SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
v. 11 n. 1, 2007 Estudos de revisão sistemática 83ISSN 1413-3555
Rev. bras. fisioter., São Carlos, v. 11, n. 1, p. 83-89, jan./fev. 2007
©Revista Brasileira de Fisioterapia
ESTUDOS DE REVISÃO SISTEMÁTICA: UM GUIA PARA SÍNTESE
CRITERIOSA DA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA
SAMPAIO RF E MANCINI MC
Departamentos de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional, Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia
Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG - Brasil
Correspondência para: Rosana F. Sampaio, Rua Juvenal dos Santos, 222, apto. 602, Luxemburgo, CEP 30380-530,
Belo Horizonte, MG - Brasil
Recebido: 20/09/2006 - Revisado: 20/12/2006 -Aceito: 27/12/2006
RESUMO
Introdução: Agregar evidências de pesquisa para guiar a prática clínica é uma das principais razões para se desenvolverem
estudos que sintetizam a literatura, mas não é a única. As revisões sistemáticas são desenhadas para ser metódicas, explícitas
e passíveis de reprodução. Esse tipo de estudo serve para nortear o desenvolvimento de projetos, indicando novos rumos para
futuras investigações e identificando quais métodos de pesquisa foram utilizados em uma área. Métodos: Uma revisão sistemática
requer uma pergunta clara, a definição de uma estratégia de busca, o estabelecimento de critérios de inclusão e exclusão dos
artigos e, acima de tudo, uma análise criteriosa da qualidade da literatura selecionada. O processo de desenvolvimento desse
tipo de estudo de revisão inclui caracterizar cada estudo selecionado, avaliar a qualidade deles, identificar conceitos importantes,
comparar as análises estatísticas apresentadas e concluir sobre o que a literatura informa em relação a determinada intervenção,
apontando ainda problemas/questões que necessitam de novos estudos. Um trabalho de revisão sistemática segue a estrutura
de um artigo original. Conclusão: Boas revisões sistemáticas são recursos importantes ante o crescimento acelerado da informação
científica. Esses estudos ajudam a sintetizar a evidência disponível na literatura sobre uma intervenção, podendo auxiliar
profissionais clínicos e pesquisadores no seu cotidiano de trabalho.
Palavras-chave: revisão sistemática, ECA, síntese da literatura.
ABSTRACT
Systematic review studies: a guide for careful synthesis of the scientific evidence
Introduction: Aggregation of research evidence to guide clinical practice is one of the main reasons for conducting studies that
provide a synthesis of the literature, but it is not the only reason. Systematic reviews are designed to be methodical, explicit
and replicable. Such studies may help to guide project development, by indicating new directions for further investigations and
identifying which research methods have been used within a given area. Methods: Systematic reviews require straightforward
questions, search strategy definition, establishment of study inclusion and exclusion criteria and careful analysis of the selected
literature. The development process for reviews of this type includes characterization of each selected study, evaluation of their
quality, identification of important concepts, comparison of statistical analyses used and conclusions regarding what the literature
tells us about a specific intervention. Such reviews also suggest problems/questions that need further investigation. Systematic
review studies follow the structure of original articles. Conclusion: Good systematic reviews are important resources, in the light
of the accelerated growth of scientific information. These studies help in producing syntheses of the evidence available in the
literature on specific interventions, and may help clinicians and researchers in their work process.
Key words: systematic review, RCT, synthesis of the literature.
84 Sampaio RF e Mancini MC Rev. bras. fisioter.
INTRODUÇÃO
A demanda por qualidade máxima do cuidado em saúde,
combinada com a necessidade de uso racional de recursos
tanto público quanto privado, tem contribuído para aumentar
a pressão sobre os profissionais da área no sentido de
assegurar a implementação de uma prática baseada em
evidências científicas. A expressão “medicina baseada em
evidência” surgiu na década de 1980 para descrever a
aprendizagem baseada em problemas, usada pela MacMaster
University Medicine School1
. Prática baseada em evidência
(PBE) e cuidado em saúde baseado em evidência
compreendem os mesmos conceitos e princípios da medicina
baseada em evidência, sendo empregados por diferentes
profissionais e em diversos contextos de saúde1
.
PBE tem sido definida como o uso consciente, explícito
e criterioso da melhor e mais atual evidência de pesquisa na
tomada de decisões clínicas sobre o cuidado de pacientes2
.
A PBE tem-se sustentado em um tripé que leva em conta a
síntese da melhor evidência externa ou de pesquisa, a
experiência do profissional e os valores e preferências do
paciente, isto é, centrada no paciente e na família. Pesquisas
desenvolvidas de forma criteriosa fornecem certezas para
auxiliar na tomada de decisão clínica, mas nunca substituem
o raciocínio e a experiência do profissional para decidir qual
intervenção é efetiva ou não para um paciente específico3
.
O processo de PBE é semelhante em todas as profissões
da saúde, mas existem especificidades relacionadas com os
diferentes domínios da prática e com os modelos teóricos
adotados por determinado grupo de profissionais, como nas
profissões que compõem a área da reabilitação1
. Questões
clínicas são identificadas com base na necessidade de
informação para a tomada de decisão, respeitando-se pacientes
ou grupos de pacientes que estão em tratamento, assim como
o contexto em que esse está sendo oferecido. A busca por
resposta na literatura científica é feita pela procura da melhor
evidência disponível. Nem todos os estudos são bem
desenvolvidos; dessa forma, se faz necessária uma avaliação
cuidadosa da sua validade e da aplicabilidade clínica dos
resultados.
A PBE envolve a superação de alguns desafios, a saber:
como se manter atualizado diante da crescente disponibilidade
de informações na área da saúde? Quais as melhores fontes
de informação? Como avaliar criticamente a informação
encontrada? Como integrar as evidências selecionadas e a
experiência clínica diante das necessidades apresentadas pelos
pacientes? A análise de evidências de pesquisa exige dos
profissionais novos conhecimentos e habilidades para capacitá-
-los a ter autonomia na avaliação crítica das informações
científicas que serão utilizadas para diminuir as incertezas
das decisões tomadas na clínica4
.
É consenso que os ensaios clínicos aleatórios (ECA)
são os estudos mais adequados para fornecer evidências sobre
os efeitos de uma intervenção. No entanto, os resultados de
apenas um desses estudos não são suficientes para esclarecer
sobre determinada questão de pesquisa ou pergunta clínica.
As conclusões são mais robustas quando diferentes estudos
investigam os efeitos de uma intervenção e fornecem dados
que suportam as mesmas conclusões. Nesse sentido, revisões
sistemáticas e metanálise são os métodos mais adequados
e atuais para resumir e sintetizar evidências sobre a eficácia
e os efeitos de intervenções5
. Métodos sistemáticos são usados
para evitar viés e possibilitar uma análise mais objetiva dos
resultados, facilitando uma síntese conclusiva sobre
determinada intervenção. O presente artigo tem como objetivo
definir e descrever as etapas envolvidas no desenvolvimento
de uma revisão sistemática da literatura.
O que é uma revisão sistemática?
Uma revisão sistemática, assim como outros tipos de
estudo de revisão, é uma forma de pesquisa que utiliza como
fonte de dados a literatura sobre determinado tema. Esse tipo
de investigação disponibiliza um resumo das evidências
relacionadas a uma estratégia de intervenção específica,
mediante a aplicação de métodos explícitos e sistematizados
de busca, apreciação crítica e síntese da informação
selecionada. As revisões sistemáticas são particularmente úteis
para integrar as informações de um conjunto de estudos
realizados separadamente sobre determinada terapêutica/
intervenção, que podem apresentar resultados conflitantes
e/ou coincidentes, bem como identificar temas que necessitam
de evidência, auxiliando na orientação para investigações
futuras5
.
Ao viabilizarem, de forma clara e explícita, um resumo
de todos os estudos sobre determinada intervenção, as revisões
sistemáticas nos permitem incorporar um espectro maior de
resultados relevantes, ao invés de limitar as nossas conclusões
à leitura de somente alguns artigos. Outras vantagens incluem
a possibilidade de avaliação da consistência e generalização
dos resultados entre populações ou grupos clínicos, bem como
especificidades e variações de protocolos de tratamento6
. É
importante destacar que esse é um tipo de estudo retrospectivo
e secundário, isto é, a revisão é usualmente desenhada e
