SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula Teórico-Prática

O objectivo desta actividade é a exploração de um caso de uma doente que
chega ao médico com determinadas queixas. Ele descobre que ela sofre de
Lúpus Eritmatoso disseminado (LES), uma doença auto-imune, com um
importante componente inflamatório. O médico foi requisitado para uma
urgência no dia em que ela tinha a nova consulta marcada. Cabe-vos agora
dar-lhe a notícia e esclarecer todas as dúvidas que ela tem. Mas antes de
responder às suas perguntas têm de pesquisar informação acerca desta
doença e interpretar os sintomas e análises que a doente traz. Compreender a
doença é essencial para descobrir o tratamento! Para isso, reúnam-se em
grupos de 2 ou 3 pessoas e procurem executar os passos que a seguir são
descritos. Na próxima aula têm de explicar aos vossos colegas como
resolveram cada um dos pontos. Comuniquem aos vossos colegas também
outras informações complementares que achem interessantes. Chegou a hora
de despertar o Dr. House que há em todos nós… ☺


Depois de ler atentamente os dados que lhe são fornecidos, retirados da ficha
clínica de um doente real, deve procurar executar os seguintes procedimentos:


   1. Verificar se compreende o significado de todos os dados. Não é
      esperado que já os saiba de antemão mas sim que pesquise, usando as
      fontes bibliográficas que ache convenientes. Como é obvio, para poder
      prosseguir para a restante análise é absolutamente essencial que
      entenda tudo o que lhe foi disponibilizado. Este passo será
      provavelmente o que mais lhe exigirá mais trabalho de pesquisa, mas
      não desanime!
   2. Rever o sistema imunitário. É indispensável que conheça:
         a. Quais são as linhas de defesa do organismo
         b. O que é a inflamação? O que a desencadeia?
         c. Concorda com a afirmação: “A inflamação é uma espada de dois
             gumes”. Pista- Tenha em conta a possível acção deletéria da
             inflamação sobre os tecidos…
d. Quais são os “2 braços” da defesa específica?
         e. O que entende por tolerância?
         f. Como pode o sistema imunitário distinguir o que nos é próprio do
            que é estranho ao organismo? Apesar de ser um fenómeno
            bastante complexo, em que existe com certeza ainda muito a
            desvendar, procure compreender o que já se sabe acerca deste
            extraordinário processo.


Chegou a hora de dar a notícia à doente. Ela ficou muito assustada. Não
sabe do que se trata, mas pelo nome parece grave… Ela faz várias
questões, será que consegue dar-lhe uma resposta? Ela conta consigo
para perceber o que se passa com ela!


      1. O que é o LES?
      2. A minha vida vai piorar? O que é que me vai acontecer?
      3. Como é que o médico descobriu que eu tinha esta doença?
      4. Quais os sintomas de que me queixo que são causados por esta
         doença?
      5. Porquê eu? Por que é que eu fui atacada por esta doença?
      6. Vou ser tratada? Posso curar-me?




   3. Organizem    uma     apresentação     que    contenha       aquilo   que
      compreenderam acerca da doença de que sofre esta doente que vos foi
      apresentada. De que forma responderiam às questões da doente?


   4. Procure alargar os horizontes… Conhece outras doenças auto-imunes?
      Não tem dúvidas acerca de alguma coisa com que se deparou quando
      estava a pesquisar? Saber mais é sempre gratificante e pode mesmo
      ajudá-lo a compreender melhor este assunto. Na próxima aula mostre
      também aos seus colegas tudo o que descobriu e que acha
      interessante! ☺
      Boa Sorte!
                                              A Professora: Cidália Aguiar
CASO CLÍNICO


