SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
DNA e Síntese Proteíca
Unidade 5. Crescimento e
Renovação Celular




         Your Logo
                     Professora Cidália Aguiar
À Descoberta do Material Genético...

Alguns marcos importantes:

 1890 Weismann
 - substância no núcleo celular controla o desenvolvimento.
 1928 Griffith
 - Princípio transformante
 1944 Avery
 - Identificação do princípio transformante
 1953 Hershey-Chase
 - Experiências com Bacteriófagos confirmaram o DNA como suporte físico da
   informação




                  DNA e Síntese Proteica  Page 2
À Descoberta do Material Genético...

Alguns marcos importantes:

 1950- Rosalind Franklin
 - Difracção de Raios X permite concluir que o DNA tem estrutura em hélice
 1952 – Erwin Chargaff
 - Análises químicas de DNA revelaram os pares
 1953 Watson & Crick
 - Modelo do DNA dupla hélice
 1956 Gierer & Schramm / Fraenkel-Conrat & Singer
 - Demonstração do RNA como material genético viral.




                 DNA e Síntese Proteica  Page 3
Frederick Griffith’s Transformation Experiment - 1928

“Princípio transformante” demonstrado com Streptococcus
pneumoniae




 Conclui-se a existência de um princípio transformante… Mas qual???

                DNA e Síntese Proteica  Page 4
Avery and MacLeod’s Transformation Experiment, 1944
O DNA é o princípio transformante!




 Contudo estes trabalhos não foram amplamente aceites pela comunidade
 científica…
                DNA e Síntese Proteica  Page 5
Hershey-Chase Bacteriophage Experiment - 1953


     Bacteriófago é um vírus que infecta bactérias



          Estrutura do fago T2

           DNA e proteína




            DNA e Síntese Proteica  Page 6
Hershey-Chase Bacteriophage Experiment - 1953

                  Ciclo de Vida do fago T2




          DNA e Síntese Proteica  Page 7
Hershey-Chase Bacteriophage Experiment - 1953
Ajuste em dois passos:
• DNA marcado com 32P
• Proteína marcada com 35S

Bactérias E. coli infectadas com
   os dois tipos de T2 marcado

Resultados:

   32P
      é encontrado dentro das
  bactérias e na descendência do
  fago
 35S não é encontrado dentro da
  bactéria mas com o “fantasma”
  de fago libertado.



                 DNA e Síntese Proteica  Page 8
experiência




10/24/2008
                9
Hershey-Chase Bacteriophage Experiment - 1953

Conclusão:

 O DNA contem a informação necessária à produção de novos vírus,
  sem intervenção das proteínas virais

  O DNA é, portanto, o suporte da informação genética (e não as
   proteinas)




                       1969: Alfred Hershey




              DNA e Síntese Proteica  Page 10
X-ray diffraction studies - Rosalind Franklin & Maurice
Wilkins




 Conclusão:

 O DNA é uma estrutura helicoidal
 - regularidades distintas, 0.34 nm & 3.4 nm.



                 DNA e Síntese Proteica  Page 11
Chargaff‘s Experiment - 1953
Este investigador procurou determinar a composição química do DNA,

 o que veio também a auxiliar a compreensão da sua estrutura.

 Verificaram que nas amostras de DNA das diferentes espécies:

 - A quantidade de Adenina é aproximada à de Timina

 - A quantidade de Citosina é aproximada à de Guanina

   - ~50% purinas (A,G) e ~50% pirimidinas (T, C).
   Exemplos:                    %A          %T           %G   %C     %GC
 - %GC varia de organismo para organismo
   Homo sapiens          31.0  31.5                      19.1 18.4   37.5
   Zea mays              25.6  25.3                      24.5 24.6   49.1
   Drosophila            27.3  27.6
            Esta denomina-se REGRA                  de   22.5 22.5
                                                         CHARGAFF    45.0
   Aythya americana      25.8  25.8                      24.2 24.2   48.4


                 DNA e Síntese Proteica  Page 12
Conclusões sobre estas primeiras experiências

Griffith 1928 & Avery 1944:

          O DNA (não o RNA) é o agente transformante.


Hershey-Chase 1953:

          O DNA (não as proteínas) é o material genético.




                DNA e Síntese Proteica  Page 13
James D. Watson & Francis H. Crick - 1953
      1962: Prémio Nobel em Fisiologia e Medicina




 James D.   Francis H.            Maurice H. F.
 Watson     Crick                 Wilkins




                   E quanto a?
                   Rosalind Franklin


            DNA e síntese proteica Page 14
5 características principais do Modelo da Dupla Hélice

  1.   Duas cadeias polinucleotídicas estão dispostas em dupla-hélice no
       sentido horário.

  2.   As cadeias nucleotídicas são anti-paralelas: 5’3’
                                                    3’5’

  3.   As “espinhas dorsais” Açúcar-fosfato estão por fora da dupla hélice, e
       as bases orientadas para dentro do eixo central.