conduzida após a publicação de muitos estudos experimentais
sobre um tema. Dessa forma, uma revisão sistemática depende
da qualidade da fonte primária.
Existe inconsistência na terminologia usada para se
descrever revisões sistemáticas, considerando que algumas
incluem uma síntese estatística dos resultados dos estudos
e outras não. Autores apontam que revisões sistemáticas com
metanálise são diferentes de outras revisões por seu compo-
nente metanalítico6
. Metanálise é a análise da análise, ou seja,
é um estudo de revisão da literatura em que os resultados
de vários estudos independentes são combinados e sintetizados
por meio de procedimentos estatísticos, de modo a produzir
uma única estimativa ou índice que caracterize o efeito de
(uma) determinada intervenção7
. Em estudos de metanálise,
ao se combinar amostras de vários estudos, aumenta-se a
v. 11 n. 1, 2007 Estudos de revisão sistemática 85
amostra total, melhorando o poder estatístico da análise, assim
como a precisão da estimativa do efeito do tratamento6
.
Atualmente, ainda são poucas as revisões sistemáticas
com metanálise disponíveis na Fisioterapia e na Terapia
Ocupacional bem como em outras áreas da saúde. Segundo
Magee, as razões que dificultam a realização desse tipo de
estudo incluem a utilização de diferentes protocolos de pesquisa
(e.g., seleção, intervenção, mensuração dos efeitos) e variações
na qualidade metodológica (e.g., que pode ser classificada
como forte, moderada ou fraca)8
. O presente artigo terá como
foco estudos de revisão sistemática sem metanálise.
A posição ocupada pela revisão sistemática na hierarquia
da evidência ilustra a sua importância para a clínica e a
pesquisa. Nessa hierarquia, quando procuramos por evidência
sobre a eficácia de intervenção ou tratamento, estudos de
revisão sistemática com metanálise ou sem ela, que incluem
ECA e estudos experimentais, tendem geralmente a disponibilizar
evidência mais forte, ou seja, são estudos mais adequados
para responder a perguntas sobre a eficácia de uma
intervenção9,10
. Essa hierarquia norteia os critérios de
classificação de níveis de evidência para diferentes tipos de
estudo (prognóstico, diagnóstico, terapêutico, estudos de
prevalência e de análise econômica)*
.
Antes de se iniciar uma revisão sistemática, três etapas
precisam ser consideradas, quais sejam: definir o objetivo
da revisão, identificar a literatura e selecionar os estudos
possíveis de serem incluídos. Essas etapas preliminares são
importantes, uma vez que auxiliam os pesquisadores a adequar
a pergunta norteadora da revisão com base na informação
disponível sobre o tema de interesse11
. Cabe destacar que uma
revisão sistemática segue a estrutura de um artigo original,
incluindo seções de introdução, métodos, resultados e
discussão.
DESCRIÇÃO E ELABORAÇÃO DE UMA
REVISÃO SISTEMÁTICA
A seguir será feita uma descrição das etapas que
constituem o processo de elaboração de um estudo de revisão
sistemática. Em cada passo, uma ilustração do conteúdo
específico será apresentada, tomando como exemplos
informações publicadas em uma revisão sistemática sobre
a eficácia de programas de treinamento de força muscular
para indivíduos com paralisia cerebral12
.
A realização de uma revisão sistemática envolve o
trabalho de pelo menos dois pesquisadores, que avaliarão,
de forma independente, a qualidade metodológica de cada
artigo selecionado. É importante que os pesquisadores
elaborem um protocolo de pesquisa que inclua os seguintes
itens: como os estudos serão encontrados, critérios de inclusão
e exclusão dos artigos, definição dos desfechos de interesse,
verificação da acurácia dos resultados, determinação da
qualidade dos estudos e análise da estatística utilizada8
.
Passo 1: Definindo a pergunta
Assim como qualquer outra investigação científica, uma
boa revisão sistemática requer uma pergunta ou questão bem
formulada e clara. Ela deve conter a descrição da doença ou
condição de interesse, a população, o contexto, a intervenção
e o desfecho.
Figura 1. Hierarquia da evidência: investigações com localização superior
na hierarquia indicam maior força da evidência†
.
*
Para definição dos níveis de evidência, ver <http://www.cebm.net/levels_of_evidence.asp#/levels>; †
Figura adaptada de Evans (2003); Akonbeng(2005b).
Revisão
Sistemática de
ECA com
Metanálise ou
sem ela
Ensaio Clínico Aleatório (ECA)
Estudo Coorte
Estudo Caso-Controle
Estudos Descritivos
Experimental de Caso Único, Série de Casos
Opinião de Experts, Relato de Caso
Estudos Quase-experimentais
“O objetivo desta revisão foi determinar se o fortalecimento
muscular produz desfechos benéficos para indivíduos com
paralisia cerebral (PC)” 12
.
Passo 2: Buscando a evidência
Os pesquisadores devem se certificar de que todos os
artigos importantes ou que possam ter algum impacto na
conclusão da revisão sejam incluídos. A busca da evidência
tem início com a definição de termos ou palavras-chave,
seguida das estratégias de busca, definição das bases de dados
e de outras fontes de informação a serem pesquisadas. Para
mais detalhes, consultar www.bireme.br e Oxman13
.
A busca em base de dados eletrônica e em outras fontes
é uma habilidade importante no processo de realização de uma
revisão sistemática, considerando que sondagens eficientes
maximizam a possibilidade de se encontrarem artigos relevantes
em um tempo reduzido6,13
. Uma procura eficaz envolve não
só uma estratégia que inclua termos adequados, mas também
a escolha de base de dados que insiram mais especificamente
o tema (e.g., biblioteca Cochrane, MEDLINE, EMBASE,
CINAHL, SciELO, entre outras). Orientações de estratégias
86 Sampaio RF e Mancini MC Rev. bras. fisioter.
que aumentam a sensibilidade e especificidade das buscas
foram descritas por Sackett et al.2
.
Definir a pergunta científica, especificando
população e intervenção de interesse
Estabelecer critérios para a seleção dos
artigos a partir da busca
Identificar as bases de dados a serem
consultadas; definir palavras-chave e
estratégias de busca
Conduzir busca nas bases de dados escolhidas
e com base na(s) estratégia(s) definida(s)
(pelo menos dois examinadores independentes)
Comparar as buscas dos
examinadores e definir a seleção
inicial de artigos
Aplicar os critérios na seleção dos artigos e
justificar possíveis exclusões
Analisar criticamente e avaliar todos os
estudos incluídos na revisão
Preparar um resumo crítico, sintetizando as
informações disponibilizadas pelos artigos que
foram incluídos na revisão
Apresentar uma conclusão, informando a
evidência sobre os efeitos da intervenção
Figura 2. Descrição geral sobre o processo de revisão sistemática da literatura‡
.
“Bases de dados eletrônicas (MEDLINE, PubMed, EMBASE,
CINAHL, Sports Discus, DARE, PsychInfo, ERIC, AusportMed,
AMI, Cochrane, PEDro) foram consultadas retrospectivamente
até o ano de 1966, usando as seguintes palavras-chave:
paralisia cerebral (cerebral palsy) combinada com exercício
(exercise), força (strength) e treinamento físico (physical
training). A busca se limitou aos artigos escritos em inglês”12
.
Passo 3: Revisando e selecionando os estudos
Durante a seleção dos estudos, a avaliação dos títulos
e dos resumos (abstracts) identificados na busca inicial deve
ser feita por pelo menos dois pesquisadores, de forma
independente e cegada, obedecendo rigorosamente aos
critérios de inclusão e exclusão definidos no protocolo de
pesquisa. Quando o título e o resumo não são esclarecedores,
deve-se buscar o artigo na íntegra, para não correr o risco
de deixar estudos importantes fora da revisão sistemática.
Os critérios de inclusão e exclusão são definidos com
base na pergunta que norteia a revisão: tempo de busca
apropriado (e.g. 5 anos), população-alvo (e.g. adulto, criança,
atleta), intervenções, mensuração dos desfechos de interesse,
critério metodológico, idioma, tipo de estudo, entre outros.
As discordâncias que por ventura ocorram devem ser
resolvidas por consenso14
.
No Anexo 2 encontram-se algumas regras que podem
auxiliar na seleção inicial dos artigos.
“[..]. artigos identificados pela estratégia de busca inicial
foram avaliados independentemente por dois autores,
conforme os seguintes critérios de inclusão: (1) população
(adultos ou crianças), (2) intervenção (treinamento de força
ou programa de exercício de resistência progressiva), (3)
desfecho (medida de mudança na força, atividade, ou
participação)”12
.
‡
Adaptado de Domholdt (2005), Law & Philp (2002) e Magee (1998).
v. 11 n. 1, 2007 Estudos de revisão sistemática 87
Passo 4: Analisando a qualidade metodológica dos estudos
A qualidade de uma revisão sistemática depende da
validade dos estudos incluídos nela. Nesta fase é importante
que os pesquisadores considerem todas as possíveis fontes
de erro (bias), que podem comprometer a relevância do
estudo em análise. Um conhecimento aprofundado de métodos
de investigação e de análise estatística, bem como das medidas
ou dos instrumentos de mensuração empregados, é requisito
indispensável para que os pesquisadores possam desempenhar