- Doente, sexo feminino, 45 anos
- Desde há 5 anos:
     - artralgias nas pequenas e grandes articulações com características
       inflamatórias
     - Erupções cutâneas diversas (face e após exposição solar)
     - Episódios febris frequentes
     - Inflamação ocular repetitiva
     - fenómeno de Raynaud aquando de exposição ao frio
       (vasoespasmo das artérias periféricas, anomalia da regulação da
       circulação periférica)
- Últimas semanas: edema facial e das mãos
                       subida da pressão arterial
- Médico assistente já tinha pedido exames complementares:
      Ligeira anemia
      Insuficiência Renal moderada
      VS: 85 (velocidade de sedimentação)
                                                    Parâmetros inflamatórios positivos
      PCR: 20

                             Análises do sistema auto-imune
      ANA 1 / 640
                             - anticorpos contra proteínas do núcleo das células
      ADNA +
                             Anticorpo anti-nuclear e Anticorpo contra DNA positivos
      ASM +
                             Anticorpo contra células do músculo liso positivo
      C3 e C4 baixos
                             C3 e C4 baixos     consumo do complemento
                                Resultados indicam Lúpus activo

       Ecocardiograma com espessamento e prolapso da Válvula Mitral
       (acontece com alguma frequência neste tipo de doenças – colagenoses)


- Colocou-se a hipótese de Lupus Eritematoso Disseminado, uma doença
inflamatória crónica.


- Exames complementares:
 Eritrócitos: 3250.000
Hb: 9,5     anemia moderada
 MGV: 78      diminuído
 MGH: 28
                  Limite inferior da normalidade
 MGHC: 29
 Ferro: 30    diminuído
 CTFF: 320        normal
 Leucócitos: 7500      normal
 Plaquetas: 132.000        normal
 Ferritina: 553     aumentado
 Ureia: 98
                    Indicadores de função renal alterados
 Creatinina: 3


- Esfregaço de sangue:
                                                          - poucos eritrócitos
                                                          -    eritrócitos   com
                                                          forma     de       roda
                                                          dentada


                                                              acantocitose
                                                          fenómeno que ocorre
                                                          na Insuficiência Renal




   Anemia hipoproliferativa por doença inflamatória crónica, onde há
algum consumo de ferro
   Numa anemia ferropénica o ferro e a ferritina estão baixos, o que não é o
caso.
   Neste caso: Ferritina elevada    sinal de inflamação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA ComumSintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
Lázaro Inácio Araújo Rodrigues
 
Uno cc febril
Uno   cc febrilUno   cc febril
8 Convuls%F5es
8 Convuls%F5es8 Convuls%F5es
8 Convuls%F5es
Jose Eduardo
 
Convulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufopConvulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufop
Leonardo Savassi
 
Apresentação6 criança.ppt_
 Apresentação6 criança.ppt_ Apresentação6 criança.ppt_
Apresentação6 criança.ppt_
Suelem Ribeiro
 
Crises convulsivas na infancia
Crises convulsivas na infanciaCrises convulsivas na infancia
Crises convulsivas na infancia
Henrique Fiorillo
 
Tosse 1
Tosse 1 Tosse 1
Tosse 1
janinemaga
 
Apresentação Epilepsia
Apresentação EpilepsiaApresentação Epilepsia
Apresentação Epilepsia
pgraca
 
Propedêutica das cefaléias
Propedêutica das cefaléias Propedêutica das cefaléias
Propedêutica das cefaléias
Marco Aurélio
 
Epilepsia - MS
Epilepsia - MSEpilepsia - MS
Epilepsia - MS
Arquivo-FClinico
 
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na EpilepsiaUso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
Dr. Rafael Higashi
 
Abordagem da crise convulsiva 2011 4ano
Abordagem da crise convulsiva 2011 4anoAbordagem da crise convulsiva 2011 4ano
Abordagem da crise convulsiva 2011 4ano
Antonio Souto
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo

Mais procurados (13)

Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA ComumSintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
Sintomas Neurológicos Alarmantes De Uma DoençA Comum
 
Uno cc febril
Uno   cc febrilUno   cc febril
Uno cc febril
 
8 Convuls%F5es
8 Convuls%F5es8 Convuls%F5es
8 Convuls%F5es
 
Convulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufopConvulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufop
 
