Busca da felicidade profissional

1.273 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.273
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
241
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Busca da felicidade profissional

  1. 1. BUSCA DAFELICIDADE PROFISSIONALProf. Derson LopesCONTEÚDO APRESENTADO NADISCIPLINA DE RELIGIOSIDADE ECOMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS
  2. 2. PROF. DERSON LOPESAdministração de EmpresasCiências ContábeisTeologiaMBA em Gestão FinanceiraPMP
  3. 3. RELIGIOSIDADENOMUNDO CORPORATIVO
  4. 4. MUDANÇASEstágio 1 - Domínio pela ReligiãoEstágio 2 - Condenação da ReligiãoEstágio 3 - Rejeição da ReligiãoEstágio 4 - Indirerença à ReligiãoEstágio 5 - Aceitação da ReligiãoEstágio 6 - Busca pela Religiosidade
  5. 5. RAZÕESPercepção da Importância daReligiosidade(Valores, ausência de vícios, estabilidadeemocional)Fatores Motivacionais(Dificuldade em motivar aspessoas, dedicação das pessoas à religião, percepção da importância daautomotivação)
  6. 6. EMPRESAS EMBUSCA DA RELIGIOSIDADEWal Mart - CultosEcumênicosMissas AnuaisOrações de GratidãoIncentivo á prática
  7. 7. ORIGEM DO TRABALHO8
  8. 8. DEUS CRIOU O TRABALHO9O Senhor Deus colocou o homem no jardimdo Éden para cuidar dele e cultivá-lo.Gênesis 2:15
  9. 9. DEUS CRIOU O TRABALHO10Trabalharás seis dias e neles farás todos osteus trabalhosÊxodo 20:9-10
  10. 10. DEUS CRIOU O TRABALHO11Observe a formiga, preguiçoso, reflita noscaminhos dela e seja sábio!Provérbios 6:6
  11. 11. DEUS CRIOU O TRABALHO12Quando ainda estávamos com vocês, nóslhes ordenamos isto: se alguém não quisertrabalhar, também não coma.2 Tes. 3:10
  12. 12. DEUS CRIOU O TRABALHO13Escravos, obedeçam em tudo a seus senhores terrenos,não somente para agradar os homens quando eles estãoobservando, mas com sinceridade de coração, pelo fatode vocês temerem ao Senhor.Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como parao Senhor, e não para os homens,sabendo que receberão do Senhor a recompensa daherança. É a Cristo, o Senhor, que vocês estãoservindo.Colossenses 3:22-24
  13. 13. TRABALHO E O PECADO14E ao homem declarou: "Visto que você deu ouvidos àsua mulher e comeu do fruto da árvore da qual eu lheordenara que não comesse, maldita é a terra por suacausa; com sofrimento você se alimentará dela todosos dias da sua vida.Ela lhe dará espinhos e ervas daninhas, e você teráque alimentar-se das plantas do campo.Com o suor do seu rosto você comerá o seu pão, atéque volte à terra, visto que dela foi tirado; porquevocê é pó e ao pó voltará".Gênesis 3:17-19
  14. 14. TRABALHO E O PECADO15O pecado trouxe transformações em todas as esferas daterra (Natureza, ser humano, etc.)É importante notar que o pecado DIFICULTOU otrabalho e não foi o CAUSADOR do trabalho.
