Liderança	  	  Gestão	  Estratégica	  de	  Negócios	  do	  curso	  de	  pós-­‐graduação	  	                          Prof....
O	  que	  vamos	  ver?	  Desenvolvendo	  Habilidades	  de	  Liderança	   •  Tipologias	  de	  Liderança.	  Bases	  do	  po...
O	  que	  vamos	  ver?	  Liderança	  e	  Gestão	  de	  Equipes	  • Tendências	  recentes	  em	  liderança	  e	  Empowermen...
Aviso	  importante!	  •  Material	  on-­‐line	  •  Literatura	  e	  Bibliografia	  •  Pés	  descalços...	  •  Prova	  e	  D...
Quem	  sou	  eu???	  •  Adriano	  Amaral	      –  Mestrado	  em	  Gestão,	  aplicação	  de	  Sistemas	         Dinâmicos	 ...
Governo	  Ubiquo...em	  todo	  lugar!	  
Quem	  sou	  eu???	                  “Prefiro	  ser	  essa	                  metarmofose	                  ambulante,	     ...
Abordagem	             Abordagem	  Ortodoxa	  e	         Inovadora	  e	  Tradicional	            Contextual	              ...
Em	  que	  mundo	  estamos	  vivendo?	  
Social	  Prisma	  PerspecBve	                             Social	  Media	  Prisma!	  
www.paulomilreu.com.br.	  
www.paulomilreu.com.br.	  
Mundo	  é	   Social!	  
O	  Belo...	  
Broken	  iPad	  hgp://www.youtube.com/watch?v=uqF2gryy4Gs	  
Seu	  Curriculo...	  
Paramos	  por	  ai?	  
Empresa	  2.0	  Enterprise	  2.0	  is	  the	  use	  of	  "Web	  2.0"	  technologies	  within	  an	      organizaBon	  to	 ...
Empresa	  2.0	  •    Exper.se	  loca.on	        –  capacidade	  de	  especialização	  que	  oferece	  às	  empresas	  a	  ...
Liderança....	  
O	  que	  é	  um	  Lider?!?!?	  •  Platão-­‐	  em	  A	  República	  o	  regente	  precisava	       ser	  educado	  com	  a...
Liderança	  é...	  •  Liderança	  é	  o	  processo	  de	  conduzir	  um	  grupo	     de	  pessoas,	  transformando-­‐o	  n...
Liderança	  é...	           •  É	  a	  habilidadede	              influenciar	  as	  pessoas	              para	  trabalhar...
Liderança	  é...	  •  É	  o	  papel	  que	  se	  define	  pela	  frequência	  com	  que	  uma	     pessoa	  influencia	  ou	...
Lider	  X	  Gestão	  •  Liderança	     – Habilidade	  de	  influenciar	  um	  grupo	  para	       aBngir	  um	  objeBvo	  c...
Competências	  gerenciais...Mintzberg	  Interpessoal                  	  	   •  “Cabeça”	  –	  requerido	  para	  executar...
Competências	  gerenciais...Mintzberg	  Decisório                    	  	  • 	  Empreendedor	  –	  procura	  organizações	...
Dimensões	  de	  EfeBvidade	  Gerencial	  •  1.	  Gestão	  tradicional	      –  A	  tomada	  de	  decisão,	  planejamento	...
Dimensões	  de	  EfeBvidade	  Gerencial	             Fred	  Luthans,	  "Successful	  vs.	  Effec.ve	  Real	  Managers",	  A...
Gestão	  2.0???	  Gerente	  1.0	   Gerente	  2.0	       PoliBcas	  ditadas	  pela	  diretoria	                      Todos	...
Pessoas	  
Comportamento	  Organizacional	  •  Campo	  de	  estudo	  que	  invesBga	  o	  impacto	  de	     indivíduos,	  grupos,	  e...
Dimensões...	  Psicologia,	  ciência	  que	  busca	  compreender,	  medir	  e	  explicar	  o	  comportamento	  humano	    ...
Dimensões...	  Sociologia,	  	  ciência	  que	  busca	  entender	  os	  relacionamentos	  humanos,	  com	  outros	  seres	...
Abordagem	  do	  Ponto	  de	                    Condicionamento	  •  Condicionamento	  Clássico	  (Pvalov)	     –  um	  pr...
Modelo	  Comportamental	                   Condicionamento	  Operante	                  Entradas	                         ...
Pirâmide	  de	  Necessidades	  
ConsBtuição	  do	  Homem	              Espiritual	  Emocional	                  Mental	  
Modelo	  Psicológico	  “A	  visão	  se	  torna	  clara,	  quando	  olhamos	  para	  o	  nosso	  coração.	  Quem	  olha	  p...
O	  Eu	  e	  o	  Inconsciente...	  
Estruturas	                                Jung:	  Psicologia	  Profunda	    Freud:	  Psicanálise	                        ...
Sombra,	  Animus	  e	  Anima	  
ArquéBpos	  Masculinos	  Rei	        Guerreiro	     Mago	     Amante	  
ArquéBpos	  Femininos	  Fatal	         Amazona	     Mãe	     Companheira	  
Tipologia	                    PensaBvo	                                                    ABtude	  Sensação	             ...
Indicador	  de	  Tipo	  de	  Myers-­‐Briggs	  •  ITMB	  é	  um	  teste	  de	  personalidade,	  que	  analisa	  4	     cara...
“	  Alegria,	  	  formosa	  centelha	  divina,	  Filha	  do	  Elíseo,	  Ébrios	  de	  fogo	  entramos	  	  Em	  teu	  sant...
Bem	  e	  Mal	  
Pré...Conceitos...	  
Papéis no teatro da vida..•  IdenBdade	   é	   a	   soma	   de	   nossas	     emoções	  e	  nossa	  parte	  racional.	  • ...
Emoções, inteligência e equilíbrio•  Inteligência	  é	  a	  capacidade	  de	  direcionar	  as	  aBtudes.	  •  Equilíbrio	 ...
"...a capacidade de perceber eexprimir a emoção, assimilá-la aopensamento, compreender eraciocinar com ela, e saber regulá...
Inteligência	  Emocional	  –	  4	  Dimensões	  Percepção	  das	  emoções	   • inclui	  habilidades	  envolvidas	  na	  ide...
O	  Desafio	  de	         Aristóteles	  “Qualquer	  um	  pode	    zangar-­‐se	  isso	  é	  fácil.	    Mas	  zangar-­‐se	  c...
5	  Habilidades	  •  Auto-­‐Conhecimento	  Emocional	  -­‐	  reconhecer	  as	     próprias	  emoções	  e	  senBmentos	  qu...
Aplicações	  •  Organização	  de	  Grupos	  -­‐	  habilidade	  essencial	  da	       liderança,	  que	  envolve	  iniciaBv...
As	  2	  Abordagens	  Básicas	  •  Teorias	  dos	  traços	  de	  Liderança:	  considera	    personalidade,	  social,	  `si...
Traços	  de	  liderança...	  •    Ambição	  e	  Energia	  •    Desejo	  de	  liderar	  •    HonesBdade	  e	  Integridade	 ...
Limitações	  •  Não	  foram	  encontrado	  os	  traços	  que	     indenBficam	  a	  liderança	  em	  todos	  os	  aspectos	...
Dimensões	  da	  Liderança	               Desenvo             lvimento	               Produção	                Pessoas	   ...
Tipos:	  Transacional	  e	  Tranformacional	                Transacional	                                 Tranformacional	...
EsBlos	  de	  Liderança	  •      Liderança	  autocrá.ca:	  Na	  Liderança	  autocráBca	  o	  líder	  é	  focado	  apenas	 ...
EsBlos	  de	  Liderança	  •  Liderança	  liberal	  ou	  Laissez	  faire:	  Laissez-­‐faire	  é	  a	  contração	  da	  expr...
EsBlos	  de	  Liderança	  •  Es.lo	  Visionário:	  Canaliza	  as	  pessoas	  para	  visões	  e	  sonhos	  par.lhados.	    ...
Tipos:	  CarismáBco	  •  Seguidores	  atribuem	  aspectos	  heróicos	  ou	     habilidades	  extraordinárias.	  •  Influênc...
