SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• Para termos de Inovação, uma possível
compreensão, refere-se a introdução de
produtos, serviços, processos, métodos e
sistemas que não existiam
anteriormente, ou a adoção de alguma
característica nova e diferente do padrão
em vigor
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• Sob um olhar sistêmico e integrado,
a Inovação no DI de programas a
distância passa pela análise do
contexto amplo do serviço
educacional oferecido e dos
processos de ensino e aprendizagem
mediatizados por TIC.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• O termo Design Instrucional (DI), na
língua portuguesa, é muito novo no
Brasil e ainda é confundido com outras
áreas do conhecimento.
• Contudo é relevante entendermos a
importância e função das teorias do DI
para a aprendizagem.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• Design Instrucional (DI) – é o
processo de planejamento,
organização e criação de estratégias
instrucionais para o desenvolvimento
de soluções didáticas em prol da
efetivação da aprendizagem.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• A teoria de DI é diferente das
teorias da aprendizagem, teorias
curriculares e processos de DI;
porém todos estão interligados
(REIGELUTH, 1999a).
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• As teorias da aprendizagem descrevem
como ocorre a aprendizagem.
• As teorias curriculares explicam por que
um determinado conteúdo deve ser
ensinado, qual conteúdo e quando deve
ser disponibilizado para os aprendizes.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• As teorias de Design Instrucional (DI) orientam o
tipo de instrução para uma determinada
realidade e identificam num curso “quais
métodos de instrução deveriam ser usados”.
• O processo de Design Instrucional relaciona-se
às atividades do professor e/ou do designer
instrucional, ambas utilizadas para planejar e
preparar uma instrução.
• As teorias e os processos de DI caminham juntos.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• Desse modo,
de que
inovações
falamos em
relação ao DI
para programas
a distância? Modelo ADDIE –
Análise, Desenho, Desenvolvimento
Implementação e Avaliação
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• A essência do sentido da palavra “Design
deve convergir (AZEVEDO, 2001, p. 86 e 87)
conceitua como:
–“pensar que planejar o futuro é ter
consciência do caos.
O design é sempre uma forma de
planejar uma saída”.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
Bittencourt e Orofino, 2006
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
Fonte: BITTENCOURT, Dênia Falcão de. Construir e contribuir. A metodologia da autoavaliação institucional na gestão pedagógica em educação a distância. 2012. Tese (Doutorado em Educação)
- Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-12062012-151617/>.
PLANEJAMENTO
DESIGN
PRODUÇÃO
SERVIÇOS
Perfildo
Estudante;
Regulamentos
da Instituição
Certificadora Elenco de
conteúdos;
Mix de mídias;
Organização
básica
Estratégias
pedagógicas;
Estratégias
tecnológicas;
Normas e
organização
do curso
Curso
formatado;
Sistema de
organização
Serviço
educacional
Indicadores
de desempenho
Metodologia
Autoavaliação
Institucional;
Plano de
Recomendações
Conteúdos;
Recursos;
Materiais e
Equipamentos
Princípios
pedagógicos;
Fundamentos
tecnológicos;
Recursos
disponíveis
Agentes
Certificador;
Equipe de docentes e
técnicos na EAD
Equipe de docentes e
técnicos na EAD
Equipe de docentes
(Conteudistas) e
técnicos na EAD;
Fornecedores
Equipe de docentes
(professores,tutores);
Técnicos na EAD; e
Estudantes
Entradas Processos
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• A aplicação do DI em um projeto de
aprendizagem (Morrison, Ross, Kemp, 2004), está
baseada na suposição que a produtividade e
a aprendizagem serão melhoradas pela
aplicação de um processo sistemático de
planejamento.
• O princípio é o mesmo para opção pela
Inovação, o foco no desenvolvimento dos
processos, e do propósito.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
As inovações dos
programas a distância
passam por mudanças
que acompanham as
evoluções: nas TIC, nas
práticas de gestão,
sistemas e organização,
e nas metodologias de
ensino e aprendizagem.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
Fonte:http://flatworldbusiness.wordpress.com/flat-education/previously/web-1-0-
vs-web-2-0-vs-web-3-0-a-bird-eye-on-the-definition/
Modelo linear e fechado. Totalmente
dependente da equipe de produção
Modelos mais abertos e dinâmicos
ubíquos - novas e diversas possibilidades de
