E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
1 A educação do homem começa no momento d...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
2 A educação do homem começa no momento d...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
3 A educação do homem começa no momento d...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
4 A educação do homem começa no momento d...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
5 A educação do homem começa no momento d...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
6 A educação do homem começa no momento d...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
7 A educação do homem começa no momento d...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
8 A educação do homem começa no momento d...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
9 A educação do homem começa no momento d...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
10 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
11 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
12 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
13 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
14 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
15 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
16 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
17 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
18 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
19 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
20 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
21 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
22 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
23 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
24 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
25 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
26 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
27 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
28 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
29 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
30 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
31 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
32 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
33 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
34 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
35 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
36 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
37 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
38 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
39 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
40 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
41 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
42 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
43 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
44 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
45 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
46 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
47 A educação do homem começa no momento ...
E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP
2014
48 A educação do homem começa no momento ...
[Digite o título do documento] [Ano]
49 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de ...
[Digite o título do documento] [Ano]
50 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de ...
[Digite o título do documento] [Ano]
51 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de ...
[Digite o título do documento]
52 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entend...
[Digite o título do documento]
53 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entend...
[Digite o título do documento]
54 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entend...
XIII-B – MAIS EDUCAÇÃO
JUDÔ
Prof. Jelton (Secretaria Municipal de Esportes)
HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO
TURMA I - 2ª feira -...
XIII-C – ATIVIDADES CURRICULARES DESPORTIVAS
XIV – NORMAS DE CONVIVÊNCIA ESCOLAR - DOCENTES
TURMAS DE TREINAMENTO
HORÁRIOS...
I - CONVÍVIO NO AMBIENTE ESCOLAR
1 – Garantir uma convivência harmoniosa e edificante entre todos desta Unidade Escolar, r...
2 – O professor é responsável pela disciplina da classe. Em casos de desacato ao docente e agressão física
entre alunos, o...
São deveres do aluno
 Participar com interesse e envolvimento das atividades pedagógicas em sala de aula ou em outros
amb...
seu rendimento escolar e no exercício dos direitos previstos nestas Normas Gerais de Conduta Escolar e
demais regulamentos...
 Emitir comentários ou insinuações de conotação sexual agressiva ou desrespeitosa, ou apresentar qualquer
conduta de natu...
convocado seu responsável para justificar os seguidos atrasos. Alunos do noturno em caráter excepcional
poderão entrar até...
XVI - AUTO AVALIAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR – 2013
Escola: E.E. “DR. WALDEMIRO NAFFAH”
Dimensão Característica
Avaliação
Atingida (A)
Parcialmente
Atingida (PA)
Não Atingida
(NA)
Evidências
Pedagógica Planejam...
Dimensão Característica
Avaliação
Atingida (A)
Parcialmente
Atingida (PA)
Não Atingida
(NA)
Evidências
Pedagógica Currícul...
Dimensão Característica
Avaliação
Atingida (A)
Parcialmente
Atingida (PA)
Não Atingida
(NA)
Evidências
Pedagógica Recursos...
Dimensão Característica
Avaliação
Atingida (A)
Parcialmente
Atingida (PA)
Não Atingida
(NA)
Evidências
Participativa Infor...
Dimensão Característica
Avaliação
Atingida (A)
Parcialmente
Atingida (PA)
Não Atingida
(NA)
Evidências
Participativa Prota...
Dimensão Característica
Avaliação
Atingida (A)
Parcialmente
Atingida (PA)
Não Atingida
(NA)
Evidências
Recursos
Humanos
As...
Dimensão Característica
Avaliação
Atingida (A)
Parcialmente
Atingida (PA)
Não Atingida
(NA)
Evidências
Recursos
Físicos e
...
Dimensão Característica
Avaliação
Atingida (A)
Parcialmente
Atingida (PA)
Não Atingida
(NA)
Evidências
Recursos
Físicos e
...
Não Atingida
(NA)
desempenho e
realiza pesquisas de
satisfação com a
comunidade escolar.
reuniões de pais e mestres, quand...
XVIII – PROGRAMAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICOS PREVISTAS
CRONOGRAMA DE ENTREGA DE DOCUMENTOS ESCOLARES E REUNIÕES - ANO 2014
ENT...
CRONOGRAMA DAS AVALIAÇÕES DISSERTATIVAS DIURNO
ENSINO
MÉDIO
ENSINO
FUNDAMENTAL
2º BIM
ENSINO
MÉDIO
ENSINO
FUNDAMENTAL
3º B...
PLANO DE TRABALHO PARA EVENTOS ESCOLARES
27/01 Gincana recreativa
22/02 Um dia na escola do meu filho
28/02 Carnaval
09/04...
ORGANIZAÇÃO DOS PROVÕES BIMESTRAIS – 2014
DIVISÃO DE QUESTÕES POR DISCIPLINA E ÁREA
ENSINO FUNDAMENTAL
DATA DE ENTREGA À C...
XIX - COMPARATIVO DE RESULTADOS DOS ULTIMOS QUATRO ANOS
93%
80%
88%
3,5%
13%
5%3,5% 7% 7%
0%
20%
40%
60%
80%
100%
EF EM GE...
XX - GRÁFICOS DO RESULTADO FINAL - 2013
XXI - INDICADORES DE AVALIAÇÕES EXTERNAS (IDESP e
IDEB)
IDESP – 2008
IDESP – 2009
IDESP – 2010
IDESP – 2011
IDESP – 2012
IDESP – 2013
PROVA BRASIL
IDEB DAS ESCOLAS DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os indicadores de avaliação são indispensáveis para a melho...
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah

1.495 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.495
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
44
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plano Gestão Dr Waldemiro Naffah

  1. 1. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 1 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  2. 2. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 2 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau ÍNDICE: ANEXOS PLANO GESTÃO PÁGINA I – CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR 02 II- PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 03 III – MATRIZ CURRICULAR 2014 – U.E. / CASA RIO PRETO 05 IV – CALENDÁRIO ESCOLAR 14 V - HORÁRIO ADMINISTRATIVO 17 VI - ESCALA DE FÉRIAS 18 VII – AULAS DE TRABALHO PEDAGÓGICO COLETIVO – ATPC 22 VIII COMPOSIÇÃO DO CONSELHO DE ESCOLA 25 IX – COMPOSIÇÃO DA APM 37 X – COMPOSIÇÃO DO GRÊMIO ESTUDANTIL 38 XI – QUADRO DO MÓDULO DOS FUNCIONÁRIOS DA ESCOLA 39 XII - DISPOSIÇÃO DAS CLASSES 40 XII-A – DISTRIBUIÇÃO DAS AULAS POR SÉRIE 41 XII-B – HORÁRIO DAS AULAS MANHÃ, TARDE E NOITE 43 XII-C – HORÁRIO DAS AULAS CASA RIO PRETO 46 XIII - PROJETOS 47 XIII-A – SAPES 48 XIII-B – MAIS EDUCAÇÃO 49 XIII-C – ATIVIDADES CURRICULARES DESPORTIVAS 50 XIV – NORMAS DE CONVIVÊNCIA ESCOLAR – DOCENTES 51 XIV-A – NORMAS DE CONVIVÊNCIA ESCOLAR – DISCENTES 53 XV – QUADRO INFORMATIVO DE ALUNOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS 57 XVI – AUTO AVALIAÇÃO DA ESCOLA 70 XVII – PROCESSO DE RECLASSICAÇÃO 79 XVIII – PROGRAMAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICOS PREVISTAS 82 XIX – COMPARATIVO DOS RESULTADOS DOS ULTIMOS QUATROS ANOS 86 XX – GRÁFICOS DO RESULTADO FINAL 2013 88 XXI – INDICADORES DE AVALIAÇÕES EXTERNAS (IDESP E IDEB) 90
  3. 3. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 3 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau I - CARACTERIZAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Nome: Escola Estadual “Dr.Waldemiro Naffah” Endereço: Rua Antonino da Rocha Marmo nº 3747 Vila União - São José do Rio Preto – SP – CEP 15043-120 Fone: (17) 3236-3392 Endereço eletrônico: e908150a@see.sp.gov.br wnaffah@gmail.com Coordenadoria de Ensino do Interior – CEI Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto – SP Dirigente de Ensino: Maria Silvia Zangrando Nakaoski Supervisora de Ensino: Márcia Rita Mesquita Ferraz Arruda Equipe Gestora:  Célia Regina Pedro de Souza – Diretor  Valcir Garcia Duarte – Vice diretor  Andréia Regina Gomes Filiagi– Vice diretor  Miriam Ester da Silva – PC Ensino Fundamental  Maiza Indiara Batista Alves – PC Ensino Médio  Cleber dos Santos Eiras – Gerente Escolar Modalidades de atendimento: Ensino Fundamental - Ciclo II e Ensino Médio Serviço de Apoio Pedagógico Especializado (Sala de Recurso para Deficiente Intelectual e Auditivo) U.E. Vinculadora da Casa – São José do Rio Preto Horário de funcionamento – Atendimento ao público Secretaria: 2ª a 6ª feira: das 7h às 21h Período Matutino 7h às 12h20min Recreio 9h30min às 9h50min Período Vespertino 13h às 18h20min Recreio 15h30min às 15h50min Período Noturno 19h às 23h Recreio 21h15min às 21h30min
  4. 4. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 4 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau II - PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E. E. DR. WALDEMIRO NAFFAH – 2014 “Povos livres, lembrai-vos desta máxima: A liberdade pode ser conquistada, mas nunca recuperada.” Jean Jacques Rousseau Justificativa A partir de informações sobre o desempenho da escola, com base nos resultados obtidos e apresentados nos vários setores de atuação da unidade, constatou-se que a E. E. Dr. Waldemiro Naffah objetiva, constantemente, ser eficaz, todavia, buscando fazê-la com a maior eficiência possível. É evidente a constante preocupação em realizar um trabalho de qualidade e não somente estancado nos índices que comprovam os avanços da escola no tocante à aprendizagem dos alunos, como também no envolvimento de cada funcionário, sua responsabilidade pelo trabalho desenvolvido, na vontade de aperfeiçoar, sempre no bom relacionamento da equipe escolar, na satisfação dos pais e alunos que, muitas vezes, é demonstrada através do contato direto e também informal, no bom relacionamento entre comunidade e escola, que procura na instituição apoio para uma vida melhor. Enfim, a nossa intenção de superar sempre é que faz com que fiquemos unidos, coesos, buscando a aprendizagem de qualidade. A organização do trabalho, no cotidiano institucional, baseia-se em diferentes competências e responsabilidades entre os profissionais, sejam gestores, educadores, servidores e demais profissionais envolvidos. A atuação docente baseia-se no trabalho vinculado a diferentes instâncias de organização da U.E.. A referência fundamental está na articulação com a Proposta Curricular da Secretaria Estadual de Educação e como esta é traduzida no âmbito da instituição através do Plano Político Pedagógico. A equipe escolar possui uma experiência considerável em relação ao tempo de serviço prestado à docência, porém, com algumas dificuldades em motivar a aprendizagem, considerando à realidade do aluno, no entanto, esses profissionais mostram-se abertos às novas formas de trabalhar, predispostos à formação continuada para aprimoramento da prática docente, priorizando sempre um trabalho de qualidade. Nossos alunos são jovens, portanto caracterizam-se por vivenciar momentos de profundas mudanças físicas e emocionais, assumindo papéis e modelos sociais para os quais, muitas vezes, ainda não estão preparados. Seus relacionamentos interpessoais, afetivos e de trabalho, assim como o exercício da sexualidade que exigem definições e atitudes que refletem valores familiares, conflitos e contradições que se superdimensionam durante essa fase da vida. São indivíduos em formação no seu sentido social, biológico, físico e mental, que se integram às relações de uma sociedade já estabelecida, assimilando valores éticos, morais e culturais e, ao mesmo tempo, vivendo transformações pessoais profundas. Estes jovens cidadãos, pertencem a um mundo onde as intensas mudanças tecnológicas constroem novas linguagens, com domínio de códigos, sinais e gírias, criando expressões próprias de seus interesses coletivos e individuais. Missão: Transformar a escola num lugar privilegiado para o desenvolvimento do pensamento autônomo, tão necessário ao exercício da cidadania; aprender a ser livre, respeitando as diferenças e as regras de convivência; colocando-se a serviço da construção da identidade, da autonomia e da liberdade.
