SlideShare uma empresa Scribd logo

Qui608 relatorio

Este documento descreve o processo de produção de iogurte de forma industrial e tradicional. Inicialmente aborda a importância económica e social do iogurte, seguido da descrição detalhada do processo de produção industrial, que inclui etapas como a seleção de matérias-primas, mistura, homogeneização, pasteurização, fermentação, arrefecimento e embalamento. Também descreve o processo tradicional de produção do kefir e apresenta as principais tendências de consumo e empresas produtoras.

1 de 29
Baixar para ler offline
Projecto FEUP
PRODUÇÃO DE IOGURTE
Equipa QUI608:
Ana Inês Dias da Silva
Flávio José da Costa Pereira
Marcelo Cardoso da Rocha Vilhena Beirão
Mariana Rodrigues Ferreira de Sousa Gomes
Patrícia da Costa Moura
Patrícia de Almeida Porfírio
Outubro de 2010 Pedro Davide Leite Fernandes
Produção de iogurte - Projecto FEUP
Página 2
Projecto FEUP
PRODUÇÃO DE IOGURTE
Supervisora: Joana Peres
Monitora: Sónia Pinto
Equipa QUI608:
Ana Inês Dias da Silva
Flávio José da Costa Pereira
Marcelo Cardoso da Rocha Vilhena Beirão
Mariana Rodrigues Ferreira de Sousa Gomes
Patrícia da Costa Moura
Patrícia de Almeida Porfírio
Outubro de 2010 Pedro Davide Leite Fernandes
Produção de iogurte - Projecto FEUP
Página 3
Sumário
No âmbito da unidade curricular “Projecto FEUP” temos como objectivo
explorar o tema “Produção de Iogurtes”, em que os principais objectivos são:
 Contextualizar o problema;
 Analisar a importância económica e social;
 Referir todos os processos de produção;
 Descrever detalhadamente um processo;
 Apresentar uma contextualização geral, quer a níveis de produção nacional e
mundial, como de empresas nacionais e as tendências actuais.
No final deste trabalho podemos concluir que:
 O iogurte é um produto simples e de fácil consumo;
 Deve ser mantido a uma temperatura fria para não alterar as suas
características;
 O iogurte tem um período de validade de aproximadamente 35 dias [15]
.
Produção de iogurte - Projecto FEUP
Página 4
Agradecimentos
A unidade curricular “Projecto FEUP” exige muito de nós, quer a nível individual
e em grupo, quer no que toca a conhecimentos sobre os temas e estruturação de
trabalhos. Como tal, foi necessário recebermos alguma ajuda do pessoal docente da
faculdade, a quem devemos um agradecimento. Assim, queremos agradecer à
monitora, Sónia Pinto, por ter disponibilizado o seu tempo para as nossas reuniões
semanais e para qualquer duvida que nos surgiu, estando sempre contactável por
correio electrónico ou no seu gabinete. Agradecemos também à supervisora, Joana
Peres, pela idealização dos temas em causa e pelo interesse no decorrer dos trabalhos.
Falta ainda agradecer à coordenadora do Projecto FEUP do curso de MIEQ, Lúcia
Santos pelo tempo que dedicou à coordenação de todos as equipas e respectivos
projectos.
Produção de iogurte - Projecto FEUP
Página 5
Lista de tabelas
Tabela 1 – Informação nutricional do iogurte…………………………………………………..pág.14
Tabela 2 – Influencia da homogeneização e da temperatura na viscosidade.....pág.29
Produção de iogurte - Projecto FEUP
Página 6
Lista de figuras
Figura 1 – Lactobacillus bulgaricus…………………………………………………………..…......pág.10
Figura 2 - Streptococcus thermophilus………………………………………………....……....…pág.10
Figura 3 – Representação económica (euros) …………………………………………..………pág.12
Figura 4 – Iogurtes Activia…………………………………………………………........……………..pág.12
Figura 5 - Processo de preparação do leite para produção de iogurte...............pág.13
Figura 6 – Processo de produção do iogurte.....................................................pág13
Figura 7 - Efeito da homogeneização na gordura do leite..................................pág.15
Figura 8 - Misturador de fruta num tubo........................................................ pág.16
Figura 9 – Evolução da viscosidade durante o processo....................................pág.16
Figura 10 – Fases de produção do iogurte........................................................pág.17
Figura 11 - Percentagem de a. láctico em função do tempo na fermentação......pág.18
Figura 12 - Curva de desenvolvimento simbiótico da cultura láctica durante a
fermentação do iogurte....................................................................................pág.19
Figura 13 – Grãos de Kefir................................................................................pág.20
Figura 14 – Kefir de limão................................................................................pág.20
Figura 15 – Iogurte líquido Adagio.....................................................................pág.22
Figura 16 – Iogurte Mimosa..............................................................................pág.22
Figura 17 – Comparação entre sexos.................................................................pág.23
Figura 18 – Comparação entre idades................................................................pág.23
Figura 19 – Comparação entre regiões..............................................................pág.23
Figura 20 – Comparação entre classes sociais....................................................pág.23

Recomendados

Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios Jaqueline Almeida
 
Processos de transformação de alimentos
Processos de transformação de alimentosProcessos de transformação de alimentos
Processos de transformação de alimentosUFPE
 
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivos
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivosConservação dos alimentos pelo uso de aditivos
Conservação dos alimentos pelo uso de aditivosAlvaro Galdos
 
Processamento de sucos de frutas
Processamento de sucos de frutasProcessamento de sucos de frutas
Processamento de sucos de frutasPatricia Poletto
 
Fluxograma Panificação
Fluxograma   PanificaçãoFluxograma   Panificação
Fluxograma PanificaçãoCássio Campos
 
Cm tecnologia de produção de frutas cristalizadas
Cm   tecnologia de produção de frutas cristalizadasCm   tecnologia de produção de frutas cristalizadas
Cm tecnologia de produção de frutas cristalizadasCamila Moresco
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatorio de cloreto numa amostra
Relatorio de cloreto numa amostraRelatorio de cloreto numa amostra
Relatorio de cloreto numa amostraSilenezé Souza
 
Tecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetaisTecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetaisAlvaro Galdos
 
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIADETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIATaline Góes
 
Tecnologia de óleos e gorduras
Tecnologia de óleos e gordurasTecnologia de óleos e gorduras
Tecnologia de óleos e gordurasAlvaro Galdos
 
Tecnologia de frutas: pectina
Tecnologia de frutas: pectinaTecnologia de frutas: pectina
Tecnologia de frutas: pectinaAlvaro Galdos
 
Relatorio 5 amido .
Relatorio 5 amido .Relatorio 5 amido .
Relatorio 5 amido .Aline Lorena
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTAAdrianne Mendonça
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasUERGS
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAlvaro Galdos
 
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRailenne De Oliveira Celestino
 
Microrganismos e Fermentação
Microrganismos e FermentaçãoMicrorganismos e Fermentação
Microrganismos e FermentaçãoIsabel Lopes
 
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetricaaifa230600
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRailane Freitas
 

Mais procurados (20)

Relatorio de cloreto numa amostra
Relatorio de cloreto numa amostraRelatorio de cloreto numa amostra
Relatorio de cloreto numa amostra
 
Tecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetaisTecnologia de vegetais
Tecnologia de vegetais
 
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIADETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO POR ESPECTOFOTOMETRIA
 
Aula 4 fermentação
Aula 4 fermentaçãoAula 4 fermentação
Aula 4 fermentação
 
Tecnologia de óleos e gorduras
Tecnologia de óleos e gordurasTecnologia de óleos e gorduras
Tecnologia de óleos e gorduras
 
Tecnologia de frutas: pectina
Tecnologia de frutas: pectinaTecnologia de frutas: pectina
Tecnologia de frutas: pectina
 
AMIDO NA PANIFICAÇÃO
AMIDO NA PANIFICAÇÃOAMIDO NA PANIFICAÇÃO
AMIDO NA PANIFICAÇÃO
 
Relatorio 5 amido .
Relatorio 5 amido .Relatorio 5 amido .
Relatorio 5 amido .
 
Determinação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTADeterminação da dureza total de água com EDTA
Determinação da dureza total de água com EDTA
 
Cerveja
CervejaCerveja
Cerveja
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
 
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentosAula 1 introdução à tecnologia de alimentos
Aula 1 introdução à tecnologia de alimentos
 
Aula de iogurte
Aula de iogurteAula de iogurte
Aula de iogurte
 
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
 
Microrganismos e Fermentação
Microrganismos e FermentaçãoMicrorganismos e Fermentação
Microrganismos e Fermentação
 
Tecnologia de óleos e gorduras
Tecnologia de óleos e gordurasTecnologia de óleos e gorduras
Tecnologia de óleos e gorduras
 
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
47029772 relatorio-de-quimica-analitica-analise-gravimetrica
 
Relatório de Refratometria
Relatório de RefratometriaRelatório de Refratometria
Relatório de Refratometria
 
RELATÓRIO leite
RELATÓRIO leiteRELATÓRIO leite
RELATÓRIO leite
 
Analises físico químicas do leite
Analises físico químicas do leiteAnalises físico químicas do leite
Analises físico químicas do leite
 

Destaque

A.L Produção de Iogurte
A.L Produção de IogurteA.L Produção de Iogurte
A.L Produção de IogurteBiomap
 
Relatório da experiência de produção de iogurte
Relatório da experiência de produção de iogurteRelatório da experiência de produção de iogurte
Relatório da experiência de produção de iogurtefrancisogam
 
Leites fermentados
Leites fermentadosLeites fermentados
Leites fermentadosJuliana Sena
 
Apresentaçao iogurte e kefir verdadeiro
Apresentaçao iogurte e kefir verdadeiroApresentaçao iogurte e kefir verdadeiro
Apresentaçao iogurte e kefir verdadeirosand150mello
 
Fluxograma molho de tomate
Fluxograma   molho de tomateFluxograma   molho de tomate
Fluxograma molho de tomateRachel Fiorillo
 
Desnate e elabora€ ¦ção de manteiga
Desnate e elabora€ ¦ção de manteigaDesnate e elabora€ ¦ção de manteiga
Desnate e elabora€ ¦ção de manteigaFabio Freitas
 
Trabalho sobre Iogurtes
Trabalho sobre Iogurtes Trabalho sobre Iogurtes
Trabalho sobre Iogurtes Ctsaraiva
 

Destaque (8)

A.L Produção de Iogurte
A.L Produção de IogurteA.L Produção de Iogurte
A.L Produção de Iogurte
 
Relatório da experiência de produção de iogurte
Relatório da experiência de produção de iogurteRelatório da experiência de produção de iogurte
Relatório da experiência de produção de iogurte
 
Leites fermentados
Leites fermentadosLeites fermentados
Leites fermentados
 
Apresentaçao iogurte e kefir verdadeiro
Apresentaçao iogurte e kefir verdadeiroApresentaçao iogurte e kefir verdadeiro
Apresentaçao iogurte e kefir verdadeiro
 
Fluxograma molho de tomate
Fluxograma   molho de tomateFluxograma   molho de tomate
Fluxograma molho de tomate
 
Desnate e elabora€ ¦ção de manteiga
Desnate e elabora€ ¦ção de manteigaDesnate e elabora€ ¦ção de manteiga
Desnate e elabora€ ¦ção de manteiga
 
B iogurte
B iogurteB iogurte
B iogurte
 
Trabalho sobre Iogurtes
Trabalho sobre Iogurtes Trabalho sobre Iogurtes
Trabalho sobre Iogurtes
 

Semelhante a Qui608 relatorio

4. Jornadas de Cidadania_saúde_Auchan.pptx
4. Jornadas de Cidadania_saúde_Auchan.pptx4. Jornadas de Cidadania_saúde_Auchan.pptx
4. Jornadas de Cidadania_saúde_Auchan.pptxPaulo Cacela
 
