Prova comentada ufrj(história)

16.501 visualizações

Publicada em

Prova de historia comentada

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.501
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prova comentada ufrj(história)

  1. 1. PROVA DEHISTÓRIAPERGUNTAS E RESPOSTASCOMENTÁRIOS SOBRE AS RESPOSTAS
  2. 2. 1ª QuestãoAs relações entre a pregação protestante e as estruturas políticas então existentes foram muitas vezes decisivas tantopara os destinos da pregação em si quanto para os rumos afinal tomados pela organização das novas Igrejas.Francisco José Calazans FALCONIn: RODRIGUES, Antonio Edmilson M. e FALCON, Francisco José C.Tempos modernos: ensaios de história cultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.O texto acima se refere a processos da Reforma Religiosa ocorridos na Europa. O movimento reformista, entretanto,conheceu diferentes reações em distintas áreas. Indique duas causas para a Reforma Religiosa na Inglaterra e umaconsequência econômica desse movimento.Resposta• interesse do rei Henrique VIII nas terras da Igreja;• interesse da burguesia na queda de taxas e impostos;• interesse da burguesia em ampliar o seu poder no Parlamento;• interesse do rei em fortalecer sua autoridade a partir da criação de uma igreja subordinada diretamente a ele;• não concessão da anulação do casamento do rei com Catarina de Aragão pelo Papa e consequente interdição de seucasamento com Ana Bolena;Uma das consequências:• aceleração do processo de cercamento dos campos;• início da projeção da Inglaterra como potência econômica e naval na Europa;• confisco e leilão das terras da Igreja Católica, ampliando os recursos disponíveis à monarquia.ComentárioO processo de transformações econômicas, políticas e sociais ocorrido na Europa, a partir do século XII, culminou emum amplo movimento de contestação à autoridade e ao poder material da Igreja Católica. Tal movimento, conhecidocomo Reforma Protestante, foi precedido por manifestações nos séculos anteriores e em diversas regiões.Com a organização dos Estados Nacionais, através da aliança entre a burguesia e o rei, a ação e interferência da Igrejade Roma ficaram bastante reduzidas. A condenação da usura pela igreja entravava o desenvolvimento do comércio edas atividades financeiras, o que a tornava bastante insensível às novas necessidades da burguesia. Além disso, aigreja sofria críticas cujos principais alvos eram: a riqueza material da igreja e a atitude mundana do alto clero - muitosusavam indevidamente a renda da igreja em beneficio próprio - e a prática da simonia – ou seja, o comércio das coisassagradas como a venda de cargos eclesiásticos, de indulgencias, etc. É o acirramento dessas práticas que faz eclodir omovimento protestante.No caso dos ingleses, durante o governo dos Tudor também se criticava os abusos da Igreja Católica, a ineficiência dostribunais eclesiásticos e o favoritismo na distribuição de cargos públicos para membros do Clero, além da crítica aopagamento e envio de dízimo para Roma.Na Inglaterra, durante o governo de Henrique VIII (1509-1547), a burguesia pressionava pelo aumento do poder doParlamento, o que lhe daria oportunidade de legislar sobre a economia, inclusive sobre as taxas cobradas pela igreja, esobre a liberação da prática da usura. Henrique VIII, necessitando aumentar as riquezas do Estado, aproveitou-sedessa situação para confiscar os bens da igreja. Isso gerou desentendimentos com o Papa. Tal situação foi agravadaquando o monarca solicitou a anulação de seu casamento com Catarina de Aragão, pois não tendo sucessoresmasculinos com a princesa espanhola, Henrique VIII temia que, em caso de sua morte, o trono inglês passasse para ocontrole Espanhol. Esse temor era compartilhado por toda a nação que apoiou o rei diante da negativa do papa emconceder-lhe o divórcio. O rei então rompeu com o papado e promoveu uma reforma na Igreja Inglesa, obrigando seusmembros a reconhecê-lo como chefe supremo e a lhe jurar fidelidade e obediência. Assim Henrique VIII obteve doClero Inglês o divórcio de Catarina de Aragão e pode casar-se com Ana Bolena. Em 1534 Henrique VIII decretou o atode supremacia que separava a Inglaterra do papa e assim transformou-se no chefe da igreja de seu país, passando areprimir seus opositores. Esse movimento foi chamado de Reforma Anglicana. A doutrina anglicana apresentou poucasmodificações em relação à doutrina Católica, a não ser o desencorajamento do culto aos santos e relíquias e apopularização da leitura da Bíblia, traduzida para o idioma tradicional.No aspecto prático, a reforma anglicana resolveu duas questões para a monarquia inglesa: a concretização do divorciodo rei, que solucionou a questão da herança do trono; e a apropriação dos bens da igreja os quais, vendidos para anobreza e para a burguesia, deram o necessário suporte financeiro para coroa.-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------2ª QuestãoO trabalho na colônia1. 1500-1532: período chamado pré-colonial, caracterizado por uma economia extrativa baseada no escambo com osíndios;2. 1532-1600: época de predomínio da escravidão indígena;3. 1600-1700: fase de instalação do escravismo colonial de plantation em sua forma “clássica”;4. 1700-1822: anos de diversificação das atividades em função da mineração, do surgimento de uma rede urbana, maistarde de uma importância maior da manufatura – embora sempre sob o signo da escravidão predominante.