Liderança,	  pelo	  poder...	  •  poder	  legí.mo,	  obBdo	  com	  o	  exercício	  de	  um	     cargo	  •  poder	  de	  re...
Poder	  X	  Liderança	    Liderança	                                       Poder	                                         ...
Maquiavel...	  
Poder	  Individual...	           •  Informação:	  Poder	  associado	  a	  manutenção	  e	              controle	  da	  Inf...
Postulado	  da	  Dependência	  •  Quanto	  maior	  a	  dependência	  de	  B	  em	  A,	  maior	  o	     poder	  de	  A	  te...
Sun	  Tzu:	                 Arte	  da	  Guerra!	    “	  Se	  você	  conhece	  o	  inimigo	  e	  a	  si	   mesmo,	  não	  p...
5	  Fatores....	  •  A	  Lei	  Moral:	  faz	  com	  que	  as	  pessoas	  estejam	  de	     pleno	  acordo	  com	  seu	  go...
ÉBca	  e	  Moral	  •  “ÉBca	  e	  a	  ciência	  que	  estuda	  os	  princípios	  ou	  pautas	  da	     conduta	  humana.	 ...
Comunicação	  •  A	  comunicação	  humana	  é	  um	  processo	  que	     envolve	  a	  troca	  de	  informações,	  e	  uBl...
Comunicação	  Receptor	                                      Emissor	                       Resposta	                     ...
Direções	  da	  Comunicação	              Para	  Baixo	                                                Para	  Cima	       ...
Comunicação	  Interpessoal	         Oral	         •  Pros:	  Rapidez	  e	  Resposta	  (feedback)	         •  Cons:	  Disto...
Mude	  o	  tom...muda	  o	  significado!	  •  Por	  que	  eu	  não	  posso	  te	  levar	  para	  jantar	  esta	  noite?	  	...
Comunicação	  Verbal	  e	  Não-­‐verbal	  •  O	  pesquisador	  Mehrabian	  estabeleceu	  a	  esta•sBva	  de	     uma	  com...
Rede	  de	  Comunicação	  e	  seus	                Bene`cios	  Cadeia	           Roda	              Merge	  
Papel	  do	  Gestor....	  •  Verificar	  as	  necessidades	  e	  o	  alinhamento	  dos	     colaboradores	  nos	  quadrante...
Barreiras	  a	  Comunicação	  EfeBva	  •  Filtro:	  Informação	  é	  modelada	  pelo	  emissor,	  para	  ficar	  mais	     ...
Meios	  de	  Comunicação	  •  Eletrônico	  (e-­‐mail,	  sms,	  recardo	  de	  voz,etc...)	  •  Carta,	  Memorandos,	  Regu...
Modelo	  de	  auto-­‐análise:	  Johari	  Window	     -­‐	                    Área	  Oculta	                     Área	     ...
Feedback:	  como	  dar....	  •  Um	  presente	  que	  você	  recebe...	      –  Descri.vo,	  ao	  invés	  de	  avaliaBvo.	...
Feedback:	  como	  receber...	                                                    Perguntar paraManter-se calmo           ...
Nem	  todo	  Conflito	  é	  ruim...	  •  Causas	      –  Comunicação	  pobre	      –  Falta	  de	  abertura	      –  Falha	...
Estágios	  do	  Conflito	  
Solução	  de	  conflitos	  •    Resolução	  dos	  problemas	  •    Revisão	  dos	  objeBvos	  •    Expansão	  dos	  recurso...
Negociação!	  •  Um	  processo	  onde	  2	  ou	  mais	  partes	  visão	     trocar	  objetos	  ou	  serviços	  a	  fim	  de...
Ganha	  –	  Perde	                                      X	  Foco	  em	  apenas	  um	  recurso	                            ...
Processo	  de	  Negociação	  Preparação	  e	      Definição	  de	       Clarificação	  e	  Planejamento	         regras	  ge...
Nietzsche	  •  “Nós,	  porém,	  queremos	  nos	  tornar	  aqueles	  que	     somos	  -­‐	  os	  novos,	  únicos,	  incompa...
Dinâmica	  Psicológica...nova	            abordagem	                               	  Abre	  Caminhos:	  os	              ...
Poder	  do	  Mito	  •  MOYERS:	  Mas	  não	  acontece	  de	  muitos	  visionários	  e	  mesmo	     líderes	  e	  heróis	  ...
30	  Seconds	  MBA	  
Modificações	  do	  Comportamento	               Organizacional	  •  	  Aplicação	  dos	  conceitos	  de	  reforço	  em	   ...
Modificações	  do	  Comportamento	               Organizacional	  •  Valores	      –  Convicções	  base	  que	  conduzem	  ...
Exemplos	  de	  Valores	           Valores	  Instrumentais	                       Valores	  Terminais	  • 	  Ambição	  (tr...
Fenômeno	  Google...	  
Talento	  Humano	      Conhecimento	                                                              Competência	            ...
Pensamento	  Estratégico	                                                Onde	  quero	  Onde	  Estou?	     O	  que	  fazer...
Contratando	  um	  2.0	  ...	  10	  coisas	  •  1.	  Deixe	  que	  ele	  controle	  seu	  próprio	  horário.	     Assim	  ...
Contratando	  um	  2.0	  ...	  10	  coisas	  •  3.	  Deixe	  que	  ele	  controle	  sua	  própria	  luz.	     Muita	  luz	...
Contratando	  um	  2.0	  ...	  10	  coisas	  •  6.	  Deixe	  que	  ele	  controle	  onde	  vai	  fora	  da	  empresa.	    ...
Contratando	  um	  2.0	  ...	  10	  coisas	  •  9.	  Deixe	  que	  ele	  controle	  quando	  e	  como	  acessa	  a	     in...
Indivíduo	  à	  Grupo	  •  Dois	  ou	  mais	  indivíduos	  que	  interagem	  e	  se	     interrelacionam,	  para	  cumpri...
Porque	  as	  pessoas	  se	  agrupam	  
5	  Estágios...	  Pré-­‐estágio	           I	                  II	                        Formação	            Confusão	  ...
Hábitos	  e	  Normas	  •  Hábitos	  esperados,	  contrato	  psicológico	  e	     conflito	  •  O	  experimento	  de	  Zimba...
Pontos	  importantes:	  Grupo	  •  Status:	  posição	  definido	  pelo	  grupo	  para	  os	     indivíduos	  que	  o	  comp...
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Liderança
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Liderança

2.918 visualizações

Publicada em

Curso de Liderança, ministrado em MBA, com foco na abordagem dinâmica do líder. Seus papeis amplificados na realidade em que vivemos, e o processo de humanização do mesmo

Publicada em: Negócios
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.918
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
169
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Liderança

  1. 1. Liderança    Gestão  Estratégica  de  Negócios  do  curso  de  pós-­‐graduação     Prof.  Msc.  Adriano  Amaral   E-­‐mail:  adri.amaral@gmail.com   Twi=er:  @didi_amaral   Facebook:  Adriano  Amaral  (usar  gmail)    
  2. 2. O  que  vamos  ver?  Desenvolvendo  Habilidades  de  Liderança   •  Tipologias  de  Liderança.  Bases  do  poder  individual;   •  Liderança:  CaracterísBcas  e  Habilidades.  Relação  entre   administração  e  liderança;   •  Diferenças  entre  Liderança  e  Gestão.  Grandes  líderes  no  Brasil.  Liderança,  gestão  de  conflito  e  negociação.   •  Fatores  geradores  de  conflitos.  O  papel  do  líder  na  resolução  de   conflitos.   •  Mediação  e  liderança;   •  Liderança,  argumentação  e  persuasão;   •  Técnicas  de  negociação.  Desenvolvimento  de  habilidades  de   negociação.   •  Perfis  de  Negociadores.  
  3. 3. O  que  vamos  ver?  Liderança  e  Gestão  de  Equipes  • Tendências  recentes  em  liderança  e  Empowerment.   Liderança  Tradicional  X  Liderança  Transacional;  • Grupos  X  Equipes.  Relacionamento  Interpessoal;  • Indicadores  de  Desempenho  e  equipes  de  alta  performance.  Técnicas  de  Coaching  e  Mentoring  • Tipos  de  Coaching  (individual  e  empresarial).  Modelos  de   Coaching  (Grow,Transformacional  e  Jogo  Interior).  • Princípios  de  Mentoring.  Diferenças  entre  Coaching  e   Mentoring  • Relações  entre  Empowerment  e  Liderança.  