  5. 5. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 5 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau Quanto à família, percebe-se a dificuldade em acompanhar a vida escolar dos filhos e até mesmo em orientá-los, cabendo à escola dar atendimento integral aos mesmos. Os jovens já trazem conceitos pré-elaborados a partir das relações que estabelecem em seu meio extra-escolar, os quais não podem ser ignorados pela escola. Os que nos leva a usar esses saberes como ponto de partida e provocar o diálogo constante desses conhecimentos com as diversas áreas da aprendizagem, garantindo a apropriação de conteúdos suficientes para poder intervir no mundo. Conhecer e agir sobre esta realidade também nos transforma e modifica qualitativamente as relações que estabelecemos com o outro e com a natureza de que fazemos parte, o que nos garante uma vida mais humana e feliz. A Proposta Pedagógica da E. E. Dr. Waldemiro Naffah tem como princípios legais a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB 9.394/96, a Constituição Brasileira, o Estatuto da Criança e do Adolescente, o disposto na Proposta Curricular do Estado de São Paulo e a Resolução CNE/CEB Nº 04/2010. Visa propiciar aos alunos, por meio da educação, o acesso à leitura e à escrita, como uma das principais formas de inclusão social, cultural e política e de construção da democracia. Tal concepção, no entanto, é produto de um longo processo que transforma o desenvolvimento potencial de hoje em desenvolvimento efetivo amanhã. A preocupação coletiva é melhorar o desempenho de nossos alunos, oferecer-lhes ensino de qualidade, apesar de possuir, ainda, muitas características do ensino tradicional. Nossos professores reconhecem que esse modelo educacional não atende mais às necessidades do mundo atual e, se empenham em aperfeiçoar suas práticas pedagógicas, através de conhecimentos teóricos mais amplos, discussões e reflexões sobre novas metodologias. Sendo assim, nós, educadores, procuraremos os melhores meios de trabalhar os conteúdos disciplinares, tornando-os transmissíveis, significativos e assimiláveis, e para tanto, há que se investir muito na formação e aprimoramento dos nossos profissionais da Educação. Propiciar condições de desenvolvimento da atitude inquisitiva e de auto-determinação, se caracteriza como um desafio para a equipe escolar, que deverá ter disposição e empenho na problematização de suas práticas, das concepções existentes e, na construção de conhecimentos significativos sobre elas. São objetivos de um aprendizado significativo aprender a questionar, argumentar, trabalhar em grupo, pesquisar e encontrar um significado no que se está aprendendo, relacionando assuntos já vistos e transferindo-os para novas situações. O desenvolvimento de projetos inter e transdisciplinares, a princípio serão realizados bimestralmente, através das diferentes áreas do conhecimento e por todos os envolvidos no processo de formação do indivíduo. A avaliação do processo ensino aprendizagem será norteada pela análise do conhecimento e das técnicas específicas adquiridas pelo aluno, valorizando os aspectos formativos, através da observação do desempenho escolar do aluno, de sua participação nas atividades pedagógicas, de suas atitudes, de sua freqüência às aulas e responsabilidades assumidas em cumprimento ao seu papel de educando. A consciência de que é preciso aperfeiçoar sempre, comparar o que somos com o que queremos ser, propiciar novas alternativas de trabalho, com apoio material, conceitual e institucional, será a mola propulsora do trabalho desenvolvido por nossa equipe na unidade escolar, respeitando a diversidade de experiências dos profissionais envolvidos, propiciando oportunidades para que todos possam contribuir para a construção de valores compartilhados, definindo um norte da ação educativa, dando sentido às ações da escola.
  6. 6. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 6 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  7. 7. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 7 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  8. 8. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 8 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  9. 9. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 9 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  10. 10. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 10 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  11. 11. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 11 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  12. 12. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 12 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  13. 13. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 13 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  14. 14. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 14 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  15. 15. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 15 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  16. 16. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 16 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  17. 17. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 17 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  18. 18. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 18 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  19. 19. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 19 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  20. 20. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 20 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  21. 21. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 21 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  22. 22. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 22 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  23. 23. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 23 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  24. 24. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 24 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  25. 25. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 25 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau VII - AULAS DE TRABALHO PEDAGÓGICO COLETIVO (ATPC) Nº PROFESSOR DISCIPLINA NºDe HTPC 3ª-FEIRA TARDE 4ª-FEIRA MANHÃ HORÁRIO ESTABELECIDO 1 Adélia da Silva Ronqui Matemática 3 X 9h30 às 12h00
  26. 26. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 26 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau 2 Adriana do Nascimento Ciências 1 X 9h30 às 10h20 3 Aldemara Aparecida Pagani Gonçalves Português 3 X 13h30 às 16h00 4 Amélia do Vale Ribeiro Schlegel Biblioteca 3 X 9h30 às 12h00 5 Ana Maria Lombardi PEC (FC) 3 X 13h00 às 16h00 6 Ana Maris Trivizan Fares Ed. Física 1 X 13h30 às 14h40 7 Anália de S.G. da Silva Sala de Recurso 1 X 13h30 às 14h40 8 Antonia Maria Alonso Gerez da Silva (1) Biblioteca 3 X 9h30 às 12h00 9 Antonia Maria Alonso Gerez da Silva (2) Biblioteca 2 X 13h30 às 15h10 10 Bianca Fortunato Trofino Biologia 2 X 13h30 às 15h10 11 Celso Pereira Dias (1) Química 3 X 13h30 às 16h00 12 Celso Pereira Dias (2) Física 2 X 9h30 às 11h10 13 Cláudia Letícia Silva Vieira Matemática/Física 3 X 13h30 às 16h00 14 Cleusa Helena dos Santos Adami Arte 2 X 9h30 às 11h10 15 Cristiane Aline Teodoro Ferraz Arte 2 X 13h30 às 15h10 16 Débora Fabiana Costa Prof. Auxiliar 2 X 9h30 às 11h10 17 Deguimar Bernardes de Paula Buzutti Biblioteca 3 X 13h30 às 16h00 18 Dolário Correa Cesar Filho Ed. Fís. (FC) 2 X 9h30 às 11h10 19 Doralice Doimo Ribeiro Biblioteca 2 X 13h30 às 15h10 20 Eliana Rodrigues Santana História 3 X 9h30 às 12h00 21 Elton Ferreira da Silva Dumas Matemática (FC) 2 X 9h30 às 11h10 22 Eliani M. Rocha Física 1 X 13h30 às 14h20 23 Fábio L.R. Figueira Filosofia 3 X 13h30 às 16h00 24 Fatima Luzia Shumaher Frutuoso Ed. Física 3 X 13h30 às 16h00 24 Flávio Luis Almeida Polo Inglês 3 X 13h30 às 16h00 26 Francizete Vieira Cavalcante Moura PEB I (FC) 2 X 9h30 às 11h10 27 Geisa Mara Pereira da Silva Geografia 3 X 9h30 às 12h00 28 Geralda de Fátima Matozo Geografia 3 X 9h30 às 12h00 29 Geraldo Cardoso Junior Matemática 3 X 9h30 às 12h00 30 Guiomar Avero Pereira Biblioteca 3 X 9h30 às 12h00 31 Hélio Carvalho dos Santos História (FC) 3 X 13h30 às 16h00 32 Helena Rita de Oliveira e Oliveira Ciências 1 X 9h30 às 10h20 33 Jailson Benedito dos Santos Ciência/Biologia(FC) 3 X 13h30 às 16h00 34 Janete Federico Portugues 3 X 13h30 às 16h00 35 José Soares da Costa Junior Ed. Física 2 X 9h30 às 11h10
  27. 27. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 27 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau 36 Ladislei de L. S. Nascimento S.R. (DI) 2 X 9h30 às 11h10 37 Luana Carolina Pagani Artes 2 X 13h30 às 15h10 38 Luciane Cristina Motta Vicente Biologia 3 X 13h30 às 16h00 39 Maitée Nogueira Sóc./Filo 2 X 13h30 às 15h10 40 Mara Andréa Alves Pereira Matemática 3 X 13h30 às 16h00 41 Márcia Regina Oliveira de Brito (1) S.R. (DA) 2 X 13h30 às 15h10 42 Márcia Regina Oliveira de Brito (2) S. R. (DI) 2 X 9h30 às 11h10 43 Marcimeire de Campos Profa. Mediadora 3 X 9h30 às 12h00 44 Marco Antonio Ferro Matemática 2 X 9h30 às 11h10 45 Maria Cristina Marques Guimarães (1) Português 3 X 9h30 às 12h00 46 Maria Cristina Marques Guimarães (2) Português 2 X 13h30 às 14h20 47 Maria das Graças Silva Araujo Geografia 3 X 9h30 às 12h00 48 Maria de Lourdes Artuzi Souza S.R. 2 X 13h30 às 14h20 49 Maria Glaiúma Milfont Sobreira Biblioteca 3 13h30 às 16h00 50 Marlene Affonso Rocha Port/Inglês(FC) 3 X 9h30 às 12h00 51 Neuraci Alves Rocha Matemática 2 X 9h30 às 11h10 52 Neuzeli Victorino Geografia (FC) 3 X 9h30 às 12h00 53 Odila Alves do Carmo Matemática 3 X 9h30 às 12h00 54 Osmarina Martins Celoto PEC (FC) 3 X 13h00 às 16h00 55 Raquel Messias Miranda da Costa S.R. (DI) 2 X 13h30 às 14h20 56 Rita de Cássia do Nascimento dos Santos PEC (FC) 3 X 13h00 às 16h00 57 Rogério Ademar de Lima História 3 X 13h30 às 16h00 58 Rosangela Aparecida Guimaraes Gomes Ed. Fisica 3 X 9h30 às 12h00 59 Rosangela Sueli Poloni Sant’Anna Matemática 2 X 9h30 às 11h10 60 Silvano José da Silva Química(FC) 1 X 9h30 às 10h20 61 Sonia Aparecida Ramos de Oliveira Sala de Leitura 3 X 9h30 às 12h00 62 Sueli da Silva Tremura Ciências 3 X 13h30 às 16h00 63 Valdira Maria Rampasso Dauricio Português (FC) 3 X 9h30 às 12h00 64 Vanessa Cesario Matematica 1 X 13h30 às 14h20 65 Wilma Euza de Souza Ito Português 3 X 9h30 às 12h00 66 Yeda Mara Rodrigues Tozze Inglês/Português 3 X 9h30 às 12h00
  28. 28. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 28 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau QUANTIDADE DE ATPC POR JORNADA JORNADA Nº DE AULAS Nº DE ATPC Nº DE ATPL Reduzida 9 2 3 Inicial 19 2 7 Básica 24 2 10 Integral 32 3 13
