Sequencia didática_Meu primeiro beijo

383 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
383
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sequencia didática_Meu primeiro beijo

  1. 1. Elaboração de uma sequência didáticapara o curso Melhor Gestão, MelhorEnsino.
  2. 2.  Público alvo: 8º e 9º anos Duração: 10 aulas Recursos:* cópias dos textos* recursos multimídia (camêras,datashow, dvd, televisão)* dicionários
  3. 3.  1ª Etapa: Antecipação do tema a partir daanálise de imagens e do título (escrito na lousa). Projetar as imagens da obra “O beijo”, deRubiales, e da capa da revista “Turma da Mônicajovem” em datashow e escrever o título do textoa ser trabalhado na lousa.Fazer as seguintes perguntas oralmente a fim deestabelecer uma discussão sobre o tema:* A que se remetem essas imagens?* Qual é o sentimento que elas provocam emvocê?* Quais são suas lembranças ou expectativasem relação ao primeiro beijo?
  4. 4.  2ª Etapa: Confirmação ou retificação dasantecipações ou expectativas de sentidocriadas antes da leitura.* Entregar uma cópia do texto para cadaaluno;* Fazer a leitura compartilhada.
  5. 5.  3ª Etapa: Esclarecimento de palavrasdesconhecidas a partir de inferência ouconsulta a dicionários.* Formar grupos de 3 ou 4 alunos;* Trabalhar o vocabulário por meio deuma dinâmica, relacionando os termos grifadosao seu significado, de acordo com o texto.Cada grupo recebe cartões contendo palavrasdo texto (como “perdigoto” ou“metabolismo”) e outros contendo asdefinições destas palavras, a fim de queestabeleçam as relações entre elas. Apósdescobrir os significados das palavras, o grupodeve socializar para a turma suas descobertas.
  6. 6.  4ª Etapa: Localização de informaçõesexplícitas.- Retornar ao texto para localizar oselementos da narrativa presentes no conto,respondendo oralmente:* Quem?* Quando?* Onde?* Como?* Por quê?
  7. 7.  5ª Etapa: Construção do sentido global do texto.* Responder no caderno às questõesrelacionadas à compreensão e interpretaçãotextual:1) Na sua opinião, por que o garoto é chamadode “Cultura Inútil”?2) Qual a visão da garota sobre o garoto antes edepois do beijo?3) O que significa a expressão “Você é a glicosedo meu metabolismo”?4) De acordo com o terceiro parágrafo, descrevaas características psicológicas do garoto.
  8. 8.  6ª Etapa: Busca de informaçõescomplementares em textos de apoiosubordinados ao texto principal ou por meiode consulta a enciclopédias, internet ououtras fontes.* Pesquisar em grupos de 3 ou 4 alunosos efeitos físicos causados pelo beijo (Fontes:Internet, professor deCiências, livros, revistas);* Socializar o resultado oralmente comos colegas.
  9. 9.  7ª Etapa: Identificação referências a outrostextos, buscando informações adicionais senecessário.* Ler fragmentos do capítulo XIV –„Primeiro Beijo‟, do livro “Memórias Póstumasde Brás Cubas”, de Machado de Assis, paraperceber as relações de intertextualidade;* Contextualizar a obra àépoca, comparando o comportamento e alinguagem dos jovens do século XIX com os dosadolescentes de hoje.
  10. 10.  8ª Etapa: Identificação referências a outrostextos, buscando informações adicionais senecessário.* Exibir o filme “Meu primeiro amor”.Após a apreciação do filme, promover umaaula dialogada para que os alunos possamexpor suas impressões sobre as questões queenvolve o momento do “primeiro amor”.
  11. 11.  9ª Etapa: 1. Troca de impressões dos textoslidos, fornecendo indicações para sustentação desua leitura e acolhendo outras posições.2. Utilização, em função dafinalidade da leitura, do registro escrito paramelhor compreensão.* Disponibilizar a turma em grupos de 5 ou 6alunos e sortear a faixa etária(adolescentes, adultos e idosos) com que cadagrupo trabalhará;* Cada grupo deve discutir e elaborarquestões para a realização de uma entrevista compessoas destes diferentes grupos sociais.
  12. 12.  10ª Etapa: Sistematização da temáticaestudada, feita por meio de outraslinguagens.* Entrevistar o público alvo (atividadeextraclasse);* Registrar as entrevistas por meio devídeos;* Editar os vídeos, inserindo dados como:nome completo doentrevistado, idade, profissão.
  13. 13.  11ª Etapa: Elaboração de apreciaçõesestéticas e/ou afetivas.* Cada grupo deve apresentar para aturma o vídeo concluído;
  14. 14.  12ª Etapa: Avaliação final.* Promover um debate conclusivo sobre otema, a partir de perguntas feitas oralmente peloprofessor, como, por exemplo:* Houve mudanças comportamentais entre osjovens de ontem e os de hoje?* Existe um momento certo para o “primeiro beijo”acontecer?* Gostaram de realizar estas atividades? Por quê?Quais as contribuições que este trabalho trouxepara vocês?(Outras perguntas serão feitas conforme o decorrerda aula)
