VIDA DE SANTA FLORA
“VIE DE SAINTE FLEUR”
CURÉ DE SAIN MERRY
MONS. CHANOINE GALLAY
du Clergé de Paris
1938
Tradução:
MADRE...
2
Porto Alegre, 12 de julho de 2010
A tradução da Vida de Santa Flora, do original datado de 1938, foi um
trabalho desenvo...
3
confirmação dos nomes próprios apresentados que, às vezes, se mostram com
grafias diferentes.
Estas observações, no enta...
4
“Ofereço ao Julinho, o fruto do meu trabalho de três meses.
Que esta leitura eleve ao céu as almas dos leitores”.
Ir. Hi...
5
Santa Flora (da Ordem de São João de Jerusalém) nasceu em 1309.
Partiu desta vida mortal para a vida imortal com cerca d...
6
ÍNDICE
Prefácio.................................................................................................. 07
1. ...
7
PREFÁCIO
Nós lemos nas Sagradas Escrituras estas encantadoras palavras: “Fazei
desabrochar vossa flor como o lírio e exa...
8
bondade, a paciência e a doçura”, dizia então, o apóstolo aos primeiros
cristãos.
Da mesma forma que a árvore nas Campin...
9
CAPÍTULO 1
A FLOR DA BELEZA MORAL
Santa Flora teve o insigne privilégio de nascer no seio de uma família
profundamente c...
10
Em 1895, os habitantes de Maurs dedicaram à Santa Flora um sino cujo
bronze leva esculpida a piedosa súplica em língua ...
11
Evocar a graciosa fisionomia de Santa Flora, é
recordar a lembrança de um grande mestre num
quadro onde as cores mais r...
12
é a dignidade e a santidade da criatura, imagem de Deus. Quem não ficou
preso de admiração diante das nobres fisionomia...
13
CAPÍTULO 2
FLORA, A FLOR DA LAREIRA FAMILIAR
A família cristã é um santuário onde nascem, crescem e desabrocham
coraçõe...
14
Santa recolhia piedosamente as lições que cada estação lhe trazia: o outono
com sua melancolia; o inverno, com suas gea...
15
Comunhão ela se preparou com muita piedade e recolhimento e se aplicou em
crescer em bondade moral. Voltava freqüenteme...
16
Percebendo um pobre mendigo, ou sabendo que um doente estava sem
recursos, logo seu coração se afligia e se aplicava en...
17
num patíbulo há 18 séculos que assim atrai a si a juventude , a beleza e o amor
e que aparece às almas com um clarão lu...
18
CAPÍTULO 3
A FLOR DA IDADE MÉDIA
Nascida ao alvorecer do século XIV , a piedosa religiosa do Hospital de
Beaulieu foi u...
19
Em todas as ocasiões ela lembra ao mundo a palavra de ordem do Mestre:
“Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
“Ama...
20
Jean Guiraud em sua História Parcial e História Verdadeira, denuncia a
falsa fé de certos escritores que levando ao ext...
21
germânico. Esta vitória salvou a França e acrescentou visivelmente o poder
real.
No meio de tantas instituições da Idad...
22
Hospital Beaulieu, uma congregação de religiosas foi fundada sob o mesmo
nome para o cuidado dos pobres e dos doentes.
...
23
mais precioso tesouro de nosso patrimônio artístico. As Igrejas da Idade Média
com a elegância de suas colunas, a espes...
24
CAPÍTULO 4
A FLOR DO HOSPITAL DE BEAULIEU
Sob os raios ardentes da graça divina, a querida Santa na primavera da
vida e...
25
entregou totalmente à vida de prece, de penitência e de caridade que ela tinha
escolhido sob a inspiração do Altíssimo....
26
doaram sem enfraquecer no serviço dos pobres, dos doentes e peregrinos.
Nenhuma ambição terrestre se apoderou deles, af...
27
discípulo amado, o apóstolo da Ceia Eucarística. Muitas vezes, Flora meditou
esta passagem evangélica, penetrada de unç...
28
Triunfante, a militante e a padecente, ela percebia o brilhante esplendor da
inefável Doutrina do Corpo Místico de Cris...
29
grande fervor. Pronunciar seus votos solenes que deviam prendê-la
irrevogavelmente ao serviço de Deus. Não era isto ent...
30
fazer parte do Instituto e de onde eles saem com a forma e a constituição
definitiva, as sombras e as cores especiais q...
31
CAPITULO 5
A FLOR DO CALVÁRIO
Toda grandeza está incompleta se ela não está rematada com o
sofrimento ligado à virtude....
32
fácil passar a concepção do Corpo Místico. Jesus é a cabeça deste Corpo e nós
somos os membros. O Apóstolo São Paulo, d...
33
O amor de Santa Flora por Nosso Senhor Jesus Cristo provocou sempre
nela, a respeito da cruz e do sofrimento, uma imens...
34
suas mãos, sua fisionomia amortecida, coberta de sangue, o Cristo sofredor fixa
com ternura seus olhos sobre sua piedoz...
35
CAPÍTULO 6
A FLOR DO AMOR DIVINO
Nosso Senhor dizia um dia a seus discípulos: “Eu vim trazer fogo à terra
e o que quero...
36
Deus, um amor sem medida. Ele não era para ela um sentimento vago e
impreciso, mas um fogo ardente de energias.
Aliment...
37
Deus pensou ter feito ainda pouco pelos homens e desceu do céu, veio
às sombras deixadas pelo pecado. Ele veio colocar ...
38
coração de Santa Flora, verdadeira fortaleza espiritual que se dirigia, por assim
dizer, do homem revoltado para quebra...
39
CAPÍTULO 7
A FLOR DO PARAÍSO
Flora olhava a terra como um lugar de exílio e aspirava com toda sua
alma para os bens ete...
40
Eu vos assinalarei algumas dentre elas: Santa Flora, no dia de Todos os
Santos, enquanto ela cantava o ofício com muito...
41
Muito numerosas foram as graças de eleição que Nosso Senhor
prodigalizou paternalmente à sua piedosa serva. Santa Flora...
42
esplendores. Este foi o dia em que a Igreja militante contou com mais uma
santa no céu pelos seus méritos e favores div...
43
CAPITULO 8
A FLOR DA IGREJA
O sepulcro de Santa Flora foi, segundo a expressão de Isaías, um túmulo
glorioso. Foram rec...
44
a revolução. Dias nefastos de 1792, a tempestade revolucionária se abateu
cruelmente em Beaulieu, centro de piedade e d...
45
Desde o princípio, a festa em honra de Santa Flora foi fixada em 11 de
junho para glorificar o aniversário de sua morte...
46
CAPÍTULO 9
FLORESCEI EM BELEZA PARA FRUTIFICAR EM BONDADE
Eis que vos dou um pequeno esboço da admirável vida de Santa ...
47
é a pedra angular. Serei eu mesmo vossa
recompensa infinitamente grande , dizia Deus a seu
servo Abraão. Deus fonte ine...
48
podem compreender. Nós aspiramos com os lábios
do coração as águas celestes correndo de vossa
fonte. Fonte de vida que ...
49
Fruto dos labores de Santa Flora, de seus sacrifícios, de seus exemplos
e de suas virtudes, de suas preces e de suas vi...
50
São Francisco de Sales na sua “Introdução à Vida devota”, afirma que a
santidade é compatível com todos os ofícios da v...
51
Pais de família, cumpri exatamente vossos deveres de religião, daí o
bom exemplo a vossos filhos, educai-os na crença d...
52
seguida cai-se em muitos outros, os quais não esperávamos. Nós
compreendemos então, que esta vida é, onde não se encont...
53
aplicadas sem descanso às obrigações de seu estado, justas para com todos,
caridosas com os desgraçados, de bom humor, ...
54
penetrante que o da águia, ela se eleva com ardor para Deus, descobre nEle as
grandezas adoráveis de sua sublime majest...
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
A Vida de Santa Flora
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Vida de Santa Flora

3.549 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Esportes
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.549
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
280
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Vida de Santa Flora

  1. 1. VIDA DE SANTA FLORA “VIE DE SAINTE FLEUR” CURÉ DE SAIN MERRY MONS. CHANOINE GALLAY du Clergé de Paris 1938 Tradução: MADRE HILDA BERND Religiosa da Congregação Santa Teresa de Jesus Porto Alegre 1980 Com a aprovação eclesiástica Vigário Geral de Cahors. França Cahors. 28/08/1938 Imprimatur – Cahors 02/09/1938
  2. 2. 2 Porto Alegre, 12 de julho de 2010 A tradução da Vida de Santa Flora, do original datado de 1938, foi um trabalho desenvolvido em 1980, pela Madre Hilda Bernd da congregação Teresina de Porto Alegre. Esta freira inaugurou em 1977, na Paróquia Santa Flora - situada na rua de mesmo nome, no Bairro cavalhada, em Porto Alegre - o apostolado da Legião de Maria. Este texto traduzido sobre a vida de Santa Flora foi apresentado ao apostolado sendo entregue à Irmã Legionária Teresinha Souza, hoje vice-presidente do Praesidium da Paróquia, que o entregou após a leitura, ao pároco da época, Pe. João Poletto. O trabalho datilografado ficou guardado durante muitos anos vindo ao conhecimento de toda a comunidade na festa de Santa Flora, realizada de 9 a 13 de junho, deste ano de 2010, pelo atual pároco, Pe. Armando Furlin. Para a festa, a Legião de Maria, por meu intermédio, editou um pequeno vídeo que ilustrou a vida de nossa padroeira. Para tanto, se fez necessário disponibilizar o referido texto e a leitura da única referência bibliográfica que encontramos, e que hoje, na paróquia é considerado um verdadeiro tesouro. Com a intenção de garantir a perpetuação desta importante história e divulgar mais informações sobre a vida de nossa padroeira com fácil acesso, digitei o texto que ficará preservado nos arquivos de nossa paróquia sob a guarda e responsabilidade do pároco que o disponibilizará da forma e meio que considerar adequados. Próprio de um trabalho de tradução e, em especial, de uma obra antiga, o texto nos apresenta algumas características que dificultam a sua compreensão fazendo-se necessário algumas alterações gramaticais e de formatação. Contudo, encontrei algumas questões não me foram possível solucionar como a falta de referências nas citações, bem como as referências bibliográficas que estão incompletas. Não me foi possível também, fazer a
  3. 3. 3 confirmação dos nomes próprios apresentados que, às vezes, se mostram com grafias diferentes. Estas observações, no entanto não encobrem o brilho de tão importante trabalho da saudosa Ir. Hilda que pela graça de Deus nos permitiu conhecer mais a vida de nossa padroeira, garantindo a admiração e devoção dos paroquianos e de mais cristãos que sabem valorizar a transcrição das obras de Deus em vidas como a de Santa Flora. Espero que o desejo de nossa tradutora, aqui apresentado e que esta nova versão possam chegar às suas mãos e, principalmente ao seu coração. Salve hoje e sempre Santa Flora! Lia Conceição Mineiro de Souza Magalhães Legionária de Maria da Paróquia Santa Flora.
  4. 4. 4 “Ofereço ao Julinho, o fruto do meu trabalho de três meses. Que esta leitura eleve ao céu as almas dos leitores”. Ir. Hilda Bernd Porto Alegre, 17 de maio, de 1980.
  5. 5. 5 Santa Flora (da Ordem de São João de Jerusalém) nasceu em 1309. Partiu desta vida mortal para a vida imortal com cerca de 38 anos de idade, no ano de 1342, no mosteiro chamado Hospital, em Beaulieu. Deus a honrou com muitos milagres na vida, na morte e depois desta. Seu corpo é ali venerado com muita devoção, e sua festa é celebrada com grande afluxo de povo no dia 11 de junho. Conta-se que o nome de Sta. Flora lhe foi dado por ocasião de um milagre, quando na sua grande caridade, levou pães aos pobres e, perguntada pela Prior o que estava carregando, mostrou a ela rosas e flores. A Ordem de São João de Jerusalém foi fundada nessa mesma cidade, no Hospital dedicado a S. João Batista, fundado em 1048. Em 1099 os cruzados conquistados Jerusalém; cavaleiros entram na Ordem. Fundam-se conventos no sul da Itália e na França. O hábito das religiosas era o seguinte: hábito vermelho com a cruz branca sobre o peito e manto preto com a cruz dos joanistas. Mais tarde, quando os cruzados perderam, Rodes, trocaram o hábito vermelho pelo marrom, e o manto preto pelo amarelo, deixando ambas as cruzes.