a sua tarefa.
Existem diferentes escalas que auxiliam na avaliação dos
estudos, tais como lista de Delphi, PEDro, OTSeeker, critérios
de Maastricht, escala de Jadad, entre outras. Atualmente, a
mais usada na área da reabilitação é a escala PEDro (PEDro
scale, http://www.pedro.fhs.usyd.edu.au). Essa escala foi
desenvolvida pela Physiotherapy Evidence Database para ser
empregada em estudos experimentais e tem uma pontuação
total de até 10 pontos, incluindo critérios de avaliação de
validade interna e apresentação da análise estatística empregada.
Para cada critério definido na escala, um ponto (1) é atribuído
à presença de indicadores da qualidade da evidência apresentada,
e zero ponto (0) é atribuído à ausência desses indicadores.
A escala PEDro é composta pelos seguintes critérios:
1) especificação dos critérios de inclusão (item não pontuado);
2) alocação aleatória; 3) sigilo na alocação; 4) similaridade
dos grupos na fase inicial ou basal; 5) mascaramento dos
sujeitos; 6) mascaramento do terapeuta; 7) mascaramento
do avaliador; 8) medida de pelo menos um desfecho primário
em 85% dos sujeitos alocados; 9) análise da intenção de tratar;
10) comparação entre grupos de pelo menos um desfecho
primário e 11) relato de medidas de variabilidade e estimativa
dos parâmetros de pelo menos uma variável primária15,16
.
Depois de a escala ter sido usada de forma independente
pelos pesquisadores, cabe analisar a concordância entre eles.
Nessa análise pode ser empregado, por exemplo, o índice
Kappa (K). Considerando que a escala PEDro apresenta níveis
moderados de confiabilidade entre avaliadores (ICC= 0,68;
IC 95% = 0,57-0,76), discordâncias entre os pesquisadores
podem ser resolvidas por discussão e consenso, quando
possível16
.
“Os estudos que cumpriram os critérios de inclusão foram
avaliados quanto à qualidade metodológica com a escala
PEDro, baseada na lista Delphi, descrita por Verhagen et al.
[...] estudos com baixa qualidade metodológica (escore
PEDro menor que 3) foram excluídos. Foram excluídos
também artigos que apresentavam informações repetidas ou
disponíveis em outros artigos”12
.
Passo 5: Apresentando os resultados
Os artigos incluídos na revisão sistemática podem ser
apresentados em um quadro que destaca suas características
principais, como: autores, ano de publicação, desenho
metodológico, número de sujeitos (N), grupos de comparação,
caracterização do protocolo de intervenção (tempo,
intensidade, freqüência de sessões, etc.), variáveis dependentes
e principais resultados. O Anexo 1 ilustra um exemplo de
apresentação de parte dos resultados de uma revisão
sistemática12
.
A seção de métodos é especialmente importante e
necessita ser bem detalhada (e.g. estratégias de busca, como
os estudos foram selecionados para inclusão na revisão
sistemática, entre outros) e passível de reprodução. Infor-
mações sobre a confiabilidade entre examinadores na avaliação
da qualidade da evidência precisam ser apresentadas assim
como os critérios usados para resolver as discordâncias entre
eles.
Segundo Law et al.7
, muitos autores de revisões
sistemáticas tendem a comunicar somente os resultados
positivos de ensaios clínicos, ou seja, os resultados de
intervenções que produziram efeito. É importante apresentar
também os resultados negativos dos estudos, já que os
profissionais que estão na clínica necessitam dessa informação
para mudar a sua prática. Publicar nas revisões sistemáticas
os aspectos positivos e negativos das intervenções/tratamento
só aumentará o conhecimento a respeito da sua eficácia e
da sua limitação.
COMENTÁRIOS FINAIS
Conhecer o processo de desenvolvimento de uma revisão
sistemática pode auxiliar o leitor a compreender esse tipo de
estudo. No entanto, o leitor tem de se preparar ainda para
avaliar a qualidade da revisão sistemática17,18
e para selecionar
o que interessa entre diferentes revisões sobre o mesmo tema19
.
É importante considerar como as conclusões desse tipo de
estudo podem ser aplicadas na prática clínica, levando-se em
conta o paciente e o contexto em que essa será implementada.
A publicação de estudos de revisão sistemática, bem
como de outros que sintetizam resultados de pesquisa, é um
passo para a prática baseada em evidência. Mas, para que
isso ocorra de fato, torna-se necessária uma mudança de
comportamento por parte dos profissionais da saúde. Essa
mudança implica não só consumir a literatura disponibilizada,
mas também levar essa informação para a prática clínica
cotidiana. O objetivo final desse processo é melhorar a
qualidade dos cuidados oferecidos pelos profissionais da saúde.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1. Bennett S, Bennett JW. The process of evidence-based practice
in occupational therapy: informing clinical decisions. Austral
Occup Ther J. 2000;47:171-80.
2. Sackett DL, Straus SE, Richardson WS, Rosenberg W, Haynes
RB. Evidence-Based Medicine: how to practice and teach EBM.
2ª ed. London: Churchill Livingstone; 2000.
3. Law M, Baum C. Evidence-based practice. Can J Occup Ther.
1998;65:131-5.
88 Sampaio RF e Mancini MC Rev. bras. fisioter.
4. Sampaio RF, Mancini MC, Fonseca ST. Prática baseada em
evidência: buscando informação para fundamentar a prática
clínica do fisioterapeuta e do terapeuta ocupacional. Rev. Bras.
Fisioter. 2002;6(3):113-8.
5. Linde K, Willich SN. How objective are systematic reviews?
Differences between reviews on complementary medicine. J R
Soc Med. 2003;96:17-22.
6. Akobeng AK. Understanding systematic reviews and meta-
-analysis. Arch Dis Child. 2005;90:845-8.
7. Law M, Philp I. Systematically reviewing the evidence. In: Law
M. Evidence-based rehabilitation: a guide to practice. Thorofare
(NJ): SLACK Inc; 2002.
8. Magee DJ. Systematic reviews (meta-analysis) and functional
outcome measures (apostila). Developmental Editor: B. Aindow,
1998.
9. Akobeng AK. Understanding randomized controlled trials. Arch
Dis Child. 2005;90:840-4.
10. Evans D. Hierarchy of evidence: a framework for ranking evi-
dence evaluating healthcare interventions. J Clin Nurs. 2003;
12:77-84.
11. Domholdt E. Rehabilitation research: principles and applica-
tions. Missouri: Elsevier Saunders; 2005.
12. Dodd KJ, Taylor NF, Damiano DL. A systematic review of the
effectiveness of strength-training programs for people with
cerebral palsy. Arch Phys Med Rehabil. 2002;83:1157-64.
13. Oxman AD, Sackett DL, Guyatt GH. Users’ guide to the me-
dical literature I: how to get started. JAMA. 1993;270:2093-5.
14. Jadad AR, Moher M, Browman GP, Booker L, Sigouin C,
Fuentes M, et al. BMJ. 2000;320:537-40.
15. Chagas PSC, Mancini MC, Barbosa AP, Silva PTG. Análise das
intervenções utilizadas para a promoção da marcha em crianças
portadoras de paralisia cerebral: uma revisão sistemática da
literatura. Rev. Bras. Fisioter. 2004;8(2):155-63.
16. Maher CG, Sherrington C, Herbert RD, Moseley AM, Elkins
M. Reliability of the PEDro scale for rating quality of
randomized controlled trials. Phys. Ther. 2003;83:713-21.
17. Oxman AD, Cook DJ, Guyatt GH. Evidence-based medicine
working group. User´s guide to the medical literature: IV. How
to use an overview. JAMA [periódico na Internet]. 1994;
272:1367-71. Disponível em: URL: <http://www.cche.net/
principles/content_all.asp>.
18. Greenhalgh T. How to read a paper: papers that summarise other
papers (systematic reviews and meta-analyses). BMJ,
1997;315:672-675. Disponível em: URL: <http://www.bmj.com/
collections/red.shtml>.
19. Jadad AR, Cook DJ, Browman GP. A guide to interpreting
discordant systematic reviews. Can Med Assoc J.
1997;156:1411-6.
v. 11 n. 1, 2007 Estudos de revisão sistemática 89
§
AdaptadodeMagee(1998).
ANEXO2
Orientaçõesparaselecionarartigosquepodemfornecerresultadosválidos§
.
ANEXO1
Exemplodeapresentaçãodepartedosresultadosdeumarevisãosistemática.
EstudoEscore
PEDro
IdadeTipoPCGravidadeAmostraGrupo
muscular
ProgramaResistênciaDesfechos
Damiano&Abel56-12anosD&h
espástica
Deambulação:seis
precisavamdeauxílio
paramarcha
11Membros
inferiores
Peso-livre;quatrosériesde
cincorepetições;trêsvezes
porsemanaporseis
semanas
65%daforça
isotônica
máxima
EscoredoGMFM;
velocidadedamarcha;
cadência...
Terapia•Aalocaçãodosparticipantesparao(s)tratamento(s)foialeatória?
•Todososparticipantesqueentraramnoestudoforamadequadamenteavaliados?
Diagnóstico•Houveumacomparaçãomascaradaeindependente,comumpadrãodereferência?
•Aamostraincluiuumgrupoadequadodeparticipantesparaosquaisotestediagnósticopoderáseraplicadonapráticaclínica?
Dano•Houvegrupo(s)decomparaçãosemelhante(s)emrelaçãoaoutrosfatoresdeterminantesdodesfecho,alémdodesfechodeinteresse?
•Osdesfechoseexposiçõesforammensuradosdamesmaformanosgruposqueforamcomparados?
Prognóstico•Aamostrafoirepresentativaecomcaracterísticasbemdefinidasemmomentosemelhantenoprocessodadoençaoucondiçãodesaúde?
•Operíododeacompanhamentofoisuficienteecompletadoadequadamente?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revisão sistemática
Revisão sistemáticaRevisão sistemática
Revisão sistemáticaIared
 