Panificação e confeitaria
Panificação e confeitaria   Panificação e confeitaria
Panificação e confeitaria Fábia Franco
 
_JovensRurais_Fruticultura_OK_NEU.pdf
_JovensRurais_Fruticultura_OK_NEU.pdf_JovensRurais_Fruticultura_OK_NEU.pdf
_JovensRurais_Fruticultura_OK_NEU.pdfssuser2eb5e21
 
Confeiteiro2 v331713
Confeiteiro2 v331713Confeiteiro2 v331713
Confeiteiro2 v331713Paula Mello
 
Confeiteiro - Apostila 2
Confeiteiro - Apostila 2 Confeiteiro - Apostila 2
Confeiteiro - Apostila 2 eadrede
 
42.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação201342.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação2013Leonor Vaz Pereira
 
Marketing Plan - Leite MOÇA
Marketing Plan - Leite MOÇAMarketing Plan - Leite MOÇA
Marketing Plan - Leite MOÇAAllyson Chiarini
 
SORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE SEGMENTO DE MERCADO
SORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE  SEGMENTO DE MERCADOSORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE  SEGMENTO DE MERCADO
SORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE SEGMENTO DE MERCADOHenrique Dacheux
 
ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DA AGRICULTURA DE SUBSISTÊNCIA: SÃO JOÃO, CABECEIRAS D...
ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DA AGRICULTURA DE SUBSISTÊNCIA: SÃO JOÃO, CABECEIRAS D...ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DA AGRICULTURA DE SUBSISTÊNCIA: SÃO JOÃO, CABECEIRAS D...
ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DA AGRICULTURA DE SUBSISTÊNCIA: SÃO JOÃO, CABECEIRAS D...Ari Durrego
 
Desenvolvimento novo produto
Desenvolvimento novo produto   Desenvolvimento novo produto
Desenvolvimento novo produto Flávia Natalia
 
Manual hidroponia brasil
Manual hidroponia brasilManual hidroponia brasil
Manual hidroponia brasilglmmbxxxx
 
A Importância do Marketing para o Ramo Laticínios
A Importância do Marketing para o Ramo LaticíniosA Importância do Marketing para o Ramo Laticínios
A Importância do Marketing para o Ramo LaticíniosIvan Passos
 
Miguel frozen yogurt viabilidade prob an2003
Miguel frozen yogurt viabilidade prob an2003Miguel frozen yogurt viabilidade prob an2003
Miguel frozen yogurt viabilidade prob an2003Rosane Liége
 
Embrapa queijo prato
Embrapa queijo pratoEmbrapa queijo prato
Embrapa queijo pratopauloweimann
 

Semelhante a Qui608 relatorio (20)

4. Jornadas de Cidadania_saúde_Auchan.pptx
4. Jornadas de Cidadania_saúde_Auchan.pptx4. Jornadas de Cidadania_saúde_Auchan.pptx
4. Jornadas de Cidadania_saúde_Auchan.pptx
 
Panificação e confeitaria
Panificação e confeitaria   Panificação e confeitaria
Panificação e confeitaria
 
_JovensRurais_Fruticultura_OK_NEU.pdf
_JovensRurais_Fruticultura_OK_NEU.pdf_JovensRurais_Fruticultura_OK_NEU.pdf
_JovensRurais_Fruticultura_OK_NEU.pdf
 
Confeiteiro2 v331713
Confeiteiro2 v331713Confeiteiro2 v331713
Confeiteiro2 v331713
 
Confeiteiro - Apostila 2
Confeiteiro - Apostila 2 Confeiteiro - Apostila 2
Confeiteiro - Apostila 2
 
42.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação201342.prod.alim.fermentação2013
42.prod.alim.fermentação2013
 
Marketing Plan - Leite MOÇA
Marketing Plan - Leite MOÇAMarketing Plan - Leite MOÇA
Marketing Plan - Leite MOÇA
 
Release Expositores
Release ExpositoresRelease Expositores
Release Expositores
 
Plano de Negocios 2sem2009FIT WOPSOY
Plano de Negocios 2sem2009FIT WOPSOYPlano de Negocios 2sem2009FIT WOPSOY
Plano de Negocios 2sem2009FIT WOPSOY
 
SORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE SEGMENTO DE MERCADO
SORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE  SEGMENTO DE MERCADOSORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE  SEGMENTO DE MERCADO
SORVETERIA CARIOCA: A LOGÍSTICA EMPREGADA NESTE SEGMENTO DE MERCADO
 
Plano alcool
Plano alcoolPlano alcool
Plano alcool
 
ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DA AGRICULTURA DE SUBSISTÊNCIA: SÃO JOÃO, CABECEIRAS D...
ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DA AGRICULTURA DE SUBSISTÊNCIA: SÃO JOÃO, CABECEIRAS D...ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DA AGRICULTURA DE SUBSISTÊNCIA: SÃO JOÃO, CABECEIRAS D...
ANÁLISE SOCIOECONÔMICA DA AGRICULTURA DE SUBSISTÊNCIA: SÃO JOÃO, CABECEIRAS D...
 