  4. 4. Aviso  importante!  •  Material  on-­‐line  •  Literatura  e  Bibliografia  •  Pés  descalços...  •  Prova  e  DA  
  5. 5. Quem  sou  eu???  •  Adriano  Amaral   –  Mestrado  em  Gestão,  aplicação  de  Sistemas   Dinâmicos   –  Diretor  de  MulBnacional  Chinesa  –  Huawei   –  Engenheiro  de  formação  •  Mas  e  daí!?!?!?   –  Amante  de  Meta`sica,  de  música,  de  livros,   fillmes...   –  De  Passeios  e  viagens...  
  6. 6. Governo  Ubiquo...em  todo  lugar!  
  7. 7. Quem  sou  eu???   “Prefiro  ser  essa   metarmofose   ambulante,   Do  que  ter  aquela   velha  opinião   formada   Sobre  tudo...”     Raul  Seixas  
  8. 8. Abordagem   Abordagem  Ortodoxa  e   Inovadora  e  Tradicional   Contextual   ?  
  9. 9. Em  que  mundo  estamos  vivendo?  
  10. 10. Social  Prisma  PerspecBve   Social  Media  Prisma!  
  11. 11. www.paulomilreu.com.br.  
  12. 12. www.paulomilreu.com.br.  
  13. 13. Mundo  é   Social!  
  14. 14. O  Belo...  
  15. 15. Broken  iPad  hgp://www.youtube.com/watch?v=uqF2gryy4Gs  
  16. 16. Seu  Curriculo...  
  17. 17. Paramos  por  ai?  
  18. 18. Empresa  2.0  Enterprise  2.0  is  the  use  of  "Web  2.0"  technologies  within  an   organizaBon  to  enable  or  streamline  business  processes  while  enhancing   collaboraBon  -­‐  connecBng  people  through  the  use  of   social-­‐media   tools.  Enterprise  2.0  aims  to  help  employees,  customers  and  suppliers   collaborate,  share,  and  organize  informaBon.     "the  use  of  emergent  social   soqware  plarorms  within   companies,  or  between   companies  and  their   partners  or  customers".   Andrew  Mcaffe,  Harvard   Professor  
  19. 19. Empresa  2.0  •  Exper.se  loca.on   –  capacidade  de  especialização  que  oferece  às  empresas  a  capacidade  de  resolver  problemas  de   negócios  que  são  di`ceis  de  arBcular  ou  se  comunicar  de  forma  explícita  e  que  envolvem  pessoas   altamente  qualificadas;  •  Corporate  blogging   –  Como  os  blogs  pessoais,  blogs  corporaBvos  usam  a  tecnologia  de  blogs  -­‐  neste  caso  por   mensagens  liderança,  revistas  online  e  fóruns  de  gestão  do  conhecimento;  •  Corporate  wikis   –  Wikis  CoporaBvos  proposcionam  um  ambiente  de  fácil  uBlização  para  especialistas  publicar  a  sua   interpretação  sobre  qualquer  assunto.  Um  wiki  corporaBva  pode  capturar  as  mensagens   corporaBvas,  cultura  organizacional;  •  Internal  community  pla<orms   –  Plataformas  de  comunidade  interna  proporcionam  um  ambiente  para  os  funcionários  de   empresas  para  criar  um  fórum  virtual  para  parBlhar  as  suas  opiniões,  conhecimento  e   especialização  no  assunto  sobre  temas  de  interesse.  •  Idea  genera.on   –  Geração  de  idéias  -­‐  também  conhecida  como  ideação  -­‐  pode  implicar  uma  metodologia   estruturada  para  a  coleta  de  negócios  e  incubação  de  ideias  inovadoras  que  possam  amadurecer   com  a  parBcipação  da  comunidade   hgp://en.wikipedia.org/wiki/Enterprise_2.0  
  20. 20. Liderança....  
  21. 21. O  que  é  um  Lider?!?!?  •  Platão-­‐  em  A  República  o  regente  precisava   ser  educado  com  a  razão,  descrevendo  o  seu   ideal  de  "rei  filósofo".      •  Confúcio  -­‐  "rei  sábio“  base  do  “Sun  Tzu”    •  Lao  Tsé  -­‐  "líder  servo“  ou  caminho  do  Tao.  
  22. 22. Liderança  é...  •  Liderança  é  o  processo  de  conduzir  um  grupo   de  pessoas,  transformando-­‐o  numa  equipe  que   gera  resultados.  É  a  habilidade  de  mo.var  e   influenciar  os  liderados,  de  forma  é.ca  e   posiBva,  para  que  contribuam  voluntariamente   e  com  entusiasmo  para  alcançarem  os  objeBvos   da  equipe  e  da  organização.   Wikipedia  
  23. 23. Liderança  é...   •  É  a  habilidadede   influenciar  as  pessoas   para  trabalharem  com   entusiasmo  a  fim  de   a.ngir  metas  para  o   bem  comum,  com  um   caráter  que  inspire   confiança.     James  Hunter  
  24. 24. Liderança  é...  •  É  o  papel  que  se  define  pela  frequência  com  que  uma   pessoa  influencia  ou  dirige  o  comportamento  de   outros  membros  do  grupo  (McDavid  e  Herrara,  s/d);  •  É  a  capacidade  para  promover  a  ação   coordenada,  com  vista  ao  alcance  dos  objeBvos   organizacionais  (Gomes  e  colabs.,  2000);  •  É  um  fenômeno  de  influência  interpessoal   exercida  em  determinada  situação  através  do  processo   de  comunicação  humana,  com  vista  à   comunicação  de  determinados  objeBvos   (Fachada,  1998);  
  25. 25. Lider  X  Gestão  •  Liderança   – Habilidade  de  influenciar  um  grupo  para   aBngir  um  objeBvo  comum;  •  Gestão   – Uso  da  autoridade  inerente  designada  para   aBngir  objeBvos  dos  membros   organizacionais;  
  26. 26. Competências  gerenciais...Mintzberg  Interpessoal     •  “Cabeça”  –  requerido  para  executar  um  numero  de  roBnas  e  deveres   legais  ou  sociais   •  Lider  –  responsável  por  moBvação    e  direcionamento  dos  empregados   •  Ligação  –  Manter  rede  de  contatos  que  proverá  informações  e  favores  Informacional   •  Monitor  –  recebe  uma  gama  de  informações,  serve  como  sistema   nervoso  central  interno  e  externo  da  organização   •  Disseminador  –  transmite  informações  de  fora  ou  de  empregados   internos    para  os  membros  da  organização   •  Porta  Voz  –  transmite  informações  para  fora,  dos  planos  organizacionais,   políBcas,  ações  e  resultados.  Funciona  como  expert  da  cultura   organizacional   Mintzberg  H,  1973,  The  Nature  of  Managerial  Work,  Harper  Row    
  27. 27. Competências  gerenciais...Mintzberg  Decisório    •   Empreendedor  –  procura  organizações  e  iniciaBvas   que  tragam  mudança  na  organização  • Enfrentador  de  distúrbios  –  responsável  por  ações  de   correção  quando  a  organização  enfrenta  algum   distúrbio  • Alocador  de  recursos  –  arca  ou  aprova  com  medidas   para  alocar  e  direcionar  decisões  organizacionais;  • Negociador  –  representa  a  organização  nas   negociações   Mintzberg  H,  1973,  The  Nature  of  Managerial  Work,  Harper  Row    
  28. 28. Dimensões  de  EfeBvidade  Gerencial  •  1.  Gestão  tradicional   –  A  tomada  de  decisão,  planejamento  e  controle  •  2.  Comunicações   –  O  intercâmbio  de  informações  e  documentos  de   roBna  de  processamento  •  3.  Gestão  de  recursos  humanos   –  MoBvar,  disciplinando  a  gestão  de  conflitos,  de   pessoal  e  formação  •  4.  Networking   –  Socializar,  poliBca,  e  interação  com  os  outros   Fred  Luthans,  "Successful  vs.  Effec.ve  Real  Managers",  Academy  of  Management  Execu.ve,  1988  
  29. 29. Dimensões  de  EfeBvidade  Gerencial   Fred  Luthans,  "Successful  vs.  Effec.ve  Real  Managers",  Academy  of  Management  Execu.ve,  1988  
