Cap26 circuitos de corrente continua

433 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
433
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap26 circuitos de corrente continua

  1. 1. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua RODRIGO ALVES DIAS Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Livro texto: F´ ısica 3 - Eletromagnetismo Autores: Sears e Zemansky Edi¸˜o: 12a ca Editora: Pearson - Addisson and Wesley 10 de maio de 2011
  2. 2. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente ContinuaObjetivos de Aprendizagem Ao estudar este cap´ ıtulo vocˆ aprender´: e a Como analisar circuitos com m´ltiplos resistores em s´rie ou u e paralelo.
  3. 3. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente ContinuaObjetivos de Aprendizagem Ao estudar este cap´ ıtulo vocˆ aprender´: e a Como analisar circuitos com m´ltiplos resistores em s´rie ou u e paralelo. Regras que podem ser aplicadas a qualquer circuito com mais de uma malha.
  4. 4. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente ContinuaObjetivos de Aprendizagem Ao estudar este cap´ ıtulo vocˆ aprender´: e a Como analisar circuitos com m´ltiplos resistores em s´rie ou u e paralelo. Regras que podem ser aplicadas a qualquer circuito com mais de uma malha. Como usar um amper´ımetro, volt´ ımetro, ohm´ ımetro po potenciˆmetro em um circuito. o
  5. 5. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente ContinuaObjetivos de Aprendizagem Ao estudar este cap´ ıtulo vocˆ aprender´: e a Como analisar circuitos com m´ltiplos resistores em s´rie ou u e paralelo. Regras que podem ser aplicadas a qualquer circuito com mais de uma malha. Como usar um amper´ımetro, volt´ ımetro, ohm´ ımetro po potenciˆmetro em um circuito. o Como analisar circuitos que possuem tanto um resistor quanto um capacitor.
  6. 6. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente ContinuaObjetivos de Aprendizagem Ao estudar este cap´ ıtulo vocˆ aprender´: e a Como analisar circuitos com m´ltiplos resistores em s´rie ou u e paralelo. Regras que podem ser aplicadas a qualquer circuito com mais de uma malha. Como usar um amper´ımetro, volt´ ımetro, ohm´ ımetro po potenciˆmetro em um circuito. o Como analisar circuitos que possuem tanto um resistor quanto um capacitor. Como a energia el´trica ´ distribu´ em uma residˆncia. e e ıda e
  7. 7. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Resistores em s´rie e em paralelo. eResistores em s´rie e Uma liga¸˜o em s´rie ´ definida quando os elementos ca e e de um circuito s˜o ligados em seq¨encia e existe a u somente um unico caminho de corrente entre eles. ´
  8. 8. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Resistores em s´rie e em paralelo. eResistores em s´rie e Uma liga¸˜o em s´rie ´ definida quando os elementos ca e e de um circuito s˜o ligados em seq¨encia e existe a u somente um unico caminho de corrente entre eles. ´ Para achar a resistˆncia equivalente queremos e escrever, Vab = IReq assim, Vax = IR1 Vxy = IR2 Vyb = IR3
  9. 9. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Resistores em s´rie e em paralelo. eResistores em s´rie e Uma liga¸˜o em s´rie ´ definida quando os elementos ca e e de um circuito s˜o ligados em seq¨encia e existe a u somente um unico caminho de corrente entre eles. ´ Para achar a resistˆncia equivalente queremos e escrever, Vab = IReq assim, Vax = IR1 Vxy = IR2 Vyb = IR3 Vab = Vax + Vxy + Vyb Vab = I(R1 + R2 + R3 ) = IReq
  10. 10. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Resistores em s´rie e em paralelo. eResistores em s´rie e Uma liga¸˜o em s´rie ´ definida quando os elementos ca e e de um circuito s˜o ligados em seq¨encia e existe a u somente um unico caminho de corrente entre eles. ´ Para achar a resistˆncia equivalente queremos e escrever, Vab = IReq assim, Vax = IR1 Vxy = IR2 Vyb = IR3 Vab = Vax + Vxy + Vyb Vab = I(R1 + R2 + R3 ) = IReq Req = R1 + R2 + R3 + ... = Rj j
  11. 11. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Resistores em s´rie e em paralelo. eResistores em s´rie e Uma liga¸˜o em s´rie ´ definida quando os elementos ca e e de um circuito s˜o ligados em seq¨encia e existe a u somente um unico caminho de corrente entre eles. ´ Para achar a resistˆncia equivalente queremos e escrever, Vab = IReq assim, Vax = IR1 Vxy = IR2 Vyb = IR3 Vab = Vax + Vxy + Vyb Vab = I(R1 + R2 + R3 ) = IReq Req = R1 + R2 + R3 + ... = Rj j A resistˆncia equivalente de qualquer numero de resistores conectados em s´rie e e ´ igual ` soma das resistˆncias individuais. e a e
  12. 12. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Resistores em s´rie e em paralelo. eResistores em paralelo Uma liga¸˜o em paralelo ´ definida quando os ca e elementos de um circuito s˜o ligados de forma que a exista correntes diferentes passando por elementos diferentes.