  4.   Os pares de base complementares das fitas opostas são mantidas
       unidas por pontes de hidrogénio.

       A faz par com T (2 pontes-H), e G faz par com C (3 pontes-H).

       ex., 5’-TATTCCGA-3’
            3’-ATAAGGCT-3’

  5.   Os pares de base distam 0.34 nm. Uma volta completa da hélice
       requer 3.4 nm (10 bases/volta).




                 DNA e síntese proteica Page 15
Modelo da Dupla Hélice




           DNA e síntese proteica Page 16
Organização do DNA/RNA nos cromossomas
 Genoma = cromossoma ou conjunto cromossómico que contém todo o
          DNA que um organismo (ou organelo) possui

 Cromossomas Virais          1. única ou dupla cadeia de DNA ou RNA
                             2. circular ou linear
                             3. rodeado por proteínas
 TMV                              T2 bacteriophage            bacteriophage




 Cromossomas Procarióticos

 1. A maioria contém um cromossoma de DNA dupla cadeia circular
 2. outros consistem de um ou mais cromossomas que podem ser
 circulares ou lineares
 3. tipicamente disposto numa região condensada chamada nucleóide.


              DNA e síntese proteica Page 17
Problema

   O genoma de E. coli (4.6 Mb), medido linearmente, pode chegar a 1.000
   vezes maior que a célula de E. coli.

   O genoma humano (3.4 Gb) pode chegar a 2.3 m se esticado linearmente

Soluções:
                                       A dupla hélice de DNA enrola-se sobre o seu
                                       próprio eixo, num processo controlado por
1. Super-helicoidização
                                       enzimas (Topoisomerases)
                                       (ocorre em moléculas de DNA Circular e linear)




2. Domínio das dobras




                 DNA e síntese proteica  Page 18
Mais sobre o tamanho do genoma
  É amplamente variável de espécie para espécie e não mostra
  relação com a complexidade estrutural ou organizacional.

                                                    Exemplos           C (pb)
                                                                          48,502
                                          T4                              168,900
                                          HIV-1                             9,750
                                          E. Coli                        4,639,221
                                          Lilium formosanum         36,000,000,000
                                          Zea mays                   5,000,000,000
                                          Amoeba proteus            290,000,000,00
                                                                                 0
                                          Drosophila melanogaster     180,000,000
                                          Mus musculus               3,454,200,000
                                          Canis familiaris           3,355,500,000
                                          Equus caballus             3,311,000,000
                                          Homo sapiens               3,400,000,000

               DNA e síntese proteica Page 19
Estrutura do cromossoma eucariótico

Cromatina                   complexo de DNA e proteínas cromossómicas
                            ~ duas vezes mais proteínas que DNA

Dois principais tipos de proteínas:

1.   Histonas               abundante, proteínas básicas com carga positiva
                            que se ligam ao DNA

                            5 tipos: H1, H2A, H2B, H3, H4

                             massa ~ igual ao DNA

                            evolutivamente conservadas

1.   Não-histonas           todas as outras proteínas associadas com o DNA

                            diferem amplamente em tipo e estrutura

                            quantidade varia muito
                                   >> 100% da massa de DNA
                                   << 50% da massa do DNA


                DNA e síntese proteica Page 20
Replicação do DNA




                                         Your Logo


Here comes your footer  Page 21
Replicação do DNA




Replicação do DNA é o processo
 Replicação do DNA é o processo de auto-
 de auto-duplicação do material
duplicação do material genético mantendo
asssim o padrão de herança ao longo das
  genético mantendo asssim o
                gerações.
padrão de herança ao longo das
              gerações.




                 DNA e síntese proteica  Page 22
3 hipóteses para a Replicação do DNA




  http://www.sumanasinc.com/webcontent/animations/content/meselson.html

              DNA e síntese proteica  Page 23
Experiências de Meselson e Stahl




           DNA e síntese proteica  Page 24
Experiências de Meselson e Stahl




           DNA e síntese proteica  Page 25
Duplicação do DNA



 É a única molécula capaz de sofrer auto-duplicação
                                       auto-duplicação.
 Ocorre durante a fase S da intérfase
                              intérfase.
 É do tipo semiconservativa pois cada molécula nova apresenta uma das
            semiconservativa,
  cadeias vinda da mãe e outra recém sintetizada.
DNA   Duplicação   DNA   DNA
Replicação semiconservativa do DNA




          DNA e síntese proteica    Page 28
experhttp://highered.mcgraw-
hill.com/olc/dl/120076/micro04.swf




experhttp://highered.mcgraw-
hill.com/olc/dl/120076/bio23.swf




          10/24/2008
                                     29
Código Genético e Síntese de
         Proteínas
RNA




  Ácido Ribonucléico
  Molécula de cadeia simples

  É dividido em:
 RNA mensageiro (RNAm
                   RNAm)
 RNA transferência (RNAt
                     RNAt)
 RNA ribossómico (RNAr
                    RNAr)
RNAm

Leva a informação da sequência proteica a ser formada do núcleo
 para o citoplasma, onde ocorre a tradução. Ele contém uma
 sequência de tripletos correspondente a uma das cadeias do DNA.