  29. 29. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 29 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  30. 30. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 30 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  31. 31. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 31 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  32. 32. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 32 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  33. 33. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 33 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  34. 34. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 34 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  35. 35. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 35 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  36. 36. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 36 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  37. 37. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 37 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  38. 38. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 38 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  39. 39. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 39 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  40. 40. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 40 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  41. 41. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 41 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  42. 42. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 42 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau
  43. 43. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 43 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau X - COMPONENTES DO GRÊMIO ESTUDANTIL 2013 CARGOS/FUNÇÕES NOME DO ALUNO RG/RA Presidente João Vitor Esteves dos Santos 102.547.747-5 Vice-Presidente Robert Vinicius Pereira Botelho 100.955.970-9 Primeiro Secretário Guilherme Henrique Xavier de Souza 49.858.472-2 Segundo Secretário Ana Carolina Batista 103.677.329-2 Primeiro Tesoureiro Matheus Rosa Martins 101.207.638-6 Segundo Tesoureiro Hilary Thauany Toledo Barreto 102.111.885-0 Orador Gabriela Fernanda Florentino Pinto 101.343.904-8 Diretor Social Joyciely Oliveira Cardoso 111.665.817-3 Diretor de Imprensa Vinicius Dias Lopes 49.182.146-4 Diretor de Esportes Luis Henrique B. Ferreira 101.511.398-9 Diretor Cultural Isabela Lauren Lima Conejo 37.094.262-0 Primeiro Suplente Guilherme Hissashi Miyamoto 49.916.943 Segundo Suplente Deivid Junior Pereira 101.359.819-2 Agente de Assessoria Politica Wagner V. da Silva Vito 101.278.647-2
  44. 44. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 44 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau XI – QUADRO DO MÓDULO DOS FUNCIONÁRIOS DA ESCOLA  Aline Graziele Martins  Cláudia Mayra Martin  Cleusa Pereira do Nascimento  Elena Terezinha S. Castro (afastada DSD)  Jane Cláudia de Souza  Josiane Batista de Luna  Leila Nunes Gonzales  Lúcia Aparecida Moreira Aléssio  Milene Izabel Pezarini Jiacon  Nanci Coelho de Melo Franco  Odilia José dos Santos  Sonia Aparecida Iori  Zenaide Popin Hora Quadro de Agente de Serviços Escolares: Alda Nunes Gonzales Doracy Fernandes Leite Maria Aparecida Sampaio Medeiros Marinez Torres Marta Helena Pasoelo Zanetti Quadro de Merendeiras:  Carina Pereira Esteves  Claudineia Castro  Maria das Graças Souza Crestani  Marinilda da Silva Ribeiro Professora Mediadora  Marcimeire de Campos Professores Readaptados:  Amélia do Vale Ribeiro Schlegel  Antonia Maria Alonso Gerez da Silva  Deguimar Bernardes de Paula Buzutti  Doralice Doimo Ribeiro  Guiomar Avero Pereira  Maria Glaiúma Milfont Sobreira
  45. 45. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 45 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau Estagiários Acessa Escola  Michael Douglas da Silva  Iara dos Santos  Vinicius Santos Souza XII - DISPOSIÇÃO DAS CLASSES EM 2014 Sala Manhã Tarde Noite 01 8 A – Espanha 5 A – Pelé - 02 8 B – Holanda 5 B – Garrincha 1 D – Àfrica 03 8 C – Alemanha 5 C – Sócrates 1 E – Oceania 04 Sala de Recurso DA-A Sala de Recurso DI-B - 05 8 D – Uruguai 6 A – Brasil - 06 - 6 B – Itália - 07 LAB. DE MATEMÁTICA LAB. DE MATEMÁTICA - 08 1 A - América 6C – Argentina 2 C – Romário 09 1 B – Europa 6 D - Inglaterra 2 D – Ronaldo 10 1 C – Ásia 7 A – Chile 2 E – Rivaldo 11 2 A – Zidane 7 B – Estados Unidos 3 D – Footix 12 2 B – Messi 7 C – México 3 C – Goleo 13 3 A - Fuleco 7 D - França 3 B - Zakumi 20 Sala de Recurso DI-A Sala de Recurso DI-C - Horário De Aulas Período Manhã Período Tarde Período Noturno 1ª Aula 07h às 07:50 13h às 13:50 19h às 19:45 2ª Aula 07:50 às 08:40 13:50 às 14:40 19:45 às 20:30 3ª Aula 08:40 às 09:30 14:40 às 15:30 20:30 às 21:15 Intervalo 09:30 às 09:50 15:30 às 15:50 21:15 às 21:30 4ª Aula 09:50 às 10:40 15:50 às 16:40 21:30 às 22:15 5ª Aula 10:40 às 11:30 16:40 às 17:30 22:15 às 23h
  46. 46. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 46 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau XII-A – DISTRIBUIÇÃO DAS AULAS POR SÉRIE ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA 5ª/6º – PELÉ 5ª/6° – GARRINCHA 5ª/6° – SÓCRATES PORTUGUÊS IZABEL ALDEMARA ALDEMARA INGLÊS YEDA YEDA YEDA ARTE C.HELENA C.HELENA C.HELENA ED. FÍSICA ANA MARIS ANA MARIS FÁBIO HISTÓRIA GRAÇA ELIANA ELIANA GEOGRAFIA GEISA GRAÇA GRAÇA MATEMÁTICA ODILA ODILA ADÉLIA CIÊNCIAS ADRIANA ADRIANA ODILA DISCIPLINA 6ª/7º - BRASIL 6ª/7º -ITÁLIA 6ª/ 7º– ARGENTINA 6ª/7º – INGLATERRA PORTUGUÊS M.CRISTINA M.CRISTINA M.CRISTINA M.CRISTINA INGLÊS YEDA YEDA YEDA YEDA ARTE C.HELENA C.HELENA LUANA LUANA ED. FÍSICA ANA MARIS ANA MARIS FAFÚ FAFÚ HISTÓRIA ELIANA ELIANA ELIANA ELIANA GEOGRAFIA GERALDA GERALDA GERALDA GERALDA MATEMÁTICA MARCO MARCO MARCO MARCO CIÊNCIAS CELSO ADRIANA ROSÂNGELA ROSÂNGELA DISCIPLINA 7ª – CHILE 7ª - ESTADOS UNIDOS 7ª – MÉXICO 7ª - FRANÇA PORTUGUÊS WILMA WILMA WILMA WILMA INGLÊS YEDA YEDA YEDA YEDA ARTE LUANA LUANA LUANA LUANA ED. FÍSICA FÁBIO FÁBIO FAFÚ FAFÚ HISTÓRIA GRAÇA GRAÇA GRAÇA GRAÇA GEOGRAFIA GEISA GEISA GEISA GEISA MATEMÁTICA MARA ADÉLIA ADÉLIA ADÉLIA CIÊNCIAS SUELI SUELI SUELI SUELI DISCIPLINA 8ª - ESPANHA 8ª - HOLANDA 8ª - ALEMANHA 8ª URUGUAI PORTUGUÊS JANETE JANETE JANETE JANETE
  47. 47. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 47 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau INGLÊS YEDA FERNANDA FLÁVIO FLÁVO ARTE CRISTIANE CRISTIANE CRISTIANE CRISTIANE ED. FÍSICA FÁBIO FAFU FAFU ROGÉRIO HISTÓRIA ELIANA ELIANA ROGÉRIO ADEMAR ROGÉRIO ADEMAR GEOGRAFIA GERALDA GERALDA GERALDA GERALDA MATEMÁTICA MARA GERALDO ODILA GERALDO CIÊNCIAS SUELI SUELI SUELI SUELI ENSINO MÉDIO DISCIPLINA 1º AMÉRICA 1º - EUROPA 1º - ÁSIA 1º - ÁFRICA 1º - OCEANIA PORTUGUÊS M.CRISTINA M.CRISTINA ALDEMARA M.CRISTINA M.CRISTINA INGLÊS FLÁVIO FLÁVIO FLÁVIO FLÁVIO FLÁVIO ARTE CRISTIANE CRISTIANE CRISTIANE C.HELENA C.HELENA ED. FÍSICA FÁBIO FAFU FAFU HISTÓRIA ROGÉRIO ADEMAR ROGÉRIO ADEMAR ROGÉRIO ADEMAR GRAÇA GRAÇA GEOGRAFIA GEISA GEISA GEISA RAFAEL RAFAEL MATEMÁTICA ODILA ODILA MARA ADÉLIA ADÉLIA BIOLOGIA BIANCA BIANCA BIANCA LUCIANE LUCIANE FÍSICA CELSO CELSO CELSO ELIANI ELIANI FILOSOFIA FÁBIO LUIS MAITE MAITE FÁBIO LUIS FÁBIO LUIS SOCIOLOGIA MAITE MAITE MAITE FÁBIO LUIS FÁBIO LUIS QUIMICA CELSO CELSO CELSO CELSO CELSO DISCIPLINA 2º ZIDANE 2º MESSI 2º ROMÁRIO 2º RONALDO 2º- RIVALDO PORTUGUÊS ALDEMARA ALDEMARA YEDA YEDA WILMA INGLÊS FLÁVIO FLÁVIO FLÁVIO FLÁVIO FLÁVIO ARTE CRISTIANE CRISTIANE C.HELENA C.HELENA C.HELENA ED. FÍSICA FÁBIO FAFU HISTÓRIA ROGÉRIO ADEMAR ROGÉRIO ADEMAR ROGÉRIO ADEMAR ROGÉRIO ADEMAR ROGÉRIO ADEMAR GEOGRAFIA GEISA GEISA RAFAEL RAFAEL RAFAEL MATEMÁTICA MARA MARA ROSÂNGELA GERALDO GERALDO BIOLOGIA BIANCA BIANCA LUCIANE LUCIANE LUCIANE FISICA CELSO CELSO CELSO NEURACI NEURACI FILOSOFIA FÁBIO LUIS FÁBIO LUIS FÁBIO LUIS FÁBIO LUIS FÁBIO LUIS SOCIOLOGIA MAITE MAITE MAITE MAITE MAITE QUIMICA CELSO CELSO CELSO CELSO CELSO DISCIPLINA 3º FULECO 3º ZAKUMI 3º GOLEO 3º FOOTIX PORTUGUÊS ALDEMARA WILMA JANETE JANETE INGLÊS FLÁVIO FLÁVIO FLÁVIO FLÁVIO ARTE CRISTIANE C.HELENA C.HELENA C.HELENA ED. FÍSICA FAFU HISTÓRIA ROGÉRIO ADEMAR ROGÉRIO ADEMAR ROGÉRIO ADEMAR ROGÉRIO ADEMAR
  48. 48. E.E. Dr. Waldemiro Naffah – Diretoria de Ensino de São José do Rio Preto/SP 2014 48 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau GEOGRAFIA GEISA ANA VIRGÍNIA (LÉIA) ANA VIRGÍNIA (LÉIA) SAMIRA (LÉIA) MATEMÁTICA MARA GERALDO GERALDO GERALDO BIOLOGIA BIANCA ELISABETH ELISABETH BIANCA FÍSICA CELSO CELSO CELSO CELSO FILOSOFIA FÁBIO LUIS FÁBIO LUIS FÁBIO LUIS FÁBIO LUIS SOCIOLOGIA MAITE FÁBIO LUIS FÁBIO LUIS FÁBIO LUIS QUIMICA CELSO CELSO CELSO CELSO
  49. 49. [Digite o título do documento] [Ano] 49 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau XII-B – HORÁRIO DAS AULAS U.E. HORÁRIO DE AULAS 2014 - MANHÃ HORÁRIO DAS AULAS 8ª ESPANHA SALA 01 8ª HOLANDA SALA 02 8ª ALEMANHA SALA 03 8ª URUGUAI SALA 05 1º AMÉRICA SALA 08 1º EUROPA SALA 09 1º ÁSIA SALA 10 2º ZIDANE SALA 11 2º MESSI SALA 12 3º FULECO SALA 13 SEGUNDA 7h00 às 7h50 JANETE GERALDO FAFU ROGÉRIO MIRIAM FLÁVIO CELSO MARA ALDEMARA BIANCA 7h50 às 8h40 MIRIAM JANETE FAFU GERALDO FLÁVIO CELSO ALDEMARA MARA BIANCA ROGÉRIO 8h40 às 9h30 MARA JANETE FLÁVIO GERALDO CELSO FAFU ALDEMARA BIANCA ROGÉRIO MIRIAM 9h50 às 10h40 MARA ELIANA ROGÉRIO JANETE MIRIAM CELSO FAFU BIANCA FLÁVIO ALDEMARA 10h40 às 11h30 ELIANA MIRIAM ROGÉRIO JANETE CRIS GEISA BIANCA ALDEMARA MARA FAFU 11h30 às 12h20 ELIANA FAFU JANETE MIRIAM GEISA CRIS BIANCA ALDEMARA CELSO MARA TERÇA 7h00 às 7h50 JANETE GERALDO MIRIAM GERALDA CELSO ODILA FLÁVIO MARA ROGÉRIO MAITEE 7h50 às 8h40 JANETE GERALDO MIRIAM GERALDA ODILA ROGÉRIO FLÁVIO MARA MAITEE CELSO 8h40 às 9h30 MARA JANETE ODILA GERALDO ROGÉRIO FLÁVIO GEISA MIRIAM BIANCA CELSO 9h50 às 10h40 SUELI GERALDA JANETE ROGÉRIO GEISA CRIS MAITEE MIRIAM FLÁVIO MARA 10h40 às 11h30 ELIANA GERALDA JANETE SUELI CRIS BIANCA MAITEE GEISA MARA FLÁVIO 11h30 às 12h20 GERALDA ELIANA SUELI JANETE CRIS BIANCA MARA GEISA MIRIAM FLÁVIO QUARTA 7h00 às 7h50 SUELI JANETE ODILA FLÁVIO CELSO MIRIAM MAITEE ROGÉRIO MARA ALDEMARA 7h50 às 8h40 MIRIAM JANETE ODILA SUELI FLÁVIO CRIS CELSO MAITEE MARA ROGÉRIO 8h40 às 9h30 GERALDA GERALDO FLÁVIO ROGÉRIO ODILA CRIS MARA ALDEMARA CELSO MAITEE 9h50 às 10h40 JANETE GERALDO SUELI FLÁVIO ROGÉRIO MAITEE MARA ALDEMARA MIRIAM BIANCA 10h40 às 11h30 JANETE LOSENI SUELI GERALDO BIANCA MAITEE MIRIAM FLÁVIO ALDEMARA MARA 11h30 às 12h20 MARA LOSENI JANETE GERALDO BIANCA MAITEE CELSO FLÁVIO ALDEMARA MIRIAM QUINTA 7h00 às 7h50 MARA GERALDA JANETE ROGÉRIO (EF) MAITEE ODILA ROGÉRIO FÁBIO CELSO ALDEMARA 7h50 às 8h40 SUELI GERALDA JANETE ROGÉRIO (EF) ODILA ROGÉRIO MIRIAM CELSO MAITEE ALDEMARA 8h40 às 9h30 JANETE SUELI GERALDA MIRIAM ODILA CELSO MAITEE ROGÉRIO MARA FÁBIO 9h50 às 10h40 GERALDA SUELI ODILA JANETE MAITEE MIRIAM GEISA CELSO ALDEMARA FÁBIO 10h40 às 11h30 YEDA MIRIAM GERALDA SUELI FÁBIO MAITEE ROGÉRIO ALDEMARA GEISA CELSO 11h30 às 12h20 YEDA JANETE SUELI GERALDA FÁBIO ODILA ALDEMARA MAITEE CELSO GEISA SEXTA 7h00 às 7h50 SUELI GERALDO ROGÉRIO GERALDA FÁBIO (EF) ODILA ALDEMARA CELSO FAFU MARA 7h50 às 8h40 GERALDA SUELI ROGÉRIO GERALDO FABIO (EF) ODILA ALDEMARA CELSO FAFU MARA 8h40 às 9h30 MARA SUELI GERALDA ROGÉRIO ODILA FAFU CELSO FÁBIO (EF) ALDEMARA GEISA 9h50 às 10h40 FÁBIO ELIANA GERALDA SUELI CELSO CRIS FAFU MARA FÁBIO ALDEMARA 10h40 às 11h30 ELIANA FAFU ODILA JANETE CRIS GEISA MARA FÁBIO (EF) FÁBIO CELSO 11h30 às 12h20 FÁBIO (EF) ELIANA ODILA JANETE CRIS CELSO MARA FÁBIO GEISA FAFU