  6. 6. 6 ÍNDICE Prefácio.................................................................................................. 07 1. A FLOR DA BELEZA MORAL ............................................................ 09 2. A FLOR DA LAREIRA FAMILIAR...................................................... 13 3. A FLOR DA IDADE MÉDIA................................................................. 18 4. A FLOR DO HOSPITAL DE BEAULIEU............................................ 24 5. A FLOR DO CALVÁRIO..................................................................... 31 6. A FLOR DO AMOR DIVINO............................................................... 35 7. A FLOR DO PARAÍSO....................................................................... 39 8. A FLOR DA IGREJA.......................................................................... 43 9. FLORESCEI EM BELEZA PARA FRUTIFICAR EM BONDADE....... 46 10. DESEJO SACERDOTAL................................................................. 51 11. GLÓRIA A DEUS NO MAIS ALTO DOS CÉUS............................... 53 12. LADAINHA DE SANTA FLORA....................................................... 56 BIBLIOGRAFIA....................................................................................... 69
  7. 7. 7 PREFÁCIO Nós lemos nas Sagradas Escrituras estas encantadoras palavras: “Fazei desabrochar vossa flor como o lírio e exalai vosso perfume”. Os escritores sagrados, que sob a poesia das coisas criadas nos revelaram esplendores reais das verdades sobrenaturais e se serviram, freqüentemente, para melhor se fazer compreender, de símbolos comparações, emblemas e de analogias, de imagens e de metáforas. A descrição da flor com suas variedades e suas espécies, seus matizes e seu colorido sua magnificência e seu brilho, voltam freqüentemente sob suas narrações. A flor, não é ela, no reino vegetal o que há de mais encantador e mais suave? Vede, dizia Nosso Senhor Jesus Cristo a seus Apóstolos, vede os lírios do campo como eles crescem! Nada é tão belo nos campos como os prados esmaltados de flores sob o calor acariciante do sol, vê-se e flor aparecer pouco a pouco se matizar e espalhar seu perfume. A Flor é o sorriso de Deus! Nosso Senhor Jesus Cristo, não é Ele a flor da Divindade? Ele é, em Belém a flor em pleno campo, a flor do Eterno Amor! Uma outra imagem empregada pelos autores sagrados é a do fruto. Entretanto, dizia São Paulo aos romanos: “fostes libertados do pecado e vos tornastes filhos de Deus, tendes agora, por fruto, vossa santificação. Os frutos do Espírito Santo são, a justiça, caridade, alegria, paz, bem-aventurança, a
  8. 8. 8 bondade, a paciência e a doçura”, dizia então, o apóstolo aos primeiros cristãos. Da mesma forma que a árvore nas Campinas, na primavera se cobre de flores enriquecidas e matizadas de variadas cores e muda pouco em frutos dourados e saborosos, assim o discípulo de Cristo deve, na primavera da vida, ornar sua lama dos encantos da virtude e produzir, `a medida que toma consciência de suas responsabilidades, frutos abundantes de santidade. Todos estes pensamentos o Soberano Pontífice Pio XI os resumia admiravelmente nestes termos: “Florescei em beleza para frutificar em bondade”. Estas palavras do Augusto Vigário de Jesus Cristo têm surpreendente aplicação na nobre vida de Santa Flora, ilustre e simpática Padroeira da piedosa Paróquia de Issendolus, na França. Flor do lar familiar do Hospital de Beaulieu. Flor do Calvário e do amor divino, “ela floresceu em beleza para frutificar em bondade”. O grande naturalista Linneu dizia um dia: “Eu vi passar Deus numa flor”. Estas palavras encontram uma realização superior na pessoa de nossa querida Santa Flora. Flor viva, deliciosamente ornada dos dons da graça e santuário amado da Santíssima Trindade, ela respondeu perfeitamente ao apelo de Nosso Senhor Jesus Cristo: “Se alguém me ama e guarda minha Palavra, meu Pai o amará e nós viremos a ele e nele faremos nossa morada.”
  9. 9. 9 CAPÍTULO 1 A FLOR DA BELEZA MORAL Santa Flora teve o insigne privilégio de nascer no seio de uma família profundamente cristã. Ela, por isso, agradecerá a Deus por toda a sua vida, considerando esta graça como benefício supremo de Deus. Seu pai chamado Pons de Corbie, sua mãe chamada Melhors, eram todos dois religiosamente apegados a sua Fé cristã. Dez brancas flores germinaram e desabrocharam nesse delicioso jardim sob o orvalho fecundante das bênçãos divinas. Entre sete filhas, quatro foram religiosas da Ordem de São João de Jerusalém e a honraram por suas virtudes. Nascida em 1309, em Maurs, no Cantal, uma das mais belas regiões da França, Flora cresceu no meio familiar rodeada de devotamento e dos exemplos dos piedosos pais, ternamente amados. A cidade de Maurs está magnificamente edificada a 260 metros de altura sobre uma colina entre os vales de Rance e o riacho de Arcombes a pouca distância do Departamento de Lot, sobre a estrada de Aurillac e Figeau. Seu belo aspecto lembra Naím, a encantadora cidade da Palestina que no tempo de Nosso Senhor Jesus Cristo levava o nome nobre de graça e beleza. A seus pés estendem-se vastas pastagens e terrenos que os habitantes cultivam com cuidado. Construída sobre as alturas da cidade, a Igreja contemporânea de Santa Flora é do século XIV. Ela possui obras de arte, no meio das quais estátuas finamente esculpidas e painéis de madeiras notáveis.
  10. 10. 10 Em 1895, os habitantes de Maurs dedicaram à Santa Flora um sino cujo bronze leva esculpida a piedosa súplica em língua latina “Santa Flora, gloriosa filha da cidade de Maurs, rogai por nós.” O Vigário atual de Maurs, o cônego Guirbaldie, fiel às tradições de seus predecessores conserva o culto de Santa Flora. Este digno sacerdote celebra muito piedosamente sua festa cada ano, no domingo que segue o dia 5 de outubro. A jornada começa por uma missa de Comunhão e no fim da novena por uma Missa solene acompanhada de belos cantos litúrgicos. Acaba-se a festa pela procissão com as relíquias da Santa que se desenvolve com magnificência através de uma multidão religiosamente recolhida e piedosa. Em razão de seu nascimento em Maurs, a Santa é inscrita no catálogo dos Santos de Cantal. Ela tem sua festa e seu ofício. O Bispo de Saint-Flours, S.Excia. Mons. Lecoeur que é rodeado de veneração e da afeição de todos os seus, se encontra feliz de ter entre os santos de sua diocese a Santa Flora e lhe rende todos os anos muitas e fervorosas homenagens. Estas crônicas designam como lugar do nascimento de Santa Flora, uma casa da cidade, hoje pertencente à casa de Falvelly, outros lhe dão como berço no território de Chaule, o castelo de Marle. Este castelo foi destruído pela revolução. Uma gravura inserida nestas páginas representa suas crianças de uma família de Chaule.Em baixo o castelo, em ruínas. A menina com seu franco sorriso nos parece ser, como uma visão, a Santa Flora quando criança. Os pais de Flora, dignos cristãos, possuíam no vale um vasto domínio que eles cultivavam. Seu elogio se encontra formulado num trabalho premiado pela Academia Francesa, intitulado: O Velho Quercy. O autor, o abade Sol, arquivista muito erudito, bispo de Cahors, dotou a diocese de importantes trabalhos. Encantado pelo esplendor de Quercy, depois de ter elogiado a Fé religiosa de seus habitantes, ele escreve estas linhas: “Quem não amará estas paisagens e os ricos vales de uma região onde se encontram, a cada passo, o lavrador traçando com o arado o campo, e a camponesa de cabelos esbranquiçados e longo manto azul guardando suas ovelhas? Toda esta brava gente laboriosa sabe de uma maneira enérgica, disputar sua vida numa terra ingrata.
  11. 11. 11 Evocar a graciosa fisionomia de Santa Flora, é recordar a lembrança de um grande mestre num quadro onde as cores mais ricas e mais variadas se apresentam nos traços de uma imortal e soberana beleza. Lá, em uma doce luz se refletem e se penetram, se fundem e se harmonizam todos os matizes da perfeição ideal das grandezas brilhantes e as qualidades e os dons sublimes da virtude escondida. Fazei reviver esta lembrança e vós descobrireis com enlevo os esplendores de um magnífico espetáculo.” Mas antes de entrar na narração de alguns feitos da admirável vida de Santa Flora, lembremo-nos da verdadeira noção de beleza. A beleza se revela a nós como o reflexo de um espelho e dos esplendores das perfeições divinas. Este esplendor tanto mais brilhante e tanto mais doce e gracioso, nos enleva, nos cativa e nos fascina. Quem tem, por exemplo, sentido uma viva impressão diante de um bosque florido, estes carvalhos antigos, estas faias carregadas de folhagens ou os pássaros cantando para São Francisco e trinando alegremente? Tanto é verdade que o contato com a natureza que, segundo a expressão de um poeta é a vizinhança com Deus, nos enleva e nos emociona. São Francisco de Sales no seu Tratado do Amor de Deus nos Diz: “O belo é aquilo cujo conhecimento nos satisfaz e nos agrada. O belo, é ainda, o esplendor do verdadeiro.” Acrescente-se a ele: a beleza espiritual , moral e sobrenatural torna sempre o olhar mais belo, o sorriso mais doce, o tom de voz mais harmonioso, a fisionomia mais viva; mostra a elevação da alma superior a tudo que deve ter fim. Quanto a beleza física, é um bem efêmero, o mais frágil de todos. Semelhantes a certas flores que têm na manhã da vida um certo brilho, depois, murcham, secam e desaparecem rapidamente. A beleza moral, dizia o Padre Lacordaire “é a harmonia do belo e do verdadeiro em uma lama confundindo um com o outro”. A beleza moral é feita no interior por pensamento elevados e por palavras delicadas e amáveis no exterior. A beleza moral supõe na sua plenitude o esplendor, a ordem e a harmonia. Esta beleza luminosa é ainda, feita de lembranças refletidas daquilo que há de divino em nosso interior. O Divino em nós e nos outros é a alma imortal, a graça e a amizade com Deus,
  12. 12. 12 é a dignidade e a santidade da criatura, imagem de Deus. Quem não ficou preso de admiração diante das nobres fisionomias de santos sobre os quais se refletem os pensamentos, os sentimentos e as emoções de suas almas enamoradas da perfeição cristã? Quem não estremeceu nas profundidades de seu coração contemplando religiosamente Aquele que a Sagrada Escritura chama “O mais belo dos Filhos dos homens”? Jesus é a suprema beleza, pois Ele é a irradiação da glória Divina, não só seu reflexo, mas seu esplendor. Está em Jesus Cristo a beleza e a harmonia do bem e da verdade no esplendor de sua plenitude. Jesus é belo no seu aniquilamento, na sua Encarnação e no seu nascimento. Jesus é belo na graça de sua infância. Jesus é belo na sua pobreza voluntária, na sua obediência devotada ao Pai, na sua paciência admirável, na sua doçura inalterável. Ele é belo na brancura de sua pureza, como na púrpura de se Sacrifício. Ele é belo na retidão de seus julgamentos como na ternura de seu amor. Ele é belo na eloqüência de seus discursos como no silêncio de sua Paixão. Que diremos agora, da beleza moral da SSma. Virgem? Em que êxtase entra Miguel Ângelo diante da candura imaculada da Virgem? Ela é tão bela que ninguém pode contemplá-la sem experimentar seu encanto. Que impressão não sentiremos diante da incomparável beleza da Rainha de todos os Santos? Certamente, diz Bossuet, era conveniente que a Humanidade de Cristo, por causa de sua união com a Divindade, resplandecesse com todas as perfeições da natureza, como da graça. Ele foi assim privilegiado com uma beleza, de alguma forma divina. Maria é tão bela que os Anjos ficam em êxtase diante dela. Que digo eu? O próprio Deus se encanta com a Beleza de Maria. Ele a compara ao que há de mais gracioso na criação e a considera como a mais bela flor do gênero humano e a perfeita imagem de seu Filho. Santa Flora experimentou uma imensa satisfação ao contemplar este sublime ideal de perfeição. Ela floresceu, pois em beleza para frutificar em bondade.