interações, conexões, aplicações, produção e
personalizações de conteúdo
A complementação com agentes
inteligentes, permitindo uma maior
personalização nas interações.
A Web semântica é uma extensão da Web
atual, que permitirá que computadores e
humanos trabalhem em cooperação.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
http://elearningindustry.com/elearning-responsive-design-isnt-responsive-to-your-solutions
Steven Loomis , 2014. Disponível em: , http://elearningindustry.com/elearning-responsive-design-isnt-responsive-to-your-solutions
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• Em 2013, o prof. Andrew Gibbons, publicou
livro: An Architectural Approach to
Instructional Design,
• Com a concepção da prática do DI onde a
inovação surge como fruto de um projeto
arquitetado, sistematizado, gerido, organizado
e monitorado, e não, necessariamente, fruto
de uma inspiração súbita e repentina.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• Para Gibbons (2013) a tendência é conceber o
DI como um projeto arquitetônico, digital e de
produção centrado sobre as propriedades
estruturais e funcionais do programa que está
sendo projetado, em vez de somente sobre os
processos utilizados para projetá-lo.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• Atendimento a massas; alunos com necessidades
diversas, distribuição geográfica...
• Formas inovadoras de obter informação, interagir,
acompanhar a aprendizagem de forma
personalizada, etc.
• Importância dos ambientes serem flexíveis,
valorizar mobilidade, permitir interação
personalizada e autônoma, identificar
desenvolvimento de competências...
• Potencializar o affordance dos SGA –
aprendizagem social
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• os estudantes estão cada vez mais
habilidosos e possuem grandes expectativas em
relação ao serviço educacional, especialmente
aos materiais e atividades de aprendizagem.
• Potencializar as práticas didáticas com as
ferramentas Web 2.0, para aprendizagem
colaborativa e co-autoria
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• Os programas de EAD necessitam:
– aumentar e melhorar suas possiblidades,
– promover a aquisição de conhecimento e habilidades
mais eficientemente, eficaz e atraentemente, e
– incentivar o envolvimento dos alunos para que eles
não desistam,
– aprendam mais rapidamente e conquistem níveis
mais profundos de compreensão.
– É preciso se conceber um programa de educação a
distância onde aprender seja visto como um processo
que envolve a pessoa como um todo, incluindo o
intelecto, emoções, ação e intenção, como também,
uma atividade basicamente social.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• Entre as diferentes expectativas e a realidade
vivida sabemos que podemos encontrar
diferença entre diferentes contextos,
• Todavia como lembra Manuel Castells, “o mais
interessante de qualquer transformação
tecnológica não é o que os engenheiros dizem
que vai se passar, senão o que a gente faz com
ela”.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• Por exemplo, o DI pode ter uma escala de maior a
menor grau de estruturação dos conteúdos e
atividades do curso; de interação com conteúdos e
agentes; de automatização ou personalização de
entrega de conteúdo, sistema adaptativo e
responsivo ao movimento dos alunos.
• A tendência é que os programas a distância
passem de uma arquitetura de DI de apresentação
para uma arquitetura de participação.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• O caminho da inovação no design
instrucional é a satisfação dos estudantes e
professores, é criar soluções para atender as
necessidades, as quais sempre estarão em
transformação.
• As inovações irão avançando na
possibilidade do contexto dado, tendem
acompanhar a rotatividade das tecnologias e a
evolução do ambiente social disponíveis.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• O DI precisa inovar no sentido de pensar sobre
a natureza do que é projetado, ajudar a
desenvolver e seguir evoluindo o “conceito de
valor” dos programas a distância.
• Precisa desenvolver soluções que gerem mais
e mais valor aos processos de ensino e
aprendizagem
• Seguir evoluindo em um contexto oferece um
ecossistema rico em experiências de vida onde o
aluno é um agente ativo e verdadeiramente
envolvido no processo de aprendizagem.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• Não podemos esquecer sempre que a
transformação da educação acontece no
contexto de relacionamentos.
• Nós crescemos em
comunidade com os outros.