Revisão sistemática - Parte 2
Revisão sistemática - Parte 2Revisão sistemática - Parte 2
Revisão sistemática - Parte 2bibmedufrgs
 
Avaliacao do-estudante-de-medicina-luiz-ernesto-troncon
Avaliacao do-estudante-de-medicina-luiz-ernesto-tronconAvaliacao do-estudante-de-medicina-luiz-ernesto-troncon
Avaliacao do-estudante-de-medicina-luiz-ernesto-tronconPROIDDBahiana
 
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...PROIDDBahiana
 
Revisão sistemática de estudos de acurácia
Revisão sistemática de estudos de acuráciaRevisão sistemática de estudos de acurácia
Revisão sistemática de estudos de acuráciaIared
 
Diretriz para Cessacao do Tabagismo 2008
Diretriz para Cessacao do Tabagismo 2008Diretriz para Cessacao do Tabagismo 2008
Diretriz para Cessacao do Tabagismo 2008Flávia Salame
 
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaEpidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaRicardo Alexandre
 
Metodologias avaliação qualidade estudos científicos
Metodologias avaliação qualidade estudos científicosMetodologias avaliação qualidade estudos científicos
Metodologias avaliação qualidade estudos científicosLASCES UFPR
 
Sistema GRADE: Avaliação da qualidade da evidência
Sistema GRADE: Avaliação da qualidade da evidênciaSistema GRADE: Avaliação da qualidade da evidência
Sistema GRADE: Avaliação da qualidade da evidênciahttp://bvsalud.org/
 
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...PROIDDBahiana
 
04 construção de instrumentos de medida na área da saúde
04   construção de instrumentos de medida na área da saúde04   construção de instrumentos de medida na área da saúde
04 construção de instrumentos de medida na área da saúdegisa_legal
 
06 construção e validação de questionário em icc
06   construção e validação de questionário em icc06   construção e validação de questionário em icc
06 construção e validação de questionário em iccgisa_legal
 
Tese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiorsTese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiorsLASCES UFPR
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaRilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológicoAula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológicoRicardo Alexandre
 
Intrumentos utilizados no processo diagnostico
Intrumentos utilizados no processo diagnosticoIntrumentos utilizados no processo diagnostico
Intrumentos utilizados no processo diagnosticoThaís Castro
 
Medicina baseada em evidências
Medicina baseada em evidênciasMedicina baseada em evidências
Medicina baseada em evidênciasRicardo Alexandre
 

Mais procurados (19)

Revisão sistemática
Revisão sistemáticaRevisão sistemática
Revisão sistemática
 
QUALIDADE E RELEVÂNCIA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA NAS CIÊNCIAS DA SAÚDE
QUALIDADE E RELEVÂNCIA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA NAS CIÊNCIAS DA SAÚDE QUALIDADE E RELEVÂNCIA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA NAS CIÊNCIAS DA SAÚDE
QUALIDADE E RELEVÂNCIA DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA NAS CIÊNCIAS DA SAÚDE
 
Revisão sistemática - Parte 2
Revisão sistemática - Parte 2Revisão sistemática - Parte 2
Revisão sistemática - Parte 2
 
Avaliacao do-estudante-de-medicina-luiz-ernesto-troncon
Avaliacao do-estudante-de-medicina-luiz-ernesto-tronconAvaliacao do-estudante-de-medicina-luiz-ernesto-troncon
Avaliacao do-estudante-de-medicina-luiz-ernesto-troncon
 
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...
Osce avaliacao-de-habilidades-clinicas-os-metodos-tradicionais-luiz-ernesto-t...
 
Revisão sistemática de estudos de acurácia
Revisão sistemática de estudos de acuráciaRevisão sistemática de estudos de acurácia
Revisão sistemática de estudos de acurácia
 
Diretriz para Cessacao do Tabagismo 2008
Diretriz para Cessacao do Tabagismo 2008Diretriz para Cessacao do Tabagismo 2008
Diretriz para Cessacao do Tabagismo 2008
 
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaEpidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
 
Metodologias avaliação qualidade estudos científicos
Metodologias avaliação qualidade estudos científicosMetodologias avaliação qualidade estudos científicos
Metodologias avaliação qualidade estudos científicos
 
Sistema GRADE: Avaliação da qualidade da evidência
Sistema GRADE: Avaliação da qualidade da evidênciaSistema GRADE: Avaliação da qualidade da evidência
Sistema GRADE: Avaliação da qualidade da evidência
 
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...
O ensino-e-o-aprendizado-das-habilidades-clinicas-e-competencias-medicas-kira...
 