  13. 13. 13 CAPÍTULO 2 FLORA, A FLOR DA LAREIRA FAMILIAR A família cristã é um santuário onde nascem, crescem e desabrocham corações, nobres e fortes, grandes e generosos. Nascida do sopro de Deus, protegida e vivificada pela Igreja, a família guarda como um depósito sagrado o tesouro dos princípios evangélicos. Ela guarda por si mesma a saúde do mundo. Embalsamada pelo perfume da religião, santificada em sua origem pelo sacramento que confere a graça e reabilitada por Nosso Senhor Jesus Cristo, a família aparece sobre a terra em todo seu esplendor e majestade do ideal de beleza que a graça confere. No santuário familiar, Flora brilha com um vivo clarão e irradia as virtudes de Nazaré e espalha os encantos maravilhosos de sua alma. Santa Flora tinha o espírito aberto e cultivado sedenta de luz e de verdade, inimiga do erro e da mentira. Além disso, ela estava dotada das vantagens da fortuna. Longe de se prevalecer de tanto bem, ela os imola à glória de Deus e em proveito dos pobres. De uma docilidade perfeita em consideração a seus pais, ela luta energicamente contra o egoísmo natural e contra os defeitos inerentes à sua idade. Os primeiros anos de Flora passaram deliciosamente. Ah! – dizia ela mais tarde – como passaram tão rapidamente estes anos ensolarados de minha infância! Quão boa e suave impressão deixaram em minha alma! Semelhante a São Francisco de Assis, a jovem experimentava uma religiosa emoção na presença das maravilhas e dos mistérios da natureza. Flora as celebrava em doces melodias e glorificava nelas o Divino artista. A
  14. 14. 14 Santa recolhia piedosamente as lições que cada estação lhe trazia: o outono com sua melancolia; o inverno, com suas geadas, despertava em sua alma a visão severa da passagem das coisas deste mundo e os graves ensinamentos do velho Simeão Nun Dimittis; a primavera com suas promessas; e o verão com suas riquezas reanimavam nela as esperanças da felicidade eterna. Flora vivia feliz nesta terra amada de Quercy que seus antepassados tinham fecundado com seus trabalhos, e sobre a qual eles tinham chamado as melhores bênçãos de Deus. Admirável espetáculo que oferecia a seus olhos límpidos e puros esta região privilegiada e querida do céu, enchia sua alma de encantadora alegria. Com efeito, os belos dias inundados de sol, revelavam à piedosa menina os campos esmaltados de flores e carregados de frutos a vasta campina que se estendia coberta de messes douradas, de prados ondulantes de frutos maduros e de carvalhos e faias de aspecto majestosos. Vibrando de alegria, a Santa adorava Aquele que sendo o esplendor da glória do Pai, o imprime de sua substância e sustenta todas as coisas por sua poderosa Palavra. Santa Flora, cujos sentimentos eram tão harmoniosos e tão elevados, possuía também toda a delicadeza de uma piedade verdadeira, sincera e esclarecida do amor de Deus, de zelo por sua glória e devotamento pelo próximo. A Santa estava animada de uma atividade sobrenatural por tudo aquilo que se referisse aos interesses superiores da Religião. Este entusiasmo sublime de sua alma dava aos seus sentimentos, às suas palavras e às suas obras uma suavidade, um vigor e um remate que provocavam em seu redor a simpatia, a admiração e a afeição. Sempre atenta a dar prazer a Deus, Flora achava no cumprimento de seus deveres uma fonte incomparável de felicidade. Ela experimentava por Deus, não somente respeito, admiração, mas um completo abandono e uma confiança muito filial. Era com estes sentimentos de inefável ternura que ela dirigia a Deus a prece por excelência: “Pai Nosso que estais nos céus.” Depois elevando sua alma a Santíssima Virgem ela dizia com amor de criança para com sua mãe “Eu vos saúdo Maria cheia de graça”. O primeiro encontro de sua alma com o Divino Mestre no Banquete Eucarístico, foi dos mais doces e consoladores. Admitida muito cedo à Primeira
  15. 15. 15 Comunhão ela se preparou com muita piedade e recolhimento e se aplicou em crescer em bondade moral. Voltava freqüentemente à Santa mesa para aí beber as virtudes e graças necessárias à perfeição de sua alma. Auxiliada pelos socorros divinos, ela realiza então, o programa de sua santificação que lhe havia traçado seu diretor espiritual, o vigário da Maurs, homem de Deus, piedoso e esclarecido. Sinceramente devotada à pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo, Flora entrava frequentemente na igreja e se prostrava ao pé do altar e adorava profundamente a Deus de toda a bondade que, por seu amor e por amor à humanidade, reside no meio de seus filhos sob os véus Eucarísticos. Como outrora em Betânia, Maria Madalena escutava as Palavras do Mestre, Flora ouvia com fervor os ensinamentos de Jesus e se alimentava com a SSma. Eucaristia que lhe aumentava seus sentimentos de amor, fé e confiança em Jesus Cristo. Possuidora em alto grau do sentido das realidades sobrenaturais, Flora assistia cada dia ao santo sacrifício da Missa e comungava freqüentemente. Seu coração era um altar de onde subia incessantemente para Deus o perfume de suas adorações de seus louvores e ações de graças. Os habitantes de todas as regiões de Quercy não podiam encontrar a jovem santa sem amá-la sem submeter-se á sua feliz ascendência que era de uma alma radiante e pura. Flora conduzia a piedade às meninas de sua idade e lhes inspirava o posto pelas virtudes e as animava na estrada da santidade. Arrasta- nos ao vosso seguimento -pareciam lhe dizer suas companheiras, empregando a linguagem da Sagrada escritura - e nós vos seguiremos ao perfume de vossas virtudes. Sólida e forte a piedade de Flora foi como uma alavanca poderosa que elevou muito alto as virtudes cristãs das jovens. Os fatos narrados nestas páginas rendem um preito de testemunho à vida da Santa de Quercy. Severa para si mesma, Flora era indulgente com os outros. Sua piedade não impedia nenhum de seus deveres, não era importuna a nenhum dos seus e respirava sempre a bondade, a doçura e a amabilidade. Sua conversação era agradável simples e afável, mas acompanhada de uma certa reserva que inspirava respeito. Amando, sobretudo falar em Deus, de seu reino e de seu serviço, ela deixava sempre a impressão de uma menina piedosa, devota e mortificada. Sua piedade era compassiva e condescendente.
  16. 16. 16 Percebendo um pobre mendigo, ou sabendo que um doente estava sem recursos, logo seu coração se afligia e se aplicava então a procurar socorro e remédio e a palavra que deviam aliviar o infortúnio e curar seu sofrimento e elevar sua coragem no padecer lembrando-lhe o Divino Crucificado. Em resumo, Santa Flora era profundamente generosa, isto é, de sua raça, segundo etimologia da palavra e de raça escolhida. Ela realizava em plenitude todos os tesouros contidos nesta eminente qualidade. Segundo livro da Sabedoria: “Ela manifestava em todas as circunstâncias a glória de sua origem”. Ela tinha gravado em seu coração a palavra de São Pedro aos primeiros Cristãos: “Vós sois a raça escolhida, o sacerdócio real, a nação santa a fim de que anuncieis as virtudes dAquele que vos chamou das trevas à sua admirável luz”. O cristão - dirá mais tarde Bossuet, fazendo eco às palavras do apóstolo - nasceu do ferimento de Cristo, nasceu do amor de Deus. Eis a explicação de tudo o que há de grande, de amor generoso na natureza. Na medida que avançava em idade, Santa Flora tomava mais consciência da grandeza de sua origem e da nobreza de sua raça e esplendor de seu nome. Como mais tarde, Joana de Chantal, sob a recomendação de São Francisco de Sales, ela agradecerá a Deus cem vezes ao dia em que ela era filha de Deus. Flora, a pequena Irmã Teresa do Menino Jesus, do século XIV Surpreendente semelhança liga estas duas santas que transfiguradas pelo radioso brilho das amáveis e sublimes virtudes foram, segundo a expressão de São Paulo a jóia e a coroa de sua família, do Mosteiro e da Igreja. Uma e outra nascem num lar profundamente cristão, rodeadas de afeição, solicitude e de excelentes exemplos. Uma e outra têm uma infância piedosa e cultivada mais tarde à sombra do Claustro de onde irradia a prece, a penitência e a caridade. Uma e outra fazem entrar em sua vida religiosa o sofrimento que resgata e expia a prece redentora que ganha e salva as almas, a santidade enfim que satisfaz e glorifica a Deus. Montalembert, nas últimas páginas de seu belo trabalho Os Monges do Ocidente escreve “Mas qual é, pois, este amável e invisível companheiro, morto
  17. 17. 17 num patíbulo há 18 séculos que assim atrai a si a juventude , a beleza e o amor e que aparece às almas com um clarão luminoso que atrai, ao qual elas não podem resistir. É um homem? Não, é Deus. Eis aí o grande segredo, a chave deste sublime mistério”. Somente um Deus pode alcançar tal triunfo e merecer tal abandono em suas mãos, tal confiança em sua Palavra. Este Jesus, cuja divindade é sempre insultada e negada, aprova todos os dias, entre milhares de outras provas pelos milagres de desinteresse, de coragem e de abandono o que se chama VOCAÇÃO. Ele nos fez de si mesmo e este sacrifício que o crucifica não é mais que a resposta de amor humano ao amor de um Deus que se fez crucificar por amor de nós.
  18. 18. 18 CAPÍTULO 3 A FLOR DA IDADE MÉDIA Nascida ao alvorecer do século XIV , a piedosa religiosa do Hospital de Beaulieu foi uma das mais belas flores da Idade Média. Sob os quentes raios desta era, a grandeza de justiça, de fé se abriu em sabedoria, devotamento e santidade. O século XIII acabava em beleza, depois de ter projetado no mundo inteiro o vivo clarão de suas magníficas instituições, de suas admiráveis fundações e de sua prodigiosa atividade. Ele foi o século de São Luiz, o rei cristianíssimo de 1226 a 1270, governou a França com uma iminente inteligência, um profundo amor a seus súditos e uma elevada perfeição cristã. Foi em 1235, sob o reinado deste ilustre soberano é que foram construídos os edifícios do Hospital de Beaulieu, onde se manifestaram as virtudes da humilde religiosa hospitalar de São João de Jerusalém. Entretanto, antes de falar mais detalhadamente de Flora, convém traçar um esboço do meio histórico onde ela viveu, isto é, a era cristã, chamada Idade Média. Na Idade Média, sob influência felicíssima do cristianismo, a sociedade toma uma orientação nitidamente religiosa. Tal é a nota característica. Profundamente impregnada do pensamento e do senso de Cristo, ela trabalha com um generoso entusiasmo e realiza no seu ambiente um sublime ideal que o Filho de Deus propôs à humanidade. Alimentada excelentemente da admirável doutrina do Evangelho, ela se aplica profundamente a marcar todas as suas instituições com o cunho e sinete de Deus. Ele forma de qualquer maneira no coração do homem a eminente virtude da caridade que apaga as discórdias, mantém a paz e fortifica a união.
  19. 19. 19 Em todas as ocasiões ela lembra ao mundo a palavra de ordem do Mestre: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. “Amar a Deus de todo o coração, de toda a alma e todo o espírito e ao próximo como a ti mesmo”. Este é o primeiro mandamento, mas o segundo é semelhante: “Amarás a teu próximo como a ti mesmo”. Elevada por tal ideal, uma sociedade devia desabrochar aos melhores resultados. Montalembert no Os Monges do Ocidente consagra belas páginas para o estudo da Idade Média. A religião, diz ele, não era relegada a um canto da sociedade ou murada com recinto fechado de seus templos ou da consciência individual. Ao contrário, convidava tudo a amar a religião, a tudo declarar, a tudo penetrar do espírito de vida e depois de ter assistido as fundações de um edifício sobre uma base inquebrantável, a mão maternal da Igreja vinha ainda coroar o cume de sua inteligência e de sua bondade. A lembrança da redenção e a dívida contraída com Deus pelo homem resgatado no Calvário, a incluía a tudo e se encontrava em todas as instituições, em todos os monumentos, em todas as almas. A vitória da caridade sobre o egoísmo, da humildade sobre o orgulho, do espírito sobre a matéria e de tudo aquilo que eleva a natureza, sobretudo aquilo que se encontra impuro, nela era freqüentemente combatido. Isto assegurava outrora, o reino da liberdade da Idade Média. Era o caráter enérgico dos homens e das instituições. Tudo aí respirava a sinceridade e santidade de vida. Tudo aí era pleno de seiva, de força e de juventude. Um fermento generoso e ardente. O bem aí toma parte superior pelos esforços e sacrifícios prolongados de uma multidão de almas admiráveis. É preciso concluir que a Idade Média é uma época de sombras e trevas? Certamente que não. A virtude e a felicidade não estiveram sempre no mesmo nível da Fé? Ao lado de um céu aberto havia sempre o inferno, dizia Montalambert. Mas mesmo num quadro de mestre, as sombras realçam mais vivamente as cores e suas belezas, assim na Idade Média, algumas fraquezas históricas descobrem mais poderosamente o alto valor de seus homens e de suas instituições.