  15. 15. INTERPRETAÇÕESSOCIOLÓGICAS E RELIGIOSASSOBRE TRABALHO ERELIGIOSIDADE16
  16. 16. ADAM SMITH17
  17. 17. CAPITALISMO18• Apoia o Lucro• Rejeita a Religião, mas não condena• Desenvolvimento das pessoas• Variações: Mercantilismo, Industrialismo,Liberalismo
  18. 18. CAPITALISMO - PROBLEMASAusência total do estado geradesigualdadeDeturpação para o consumismo esociedade descartávelStatus pelo "ter" e não pelo "ser"19
  19. 19. KARL MARX20FriederichEngels
  20. 20. SOCIALISMOCondena o LucroCondena a ReligiãoTodos devem trabalharsegundo suascapacidades e recebersegundo suasnecessidades.21
  21. 21. SOCIALISMO - PROBLEMASIntervenção excessiva e corrupção doEstadoNecessidade Humana da ReligiãoUtopia da justiça humana - o homem éessencialmente mal22
  22. 22. MAX WEBER23
  23. 23. PROPOSTA DE WEBERCatolicismo x Protestantismo"Dormir bem x Comer bem"24
  24. 24. FORMAÇÃO SOCIOLÓGICAAMERICANAFuga de Comerciantes da Europa por perseguiçãocatólica aos protestantes e ao lucroProtestantes apoiavam lucroAmérica foi formada por comerciantes protestantesfocados no crescimento econômico25
  25. 25. FORMAÇÃO SOCIOLÓGICABRASILEIRAColônia PenalEnvio de padres jesuítasCatequese de índiosFalta de desenvolvimento econômico26
  26. 26. CONSEQUÊNCIAS27Trabalho foi separado da religião(especialmente no Brasil)Trabalho visto como meio apenasde sobrevivência, pois se tratavade exploração do trabalhadorpelo estado (socialismo) ou pelosdonos do capital (capitalismo)
  27. 27. RELIGIOSIDADE,TRABALHO, MISSÃO EMOTIVAÇÃO28
  28. 28. Derson LopesExtremamente importantePlano de DeusPromove desenvolvimento pessoalMotivador por naturezaTRABALHO
  29. 29. Sofrimento e castigoMal necessárioFardo a ser carregado durante a vidaFonte de subsistênciaDerson LopesTRABALHO DETURPADO
  30. 30. Pessoas abominam segunda-feiraMaior índice de ataques cardíacosBrigas de casais na quarta-feiraRedenção na aposentadoriaDerson LopesTRABALHO DETURPADO
  31. 31. 73% Menos motivados84% Poderiam sermelhores50% Mínimo para nãoperder empregoFonte: Supermotivação - FuturaPESQUISA USA
  32. 32. •22% Motivados•13% Iniciativas individuais no trabalho•39% ComprometidosFonte: 8º Hábito - CampusDerson LopesPESQUISA USA II
  33. 33. Motivação ExternaSalário, bônus, liderança, condições detrabalho, elogios, significado,reconhecimento.Motivação InternaAutomotivação, força interior,pensamento positivo, propósitos,serviço.Derson LopesMOTIVAÇÃO
  34. 34. Motivação ExternaImportante, pode mudar situações, masnão têm caráter de definição pois épassageiraMotivação InternaFundamental, pois ninguém pode serde fato motivado. Está baseada empadrões próprios estabelecidos.Derson LopesMOTIVAÇÃO
  35. 35. “...mecanismo intrínseco que move o indivíduoe que o mantém disposto e feliz, permitindosua evolução e senso de desenvolvimento”“Por mais que um ambiente possa gerarelementos externos de ampliação damotivação, o vetor interno é o queefetivamente vai alimentar a alma desseindivíduo e fará com que ele estejaplenamente satisfeito com sua vida.”Derson LopesMOTIVAÇÃO INTERNA