  30. 30. Gestão  2.0???  Gerente  1.0   Gerente  2.0   PoliBcas  ditadas  pela  diretoria   Todos  os  empregados  consultados   Segredo  de  informações  cruciais   Transparência  das  informações,  pois  geram  valor   Formalização  de  Cargos.  Mudanças   Definidos  informalmente  pelos  colegas,  e  pelas   precisam  ser  formalizadas   competências  individuais.  Muda  o  tempo  todo   Foco  em  Bmes  de  trabalho  (Team   Foco  em  uma  comunidade  de  pessoas  internas   Work)   ou  externas  a  empresa   Empregados  controlados:   Empregados  autonomos:  com  autoridade   Responsabilidade  sem  autoridade   Recompensas  Externas  e  IncenBvos   MoBvação  intrinseca   Contratação  baseada  na   Contratação  pela  curiosidade,  vontade  de   performance  passada   aprender   Prazos  impostos  por  quem  não  faz  o   Definidos  por  quem  faz  o  trabalho  e  acordado   trabalho   com  quem  não  faz  
  31. 31. Pessoas  
  32. 32. Comportamento  Organizacional  •  Campo  de  estudo  que  invesBga  o  impacto  de   indivíduos,  grupos,  e  estruturas  que  definem  o   comportamento  da  organização,  com  o   propósito  de  aplicar  esse  conhecimento  afim   promover  o  desenvolvimento  da  efeBvidade   organizacional  •  MulBdisciplinar:  psicologia,  sociologia,   psicologia  social,  antropologia  e  ciência  políBca  
  33. 33. Dimensões...  Psicologia,  ciência  que  busca  compreender,  medir  e  explicar  o  comportamento  humano   Aprendizagem   MoBvação   Personalidade   Emoções   Percepções   Treinamento   Liderança   Psicologia   Indivíduo   SaBfação   Decisões  Individuais   Performance   ABtudde   Seleção  de  Pessoas   Desenho  de  Trabalho   Stress  
  34. 34. Dimensões...  Sociologia,    ciência  que  busca  entender  os  relacionamentos  humanos,  com  outros  seres  humanos   Dinâmica  de  Grupo   Trabalho  em  Time   Comunicação   Poder   Sistema  Organizacional   Conflitos   Comportamento  Inter-­‐ grupos   Sociologia   Teoria  Organização  Formal   Tecnologia  Organizacional   Grupo   Mudanças   Cultura  Organizacional  
  35. 35. Abordagem  do  Ponto  de   Condicionamento  •  Condicionamento  Clássico  (Pvalov)   –  um  processo  que  descreve  a  gênese  e  a  modificação  de   alguns  comportamentos  com  base  nos  efeitos  do  binômio   es•mulo-­‐resposta  sobre  o  sistema  nervoso  central  dos   seres  vivos  •  Condicionamento  Operante   –  Este  refere-­‐se  ao  procedimento  através  do  qual  é  modelada   uma  resposta  (ação)  no  organismo  através  de  reforço   diferencial  e  aproximações  sucessivas.  É  onde  a  resposta   gera  uma  consequência  e  esta  consequência  afeta  a  sua   probabilidade  de  ocorrer  novamente;  se  a  consequência  for   reforçadora,  aumenta  a  probabilidade,  se  for  puniBva,  além   de  diminuir  a  probabilidade  de  sua  ocorrência  futura,  gera   outros  efeitos  colaterais.     hgp://pt.wikipedia.org/wiki/Condicionamento_operante  
  36. 36. Modelo  Comportamental   Condicionamento  Operante   Entradas   Saídas   Informação   Informação  Ambiente   Ambiente   Transformação   Energia   Energia   Ou   Recursos   Recursos   Processamento   Materiais   Materiais   Es•mulos   Comportamento   Reforço/Feedback  
  37. 37. Pirâmide  de  Necessidades  
  38. 38. ConsBtuição  do  Homem   Espiritual  Emocional   Mental  
  39. 39. Modelo  Psicológico  “A  visão  se  torna  clara,  quando  olhamos  para  o  nosso  coração.  Quem  olha  para  fora,  sonha.  Quem  olha  para  dentro,  acorda!”            Carl  G.  Jung  
  40. 40. O  Eu  e  o  Inconsciente...  
  41. 41. Estruturas   Jung:  Psicologia  Profunda   Freud:  Psicanálise   Elementos  Incosciente  •  Id   •  Persona   Incosciente  ColeBvo   •  Ego   Sombra  •  Ego   Animus  e  Anima   •  Incosciente   Complexos  •  Super-­‐ego   •  Self   ArquéBpos   Energia:  Libído  
  42. 42. Sombra,  Animus  e  Anima  
  43. 43. ArquéBpos  Masculinos  Rei   Guerreiro   Mago   Amante  
  44. 44. ArquéBpos  Femininos  Fatal   Amazona   Mãe   Companheira  
  45. 45. Tipologia   PensaBvo   ABtude  Sensação   Funções   Intuição   •   IntroverBda   •   ExtroverBda   SenBmental  
  46. 46. Indicador  de  Tipo  de  Myers-­‐Briggs  •  ITMB  é  um  teste  de  personalidade,  que  analisa  4   caracterísBcas,  e  classifica  a  pessoa  em  16  Bpos  de   personalidade   –   Tipos:   •  ExtroverBdo  e  IntroverBdo  (E  e  I)   –  Influenciado  interna/externamente   •  SensiBvo  e  IntuiBvo  (S  e  N)   –  Sente  que  algo  está  para  acontecer/percebe  em  nivel  inconsciente   •  PensaBvo  e  SenBmental  (T  e  F)   –  Fala  o  que  é  algo/Fala  o  que  lhe  agrada  ou  não   •  PercepBvo  e  Julgador  (P  e  J)   –  Vida  é  algo  a  ser  experimentada/Vida  precisa  ser  determinada  e   decidida   Teste  Myer-­‐Briggs:  hgp://www.inspiira.org/view/pt-­‐br/100  
  47. 47. “  Alegria,    formosa  centelha  divina,  Filha  do  Elíseo,  Ébrios  de  fogo  entramos    Em  teu  santuário  celeste!  Tua  magia  volta  a  unir  O  que  o  costume  rigorosamente  dividiu.  Todos  os  homens  se  irmanam  Ali  onde  teu  doce  vôo  se  detém.”       Poema  “An  die  Freude”,  musicado  na  9ª   Sinfonia  
  48. 48. Bem  e  Mal  
  49. 49. Pré...Conceitos...  
  50. 50. Papéis no teatro da vida..•  IdenBdade   é   a   soma   de   nossas   emoções  e  nossa  parte  racional.  •  Nossos   papéis   no   mundo   são   nossas   atribuições   no   meio   social.  •  Confusão   entre   a   idenBdade   e   os  papéis.  
  51. 51. Emoções, inteligência e equilíbrio•  Inteligência  é  a  capacidade  de  direcionar  as  aBtudes.  •  Equilíbrio   é   o   estado   em   que   o   organismo   está   na   plenitude  de  suas  percepções.  •  As  relações  entre  esses  fenômenos.  
  52. 52. "...a capacidade de perceber eexprimir a emoção, assimilá-la aopensamento, compreender eraciocinar com ela, e saber regulá-la em si próprio e nosoutros." (Salovey & Mayer, 2000). Inteligência  Emocional  
  53. 53. Inteligência  Emocional  –  4  Dimensões  Percepção  das  emoções   • inclui  habilidades  envolvidas  na  idenBficação  de  senBmentos  por  es•mulos,   como  a  voz  ou  a  expressão  facial,  por  exemplo.  A  pessoa  que  possui  essa   habilidade  idenBfica  a  variação  e  mudança  no  estado  emocional  de  outra.  Uso  das  emoções   • implica  na  capacidade  de  empregar  as  informações  emocionais  para  facilitar   o  pensamento  e  o  raciocínio.  Entender  emoções   • é  a  habilidade  de  captar  variações  emocionais  nem  sempre  evidentes;  Controle  (e  transformação)  da  emoção   • consBtui  o  aspecto  mais  facilmente  reconhecido  da  inteligência  emocional  –   e  a  apBdão  para  lidar  com  os  próprios  senBmentos.  