Isto é verdade para os alunos, para os
professores e assim como para nós.
Precisamos uns dos outros para respirar
e crescer.
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• O Uso de Mídias Digitais na Prática Docente
• https://www.facebook.com/midiadigitalnapraticadocente?ref=hl
• Aprendizagem Colaborativa
• www.facebook.com/AprendizagemColaborativa?ref=hl
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• AZEVEDO, Wilton. O que é design? Brasiliense. São Paulo. 2001.
• BITTENCOURT, D. F. Metodologia de Autoavaliação Institucional na Educação a Distância. Palhoça : Editora Unisul. 2013.
• BITTENCOURT, D. F.; OROFINO, M. I. Design e Projetos em EAD. Palhoça : UnisulVirtual. 2006.
• CHURCHES, Andrew. Taxonomía de Bloom para la Era Digital. Eduteka. 2009. Disponível em
http://edorigami.wikispaces.com Último acesso em 12/06/2013.
• DE BONO, Edward. Novas Estratégias de Pensamento. Nobel. São Paulo. 2000. p.188
• DIAS SOBRINHO, J. Avaliação institucional, instrumento da qualidade educativa: a experiência da Unicamp. In: BALZAN, N. C.;
DIAS SOBRINHO, J. Avaliação institucional: teorias e experiências. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011. p. 53-86.
• DUART, J. M.; SANGRÀ, A. Aprendizaje y virtualidad: un nuevo paradigma formativo? In: ______. Aprender en la virtualidade.
Barcelona: EDIUOC, 2000. p. 13–22.
• GARCÍA ARETIO, L. La educación a distancia: de la teoría a la práctica. 3. ed. Barcelona: Ariel, 2001.
• ______. La educación a distancia: de la teoria a la práctica. Barcelona: Ariel, 2006.
• GARCÍA ARETIO, L. et al. Concepción y tendencias de la educación a distancia en América Latina. Madrid: OEI, 2010.
• GIBBONS, Andrew S. An architectural Approach to Instructional Design. Brighan Young University. NY, 2014.
• GERREIRO, Cristóbal Suárez. Apresentação Hipótesis de trabajo em la hibridación educación y tecnologia en Iberoamérica.
Universitat de Valência. Servei de Formació Permanent i Innovació Educacativa. #TED|14. url http://ined21.com/p6906/
Disponível em 20/07/2014.
• Gibbons, Andrew S. (2013). An architectural approach to instructional design. New York, NY: Routledge.
• KENSKI, V. Democratização das mídias e a gestão em educação a distância. In: OLIVEIRA, M. A. M. (Org.). Gestão
educacional: novos olhares, novas abordagens. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009..
VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E
V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
• HOLMBERG, B. The evolution of the character and practice of distance education. In: OPEN LEARNING. Anais… p. 47-
53, jun. 1995. Disponível em: <http://www.c3l.uni-oldenburg.de/cde/found/holmbg95.htm>. Acesso em: 30/07/2014.
• JOHNSON, L., ADAMS BECKER, S., ESTRADA, V., FREEMAN, A. (2014). NMC Horizon Report: 2014 Higher Education
Edition. Austin, Texas, Estados Unidos: The New Media Consortium. Disponível em: http://cdn.nmc.org/media/2014-
nmc-horizon-report-ES.pdf Acesso em: 30/07/2014.
• KEEGAN, D. The foundations of distance education. 3. ed. London: Croom Helm, 1996.
• ______. Distance education: a systems view. Belmont: Wadsworth Publishing Company, 1996.
• KEMP, J.E..; MORRISON, G.R..; ROSS, S.M. Designing effective instruction. 4. ed. New York: Wiley & Sons, 2004.
• MOORE, M. G. Learner autonomy: the second dimension of independent learning. [S.l.]: Convergence Fall, 1972. p.
76-88. Disponível em: <http://www.ajde.com/Documents/learner_autonomy.pdf>. Acesso em: 30/07/2014.
• MOORE, M. G.; KEARSLEY, G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson, 2007.
• MORAN, J. M.; BITTENCOURT, D. F. Produção de Conteúdo: Autoria Virtual. Apostila do curso de especilazação em
inovação e gestão em educação a distância. São Paulo : INEPAD, USP. 2014.
• PETERS, O. Didática do ensino a distância: experiências e estágio da discussão numa visão internacional. São
Leopoldo: Unisinos, 2001.
• PETERS, O. A educação a distância em transição: tendências e desafios. 2. ed. São Leopoldo: Unisinos, 2009.
• ULBRICTH,V. R. Ambientes adaptativos: trilhando novos caminhos para a hipermídia. Rio de Janeiro: Ciência Moderna
Ltda, 2006. 170 p.
• UNESCO. Policy guidelines for mobile learning. 2013. Disponível em:
http://www.unesco.org/new/en/unesco/themes/icts/m4ed/mobile-learning-resources/unescomobilelearningseries/
Acesso em: 30/07/2014.
• VERÍSSIMO, G. Um turbulento e prazeroso desafio. In: GIGLIO, Z. G.; WECHSLER, S. M.; BRAGOTTO, D. (Org.). Da
criatividade à inovação. Campinas: Papirus, 2009. p. 157-166.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Dênia Falcão - GUIDE - Aracaju, SE