Cada três nucleotídeos no RNAm é denominada códão e
 corresponde a um aminoácido na proteína que se irá formar
1 codão  3 nucleotídeos no
RNAm




7 códons  21 nucleotídeos
RNAt

Levam os aminoácidos para o RNAm durante o
 processo de síntese proteica. As moléculas de RNAt
 apresentam, em uma determinada região, um conjunto
 de 3 nucleotídeos que se destaca, denominada
 anticodão
 anticodão.

É através do anticodão que o RNAt reconhece o local do
 RNAm onde deve ser colocado o aminoácido por ele
 transportado. Cada RNAt carrega em aminoácido
 específico,
 específico de acordo com o anticodão que possui
tRNA
-Estrutura secundária
com dobras formando
um trevo
Sítio de
         ligação ao
         aminoácido



U A C   Anti-codão
Aminoácidos




  Moléculas que dão origem às proteínas
                               proteínas.




                                R
                 H                              O
                      N         C           C
                 H                              O
                                H               H
Ligação Peptídica



 É a ligação covalente entre dois aminoácidos.

 Quando poucos aminoácidos estão ligados  peptídeo
 Quando muitos aminoácidos estão ligados  proteína
• O grupo OH do ácido carboxílico de
            um aminoácido liga-se num dos
            hidrogénios da amina do outro
            aminoácido, formando uma molécula
            de água.
        R                                 R
H                     O     H
                                                       O
    N   C      C                 N        C        C
H                     OH H                             OH

        H                                 H


                                           H2O
RNAr



São componentes dos ribossomas organito onde ocorre a síntese
                     ribossomas,
 proteica.
Os ribossomas são formados por RNAr e proteínas
Replicação



                            Transcrição
 Transcrição Reversa


                                          - Processo para
Replicação de RNA
                                          síntese das
                                          proteínas da
                                          célula
                            Tradução


                                          - Processo que
                                          ocorre nos
                       Proteína           ribossomas
Síntese e Processamento de Proteínas




     Transcrição

                                    Retirados os
                                    intrões
Processamento
pós-transcricional

mRNA maturo



        Tradução



   Proteína


                                  Proteína activa
2a. Letra do códon
1a. Letra do códon
Transcrição



 Processo pelo qual uma molécula de RNA é produzida usando como
  molde o DNA.
DNA   Transcrição   DNA   RNA
Tradução



 Também chamada síntese de proteínas

 Quando o RNAm chega ao citoplasma ele associa-se ao ribossoma.
  Após essa associação os RNAt levam os aminoácidos, que serão
  ligados, formando assim a proteína.
Etapas da síntese de proteínas


1. Iniciação
2. Alongamento
3. Terminação
• Quando o RNAm chega ao
                    citoplasma, ele associa-se ao
                    ribossoma.
                    • Nessa organito existem 2
                    espaços onde entram os RNAt
                    com aminoácidos específicos.


U A C AAA
AUG UUU     CUU   GAC   CCC    UG
A


                    • somente os RNAt que têm
                    sequência do anti-codão
                    complementar à sequência
                    do codão entram no
                    ribossoma.
• Uma enzima presente na
                    subunidade maior do ribossoma
                    realiza a ligação peptídica entre
                    os aminoácidos.




U A C AAA
AUG UUU     CUU   GAC   CCC     UG
A
• O RNAt “vazio” volta para o
                        citoplasma para se ligar a outro
                        aminoácido.


UAC


          AAA
      AUG UUU   CUU   GAC   CCC    UG
      A
• O ribossoma agora desloca-se
                       uma distância de 1 codão.
                       • o espaço vazio é preenchido
                       por um outro RNAt com
                       sequência do anti-codão
UAC                    complementar à sequência do
                       codão.

          AAA G AA
      AUG UUU CUU    GAC   CCC    UG
      A
• Uma enzima presente na
                           subunidade maior do ribossoma
                           realiza a ligação peptídica entre
                           os aminoácidos.
UAC


          AAA G AA
      AUG UUU CUU    GAC   CCC     UG
      A
UAC                                       AAA


              GAA
      AUG UUU CUU   GAC   CCC     UG
      A

                     • O RNAt “vazio” volta para o
                     citoplasma para se ligar a outro
                     aminoácido.
                     • e assim o ribossoma vai-se
                     deslocando ao longo do RNAm e os
                     aminoácidos são ligados.
• Quando o ribossoma passa por
um codão de terminação
nenhum RNAt entra no
ribossoma, porque na célula não
existem RNAt com sequências
complementares aos codão de
terminação.