Apresentação6 criança.ppt_
 Apresentação6 criança.ppt_ Apresentação6 criança.ppt_
Apresentação6 criança.ppt_
 
Crises convulsivas na infancia
Crises convulsivas na infanciaCrises convulsivas na infancia
Crises convulsivas na infancia
 
Tosse 1
Tosse 1 Tosse 1
Tosse 1
 
Apresentação Epilepsia
Apresentação EpilepsiaApresentação Epilepsia
Apresentação Epilepsia
 
Propedêutica das cefaléias
Propedêutica das cefaléias Propedêutica das cefaléias
Propedêutica das cefaléias
 
Epilepsia - MS
Epilepsia - MSEpilepsia - MS
Epilepsia - MS
 
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na EpilepsiaUso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
 
Abordagem da crise convulsiva 2011 4ano
Abordagem da crise convulsiva 2011 4anoAbordagem da crise convulsiva 2011 4ano
Abordagem da crise convulsiva 2011 4ano
 
Neurointensivismo
NeurointensivismoNeurointensivismo
Neurointensivismo
 

Destaque

Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistemaQual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Cidalia Aguiar
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solar
Cidalia Aguiar
 
Doador receptor-quadro
Doador receptor-quadroDoador receptor-quadro
Doador receptor-quadroCidalia Aguiar
 
.Mulher – Retroacção Positiva
.Mulher – Retroacção Positiva.Mulher – Retroacção Positiva
.Mulher – Retroacção Positiva
Cidalia Aguiar
 
Acetato 2 GametogéNese
Acetato 2   GametogéNeseAcetato 2   GametogéNese
Acetato 2 GametogéNese
Cidalia Aguiar
 
Correcção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genicaCorrecção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genica
Cidalia Aguiar
 
2.5.0. OuriçO Do Mar
2.5.0. OuriçO Do Mar2.5.0. OuriçO Do Mar
2.5.0. OuriçO Do Mar
Cidalia Aguiar
 
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
Cidalia Aguiar
 
Revisão Controlo Hormonal Dos Ciclos Sexuais
Revisão   Controlo Hormonal Dos Ciclos SexuaisRevisão   Controlo Hormonal Dos Ciclos Sexuais
Revisão Controlo Hormonal Dos Ciclos Sexuais
Cidalia Aguiar
 
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
Cidalia Aguiar
 
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manualEx biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Cidalia Aguiar
 
.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário
Cidalia Aguiar
 
2.5.GestaçãO D
2.5.GestaçãO D2.5.GestaçãO D
2.5.GestaçãO D
Cidalia Aguiar
 
Grupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo aboGrupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo abo
Cidalia Aguiar
 
PatrimóNio GenéTico Trabalhos De Morgan
PatrimóNio GenéTico   Trabalhos De MorganPatrimóNio GenéTico   Trabalhos De Morgan
PatrimóNio GenéTico Trabalhos De Morgan
Isabel Lopes
 
Regulação do Património Genético
Regulação do Património GenéticoRegulação do Património Genético
Regulação do Património Genético
Isabel Lopes
 
Património Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de MendelPatrimónio Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de Mendel
Isabel Lopes
 
Património genético - resumo
Património genético - resumoPatrimónio genético - resumo
Património genético - resumo
Isabel Lopes
 
Hereditariedade Humana
Hereditariedade HumanaHereditariedade Humana
Hereditariedade Humana
Isabel Lopes
 
Alterações do material genético
Alterações do material genéticoAlterações do material genético
Alterações do material genético
Isabel Lopes
 

Destaque (20)

Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistemaQual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
Qual a relação entre grupos sanguíneos do sistema
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solar
 
Doador receptor-quadro
Doador receptor-quadroDoador receptor-quadro
Doador receptor-quadro
 
.Mulher – Retroacção Positiva
.Mulher – Retroacção Positiva.Mulher – Retroacção Positiva
.Mulher – Retroacção Positiva
 