  13. 13. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Resistores em s´rie e em paralelo. eResistores em paralelo Uma liga¸˜o em paralelo ´ definida quando os ca e elementos de um circuito s˜o ligados de forma que a exista correntes diferentes passando por elementos diferentes. Para achar a resistˆncia equivalente queremos e escrever, Vab = IReq assim, Vab Vab Vab I1 = ; I2 = ; I3 = R1 R2 R3
  14. 14. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Resistores em s´rie e em paralelo. eResistores em paralelo Uma liga¸˜o em paralelo ´ definida quando os ca e elementos de um circuito s˜o ligados de forma que a exista correntes diferentes passando por elementos diferentes. Para achar a resistˆncia equivalente queremos e escrever, Vab = IReq assim, Vab Vab Vab I1 = ; I2 = ; I3 = R1 R2 R3 I = I1 + I2 + I3 1 1 1 I = Vab + + R1 R2 R3
  15. 15. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Resistores em s´rie e em paralelo. eResistores em paralelo Uma liga¸˜o em paralelo ´ definida quando os ca e elementos de um circuito s˜o ligados de forma que a exista correntes diferentes passando por elementos diferentes. Para achar a resistˆncia equivalente queremos e escrever, Vab = IReq assim, Vab Vab Vab I1 = ; I2 = ; I3 = R1 R2 R3 I = I1 + I2 + I3 1 1 1 I = Vab + + R1 R2 R3 I 1 = Vab Req 1 1 1 1 1 = = + + ... = Req R1 R2 R3 j Rj
  16. 16. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Resistores em s´rie e em paralelo. eResistores em paralelo Uma liga¸˜o em paralelo ´ definida quando os ca e elementos de um circuito s˜o ligados de forma que a exista correntes diferentes passando por elementos diferentes. Para achar a resistˆncia equivalente queremos e escrever, Vab = IReq assim, Vab Vab Vab I1 = ; I2 = ; I3 = R1 R2 R3 I = I1 + I2 + I3 1 1 1 I = Vab + + R1 R2 R3 I 1 = Vab Req 1 1 1 1 1 = = + + ... = Req R1 R2 R3 j Rj Para qualquer numero de resistores conectados em paralelo, o inverso da resistˆncia equivalente ´ igual ` soma dos inversos das resistˆncias individuais. e e a e
  17. 17. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Leis de KirchhoffLeis de Kirchhoff. As leis de Kirchhoff s˜o duas regras enunciadas da seguinte forma: a Leis dos n´s: a soma alg´brica de todas as correntes que entram ou saem de o e um n´ ´ igual a zero. ( j Ij = 0) oe Leis das malhas: a soma alg´brica de todas as diferen¸as de potencial atrav´s e c e de uma malha(caminho fechado) ´ necessariamente igual a zero. ( e j Vj = 0) A lei dos n´s ´ conseq¨ˆncia da lei da conserva¸˜o da carga el´trica. o e ue ca e
  18. 18. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Leis de KirchhoffLeis de Kirchhoff. As leis de Kirchhoff s˜o duas regras enunciadas da seguinte forma: a Leis dos n´s: a soma alg´brica de todas as correntes que entram ou saem de o e um n´ ´ igual a zero. ( j Ij = 0) oe Leis das malhas: a soma alg´brica de todas as diferen¸as de potencial atrav´s e c e de uma malha(caminho fechado) ´ necessariamente igual a zero. ( e j Vj = 0) A lei dos n´s ´ conseq¨ˆncia da lei da conserva¸˜o da carga el´trica. o e ue ca e A lei das malhas ´ conseq¨ˆncia da natureza conservativa das for¸as e ue c eletrost´ticas. a
  19. 19. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Leis de KirchhoffConven¸˜o de sinal para a lei das malhas. ca
  20. 20. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eGalvanˆmetros. o ´ Galvanˆmetro de d´Arsonval:E um o instrumento que o possibilita a medida da corrente, resistˆncia e e diferen¸a de potencial. c
  21. 21. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eGalvanˆmetros. o ´ Galvanˆmetro de d´Arsonval:E um o instrumento que o possibilita a medida da corrente, resistˆncia e e diferen¸a de potencial. c ´ E constitu´ de uma bobina pivotada, feita de um fio ıdo fino, colocada em um campo magn´tico de um ´ a e ım˜ permanente.