Palestra Inovação e Educação - Ação Maré - Formar para Transformar Secreta...
Palestra  Inovação e Educação -  Ação Maré - Formar para Transformar  Secreta...Palestra  Inovação e Educação -  Ação Maré - Formar para Transformar  Secreta...
Palestra Inovação e Educação - Ação Maré - Formar para Transformar Secreta...Silvia Fichmann
 
RDE_mestrado em b-learning
RDE_mestrado em b-learningRDE_mestrado em b-learning
RDE_mestrado em b-learningAna Loureiro
 
SLIDE SOBRE EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS
SLIDE SOBRE EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIASSLIDE SOBRE EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS
SLIDE SOBRE EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIASThainá Silva
 
Projeto TEA, IBL e Aprendizagem Ativa
Projeto TEA, IBL e Aprendizagem AtivaProjeto TEA, IBL e Aprendizagem Ativa
Projeto TEA, IBL e Aprendizagem AtivaJosé Moura Carvalho
 
A educomunicação nas ações comunicativas dos projetos interdisciplinares da R...
A educomunicação nas ações comunicativas dos projetos interdisciplinares da R...A educomunicação nas ações comunicativas dos projetos interdisciplinares da R...
A educomunicação nas ações comunicativas dos projetos interdisciplinares da R...Rita De Cássia Zanin
 
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptxApresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptxlaraamaral26
 
A educação aberta na UFPR: relato das conquistas
A educação aberta na UFPR: relato das conquistasA educação aberta na UFPR: relato das conquistas
A educação aberta na UFPR: relato das conquistasCEST
 
Design didático
Design didáticoDesign didático
Design didáticoCarina
 
Apresentação siepe 2014 - REA Paraná
Apresentação siepe 2014 - REA ParanáApresentação siepe 2014 - REA Paraná
Apresentação siepe 2014 - REA ParanáPibiti
 
Apresentacao Proinfo Reuniao Tecnica 17 03
Apresentacao Proinfo Reuniao Tecnica 17 03Apresentacao Proinfo Reuniao Tecnica 17 03
Apresentacao Proinfo Reuniao Tecnica 17 03gueste13600
 
Palestra oficina de design instrucional di
Palestra oficina de design instrucional diPalestra oficina de design instrucional di
Palestra oficina de design instrucional diFlavia Pereira de Morais
 
1130 263 a1_3_fernanda_ledesma
1130 263 a1_3_fernanda_ledesma1130 263 a1_3_fernanda_ledesma
1130 263 a1_3_fernanda_ledesmatitas1
 
Formação cdp nov.2010
Formação cdp nov.2010Formação cdp nov.2010
Formação cdp nov.2010Ádila Faria
 

Semelhante a Dênia Falcão - GUIDE - Aracaju, SE (20)

Palestra Inovação e Educação - Ação Maré - Formar para Transformar Secreta...
Palestra  Inovação e Educação -  Ação Maré - Formar para Transformar  Secreta...Palestra  Inovação e Educação -  Ação Maré - Formar para Transformar  Secreta...
Palestra Inovação e Educação - Ação Maré - Formar para Transformar Secreta...
 
RDE_mestrado em b-learning
RDE_mestrado em b-learningRDE_mestrado em b-learning
RDE_mestrado em b-learning
 
SLIDE SOBRE EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS
SLIDE SOBRE EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIASSLIDE SOBRE EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS
SLIDE SOBRE EDUCAÇÃO E NOVAS TECNOLOGIAS
 
Projeto TEA, IBL e Aprendizagem Ativa
Projeto TEA, IBL e Aprendizagem AtivaProjeto TEA, IBL e Aprendizagem Ativa
Projeto TEA, IBL e Aprendizagem Ativa
 
BrochuraQIM
BrochuraQIMBrochuraQIM
BrochuraQIM
 
A educomunicação nas ações comunicativas dos projetos interdisciplinares da R...
A educomunicação nas ações comunicativas dos projetos interdisciplinares da R...A educomunicação nas ações comunicativas dos projetos interdisciplinares da R...
A educomunicação nas ações comunicativas dos projetos interdisciplinares da R...
 