Desenvolvimento novo produto
Desenvolvimento novo produto   Desenvolvimento novo produto
Desenvolvimento novo produto
 
Manual hidroponia brasil
Manual hidroponia brasilManual hidroponia brasil
Manual hidroponia brasil
 
Plano de Marketing
Plano de MarketingPlano de Marketing
Plano de Marketing
 
A Importância do Marketing para o Ramo Laticínios
A Importância do Marketing para o Ramo LaticíniosA Importância do Marketing para o Ramo Laticínios
A Importância do Marketing para o Ramo Laticínios
 
Miguel frozen yogurt viabilidade prob an2003
Miguel frozen yogurt viabilidade prob an2003Miguel frozen yogurt viabilidade prob an2003
Miguel frozen yogurt viabilidade prob an2003
 
Embrapa queijo prato
Embrapa queijo pratoEmbrapa queijo prato
Embrapa queijo prato
 
Queijo prato
Queijo pratoQueijo prato
Queijo prato
 
Queijo prato
Queijo pratoQueijo prato
Queijo prato
 

Último

ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx2m Assessoria
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx2m Assessoria
 
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxMAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxjosecarlos413721
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx2m Assessoria
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxjosecarlos413721
 
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docxATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxjosecarlos413721
 
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docxATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docxjosecarlos413721
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docxATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxjosecarlos413721
 
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.Daniel Mendes
 
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docxATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx2m Assessoria
 
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como CódigoCurso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como CódigoGuilhermeJorgeAragod
 

Último (20)

ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
 
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxMAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docxATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docxATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docxATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
 
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
 
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docxATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx
 
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como CódigoCurso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
 