  3. 3. Ciro Flamarion Santana CARDOSOIn: LINHARES, Maria Yedda (org.). História geral do Brasil.9ª ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.A partir das informações do texto, verificam-se alterações ocorridas no sistema colonial em relação à mão-de-obra.Apresente duas justificativas para o incentivo do Estado português à importação de mão-de-obra escrava para suacolônia na América.RespostaDuas das justificativas:• oposição da Igreja Católica à utilização do indígena como escravo;• dificuldade de apresamento dos indígenas, em função de sua migração / fuga para o interior;• lucratividade do tráfico internacional de escravos, semelhante à de uma grande empresa, favorecendo traficantes e aCoroa Portuguesa;• “falta de braços” para a lavoura dos principais produtos coloniais, devido a um ciclo de doenças ocorridas na segundametade do século XVI, responsável pela morte de milhares de indígenas;• caráter fortemente hierárquico da sociedade portuguesa desse momento, marcada pelo uso legitimado daescravidão.ComentárioO regime baseado nas relações escravistas de produção surgiu onde existia a possibilidade, seja de produzir para omercado europeu artigos tropicais em quantidades amplas, seja de explorar jazidas de metais preciosos, desde quefosse possível resolver o problema da necessidade de mão de obra abundante e disciplinada. Em segundo lugar talregime surgiu onde não foi possível estabelecer ou manter uma estrutura de exploração baseada principalmente naincorporação da força de trabalho indígena.No caso da colônia portuguesa na America, conforme mostra o texto de Ciro Flamarion apresentado na questão, operíodo entre 1532-1600 foi uma época em que predominava um sistema escravista baseado no trabalho indígena,com presença relativamente pequena de escravos da África. A transição gradual para um tráfico africano mais intensoocorre em função de características, dificuldades e necessidades intrínsecas da economia colonial do açúcar. A partir de1570, por um lado, a resistência dos índios, as epidemias que golpeavam duramente a população e a legislação contraa escravidão indígena, reduziram tanto a disponibilidade da mão de obra indígena quanto sua rentabilidade. Por outrolado, conforme a produção do açúcar ia se intensificando surgia a necessidade de mais mão de obra.A escravidão africana se colocava, então, como uma opção que oferecia não só mão de obra abundante como, também,se fazia duplamente lucrativa. Ao mesmo em tempo que permitia acumulação por parte dos traficantes, já que aoserem vendidos como mercadoria os africanos traziam enormes lucros - ao contrário do indígena cuja escravização eraum negócio local -, também gerava maiores lucros em nível de produção, pois o comércio de africanos conseguiaatender a demanda de uma produção intensiva e em larga escala, a qual vinha sendo implementada no Brasil.-------------------------------------------------------------------------------------------------------------3ª QuestãoO rei é vencido e preso. O Parlamento tenta negociar com ele, dispondo-se a sacrificar o Exército. A intransigência deCarlos, a radicalização do Exército, a inépcia do Parlamento somam-se para impedir essa saída “moderada”; o rei fogedo cativeiro, afinal, e uma nova guerra civil termina com a sua prisão pela segunda vez. O resultado será uma solução,por assim dizer, moderadamente radical (1649): os presbiterianos são excluídos do Parlamento, a Câmara dos Lordes éextinta, o rei decapitado por traição ao seu povo após um julgamento solene sem precedentes, proclamada a República;mas essas bandeiras radicais são tomadas por generais independentes, Cromwell à atesta, que as esvaziam de seuconteúdo social.Renato Janine RIBEIROIn: HILL, Christopher. O mundo de ponta-cabeça: ideias radicais durante a Revolução Inglesa de 1640. SãoPaulo: Companhia das Letras, 1987.O texto faz menção a um dos acontecimentos mais importantes da Europa no século XVII: a Revolução Puritana (1642-1649). A partir daquele acontecimento, a Inglaterra viveu uma breven experiência republicana, sob a liderança deOliver Cromwell. Dentre suas realizações mais importantes, destaca-se a decretação do primeiro Ato de Navegação.Explique a importância do Ato de Navegação para a economia inglesa e aponte duas ações políticas da RepúblicaPuritana.RespostaA decretação do primeiro Ato de Navegação (1651) determinou que o transporte de produtos importados pelaInglaterra deveria ser feito apenas em navios ingleses ou pertencentes aos países de origem dos respectivos produtos,ampliando o processo de acumulação de capitais.Duas das ações:• dissolução do Parlamento;• conquista da Jamaica à Espanha;
  4. 4. • supressão da Câmara dos Lordes;• vitórias militares contra a Holanda e a Espanha;• submissão da Irlanda e da Escócia, outra vez, à Inglaterra;• confisco e leilão das terras pertencentes à Igreja Anglicana e aos nobres que apoiaram o rei;• autoproclamação de Cromwell como Lorde Protetor das Repúblicas da Inglaterra, Escócia e Irlanda.ComentárioEm 1628, Carlos I, rei da Inglaterra, foi obrigado pelos líderes do Parlamento a assinar a Petição de direitos, em que secomprometia a não cobrar impostos sem a aprovação do Parlamento. No ano seguinte, o rei dissolveu o Parlamentoreadquirindo o controle da política financeira. Diante disso Carlos I adota a reativação da cobrança de antigos impostos,por exemplo, o Ship Money - imposto antes cobrado apenas às cidades portuárias para financiar a marinha, o qual foiestendido a toda a nação. Também determinou medidas para impor a religião anglicana em todos os domínios da Coroacomo forma de legitimação de poder.A Escócia, que era predominantemente presbiteriana, reage contra a imposição do rei e organiza um exército parainvadir a Inglaterra. Para combater tal iniciativa, Carlos I solicita verbas ao Parlamento Inglês, porém, em umademonstração de força, o Parlamento impôs algumas condições. Dentre elas a dissolução da Câmara Estrelada (tribunaljudiciário), a extinção da cobrança do Ship Money, entre outras. O rei cumpre as exigências e consegue que osescoceses recuem. Em 1641, eclode uma revolta na Irlanda católica. O Parlamento nega a Carlos I o comando doexército para a repressão, a menos que submetesse a escolha de seus conselheiros à aprovação do Parlamento.Recusando-se a cumprir tal exigência, o rei invadiu o Parlamento e tentou prender seus líderes, o que desencadeouuma guerra civil, em 1642. O exército parlamentar liderado por Oliver Cromwell venceu as tropas do rei, obrigandoCarlos I a