  20. 20. 20 Jean Guiraud em sua História Parcial e História Verdadeira, denuncia a falsa fé de certos escritores que levando ao extremo o desprezo da verdade quiseram desconhecer as belezas da Idade Média. Estes homens são de lamentar. De uma parte eles são privados das reais satisfações que dão à alma enamorada um ideal de verdade e um dos mais atraentes espetáculos; e de outra parte, eles ignoram as alegrias espirituais que experimentam os historiadores íntegros oferecendo à contemplação de suas leituras as magnificências de uma época particularmente gloriosa. Numerosos historiadores não partilham de nossas crenças, entretanto respeitam a verdade e rendem homenagens à grandiosidade das Instituições da Idade Média, inspirada pela fé cristã e pelos imensos benefícios que elas espalharam no mundo. A vida material da Idade Média, a história o atesta, era próspera. Os trabalhadores tinham mais satisfações e bem-estar que os de nossos dias. A idade Média foi a era dos grandes Papas. Entre eles citaremos Gregório VII e Alexandre III que firmaram os direitos da Igreja e reivindicaram sua independência dos Estados. Inocêncio III foi um dos Papas mais ilustres da Idade Média. Os historiadores param de admiração diante da figura desse grande Papa. Possuindo em alto grau todas as qualidades de um Chefe Supremo da catolicidade, dotado de um perfeito conhecimento dos homens e de um admirável talento par ao governo da Igreja, Inocêncio III acrescentava a suas altas qualidades morais uma grande piedade e uma profunda humildade ao lado de uma vasta ciência. Sobre seu augusto pontificado se realizou o mais imponente dos Concílios Ecumênicos, o 4º Concílio de Latrão, em 1215. Os padres do Concílio decidiram as cruzadas para libertar os lugares santos. Depois, apareceram os decretos relativos às heresias dos tempos e da disciplina. Estes últimos decretos são até hoje, a base do direito Eclesiástico. Inocêncio III intervinha freqüentemente nos desentendimentos dos soberanos para fazer reinar a paz e a concórdia. Foi sob seu reinado que Felipe Augusto alcançou em 1214, a célebre vitória de Bouvines contra Otão que queria, apesar da proibição do Papa, anexar as Duas Sicílias ao reino
  21. 21. 21 germânico. Esta vitória salvou a França e acrescentou visivelmente o poder real. No meio de tantas instituições da Idade Média mencionaremos a Cavalaria que foi a consagração de uma parte da nobreza feudal e a defesa da Igreja, dos pobres e dos oprimidos. Uma palavra resume o dever dos cavaleiros: HONRA, ou ainda “Faze ainda que doa e venha o que vier”. Guizot afirma em uma página de sua História que a cavalaria teve um grande papel, o maior e o mais longo que se imagina no desenvolvimento moral da França. A Idade Média foi a era dos Grandes Santos. Foi com efeito, o florescimento de santos, tais como: Santo Anselmo e São Bernardo, no século XIII, São Luiz e São Tomáz de Aquino, São Francisco de Assis, São Domingos, São Raimundo de Pena Fort, Santa Clara, Santa Elizabete, Santa Brígida, Santa Catarina de Sena, Santa Gertrudes, Santa Juliana e Santa Flora de Querçy. A Idade Média foi a era das grandes ordens religiosas. Citaremos entre elas Franciscanos; Dominicanos; Carmelitas; Agostinhos; Cisterciences; Monges de Cluny; Ordens Mendicantes; Ordens Hospitalares; Ordens Militares; Nossa Senhora das Mercês para resgate dos cativos; e a terceira Ordem de São Francisco destinada aos deveres da vida ordinária com a vida religiosa. As Ordens mendicantes prestaram à Igreja e à sociedade serviços inapreciáveis. O Gênero da Cavalaria, moderna ao serviço de todas as nobres e santas causas não possuíam outras almas além da pobreza, penitência e amor às almas. Estes institutos era a expressão vivente do Evangelho. No meio delas assinalamos as ordens Militares. Essas Ordens nasceram da mesma inspiração das Ordens hospitalares da Caridade. Proteger os peregrinos da Terra Santa contra os muçulmanos, tal era sua função. A primeira em ordem cronológica foi a dos Cavaleiros de São João de Jerusalém. Distinguiam-se aí três categorias de religiosos: os cavaleiros para defesa armada dos peregrinos e de todos os cristãos; segundo, os Sacerdotes para culto; terceiro, os irmãos e irmãs devotados ao serviço dos enfermos; e outros ao serviço dos cavaleiros nas expedições militares. Pois como veremos, para o
  22. 22. 22 Hospital Beaulieu, uma congregação de religiosas foi fundada sob o mesmo nome para o cuidado dos pobres e dos doentes. A Idade Média foi a época das Corporações. Nesta época, os grupos de trabalhadores colocavam seus trabalhos e seus interesses sob a garantia do juramento religioso e sob a proteção dos Santos. A Corporação era uma verdadeira família onde reinava a afeição, a concórdia e a paz. A idade Média foi a Era dos grandes devotamentos e dos generosos sacrifícios. Ao grito de DEUS O QUER, os Senhores e os povos cristãos se lançavam em socorro de seus irmãos oprimidos na Palestina, rivalizando em coragem para resgatar das mãos dos muçulmanos o Santo Sepulcro. Sob o comando de Monfort, em 1212, realizou-se a batalha decisiva de Muret que assegurou a vitória da fé contra a invasão de Islan. A Idade Média foi a Era dos grandes teólogos. Foi na Idade Média que Dante Aliguieri, célebre poeta italiano, elevou com a Divina Comédia, o edifício grandioso da epopéia teológica. Foi a Súmula de S. Tomáz de Aquino, chamado o Doutor Evangélico, o “Anjo das Escolas”. A Súmula é um código completo de erudição filosófica e religiosa. Santo Tomáz foi e continua sendo o grande luzeiro da Igreja Católica. Verdadeiro gênio, ele trata dos maiores problemas religiosos com uma claridade junto a uma profundidade e uma grande precisão nos termos, uma lógica rigorosa e uma exatidão perfeita da doutrina cristã. Entre tantos escritores, muitos mereceram serem particularmente nomeados: Alberti, o Grande (1193 –1280),da Ordem dos irmãos Predicadores; Jean Duns Scot (1266- 1308), da Ordem dos Frades Menores, doutor sutil, assim nomeado devido à sagacidade de seu espírito; Roger Bacon (1214- 1294), da Ordem dos Frades Menores, chamado Doutor Maravilhoso que avançou os séculos e foi um profeta científico das idades seguintes; São Boaventura, da Ordem dos Frades Menores, chamado Doutor Seráfico; Alexandre de Halés (1245), da Ordem dos Frades Menores de uma grande reputação de saber, chamado Doutor Irrecusável. A Idade Média foi a Era das grandes Catedrais revestindo o mundo com o branco adorno das Igrejas destes maravilhosos edifícios que constituem o
  23. 23. 23 mais precioso tesouro de nosso patrimônio artístico. As Igrejas da Idade Média com a elegância de suas colunas, a espessura de suas muralhas e a majestade de suas cúpulas, a harmonia de suas linhas e o acabamento de seus detalhes e com as obras-primas que eles encerram, merecem seguramente serem classificadas entre as mais belas jóias da arquitetura mundial. Inclinamo-nos com respeito diante do gênio que as concebeu e o talento que as executou e a fé que as inspirou. Isto é a manifestação de uma civilização profundamente cristã. Estas Igrejas se apresentam a nós como a expressão religiosa da Idade Média, esta foi a Era das Universidades, isto é a datar de Luiz, o Santo Rei da França. Foi nessa época que fundaram as universidades. Os Soberanos Pontífices favoreceram seu desenvolvimento e estabeleceram a seu lado numerosos edifícios para colégios. No meio deles o mais célebre, o mais antigo, o de Sorbonne, fundado em 1252, pelo Cônego Roberto Sorbon, da Catedral de Paris e amigo de São Luiz. A Universidade de Paris, a mais antiga, a mais sábia, a mais gloriosa das universidades da França teve seu berço na Igreja de “Notredame” e Abadia de Santa Genoveva.
  24. 24. 24 CAPÍTULO 4 A FLOR DO HOSPITAL DE BEAULIEU Sob os raios ardentes da graça divina, a querida Santa na primavera da vida espalhou em torno de si o delicioso perfume de suas virtudes familiares. Seu coração era um desses lugares abençoados onde cresciam as flores e se desenvolviam em frutos saborosos de suas delicadezas, Floresceu em beleza para frutificar em bondade, esta foi a vida de Santa Flora. Os pais da jovem preocupados com o seu futuro tinham formado a seu respeito projetos de casamento. Mas logo que eles lhe participaram de seus projetos, Flora lhes respondeu imediatamente: “Eu jamais procurarei outro esposo, senão Jesus Cristo. Eu desejo me consagrar a seu serviço. Eu vos peço, colocai-me em um Mosteiro onde eu possa responder ao chamado divino”. Os pais eram muito cristãos para se opor à realização de um voto tão sublime. Eles se inclinaram, pois, a ceder, embora a separação lhe fosse muito amarga. Eles favoreceram do melhor modo possível, a vocação de sua filha bem amada. Deus devia transportar essa flor para despontar em um de seus jardins onde floresceria a santidade. Quanto à afeição de Flora a seus pais, sempre foi crescendo. Ela não os esquecia em suas preces e nada levou vantagem ao sentimento filial que lhes demonstrou sempre, mas fez a renúncia total de viver com eles e de todas as vaidades terrestres. Foi no ano de 1358, sob o Pontificado de Bento XII (1334- 1342), que Flora bateu às portas do Hospital de Beaulieu. Ela foi acolhida como uma jóia e admitida nas filas das postulantes. Logo que entrou no Mosteiro, Flora se
  25. 25. 25 entregou totalmente à vida de prece, de penitência e de caridade que ela tinha escolhido sob a inspiração do Altíssimo. As origens do Hospital de Beaulieu são as mais nobres. Relembrá-las é recordar as grandes lembranças que ficaram dessa época. No século III, viviam muito cristãmente em seu castelo, Guibert de Themines e sua esposa Aigline. Seu domínio compreendia as duas comunas atuais de Issendolus e de Themines com seu povoado, e mais o território chamado LePech-Vilange que compreendia o hospital Teulières e o moinho de vento, isto é, o lugar e seus arredores imediatos ao mosteiro. Muito desejosos de fazer uma boa obra, os piedosos castelães alimentavam uma magnífica idéia: Erigir um hospital com sua capela, uma casa de caridade onde os pobres, os doentes seriam cuidados, socorridos e consolados, segundo o pensamento de fé do Evangelho. Foram esses pensamentos que inspiraram os dignos castelães de Thémines a realizar esta admirável fundação. Todos os dias à porta de seu castelo desfilavam longos cortejos de misérias humanas. Um vasto hospital servido por cristãos de coração dedicado e desinteressado devia tomar neste lugar eminentes serviços de caridade. Um outro motivo levou igualmente os generosos castelães pôr seu projeto em execução: seria esse hospital edificado sobre uma estrada mito freqüentada por peregrinos, que se tornavam numerosos ao correr dos anos, aos santuários muito venerados tais como de Roma, Jerusalém, São Tiago da Compostela, e o túmulo de Martim, RocAmado, O edifício projetado devia oferecer a esses peregrinos o socorro de uma benevolente hospitalidade. O Bispo do lugar, Pons d’Antejac, felicitou calorosamente os castelães, os encorajou e abençoou seu belo projeto, cuja execução durou o período de 1235-1253. Foi no reinado glorioso de São Luiz que se elevou o vasto e magnífico edifício do Hospital de Beaulieu. Os piedosos castelães agruparam em redor dele personagens ávidos de espalhar o bem e a continuar a mais grandiosa obra de caridade.Durante quinze anos, eles se dedicaram sem calcular despesas sem se cansar, eles se
  26. 26. 26 doaram sem enfraquecer no serviço dos pobres, dos doentes e peregrinos. Nenhuma ambição terrestre se apoderou deles, afirmam as crônicas. Eles se consagraram sem reservas ao cuidado dos humildes e dos doentes aspirando unicamente reinar com Deus por ter tido piedade com seus pobres. Mas se o coração dos castelães de Thémines e de seus colaboradores eram sempre generosos, suas forças físicas enfraqueciam. Foi por isso que quiseram assegurar o futuro dessa casa Evangélica. Os Senhores de Thémines fizeram um apelo à Ordem de São João de Jerusalém que era hospitalar, para tomar conta do hospital. No dia 19 de julho de 1259 na Abadia de Eigene, Guibert de Thémines e sua esposa Aigline assinaram um ato de doação em favor da Ordem de São João de Jerusalém. A abnegação da qual os senhores de Thémines deram prova, nestas circunstâncias manifestavam altamente em homenagem às suas vistas sobrenaturais e seu perfeito desapego das riquezas do mundo e uma profunda piedade cristã. Retirados em seu castelo ali viveram alguns anos dando sempre o belo exemplo de sua vida cristã. Quanto à Ordem Hospitalar de S. João de Jerusalém, recebeu com não menos espírito de fé, o magnífico patrimônio da caridade que lhe foi legado tão generosamente e honrou a seus doadores. Sob excelente administração da Ordem de São João de Jerusalém, o Hospital Beaulieu viveu mais de cinco séculos. O mosteiro foi restaurado no século XVII por duas pessoas de qualidade: tia e sobrinha, Dama Galiote de Vaillac que teve um priorato de 64 anos, e Galiote de Sainte-Anne. Elas foram tanto uma quanto a outra, educadoras maravilhosas e mestras perfeitas na vida religiosa plena de vida e de fervor, de devotamento ao Hospital de Beaulieu que produziu durante muitos séculos os mais assinalados serviços de caridade. Foi nesta ardorosa atmosfera de vida religiosa que se desenvolveu piedosamente a vida de nossa santa. A prova de postulantado terminou. Flora foi admitida ao Noviciado e vestiu o hábito das Irmãs da Ordem de São João de Jerusalém. Sua alegria foi completa de pertencer à Ordem que tinha como Padroeiro São João Batista, o precursor de Cristo. Ela honrava igualmente em seu culto religioso a São Evangelista, o