  50. 50. [Digite o título do documento] [Ano] 50 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau HORÁRIO DE AULAS 2014 - TARDE HORÁRIO DAS AULAS 5ª PELÉ SALA 01 5ª GARRINCHA SALA 02 5ª SÓCRATES SALA 03 6ª BRASIL SALA 05 6ª ITÁLIA SALA 06 6ª ARGENTINA SALA 08 6ª INGLATERRA SALA 09 7ª CHILE SALA 10 7ª ESTADOS UNIDOS SALA 11 7ª MÉXICO SALA 12 7ª FRANÇA SALA 13 SEGUNDA 13h00 às 13h50 GRAÇA ELIANA ADÉLIA ANA MARIS CLEUSA H CRIS FAFU WILMA MIRIAM SUELI GEISA 13h50 às 14h40 GEISA ELIANA ADÉLIA CRIS CLEUSA H YEDA FAFU MARA MIRIAM SUELI GRAÇA 14h40 às 15h30 GEISA ANA MARIS GRAÇA CRIS GERALDA HELENA YEDA MARA SUELI FAFU WILMA 15h50 às 16h40 ANA MARIS ALDEMARA ELIANA GERALDA YEDA HELENA CRIS GRAÇA WILMA MIRIAM ADÉLIA 16h40 às 17h30 ODILA ALDEMARA GRAÇA CELSO CRIS GERALDA HELENA SUELI WILMA YEDA ADÉLIA 17h30 às 18h20 YEDA ODILA ALDEMARA CELSO CRIS GERALDA HELENA SUELI GRAÇA ADÉLIA WILMA TERÇA 13h00 às 13h50 LOSENI YEDA ODILA GERALDA MARCO HELENA ELIANA WILMA ADÉLIA GEISA GRAÇA 13h50 às 14h40 LOSENI GRAÇA ODILA GERALDA MARCO HELENA ELIANA YEDA ADÉLIA GEISA WILMA 14h40 às 15h30 ANA MARIS ODILA ADÉLIA MARCO ELIANA GERALDA HELENA YEDA GRAÇA WILMA GEISA 15h50 às 16h40 GRAÇA ODILA ELIANA MARCO ANA MARIS CRIS YEDA GEISA FÁBIO (EF) ADÉLIA WILMA 16h40 às 17h30 ODILA ELIANA FÁBIO (EF) CRIS GERALDA MARCO HELENA GRAÇA WILMA YEDA ADÉLIA 17h30 às 18h20 ODILA GRAÇA FÁBIO (EF) ELIANA YEDA MARCO CRIS GEISA WILMA SUELI ADÉLIA QUARTA 13h00 às 13h50 LOSENI ELIANA GRAÇA MARCO ANA MARIS CRIS GERALDA MARA YEDA WILMA SUELI 13h50 às 14h40 LOSENI YEDA ADÉLIA MARCO ELIANA CRIS GERALDA MARA GEISA WILMA SUELI 14h40 às 15h30 YEDA ANA MARIS ALDEMARA ELIANA CRIS GERALDA MARCO WILMA GRAÇA ADÉLIA GEISA 15h50 às 16h40 ODILA GRAÇA ALDEMARA ANA MARIS CRIS ELIANA MARCO SUELI YEDA ADÉLIA WILMA 16h40 às 17h30 ODILA ALDEMARA ADÉLIA YEDA GERALDA MARCO CRIS SUELI GEISA GRAÇA WILMA 17h30 às 18h20 GRAÇA ALDEMARA ODILA YEDA GERALDA MARCO CRIS WILMA SUELI GEISA ADÉLIA QUINTA 13h00 às 13h50 LOSENI CLEUSA H ODILA MARCO ADRIANA ELIANA GERALDA GRAÇA GEISA WILMA ADÉLIA 13h50 às 14h40 LOSENI ODILA CLEUSA H MARCO ADRIANA ELIANA CRIS MARA ADÉLIA WILMA GEISA 14h40 às 15h30 ADRIANA ODILA ELIANA GERALDA MARCO FAFU CRIS MARA ADÉLIA GRAÇA MIRIAM 15h50 às 16h40 ADRIANA GRAÇA ELIANA CRIS MARCO MIRIAM GERALDA GEISA FÁBIO (EF) ADÉLIA FAFU 16h40 às 17h30 GEISA ADRIANA ALDEMARA CELSO ELIANA MIRIAM MARCO FÁBIO (EF) GRAÇA ADÉLIA FAFU 17h30 às 18h20 GRAÇA ADRIANA ALDEMARA CELSO ELIANA CRIS MARCO FÁBIO (EF) FEISA FAFU MIRIAM SEXTA 13h00 às 13h50 CLEUSA H ADRIANA YEDA ELIANA CRIS MARCO MIRIAM GEISA SUELI WILMA GRAÇA 13h50 às 14h40 CLEUSA H ADRIANA YEDA ELIANA CRIS MARCO MIRIAM WILMA SUELI GEISA GRAÇA 14h40 às 15h30 GEISA CLEUSA H ALDEMARA CRIS ADRIANA FAFU MARCO GRAÇA WILMA SUELI YEDA 15h50 às 16h40 ODILA ALDEMARA ADÉLIA CLEUSA H ADRIANA ELIANA MARCO MIRIAM WILMA GRAÇA SUELI 16h40 às 17h30 ADRIANA ALDEMARA CLEUSA H CRIS MARCO YEDA ELIANA MIRIAM ADÉLIA GRAÇA SUELI 17h30 às 18h20 ADRIANA ODILA GRAÇA CLEUSA H MARCO CRIS ELIANA WILMA ADÉLIA MIRIAM YEDA
  51. 51. [Digite o título do documento] [Ano] 51 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau HORÁRIO DE AULAS 2014 - NOITE HORÁRIO DAS AULAS 1ºÁFRICA SALA 02 1º OCEANIA SALA 03 2º ROMÁRIO SALA 08 2º RONALDO SALA 09 2º RIVALDO SALA 10 3º ZAKUMI SALA 13 3º GOLEO SALA 12 3º FOOTIX SALA 11 SEGUNDA 19h00 às 13h45 ADÉLIA CRIS LUCIANE ROGÉRIO FÁBIO CELSO GERALDO BIANCA 19h45 às 20h30 ADÉLIA CRIS LUCIANE FLÁVIO FÁBIO CELSO GERALDO BIANCA 20h30 às 21h15 CRIS LUCIANE ROGÉRIO GERALDO FLÁVIO CELSO CLEUSA H FÁBIO 21h30 às 22h15 FÁBIO ADÉLIA CELSO LUCIANE ROGÉRIO FLÁVIO CLEUSA H GERALDO 22h15 às 22h50 LUCIANE ADÉLIA FÁBIO CELSO ROGÉRIO CLEUSA H FLÁVIO GERALDO TERÇA 19h00 às 13h45 CELSO CRIS CLEUSA H GERALDO LUCIANE FÁBIO ELIZABETH SAMIRA 19h45 às 20h30 CELSO CRIS CLEUSA H GERALDO LUCIANE ANA VIRGINIA ELIZABETH FÁBIO 20h30 às 21h15 CRIS LUCIANE MAITEE CLEUSA H CELSO ELIZABETH FÁBIO GERALDO 21h30 às 22h15 FÁBIO GRAÇA RO POLONI LUCIANE MAITEE CLEUSA H ANA VIRGINIA CELSO 22h15 às 22h50 LUCIANE GRAÇA RO POLONI MAITEE CELSO ELIZABETH FÁBIO CLEUSA H QUARTA 19h00 às 13h45 ELIANI CLEUSA H RAFAEL FÁBIO GERALDO ROGÉRIO JANETE CELSO 19h45 às 20h30 FÁBIO CLEUSA H RAFAEL NEURACI GERALDO ROGÉRIO JANETE CELSO 20h30 às 21h15 RAFAEL ELIANI ROGÉRIO CLEUSA H FLÁVIO GERALDO CELSO FÁBIO 21h30 às 22h15 CLEUSA H FLÁVIO RO POLONI FÁBIO RAFAEL GERALDO CELSO JANETE 22h15 às 22h50 FLÁVIO RAFAEL RO POLONI GERALDO CELSO FÁBIO ROGÉRIO JANETE QUINTA 19h00 às 13h45 GRAÇA RAFAEL NEURACI ROGÉRIO CLEUSA H WILMA FÁBIO CELSO 19h45 às 20h30 GRAÇA ELIANI YEDA RAFAEL CLEUSA H WILMA ROGÉRIO FLÁVIO 20h30 às 21h15 ELIANI FÁBIO YEDA RAFAEL WILMA FLÁVIO CELSO CLEUSA H 21h30 às 22h15 RAFAEL FÁBIO FLÁVIO YEDA WILMA CELSO GERALDO ROGÉRIO 22h15 às 22h50 CLEUSA H CELSO FLÁVIO YEDA RAFAEL FÁBIO GERALDO ROGÉRIO SEXTA 19h00 às 13h45 CRIS ADÉLIA CELSO YEDA WILMA GERALDO FLÁVIO FÁBIO 19h45 às 20h30 CRIS FÁBIO NEURACI CELSO WILMA GERALDO JANETE FLÁVIO 20h30 às 21h15 FLÁVIO ADÉLIA YEDA NEURACI CELSO FÁBIO JANETE GERALDO 21h30 às 22h15 ADÉLIA CELSO YEDA FLÁVIO GERALDO WILMA FÁBIO JANETE 22h15 às 22h50 ADÉLIA FLÁVIO FÁBIO YEDA GERALDO WILMA CELSO JANETE
  52. 52. [Digite o título do documento] 52 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau XII-C – HORÁRIO DAS AULAS – CASA RIO PRETO MANHÃ HORÁRIO DAS AULAS Turma – A E. F. Turma – B E. F. Turma – A E. M. SEGUNDA 07:10 - 08:00 Marlene (P) Valdira (A) Valdira (P) 08:00 – 08:50 Marlene (P) Valdira (A) Jailson (B) 08:50 – 09:40 Jailson (C) Marlene (P) Jailson (B) 10:00 – 10:50 Jailson (C) Marlene (P) Valdira (P) 10:50 – 11:40 Neuzely (H) Jailson (C) -11:40 -12:30 Neuzely (H) Jailson (C) - TERÇA 07:10 - 08:00 Neuzely (G) Claudia (M) Hélio (S) 08:00 – 08:50 Neuzely (G) Claudia (M) Hélio (S) 08:50 – 09:40 Claudia (M) Neuzely (G) Valdira (A) 10:00 – 10:50 Claudia (M) Neuzely (G) Valdira (A) 10:50 – 11:40 Valdira (A) Marlene (P) Silvano (Q) 11:40 -12:30 Valdira (A) Marlene (P) Silvano (Q) QUARTA 07:10 - 08:00 Claudia (M) Claudia (M) Hélio (H) 08:00 – 08:50 Jailson (C) Claudia (M) Claudia (M) 08:50 – 09:40 Jailson (C) Jailson (C) Claudia (F) 10:00 – 10:50 Claudia (M) Jailson (C) Hélio (Fil) 10:50 – 11:40 - Hélio (H) Hélio (Fil) 11:40 -12:30 - Hélio (H) Hélio (H) QUINTA 07:10 - 08:00 Marlene (P) Marlene (I) Claudia (M) 08:00 – 08:50 Marlene (P) Marlene (P) Claudia (M) 08:50 – 09:40 Claudia (M) Marlene (P) Neuzely (G) 10:00 – 10:50 Claudia (M) Hélio (H) Neuzely (G) 10:50 – 11:40 Neuzely (H) Hélio (H) Valdira (P) 11:40 -12:30 Neuzely (H) Marlene (I) Valdira (P) SEXTA 07:10 - 08:00 Neuzely (G) Claudia (M) Valdira (P) 08:00 – 08:50 Neuzely (G) Claudia (M) Valdira (I) 08:50 – 09:40 Marlene (I) Neuzely (G) Valdira (I) 10:00 – 10:50 Marlene (I) Neuzely (G) Claudia (M) 10:50 – 11:40 Marlene (P) - Claudia (M) 11:40 -12:30 Marlene (P) - Claudia (F) TARDE HORÁRIO DAS AULAS Turma – C E. F. Turma – D E. F. Turma – B E. M. SEGUNDA 13:00 - 13:50 Marlene (P) Neuzely (G) Claudia (M) 13:50 – 14:40 Marlene (P) Neuzely (G) Claudia (M) 14:40 – 15:30 Claudia (M) Hélio (H) Neuzely (G) 15:50 – 16:40 Claudia (M) Hélio (H) Neuzely (G) 16:40 – 17:30 Neuzely (G) - Claudia (F) 17:30 – 18:20 Neuzely (G) - Claudia (F) TERÇA 13:00 - 13:50 Neuzely (H) Marlene (I) Valdira (P) 13:50 – 14:40 Neuzely (H) Marlene (I) Valdira (P) 14:40 – 15:30 Neuzely (G) Marlene (P) Valdira (I) 15:50 – 16:40 Neuzely (G) Marlene (P) Valdira (I) 16:40 – 17:30 Marlene (P) Elton (M) Silvano (Q) 17:30 – 18:20 Marlene (P) Elton (M) Silvano (Q) QUARTA 13:00 - 13:50 Claudia (M) Elton (M) Hélio (Fil) 13:50 – 14:40 Claudia (M) Elton (M) Hélio (Fil) 14:40 – 15:30 Jailson (C) Marlene (P) Claudia (M) 15:50 – 16:40 Jailson (C) Marlene (P) Hélio (H) 16:40 – 17:30 Marlene (P) Jailson (C) - 17:30 – 18:20 Marlene (P) Jailson (C) - QUINTA 13:00 - 13:50 Valdira (A) Neuzely (G) Hélio (H) 13:50 – 14:40 Valdira (A) Neuzely (G) Claudia (M) 14:40 – 15:30 Neuzely (H) Hélio (H) Claudia (M) 15:50 – 16:40 Neuzely (H) Hélio (H) Valdira (P) 16:40 – 17:30 Claudia (M) Elton (M) Hélio (S) 17:30 – 18:20 Claudia (M) Elton (M) Hélio (S) SEXTA 13:00 - 13:50 Marlene (I) Jailson (C) Valdira (A) 13:50 – 14:40 Marlene (I) Jailson (C) Valdira (A) 14:40 – 15:30 Jailson (C) Marlene (P) Valdira (P) 15:50 – 16:40 Jailson (C) Marlene (P) Valdira (P) 16:40 – 17:30 - Valdira (A) Jailson (B) 17:30 – 18:20 - Valdira (A) Jailson (B)
  53. 53. [Digite o título do documento] 53 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau XII – PROJETOS PROJETOS DA SEE PROJETOS DA ESCOLA - VALE SONHAR - ACESSA ESCOLA - AGITA GALERA - CULTURA É CURRÍCULO - PRODESC - RECUPERAÇÃO CONTÍNUA - ATIVIDADES CURRICULARES DESPORTIVAS - INGLÊS ON-LINE -ESPANHOL ON-LINE - OBMEP - O. B. A. - PMEC (MEDIAÇÃO) - PROJETO “UMA ESCOLA QUE LÊ, APRENDE” - MAIS EDUCAÇÃO - PDE a) Jornal Escolar b) Judô c) Laboratório de Ciências - ¨Challenger Day¨ (O dia do desafio - SESC) - Carnaval ¨Retrô¨ - Festival de Música e Dança (talentos) - Festa junina - Inter-classes - A reunião faz a força - Agenda Ambiental - Gincana Cultural PROJETO “A REUNIÃO FAZ A FORÇA” OBJETIVOS ☺Ampliar a participação dos pais nas reuniões bimestrais, fazendo com que acompanhem a vida escolar de seus filhos, valorizando-lhes o desempenho e a frequência escolar; ☺ Estreitar o relacionamento entre escola e pais de alunos, oferecendo informações sobre o trabalho pedagógico desenvolvido; ☺ Fazer parcerias com os pais à procura de uma Educação de excelência para os filhos. DESENVOLVIMENTO: 1º PASSO: CRONOGRAMA DE REUNIÕES DE PAIS Planejar o número de reuniões necessárias ao longo do ano para tratar dos diversos assuntos e problemas da escola, criando-se um calendário de reuniões de pais e mestres, o qual se encontra na AGENDA DO PROFESSOR. 2º PASSO: CONSELHO DE CLASSE E SÉRIE Reuniões de Conselho de Classe e Série, com a participação dos Alunos Representantes da Classe, no intuito de: Discutir o desempenho da classe nas diversas disciplinas, possibilitando o seu estudo por meio da elaboração de gráficos que são posteriormente afixados nas salas de aulas para acompanhamento dos alunos; Levantar os problemas que, segundo os professores, atrapalham o bom andamento das aulas, procurando oferecer soluções plausíveis para eles; Discutir de forma sucinta e objetiva os casos de alunos que geram problemas em decorrência de desempenho, frequência, disciplina, etc. Fazer a indicação dos alunos que se destacaram no bimestre, levando em consideração a sua participação, o seu desempenho e seu esforço para ser um bom aluno. Tais anotações são feitas na ATA DE CONSELHO DE CLASSE E SÉRIE . 3º PASSO: A REUNIÃO DE PAIS De posse de todas a informações, cabe à equipe gestora listar os assuntos e problemas a serem tratados nas reuniões de acordo com as prioridades verificadas e organizar: O convite claro e objetivo no qual apareçam as três opções de horários, um em cada período, para que os pais possam escolher aquele que melhor atenda às suas necessidades e a pauta da reunião; A reunião, que se divide em duas partes:  Geral, no pátio, com a Direção da Escola;  Com os professores, nas salas de aula, para a entrega dos boletins e atendimento aos pais. 4º PASSO: DEPOIS DA REUNIÃO O registro da presença dos pais é feito por meio das assinaturas dos mesmos na LISTA DE PRESENÇA DE REUNIÃO DE PAIS E MESTRES. Tal lista permite verificar: O percentual de pais presentes por classe, observando se houve participação satisfatória da comunidade escolar; Se foi possível fazer contato com os pais de alunos que apresentam problemas de desempenho, frequência e disciplina. Obs.: Os casos dos pais que não estiveram presentes e cujos filhos tem apresentado problemas são encaminhados à Direção da Escola para as devidas providências.