Curso rs e ma
Curso rs e maCurso rs e ma
Curso rs e ma
 
04 construção de instrumentos de medida na área da saúde
04   construção de instrumentos de medida na área da saúde04   construção de instrumentos de medida na área da saúde
04 construção de instrumentos de medida na área da saúde
 
06 construção e validação de questionário em icc
06   construção e validação de questionário em icc06   construção e validação de questionário em icc
06 construção e validação de questionário em icc
 
Tese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiorsTese ana c. melchiors
Tese ana c. melchiors
 
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. RilvaMedicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
Medicina Baseada em Evidências - GESME - Profa. Rilva
 
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológicoAula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
 
Intrumentos utilizados no processo diagnostico
Intrumentos utilizados no processo diagnosticoIntrumentos utilizados no processo diagnostico
Intrumentos utilizados no processo diagnostico
 
Medicina baseada em evidências
Medicina baseada em evidênciasMedicina baseada em evidências
Medicina baseada em evidências
 

Semelhante a Revisão sistemática sobre estudos de evidência científica

revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdfrevisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdfJoilaneAlvesPereiraF
 
Revisão sistemática em fitoterapia: padronização internacional de qualidade
Revisão sistemática em fitoterapia: padronização internacional de qualidadeRevisão sistemática em fitoterapia: padronização internacional de qualidade
Revisão sistemática em fitoterapia: padronização internacional de qualidadeSimone Coulaud
 
TTT-PT-4-Evidence-based-medicine.pptx
TTT-PT-4-Evidence-based-medicine.pptxTTT-PT-4-Evidence-based-medicine.pptx
TTT-PT-4-Evidence-based-medicine.pptxGlaucya Markus
 
Minicurso de metologias de investigação como fazer uma revisão sistemática in...
Minicurso de metologias de investigação como fazer uma revisão sistemática in...Minicurso de metologias de investigação como fazer uma revisão sistemática in...
Minicurso de metologias de investigação como fazer uma revisão sistemática in...6szxyb29z2
 
Medicina baseada em evidencias
Medicina baseada em evidenciasMedicina baseada em evidencias
Medicina baseada em evidenciasKelly Martins
 
06 aspectos relevantes para metanálise e revisão sistemática
06  aspectos relevantes para metanálise e revisão sistemática06  aspectos relevantes para metanálise e revisão sistemática
06 aspectos relevantes para metanálise e revisão sistemáticagisa_legal
 
Métodos de síntese de conhecimento_FPS.pptx
Métodos de síntese de conhecimento_FPS.pptxMétodos de síntese de conhecimento_FPS.pptx
Métodos de síntese de conhecimento_FPS.pptxThaisAndreadeOliveir
 
Psicologia por evidencia
Psicologia por evidenciaPsicologia por evidencia
Psicologia por evidenciaGiovana Silva
 
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativaPesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativaUFES
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Nicolau Chaud
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidênciasRicardo Alexandre
 
Como escrever um artigo cientifico - a estrutura do artigo científico
Como escrever um artigo cientifico - a estrutura do artigo científicoComo escrever um artigo cientifico - a estrutura do artigo científico
Como escrever um artigo cientifico - a estrutura do artigo científicoCleberson Moura
 
Akerman 2004 aval_pol_pub
Akerman 2004 aval_pol_pubAkerman 2004 aval_pol_pub
Akerman 2004 aval_pol_pubmarcosgmaciel1
 
Apresentação__TCD_2021_FMC - Beatriz Pimenta.pptx
Apresentação__TCD_2021_FMC - Beatriz Pimenta.pptxApresentação__TCD_2021_FMC - Beatriz Pimenta.pptx
Apresentação__TCD_2021_FMC - Beatriz Pimenta.pptxBeatriz Pimenta
 
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...Maria Rosa Lopes
 
Metodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicinaMetodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicinagisa_legal
 

Semelhante a Revisão sistemática sobre estudos de evidência científica (20)

revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdfrevisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
 
Galvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdfGalvao - revisao integrativa.pdf
Galvao - revisao integrativa.pdf
 
Revisão sistemática em fitoterapia: padronização internacional de qualidade
Revisão sistemática em fitoterapia: padronização internacional de qualidadeRevisão sistemática em fitoterapia: padronização internacional de qualidade
Revisão sistemática em fitoterapia: padronização internacional de qualidade
 
TTT-PT-4-Evidence-based-medicine.pptx
TTT-PT-4-Evidence-based-medicine.pptxTTT-PT-4-Evidence-based-medicine.pptx
TTT-PT-4-Evidence-based-medicine.pptx
 
Revisão Sistemática da Literatura
Revisão Sistemática da LiteraturaRevisão Sistemática da Literatura
Revisão Sistemática da Literatura
 
Artigos de Revisão - metadados
Artigos de Revisão - metadadosArtigos de Revisão - metadados
Artigos de Revisão - metadados
 
Minicurso de metologias de investigação como fazer uma revisão sistemática in...
Minicurso de metologias de investigação como fazer uma revisão sistemática in...Minicurso de metologias de investigação como fazer uma revisão sistemática in...
Minicurso de metologias de investigação como fazer uma revisão sistemática in...
 
Medicina baseada em evidencias
Medicina baseada em evidenciasMedicina baseada em evidencias
Medicina baseada em evidencias
 
06 aspectos relevantes para metanálise e revisão sistemática
06  aspectos relevantes para metanálise e revisão sistemática06  aspectos relevantes para metanálise e revisão sistemática
06 aspectos relevantes para metanálise e revisão sistemática
 
Métodos de síntese de conhecimento_FPS.pptx
Métodos de síntese de conhecimento_FPS.pptxMétodos de síntese de conhecimento_FPS.pptx
Métodos de síntese de conhecimento_FPS.pptx
 
Metanálise
MetanáliseMetanálise
Metanálise
 
Psicologia por evidencia
Psicologia por evidenciaPsicologia por evidencia
Psicologia por evidencia
 
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativaPesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa
Pesquisa-ação: ferramenta metodológica para a pesquisa qualitativa
 
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
Metodologia - Aula 1 (A pesquisa científica)
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidências
 
Como escrever um artigo cientifico - a estrutura do artigo científico
Como escrever um artigo cientifico - a estrutura do artigo científicoComo escrever um artigo cientifico - a estrutura do artigo científico
Como escrever um artigo cientifico - a estrutura do artigo científico
 
Akerman 2004 aval_pol_pub
Akerman 2004 aval_pol_pubAkerman 2004 aval_pol_pub
Akerman 2004 aval_pol_pub
 
Apresentação__TCD_2021_FMC - Beatriz Pimenta.pptx
Apresentação__TCD_2021_FMC - Beatriz Pimenta.pptxApresentação__TCD_2021_FMC - Beatriz Pimenta.pptx
Apresentação__TCD_2021_FMC - Beatriz Pimenta.pptx
 
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
UTILIZANDO ESTUDO DE CASO(S) COMO ESTRATÉGIA DE PESQUISA QUALITATIVA: BOAS PR...
 
Metodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicinaMetodologia de pesquisa quali em medicina
Metodologia de pesquisa quali em medicina
 

Último

Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxIgrejaBblica1
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 

Último (13)

Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptxAula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
Aula Saúde da Criança e do Adolescente.pptx
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 