Tecnologias na ULisboa
Tecnologias na ULisboaTecnologias na ULisboa
Tecnologias na ULisboa
 
Atividade 1.4 tics
Atividade 1.4 ticsAtividade 1.4 tics
Atividade 1.4 tics
 
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptxApresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
Apresentacao UNIFESP Alexandre Assis_Matricula 108464.pptx
 
A educação aberta na UFPR: relato das conquistas
A educação aberta na UFPR: relato das conquistasA educação aberta na UFPR: relato das conquistas
A educação aberta na UFPR: relato das conquistas
 
Design didático
Design didáticoDesign didático
Design didático
 
Apresentação siepe 2014 - REA Paraná
Apresentação siepe 2014 - REA ParanáApresentação siepe 2014 - REA Paraná
Apresentação siepe 2014 - REA Paraná
 
Apresentacao Proinfo Reuniao Tecnica 17 03
Apresentacao Proinfo Reuniao Tecnica 17 03Apresentacao Proinfo Reuniao Tecnica 17 03
Apresentacao Proinfo Reuniao Tecnica 17 03
 
Mac Pc
Mac PcMac Pc
Mac Pc
 
Mac Pc
Mac PcMac Pc
Mac Pc
 
Apresentaçãocurso
ApresentaçãocursoApresentaçãocurso
Apresentaçãocurso
 
Datadot2015 FSB
Datadot2015 FSBDatadot2015 FSB
Datadot2015 FSB
 
Palestra oficina de design instrucional di
Palestra oficina de design instrucional diPalestra oficina de design instrucional di
Palestra oficina de design instrucional di
 
1130 263 a1_3_fernanda_ledesma
1130 263 a1_3_fernanda_ledesma1130 263 a1_3_fernanda_ledesma
1130 263 a1_3_fernanda_ledesma
 
Formação cdp nov.2010
Formação cdp nov.2010Formação cdp nov.2010
Formação cdp nov.2010
 

Mais de Dênia Falcão de Bittencourt

Mais de Dênia Falcão de Bittencourt (6)

SELF-EVALUATION AS A TOOL FOR DISTANCE EDUCATION
SELF-EVALUATION AS A TOOL FOR DISTANCE EDUCATIONSELF-EVALUATION AS A TOOL FOR DISTANCE EDUCATION
SELF-EVALUATION AS A TOOL FOR DISTANCE EDUCATION
 
TEXTO 3: O PROFESSOR NA PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE
TEXTO 3: O PROFESSOR NA  PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE TEXTO 3: O PROFESSOR NA  PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE
TEXTO 3: O PROFESSOR NA PRÁTICA DA DISCIPLINA NO MOODLE
 
TEXTO 1: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO
TEXTO 1: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTOTEXTO 1: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO
TEXTO 1: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO
 
Fundamentos sobre tecnologia digital e e-learning
Fundamentos sobre tecnologia digital e e-learningFundamentos sobre tecnologia digital e e-learning
Fundamentos sobre tecnologia digital e e-learning
 
Ceart introdu (1)
Ceart introdu (1)Ceart introdu (1)
Ceart introdu (1)
 
Design e projetos_uv
Design e projetos_uvDesign e projetos_uv
Design e projetos_uv
 

Último

Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 

Último (20)

Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 

Dênia Falcão - GUIDE - Aracaju, SE

  • 1. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
  • 2. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • Para termos de Inovação, uma possível compreensão, refere-se a introdução de produtos, serviços, processos, métodos e sistemas que não existiam anteriormente, ou a adoção de alguma característica nova e diferente do padrão em vigor
  • 3. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • Sob um olhar sistêmico e integrado, a Inovação no DI de programas a distância passa pela análise do contexto amplo do serviço educacional oferecido e dos processos de ensino e aprendizagem mediatizados por TIC.
  • 4. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • O termo Design Instrucional (DI), na língua portuguesa, é muito novo no Brasil e ainda é confundido com outras áreas do conhecimento. • Contudo é relevante entendermos a importância e função das teorias do DI para a aprendizagem.
  • 5. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • Design Instrucional (DI) – é o processo de planejamento, organização e criação de estratégias instrucionais para o desenvolvimento de soluções didáticas em prol da efetivação da aprendizagem.
  • 6. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • A teoria de DI é diferente das teorias da aprendizagem, teorias curriculares e processos de DI; porém todos estão interligados (REIGELUTH, 1999a).
  • 7. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • As teorias da aprendizagem descrevem como ocorre a aprendizagem. • As teorias curriculares explicam por que um determinado conteúdo deve ser ensinado, qual conteúdo e quando deve ser disponibilizado para os aprendizes.
  • 8. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • As teorias de Design Instrucional (DI) orientam o tipo de instrução para uma determinada realidade e identificam num curso “quais métodos de instrução deveriam ser usados”. • O processo de Design Instrucional relaciona-se às atividades do professor e/ou do designer instrucional, ambas utilizadas para planejar e preparar uma instrução. • As teorias e os processos de DI caminham juntos.
  • 9. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • Desse modo, de que inovações falamos em relação ao DI para programas a distância? Modelo ADDIE – Análise, Desenho, Desenvolvimento Implementação e Avaliação
  • 10. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • A essência do sentido da palavra “Design deve convergir (AZEVEDO, 2001, p. 86 e 87) conceitua como: –“pensar que planejar o futuro é ter consciência do caos. O design é sempre uma forma de planejar uma saída”.
  • 11. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 Bittencourt e Orofino, 2006
  • 12. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 Fonte: BITTENCOURT, Dênia Falcão de. Construir e contribuir. A metodologia da autoavaliação institucional na gestão pedagógica em educação a distância. 2012. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-12062012-151617/>. PLANEJAMENTO DESIGN PRODUÇÃO SERVIÇOS Perfildo Estudante; Regulamentos da Instituição Certificadora Elenco de conteúdos; Mix de mídias; Organização básica Estratégias pedagógicas; Estratégias tecnológicas; Normas e organização do curso Curso formatado; Sistema de organização Serviço educacional Indicadores de desempenho Metodologia Autoavaliação Institucional; Plano de Recomendações Conteúdos; Recursos; Materiais e Equipamentos Princípios pedagógicos; Fundamentos tecnológicos; Recursos disponíveis Agentes Certificador; Equipe de docentes e técnicos na EAD Equipe de docentes e técnicos na EAD Equipe de docentes (Conteudistas) e técnicos na EAD; Fornecedores Equipe de docentes (professores,tutores); Técnicos na EAD; e Estudantes Entradas Processos
  • 13. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
  • 14. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • A aplicação do DI em um projeto de aprendizagem (Morrison, Ross, Kemp, 2004), está baseada na suposição que a produtividade e a aprendizagem serão melhoradas pela aplicação de um processo sistemático de planejamento. • O princípio é o mesmo para opção pela Inovação, o foco no desenvolvimento dos processos, e do propósito.
  • 15. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 As inovações dos programas a distância passam por mudanças que acompanham as evoluções: nas TIC, nas práticas de gestão, sistemas e organização, e nas metodologias de ensino e aprendizagem.
  • 16. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 Fonte:http://flatworldbusiness.wordpress.com/flat-education/previously/web-1-0- vs-web-2-0-vs-web-3-0-a-bird-eye-on-the-definition/ Modelo linear e fechado. Totalmente dependente da equipe de produção Modelos mais abertos e dinâmicos ubíquos - novas e diversas possibilidades de interações, conexões, aplicações, produção e personalizações de conteúdo A complementação com agentes inteligentes, permitindo uma maior personalização nas interações. A Web semântica é uma extensão da Web atual, que permitirá que computadores e humanos trabalhem em cooperação.