                                  GGG
                                              Codão de
       AUG UUU        CUU     GAC C CC   UG   terminação
       A
GGG

• Então o ribossoma solta-se do
RNAm, a proteína recém
formada é libertada e o RNAm é
degradado.
Sintese proteica e
processamentohttp://highered.mcgraw-
hill.com/olc/dl/120077/bio25.swf




Processamento da informação
genéticahttp://highered.mcgraw-
hill.com/olc/dl/120077/bio25.swf




            10/24/2008
                                       57

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Recombinação nos vírus
Recombinação nos vírusRecombinação nos vírus
Recombinação nos vírusUERGS
 
DNA recombinante
DNA recombinanteDNA recombinante
DNA recombinanteANiteroi
 
Engenharia Genética - Prof. Ana Paula Christ
Engenharia Genética - Prof. Ana Paula ChristEngenharia Genética - Prof. Ana Paula Christ
Engenharia Genética - Prof. Ana Paula ChristAna Paula Christ
 
Tecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinanteTecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinanteShaline Araújo
 
O que é o adn
O que é o adnO que é o adn
O que é o adnstcnsaidjv
 
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...Sorinz
 
A genética molecular 1 e
A genética molecular   1 eA genética molecular   1 e
A genética molecular 1 eCésar Milani
 
Tecnologia do DNA recombinante e aplicações
Tecnologia do DNA recombinante e aplicaçõesTecnologia do DNA recombinante e aplicações
Tecnologia do DNA recombinante e aplicaçõesaivilsilveira
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologiaanabela
 
Expressão heteróloga
Expressão heterólogaExpressão heteróloga
Expressão heterólogaIvson Cassiano
 
Aula 12 - Tecnologia do DNA recombinante
Aula 12 - Tecnologia do DNA recombinanteAula 12 - Tecnologia do DNA recombinante
Aula 12 - Tecnologia do DNA recombinanteFernando Mori Miyazawa
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Bio
 
Engenharia GenéTica
Engenharia GenéTicaEngenharia GenéTica
Engenharia GenéTicaIsabel Lopes
 

Mais procurados (20)

Recombinação nos vírus
Recombinação nos vírusRecombinação nos vírus
Recombinação nos vírus
 
DNA recombinante
DNA recombinanteDNA recombinante
DNA recombinante
 
Engenharia Genética - Prof. Ana Paula Christ
Engenharia Genética - Prof. Ana Paula ChristEngenharia Genética - Prof. Ana Paula Christ
Engenharia Genética - Prof. Ana Paula Christ
 
Tecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinanteTecnologia do DNA recombinante
Tecnologia do DNA recombinante
 
Genética bacteriana
Genética bacterianaGenética bacteriana
Genética bacteriana
 
O que é o adn
O que é o adnO que é o adn
O que é o adn
 
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...
Contributos para a descoberta do ADN como molécula responsável pela informaçã...
 
ENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICAENGENHARIA GENÉTICA
ENGENHARIA GENÉTICA
 
A genética molecular 1 e
A genética molecular   1 eA genética molecular   1 e
A genética molecular 1 e
 
Manipulação de DNA
Manipulação de DNAManipulação de DNA
Manipulação de DNA
 
Engenharia genética
Engenharia genéticaEngenharia genética
Engenharia genética
 
Tecnologia do DNA recombinante e aplicações
Tecnologia do DNA recombinante e aplicaçõesTecnologia do DNA recombinante e aplicações
Tecnologia do DNA recombinante e aplicações
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 
Expressão heteróloga
Expressão heterólogaExpressão heteróloga
Expressão heteróloga
 
Engenharia genética
Engenharia genéticaEngenharia genética
Engenharia genética
 
Aula 12 - Tecnologia do DNA recombinante
Aula 12 - Tecnologia do DNA recombinanteAula 12 - Tecnologia do DNA recombinante
Aula 12 - Tecnologia do DNA recombinante
 
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
Biotecnologia e Engenharia Genética (Power Point)
 
Engenharia GenéTica
Engenharia GenéTicaEngenharia GenéTica
Engenharia GenéTica
 
Adn
AdnAdn
Adn
 
Dna
DnaDna
Dna
 

Destaque

Fichas e técnicas trabalho escrito
Fichas e técnicas   trabalho escritoFichas e técnicas   trabalho escrito
Fichas e técnicas trabalho escritoBeco
 
B 3.ObtençãO De Energia Unidade 3
B 3.ObtençãO De Energia Unidade 3B 3.ObtençãO De Energia Unidade 3
B 3.ObtençãO De Energia Unidade 3Cidalia Aguiar
 
B11 distribuição da matéria
B11   distribuição da matériaB11   distribuição da matéria
B11 distribuição da matériaNuno Correia
 
Processos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energiaProcessos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energiaLarissa Yamazaki
 
Oficina de jogos - Unidade 4
Oficina de jogos - Unidade 4Oficina de jogos - Unidade 4
Oficina de jogos - Unidade 4Bete Feliciano
 
(6) biologia e geologia 10º ano - distribuição de matéria
(6) biologia e geologia   10º ano - distribuição de matéria(6) biologia e geologia   10º ano - distribuição de matéria
(6) biologia e geologia 10º ano - distribuição de matériaHugo Martins
 
DNA -estrutura e função
DNA -estrutura e funçãoDNA -estrutura e função
DNA -estrutura e funçãoIsabel Lopes
 