se refugiar na Escócia. Lá o rei se nega a reconhecer a Igreja Presbiteriana e é executado pelo parlamentoInglês em 1649.O exército Puritano, sob o comando de Cromwell, tornou-se uma força política poderosa, alijando do poder ospresbiterianos e proclamando a república em 1649. Durante a República Puritana, sob o governo de Cromwell, foisuprimido a Câmara dos Lordes, o que ajudou a eliminar as estruturas feudais que entravavam o plenodesenvolvimento da economia inglesa. Também foi criado o conselho de Estado, composto por 41 membros, mas opoder de fato era exercido por Cromwell. No plano externo, o maior destaque, foi a promulgação dos Atos deNavegação (1651), pelos quais ficou estabelecido que todas as mercadorias deveriam ir para a Inglaterra em naviosingleses ou de seus países de origem. Com o prestigio dado à marinha e a remodelação do exército, a Inglaterraconseguiu os primeiros ganhos na política exterior contra a Holanda e a Espanha, de quem obteve respectivamenteDunquerque e Jamaica.Fortalecido, Cromwell dissolveu o Parlamento Inglês em 1653, proclamou-se “Lorde Protetor das Repúblicas daInglaterra, Escócia e Irlanda”, o que dura até sua morte em 1658.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------4ª Questão(...) Minuciosas até o exagero são as descrições das operações manuais de Robinson: como ele escava a casa na rocha,cerca-a com uma paliçada, constroi um barco (...) aprende a modelar e a cozer vasos e tijolos. Por esse empenho eprazer em descrever as técnicas de Robinson, Defoe chegou até nós como o poeta da paciente luta do homem com amatéria, da humildade e grandeza do fazer, da alegria de ver nascer as coisas de nossas mãos. (...) A conduta deDefoe é, em Crusoé (...), bastante similar à do homem de negócios respeitador das normas que na hora do culto vai àigreja e bate no peito, e logo se apressa em sair para não perder tempo no trabalho.Ítalo CALVINOPor que ler os clássicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998Daniel Defoe, no romance Robison Crusoé, deixa transparecer a influência que as ideias liberais passaram a exercersobre o comportamento de parcela da sociedade europeia ainda no século XVIII.Com base no fragmento citado, identifique um ideal liberal expresso nas ações do personagem Robinson Crusoé. Emseguida, explicite como esse ideal se opunha à organização da sociedade do Antigo Regime.RespostaUm dos ideais e sua respectiva explicação:• Individualismo: com o individualismo, os liberais criticam a sociedade do Antigo Regime, que colocava a razão doEstado à frente das necessidades dos indivíduos, privilegiando determinados grupos por sua origem ou nascimento emdetrimento de suas habilidades ou competências.• Valorização do trabalho independentemente de sua natureza: a dignificação de todo tipo de trabalho se contrapunhaao caráter estamental da sociedade do Antigo Regime, de acordo com o qual determinadas ocupações eram indignasdos membros dos estamentos privilegiados.ComentárioAo longo da Idade Moderna, a burguesia adquire progressivamente poder econômico e passa a exigir também direitospolíticos. Nesse quadro, em que o Antigo Regime e o desenvolvimento capitalista passam a conflitar, produz-se umconjunto de idéias que expressava as aspirações dos grupos sociais descontentes , formando uma filosofia contraria ao
  5. 5. Antigo Regime, chamada de Iluminismo.Os pensadores iluministas defendiam a liberdade política e econômica e dessa forma expressavam os meios burguesesde crítica ao Estado Absolutista.O século XVIII foi o momento de ruptura com a ordem moderna, gerando a Era das Revoluções que se inaugura com aindependência dos Estados Unidos e continua com a Revolução Francesa e os demais movimentos de independência daAmérica. Simultaneamente na área econômica processou-se uma transformação importante, a qual completou aestruturação capitalista, a chamada Revolução Industrial. Como resultado desse período, que envolvia aspectosreligiosos, políticos, sociais e econômicos, uma nova ordem surge constituindo o sistema capitalista.O pensamento liberal teve sua origem no século XVII por meio dos trabalhos sobre política publicados pelo filósofoiluminista John Locke (1632-1704), o qual defendia a vida e a liberdade de propriedade como direitos naturais. Para eleos governos haviam surgido em função de um contrato estabelecido entre os homens visando a preservação de direitos.Nesse sentido, cabia a sociedade reclamar e até mesmo substituir o governante caso o contrato não fosse cumprido.Desta forma, Locke negava o Absolutismo e fundava o liberalismo político. Outros pensadores iluministas apresentaramideias importantes para o pensamento liberal. Montesquieu (1689-1755), filósofo francês, defendia a teoria daseparação dos três poderes do Estado, segundo a qual o governo deveria ser exercido simultaneamente por trêspoderes distintos e independentes: o legislativo, o executivo e o judiciário. Já Voltaire (1694-1778), defendia umamonarquia que respeitasse os direitos individuais. Jean Jacques Rousseau (1712-1778), ao contrario de Voltaire eMontesquieu, os quais eram monarquistas liberais, foi um crítico radical do Antigo Regime, defendendo um governopopular.Este pensador defendia a liberdade e igualdade entre os homens, afirmando que o poder político repousava sobre opovo.As ideias iluministas pregando as virtudes da liberdade levaram ao aparecimento de uma nova doutrina econômica, achamada fisiocracia. De acordo com os fisiocratas, a economia seria regulada por leis naturais, sem intervenção doEstado e para exprimir esse ideal de liberdade econômica usavam o lema “Laissez-faire, laissez passer” (deixa fazer,deixa passar), considerando indispensável à liberdade para o funcionamento das leis naturais. Já no século XVIII, oliberalismo econômico supera o fisiocratismo. Este ganhou força com as ideias defendidas pelo filósofo e economistaescocês Adam Smith (1723-1790) que apontava a livre concorrência, a divisão do trabalho e o livre comércio comoindispensáveis para o progresso da humanidade.---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------5ª Questãowww.inpeau.ufsc.brO mapa político apresentado demonstra a fragmentação ocorrida na América colonial espanhola, a partir dosmovimentos de independência. Esse processo resultou não só de fatores internos, mas também de fatores externos àscolônias, como a tentativa de restauração levada a cabo pela Santa Aliança, utilizando como regra básica o princípio delegitimidade enunciado no Congresso de Viena (1814-1815).
