Aula 02

203 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
203
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 02

  1. 1. Sistemas Operacionais Funcionamento Básico Usuários Sistema Operacional Hardware
  2. 2. Sistemas Operacionais Funcionamento Básico Em situações normais, sem um sistema operacional um usuário não consegue utilizar o computador. Em alguns casos, computadores possuem instruções gravadas nos processadores que permitem realizar funções básicas.
  3. 3. Sistemas Operacionais Funcionamento Básico Em alguns dos primeiros computadores, além de instruções básicas gravadas no hardware, vinha uma versão da linguagem de programação Basic, permitindo elaborar pequenos programas.
  4. 4. Sistemas Operacionais Funcionamento Básico  Na verdade, todo o software atuaria como um minisistema operacional mas isso poderia trazer problemas de organização do espaço e dos arquivos nos disquetes e discos rígidos.  Um programa poderia não respeitar arquivos gravados por outros programas e haver sobreposição de arquivos ou eliminação.
  5. 5. Sistemas Operacionais Funcionamento Básico  Para um programa acessar diretamente o hardware teria suas próprias funções o que o tornaria maior e mais complexo.  A utilização de um SO simplifica o funcionamento de um programa e por consequência, sua utilização e desenvolvimento.
  6. 6. Sistemas Operacionais Funcionamento Básico  Um Sistema Operacional funciona como um grande administrador do hardware, indicando como os arquivos devem ser gravados num disco rígido, por exemplo.
  7. 7. Interpretador de comandos e Interface gráficas  Para que um usuário possa efetuar suas tarefas no micro e nos dispositivos de armazenamento de dados é necessário que, além do SO, exista um programa chamado interpretador de comandos ou shell.  Usuários acostumados com o MS-DOS: o interpretador de comandos é o Command.com
  8. 8. Interpretador de comandos e Interface gráficas  Os interpretadores de comandos recebem instruções pelo teclado e isso torna o uso de computadores mais difícil, pois o usuário tem que usar inúmeros comandos e instruções.  Existe uma outra possibilidade que permite clicar em figuras que simbolizam funções, comandos ou programas específicos. Esta ação é permitida pelas interfaces gráficas.
  9. 9. Interpretador de comandos e Interface gráficas  Com as interfaces gráficas, não precisamos decorar extensas listas de funções e a operação atinge até um caráter lúdico e intuitivo.  As interfaces gráficas adotam conceitos de pastas, bloco de notas, agendas entre outras.
  10. 10. Interpretador de comandos e Interface gráficas Para interagir diretamente com o SO é necessário utilizar um interpretador de comandos ou uma interface gráfica.
  11. 11. Interagindo com o Sistema Operacional  Outra forma para que o usuário interaja com o SO é através dos Softwares.  Requisitando serviços disponibilizados pelo sistema operacional através de software:  A abertura de um arquivo  Envio de material para impressão  Solicitação de apresentação de informações no vídeo
  12. 12. Interagindo com o Sistema Operacional  De maneira restrita e para funções específicas utilizamos software ao invés do interpretador de comandos. Camada intermediária entre o SO e o usuário
  13. 13. Interagindo com o Sistema Operacional
  14. 14. Multitarefa e suas variações  A característica que diferencia os sistemas operacionais é a capacidade de execução de diversos programas ao mesmo tempo  Alguns sistemas permitem que apenas um programa seja executado de cada vez  Os sistemas que permitem a execução de mais de um programa ao mesmo tempo é chamado de multitarefa
  15. 15. Multitarefa O que ocorre em sistemas multitarefa:  Procedimentos concorrem quanto à utilização da capacidade de processamento do hardware  É necessário definir e gerenciar a prioridade da cada programa quanto ao uso dos recursos
  16. 16. Classificação dos sistemas  Classificação dos Sistemas quanto à capacidade de execução de uma ou mais tarefas simultaneamente  Monotarefa (não possui subdivisao) Ex: MS-DOS  Multitarefa (cooperativa ou preemptiva) Ex: Unix, Windows, Linux, OS/400
  17. 17. Classificação dos sistemas  Multitarefa  Cooperativa O SO define para cada programa uma parcela do tempo em que ele terá a atenção do sistema operacional e do hardware. Obs: todos os programas contam com a mesma quantidade de tempo que tem dedicação exclusiva do SO e do hardware e se um programa travar, o sistema não pode alternar para outros aplicativos causando uma falha geral do sistema. O Windows até a versão 3.1 trabalhava assim.
  18. 18. Classificação dos sistemas  Multitarefa  Preemptiva O sistema define prioridades conforme a necessidade momentânea de cada programa. Obs: Gerenciamento mais eficiente do hardware disponível e ao estabelecer prioridades em função das necessidades de cada programa, os recursos são otimizados. Quando um programa trava, o SO o bloqueia evitando que outros programas sejam afetados.
  19. 19. Classificação dos sistemas  Quanto à capacidade de executar simultaneamente diversos programas ou tarefas solicitadas por diferentes usuários:  monousuário Em rede, pode fornecer programas para vários usuários atuando como servidor entretanto os programas serão executados no equipamentos dos clientes e não na máquina servidora.
  20. 20. Classificação dos sistemas  Quanto à capacidade de executar simultaneamente diversos programas ou tarefas solicitadas por diferentes usuários:  multiusuário O sistema atende a diversos clientes e apresenta a possibilidade de executar os programas no próprio servidor em vez de efetuar nas estações dos clientes.
  21. 21. Processo de Boot Visão geral  Antes de ligar o micro: Coleção de placas de metal, plástico, linhas metálicas e pedacinhos de silício  Pressionado o Botão Ligar: Um conjunto de eventos traz vida à algo que parecia estar morto; O PC verifica quais partes estão instaladas e funcionando.
  22. 22. Processo de Boot Visão geral  O PC recém acordado adquire inteligência através de educação baseada em softwares.  Nem todos os micros têm que renascer cada vez que são ligados e alguns exemplos são:  Calculadoras  Ignição eletrônica de um carro  Temporizador de microondas (computadores programados para realizar uma só tarefa)
  23. 23. Processo de Boot Visão geral Cada vez que você liga seu PC, ele é capaz de fazer qualquer coisa que sua criatividade mandar. Outros instrumentos...

×