  22. 22. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eGalvanˆmetros. o ´ Galvanˆmetro de d´Arsonval:E um o instrumento que o possibilita a medida da corrente, resistˆncia e e diferen¸a de potencial. c ´ E constitu´ de uma bobina pivotada, feita de um fio ıdo fino, colocada em um campo magn´tico de um ´ a e ım˜ permanente. Essa bobina ´ ligada a uma mola helicoidal. e
  23. 23. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eGalvanˆmetros. o ´ Galvanˆmetro de d´Arsonval:E um o instrumento que o possibilita a medida da corrente, resistˆncia e e diferen¸a de potencial. c ´ E constitu´ de uma bobina pivotada, feita de um fio ıdo fino, colocada em um campo magn´tico de um ´ a e ım˜ permanente. Essa bobina ´ ligada a uma mola helicoidal. e Quando a n˜o existe corrente no fio o ponteiro ligado a ` bobina est´ na posi¸˜o zero. a a ca
  24. 24. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eGalvanˆmetros. o ´ Galvanˆmetro de d´Arsonval:E um o instrumento que o possibilita a medida da corrente, resistˆncia e e diferen¸a de potencial. c ´ E constitu´ de uma bobina pivotada, feita de um fio ıdo fino, colocada em um campo magn´tico de um ´ a e ım˜ permanente. Essa bobina ´ ligada a uma mola helicoidal. e Quando a n˜o existe corrente no fio o ponteiro ligado a ` bobina est´ na posi¸˜o zero. a a ca Quando uma corrente passa pelo fio da bobina, o campo magn´tico exerce um torque sobre a bobina e proporcional ` corrente que passa na bobina. a Associada ` deflex˜o m´xima teremos a corrente de a a a fundo de escala, Ife .
  25. 25. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eGalvanˆmetros. o ´ Galvanˆmetro de d´Arsonval:E um o instrumento que o possibilita a medida da corrente, resistˆncia e e diferen¸a de potencial. c ´ E constitu´ de uma bobina pivotada, feita de um fio ıdo fino, colocada em um campo magn´tico de um ´ a e ım˜ permanente. Essa bobina ´ ligada a uma mola helicoidal. e Quando a n˜o existe corrente no fio o ponteiro ligado a ` bobina est´ na posi¸˜o zero. a a ca Quando uma corrente passa pelo fio da bobina, o campo magn´tico exerce um torque sobre a bobina e proporcional ` corrente que passa na bobina. a Associada ` deflex˜o m´xima teremos a corrente de a a a fundo de escala, Ife . Se a resistˆncia da bobina seguir a lei de Ohm ent˜o a e a diferen¸a de potencial para essa deflex˜o m´xima ser´ c a a a V = Ife Rb onde Rb ´ a resistˆncia da bobina. e e
  26. 26. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eAmper´ ımetros. Um amper´ ımetro sempre mede a corrente que passa atrav´s dele. e
  27. 27. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eAmper´ ımetros. Um amper´ ımetro sempre mede a corrente que passa atrav´s dele. e Os amper´ ımetros reais sempre possuem uma resistˆncia finita, contudo ´ sempre desej´vel que a e e a resistˆncia do amper´ e ımetro seja a menor poss´ ıvel.
  28. 28. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eAmper´ ımetros. Um amper´ ımetro sempre mede a corrente que passa atrav´s dele. e Os amper´ ımetros reais sempre possuem uma resistˆncia finita, contudo ´ sempre desej´vel que a e e a resistˆncia do amper´ e ımetro seja a menor poss´ ıvel. Sempre podemos usar um galvanˆmetro para medir o corrente, dado que a deflex˜o ´ proporcional a essa a e grandeza.
  29. 29. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eAmper´ ımetros. Um amper´ ımetro sempre mede a corrente que passa atrav´s dele. e Os amper´ ımetros reais sempre possuem uma resistˆncia finita, contudo ´ sempre desej´vel que a e e a resistˆncia do amper´ e ımetro seja a menor poss´ ıvel. Sempre podemos usar um galvanˆmetro para medir o corrente, dado que a deflex˜o ´ proporcional a essa a e grandeza. Podemos mudar a escala, ou seja a corrente de fundo de escala, atrav´s de um resistor em paralelo, e chamado de resistor shunt(Rsh ).
