TRABALHO DE EMBALAGENS

717 visualizações

Publicada em

TRABALHO DE EMBALAGENS

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
717
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TRABALHO DE EMBALAGENS

  1. 1. EMBALAGENS METÁLICAS As latas surgiram da necessidade de se acondicionar o alimento para prolongar a sua conservação no ano de 1809, o governo francês de Napoleão Bonaparte, fez um apelo para o desenvolvimento de novas tecnologias de conservação o inventor e industrial Nicolas Appert, criou o método de conservar o alimento em lata mas patenteou a sua pesquisa. A evolução de sua estrutura continuou e em 1824, quando o inglês Joseph Rhodes desenvolveu um método mais pratico de colocação da tampa e do fundo que é conhecido como recravação que só foi utilizado em larga escala anos depois. Em 1930 as latas começaram a se tornar mais populares eram utilizadas em diversos produtos desde alimentos até graxas para sapatos, a primeira bebida a ser acondicionada e posta em latas foi a cerveja Skol no ano de 1971. Durante toda a história da humanidade o homem busca alternativas para conservação estocagem de alimentos, essa busca gerou diversas tecnologias para estocagem e para armazenamento. A evolução dessa tecnologia de conservação com a de armazenamento fez com que hoje a maioria dos alimentos sejam embalados de forma a conservá-los bem como para mantê-los isentos de contaminação, sendo ainda dinamizado o transporte, pois somente a parte destinada ao consumo que e embalada, além de atuar como isolante do cheiro dos alimentos enlatados. Para que isto seja possível existem diversas matérias primas para a produção das embalagens obedecendo às peculiaridades que cada produto têm, ou seja para que o produto não comprometa a qualidade da embalagem e para que a embalagem não altere a qualidade ou características do produto. Existem diversos materiais que são utilizados para a embalagem de alimentos tais como recipientes metálicos rígidos (lata, tambor de aço inoxidável, alumínio, etc), recipientes metálicos flexíveis (alumínio, folhas de aço,etc), vidro (pote, garrafa, etc), plásticos rígidos e semirrígidos, plásticos flexíveis, Barricas e caixas de papelão e embalagens de madeira, papeis flexíveis, Laminados e multifoliados.
  2. 2. Neste momento iremos abordar os materiais que são utilizados nos enlatados, respeitando as características dos alimentos. A lata é uma embalagem rígida, construída de folha-de-flandres, podendo ter uma camada de verniz para dar maior proteção ao conteúdo. A folha-de-flandres é um laminado de aço com baixo teor de carbono revestido nas duas faces com estanho comercialmente puro. O aço utilizado é de baixo teor de carbono, cuja composição geralmente está compreendida entre 0,06 a 0,15%, teores que dão ao aço boas propriedades de dutilidade, que é a capacidade de deformar em estampagem sem se romper. Classificação do aço quanto à sua composição química: Tipo L - contém baixo teor de fósforo e metais residuais, é muito resistente à corrosão e portanto o mais adequado em embalagens para produtos ácidos. É muito indicado para produtos altamente corrosivos como cerejas, ameixas secas em xaropes e picles. Tipo MR - contém teores de fósforo, carbono, enxofre, fósforo, silício maiores que o tipo “L”, sendo portanto mais usado em produtos medianamente ácidos, como sucos cítricos, pêssego, abacaxi, etc. Tipo MC – Esse aço é o mais refosforizado, para dar maior rigidez às latas. È utilizado em produtos não corrosivos; Tipo MS – Esse aço é similar ao tipo L , porém com um maior teor de cobre, sendo recomendado para chucrutes e outros produtos ácidos. Novos materiais, especialmente para cervejas e refrigerantes tem sido desenvolvidos ultimamente. Portanto os matérias acimas citados tornam eficaz o armazenamento e a conservação dos alimentos, trazendo facilidades no transporte, distribuição, e comercialização de determinados produtos, levando em seu rótulo a origem os materiais usados para a conservação a data e o local onde foram embalados, e os valores nutricionais dentre outros, tudo isto obedecendo os padrões de qualidade exigido pelos órgãos de vigilância sanitária, ou seja os enlatados passa por rigorosos critérios de certificação até chegar ao seu destino final.
  3. 3. VANTAGENS 1. Prevenção do desperdício 2. Segurança e saúde dos consumidores 3. Rentabilidade Econômica 4. Produção a partir de fontes de matérias-primas viáveis 5. As latas são as campeãs da reciclagem de embalagens DESVANTAGENS 1. Corrosão 2. Deterioração dos alimentos 3. Problemas ambientais 4. Impossibilidade de ver o seu conteúdo 5. Problemas de armazenamento 6. Reciclagem de alumínio 7. Acessibilidade 8. Risco de lesão RECICLAGEM DOS MATERIAIS Embora seja maior o interesse na reciclagem de metais não-ferrosos (alumínio), devido ao seu maior valor comercial, é muito grande a procura de ferro e de aço pelas siderurgias e fundições. As embalagens à base de aço (folha de flandres e folha cromada) são triadas por sistemas de ímãs e entregues às indústrias metalúrgicas para serem novamente fundidas. Através deste processo é possível retirar até 90% do metal ferroso existente no lixo. A utilização de aço reciclado poupa cerca de 60-70% da energia necessária para a produção de latas, reduz a emissão de gases e o consumo de água. O alumínio reciclado tem muito interesse comercial porque sua introdução no processo de fabricação leva a grande economia de energia. Por cada kg de alumínio reciclado são poupados 5 kg de bauxita (minério de onde
  4. 4. se produz o alumínio). Para reciclar uma tonelada de alumínio, gasta-se somente 5% da energia que seria necessária para produzir a mesma quantidade de alumínio primário, ou seja, a reciclagem do alumínio proporciona uma economia de 95% na energia elétrica. Para se ter uma ideia, a reciclagem de uma única lata de alumínio economiza energia suficiente para manter um aparelho de TV ligado durante três horas.

×