  36. 36. “Não colocam a culpa por seu comportamento nascircunstancias, condições ou condicionamentos. Seucomportamento é produto de sua própria escolhaconsciente, baseada em valores, e não resultado deum condicionamento, baseado em sentimentos.7 Hábitos de Pessoas Altamente Eficazes, 89Derson LopesPESSOAS AUTOMOTIVADAS
  37. 37. ... continuam sendo influenciados pelos estímulosexternos, sejam estes sociais, físicos ou psicológicos.Mas a resposta aos estímulos, consciente ouinconsciente, é uma escolha ou resposta baseada emvalores.”Idem 91Derson LopesPESSOAS AUTOMOTIVADAS
  38. 38. “É claro que as coisas podem nos atingir física oueconomicamente, e podem causar dor. Mas nossocaráter, nossa identidade básica, não tem de sernecessariamente atingida.”7 Hábitos de Pessoas Altamente Eficazes, 117Derson LopesESTÍMULOS EXTERNOS
  39. 39. “A vida não é tanto o que nos acontece, mas amaneira como reagimos ao que nos acontece. Entreo estímulo e a reação existe o caráter –considerando que este reflita nosso empenho emfazer o que é certo, ignorando impulsos oucaprichos e independentemente dos custospessoais”.Como se tornar um líder servidor, 29Derson LopesESTÍMULOS EXTERNOS
  40. 40. Diante dos Estímulos Externos temosopção de escolher como agir.Ações determinadas pelo código devalores pré-estabelecidos.Resultado depende da reação.Derson LopesPODER DE ESCOLHA
  41. 41. Relação comEstímulo ExternoAtenderResistirEstímulo ExternoNegativoProcessamentoCaráterLiberdadede EscolhaReação MotivaçãoDesmotivaçãoDerson Lopes
  42. 42. ResistirAtenderEstímulo ExternoPositivoProcessamentoCaráterLiberdadede EscolhaReação MotivaçãoEstagnação ouDesmotivaçãoDerson LopesRelação comEstímulo Externo
  43. 43. Caso 1:Superação e AutomotivaçãoLars GraelMedalhista OlímpicoCampeão de IatísmoAtingindo EstabilidadeFinanceira
  44. 44. Acidente Set./1998Perna Amputada - 2paradas cardíacasAfastado para sempre doesporteCaso 1:Superação e AutomotivaçãoLars Grael
  45. 45. “Sou um homem de sorte”Secretário de Estado•“Lars Grael reconhece que boaparte da sua recuperaçãoaconteceu por causa dadeterminação e a forma comoencarou o problema” - Você S/ACaso 1:Superação e AutomotivaçãoLars Grael
  46. 46. Família PaivaMissionáriosAssassinadosnas ilhas PalauFilha ficousozinhaCaso 2:Superação e Automotivação
  47. 47. Família PaivaMãe:Rute Paiva“Perdoou seufilho”Caso 2:Superação e Automotivação
  48. 48. Família PaivaFilhaMelissa Paiva“QuandoCrescer queroser missionária”Caso 2:Superação e Automotivação
  49. 49. Família PaivaCaso 2:Superação e Automotivação
  50. 50. AutonomiaResiliência
  51. 51. Com 2 anos morava narua com a mãe e 3irmãos7 anos chegou a FebemCaso 3:Superação e AutomotivaçãoRoberto da Silva
  52. 52. 18 anos - rua50x na delegacia em 4anos7 anos de prisãoCaso 3:Superação e AutomotivaçãoRoberto da Silva
  53. 53. Livros de direito e seriepensadores (60 livros)entre outrosFormou-se em PedagogiaCaso 3:Superação e AutomotivaçãoRoberto da Silva
  54. 54. Mestrado, doutorado eLivre docente da USPONG história dopresenteCaso 3:Superação e AutomotivaçãoRoberto da Silva
  55. 55. •Cada um determina os seus•Geram os resultados•Frutos do desenvolvimento pessoal•Profundos quando oriundos daReligiosidadeDerson LopesFATORES MOTIVACIONAIS