  • 17. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 http://elearningindustry.com/elearning-responsive-design-isnt-responsive-to-your-solutions Steven Loomis , 2014. Disponível em: , http://elearningindustry.com/elearning-responsive-design-isnt-responsive-to-your-solutions
  • 18. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
  • 19. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • Em 2013, o prof. Andrew Gibbons, publicou livro: An Architectural Approach to Instructional Design, • Com a concepção da prática do DI onde a inovação surge como fruto de um projeto arquitetado, sistematizado, gerido, organizado e monitorado, e não, necessariamente, fruto de uma inspiração súbita e repentina.
  • 20. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • Para Gibbons (2013) a tendência é conceber o DI como um projeto arquitetônico, digital e de produção centrado sobre as propriedades estruturais e funcionais do programa que está sendo projetado, em vez de somente sobre os processos utilizados para projetá-lo.
  • 21. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • Atendimento a massas; alunos com necessidades diversas, distribuição geográfica... • Formas inovadoras de obter informação, interagir, acompanhar a aprendizagem de forma personalizada, etc. • Importância dos ambientes serem flexíveis, valorizar mobilidade, permitir interação personalizada e autônoma, identificar desenvolvimento de competências... • Potencializar o affordance dos SGA – aprendizagem social
  • 22. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • os estudantes estão cada vez mais habilidosos e possuem grandes expectativas em relação ao serviço educacional, especialmente aos materiais e atividades de aprendizagem. • Potencializar as práticas didáticas com as ferramentas Web 2.0, para aprendizagem colaborativa e co-autoria
  • 23. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • Os programas de EAD necessitam: – aumentar e melhorar suas possiblidades, – promover a aquisição de conhecimento e habilidades mais eficientemente, eficaz e atraentemente, e – incentivar o envolvimento dos alunos para que eles não desistam, – aprendam mais rapidamente e conquistem níveis mais profundos de compreensão. – É preciso se conceber um programa de educação a distância onde aprender seja visto como um processo que envolve a pessoa como um todo, incluindo o intelecto, emoções, ação e intenção, como também, uma atividade basicamente social.
  • 24. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • Entre as diferentes expectativas e a realidade vivida sabemos que podemos encontrar diferença entre diferentes contextos, • Todavia como lembra Manuel Castells, “o mais interessante de qualquer transformação tecnológica não é o que os engenheiros dizem que vai se passar, senão o que a gente faz com ela”.
  • 25. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • Por exemplo, o DI pode ter uma escala de maior a menor grau de estruturação dos conteúdos e atividades do curso; de interação com conteúdos e agentes; de automatização ou personalização de entrega de conteúdo, sistema adaptativo e responsivo ao movimento dos alunos. • A tendência é que os programas a distância passem de uma arquitetura de DI de apresentação para uma arquitetura de participação.
  • 26. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • O caminho da inovação no design instrucional é a satisfação dos estudantes e professores, é criar soluções para atender as necessidades, as quais sempre estarão em transformação. • As inovações irão avançando na possibilidade do contexto dado, tendem acompanhar a rotatividade das tecnologias e a evolução do ambiente social disponíveis.
  • 27. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • O DI precisa inovar no sentido de pensar sobre a natureza do que é projetado, ajudar a desenvolver e seguir evoluindo o “conceito de valor” dos programas a distância. • Precisa desenvolver soluções que gerem mais e mais valor aos processos de ensino e aprendizagem • Seguir evoluindo em um contexto oferece um ecossistema rico em experiências de vida onde o aluno é um agente ativo e verdadeiramente envolvido no processo de aprendizagem.
  • 28. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • Não podemos esquecer sempre que a transformação da educação acontece no contexto de relacionamentos. • Nós crescemos em comunidade com os outros. Isto é verdade para os alunos, para os professores e assim como para nós. Precisamos uns dos outros para respirar e crescer.
  • 29. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • O Uso de Mídias Digitais na Prática Docente • https://www.facebook.com/midiadigitalnapraticadocente?ref=hl • Aprendizagem Colaborativa • www.facebook.com/AprendizagemColaborativa?ref=hl
  • 30. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014
