O Uso do Contexto Social na Elicitação de Requisitos de Software

573 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
573
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Uso do Contexto Social na Elicitação de Requisitos de Software

  1. 1. O Uso do Contexto Social naElicitação de Requisitos de Software Daniel Ferreira dfs3@cin.ufpe.br
  2. 2. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012JÁ ACONTECEU COM VOCÊ? O sistema que queremos deve fazer isto, isto… e nesse caso também isto.. Sim, sim. Estamos anotando. Conversei com os usuários e basicamente este é o sistema que teremos que desenvolver. Sim chefe. Ótimo. Começaremos a especificar os requisitos imediatamente.
  3. 3. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/20122 MESES DEPOIS… Pessoal, após o emprego das mais modernas técnicas de espeficação, com nossa melhor equipe, produzimos este documento que descreve minuciosamente o sistema. Ótimo! Bom. Hum… É um documento com 300 páginas e todos esses gráficos, tabelas… Enfim, vamos analisá-lo e voltamos a nos falar!
  4. 4. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/20127 MESES DEPOIS… Pessoal, o cliente não está satisfeito com o sistema pois diz que está fazendo as coisas diferentes do que ele pediu, e faltam algumas coisas… Mas seguimos o documento que foi espeficado com exatamente o que eles queriam… Sim, mas o cliente disse que não tinha dito exatamente aquilo que estava no documento e que somente agora sentiu falta de algumas coisas… COMO NÃO?? ESSES CLIENTES COMO SEMPRE NÃO SABEM O QUEREM..
  5. 5. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Engenharia de RequisitosPrimeira etapa dentro de todo o processoda engenharia de software, a qual estudacomo coletar entender, armazenar, coletar,verificar e gerenciar os requisitos [THAYER, 97]
  6. 6. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Engenharia de Requisitos É o processo através do qual clientes e usuários são questionados por um coletar desenvolvedor para falarem “o quê” o software deve fazer. [THAYER, 97]
  7. 7. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Elicitação de Requisitos:Uma ciência social?Os problemas da elicitação de requisitos não podem serresolvidos simplesmente com tecnologia, pois ocontexto social neste caso é mais crucial que etapas deprogramação, especificação ou modelagem. [GOGUEN, 94]
  8. 8. Dificuldades da Elicitação de Requisitos
  9. 9. usuários não sabem precisam deve ser como o sistema queDaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  10. 10. usuários tem diferentes problema pontos de vista doDaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  11. 11. nem todos os usuários do processo de elicitação participamDaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  12. 12. usuários tem para descrever o domínio do problema dificuldadeDaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  13. 13. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  14. 14. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  15. 15. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Principais Técnicas Tradicionais Tradicionais Colaborativas Colaborativas Abordagens Abordagens Cognitivas Cognitivas contextuais contextuais
  16. 16. O Contexto Social
  17. 17. seminárioDaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  18. 18. CASE Diagramas Ferramentas Sociais? Ciências Reuniões PlanilhasDaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  19. 19. pausas. Resultado: Resultado: Respostas rápidas, fluentes e diretas. Palavras soltas, sem segurança, com longasDaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  20. 20. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012ConclusãoCrianças negras tem problemas delinguagem e precisam ser ensinadasa falar. Grau de confiabilidade dessa conclusão?
  21. 21. Resultado: Linguagem extensa, fluente com uma surpreendente complexidade e competência.Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  22. 22. artificial Teste em ambiente x natural Teste em ambienteDaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  23. 23. Etnometodologia Análise de tarefas Teoria da atividade Análise de conversasDaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  24. 24. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Teoria da Atividade Estrutura filosófica e interdisciplinar para estudar diferentes formas de práticas humanas de processos de desenvolvimento, tanto no nível individual como no nível social (Martins, 1999) Três vertentes: Filosofia clássica Alemã dos séculos XVIII e XIX Escritos de Marx e Engels que elaboraram o conceito de atividade Psicologia Soviética, fundada por Vygostky, Leontev e Lúria