  56. 56. DinheiroImportante“Não há nada de errado em topar tudopor dinheiro, numa ponta, ou achar queficar rico não é o mais importante, naoutra ponta, ou qualquer coisa entre osdois extremos. Mas, se você não forhonesto consigo próprio nos primeirosanos de sua carreira, um dia começará aquestionar muitas de suas decisões,quando já for tarde demais”Jack WelchDerson LopesFATORES MOTIVACIONAIS
  57. 57. DinheiroPerigoso“...é possível motivar (pelo menos algumas)pessoas só com dinheiro, mas é perigoso...Semum propósito caritativo, a tentação de ultrapassaros limites da ética na busca de ganho pessoalpode ser irresistível”Gary HamelDerson LopesFATORES MOTIVACIONAIS
  58. 58. Maioria das pessoas não aponta como fatorprimordialMuitos executivos deixam empresas grandespara ganhar menos em empresas menoresque possuam maior significado, inclusiveONG´S.Derson LopesFATORES MOTIVACIONAISDinheiro
  59. 59. 80 milhões de pessoas nomundo dedicam pelomenos 5 horas semanais aatividades voluntárias.(O Melhor de Peter Druker - AAdministração)Exército de SalvaçãoMadre Teresa de CalcutáDerson LopesDinheiroFATORES MOTIVACIONAIS
  60. 60. Associação Supermotivação e 7 Hábitos de Pessoas Altamente EficazesSem PropósitoPensamento NegativoEmoções Negativas Baixos Níveis de EnergiaDesmotivaçãoBaixa produtividadeRotinaDescomprometimentoDerson LopesDesmotivaçãoDescomprometimento
  61. 61. EsquemaMotivação - ComprometimentoPropósitoPensamento PositivoEmoções Positivas Altos Níveis de EnergiaAutomotivaçãoAlta ProdutividadeCriatividadeComprometimentoAssociação Supermotivação e 7 Hábitos de Pessoas Altamente Eficazes
  62. 62. PropósitoUma Vida com PropósitosSignificado naquilo que fazAmar o trabalhoDerson LopesFATOR MOTIVACIONAL
  63. 63. Pirâmide de Maslow
  64. 64. 65DEFINIÇÃO DE TERMOSRELIGIOSIDADE ECOMPETÊNCIAS PROFISSIONAISPrática coerente de princípios religiososservindo de base para a compreensão dotrabalho e moldando o conjunto de habilidades,atitudes e conhecimentos aplicadas à práticaprofissional
  65. 65. 66CONTRIBUIÇÃOA maior contribuição da Religiosidade é fazercom que as pessoas usem suas competênciasprofissionais para alcançar uma missão em seutrabalho
  66. 66. Propósito- ReligiosidadeDeus deu um propósito para seutrabalhoMissão no TrabalhoVisão de continuidade de suaobra - LegadoDerson LopesFATOR MOTIVACIONAL
  67. 67. Muhammad Yunus
  68. 68. PRÊMIO NOBEL DA PAZ - 2006
  69. 69. Nasceu  em  28/06/40Formou-­‐se  em  Economia  em  BangadleshDoutorado  em  Economia  em  HarvardProfessor  de  Economia  na  Universidade  em  1976Muhammad Yunus
  70. 70. Microcrédito
  71. 71. BANQUEIRO DOS POBRES
  72. 72. 1983 - Grameen Bank
  73. 73. Média de Empréstimo de 30 dólares
  74. 74. Dados do Grameen BankMais  de  8  bilhões  de  dólares  em  empréstimos  desde  19838  milhões  de  clientes  (97%  mulheres)Mais  de  80  mil  vilas  alcançadas
  75. 75. JohnHatchRupertScofield
  76. 76. John WoodAmericanoFormado  em  EconomiaMBA  em  FinançasTrabalhou  na  área  financeiraMicrosoft  em  1991Diretor  de  Marketing  na  Asia