  6. 6. Cite duas consequências políticas ou territoriais para a Europa pós-napoleônica da utilização do princípio delegitimidade. Em seguida, explique a influência desse princípio nas lutas pela independência das colônias espanholas naAméricaRespostaDuas das consequências:• dissolução da Confederação do Reno;• ausência de partilha territorial da França;• recolocação no poder das dinastias europeias, destronadas durante a expansão napoleônica;• reorganização do mapa europeu, levando-se em consideração os direitos tradicionais das dinastias consideradaslegítimas e restaurando-se as fronteiras anteriores a 1791.Explicação: Esse princípio, por tentar frear os processos de autonomia que haviam se instalado na região, ampliouainda mais as insatisfações dos diferentes setores das aristocracias coloniais que, organizadas em cabildos livres,comandaram as lutas pela independência dos vice-reinos coloniais.ComentárioA Revolução Francesa, ao promover a queda do Antigo Regime, introduziu uma série de mudanças na Europa, queaderiu aos ideais revolucionários de liberdade, igualdade e fraternidade. Esses ideais, acompanhados por propostas deliberalismo, soberania popular e nacionalismo, acabaram se tornando as características mais significativas do processohistórico europeu ao longo do sec. XIX. No entanto, a opressão do regime imposto pelo império Napoleônico gerou, deum lado, a reação das forças conservadoras - articuladas a partir do Congresso de Viena; e de outro , insuflou aorganização de movimentos nacionalistas de caráter liberal em diversas regiões do continente.Com a derrota de Napoleão em 1814, as forças coligadas reuniram-se em Viena para reorganizar o mapa político daEuropa, completamente alterado pelas campanhas de Napoleão.Apenas a Inglaterra, Rússia, Áustria e Prússia tiveram participação ativa no restabelecimento do equilíbrio continental.As decisões de reformulação foram baseadas essencialmente no principio de legitimidade. Este princípio tem comoalicerce a restauração das monarquias e dos governos anteriores à Revolução Francesa, e a volta às mesmas fronteiraseuropéias existentes antes de 1791.As principais decisões do congresso de Viena, que se encerrou em 1815, alteraram bastante o mapa político europeu edas colônias em uma tentativa de restabelecer o equilíbrio entre as grandes potencias europeias. No caso da Espanha ePortugal, não foram recompensados com ganhos territoriais, mas tiveram restauradas as dinastias de Bourbon eBragança, respectivamente. Foi por decisão do Congresso de Viena que o Brasil passa a categoria de Reino Unido aPortugal e Algarves, o que permitiu que a família real permanecesse na América, sem perder o trono.Para garantir as resoluções do Congresso de Viena, Alexandre I, czar da Rússia, propôs formar a Santa Aliança. Estaera uma organização supranacional de ajuda mútua das monarquias europeias, cujo objetivo era estabelecer o direitode intervenção em qualquer região da Europa em que irrompessem revoluções liberais. De fato, as grandes potênciasEuropeias interviram de forma decisiva no desenvolvimento das revoluções liberais, as quais desencadearamprincipalmente em 1820 (Portugal – Revolução do Porto; Itália; Grécia).As nações ibéricas não haviam conseguido um desenvolvimento econômico compatível com o restante da EuropaOcidental. Enquanto outros países se industrializavam, Portugal e Espanha, cuja produção manufatureira era poucosignificativa, eram obrigados a recorrer aos ingleses e franceses para suprir seus mercados internos e fornecer as suascolônias produtos industrializados em troca de matéria-prima. Assim, os Ibéricos foram se endividando cada vez mais,tornando-se economicamente dependentes de outras nações, o que gerou seu enfraquecimento nas decisões políticasmais importantes do continente. Diante disso, tanto os Espanhois como os portugueses, envolvidos no movimento dodespotismo esclarecido, adotaram no século XVIII alguns princípios iluministas. Através de reformas econômicas eadministrativas pretendiam conseguir um desenvolvimento mais rápido que lhes permitisse aumentar a renda, ariqueza, o poder das monarquias e, ainda, preservar suas colônias, além de negociar sem prejuízos com outras nações.Desta maneira, tinham como objetivo fortalecer o pacto colonial, para permitir uma exploração mais intensa dosrecursos de suas colônias.Políticas de arrocho fiscal e reformas administrativas recaíam sobre as elites coloniais, o que se impunha comoobstáculo para a ascensão social e política destas e ao mesmo tempo as impedia de ter o controle sobre seus própriosnegócios. Tal situação gerou rebeliões com o propósito de independência, no final do sec. XVIII, como a rebeliãoindígena de Tupac Amaru no Peru, em 1780, e a Inconfidência Mineira de 1789, no Brasil.Influenciadas pelas ideias iluministas, pelo impacto político da Revolução Americana de Independência, e pelaRevolução Francesa, as elites da América colonial desencadearam o processo de independência, cujo objetivo eraassegurar o livre comércio e sua emancipação política.No que concerne as colônias espanholas na América , sua elite (criollos) era composta por cerca de 3 milhões deamericanos brancos, descendentes de espanhois, que controlavam as principais atividades econômicas. Apesar de geraracúmulo de capitais para a colônia, os criollos não