Qui608 relatorio

  • 1. Projecto FEUP PRODUÇÃO DE IOGURTE Equipa QUI608: Ana Inês Dias da Silva Flávio José da Costa Pereira Marcelo Cardoso da Rocha Vilhena Beirão Mariana Rodrigues Ferreira de Sousa Gomes Patrícia da Costa Moura Patrícia de Almeida Porfírio Outubro de 2010 Pedro Davide Leite Fernandes
  • 2. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 2 Projecto FEUP PRODUÇÃO DE IOGURTE Supervisora: Joana Peres Monitora: Sónia Pinto Equipa QUI608: Ana Inês Dias da Silva Flávio José da Costa Pereira Marcelo Cardoso da Rocha Vilhena Beirão Mariana Rodrigues Ferreira de Sousa Gomes Patrícia da Costa Moura Patrícia de Almeida Porfírio Outubro de 2010 Pedro Davide Leite Fernandes
  • 3. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 3 Sumário No âmbito da unidade curricular “Projecto FEUP” temos como objectivo explorar o tema “Produção de Iogurtes”, em que os principais objectivos são:  Contextualizar o problema;  Analisar a importância económica e social;  Referir todos os processos de produção;  Descrever detalhadamente um processo;  Apresentar uma contextualização geral, quer a níveis de produção nacional e mundial, como de empresas nacionais e as tendências actuais. No final deste trabalho podemos concluir que:  O iogurte é um produto simples e de fácil consumo;  Deve ser mantido a uma temperatura fria para não alterar as suas características;  O iogurte tem um período de validade de aproximadamente 35 dias [15] .
  • 4. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 4 Agradecimentos A unidade curricular “Projecto FEUP” exige muito de nós, quer a nível individual e em grupo, quer no que toca a conhecimentos sobre os temas e estruturação de trabalhos. Como tal, foi necessário recebermos alguma ajuda do pessoal docente da faculdade, a quem devemos um agradecimento. Assim, queremos agradecer à monitora, Sónia Pinto, por ter disponibilizado o seu tempo para as nossas reuniões semanais e para qualquer duvida que nos surgiu, estando sempre contactável por correio electrónico ou no seu gabinete. Agradecemos também à supervisora, Joana Peres, pela idealização dos temas em causa e pelo interesse no decorrer dos trabalhos. Falta ainda agradecer à coordenadora do Projecto FEUP do curso de MIEQ, Lúcia Santos pelo tempo que dedicou à coordenação de todos as equipas e respectivos projectos.
  • 5. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 5 Lista de tabelas Tabela 1 – Informação nutricional do iogurte…………………………………………………..pág.14 Tabela 2 – Influencia da homogeneização e da temperatura na viscosidade.....pág.29
  • 6. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 6 Lista de figuras Figura 1 – Lactobacillus bulgaricus…………………………………………………………..…......pág.10 Figura 2 - Streptococcus thermophilus………………………………………………....……....…pág.10 Figura 3 – Representação económica (euros) …………………………………………..………pág.12 Figura 4 – Iogurtes Activia…………………………………………………………........……………..pág.12 Figura 5 - Processo de preparação do leite para produção de iogurte...............pág.13 Figura 6 – Processo de produção do iogurte.....................................................pág13 Figura 7 - Efeito da homogeneização na gordura do leite..................................pág.15 Figura 8 - Misturador de fruta num tubo........................................................ pág.16 Figura 9 – Evolução da viscosidade durante o processo....................................pág.16 Figura 10 – Fases de produção do iogurte........................................................pág.17 Figura 11 - Percentagem de a. láctico em função do tempo na fermentação......pág.18 Figura 12 - Curva de desenvolvimento simbiótico da cultura láctica durante a fermentação do iogurte....................................................................................pág.19 Figura 13 – Grãos de Kefir................................................................................pág.20 Figura 14 – Kefir de limão................................................................................pág.20 Figura 15 – Iogurte líquido Adagio.....................................................................pág.22 Figura 16 – Iogurte Mimosa..............................................................................pág.22 Figura 17 – Comparação entre sexos.................................................................pág.23 Figura 18 – Comparação entre idades................................................................pág.23 Figura 19 – Comparação entre regiões..............................................................pág.23 Figura 20 – Comparação entre classes sociais....................................................pág.23
  • 7. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 7 Figura 21 – Fabricação do iogurte batido..........................................................pág.27 Figura 22 – Fabricação do iogurte natural.........................................................pág.27 Figura 23 – Outro processo de produção do iogurte..........................................pág.28 Figura 24 – Processo de produção de Iogurte líquido........................................pág.29 Figura 25 – Viscosímetro...................................................................................pág.29
  • 8. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 8 Índice 1.Introdução _______________________________________________________ pág.9 2.Importância económica e social _____________________________________ pág.11 3.Processo de produção do Iogurte ____________________________________ pág.13 3.1. Produção Industrial____________________________________________ pág.13 3.1.1.Descrição detalhada da fermentação láctica_____________________pág.18 3.2. Produção tradicional –“Kefir” _______________________________________ pág.20 4. Tendências actuais/ Principais empresas______________________________ pág.21 4.1. Principais tendências do consumo de Iogurtes Magro __________________ pág.23 5. Conclusão ______________________________________________________ pág.24 6. Bibliografia _____________________________________________________ pág.25 7. Anexos ________________________________________________________ pág.27
  • 9. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 9 1.Introdução O iogurte é produzido através de leite fermentado por bactérias, usualmente Lactobacillus bulgaricus e Streptococcus thermophilus, e possui uma consistência que o diferencia de outros produtos derivados de lacticínios. Contém todos os constituintes nutricionais do leite, com excepção da lactose, reduzida durante a fermentação, revelando-se vantajoso para quem não digere bem o leite [1] . A origem do iogurte não é um facto consolidado, mas existem alguns episódios espalhados pelo mundo que indiciam a idade deste alimento. Um destes episódios está relacionado com a descrição deste alimento como sendo de “maior digestibilidade comparativamente ao leite e o seu efeito benéfico e purificador no excesso de bílis e nos problemas de estômago” [2] . Este lacticínio era considerado um medicamento, vendido apenas em farmácias, no entanto, o seu consumo generalizou-se na Europa, incluindo Portugal, e entrou nos consumos alimentares, a partir da década de 50. Neste momento, os iogurtes são consumidos como pequeno-almoço, almoço, lanche ou até mesmo jantar ou ceia [3] . Em Portugal, onde é rara a produção caseira de iogurte, a indústria presenteia- o sobretudo a crianças, adolescentes e pessoas interessadas em perder peso. Para isso, desenvolveu vários tipos de texturas (por exemplo: liquido, cremoso, sólido), vários sabores (por exemplo: aromatizados, pedaços, cereais, etc.) e varias percentagens de açúcares (por exemplo: magro, meio-gordo, gordo) [3] . Foi também através da indústria que, desde a década de 80 do séc. XX, na Europa, foi desenvolvido outros dois tipos de leite fermentado que não são iogurte, mas possuem características vantajosas. Um tipo é o iogurte de bífidos. Os bífidos, um dos tipos de bactérias que populam no intestino de bebés alimentados ao seio, são excelentes protectores contra infecções intestinais. O segundo tipo de iogurte possui substâncias com grande actividade contra germes patogénicos [4] .