  77. 77. Dados da Room to Read287  escolas3.600  bibliotecas110  oficinas  de  informática2,8  milhões  de  livros  doados2.336  bolsas  de  estudo  para  meninas  carentes1,2  milhões  de  crianças  alcançadas7  países
  78. 78. DESCOBERTADAVOCAÇÃO PESSOAL96
  79. 79. DEUS NOS FORMOU COMUM PROPÓSITO“ao povo que formei para mim mesmo afim de que proclamasse o meu louvor".Isaías 43:21
  80. 80. DEUS NOS FORMOU COMUM PROPÓSITOE agora o Senhor diz, aquele que meformou no ventre para ser o seu servopara trazer de volta Jacó e reunir Israel a elemesmo, pois sou honrado aos olhos doSenhor, e o meu Deus tem sido a minhaforça;Isaías 49:5
  81. 81. DEUS NOS FORMOU COMUM PROPÓSITO"Antes de formá-lo no ventre eu o escolhi;antes de você nascer, eu o separei e odesignei profeta às nações".Jeremias 1:5
  82. 82. DEUS QUER VER O CUMPRIMENTO DESEU PROPÓSITO“Do lugar da sua habitação contempla todosos moradores da terra.Ele é que forma o coração de todos eles,que contempla todas as suas obras.”Salmos 33:14-16
  83. 83. FORMAÇÃO DIVINAHabilidades (pontos fortes)Personalidade(temperamento eatitude)Coração (interesse, vontade, paixãopela atividade)Experiência(processo dedesenvolvimento)
  84. 84. HABILIDADESTemos habilidades inatas e adquiridasTemos habilidades que gostamos deexercer e as que não gostamosPontos fortes são as habilidades quetemos, inatas ou adquiridas, quegostamos de exercer e produzemresultado
  85. 85. PONTOS FORTESTodos temos pontos fortesDevemos investir tempo,esforço em dinheiro emnosso pontos fortesNossos pontos fortes dosdiferenciarão da maioria
  86. 86. Exercer os pontosfortes produzirá osmelhoresresultadosNão confundirpontos fracos comfalhas profissionais/moraisPONTOS FORTES
  87. 87. PONTOS FORTES
  88. 88. PERSONALIDADETemperamentoInúmerascombinações depersonalidadeFatores positivos enegativos
  89. 89. PERSONALIDADEInteligênciaemocionalPropensão paradeterminadasatividades
  90. 90. FORMAÇÃO DIVINAHabilidades (pontos fortes)Personalidade(temperamento eatitude)Coração (interesse, vontade, paixãopela atividade)Experiência(processo dedesenvolvimento)
  91. 91. CORAÇÃOTemos trabalhar emalgo que gostamosExercer a profissãodeve produzirfelicidade e prazerRealização pessoal eprofissional
  92. 92. CORAÇÃOTodo trabalho tem atividades ruinsO prazer deve vir do trabalho comoum todo
  93. 93. CORAÇÃO“Todos os empregos têm dias ruins eperíodos difíceis e, sem dúvida, emcertas épocas, você trabalha apenaspara resolver problemas. Mas, nosmelhores cenários, você ama o trabalho– pelo menos algo nele. Ele oentusiasma.... as vezes o simplesdesafio do trabalho é o principal fatorde motivação.”Paixão por Vencer, 89
  94. 94. EXPERIÊNCIASTudo que fazemos nos acrescentaexperiências, boas ou másEstudoTrabalhos BásicosA trajetória de vida vai construirquem seremos no futuro
  95. 95. VOCAÇÃOSeiFazerGosto deFazerObtenhoResultadosFazendoMinistério
  96. 96. VOCAÇÃOCONCEITO PORCO ESPINHO
  97. 97. CONTRIBUIÇÃOPara ser completa, sua atividadeprecisa trazer alguma contribuiçãopara a sociedade, caso contrárionunca alcancará o topo da pirâmidedas necessidades humanas, ou seja,autorealização
  98. 98. CAUSAAlgo que você gostaria de resolver nasua organização, na sociedade, nomundo.