participavam da política e da administração da colônia, o que eraexercido por funcionários que vinham diretamente da Espanha (chapetones ou guachupines). A estes cabia afiscalização do pacto colonial e o exercício do comercio monopolista em nome da coroa. Ao tomarem conhecimento dainvasão Napoleônica na metrópole, os criollos trataram de converter rapidamente os Cabildos Municipais – únicoscanais de participação política da elite colonial - em juntas insurrecionais, a favor dos Bourbon, dinastia deposta.A divergência de interesses locais levou os criollos a criarem exércitos próprios, inaugurando na America um período deguerras civis, agravadas em algumas regiões pela eclosão de movimentos populares. Os povos das colônias anteviamno processo de emancipação uma forma de superar sua condição. Temendo ser eliminados pelas insurreições populares,
  7. 7. os criollos passaram a liderar os movimentos de independência, canalizando a insatisfação de vários grupos contra osEspanhois.-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------6ª QuestãoA única lei de legislação operária que teve larga aplicação é aquela que um advogado dos fazendeiros de São Paulo,um ilustre Adolfo Gordo qualquer, ampliou: a lei de expulsão dosestrangeiros do território da república, aplicada aos operários mais ou menos estrangeiros quese organizassem em liga de resistência e cuidassem dos próprios interesses.Gigi DAMIANI“O Brasil visto por um anarquista italiano”. In: A batalha, 04/09/1921.Presente Álvaro de Oliveira Monteiro (3ª Testemunha), portuguez, com trinta e cinco anos deidade, solteiro, padeiro, residente à rua Dois de Fevereiro nummero cinquenta e nove, sabendo ler e escrever, inquiridodisse que hoje, cerca de sete horas da manhã, conduzia um cesto de pão a fim de distribuir tal alimento a freguesia eao passar pela rua Doutor Dias da Cruz um grupo de grevistas e empregados da padaria o forçaram a largar o cesto depão no qual atearam fogo, impedindo assim que elle declarante exercesse o seu commercio; que desse grupo tomavamparte os acusados presentes que foram presos, tendo os demais conseguido se evadirem.Brasil: Arquivo Nacional, 7ª Pretoria Criminal, Freguesias de Inhaúma, Irajáe Jacarepaguá – 1912-1922 (Fundo 72), Ano: 1912, Notação: 72.0465.Os textos acima apontam para um quadro desolador da situação da classe trabalhadora brasileira na Primeira República.O primeiro foi escrito por um militante operário, e o segundo é parte integrante de um arquivo policial da época. Ambosdemonstram tanto a ótica sob a qual as elites políticas viam o mundo do trabalho quanto a fragilidade do movimentooperário. Indique quatro razões que contribuíram para que esse movimento, no início do século XX, se encontrasse nasituação descrita nos fragmentos.RespostaGabaritoQuatro das razões:• divisão interna do movimento operário;• reduzido peso da indústria na economia brasileira;• pequena repercussão pública dos movimentos grevistas;• esperança de muitos trabalhadores estrangeiros em retornar à Europa;• posição contrária da maioria dos anarquistas à luta por leis trabalhistas;• reduzida tendência à organização dos trabalhadores fabris em sindicatos;• receio entre os trabalhadores em função de “listas negras” das indústrias;• legislação essencialmente repressiva, com a questão social sendo tratada como “caso de polícia”.ComentárioDesde o inicio do século XX, as greves se tornaram frequentes em quase todas as cidades fabris, sobretudo no Estadode São Paulo e Rio de Janeiro, mas ao contrário do que já ocorria em alguns países europeus, não eram reconhecidascomo uma forma legítima de luta dos trabalhadores. A maioria dos operários se empregava nas indústrias de alimentose tecidos, porém o desenvolvimento fabril era incipiente e estabeleceu uma base salarial baixa, péssimas condições detrabalho e exploração brutal da força de trabalho, que se encontrava em abundancia no país.As principais razões para a superexploração do trabalhador na primeira metade do Séc. XX decorrem de naturezapolítica e econômica. A questão política tem base na inexistência de leis de proteção ao trabalho e assistência social. Aquestão econômica está associada ao barateamento da força de trabalho. Na medida em que a mecanização dasindústrias limitava a oferta de empregos e também o grau de qualificação do trabalhador, por outro lado, a migração eas crises periódicas da lavoura cafeeira contribuíram para aumentar a oferta de mão de obra.Diante de tal situação, uma vez que o Estado e os empresários não prestavam assistência médica e social necessárias,as diferentes categorias de trabalhadores criaram caixas beneficentes e associações de socorro mútuo, com finsassistenciais.Em 1903 ocorreu a primeira greve geral no Rio de Janeiro. Três anos depois, os ferroviários de São Paulo, em protestocontra a redução de salários, abandonaram o trabalho numa das principais greves ali ocorridas. Nesse mesmo ano, foirealizado o primeiro congresso operário brasileiro, sendo criada a Confederação Operária Brasileira, cujo programacontinha as principais lutas proletárias: redução da jornada de trabalho para 8h, estímulo a sindicalização,regulamentação do trabalho, liberdade de reunião.A partir de 1914 as condições de vida dos assalariados pioraram, aumentando os movimentos grevistas. Apesar daexpansão industrial, o custo de vida se eleva enquanto os salários não sobem a mesma proporção.O proletariado urbano era constituído em sua maioria de imigrantes europeus. Muitos eram adeptos do anarco-sindicalismo e estavam habituados à luta do proletariado na Europa. Ao perceber as condições de vida no Brasil,