  54. 54. [Digite o título do documento] 54 A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui. Jean-Jacques Rousseau XIII-A - SAPES SALA DE RECURSO - A DEFICIÊNCIA AUDITIVA PROFª - MÁRCIA PERÍODO: MANHÃ SALA 04 SALA DE RECURSO - A DEFICIÊNCIA INTELECTUAL PROFª MÁRCIA PERÍODO: MANHÃ SALA: 20 SALA DE RECURSO - B DEFICIÊNCIA INTELECTUAL PROFª - LOURDES PERÍODO: MANHÃ SALA 20 SALA DE RECURSO - C DEFICIÊNCIA INTELECTUAL PROFª - ANÁLIA PERÍODO: TARDE SALA 04 SALA DE RECURSO - D DEFICIÊNCIA INTELECTUAL PROFª - RAQUEL PERÍODO: TARDE SALA 04 SALA DE RECURSO - E DEFICIÊNCIA INTELECTUAL PROFª - LADISLEI PERÍODO: TARDE SALA 20
  55. 55. XIII-B – MAIS EDUCAÇÃO JUDÔ Prof. Jelton (Secretaria Municipal de Esportes) HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO TURMA I - 2ª feira - das 10h00 às 12h00 TURMA II - 2ª feira - das 13h00 às 15h00 TURMA III - 4ª feira - das das 10h00 às 12h00 TURMA IV - 6ª feira - das 10h00 às 12h00 LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS I Monitor ( aluno da UNESP) Prof. Carlos HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO TURMA I - 2ª-feira das 13h00 às 15h00 JORNAL Monitor (aluno da UNESP): Profª Danielle HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO TURMA I - 5ª-feira - das 10h40 às 12h20 TURMA II – 6ª-feira - das 13h00 às 14h40 LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS II Monitor (aluno da UNESP): Prof. Leticia HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO TURMA II: 6ª feira – das 10h20 às 12h20
  56. 56. XIII-C – ATIVIDADES CURRICULARES DESPORTIVAS XIV – NORMAS DE CONVIVÊNCIA ESCOLAR - DOCENTES TURMAS DE TREINAMENTO HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO FUTSAL JUVENIL-MASC. - Profª Adauto 3ª-feira - das 9h50 às 11h30 HANDEBOL JUV. –MASC. - Profª Fafu 5ª-feira - das 13h00 às 14h40 HANDEBOL JUV. – FEM. - Profª Fafu 6ª-feira - das 13h00 às 14h40 T. MESA JUVENIL – MISTA - Profª Adauto 4ª feira – das 10h40 às 12h20 XADREZ JUV. – MISTA - Profª Adauto 5ª-feira - das 10h40 às 12h20 VOLEIBOL JUV.– FEM. - Profª Adauto 3ª-feira - das 7h50 às 9h30
  57. 57. I - CONVÍVIO NO AMBIENTE ESCOLAR 1 – Garantir uma convivência harmoniosa e edificante entre todos desta Unidade Escolar, respeitando as diferenças, priorizando o diálogo, valorizando as potencialidades individuais e intensificando o trabalho coletivo; 2 – Participar de todos os eventos da vida escolar, tais como Conselho de Classe e Série, Conselho de Escola, A.P.M., Reuniões Pedagógicas, Festas e Atividades Extra-classe, ajudando, sempre que necessário na sua organização e execução; II – SALA DE AULA 1 – Para garantir o bom andamento de suas aulas, o professor DEVE observar os itens abaixo: a) Preparar as suas aulas com antecedência de forma a levar para a classe todo o material necessário para o andamento da aula sem a necessidade de se ausentar ou de mandar alunos atrás de materiais que faltem; b) Ser assíduo e pontual, atendendo ao seu horário para a entrada em sala de aula. Para evitar os tumultos e os problemas com as fechaduras das portas, haverá dois sinais para marcar tanto o início das aulas como o retorno após o intervalo. Desta forma, o professor deverá encaminhar-se para a sala na qual ministrará aulas ao ouvir o primeiro sinal, devendo aguardar na porta os alunos, tendo a responsabilidade de chamá-los, colocando-os para dentro. Ao professor caberá a função de estabelecer com os alunos o tempo de tolerância para estas entradas, deixando isto claro em contratos pedagógicos; c) Garantir em sala de aula um ambiente salutar e harmonioso para que todos os alunos possam aprender. Se entrar numa classe tumultuada, o professor precisará organizá-la, acalmando os alunos, conversando com eles, de forma a fazê-los perceber que há a necessidade do esforço de todos para que isso aconteça. Também deverá se preocupar em deixar, ao sair, a sala organizada para que o professor da aula seguinte encontre-a assim; d) Zelar, juntamente com os alunos, pela limpeza e organização de todo ambiente escolar, com especial atenção para a sala de aula, não deixando os alunos mascarem chicletes ou ingerirem qualquer outro alimento durante as aulas; e) Orientar os alunos para não rabiscarem as carteiras ou depredarem o que é patrimônio público como os computadores, aparelhos de imagem e som, armários, cortinas, vidraças, etc; f) Orientar os alunos para o uso do seu material didático, solicitando que coloquem o seu nome nos livros e nas apostilas, evitando rasgá-las ao final do bimestre; g) Organizar a saída dos alunos para o banheiro e para tomar água apenas na 2ª e 5ª aulas, permitindo a ida de apenas um por vez. Nas demais aulas, somente autorizar a saída se houver realmente a necessidade; h) Agendar, com antecedência, os espaços da Sala de Vídeo ou de Informática, observando as providências as serem tomadas para sua utilização bem como garantindo que as mesmas estejam organizadas após o seu uso. Para a Sala de Informática, conversar com os estagiários a fim de fazer o agendamento e solicitar a ajuda para utilização; i) Orientar os alunos para a utilização da biblioteca. j) Utilizar os equipamentos da escola com responsabilidade, guardando-os após o uso. O mesmo deve se dar com os materiais didáticos (dicionários, atlas, mapas, livros, carrinho de leitura, compassos, réguas, etc) os quais devem ser organizados para serem devolvidos aos seus lugares, observando-se a sua conservação; k) Chamar um inspetor sempre que precisar, por urgência, ausentar-se da sala de aula, nunca deixando os alunos sozinhos; l) Estar atendo à frequência de seus alunos, avisando a coordenação ou a Direção da escola quando houver problemas; m) Atender aos pais de alunos nas Reuniões de Pais e Mestres ou nas HTPCs, de acordo com a necessidade, ou sempre que solicitado pela Direção da Escola; n) Evitar de dar ao aluno a incumbência de passar os conteúdos na lousa;
  58. 58. 2 – O professor é responsável pela disciplina da classe. Em casos de desacato ao docente e agressão física entre alunos, os envolvidos deverão ser encaminhados à Direção, através dos inspetores de alunos, depois de feito o registro em ficha de encaminhamento. 3 – Para poder exigir do aluno disciplina, o professor deve dar o exemplo, portanto, ele NÃO DEVE: a) Utilizar aparelhos celulares em sala de aula; b) Fumar nas dependências da escola; c) Aguardar os sinais de término das aulas nas portas; d) Utilizar palavras de ofensivas para se referir aos alunos; e) Jamais punir fisicamente os alunos, evitando situações que podem ser interpretadas como contato físico agressivo; f) Evitar conversas desnecessárias nas portas das classes com funcionários, alunos e outros professores; III – DOCUMENTOS ESCOLARES 1 - Para a execução de um bom trabalho docente, com vistas a garantir a aprendizagem do aluno, o professor deverá: a) Elaborar e cumprir o seu Plano de Aula; b) Manter em ordem e atualizados os registros no Diário de Classe, evitando utilizar canetas coloridas ou efetuar rasuras, (não retirá-los da unidade sem comunicação prévia à direção); c) Entregar os documentos escolares (tarjetas, Diários de Classe, Relatórios sobre Comportamento e Desempenho de alunos, etc) sempre de acordo com o prazo solicitado ou combinado; d) Ficar atentos às informações afixadas na sala dos professores e àquelas passadas nas pautas para as HTPCs, se responsabilizando pela leitura destes informes; e) Prestar atenção aos atestados escolares entregues pelos alunos à Secretaria da escola. Com a apresentação do devido atestado, os alunos têm direito à realização das tarefas e provas por eles perdidas nos dias em que faltaram; f) Colaborar com a Direção da escola na entrega de Comunicados para os pais dos alunos, orientando estes a fazerem a entrega corretamente; 2 – Para garantir que não haja problemas no tocante a sua documentação pessoal, o professor deve: a) Providenciar o horário da(s) outra(s) unidade(s) escolar(es) onde leciona, seja(m) ela(s) estadual(is), municipal(is) ou particular(es); b) Manter seu prontuário em ordem, atualizando a documentação solicitada pela secretaria e nunca retirando nenhum documento sem autorização; c) Trazer documentos escolares (B.O., Atestados, etc) ... d) Requerer o deferimento da(s) falta(s) no dia subseqüente a ela(s). XIV-A - NORMAS DE CONVIVÊNCIA ESCOLAR - DISCENTES
  59. 59. São deveres do aluno  Participar com interesse e envolvimento das atividades pedagógicas em sala de aula ou em outros ambientes da escola e não promover indisciplina;  Frequentar a escola regular e pontualmente, realizando os esforços necessários para progredir nas diversas áreas da educação;  Observar as disposições vigentes sobre entrada e saída das classes e demais dependências da escola;  Contribuir para a criação e manutenção de um ambiente de aprendizagem colaborativo e seguro, que garanta o direito de todos os alunos de estudar e aprender;  Manter pais ou responsáveis legais informados sobre os assuntos escolares, os eventos sociais e educativos previstos ou em andamento, e assegurar que recebam as comunicações a eles encaminhadas pela equipe escolar, devolvendo-as à direção em tempo hábil e com a devida ciência, sempre que for o caso;  Não fazer uso, em sala de aula ou demais locais de aprendizagem escolar, de: MP3 (e similares), estiletes, corretivos, óculos escuros, fones de ouvido ou qualquer outro objeto não condizente ao ambiente escolar e que apresente perigo à integridade física entre outros;  Ajudar a manter o ambiente escolar livre de bebidas alcoólicas,drogas lícitas e ilícitas, substâncias tóxicas e armas;  Manter o ambiente limpo organizado;  Não é permitido mascar chicletes, chupar balas e pirulitos e comer salgadinhos durante as aulas;  Trazer seu material escolar básico para as aulas (livros didáticos, apostilas (caderno) das disciplinas, kit escolar). É importante a identificação em todo o material escolar e sua conservação, devendo cada aluno zelar pelo que é seu em sala de aula, a escola não é responsável por esses objetos no caso de furtos, danos ou perdas. É dever do aluno zelar pelo material de uso coletivo como dicionários, atlas e outros;  Respeitar e cuidar do prédio, equipamentos, materiais ou instalações escolares, e símbolos escolares ajudando a preservá-los e respeitando a propriedade alheia, pública ou privada. Dano ao patrimônio público é considerado crime, cabendo registrointerno em livro próprio para que sejam aplicadas as sanções previstas no Regimento Escolar, como também elaboração de Boletim de Ocorrência.  Tratar os colegas, os professores, a direção e demais funcionários da escola com respeito, civilidade e solidariedade. No caso de agressão verbal, por qualquer que seja o motivo, após tentativa de solução perante os envolvidos, os responsáveis serão chamados à escola para que sejam tomadas as devidas providências. Quanto às agressões físicas, serão consideradas como falta grave,quando o ocorrido se der dentro das dependências da Unidade Escolar;  Compartilhar com a Direção da Escola informações sobre questões que possam colocar em risco a saúde, a segurança e o bem-estar da comunidade escolar;  Não importunar alguém, em lugar público ou acessível ao público, de modo ofensivo ao pudor como: atos de conotação sexual, namoros indiscretos, etc;  Fica proibida a veiculação de conteúdos difamatórios, obscenos, preconceituosos, racistas, discriminatórios, comerciais, incluindo a veiculação dos referidos materiais na internet, de cunho partidário e que incite à desordem ou ameace a segurança ou os direitos fundamentais do cidadão, conforme previsto na Constituição Federal, na Lei Federal nº 8069/90 ( Estatuto da Criança e do Adolescente ) e demais previsões legais;  Não portarmaterial que represente perigo a si próprio e a outros;  Fica expressamente proibido a utilização de aparelhos celulares ou qualquer outro meio de comunicação eletrônica sob pena de retenção do aparelho e entrega ao responsável;  Em caso de reincidência o aparelho será confiscado e entregue a autoridade policial, nos termos da Lei 12.730/2007 e Decreto 52.625/2008 São direitos do aluno:  Ser informado pela direção da escola sobre as condutas consideradas apropriadas e quais as que podem resultar em sanções disciplinares, para que tome ciência das possíveis conseqüências de suas atitudes em
