SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
RANÁRIO MEB-RÃ Linha 184 Km 9 – lado Sul Proprietários: Marcus Vinícius Quintino & Salete Bergamin Quintino
Criação de Rãs 	A produção de rãs em cativeiro (ranicultura) é uma atividade relativamente nova. A cadeia produtiva compreende: a criação de rãs (ranários), a indústria de abate e processamento e a comercialização dos produtos oriundos da ranicultura.  Ranário MEB-RÃ (Rolim de Moura)
	O sistema Anfigranja é o mais utilizado para a criação de rãs. As etapas da cadeia produtiva pode ser assim resumida: Inicia-se no ranário, onde se processam todas as fases do ciclo de vida das rãs: a desova, a fase de desenvolvimento do girino até a metamorfose e a recria (processo de engorda dos animais).
Concluída a recria, as rãs são levadas para o abate nas indústrias de processamento especializadas (abatedouros). Processada e embalada, a carne é enviada para o mercado consumidor. 
	A rã mais utilizada na ranicultura é a rã touro (Lithobatescatesbeianus), assim chamada devido à semelhança entre o canto (coaxado) que o macho emite para atrair a fêmea e o berro de um touro.
	A rã touro apresenta dimorfismo sexual, caracterizado por algumas diferenças entre o macho e a fêmea. A região gular (papo) nos machos, apresenta coloração amarela bem acentuada, enquanto nas fêmeas é amarelo-esbranquiçado; a região timpânica (ouvido) do macho é até 3 vezes superior ao diâmetro do globo ocular e nas fêmeas é igual ao diâmetro ocular. Fêmea Macho
	O acasalamento das rãs ocorre na água; o macho abraça a fêmea pelo dorso. Esta libera os ovos que serão fecundados pelos espermatozóides do macho formando a desova.
A desova é o conjunto de ovos que flutuam na superfície da água. Concluída a desova o casal se separa.
	Dos ovos, nascem as larvas que se desenvolvem e transformam-se em girinos.
	Os girinos alimentam-se de ração em forma de farelo (pó).
	Os girinos crescem e iniciam o processo de metamorfose, que consiste nas mudanças na forma e fisiologia de seu corpo.
	Nessa fase, a cauda começa a diminuir de tamanho, as patas posteriores começam a se desenvolver externamente e quando já estão grandes, as patas anteriores, que se desenvolveram internamente, aparecem.
	Quando a cauda é totalmente absorvida, a rã já tem formato de um adulto, porém em tamanho bem menor.
	Após a metamorfose, as rãs se alimentam de ração granulada. Para acelerar o desenvolvimento, as rãs vão recebendo quantidades maiores de proteínas na ração, até atingirem o tamanho de abate.
Diferenças entre sapos,rãs e pererecas 	Os sapos apresentam a pele seca e rugosa, cuja cor geralmente é bem escura; vivem em ambientes secos e secretam substâncias tóxicas para sua defesa e por isso não são comestíveis.
	As rãs apresentam pele lisa, fina e úmida; não é encontrada em local de baixa umidade e não secretam substâncias tóxicas.
	As pererecas têm pele lisa e úmida e é encontrada em locais úmidos como as rãs, mas são bem menores e possuem disco de sucção nas terminações dos dedos, permitindo-lhes escalar qualquer superfície.  Disco de sucção
CARNE DE RÃ 	A carne de rã é indicada para pessoas debilitadas, por seu muito macia, de fácil digestibilidade e superior à de frango ou de peixe.
	A carne de rã destaca-se nutricionalmente por sua grande quantidade de proteínas de alto valor biológico e por seu baixo teor em gorduras e, por estas características, é indicada para dietas hipocalóricas, como as receitadas para problemas gastrointestinais, cardíacos e etc.
RANÁRIO MEB-RÃ Linha 184 Km 9 – lado Sul Proprietários: Marcus Vinícius Quintino & Salete Bergamin Quintino

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosMarília Gomes
 
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de PastangemAgroTalento
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leitegarciagotaeficiente
 
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelhoA cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelhoJairo Soares
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaRural Pecuária
 
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxAula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxJoilsonEcheverria
 
Aula 1 fermentação ruminal
Aula 1  fermentação ruminalAula 1  fermentação ruminal
Aula 1 fermentação ruminalGlaucia Moraes
 
Doença metabólica em ruminantes - TIMPANISMO
Doença metabólica em ruminantes - TIMPANISMODoença metabólica em ruminantes - TIMPANISMO
Doença metabólica em ruminantes - TIMPANISMOCamilla Lima
 
Cronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosCronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosKiller Max
 
Abc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosAbc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosLenildo Araujo
 
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidorAula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidorJeovaci Martins Da Rocha Júnior
 