Destaque (12)

transporte Plantas
transporte Plantastransporte Plantas
transporte Plantas
 
Fotossíntese
FotossínteseFotossíntese
Fotossíntese
 
Ciclos De Vida 3
Ciclos De Vida 3Ciclos De Vida 3
Ciclos De Vida 3
 
1 dna síntese_proteica
1 dna síntese_proteica1 dna síntese_proteica
1 dna síntese_proteica
 
Fichas e técnicas trabalho escrito
Fichas e técnicas   trabalho escritoFichas e técnicas   trabalho escrito
Fichas e técnicas trabalho escrito
 
B 3.ObtençãO De Energia Unidade 3
B 3.ObtençãO De Energia Unidade 3B 3.ObtençãO De Energia Unidade 3
B 3.ObtençãO De Energia Unidade 3
 
B11 distribuição da matéria
B11   distribuição da matériaB11   distribuição da matéria
B11 distribuição da matéria
 
Processos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energiaProcessos de obtenção de energia
Processos de obtenção de energia
 
B 2.1.FotossíNtese
B 2.1.FotossíNteseB 2.1.FotossíNtese
B 2.1.FotossíNtese
 
Oficina de jogos - Unidade 4
Oficina de jogos - Unidade 4Oficina de jogos - Unidade 4
Oficina de jogos - Unidade 4
 
(6) biologia e geologia 10º ano - distribuição de matéria
(6) biologia e geologia   10º ano - distribuição de matéria(6) biologia e geologia   10º ano - distribuição de matéria
(6) biologia e geologia 10º ano - distribuição de matéria
 
DNA -estrutura e função
DNA -estrutura e funçãoDNA -estrutura e função
DNA -estrutura e função
 

Semelhante a DNA Replicação 40

áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)margaridabt
 
Aula estrutura e_replicacao_do_dna_christian
Aula estrutura e_replicacao_do_dna_christianAula estrutura e_replicacao_do_dna_christian
Aula estrutura e_replicacao_do_dna_christianAndressa Souza
 
Dna1 SAB FUND- Dr2
Dna1 SAB FUND- Dr2Dna1 SAB FUND- Dr2
Dna1 SAB FUND- Dr2mega
 
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptx
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptxUnid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptx
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptxHellendosAnjos
 
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptxBIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptxEduardoBaena7
 
Aula molecular 1
Aula molecular 1Aula molecular 1
Aula molecular 1UERGS
 
Crescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celularCrescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celularCecilferreira
 

Semelhante a DNA Replicação 40 (20)

Manipulação do dna & clonagem
Manipulação do dna & clonagemManipulação do dna & clonagem
Manipulação do dna & clonagem
 
Ga aula 2_-_os_cromossomos
Ga aula 2_-_os_cromossomosGa aula 2_-_os_cromossomos
Ga aula 2_-_os_cromossomos
 
áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)áCidos nucleicos e síntese proteínas   power point(2)
áCidos nucleicos e síntese proteínas power point(2)
 
Aula estrutura e_replicacao_do_dna_christian
Aula estrutura e_replicacao_do_dna_christianAula estrutura e_replicacao_do_dna_christian
Aula estrutura e_replicacao_do_dna_christian
 
Aula 1 genética
Aula 1   genéticaAula 1   genética
Aula 1 genética
 
Dna1 SAB FUND- Dr2
Dna1 SAB FUND- Dr2Dna1 SAB FUND- Dr2
Dna1 SAB FUND- Dr2
 
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptx
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptxUnid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptx
Unid. 6 - GENÉTICA - Tema 1 - Bases da Genética - 9º ano.pptx
 
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptxBIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
BIOLOGIA MOLECULAR 3ANO.pptx
 
Dna
DnaDna
Dna
 
DNA
DNADNA
DNA
 
Aula molecular 1
Aula molecular 1Aula molecular 1
Aula molecular 1
 
Crescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celularCrescimento e renovação celular
Crescimento e renovação celular
 
Biologia molecular
Biologia molecularBiologia molecular
Biologia molecular
 
Ácidos Nucléicos
Ácidos NucléicosÁcidos Nucléicos
Ácidos Nucléicos
 
Aula Introdução a Genética.ppt
Aula Introdução a Genética.pptAula Introdução a Genética.ppt
Aula Introdução a Genética.ppt
 
Os ácidos nucléicos e o código genético
Os ácidos nucléicos e o código genéticoOs ácidos nucléicos e o código genético
Os ácidos nucléicos e o código genético
 
2016 Frente 1 módulo 6 ácidos nucleicos
2016 Frente 1 módulo 6 ácidos nucleicos2016 Frente 1 módulo 6 ácidos nucleicos
2016 Frente 1 módulo 6 ácidos nucleicos
 
Prova
ProvaProva
Prova
 
Genoma Humano.pptx
Genoma Humano.pptxGenoma Humano.pptx
Genoma Humano.pptx
 
DNA
DNADNA
DNA
 

Mais de Cidalia Aguiar

Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistemaQual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistemaCidalia Aguiar
 
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manualEx biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manualCidalia Aguiar
 