  54. 54. O  Desafio  de   Aristóteles  “Qualquer  um  pode   zangar-­‐se  isso  é  fácil.   Mas  zangar-­‐se  com  a   pessoa  certa,  na   medida  certa,  na  hora   certa,  pelo  moBvo   certo  e  da  maneira   certa  não  é  fácil.”  
  55. 55. 5  Habilidades  •  Auto-­‐Conhecimento  Emocional  -­‐  reconhecer  as   próprias  emoções  e  senBmentos  quando  ocorrem;  •  Controle  Emocional  -­‐  lidar  com  os  próprios   senBmentos,  adequando-­‐os  a  cada  situação  vivida;  •  Auto-­‐Mo.vação  -­‐  dirigir  as  emoções  a  serviço  de  um   objeBvo  ou  realização  pessoal;  •  Reconhecimento  de  emoções  em  outras  pessoas  -­‐   reconhecer  emoções  no  outro  e  empaBa  de   senBmentos;  e  •  Habilidade  em  relacionamentos  inter-­‐pessoais  -­‐   interação  com  outros  indivíduos  uBlizando   competências  sociais.  
  56. 56. Aplicações  •  Organização  de  Grupos  -­‐  habilidade  essencial  da   liderança,  que  envolve  iniciaBva  e  coordenação  de  esforços   de  um  grupo,  bem  como  a  habilidade  de  obter  do  grupo  o   reconhecimento  da  liderança  e  uma  cooperação   espontânea.  •  Negociação  de  Soluções  -­‐  caracterísBca  do   mediador,  prevenindo  e  resolvendo  conflitos.  •  Empa.a  -­‐  é  a  capacidade  de,  ao  idenBficar  e   compreender  os  desejos  e  senBmentos  dos  indivíduos,   reagir  adequadamente  de  forma  a  canalizá-­‐los  ao  interesse   comum.  •  Sensibilidade  Social  -­‐  é  a  capacidade  de  detectar  e   idenBficar  senBmentos  e  moBvos  das  pessoas.  
  57. 57. As  2  Abordagens  Básicas  •  Teorias  dos  traços  de  Liderança:  considera   personalidade,  social,  `sico  e  aspectos   intelectuais  para  definir  a  liderança;   –  “Lideres  nascem  lider,  não  são  fabricados...”  •  Teorias  Comportamentais:  Comportamentos  é   que  definem  lideres  de  não  lideres;   –  “CaracterísBcas  de  liderança  podem  ser  ensinadas...”   •  EsBlos  de  Liderança  -­‐  4  esBlos  de  liderança:  autocráBca,   democráBca,  liberal  e  paternalista;   •  Situações  de  Liderança  (teoria  ConBngencial)  -­‐  diferentes   padrões  de  liderança  de  acordo  com  a  situação  e  para  cada   um  dos  membros  da  sua  equipe  
  58. 58. Traços  de  liderança...  •  Ambição  e  Energia  •  Desejo  de  liderar  •  HonesBdade  e  Integridade  •  Auto-­‐Confiança  •  Inteligência  •  Alta  percepção  de  si  mesmo  •  Sabedoria  do  que  fazer  
  59. 59. Limitações  •  Não  foram  encontrado  os  traços  que   indenBficam  a  liderança  em  todos  os  aspectos  •  Traços  definem  mais  os  pontos  “fracos”  do   que  os  fortes  “fortes”  •  Não  é  clara  a  relação  entre  causa  e  efeito  dos   traços  e  seu  relacionamento  com  lideres  •  Aparentemente  define  o  lider,  entretanto  não   disBngue  entre  o  efeBvo  e  o  não  efeBvo  
  60. 60. Dimensões  da  Liderança   Desenvo lvimento   Produção   Pessoas    
  61. 61. Tipos:  Transacional  e  Tranformacional   Transacional   Tranformacional  • Lider  que  guia  ou  moBva   • Provê  considerações   os  seguidores,  através  da   individualizadas  e   clarificação  das  regras  e   esBmulação  intelectual.   as  aBvidades  necessárias   Possui  Carisma   •   Recompensador   •   Carisma   •   Gestor  da  Excessão  (aBvo)   •   Inspiração   •   Gestor  da  Excessão  (passivo)   •   EsBmulo  Intelectual   •   Laissez-­‐Faire   •   Consideração  pelo  individuo  
  62. 62. EsBlos  de  Liderança  •  Liderança  autocrá.ca:  Na  Liderança  autocráBca  o  líder  é  focado  apenas  nas   tarefas.  Este  Bpo  de  liderança  também  é  chamado  de  liderança  autoritária  ou   direBva.  O  líder  toma  decisões  individuais,  desconsiderando  a  opinião  dos   liderados.  O  líder  determina  as  providências  e  as  técnicas  para  a  execução  das   tarefas,  de  modo  imprevisível  para  o  grupo.  Além  da  tarefa  que  cada  um  deve   executar,  o  líder  determina  ainda  qual  o  seu  companheiro  de  trabalho.  O  líder  é   dominador  e  pessoal  nos  elogios  e  nas  críBcas  ao  trabalho  de  cada  membro.  •  Liderança  democrá.ca:  Chamada  ainda  de  liderança  parBcipaBva  ou  consulBva,   este  Bpo  de  liderança  é  voltado  para  as  pessoas  e  há  parBcipação  dos  liderados  no   processo  decisório.  Aqui  as  diretrizes  são  debaBdas  e  decididas  pelo  grupo,   esBmulado  e  assisBdo  pelo  líder.  O  próprio  grupo  esboça  as  providências  para   aBngir  o  alvo  solicitando  aconselhamento  técnico  ao  líder  quando  necessário,   passando  este  a  sugerir  duas  ou  mais  alternaBvas  para  o  grupo  escolher.  As  tarefas   ganham  novas  perspecBvas  com  o  debate.  A  divisão  das  tarefas  fica  ao  critério  do   próprio  grupo  e  cada  membro  pode  escolher  os  seus  próprios  companheiros  de   trabalho.  O  líder  procura  ser  um  membro  normal  do  grupo.  Ele  é  objeBvo  e  limita-­‐ se  aos  fatos  nas  suas  críBcas  e  elogios.    
  63. 63. EsBlos  de  Liderança  •  Liderança  liberal  ou  Laissez  faire:  Laissez-­‐faire  é  a  contração  da  expressão   em  língua  francesa  laissez  faire,  laissez  aller,  laissez  passer,  que  significa   literalmente  "deixai  fazer,  deixai  ir,  deixai  passar".  Neste  Bpo  de  liderança   as  pessoas  tem  mais  liberdade  na  execução  dos  seus  projetos,  indicando   possivelmente  uma  equipe  madura,  auto  dirigida  e  que  não  necessita  de   supervisão  constante.  Por  outro  lado,  a  Liderança  liberal  também  pode   ser  indício  de  uma  liderança  negligente  e  fraca,  onde  o  líder  deixa  passar   falhas  e  erros  sem  corrigi-­‐los.  •  Liderança  paternalista:  O  paternalismo  é  uma  atrofia  da  Liderança,  onde  o   Líder  e  sua  equipe  tem  relações  interpessoais  similares  às  de  pai  e  filho.  A   Liderança  paternalista  pode  ser  confortável  para  os  liderados  e  evitar   conflitos,  mas  não  é  o  modelo  adequado  num  relacionamento   profissional,  pois  numa  relação  paternal,  o  mais  importante  para  o  pai  é  o   filho,  incondicionalmente.  Já  em  uma  relação  profissional,  o  equilíbrio   deve  preponderar  e  os  resultados  a  serem  alcançados  pela  equipe  são   mais  importantes  do  que  um  indivíduo.    