  60. 60. seu rendimento escolar e no exercício dos direitos previstos nestas Normas Gerais de Conduta Escolar e demais regulamentos escolares;  Receber atenção e respeito de colegas, professores, funcionários e colaboradores da escola, independentemente de idade, sexo, raça, cor, credo, religião, origem social, nacionalidade, deficiências, estado civil, orientação sexual ou crenças políticas;  Manter uma Comunicação harmoniosa com seus educadores;  Formação educacional em conformidade com os currículos apresentados no planejamento e às suas condições individuais;  Participar com interesse e envolvimento das atividades pedagógicas em sala de aula ou em outros ambientes da escola e não promover indisciplina ;  Promover e participar de grêmio estudantil ou entidade similar (associação) - podendo eleger representantes de classe de sua escola;  Receber educação em uma escola limpa e segura e usufruir de um ambiente apropriado e incentivador;  Ter assegurado condições necessárias ao desenvolvimento de suas potencialidades na perspectiva social e individual;  Receber atendimento por parte dos serviços assistenciais quando carente de recursos;  Quando o aluno sentir que seus direitos não foram atendidos ou dúvidas quanto a avaliação de sua vida escolar, deverá solicitar esclarecimentos as instâncias cabíveis;  Conhecer a avaliação feita acerca de seus trabalhos e os resultados das avaliações a que for submetido;  Receber Boletim Escolar e demais informações sobre seu progresso educativo, participando de avaliações periódicos ( provões, simulados e avaliações externas);  Receber estudos de recuperação para aprendizagem dos conteúdos que não dominar sem qualquer restrição;  Ser conscientizado do respeito que deve ter com o patrimônio próprio ou alheio;  Ter sua herança cultural e social respeitadas e valorizadas como ponto de partida para as atividades educacionais;  Participar da publicação de jornais ou boletins informativos escolares, desde que produzidos com responsabilidade e métodos jornalísticos, que reflitam a vida na escola ou expressem preocupações e pontos de vista dos alunos, promovendo a circulação de acordo com os parâmetros definidos pela escola, no tocante a horários, locais e formas de distribuição ou divulgação;  A saída dos alunos da sala de aula, para ir ao banheiro ou beber água, será permitida na segunda e na quinta aulas, no período diurno, e na segunda aula, no período noturno, evitando assim, aglomeração de alunos nos corredores. São Consideradas faltas disciplinares:  Ausentar-se das aulas ou dos prédios escolares, sem prévia justificativa ou autorização da direção ou dos professores da escola;  Utilizar, sem devida autorização, computadores, aparelhos de fax, telefones ou outros equipamentos e dispositivos eletrônicos de propriedade da escola;  Utilizar, em salas de aula ou demais locais de aprendizado escolar, equipamentos eletrônicos como telefones celulares, pagers, jogos portáteis, tocadores de música ou outros dispositivos de comunicação e entretenimento que perturbem o ambiente escolar ou prejudiquem o aprendizado;  Ocupar-se, durante a aula, de qualquer atividade que lhe seja alheia;  Comportar-se de maneira a perturbar o processo educativo, como, por exemplo, fazendo barulho excessivo em classe,  Desrespeitar, desacatar ou afrontar diretores, professores, funcionários ou colaboradores da escola;  Comparecer à escola sob efeito de substâncias nocivas à saúde e à convivência social;  Expor ou distribuir materiais dentro do estabelecimento escolar que violem as normas ou políticas oficialmente definidas pela Secretaria Estadual da Educação ou pela escola;  Danificar ou destruir equipamentos, materiais ou instalações escolares; escrever, rabiscar ou produzir marcas em qualquer parede, vidraça, porta ou quadra de esportes do edifício escolar;  Empregar gestos ou expressões verbais que impliquem insultos ou ameaças a terceiros, incluindo hostilidades ou intimidação mediante o uso de apelidos racistas ou preconceituosos;
  61. 61.  Emitir comentários ou insinuações de conotação sexual agressiva ou desrespeitosa, ou apresentar qualquer conduta de natureza sexualmente ofensiva;  Estimular ou envolver-se em brigas, manifestar conduta agressiva ou promover brincadeiras que impliquem risco de ferimentos, mesmo que leves, em qualquer membro da comunidade escolar;  Ameaçar, intimidar ou agredir fisicamente qualquer membro da comunidade escolar;  Apropriar-se de objetos que pertencem a outra pessoa, sem a devida autorização ou sob ameaça;  Incentivar ou participar de atos de vandalismo que provoquem dano intencional a equipamentos, materiais e instalações escolares ou a pertences da equipe escolar, estudantes ou terceiros;  Consumir, portar, distribuir ou vender substâncias controladas, bebidas alcoólicas ou outras drogas lícitas ou ilícitas no recinto escolar;  Portar, facilitar o ingresso ou utilizar qualquer tipo de arma, ainda que não seja de fogo, no recinto escolar;  Apresentar qualquer conduta proibida pela legislação brasileira, sobretudo que viole a Constituição Federal, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA ) e o Código Penal;  Participar, estimular ou organizar incidente de violência grupal ou generalizada. Medidas Disciplinares Todos os direitos, deveres e regras citados acima estão firmados por meio de normas legais, com força de lei e aqueles indivíduos que não os respeitarem poderão sofrer as seguintes medidas disciplinares de acordo com o Artigo 26 das Normas Gerais deConduta Escolar, 2009, p.13;Manual de Proteção Escolar e Promoção da Cidadania; Lei das Contravenções Penais e Estatuto da Criança e do Adolescente.O não cumprimento dos deveres e a incidência em faltas disciplinares poderão acarretar ao aluno as seguintes medidas disciplinares: I - Advertência verbal; II - Retirada do aluno de sala de aula ou atividade em curso e encaminhamento à diretoria para orientação; III - Comunicação escrita dirigida aos pais ou responsáveis; IV - Suspensão temporária de participação em visitas ou demais programas extracurriculares; V - Suspensão de 1 a 5 dias letivos; VI - Suspensão de 6 a 10 dias letivos; VII - Transferência compulsória para outro estabelecimento. § 1º As medidas disciplinares deverão ser aplicadas ao aluno em função da gravidade da falta, idade do aluno, grau de maturidade e histórico disciplinar, comunicando-se aos pais ou responsáveis. § 2º As medidas previstas nos itens I e II serão aplicadas pelo professor ou diretor; § 3º As medidas previstas nos itens III, IV e V serão aplicadas pelo diretor; § 4º As medidas previstas nos itens VI e VII serão aplicadas pelo Conselho Escolar; § 5º Quaisquer que sejam as medidas disciplinares a que estiver sujeito o aluno, a ele será sempre garantido o amplo direito de defesa e o contraditório. Caberá aos pais e/ou responsáveis 1. Acompanhar o desempenho escolar de seu filho, atendendo às solicitações da escola; 2. Propiciar meios para que seu filho freqüente atividades de Recuperação Paralela quando apresentar deficiências de aprendizagem; 3. Propiciar condições para que seu filho freqüente órgãos específicos quando encaminhado pelo professor ao detectar problemas que dificultam a aprendizagem; 4. Participar do Conselho de Escola e da Associação de Pais e Mestres; 5. Participar das atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade. Observar as Regras gerais que seguem abaixo: 1. O uso do uniforme é recomendado para todos os alunos. Caso ocorra algum problema quanto à aquisição, os responsáveis deverão procurar a direção. Há que se preocupar com o vestuário no ambiente escolar, evitando, assim, situações de constrangimentos. Recomendamos, portanto, que se evite o uso de shorts, mini saias, mini blusas, etc... Para a aula de Educação Física, o aluno orientamos para o uso de camiseta, bermuda e tênis; 2. É importante a observância dos horários de entrada da escola: MANHÃ: 07h00, TARDE: 13h00, NOITE: 19h00. O aluno que chegar atrasado terá seu nome registrado em um livro próprio e, na terceira vez, será
  62. 62. convocado seu responsável para justificar os seguidos atrasos. Alunos do noturno em caráter excepcional poderão entrar até as 19h10, excedendo este horário, o aluno apenas entrará às 19h30min, apresentando a autorização da direção, por meio de um cartão confeccionado pela secretaria da escola mediante Atestado de trabalho, especificando horário no mesmo; 3. A saída dos alunos da sala de aula, para ir ao banheiro ou beber água, será permitida na segunda e quinta aulas, evitando assim, aglomeração de alunos nos corredores. 4. A escola não se responsabilizará por bicicletas, motos e objetos que não pertençam ao ambiente escolar e estes veículos somente poderão ser estacionados em local definido pela DIREÇÃO; Os alunos com Atestado de Saúde deverão protocolá-lo na Secretaria da escola; é dever do aluno justificar faltas consecutivas.
  63. 63. XVI - AUTO AVALIAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR – 2013 Escola: E.E. “DR. WALDEMIRO NAFFAH”
  64. 64. Dimensão Característica Avaliação Atingida (A) Parcialmente Atingida (PA) Não Atingida (NA) Evidências Pedagógica Planejamento: Realizado de forma sistemática, contínua e coletiva levando em consideração os dados diagnósticos. PA Percebe-se a preocupação com o planejamento das aulas no trabalho da maioria dos professores. Isso fica evidente por meio de ações como pedido antecipado de materiais, agendamento de sala de vídeo, informática e demais dependências escolares. Esta prática também se manisfesta coletivamente nas ATPCs quando, por meio da análise das avaliações externas e internas, discutimos os problemas encontrados e traçamos ações para combatê-los. O registro é sempre realizado em Atas das reuniões, Planos Anuais de Ensino e Planos de Aula. Pedagógica Proposta Pedagógica: Elaborada e reavaliada com a participação de todos os segmentos da comunidade escolar. PA Tudo que é decidido coletivamente na Unidade Escolar faz parte da Proposta Pedagógica. E a equipe gestora não mede esforços para obter a participação de todos, porém ainda é muito difícil se comunicar com todos os integrantes da comunidade escolar e alguns ainda não participam plenamente. Este fato se torna evidente, por exemplo, quando se fala das normas organizacionais da escola, as quais, muitas vezes, precisam ser relembradas. Mas é preciso frisar que a Proposta Pedagógica é formulada anualmente nas reuniões pedagógicas, nas ATPCs, nos Conselhos de Classe ou série, no planejamentos/replanejamentos e na reuniões de pais. (Relatórios das reuniões e Agenda Naffah) Pedagógica Plano de Gestão: Formulado coletivamente a partir da Proposta Pedagógica contemplando a operacionalização da mesma. PA Durante as reuniões de Planejamento, nas ATPCs e nas Reuniões dos Colegiados, sempre se trata de questões relativas à gestão escolar, envolvendo questões pedagógicas e administrativas. Isto sempre é feito levando-se em consideração as ideias e sugestões de todos dentro da comunidade escolar. (Atas das reuniões por segmento)
  65. 65. Dimensão Característica Avaliação Atingida (A) Parcialmente Atingida (PA) Não Atingida (NA) Evidências Pedagógica Currículo Oficial: Os princípios estabelecidos no currículo oficial orientam a prática docente, o ensino e a aprendizagem na escola. A Os princípios estabelecidos no Currículo Oficial do Estado de São Paulo são levados em consideração por todos os professores da escola e este fato pode ser percebido quando, em ATPC, se acompanha o desempenho escolar dos alunos, a utilização dos cadernos do aluno; quando se comenta e discute a prática docente observando- se questões metodológicas que necessitam aprimoramento, etc. (Atas das ATPCs, Fichas de Acompanhamento de Aulas, Relatórios Comparativos de Aprendizagem) Pedagógica Professor Coordenador:: O processo de ensino e acompanhamento das aulas é realizado de maneira eficaz pelo PC. A Este fato se evidencia pelo seguimento do cronograma de assistência de aulas, estabelecido mensalmente pela coordenação; pelos relatos, durante as ATPCS, do que está sendo trabalho nas aulas; do acompanhamento do que está sendo realizado nos projetos da escola e na intervenção feita junto a alguns professores, conforme a necessidade. (Atas das ATPCs, Fichas de Acompanhamento de Aulas, Relatórios Comparativos de Aprendizagem) Pedagógica Avaliação: O processo de avaliação da aprendizagem contribui para promover o desenvolvimento das competências dos alunos. A Os resultados das aprendizagens são observados mediante avaliações periódicas, tais como exercícios diários, provas, trabalhos individuais e coletivos, simulados, etc, e na busca do êxito dos alunos – além do trabalho do professor de cada turma – há a atuação dos professores auxiliares em algumas disciplinas, trabalhando em conjunto com o professor regente. Ao término de cada etapa, apresentam-se gráficos de desempenho que comprovam os avanços e os aspectos de cada disciplina que devem ser retomados por não atingirem satisfatoriedade nas aprendizagens. ( Gráficos comparativos, Relatórios da APP, Ata de Conselho de Classe/Série) Pedagógica Recuperação dos alunos: È plenamente desenvolvida pelos professores e acompanhada pela equipe escolar. A Após as avaliações com o levantamento de habilidades ainda não desenvolvidas, o próximo conteúdo é trabalhado em forma espiral, reencaixando a retomada dos conteúdos que enfocam aquelas habilidades indicadas pela análise realizada anteriormente. (Registros de acompanhamento do prof. Auxiliar, Atas do Conselho de Classe/Série, relatórios)
  66. 66. Dimensão Característica Avaliação Atingida (A) Parcialmente Atingida (PA) Não Atingida (NA) Evidências Pedagógica Recursos Pedagógicos e Tecnológicos: Estes recursos são efetivamente utilizados de modo a contribuir com o processo de ensino e de aprendizagem. A Estamos trilhando o caminho da inclusão tecnológica, com acesso a capacitação, com o auxílio dos colegas. O incentivo tem sido constante e diversos colegas estão inscritos em cursos regulares. Muitos professores têm se interado da tecnologia e já conseguem planejar aulas se valendo destes recursos. Também já conseguem preencher e enviar tarjetas, via internet, de forma independente. Todos recebem e acessam as pautas das reuniões de ATPC pela internet. Ou seja, a escola tem se preocupado com a questão da inclusão digital criando inclusive um perfil em rede social para melhorar a comunicação entre a comunidade local. (documentos: tarjetas, planilhas, relatórios, planos de ensino, etc...) Pedagógica Respeito às diferenças individuais: A escola promove, efetivamente, o respeito às diferenças individuais e à cultura da diversidade. A A escola conta com salas de “recurso” – professores especialistas para atenderem alunos com deficiências intelectuais e auditivas e contam com o apoio de toda a equipe escolar – gestores, professores, demais profissionais da escola e alunos. Há, também, o atendimento aos alunos em processo de ressocialização educativa na Fundação Casa (Casa Rio Preto), vinculada a essa Unidade Escolar. Além disso, a escola procura desenvolver atividades que promovem o convívio global, salientando a necessidade do respeito e aceitação de todos. Temos diversos alunos matriculados com deficiência auditiva, física e visual para os quais são realizados relatórios de especialistas da área. A atitude dos professores de tratar de modo não discriminatório a todos é exemplo seguido pelos alunos. Pedagógica ATPC: Reuniões planejadas e organizadas de modo a garantir a formação continuada e a melhoria da prática docente. A Toda ATPC tem uma pauta que procura se dividir da seguinte forma: a) Atividade formativa; b) Informações sobre cursos e concursos; c) Discussões sobre assuntos gerais da escola; d) Espaço para socialização de práticas docentes. O registro da ATPC é efetuado em Ata.