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...Cidalia Aguiar
 
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]Cidalia Aguiar
 
.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitárioCidalia Aguiar
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarCidalia Aguiar
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarCidalia Aguiar
 
Aula teórico pratica les
Aula teórico pratica lesAula teórico pratica les
Aula teórico pratica lesCidalia Aguiar
 
Correcção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genicaCorrecção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genicaCidalia Aguiar
 
Correcção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedadeCorrecção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedadeCidalia Aguiar
 
Doador receptor-quadro
Doador receptor-quadroDoador receptor-quadro
Doador receptor-quadroCidalia Aguiar
 
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação dCidalia Aguiar
 
Acetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivosAcetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivosCidalia Aguiar
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidadeCidalia Aguiar
 
Acetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistidaAcetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistidaCidalia Aguiar
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidadeCidalia Aguiar
 

Mais de Cidalia Aguiar (20)

Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistemaQual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
 
Grupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo aboGrupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo abo
 
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manualEx biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
 
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
 
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
 
.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solar
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solar
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Aula teórico pratica les
Aula teórico pratica lesAula teórico pratica les
Aula teórico pratica les
 
Correcção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genicaCorrecção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genica
 
Correcção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedadeCorrecção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedade
 
Doador receptor-quadro
Doador receptor-quadroDoador receptor-quadro
Doador receptor-quadro
 
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
 
Acetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivosAcetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivos
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidade
 
Acetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistidaAcetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistida
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidade
 