  64. 64. EsBlos  de  Liderança  •  Es.lo  Visionário:  Canaliza  as  pessoas  para  visões  e  sonhos  par.lhados.   Tem  um  efeito  muito  posi.vo  sobre  o  clima  de  trabalho.  É  apropriado   para  situações  onde  ocorra  mudanças  que  exigem  uma  nova  visão.  •  Es.lo  Conselheiro:  Relaciona  os  desejos  das  pessoas  com  os  objeBvos  da   organização.  Ajuda  um  empregado  a  ser  mais  eficiente,  melhorando  as   suas  capacidades  de  longo  prazo.  •  Es.lo  Relacional:  Cria  harmonia  melhorando  o  relacionamento  entre  as   pessoas.  Ideal  para  resolver  e  sarar  conflitos  num  grupo;  dar  moBvação   em  períodos  di`ceis;  melhorar  o  relacionamento  entre  as  pessoas.  •  Es.lo  Pressionador:  ABnge  objeBvos  di`ceis  e  esBmulantes.  Tem  um   efeito  por  vezes  negaBvo  sobre  o  clima  de  trabalho  pois  é   frequentemente  mal  executado.  •  Es.lo  Dirigista:  Acalma  os  receios  dando  instruções  claras  em  situações  de   emergência.  É  apropriado  em  situações  de  crise;  para  desencadear  uma   reviravolta  na  situação;  com  subordinados  di`ceis.  
  65. 65. Tipos:  CarismáBco  •  Seguidores  atribuem  aspectos  heróicos  ou   habilidades  extraordinárias.  •  Influência  através   –  Visão  arBculada;   –  Definindo  expectaBvas  elevadas  das  pessoas;   –  Converge  para  um  novo  conjunto  de  valores;   –  Faz  sacri`cios  pessoais;   –  Comportamento  não  convencional  
  66. 66. Liderança,  pelo  poder...  •  poder  legí.mo,  obBdo  com  o  exercício  de  um   cargo  •  poder  de  referência,  em  função  das   qualidades  e  do  carisma  do  líder  •  poder  do  saber,  exercido  graças  a   conhecimentos  que  o  líder  detém.  
  67. 67. Poder  X  Liderança   Liderança   Poder   Usado  como  meio  para  Foco  em  aBngir  resultados   aBngir  os  objeBvos  CompaBbiliza  os  resultados   Requer  a  dependência  dos   com  seguidores   seguidores   Usado  para  ganhar  posições  Influência  sobre  as  pessoas   subindo  e  lateralmente   Linhas  de   Linhas  de   Aprendizagem   Aprendizagem   Tipos  de  Liderança  e   TáBcas  de  Poder  para  aBngir   Relacionamento   resultados  
  68. 68. Maquiavel...  
  69. 69. Poder  Individual...   •  Informação:  Poder  associado  a  manutenção  e   controle  da  Informação   •  Especilidade:  Baseado  em  habilidades   especiais  e  conhecimento   •  Referenciado:  aparBr  da  posse  por  uma   pessoa  de  recursos  ou  segredos  pessoais   •  Carisma:  baseado  na  personalidade  e  esBlo   interpessoal  According  to  Patrick  J.  Montana  and  Bruce  H.  Charnov  
  70. 70. Postulado  da  Dependência  •  Quanto  maior  a  dependência  de  B  em  A,  maior  o   poder  de  A  tem  sobre  B;  •  Posse/Controle  dos  escassos  recursos   organizacionais  que  os  outros  precisam  torna  um   gestor  poderoso;  •  O  acesso  aos  recursos  opcionais  (por  exemplo,   vários  fornecedores)  reduz  o  poder;   O  que  cria  dependência?     v   Importância  do  recurso  para  a  organização   v   A  escassez  do  recurso   v   A  “InsubsBtubilidade”  do  recurso  
  71. 71. Sun  Tzu:   Arte  da  Guerra!   “  Se  você  conhece  o  inimigo  e  a  si   mesmo,  não  precisa  temer  o  resultado   de  100  batalhas  ”  “  Se  você  se  conhece,  mas  não  o  inimigo   para  cada  vitória,  uma  derrota”   “  Se  você  não  se  conhece  nem  ao   inimigo,  perderá  todas  as  batalhas”  
  72. 72. 5  Fatores....  •  A  Lei  Moral:  faz  com  que  as  pessoas  estejam  de   pleno  acordo  com  seu  governante  •  Céu:  significa  a  noite  e  o  dia,  frio  e  calor  as   épocas  e  estações  •  Terra:  compreende  as  distâncias,  curtas  e   longas,  terreno  aberto  e  passagens  estreitas  •  Comandante:  virtudes  da  sabedoria,   sinceridade,  coragem  e  vigor  •  Método  e  Disciplina:  organização  do  exército,   suas  divisões,  suprimentos  e  controle.  
  73. 73. ÉBca  e  Moral  •  “ÉBca  e  a  ciência  que  estuda  os  princípios  ou  pautas  da   conduta  humana.  E  também  denominada  filosofia  moral”  •  “Moral  e  um  conjunto  de  normas,  aceitas  livre  e   conscientemente,  que  regulam  o  comportamento  individual  e   social  dos  homens”  •  ÉBca  e  Moral  se  relacionam  como  uma  ciência  específica  e   seu  objeto...como  biologia,  `sica,  etc...  •  O  método  da  ÉBca  não  e  rigorosamente  cienBfico,  mas  sim   dialéBco.  Isto  significa  que  o  objeto  da  ÉBca,  a  saber,  o  estudo   do  comportamento  moral,  não  se  obtém  por  dedução  e   lógica,  como  na  Ciência  propriamente  dita,  mas  sim  pelo   diálogo,  a  parBr  do  confronto  entre  as  opiniões  dos  homens   de  maior  experiência  e  conhecimento,  que  seriam,  segundo   Aristóteles  e  outros  sábios  do  seu  tempo,  eles  próprios,  os   filósofos  ou  "amantes  do  saber“.  
  74. 74. Comunicação  •  A  comunicação  humana  é  um  processo  que   envolve  a  troca  de  informações,  e  uBliza  os   sistemas  simbólicos  como  suporte  para  este  fim.  •  Elemento:   –  o  emissor   –  codificação   –  o  canal  e  meio   –  a  mensagem   –  o  receptor   –  a  resposta  (feedback)   –  o  ambiente  
  75. 75. Comunicação  Receptor   Emissor   Resposta   Canal   Mensagem  
  76. 76. Direções  da  Comunicação   Para  Baixo   Para  Cima   Lateral  
  77. 77. Comunicação  Interpessoal   Oral   •  Pros:  Rapidez  e  Resposta  (feedback)   •  Cons:  Distorção  da  mensagem   Escrita   •  Prós:  Tangível  e  Verificável   •  Cons:  Consome  tempo  e  ausência  de   feedback   Não-­‐verbal   •  Prós:  Suporta  os  outros  Bpos  de  comunicação  e   expressa  emoções  e  senBmentos   •  Cons:  Má  interpretação  das  faces,  gestos,  etc..   Pode  gerar  uma  confusão  da  mensagem.  
  78. 78. Mude  o  tom...muda  o  significado!  •  Por  que  eu  não  posso  te  levar  para  jantar  esta  noite?     –  Eu  estava  indo  levar  alguém  mesmo!  •  Por  que  eu  não  posso  te  levar  para  jantar  esta  noite?     –  Em  vez  da  pessoa  com  quem  você  estava  indo.  •  Por  que  eu  não  posso  te  levar  para  jantar  esta  noite?     –  Estou  tentando  encontrar  uma  razão  para  que  eu  não  deveria  levá-­‐lo.  •  Por  que  eu  não  posso  te  levar  para  jantar  esta  noite?     –  Você  tem  um  problema  comigo?  •  Por  que  eu  não  posso  te  levar  para  jantar  esta  noite?     –  Em  vez  de  ir  sozinho.  •  Por  que  eu  não  posso  te  levar  para  jantar  esta  noite?   –  Em  vez  de  almoçar  amanhã.  •  Por  que  eu  não  posso  te  levar  para  jantar  esta  noite?     –  Não  é  amanhã  à  noite.  