  67. 67. Dimensão Característica Avaliação Atingida (A) Parcialmente Atingida (PA) Não Atingida (NA) Evidências Participativa Informação democratizada: A escola possui canais de comunicação para favorecer a troca de idéias e informações entre os membros da comunidade escolar. PA A escola possui vários canais de comunicação direto com a comunidade escolar. São eles: o espaço da aula, as reuniões dos colegiados, as reuniões de pais e mestres, os eventos culturais e esportivos, o jornal escolar, etc. Nestas reuniões e eventos há o espaço para a participação dos membros da comunidade escolar, porém ainda há muito em que podemos melhorar. (Atas, fotos, relatórios de projetos desenvolvidos) Participativa Colegiados atuantes: Todos os segmentos da comunidade escolar participam efetivamente das reuniões que ocorrem com uma periodicidade adequada. PA Observa-se, em toda as reuniões dos Colegiados, que ainda há uma certa dificuldade de se trazer para a escola todos os segmentos da comunidade escolar. Este fato se dá por inúmeros motivos que vão desde a falta de tempo para o acompanhamento das reuniões em função dos horários de trabalho até o desinteresse pelos assuntos da escola. Neste sentido a escola tem idéias para traçar um plano de ação que visa uma maior participação de todos os segmentos da comunidade escolar nas reuniões dos colegiados, como por exemplo, adaptação de vários horários para atendimento a pais, eventos, comemorações , e até convocações. (Atas de reuniões, fotos) Participativa Recursos financeiros: O plano de aplicação de recursos financeiros foi elaborado com a participação dos colegiados para atender a Proposta Pedagógica e necessidades da escola. A A gestão de recursos financeiros se faz com a participação dos membros da APM (Associação de Pais e Mestres), consultando-se os professores, os pais e demais profissionais da escola, durante as reuniões da APM, ou se for necessário durante as ATPCs e/ou reuniões de pais. Nestas reuniões presta-se contas de todas as verbas recebidas e onde são gastas. Também se pergunta sobre as prioridades da escola, analisando-se a viabilidade da aplicação dos recursos. Todos podem se manifestar apontando problemas a serem resolvidos e dando sugestões. (Atas, balancetes e planos de aplicação) Participativa Participação dos responsáveis pelos alunos: A escola promove encontros de pais para acompanhar o desempenho dos alunos. A São realizadas quatro reuniões de pais ao ano, as quais fazem parte do calendário escolar previsto na agenda da escola. Elas são parte do projeto “A REUNIÃO FAZ A FORÇA”, cujo objetivo é trazer a comunidade para tomar ciência e participar efetivamente da vida escolar dos seus filhos. Nestas reuniões são discutidos gráficos de desempenho de cada turma da escola, avaliando-se cada disciplina. A freqüência dos pais tem sido satisfatória, mas há ainda muito em que melhorar. (Atas, convites, fotos)
  68. 68. Dimensão Característica Avaliação Atingida (A) Parcialmente Atingida (PA) Não Atingida (NA) Evidências Participativa Protagonismo juvenil: Os alunos são estimulados e apoiados a organizarem-se e participarem do cotidiano da escola. PA Percebe-se a mobilização dos alunos sempre que há eventos escolares como os já tradicionais festivais de música e dança, o carnaval, os projetos da Secretaria do Estado da Educação como o “Agita Galera”, o “Vale Sonhar” e o “Cultura é Currículo”. Mas ainda temos a dificuldade de formar e mobilizar um Grêmio Estudantil consciente e atuante para as necessidades da escola. (Atas, projetos) Participativa Reflexão sobre temas geradores de conflitos: A escola promove atividades, palestras e reuniões, envolvendo a comunidade escolar, para debater sobre temas geradores de conflitos. PA Esta reflexão acontece nas reuniões de pais e mestres, quando são levantados alguns temas que podem gerar conflitos dentro da escola, tais como: bullyng, uso de celulares ou outros aparelhos eletrônicos dentro da escola, drogas, questões disciplinares e de valores, etc. Porém, em recente avaliação feita pelos membros da comunidade escolar observou-se a necessidade de se pensar em ações mais eficazes para se promover a discussão e a reflexão sobre os temas que podem causar conflitos. Este fato deverá fazer parte do plano de ação da escola para o ano de 2013. Participativa Parcerias: a escola possui parcerias como uma alternativa no propósito de oferecer uma formação de qualidade aos alunos. A A escola possui parceria com a Secretaria Municipal de Esportes e com a UNESP que cedem alunos estagiários e monitores, viabilizando a realização do curso de judô através do programa Mais Educação. A Secretaria Municipal de Saúde tem colaborado com a realização de ações interativas referentes ao combate às DSTs e à gravidez na adolescência. O Rotary Club que, por meio do Projeto Rumo, desenvolveu ações de auto-estima, auto- conhecimento, junto aos alunos. Recursos Humanos Equipe gestora: A equipe possui um cronograma de reuniões estabelecido e reúne-se com regularidade necessária para refletir e encaminhar decisões sobre questões do cotidiano escolar. A A escola tem uma organização que prevê reuniões regulares: - reunião da equipe gestora: toda segunda-feira, para que a equipe possa programar a semana; - reuniões dos colegiados: sempre com convocação prévia, procurando se observar as necessidades; - reuniões por segmentos (funcionários da secretaria, da organização escolar, da cozinha, etc), visando a orientação e o acompanhamento dos trabalhos realizados; - reuniões de professores (ATPCs e outras esporádicas, conforme a necessidade), nas quais se discutem a formação continuada dos professores, o desempenho escolar dos alunos e outros problemas que possam surgir; - reuniões dos colegiados (Conselho de Escola e APM). Todas estas reuniões são previamente agendadas e comunicadas aos interessados, e suas datas estão previstas em cronograma existente na Agenda Naffah a qual todos os integrantes da U.E. recebem anualmente.
  69. 69. Dimensão Característica Avaliação Atingida (A) Parcialmente Atingida (PA) Não Atingida (NA) Evidências Recursos Humanos Assiduidade dos funcionários: A equipe gestora, professores e funcionários são assíduos e pontuais. PA Há, na escola, um acompanhamento da pontualidade e assiduidade de todos os funcionários. De tempo em tempo, a direção da escola leva ao conhecimento de todos, de forma ética e responsável, por meio de gráficos e tabelas, a quantidade de faltas de todo o pessoal, sempre procurando refletir sobre os males causados por elas. Muitos professores diminuíram a quantidade de faltas depois que este acompanhamento passou a ser realizado, porém ainda há espaço para se crescer neste aspecto pois o maior problema ainda consiste nas faltas imprevistas, onde se há a dificuldade em conseguir substituto para as aulas. Recursos Humanos Rotinas de trabalho: a equipe gestora, os docentes e funcionários da escola conhecem as rotinas de trabalho e sentem- se comprometidos pelos resultados esperados decorrente de suas funções. A Embora ainda haja alguns problemas quanto à questão da assiduidade e pontualidade de alguns funcionários, a maioria da equipe escolar observa as normas e as rotinas de trabalho da escola. Isto se torna evidente quando observamos, por exemplo, a agenda de utilização da sala de vídeo, ou quando observamos a saída dos alunos para beber água, a qual somente está autorizada na 2ª e 5ª aulas. Recursos Humanos Formação externa: a escola divulga e incentiva as formações externas disponíveis para toda a equipe escolar. A Sempre houve grande preocupação por parte da equipe gestora em divulgar e acompanhar os cursos para formação continuada dos docentes e dos demais funcionários. Atualmente, está ocorrendo na escola um Curso de Capacitação Tecnológica para os professores com maiores dificuldades na utilização de recursos como computadores, datashow, equipamentos de imagem e som. Recursos Físicos e Financeiros Conservação da escola: a escola promove ações de conscientização, orientação e monitoramento quanto a temas voltados para a conservação da escola. PA Existem ações pontuais referentes a esta problemática, ou seja, os professores falam sobre o assunto em sala de aula, porém não há uma sistemática de ações sobre o assunto. Para 2013, no entanto, com a implantação da Agenda Ambiental na escola, uma das ações previstas diz respeito à conservação do patrimônio escolar. Recursos Físicos e Financeiros Uso dos ambientes da escola: os ambientes e espaços escolares são adequados para atender todas as atividades de aprendizagem dos alunos. A Na escola há uma biblioteca com grande acervo, sala de informática em pleno funcionamento, laboratório de ciências em funcionamento, sala de vídeo equipada com lousa digital e demais equipamentos de som e imagem, quadra esportiva coberta, refeitório arejado e organizado com lugares para todos os alunos se acomodarem durante as refeições. Tudo isto se reflete na satisfação dos alunos e familiares com a organização da escola.
  70. 70. Dimensão Característica Avaliação Atingida (A) Parcialmente Atingida (PA) Não Atingida (NA) Evidências Recursos Físicos e Financeiros Acessibilidade: os espaços da escola são organizados a fim de garantir a acessibilidade para as pessoas com dificuldades de locomoção. PA A escola não tem acessibilidade, no entanto temos uma aluna cadeirante, mostra-se perfeitamente integrada ao ambiente. Faz falta o banheiro adaptado e as rampas (as que possuímos não são ideais). Recursos Físicos e Financeiros Atendimento prestado pela escola: o atendimento prestado pelos professores, funcionários e gestores da escola é ágil, eficaz, organizado e respeitoso. A Todos os segmentos da escola são periodicamente orientados pela equipe gestora a respeito do atendimento adequado ao público. Desta forma, são realizadas reuniões nas quais se discutem assuntos como direitos e deveres, legislação sobre atendimento ao público, eficácia no atendimento,etc. Recursos Físicos e Financeiros Equipamentos e materiais pedagógicos: os equipamentos e materiais para apoiar a prática pedagógica estão plenamente adequados em quantidade e qualidade. A A escola encontra-se equipada. Todas as salas de aula são arejadas, limpas e as cadeiras e carteiras se encontram em bom estado. A sala de vídeo é equipada de TV, DVD, Lousa Digital, datashow, equipamento de som e computador. A sala do ACESSA está em pleno funcionamento, embora disponha de apenas 11 computadores. O laboratório de Ciências, recém criado, encontra-se em fase de montagem, mas já dispõe de microscópios, balanças, jogos de equipamentos para se realizar experiências químicas e físicas. A biblioteca dispõe de um bom acervo e está aberta durante os três períodos. Além disso, quando há necessidade de um determinado material, o professor o solicita antecipadamente à Direção da Escola que, de acordo com os recursos recebidos, providencia o que é pedido. Recursos Físicos e Financeiros Acessa Escola: a escola possui sala de informática que permite o uso pelos alunos e os computadores estão em boas condições de uso e os professores procuram utilizá-la pelo menos uma vez por semana. PA A sala de informática permite o uso de todos os alunos desde que sejam observadas as reservas para utilização. Temos 11 computadores em pleno funcionamento, mas há espaço para 18. O maior problema está na utilização desta sala pelos professores. Alguns até têm projetos que são desenvolvidos nesta sala, outros, no entanto, nunca a utilizam, dizendo não ter conhecimento suficiente para gerir os trabalhos pedagógicos. Por este motivo, a Direção da escola está promovendo este ano um curso para ajudar na utilização da tecnologia, durante as ATPCs.
