Uma Crise e uma Visão                                               1                  UMA CRISE E UMA VISÃO  I. TEXTO BÁS...
Uma Crise e uma Visão                                                        2  B. O lugar – ao lado do grande rio Hideque...
Uma Crise e uma Visão                                                   3   E. Um anjo aparece a Daniel - Dan. 10:10-21   ...
Uma Crise e uma Visão                                                4   3. O anjo enviado para fazer Daniel entender o qu...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

14 uma crise e uma visão

643 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
643
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

14 uma crise e uma visão

  1. 1. Uma Crise e uma Visão 1 UMA CRISE E UMA VISÃO I. TEXTO BÁSICO: Daniel 10 II. A ÉFOCA O terceiro ano de Ciro da Pérsia - 536 A.C. - v. 1. III. INTRODUÇÃO - v. 1 A. Um certo fato revelado a Daniel B. Um fato verdadeiro C. Um grande conflito A oração na versão do rei Tiago, "e o tempo apontado era extenso", vem do hebraico we-tsava gadhol. Traduzido literalmente isto quer dizer, e grande conflito. Em outras traduções aparece como segue: Tradução Judaica: "Mesmo uma grande guerra". Tradução Americana: "Referente a uma grande guerra". Tradução de Moffat: "De um grande conflito". D. Daniel presta atenção ao assunto e entende a visão Tradução de Moffat: "Ele prestou atenção à revelação e entendeu a visão." Tradução Judaica: "Ela deu atenção à palavra, e teve entendimento da visão." IV. A TRISTEZA E O JEJUM DE DANIEL A. Por um período de três semanas - v. 2 B. Abstenção de manjar desejável, carne e vinho - v. 3 C. Não se unge com ungüento - v. 5 V. DANIEL EM VISÃO A. A época – o vigésimo quarto dia do primeiro mês - v. 4
  2. 2. Uma Crise e uma Visão 2 B. O lugar – ao lado do grande rio Hidequel, o Tigre - v. 4 C. A visão do Filho de Deus - Dan. 10:5, 6; Cf. Apoc. 1:13-15 DANIEL JOÃO EM APOCALIPSEUm certo homem v. 5 Um semelhante a filho de homem 1:13Vestido de linho v. 5 Vestido com vestes talares v. 13Cingido com ouro fino v. 5 Um cinto de ouro v. 13Seu rosto era como o relâmpago v. 6 Seu rosto brilhava como o sol v. 16Olhos como tochas de fogo v. 6 Olhos como chama de fogo v. 14Braços e pés como bronze polido v. 6 pés semelhantes a bronze polido v. 15A voz de suas palavras era como o Voz como a voz de muitas águas v.estrondo de muita gente v. v. 6 15 D. A condição de Daniel em visão - Dan. 10:7-9 DANIEL PAULO NA ESTR. DE DAMASCOSó Daniel viu a visão v. 7Os homens que estavam com ele Os homens que estavam com elenão a viram v. 7 não viram ninguém Atos 9:7Os homens fugiram para esconder- Os homens que estavam com elese v. 7 fugiram espantados 9:7Caiu sobre eles grande temor v. 7 Paulo tremendo e atônito 9:6Ficou só v. 8Ficou sem força v. 8A formosura se transformou emdesmaio v. 8Ouviu a voz de suas palavras v. 9 Ouviu uma voz lhe falando 9:4Profundamente adormecido com a Paulo andando caiu em terra 9:4face para o chão v. 9
  3. 3. Uma Crise e uma Visão 3 E. Um anjo aparece a Daniel - Dan. 10:10-21 DANIEL JOÃO EM APOCALIPSECerta mão lhe tocou v. 10 Pôs a destra sobre ele Apoc. 1:17Ficou de joelhos v. 10A voz diz: "Daniel, homem muitoamado" v. 11"Está atento às palavras que te voudizer" v. 11"Fique de pé" v. 11 (BLH)Daniel fica tremendo v. 11 João caiu aos Seus pés como morto Apoc. 1:17Disse-lhe: "Não temas" v. 11 Disse-lhe: "Não temas" Apoc. 1:17 F. A mensagem do anjo a Daniel - Dan. 10:12-21 1. anjo é enviado em resposta à oração de Daniel - v. 12 2. O anjo detido com o príncipe da Pérsia por 21dias - v. 12 a. Miguel é enviado para assistir o anjo - v. 13 (1) A identificação de Miguel - Dan. 12:1; Jud. p; I Tess. 4:16; João 5:25 "Enquanto Satanás estava procurando influenciar as mais altasautoridades no reino da Medo-Pérsia para que não mostrassem favor aopovo de Deus, anjos trabalhavam no interesse dos exilados. Era umacontrovérsia na qual todo o Céu estava interessado. Por intermédio doprofeta Daniel é-nos dado um lampejo desta poderosa luta entre as forçasdo bem e as do mal. Durante três semanas Gabriel se empenhou em lutacom os poderes das trevas, procurando conter as influências em operaçãona mente de Ciro; e antes que a contenda terminasse, o próprio Cristo veioem auxílio de Gabriel. ... Tudo que o Céu podia fazer em favor do povo deDeus foi feito. A vitória foi finalmente ganha; as forças do inimigo foramcontidas todos os dias de Ciro, e todos os dias de seu filho Cambises, quereinou cerca de sete anos e meio." – P.R., pp. 571, 572.
  4. 4. Uma Crise e uma Visão 4 3. O anjo enviado para fazer Daniel entender o que sucederia ao seu povo nos últimos dias - Dan. 10:14 a. A visão é para muitos dias - v. 14, Cf. Dan. 8:26 G. Daniel inclina o seu rosto em terra e emudece - Dan. 10:15 H. Alguém semelhante aos filhos dos homens aparece a Daniel. v. 16 1. Abre-se a boca de Daniel - v. 16 2. Por causa da visão não ficou em Daniel nem força nem fôlego vv. 16, 17 3. Daniel é tocado e fortalecido - v. 18 4. A mensagem do anjo a Daniel - vv. 19-21 a. "Não temas, homem muito amado! ... Sê forte" v. 19 b. O anjo de volta à luta com o príncipe da Pérsia - v. 20 c. A próxima peleja com o príncipe da Grécia - v. 20 d. Daniel vê a verdade no livro de Deus - v. 21 e. Miguel, o único assistente do anjo - v. 21 Tradução de Moffat: "Meu único aliado contra eles é Miguel, vosso próprio anjo da guarda." Tradução Americana: "Não há ninguém que me ajude contra estes, exceto vosso anjo Miguel." VI. BIBLIOGRAFIA Barnes, Albert, Notes on the Book of Daniel, pp. 417-430 Boutflower, Charles, In and Around the Book of Daniel, pp. 212-225 Haskell, Stephen, The Story of Daniel the Prophet, pp. 176-183 Seiss, J. A., Voices from Babylon, pp. 257-278 Smith, Uriah, Daniel and the Revelation, pp. 225-251 White, Ellen G., Profetas e Reis, pp. 571-572 Young, E. J., The Prophecy of Daniel, pp. 225-250

×