  79. 79. Comunicação  Verbal  e  Não-­‐verbal  •  O  pesquisador  Mehrabian  estabeleceu  a  esta•sBva  de   uma  comunicação  efeBva,  usando  a  fala:     7%   Verbal   38%   ParaliguisBco   55%   Facial  
  80. 80. Rede  de  Comunicação  e  seus   Bene`cios  Cadeia   Roda   Merge  
  81. 81. Papel  do  Gestor....  •  Verificar  as  necessidades  e  o  alinhamento  dos   colaboradores  nos  quadrantes  da  competência  e  da   moBvação;    •  arBcular  a  integração  das  metas  organizacionais  com   as  metas  individuais;  •  Considerando  as  pessoas  em  sua  totalidade:  sua   sensibilidade,  emoção,  expectaBvas,  habilidades   técnicas  e  operacionais,  capacidade  de   relacionamento,  moBvações,  adaptabilidade  ao  cargo,   etc...  
  82. 82. Barreiras  a  Comunicação  EfeBva  •  Filtro:  Informação  é  modelada  pelo  emissor,  para  ficar  mais   atraente  ao  receptor;  •  Percepção  SeleBva:  Interpretação  da  mensagem  de  acordo   com  valores,  experiência  pessoal  e  aBtude;  •  Sobrecarga  de  Informação:  Excesso  de  informação  que   sobrecarrega  a  capacidade  de  processamento  do  receptor;  •  Emoções:  senBmentos  que  influenciam  a  recepção  da   mensagem;   diferenças  entre  pessoas  da  forma  de  comunicar;  •  Apreensão  na  comunicação:  Tensão  e  Ansiedade  no   momento  de  usar  algum  meio  de  comunicação;  
  83. 83. Meios  de  Comunicação  •  Eletrônico  (e-­‐mail,  sms,  recardo  de  voz,etc...)  •  Carta,  Memorandos,  Regulamentos  •  Telefone,  Videoconferência,    Discurssos  e   Palestras  •  Web2.0:  Blogs,  Facebook  CoporaBvo,   Ambiente  ColaboraBvo  (Google  Docs)  •  Face-­‐to-­‐Face....olho  no  olho!  
  84. 84. Modelo  de  auto-­‐análise:  Johari  Window   -­‐   Área  Oculta   Área   2.  Conhecido   desconhecida   Feeback   por  outros,   3.  Não   mas  não  pra   conhecida  para  Outros   mim   mim  e  outros   Área  ParBcular   Área  Pública   4.  Conhecido   1.  Conhecido  +   para  mim,  mas   Auto   para  mim  e   não  para  os   revelação   outros   outros   +   Eu  
  85. 85. Feedback:  como  dar....  •  Um  presente  que  você  recebe...   –  Descri.vo,  ao  invés  de  avaliaBvo.   –  Específico,  ao  invés  de  geral.   –  Claro,  para  assegurar  comunicação  precisa.   –  Oportuno,  saber  quando  fornecer  o  feedback.   –  Compagvel,  com  as  necessidades  (moBvações)  de   ambos,  comunicador  e  receptor.   –  Dirigido,  para  comportamentos  que  o  receptor  possa   modificar.   –  Sem  exagero;   –  Limitado  -­‐  ao  que  você  tem  certeza.  
  86. 86. Feedback:  como  receber...   Perguntar paraManter-se calmo esclarecer Ouvir cuidadosamente Reconhecer o feedback “Deletar” o que não faz sentido Reconhecer os pontos válidos. Organizar o que você ouviu Construir um plano de ação
  87. 87. Nem  todo  Conflito  é  ruim...  •  Causas   –  Comunicação  pobre   –  Falta  de  abertura   –  Falha  em  responder  as  necessidades  •  Tipos   –  de  tarefas   –  de  relacionamento   –  de  processo  
  88. 88. Estágios  do  Conflito  
  89. 89. Solução  de  conflitos  •  Resolução  dos  problemas  •  Revisão  dos  objeBvos  •  Expansão  dos  recursos  •  Evitar  Confrontos  e  Suavidade  •  CompromeBmento  •  Autoridade  de  comando  •  Revisão  das  variáveis  Humanas  •  Revisão  das  variáveis  estruturais  
  90. 90. Negociação!  •  Um  processo  onde  2  ou  mais  partes  visão   trocar  objetos  ou  serviços  a  fim  de  atender  a   necessidade  de  troca  •  Melhor  modo  de  entrar  numa  negociação   –  Definir  a  menor  possibilidade  que  se  deve  ter  no   processo  de  negociação...ExpectaBvas!  
  91. 91. Ganha  –  Perde   X  Foco  em  apenas  um  recurso   Ganha-­‐Ganha   Amplia  os  recursos  esperados    
  92. 92. Processo  de  Negociação  Preparação  e   Definição  de   Clarificação  e  Planejamento   regras  gerais   JusBficaBvas   Barganha  e   Fechamento  e   solução  dos   implementação   conflitos  
  93. 93. Nietzsche  •  “Nós,  porém,  queremos  nos  tornar  aqueles  que   somos  -­‐  os  novos,  únicos,  incomparáveis,  que  dão   leis  a  si  mesmos,  que  criam  a  si  mesmos!”    •  “Vede  bons  e  justos!  Quem  eles  odeiam  mais?   Aquele  que  quebra  suas  tábuas  de  valores,  o   quebrador,  o  infrator:  -­‐  mas  este  é  o  criador.”  
  94. 94. Dinâmica  Psicológica...nova   abordagem    Abre  Caminhos:  os   desbrava    Desperta  o  melhor   em  todos    Desprovido  de   estrutura  de  Ego    Não  controla,  guia!    Profunda  EmpaBa  O  Herói    Clarividência  
  95. 95. Poder  do  Mito  •  MOYERS:  Mas  não  acontece  de  muitos  visionários  e  mesmo   líderes  e  heróis  estarem  muito  perto  dos  limites  da  neurose?  •  CAMPBELL:  Sem  dúvida.  •  MOYERS:  Como  você  explica  isso?  •  CAMPBELL:  São  pessoas  que  se  afastaram  da  sociedade  que   poderia  protegê-­‐los  e  ingressaram  na  floresta  densa,  no   mundo  do  fogo  e  da  experiência  original.  A  experiência   original  é  aquela  que  ainda  não  foi  interpretada  para  você;   assim,  você  tem  que  construir  sua  vida  por  você  mesmo.   Você  pode  encará-­‐lo,  ou  não,  e  não  precisa  afastar  se  demais   do  caminho  conhecido  para  se  ver  em  situações  muito   di`ceis.  A  coragem  de  enfrentar  julgamentos  e  trazer  todo   um  novo  conjunto  de  possibilidades  para  o  campo  da   experiência  interpretável,  para  serem  experimentadas  por   outras  pessoas  é  essa  a  façanha  do  herói.  
  96. 96. 30  Seconds  MBA  
  97. 97. Modificações  do  Comportamento   Organizacional  •   Aplicação  dos  conceitos  de  reforço  em   indivíduos  num  ambiente  de  trabalho  •  Modelo  Solução  de  Problemas   1.  IndenBficação  de  comportamentos  •picos   2.  Desenvolvimento  de  uma  linha-­‐base   3.  IdenBficar  as  consequencias  comportamentais   4.  Aplicar  a  Intervenção   5.  Avaliar  a  melhoria  de  performance  
  98. 98. Modificações  do  Comportamento   Organizacional  •  Valores   –  Convicções  base  que  conduzem  um  estado  de  existência   pessoalmente  e  socialmente.  •  Valores  Sistêmicos   –  Base  hierárquica  de  um  ranking  de  valores  individuais,  em   termos  de  sua  intensidade   Valores  Instrumentais   Valores  Terminais   Desejado  estado  de   Modos  de  Comportamento   existência;  objeBvos  que  a   ou  significado  para  aBngir   pessoa  almeja  aBngir   Valores  Terminais   durante  sua  vida!  
  99. 99. Exemplos  de  Valores   Valores  Instrumentais   Valores  Terminais  •   Ambição  (trabalho  duro)   • Vida  Confortável  • Mente-­‐aberta   • Vida  ABva  e  Excitante  • Capacidade  e  Competência   • Senso  de  Dever  Cumprido  • Alegria  e  estado  espiríto   • Mundo  em  Paz  • Coragem   • Beleza  no  Mundo  • EmpaBa   • Igualdade  • Disposição  par  ajudar   • Segurança  Familiar  • HonesBdade   • Liberdade  • Imaginação   • Felicidade  • Independência   • Harmonia  Interior  • Logica   •   Amor  maduro  • Passional   • Segurança  Nacional  • Obediência   • Prazer  • Polidez   • Salvação  • Rensponsabilidade   • Auto-­‐respeito  • Auto-­‐Controle   •   Reconhecimento  Social   •   Amizades  Verdadeiras   • Sabedoria  
  100. 100. Fenômeno  Google...  