  8. 8. organizaram, ao lado de trabalhadores brasileiros, a maioria dos sindicatos operários e uma série de movimentos dedenúncia e reinvidicação, além de fundar uma série de jornais. Os anarquistas, porém, não foram os únicos ainfluenciar o proletariado nascente.Até o início dos anos 20, o movimento grevista foi intenso. Nos anos seguintes, o movimento operário declinoureduzindo-se também a influência anarquista. Muitas foram as razões para o declínio: pequeno grau de sindicalização,elevada taxa de desemprego – o que dificultava a organização -, além do isolamento dos anarquistas, cujas ideiasrevolucionárias provocavam afastamento dos setores mais moderados.Outra razão, bastante enfática, foi a repressão ao movimento operário e aos anarquistas, especialmente a partir de1917. Em 1907 foi aprovada a Lei Adolfo Gordo, que estabelecia a expulsão de estrangeiros acusados de atentarcontra a segurança do país e impedia a participação nas diretorias sindicais dos não-naturalizados ou que estivessemno Brasil a menos de cinco anos. Situação que se agravou a partir de 1917 com o governo de Washington Luiz, últimopresidente da república dos fazendeiros, dono da frase: “A questão operaria é uma questão de polícia”.---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------7ª QuestãoA Primeira Guerra Mundial não resolveu nada. As esperanças que gerou – de um mundo pacífico e democrático deEstados-nação sob a Liga das Nações; de um retorno à economia mundial de 1913; mesmo (entre os que saudaram aRevolução Russa) de capitalismo mundial derrubado dentro de anos ou meses por um levante dos oprimidos – logoforam frustradas. O passado estava fora de alcance, o futuro fora adiado, o presente era amargo, a não ser por unspoucos anos passageiros em meados da década de 1920.Eric J. HOBSBAWMA era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1995.O período entre-guerras (1919-1939) começou com uma combinação de esperança e ressentimento. Diversos acordosforam impostos pelos Estados vencedores aos derrotados. O mais conhecido deles é o Tratado de Versalhes de 1919.Outros tratados complementares também foram assinados e igualmente tiveram grande importância para a geopolíticamundial.Indique duas transformações na geopolítica mundial decorrentes desses tratados complementares. Em seguida, citedois países que foram submetidos a eles.RespostaDuas das transformações:• desaparecimentos de impérios centrais multiétnicos e pluriculturais, como o austro-húngaro e o turco-otomano;• surgimento de novos Estados no leste europeu: Tchecoeslováquia, Polônia, Iugoslávia, além da Áustria e da Hungria,separadas uma da outra;• entrega de territórios anteriormente turcos ao Reino Unido (Palestina, Jordânia e Mesopotâmia) e à França (Líbano eSíria) pela Liga das Nações;• reforço da política de isolamento imposta à Rússia, com a criação de um cordão sanitário, formado também porpaíses surgidos da desagregação do império austro-húngaro.Dois dos países:• Áustria• Hungria• Bulgária• TurquiaComentárioEm janeiro de 1919, reuniu-se no Palácio de Versalhes a Conferência de Paris, para definir as condições de paz com aAlemanha. Participaram somente os países vencedores. Os Estados Unidos, representados por seu presidente WoodrowWilson, e a Grã-Bretanha, por Lloyd George, formaram com a França o grupo dos Três Grandes e decidiram o que seriaimposto aos perdedores da Primeira Guerra Mundial. As condições da rendição envolveram questões territoriais,militares e financeiras e as disposições deveriam ser cumpridas a partir da assinatura em junho de 1919 do Tratado deVersalhes.Dentre as resoluções estavam: a Alemanha foi responsabilizada pela guerra e como tal condenada a pagar aos Aliadospesadas indenizações; os exércitos alemães foram reduzidos e a fronteira franco-gerrmânica desmilitarizada; a Françarecebeu de volta a Alsácia-Lorena e adquiriu direitos de exploração das minas de carvão do Sarre por 15 anos; osAliados obtinham concessões de privilégios aduaneiros e a Alemanha reconhecia independência da Polônia.O Tratado deVersallhes também criou a Liga das nações.Além do tratado de Versalhes , foram assinados tratados complementares que resolveram a situação dos demais paísesvencidos. Dentre os tratados complementares estão: Tratado de Saint-Germain, assinado em 1919 com a Áustria.Determinou a independência da Hungria , Polônia, Tchecoslováquia e da Iugoslávia, além de anexar à Itália osterritórios Trieste, Trentino e Ístria; Tratado de Neully, assinado em 1919 com a Bulgária, que foi obrigada a ceder paraa Romênia para a Iugoslávia e para Grécia a maior parte dos territórios anexados durante as guerras balcânicas;