Acetato 2 GametogéNese
Acetato 2   GametogéNeseAcetato 2   GametogéNese
Acetato 2 GametogéNese
 
Correcção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genicaCorrecção de fichas da aula sobre regulação genica
Correcção de fichas da aula sobre regulação genica
 
2.5.0. OuriçO Do Mar
2.5.0. OuriçO Do Mar2.5.0. OuriçO Do Mar
2.5.0. OuriçO Do Mar
 
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
1.1. reacção alérgicas hipersensibilidade [modo de compatibilidade]
 
Revisão Controlo Hormonal Dos Ciclos Sexuais
Revisão   Controlo Hormonal Dos Ciclos SexuaisRevisão   Controlo Hormonal Dos Ciclos Sexuais
Revisão Controlo Hormonal Dos Ciclos Sexuais
 
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
2.5.1. d mecanismos do parto e lactação d
 
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manualEx biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
Ex biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças-actividades manual
 
.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário
 
2.5.GestaçãO D
2.5.GestaçãO D2.5.GestaçãO D
2.5.GestaçãO D
 
Grupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo aboGrupo sanguíneo abo
Grupo sanguíneo abo
 
PatrimóNio GenéTico Trabalhos De Morgan
PatrimóNio GenéTico   Trabalhos De MorganPatrimóNio GenéTico   Trabalhos De Morgan
PatrimóNio GenéTico Trabalhos De Morgan
 
Regulação do Património Genético
Regulação do Património GenéticoRegulação do Património Genético
Regulação do Património Genético
 
Património Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de MendelPatrimónio Genético´- Trabalhos de Mendel
Património Genético´- Trabalhos de Mendel
 
Património genético - resumo
Património genético - resumoPatrimónio genético - resumo
Património genético - resumo
 
Hereditariedade Humana
Hereditariedade HumanaHereditariedade Humana
Hereditariedade Humana
 
Alterações do material genético
Alterações do material genéticoAlterações do material genético
Alterações do material genético
 

Semelhante a Aula teórico pratica les

Laboratório
LaboratórioLaboratório
Laboratório
pauloalambert
 
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
andrime tapajós tapajós
 
Diagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilisDiagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilis
Francisco Vilaça Lopes
 
Laboratório em Reumatologia
Laboratório em ReumatologiaLaboratório em Reumatologia
Laboratório em Reumatologia
pauloalambert
 
Sle 2013
Sle 2013Sle 2013
Sle 2013
pauloalambert
 
Discussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicosDiscussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicos
Kate Antunes
 
Cartilha sbr lupus
Cartilha sbr lupusCartilha sbr lupus
Cartilha sbr lupus
Vanessa Queiroz
 
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
 Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)  Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
Hospital de Câncer de Barretos
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
marioaugusto
 
Em Tempos De Dengue
Em Tempos De DengueEm Tempos De Dengue
Em Tempos De Dengue
thiagoroberto
 
Esclerose Multipla
Esclerose MultiplaEsclerose Multipla
Esclerose Multipla
PauloTrocoli2
 
LES SBR
LES SBRLES SBR
Laboratório em Reumatologia
Laboratório em ReumatologiaLaboratório em Reumatologia
Laboratório em Reumatologia
Paulo Alambert
 
Aura persistente sem infarto
Aura persistente sem infartoAura persistente sem infarto
Aura persistente sem infarto
Carlos Alberto Bordini
 
8. Sepse - Cardec.ppt
8. Sepse - Cardec.ppt8. Sepse - Cardec.ppt
8. Sepse - Cardec.ppt
MEDUFPI90
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
marioaugusto
 
Corea sydenham
Corea sydenhamCorea sydenham
Corea sydenham
Ramon Florez Acuña
 
Protocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergênciaProtocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergência
Deivid1990
 