  30. 30. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eAmper´ ımetros. Um amper´ ımetro sempre mede a corrente que passa atrav´s dele. e Os amper´ ımetros reais sempre possuem uma resistˆncia finita, contudo ´ sempre desej´vel que a e e a resistˆncia do amper´ e ımetro seja a menor poss´ ıvel. Sempre podemos usar um galvanˆmetro para medir o corrente, dado que a deflex˜o ´ proporcional a essa a e grandeza. Podemos mudar a escala, ou seja a corrente de fundo de escala, atrav´s de um resistor em paralelo, e chamado de resistor shunt(Rsh ). Para fazer um galvanˆmetro de resistˆncia Rb e o e corrente Ife para um amper´ımetro de corrente m´xima a Ia teremos de adicionara a seguinte resistˆncia Rb e dada por:
  31. 31. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eAmper´ ımetros. Um amper´ ımetro sempre mede a corrente que passa atrav´s dele. e Os amper´ ımetros reais sempre possuem uma resistˆncia finita, contudo ´ sempre desej´vel que a e e a resistˆncia do amper´ e ımetro seja a menor poss´ ıvel. Sempre podemos usar um galvanˆmetro para medir o corrente, dado que a deflex˜o ´ proporcional a essa a e grandeza. Podemos mudar a escala, ou seja a corrente de fundo de escala, atrav´s de um resistor em paralelo, e chamado de resistor shunt(Rsh ). Para fazer um galvanˆmetro de resistˆncia Rb e o e corrente Ife para um amper´ımetro de corrente m´xima a Ia teremos de adicionara a seguinte resistˆncia Rb e dada por: Vab = Ife Rb = (Ia − Ife )Rsh
  32. 32. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eVolt´ ımetros. Um volt´ımetro sempre mede a diferen¸a de potencial c entre dois pontos.
  33. 33. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eVolt´ ımetros. Um volt´ımetro sempre mede a diferen¸a de potencial c entre dois pontos. Os volt´ımetros reais sempre possuem uma resistˆncia e finita, contudo ´ sempre desej´vel que a resistˆncia do e a e volt´ ımetro seja a maior poss´ıvel.
  34. 34. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eVolt´ ımetros. Um volt´ımetro sempre mede a diferen¸a de potencial c entre dois pontos. Os volt´ımetros reais sempre possuem uma resistˆncia e finita, contudo ´ sempre desej´vel que a resistˆncia do e a e volt´ ımetro seja a maior poss´ıvel. Sempre podemos usar um galvanˆmetro para medir a o diferen¸a de potencial entre dois pontos. Dado que c V = Ife Rb .
  35. 35. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eVolt´ ımetros. Um volt´ımetro sempre mede a diferen¸a de potencial c entre dois pontos. Os volt´ımetros reais sempre possuem uma resistˆncia e finita, contudo ´ sempre desej´vel que a resistˆncia do e a e volt´ ımetro seja a maior poss´ıvel. Sempre podemos usar um galvanˆmetro para medir a o diferen¸a de potencial entre dois pontos. Dado que c V = Ife Rb . Podemos mudar a escala, ou seja a corrente de fundo de escala, atrav´s de um resistor em s´rie, Rs . e e
  36. 36. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eVolt´ ımetros. Um volt´ımetro sempre mede a diferen¸a de potencial c entre dois pontos. Os volt´ımetros reais sempre possuem uma resistˆncia e finita, contudo ´ sempre desej´vel que a resistˆncia do e a e volt´ ımetro seja a maior poss´ıvel. Sempre podemos usar um galvanˆmetro para medir a o diferen¸a de potencial entre dois pontos. Dado que c V = Ife Rb . Podemos mudar a escala, ou seja a corrente de fundo de escala, atrav´s de um resistor em s´rie, Rs . e e Para fazer um galvanˆmetro de resistˆncia Rb e o e corrente Ife para um volt´ ımetro de diferen¸a de c potencial m´xima Vv teremos de adicionara a seguinte a resistˆncia Rs dada por: e
  37. 37. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eVolt´ ımetros. Um volt´ımetro sempre mede a diferen¸a de potencial c entre dois pontos. Os volt´ımetros reais sempre possuem uma resistˆncia e finita, contudo ´ sempre desej´vel que a resistˆncia do e a e volt´ ımetro seja a maior poss´ıvel. Sempre podemos usar um galvanˆmetro para medir a o diferen¸a de potencial entre dois pontos. Dado que c V = Ife Rb . Podemos mudar a escala, ou seja a corrente de fundo de escala, atrav´s de um resistor em s´rie, Rs . e e Para fazer um galvanˆmetro de resistˆncia Rb e o e corrente Ife para um volt´ ımetro de diferen¸a de c potencial m´xima Vv teremos de adicionara a seguinte a resistˆncia Rs dada por: e Vv = Ife (Rb + Rs ).
