, 18. BIBLIOGRAFIA Barnes, Albert, Notes on the Book of Revelation, 447-456. Bollman, Calvin P., “Righteous Judgments”, R&H, Sept. 13, 1928, 7 Bunch, Taylor G., Studies in the Revelation, 258-266 Cumming, John, Apocalyptic Sketches, Second Series, 1853, 533-548 Dalrymple, Gwynne, “The Triumph of Christ”, ST, May 25, 1943, 8 Elliott, E.B., Horae Apocalypticae, IV, 50-53 Exell, Joseph, The Biblical Illustrator, 541-570 Haskel, Stephen N., “REvelation 19”, R&H, April 16, 1901, 247 ________, The Story of the Seer of Patmos, 314-323 Hendricksen, W., More Than Conquerors, 213-220 Lenski, R. C. H., The Interpretation of St. John’s Revelation,, 534- 563 Littlejohn, W. H., “Seventh-day Adventists and the Testimony of Jesus Christ”, R&H, May 8, 1883, 290; May 15, 1893, 307; May 22, 1883, 322 Lord, David N., An Exposition of the Apocalypse, 506-513 Reid, William J., Lectures of the Revelation, 430- 464 Scott, C. Anderson, Revelation, 272-279 Seiss, J. A., The Apocalypse, III, 213-262 Smith, Justin A., Commentary on the Revelation, 259-271 Smith, Uriah, Daniel and the Revelation, 731-737 Wordsworth, Chr., The New Testament,

×