  9. 9. Tratado de Trianon, assinado em 1920 com a Hungria, que perdeu a Eslováquia que foi incorporada a Tchecoslováquia,a Croácia, a qual foi incorporada a Iugoslávia e a Transilvânia, incorporada à Romênia; Tratado de Sèvres, assinado em1920 com a Turquia. Esse tratado praticamente liquidou o Império Turco, pois tornou a Armênia independente, a Gréciaficou com a maior parte da Turquia europeia, a França passou a controlar a Síria e os ingleses a controlar aMesopotâmia e a Palestina.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------8ª QuestãoTarsila do Amaral. São Paulo (Gazo) - 1924.www.movebr.wikidot.comTarsila do Amaral foi uma das principais artistas da Semana de Arte Moderna de 1922. A tela acima é representativa daprimeira fase do movimento modernista no Brasil (1922 a 1930).Nesse momento, as propostas desses artistas e intelectuais encontravam eco em reivindicações de diferentes setoressociais do país, cuja mobilização levou ao fim da República Oligárquica, em 1930.Identifique, a partir da tela apresentada, duas características da ordem socioeconômica defendida pelos modernistas nadécada de 1920. Em seguida, explique de que forma elas contradizem a política e a economia brasileiras vigentes àépocaRespostaDuas das características:• desenvolvimento urbano;• desenvolvimento industrial;• modernidade tecnológica. O desenvolvimento dos centros urbanos e a industrialização eram vistos como símbolos de modernidade pelosintegrantes da Semana de Arte Moderna que, assim, opunham-se ao modelo agrário-exportador vigente e ao domíniodas tradicionais oligarquias agrárias que controlavam o cenário político do país, por meio de currais eleitorais e do votode cabresto. Assim, colocava-se em xeque a vocação agrária da sociedade brasileira, pressuposto de políticaseconômicas, financeiras e tributárias empreendidas por governos republicanos.Comentário O término da Primeira Guerra Mundial marcou o fim de uma época não só na política e na economia internacionais,mas, também, nas artes do Ocidente. As velhas estruturas, as classificações que por tanto século haviam norteado ojulgamento do “gosto” artístico perdiam a razão de ser, diante das divisões do mundo moderno. É nesse contexto quesurgem as chamadas Vanguardas na literatura, na música, nas artes plásticas, como o futurismo, cubismo e dadaísmo. A intelectualidade brasileira buscava corresponder às exigências dos novos tempos e renegar os modelos arcaicos. Aomesmo tempo, era preciso liberar a criação artística local dos padrões europeus, movimento que culminou na Semanade Arte Moderna, realizada em São Paulo, em fevereiro de 1922.Desde então, os intelectuais brasileiros passaram a dirigir sua produção para uma problemática bem mais próxima dopovo. Isso se refletia não só na linguagem utilizada, cuja preocupação dos poetas e pensadores de se expressaremcomo brasileiros era constante, como também na temática. Os modernistas retomam os temas do indianismo, agora
  10. 10. sem as idealizações românticas, além de apontarem para a necessidade de desenvolvimento urbano, industrial etecnológico no Brasil.-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------9ª QuestãoTanto marSei que estás em festa, páFico contenteE enquanto estou ausenteGuarda um cravo para mimEu queria estar na festa, páCom a tua genteE colher pessoalmenteUma flor no teu jardimSei que há léguas a nos separarTanto mar, tanto marSei também quanto é preciso, páNavegar, navegarLá faz primavera, páCá estou doenteManda urgentementeAlgum cheirinho de alecrimChico Buarque de HOLANDAA canção de Chico Buarque de Hollanda refere-se à Revolução dos Cravos, ocorrida em Portugal em 1974. Aponte duasrazões que levaram o exército português a liderar o processo revolucionário e explicite a principal consequência daRevolução dos Cravos para a política portuguesa na África.RespostaDuas das razões:• queda vertiginosa da economia portuguesa;• desgaste das tropas portuguesas em prolongadas guerras coloniais;• forte migração de jovens para a Europa e o Brasil para não participarem do conflito;• crescimento de reivindicações corporativas das Forças Armadas, que aos poucos foram ganhando conotação política.Consequência: fim do antigo sistema colonial português com o reconhecimento pelo governo de Portugal dasindependências das suas colônias africanas: Angola, Moçambique, Guiné, Cabo-Verde e São Tomé e Príncipe.ComentárioDiversos movimentos de libertação tiveram início na década de 60 em três colônias portuguesas: Angola, Moçambiquee Guiné. Em uma tentativa de barrar esses movimentos separatistas, Portugal envia contingentes militares as colônias,iniciando uma longa disputa. As baixas patentes das Forças Armadas de Portugal iniciam um processo de reivindicaçõescontrárias as guerras nas colônias que culmina em 1974 na Revolução dos Cravos e que cuja consequência é o fim dosalazarismo, o regime totalitário português que vigorava no país desde a década de 20.Inaugurou-se uma nova política em relação às colônias e seus respectivos movimentos de emancipação. Portugal secolocou favorável aos movimentos de libertação, buscando acordos que viabilizassem a emancipação. Assim aindependência definitiva foi concedida a Guiné-Bissau em 1974 e no ano seguinte foi a vez de Moçambique.Posteriormente, obtiveram a independência Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e, na Ásia, Timor, que acabou sendoocupado pela Indonésia. Os portugueses também se retiraram de Angola, onde prosseguiu uma disputa entrediferentes grupos locais de distintas orientações políticas.------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------10ª Questão