  25. 25. Sujeito Teoria da Atividade Ferramenta Objeto RESULTADODaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  26. 26. Programador Editor de texto “Codificar um programa” Algoritmo FONTE PROGRAMADaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  27. 27. Atividade Atividades Ações Operações Ações Atividade Operações Meta Motivo CondiçõesDaniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  28. 28. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Atividade “Faturar venda” Atividade Ações Operações Preencher campos da NF Emitir nota fiscal Calcular impostosFaturar uma venda Imprimir NF Gerar datas de vencimento Emitir duplicatas Imprimir duplicatas
  29. 29. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Elicitando Requisitos Utilizandoa Teoria da Atividade Identificar procedimentos realizados no sistema que possam ser classificados como atividades Para cada atividade identificar: sujeito, ferramenta, objeto, comunidade, regras, divisão de trabalho e resultado (representação do modelo sistêmico da atividade). Decompor em ações e operações (a partir do modelo sistêmico)
  30. 30. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Exemplo de Uso Sistema de controle de protocolos de uma secretária de faculdade Atividades identificadas: Criar protocolo Atualizar protocolo Consultar protocolo por data
  31. 31. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012 Caneta Protocolo realizado Secretária Quadro de registro de protocolo Divisão deRegras para criação Secretárias trabalho entrede protocolo as secretárias
  32. 32. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Regras para Criação do Protocolo O campo número do protocolo deve ser gerado seqüencialmente. O novo número gerado deve ser igual ao número do último protocolo mais um. O campo número do protocolo e nome devem ser destacados, utilizando-se cor vermelha para o preenchimento destes campos. Todos os campos do quadro de registro de protocolo devem ser preenchidos, com exceção do campo origem, que quando tem o mesmo conteúdo do campo assunto, pode ser omitido. Todos os documentos protocolados no livro do protocolo devem receber um carimbo constando a data em que o documento chegou na secretaria da faculdade e o número do protocolo gerado para esse documento
  33. 33. Conclusão
  34. 34. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Conclusão Elicitação de requisitos precisa ser mais centrada no usuário e no contexto do ambiente em que o software deve ser usado Técnicas que usam alguma ciência social geralmente tem essa caracteristica A Teoria da Atividade se mostra fácil de implementar e os resultados são de boa visualização para vários públicos Leva em consideração elementos importantes como sujeito, ferramentas, objetos, regras, ambiente, etc. Alguns trabalhos na área também utilizam o conceito de Cenários.
  35. 35. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012
  36. 36. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Referências[EASTERBROOK, 04] EASTERBROOK, Steve. Requirements Elicitation 2004. Elicitation. (Department of Computer Science) - University of Toronto. Toronto.[GOGUEN, 94] GOGUEN, J.A.; LINDE, C. Techiques for Requirements Elicitation. Elicitation In: Proceedings of the First IEEE International Symposium on Requirements Engineering, San Diego, Ca, IEEE Computer Society Press, p. 1-14, 1994.[CLAUS, 71] Claus Moser and GrahamKalton. Survey Methods in Social Investigation. Investigation Gower, 1971.[PARASURAMAN, 91] PARASURAMAN, A. Marketing research. 2. ed., Addison research Wesley Publishing Company, p. 21-60, 1991[JUNIOR, 05] JUNIOR, Paulo Roberto de O. Elicitação de Requisitos de Elicitaç Software Através da Utilização de Questionários 2005. Atravé Utilizaç Questionários. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.[THAYER, 97] THAYER, R. H. e DORFMAN, M.; Introduction to Tutorial Software Requirements Enginnering in Software Requirements Engineering, IEEE-CS Press, Second Edition, 1997, p.p. 1-2.
  37. 37. Daniel Ferreira – Seminário apresentado na disciplina de Gestão, Qualidade e Processos – CIn UFPE – Dezembro/2012Referências[PREECE, 02] Preece, Rogers and Sharp, Interaction Design, beyond Human Computer Interaction Wiley, 2002, p. 249 Interaction,[CASTRO, 98] CASTRO, Jaelson. Elicitação e Análise de Requisitos Elicitaç Aná Requisitos. Universidade Federal de Pernambuco. 1998. Disponível em <http://www.cin.ufpe.br/~if119/aulas/cap3.PDF>. Acesso em 25 set 2012.[DAMIAN, 97] DAMIAN, Adrian, et al. Joint Application Development and Participatory Design 1997. Disponível em Design. <http://www.cpsc.ucalgary.ca/~pand/seng/613/report.htm l>. Acesso em 26 set 2012.[CMMI, 12] CMMi – Requirements Development Disponível em Development. <http://www.software-quality-assurance.org/cmmi- requirements-development.html>. Acesso em 01 out 2012.
  38. 38. OBRIGADO!Daniel Ferreira

×