Revisão sistemática sobre estudos de evidência científica

  • 1. v. 11 n. 1, 2007 Estudos de revisão sistemática 83ISSN 1413-3555 Rev. bras. fisioter., São Carlos, v. 11, n. 1, p. 83-89, jan./fev. 2007 ©Revista Brasileira de Fisioterapia ESTUDOS DE REVISÃO SISTEMÁTICA: UM GUIA PARA SÍNTESE CRITERIOSA DA EVIDÊNCIA CIENTÍFICA SAMPAIO RF E MANCINI MC Departamentos de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional, Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG - Brasil Correspondência para: Rosana F. Sampaio, Rua Juvenal dos Santos, 222, apto. 602, Luxemburgo, CEP 30380-530, Belo Horizonte, MG - Brasil Recebido: 20/09/2006 - Revisado: 20/12/2006 -Aceito: 27/12/2006 RESUMO Introdução: Agregar evidências de pesquisa para guiar a prática clínica é uma das principais razões para se desenvolverem estudos que sintetizam a literatura, mas não é a única. As revisões sistemáticas são desenhadas para ser metódicas, explícitas e passíveis de reprodução. Esse tipo de estudo serve para nortear o desenvolvimento de projetos, indicando novos rumos para futuras investigações e identificando quais métodos de pesquisa foram utilizados em uma área. Métodos: Uma revisão sistemática requer uma pergunta clara, a definição de uma estratégia de busca, o estabelecimento de critérios de inclusão e exclusão dos artigos e, acima de tudo, uma análise criteriosa da qualidade da literatura selecionada. O processo de desenvolvimento desse tipo de estudo de revisão inclui caracterizar cada estudo selecionado, avaliar a qualidade deles, identificar conceitos importantes, comparar as análises estatísticas apresentadas e concluir sobre o que a literatura informa em relação a determinada intervenção, apontando ainda problemas/questões que necessitam de novos estudos. Um trabalho de revisão sistemática segue a estrutura de um artigo original. Conclusão: Boas revisões sistemáticas são recursos importantes ante o crescimento acelerado da informação científica. Esses estudos ajudam a sintetizar a evidência disponível na literatura sobre uma intervenção, podendo auxiliar profissionais clínicos e pesquisadores no seu cotidiano de trabalho. Palavras-chave: revisão sistemática, ECA, síntese da literatura. ABSTRACT Systematic review studies: a guide for careful synthesis of the scientific evidence Introduction: Aggregation of research evidence to guide clinical practice is one of the main reasons for conducting studies that provide a synthesis of the literature, but it is not the only reason. Systematic reviews are designed to be methodical, explicit and replicable. Such studies may help to guide project development, by indicating new directions for further investigations and identifying which research methods have been used within a given area. Methods: Systematic reviews require straightforward questions, search strategy definition, establishment of study inclusion and exclusion criteria and careful analysis of the selected literature. The development process for reviews of this type includes characterization of each selected study, evaluation of their quality, identification of important concepts, comparison of statistical analyses used and conclusions regarding what the literature tells us about a specific intervention. Such reviews also suggest problems/questions that need further investigation. Systematic review studies follow the structure of original articles. Conclusion: Good systematic reviews are important resources, in the light of the accelerated growth of scientific information. These studies help in producing syntheses of the evidence available in the literature on specific interventions, and may help clinicians and researchers in their work process. Key words: systematic review, RCT, synthesis of the literature.
  • 2. 84 Sampaio RF e Mancini MC Rev. bras. fisioter. INTRODUÇÃO A demanda por qualidade máxima do cuidado em saúde, combinada com a necessidade de uso racional de recursos tanto público quanto privado, tem contribuído para aumentar a pressão sobre os profissionais da área no sentido de assegurar a implementação de uma prática baseada em evidências científicas. A expressão “medicina baseada em evidência” surgiu na década de 1980 para descrever a aprendizagem baseada em problemas, usada pela MacMaster University Medicine School1 . Prática baseada em evidência (PBE) e cuidado em saúde baseado em evidência compreendem os mesmos conceitos e princípios da medicina baseada em evidência, sendo empregados por diferentes profissionais e em diversos contextos de saúde1 . PBE tem sido definida como o uso consciente, explícito e criterioso da melhor e mais atual evidência de pesquisa na tomada de decisões clínicas sobre o cuidado de pacientes2 . A PBE tem-se sustentado em um tripé que leva em conta a síntese da melhor evidência externa ou de pesquisa, a experiência do profissional e os valores e preferências do paciente, isto é, centrada no paciente e na família. Pesquisas desenvolvidas de forma criteriosa fornecem certezas para auxiliar na tomada de decisão clínica, mas nunca substituem o raciocínio e a experiência do profissional para decidir qual intervenção é efetiva ou não para um paciente específico3 . O processo de PBE é semelhante em todas as profissões da saúde, mas existem especificidades relacionadas com os diferentes domínios da prática e com os modelos teóricos adotados por determinado grupo de profissionais, como nas profissões que compõem a área da reabilitação1 . Questões clínicas são identificadas com base na necessidade de informação para a tomada de decisão, respeitando-se pacientes ou grupos de pacientes que estão em tratamento, assim como o contexto em que esse está sendo oferecido. A busca por resposta na literatura científica é feita pela procura da melhor evidência disponível. Nem todos os estudos são bem desenvolvidos; dessa forma, se faz necessária uma avaliação cuidadosa da sua validade e da aplicabilidade clínica dos resultados. A PBE envolve a superação de alguns desafios, a saber: como se manter atualizado diante da crescente disponibilidade de informações na área da saúde? Quais as melhores fontes de informação? Como avaliar criticamente a informação encontrada? Como integrar as evidências selecionadas e a experiência clínica diante das necessidades apresentadas pelos pacientes? A análise de evidências de pesquisa exige dos profissionais novos conhecimentos e habilidades para capacitá- -los a ter autonomia na avaliação crítica das informações científicas que serão utilizadas para diminuir as incertezas das decisões tomadas na clínica4 . É consenso que os ensaios clínicos aleatórios (ECA) são os estudos mais adequados para fornecer evidências sobre os efeitos de uma intervenção. No entanto, os resultados de apenas um desses estudos não são suficientes para esclarecer sobre determinada questão de pesquisa ou pergunta clínica. As conclusões são mais robustas quando diferentes estudos investigam os efeitos de uma intervenção e fornecem dados que suportam as mesmas conclusões. Nesse sentido, revisões sistemáticas e metanálise são os métodos mais adequados e atuais para resumir e sintetizar evidências sobre a eficácia e os efeitos de intervenções5 . Métodos sistemáticos são usados para evitar viés e possibilitar uma análise mais objetiva dos resultados, facilitando uma síntese conclusiva sobre determinada intervenção. O presente artigo tem como objetivo definir e descrever as etapas envolvidas no desenvolvimento de uma revisão sistemática da literatura. O que é uma revisão sistemática? Uma revisão sistemática, assim como outros tipos de estudo de revisão, é uma forma de pesquisa que utiliza como fonte de dados a literatura sobre determinado tema. Esse tipo de investigação disponibiliza um resumo das evidências relacionadas a uma estratégia de intervenção específica, mediante a aplicação de métodos explícitos e sistematizados de busca, apreciação crítica e síntese da informação selecionada. As revisões sistemáticas são particularmente úteis para integrar as informações de um conjunto de estudos realizados separadamente sobre determinada terapêutica/ intervenção, que podem apresentar resultados conflitantes e/ou coincidentes, bem como identificar temas que necessitam de evidência, auxiliando na orientação para investigações futuras5 . Ao viabilizarem, de forma clara e explícita, um resumo de todos os estudos sobre determinada intervenção, as revisões sistemáticas nos permitem incorporar um espectro maior de resultados relevantes, ao invés de limitar as nossas conclusões à leitura de somente alguns artigos. Outras vantagens incluem a possibilidade de avaliação da consistência e generalização dos resultados entre populações ou grupos clínicos, bem como especificidades e variações de protocolos de tratamento6 . É importante destacar que esse é um tipo de estudo retrospectivo e secundário, isto é, a revisão é usualmente desenhada e conduzida após a publicação de muitos estudos experimentais sobre um tema. Dessa forma, uma revisão sistemática depende da qualidade da fonte primária. Existe inconsistência na terminologia usada para se descrever revisões sistemáticas, considerando que algumas incluem uma síntese estatística dos resultados dos estudos e outras não. Autores apontam que revisões sistemáticas com metanálise são diferentes de outras revisões por seu compo- nente metanalítico6 . Metanálise é a análise da análise, ou seja, é um estudo de revisão da literatura em que os resultados de vários estudos independentes são combinados e sintetizados por meio de procedimentos estatísticos, de modo a produzir uma única estimativa ou índice que caracterize o efeito de (uma) determinada intervenção7 . Em estudos de metanálise, ao se combinar amostras de vários estudos, aumenta-se a