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento ruralAula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento ruralCris Godoy
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaKiller Max
 

Mais procurados (20)

Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
 
7 instalações para bovinos de leite
7   instalações para bovinos de leite7   instalações para bovinos de leite
7 instalações para bovinos de leite
 
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelhoA cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Caprinos e Ovinos
Caprinos e OvinosCaprinos e Ovinos
Caprinos e Ovinos
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptxAula 1 - O que é forragicultura.pptx
Aula 1 - O que é forragicultura.pptx
 
Aula 1 fermentação ruminal
Aula 1  fermentação ruminalAula 1  fermentação ruminal
Aula 1 fermentação ruminal
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
 
Doença metabólica em ruminantes - TIMPANISMO
Doença metabólica em ruminantes - TIMPANISMODoença metabólica em ruminantes - TIMPANISMO
Doença metabólica em ruminantes - TIMPANISMO
 
Cronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de EquinosCronometria dentaria de Equinos
Cronometria dentaria de Equinos
 
Abc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosAbc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinos
 
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidorAula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Extensão rural
 
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento ruralAula politicas publicas e desenvolvimento rural
Aula politicas publicas e desenvolvimento rural
 
Racas bovinas
Racas bovinasRacas bovinas
Racas bovinas
 
Introdução a Equinocultura
Introdução a EquinoculturaIntrodução a Equinocultura
Introdução a Equinocultura
 

Destaque

Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e aves
Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e avesSistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e aves
Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e avesKamila Joyce
 
Projeto Ranapiscina Rãs em Piscina de lonas
Projeto Ranapiscina Rãs em Piscina de lonasProjeto Ranapiscina Rãs em Piscina de lonas
Projeto Ranapiscina Rãs em Piscina de lonasfabioladaiane
 
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oAula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oDaniel Jovana Joaquim
 
Power point dia_deficiente dezembro 2012
Power point dia_deficiente dezembro 2012Power point dia_deficiente dezembro 2012
Power point dia_deficiente dezembro 2012cinico
 
Desenvolvimento Embrionário de anfíbio
Desenvolvimento Embrionário de anfíbioDesenvolvimento Embrionário de anfíbio
Desenvolvimento Embrionário de anfíbioLinique Logan
 
Biologia da reprodução animal
Biologia da reprodução animalBiologia da reprodução animal
Biologia da reprodução animalbioalvarenga
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA Geagra UFG
 
Sistema Digestivo Nos Animais
Sistema Digestivo Nos AnimaisSistema Digestivo Nos Animais
Sistema Digestivo Nos AnimaisRosa Pereira
 
01 Sist Digestivo Tc 0809
01 Sist Digestivo Tc 080901 Sist Digestivo Tc 0809
01 Sist Digestivo Tc 0809Teresa Monteiro
 
Trabalho de mamiferos
Trabalho de mamiferosTrabalho de mamiferos
Trabalho de mamiferosDANY VIEIRA
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a PsicanálisePaulo Gomes
 

Destaque (20)

Ranicultura
RaniculturaRanicultura
Ranicultura
 
Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e aves
Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e avesSistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e aves
Sistema digestório Peixes, repteis, anfíbios e aves
 
Projeto Ranapiscina Rãs em Piscina de lonas
Projeto Ranapiscina Rãs em Piscina de lonasProjeto Ranapiscina Rãs em Piscina de lonas
Projeto Ranapiscina Rãs em Piscina de lonas
 
ANFIBIOS
ANFIBIOSANFIBIOS
ANFIBIOS
 
Afigranja
AfigranjaAfigranja
Afigranja
 
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3oAula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
Aula de-boas-prc3a1ticas-de-fabricac3a7c3a3o
 
Fases do sapo
Fases do sapoFases do sapo
Fases do sapo
 
Reotiles y Anfibios
Reotiles y AnfibiosReotiles y Anfibios
Reotiles y Anfibios
 
2011elephantes
2011elephantes2011elephantes
2011elephantes
 
Power point dia_deficiente dezembro 2012
Power point dia_deficiente dezembro 2012Power point dia_deficiente dezembro 2012
Power point dia_deficiente dezembro 2012
 
Desenvolvimento Embrionário de anfíbio
Desenvolvimento Embrionário de anfíbioDesenvolvimento Embrionário de anfíbio
Desenvolvimento Embrionário de anfíbio
 
Biologia da reprodução animal
Biologia da reprodução animalBiologia da reprodução animal
Biologia da reprodução animal
 
Aves
Aves Aves
Aves
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
Piscicultura
Piscicultura Piscicultura
Piscicultura
 
Forma Do Corpo
Forma Do CorpoForma Do Corpo
Forma Do Corpo
 
Sistema Digestivo Nos Animais
Sistema Digestivo Nos AnimaisSistema Digestivo Nos Animais
Sistema Digestivo Nos Animais
 