Último

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 

DNA Replicação 40

  • 1. DNA e Síntese Proteíca Unidade 5. Crescimento e Renovação Celular Your Logo Professora Cidália Aguiar
  • 2. À Descoberta do Material Genético... Alguns marcos importantes:  1890 Weismann - substância no núcleo celular controla o desenvolvimento.  1928 Griffith - Princípio transformante  1944 Avery - Identificação do princípio transformante  1953 Hershey-Chase - Experiências com Bacteriófagos confirmaram o DNA como suporte físico da informação DNA e Síntese Proteica  Page 2
  • 3. À Descoberta do Material Genético... Alguns marcos importantes:  1950- Rosalind Franklin - Difracção de Raios X permite concluir que o DNA tem estrutura em hélice  1952 – Erwin Chargaff - Análises químicas de DNA revelaram os pares  1953 Watson & Crick - Modelo do DNA dupla hélice  1956 Gierer & Schramm / Fraenkel-Conrat & Singer - Demonstração do RNA como material genético viral. DNA e Síntese Proteica  Page 3
  • 4. Frederick Griffith’s Transformation Experiment - 1928 “Princípio transformante” demonstrado com Streptococcus pneumoniae  Conclui-se a existência de um princípio transformante… Mas qual??? DNA e Síntese Proteica  Page 4
  • 5. Avery and MacLeod’s Transformation Experiment, 1944 O DNA é o princípio transformante!  Contudo estes trabalhos não foram amplamente aceites pela comunidade científica… DNA e Síntese Proteica  Page 5
  • 6. Hershey-Chase Bacteriophage Experiment - 1953 Bacteriófago é um vírus que infecta bactérias Estrutura do fago T2  DNA e proteína DNA e Síntese Proteica  Page 6
  • 7. Hershey-Chase Bacteriophage Experiment - 1953 Ciclo de Vida do fago T2 DNA e Síntese Proteica  Page 7
  • 8. Hershey-Chase Bacteriophage Experiment - 1953 Ajuste em dois passos: • DNA marcado com 32P • Proteína marcada com 35S Bactérias E. coli infectadas com os dois tipos de T2 marcado Resultados:  32P é encontrado dentro das bactérias e na descendência do fago  35S não é encontrado dentro da bactéria mas com o “fantasma” de fago libertado. DNA e Síntese Proteica  Page 8
  • 10. Hershey-Chase Bacteriophage Experiment - 1953 Conclusão: O DNA contem a informação necessária à produção de novos vírus, sem intervenção das proteínas virais  O DNA é, portanto, o suporte da informação genética (e não as proteinas) 1969: Alfred Hershey DNA e Síntese Proteica  Page 10
  • 11. X-ray diffraction studies - Rosalind Franklin & Maurice Wilkins Conclusão: O DNA é uma estrutura helicoidal - regularidades distintas, 0.34 nm & 3.4 nm. DNA e Síntese Proteica  Page 11
  • 12. Chargaff‘s Experiment - 1953 Este investigador procurou determinar a composição química do DNA, o que veio também a auxiliar a compreensão da sua estrutura.  Verificaram que nas amostras de DNA das diferentes espécies: - A quantidade de Adenina é aproximada à de Timina - A quantidade de Citosina é aproximada à de Guanina - ~50% purinas (A,G) e ~50% pirimidinas (T, C). Exemplos: %A %T %G %C %GC - %GC varia de organismo para organismo Homo sapiens 31.0 31.5 19.1 18.4 37.5 Zea mays 25.6 25.3 24.5 24.6 49.1 Drosophila 27.3 27.6 Esta denomina-se REGRA de 22.5 22.5 CHARGAFF 45.0 Aythya americana 25.8 25.8 24.2 24.2 48.4 DNA e Síntese Proteica  Page 12
  • 13. Conclusões sobre estas primeiras experiências Griffith 1928 & Avery 1944: O DNA (não o RNA) é o agente transformante. Hershey-Chase 1953: O DNA (não as proteínas) é o material genético. DNA e Síntese Proteica  Page 13
  • 14. James D. Watson & Francis H. Crick - 1953 1962: Prémio Nobel em Fisiologia e Medicina James D. Francis H. Maurice H. F. Watson Crick Wilkins E quanto a? Rosalind Franklin DNA e síntese proteica Page 14
  • 15. 5 características principais do Modelo da Dupla Hélice 1. Duas cadeias polinucleotídicas estão dispostas em dupla-hélice no sentido horário. 2. As cadeias nucleotídicas são anti-paralelas: 5’3’ 3’5’ 3. As “espinhas dorsais” Açúcar-fosfato estão por fora da dupla hélice, e as bases orientadas para dentro do eixo central. 4. Os pares de base complementares das fitas opostas são mantidas unidas por pontes de hidrogénio. A faz par com T (2 pontes-H), e G faz par com C (3 pontes-H). ex., 5’-TATTCCGA-3’ 3’-ATAAGGCT-3’ 5. Os pares de base distam 0.34 nm. Uma volta completa da hélice requer 3.4 nm (10 bases/volta). DNA e síntese proteica Page 15
  • 16. Modelo da Dupla Hélice DNA e síntese proteica Page 16
  • 17. Organização do DNA/RNA nos cromossomas Genoma = cromossoma ou conjunto cromossómico que contém todo o DNA que um organismo (ou organelo) possui Cromossomas Virais 1. única ou dupla cadeia de DNA ou RNA 2. circular ou linear 3. rodeado por proteínas TMV T2 bacteriophage  bacteriophage Cromossomas Procarióticos 1. A maioria contém um cromossoma de DNA dupla cadeia circular 2. outros consistem de um ou mais cromossomas que podem ser circulares ou lineares 3. tipicamente disposto numa região condensada chamada nucleóide. DNA e síntese proteica Page 17
  • 18. Problema O genoma de E. coli (4.6 Mb), medido linearmente, pode chegar a 1.000 vezes maior que a célula de E. coli. O genoma humano (3.4 Gb) pode chegar a 2.3 m se esticado linearmente Soluções: A dupla hélice de DNA enrola-se sobre o seu próprio eixo, num processo controlado por 1. Super-helicoidização enzimas (Topoisomerases) (ocorre em moléculas de DNA Circular e linear) 2. Domínio das dobras DNA e síntese proteica  Page 18
  • 19. Mais sobre o tamanho do genoma É amplamente variável de espécie para espécie e não mostra relação com a complexidade estrutural ou organizacional. Exemplos C (pb)  48,502 T4 168,900 HIV-1 9,750 E. Coli 4,639,221 Lilium formosanum 36,000,000,000 Zea mays 5,000,000,000 Amoeba proteus 290,000,000,00 0 Drosophila melanogaster 180,000,000 Mus musculus 3,454,200,000 Canis familiaris 3,355,500,000 Equus caballus 3,311,000,000 Homo sapiens 3,400,000,000 DNA e síntese proteica Page 19