  15. 15.  Matemática: produção de tabelas e gráficos; Ciências: fisiologia do corpo humano; Inglês: música “My Girl”, trechos do filmeem inglês e com legendas; Literatura: obras literárias machadianas eoutras que versem sobre o tema; Língua Portuguesa: música “Já seinamorar”, Tribalistas; Arte: releituras de telas famosas sobre otema.
  16. 16. O beijo, de Rubiales
  17. 17. Meu Primeiro BeijoAntonio BarretoÉ difícil acreditar, mas meu primeiro beijo foi num ônibus, na volta da escola. Esabem com quem? Com o Cultura Inútil! Pode? Até que foi legal. Nem eu nemele sabíamos exatamente o que era "o beijo". Só de filme. Estávamos virgensnesse assunto, e morrendo de medo. Mas aprendemos. E foi assim...Não sei se numa aula de Biologia ou de Química, o Culta tinha me mandado umdos seus milhares de bilhetinhos:"Você é a glicose do meu metabolismo.Te amo muito!Paracelso"E assinou com uma letrinha miúda: Paracelso. Paracelso era outro apelido dele.Assinou com letrinha tão minúscula que quase tive dó, tive pena, instintomaternal, coisas de mulher... E também não sei por que: resolvi dar uma chancepra ele, mesmo sem saber que tipo de lance ia rolar.No dia seguinte, depois do inglês, pediu pra me acompanhar até em casa. No diaseguinte, depois do inglês, pediu pra me acompanhar até em casa. Noônibus, veio com o seguinte papo:- Um beijo pode deixar a gente exausto, sabia? - Fiz cara de desentendida.Mas ele continuou:
  18. 18. - Dependendo do beijo, a gente põe em ação 29 músculos, consome cerca de 12calorias e acelera o coração de 70 para 150 batidas por minuto. - Aí ele tomoucoragem e pegou na minha mão. Mas continuou salivando seus perdigotos:- A gente também gasta, na saliva, nada menos que 9 mg de água; 0,7 mg dealbumina; 0,18 g de substâncias orgânica; 0,711 mg de matérias graxas; 0,45 mgde sais e pelo menos 250 bactérias...Aí o bactéria falante aproximou o rosto do meu e, tremendo, tirou seusóculos, tirou os mus, e ficamos nos olhando, de pertinho. O bastante para que eudescobrisse que, sem os óculos, seus olhos eram bonitos e expressivos, azuis ebrilhantes. E achei gostoso aquele calorzinho que envolvia o corpo da gente. Elebeijou a pontinha do meu nariz, fechei os olhos e senti sua respiração ofegante.Seus lábios tocaram os meus. Primeiro de leve, depois com mais força, e entãonos abraçamos de bocas coladas, por alguns segundos.E de repente o ônibus já havia chegado no ponto final e já tínhamos transposto, juntos, o abismo do primeiro beijo.
  19. 19.  Fragmentos do capítulo de “Memórias póstumas de Brás Cubas”“Memórias Póstumas de Brás Cubas”Capítulo XIVPrimeiro beijo“Tinha dezessete anos; pungia-me um buçozinho que eu forcejava por trazer a bigode. Osolhos, vivos e resolutos, eram a minha feição verdadeiramente máscula. (...)Vi-a, pela primeira vez, no Rossio Grande, na noite das luminárias, logo que constou adeclaração da independência, uma festa de primavera, um amanhecer da alma pública.Éramos dous rapazes, o povo e eu; vínhamos da infância, com todos os arrebatamentosda juventude. (...)O entusiasmo, alguns goles de vinho, o gênio imperioso, estouvado, tudo isso me levoua fazer uma cousa única; à saída, à porta da rua, disse a meu tio que esperasse uminstante, e tornei a subir as escadas.-- Esqueceu alguma cousa? perguntou Marcela de pé, no patamar.-- O lenço.Ela ia abrir-me caminho para tornar à sala; eu segurei-lhe nas mãos, puxei-a paramim, e dei-lhe um beijo. Não sei se ela disse alguma cousa, se gritou, se chamoualguém; não sei nada; sei que desci outra vez as escadas, veloz como um tufão, eincerto como um ébrio.
  20. 20. Referências bibliográficasASSIS, Joaquim Maria Machado. Memórias póstumas de Brás Cubas.Biblioteca Folha, Rio de Janeiro, Ediouro, 1997.BARRETO, Antonio. Meu primeiro beijo. In: Balada do PrimeiroAmor. São Paulo: FTD, 1977. p. 134-136.DOLZ, Joaquim; SCHNEUWLY, Bernard et al. Gêneros e progressãoem expressão oral e escrita – elementos para reflexões sobre umaexperiência suíça (Francófona). In: Gêneros orais e escritos naescola. Campinas: Mercado das Letras, 2012. p. 35-60ROJO, Roxane. Letramento e capacidades de leitura para acidadania. In: Curso EaD/EFAP. Leitura e escrita em contextodigital– Programa Práticas de leitura e escrita nacontemporaneidade. 2012.

×