  11. 11. Muro de Berlim antes de novembro de 1989www.wikipedia.comMuro de Berlim em novembro de 1989www.são-paulo.diplo.deA derrubada do Muro de Berlim completará vinte anos em 2009. Construído em agosto de 1961, sua destruição élembrada como marco do fim de uma época. Indique o significado político da queda do Muro de Berlim para aAlemanha e o significado simbólico desse acontecimento para o contexto político internacionaRespostaSignificado político: para a Alemanha, a destruição do Muro de Berlim definiu o início do processo de sua reunificaçãopolítica.Significado simbólico: no contexto político internacional, a queda do Muro de Berlim simbolizou o fim da Guerra Fria, dodomínio soviético sobre a Europa do leste e, sobretudo, um marco do descrédito da via socialista como contraponto àvia capitalista.ComentárioOs vencedores da Segunda Guerra Mundial, pelo Acordo de Potsdam, dividiram a Alemanha em quatro zonas deinfluência, estabelecendo que a capital do Terceiro Reich, Berlim, também seria objeto de partilha entre França,Inglaterra, Estados Unidos e União Soviética. Berlim estava dentro da zona de ocupação soviética. No entanto, osoutros três quartos da cidade, sob ocupação ocidental, ficaram na posição de possuírem orientação capitalista, o quetornava inviável uma administração conjunta. Os Estados Unidos, França e Inglaterra decidiram pela fusão de todo osetor ocidental, estabelecendo um governo autônomo, capitalista. A parte oriental tornou-se capital da RepublicaDemocrática Alemã e a ocidental ficou sob administração da República Federal da Alemanha.No dia 13 de agosto de 1961, o governo do setor oriental (comunista) construiu uma barreira murada entre ambos oslados de Berlim, tentando extirpar o lado Ocidental. Apesar dos protestos, o muro de Berlim permaneceu até 1989como o principal símbolo da Guerra Fria. Em novembro de 1989 o governo oriental desativou o muro de Berlim e emoutubro de 1990, com a destituição de Erich Honecker – dirigente que se mantinha resistente a perestroika - aAlemanha foi reunificada.---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------11ª Questão
  12. 12. Brasil: participação do setor privado, estatais e governo na taxa de investimento na economiaGraficoEUSTÁQUIO DE SENE e JOÃO C. MOREIRAGeografia geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização. São Paulo: Scipione, 2007.A importância do Estado na economia de um país varia ao longo do tempo de acordo, dentre outros aspectos, com opapel que desempenha na produção de riqueza. No gráfico acima, é possível identificar o período de maior relevânciado Estado como agente direto do crescimento econômico no Brasil.Esse período e a correspondente doutrina econômica que fundamentava os seus investimentos são identificados como:(A) Estado Novo – monetarismo(B) governo JK – protecionismo(C) Nova República – liberalismo(D) regime militar – keynesianismoRespostaGABARITO: DCOMENTÁRIO:O Keynesianismo é uma doutrina econômica baseada nas formulações do economista inglês John Maynard Keynes. Emsua principal obra,“A teoria geral do emprego, do juro e da moeda”, Keynes apresenta modelos que serviriam comosolução para os EUA após a crise de 29. As ideias de Keynes foram aplicadas à economia norte-americana no governode Roosevelt inspirando o “New Deal”, que tinha como base a regulamentação da economia através do Estado visandomanter a demanda aquecida.Para escapar de uma crise provocada pelo liberalismo, os EUA lançam mão, portanto, de uma política econômicaintervencionista. As propostas de Keynes, apesar de formuladas em um contexto que corresponde aos EUA na décadade 30, são adotadas também na América Latina.No Brasil, durante o regime militar (1964-1985) a economia foi marcada por uma forte intervenção do estado, cujaspolíticas econômicas adotavam algumas propostas do modelo do new deal, como por exemplo, grandes obrasfinanciadas pelo estado para absorver a mão de obra excedente, diminuindo o desemprego.----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------12ª QuestãoO impacto da vinda da Família Real portuguesa para o Brasil implicou alterações significativas para a cidade do Rio deJaneiro que se prolongaram durante todo o período conhecido como “joanino”.Essas alterações produziram uma nova dinâmica socioeconômica e redefiniram, em vários aspectos, a inserção dacidade no contexto internacional.Uma função urbana associada a essa nova inserção está indicada em:(A) crescente pólo turístico em função da chegada da Missão Artística Francesa(B) expressivo núcleo comercial articulado à nascente rede ferroviária brasileira(C) principal porto brasileiro relacionado à importação legal de manufaturas britânicas
  13. 13. (D) importante centro religioso decorrente da instalação do Tribunal da Santa InquisiçãoRespostaGABARITO: CCOMENTÁRIO:Dentre algumas políticas executadas por D. João, no período “joanino” (1808-1821), estão os tratados de 1810.Descontentes pelo fato de Portugal pagar apenas 16% de taxas alfandegárias no Brasil e a Inglaterra pagar tantoquanto os demais países, 24%, o ministro inglês Canning, enviou ao Brasil o lorde Strangford, que através de ameaças,conseguiu do governo joanino a assinatura dos tratados de Comercio e Navegação e o tratado de Aliança e Amizade.Com estes tratados, Portugal perdeu o monopólio do comercio brasileiro e a economia brasileira aumentou suastransações diretas com a Inglaterra.

×