  • 10. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 10 No nosso País, o iogurte é o leite fermentado mais consumido. Em outras regiões do mundo são usados outros leites fermentados: o kefir, preparado com leite de vaca, cabra e outras espécies, por fermentação láctica, alcoólica e carbónica; o komis, preparado com leite de égua, por fermentação semelhante; e o babeurre, obtido do leite semidesnatado por fermentação láctica e, considerado principalmente produto dietético para crianças [3] . Figura 1 – Lactobacillus bulgaricus Figura 2 - Streptococcus thermophilus
  • 11. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 11 2.Importância económica e social Os iogurtes têm uma relevância proeminente nos hábitos alimentares, não só por serem considerados um substituto do leite, por representar uma importante fonte de cálcio, mas também por possuir variadas características nutritivas indispensáveis para o bem-estar. Verifica-se então, que se trata de um produto essencial no dia-a-dia de cada um. Este facto condiciona as necessidades do mercado, o que leva à investigação/criação de novos sabores, novos frutos, entre outros, de acordo com os diferentes públicos-alvo. Esta introdução de variedades é a principal causa do grande aumento de produção de iogurte nestes últimos anos. Deste modo, pode-se afirmar que esta actividade tem um impacto significativo tanto social como economicamente [7] . Um dos pontos fulcrais relativamente à importância social está relacionado com a concepção de novos produtos que têm em conta as necessidades das pessoas. Por exemplo, há iogurtes magros, gordos, com pedaços, com aroma, cremosos, e muitos outros o possibilita uma maior diversidade de escolha. Algumas marcas de iogurte introduziram até produtos biológicos que recorrem, como o nome sugere, à agricultura biológica, que têm em mente não só a saúde do consumidor, mas também as gerações futuras pois trata-se de um método de produção sustentável que utiliza recursos renováveis, minimizando a poluição e consequentemente os danos provenientes [8] . O processo de produção de iogurte envolve muita tecnologia, ligada não só às unidades processuais, como também à biotecnologia e genética, e ainda à bioquímica e química em geral. Todas estas áreas estão em constante desenvolvimento devido às descobertas, derivadas ou não de investigações, pelo que se considera um marco a nível económico. Além disso, como qualquer outro processo, sem matérias-primas não há produto, e sem produto não há consumo, e sem consumo não há lucro. É, por isso,
  • 12. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 12 importante manter e suportar a economia, gerando um ciclo monetário, entre fornecedores, produtores e consumidores [9] . Como exemplo de uma empresa de iogurtes de importância económica e social temos a Danone. A Danone é uma empresa implementada em Portugal há 16 anos com sede em Castelo Branco. Com um volume de negócio de 163 milhões de euros e uma quota de mercado de 40,5%, a Danone é um dos maiores investidores em publicidade televisiva em Portugal. As suas fábricas empregam cerca de 322 colaboradores e fabricam 50 mil toneladas por ano, com cerca de 107 referências de produto. Trabalha com 33 produtores de leite português, comprando cerca de 50 milhões de litros por ano [9] . Figura 3 – Representação económica (euros) Figura 4 – Iogurtes Activia
  • 13. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 13 3.Processos de produção do Iogurte 3.1.Produção Industrial A primeira e talvez mais importante etapa da produção de um iogurte é a selecção das matérias-primas. Os produtores devem certificar-se que estas são de alta qualidade e que não contêm nenhum tipo de impurezas impróprias para a produção de iogurtes. Ou seja, as matérias-primas, nomeadamente o leite, devem ter as suas características controladas. O leite deve ter uma baixa contagem de bactérias, não deve conter enzimas e substâncias que atrasem o desenvolvimento da cultura de iogurte (ex.: inibidores de enzimas), assim como microrganismos patogénicos e antibióticos. Depois de garantirem que têm as matérias-primas adequadas sucede-se o processo propriamente dito, que está subdividido em várias fases:  Mistura e Homogeneização  Pasteurização  Fermentação  Arrefecimento  Adição de base de frutas  Embalamento  Conservação Figura 5 - Processo de preparação do leite para produção de iogurte 1- Incubadora; 2- Tanque de separação; 3- Enchimento Figura 6 – Processo de produção de iogurte 1- Misturadora 2- Permutador de calor (de placas) 3- Evaporador 4- Homogeneizador 5- Tubo de ligação 6- Cultura (bactérias) 7- Incubadoras 8- Refrigerador de placas 9- Tanques de repouso 10- Fruta/sabor 11- Misturador de fruta 12- Embalamento
  • 14. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 14 Mistura e Homogeneização A primeira fase deste processo consiste na adição dos ingredientes, como açúcares e leite em pó, ao leite previamente analisado quanto ao pH, teor de gordura, etc., num tanque hermético, isto é, num tanque que não permite trocas de substâncias ou qualquer microrganismo. A mistura nem sempre é realizada com os mesmos ingredientes ou mesmas proporções, pois varia consoante o tipo de iogurte que se quer obter (magro, meio-gordo, light). A composição mais habitual de um iogurte é:  Gordura 0.5 – 3.0 %  Lactose 3.0 – 4.5 %  MSNF* 11 – 13 %  Estabilizadores 0.3 – 0.5 %  Fruta 12 – 18 % (* Milk solids non fat – sólidos presentes no leite que não a gordura) É nesta fase, ainda, que se acrescentam os aditivos: adoçantes e estabilizadores (gelatina, agar-agar, ...), que pretendem aumentar o teor em açúcares e aumentar a viscosidade, respectivamente. Os motivos principais para que se efectue a homogeneização são prevenir que se formem aglomerados sólidos durante a incubação e para assegurar que a gordura do leite está distribuída uniformemente. A homogeneização vai levar à redução do tamanho dos glóbulos de gordura tornando a consistência mais lisa. Para garantir que não há excesso de água em relação aos outros componentes, a mistura é aquecida com a finalidade de evaporar a água e, durante o processo, o leite baixa a sua temperatura de 90ºC para 70ºC. Posteriormente ocorre nova homogeneização a pressões elevadas (200-250bar = 20-25MPa) com o mesmo propósito [14] . Tabela 1 – Informação nutricional do iogurte