  38. 38. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eCombina¸˜o de amper´ ca ımetros e volt´ ımetros. Um amper´ ımetro e um volt´ımetro podem ser usados juntos para medidas de resistˆncia e potˆncia. e e
  39. 39. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eCombina¸˜o de amper´ ca ımetros e volt´ ımetros. Um amper´ ımetro e um volt´ımetro podem ser usados juntos para medidas de resistˆncia e potˆncia. e e No entanto com amper´ ımetros e volt´ ımetros reais isso n˜o ´ t˜o simples. a e a
  40. 40. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eCombina¸˜o de amper´ ca ımetros e volt´ ımetros. Um amper´ ımetro e um volt´ımetro podem ser usados juntos para medidas de resistˆncia e potˆncia. e e No entanto com amper´ ımetros e volt´ ımetros reais isso n˜o ´ t˜o simples. a e a
  41. 41. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eCombina¸˜o de amper´ ca ımetros e volt´ ımetros. Um amper´ ımetro e um volt´ımetro podem ser usados juntos para medidas de resistˆncia e potˆncia. e e No entanto com amper´ ımetros e volt´ ımetros reais isso n˜o ´ t˜o simples. a e a
  42. 42. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eCombina¸˜o de amper´ ca ımetros e volt´ ımetros. Um amper´ ımetro e um volt´ımetro podem ser usados juntos para medidas de resistˆncia e potˆncia. e e No entanto com amper´ ımetros e volt´ ımetros reais isso n˜o ´ t˜o simples. a e a
  43. 43. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eCombina¸˜o de amper´ ca ımetros e volt´ ımetros. Um amper´ ımetro e um volt´ımetro podem ser usados juntos para medidas de resistˆncia e potˆncia. e e No entanto com amper´ ımetros e volt´ ımetros reais isso n˜o ´ t˜o simples. a e a
  44. 44. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eOhm´ ımetro. Um Ohm´ ımetro trata-se de um galvanˆmetro ligados o em s´rie com um resistor vari´vel e uma fonte de e a tens˜o. a
  45. 45. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eOhm´ ımetro. Um Ohm´ ımetro trata-se de um galvanˆmetro ligados o em s´rie com um resistor vari´vel e uma fonte de e a tens˜o. a A resistˆncia Rs ´ ajustada de tal forma que o ponto e e x forme um curto circuito com o ponto y (Ou seja, R=0).
  46. 46. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eOhm´ ımetro. Um Ohm´ ımetro trata-se de um galvanˆmetro ligados o em s´rie com um resistor vari´vel e uma fonte de e a tens˜o. a A resistˆncia Rs ´ ajustada de tal forma que o ponto e e x forme um curto circuito com o ponto y (Ou seja, R=0). Ent˜o o galvanˆmetro sofre uma deflex˜o m´xima em a o a a sua escala.
  47. 47. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eOhm´ ımetro. Um Ohm´ ımetro trata-se de um galvanˆmetro ligados o em s´rie com um resistor vari´vel e uma fonte de e a tens˜o. a A resistˆncia Rs ´ ajustada de tal forma que o ponto e e x forme um curto circuito com o ponto y (Ou seja, R=0). Ent˜o o galvanˆmetro sofre uma deflex˜o m´xima em a o a a sua escala. Quando n˜o existe nada conectado, R → ∞ e assim a n˜o existe deflex˜o. a a
  48. 48. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eOhm´ ımetro. Um Ohm´ ımetro trata-se de um galvanˆmetro ligados o em s´rie com um resistor vari´vel e uma fonte de e a tens˜o. a A resistˆncia Rs ´ ajustada de tal forma que o ponto e e x forme um curto circuito com o ponto y (Ou seja, R=0). Ent˜o o galvanˆmetro sofre uma deflex˜o m´xima em a o a a sua escala. Quando n˜o existe nada conectado, R → ∞ e assim a n˜o existe deflex˜o. a a
  49. 49. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas eOhm´ ımetro. Um Ohm´ ımetro trata-se de um galvanˆmetro ligados o em s´rie com um resistor vari´vel e uma fonte de e a tens˜o. a A resistˆncia Rs ´ ajustada de tal forma que o ponto e e x forme um curto circuito com o ponto y (Ou seja, R=0). Ent˜o o galvanˆmetro sofre uma deflex˜o m´xima em a o a a sua escala. Quando n˜o existe nada conectado, R → ∞ e assim a n˜o existe deflex˜o. a a
  50. 50. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas ePotenciˆmetro. o Um Potenciˆmetro trata-se de um instrumento que o serve para medir a fem de uma fonte sem consumir nenhuma corrente da fonte.