  27. 27. 27 discípulo amado, o apóstolo da Ceia Eucarística. Muitas vezes, Flora meditou esta passagem evangélica, penetrada de unção, piedade e de amor considerando o discípulo amado repousando sobre o Coração do Mestre, sentir as palpitações e segredos divinos e recolher as ternas efusões que brotariam do coração de Cristo. A propósito destas pequenas virtudes tão bem praticadas pela piedosa noviça, São Francisco de Sales dirá mais tarde: “Cada um quer ter virtudes brilhantes, a fim de que sejam vistas de longe e que sejam admiradas por todos. Muito poucos se apressam a colher os grãos que crescem ao pé da cruz. Não se faz quase caso destas pequenas condescendências aos desagradáveis humores do próximo e ao sofrimento oculto que causa uma mal humorada fisionomia, a este amor de abjeção que nos faz suportar uma preferência mal fundada e uma pessoa importuna e responder agradavelmente a quem nos repreende com agressividade”. Tudo isso parece pequeno aos que não fazem caso de virtudes pequenas aos que só admiram virtudes enérgicas revestidas de reputação. Assim, sob os mais felizes auspícios começava Flora esta bela vida pela qual tanto tinha sonhado em dias anteriores. Sob o véu religioso e o hábito de burel, Flora conserva sempre a graça de sua fisionomia, seu doce sorriso e a juventude de seu coração. Esquecendo os ruídos do mundo, por um incessante diálogo com o Divino Mestre, ela se oferecia generosamente em holocausto para conversão dos pecadores e se imolava à glória de Deus para suprir a ingratidão dos homens pecadores. Flora sentia vivamente que sua vocação a chamava a fazer uma obra reparadora e indenizar Deus dos ultrajes que Ele recebia da parte dos homens. Com este fim e por sua profunda devoção a Jesus Hóstia ela se esforçava para render à Divina Majestade, tanta glória quanto o pecado lhe roubara. A grande devoção de Flora foi o Santo Sacrifício da Missa. Ela tinha consciência do seu valor infinito. Aplicada a recolher piedosamente seus grandes pensamentos que tirava da vida dos Santos, era como um perfume que lhe inundava a alma. Contemplando com êxtase a perfeita unidade que agrupa à Missa a Igreja
  28. 28. 28 Triunfante, a militante e a padecente, ela percebia o brilhante esplendor da inefável Doutrina do Corpo Místico de Cristo. A vida de Santa Flora sustentada por uma imensa devoção à Eucaristia não podia ser mais que intensa vida religiosa ardente se fecunda. Um santo - dizia o Padre Mateus - é um cálice cheio de Jesus o qual ao encher-se em demasia transborda para o mundo. Flora era esse cálice. Não havia mais que uma voz em todo o Mosteiro para louvar altamente sua grande solicitude no serviço de Deus e dos enfermos. Pela pureza e limpidez de sua alma, Flora era uma viva imagem dos anjos na terra. Santo Agostinho dizia que as virgens têm na carne qualquer coisa de anjo, e que não é carne, é a sua alma transparente de limpidez, isto pode se aplicar a Santa Flora. Seu noviciado foi para ela um período de preparação às graves obrigações de sua profissão religiosa. Sem perder tempo ela pôs à obra e fez rápidos progressos nas virtudes de seu santo estado. Obedecer, apagar- se, ser esquecida e passar despercebida tal foi o sonho de Flora. Esforçar-se cada dia para crescer em humildade, obediência e caridade tal foi sua grande obra. Glorificar a Deus e trabalhar para o reino de Cristo por uma vida de prece, de recolhimento, de trabalho e de penitência, de zelo e de devotamento, tal foi a nobre ambição de sua alma. No noviciado, Flora completa sua instrução religiosa por um estudo profundo das Verdades da Fé. Ela gravou em seu coração estas palavras de Nosso Senhor a seu Pai: “Pai Santo, a vida eterna consiste em conhecer um só e verdadeiro Deus e conhecer Aquele que vós enviastes: Jesus Cristo. Flora, por um trabalho assíduo encheu sua alma desta ciência divina. Mas este estudo de Deus, de suas revelações, de sua Igreja, longe de ficar nela em estado especulativo, provocou o desabrochamento de todas as faculdades de sua alma. Isto foi o princípio de uma prece mais fervorosa, de um amor mais intenso para com Deus. Chegou, enfim a hora a hora tão esperada de sua profissão, Flora então, possuía a ciência que se volta par ao amor. "Magnífica é a porção da herança que me coube”, tal foi o grito de alegria e de reconhecimento que se escapou de seu coração cheio de emoção ao anúncio que ela era chamada a este
  29. 29. 29 grande fervor. Pronunciar seus votos solenes que deviam prendê-la irrevogavelmente ao serviço de Deus. Não era isto então, seu imenso desejo? Para Flora, fazer profissão religiosa era tornar-se uma coisa santa, santa como o tabernáculo, onde reside o Verbo Eterno, santa como o cálice sagrado onde na Santa Missa fica o sangue de Cristo pelo Sacramento da Eucaristia. O dia da profissão religiosa foi para Flora o dia mais feliz de sua vida. No sentimento de sua felicidade, empregando a linguagem da Santa Escritura, ela exclamou : “Deus das virtudes, como vossos Tabernáculos são amáveis! Vossos altares, Senhor, eis único asilo que meu coração deseja. Vós sois o Deus de minha alma, minha porção por toda a eternidade”. O humilde hábito de sua Ordem que ela tinha alegremente recebido na sua entrada ao Noviciado deveria sempre ser para sua alma religiosa o símbolo amado das altas virtudes da pobreza, obediência e castidade que ela devia perfeitamente praticar. Santa Flora se pôs muito docilmente, sob a dependência da regra religiosa que ela sempre estimou com muito respeito. A regra é o grande instrumento da santidade porque aquele que a ela se submete, sabe em todas as horas do dia qual é a Vontade de Deus. A regra chama constantemente aos membros do Instituto, a lei da abnegação, do sacrifício e da imolação de si mesmo. Ela persegue e combate o egoísmo, o amor próprio, a inconstância e a negligência, a natureza com suas paixões. Ela não deixa nada e não abandona a nenhum instante à fantasia, ao capricho, ao humor, à impressão do momento, à ligeireza e a precipitação. Admirável mistura de doçura e de força a regra desenvolve e faz crescer todas as virtudes. Ela fornece aos membros da família religiosa os meios mais eficazes para lhes fazer adiantar e crescer em todas as virtudes no serviço de Deus. A Regra é como um muro de defesa que preserva os religiosos dos perigos e os coloca ao abrigo das surpresas do demônio. Esta é a Regra que conserva em cada Instituto a sua fisionomia própria seus traços característicos, seu carisma, seu espírito de família. Ela conserva o fervor e a caridade, a disciplina e a edificação. A Regra, diz um autor, é como um molde experimentado e aprovado ao qual são colocados e provados os elementos diversos que se apresentam para
  30. 30. 30 fazer parte do Instituto e de onde eles saem com a forma e a constituição definitiva, as sombras e as cores especiais que lhes convém. No seu livro O Cristo Ideal do Monge, Dom Columba Marmion, diz estas palavras: “Obedecer é se elevar, porque reconhece uma só autoridade diante da qual todas as nações devem se abaixar em adoração. Servir a Deus é reinar, é se levantar acima de todos os contingentes humanos até o Ser Supremo e Soberano Deus, isto é verdadeiramente ser livre, ser forte, ser grande, porque não é escravo de nenhuma criatura por elevada que ela seja.” Dom Marmion acrescenta, “não há mais que a fé, uma fé viva e ardente que possa nos elevar a esse nível e aí nos manter”. É nessa direção destes cumes altos e radiosos que se elevou rapidamente a grande Santa de Quercy.
  31. 31. 31 CAPITULO 5 A FLOR DO CALVÁRIO Toda grandeza está incompleta se ela não está rematada com o sofrimento ligado à virtude. Este acabamento de sua beleza, Deus queria dar à sua piedosa serva. O sofrimento é a consagração sangrenta e costumeira de toda eminente virtude. Ela é a participação ao sacrifício supremo de Nosso Senhor Jesus Cristo, às suas expiações e à sua Redenção. Santa Flora, pois devia entender no íntimo de sua alma as mesmas palavras que o Anjo Rafael dirigiu a Tobias: “Porque vós sois agradáveis a Deus é necessário que o sofrimento vos prove”. Mons. Hulst em seu magnífico panegírico da bem aventurada Maria Luisa de França, a religiosa carmelita de Saint-Denis e irmã de Luiz XV, disse estas palavras: “É um mistério par anos a solidariedade que admite as almas inocentes se substituírem aos culpados, na reparação de seus excessos”. Toda religião cristã está fundada sobre esta economia redentora. A virtude do sacrifício redentor ilumina as vítimas voluntárias que o amor insiste em acabar nelas o que falta ao sofrimento do Verbo encarnado. Certamente a Paixão de Cristo é superabundante, mas em vista do Dogma do Corpo Místico de Cristo. Cristo vive em cada um de seus membros e remata em sua carne seus próprios sofrimentos. Três motivos, com efeito, obrigam os cristãos a fazer penitência: o primeiro é a justiça face a Deus. A teologia nos ensina que o pecado exige em justiça uma reparação. Esta reparação consiste em render a Deus, na medida em que podermos, a honra e a glória da qual nós o privamos pelo pecado. Esta reparação deve ser tanto mais extensa quanto maiores e numerosas forem as faltas graves. O segundo motivo, resulta da nossa incorporação ao Cristo, esta existe em efeito na comunidade de vida com Jesus Cristo e nós. “Eu sou a vinha e vós os ramos”, dizia um dia Nosso Senhor a seus discípulos. Daqui é
  32. 32. 32 fácil passar a concepção do Corpo Místico. Jesus é a cabeça deste Corpo e nós somos os membros. O Apóstolo São Paulo, desenvolvendo de uma maneira admirável esta sublime doutrina dizia aos seus habitantes de Corinto: “Vós sois o Corpo de Cristo se um membro sofre todos os membros sofrem com ele, ou se um membro é honrado, todos os senhores se regozijam com ele”. Nosso Senhor Jesus Cristo, se bem que impecável, tomou sobre Si como chefe do Corpo Místico, o peso e a responsabilidade das faltas de todos os homens. Ele se oferece todos os dias como Hóstia de reparação. Sua vida foi, segundo a expressão da Imitação de Cristo, cruz e martírio. Os Cristãos para serem purificados têm o dever de se unir ao seu sacrifício, de participar de sua paixão e de se conformar com sua Imagem. Nada falta à integridade do sacrifício de Jesus Cristo porque sua paixão foi superabundante em méritos e toda poderosa em eficácia. Mas, sendo o Divino Redentor chefe de uma Igreja da qual somos membros uma harmonia se impõe entre o chefe da Igreja e seus súditos, entre o Corpo e seus membros. “Eu completo em minha carne - diz São Paulo - o que falta aos sofrimentos de Cristo, pelo seu Corpo que é a Igreja”. O terceiro motivo de penitência é caridade, em respeito ao próximo. O Pecador recebe o perdão de Deus e fica ainda a sofrer as penas mais ou menos longas, segundo a gravidade de suas culpas. Ora, a expiação nesta vida, segundo o sentir de todos os teólogos, é mais fácil e mais fecundo. Os cristãos são todos os irmãos e solidários uns com os outros. Expiar por seus irmãos, satisfazer por eles a fim de obter, seja em conversação, seja sua perseverança, é melhor serviço que se possa fazer aos outros. Tertuliano, esse grande gênio do III século dizia: “A penitência é felicidade e a beatitude do homem”. Longe de ser um paradoxo, esta frase é uma alta verdade. Todos os Santos, como Santa Flora, gozavam no meio de suas penitências uma alegria profunda e uma paz inalterável junto a uma confiança em Deus muito consoladora. Isto é um fato de experiência, pois ao entregar-se à penitência e mortificação nos enchemos da alegria do Espírito Santo. Os apóstolos superabundavam de gozo no meio de suas atribulações.
  33. 33. 33 O amor de Santa Flora por Nosso Senhor Jesus Cristo provocou sempre nela, a respeito da cruz e do sofrimento, uma imensa generosidade, considerando a morte de Jesus na cruz, o ponto culminante de sua vida e a hora solene que Ele lança por terra Satanás, o mundo e o pecado. Santa Flora caminhou piedosamente pela estrada do sacrifício. Chamada à honra de colaborar e de participar da grande obra da Redenção, a Santa religiosa subiu com esforço o áspero caminho do Calvário aceitando voluntariamente e mesmo alegremente as tribulações exteriores e interiores. Satanás, inimigo de toda santidade, devia com efeito, apresentar terríveis e violentos assaltos contra este anjo de pureza e de piedade que era a Flor do Hospital de Beaulieu, mas ele encontrou sempre uma alma invencível, como uma fortaleza inexpugnável. Multiplicava seus ataques violentos à medida que era vencido miseravelmente, então ele desencadeava sobre ela odiosos artifícios. Ele sugeria dúvidas sobre sua vocação e representava a loucura dos votos religiosos, animava a voltar ao mundo, onde lhe esperavam os verdadeiros prazeres. Os ataques de Satanás hipocritamente conduzidos fizeram cruelmente sofrer Santa Flora, mas longe de abalar sua coragem, consolidaram sua confiança em Deus. Uma grande prova foi para Santa Flora, a de causar a suas Irmãs profunda aflição. Como elas não tinham a chave do mistério de suas lágrimas, viam com tristeza e compaixão a sua piedosa companheira, antes tão alegre, agora mergulhada num mar de sofrimentos. Flora as ouvia implorando socorro da Virgem Maria dos Santos do Paraíso, porém longe de se justificar e falar dos violentos ataques do demônio, Flora calava oferecendo generosamente a Jesus Crucificado toda amargura de sua dor. Nosso Senhor teve piedade dela e a reconfortou com freqüentes aparições. Durante três meses, dizem as crônicas do tempo, Jesus apareceu à sua piedosa serva diante do parlatório do Mosteiro. A Igreja de Issendolus possui um quadro em alto relevo que representa Jesus aparecendo à Santa Flora. Coroado de espinhos curvado sob o peso da cruz que Ele sustenta em
  34. 34. 34 suas mãos, sua fisionomia amortecida, coberta de sangue, o Cristo sofredor fixa com ternura seus olhos sobre sua piedozíssima e fiel serva. Ajoelhada sobre a laje do claustro, Santa Flora contempla com enlevo a sublime visão, enquanto ela escuta no fundo de sua alma a voz do Pai, chamando-lhe com doçura que ela era predestinada a tornar-se conforme a imagem de seu Filho. Eis em que termos Monsenhor Abadae Amadieu descreve as visões da Santa: “Diante do parlatório, à direita do claustro, onde um Anjo está pintado na abóbada, durante três meses, Jesus apareceu à piedosa Flora. Do lugar em que ela viesse, da igreja, do dormitório ou do refeitório, ela via Jesus morto e a fisionomia em lágrimas olhando para ela. As torturas da Paixão suportadas por nós pecadores a penetravam”. O ardor de sua piedade compadecente lhe dava impressão de levar em seu coração Deus Crucificado, a ponto de sentir o braço da cruz a dilacerar e transpassá-la de dor. Flora morreu consumida de amor. Não tendo conhecido mais que um amor, nem mais que uma ciência, a do amor a Jesus, só de Jesus crucificado. Ela foi uma vítima de amor em resgate dos pecadores. Quando Flora experimentava o sofrimento e se achava nas trevas, ela dizia: “Eu sei que Jesus me olha com um olhar cheio de amor. Isto me basta”. O Calvário que subiu Santa Flora foi para ela uma grande escola de amor compadecente. Sua vida consagrada a aliviar todos os miseráveis o prova altamente. Servindo-se das palavras que um poeta latino pôs sobre os lábios de uma mulher sofredora de cruéis provas, Santa Flora podia dizer com toda sinceridade: “Não ignorando o sofrimento eu aprendi a socorrer os desgraçados”.