  • 3. v. 11 n. 1, 2007 Estudos de revisão sistemática 85 amostra total, melhorando o poder estatístico da análise, assim como a precisão da estimativa do efeito do tratamento6 . Atualmente, ainda são poucas as revisões sistemáticas com metanálise disponíveis na Fisioterapia e na Terapia Ocupacional bem como em outras áreas da saúde. Segundo Magee, as razões que dificultam a realização desse tipo de estudo incluem a utilização de diferentes protocolos de pesquisa (e.g., seleção, intervenção, mensuração dos efeitos) e variações na qualidade metodológica (e.g., que pode ser classificada como forte, moderada ou fraca)8 . O presente artigo terá como foco estudos de revisão sistemática sem metanálise. A posição ocupada pela revisão sistemática na hierarquia da evidência ilustra a sua importância para a clínica e a pesquisa. Nessa hierarquia, quando procuramos por evidência sobre a eficácia de intervenção ou tratamento, estudos de revisão sistemática com metanálise ou sem ela, que incluem ECA e estudos experimentais, tendem geralmente a disponibilizar evidência mais forte, ou seja, são estudos mais adequados para responder a perguntas sobre a eficácia de uma intervenção9,10 . Essa hierarquia norteia os critérios de classificação de níveis de evidência para diferentes tipos de estudo (prognóstico, diagnóstico, terapêutico, estudos de prevalência e de análise econômica)* . Antes de se iniciar uma revisão sistemática, três etapas precisam ser consideradas, quais sejam: definir o objetivo da revisão, identificar a literatura e selecionar os estudos possíveis de serem incluídos. Essas etapas preliminares são importantes, uma vez que auxiliam os pesquisadores a adequar a pergunta norteadora da revisão com base na informação disponível sobre o tema de interesse11 . Cabe destacar que uma revisão sistemática segue a estrutura de um artigo original, incluindo seções de introdução, métodos, resultados e discussão. DESCRIÇÃO E ELABORAÇÃO DE UMA REVISÃO SISTEMÁTICA A seguir será feita uma descrição das etapas que constituem o processo de elaboração de um estudo de revisão sistemática. Em cada passo, uma ilustração do conteúdo específico será apresentada, tomando como exemplos informações publicadas em uma revisão sistemática sobre a eficácia de programas de treinamento de força muscular para indivíduos com paralisia cerebral12 . A realização de uma revisão sistemática envolve o trabalho de pelo menos dois pesquisadores, que avaliarão, de forma independente, a qualidade metodológica de cada artigo selecionado. É importante que os pesquisadores elaborem um protocolo de pesquisa que inclua os seguintes itens: como os estudos serão encontrados, critérios de inclusão e exclusão dos artigos, definição dos desfechos de interesse, verificação da acurácia dos resultados, determinação da qualidade dos estudos e análise da estatística utilizada8 . Passo 1: Definindo a pergunta Assim como qualquer outra investigação científica, uma boa revisão sistemática requer uma pergunta ou questão bem formulada e clara. Ela deve conter a descrição da doença ou condição de interesse, a população, o contexto, a intervenção e o desfecho. Figura 1. Hierarquia da evidência: investigações com localização superior na hierarquia indicam maior força da evidência† . * Para definição dos níveis de evidência, ver <http://www.cebm.net/levels_of_evidence.asp#/levels>; † Figura adaptada de Evans (2003); Akonbeng(2005b). Revisão Sistemática de ECA com Metanálise ou sem ela Ensaio Clínico Aleatório (ECA) Estudo Coorte Estudo Caso-Controle Estudos Descritivos Experimental de Caso Único, Série de Casos Opinião de Experts, Relato de Caso Estudos Quase-experimentais “O objetivo desta revisão foi determinar se o fortalecimento muscular produz desfechos benéficos para indivíduos com paralisia cerebral (PC)” 12 . Passo 2: Buscando a evidência Os pesquisadores devem se certificar de que todos os artigos importantes ou que possam ter algum impacto na conclusão da revisão sejam incluídos. A busca da evidência tem início com a definição de termos ou palavras-chave, seguida das estratégias de busca, definição das bases de dados e de outras fontes de informação a serem pesquisadas. Para mais detalhes, consultar www.bireme.br e Oxman13 . A busca em base de dados eletrônica e em outras fontes é uma habilidade importante no processo de realização de uma revisão sistemática, considerando que sondagens eficientes maximizam a possibilidade de se encontrarem artigos relevantes em um tempo reduzido6,13 . Uma procura eficaz envolve não só uma estratégia que inclua termos adequados, mas também a escolha de base de dados que insiram mais especificamente o tema (e.g., biblioteca Cochrane, MEDLINE, EMBASE, CINAHL, SciELO, entre outras). Orientações de estratégias
  • 4. 86 Sampaio RF e Mancini MC Rev. bras. fisioter. que aumentam a sensibilidade e especificidade das buscas foram descritas por Sackett et al.2 . Definir a pergunta científica, especificando população e intervenção de interesse Estabelecer critérios para a seleção dos artigos a partir da busca Identificar as bases de dados a serem consultadas; definir palavras-chave e estratégias de busca Conduzir busca nas bases de dados escolhidas e com base na(s) estratégia(s) definida(s) (pelo menos dois examinadores independentes) Comparar as buscas dos examinadores e definir a seleção inicial de artigos Aplicar os critérios na seleção dos artigos e justificar possíveis exclusões Analisar criticamente e avaliar todos os estudos incluídos na revisão Preparar um resumo crítico, sintetizando as informações disponibilizadas pelos artigos que foram incluídos na revisão Apresentar uma conclusão, informando a evidência sobre os efeitos da intervenção Figura 2. Descrição geral sobre o processo de revisão sistemática da literatura‡ . “Bases de dados eletrônicas (MEDLINE, PubMed, EMBASE, CINAHL, Sports Discus, DARE, PsychInfo, ERIC, AusportMed, AMI, Cochrane, PEDro) foram consultadas retrospectivamente até o ano de 1966, usando as seguintes palavras-chave: paralisia cerebral (cerebral palsy) combinada com exercício (exercise), força (strength) e treinamento físico (physical training). A busca se limitou aos artigos escritos em inglês”12 . Passo 3: Revisando e selecionando os estudos Durante a seleção dos estudos, a avaliação dos títulos e dos resumos (abstracts) identificados na busca inicial deve ser feita por pelo menos dois pesquisadores, de forma independente e cegada, obedecendo rigorosamente aos critérios de inclusão e exclusão definidos no protocolo de pesquisa. Quando o título e o resumo não são esclarecedores, deve-se buscar o artigo na íntegra, para não correr o risco de deixar estudos importantes fora da revisão sistemática. Os critérios de inclusão e exclusão são definidos com base na pergunta que norteia a revisão: tempo de busca apropriado (e.g. 5 anos), população-alvo (e.g. adulto, criança, atleta), intervenções, mensuração dos desfechos de interesse, critério metodológico, idioma, tipo de estudo, entre outros. As discordâncias que por ventura ocorram devem ser resolvidas por consenso14 . No Anexo 2 encontram-se algumas regras que podem auxiliar na seleção inicial dos artigos. “[..]. artigos identificados pela estratégia de busca inicial foram avaliados independentemente por dois autores, conforme os seguintes critérios de inclusão: (1) população (adultos ou crianças), (2) intervenção (treinamento de força ou programa de exercício de resistência progressiva), (3) desfecho (medida de mudança na força, atividade, ou participação)”12 . ‡ Adaptado de Domholdt (2005), Law & Philp (2002) e Magee (1998).