  51. 51. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas ePotenciˆmetro. o Um Potenciˆmetro trata-se de um instrumento que o serve para medir a fem de uma fonte sem consumir nenhuma corrente da fonte. Mudando o valor da resistˆncia Rcb podemos e encontrar um ponto tal que n˜o exista deflex˜o no a a galvanˆmetro. o
  52. 52. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas ePotenciˆmetro. o Um Potenciˆmetro trata-se de um instrumento que o serve para medir a fem de uma fonte sem consumir nenhuma corrente da fonte. Mudando o valor da resistˆncia Rcb podemos e encontrar um ponto tal que n˜o exista deflex˜o no a a galvanˆmetro. o Quando isso ocorre, I2 = 0 e temos que ε1 Rcb ε2 = IRcb = Rab .
  53. 53. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas ePotenciˆmetro. o Um Potenciˆmetro trata-se de um instrumento que o serve para medir a fem de uma fonte sem consumir nenhuma corrente da fonte. Mudando o valor da resistˆncia Rcb podemos e encontrar um ponto tal que n˜o exista deflex˜o no a a galvanˆmetro. o Quando isso ocorre, I2 = 0 e temos que ε1 Rcb ε2 = IRcb = Rab .
  54. 54. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas ePotenciˆmetro. o Um Potenciˆmetro trata-se de um instrumento que o serve para medir a fem de uma fonte sem consumir nenhuma corrente da fonte. Mudando o valor da resistˆncia Rcb podemos e encontrar um ponto tal que n˜o exista deflex˜o no a a galvanˆmetro. o Quando isso ocorre, I2 = 0 e temos que ε1 Rcb ε2 = IRcb = Rab .
  55. 55. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Instrumentos de medidas el´tricas ePotenciˆmetro. o Um Potenciˆmetro trata-se de um instrumento que o serve para medir a fem de uma fonte sem consumir nenhuma corrente da fonte. Mudando o valor da resistˆncia Rcb podemos e encontrar um ponto tal que n˜o exista deflex˜o no a a galvanˆmetro. o Quando isso ocorre, I2 = 0 e temos que ε1 Rcb ε2 = IRcb = Rab .
  56. 56. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Circuitos R-CCarregamento de um capacitor.
  57. 57. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Circuitos R-CCarregamento de um capacitor. As voltagens instantˆneas vab e vbc s˜o dadas por, a a q(t) vab (t) = i(t)R ; vbc (t) = C
  58. 58. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Circuitos R-CCarregamento de um capacitor. As voltagens instantˆneas vab e vbc s˜o dadas por, a a q(t) vab (t) = i(t)R ; vbc (t) = C Aplicando as leis das malhas obtemos, q(t) ε − i(t)R − = 0 C
  59. 59. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Circuitos R-CCarregamento de um capacitor. As voltagens instantˆneas vab e vbc s˜o dadas por, a a q(t) vab (t) = i(t)R ; vbc (t) = C Aplicando as leis das malhas obtemos, q(t) ε − i(t)R − = 0 C
  60. 60. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Circuitos R-CCarregamento de um capacitor. As voltagens instantˆneas vab e vbc s˜o dadas por, a a q(t) vab (t) = i(t)R ; vbc (t) = C Aplicando as leis das malhas obtemos, q(t) ε − i(t)R − = 0 C
  61. 61. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Circuitos R-CDescarregando um capacitor.
  62. 62. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Sistemas de distribui¸˜o de potˆncia ca eSobrecargas do circuito e curtos-circuitos.
  63. 63. Cap´ ıtulo 26 - Circuitos de Corrente Continua Sistemas de distribui¸˜o de potˆncia ca eFia¸˜o dom´stica e automotiva. ca e

×