  • 31. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • AZEVEDO, Wilton. O que é design? Brasiliense. São Paulo. 2001. • BITTENCOURT, D. F. Metodologia de Autoavaliação Institucional na Educação a Distância. Palhoça : Editora Unisul. 2013. • BITTENCOURT, D. F.; OROFINO, M. I. Design e Projetos em EAD. Palhoça : UnisulVirtual. 2006. • CHURCHES, Andrew. Taxonomía de Bloom para la Era Digital. Eduteka. 2009. Disponível em http://edorigami.wikispaces.com Último acesso em 12/06/2013. • DE BONO, Edward. Novas Estratégias de Pensamento. Nobel. São Paulo. 2000. p.188 • DIAS SOBRINHO, J. Avaliação institucional, instrumento da qualidade educativa: a experiência da Unicamp. In: BALZAN, N. C.; DIAS SOBRINHO, J. Avaliação institucional: teorias e experiências. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011. p. 53-86. • DUART, J. M.; SANGRÀ, A. Aprendizaje y virtualidad: un nuevo paradigma formativo? In: ______. Aprender en la virtualidade. Barcelona: EDIUOC, 2000. p. 13–22. • GARCÍA ARETIO, L. La educación a distancia: de la teoría a la práctica. 3. ed. Barcelona: Ariel, 2001. • ______. La educación a distancia: de la teoria a la práctica. Barcelona: Ariel, 2006. • GARCÍA ARETIO, L. et al. Concepción y tendencias de la educación a distancia en América Latina. Madrid: OEI, 2010. • GIBBONS, Andrew S. An architectural Approach to Instructional Design. Brighan Young University. NY, 2014. • GERREIRO, Cristóbal Suárez. Apresentação Hipótesis de trabajo em la hibridación educación y tecnologia en Iberoamérica. Universitat de Valência. Servei de Formació Permanent i Innovació Educacativa. #TED|14. url http://ined21.com/p6906/ Disponível em 20/07/2014. • Gibbons, Andrew S. (2013). An architectural approach to instructional design. New York, NY: Routledge. • KENSKI, V. Democratização das mídias e a gestão em educação a distância. In: OLIVEIRA, M. A. M. (Org.). Gestão educacional: novos olhares, novas abordagens. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009..
  • 32. VIII CONFERÊNCIA INTERNACIONALGUIDE E V SIMPOSIODE EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃOAracaju, 19 - 21 de Novembro de 2014 • HOLMBERG, B. The evolution of the character and practice of distance education. In: OPEN LEARNING. Anais… p. 47- 53, jun. 1995. Disponível em: <http://www.c3l.uni-oldenburg.de/cde/found/holmbg95.htm>. Acesso em: 30/07/2014. • JOHNSON, L., ADAMS BECKER, S., ESTRADA, V., FREEMAN, A. (2014). NMC Horizon Report: 2014 Higher Education Edition. Austin, Texas, Estados Unidos: The New Media Consortium. Disponível em: http://cdn.nmc.org/media/2014- nmc-horizon-report-ES.pdf Acesso em: 30/07/2014. • KEEGAN, D. The foundations of distance education. 3. ed. London: Croom Helm, 1996. • ______. Distance education: a systems view. Belmont: Wadsworth Publishing Company, 1996. • KEMP, J.E..; MORRISON, G.R..; ROSS, S.M. Designing effective instruction. 4. ed. New York: Wiley & Sons, 2004. • MOORE, M. G. Learner autonomy: the second dimension of independent learning. [S.l.]: Convergence Fall, 1972. p. 76-88. Disponível em: <http://www.ajde.com/Documents/learner_autonomy.pdf>. Acesso em: 30/07/2014. • MOORE, M. G.; KEARSLEY, G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson, 2007. • MORAN, J. M.; BITTENCOURT, D. F. Produção de Conteúdo: Autoria Virtual. Apostila do curso de especilazação em inovação e gestão em educação a distância. São Paulo : INEPAD, USP. 2014. • PETERS, O. Didática do ensino a distância: experiências e estágio da discussão numa visão internacional. São Leopoldo: Unisinos, 2001. • PETERS, O. A educação a distância em transição: tendências e desafios. 2. ed. São Leopoldo: Unisinos, 2009. • ULBRICTH,V. R. Ambientes adaptativos: trilhando novos caminhos para a hipermídia. Rio de Janeiro: Ciência Moderna Ltda, 2006. 170 p. • UNESCO. Policy guidelines for mobile learning. 2013. Disponível em: http://www.unesco.org/new/en/unesco/themes/icts/m4ed/mobile-learning-resources/unescomobilelearningseries/ Acesso em: 30/07/2014. • VERÍSSIMO, G. Um turbulento e prazeroso desafio. In: GIGLIO, Z. G.; WECHSLER, S. M.; BRAGOTTO, D. (Org.). Da criatividade à inovação. Campinas: Papirus, 2009. p. 157-166.

Notas do Editor

  1. Com a visão de processo, a figura apresenta uma adaptação do modelo genérico para construção de projetos em EAD on-line, proposto na minha dissertação e tese. A figura destaca o lugar da MAAI nesse modelo. Denota o fluxo dos processos e a etapa de avaliação. Na visão do modelo fica nítido que a gestão pedagógica é baseada em processos; que ela pressupõe as etapas, as entradas com componentes e recursos, saídas com estratégias e novos recursos. Os processos e saídas vão sendo constituídos por meio de entradas, processos e saídas. O processo de avaliação proposto, ao retroalimentar todas as etapas anteriores, revela a sua importância formativa para todo o sistema. A figura também mostra que na etapa de planejamento são estabelecidos os indicadores de desempenho que irão servir para avaliar os resultados do projeto na etapa de serviços. A etapa de serviços tem como entrada os indicadores de desempenho, e como saída .... A pesquisa de autoavaliação institucional com informações para compor as recomendações de ajustes ao novo ciclo de oferta do projeto pedagógico. Desse modo a figura demonstra como a MAAI nasceu integrada às etapas de desenvolvimento de projetos em EAD.