  71. 71. Dimensão Característica Avaliação Atingida (A) Parcialmente Atingida (PA) Não Atingida (NA) Evidências Recursos Físicos e Financeiros Espaço para prática de esportes: a quadra de esportes é coberta e está em condições de uso e está aberta aos finais de semana para a comunidade. PA A quadra de esportes é coberta e está em condições para uso, porém a escola não participa do projeto ESCOLA DA FAMÍLIA. Recursos Físicos e Financeiros Espaço para refeições e merenda: O espaço onde os alunos fazem suas refeições é agradável, limpo e as mesas possuem lugar para todos comerem sentados. A Nosso refeitório dispõe de mesas e assentos suficientes para que todos os alunos possam fazer suas refeições confortavelmente. Os alunos podem se servir dos alimentos em um aparador onde estes ficam aquecidos por mais tempo. As refeições seguem o cardápio sugerido pela nutricionista. O ambiente é arejado e limpo. Resultados Educacionais do Ensino e da Aprendizagem Avaliação do rendimento Escolar: Os membros do Conselho de Classe avaliam a aprendizagem dos alunos, detectam suas necessidades e propõem encaminhamentos. A OS registros, as análises e a socialização do rendimento escolar dos alunos são demonstrados por meio de tabulações e gráficos realizados pela equipe gestora, que são expostos para análise e socialização aos professores, aos pais e aos alunos com o objetivo de dar transparência ao trabalho e buscar, conjuntamente, soluções aos problemas evidenciados. Resultados Educacionais do Ensino e da Aprendizagem Taxas de aprovação e retenção: As taxas de aprovação e retenção dos alunos são registradas, analisadas e subsidiam de fato ações concretas para a melhoria do processo de ensino e de aprendizagem. A Todo início de ano, no planejamento escolar, observam-se os dados das taxas de aprovação e retenção dos alunos, levando-se em consideração as suas causas e consequências. Esta observação nos permite levantar os problemas que levam à retenção por desempenho e por frequência e traçar ações coerentes para lutar contra eles. Por exemplo: ao se observar que algum aluno está faltando por alguns dias, a professora mediadora já procura o contato com a família do aluno para saber o que está acontecendo. Resultados Educacionais do Ensino e da Aprendizagem Acompanhamento dos resultados da escola: A escola dispõe de procedimentos claros e formalizados para avaliação de seu próprio A A avaliação do desempenho dos professores e demais profissionais se dá através de observações gerais feitas pela equipe gestora, pelo acompanhamento dos planos de ações dos professores em aula e da atuação dos demais agentes educacionais dos diversos setores da escola. A satisfação dos pais e/ou responsáveis dos alunos é manifestada nas Dimensão Característica Avaliação Atingida (A) Parcialmente Atingida (PA) Evidências
  72. 72. Não Atingida (NA) desempenho e realiza pesquisas de satisfação com a comunidade escolar. reuniões de pais e mestres, quando agradecem o trabalho realizado pela escola e pedem sugestões acerca dele. Resultados Educacionais do Ensino e da Aprendizagem Análise dos resultados das avaliações: Os resultados das avaliações internas e externas são analisados e debatidos pela comunidade escolar. A Todas as avaliações realizadas pela escola (com exceção do SARESP) têm os seus dados tabulados e levados ao conhecimento da Comunidade escolar, por meio da análise de planilhas e gráficos comparativos. Este trabalho é feito para subsidiar os planos de ensino e suas reformulações, quando necessário. Também são levados em consideração quando se faz necessário encaminhar alunos para a Recuperação escolar, por exemplo. Resultados Educacionais do Ensino e da Aprendizagem Faltas de alunos, evasão e abandono: A frequência do aluno é monitorada, continuamente registrada e utilizada para fins de planejamento e tomada de decisão. A Como já foi citado, a professora mediadora da escola faz um controle da frequência dos alunos, acionando a família e, quando necessário, tomando providências junto a outras instâncias como o Conselho Tutelar e o Juizado de Memores. Cada caso é observado e acompanhado mensalmente e bimestralmente nos Conselhos de Escola. Equipe Gestora: Conceição Garcia Bispo dos Santos (Diretora) Célia Regina Pedro de Souza (Vice-Diretora) Valcir Garcia Duarte (Vice-Diretor) Janete Federico (Coordenadora do Ensino Fundamental) Maiza Indiara Alves Batista (Coordenadora do Ensino Médio)
  73. 73. XVIII – PROGRAMAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICOS PREVISTAS CRONOGRAMA DE ENTREGA DE DOCUMENTOS ESCOLARES E REUNIÕES - ANO 2014 ENTREGA DE PAPELETAS CONSELHOS DE CLASSE BIMESTRE DATA DIA DA SEMANA DATA DIA DA SEMANA BIMESTRE 1º 14/04 Segunda-feira 17/04 Quinta-feira 1º 2º 18/07 Sexta-feira 24/07 Quinta-feira 2º 3º 29/09 Segunda-feira 03/10 Sexta-feira 3º 4º 05/12 Sexta-feira 19/12 Sexta-feira 4º FINAL 18/12 Quinta-feira 19/12 Sexta-feira FINAL ENTREGA DE PLANOS DE ENSINO PLANEJAMENTO E REPLANEJAMENTO RASCUNHO DATA DIA DA SEMANA DIA DA SEMANA DATA SEMESTRE 07/03 Sexta-feira Quarta, Quinta e Sexta-feira Segunda-Feira 05, 06 e 07/03 1º DEFINITIVO 21/04 Segunda-Feira Sexta e Segunda- feira 25 e 28/07 2º REUNIÕES DE PAIS E MESTRES - 2014 1ª REUNIÃO 2ª REUNIÃO 3ª REUNIÃO 4ª REUNIÃO 09/05 CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES OBJETIVAS PREVISTAS - 2014 1º DIA 2º DIA 1ª AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO 20/02- matemática 21/02- português PROVÃO 1º BIMESTRE 01/04- Códigos e linguagens Ciências da natureza 02/04- Ciências humanas Matemática e redação. RECLASSIFICAÇÃO 04/04- Ensino Fundamental OBA 16/05- XVII Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica 9ª OBMEP 27/05- Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas – 1ª fase PROVÃO 2º BIMESTRE 09/06- Códigos e linguagens Ciências da natureza 10/06- Ciências humanas Matemática e redação. 2ª AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO - matemática - português 9ª OBMEP 13/09- Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas – 2ª fase PROVÃO 3º BIMESTRE 17/09- Códigos e linguagens Ciências da natureza 18/09- Ciências humanas Matemática e redação. PROVÃO 4º BIMESTRE 25/11- Códigos e linguagens Ciências da natureza 26/11- Ciências humanas Matemática e redação. SARESP - Última semana de Novembro
  74. 74. CRONOGRAMA DAS AVALIAÇÕES DISSERTATIVAS DIURNO ENSINO MÉDIO ENSINO FUNDAMENTAL 2º BIM ENSINO MÉDIO ENSINO FUNDAMENTAL 3º BIM 4º BIM REDAÇÃO REDAÇÃO 25/04 PORTUGUÊS ARTE ED. FÍSICA INGLÊS QUIMICA PORTUGUÊS ARTE ED. FÍSICA 07/08 10/10 PORTUGUÊS ARTE ED. FÍSICA INGLÊS QUIMICA FISICA PORTUGUÊS ARTE ED. FÍSICA INGLÊS 09/05 FISICA BIOLOGIA FILOSOFIA SOCIOLOGIA INGLÊS CIÊNCIAS MATEMÁTICA 21/08 31/10 BIOLOGIA MATEMÁTICA HISTÓRIA GEOGRAFIA FILOSOFIA SOCIOLOGIA CIÊNCIAS MATEMÁTICA HISTÓRIA GEOGRAFIA 23/05 MATEMÁTICA HISTÓRIA GEOGRAFIA REDAÇÃO HISTÓRIA GEOGRAFIA REDAÇÃO 04/09 14/11 CRONOGRAMA DAS AVALIAÇÕES DISSERTATIVAS NOTURNO DISCIPLINAS 2º BIM DISCIPLINAS 3º BIM 4º BIM REDAÇÃO 25/04 PORTUGUÊS ARTE EDUCAÇÃO FÍSICA 08/08 10/10 PORTUGUÊS ARTE ED. FÍSICA INGLÊS 08/05 INGLÊS QUIMICA FISICA 15/08 31/10 QUIMICA FISICA BIOLOGIA FILOSOFIA 23/05 BIOLOGIA FILOSOFIA MATEMÁTICA 22/08 07/11 MATEMÁTICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA 30/05 HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA 29/08 14/11 REDAÇÃO 05/09 --------
  75. 75. PLANO DE TRABALHO PARA EVENTOS ESCOLARES 27/01 Gincana recreativa 22/02 Um dia na escola do meu filho 28/02 Carnaval 09/04 Dia “D” da Autoavaliação Institucional Participativa 11/06 Festa Junina Exposição do Projeto Copa. 23/08 Um dia na escola do meu filho Apresentações do “4º Festival de Música e Dança” 12/12 Confraternização de alunos
  76. 76. ORGANIZAÇÃO DOS PROVÕES BIMESTRAIS – 2014 DIVISÃO DE QUESTÕES POR DISCIPLINA E ÁREA ENSINO FUNDAMENTAL DATA DE ENTREGA À COORDENAÇÃO 1º BIM 2º BIM 3º BIM 4º BIM CÓDIGOS E LINGUAGENS E CIÊNCIAS DA NATUREZA PORTUGUÊS 15 QUESTÕES 18/03 26/05 03/09 11/11 ARTE 3 QUESTÕES EDUCAÇÃO FÍSICA 3 QUESTÕES INGLÊS 3 QUESTÕES CIÊNCIAS 12 QUESTÕES MATEMÁTICA, CIÊNCIAS HUMANAS E REDAÇÃO MATEMÁTICA 14 QUESTÕES HISTÓRIA 10 QUESTÕES GEOGRAFIA 10 QUESTÕES REDAÇÃO ATENÇÃO: Para agilizar o trabalho de montagem das provas no modelo SARESP, pedimos que todos os professores observem o seguinte: a) Todas as questões devem ser entregues à coordenação, digitadas com letras tamanho 11 no tipo TIMES NEW ROMAN, gravadas em arquivo com identificação de disciplina, série e nome dos professores responsáveis; b) Ao final da prova deverá constar o gabarito e as habilidades referentes a cada questão; c) Os materiais utilizados para a confecção das questões poderão ser: matrizes do SARESP, ENEM, SAEB e caderno do aluno. ENSINO MÉDIO DATA DE ENTREGA À COORDENAÇÃO 1º BIM 2º BIM 3º BIM 4º BIM CÓDIGOS E LINGUAGENS E CIÊNCIAS DA NATUREZA PORTUGUÊS 15 QUESTÕES 18/03 26/05 03/09 11/11 ARTE 3 QUESTÕES EDUCAÇÃO FÍSICA 3 QUESTÕES INGLÊS 3 QUESTÕES QUÍMICA 4 QUESTÕES FÍSICA 4 QUESTÕES BIOLOGIA 4 QUESTÕES MATEMÁTICA, CIÊNCIAS HUMANAS E REDAÇÃO MATEMÁTICA 14 QUESTÕES HISTÓRIA 8 QUESTÕES GEOGRAFIA 8 QUESTÕES SOCIOLOGIA 2 QUESTÕES FILOSOFIA 2 QUESTÕES REDAÇÃO
  77. 77. XIX - COMPARATIVO DE RESULTADOS DOS ULTIMOS QUATRO ANOS 93% 80% 88% 3,5% 13% 5%3,5% 7% 7% 0% 20% 40% 60% 80% 100% EF EM GERAL RESULTADO FINAL - 2010 PROMOVIDOS RETIDOS RETIDO FREQ
  78. 78. XX - GRÁFICOS DO RESULTADO FINAL - 2013
  79. 79. XXI - INDICADORES DE AVALIAÇÕES EXTERNAS (IDESP e IDEB)
  80. 80. IDESP – 2008 IDESP – 2009
  81. 81. IDESP – 2010 IDESP – 2011 IDESP – 2012
  82. 82. IDESP – 2013 PROVA BRASIL
  83. 83. IDEB DAS ESCOLAS DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CONSIDERAÇÕES FINAIS Os indicadores de avaliação são indispensáveis para a melhoria das políticas de sistema e das práticas realizadas na escola, mas existe uma preocupação quando tratamos da questão da super valorização dos dados obtidos através das avaliações externas. Acreditamos que tais resultados por si só não constituem a realidade da escola, não traduzem fielmente a aprendizagem e/ou dificuldades dos alunos. Devido à nossa constante preocupação com um ensino de qualidade, visamos a uma aprendizagem efetiva de todos os envolvidos no processo de educação e, para isso, não consideramos somente os resultados expostos nestes índices, mas valorizamos as corresponsabilidades, a vontade de aperfeiçoar sempre, as interrelações positivas da equipe escolar e a satisfação dos pais e alunos, tudo isso constatado no nosso cotidiano escolar. Lembramos que estes dados não se refletem nos resultados das avaliações externas, que desconsideram os aspectos humanos inerentes à instituição escola.

×