  • 15. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 15 Pasteurização A mistura do leite é aquecida no pasteurizador a temperaturas elevadas, perceptível de eliminar os microrganismos patogénicos e as bactérias desnecessárias e/ou indesejáveis. O tipo de pasteurização utilizado é HTST (High Temperature and Short Time) que se dá a uma temperatura aproximada de 90ºC, durante cerca de 5 minutos. Não é usado o método UHT (Ultra High Temperature) uma vez que não tem a mesma influência na viscosidade, apesar de ser muito mais rápido. A partir do momento que ocorre a pasteurização o restante processo deve ocorrer em tanques herméticos de forma a evitar a contaminação [13] . Fermentação Nesta fase, ocorre fermentação láctica que consiste na redução do ácido pirúvico, proveniente da glicólise, em ácido láctico. Para isso, é necessário preparar uma cultura de bactérias prévia, capazes de converterem a lactose, presente no leite, nesse ácido. As bactérias escolhidas para a produção de iogurtes (lactobacillus bulgaricus e streptococcus thermophilus) não têm necessidade de reter o ácido por não ter qualquer utilidade, pelo que é excretado para o meio, acidificando-o. A fermentação é a fase fundamental de todo o processo pois é o ácido láctico produzido o agente de coagulação do leite. Esta etapa ocorre a uma temperatura de 42ºC durante aproximadamente 3 horas [13] . Arrefecimento A temperatura de arrefecimento vai variar consoante as condições de fermentação. Quando a acidez desejada é atingida, o iogurte é arrefecido, geralmente, Figura 7 – Efeito da homogeneização na gordura do leite
  • 16. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 16 a 15 – 22ºC. Estas condições de temperatura vão impedir quaisquer variações de pH [13] . Adição de base de frutas (sabores) O produto recebe a polpa de frutas, aromas ou frutas de acordo com as características pretendidas. Esta mistura é feita continuamente a uma velocidade variável para garantir que toda a componente de frutas é mexida vigorosamente [13] . Embalamento e Conservação Para embalar os iogurtes existem diversos tipos de unidades processuais. Há que ter em atenção o tamanho, os sabores, a capacidade, entre outros de maneira identificar o embalamento mais correcto. Depois de embalado é necessário conservar a uma temperatura entre os 2ºC e os 10ºC [13] . Ao longo de todo o processo a viscosidade é um dos factores mais importantes a controlar. Na figura 9 podemos observar o progresso da viscosidade ao longo do processo. Figura 8 - Misturador de fruta num tubo Figura 9 – Evolução da viscosidade durante o processo; A – processo optimizado
  • 17. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 17 Mistura •Fixação do teor de gosdura desejado; •Adição de todos os ingredientes ao leite. Homogeneização •Reduzir o tamanho dos glóbulos de gordura; •Obter uma consistência lisa e cremosa. Pasteurização •Eliminação de todas as bactérias indesejáveis. Fermentação •A lactose é transformada em ácido láctico (agente de coagulação do leite); •São usadas duas bactérias: Lactobacillus bulgaricus e Streptococcus thermophilus. Arrefecimento •Quando o produto atinge a acidez necessária é resfriado. Adição de bases de frutas •adição de polpa ou pedaços de fruta, de acordo com o produto pretendido. Embalagem •É embalado em máquinas de alta tecnologia, sem nenhum contacto manual. Conservação •Temperatura ideal de 1 a 10ºC; •Tempo de validade de 35 dias. Na figura 10, encontra-se descrito todas as etapas anteriormente referidas, de modo sucinto. Figura 10 - Fases da produção do iogurte
  • 18. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 18 3.1.1.Descrição detalhada da fermentação láctica A Fermentação Lática consiste na conversão anaeróbica parcial de carbohidratos (mais especificamente a glicose), com a produção final de ácido láctico, entre outras substâncias orgânicas. É um processo microbiano de grande importância utilizado na produção de lacticínios, na produção de picles e chucrute, e na conservação de forragens. Pode ser Homoláctica ou Heteroláctica:  Na Homoláctica, as bactérias agem sobre a lactose, transformando-a em glicose e galactose. Neste tipo de fermentação a glicose é reduzida a ácido láctico, podendo ocorrer formação de etanol e CO2.  Na Heteroláctica, há formação de CO2, etanol e ácido láctico nas mesmas proporções [17] . A reacção de fermentação láctica pode ser resumida por: 1 Glicose → 2 Ácido lático Durante a fermentação, as bactérias do iogurte, S. termophilus e L. bulgaricus, crescem simbioticamente, produzindo ácido láctico e compostos aromáticos, formando um coágulo. No início da fermentação, a acidez do leite (menor que 20º D) favorece o crescimento do S. termophilus, estimulado por alguns aminoácidos livres (especialmente a valina) produzidos pelo L. bulgaricus, o que provoca um aumento de acidez. Nesta fase, o S. termophilus liberta ácido fórmico estimulante do desenvolvimento do L. bulgaricus [18] . Figura 11 - Percentagem de ácido láctico em função do tempo de fermentação
  • 19. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 19 Quando se atinge aproximadamente 46º D, o meio torna-se pouco propício ao S. termophilus, favorecendo, assim, um maior e mais rápido desenvolvimento do L. bulgaricus, com produção de acetaldeído, sendo este o principal responsável pelo aroma característico do iogurte. Com o aumento de acidez, o pH aproxima-se de 4,6, ponto isoeléctrico da proteína do leite, e tem-se a coagulação. No final da fermentação, a proporção numérica entre as duas espécies de microorganismos deve ser similar. F = Factor de multiplicação do microorganismo Quando a acidez se encontra entre 85ºD e 90ºD, faz-se a diversificação na técnica de fabricação, dependendo do tipo de iogurte que se quer obter, natural ou batido [19] . Figura 12 - Curva de desenvolvimento simbiótico da cultura lática durante a fermentação do iogurte
  • 20. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 20 3.2.Produção tradicional –“Kefir” O Kefir, também conhecido como “flor do iogurte”, é uma bebida que teve origem em tribos muçulmanas das Montanhas do Cáucaso Setentrional, na Rússia. Possui um aspecto cremoso, semelhante ao iogurte, mas de valor terapêutico e nutricional muito maior. Trata-se de um alimento probiótico complexo produzido através da fermentação do leite por leveduras e bactérias [10] . O Kefir pode ter um gosto refrescante. Levemente azedo, com um aroma suave de fermento fresco semelhante a cerveja, assim como também pode ter um sabor forte efervescente natural e picante. O sabor depende da relação entre a quantidade de leite e grãos de Kefir e do tempo que se deixa fermentar. O Kefir é tradicionalmente preparado com leite de ovelha, vaca ou cabra em contacto com o leite durante 24 horas. Com os grãos de Kefir é possível produzir Kefir de sumos de uva, de tangerina, de limão e de leite de soja [11] . Figura 13 – Grãos de Kefir Figura 14 – Kefir de limão