  99. 99. CAUSA1 - Em que a organização/mercadoestá interessado?2 - O(s) problema(s)-chave que elesenfrentam são:3 - Minha proposta de solução é:
  100. 100. CAUSASeus esforços podem ser pequenos,mas podem dar início a mudança quevocê deseja ver no futuro
  101. 101. Você não precisa ter o empregomais emocionante e destacadopara dar uma grandecontribuição e amar seu trabalhoCAUSA
  102. 102. CONTRIBUIÇÃO
  103. 103. CONTRIBUIÇÃOConsciênciaTalentosNecessidadePaixãoSuacontribuiçãoúnica
  104. 104. HISTÓRIA PERDIGÃO
  105. 105. HISTÓRIA PERDIGÃO
  106. 106. HISTÓRIA PERDIGÃO
  107. 107. HISTÓRIA PERDIGÃO
  108. 108. HISTÓRIA PERDIGÃO“Deus havia meemprestado algunsdons para administrara minha empresa, elesnão eram meus...”Egon João da Silva
  109. 109. DAVID GREEN
  110. 110. TECNOLOGIA AMBIENTAL
  111. 111. DAVID GREEN“Meus motivos são egoístas. Penso que fuicolocado na Terra por um período breve.Poderia usar meus talentos para ganharmuito dinheiro, mas onde estaria no finalda vida? Prefiro ser lembrado por terdado uma contribuição significativa paramelhorar o mundo para o qual vim a terganho milhões."
  112. 112. DECLARAÇÃO DECONTRIBUIÇÃO1 - Escreva um tributo a uma pessoaque influenciou sua vida
  113. 113. DECLARAÇÃO DECONTRIBUIÇÃO2 - Escreva tributos que você gostariade receber
  114. 114. DECLARAÇÃO DECONTRIBUIÇÃO3 - Revise seus pontos fortes4 - Revise sua causa
  115. 115. DECLARAÇÃO DECONTRIBUIÇÃO5 - Escreva sua declaração decontribuição
  116. 116. DECLARAÇÃO DECONTRIBUIÇÃO6 - Compartilhe e discuta com outraspessoas
  117. 117. MONTANDO O QUADROPESSOALPONTOS FORTESPERSONALIDADEATIVIDADES QUE GOSTADECLARAÇÃO DE CONTRIBUIÇÃOATIVIDADES AGRADÁVEIS ERENTÁVEISEXPERIÊNCIAS
  118. 118. PLANO DE VIDAVisão - Padrão de excelência,contribuição para sociedadeMissão - Atividades a ser exercidaconstantemente para alcance da visãoValores - Filtros
  119. 119. COMO VIVERSUAVOCAÇÃO
  120. 120. DESCOBERTAACHEI!!!
  121. 121. DESCOBERTAE AGORA?
  122. 122. VOCAÇÃOExtremo 1: Ignorar e vivercomo antes
  123. 123. VOCAÇÃOExtremo 2: Mudar de maneirabrusca
  124. 124. VOCAÇÃOMuitas vezes você descobre que não estátrabalhando em sua vocaçãoMuitas vezes não é possível mudarimediatamente
  125. 125. VOCAÇÃOPaciênciaPense no longo prazoMonte um planejamento para a mudançaDesenvolva atividade paralelaFaça reserva financeira
  126. 126. VOCAÇÃOAproveite sua experiência atual para seuplano futuroBusque alternativasProcure fontes de recursosCompartilhe com pessoas de confiançaNÃO DESISTA!