01 Sist Digestivo Tc 0809
01 Sist Digestivo Tc 080901 Sist Digestivo Tc 0809
01 Sist Digestivo Tc 0809
 
Trabalho de mamiferos
Trabalho de mamiferosTrabalho de mamiferos
Trabalho de mamiferos
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 

Semelhante a Ranário meb rã

Semelhante a Ranário meb rã (20)

Banco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animalBanco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animal
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Mamíferos e suas demais classificações
Mamíferos e suas demais classificaçõesMamíferos e suas demais classificações
Mamíferos e suas demais classificações
 
Minhocultura
MinhoculturaMinhocultura
Minhocultura
 
Trabalho Nutrição Flamingos ev 1ano
Trabalho Nutrição  Flamingos ev 1anoTrabalho Nutrição  Flamingos ev 1ano
Trabalho Nutrição Flamingos ev 1ano
 
TAMBAQUI.pptx
TAMBAQUI.pptxTAMBAQUI.pptx
TAMBAQUI.pptx
 
Estudo completo dos mamíferos e suas características
Estudo completo dos mamíferos e suas característicasEstudo completo dos mamíferos e suas características
Estudo completo dos mamíferos e suas características
 
Desenvolvimento embrionario dos mamiferos
Desenvolvimento embrionario dos mamiferosDesenvolvimento embrionario dos mamiferos
Desenvolvimento embrionario dos mamiferos
 
Reprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de PeixesReprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de Peixes
 
Tudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornasTudo sobre criação de codornas
Tudo sobre criação de codornas
 
PPs sobre Mamíferos- 6B
PPs sobre Mamíferos- 6BPPs sobre Mamíferos- 6B
PPs sobre Mamíferos- 6B
 
Bos taurus - Melhoramente Genetico
Bos taurus - Melhoramente GeneticoBos taurus - Melhoramente Genetico
Bos taurus - Melhoramente Genetico
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
 
Morcegos 2º D
Morcegos 2º DMorcegos 2º D
Morcegos 2º D
 
Especilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptxEspecilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptx
 
Mammalia
MammaliaMammalia
Mammalia
 
Criacaode peixes
Criacaode peixesCriacaode peixes
Criacaode peixes
 
Morcegos nuno 5 e
Morcegos nuno 5 eMorcegos nuno 5 e
Morcegos nuno 5 e
 
Mamíferos e aves 1o b
Mamíferos e aves 1o bMamíferos e aves 1o b
Mamíferos e aves 1o b
 
bovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.pptbovinos+de+leite+ppt.ppt
bovinos+de+leite+ppt.ppt
 

Mais de Daniela F Almenara (20)

Trabalho mandalas
Trabalho mandalasTrabalho mandalas
Trabalho mandalas
 
Aec 9º-ano-1º-bim
Aec 9º-ano-1º-bimAec 9º-ano-1º-bim
Aec 9º-ano-1º-bim
 
Atividade em classe 1º bim 6º ano
Atividade em classe 1º bim 6º anoAtividade em classe 1º bim 6º ano
Atividade em classe 1º bim 6º ano
 
Atividade extraclasse 1º ano
Atividade extraclasse 1º anoAtividade extraclasse 1º ano
Atividade extraclasse 1º ano
 
Mandalas
MandalasMandalas
Mandalas
 
Mandalas
MandalasMandalas
Mandalas
 
Pg
PgPg
Pg
 
Função horária das posições
Função horária das posiçõesFunção horária das posições
Função horária das posições
 
Atividade de reforço algarismos romanos
Atividade de reforço algarismos romanosAtividade de reforço algarismos romanos
Atividade de reforço algarismos romanos
 
Dilatação térmica
Dilatação térmicaDilatação térmica
Dilatação térmica
 
6º ano-avaliação-diagnótica-2016
6º ano-avaliação-diagnótica-20166º ano-avaliação-diagnótica-2016
6º ano-avaliação-diagnótica-2016
 
Avaliação de diagnóstica 8º ano
Avaliação de diagnóstica 8º ano Avaliação de diagnóstica 8º ano
Avaliação de diagnóstica 8º ano
 
As formas geométricas espaciais
As formas geométricas espaciaisAs formas geométricas espaciais
As formas geométricas espaciais
 
2º atv em classe 2º bim 2014
2º atv em classe  2º bim 20142º atv em classe  2º bim 2014
2º atv em classe 2º bim 2014
 