  • 21. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 21 4.Tendências actuais/ Principais empresas Actualmente, o iogurte é um produto associado ao dia-a-dia da grande maioria da população dos países desenvolvidos. Desta forma, é de esperar que haja cada vez mais variedade à escolha, capaz de agradar a todos. Esta concorrência faz com que as marcas tenham de inovar continuamente, tentando manter-se no topo das escolhas dos consumidores. Esta inovação passa por:  Novos produtos: sabores, texturas;  Estratégias de markting: embalagens originais, slogans chamativos e marcantes, publicidade direccionada ao público alvo;  Preços apelativos. Actualmente é dificil fazer a distinção entre marcas nacionais ou mundiais, uma vez que estamos perante um mercado fundido pela globalização, no qual as mesmas marcas deliciam pessoas das mais diversas nacionalidades. Em Portugal há dois grandes grupos com marcas de iogurtes: a Lactogal e a Danone. A primeira detem marcas como a Mimosa, Agros e Adagio; à segunda pertencem a Actimel, Activia, Danoninho, Puro Danone, Danissimo, entre outras. A cada marca estão associadas características diferentes: iogurtes magros, líquidos, com pedaços, bem como a faixa etária a que são dirigidos (Danoninho, por exemplo), etc. A Danone nasceu em 1919 em Barcelona, fundada pelo biólogo russo Isaac Carasso. Apenas em 1979, 60 anos depois, foi criada a primeira fábrica da marca em Portugal, em Castelo Branco. Em 1994 a Danone atinge pela primeira vez a liderança do mercado de produtos lácteos, mantendo-a até hoje. A Adagio é uma marca de iogurtes fundada em 1922 por uma empresa italiana, e apenas em 1999 passa a fazer parte do grupo Lactogal. Actualmente, todos os iogurtes Adagio são produzidos em Portugal. A cada minuto são produzidos 56 iogurtes Adagio [6] .
  • 22. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 22 Para proporcionar mais saúde e sabor a toda a família, a Mimosa trabalha com rigor e dedicação: colocando anualmente, no mercado, mais de 475 milhões de unidades Mimosa. A cada segundo, 15 produtos Mimosa estão a ser consumidos. Em Portugal, 96% dos lares compram pelo menos um produto da marca Mimosa. A Agros coloca diariamente no mercado mais de 630 mil unidades de produtos. Figura 15 – Iogurte líquido Adagio Figura 16 – Iogurte Mimosa
  • 23. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 23 4.1.Principais tendências do consumo de Iogurtes Magro É do entendimento comum que os portugueses estão cada vez mais preocupados com a sua alimentação bem como em mudar alguns dos hábitos alimentares. O facto de a maior parte dos portugueses activos não ter tempo para uma refeição mais demorada pode levar a um aumento do consumo de iogurtes. De acordo com esta tendência, vários grupos desenvolveram análises relativas ao consumo de iogurtes, maioritariamente magros e dietéticos. Em 2002, os consumidores de Iogurtes Magros foram maioritariamente do sexo feminino, com idades compreendidas entre os 35 e os 44 anos, sendo este facto superior nesta faiza etária à media do comportamento geral [12] . Figura 17 – Comparação entre sexos Estudos concluíram que o consumo destes iogurtes pelas classes Alta e Média – Alta foi superior à média. Relativamente à área geográfica, o consumo de Iogurtes Magros na da Grande Lisboa teve um desvio análogo (Grupo Marktest, 2003) [12] . Figura 18 – Comparação entre idades Figura 19 – Comparação entre regiões Figura 20 – comparação entre classes sociais
  • 24. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 24 5.Conclusão No final deste trabalho podemos concluir vários aspectos sobre o iogurte e a sua produção, tanto a nível económico e social, como informações necessárias ao dia- a-dia, tais como a validade e valores nutritivos:  O iogurte é um produto simples de fabricar e um alimento de fácil consumo. Após fabricado deve ser mantido a uma temperatura fria (abaixo dos 6o C) para não alterar as suas características. É um iogurte fresco, ou seja, tem um baixo período de validade, aproximadamente 35 dias [15] .  O iogurte é submetido a vários processos: mistura e homogeneização, pasteurização, fermentação, arrefecimento, adição de base de frutas, embalamento e conservação.  O iogurte é um alimento que faz parte do consumo diário de todas as pessoas, levando a uma grande procura do mesmo. Esta procura elevada incentiva os produtores a produzir, cada vez mais, diferentes marcas e sabores. Isto leva a que as empresas empreguem mais funcionários e aumentem os seus movimentos monetários, ajudando, por isso, a melhorar a economia do país [7] . Assim concluímos que um simples iogurte é muito importante na sociedade actual.
  • 25. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 25 6.Bibliografia [1] Produção de iogurte – http://www.nysaes.cornell.edu/necfe/pubs/pdf/Fact Steets/FS_YogurtProduction.pdf (accessed in October 2, 2010). [2] Danone em Portugal - http://www.danone.pt/somos/historia.aspx (accessed October in 3, 2010). [3] Produção de iogurtes - http://www.milk.co.uk/page.aspx?intPageID=81 (accessed in October 2, 2010). [4] Enciclopédia Verbo. 2591 ed. 29 vols. Lisboa/São Paulo: Editorial Verbo, 2000. [5] Lactogal - http://www.lactogal.pt/presentationlayer/marcas_06.aspx? marcaid=43&detalhe=5 (accessed in October 6, 2010). [6] Lactogal - http://www.lactogal.pt/presentationlayer/marcas_00.aspx (accessed in October 4, 2010). [7] Importância social e económica do iogurte - http://www.bcsdportugal. org/files/834.pdf (accessed in October 1,2010). [8] Importância económica do iogurte - http://vivercidadeguarda.blogspot.com /2010/10/iogurtes-do-frio-pt-ilt-39-cr.html (accessed in October 1,2010). [9] Importância social do iogurte - http://www.bcsdportugal.org/files/834.pdf (accessed in October 1,2010). [10] Grãos de Kefir - http://semglutensemlactosemascomsabor.blogspot.com /2010/01/kefir-graos-que-esbanjam-saude.html (accessed in October 1,2010). [11] Kefir - http://chanasaude.no.sapo.pt/kefir.htm (accessed in October 1,2010). [12] Iogurtes magros - http://www.marktest.com/wap/a/n/id~3b1.aspx (accessed October 13, 2010). [13] Fermentação - http://www.dbio.uevora.pt/jaraujo/biocel/glicolise.htm (accessed October 16, 2010). [14] Dairy Processing Handbook of Lactogal. [15] Fermentação - http://www.esac.pt/noronha/pga/0708/trabalhos/PGA_ 07_08_ iogurte_gordo_solido.pdf.
  • 26. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 26 [16] AQUARONE, Eugênio; LIMA, U. de Almeida; BORZANI, Walter. BIOTECNOLOGIA: Alimentos e bebidas produzidas por fermentação. Volume 5. São Paulo: Edgard Blücher Ltda., 1983. 243 p. [17] FERREIRA, C. L. de Luces Fortes. Produtos Lácteos e Fermentados (aspectos bioquímicos e tecnológicos). Viçosa: UFV, 2001. 112 p. [18] Iogurtes -http://www.iogurte.com/index.php?action=tipos_iogurte& subaction=1 (accessed October 16, 2010). [19] Acidez do leite - http://www.cdcc.sc.usp.br/quimica/experimentos/ leite.html (accessed October 16, 2010).
  • 27. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 27 7.Anexos Padronização e Homogeneização Tratamento Térmico 90° a 95° C - 30 min. Preparação da Cultura Laboratório Adição da Cultura Resfriamento ao leite industrial 3 a 5% Incubação 4/5 horas 45°C 2° a 4° C Esquema de Fabricação do Iogurte Batido 4° a 6°C Embalagem equip. especiais Estocagem a Frio Agitação Lenta Adição de Frutas facultativo: 10/15% Padronização e Homogeneização Tratamento Térmico Embalagem equip. especiais 90° a 95° C - 30 min. Preparação da Cultura Laboratório Adição da Cultura 4° a 6° C Esquema de Fabricação do Iogurte Natural Adição Aroma ou Compostas Facultativo Incubação na Estufa 4/5 horas 45° C Estocagem a Frio ao leite industrial 3 a 5% Figura 21 – Fabricação do iogurte batido Figura 22 – Fabricação do iogurte natural
  • 28. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 28 Figura 23 – Outro processo de produção do iogurte
  • 29. Produção de iogurte - Projecto FEUP Página 29 Tabela 2 – Influencia da homogeneização e da temperatura na viscosidade Figura 25 – Viscosímetro Figura 24 – Processo de produção de Iogurte de beber (iogurte líquido)