Les 14 3ª parte
Les 14 3ª parteLes 14 3ª parte
Les 14 3ª parte
pauloalambert
 
Les 14 3ª parte
Les 14 3ª parteLes 14 3ª parte
Les 14 3ª parte
pauloalambert
 

Semelhante a Aula teórico pratica les (20)

Laboratório
LaboratórioLaboratório
Laboratório
 
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
11. reumato 2011-les-e_sindr_afl_
 
Diagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilisDiagnóstico e tratamento da neurossífilis
Diagnóstico e tratamento da neurossífilis
 
Laboratório em Reumatologia
Laboratório em ReumatologiaLaboratório em Reumatologia
Laboratório em Reumatologia
 
Sle 2013
Sle 2013Sle 2013
Sle 2013
 
Discussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicosDiscussão de casos clínicos
Discussão de casos clínicos
 
Cartilha sbr lupus
Cartilha sbr lupusCartilha sbr lupus
Cartilha sbr lupus
 
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
 Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)  Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
Aula 3: Dra. Neysimélia Villela (Coord. do Serv. de TMO)
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
 
Em Tempos De Dengue
Em Tempos De DengueEm Tempos De Dengue
Em Tempos De Dengue
 
Esclerose Multipla
Esclerose MultiplaEsclerose Multipla
Esclerose Multipla
 
LES SBR
LES SBRLES SBR
LES SBR
 
Laboratório em Reumatologia
Laboratório em ReumatologiaLaboratório em Reumatologia
Laboratório em Reumatologia
 
Aura persistente sem infarto
Aura persistente sem infartoAura persistente sem infarto
Aura persistente sem infarto
 
8. Sepse - Cardec.ppt
8. Sepse - Cardec.ppt8. Sepse - Cardec.ppt
8. Sepse - Cardec.ppt
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Corea sydenham
Corea sydenhamCorea sydenham
Corea sydenham
 
Protocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergênciaProtocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergência
 
Les 14 3ª parte
Les 14 3ª parteLes 14 3ª parte
Les 14 3ª parte
 
Les 14 3ª parte
Les 14 3ª parteLes 14 3ª parte
Les 14 3ª parte
 

Mais de Cidalia Aguiar

1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
Cidalia Aguiar
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solar
Cidalia Aguiar
 
Hiv
HivHiv
Hiv
HivHiv
Hiv
HivHiv
Correcção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedadeCorrecção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedade
Cidalia Aguiar
 
Acetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivosAcetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivos
Cidalia Aguiar
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidade
Cidalia Aguiar
 
Acetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistidaAcetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistida
Cidalia Aguiar
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidade
Cidalia Aguiar
 
Acetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistidaAcetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistida
Cidalia Aguiar
 
Diferenças entre espermatogénese e oogénese
Diferenças entre espermatogénese e oogéneseDiferenças entre espermatogénese e oogénese
Diferenças entre espermatogénese e oogénese
Cidalia Aguiar
 
7 1 2 RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica
7 1 2  RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica7 1 2  RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica
7 1 2 RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica
Cidalia Aguiar
 
5 2 Como SãO Regulados Os Genes
5 2 Como SãO Regulados Os Genes5 2 Como SãO Regulados Os Genes
5 2 Como SãO Regulados Os Genes
Cidalia Aguiar
 
5 2 1 Mutacoes
5 2 1  Mutacoes5 2 1  Mutacoes
5 2 1 Mutacoes
Cidalia Aguiar
 
Aula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica CancroAula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica Cancro
Cidalia Aguiar
 
CorrecçãO Dos úLtimos ExercíCios Do Manual
CorrecçãO Dos úLtimos ExercíCios Do ManualCorrecçãO Dos úLtimos ExercíCios Do Manual
CorrecçãO Dos úLtimos ExercíCios Do Manual
Cidalia Aguiar
 
2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade
2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade
2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade
Cidalia Aguiar
 
Acetato ReproduçãO Assistida
Acetato ReproduçãO AssistidaAcetato ReproduçãO Assistida
Acetato ReproduçãO Assistida
Cidalia Aguiar
 