  • 5. v. 11 n. 1, 2007 Estudos de revisão sistemática 87 Passo 4: Analisando a qualidade metodológica dos estudos A qualidade de uma revisão sistemática depende da validade dos estudos incluídos nela. Nesta fase é importante que os pesquisadores considerem todas as possíveis fontes de erro (bias), que podem comprometer a relevância do estudo em análise. Um conhecimento aprofundado de métodos de investigação e de análise estatística, bem como das medidas ou dos instrumentos de mensuração empregados, é requisito indispensável para que os pesquisadores possam desempenhar a sua tarefa. Existem diferentes escalas que auxiliam na avaliação dos estudos, tais como lista de Delphi, PEDro, OTSeeker, critérios de Maastricht, escala de Jadad, entre outras. Atualmente, a mais usada na área da reabilitação é a escala PEDro (PEDro scale, http://www.pedro.fhs.usyd.edu.au). Essa escala foi desenvolvida pela Physiotherapy Evidence Database para ser empregada em estudos experimentais e tem uma pontuação total de até 10 pontos, incluindo critérios de avaliação de validade interna e apresentação da análise estatística empregada. Para cada critério definido na escala, um ponto (1) é atribuído à presença de indicadores da qualidade da evidência apresentada, e zero ponto (0) é atribuído à ausência desses indicadores. A escala PEDro é composta pelos seguintes critérios: 1) especificação dos critérios de inclusão (item não pontuado); 2) alocação aleatória; 3) sigilo na alocação; 4) similaridade dos grupos na fase inicial ou basal; 5) mascaramento dos sujeitos; 6) mascaramento do terapeuta; 7) mascaramento do avaliador; 8) medida de pelo menos um desfecho primário em 85% dos sujeitos alocados; 9) análise da intenção de tratar; 10) comparação entre grupos de pelo menos um desfecho primário e 11) relato de medidas de variabilidade e estimativa dos parâmetros de pelo menos uma variável primária15,16 . Depois de a escala ter sido usada de forma independente pelos pesquisadores, cabe analisar a concordância entre eles. Nessa análise pode ser empregado, por exemplo, o índice Kappa (K). Considerando que a escala PEDro apresenta níveis moderados de confiabilidade entre avaliadores (ICC= 0,68; IC 95% = 0,57-0,76), discordâncias entre os pesquisadores podem ser resolvidas por discussão e consenso, quando possível16 . “Os estudos que cumpriram os critérios de inclusão foram avaliados quanto à qualidade metodológica com a escala PEDro, baseada na lista Delphi, descrita por Verhagen et al. [...] estudos com baixa qualidade metodológica (escore PEDro menor que 3) foram excluídos. Foram excluídos também artigos que apresentavam informações repetidas ou disponíveis em outros artigos”12 . Passo 5: Apresentando os resultados Os artigos incluídos na revisão sistemática podem ser apresentados em um quadro que destaca suas características principais, como: autores, ano de publicação, desenho metodológico, número de sujeitos (N), grupos de comparação, caracterização do protocolo de intervenção (tempo, intensidade, freqüência de sessões, etc.), variáveis dependentes e principais resultados. O Anexo 1 ilustra um exemplo de apresentação de parte dos resultados de uma revisão sistemática12 . A seção de métodos é especialmente importante e necessita ser bem detalhada (e.g. estratégias de busca, como os estudos foram selecionados para inclusão na revisão sistemática, entre outros) e passível de reprodução. Infor- mações sobre a confiabilidade entre examinadores na avaliação da qualidade da evidência precisam ser apresentadas assim como os critérios usados para resolver as discordâncias entre eles. Segundo Law et al.7 , muitos autores de revisões sistemáticas tendem a comunicar somente os resultados positivos de ensaios clínicos, ou seja, os resultados de intervenções que produziram efeito. É importante apresentar também os resultados negativos dos estudos, já que os profissionais que estão na clínica necessitam dessa informação para mudar a sua prática. Publicar nas revisões sistemáticas os aspectos positivos e negativos das intervenções/tratamento só aumentará o conhecimento a respeito da sua eficácia e da sua limitação. COMENTÁRIOS FINAIS Conhecer o processo de desenvolvimento de uma revisão sistemática pode auxiliar o leitor a compreender esse tipo de estudo. No entanto, o leitor tem de se preparar ainda para avaliar a qualidade da revisão sistemática17,18 e para selecionar o que interessa entre diferentes revisões sobre o mesmo tema19 . É importante considerar como as conclusões desse tipo de estudo podem ser aplicadas na prática clínica, levando-se em conta o paciente e o contexto em que essa será implementada. A publicação de estudos de revisão sistemática, bem como de outros que sintetizam resultados de pesquisa, é um passo para a prática baseada em evidência. Mas, para que isso ocorra de fato, torna-se necessária uma mudança de comportamento por parte dos profissionais da saúde. Essa mudança implica não só consumir a literatura disponibilizada, mas também levar essa informação para a prática clínica cotidiana. O objetivo final desse processo é melhorar a qualidade dos cuidados oferecidos pelos profissionais da saúde. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Bennett S, Bennett JW. The process of evidence-based practice in occupational therapy: informing clinical decisions. Austral Occup Ther J. 2000;47:171-80. 2. Sackett DL, Straus SE, Richardson WS, Rosenberg W, Haynes RB. Evidence-Based Medicine: how to practice and teach EBM. 2ª ed. London: Churchill Livingstone; 2000. 3. Law M, Baum C. Evidence-based practice. Can J Occup Ther. 1998;65:131-5.
  • 6. 88 Sampaio RF e Mancini MC Rev. bras. fisioter. 4. Sampaio RF, Mancini MC, Fonseca ST. Prática baseada em evidência: buscando informação para fundamentar a prática clínica do fisioterapeuta e do terapeuta ocupacional. Rev. Bras. Fisioter. 2002;6(3):113-8. 5. Linde K, Willich SN. How objective are systematic reviews? Differences between reviews on complementary medicine. J R Soc Med. 2003;96:17-22. 6. Akobeng AK. Understanding systematic reviews and meta- -analysis. Arch Dis Child. 2005;90:845-8. 7. Law M, Philp I. Systematically reviewing the evidence. In: Law M. Evidence-based rehabilitation: a guide to practice. Thorofare (NJ): SLACK Inc; 2002. 8. Magee DJ. Systematic reviews (meta-analysis) and functional outcome measures (apostila). Developmental Editor: B. Aindow, 1998. 9. Akobeng AK. Understanding randomized controlled trials. Arch Dis Child. 2005;90:840-4. 10. Evans D. Hierarchy of evidence: a framework for ranking evi- dence evaluating healthcare interventions. J Clin Nurs. 2003; 12:77-84. 11. Domholdt E. Rehabilitation research: principles and applica- tions. Missouri: Elsevier Saunders; 2005. 12. Dodd KJ, Taylor NF, Damiano DL. A systematic review of the effectiveness of strength-training programs for people with cerebral palsy. Arch Phys Med Rehabil. 2002;83:1157-64. 13. Oxman AD, Sackett DL, Guyatt GH. Users’ guide to the me- dical literature I: how to get started. JAMA. 1993;270:2093-5. 14. Jadad AR, Moher M, Browman GP, Booker L, Sigouin C, Fuentes M, et al. BMJ. 2000;320:537-40. 15. Chagas PSC, Mancini MC, Barbosa AP, Silva PTG. Análise das intervenções utilizadas para a promoção da marcha em crianças portadoras de paralisia cerebral: uma revisão sistemática da literatura. Rev. Bras. Fisioter. 2004;8(2):155-63. 16. Maher CG, Sherrington C, Herbert RD, Moseley AM, Elkins M. Reliability of the PEDro scale for rating quality of randomized controlled trials. Phys. Ther. 2003;83:713-21. 17. Oxman AD, Cook DJ, Guyatt GH. Evidence-based medicine working group. User´s guide to the medical literature: IV. How to use an overview. JAMA [periódico na Internet]. 1994; 272:1367-71. Disponível em: URL: <http://www.cche.net/ principles/content_all.asp>. 18. Greenhalgh T. How to read a paper: papers that summarise other papers (systematic reviews and meta-analyses). BMJ, 1997;315:672-675. Disponível em: URL: <http://www.bmj.com/ collections/red.shtml>. 19. Jadad AR, Cook DJ, Browman GP. A guide to interpreting discordant systematic reviews. Can Med Assoc J. 1997;156:1411-6.
  • 7. v. 11 n. 1, 2007 Estudos de revisão sistemática 89 § AdaptadodeMagee(1998). ANEXO2 Orientaçõesparaselecionarartigosquepodemfornecerresultadosválidos§ . ANEXO1 Exemplodeapresentaçãodepartedosresultadosdeumarevisãosistemática. EstudoEscore PEDro IdadeTipoPCGravidadeAmostraGrupo muscular ProgramaResistênciaDesfechos Damiano&Abel56-12anosD&h espástica Deambulação:seis precisavamdeauxílio paramarcha 11Membros inferiores Peso-livre;quatrosériesde cincorepetições;trêsvezes porsemanaporseis semanas 65%daforça isotônica máxima EscoredoGMFM; velocidadedamarcha; cadência... Terapia•Aalocaçãodosparticipantesparao(s)tratamento(s)foialeatória? •Todososparticipantesqueentraramnoestudoforamadequadamenteavaliados? Diagnóstico•Houveumacomparaçãomascaradaeindependente,comumpadrãodereferência? •Aamostraincluiuumgrupoadequadodeparticipantesparaosquaisotestediagnósticopoderáseraplicadonapráticaclínica? Dano•Houvegrupo(s)decomparaçãosemelhante(s)emrelaçãoaoutrosfatoresdeterminantesdodesfecho,alémdodesfechodeinteresse? •Osdesfechoseexposiçõesforammensuradosdamesmaformanosgruposqueforamcomparados? Prognóstico•Aamostrafoirepresentativaecomcaracterísticasbemdefinidasemmomentosemelhantenoprocessodadoençaoucondiçãodesaúde? •Operíododeacompanhamentofoisuficienteecompletadoadequadamente?