  101. 101. Talento  Humano   Conhecimento   Competência   SABER   Habilidade   SABER  FAZER     SABER  FAZER   ACONTECER    Aprender  a  aprender        Aprender   Aplicar  o  conhecimento   Alcançar  Metas   conBnuamente   Resolver  problemas   Agregar  valor   Aumentar   Criar  e  Inovar   Obter  Excelência   Empreender   conhecimento   Livro  texto,  pag.  54  
  102. 102. Pensamento  Estratégico   Onde  quero  Onde  Estou?   O  que  fazer?   chegar?  
  103. 103. Contratando  um  2.0  ...  10  coisas  •  1.  Deixe  que  ele  controle  seu  próprio  horário.   Assim  nós  produzimos  muito  mais  do  que  no  horário  em  que  somos   obrigados.  Entre  7  e  10  da  manhã  meu  cérebro  não  funciona,  não  tem  jeito.   No  entanto,  em  nenhum  outro  horário  sou  mais  produBvo  do  que  entre  as  2  e   4  da  manhã.  Cada  pessoa  tem  seu  horário  em  que  produz  mais  e  melhor.   Geeks  têm  uma  capacidade  sobre-­‐humana  de  fingirem  que  estão  trabalhando   enquanto  estão  dormindo.  •  2.  Deixe  que  ele  controle  seu  próprio  ambiente   de  trabalho.   Não  imponha  regras  “para  todos”  neste  senBdo,  porque  nós  não  somos  iguais   ao  pessoal  do  administraBvo  e  de  vendas.  Se  ele  quer  se  enfiar  num  canto  da   sala,  longe  de  todos,  deixe.  Se  puder  deixá-­‐lo  escolher  sua  mesa,  cadeira,   lugar  na  sala,  etc,  será  perfeito!   hgp://webinsider.uol.com.br/index.php/2007/03/14/dez-­‐itens-­‐para-­‐que-­‐os-­‐geeks-­‐trabalhem-­‐em-­‐paz/  
  104. 104. Contratando  um  2.0  ...  10  coisas  •  3.  Deixe  que  ele  controle  sua  própria  luz.   Muita  luz  é  óBmo  para  trabalhar  com  papeis  e  péssimo  para  trabalhar  com   computadores.  Muitos  geeks  gostam  de  trabalhar  à  meia  luz,  por  isso  não   imponha  uma  certa  iluminação.  Cansei  de  ter  dores  de  cabeça  por  causa  da   luz  forte  demais,  por  não  poder  fechar  uma  maldita  persiana.  •  4.  Deixe  que  ele  controle  seu  próprio  (fone  de)   ouvido.   Para  trabalhar  direito,  precisamos  de  concentração.  Para  isso,  é  preciso   silêncio  e/ou  um  fone  de  ouvido  tocando  algo  barulhento  –  que  na  práBca  é  a   mesma  coisa.  Não  deixar  um  nerd  usar  fones  de  ouvido  é  um  pecado  mortal.  •  5.  Deixe  que  ele  controle  sua  própria  roupa.   Não  somos  homens  de  negócios.  Que  a  roupa  social  fique  para  os  advogados.   Quanto  mais  confortavel  e  à  vontade  o  geek  está,  mais  produz.   hgp://webinsider.uol.com.br/index.php/2007/03/14/dez-­‐itens-­‐para-­‐que-­‐os-­‐geeks-­‐trabalhem-­‐em-­‐paz/  
  105. 105. Contratando  um  2.0  ...  10  coisas  •  6.  Deixe  que  ele  controle  onde  vai  fora  da  empresa.   Podemos  gostar  de  um  evento  social,  ou  não.  Essas  coisas  não  podem  ser   obrigatórias.  •  7.  Deixe  que  ele  controle  quando  quer  falar  ou  não  com   você.   Se  você  precisa  falar  com  um  geek  siga  esta  seqüência:  a)  Envie  um  e-­‐mail   dizendo  o  que  quer;  b)  Caso  seja  algo  urgente,  fale  pelo  messenger;  c)  Se   algo  esBver  explodindo  e  a  escolha  for  entre  interrompê-­‐lo  ou  a  falência  da   empresa,  telefone  ou  fale  diretamente  com  ele  –  mas  só  neste  caso.  De   novo:  precisamos  de  concentração!  Quando  você  interrompe,  levamos  um   tempão  para  entendermos  o  que  estávamos  fazendo  novamente.  •  8.  Deixe  que  ele  controle  se  quer  ou  não  fazer  algo  além   do  que  aquilo  que  ele  foi  contratado  para  fazer.   Em  empresas  pequenas,  principalmente,  todo  mundo  acaba  fazendo  um   pouco  de  tudo.  Mas  o  geek  ficará  furioso  (e  isso  VAI  impactar  furiosamente   na  produBvidade  dele)  se  for  obrigado  a  fazer  coisas  que  não  são  seu   trabalho.  Eu  já  fui  obrigado  a  levar  o  lixo  pra  fora,  atender  telefone,  lavar  a   louça,  dar  suporte  técnico,  fazer  atendimento…  
  106. 106. Contratando  um  2.0  ...  10  coisas  •  9.  Deixe  que  ele  controle  quando  e  como  acessa  a   internet.   Não  adianta:  a  pessoa  que  você  contratar  para  bloquear  a  internet   não  será  mais  inteligente  que  os  geeks  que  você  quer  impedir  de   acessá-­‐la.  Se  ela  for,  pode  ter  certeza  de  que  pelo  menos  a  metade   do  expediente  do  geek  será  gasta  procurando  um  jeito  de  burlar  o   sistema.    •  10.  Conclusão:  cobre  produ.vidade,  deixe  que  ele   controle  o  resto.   Você  entendeu:  não  controle  o  geek,  deixe  que  ele  controle  todo  o   seu  ambiente.  Assim  ele  vai  produzir  mais.  Mas  hoje  eu  trabalho  com   geeks  e  sei  que  não  posso  deixar  de  controlar  o  trabalho  da  empresa.   Eu  acredito  nisso:  dê  um  desafio  e  liberdade  a  um  programador  e  ele   trabalhará  mais,  melhor,  e  com  amor.  
  107. 107. Indivíduo  à  Grupo  •  Dois  ou  mais  indivíduos  que  interagem  e  se   interrelacionam,  para  cumprimento  de  um   objeBvo  comum!   –  Formal   –  Informal   –  de  Comando   –  de  Tarefa   –  de  Interesse  Comum   –  de  Amigos  
  108. 108. Porque  as  pessoas  se  agrupam  
  109. 109. 5  Estágios...  Pré-­‐estágio   I   II   Formação   Confusão   III   IV   V  NormaBzação   Desenvolvendo   Focando  
  110. 110. Hábitos  e  Normas  •  Hábitos  esperados,  contrato  psicológico  e   conflito  •  O  experimento  de  Zimbardo  •  Normas:  Conjunto  de  hábitos  que   caracterizam  o  grupo!  •  Vida  em  sociedade  implica  em  adequação  as   normas  sociais!   –  Desvios  de  conduta:  produção,  propriedade,   políBcos  e  agressão  pessoal.  
  111. 111. Pontos  importantes:  Grupo  •  Status:  posição  definido  pelo  grupo  para  os   indivíduos  que  o  compõe;   –  Poder  sobre  os  outros   –  Habilidade  de  contribuir  com  o  conjunto   –  CaracterísBcas  individuais  •  Tamanho:  Impares  melhores  que  pares,  de  7  a  9   melhor  desempenho  do  que  maiores  e  menores;  •  Demografia:  raça,  cor,  sexo,  religião,  moradia,   etc...  •  Coesão:  agrupamento  de  pessoas  no  grupo   atraidos  e  moBvados  em  conjunto  

×