Acetato Infertilidade Humana
Acetato   Infertilidade HumanaAcetato   Infertilidade Humana
Acetato Infertilidade Humana
Cidalia Aguiar
 

Mais de Cidalia Aguiar (20)

1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
 
Trabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solarTrabalho de grupo sistema solar
Trabalho de grupo sistema solar
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Hiv
HivHiv
Hiv
 
Correcção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedadeCorrecção dos exercícios de hereditariedade
Correcção dos exercícios de hereditariedade
 
Acetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivosAcetato mét. contraceptivos
Acetato mét. contraceptivos
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidade
 
Acetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistidaAcetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistida
 
Causas de infertilidade
Causas de infertilidadeCausas de infertilidade
Causas de infertilidade
 
Acetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistidaAcetato reprodução assistida
Acetato reprodução assistida
 
Diferenças entre espermatogénese e oogénese
Diferenças entre espermatogénese e oogéneseDiferenças entre espermatogénese e oogénese
Diferenças entre espermatogénese e oogénese
 
7 1 2 RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica
7 1 2  RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica7 1 2  RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica
7 1 2 RevisãO Fundamentos De Engenharia GenéTica
 
5 2 Como SãO Regulados Os Genes
5 2 Como SãO Regulados Os Genes5 2 Como SãO Regulados Os Genes
5 2 Como SãO Regulados Os Genes
 
5 2 1 Mutacoes
5 2 1  Mutacoes5 2 1  Mutacoes
5 2 1 Mutacoes
 
Aula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica CancroAula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica Cancro
 
CorrecçãO Dos úLtimos ExercíCios Do Manual
CorrecçãO Dos úLtimos ExercíCios Do ManualCorrecçãO Dos úLtimos ExercíCios Do Manual
CorrecçãO Dos úLtimos ExercíCios Do Manual
 
2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade
2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade
2.7.ManipulaçãO Da Fertilidade
 
Acetato ReproduçãO Assistida
Acetato ReproduçãO AssistidaAcetato ReproduçãO Assistida
Acetato ReproduçãO Assistida
 
Acetato Infertilidade Humana
Acetato   Infertilidade HumanaAcetato   Infertilidade Humana
Acetato Infertilidade Humana
 