Álbum 7º C
Álbum 7º CÁlbum 7º C
Álbum 7º C
 
Álbum 7º B
Álbum  7º BÁlbum  7º B
Álbum 7º B
 
Álbum 7º A
Álbum 7º  AÁlbum 7º  A
Álbum 7º A
 
Dilatação térmica dos líquidos
Dilatação térmica dos líquidosDilatação térmica dos líquidos
Dilatação térmica dos líquidos
 
Atividade extraclasse 2º ano
Atividade extraclasse 2º anoAtividade extraclasse 2º ano
Atividade extraclasse 2º ano
 
Aula 1 temperatura
Aula 1   temperaturaAula 1   temperatura
Aula 1 temperatura
 

Último

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 

Último (20)

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 

Ranário meb rã

  • 1. RANÁRIO MEB-RÃ Linha 184 Km 9 – lado Sul Proprietários: Marcus Vinícius Quintino & Salete Bergamin Quintino
  • 2. Criação de Rãs A produção de rãs em cativeiro (ranicultura) é uma atividade relativamente nova. A cadeia produtiva compreende: a criação de rãs (ranários), a indústria de abate e processamento e a comercialização dos produtos oriundos da ranicultura. Ranário MEB-RÃ (Rolim de Moura)
  • 3. O sistema Anfigranja é o mais utilizado para a criação de rãs. As etapas da cadeia produtiva pode ser assim resumida: Inicia-se no ranário, onde se processam todas as fases do ciclo de vida das rãs: a desova, a fase de desenvolvimento do girino até a metamorfose e a recria (processo de engorda dos animais).
  • 4. Concluída a recria, as rãs são levadas para o abate nas indústrias de processamento especializadas (abatedouros). Processada e embalada, a carne é enviada para o mercado consumidor. 
  • 5. A rã mais utilizada na ranicultura é a rã touro (Lithobatescatesbeianus), assim chamada devido à semelhança entre o canto (coaxado) que o macho emite para atrair a fêmea e o berro de um touro.
  • 6. A rã touro apresenta dimorfismo sexual, caracterizado por algumas diferenças entre o macho e a fêmea. A região gular (papo) nos machos, apresenta coloração amarela bem acentuada, enquanto nas fêmeas é amarelo-esbranquiçado; a região timpânica (ouvido) do macho é até 3 vezes superior ao diâmetro do globo ocular e nas fêmeas é igual ao diâmetro ocular. Fêmea Macho
  • 7. O acasalamento das rãs ocorre na água; o macho abraça a fêmea pelo dorso. Esta libera os ovos que serão fecundados pelos espermatozóides do macho formando a desova.
  • 8. A desova é o conjunto de ovos que flutuam na superfície da água. Concluída a desova o casal se separa.
  • 9. Dos ovos, nascem as larvas que se desenvolvem e transformam-se em girinos.
  • 10. Os girinos alimentam-se de ração em forma de farelo (pó).
  • 11. Os girinos crescem e iniciam o processo de metamorfose, que consiste nas mudanças na forma e fisiologia de seu corpo.
  • 12. Nessa fase, a cauda começa a diminuir de tamanho, as patas posteriores começam a se desenvolver externamente e quando já estão grandes, as patas anteriores, que se desenvolveram internamente, aparecem.
  • 13. Quando a cauda é totalmente absorvida, a rã já tem formato de um adulto, porém em tamanho bem menor.
  • 14. Após a metamorfose, as rãs se alimentam de ração granulada. Para acelerar o desenvolvimento, as rãs vão recebendo quantidades maiores de proteínas na ração, até atingirem o tamanho de abate.
  • 15. Diferenças entre sapos,rãs e pererecas Os sapos apresentam a pele seca e rugosa, cuja cor geralmente é bem escura; vivem em ambientes secos e secretam substâncias tóxicas para sua defesa e por isso não são comestíveis.
  • 16. As rãs apresentam pele lisa, fina e úmida; não é encontrada em local de baixa umidade e não secretam substâncias tóxicas.
  • 17. As pererecas têm pele lisa e úmida e é encontrada em locais úmidos como as rãs, mas são bem menores e possuem disco de sucção nas terminações dos dedos, permitindo-lhes escalar qualquer superfície. Disco de sucção
  • 18. CARNE DE RÃ A carne de rã é indicada para pessoas debilitadas, por seu muito macia, de fácil digestibilidade e superior à de frango ou de peixe.
  • 19. A carne de rã destaca-se nutricionalmente por sua grande quantidade de proteínas de alto valor biológico e por seu baixo teor em gorduras e, por estas características, é indicada para dietas hipocalóricas, como as receitadas para problemas gastrointestinais, cardíacos e etc.
  • 20.
  • 21.
  • 22. RANÁRIO MEB-RÃ Linha 184 Km 9 – lado Sul Proprietários: Marcus Vinícius Quintino & Salete Bergamin Quintino