  35. 35. 35 CAPÍTULO 6 A FLOR DO AMOR DIVINO Nosso Senhor dizia um dia a seus discípulos: “Eu vim trazer fogo à terra e o que quero eu senão que ele arda e os ilumine?” Este fogo do amor de Deus que o Salvador tinha iluminado a alma de Santa Flora, provocou nela uma chama ardente e brilhante. Ela desejava vivamente que Deus fosse conhecido, amado e servido por todos os homens e para isso trabalhava todos os dias pelo exemplo e boas obras. Repetia diariamente com um novo fervor as sublimes palavras da oração dominical: “Pai Nosso que estais no céu que Vossa vontade seja feita na terra como no céu”. Ela conservava piedosamente em seu coração este amor a Deus que São Francisco Sales chamava “amor de bem-aventurança”. Seu amor, contrário às afeições egoístas, era centralizado em Jesus, do qual ela contemplava e meditava sem jamais se cansar as suas incomparáveis grandezas e as infinitas perfeições, as inefáveis delicadezas e as adoráveis misericórdias. Este espetáculo soberanamente atraente, penetrava em sua alma como a mais suave satisfação de prazer. Sobressaltava de alegria e prodigalizava a Deus os mais sublimes louvores. Ela traduzia seus sentimentos de piedade filial com sua alegria e suas Irmãs estavam profundamente maravilhadas de sua atitude sempre bem disposta e alegre. Qual deve ser a extensão de nosso amor para com Deus que nos prodigalizou tantos benefícios e tão insignes atos de bondade misericordiosa semeou em nossa vida? São Bernardo responde nestes termos: “A medida de amar a Deus é amá-Lo sem medida. Compreendeis - dizia ainda ele - que por uma bondade toda gratuita, apesar de sua infinita grandeza , dignou-se amar- nos, primeiro, a nós criaturas ruins e miseráveis, então vemos que nosso amor por Ele não deve ter limites”. Tal era seguramente o amor de Santa Flora por
  36. 36. 36 Deus, um amor sem medida. Ele não era para ela um sentimento vago e impreciso, mas um fogo ardente de energias. Alimentada pela contemplação dos atributos de Deus, pela meditação e oração, seu amor tornava-se cada dia mais vivo, mais terno, mais ativo. “Elevai-vos vozes da natureza” - devia exclamar Santa Flora, como outrora Santo Agostinho, diante dos esplendores da obra da criação – “elevai- vos ecos sublimes de infinitas bênçãos, vozes eloqüentes de todos os seres, elevai-vos até o trono de Deus! Aclamai e retumbai louvores místicos, santos e brilhantes harmonias da criação, é ela a beleza substancial e a amabilidade infinita!” É por ela que é preciso amor o Criador. O amor de complacência, pelo qual Santa Flora se regozijava de ver Deus que ela amava, tão perfeito, tão belo e tão bom. Ela se alegrava com um tão grande amor de condolência e de compaixão. Afligia-se dolorosamente pelos ultrajes que o pecado faz a Deus. Santa Flora partilhava plenamente dos sofrimentos de Nosso senhor Jesus Cristo na sua paixão e morte na cruz. Ao correr do ano 1347, ainda no Hospital Beaulieu cumpria sua missão, com toda sua magnificência Flora caiu perigosamente doente. Durante vários meses, presa de vivos sofrimentos, a Santa não se afastou jamais de sua paciência, de sua doçura e de sua serenidade. Aceitando heroicamente os males que a atormentavam rezava sem cessar e fixando seu olhar sobre Cristo Crucificado, a Bem-aventurada se oferecia a Deus em holocausto pela conversão dos infiéis, dos incrédulos e dos prevaricadores. Dirigindo-se aos pecadores, o Padre Lacordaire dirá mais tarde estas solenes palavras: “Deus vos encheu de seus benefícios por toda eternidade e vós profanastes a graça. Ele vos deu como um vaso de ouro o vosso corpo todo puro e dessa obra prima saída de suas mãos amorosas Ele pôs uma luz viva, cujos raios têm afinidade com seu próprio brilho, mas vós, filhos ingratos, fugistes de seu amor gratuito desse amor que só pedia correspondência de vossa parte, mas vós concentrastes sobre vós mesmos, vós fechastes os vossos olhos para não ver e vossos ouvidos para não ouvir e não entender a voz de vosso Criador e Deus que vos amava...”
  37. 37. 37 Deus pensou ter feito ainda pouco pelos homens e desceu do céu, veio às sombras deixadas pelo pecado. Ele veio colocar diante do homem sua Pessoa, sua Palavra, seus Atos, sua Vida para resgatar totalmente a culpa do homem e de toda a humanidade. Ele, o Filho de Deus feito homem, entrega-se a seus inimigos e voluntariamente morre crucificado entre dois ladrões sob os olhos dos homens que por suas próprias mãos O crucificam. Assim, movidas por uma imensa caridade, almas da elite, entre as quais está Santa Flora, elevam aos céus suas fervorosas preces e seus ardentes atos de adoração ao Senhor e por seus atos de reparação e desagravo pedem perdão a Deus lembrando as Palavras de Cristo na Cruz: “Pai perdoai-lhes, porque não sabem o que fazem”. O Pai misericordioso, apesar da ingratidão de seus filhos, ouve a prece dessas almas fervorosas e lhes concede suas graças. Eis aqui um traço que relatam os cronistas do Hospital de Beaulieu. “Perto do Mosteiro, vivia um homem de nome Guilherme, pecador escandaloso. Qual não foi o espanto do Padre Esmoler do Convento quando ele viu vir a ele, penitente e contrito, aquele que era a calamidade da cidade: - Por amor de Deus, Padre, quereis me ouvir em confissão? Parece-me que se eu disser meus pecados ao Padre, Deus me perdoará. O monge cheio de piedade acolheu com misericórdia o filho pródigo que até a sua morte edificou a comunidade por sua vida honesta e piedosa”. No momento dessa conversão, Flora tinha sob seus olhos uma visão maravilhosa que lhe representava toda alegria do céu pela conversão desse pecador. Um anjo lhe disse: “hoje o pecador Guilherme confessou todos seus pecados e foi absolvido e recebeu a graça de Deus, eis a causa da alegria no céu”. Do fundo de sua solidão amada, onde escondia suas virtudes sobrenaturais, Flora expandia seu coração em inesgotáveis súplicas pelos pecadores, semelhantes aos pára-raios que se encontram em cima dos edifícios para preservá-los dos raios. Assim, as orações de Flora preservavam as tempestades e desarmava a justiça soberana de Deus. Semelhante ainda, às cidadelas construídas nas alturas para a segurança dos povos, assim o
  38. 38. 38 coração de Santa Flora, verdadeira fortaleza espiritual que se dirigia, por assim dizer, do homem revoltado para quebrar seu ódio, dobrar sua vontade e transformar o seu interior e levá-lo para Deus. Semelhante, enfim à água que descendo das montanhas se infiltra na terra e a fertiliza, os favores celestes desciam da alma fervorosa de Flora para se espalhar em seguida sobre o mundo, santificá-lo e ganhá-lo para Deus. Santa Flora realizava verdadeiramente as palavras de São Paulo dirigida aos fiéis de Corinto: “A caridade nos oprime para viver não para nós, mas para Cristo que morreu e ressuscitou por nós”.
  39. 39. 39 CAPÍTULO 7 A FLOR DO PARAÍSO Flora olhava a terra como um lugar de exílio e aspirava com toda sua alma para os bens eternos da Cidade de Deus. Contemplar a Deus face a face, admirar a imensidade de sua beleza e bondade, a grandeza de todas as suas imperfeições, amá-Lo e possuí-Lo sem temor de perdê-Lo, tal era a suprema ambição de Santa Flora. Admitida a antever como São Paulo, as maravilhas dessa deliciosa morada, ela não tinha termos para descrever essa morada. Ela repetia como o Apóstolo: “A vista do homem jamais sentiu o que Deus tem preparado para aqueles que O amam”. - Como é magnífica essa glória! - dizia ela - Como é grande essa felicidade! Quão maravilhoso esse amor! Cheia de confiança total na Palavra do Mestre, de fé profunda na existência de um Deus remunerador e de adesão firme aos ensinamentos da Santa Igreja, a virtude da esperança era nela inquebrantávelvel. “Eu sei em quem creio”, dizia ela como São Paulo. Ela gostava de repetir estas palavras não menos consoladoras do apóstolo: “Vós recebestes um espírito de adoração com o qual dizeis: ABBA –PAI. O Espírito Santo dá, ele mesmo, testemunho de que somos filhos de Deus. Ora, se somos filhos, somos também herdeiros de Deus e cordeiros de Cristo. Se, é verdade que sofremos com Cristo, nós seremos glorificados com Ele porque eu sinto que o sofrimento do tempo presente não tem proporção com a glória que deve ser manifestada em nós. A espera impaciente da criatura que aspira a manifestação de filhos de Deus”. Tornando-se em seguida para Deus, Flora, com uma confiança mais viva exclamava: - Senhor eu serei saciada só no momento em que aparecer a Vossa Glória! Por este motivo a serva de Deus merece ser chamada A FLOR DO PARAISO. As belas visões das quais ela foi tão felizmente favorecida o justificam altamente.
  40. 40. 40 Eu vos assinalarei algumas dentre elas: Santa Flora, no dia de Todos os Santos, enquanto ela cantava o ofício com muito fervor e exaltava com entusiasmo a glória dos eleitos entreviu rapidamente e admirou a alma plena de delícias e esplendor da cidade celeste. Esta visão fez sobre ela uma viva impressão, tão forte que ela jamais perdeu a lembrança daquela felicidade. O céu se abriu novamente a seus olhos deslumbrados no dia da festa de Santa Cecília. Flora percebeu no paraíso, uma Virgem de resplandecente beleza, magnificamente ornada e rodeada de uma multidão de virgens que enchiam o lugar santo de seus harmoniosos cantos. - Quem é, pois, esta Virgem resplandecente entre todas? Perguntou Flora ao anjo. Este respondeu-lhe – Ela se chama Cecília, ela é resplandecente entre todas porque guardou sua fé, sua virgindade e foi mártir, por isso ela goza aqui no céu de uma glória imperecível. Santa Flora, em outra ocasião, viu em espírito, uma árvore celeste de uma magnífica floração. Eis aqui que o cume que toca uma águia formava a cruz com suas asas abertas. Ela percebeu entre suas garras um diamante de um brilho luminoso onde se refletia a glória dos anjos e dos santos. - Contempla e agradece a Deus, disse uma voz celeste. Ela obedeceu e diante das maravilhas que se ofereciam a seus olhos encantados, ela expandiu sua alma em vivas ações de graças. Em uma outra visão não menos atraente, um anjo a transportou ao paraíso e a conduziu no meio de tronos brilhantes de esplendor e lhe designou um trono mais brilhante que os outros e disse-lhe: - Eis o trono que o senhor te reserva para toda a eternidade. O êxtase terminou e Flora ficou por demais emocionada. Ela teve ocasião de falar dessa visão a um santo religioso que estava de passagem pelo mosteiro e recebeu esta resposta: - Esta visão pode ser verdadeira e merece fé, sobretudo se uma segunda vez vier confirmá-la. Três dias depois, a mesma visão apareceu a Santa Flora e diz-lhe: “Eis aqui o trono disse o anjo, quando humildemente te declaraste indigna de sua glória, por este motivo Deus quis aumentá-la. Tu estarás mais perto dEle – Eis aqui o lugar por toda eternidade – Eis os Santos que partilharão contigo alegremente e sem fim”.
  41. 41. 41 Muito numerosas foram as graças de eleição que Nosso Senhor prodigalizou paternalmente à sua piedosa serva. Santa Flora vivia numa constante oração, o espírito Divino, em recompensa lhe mostrava as maravilhas e as delícias desse lugar encantador. Para a piedosa serva de Deus a Santa Eucaristia era o paraíso da terra. Também tinha ela como um alto dom de Deus, uma ardente fé e devoção na presença do Senhor na Santa Hóstia. Conta-se nas crônicas do tempo que um Irmão Menor cantando um dia na Missa do convento de Fieux -distante do Hospital Beaulieu, pelo menos umas três horas - o Sacerdote depois do Pai– Nosso, tinha deposto sobre a patena as duas frações da Hóstia, tendo entre os dedos a terceira fração para misturar no cálice do Sangue de Cristo, mas qual foi a surpresa do Sacerdote, quando essa fração desapareceu de suas mãos. Um anjo do Senhor a tinha tomado e levado em comunhão à Santa Flora. Como o religioso se tornou perplexo, vindo ao mosteiro encontra-se com Santa Flora e lhe conta o sucedido e ela lhe revelou o miraculoso e extraordinário favor que recebera: Um anjo lhe trouxera a partícula consagrada que tirara das mãos do sacerdote esse extraordinário favor que a ela fora beneficiada. A Santa Eucaristia que ela recebia freqüentemente alimentava e desenvolvia nela sem cessar, suas aspirações ao céu. Santa Flora entregou piedosamente sua alma a Deus no dia 11 de junho de 1347. Servindo-nos de uma magnífica comparação de Bossuet, nós podemos aplicar a Santa Flora: Como o mais leve abalo destaca da árvore o fruto maduro, e como uma chama se eleva e voa sozinho ao lugar de seu centro, assim foi colhida a alma abençoada por ser repentinamente transportada ao céu. Sua alma foi levada por uma multidão de desejos sagrados. Então, os anjos fizeram ouvir um delicioso concerto cujas as notas harmoniosas encantaram a todos os eleitos. Quem é essa que se levanta como uma fumaça odorífera de uma composição de nardo de incenso? Dia de natal exclama a morte de um santo. Dia de nascimento, com efeito, é aquele em que o santo começa a viver plenamente. Assim aconteceu à Santa Flora no dia de sua morte. Foi o dia de sua introdução gloriosa na celeste pátria, o dia em que a Santíssima Trindade lhe revelou seus inefáveis
  42. 42. 42 esplendores. Este foi o dia em que a Igreja militante contou com mais uma santa no céu pelos seus méritos e favores divinos. Então se realizaram magnificamente as palavras do Divino Missionário: “Se o grão de trigo caindo na terra não morrer ele ficará estéril, mas se ele morrer produzirá muito fruto”. Da câmara funerária da Santa exalou um perfume de lírios e rosas, sua fisionomia serena e plácida nos parecia resplandecente com uma auréola de luz. Quantas lágrimas, soluços de pesar se espalhou por todo Mosteiro e fora dele quando souberam da morte de Santa Flora. No Hospital a piedosa religiosa fazia falta em toda parte, sempre estava pronta para ajudar a todos: suas companheiras edificava por sua vida evangélica; aos moribundos confortava pelas sublimes promessas de Deus infinitamente bom; aos pobres e aos doentes ela alegrava com suas visitas de caridade, suas carícias agora faltavam aos pequeninos e seu sorriso aos velhos e sua visita a todos. Mas, uma grande consolação reinava em todos os corações: o paraíso não se povoa em detrimento da terra. A religiosa agora, mais lembrada e chorada, estendeu sobre aqueles que deixara, o manto de sua doce e piedosa proteção. Quão bela é a geração dos corações castos com seu brilho! - escrevia um autor inspirado do Livro da Sabedoria - sua memória é imortal em honra de Deus e diante dos homens.