Último

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 

Aula teórico pratica les

  • 1. Aula Teórico-Prática O objectivo desta actividade é a exploração de um caso de uma doente que chega ao médico com determinadas queixas. Ele descobre que ela sofre de Lúpus Eritmatoso disseminado (LES), uma doença auto-imune, com um importante componente inflamatório. O médico foi requisitado para uma urgência no dia em que ela tinha a nova consulta marcada. Cabe-vos agora dar-lhe a notícia e esclarecer todas as dúvidas que ela tem. Mas antes de responder às suas perguntas têm de pesquisar informação acerca desta doença e interpretar os sintomas e análises que a doente traz. Compreender a doença é essencial para descobrir o tratamento! Para isso, reúnam-se em grupos de 2 ou 3 pessoas e procurem executar os passos que a seguir são descritos. Na próxima aula têm de explicar aos vossos colegas como resolveram cada um dos pontos. Comuniquem aos vossos colegas também outras informações complementares que achem interessantes. Chegou a hora de despertar o Dr. House que há em todos nós… ☺ Depois de ler atentamente os dados que lhe são fornecidos, retirados da ficha clínica de um doente real, deve procurar executar os seguintes procedimentos: 1. Verificar se compreende o significado de todos os dados. Não é esperado que já os saiba de antemão mas sim que pesquise, usando as fontes bibliográficas que ache convenientes. Como é obvio, para poder prosseguir para a restante análise é absolutamente essencial que entenda tudo o que lhe foi disponibilizado. Este passo será provavelmente o que mais lhe exigirá mais trabalho de pesquisa, mas não desanime! 2. Rever o sistema imunitário. É indispensável que conheça: a. Quais são as linhas de defesa do organismo b. O que é a inflamação? O que a desencadeia? c. Concorda com a afirmação: “A inflamação é uma espada de dois gumes”. Pista- Tenha em conta a possível acção deletéria da inflamação sobre os tecidos…
  • 2. d. Quais são os “2 braços” da defesa específica? e. O que entende por tolerância? f. Como pode o sistema imunitário distinguir o que nos é próprio do que é estranho ao organismo? Apesar de ser um fenómeno bastante complexo, em que existe com certeza ainda muito a desvendar, procure compreender o que já se sabe acerca deste extraordinário processo. Chegou a hora de dar a notícia à doente. Ela ficou muito assustada. Não sabe do que se trata, mas pelo nome parece grave… Ela faz várias questões, será que consegue dar-lhe uma resposta? Ela conta consigo para perceber o que se passa com ela! 1. O que é o LES? 2. A minha vida vai piorar? O que é que me vai acontecer? 3. Como é que o médico descobriu que eu tinha esta doença? 4. Quais os sintomas de que me queixo que são causados por esta doença? 5. Porquê eu? Por que é que eu fui atacada por esta doença? 6. Vou ser tratada? Posso curar-me? 3. Organizem uma apresentação que contenha aquilo que compreenderam acerca da doença de que sofre esta doente que vos foi apresentada. De que forma responderiam às questões da doente? 4. Procure alargar os horizontes… Conhece outras doenças auto-imunes? Não tem dúvidas acerca de alguma coisa com que se deparou quando estava a pesquisar? Saber mais é sempre gratificante e pode mesmo ajudá-lo a compreender melhor este assunto. Na próxima aula mostre também aos seus colegas tudo o que descobriu e que acha interessante! ☺ Boa Sorte! A Professora: Cidália Aguiar
  • 3. CASO CLÍNICO - Doente, sexo feminino, 45 anos - Desde há 5 anos: - artralgias nas pequenas e grandes articulações com características inflamatórias - Erupções cutâneas diversas (face e após exposição solar) - Episódios febris frequentes - Inflamação ocular repetitiva - fenómeno de Raynaud aquando de exposição ao frio (vasoespasmo das artérias periféricas, anomalia da regulação da circulação periférica) - Últimas semanas: edema facial e das mãos subida da pressão arterial - Médico assistente já tinha pedido exames complementares: Ligeira anemia Insuficiência Renal moderada VS: 85 (velocidade de sedimentação) Parâmetros inflamatórios positivos PCR: 20 Análises do sistema auto-imune ANA 1 / 640 - anticorpos contra proteínas do núcleo das células ADNA + Anticorpo anti-nuclear e Anticorpo contra DNA positivos ASM + Anticorpo contra células do músculo liso positivo C3 e C4 baixos C3 e C4 baixos consumo do complemento Resultados indicam Lúpus activo Ecocardiograma com espessamento e prolapso da Válvula Mitral (acontece com alguma frequência neste tipo de doenças – colagenoses) - Colocou-se a hipótese de Lupus Eritematoso Disseminado, uma doença inflamatória crónica. - Exames complementares: Eritrócitos: 3250.000
  • 4. Hb: 9,5 anemia moderada MGV: 78 diminuído MGH: 28 Limite inferior da normalidade MGHC: 29 Ferro: 30 diminuído CTFF: 320 normal Leucócitos: 7500 normal Plaquetas: 132.000 normal Ferritina: 553 aumentado Ureia: 98 Indicadores de função renal alterados Creatinina: 3 - Esfregaço de sangue: - poucos eritrócitos - eritrócitos com forma de roda dentada acantocitose fenómeno que ocorre na Insuficiência Renal Anemia hipoproliferativa por doença inflamatória crónica, onde há algum consumo de ferro Numa anemia ferropénica o ferro e a ferritina estão baixos, o que não é o caso. Neste caso: Ferritina elevada sinal de inflamação