  • 20. Estrutura do cromossoma eucariótico Cromatina complexo de DNA e proteínas cromossómicas ~ duas vezes mais proteínas que DNA Dois principais tipos de proteínas: 1. Histonas abundante, proteínas básicas com carga positiva que se ligam ao DNA 5 tipos: H1, H2A, H2B, H3, H4 massa ~ igual ao DNA evolutivamente conservadas 1. Não-histonas todas as outras proteínas associadas com o DNA diferem amplamente em tipo e estrutura quantidade varia muito >> 100% da massa de DNA << 50% da massa do DNA DNA e síntese proteica Page 20
  • 21. Replicação do DNA Your Logo Here comes your footer  Page 21
  • 22. Replicação do DNA Replicação do DNA é o processo Replicação do DNA é o processo de auto- de auto-duplicação do material duplicação do material genético mantendo asssim o padrão de herança ao longo das genético mantendo asssim o gerações. padrão de herança ao longo das gerações. DNA e síntese proteica  Page 22
  • 23. 3 hipóteses para a Replicação do DNA http://www.sumanasinc.com/webcontent/animations/content/meselson.html DNA e síntese proteica  Page 23
  • 24. Experiências de Meselson e Stahl DNA e síntese proteica  Page 24
  • 25. Experiências de Meselson e Stahl DNA e síntese proteica  Page 25
  • 26. Duplicação do DNA  É a única molécula capaz de sofrer auto-duplicação auto-duplicação.  Ocorre durante a fase S da intérfase intérfase.  É do tipo semiconservativa pois cada molécula nova apresenta uma das semiconservativa, cadeias vinda da mãe e outra recém sintetizada.
  • 27. DNA Duplicação DNA DNA
  • 28. Replicação semiconservativa do DNA DNA e síntese proteica  Page 28
  • 30. Código Genético e Síntese de Proteínas
  • 31. RNA  Ácido Ribonucléico  Molécula de cadeia simples  É dividido em: RNA mensageiro (RNAm RNAm) RNA transferência (RNAt RNAt) RNA ribossómico (RNAr RNAr)
  • 32. RNAm Leva a informação da sequência proteica a ser formada do núcleo para o citoplasma, onde ocorre a tradução. Ele contém uma sequência de tripletos correspondente a uma das cadeias do DNA. Cada três nucleotídeos no RNAm é denominada códão e corresponde a um aminoácido na proteína que se irá formar
  • 33. 1 codão  3 nucleotídeos no RNAm 7 códons  21 nucleotídeos
  • 34. RNAt Levam os aminoácidos para o RNAm durante o processo de síntese proteica. As moléculas de RNAt apresentam, em uma determinada região, um conjunto de 3 nucleotídeos que se destaca, denominada anticodão anticodão. É através do anticodão que o RNAt reconhece o local do RNAm onde deve ser colocado o aminoácido por ele transportado. Cada RNAt carrega em aminoácido específico, específico de acordo com o anticodão que possui
  • 36. Sítio de ligação ao aminoácido U A C Anti-codão
  • 37.
  • 38. Aminoácidos  Moléculas que dão origem às proteínas proteínas. R H O N C C H O H H
  • 39. Ligação Peptídica  É a ligação covalente entre dois aminoácidos.  Quando poucos aminoácidos estão ligados  peptídeo  Quando muitos aminoácidos estão ligados  proteína
  • 40. • O grupo OH do ácido carboxílico de um aminoácido liga-se num dos hidrogénios da amina do outro aminoácido, formando uma molécula de água. R R H O H O N C C N C C H OH H OH H H H2O
  • 41. RNAr São componentes dos ribossomas organito onde ocorre a síntese ribossomas, proteica. Os ribossomas são formados por RNAr e proteínas
  • 42. Replicação Transcrição Transcrição Reversa - Processo para Replicação de RNA síntese das proteínas da célula Tradução - Processo que ocorre nos Proteína ribossomas
  • 43. Síntese e Processamento de Proteínas Transcrição Retirados os intrões Processamento pós-transcricional mRNA maturo Tradução Proteína Proteína activa
  • 44. 2a. Letra do códon 1a. Letra do códon
  • 45. Transcrição  Processo pelo qual uma molécula de RNA é produzida usando como molde o DNA.
  • 46. DNA Transcrição DNA RNA
  • 47. Tradução  Também chamada síntese de proteínas  Quando o RNAm chega ao citoplasma ele associa-se ao ribossoma. Após essa associação os RNAt levam os aminoácidos, que serão ligados, formando assim a proteína.
  • 48. Etapas da síntese de proteínas 1. Iniciação 2. Alongamento 3. Terminação
  • 49. • Quando o RNAm chega ao citoplasma, ele associa-se ao ribossoma. • Nessa organito existem 2 espaços onde entram os RNAt com aminoácidos específicos. U A C AAA AUG UUU CUU GAC CCC UG A • somente os RNAt que têm sequência do anti-codão complementar à sequência do codão entram no ribossoma.
  • 50. • Uma enzima presente na subunidade maior do ribossoma realiza a ligação peptídica entre os aminoácidos. U A C AAA AUG UUU CUU GAC CCC UG A
  • 51. • O RNAt “vazio” volta para o citoplasma para se ligar a outro aminoácido. UAC AAA AUG UUU CUU GAC CCC UG A
  • 52. • O ribossoma agora desloca-se uma distância de 1 codão. • o espaço vazio é preenchido por um outro RNAt com sequência do anti-codão UAC complementar à sequência do codão. AAA G AA AUG UUU CUU GAC CCC UG A
  • 53. • Uma enzima presente na subunidade maior do ribossoma realiza a ligação peptídica entre os aminoácidos. UAC AAA G AA AUG UUU CUU GAC CCC UG A
  • 54. UAC AAA GAA AUG UUU CUU GAC CCC UG A • O RNAt “vazio” volta para o citoplasma para se ligar a outro aminoácido. • e assim o ribossoma vai-se deslocando ao longo do RNAm e os aminoácidos são ligados.
  • 55. • Quando o ribossoma passa por um codão de terminação nenhum RNAt entra no ribossoma, porque na célula não existem RNAt com sequências complementares aos codão de terminação. GGG Codão de AUG UUU CUU GAC C CC UG terminação A
  • 56. GGG • Então o ribossoma solta-se do RNAm, a proteína recém formada é libertada e o RNAm é degradado.
  • 57. Sintese proteica e processamentohttp://highered.mcgraw- hill.com/olc/dl/120077/bio25.swf Processamento da informação genéticahttp://highered.mcgraw- hill.com/olc/dl/120077/bio25.swf 10/24/2008 57