  43. 43. 43 CAPITULO 8 A FLOR DA IGREJA O sepulcro de Santa Flora foi, segundo a expressão de Isaías, um túmulo glorioso. Foram recebidas graças, favores foram obtidos, milagres sem conta foram aí realizados pela intercessão da santa muito venerada e querida do povo católico. O seu túmulo tornou-se o centro de uma piedosa peregrinação. Quantas aflições aí encontraram a paz, o alívio, o reconforto. Santa Flora leva a sua fama além de Beaulieu até os confins do reino. Havia treze anos que a Santa recebia todas essas honras quando Bertrnand Cardillac, Bispo de Cahors, permitiu a exumação porque o povo não podia crer na corrupção do corpo da Santa. Géraud lentillac, abade de Figeac, presidia o levantamento do sepulcro. As estradas estavam sulcadas de peregrinos cantando e rezando para a santa e invocando seus Anjos protetores. A cena foi muito emocionante: Na aurora de 11 junho de 1360, grupos numerosos rodearam o túmulo. Logo um silêncio profundo e religioso parou sobre a multidão dos peregrinos. Repentinamente a pedra foi levantada, um perfume suave desprendeu-se do túmulo e se espalhou sobre a multidão e se estendeu até bem longe. O mesmo prodígio devia se reproduzir dez séculos depois, mais tarde a 6 de setembro de 1910, o dia da translação das relíquias de Santa Terezinha do Menino Jesus. Quando os operários levantaram a pedra que fechava a entrada do sepulcro, um perfume suave e delicioso se espalhou das profundezas do sepulcro. Flora assinalou sua volta como a Santa de Lisieux, com numerosas curas. Os Bispos de Cahors tiveram sempre grande devoção às preciosas relíquias da Santa de Quercy. Mencionaremos, entre eles o Monsenhor de Noailles que se tornou arcebispo de Paris e cardeal da Santa Igreja; Monsenhor Lejai; Monsenhor Giray, de feliz memória; Monsenhor Moussaron, hoje chefe venerável da Diocese. Quando Santa Flora recebeu as honras da canonização suas relíquias foram levadas solenemente à Capela de Beaulieu. Mas rebentou
  44. 44. 44 a revolução. Dias nefastos de 1792, a tempestade revolucionária se abateu cruelmente em Beaulieu, centro de piedade e de devoção. Em 1793, os restos mortais da querida Santa foram profanados e dispersos à exceção de alguns que fiéis tiveram a felicidade de subtrair das barbaridades sacrílegas. O convento foi saqueado e pilhado, arruinado. As religiosas foram obrigadas a pedirem um abrigo nas Casas de Caridade. O vigário de Issendolus, Monsenhor Sasmayoux, expulso de sua paróquia, foi exilado. Mons. Brassat, vigário, e Mons. Surgier esmoler do convento sofreram a mesma sorte. Os revolucionários tinham acendido uma fogueira pra destruir os restos de Santa Flora, quebraram o relicário e jogaram os ossos ao fogo. A cabeça de Santa Flora que tinha os cabelos atados por uma fita branca imaculada, parecia tomar vida e fugir do fogo, isto foi em vão. Com o pé brutal, um revolucionário tentou empurrá-la, mas não o conseguiu. Ela foi recolhida por um servente do Hospital chamado Poulevière. Angélica Brou, Irmã conversa do Hospital salvou os ossos da tíbia. À tarde daquele horrível dia, ela se pôs em trajes camponeses e foi às ruínas do Mosteiro. Diante do fogo extinto ela se prostrou como diante de um altar, inspecionou com as mãos as cinzas mornas, tocou em uns ossos, os tomou, beijou, escondeu e levou-os para sua casa. À restauração do culto, a família da Angélica Brou foi felizmente levar ao vigário de Issenfolis a venerável relíquia. Poulevière tinha salvo a cabeça intacta. Ele a confiou às Irmãs da Visitação Sain Ceri. Para satisfazer os pedidos de amigos, as Irmãs decidiram fracionar a cabeça, a linda cabeça que parecia ainda viva. Poulevière não recebeu mais que um fragmento que levou com muito respeito e guardou com muita devoção e sagrada relíquia. Depois de sua morte os filhos venderam a casa, onde se encontrava a preciosa relíquia, à família Decas. A família Decas era vizinha da família Bergougnoux e doou a relíquia ao Mons. Abade Bergougnoux, vigário de Molière. Flora recebeu um culto popular. Sua santidade maravilhosa e fecunda em milagre atraiu poderosamente as multidões.
  45. 45. 45 Desde o princípio, a festa em honra de Santa Flora foi fixada em 11 de junho para glorificar o aniversário de sua morte e pela exumação de seu corpo. A festa foi por fim, fixada para o segundo domingo de outubro. A esta época os trabalhos no campo eram menos pesados. A última festa tinha sido celebrada no Hospital, na angústia, terror e no sobressalto no segundo domingo de outubro de 1792. Depois da revolução, a primeira festa se desenvolveu na Igreja paroquial no meio da alegria, do entusiasmo e do reconhecimento. Uma novena de preparação foi instituída na chamada Semana de Santa Flora. O Abade Lacarrière que escreveu sobre a vida da Santa, doou à capela um magnífico altar de mármore. Festas grandiosas reanimaram cada ano a lembrança e a devoção à Santa Flora. A nave lateral norte da Igreja é dedicada à Santa Flora. O Arco Triunfal do santuário, um quadro de madeira memorial das freqüentes visões em que lhe aparecia Jesus Crucificado, provém da série de quadros que ornam a Capela de Beaulieu suntuosamente reconstruída por Calliote, em 1645 e 1650. Outra herança é um cálice em vermelho. Em 1895, Mons. Abade Pons vigário fez uma suscrição para um relicário vermelho. Este relicário tem forma de um ostensório. Todos os dias da novena, a relíquia é exposta. A prece: Deus que vos dignastes conduzir ao céu no dia 11 de junho de 1360 (lembra aqui o dia da morte da Santa) possamos, nós também um dia, estarmos em sua companhia louvando a Beatíssima Trindade com o coro dos Anjos e Santos. Amém.
  46. 46. 46 CAPÍTULO 9 FLORESCEI EM BELEZA PARA FRUTIFICAR EM BONDADE Eis que vos dou um pequeno esboço da admirável vida de Santa Flora, que por sua simplicidade, como por suas altas perfeições atingiu o cume radioso do sublime. Ao término destas modestas páginas, ainda me fica para por traduzir os votos muito afetuosos que de todo seu coração a Santa faz para cada um dentre vós. Temos na Epístola de São Paulo aos Hebreus o seguinte: “Ainda que mortos, os Santos têm uma linguagem eloquente”. É por isso que Santa Flora, vossa padroeira venerada e querida, não cessa de rezar por vós, nem se cansa de vos exortar ao bem. Parece-me ouvir Santa Flora vos chamar e comentar as recomendações de Sua Santidade Pio XI, que ela mesma, muitos séculos antes tinha escolhido no pensamento, mais ou menos para ser a divisa de sua vida: Florescei em beleza para frutificar em bondade. Descobrindo a vossos olhos espantados os esplendores incomparáveis da Cidade Celeste, da qual ela é uma das suas mais belas jóias, ela nos diz agora com um tom de inefável ternura: “Olhai e admirai. A visão é admirável, com efeito, é uma visão de amor”. O Evangelista São João, exilado em Patmos, descreve no Apocalipse as esplendorosas belezas: “Um anjo me transportou em espírito sobre uma alta montanha e me mostrou a Cidade Santa Jerusalém, brilhante da glória de Deus. Eu ouvi uma voz forte que dizia: Eis o Tabernáculo de Deus com os homens. Ele habitará com eles e serão seu povo., Deus enxugará todas as lágrimas de seus olhos, e não haverá mais morte, nem luto, nem choro, nem dor porque os pecados desapareceram. A Igreja vos chamando nesta visão tem o grande cuidado de vos dizer: Vós sois os cidadãos, os santos membros da família de Deus, sois edificados sobre o fundamento dos Apóstolos e dos Profetas dos quais Jesus Cristo
  47. 47. 47 é a pedra angular. Serei eu mesmo vossa recompensa infinitamente grande , dizia Deus a seu servo Abraão. Deus fonte inesgotável de todos os bens, enche o coração dos eleitos de uma alegria inefável, pura, santa, completa, sem limites. Os santos gozarão na glória e os louvores a Deus estarão sempre em suas bocas! Extasiava-se Davi com o pensamento da felicidade eterna que Deus reserva a seus eleitos. Depois acrescentava: Senhor, eu serei saciado logo que apareça a vossa glória”. O momento no qual a alma do justo penetra no céu, ela é, disse o P. Lacordaire, transformada para sempre em uma luz que a rodeia e a envolve, a penetra e lhe dá uma semelhança com Deus e lhe faz exclamar em êxtase – Deus. Eis aqui Deus. – Deus, tal qual Ele é, amá-Lo com todos os sentimentos da alma, louvá-Lo com todas as formas de sua gratidão e reconhecimento, tais são as principais ocupações dos santos no céu. Profeta Isaías e depois dele o Apóstolo São Paulo, falando das delícias do céu asseguram que o coração do homem jamais sentiu coisa que lhe fosse comparável. Eu termino estas considerações sobre a felicidade dos santos pondo sob vossos olhos uma das mais belas páginas de santo Agostinho que fez a não duvidar as delícias de Santa Flora. Em termos sublimes, o autor de Confissões lembra a conversa que teve com sua mãe às margens de Ostia: “Ao aproximar-se o dia que minha mãe devia sair desta vida, dia que vós conheceis e que ignoramos nós, ela chega sem dúvida, por uma disposição secreta de vossa providência em que nós nos encontramos sós. A providência Divina e eu”. Apoiado em uma janela que dava para o jardim da casa em que nós habitávamos em Ostia e na qual longe dos ruídos do mundo, depois das fadigas de uma longa estrada, nós esperávamos o momento de embarcar. Sós, nossa conversação era inexprimível de doçura, esquecendo o passado para nos adiantar àquilo que estava diante de nós. Procurávamos entre nós, à luz desta Verdade que não é outra que Vós mesmo, a qual deveria ser a vida eterna dos santos: Que olho jamais viu, nem ouvidos jamais ouviu e que nossos corações não
  48. 48. 48 podem compreender. Nós aspiramos com os lábios do coração as águas celestes correndo de vossa fonte. Fonte de vida que reside em vós, para nos saciar tanto quanto podemos, antes de nos elevar às considerações tão altas. Como nossa conversa tinha nos conduzido a estas conclusões que os prazeres dos sentidos por grandes que eles possam ser, ainda que seja o brilho que os rodeia, longe de sustentar a comparação com a felicidade de outra vida, não merece mesmo uma lembrança, nem um impulso de amor nos arrebata para essa felicidade. Nós percorremos todas as coisas corporais e até mesmo o sol, a lua e as estrelas espalham sua luz sobre a terra. Depois nós elevamos mais alto o nosso pensamento, nossas palavras admirando a beleza das obras divinas.... ...nós chegamos até a nossa alma, mas sem nos pararmos apressadas em chegar à região de inesgotáveis delícias, onde saciareis eternamente e a Israel com o alimento da verdade, onde a vida e a mesma sabedoria, que não se fez, mas que existiu por todo o sempre porque ela é eterna. Enquanto nós falávamos e nos elevávamos a essa vida eterna por repentino transporte nosso coração parecia tocá-las um instante, mas nós suspirávamos de dor, aí deixando primícias de nosso espírito, descendo às limitações de nossa palavra que começa e acaba. Se o Criador vinha a falar à nossa alma, não mais pela voz das criaturas, mas por ele mesmo, no momento em que o vôo rápido de nosso pensamento nos eleva até a Sabedoria Divina que é imutável acima de tudo. Se esse êxtase pudesse continuar, todas as outras visões se apagariam e nossa alma se sentiria arrastada, encantada, absorvida nessa inefável contemplação, de tal sorte que se a vida eterna fosse semelhante a esse clarão da inteligência que nos faz suspirar de amor, não sentira mais que o cumprimento destas palavras: ENTRAI NA ALEGRIA DE NOSSO SENHOR”. Depois de ter feito contemplar o céu que é o alvo de todas as vossas aspirações, vossa Piedosa padroeira vos exorta a tornar-vos santos e apóstolos. SEDE SANTOS. Nosso Senhor Jesus Cristo nos oferece, como a todos os santos, alcançar na glória eterna uma bela herança.