  127. 127. Definição dos altos propósitosque você quer servir e o quevocê pretende alcançar em suacarreira ou função atualDECLARAÇÃO DECONTRIBUIÇÃO
  128. 128. COMPETÊNCIASBÁSICAS PARA EXERCERSUA VOCAÇÃO147
  129. 129. COMPETÊNCIAS BÁSICASAlém dos pontos fortes, existemalgumas competências básicas queprecisam ser desenvolvidas pelo menosao nível básico para alcançar êxitoprofissional
  130. 130. COMPETÊNCIAS BÁSICASMuitas dessas competências sãodesenvolvidas ou fortalecidas commaior facilidade por quem possuireligiosidade ativa
  131. 131. 21st century competences and their impact
  132. 132. Principal CompetênicaEssencial para qualqueratividadeDefine-se basicamentepela capacidade deinfluenciarLIDERANÇA...se é exercer liderança, que a exerça com zelo; Romanos 12:8
  133. 133. LIDERANÇA
  134. 134. LIDERANÇA“disposição de assumir riscos”.“desejo apaixonado de fazer a diferença.incômodo com a realidade”.“assumir responsabilidades enquanto outros inventamjustificativas”.“enxergar as possibilidades de uma situação enquantooutros só conseguem ver as dificuldades”“poder de potencializar muitas vidas”
  135. 135. Não está relacionadacom função de comando360oNão é inataNão depende de carismaLIDERANÇA
  136. 136. LIDERANÇAPessoas que são ativas em umadenominação religiosa costumam teruma grande oportunidade dedesenvolver liderança em sua maioressência: com voluntários
  137. 137. Prática - aproveitar todas as oportunidadesRelacionamentosCursosEstudoCOMO DESENVOLVERLIDERANÇA
  138. 138. COMO DESENVOLVERLIDERANÇA
  139. 139. Carreira HorizontalAuxílio as necessidades das empresasPreparo para funções superioresADAPTABILIDADETornei-me tudo para com todos, para de alguma forma salvar alguns. 1 Coríntios 9:22
  140. 140. ADAPTABILIDADEReligiosos atuam em suas igrejas comovoluntáriosAtividades voluntárias exigemadaptabilidade a diferentes setores edepartamentosEmpresas valorizam profissionais comdisponibilidade de mudanças de áreas
  141. 141. COMO DESENVOLVERADAPTABILIDADEAproveitar oportunidades para exerceratividades diferenciadasLeitura de assuntos diversificadosDisposição para mudança e abandono dazona de conforto
  142. 142. DISCIPLINAEssencial para qualquer áreaO crescimento pessoal provém dadisciplinaDenominações em geral ensinal disciplinaa seus membrosQuem recusa a disciplina faz pouco caso de si mesmo... Provérbios 15:32
  143. 143. Jim Collins“Executivos precisamser disciplinados paraalcançar resultadospara as organizações”DISCIPLINA
  144. 144. DISCIPLINA
  145. 145. Disciplina para aprendizado(Leitura, Estudo)Disciplina para FocoDisciplina para ExecuçãoDISCIPLINA
  146. 146. COMO DESENVOLVERDISCIPLINAAuto ControleCrescimento pequeno econstanteEstabelecimento de MetasPessoaisControle do Tempo
  147. 147. COMO DESENVOLVERDISCIPLINAPlanejamento Estratégico PessoalPlanejamento SemanalCursos, palestras e livros
  148. 148. COMO DESENVOLVERDISCIPLINA
  149. 149. COMUNICAÇÃOMedo da maioria daspessoasHabilidade que podeser desenvolvidaAmplamente utilizadaem meios religiososAssim, o homem se foi e anunciou a toda a cidade...Lucas 8:39
  150. 150. COMUNICAÇÃOApresentação de ProjetosApresentação de RelatóriosApresentação de Novos ProdutosRelacionamento entre profissionais
  151. 151. COMUNICAÇÃOBusca por investidoresMotivação de EquipeRelacionamento com Imprensa
  152. 152. COMO DESENVOLVERCOMUNICAÇÃOPreparo CorretoPrática Individual (ensaio)Oportunidades de práticavoluntária e acadêmicaCursos e Leituras
  153. 153. VIRTUDES CRISTÃSHonestidadeOperosidadeDiligênciaMoralidadePontualidadeCredibilidade
  154. 154. RESULTADO FINAL DE SUADEDICAÇÃO À SUAVOCAÇÃO178
  155. 155. AUTO REALIZAÇÃO
  156. 156. PropósitoPensamentosPlanosLiberaEnergiaProdutividadeCriatividadeRealizaçãoSatisfaçãoFELICIDADEMotivaçãoDerson LopesFELICIDADE
  157. 157. LEGADODeixar um legado é a maneira de sereterno antes da eternidadeAs marcas que você deixar falararão porvocê depois de sua morte
  158. 158. LEGADOPortanto, meus amados irmãos,mantenham-se firmes, e que nada os abale.Sejam sempre dedicados à obra do Senhor,pois vocês sabem que, no Senhor, o trabalhode vocês não será inútil.1 Coríntios 15:58

×