  49. 49. 49 Fruto dos labores de Santa Flora, de seus sacrifícios, de seus exemplos e de suas virtudes, de suas preces e de suas vigílias, esta herança muito preciosamente acumulada vos enriquecerá de tesouros espirituais de valor incomparável. Entrai na possessão desse Patrimônio de honra e gozai dos bens superiores que nos leve a realizar u dia o esplendor de vossos destinos eternos. Santo Agostinho, que na Igreja era um Doutor incomparável, nos descreve em suas Confissões uma outra visão que teve sobre sua vontade a mais feliz e a mais eficaz influência. Solicitado, depois de muito tempo, pela graça do Altíssimo pressionado em acabar com aquela vida pagã, mas detido por obstáculos que lhe pareciam insuperáveis, ele ficou ainda escravo de si mesmo, sem força e sem coragem. A santidade apresentou-se então a ele com uma visão das mais admiráveis e das mais amáveis dirigindo-lhe urgentes reprimendas. Ela lhe mostrou que um número quase infinito de eleitos e lhe disse para excitar sua coragem e despertar sua confiança. “Contemplai e vede: Não podeis vós o que aqueles e aquelas puderam?”. Esta voz doce e afetuosa era a voz de Deus mesmo, Aquele, que segundo a expressão da Sagrada Escritura converte os cedros e quebra os rochedos. Agostinho não pode resistir. Logo se determinou a querer e a querer tão perfeitamente que nada mais devia abalar seu coração. Quereis, pois escutar a voz de vossa Padroeira venerada que tomando a palavra do grande Apóstolo vos diz: A vontade de Deus é que sejais santos. Os homens fazem muitas vezes da santidade idéias totalmente confusas, as consideram inacessíveis à totalidade e como um apanágio de ínfima minoria. Eles vêem através da auréola, prodígios, milagres, êxtases e revelações, jejuns, austeridades. Imaginam ainda que os santos são sempre tristes e que seus corações não se abrem jamais à alegria e à felicidade. Isto é um profundo erro, porque o Espírito Santo nos assegura o contrário que: O coração do justo é uma festa contínua. Não há doçura mais misteriosa - diz Agnes de Corce em seu belo livro intitulado “Um pobre que encontrou a alegria” - que aquilo que se apresenta no fundo de um sacrifício. É o madeiro da cruz de cristo que consola melhor os homens do que todas as árvores das florestas.
  50. 50. 50 São Francisco de Sales na sua “Introdução à Vida devota”, afirma que a santidade é compatível com todos os ofícios da vida civil, com todos os estados e com todas as condições sociais. Também o piedoso Bispo de Genebra ensina a fazer o que os outros fazem, exceto o pecado, mas a fazer santamente e com os olhos fixos sobre o ideal divino: Jesus de Belém, de Nazaré e do Calvário, para conformar sua vida sobre o modelo da sua. As obras brilhantes extraordinárias dos santos podiam bem ser os efeitos de sua santidade, mas eles jamais foram o fruto, nem a medida de sua perfeição. Eles fizeram essas obras brilhantes porque eram santos, mas eles jamais seriam santos só porque as fizeram. Eles poderiam ser santos sem elas. Quantos predestinados agora felizes e pacíficos possuidores da glória eterna não fizeram nada sobre a terra que lhes atraísse admiração, nem que os distinguisse? Deus - diz Santo Agostinho - tem prazer de santificar na obscuridade de uma vida comum e de uma vida escondida e quando Ele os introduzir em seu Reino Ele não diz: Entrai servidores fiéis porque fizestes grandes coisas, mas porque fostes fiéis em pequenas coisas. A Santíssima Virgem Maria, a mais santa das criaturas, por um desejo particular da providência, no Evangelho não publicou nenhum milagre que ela tivesse feito em vida mortal. Os eleitos recebem cada um a plenitude de graças, de acordo com seus méritos e suas virtudes. São Paulo, falando deste mistério, toma uma radiante comparação: As estrelas diferem uma das outras pela sua claridade, mas se estas estrelas do firmamento pudessem falar, nenhuma queixa cairia de abóboda celeste, onde elas estão suspensas. Cada uma delas está contente no manto iluminado no qual Deus as revestiu. Isto se dá mesmo com os astros vivos, os eleitos que se saciam na fonte das claridades divinas. Todos gozando a mesma satisfação, mas nem todos brilham da mesma glória. Eles são recompensados segundo seus méritos. O mérito é o direito que eles têm de receber a recompensa proporcionada às suas obras. Mas não vos esqueceis que se Deus vos dá de graça o apelo à santidade, Ele conta com a vossa vontade. Para ser santo é preciso querer.
  51. 51. 51 Pais de família, cumpri exatamente vossos deveres de religião, daí o bom exemplo a vossos filhos, educai-os na crença de Deus. Os princípios religiosos hoje, como sempre, são a mais bela herança que vós podeis deixar a vossos filhos. Mães cristãs, vigiais sobre vossas famílias, vossos filhos, vossas empregadas, sede modelo para vossos filhos. Ensinai-os, sobretudo, a fugir das más companhias, dos divertimentos perigosos que geram a leviandade de espírito e estragam o coração. Filhos, tendes por vossos pais este amor, este respeito, esta submissão que vos prescreve a Fé religiosa e a natureza. Jovens filhas, que a discrição e a modéstia sejam vossos mais belos ornamentos. Amai os exercícios de piedade que farão de vós hoje, donzelas perfeitas, e amanhã, senhoras fortemente presas a vossos deveres de estado. Sedes prudentes e reservadas como Santa Flora, com os olhos fixos sobre a Santa Virgem Maria, ideal de toda santidade. Gente jovem, vigiai com cuidado zeloso a fé de vosso batismo. Amai-a, preservai-a, defendei-a, honrai-a pela nobreza de vossas obras. Vede vosso modelo supremo na adorável pessoa de Nosso Senhor Jesus Cristo. Que a grandeza de vosso ideal vos encoraje aos generosos esforços. Caminhais, todos enfim, sobre as pegadas desses santos admiráveis que refletem a imagem de Cristo. É imitando-os que se honra a Santa Igreja. Contemplai vossa mãe, a Igreja católica e fazei todas as coisas segundo os modelos que vos tem dado com a vida dos Santos. Que magnífico espetáculo contemplar a vida de tantos santos e lembrai-vos que cristão quer dizer OUTRO CRISTO. Sem a imolação de nosso Divino Salvador, ninguém seria salvo. Ele nos chama, mas espera a nossa colaboração e boa vontade. Destes heróis do cristianismo que amaram apaixonadamente a Cruz, aprendei a fazer passar em vossa vida todas as energias de vossa fé cristã, todo o esplendor de Cristo Jesus, quero dizer as claridades esplendorosas de suas virtudes. Possam seus exemplos afirmar vossa perseverança e inflamar vosso zelo. Santo Tomás de Aquino dizia: A perseverança é uma virtude pela qual nós fazemos subsistir o bem em nós até que ele seja consumado. Ora, esta é uma virtude que enfrenta dificuldades para permanecer no bem em linha reta. Apenas - diz o autor de “Imitação de Cristo” - é livrar-se de uma aflição ou tentação em que se cai noutra, não se é ainda saído de um combate, em
  52. 52. 52 seguida cai-se em muitos outros, os quais não esperávamos. Nós compreendemos então, que esta vida é, onde não se encontra mais que aflições de espíritos. Inimigos interiores e exteriores vos fazem parar no caminho da perfeição. Vossos inimigos interiores são particularmente vossas paixões que deveis sem descanso mortificá-las. Fiquem em guarda contra os inimigos interiores de vossa perseverança, especialmente os maus exemplos do mundo: a perversidade das publicações e depravação dos espetáculos. Protegei constantemente vossa perseverança, pela lembrança dos santos; vossa coragem para imitá-los; e vosso fervor para solicitar a graça de Deus. Guardem bem isto que vós tendes e que ninguém roube a vossa coroa. Aquele que perseverar até o fim será salvo! “Sede apóstolo” - diz Bossuet em seu magnífico panegirico de Santa Catarina de Alexandria. Disse ainda estas belas palavras: “A Verdade é um bem comum, quem a possui deve a seus irmãos, conforme as ocasiões que Deus permite”. “Oh! Santa Verdade!” - exclama o santo orador. “Eu vos devo testemunhar de três maneiras: por minhas palavras, pelo meu exemplo de vida e pelo meu sangue, se isto for necessário”. Cristãos, não basta testemunhar só de voz, é preciso que seja gravada em nossos costumes pelas marcas efetivas de nossa afeição. Mais outro testemunho são as obras que nós devemos à verdade, é o testemunho do sangue porque a verdade é o próprio Deus. É preciso um sacrifício completo para lhe render todo o culto que lhe é devido. Bossuet diz: “O apostolado, com efeito, é a irradiação da santidade. Honrar o nome de Deus não basta. O discípulo de Cristo deve fazer conhecer aos homens a Deus pela santidade de seus exemplos e o ardor de seu zelo”. Nós vivemos num século onde a fé dos fracos tem necessidade de ser reanimada pelo exemplo das mais puras virtudes. Quantas vezes não vedes em redor de vós almas incertas vacilantes que mal instruídas na religião são negligentes em estudá-la por si mesmas e acham isto mais cômodo? Os frutos que eles procuram e desejam receber estão em vossas mãos. Eles vêem em vós almas retas, generosas, incapazes de sacrificar o dever pelo interesse,
  53. 53. 53 aplicadas sem descanso às obrigações de seu estado, justas para com todos, caridosas com os desgraçados, de bom humor, sempre doces e disponíveis, de uma comunicação fácil; sempre prontas a fazer serviços, e eles brevemente serão ganhos para Cristo. Padre Graty fala desta multidão de pobres que morrem de fome, pouco a pouco. Eles têm alguma coisa para se alimentar, mas não é suficiente e acabam por desfalecer e morrer. Esta é a imagem que se passa ao redor de vós na ordem espiritual. O próximo tem cada dia alguma coisa para comer. Ele tem o pão da ciência, o pão de certas afeições, mas insuficientes de verdade, pela insuficiência da vida moral, pode-se dizer que ele more lentamente de fome de Deus. “Não tendes dúvidas em relação às pessoas - diz São Paulo aos Romanos. A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, a não ser o amor recíproco. Porque aquele que ama seu próximo cumpriu toda a Lei”. (P.13.8) “Se não cumprirmos esta Lei do amor completamente, somos devedores”, diz Santo Agostinho. O meio de descontar essa dívida é de se dar o exemplo de Nosso Senhor Jesus Cristo – ELE NOS AMOU E SE ENTREGOU POR NÓS. O Espírito que inspirou esta falange de santos elevados à Glória está sempre vivo. Ele paira sobre a Igreja: Corpo Místico de Cristo, sobre vós, por conseguinte, os filhos de Deus. Não vos deixeis desconcertar pelas contradições e pelas provações da vida e servir a Deus com uma fidelidade de amor todos os dias mais profundo, mais afetuoso, mais devotado. Enfim, para realizar este magnífico programa de vida cristã que Santa Flora vos traça: Consentir sempre em alimentar vossas almas com a prece piedosa, com a assistência à Santa Missa, a Santa Comunhão e a leitura meditada do Santo Evangelho. Rezai, a quantidade de socorros divinos é que tem o maravilhoso poder de ajudar vossos esforços e de ativar vossos progressos e assegurar vossa perseverança que se apresenta em primeiro lugar, na PRECE. Dotada de privilégios insignes, revestida dos méritos de Jesus Cristo e rica de suas mais belas promessas, a PRECE vos aparece toda aureolada de um grandioso ornamento, vivificada por uma força superior, igual ao de uma chama que sobe aos céus e dotada de um olhar mais
  54. 54. 54 penetrante que o da águia, ela se eleva com ardor para Deus, descobre nEle as grandezas adoráveis de sua sublime majestade, os esplendores de sua Claridade infinita e de suas Altas Perfeições. Operando sua ascensão para o céu, a alma que reza, se alimenta de suas iguarias, de suas bebidas invisíveis da qual S. Rafael, fiel companheiro de Tobias, falava com enlevo e transporte. A alma que reza toma gosto, por assim dizer, para adiantadamente gozar das delícias daquele peso imenso de glória do qual São Paulo exaltava as eternas magnificências. A alma que reza aspira as celestes correntes da fonte de vida que reside em Deus, para aí desalterar e estancar sua sede de verdade, de luz e de felicidade. “Vinde, Senhor Jesus, vinde”, exclama ela, como outrora São João escrevia do Apocalipse. Colóquio íntimo da filha com seu Pai ternamente amado, linguagem muito cordial do filho de família do lar paterno, a prece eleva com acentos tanto alegres quanto dolorosos, segundo ela traduz os louvores de compaixão. Humilde súplica da alma que penetrada de sua indulgência, a prece apóia sua confiança sobre a promessa de Nosso Senhor Jesus Cristo: “Em verdade vos digo, se pedis alguma coisa a meu Pai, em meu nome Ele vos dará”. Como a flor de nossos jardins, cujo cálice se abre na aurora, para receber das alturas celestes a luz do orvalho, assim vossas almas cristãs se voltam para Deus cada manhã para lhe dizer com sentimento de fervor e vivo reconhecimento esta exclamação filial: Pai Nosso que estais nos céus... Que a prece, em uma palavra, seja respiração de vossa alma e que ela absorva o melhor de vosso tempo. Enfim, para assegurar os frutos de vossa prece fazei algumas piedosas reflexões de exame de consciência e de resolução. Comungai! O Profeta Zacarias, muitos séculos antes da Instituição da Sagrada Eucaristia, publicava o poder da Comunhão, quando ele exclamava: “Que há de melhor e de mais belo senão o fermento dos eleitos e o vinho que gera virgens?” Como não se admirar, pois, que este Augusto sacramento contém realmente o Corpo e Sangue, a alma e a Divindade de Jesus Cristo, sob as aparências de pão e vinho?

×